Você está na página 1de 135

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PSICOPATOLOGIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO

UNIDADE DE PESQUISA EM ÁLCOOL E DROGAS – UNIAD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO – UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA CONCEITO
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA CONCEITO
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA CONCEITO
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA CONCEITO

PSICOPATOLOGIA

CONCEITO

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PSICOPATOLOGIA

CONCEITO

CONJUNTO DE CONHECIMENTOS REFERENTES AO ADOECIMENTO MENTAL DO SER HUMANO, QUE SE ESFORÇA POR SER SISTEMÁTICO, ELUCIDATIVO E DESMISTIFICANTE.

NÃO INCLUI CRITÉRIOS DE VALOR, TAMPOUCO ACEITA DOGMAS OU VERDADES A PRIORI – REJEITA ORIENTAR-SE A PARTIR DE JULGAMENTOS MORAIS.

IDENTIFICAR E COMPREENDER OS DIVERSOS ELEMENTOS DA DOENÇA MENTAL.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PSICOPATOLOGIA

CAMPO

OS FENÔMENOS HUMANOS ASSOCIADOS OU QUE SE DENOMINOU HISTORICAMENTE DOENÇA MENTAL.

VIVÊNCIAS, ESTADOS MENTAIS E PADRÕES DE COMPORTAMENTO, QUE POSSUEM, POR UM LADO UMA ESPECIFICIDADE PSICOLÓGICA
VIVÊNCIAS, ESTADOS MENTAIS E PADRÕES DE COMPORTAMENTO, QUE POSSUEM, POR UM LADO UMA ESPECIFICIDADE PSICOLÓGICA
VIVÊNCIAS, ESTADOS MENTAIS E PADRÕES DE COMPORTAMENTO, QUE POSSUEM, POR UM LADO UMA ESPECIFICIDADE PSICOLÓGICA

VIVÊNCIAS, ESTADOS MENTAIS E PADRÕES DE COMPORTAMENTO, QUE POSSUEM, POR UM LADO UMA ESPECIFICIDADE PSICOLÓGICA – NÃO SÃO MERO EXAGERO DO NORMAL – E POR OUTRO, CONEXÕES COMPLEXAS COM PSICOLOGIA DO NORMAL – O MUNDO DA DOENÇA MENTAL NÃO É TOTALMENTE ESTRANHO AO NORMAL.

O DOMINÍO DA PSICOPATOLOGIA ESTENDE-SE A “TODO OS FENÔMENO QUE SE POSSA APREENDER EM CONCEITOS DE SIGNIFICADO CONSTANTES E COM POSSIBILIDADE DE COMUNICAÇÃO” (KARL JASPERS) .

A

PSICOLOGIA.

PSICOPATOLOGIA

É

UMA

CIÊNCIA

AUTÔNOMA,

SEM

PROLONGAMENTOS

NA

NEUROLOGIA

OU

NA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PSICOPATOLOGIA

CAMPO

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA CAMPO LIMITES “QUANTO MAIS SE RECONHECE E CARACTERIZA

LIMITES

“QUANTO MAIS SE RECONHECE E CARACTERIZA O TÍPICO, TANTO MAIS SE RECONHECE QUE, EM TODO O INDIVÍDUO, OCULTA-SE ALGO QUE NÃO SE PODE CONHECER ” (KARL JASPERS) .

A

PSICOPATOLOGIA,

COMO

QUALQUER

OUTRA

CIÊNCIA,

REQUER

UM

PENSAMENTO

CONCEITUAL

SISTEMÁTICO,

PENSAMENTO

QUE

CRISTALIZA

E

TORNA

EVIDENTE,

MAS

TAMBÉM

APRISIONA

O

CONHECIMENTO.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PSICOPATOLOGIA

ORIGENS

AS RAÍZES DA PSICOPATOLOGIA SÃO A TRADIÇÃO MÉDICA E TRADIÇÃO HUMANISTA.

PSICOPATOLOGIA MEDICINA HUMANISMO OBSERVAÇÃO CUIDADOSA DE DOENTES MENTAIS, ESPECIALMENTE DURANTE O SÉCULOS XIX
PSICOPATOLOGIA
MEDICINA
HUMANISMO
OBSERVAÇÃO CUIDADOSA
DE DOENTES MENTAIS,
ESPECIALMENTE DURANTE
O SÉCULOS XIX & XX.
FILOSOFIA
LITERATURA
ARTES
PSICANÁLISE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA NORMALIDADE
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA NORMALIDADE
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA NORMALIDADE
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA NORMALIDADE

PSICOPATOLOGIA

NORMALIDADE

NORMAL

LIMITE

NORMAL PATOLÓGICO PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP
NORMAL
PATOLÓGICO
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ONDE ESTÁ O LIMITE DO CONCEITO DE NORMALIDADE?

SEUS CRITÉRIOS VARIAM CONSIDERAVELMENTE EM FUNÇÃO DOS FENÔMENOS ESPECIFICOS ABORDADOS, BEM COMO DE ACORDO COM
SEUS CRITÉRIOS VARIAM CONSIDERAVELMENTE EM FUNÇÃO DOS FENÔMENOS ESPECIFICOS ABORDADOS, BEM COMO DE ACORDO COM
SEUS CRITÉRIOS VARIAM CONSIDERAVELMENTE EM FUNÇÃO DOS FENÔMENOS ESPECIFICOS ABORDADOS, BEM COMO DE ACORDO COM

SEUS CRITÉRIOS VARIAM CONSIDERAVELMENTE EM FUNÇÃO DOS FENÔMENOS ESPECIFICOS ABORDADOS, BEM COMO DE ACORDO COM AS OPÇÕES FILOSÓFICAS DO PROFISSIONAL.

ALÉM DISSO, DIFERENTES CRITÉRIOS DE NORMALIDADE PODEM SER COMBINADOS, DE ACORDO COM A SITUAÇÃO.

ALÉM DISSO, DIFERENTES CRITÉRIOS DE NORMALIDADE PODEM SER COMBINADOS, DE ACORDO COM A SITUAÇÃO.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

1

NORMALIDADE COM AUSÊNCIA DE DOENÇA

DE NORMALIDADE 1 NORMALIDADE COM AUSÊNCIA DE DOENÇA NORMAL PATOLÓGICO “A SAÚDE É O SILÊ NCIO

NORMAL

PATOLÓGICO

“A SAÚDE É O SILÊNCIO DOS ÓRGÃOS”.

NORMAIS SÃO AQUELES LIVRES DE QUALQUER TRANTORNO MENTAL DEFINIDO.

X

BASTANTE FALHO E PRECÁRIO, BASEADO EM UMA DEFINIÇÃO NEGATIVA – NORMALIDADE É DEFINIDA NÃO PELO QUE ELA É, MAS PELO QUE LHE FALTA.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

2

NORMALIDADE IDEAL

UNIFESP NORMAL CRITÉRIOS DE NORMALIDADE 2 NORMALIDADE IDEAL NORMAL PATOLÓGICO ESTABELECE UMA NORMALIDADE IDEAL, CO

NORMAL

PATOLÓGICO

ESTABELECE UMA NORMALIDADE IDEAL, CONSTITUÍDA E REFERENDADA PELA CULTURA.

X

UTÓPICA, ALÉM DE SUJEITA A DOGMAS, DOUTRINAS, MORALISMOS E TOTALITARISMOS.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

3

NORMALIDADE ESTATÍSTICA

NORMAL CRITÉRIOS DE NORMALIDADE 3 NORMALIDADE ESTATÍSTICA NORMAL PATOLÓGICO O NORMAL É AQUILO QUE SE OB

NORMAL

PATOLÓGICO

O NORMAL É AQUILO QUE SE OBSERVA COM MAIS FREQÜÊNCIA.

X

NEM TUDO QUE É FREQÜENTE É NECESSARIAMENTE SAUDÁVEL E NEM TUDO QUE É RARO É NECESSARIAMENTE PATOLÓGICO.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

4

NORMALIDADE COMO BEM-ESTAR

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE 4 NORMALIDADE COMO BEM-ESTAR NORMAL PATOLÓGICO O NORMAL É O COMPLETO BEM-EST AR

NORMAL

PATOLÓGICO

O NORMAL É O COMPLETO BEM-ESTAR FÍSICO, MENTAL E SOCIAL (OMS) .

X

UTÓPICO E RELATIVO – POUCAS PESSOAS SE ENCAIXARIAM NO MESMO.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

5

NORMALIDADE FUNCIONAL

NORMAL CRITÉRIOS DE NORMALIDADE 5 NORMALIDADE FUNCIONAL NORMAL PATOLÓGICO O PATOLÓGICO É AQUELE QUE TRAZ SO

NORMAL

PATOLÓGICO

O PATOLÓGICO É AQUELE QUE TRAZ SOFRIMENTO PARA O PRÓPRIO INDIVÍDUO E SEU GRUPO DE CONVÍVIO. CRITÉRIO UTILIZADO COM FREQÜÊNCIA PELA PSIQUIATRIA CONTEMPORÂNEA.

X

DE BAIXA PRECISÃO E SUJEITO A CONTROVÉRSIAS.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

6

NORMALIDADE COMO PROCESSO

NORMAL CRITÉRIOS DE NORMALIDADE 6 NORMALIDADE COMO PROCESSO NORMAL PATOLÓGICO CONSIDERA OS ASPECTOS DINÂMICOS DO

NORMAL

PATOLÓGICO

CONSIDERA OS ASPECTOS DINÂMICOS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL. UTILIZADO COM FREQÜÊNCIA PELA PSIQUIATRIA INFANTIL E GERIÁTRICA.

X

SUJEITO A CONTROVÉRSIAS.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

7

NORMALIDADE COMO PROCESSO

NORMAL CRITÉRIOS DE NORMALIDADE 7 NORMALIDADE COMO PROCESSO NORMAL PATOLÓGICO O MARCO DIVISÓRIO É A PERCEPÇÃO

NORMAL

PATOLÓGICO

O MARCO DIVISÓRIO É A PERCEPÇÃO INDIVIDUAL DA PRÓPRIA NORMALIDADE.

X

SUJEITO A CONTROVÉRSIAS E VIÉSES DA PRÓPRIA DOENÇA MENTAL.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

8

NORMALIDADE COMO LIBERDADE

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE 8 NORMALIDADE COMO LIBERDADE NORMAL PATOLÓGICO NORMALIDADE É A CAPACIDADE DE FAZER ESC

NORMAL

PATOLÓGICO

NORMALIDADE É A CAPACIDADE DE FAZER ESCOLHAS E SE RESPONSABILIZAR PELAS MESMAS. A DOENÇA MENTAL É A IMPOSSIBILIDADE DE ESCOLHER.

X

SUJEITO A CONTROVÉRSIAS.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

NORMAL

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE

9

NORMALIDADE OPERACIONAL

NORMAL CRITÉRIOS DE NORMALIDADE 9 NORMALIDADE OPERACIONAL NORMAL PATOLÓGICO DEFINE-SE A PRIORI O QUE NORMAL E

NORMAL

PATOLÓGICO

DEFINE-SE A PRIORI O QUE NORMAL E PATOLÓGICO E PROCURA-SE TRABALHÁ-LOS OPERACIONALMENTE. CRITÉRIO ASSUMIDAMENTE ARBITRÁRIO, COM FINALIDADES PRAGMÁTICAS.

X

RESTRITO PARA SITUAÇÕES ESPECÍFICAS, VIÁVEL APENAS SE CONSENSUAL.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA DIAGNÓSTICO
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA DIAGNÓSTICO
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA DIAGNÓSTICO
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA DIAGNÓSTICO

PSICOPATOLOGIA

DIAGNÓSTICO

DIAGNÓSTICO

TIPOS DE FENÔMENOS

EM SEU CAMPO DE ATUAÇÃO A PSICOPATOLOGIA DISTINGUE TRÊS TIPOS DE FENÔMENOS. FENÔMENOS EM PARTE
EM SEU CAMPO DE ATUAÇÃO A PSICOPATOLOGIA DISTINGUE TRÊS TIPOS DE FENÔMENOS.
FENÔMENOS
EM PARTE SEMELHANTES,
EM PARTE DIFERENTES
FENÔMENOS
FENÔMENOS
QUALITATIVAMENTE
SEMELHANTES
NOVOS
TODO O SER HUMANO POSSUI.
ALGO SEMELHANTE À DOENÇA
MENTAL, MAS COM DIFERENÇAS
ESSENCIAIS.
PRÓPRIOS DE ALGUMAS
DOENÇAS OU ESTADOS MENTAIS
MEDO DE UM ANIMAL SELVAGEM,
ANSIEDADE EM DIA DE PROVA,
SAUDADE DE UMA PESSOA AMIGA
ALUCINAÇÕES, DELÍRIOS
TRISTEZA, ANSIEDADE, EUFORIA
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

DIAGNÓSTICO

DIRETRIZES FUNDAMENTAIS

1. O

DIAGNÓSTICO

DE

TRANTORNO

ESSENCIALMENTE CLÍNICO.

PSIQUIÁTRICO,

DO

PONTO

DE

VISTA

PSICOPATOLÓGICO,

É

2. O DIAGNÓSTICO PSICOPATOLÓGICO NÃO É BASEADO EM POSSÍVEIS MECANISMOS ETIOLÓGICOS SUPOSTAMENTE AVENTADOS PELO ENTREVISTADOR.

3. NÃO

EXISTEM

SINTOMAS

TRANSTORNO MENTAL.

PSICOPATOLÓGICOS

TOTALMENTE

ESPECÍFICOS

DE

UM

DETERMINADO

4. O DIAGNÓSTICO PSICOPATOLÓGICO É EM INÚMEROS CASOS APENAS POSSÍVEL PELA OBSERVAÇÃO DO CURSO DA DOENÇA.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA AVALIAÇÃO DO PACIENTE
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA AVALIAÇÃO DO PACIENTE
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA AVALIAÇÃO DO PACIENTE
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA AVALIAÇÃO DO PACIENTE

PSICOPATOLOGIA

AVALIAÇÃO DO PACIENTE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

AVALIAÇÃO PSICOPATOLÓGICA COMPONENTES

AVALIAÇÃO PSICOPATOLÓGICA

ANAMNESE

PSICOPATOLÓGICA

EXAME

PSÍQUICO

ANAMNESE PSICOPATOLÓGICA EXAME PSÍQUICO HISTÓRICO DOS SINAIS E SINTOMAS QUE O PACIENTE TEM

HISTÓRICO DOS SINAIS E SINTOMAS QUE O PACIENTE TEM APRESENTADO, SEUS ANTECEDENTES PESSOAIS, FAMILIARES, BEM COMO A CARACTERIZAÇÃO DE SEU CONTEXTO SOCIAL, ECONÔMICO E CULTURAL

A INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DAS FUNÇÕES PSÍQUICAS

SOCIAL, ECONÔMICO E CULTURAL A INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DAS FUNÇÕES PSÍQUICAS FUNÇÕES PSÍQUICAS A SEGUIR

FUNÇÕES PSÍQUICAS A SEGUIR

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA FUNÇÕES PSÍQUICAS
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA FUNÇÕES PSÍQUICAS
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA FUNÇÕES PSÍQUICAS
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PSICOPATOLOGIA FUNÇÕES PSÍQUICAS

PSICOPATOLOGIA

FUNÇÕES PSÍQUICAS

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

FUNÇÕES PSÍQUICAS

COMENTÁRIOS GERAIS

A ATIVIDADE MENTAL É DIVIDA EM FUNÇÕES PSÍQUICAS COM PROPÓSITOS ESTRITAMENTE DIDÁTICOS E

PARA FACILITAR A COMUNICAÇÃO ENTRE PROFISSIONAIS. NÃO EXISTEM FUNÇÕES PSÍQUICAS ISOLADAS.

A DESCRIÇÃO MECÂNICA E IRREFLETIVA DOS SINTOMAS É UM EXERCÍCIO CLASSIFICATÓRIO VAZIO.

AS SÍNDROMES PSIQUIÁTRICAS NÃO SÃO UM AGRUPAMENTO DE SINTOMAS QUE COEXISTEM COM

REGULARIDADE, MAS SIM UM CONJUNTO DE SINTOMAS ESTRUTURALMENTE RELACIONADOS.

APESAR DE EXISTIR SINTOMAS E SINAIS TÍPICOS DE UM TRANSTORNO MENTAL, ALGUMAS FUNÇÕES ESTÃO

MAIS ALTERADAS EM CLASSES ESPECÍFICAS DE TRANSTORNOS.

TRANSTORNOS ORGÂNICOS

TRANSTORNOS EFETIVOS

TRANSTORNOS PSICÓTICOS

CONSCIÊNCIA

ORIENTAÇÃO

MEMÓRIA

INTELIGÊNCIA

AFETIVIDADE

VOLIÇÃO

PSICOMOTRICIDADE

SENSOPERCEPÇÃO PENSAMENTO VIVÊNCIA DO TEMPO & ESPAÇO JUÍZO DE REALIDADE VIVÊNCIA DO EU

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

PRAGMATISMO VOLIÇÃO IMPULSIVIDADE PSICOMOTRICIDADE INTELIGÊNCIA REPRESENTAÇÃO AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA
PRAGMATISMO
VOLIÇÃO
IMPULSIVIDADE
PSICOMOTRICIDADE
INTELIGÊNCIA
REPRESENTAÇÃO
AFETIVIDADE
JUÍZO
CRÍTICA
LINGUAGEM
PENSAMENTO
SENSOPERCEPÇÃO
ORIENTAÇÃO
MEMÓRIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA

ATENÇÃO

AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

CONCEITO PRAGMATISMO VOLIÇÃO IMPULSIVIDADE PSICOMOTRICIDADE A ATIVIDADE INTEGRADORA E DE SUSTENÇÃO DO PSIQUISMO.
CONCEITO
PRAGMATISMO
VOLIÇÃO
IMPULSIVIDADE
PSICOMOTRICIDADE
A ATIVIDADE INTEGRADORA E DE SUSTENÇÃO DO PSIQUISMO.
A CONSCIÊNCIA É A ‘ZONA CLARA’ DO PSIQUISMO, QUE PERMITE, A PARTIR DA
SUSTENÇÃO DAS DEMAIS FUNÇÕES PSÍQUICAS, O CONHECIMENTO DO PRÓPRIO EU E
INTELIGÊNCIA
DO MUNDO EXTERNO.
REPRESENTAÇÃO
AFETIVIDADE
JUÍZO
CRÍTICA
LINGUAGEM
PENSAMENTO
SENSOPERCEPÇÃO
ORIENTAÇÃO
MEMÓRIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA

ATENÇÃO

AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA
AFETIVIDADE JUÍZO CRÍTICA LINGUAGEM PENSAMENTO SENSOPERCEPÇÃO ORIENTAÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DIVISÕES 1 CONSCIÊNCIA OBJETIVA
DIVISÕES
1
CONSCIÊNCIA OBJETIVA

REFERE-SE ESSENCIALMENTE AO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA, OU SEJA, AO ESTADO DE VIGÍLIA DE UM INDIVÍDUO.

A CONSCIÊNCIA OBJETIVA DEVE SER CONSIDERADA A PARTIR DE SEU NÍVEL OU CLARIDADE, BEM COMO DE SUA AMPLITUDE.

HIPERVIGILÂNCIA LUCIDEZ SONOLÊNCIA OBNUBILAÇÃO DELIRIUM COMA ESTADOS CREPUSCULARES NÍVEL DE CONSCIÊNCIA
HIPERVIGILÂNCIA
LUCIDEZ
SONOLÊNCIA
OBNUBILAÇÃO
DELIRIUM
COMA
ESTADOS CREPUSCULARES
NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

AMPLITUDE DA CONSCIÊNCIA

OBNUBILAÇÃO DELIRIUM COMA ESTADOS CREPUSCULARES NÍVEL DE CONSCIÊNCIA AMPLITUDE DA CONSCIÊNCIA CONSCIÊNCIA
OBNUBILAÇÃO DELIRIUM COMA ESTADOS CREPUSCULARES NÍVEL DE CONSCIÊNCIA AMPLITUDE DA CONSCIÊNCIA CONSCIÊNCIA
OBNUBILAÇÃO DELIRIUM COMA ESTADOS CREPUSCULARES NÍVEL DE CONSCIÊNCIA AMPLITUDE DA CONSCIÊNCIA CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DIVISÕES 1 CONSCIÊNCIA OBJETIVA
DIVISÕES
1
CONSCIÊNCIA OBJETIVA

ALTERAÇÕES

REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

OBNUBILAÇÃO UM ESTADO DE DIMINUIÇÃO DA ATIVIDADE PSÍQUICA, ACOMPANHADA DE SONOLÊNCIA E LENTIFICAÇÃO DO
OBNUBILAÇÃO
UM ESTADO DE DIMINUIÇÃO DA ATIVIDADE PSÍQUICA, ACOMPANHADA DE
SONOLÊNCIA E LENTIFICAÇÃO DO PENSAMENTO, DE MANEIRA ISOLADA.
ESTADO SUJEITO A ILUSÕES, FALSAS PERCEPÇÕES, ONIRISMOS, IDÉIAS
DELIRÓIDES / DELIRANTES, ATITUDES IMPULSIVAS / AGRESSIVAS, FALSOS
JULGAMENTOS E LABILIDADE DO AFETO.
INTOXICAÇÃO POR SEDATIVOS
ATITUDES IMPULSIVAS / AGRESSIVAS, FALSOS JULGAMENTOS E LABILIDADE DO AFETO. INTOXICAÇÃO POR SEDATIVOS CONSCIÊNCIA
ATITUDES IMPULSIVAS / AGRESSIVAS, FALSOS JULGAMENTOS E LABILIDADE DO AFETO. INTOXICAÇÃO POR SEDATIVOS CONSCIÊNCIA
ATITUDES IMPULSIVAS / AGRESSIVAS, FALSOS JULGAMENTOS E LABILIDADE DO AFETO. INTOXICAÇÃO POR SEDATIVOS CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DIVISÕES 1 CONSCIÊNCIA OBJETIVA
DIVISÕES
1
CONSCIÊNCIA OBJETIVA

ALTERAÇÕES

REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

DELIRIUM OU CONFUSÃO MENTAL UM ESTADO DE REBAIXAMENTO COM DESORIENTAÇÃO NO TEMPO E ESPAÇO, DIFICULDADE
DELIRIUM OU CONFUSÃO MENTAL
UM ESTADO DE REBAIXAMENTO COM DESORIENTAÇÃO NO TEMPO E ESPAÇO,
DIFICULDADE DE CONCENTRAÇÃO, FALSAS PERCEPÇÕES, ALUCINAÇÕES
AUDITIVAS E VISUAIS, IDÉIAS DELIRÓIDES E LENTIFICAÇÃO OU AGITAÇÃO.
TERMO UTILIZADO PELA DENOMINAR AS SÍNDROMES CONFUSIONAIS.
DELIRIUM TREMENS
E LENTIFICAÇÃO OU AGITAÇÃO. TERMO UTILIZADO PELA DENOMINAR AS SÍNDROMES CONFUSIONAIS. DELIRIUM TREMENS CONSCIÊNCIA
E LENTIFICAÇÃO OU AGITAÇÃO. TERMO UTILIZADO PELA DENOMINAR AS SÍNDROMES CONFUSIONAIS. DELIRIUM TREMENS CONSCIÊNCIA
E LENTIFICAÇÃO OU AGITAÇÃO. TERMO UTILIZADO PELA DENOMINAR AS SÍNDROMES CONFUSIONAIS. DELIRIUM TREMENS CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

CURSAM GERALMENTE COM DELIRIUM

DIVISÕES 1 CONSCIÊNCIA OBJETIVA
DIVISÕES
1
CONSCIÊNCIA OBJETIVA

ALTERAÇÕES

REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

SUA ETIOLOGIA É SEMPRE DE NATUREZA ORGÂNICA.

TRAUMATISMO CRANIANO

SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA DO ÁLCOOL

NEOPLASIAS

INFECÇÃO

SÍNDROMES METABOLICAS

HIPER / HIPOGLICEMIA

COMPLICAÇÕES VASCULARES

(ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL)

EPILEPSIA

METABOLICAS HIPER / HIPOGLICEMIA COMPLICAÇÕES VASCULARES (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) EPILEPSIA CONSCIÊNCIA
METABOLICAS HIPER / HIPOGLICEMIA COMPLICAÇÕES VASCULARES (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) EPILEPSIA CONSCIÊNCIA
METABOLICAS HIPER / HIPOGLICEMIA COMPLICAÇÕES VASCULARES (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) EPILEPSIA CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

ALTERAÇÕES DA CONSCIÊNCIA OBJETIVA SÃO SEMPRE ORGÂNICAS!

1. TRAUMATISMO CRANIANO

2. ÁLCOOL

3. NEOPLASIAS

4. INFECÇÃO

5. METABOLICAS

6. GLICEMIA

7. VASCULAR

8. EPILEPSIA

ATENÇÃO

4. INFECÇÃO 5. METABOLICAS 6. GLICEMIA 7. VASCULAR 8. EPILEPSIA ATENÇÃO REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA
4. INFECÇÃO 5. METABOLICAS 6. GLICEMIA 7. VASCULAR 8. EPILEPSIA ATENÇÃO REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

REBAIXAMENTO DO

NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

PSICOMOTRICIDADE

IMPULSIVIDADE

VOLIÇÃO

INTELIGÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

REPRESENTAÇÃO

CRÍTICA

JUÍZO

LINGUAGEM

PENSAMENTO

SENSOPERCEPÇÃO

MEMÓRIA

ATENÇÃO

PRAGMATISMO

AFETIVIDADE

ORIENTAÇÃO

SENSOPERCEPÇÃO MEMÓRIA ATENÇÃO PRAGMATISMO AFETIVIDADE ORIENTAÇÃO REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DIVISÕES 1 CONSCIÊNCIA OBJETIVA
DIVISÕES
1
CONSCIÊNCIA OBJETIVA

ALTERAÇÕES

ESTADOS DE HIPERVIGILÂNCIA

ESTADO DE MUITA CLARIDADE DA CONSCIÊNCIA, COM AUMENTO DO INTERESSE E DIMINUIÇÃO DO TEMPO DE REAÇÃO, ALÉM DA MÁXIMA CAPACIDADE DE CAPTAÇÃO PERCEPTIVA, EM DETRIMENTO DA DA CONCENTRAÇÃO E DE PENSAR EM PROFUNDIDADE.

EM SITUAÇÕES EXTREMAS, PODE ATINGIR O DISFUNCIONAL, COM REAÇÕES

DESMESURADAS AOS ESTÍMULOS – RESULTANDO EM ATITUDES

IMPULSIVAS E EXPOSIVAS, BEM COMO CAPTANDO MUITO E RETENDO POUCO.

MANIA

INTOXICAÇÃO POR ESTIMULANTES

(COCAÍNA, ANFETAMINA, MDMA)

COMO CAPTANDO MUITO E RETENDO POUCO. MANIA INTOXICAÇÃO POR ESTIMULANTES (COCAÍNA, ANFETAMINA, MDMA) CONSCIÊNCIA
COMO CAPTANDO MUITO E RETENDO POUCO. MANIA INTOXICAÇÃO POR ESTIMULANTES (COCAÍNA, ANFETAMINA, MDMA) CONSCIÊNCIA
COMO CAPTANDO MUITO E RETENDO POUCO. MANIA INTOXICAÇÃO POR ESTIMULANTES (COCAÍNA, ANFETAMINA, MDMA) CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DIVISÕES 1 CONSCIÊNCIA OBJETIVA
DIVISÕES
1
CONSCIÊNCIA OBJETIVA

ALTERAÇÕES

ESTADOS CREPUSCULARES

ESTREITAMENTO TRANSITÓRIO DO CAMPO DA CONSCIÊNCIA, COM CONSERVAÇÃO DE ALGUMA ATIVIDADE MOTORA GLOBAL, PERMITINDO A OCORRÊNCIA DOS CHAMADOS AUTOMATISMOS.

SUJEITO A REAÇÕES IMPULSIVAS, COM ATITUDES VIOLENTAS E EPISÓDIOS

DE DESCONTROLE EMOCIONAL.

QUADROS DECORRENTES DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

CONFUSÃO PÓS-CONVULSÃO

TRANSTORNOS DISSOCIATIVOS

(TRANSE HISTÉRICO)

NTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA CONFUSÃO PÓS-CONVULSÃO TRANSTORNOS DISSOCIATIVOS (TRANSE HISTÉRICO) CONSCIÊNCIA
NTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA CONFUSÃO PÓS-CONVULSÃO TRANSTORNOS DISSOCIATIVOS (TRANSE HISTÉRICO) CONSCIÊNCIA
NTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA CONFUSÃO PÓS-CONVULSÃO TRANSTORNOS DISSOCIATIVOS (TRANSE HISTÉRICO) CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DIVISÕES 2 CONSCIÊNCIA REFLEXIVA
DIVISÕES
2
CONSCIÊNCIA REFLEXIVA

TAMBÉM DENOMINADA CONSCIÊNCIA DO EU.

PROPRIEDADES DA CONSCIÊNCIA DO EU:

1. IDENTIDADE

O EU É CONSCIENTE DE QUE SEMPRE FOI A MESMA PESSOA.

“SOU JESUS CRISTO”

2. UNIDADE

O EU É CONSCIENTE DE QUE É UM TODO INDIVISÍVEL.

DR. JEKYLL & MR. HYNDE

3. INTEGRIDADE

O EU É CONSCIENTE DE QUE ELE REALIZA A AÇÃO.

“O FBI CONTROLA MEUS PENSAMENTO”

4. LIMITE

O EU É CONSCIENTE DA DIVISÃO EXISTENTE ENTRE SI E O MUNDO.

“AGORA TODAS AS ARVORES DESSE BOSQUE FAZEM PARTE DE MIM.”

DA DIVISÃO EXISTENTE ENTRE SI E O MUNDO. “AGORA TODAS AS ARVORES DESSE BOSQUE FAZEM PARTE
DA DIVISÃO EXISTENTE ENTRE SI E O MUNDO. “AGORA TODAS AS ARVORES DESSE BOSQUE FAZEM PARTE
DA DIVISÃO EXISTENTE ENTRE SI E O MUNDO. “AGORA TODAS AS ARVORES DESSE BOSQUE FAZEM PARTE

CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DIVISÕES 2 CONSCIÊNCIA REFLEXIVA
DIVISÕES
2
CONSCIÊNCIA REFLEXIVA

ALTERAÇÕES

DESPERSONALIZAÇÃO

ALTERAÇÃO DA CONSCIÊNCIA DO EU, NA QUAL O INDIVÍDUO VIVENCIA A SI PRÓPRIO COMO IRREAL, DIFERENTE, TRANSFORMADO, ESTRANHO OU DISSOCIADO.

AO CONTRÁRIO DOS QUADROS PSICÓTICOS, O INDIVÍDUO TEM CONSCIÊNCIA

DA ALTERAÇÃO, RELATANDO QUE SE SENTE COMO SE ESTIVESSE

‘REPRESENTANDO U PAPEL’, OU INVÉS DE SER ESPONTÂNEO OU NATURAL.

TRANSTORNOS OU REAÇÕES ANSIOSAS

‘REPRESENTANDO U PAPEL’, OU INVÉS DE SER ESPONTÂNEO OU NATURAL. TRANSTORNOS OU REAÇÕES ANSIOSAS CONSCIÊNCIA
‘REPRESENTANDO U PAPEL’, OU INVÉS DE SER ESPONTÂNEO OU NATURAL. TRANSTORNOS OU REAÇÕES ANSIOSAS CONSCIÊNCIA
‘REPRESENTANDO U PAPEL’, OU INVÉS DE SER ESPONTÂNEO OU NATURAL. TRANSTORNOS OU REAÇÕES ANSIOSAS CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DIVISÕES 2 CONSCIÊNCIA REFLEXIVA
DIVISÕES
2
CONSCIÊNCIA REFLEXIVA

ALTERAÇÕES

DESREALIZAÇÃO

O AMBIENTE QUE CERCA O INDIVÍDUO É EXPERIMENTADO COMO IRREAL, DESCONHECIDO, DIFERENTE, DIFERENTE, COM SENSAÇÃO DE ESTRANHEZA.

AO CONTRÁRIO DOS QUADROS PSICÓTICOS, O INDIVÍDUO TEM CONSCIÊNCIA

DA ALTERAÇÃO, SENTINDO COMO SE FALTASSE COR OU VIDA NO MUNDO,

COM TUDO QUE O CERCA PARECENDO UM PALCO ARTIFICIAL, COM ATORES

AO INVÉS DE PESSOAS AUTÊNTICAS

TRANSTORNOS OU REAÇÕES ANSIOSAS

UM PALCO ARTIFICIAL, COM ATORES AO INVÉS DE PESSOAS AUTÊNTICAS TRANSTORNOS OU REAÇÕES ANSIOSAS CONSCIÊNCIA
UM PALCO ARTIFICIAL, COM ATORES AO INVÉS DE PESSOAS AUTÊNTICAS TRANSTORNOS OU REAÇÕES ANSIOSAS CONSCIÊNCIA
UM PALCO ARTIFICIAL, COM ATORES AO INVÉS DE PESSOAS AUTÊNTICAS TRANSTORNOS OU REAÇÕES ANSIOSAS CONSCIÊNCIA

CONSCIÊNCIA

CONCEITO PRAGMATISMO VOLIÇÃO IMPULSIVIDADE PSICOMOTRICIDADE A CAPACIDADE DE FOCALIZAR A ATIVIDADE PSÍQUICA E
CONCEITO
PRAGMATISMO
VOLIÇÃO
IMPULSIVIDADE
PSICOMOTRICIDADE
A
CAPACIDADE DE
FOCALIZAR A ATIVIDADE PSÍQUICA
E DISCRIMINAR CONTEÚDOS E ESTÍMULOS.
A ATENÇÃO É A DIREÇÃO
DA CONSCIÊNCIA.
INTELIGÊNCIA
REPRESENTAÇÃO
AFETIVIDADE
JUÍZO
CRÍTICA
LINGUAGEM
PENSAMENTO
SENSOPERCEPÇÃO
ORIENTAÇÃO
MEMÓRIA
ATENÇÃO
CONSCIÊNCIA
ATIVIDADE MENTAL
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL DIMENSÕES VOLUNTÁRIA NATUREZA ESPONTÂNEA A

DIMENSÕES

RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL DIMENSÕES VOLUNTÁRIA NATUREZA ESPONTÂNEA A CONCENTRAÇÃO É
VOLUNTÁRIA NATUREZA ESPONTÂNEA A CONCENTRAÇÃO É ATIVA E INTENCIONAL SOBRE UM OBJETO. SUSCITADA POR INTERESSES
VOLUNTÁRIA
NATUREZA
ESPONTÂNEA
A CONCENTRAÇÃO É ATIVA E
INTENCIONAL SOBRE UM OBJETO.
SUSCITADA POR INTERESSES
MOMENTÂNEOS
VOLTADA PARA O AMBIENTE, DE
NATUREZA MAIS SENSORIAL.
CONCENTRADA SOBRE UM CAMPO
DETERMINADO E DELIMITADO.
EXTERNA
FOCAL
ATENÇÃO
DIREÇÃO
AMPLITUDE
INTERNA
DISPERSA
VOLTADA PARA OS PROCESSOS
MENTAIS E
PARA
O
EU, DE
NATUREZA REFLEXIVA.
NÃO SE CONCENTRA EM UM
CAMPO DETERMINADO E ATUA EM
UM CAMPO MENOS DELIMITADO.
DINÂMICA DA ATENÇÃO VOLUNTÁRIA DIMINUÍDA AUMENTADA NÍVEL DE CONSCIÊNCIA & INTERESSE (HIPOPROSEXIA)

DINÂMICA DA ATENÇÃO VOLUNTÁRIA

DINÂMICA DA ATENÇÃO VOLUNTÁRIA DIMINUÍDA AUMENTADA NÍVEL DE CONSCIÊNCIA & INTERESSE (HIPOPROSEXIA)
DIMINUÍDA AUMENTADA NÍVEL DE CONSCIÊNCIA & INTERESSE (HIPOPROSEXIA) (HIPERPROSEXIA) CAPACIDADE DE DETERMINAR
DIMINUÍDA
AUMENTADA
NÍVEL DE CONSCIÊNCIA & INTERESSE
(HIPOPROSEXIA)
(HIPERPROSEXIA)
CAPACIDADE DE DETERMINAR
A MANUTENÇÃO DA ATENÇÃO
ATENÇÃO SELETIVA
ATENÇÃO FOCAL,
SELETIVA SOBRE DETERMINADO
CONCENTRAÇÃO DAS
ESTÍMULO, POSSIBILITANDO A
FUNÇÕES MENTAIS E
EXECUÇÃO DE TAREFAS.
ATENÇÃO SUSTENTADA
ESTABELECER PRIORIDADES
CAPACIDADE EM MANTER A
DA ATIVIDADE CONSCIENTE,
TENACIDADE
ATENÇÃO DIRIGIDA PARA UM
VISANDO À SELEÇÃO DE
DETERMINADO ESTÍMULO.
ESTÍMULOS E OBJETOS
VIGILÂNCIA
ESPECÍFICOS, PERANTE A UM
CAPACIDADE DE MUDAR O FOCO
AMPLO NÚMERO DESSES.
DE UM OBJETO PARA O OUTRO.
ATIVIDADE MENTAL
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PRODUTO DA

ATENÇÃO VOLUNTÁRIA

– UNIAD / UNIFESP PRODUTO DA ATENÇÃO VOLUNTÁRIA CONCENTRAÇÃO DISTRAÇÃO CONCENTRAÇÃO DEMASIADA EM UM

CONCENTRAÇÃO

DISTRAÇÃO

DA ATENÇÃO VOLUNTÁRIA CONCENTRAÇÃO DISTRAÇÃO CONCENTRAÇÃO DEMASIADA EM UM DETERMINADO OBJETO /

CONCENTRAÇÃO DEMASIADA

EM UM DETERMINADO

OBJETO / ESTÍMULO EM

DETRIMENTO DOS DEMAIS.

(NÃO É UM SINAL OU DÉFICIT)

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO ALTERAÇÃO HIPOPROSEXIA PERDA

ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO

UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO ALTERAÇÃO HIPOPROSEXIA PERDA BÁSICA DA CAPACIDADE DE
ALTERAÇÃO HIPOPROSEXIA PERDA BÁSICA DA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO, COM FADIGABILIDADE AUMENTADA, O QUE DIFICULTA A
ALTERAÇÃO
HIPOPROSEXIA
PERDA BÁSICA DA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO, COM
FADIGABILIDADE AUMENTADA, O QUE DIFICULTA A PERCEPÇÃO
DOS ESTÍMULOS AMBIENTAIS.
LEMBRANÇAS TORNAM-SE MAIS DIFÍCEIS E IMPRECISAS.
HÁ DIFICULDADE EM TODAS AS FUNÇÕES PSÍQUICAS SUPERIORES.
(PENSAMNETO, RACIOCÍNIO, ABSTRAÇÃO, PLANEJAMENTO)
DEPRESSÃO
ESTRESSE
INTOXICAÇÕES AGUDAS POR SEDATIVOS
‘RESSACA’ PÓS-CONSUMO DE ESTIMULANTES

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO ALTERAÇÃO HIPERPROSEXIA ESTADO

ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO

UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO ALTERAÇÃO HIPERPROSEXIA ESTADO DE ATENÇÃO EXACERBADA,
ALTERAÇÃO HIPERPROSEXIA ESTADO DE ATENÇÃO EXACERBADA, NO QUAL A UMA TENDÊNCIA OBSTINADA E INCOERCÍVEL A
ALTERAÇÃO
HIPERPROSEXIA
ESTADO DE ATENÇÃO EXACERBADA, NO QUAL A UMA TENDÊNCIA
OBSTINADA E INCOERCÍVEL A MANTER A ATENÇÃO DIRIGIDA A
DETERMINADOS OBJETOS / ESTÍMULOS.
INFADIGABILIDADE SURPREENDENTE
BUSCA PELA SUBSTÂNCIA
MEDIADAS PELACOMPULSÃO & FISSURA
OBJETOS / ESTÍMULOS. INFADIGABILIDADE SURPREENDENTE BUSCA PELA SUBSTÂNCIA MEDIADAS PELACOMPULSÃO & FISSURA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO ALTERAÇÃO DISTRAIBILIDADE

ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO

UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DA ATENÇÃO ALTERAÇÃO DISTRAIBILIDADE INSTABILIDADE MARCANTE E
ALTERAÇÃO DISTRAIBILIDADE INSTABILIDADE MARCANTE E MOBILIDADE ACENTUADA DA ATENÇÃO VOLUNTÁRIA, COM DIFICULDADE E
ALTERAÇÃO
DISTRAIBILIDADE
INSTABILIDADE MARCANTE E MOBILIDADE ACENTUADA DA ATENÇÃO
VOLUNTÁRIA, COM DIFICULDADE E INCAPACIDADE PARA SE FIXAR OU
SE MANTER EM QUALQUER COISA QUE IMPLIQUE ESFORÇO PRODUTIVO.
ATENÇÃO FACILMENTE DESVIADA POR OUTROS OBJETOS
DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE
PERÍODOS INICIAIS DE ABSTINÊNCIA
CONCEITO A CAPACIDADE DE SITUAR-SE EM RELAÇÃO A SI (AUTOPSÍQUICO) E PRAGMATISMO VOLIÇÃO IMPULSIVIDADE
CONCEITO
A CAPACIDADE DE SITUAR-SE EM RELAÇÃO A SI (AUTOPSÍQUICO) E
PRAGMATISMO
VOLIÇÃO
IMPULSIVIDADE
PSICOMOTRICIDADE
AO AMBIENTE, NO TEMPO E NO ESPAÇO
(ALOPSÍQUICO).
TIPOS
INTELIGÊNCIA
ORIENTAÇÃO ALOPSÍQUICA
REPRESENTAÇÃO
CAPACIDADE DE SE ORIENTAR EM RELAÇÃO AO MUNDO NO ESPAÇO – LOCAL ONDE
VIVE, TRABALHA OU ESTUDA, O ANDAR
DO EDIFÍCIO ONDE ESTÁ, LOCAIS PERIGOSOS
AFETIVIDADE
DA CIDADE – E NO TEMPO – DIA DA SEMANA, DIA ÚTIL / FIM-DE-SEMANA, DISTINÇÃO
JUÍZO
CRÍTICA
ENTRE DIA & NOITE,
LINGUAGEM
ORIENTAÇÃO AUTOPSÍQUICA
CAPACIDADE DE SE ORIENTAR EM RELAÇÃO A SI – NOME, IDADE, DATA DE
PENSAMENTO
NASCIMENTO, PROFISSÃO, ESTADO CIVIL
SENSOPERCEPÇÃO
ORIENTAÇÃO
MEMÓRIA
ATENÇÃO
CONSCIÊNCIA
ATIVIDADE MENTAL
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO   DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO   DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A

ALTERAÇÃO

 

DESORIENTAÇÃO

A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE.

 

1

REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

A TURVAÇÃO DA CONSCIÊNCIA PREJUDICA AS FUNÇÕES COGNITIVAS E INTEGRATIVAS, IMPOSSIBILITANDO O ESTABELECIMENTO DA CRONOLOGIA E SITUAÇÃO DOS FATOS. FORMA DEDESORIENTAÇÃO MAIS

 

SENSOPERCEPÇÃO

COMUM.

 
DA CRONOLOGIA E SITUAÇÃO DOS FATOS. FORMA DEDESORIENTAÇÃO MAIS   SENSOPERCEPÇÃO COMUM.  

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE
ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE. 2 DÉFICIT DA
ALTERAÇÃO
DESORIENTAÇÃO
A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE.
2 DÉFICIT DA MEMÓRIA DE FIXAÇÃO
NÃO HÁ FIXAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS BÁSICAS,
LEVANDO À DESORIENTAÇÃO NO TEMPO E ESPAÇO.
SENSOPERCEPÇÃO
PSICOSE DE KORSAKOFF
DORY
PROCURANDO NEMO
BÁSICAS, LEVANDO À DESORIENTAÇÃO NO TEMPO E ESPAÇO. SENSOPERCEPÇÃO PSICOSE DE KORSAKOFF DORY PROCURANDO NEMO

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE
ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE. 3 APATIA DECORRE
ALTERAÇÃO
DESORIENTAÇÃO
A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE.
3
APATIA
DECORRE DA MARCANTE ALTERAÇÃO DO HUMOR E DA VOLIÇÃO, NAS QUAIS
O INDIVÍDUO NÃO INVESTE SUA ENERGIA NO AMBIENTE, TAMPOUCO SE
ATÉM AOS SEUS ESTÍMULOS.
SENSOPERCEPÇÃO
DEPRESSÃO MAIOR GRAVE
NÃO INVESTE SUA ENERGIA NO AMBIENTE, TAMPOUCO SE ATÉM AOS SEUS ESTÍMULOS. SENSOPERCEPÇÃO DEPRESSÃO MAIOR GRAVE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE
ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE. 4 PRODUÇÃO DELIRANTE
ALTERAÇÃO
DESORIENTAÇÃO
A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE.
4
PRODUÇÃO DELIRANTE
O INDIVÍDUO ACREDITA HABITAR O LOCAL DE SEU DELÍRIO – O INFERNO, UMA
PRISÃO – PORÉM É COMUM A DESORIENTAÇÃO DELIRANTE COEXISTIR COM
A ORIENTAÇÃO CORRETA – UMA ENFERMARIA PSIQUIÁTRICA.
SENSOPERCEPÇÃO
TRANSTORNOS PSICÓTICOS
ESQUIZOFRENIA E TRANSTORNO DELIRANTE
CORRETA – UMA ENFERMARIA PSIQUIÁTRICA. SENSOPERCEPÇÃO TRANSTORNOS PSICÓTICOS ESQUIZOFRENIA E TRANSTORNO DELIRANTE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE
ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE. 5 OLIGOFRENIA
ALTERAÇÃO
DESORIENTAÇÃO
A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE.
5
OLIGOFRENIA
DÉFICITS PRONUNCIADOS DE INTELIGÊNCIA IMPEDEM A COMPREENSÃO E
RECONHECIMENTO DAS NORMAS SOCIAIS QUE PADRONIZAM A ORIENTAÇÃO
DO INDIVÍDUO NO MUNDO.
SENSOPERCEPÇÃO
COMPREENSÃO E RECONHECIMENTO DAS NORMAS SOCIAIS QUE PADRONIZAM A ORIENTAÇÃO DO INDIVÍDUO NO MUNDO. SENSOPERCEPÇÃO

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE
ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO
ALTERAÇÃO
DESORIENTAÇÃO
A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE.
6
HISTERIA
QUADROS HISTÉRICOS GRAVES, TAIS COMO TRANSE, DISSOCIAÇÃO E
ESTADOS CREPUSCULARES, CURSAM COM ESTREITAMENTO DO CAMPO
DA CONSCIÊNCIA, LEVANDO A DESORIENTAÇÃO, AINDA QUE MOMENTÂNEA.
SENSOPERCEPÇÃO
CURSAM COM ESTREITAMENTO DO CAMPO DA CONSCIÊNCIA, LEVANDO A DESORIENTAÇÃO, AINDA QUE MOMENTÂNEA. SENSOPERCEPÇÃO

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE
ALTERAÇÃO DESORIENTAÇÃO A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE. 7 DESAGREGAÇÃO A
ALTERAÇÃO
DESORIENTAÇÃO
A DESORIENTAÇÃO TIPIFICA-SE DE ACORDO COM A ALTERAÇÃO DE BASE.
7
DESAGREGAÇÃO
A DESAGREGAÇÃO DA ATIVIDADE MENTAL IMPEDE O INDIVÍDUO DE
ORIENTAR-SE ADEQUADAMENTE NO TEMPO / ESPAÇO E QUANTO A SI.
SENSOPERCEPÇÃO
ESQUIZOFRENIA
IMPEDE O INDIVÍDUO DE ORIENTAR-SE ADEQUADAMENTE NO TEMPO / ESPAÇO E QUANTO A SI. SENSOPERCEPÇÃO ESQUIZOFRENIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO ALTERAÇÃO VIVÊNCIAS DO TEMPO A ALTERAÇÃO OBSERVADA DEPENDENDE DO FATOR CAUSAL.
ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO
ALTERAÇÃO
VIVÊNCIAS DO TEMPO
A ALTERAÇÃO OBSERVADA DEPENDENDE DO FATOR CAUSAL.
ILUSÃO SOBRE A DURAÇÃO DO TEMPO
O TEMPO PODE PARECER VELOZ E COMPRIMIDO COMO LENTO E DILATADO
INTOXICAÇÃO POR ALUCINÓGENOS
SENSOPERCEPÇÃO
OU ESTIMULANTES
“O TEMPO, QUE É AVALIADO EM FUNÇÃO
DA QUANTIDADE DE INFORMAÇÃO
RECEBIDA, É LENTIFICADO PELO
APAGAMENTO DA CAPACIDADE DE
IDENTIFICAR, DIFERENCIAR E NOTAR
VARIAÇÕES.”
SONENREICH C. A MACONHA NA CLÍNICA
PSIQUIÁTRICA. SP: MANOLE; 1982
ATIVIDADE MENTAL
CONCEITO A CAPACIDADE DE REGISTRAR, FIXAR E EVOCAR OS VESTÍGIOS DA PRAGMATISMO VOLIÇÃO IMPULSIVIDADE
CONCEITO
A CAPACIDADE DE
REGISTRAR, FIXAR E EVOCAR OS VESTÍGIOS DA
PRAGMATISMO
VOLIÇÃO
IMPULSIVIDADE
PSICOMOTRICIDADE
EXPERIÊNCIA.
FASES
INTELIGÊNCIA
REPRESENTAÇÃO
FASES DA MEMÓRIA
AFETIVIDADE
JUÍZO
CRÍTICA
PERCEPÇÃO
RETENÇÃO
EVOCAÇÃO
REGISTRO
LINGUAGEM
CONSERVAÇÃO
REPRODUÇÃO
FIXAÇÃO
PENSAMENTO
O PROCESSO DE MEMORIZAÇÃO É INFLUENCIADO POR UMA SÉRIE DE FATORES.
SENSOPERCEPÇÃO
NÍVEL DE
ATENÇÃO
SENSOPERCEPÇÃO
ORIENTAÇÃO
MEMÓRIA
CONSCIÊNCIA
CONHECIMENTO
CAPACIDADE DE
INTERESSE E
ATENÇÃO
ANTERIOR
COMPREENSÃO
COLORIDO EMOCIONAL
CONSCIÊNCIA
ATIVIDADE MENTAL
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES QUANTITAT IVAS DA MEMÓRIA ALTERAÇÃO AMNÉSIA

ALTERAÇÕES QUANTITATIVAS DA MEMÓRIA

ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES QUANTITAT IVAS DA MEMÓRIA ALTERAÇÃO AMNÉSIA ANTERÓGRADA DIFICULDADE DE FIXAÇÃO A

ALTERAÇÃO

AMNÉSIA ANTERÓGRADA

DIFICULDADE DE FIXAÇÃO A PARTIR DO EVENTO CAUSADOR DO DANO CEBEBRAL.

TRANSTORNOS NEUROCOGNITIVOS

AMNÉSIA ANTERÓGRADA DIFICULDADE DE FIXAÇÃO A PARTIR DO EVENTO CAUSADOR DO DANO CEBEBRAL. TRANSTORNOS NEUROCOGNITIVOS

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES QUANTITAT IVAS DA MEMÓRIA ALTERAÇÃO AMNÉSIA

ALTERAÇÕES QUANTITATIVAS DA MEMÓRIA

ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES QUANTITAT IVAS DA MEMÓRIA ALTERAÇÃO AMNÉSIA RETRÓGRADA DIFICULDADE DE EVOCAÇÃO

ALTERAÇÃO

AMNÉSIA RETRÓGRADA

DIFICULDADE DE EVOCAÇÃO DE FATOS OCORRIDOS ANTES DO INÍCIO DA DOENÇA OU EVENTO TRAUMÁTICO.

TRANSTORNOS DISSOCIATIVOS

DE EVOCAÇÃO DE FATOS OCO RRIDOS ANTES DO INÍCIO DA DOENÇA OU EVENTO TRAUMÁTICO. TRANSTORNOS DISSOCIATIVOS

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA MEMÓRIA ALTERAÇÃO ILUSÕES

ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA MEMÓRIA

ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA MEMÓRIA ALTERAÇÃO ILUSÕES MNÊMICAS INCLUSÃO DE ELEMENTOS FALSOS

ALTERAÇÃO

ILUSÕES MNÊMICAS

INCLUSÃO DE ELEMENTOS FALSOS NO NÚCLEO VERDADEIRO DA MEMÓRIA.

ESQUIZOFRENIA

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE HISTRIÔNICA E BORDERLINE

ELEMENTOS FALSOS NO NÚCLEO VERDADEIRO DA MEMÓRIA. ESQUIZOFRENIA TRANSTORNO DE PERSONALIDADE HISTRIÔNICA E BORDERLINE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA MEMÓRIA ALTERAÇÃO FABULAÇÕES OU

ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA MEMÓRIA

– UNIAD / UNIFESP ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA MEMÓRIA ALTERAÇÃO FABULAÇÕES OU CONFABULAÇÕES ELEMENTOS DA
ALTERAÇÃO FABULAÇÕES OU CONFABULAÇÕES ELEMENTOS DA IMAGINAÇÃO OU LEMBRANÇAS ISOLADAS COMPLETAM ARTIFICIALMENTE
ALTERAÇÃO
FABULAÇÕES OU CONFABULAÇÕES
ELEMENTOS DA IMAGINAÇÃO OU LEMBRANÇAS ISOLADAS COMPLETAM
ARTIFICIALMENTE LACUNAS DE MEMÓRIA ORIGNADAS DEVIDO À FALHA
DA MEMÓRIA DE FIXAÇÃO.
HÁ INCAPACIDADE DO DOENTE EM RECONHECER COMO FALSOS OS
PRODUTOS DE SUA IMAGINAÇÃO. ALÉM DISSO, O ELEMENTO MNÊMICO
UTILIZADO PARA PREENCHER A LACUNA NÃO TÊM ESTABILIDADE, SENDO
SUBSTITUÍDO SEM CRITÉRIO OU CRÍTICA PELO PACIENTE. DESSE MODO
O PACIENTE NÃO TEM A INTENÇÃO DE ENGANAR O MÉDICO.
PSICOSE DE KORSAKOFF
ATIVIDADE MENTAL

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL CONCEITO FUNÇÃO PSÍQUICA ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO É

CONCEITO

FUNÇÃO PSÍQUICA ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS ESTÍMULOS SENSORIAIS.

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS ESTÍMULOS SENSORIAIS. HÁ IMPORTANTES DIFERENÇAS ENTRE A IMAGEM SENSORIAL E

HÁ IMPORTANTES DIFERENÇAS ENTRE A IMAGEM SENSORIAL E A IMAGEM REPRESENTATIVA, QUE SE TRATA APENAS DE UMA REVIVESCÊNCIA MNÊMICA DA PRIMEIRA.

SENSOPERCEPÇÃO É DIFERENTE DE REPRESENTAÇÃO

 

SENSOPERCEPÇÃO

REPRESENTAÇÃO

 

1. IMAGEM NÍTIDA, VÍVIDA E COMPLETA

1. IMAGEM

POUCO

NÍTIDA

E

2. A CAPTAÇÃO DA IMAGEM INDEPENDE

INCOMPLETA.

   

DA VONTADE DO OBSERVADOR.

2. DEPENDE DA VONTADE.

 

3. NÃO PODE SER EVOCADA OU

3. SÃO

MODIFICADAS

E

EVOCADAS

MODIFICADA ARBITRARIAMENTE.

ARBITRARIAMENTE.

4. ACEITAS COM PASSIVIDADE.

4. SÃO PRODUZIDAS COM SENSAÇÃO DE ATIVIDADE.

ALTERAÇÕES DA SENSOPERCEPÇÃO ALTERAÇÕES SENSOPERCEPÇÃO TIPOS HIPOESTESIA HIPERESTESIA SINESTESIA O MUNDO

ALTERAÇÕES DA SENSOPERCEPÇÃO

ALTERAÇÕES DA SENSOPERCEPÇÃO ALTERAÇÕES SENSOPERCEPÇÃO TIPOS HIPOESTESIA HIPERESTESIA SINESTESIA O MUNDO
ALTERAÇÕES SENSOPERCEPÇÃO TIPOS HIPOESTESIA HIPERESTESIA SINESTESIA O MUNDO CIRCUNDANTE É PERCEBIDO COM MAIS
ALTERAÇÕES
SENSOPERCEPÇÃO
TIPOS
HIPOESTESIA
HIPERESTESIA
SINESTESIA
O MUNDO CIRCUNDANTE
É
PERCEBIDO COM MAIS ESCURO,
AS PERCEPÇÕES ENCONTRAM-SE
AUMENTADAS. OS SONS SÃO
OUVIDOS DE MODO AMPLIFICADO
E EM DETALHES, AS CORES
UMA MISTURA DE INFORMAÇÕES
SENSORIAIS. HÁ SENSAÇÕES
ACINZENTADO, DE CORES
PÁLIDAS, SEM BRILHO, OS
COMO OUVIR UMA COR, VER UM
SOM, OU
SEJA, AS SENSAÇÕES
ALIMENTOS NÃO TÊM MAIS
SABOR E OS ODORES
PERDEM SUA INTENSIDADE.
TORNAM-SE MAIS VÍVIDAS E
INTENSAS E O TATO PARECE
DOTADO DE NOVAS SENSAÇÕES.
AUDITIVAS SE TRADUZEM EM
IMAGENS E AS IMAGENS SE
TRADUZEM EM SONS.
DEPRESSÃO MAIOR
LSD & ANÁLOGOS
INTOXICAÇÃO POR ALUCINÓGENOS
EM MENOR GRAU POR MACONHA E COCAÍNA
MANIA
EPILEPSIA
ATIVIDADE MENTAL
PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

CONCEITODR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL A ATIVIDADE DE SUCEDER IDÉI AS ATRAVÉS

A ATIVIDADE DE SUCEDER IDÉIAS ATRAVÉS DA LINGUAGEM.

A ATIVIDADE DE SUCEDER IDÉI AS ATRAVÉS DA LINGUAGEM. CONCEITO FORMAÇÃO DO PENSAMENTO FUNÇÃO O PENSAMENTO

CONCEITO FORMAÇÃO DO PENSAMENTOA ATIVIDADE DE SUCEDER IDÉI AS ATRAVÉS DA LINGUAGEM. FUNÇÃO O PENSAMENTO É CONSTRUÍDO PELO RELAC

FUNÇÃO

O PENSAMENTO É CONSTRUÍDO PELO RELACIONAMENTO DE CONCEITOS, JUÍZOS

ELEMENTAR.

PSÍQUICA

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

E

RACIOCÍNIOS.

SENSOPERCEPÇÃO PRODUZEM CONCEITOS REPRESENTAÇÃO CONSTRUTO COGNITIVO BÁSICO DO PENSAMENTO, ONDE SE IDÉIA
SENSOPERCEPÇÃO
PRODUZEM CONCEITOS
REPRESENTAÇÃO
CONSTRUTO COGNITIVO BÁSICO
DO PENSAMENTO, ONDE SE
IDÉIA
EXPRIMEM OS ASPECTOS
CONCEITO
ESSENCIAIS DE UM OBJETO OU
FENÔMENO, LIVRES DE IMAGENS
SOL
CALOR
SENSORIAIS E PASSÍVEIS DE
GENERALIZAÇÃO.
ESBELECER
JUÍZO
RELAÇÕES ENTRE
CONCEITOS
O SOL PRODUZ CALOR
PLANTAS SECAM AO CALOR

PRECISO REGAR MINHAS PLANTAS

CALOR PLANTAS SECAM AO CALOR PRECISO REGAR MINHAS PLANTAS DEPENDE DA VONTADE, SÃO MODIFICADAS E CONSCIÊNCIA
CALOR PLANTAS SECAM AO CALOR PRECISO REGAR MINHAS PLANTAS DEPENDE DA VONTADE, SÃO MODIFICADAS E CONSCIÊNCIA

DEPENDE DA VONTADE, SÃO MODIFICADAS E

CONSCIÊNCIA

EVOCADAS ARBITRARIAMENTE E SÃO

PRODUZIDAS COM SENSAÇÃO DE ATIVIDADE.

RACIOCÍNIO SENSOPERCEPÇÃO É DIFERENTE DE REPRESENTAÇÃO.

ESTABELECER

INDEPENDE RELAÇÕES DA VONTADE, ENTRE NÃO PODE SER JUÍZOS

OU MODIFICADA ARBITRARIAMENTE E

EVOCADA

SÃO ACEITAS COM PASSIVIDADE.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: CURSO, FORMA E CONTEÚDO.

CONCEITO

E SSENCIAIS: CURSO , FORMA E CONTEÚDO . CONCEITO FUNÇÃO 1 PSÍQUICA CURSO ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO
FUNÇÃO 1 PSÍQUICA CURSO ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS ESTÍMULOS SENSORIAIS.
FUNÇÃO
1
PSÍQUICA CURSO
ELEMENTAR.
CUJA
FUNÇÃO
É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS
ESTÍMULOS SENSORIAIS.
O CURSO DO PENSAMENTO REFERE-SE A SUA VELOCIDADE.
VELOCIDADE NORMAL DO PENSAMENTO
FUGA DE IDÉIAS
INIBIÇÃO
LENTIFICAÇÃO
ACELERAÇÃO

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: CURSO, FORMA E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: CURSO , FORMA E CONTEÚDO . CONCEITO 1 FUNÇÃO PSÍQUICA CURSO ELEMENTAR.

CONCEITO

1
1

FUNÇÃO

PSÍQUICA CURSO

ELEMENTAR.

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ALTERAÇÕES

LENTIFICAÇÃO DO PENSAMENTO

AO SNC OS ALTERAÇÕES LENTIFICAÇÃO DO PENSAMENTO PENSAMENTO DE PROGRESSÃO LENTA E DIFICULTOSA, COM GRANDE

PENSAMENTO DE PROGRESSÃO LENTA E DIFICULTOSA, COM GRANDE

LATÊNCIA ENTRE A PERGUNTA E A RESPOSTA.

CASOS EXTREMOS DE LENTIFICAÇÃO LEVAM À INIBIÇÃO DO PENSAMENTO,

NA QUAL AS ASSOCIAÇÕES SÃO ESCASSAS, HÁ GRANDE ADESÃO À MESMA

TENDÊNCIA DETERMINANTE (PERSEVERAÇÃO) E DIFICULDADE EM MUDAR

O FOCO DA ATENÇÃO.

DEPRESSÃO MAIOR

INTOXICAÇÃO POR SEDATIVOS

(ÁLCOOL, OPIÁCEOS, BDZ, SOLVENTES)

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: CURSO, FORMA E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: CURSO , FORMA E CONTEÚDO . CONCEITO 1 FUNÇÃO PSÍQUICA CURSO ELEMENTAR.

CONCEITO

1
1

FUNÇÃO

PSÍQUICA CURSO

ELEMENTAR.

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ALTERAÇÕES

ACELERAÇÃO DO PENSAMENTO

TRANSMITIR AO SNC OS ALTERAÇÕES ACELERAÇÃO DO PENSAMENTO PENSAMENTO FLUI DE FORMA MUITO ACELERADA, COM SUCESSÃO

PENSAMENTO FLUI DE FORMA MUITO ACELERADA, COM SUCESSÃO RÁPIDA

DE IDÉIAS.

QUADROS DE ACELERAÇÃO MODERADAS DÃO A SENSAÇÃO DE MELHORA

DA AGILIDADE E CLAREZA DE RACIOCÍNIO.

CASOS MAIS GRAVES LEVAM A

RACIOCÍNIOS VAGOS E SIMPLISTAS, QUASE SEMPRE ACOMPANHADOS POR

‘ATITUDES IMPENSADAS’. CASOS EXTREMOS LEVAM À FUGA DE IDÉIAS.

TRANSTORNO BIPOLAR DO HUMOR, FASE DE MANIA

INTOXICAÇÃO POR ESTIMULANTES

(COCAÍNA, ANFETAMINAS)

QUADROS ANSIOSOS

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: CURSO, FORMA E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: CURSO , FORMA E CONTEÚDO . CONCEITO 1 FUNÇÃO PSÍQUICA CURSO ELEMENTAR.

CONCEITO

1
1

FUNÇÃO

PSÍQUICA CURSO

ELEMENTAR.

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ALTERAÇÕES

BLOQUEIO OU INTERCEPTAÇÃO DO PENSAMENTO

OS ALTERAÇÕES BLOQUEIO OU INTERCEPTAÇÃO DO PENSAMENTO VIVÊNCIA DE INTERRUPÇÃO REPENTINA DO CURSO DO PENSAMENTO,

VIVÊNCIA DE INTERRUPÇÃO REPENTINA DO CURSO DO PENSAMENTO, SEM

QUALQUER MOTIVO APARENTE.

O PACIENTE, NORMALMENTE, RELATA QUE SEU PENSAMENTO PÁRA.

ESQUIZOFRENIA

ALTERAÇÃO QUASE EXCLUSIVA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: CURSO, FORMA E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: CURSO , FORMA E CONTEÚDO . CONCEITO 1 FUNÇÃO PSÍQUICA CURSO ELEMENTAR.

CONCEITO

1
1

FUNÇÃO

PSÍQUICA CURSO

ELEMENTAR.

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ALTERAÇÕES

ROUBO DO PENSAMENTO

TRANSMITIR AO SNC OS ALTERAÇÕES ROUBO DO PENSAMENTO A VIVÊNCIA DE ROUBO DO PENSAMENTO DA MENTE

A VIVÊNCIA DE ROUBO DO PENSAMENTO DA MENTE DO PACIENTE POR UMA

FORÇA, UM ENTE ESTRANHO, ANTENA DE TV, MÁQUINAS, ALIENÍGENAS,

UM TIPO DE VIVÊNCIA DE INFLUÊNCIA, GERALMENTE ASSOCIADA AO

BLOQUEIO DO PENSAMENTO.

ESQUIZOFRENIA

TRANSTORNOS DELIRANTES

INTOXICAÇÃO POR ALUCINÓGENOS E ESTIMULANTES

DENOTA UM QUADRO GRAVE, GERALMENTE COM PREDISPOSIÇÕES DE BASE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO DE

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS. ESTRUTURA BÁSICA DO PENSAMENTO, SUA ARQUITETURA.

FORMA DO PENSAMENTO ASSOCIAÇÃO DE IDÉIAS TENDÊNCIA DETERMINANTE ATIVIDADE MENTAL
FORMA DO PENSAMENTO
ASSOCIAÇÃO DE IDÉIAS
TENDÊNCIA DETERMINANTE
ATIVIDADE MENTAL

RUMO DO

PENSAMENTO

UM COMANDO SUPERIOR QUE REFORÇA

CERTAS TENDÊNCIAS ASSOCIATIVAS

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS ESTÍMULOS SENSORIAIS.

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

ALTERAÇÕES

ARBORIZAÇÃO DO PENSAMENTO

PERDA DA DIRECIONALIDADE DO PENSAMENTO, LEVANDO A MUDANÇAS

CONSTANTES NA TENDÊNCIA DO MESMO, SEM NUNCA CONCLUIR UM

RACIOCÍNIO.

PRODUTO ESTRUTURAL DA ACELERAÇÃO DO PENSAMENTO / FUGA DE IDÉIAS.

EM CASOS EXTREMOS, A MUDANÇA NA TENDÊNCIA SE DÁ A PARTIR DE

ELEMENTOS FONÉTICOS (ASSONÂNCIA).

MANIA

QUADROS ANSIOSOS GRAVES

INTOXICAÇÃO POR ESTIMULANTES

(COCAÍNA, ANFETAMINAS)

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ALTERAÇÕES

ASSONÂNCIA FRIO DIU RECADO PARA MEU
ASSONÂNCIA
FRIO
DIU
RECADO
PARA
MEU
TIO FUI AO MERCADO
TIO
FUI AO MERCADO

ARBORIZAÇÃO DO PENSAMENTO

PARA MEU TIO FUI AO MERCADO ARBORIZAÇÃO DO PENSAMENTO PAVIO NAVIO PARTIU MEU AVÔ TRABALHAVA NA

PAVIO

NAVIO PARTIU

MEU AVÔ TRABALHAVA NA AVENIDA PAULISTA TINHA MUITO TRANSITO NA AVENIDA PAULISTA
MEU AVÔ
TRABALHAVA
NA
AVENIDA
PAULISTA
TINHA MUITO TRANSITO NA
AVENIDA PAULISTA

SE ESTIVESSE VIVO, NÃO PERMITIRIA QUE EU FOSSE INTERNADA

COMO FUI AO SUPERMERCADO HOJE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

ESTÍMULOS FORMA SENSORIAIS.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ALTERAÇÕES

ALTERAÇÕES

ARBORIZAÇÃO DO PENSAMENTO

OS ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES ARBORIZAÇÃO DO PENSAMENTO “BOA TARDE! SIM, BOA TARDE, SE A VIDA É TÃO

“BOA TARDE!

SIM, BOA TARDE, SE A VIDA É TÃO DOCE COMO MEL.

GOSTA TAMBÉM DE AÇUCAR? – FÁBRICA DE AÇUCAR – A CANA E A

TAMBÉM DE AÇUCAR? – FÁBRICA DE AÇUCAR – A CANA E A VOCÊ, ASSASSINO – PAI

VOCÊ, ASSASSINO – PAI DO

CORDA – NÃO QUER SE ENFORÇAR?

ASSASSINO – O COLARINHO – O COLARINHO DA CAMISA – BRANCA COMO

A NEVE É A INOCÊNCIA – AH, A INGÊNUA INOCÊNCIA! – MOELA – PATA,

PATA DE CACHORRO, PATA DE GATO – LÍNGUA DE GATO – QUE TEM

GOSTO DE CHOCOLATE DE HOSPÍCIO – ONDE ESTÃO OS LOUCOS.”

BUMKE O. NUEVO TRATADO DE ENFERMIDADES MENTALES. BARCELONA: F. SEIX EDITOR; 1946 – CITADO POR PAIM I. CURSO DE PISCOPATOLOGIA. SÃO PAULO: EPU; 1986.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS ESTÍMULOS SENSORIAIS.

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

ALTERAÇÕES

AFROUXAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES

HÁ UM AFROUXAMENTO DOS ENLACES ASSOCIATIVOS, SEM PERDA

DA CONCATENAÇÃO ENTRE AS IDÉIAS (TENDÊNCIA DETERMINANTE).

AS ASSOCIAÇÕES PARECEM MAIS LIVRES E NÃO TÃO BEM ARTICULADAS.

INTOXICAÇÃO POR ALUCINÓGENOS

(MACONHA, LSD, MESCALINA, PSILOCIBINA)

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS ESTÍMULOS SENSORIAIS.

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

ALTERAÇÕES

AFROUXAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES

SENSORIAIS. ALTERAÇÕES AFROUXAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES VOLTEI PARA CASA FELIZ COM OS MANTIMENTOS. FILA EM CAIXA DE

VOLTEI PARA CASA FELIZ COM OS MANTIMENTOS.

FILA EM CAIXA DE MERCADO É UM SACO, FALA SÉRIO!

ERVILHA

EM LATA É

TUDO, SÔ TIPO FISSURADO PELAS BOLOTINHAS VERDES.

O MERCADO É ACIMA DE TUDO UM ESPAÇO DE CONVÍVO

HAVIA MUITAS DONAS-DE-CASA. PÔ, AS DONAS-DE-CASA SÃO O MOTOR DA HUMANIDADE.

IR AO MERCADO É MUITO LEGAL

COMO FUI AO SUPERMERCADO HOJE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS ESTÍMULOS SENSORIAIS.

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

ALTERAÇÕES

PENSAMENTO VAGO

NESSA CASO, AS RELAÇÕES CONCEITUAIS, A FORMAÇÃO DE JUÍZOS E A

ENCADEAMENTO DESSES EM RACIOCÍNIOS SÃO IMPRECISOS.

NÃO HÁ EMPOBRECIMENTO DO PENSAMENTO, MAS FALTA DE CLAREZA E

E PRECISÃO DE RACIOCÍNIO

DEMÊNCIA

ESQUIZOFRENIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR. CUJA FUNÇÃO É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS ESTÍMULOS SENSORIAIS.

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

ALTERAÇÕES

PENSAMENTO VAGO

“NÃO TENHO PALAVRAS PARA AGRADECER ESTE GESTO DE SINGULAR

IMPORTÂNCIA, QUE

CLASSES, CUJO PASSADO CONDUZ E REFORÇA PROPUGNAR POR UMA

CAUSA JUSTA DE

SEMPRE FOI A MAIOR ESCOLA DA HUMANIDADE EM TODA A SUA

HISTÓRIA. A JUSTIÇA NASCEU POR CERTO DO EQUILÍBRIO DAS FORÇAS,

EM CUJO TEMPO CONTINUA E CONTINUARÁ SEMPRE PARA QUE TODOS

OS BEM INTENCIONADOS SE LOCUPLETEM DA FAMIGERADA BUSCA DE

IRREVERENTES LUTADORES DAS CAUSAS GANHAS.”

VEM REPRESENTAR OS VERDADEIROS ANSEIOS DAS

GANHAS.” VE M REPRESENTAR OS VERDA DEIROS ANSEIOS DAS SUAS REIVINDICAÇÕES, NA VERDADE O TEMPO PAIM

SUAS REIVINDICAÇÕES, NA VERDADE O TEMPO

PAIM I. CURSO DE PISCOPATOLOGIA. SÃO PAULO: EPU; 1986.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

PENSAMENTO OBSESSIVO

TOC

ALTERAÇÕES

QUE

PENSAMENTOS CARACTERIZADOS POR IDÉIAS E REPRESENTAÇÕES,

APESAR DO CONTEÚDO ABSURDO OU REPULSIVO PARA O PACIENTE,

IMPÕEM-SE À CONSCIÊNCIA DE MODO PERSISTENTE E INCONTROLÁVEL.

DESSA FORMA O PENSAMENTO OBSESSIVO

PODE SER CARACTERIZADO DA

DA SEGUINTE FORMA: AUTÔNOMO, RECORRENTE EGODISTÔNICO,

PROVOCANDO GRANDE ANSIEDADE NO PACIENTE, FAZENDO-O TENTAR

INIBI-LOS A PARTIR DA INSTALAÇÃO DE RITUAIS COMPULSIVOS.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

INDEFINIDAMENTE.

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE

ESQUIZÓIDE / ESQUIZOTÍPICOS

ESQUIZOFRENIA

(MACONHA, LSD, MESCALINA, PSILOCIBINA)

ALTERAÇÕES

PENSAMENTO DE IDÉIAS PREVALENTES

PENSAMENTO MARCADO POR UM CONJUNTO DE IDÉIAS QUE, EM VIRTUDE

DE SUA TONALIDADE AFETIVA, ADQUIREM PREDOMINÂNCIA SOBRE TODOS

OS DEMAIS PENSAMENTOS E SE CONSERVAM POR UM LONGO PERÍODO OU

ASSIM COMO OS PENSAMENTOS OBSESSIVOS, AS IDÉIAS PREVALENTES SE

SE IMPÕEM À CONSCIÊNCIA DO PACIENTE, MAS ELAS NÃO TIDAS COMO

ESTRANHAS AO EU.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

PERSEVERAÇÃO DO PENSAMENTO

UMA DÉFICIT NA EVOCAÇÃO DE NOVOS ELEMENTOS.

ESTRANHAS AO EU.

EPILEPSIA

DEFICÊNCIA MENTAL

ALTERAÇÕES

SÃO

REPETIÇÃO AUTOMÁTICA E FREQÜENTE DE REPRESENTAÇÕES, QUE

INTRODUZIDAS COMO MATERIAL SUPÉRFLUO NOS CASOS EM QUE EXISTE

ASSIM COMO OS PENSAMENTOS OBSESSIVOS, AS IDÉIAS PREVALENTES SE

SE IMPÕEM À CONSCIÊNCIA DO PACIENTE, MAS ELAS NÃO TIDAS COMO

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

CONCEITO

E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR. CUJA
2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

   
 

ALTERAÇÕES

   

PERSEVERAÇÃO DO PENSAMENTO

   
 

“TODOS SE SENTAM JUNTOS PARA COMER, HOMENS E MULHERES. É UM

 

LUGAR BEM GRANDE. A QUANTIDADE QUE ME DÃO PARA COMER,

NÃO

PODERIA

   

COMER. TENTEI SER APRESENTÁVEL, EXEMPLAR. O QUE ME

DERAM

PARA COMER, EU ME SENTAVA E COMIA DEVIDAMENTE,

PROCURAVA FAZER O CERTO. O MATERIAL DA COMIDA QUE DÃO,

PERECIA

NÃO ESTAR BEM DEPOIS DO TEMPO; ERA VELHO. TODAS AS

MULHERES RECEBERAM MUITA COMIDA, OU COMIDAS E COMERAM

TUDO. ENTÃO PENSEI QUE ALGUMA OUTRA COISA ESTIVE ERRADA COM

VOCÊS.”

PAIM I. CURSO DE PISCOPATOLOGIA. SÃO PAULO: EPU; 1986.

 

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

PENSAMENTO PROLIXO

AS REPRESENTAÇÕES ESSENCIAIS DAS ACESSÓRIAS.

EPILEPSIA

ALTERAÇÕES

PENSAMENTO MARCADO PELA INCAPACIDADE DO PACIENTE EM SELECIONAR

COMO RESULTADO, O PACIENTE NÃO CONSEGUE DESENVOLVER O TEMA

PRINCIPAL, PERDENDO-SE EM PORMENORES DESNECESSÁRIOS, DANDO

AO RACIOCÍNIO UM ASPECTO PEGAJOSO, ARRASTADO E DIFÍCIL.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

PENSAMENTO PROLIXO

ALTERAÇÕES

É IMPORTÂNTE SABER A PROCEDÊNCIA DA MUSSARELA BLÁ, BLÁ, BLÁ

DEIXE-ME FALAR SOBRE A ÚLTIMA VEZ EM QUE DISCUTI O PONTO IDEAL DO TOMATE COM TIA COTINHA, BLÁ, BLÁ, BLÁ

MEU PAI FOI DONO DE SUPERMERCADO NOS IDOS ANOS 20, DEIXE-ME CONTAR COMO ELE COMPRAVA ENLATADOS NAQUELA OCASIÃO, BLÁ, BLÁ, BLÁ

COMO FUI AO SUPERMERCADO HOJE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

PENSAMENTO PROLIXO

).

ALTERAÇÕES

QUE

NÃO POSSO ENCONTRAR PALAVRAS DE LOUVOR SUFICIENTES PARA

“HOJE FAZ OITO DIAS QUE ME ENCONTRO AQUI E DIGO AO SENHOR

DIZER, SEM EXAGERO, QUANTO TEM FEITO POR MIM, ESPECIALMENTE

NO CURSO ESPAÇO DE TEMPO QUE AQUI ME ENCONTRO. PORQUE

VIM ME ENCONTRAVA DE TAL MODO QUE ME PARECIA

( )

PELO QUE SE REFERE A MINHA PESSOA, PENSO LOUVAR

IMPOSSÍVEL, EM TAÕ POUCO TEMPO, MELHORAR DE TAL MODO.

QUANDO

CALOROSAMENTE OS RESULTADOS QUE SE OBTÊM NESSA CLÍNICA,

CUJA OBRA É DIGNA DE TODO LOUVOR (

PAIM I. CURSO DE PISCOPATOLOGIA. SÃO PAULO: EPU; 1986.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

RETORNANDO AQUI E ACOLÁ AO SEU CURSO ORIGINAL.

ALTERAÇÕES

DESCARRILHAMENTO DO PENSAMENTO

O PENSAMENTO PASSA A EXTRAVIAR-SE DE SEU CURSO NORMAL, TOMA

ATALHOS COLATERAIS, DESVIOS, PENSAMENTOS ACESSÓRIOS,

EM CASOS MAIS GRAVES, OS DESVIOS E DISTANCIAMENTO COMPROMETEM

O ENTENDIMENTO LÓGICO PELO INTERLOCUTOR.

ESQUIZOFRENIA

TRANSTORNO BIPOLAR DO HUMOR, FASE DEMANIA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 2 FUNÇÃO PSÍQUICA FORMA ELEMENTAR.

CONCEITO

2
2

FUNÇÃO

PSÍQUICA FORMA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS.

DESAGREGAÇÃO DO PENSAMENTO

COM TOTAL PERDA DA COERÊNCIA DO PENSAMENTO

ALTERAÇÕES

O PENSAMENTO COM PROFUNDAS E RADICAIS PERDAS ASSOCIATIVA,

SOBRAM APENAS ‘PEDAÇOS’ DE PENSAMENTOS, CONCEITOS E IDÉIAS

FRAGMENTADAS, MUITAS VEZES IRRECONHECÍVEIS E SEM QUALQUER

ARTICULAÇÃO RACIONAL OU TENDÊNCIA DETERMINANTE.

ESQUIZOFRENIA

QUADROS DEMENCIAIS AVANÇADOS

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL PROCESSO DO PENSAMENTO A ANÁLISE DO PROCESSO

PROCESSO DO PENSAMENTO

A ANÁLISE DO PROCESSO DE PENSAMENTO CONSIDERA TRÊS

ELEMENTOS ESSENCIAIS: FORMA, CURSO E CONTEÚDO.

TRÊS ELEMENTOS E SSENCIAIS: FORMA , CURSO E CONTEÚDO . CONCEITO 3 FUNÇÃO CONTEÚDO PSÍQUICA ELEMENTAR.

CONCEITO

3
3

FUNÇÃO

CONTEÚDO

PSÍQUICA

ELEMENTAR.

CUJA

FUNÇÃO

É CAPTAR, TRANSMITIR AO SNC OS

ESTÍMULOS SENSORIAIS. O CONTEÚDO É AQUILO QUE PREENCHE O PROCESSO DE PENSAR.

CONTEÚDOS

QUE

PREENCHEM

OS

TRATA-SE DA TEMÁTICA DO PENSAMENTO.

OS

PSICOPATOLÓGICOS SÃO:

PRINCIPAIS

PENSAMENTOS

1. PERSECUTÓRIOS

2. DEPRECIATIVOS

3. RELIGIOSOS

4. SEXUAIS

5. DE PODER, RIQUEZA OU GRANDEZA

6. DE RUÍNA OU CULPA

7. HIPOCONDRÍACOS

VIDE ALTERAÇÕES DO JUÍZO

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL CONCEITO CONCEITO A ATIVIDADE DE SUCEDER IDÉIAS

CONCEITODR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL CONCEITO A ATIVIDADE DE SUCEDER IDÉIAS ATRAVÉS

CONCEITO

A ATIVIDADE DE SUCEDER IDÉIAS ATRAVÉS DA LINGUAGEM.

A LINGUAGEM É O PRINCIPAL INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO

HUMANA, SENDO A VERBAL A QUE NOS DÁ ESPECIFICIDADE EM

ESTRUTURA RELAÇÃO ÀS DO DEMAIS PENSAMENTO ESPÉCIES. RELAÇÃO ÀS DO DEMAIS PENSAMENTO ESPÉCIES.

FORMA

ASSOCIAÇÃO UM MODO DE DE COMUNICAÇÃO IDÉIAS + TENDÊNCIA QUE DETERMINANTE SE CARACTERIZA = RUMO PELA DO PENSAMENTO COMBINAÇÃO DE FONEMAS DE UMA LÍNGUA, CUJA SEQÜÊNCIA VELOCIDADE PRODUZ O DISCURSO.

LÍNGUA, CUJA SEQÜÊNCIA VELOCIDADE PRODUZ O DISCURSO. LENTIFICAÇÃO LINGUAGEM = PSICOMOTRICIDADE + PENSAMENTO.

LENTIFICAÇÃO

LINGUAGEM = PSICOMOTRICIDADE + PENSAMENTO. CONTEÚDO

NÍVEIS DE ADEQUAÇÃO

INIBIÇÃO

FUGA DE IDÉIAS

CONTEÚDO NÍVEIS DE ADEQUAÇÃO INIBIÇÃO FUGA DE IDÉIAS FORMA: BIPOLAR (MANIA) – ARBORIZAÇÃO E DESAGREGAÇÃO

FORMA:

BIPOLAR (MANIA) – ARBORIZAÇÃO E DESAGREGAÇÃO

PSICOSES – DESAGREGAÇÃO, INSERÇÃO DO PENSAMENTO, SONORIZAÇÃO

TOC – PENSAMENTO OBSESSIVO

TRANSTORNOS ORGÂNICOS – PERSEVERAÇÃO E PROLIXIDADE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL CONCEITO DIMENSÕES DA LINGUAGEM A ATIVIDADE DE
DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL CONCEITO DIMENSÕES DA LINGUAGEM A ATIVIDADE DE

CONCEITO

DIMENSÕES DA LINGUAGEM

A ATIVIDADE DE SUCEDER IDÉIAS ATRAVÉS DA LINGUAGEM.

ESTRUTURA DO PENSAMENTO

FUNÇÃO

GARANTE A SOCIALIZAÇÃO

FORMA

ASSOCIAÇÃO DE IDÉIAS + TENDÊNCIA DETERMINANTE = RUMO DO PENSAMENTO

COMUNICATIVA

DIMENSÃO

ARTÍSTICA

E LÚDICA

LINGUAGEM

INSTRUMENTO DE EXPRESSÃO

VELOCIDADE

LENTIFICAÇÃO

AFIRMAÇÃO

DO EU

SUPORTE DO PENSAMENTO

CONTEÚDO

NÍVEIS DE ADEQUAÇÃO

PERMITE SUA EXPRESSÃO E ELABORAÇÃO

INSTITUI AS OPOSIÇÕES EU - OUTRO

INIBIÇÃO

FUGA DE IDÉIAS

FORMA:

BIPOLAR (MANIA) – ARBORIZAÇÃO E DESAGREGAÇÃO

PSICOSES – DESAGREGAÇÃO, INSERÇÃO DO PENSAMENTO, SONORIZAÇÃO

EXPRESSÃO DO BELO, DO

TOC – PENSAMENTO OBSESSIVO

DRAMÁTICO, DO INTANGÍVEL

ESTADOS EMOCIONAIS, VIVÊNCIAS

TRANSTORNOS ORGÂNICOS – PERSEVERAÇÃO E PROLIXIDADE

(LINGUAGEM POÉTICA & LITERÁRIA)

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DA LINGUAGEM PRINCIPAIS ALTERAÇÕES DA

ALTERAÇÕES DA LINGUAGEM

UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DA LINGUAGEM PRINCIPAIS ALTERAÇÕES DA LINGUAGEM VELOCIDADE

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES DA LINGUAGEM VELOCIDADE

LENTIFICAÇÃO SECUNDÁRIAS A

ACELERAÇÃO SEM SUBSTRATO

ASSOCIADAS A

DANOS CEREBRAIS

ORGÂNICO

TRANSTORNOS

PSIQUIÁTRICOS

AFASIAS

DISFONIAS

LOGORRÉIA

PARAFASIA

CECEIO

PRESSÃO DE FALA

AGRAFIA

DISFEMIAS

MUTISMO

GAGUEIRA

ALEXIA

ECOLALIA

DISLALIA

DISARTRIA

‘TLOCA-LETLAS’

LOGOCLONIA

COPROLALIA

PARA-RESPOSTAS

MUSSITAÇÃO

MUTISMO

LOGORRÉIA

 

VELOCIDADE

LOGOCLONIA COPROLALIA PARA-RESPOSTAS MUSSITAÇÃO MUTISMO LOGORRÉIA   VELOCIDADE

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL CONCEITO CONCEITO UM MODO DE COMUNICAÇÃO QUE
DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL CONCEITO CONCEITO UM MODO DE COMUNICAÇÃO QUE

CONCEITO

CONCEITO

UM MODO DE COMUNICAÇÃO QUE SE CARACTERIZA PELA COMBINAÇÃO

JUÍZO

DE FONEMAS DE UMA LÍNGUA, CUJA COMBINAÇÃO ENGENDRA O

A

CAPACIDADE DE ATRIBUIR VALORES E ATRIBUTOS AOS OBJETOS.

DISCURSO [LINGUAGEM = PSICOMOTRICIDADE + PENSAMENTO]. CRÍTICA A CAPACIDADE DE COMPARAR JUÍZOS E AVALIAR O
DISCURSO [LINGUAGEM = PSICOMOTRICIDADE + PENSAMENTO].
CRÍTICA
A
CAPACIDADE DE COMPARAR JUÍZOS E AVALIAR O GRAU DE COERÊNCIA ENTRE ESSES.
MUTISMO
LOGORRÉIA

DEFICIÊNCIA MENTAL / DEMÊNCIA: POBREZA DO DISCURSO PSICOSES: NEOLOGISMOS, MUSSITAÇÃO, ASSOCIAÇÃO FROUXA BIPOLAR (MANIA): ASSOCIAÇÃO FROUXA, PRESSÃO DE FALA

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DO JUÍZO CONCEITO COMUNICAÇÃO QUE SE

ALTERAÇÕES DO JUÍZO

CONCEITO

/ UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DO JUÍZO CONCEITO COMUNICAÇÃO QUE SE CARACTERIZA PELA COMBINAÇÃO DE
/ UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DO JUÍZO CONCEITO COMUNICAÇÃO QUE SE CARACTERIZA PELA COMBINAÇÃO DE

COMUNICAÇÃO QUE SE CARACTERIZA PELA COMBINAÇÃO

DE FONEMAS DE UMA LÍNGUA, CUJA COMBINAÇÃO ENGENDRA O

DISCURSO [LINGUAGEM = PSICOMOTRICIDADE + PENSAMENTO]. DEFINIÇÃO 1 UM JUÍZO PATOLOGICAMENTE FALSEADO (KARL JASPERS)
DISCURSO [LINGUAGEM = PSICOMOTRICIDADE + PENSAMENTO].
DEFINIÇÃO
1
UM JUÍZO PATOLOGICAMENTE FALSEADO (KARL JASPERS)
• CONVICÇÃO
EXTREMA E CERTEZA SUBJETIVA
• IRREDUTÍVEL À ARGUMENTAÇÃO
• IDÉIAS EM DESACORDO COM A CULTURA DO INDIVÍDUO – CONTEÚDO IMPOSSÍVEL
NO ENTANTO,
HÁ CONSTRUÇÕES DELIRANTES APARENTEMENTE VERÍDICAS, COMO O DELÍRIO DE
CIÚME DO DEPENDENTE DE ÁLCOOL – QUE ACHA QUE SUA MULHER O TRAI COM OUTRO HOMEM –
OU O DELÍRIO DE PERSEGUIÇÃO DO LÍDER POLÍTICO.
MUTISMO
LOGORRÉIA
O DELÍRIO É
UM
FENÔMENO
PRIMÁRIO,
POR
ISSO
PSICOLOGICAMENTE

INCOMPREENSÍVEL, NÃO POSSUI RAÍZES NA EXPERIÊNCIA HUMANA, POR ISSO

IMPENETRÁVEL, OU SEJA, INCAPAZ DE SER ATINGIDO PELA RELAÇÃO INTERSUBJETIVA E

DEFICIÊNCIA PELO CONTATO MENTAL EMPÁTICO / DEMÊNCIA: ENTRE POBREZA OS INTERLOCUTORES. DO DISCURSO

PSICOSES: QUE SE INSERE NEOLOGISMOS, NA HISTÓRIA MUSSITAÇÃO, DE VIDA ASSOCIAÇÃO DO INDIVÍDUO FROUXA – QUEBRA QUALITATIVA NA

BIPOLAR (MANIA): ASSOCIAÇÃO FROUXA, PRESSÃO DE FALA

ALGO INTEIRAMENTE NOVO

BIOGRAFIA DO INDIVÍDUO

(KARL JASPERS)

.

PROF. DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP

ATIVIDADE MENTAL

DR. MARCELO RIBEIRO – UNIAD / UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DO JUÍZO CONCEITO COMUNICAÇÃO QUE SE

ALTERAÇÕES DO JUÍZO

CONCEITO

/ UNIFESP ATIVIDADE MENTAL ALTERAÇÕES DO JUÍZO CONCEITO COMUNICAÇÃO QUE SE CARACTERIZA PELA COMBINAÇÃO DE