Você está na página 1de 1

Romance Regionalista

Jonathan Silva D-se o nome de "romance regionalista" ou "romance de 30" a um conjunto de obras de fico escritas no Brasil a partir de 1928, ano de publicao de A bagaceira, de Jos Amrico de Almeida. Frequentemente esses rtulos so associados ao romance nordestino, especialmente s obras de Jos Lins do Rego, Graciliano Ramos e Jorge Amado. O romance regionalista veio mostrar as contradies e conflitos de um Brasil que se queria moderno, urbano e industrializado, mas guardava tambm traos arcaicos em sua diversidade regional. O Brasil no era composto apenas de seus estados mais desenvolvidos ou de seus modernos centros urbanos em expanso. Havia tambm o campo, dominado por uma sociedade patriarcal em decadncia, e, nas cidades, havia o homem comum, enfrentando problemas sociais. Assim como os autores da literatura proletria, os autores regionalistas tinham uma preocupao sociolgica e documental, distinguindo-se dos modernistas com seu experimentalismo esttico. A temtica agrria aparece no romance regionalista em obras que retratam o problema da seca, como O Quinze (1930), de Raquel de Queirs, e Vidas secas (1938), de Graciliano Ramos, ou a decadncia dos engenhos de acar, como Menino de engenho (1932), Bang (1934) e Usina (1936), de Jos Lins do Rego. Mas a temtica urbana tambm trabalhada nas obras de Jorge Amado, que contam histrias de Salvador, ou de rico Verssimo, como Clarissa (1933) e Caminhos cruzados (1935). Diferentemente de outros tipos de Romance, nos Romances Regionalistas o homem recebe destaque enquanto a mulher tem papel secundrio, o gacho, o sertanejo. Os personagens so retratados de forma genrica, como retrato do povo que pertence. Eles eram publicados primeiramente em folhetins nos jornais e se fizessem sucesso eram organizados em um livro. Podemos observar que tanto nos Romances Indianistas quanto nos Romances Regionais a natureza tem grande importncia e relao com os personagens do romance. Sociais (Determinadas regies do Brasil); Personagens; Caractersticas de cada regio; Linguajar tpico.