P. 1
Roteiro - A Pata Do Macaco

Roteiro - A Pata Do Macaco

|Views: 675|Likes:
Publicado porThiago Bazzi
Roteiro adaptado do conto "A Pata do Macaco" de W. W. Jacobs. Parte integrante do trabalho de monografia "ADAPTAÇÃO DO CONTO “A PATA DO MACACO” PARA OBRA AUDIOVISUAL: VÍDEO, MAKING OF E CAMPANHA PUBLICITÁRIA", para obtenção do título de bacharelado em Comunicação Social. Orientador: Joubert Lobato Evangelista. Banca examinadora: Ms. Moacir Francisco Sant'anna, Ms. Aclyse de Mattos e Joubert Evangelista. Discentes: Junior SIlgueiro, Thaysa Teófilo e Thiago Bazzi.
Nota obtida: 10
Link para a monografia: http://www.scribd.com/doc/23304195
Links para o vídeo:
Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=H4bV-N3yutg
Parte 2: http://www.youtube.com/watch?v=OtAmbZJX-sQ
Roteiro adaptado do conto "A Pata do Macaco" de W. W. Jacobs. Parte integrante do trabalho de monografia "ADAPTAÇÃO DO CONTO “A PATA DO MACACO” PARA OBRA AUDIOVISUAL: VÍDEO, MAKING OF E CAMPANHA PUBLICITÁRIA", para obtenção do título de bacharelado em Comunicação Social. Orientador: Joubert Lobato Evangelista. Banca examinadora: Ms. Moacir Francisco Sant'anna, Ms. Aclyse de Mattos e Joubert Evangelista. Discentes: Junior SIlgueiro, Thaysa Teófilo e Thiago Bazzi.
Nota obtida: 10
Link para a monografia: http://www.scribd.com/doc/23304195
Links para o vídeo:
Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=H4bV-N3yutg
Parte 2: http://www.youtube.com/watch?v=OtAmbZJX-sQ

More info:

Published by: Thiago Bazzi on Nov 29, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/17/2013

pdf

text

original

A PATA DO MACACO Um roteiro de THAYSA TEÓFILO, THIAGO BAZZI E JUNIOR SILGUEIRO

Adaptado da obra homônima de W. W. Jacobs

Copyright 2007 by Cavalo de Trolha Pictures®. Todos os direitos reservados.

Endereço - Rua Comandante Costa, n.1831 (65) 8416-3646

CENA 1 - EXT.CEMITÉRIO.DIA ALFREDO E MADALENA PEREIRA deixam uma flor em um túmulo. Alfredo permanece de pé enquanto Madalena faz uma oração. Ao longe, SGT BRANDÃO observa o casal com expressão de culpa enquanto fuma um cigarro. (take 1 - câmera em plano aberto. Vê-se a figura do Sgt. ao longe. take 2 - câmera atrás do Sgt. pessoas longe. 1º foco nele, depois foco nas pessoas seguido de pan PG) CENA 2 - EXT.CASA - VARANDA.NOITE ALFREDO sentado na varanda, cinzeiro cheio, copo de babida por terminar, introspectivo, olhar vago. Alterna cena com flashbacks de momentos felizes com o filho (partidas de xadrez, família em oração, momentos e olhares de cumplicidade). CENA 3 - INT.CASA - QUARTO.NOITE Durante mais uma noite de insônia o casal revira na cama. Madalena se levanta, caminha perdida pelo quarto, encosta na janela, olhar vago, de repente tem um estalo e diz ao marido. MADALENA (firme) Pede ele de volta! Alfredo olha assustado, incrédulo para Madalena. ALFREDO Você não tem idéia do que está me pedindo! CENA 4 - INT.CARRO.NOITE Sgt. Brandão dirige por estrada de terra. CENA 5 - EXT.CASA - VARANDA.NOITE Alfredo e Helberth jogam uma partida de xadrez onde nitidamente o filho leva vantagem. HELBERTH Xeque!

2.

ALFREDO (Indiferente, move uma peça qualquer) Mas também, de todos os lugares possíveis e existentes para se morar a gente escolheu o mais longe. Madalena dá um leve sorriso para Helberth. HELBERTH (sorrindo) Mate! Alfredo balança a cabeça negativamente. Sgt. Brandão chega de carro e o estaciona no quintal. Helberth fecha o portão e Alfredo adianta-se para recepcionar o Sgt. Brandão e acomodá-lo. CENA 6 - EXT.CASA - VARANDA.NOITE MOMENTOS DEPOIS Alfredo e Sgt. Brandão tomam whisky e conversam. Madalena e Helberth servem a mesa de jantar. ALFREDO Sargento Brandão... Ainda ontem era o Leonardo, brincando no armazém. SGT. BRANDÃO É, sêo Alfredo... o tempo voa... Fui para o exército e viajei peo mundo depois disso. ALFREDO Deve ter visto muita coisa por aí, né? SGT. BRANDÃO (rindo) Até mais que eu gostaria... MADALENA O jantar está na mesa, vamos comer? Durante o jantar o Sgt. Brandão conta sobre suas aventuras na Índia. HELBERTH Meu pai comentou que você foi para a Índia, sargento... Como é lá?

3.

SGT. BRANDÃO É. A Índia é um lugar muito bonito, com uma cultura fantástica. MADALENA Dizem que a religiosidade é muito forte por lá... SGT. BRANDÃO É mesmo. A maioria da população é hinduísta e eles endeusam a vaca como um animal sagrado... É um lugar muito interessante mesmo... FUSÃO PARA Todos conversam sentados na varanda após o jantar. Sgt. Brandão acende um cigarro. ALFREDO Outro dia você comentou algo sobre uma tal... pata de macaco, sargento... SGT. BRANDÃO (interrompendo) Acho melhor mudarmos o rumo dessa conversa. Prefiro não falar sobre isso. ALFREDO Tudo bem, tudo bem... (toma um trago) mas... tinha algo a ver com magia, não tinha? SGT. BRANDÃO (com ironia) Não vou conseguir desconversar né? (toma um trago) Aparentemente é só uma patinha... comum... ressecada. ALFREDO E o que tem de especial nela? SGT. BRANDÃO (remexe os bolsos enquanto conversa) Foi encantada por um homem muito santo... um faquir indiano que queria provar que quem rege a vida das pessoas é o destino e ninguém tem o direito de interferir. Disse que ela passaria por três homens e (MORE)

4. SGT. BRANDÃO (cont’d) que cada um deles poderia fazer três pedidos e eles seriam atendidos. HELBERTH Mas pode pedir qualquer coisa, tipo... casa, carro, dinheiro... mulheres? SGT. BRANDÃO Qualquer coisa, mas... ALFREDO E você fez os seus pedidos? Eles foram atendidos? SGT. BRANDÃO (Seco. Se atrapalha com o copo) Sim. MADALENA E mais alguém fez os pedidos? SGT. BRANDÃO O primeiro homem realizou os três desejos... MADALENA E você sabe quais foram? SGT. BRANDÃO Os dois primeiros não. (toma um trago, puxa forte o cigarro) Mas o último pedido foi para morrer. Foi assim que eu consegui a pata (tira A PATA do bolso). Um silêncio toma conta do ambiente. É CORTADO por ALFREDO Se você conseguiu realizar os três desejos, então ela não te serve mais... Por que ainda está com ela? SGT. BRANDÃO Não sei. Cheguei até a pensar em vendê-la, mas desisti... Ela já espalhou muita desgraça por aí... Acho que eu deveria destruí-la... (começa a esmagar a pata, fazendo menção de quebrá-la).

5.

ALFREDO Bom... se não tem mais uso pra você... que tal se eu ficasse com ela? SGT. BRANDÃO Sêo Alfredo... eu não poderia. Zoom in para o rosto de Alfredo ALFREDO Que que tem? Você não acredita nessa bobagem toda que acabou de contar, né? PA SGT. BRANDÃO Acredito sim! Close ALFREDO Leonardo. Me dê a pata! PA SGT. BRANDÃO (tentando argumentar) Sêo Alfredo, o senhor não entende... Close zoom out para PG ALFREDO (compassadamente. Visivelmente irritado) Me dá a pata! SGT. BRANDÃO (decepcionado) É... é a regra...Ela não me serve mais e você a deseja... Sgt. Brandão entrega a pata e Alfredo a pega bruscamente de sua mão. Madalena dá um leve cutucão em Alfredo e o recrimina com o olhar. Com o cutucão, Alfredo cai em si. CORTA PARA O carro deixa a propriedade. A família acompanha a partida com o olhar e entra na casa.

6.

CENA 7 - INT.CASA - SALA.NOITE Alfredo, Helberth e Madalena conversam. HELBERTH Será que funciona mesmo? MADALENA Não brinca com essas coisas. Vamos dormir que já tá tarde. HELBERTH E se a gente pedisse... sei lá... muito dinheiro?! MADALENA A gente não precisa de muito dinheiro. ALFREDO Mas um dinheirinho pra pagar aquele empréstimo não seria nada mal... HELBERTH Pede aí pai... uns mil e duzentos reais. Ãhn?! MADALENA (irritada) Eu vou dormir e vocês dois deviam fazer o mesmo. Boa noite. Madalena SAI. HELBERTH Acho que a gente devia ir dormir também. Isso é besteira. Zoom in para o rosto de Alfredo ALFREDO (O.S.) Mil e duzentos reais. Mil e duzentos reais... HELBERTH (O.S.) Pai... Pai! Ô pai! Alfredo fecha a mão em volta da pata. Zoom out para PC

7.

ALFREDO (Cont’d) Eu quero mil e duzentos reais! Luz pisca e a pata TREME na mão de Alfredo, que a atira num canto da sala. ALFREDO (assustado) Tremeu na minha mão. HELBERTH Para com isso pai. Você bebeu demais, isso sim. ALFREDO É... vamos dormir que o senhorzinho aí tem que trabalhar amanhã. Alfredo olha a PATA no canto da sala e apaga a luz. Alfredo e Helberth SAEM. CENA 8 - INT.CASA - COZINHA.DIA - MANHÃ Alfredo, Helberth e Madalena tomam café da manhã. ALFREDO Filho, passa essa manteiga, por favor. Helberth pega a manteiga e entrega para Alfredo. MADALENA Helberth, já está na hora meu filho. Não vá se atrasar. HELBERTH (Se levantando da mesa) É mesmo. Até a noite. Tchau. Helberth para na porta, olha para os pais e acena. Helberth SAI. CENA 9 - INT.CASA - COZINHA.DIA - MAIS TARDE Som de PALMAS no portão. Pela janela é possível ver um homem vestindo terno preto e com uma valise na mão. Madalena recepciona-o.

8.

NIVALDO Boa tarde senhores. Madalena e Alfredo o cumprimentam com um movimento rápido de cabeça. NIVALDO Meu nome é Nivaldo Moraes. Venho representando a Siderúrgica TWT, onde o... MADALENA Ai meu Deus. É Helberth! ALFREDO Calma Madá. Deixa o homem falar. NIVALDO (cont’d) Onde o filho de vocês, Helberth, trabalha. Hoje, durante a manhã ele sofreu um acidente e... MADALENA Como ele está? NIVALDO Foi um acidente com a fornalha... MADALENA E ele está machucado? Alfredo assiste ao diálogo em choque. NIVALDO Sim. Foi um acidente grave e ele se mahucou muito. Mas não está sofrendo. Madalena esboça uma reação de alegria, mas ao perceber o que o homem quer dizer, cai em prantos. Alfredo abraça Madalena. Alguns instantes de silêncio enquanto Alfredo traz para Madalena uma água com açúcar. NIVALDO (cont’d) Devo dizer aos senhores que a TWT não teve responsabilidade sobre o ocorrido, mas em consideração à dor da família, lhes enviou este cheque no valor de mil e duzentos reais.

9. Ao ouvir as últimas palavras Alfredo pega o cheque e fica em choque sentado no sofá ao lado de Madalena em prantos. CENA 10 - VÁRIOS TEMPOS E LUGARES LAPSE TIME das cenas anteriores rebobinadas aceleradamente. O tempo desacelera para velocidade normal em trechos importantes do enredo. FADE OUT CENA 11 - INT.CASA - QUARTO.NOITE MADALENA (firme) Pede ele de volta! Alfredo olha assustado, incrédulo para Madalena. ALFREDO Madalena, você tem idéia do que está me pedindo? Zoom in para o rosto de Madalena. MADALENA Alfredo, pede ele de volta! PA ALFREDO Já não basta de sofrimento? Close MADALENA (gritando) Você matou o nosso filho por uma merda de dinheiro!Agora pega aquela pata desgraçada e pede ele de volta! AGORA! Zoom out para PG ALFREDO (saindo de cena) Você não sabe o que está pedindo... Alfredo SAI. Alfredo ENTRA com a PATA na mão direita. Olha para a pata e diz.

10.

ALFREDO Eu quero o Helberth de volta Nada acontece. Alfredo busca um copo de água e traz para Madalena. Algum tempo de espera. Alfredo pega no sono, mas Madalena fica revirando na cama. Som de PEGADAS fora da casa. Som de BATIDAS leves à porta. Madalena cutuca Alfredo. MADALENA Alfredo, você ouviu isso? ALFREDO O que Madá? Não deve ser nada... MADALENA É ele, é Helberth! O cemitério fica a mais de dez quilômetros daqui, por isso ele demorou! Madalena começa a se levantar. Alfredo a segura pelo braço. ALFREDO Madalena, não é mais o nosso filho. Ele já está enterrado há três semanas. Você tem idéia de como ele deve estar? MADALENA Não quero saber. É meu filho e eu o amo. (Gritando) Já estou indo meu filho! Madalena SAI. CENA 12 - EXT.CASA - PORTA DA COZINHA.NOITE - PENSAMENTO DE ALFREDO POV DE HELBERTH A porta da cozinha se abre e revela Madalena com um sorriso no rosto que instantaneamente se transforma em um GRITO DE PAVOR. Helberth ataca Madalena, que se protege com seus braços. VOLTA À CENA

11.

CENA 13 - INT.CASA.NOITE SÉRIE DE PLANOS A) Alfredo procura pela PATA pelo quarto. B) Madalena se dirige à porta da sala. C) Alfredo tateia pela cama em busca da pata. D) Madalena não encontra nada na sala e vai para a porta da cozinha. E)Alfredo continua tateando pela cama em busca da pata. F) Madalena pega o molho de chaves e se atrapalha tentando abrir a porta. G) Alfredo pega a pata. H) Madalena consegue colocar a chave na fechadura e a gira. CENA 14 - INT.CASA - QUARTO.NOITE Alfredo ainda ajoelhado segura a pata na mão direita e diz. ALFREDO Eu quero que ele desapareça! CENA 15 - INT.CASA - PORTA DA COZINHA.NOITE O barulho de batidas cessa. Madalena abre a porta e não há nada do lado de fora. CENA 16 - EXT.CASA - QUINTAL.NOITE Madalena à porta com expressão de decepção. Alfredo chega por trás com um cobertor e o deposita sobre seus ombros. A porta se fecha. FADE OUT O FIM

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->