Você está na página 1de 14

Sumário

Parte I – COMBUSTÃO E COMBUSTÍVEIS, 1


Capítulo 1 – Estudo Material da Combustão, 3
Capítulo 2 – Cálculos Estequiométricos da Combustão, 17
Capítulo 3 – Estudo Térmico da Combustão, 67
Capítulo 4 – Cálculo do “Poder Calorífico”, 79
Capítulo 5 – Temperatura Teórica de Combustão, 91
Capítulo 6 – Cálculo da Temperatura Teórica de Combustão, 101
Capítulo 7 – Combustíveis Sólidos, 131
Capítulo 8 – Combustíveis Líquidos, 149
Capítulo 9 – Combustíveis Gasosos, 163
Exercícios sobre Combustão, 181

Parte II – LUBRIFICAÇÃO E LUBRIFICANTES, 195


Capítulo 10 – Atrito, 197
Capítulo 11 – Tipos de Lubrificação, 205
Capítulo 12 – Substâncias Lubrificantes, 213

v
vi ¡ Química Tecnológica

Parte III – CORROSÃO E PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO, 245


Capítulo 13 – Fundamentos de Corrosão, 247
Capítulo 14 – Métodos de Controle da Corrosão, 301

Referências Bibliográficas, 341


Capítulo 1

Estudo Material
da Combustão

Eng. Prof. Jorge Wilson Hilsdorf

1.1 VISÃO GERAL


Um dos mais importantes campos de estudo no conjunto das ciências e da
tecnologia é, sem dúvida, o dos “combustíveis” e de sua “combustão”. A
grande atividade industrial atual tornou-se possível pelo sempre crescente
fornecimento de energia, que pode ser utilizada sob a forma conveniente de
energia calorífica, obtida através dos combustíveis.
As fontes de energia são principalmente três:
1 – as forças da natureza, tal como a gravidade em quedas de água;
2 – os combustíveis, que podem ser sólidos, líquidos ou gasosos;
3 – a energia atômica, libertada de reações nucleares.
Atualmente, os combustíveis ainda são a mais importante fonte de energia.

1.2 DEFINIÇÃO DE COMBUSTÍVEL


Ainda que quaisquer substâncias que reajam quimicamente com desprendi-
mento de calor possam ser consideradas combustíveis para determinados

3
4 ¡ Química Tecnológica

fins, os combustíveis quem sabe tidos como industrialmente importantes são


mais restritos. São os materiais carbonáceos comumente disponíveis e que
podem ser queimados facilmente ao ar atmosférico com desprendimento de
grande quantidade de calor controlável sem esforço. Os combustíveis
importantes são compostos de carbono e pode-se mesmo afirmar que a
sociedade industrial está baseada nas seguintes reações de combustão:

C + O2 → CO2
1 O →HO
H2 + __ 2 2
2
Os elementos químicos que entram na composição da maioria dos com-
bustíveis são: carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e enxofre. A quali-
dade do combustível é dada pelos elementos carbono (C) e hidrogênio (H);
o enxofre (S), apesar de combustível, é indesejável, como será visto a seguir; o
oxigênio (O) diminui a quantidade unitária de calor desprendida, pois é
considerado como já combinado com o hidrogênio; o nitrogênio (N) também
não é desejável, pois não apresenta, no campo da combustão industrial, reação
com oxigênio com liberação de calor.
Para que um material possa ser considerado industrialmente “com-
bustível”, são necessários os seguintes requisitos técnicos e econômicos:

1 – facilidade de uso;
2 – não formação, durante a combustão, de substâncias tóxicas ou
corrosivas;
3 – obtenção fácil;
4 – baixo custo de produção;
5 – segurança no armazenamento e no transporte.

Esquematicamente, os componentes do sistema de “combustão”


podem ser visualizados da seguinte forma:

Combustível → COMBUSTÃO
C + O2 → CO2
1 O → H O2
H2 + __ → Gases residuais
2 2
Comburente → 2 (ou fumos)


Cinzas
Capítulo 1 – Estudo Material da Combustão ¡ 5

1.3 COMBURENTE
Uma reação de combustão é uma reação de óxido-redução, sendo o com-
bustível o “redutor” e o oxigênio o “oxidante”. A oxidação do redutor, ou
combustível, dá-se à custa do oxidante ou oxigênio. A substância à custa da
qual se dá a combustão, que normalmente é o oxigênio, denomina-se “combu-
rente”. A fonte de oxigênio é naturalmente o “ar atmosférico”, cuja compo-
sição percentual “em volume” ou “em moles (moléculas-grama)” é a seguinte:

Nitrogênio 78,03%
Oxigênio 20,99%
Argônio 0,94%
Dióxido de carbono 0,03%
Hidrogênio 0,01%
Neônio 0,00123%
Hélio 0,0004%
Criptônio 0,00005%
Xenônio 0,000006%

Pode-se considerar apenas duas frações:

Comburente (oxigênio) 20,99%


Gases inertes (nitrogênio e gases raros) 79,01%

Em cálculos de “combustão”, considera-se a composição volumétrica


ou molar do “ar atmosférico seco” como:

Oxigênio 21,0% (peso molecular = 32)


Nitrogênio 79,0% (peso molecular = 28)

A fração considerada “nitrogênio” abrange todos os “gases raros” e o


dióxido de carbono (gás carbônico ou CO2), e considera-se, para efeito de cál-
culos estequiométricos, o peso molecular dos gases inertes (nitrogênio e
gases raros) igual a 28, em vista das pequenas proporções de outros gases.
6 ¡ Química Tecnológica

Pode-se considerar, portanto, em cálculos estequiométricos de combus-


tão, que 100 litros de “ar atmosférico seco” apresentam 21 litros de oxigênio
e 79 litros de nitrogênio, ou que 100 moles de “ar atmosférico seco” apre-
sentam 21 moles de oxigênio e 79 moles de nitrogênio. Portanto, pode-se
considerar ainda que 1 litro de oxigênio no “ar atmosférico seco” corresponde
a 79/21 = 3,76 litros de nitrogênio, ou que 1 mol de oxigênio corresponde a
3,76 moles de nitrogênio.
A composição em massa do “ar atmosférico seco” pode ser tomada
para cálculos de combustão como sendo:

Oxigênio 23,2% em peso


Nitrogênio 76,8% em peso

Em alguns casos especiais, em que se desejam altas temperaturas na


combustão, utiliza-se o oxigênio puro como comburente, como no caso do
“maçarico oxi-acetileno”, no qual se efetua a combustão do gás acetileno
com oxigênio puro.

1.4 GASES RESIDUAIS OU FUMOS


Os elementos químicos componentes dos combustíveis ao reagirem com o
oxigênio produzem substâncias gasosas, como CO2, SO2, CO (em alguns
casos), que se desprendem juntamente com o H2O em forma de vapor. Essas
substâncias compreendem os “gases residuais” da combustão ou “fumos“.
Tais “gases residuais” podem ser considerados em “base seca”, na qual não
se considera o “vapor de água” presente, ou em “base úmida”, na qual se
considera o “vapor de água” presente, proveniente da combustão do hidro-
gênio do combustível, ou da umidade do combustível ou do vapor de água
do ar atmosférico.
A “fumaça”, normalmente visualizada em chaminés ou condutos de
escape, além dos gases residuais (CO2, CO, SO2, N2, O2) e do “vapor de água”,
apresenta ainda “neblinas” constituídas por partículas de líquidos em sus-
pensão (água ou hidocarbonetos pesados condensados pelo resfriamento
dos gases) e “poeiras” constituídas por partículas sólidas em suspensão
(cinzas ou partículas de combustíveis sólidos arrrastadas pelos gases).
O conhecimento da composição dos “gases residuais” ou “fumos” é de
grande importância no controle da combustão, especialmente da proporção
Capítulo 1 – Estudo Material da Combustão ¡ 7

de CO2, que pode ser determinada pelo “aparelho de Orsat” com aproxi-
mação e rapidez suficientes.
Os “gases residuais” ou “fumos” apresentam normalmente tempera-
tura elevada, dispondo, portanto, de uma quantidade de calor ainda uti-
lizável, denominada “calor sensível” dos fumos. “Calor latente” dos fumos
é a quantidade de calor que ainda pode ser liberada dos fumos pela com-
bustão de substâncias combustíveis neles existentes (CO, hidrocarbonetos
não queimados, por exemplo).

1.5 CINZAS
“Cinzas” são os resíduos sólidos da combustão de um combustível sólido.
As cinzas de um carvão mineral podem ser “intrínsecas” ou “acidentais”. As
“intrínsecas” são constituídas pela matéria mineral procedente do vegetal
que originou o carvão mineral. A matéria “acidental” é constituída por argila
ou outra matéria inorgânica depositada juntamente com o carvão. As “cin-
zas” são formadas pelo resíduo inorgânico que permanece após a com-
bustão do carvão mineral e não apresentam a mesma composição química
da matéria original. A matéria mineral do carvão consiste principalmente de
silicatos hidratados de alumínio, “piritas” de ferro (FeS2), carbonatos de cálcio
e magnésio, cloretos alcalinos e outros compostos inorgânicos em quanti-
dades diminutas. Quando o carvão é queimado, a matéria mineral decom-
põe-se ou se transforma, produzindo óxidos e pequenas quantidades de
sulfatos. O peso de cinza é menor do que o peso da matéria mineral origi-
nal do carvão.
É preferível que o carvão mineral apresente uma certa quantidade
de cinzas, pois elas servem para proteger as barras de aço da grelha de com-
bustão, a menos que sua temperatura de fusão seja muito baixa. Cinzas
com baixo ponto de fusão formarão aglomerados e, em casos extremos,
podem fundir completamente e combinar-se com o material da grelha. As
cinzas de alto ponto de fusão são as que apresentam um ponto de amole-
cimento acima de 1.400 ºC; se a temperatura em que se fundem oscila
entre 1.200 ºC e 1.400 ºC, terão um ponto de amolecimento médio e se for in-
ferior a 1.200 ºC, o ponto de fusão será baixo.
A porcentagem de cinza de um carvão mineral é facilmente determi-
nada efetuando-se a combustão completa de uma amostra do combustível.
8 ¡ Química Tecnológica

1.6 CLASSIFICAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS


Sendo que o estado físico do combustível determina o método de utilização
e o tipo de equipamento necessário à combustão, os combustíveis classifi-
cam-se primordialmente em três grupos:
1 – sólidos;
2 – líquidos;
3 – gasosos.
Cada uma dessas classes pode subdividir-se em combustíveis “na-
turais” ou “primários” e em combustíveis “preparados”, “derivados” ou
“secundários”.
Como exemplos de cada tipo podem ser relacionados os seguintes:

TABELA 1.1 – Classificação Geral dos Combustíveis


Combustíveis Carvões minerais (turfa, linhito, hulha, antracito),
primários madeira etc.
SÓLIDOS Coque, carvão vegetal, coque de petróleo, resíduos
Combustíveis
industriais, combustíveis sólidos de foguetes (tiocol,
secundários
hidrazina, nitrocelulose)
Combustíveis
Petróleo cru, gasolina natural
primários
LÍQUIDOS Gasolina, querosene, óleo diesel, hidrocarbonetos da pirólise
Combustíveis
da hulha e do xisto betuminoso, hidrocarbonetos líquidos
secundários
de síntese a partir do gás de água, álcoois
Combustíveis
Gás natural
primários
GASOSOS
Combustíveis Gás de hulha, gás pobre, gás de água, gás misto, gás de
secundários alto-forno, gases da refinação do petróleo

1.7 O PROCESSO DA COMBUSTÃO


A maneira de converter a energia potencial de um combustível em energia
térmica útil é aquela da “reação química”, normalmente reações de “oxi-
dação em alta temperatura” de materiais carbonáceos com oxigênio do ar.
Essas são as “reações de combustão”. Quando átomos de carbono ou de
Capítulo 1 – Estudo Material da Combustão ¡ 9

hidrocarbonetos e átomos de oxigênio se combinam, liberta-se energia que


se manifesta sob vários tipos de atividades e radiação, inclusive o “calor”. O
processo envolve apenas um rearranjo dos elétrons externos dos átomos e a
energia potencial convertida em energia útil é parte daquela que mantém
esses elétrons em suas órbitas originais.
A combustão, sendo uma “oxidação em alta temperatura”, necessita
de uma “energia de ativação”, normalmente conseguida pela elevação de
temperatura em um ponto do combustível. Sendo a “reação de combustão”
exotérmica (com libertação de calor) o processo se torna auto-ativante até a
extinção completa do combustível.
Nas “reações químicas da combustão” os núcleos dos átomos não são
afetados. A massa dos reagentes (em combustão) está concentrada nos
núcleos e, portanto, tal reação química da combustão converte somente uma
ínfima parte da energia potencial total das substâncias em energia calorífica
disponível.
O núcleo de um átomo pode ser considerado, para o presente fim,
como composto de “nêutrons” e “prótons”, os quais são mantidos juntos
por forças muito maiores (106 vezes) que aquelas que unem os elétrons
orbitais. Conseqüentemente, os núcleos não são afetados por níveis
ordinários de perturbação, tal como ocorre nas assim chamadas “reações
químicas”. Em certas circunstâncias, pode-se obter a perturbação dos núcleos
atômicos, o que gera libertação de quantidades extraordinárias de energia,
isto é, pode acontecer uma “reação nuclear”
No presente estado da tecnologia, as reações químicas de combustão
são os meios predominantes e os combustíveis derivados do carvão e do
petróleo, as principais fontes de energia.
De modo geral, a reação de combustão se dá em “fase gasosa”. O com-
bustível líquido é evaporado previamente e a reação de combustão se efetua
entre o vapor do líquido e o oxigênio, intimamente misturados. Os combus-
tíveis sólidos são de combustão um tanto mais difícil, pois a reação se dá na
interface sólido-gás, devendo haver a difusão do oxigênio através dos gases
que envolvem o sólido (CO2 e outros gases) para atingir a superfície do
sólido em combustão.
As reações mais importantes no processo da combustão são as
seguintes:
(1) C (grafite) + O2 → CO2 + 94,03 Kcal/mol;
1 O → H O (vapor) + 57,80 Kcal/mol;
(2) H2 (gás) + __ 2 2
2
1 O → H O (líquido) + 68,32 Kcal/mol.
(3) H2 (gás) + __ 2 2
2
10 ¡ Química Tecnológica

Se considerarmos como variação de “entalpia” a 25 ºC, tem-se para os


três casos:
(1) ∆ H25 ºC = –94,03 Kcal;
(2) ∆ H25 ºC = –57,80 Kcal;
(3) ∆ H25 ºC = –68,32 Kcal.
Caso se considere a presença de enxofre no combustível, têm-se ainda
as reações exotérmicas seguintes:
(4) S (sólido) + O2 → SO2 (gás) + 72,0 Kcal/mol;
(5) S (sólido) + 1,5O2 → SO3 (gás) + 105,5 Kcal/mol.
Considerando a reação de combustão com “ar atmosférico seco”, po-
de-se escrever as reações anteriores da seguinte forma:
(1) C + (O2 + 3,76 N2) → CO2 + 3,76 N2;
1 (O + 3,76 N ) → H O + ____
(2) H2 + __ 3,76 N ;
2 2 2 2
2 2
(3) S + (O2 + 3,76 N2) → SO2 + 3,76 N2;
(4) S + 1,5 (O2 + 3,76 N2) → SO3 + 5,64 N2.
Se houver falta de oxigênio para a combustão do carbono (e, portanto,
um excesso de carbono), além da reação de combustão do carbono até CO2
(em parte), se dará a reação endotérmica:
(6) C (grafite) + CO2 (gás) → 2 CO (gás) – 40,79 Kcal/mol.
Isso significa uma perda de combustível sob a forma de CO, o qual
também pode ser queimado liberando calor. Se adicionarmos mais oxigênio
ou ar, o CO pode queimar produzindo ainda a reação exotérmica seguinte:
1 O → CO + 69,91 Kcal/mol.
(7) CO(gás) + __ 2 2
2

1.8 TIPOS DE COMBUSTÃO


Dependendo das quantidades proporcionais de combustível e de oxigênio
(comburente) pode haver combustões:
1 – incompletas;
2 – teoricamente completas;
3 – praticamente completas.
Capítulo 1 – Estudo Material da Combustão ¡ 11

A combustão denominada “incompleta” é aquela que se realiza com


insuficiência de oxigênio, ou seja, com uma quantidade de oxigênio inferior
à quantidade estequiométrica para oxidar completamente a matéria com-
bustível.
A combustão é denominada “teoricamente completa” quando se reali-
za com a quantidade estequiométrica de oxigênio para oxidar completa-
mente a matéria combustível.
A combustão será “praticamente completa” quando se realiza com
uma quantidade de oxigênio maior do que a estequiometricamente neces-
sária para oxidar completamente a matéria combustível.
Na combustão incompleta aparece nos gases residuais (fumos) grande
quantidade de produtos não completamente oxidados, tal como CO, e
muitas vezes matéria combustível não queimada (oxidada), tal como hidro-
carbonetos. Não haverá evidentemente oxigênio nos fumos. Na combustão
teoricamente completa não haverá oxigênio nos fumos, pois toda a quan-
tidade introduzida na realização da combustão será utilizada e poderá
aparecer uma pequena quantidade de CO, como será explicado a seguir. Por
outro lado, na combustão praticamente completa haverá sempre uma quan-
tidade maior ou menor de oxigênio nos fumos, dependendo do combustível
queimado.

1.9 OXIGÊNIO TEÓRICO


Para que se possam efetuar os cálculos estequiométricos em uma com-
bustão, nos quais se aplicam os princípios do “balanço material”, ou seja, o
princípio da “conservação de massa” no sistema, torna-se necessário definir
a expressão “oxigênio teórico”.
Em síntese, a quantidade de oxigênio teórico pode ser expressa pela
igualdade:
O2 teórico = O2 para combustão completa – O2 do combustível.
O “oxigênio para combustão completa” corresponde à quantidade de
oxigênio necessária para oxidar completamente a matéria combustível, ou
seja, no caso de carbono e hidrogênio, para passar todo o carbono a CO2 e
todo o hidrogênio a H2O. Se houver enxofre (S), este deve passar a SO2.
Note-se que na determinação do “oxigênio teórico” (como será visto
nos cálculos sobre estequiometria da combustão) deve-se considerar que,
mesmo que a combustão seja “incompleta”, isto é, mesmo que tenha havido
12 ¡ Química Tecnológica

a formação de grande quantidade de CO, ou mesmo que tenha havido perdas


de combustível (combustível não queimado), é preciso determinar o “oxi-
gênio teórico” como se toda matéria combustível (carbono e hidrogênio)
tivessem sido oxidados completamente.
Da quantidade de oxigênio para combustão completa deve-se subtrair
a quantidade de “oxigênio do combustível”, ou seja, se o combustível con-
tiver oxigênio em sua composição, este deverá ser considerado como já
tendo reagido com o hidrogênio existente no combustível.
Para efeito de cálculos estequiométricos de combustão, considera-se a
seguinte seqüência de reações:
(1) o hidrogênio reage com o oxigênio:
1 O →HO
H2 + __ 2 2
2
(2) o carbono reage (incompletamente) com o oxigênio:
1 O → CO
C + __ 2
2
(3) o CO formado reage com o oxigênio oxidando completamente o
carbono:
1 O → CO
CO + __ 2 2
2
Portanto, no caso da “combustão incompleta” (não havendo oxigênio
suficiente para oxidar completamente todo o carbono e todo o hidrogênio),
o oxigênio disponível queimará todo o hidrogênio, passará todo o C a CO,
e uma parte do CO formado será oxidado a CO2 pelo oxigênio ainda
restante.
Na prática da combustão não é interessante, portanto, ter-se uma “com-
bustão incompleta”, pois haveria perda de combustível (na forma de CO).

1.10 AR TEÓRICO
Denomina-se “ar teórico” a quantidade de ar que contenha a quantidade
de “oxigênio teórico”. Sabendo-se que a porcentagem de oxigênio no ar é de
21% em volume ou em moles, a quantidade de “ar teórico” pode ser deter-
minada pela proporção:
100 litros (ou moles) de ar → 21 litros (moles) de O2
Volume (ou moles) de ar teórico → Volume (ou moles) de O2 teórico.
Capítulo 1 – Estudo Material da Combustão ¡ 13

Portanto,
V(O teórico) nO teórico
V(ar teórico) = __________ ou n(ar teórico) = __________
2 2
0,21 0,21

1.11 AR EM EXCESSO
Uma combustão completa não pode ser obtida na prática a menos que se
use uma quantidade de ar maior do que a teoricamente necessária.
Denomina-se “ar realmente usado” ou “ar real” a quantidade de ar efeti-
vamente empregada na combustão, que apresenta um acima da quantidade
teórica e que é denominada de “excesso de ar”. Pode-se, portanto, rela-
cionar essas quantidades pela expressão:

Quantidade de ar real = Quantidade de ar teórico + Quantidade de ar em excesso.

A necessidade da quantidade de ar extra ou em excesso deve-se a


dois fatores:

1 – a dificuldade de obter um contato íntimo entre o ar e os gases com-


bustíveis ou partículas finamente divididas de combustível na
câmara de combustão;
2 – as reações de combustão realizam-se em fase gasosa, e são reações
de equilíbrio químico.
Assim das reações de combustão já vistas tem-se:
1 O ⇔ CO
(1) C + __ 2 2
2
e a cerca de 1.500 ºC inicia-se a dissociação do CO2;
1 O ⇔HO
(2) H2 + __ 2 2
2
e a cerca 1.700 ºC inicia-se a dissociação do vapor de água.

É evidente que, se a dissociação do dióxido de carbono e do vapor de


água fossem acentuados, haveria a perda através dos gases residuais (fumos)
de parte do combustível na forma de CO e H2.
Acima de 2.500 ºC poderá haver ainda a dissociação do CO da seguinte
forma:
1 O ⇔ CO
(3) C + __ 2
2
14 ¡ Química Tecnológica

Sendo as reações acima citadas reações exotérmicas, um aumento de


temperatura provoca um deslocamento do equilíbrio para a esquerda, em
razão das temperaturas elevadas das combustões.
A fim de evitar o deslocamento para a esquerda, ou seja, no sentido
da reformação do CO e do H2, deve-se aumentar a concentração do oxigênio
no sistema. Esse aumento da concentração do oxigênio é obtido pelo “ar
em excesso”.
A quantidade de ar em excesso é expressa em porcentagem acima da
quantidade de ar teórico. Assim, quando se diz que uma combustão deve
realizar-se com um excesso de ar de 30%, significa que, além da quantidade
de ar teórico (estequiométrica para combustão completa), deve ser adi-
cionado mais 30% da quantidade de ar teórico. Essas quantidades podem
ser relacionadas pela expressão:
Ar real = Ar teórico + Ar em excesso
ou, sendo o ar composto de oxigênio e nitrogênio:
Oxigênio real = Oxigênio teórico + Oxigênio em excesso
Nitrogênio real = Nitrogênio teórico + Nitrogênio em excesso
Considerando uma quantidade de 30% de ar em excesso, pode-se
relacionar:
Ar em excesso = 30/100 (Ar teórico)
Pela expressão de “ar real” pode-se ter:
Ar real = Ar teórico + 0,30 (Ar teórico)
ou
Ar real = 1,30 (Ar teórico)
Da mesma forma, tem-se:
Oxigênio real = 1,30 (Oxigênio teórico)
Para que haja eficiência máxima de combustão é essencial que se use
uma porcentagem correta de ar em excesso. Se for usado muito ar em
excesso, haverá diminuição da eficiência, pois o ar extra se aquecerá à custa
do calor da combustão; esse calor se perderá como calor sensível nos gases
residuais. Se for usada uma baixa quantidade de ar em excesso, a com-
bustão poderá não ser completa e os gases residuais poderão levar calor