Você está na página 1de 2

Instrução sobre o anexo “O milagre do pão partido e repartido”

A Bíblia, por si só, não abre os olhos. Ela consegue fazer com que o coração
arda.
Sem esse ardor certamente não teriam chegado a ver, a discernir, a
reconhecer a verdade.
Mas é preciso ir mais adiante. Mesmo com o coração ardente, é preciso
experimentar a verdade.
É o que acontece com os discípulos de Emaús.
Já escutaram a verdade na longa exposição de Jesus.
Mas “escutar” não foi o bastante. O coração ardeu, mas os olhos não se abriram.
Abrem-se ao partir do pão.
No gesto concreto de Jesus, em sua ação, em sua prática, eles O reconhecem.

É estranho que é Jesus quem toma o pão, o benze, o parte e dá a eles. Afinal de
contas, estão na casa dos discípulos, sentados à mesa deles.
Conforme o costume, seria normal que os anfitriões e não o hóspede o fizessem.
Jesus entra na casa de Emaús. E ali o convidado torna-se o anfitrião.

A esse respeito, alguém disse: “Cada um trouxe seu assado”.


Ela quer dizer que cada um trouxe o que tinha para comer. Jesus também terá
tido um pão em sua mochila, e agora o colocará em comum.
Um gesto fraterno, típico de Jesus, coerente com sua pregação.
Para o evangelista Lucas, a partilha é a característica fundamental das comunidades cristãs.
“Partir o pão”, no sentido de pôr em comum o que todo têm para ninguém passe necessidade, é a prática
primeira das comunidades, aprendida de Jesus em tantas vezes que repetiu este gesto.

É então que os discípulos o reconhecem como o Senhor Ressuscitado, mas Ele


desaparece.
Ele não se deixa prender, desaparece da vista, nos remete ao mistério da fé.
É preciso crer em sua presença, embora não O vejamos

Creio no Pão: Credo Eucarístico


Creio no Pão que alimenta, fruto do trabalho digno e dom precioso de Deus.
Pão que sustenta nossa carne e revigora nossas utopias.
Pão e vinho, comida e bebida que nos lembram o banquete do Reino
onde “ninguém mais terá fome, ninguém mais terá sede” (Is. 49,10).

Creio no Pão consagrado, pão feito Jesus Cristo pela força do Espírito;
“Isto é meu corpo entregue por vocês, isto é meu sangue, para uma aliança nova” (Lc. 22,19)
Pão que é presente do Senhor, vinho que é vinho novo em taças novas celebrando a lei do amor.

Creio no Pão partilhado por mãos justas


mãos que tocam, abençoam, mãos que sabem ser solidárias.
Não creio no pão da injustiça, mofado, frio, longe das mesas.
Creio, sim, no pão justo, que é pão em fatias para a vida do irmão.

Creio no Pão da festa, celebrado com calor e alegria, recebido por mãos puras que se erguem
num brinde ao Deus bendito, e Bendito para sempre!
Pão festivo, pão-fartura, pão doado com ternura.

Creio no Pão da lembrança que sustenta nossa memória.


Pão que recorda aquele dia em que Cristo, numa Ceia, deu-se em comida e bebida
a um grupo de amigos. Pão que renova a ceia de ontem num dia eterno chamado Hoje!

Creio no Pão da unidade, pão que é partilha de uma só vida na comunhão dos mesmos sonhos.
Pão que nos faz um corpo de irmãos, família nova da Nova Aliança,
unidos num só coração (1Cor. 10,17)
Creio no Pão da Vida, garantia de um futuro que não acaba, onde a morte não mais existirá!
Pão da Vida que vem de Deus, plantada no solo da Nova Terra
e regada com a Unção destas palavras: “Quem come deste Pão para sempre viverá!” (Jo. 6,58)
CREIO, SENHOR, CREIO NO PÃO, NO PÃO QUE TU ÉS...
(Marçal
Maçaneiro)