P. 1
A vergonha na família

A vergonha na família

|Views: 1.087|Likes:
Publicado porEmídio Carvalho

More info:

Published by: Emídio Carvalho on Mar 23, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/24/2011

pdf

text

original

A  vergonha  na  família     A  vergonha  tóxica  é  alimentada  inicialmente  nos  relacionamentos  que  nos  são  importantes.

 Se   não   dermos   qualquer   valor   a   alguém   é   muito   pouco   provável   que   aquilo   que   essa   pessoa   diga   ou   faça   tenha   qualquer   valor.   Mas   se   os   adultos   mais   próximos   (pais   e   irmãos   mais   velhos)   têm  um  comportamento  enraizado  na  vergonha,  irão  passar  essa  vergonha  (entoxicada)  para   nós.  Não  há  qualquer  forma  de  ensinar  auto-­‐estima  a  uma  criança  se  o  próprio  adulto  não  tem   a  experiência  da  auto-­‐estima.   A   vergonha   tóxica   atravessa   múltiplas   gerações.   As   pessoas   que   carregam   vergonha   irão   sentir   atracção   e   criar   laços   de   intimidade   com   outras   pessoas   que   também   carregam   vergonha.   Uma   vez   que   cada   um   dos   parceiros   numa   relação   amorosa   transporte   a   sua   própria   vergonha,  a  relação  terá  as  suas  raízes  na  vergonha.  O  resultado  mais  significativo  desta  união   será  uma  falta  de  intimidade.  É  muito  difícil  mostrar  a  totalidade  que  somos  a  alguém  que  nos   é   importante,   quando   tentamos   esconder   a   nossa   vergonha,   quando   sabemos   que   somos   imperfeitos.     Os  casais  cuja  relação  está  enraizada  na  vergonha  mostram  a  falta  de  intimidade  através  de   uma   comunicação   empobrecida,   disputas   constantes,   jogos,   manipulação,   controlo,   amuo,   culpabilização   e   confluência   (concordam   em   agradar   um   ao   outro   independentemente   de   existir  respeito  mútuo).   Quando   uma   criança   nasce   no   seio   de   uma   família   enraizada   na   vergonha,   o   seu   futuro   está   já   decidido.   A   função   dos   pais   é   servirem   de   modelo.   Este   modelo   significa   ensinar   como   ser   homem   ou   mulher,   como   relacionar-­‐se   intimamente   com   outro,   como   reconhecer   e   expressar   emoções,   como   estabelecer   fronteiras   saudáveis   com   outros,   como   comunicar,   como   lidar   e   viver  com  os  desafios  da  vida,  como  ser  auto-­‐disciplinado,  e  como  amar-­‐se  a  si  mesmo  e  aos   outros.   Pais   cuja   origem   seja   a   vergonha   não   poderão   ensinar   nenhuma   destas   coisas.   Simplesmente  não  sabem  como  fazê-­‐lo.   As  crianças  precisam  da  atenção  e  do  tempo  dos  pais.  Dar  do  seu  tempo  é  parte  do  trabalho  de   amar   alguém   incondicionalmente.   Significa   estar   presente   para   a   criança,   dar   atenção   ás   necessidades  da  criança,  em  vez  de  prestar  atenção  ás  suas  próprias  necessidades.   O   que   vemos   são   pais   a   prestar   mais   atenção   ás   suas   necessidades   que   ás   dos   filhos.   Ditam   qual   o   comportamento   que   esperam   dos   filhos,   por   exemplo.   Ou   estão   no   mesmo   aposento   que  os  filhos,  mas  a  dedicarem-­‐se  a  algo  que  não  interessa  minimamente  aos  filhos.   Uma   parte   importante   do   trabalho   de   amar   (e   trabalho   significa   tornar   sagrado   qualquer   acção)   é   saber   ouvir.   As   crianças   sabem   muito   bem   quais   as   suas   necessidades   e   irão   transmiti-­‐las  aos  pais  de  maneira  clara.  Os  pais  precisam  de  saber  ouvir.  Isto  exige  um  grau  de   maturidade   emocional   acima   da   média.   Para   ouvir   bem   é   imperativo   que   as   necessidades   dos   pais  estejam  todas  preenchidas.  As  necessidades  de  um  adulto  são  como  uma  dor  de  dentes.   Quando   temos   as   nossas   raízes   feitas   de   vergonha   apenas   conseguimos   focar   a   atenção   na   nossa  própria  dor.   Pais  com  necessidades  baseadas  na  vergonha  jamais  serão  capazes  de  responder  de  maneira   apropriada   ás   necessidades   dos   seus   filhos.   A   criança   é   envergonhada   sempre   que   tem   uma   necessidade  (seja  de  amor,  atenção,  afecto,  etc.)  porque  esta  irá  colidir  com  as  necessidades   dos   pais.   A   criança   cresce.   E   torna-­‐se   num   adulto.   Mas   por   detrás   da   máscara   de   adulto   há  
www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional  2010   1  

uma   criança   negligenciada   com   necessidades   humanas   básicas   de   reconhecimento,   amor   incondicional,   carinho.   As   crianças   com   estas   necessidades   tornam-­‐se   insaciáveis.   Possuem   um  buraco  na  sua  alma  criado  por  mágoas  esquecidas  e  uma  dependência  na  aprovação  dos   adultos   enquanto   crescia.   Isto   torna-­‐a   num   adulto   infantil.   Nunca   consegue   ter   o   suficiente   como   adulto.   Falta   sempre   qualquer   coisa   que   nem   o   próprio   adulto   sabe   bem   o   que   é.   Um   adulto  emocionalmente  saudável  sente-­‐se  satisfeito  com  a  vida  e  com  o  que  tem,  e  sabe  que   tem  que  trabalhar  mais  para  ter  mais.  Um  adulto  infantil  nunca  tem  o  suficiente    porque  são  as   necessidades  da  criança  que  não  estão  a  ser  preenchidas.   Quando  dois  adultos  decidem  iniciar  uma  família,  a  vergonha  será  o  alimento  tóxico  que  irá   germinar   novas   vidas.   As   crianças   irão   crescer   no   solo   da   vergonha   em   vez   de   nos   braços   nutritivos  do  amor.   As  famílias  cuja  origem  é  baseada  na  vergonha  operam  de  acordo  com  as  leis  sociais  impostas   a  partir  do  exterior.  Se  o  sistema  social  for  disfuncional,  rígido  e  fechado,  a  família  irá  fazer  a   mesma  coisa.  Todos  os  indivíduos  da  família  crescem  envolvidos  num  transe  que  dita  aquilo   que  não  deve  nunca  ser  dito  ou  feito.  A  vergonha  da  família.  Em  vez  de  prestarem  atenção  ás   necessidades  das  crianças  que  crescem,  estas  famílias  prestam  atenção  ás  regras  da  sociedade   e  o  que  outros  poderão  ou  não  dizer  deles.   Mais   tarde   as   crianças   irão   frequentar   uma   escola,   e   será   a   vez   da   escola   adicionar   mais   vergonha  tóxica  à  alma.  Ditando  o  que  está  certo  e  errado,  e  julgando  o  indivíduo  em  vez  da   acção,  ou  misturando  as  duas  por  forma  a  tornar-­‐se  impossível  para  a  criança  separar  quem  é   daquilo  que  faz  ou  diz.   A  criança  tem  uma  boa  nota  e  é  apontada  pelo  professor.  Não  é  a  criança  que  é  boa,  é  a  nota   que   tira   que   a   torna   melhor   que   os   outros.   A   criança   que   é   “porquinha”   porque   se   suja   no   recreio.  Não  é  o  acto  de  se  sujar  que  é  criticado  e  a  causa  da  vergonha,  mas  antes  a  criança.   A  proposta  de  preparação  para  esta  primeira  parte  do  curso  de  educação  emocional  é  simples:   verificar   na   lista   abaixo   quantas   das   situações   apresentadas   estão   presentes   na   sua   vida.   Permita-­‐se   chorar   se   sentir   que   é   apropriado.   Tente   ainda   permanecer   um   pouco   envolvido   pelo   que   é   dito   e   o   que   o   seu   corpo   sente.   Eu   posso   garantir-­‐lhe   que   antes   do   final   deste   primeiro  trimestre  todas  as  suas  vergonhas  deixarão  de  o  afectar  de  maneira  negativa.     O  que  a  Vergonha  faz     Quando   conseguimos   libertar-­‐nos   completamente   das   nossas   vergonhas   alcançamos   uma   paz   de   espírito   em   que   nada   nem   ninguém   nos   perturba.   Deixamos   de   ter   necessidade   de   ter   razão  ou  de  apontar  o  dedo.   Para   saber   se   já   ultrapassou   as   vergonhas   incutidas   na   infância,   deixo   abaixo   os   efeitos   de   termos  sido  envergonhados  no  passado.   1. Os  adultos  que  foram  envergonhados  em  criança  têm  muito  medo  de  mostrar  a   sua  vulnerabilidade  e  receiam  expor-­se.   I. Uma  das  formas  que  fazemos  isto  é  tentando  agradar  aos  outros,  e  desta  forma   tornarmos   as   nossas   necessidades   reais   invisíveis.   Tomamos   a   atitude   de   “quero  lá  eu  saber”  quando  confrontados  com  decisões  pessoais.    
www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional  2010   2  

2. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   podem   sofrer   de   timidez   e   sentimentos   de   inferioridade.   Não   acreditam   que   cometem   erros.   Acreditam   antes  que  SÃO  um  erro.   I. Escondemos   os   nossos   talentos,   vivemos   à   custa   de   outros,   e   receamos   mostrar   ao  mundo  a  nossa  criatividade  e  capacidade  de  ser  livres.     3. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   receiam   a   intimidade   e   tendem   a   evitar   relacionamentos   íntimos.   Têm   um   sentimento   de   que   não   precisam   de   outro  ou  podem  perder  a  sua  liberdade  se  se  envolverem  numa  relação  íntima.   Isto   leva   a   que   nos   relacionamentos,   o   adulto   que   foi   envergonhado   seja   o   que   abandona   a   relação,   em   vez   de   ser   abandonado.   Sente   ainda   atracção   por   aqueles   que   não   estão   disponíveis   ou   criam   um   distanciamento   através   de   um   excesso  de  trabalho  ou  outras  actividades.   I. É   aqui   que   dizemos   “já   não   tenho   idade   para   essas   coisas”.   Conseguimos   egoicamente  ter  desculpas  para  os  fracassos  nos  nossos  relacionamentos  e  são   sempre  os  outros  os  responsáveis  pelos  fracassos  nas  nossas  relações.     4. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   podem   aparentar   ser   superiores   e   centrados   em   si   mesmos,   ou   ainda   mostrar   que   são   altruístas.   Estes   últimos  dão  o  poder  e  o  controlo  da  sua  vida  aos  outros.  Em  ambos  os  casos  há   um  sofrimento  interior  enorme.   I. Estes   adultos   foram   envergonhados   por   sentirem   necessidade   do   apoio   dos   adultos   quando   ainda   muito   jovens.   Quanto   mais   independente   a   pessoa   aparenta  ser,  maior  terá  sido  a  vergonha  na  infância.     5. Os  adultos  que  foram  envergonhados  em  criança  sentem  que  não  importa  o  que   façam   nunca   farão   uma   diferença   na   vida   de   outros.   Sentem   que   não   são   merecedores  de  ser  amados  e  definitivamente  insuficientemente  bons.   I. A   criança   que   tinha   preguiça   de   fazer   os   trabalhos   da   escola   e   foi   duramente   criticada   pelos   pais.   Quando   faz   os   trabalhos   e   os   pais   mostram   afecto   a   criança   crê  que  o  afecto  dos  pais  é  pelo  trabalho  feito  e  não  por  ela  ser  quem  é.     6. Os  adultos  que  foram  envergonhados  em  criança  encontram-­se  quase  sempre  na   defensiva   mesmo   em   situações   onde   não   há   qualquer   ameaça   presente   à   sua   integridade.   Sofrem   sentimentos   de   humilhação   profundos   se   alguém   lhes   faz   notar   que   cometeram   um   erro   ou   não   fizeram   um   trabalho   perfeito.   Para   um   adulto   que   passou   por   uma   experiência   de   vergonha   na   infância,   não   há   erros   menores.  Ou  se  erra,  ou  não  se  erra.   I. Estes  adultos  sentem-­‐se  com  frequência  inadequados  ou  inaptos  para  a  vida  em   sociedade.   Quando   cometem   um   erro,   não   pensam   “cometi   um   erro”.   Em   vez   disso  preferem  pensar  “Estou  sempre  a  cometer  erros.  Sou  um  erro.”     7. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   culpam   outros   antes   que   alguém  os  possa  culpar  a  eles.   I. Podem,   por   exemplo,   esquecer-­‐se   das   chaves   do   carro   e,   antes   de   dizer   que   o   fizeram  perguntam  a  quem  esteja  com  eles  “viste  as  chaves  do  meu  carro?”     8. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   podem   sofrer   de   um   sentimento   de   culpa   debilitante.   São   pessoas   que   continuamente   pedem   desculpa.  Assumem  total  responsabilidade  pelo  comportamento  dos  outros  à  sua   volta.  
www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional  2010   3  

I. É   o   caso   da   mãe   que   apresenta   um   filho   a   alguém   e   começa   logo   por   pedir   desculpa  pelo  comportamento  do  filho.  Ou  a  pessoa  que  aborda  um  estranho  na   rua  para  pedir  informações  e  começa  o  diálogo  com  “desculpe....”     9. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   sentem   não   pertencer   na   sociedade.  Um  sentimento  de  solidão  permeia  todo  o  seu  ser,  mesmo  quando  se   encontram  rodeados  de  pessoas  que  gostam  deles.   I. Quando   uma   criança   corre   para   um   adulto   à   espera   de   um   abraço   e   não   o   obtém,   por   exemplo.   Quando   um   pai   diz   “deixa-­‐me   em   paz”.   O   sentimento   de   não  ser  merecedor  é  avassalador.     10. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   projectam   os   seus   sentimentos   sobre  quem  são  de  verdade  nos  outros.  Dedicam-­se  a  “adivinhar”  o  que  os  outros   pensam  de  uma  forma  destrutiva.   I. A  pessoa  que  faz,  ou  não  faz,  algo  porque  já  sabe  como  os  outros  irão  reagir,  e   será  sempre  uma  reacção  que  lhes  é  desfavorável.     11. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   sentem-­se   com   frequência   enraivecidos   e   bastante   críticos   dos   comportamentos   dos   outros,   sobretudo   quando  observam  nos  outros  qualidades  negativas  que  sabem  também  possuir.   Isto  leva  a  uma  necessidade  de  envergonhar  os  outros,  criticando  e  falando  mal   nas  suas  costas.   I. Isto  vê-­‐se  mais  frequentemente  nos  relacionamentos  íntimos.  O  adulto  começa   a   tomar   consciência   dos   “defeitos”   do   outro   e   inicialmente   tenta   modificá-­‐lo,   envergonhando-­‐o.     12. Os  adultos  que  foram  envergonhados  em  criança  sentem-­se  feios,  imperfeitos  e   com  defeitos.  Isto  pode  levar  o  adulto  a  focar  a  sua  atenção  na  roupa  que  veste,   nas   pessoas   com   quem   se   relaciona,   ma   maquilhagem   que   utiliza,   por   forma   a   esconder  os  defeitos  que  vê  em  si.   I. As  pessoas  que  dão  muito  valor  ao  aspecto  físico,  ás  aparências.  Estão  atentas  ás   modas.  E  não  gostam  de  se  ver  muito  ao  espelho,  a  menos  que  tenham  algo  de   valor  acrescentado,  como  maquilhagem  ou  um  fio  de  ouro.     13. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   sentem-­se   frequentemente   controlados  por  coisas  e  pessoas  exteriores  a  si.  Não  têm  respostas  espontâneas.   Sentem-­se   envergonhadas   se   expressarem   sentimentos   naturalmente,   como   a   alegria,   o   medo,   a   raiva,   a   sexualidade,   a   brincadeira   ou   a   criatividade.   Um   pensamento  típico  é  “o  que  vão  pensar  de  mim  se?....”   I. Estes   adultos   foram   criticados   na   infância   por   serem   autênticos.   Sentiram-­‐se   rejeitados  e  humilhados.     14. Os  adultos  que  foram  envergonhados  em  criança  sentem  que  ou  bem  que  fazem   algo   na   perfeição   ou   não   vale   a   pena   fazer.   Esta   crença   leva   a   situações   de   ansiedade  ou  a  deixar  para  amanhã  o  que  pode  ser  feito  hoje.   I. Estes   adultos   vão   deixando   de   fazer   o   que   precisam   de   fazer   para   evitar   fazer   asneiras  ou  ser  julgados  por  outros.     15. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   têm   as   experiências   mais   severas  de  depressão.  

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional  2010  

4  

I. Isto   sucede   ou   porque   se   culpam   pelas   acções   de   outros   (raiva   direccionada   contra   si   mesmo)   ou   a   sua   auto-­‐estima   é   tão   baixa   que   sentem   não   serem   merecedores  de  amor.     16. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   mentem   continuamente   a   si   mesmos  e  aos  outros.   I. Quando  as  crianças  são  julgadas,  criticadas  e  envergonhadas  pelas  suas  acções  e   escolhas,   aprendem   a   mentir   como   forma   de   se   protegerem.   Como   adultos   podemos  mentir,  por  exemplo,  no  valor  de  um  bem  adquirido.     17. Os  adultos  que  foram  envergonhados  em  criança  bloqueiam  os  seus  sentimentos   de   vergonha   através   de   comportamentos   compulsivos   como   o   trabalho   em   excesso,   problemas   alimentares,   necessidade   de   fazer   compras,   jogos,   relacionamentos  virtuais  ou  sonhar  acordado  sem  agir.   I. As   crianças   sujeitas   a   situações   de   vergonha   aprendem   a   lidar   com   este   sentimento   dedicando-­‐se   a   tarefas   que   as   levem   a   esquecer   o   mundo   real.   Fantasiam,  ocupam-­‐se  de  coisas  onde  não  têm  que  pensar  e  assim  esquecem  o   sentimento  profundo  de  vergonha.     18. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   têm   muitos   amigos,   mas   não   são  capazes  de  um  relacionamento  íntimo  autêntico.   I. Culpam  os  parceiros  íntimos  pelas  suas  próprias  falhas,  sentimentos  de  culpa  e   inadequação.   Tentam   estar   sempre   acompanhados   de   alguém   com   quem   falar   de   outros   de   maneira   depreciativa,   por   forma   a   abafar   o   seu   sentimento   de   vergonha.     19. Os  adultos  que  foram  envergonhados  em  criança  envolvem-­se  em  processos  de   intelectualização   e   racionalização   dos   seus   comportamentos   como   mecanismo   de  defesa.   I. Estes   adultos   são   capazes   de   explicar   tudo   o   que   fazem.   As   suas   vidas   acontecem  nas  suas  cabeças.     20. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   ficam   amarrados   em   relações   de  grande  dependência  emocional  e  financeira.   I. Uma   criança   que   é   envergonhada   na   infância   aprende   que   não   é   autónoma.   Torna-­‐se  dependente  das  acções,  palavras  e  sentimentos  dos  outros.     21. Os   adultos   que   foram   envergonhados   em   criança   têm   pouco   discernimento   em   relação   ás   suas   fronteiras   pessoais.   Sentem-­se   constantemente   violados   por   outros.   Criam   fronteiras   falsas   com   frequência,   baseadas   no   amuo,   raiva,   isolamento   ou   necessidade   de   agradar   aos   outros.   Se   foram   abusadas   fisicamente,   ou   violadas   sexualmente,   também   serão   incapazes   de   estabelecer   fronteiras  físicas,  confundindo  carinho  e  afecto  com  a  sexualidade.  Daqui  resulta   uma  necessidade  constante  de  sexo  ou  a  abstenção  quase  total.   I. Esta  é  mais  uma  forma  de  mascarar  a  humilhação  sofrida  na  infância.     É  imperativo  tratar  as  nossas  vergonhas  antes  que  elas  tratem  de  nós.  De  que  maneira  foste   envergonhado   na   infância?   De   que   forma   foste   julgado,   criticado   ou   humilhado?   Se   tinhas   boas  notas,  a  atenção  que  recebias  era  pelas  notas  que  tinhas  na  escola,  ou  era  por  seres  quem  
www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional  2010   5  

eras?   Se   tinhas   um   irmão   que   sobressaía,   como   aprendeste   a   lidar   com   o   ficar   em   segundo   lugar  na  atenção  dos  teus  pais?  Qual  é  a  maior  vergonha  que  escondes?   Estas   são   perguntas   libertadoras.   Ao   tomares   consciência   das   vergonhas   escondidas   na   sombra   e   ao   ter   a   coragem   de   falar   abertamente   de   cada   uma,   estarás   mais   próximo   do   Eu   Autêntico.     De  que  partes  de  ti  ainda  tens  vergonha?  O  que  tens  medo  que  outros  descubram  sobre  ti  e  te   cause  vergonha?  De  que  forma  a  tua  vergonha  está  a  arruinar  a  tua  vida?     Devido   à   vergonha   o   nosso   ego   criou   um   sistema   de   defesa   único:   julgar   os   outros.   Ao   julgarmos   os   outros,   ao   criticar   e   apontar   o   dedo,   esquecemos   temporariamente   as   nossas   vergonhas.  Este  é  o  motivo  porque  nem  pensamos  duas  vezes  antes  de  julgar  os  outros.  E  este   é  o  mecanismo  que  o  ego  utiliza  para   reforçar   a   ideia   de   separação.   Estamos   todos   separados   uns  dos  outros,  é  a  litania  do  ego.   Só   quando   me   permito   ver   que   sou   igual   a   todos   aqueles   que   julgo   e   critico   é   que   me   permito   crescer.     Esta   é   outra   forma   de   descobrir   as   minhas   vergonhas:   escrever   sobre   as   qualidades   negativas   que   vejo   nos   outros   e   julgo.   Começa   a   tornar-­‐se   um   jogo   divertido.   Porque   depois   de   trabalharmos   as   nossas   vergonhas   ouviremos   outros   a   queixarem-­‐se   de   quem   não   está   presente  e  nós,  conscientes,  sabemos  que  é  deles  mesmos  que  estão  a  queixar-­‐se.  É  aqui  que   podemos  começar  a  ajudar.  Depois  de  curar  os  nossos  sentimentos  de  vergonha.     Relacionamentos  Vergonhosos   Abaixo   ficam   algumas   das   características   de   qualquer   relacionamento   baseado   na   vergonha.   Mais  tarde  iremos  descobrir  como  curar  definitivamente  este  sentimento.   1. Perdemo-­‐nos  completamente  no  amor  do  outro;   2. Quando  discutimos  é  como  se  estivéssemos  a  lutar  pela  própria  vida;   3. Gastamos  imensa  energia  a  adivinhar  o  que  os  outros  pensam.  Perguntamo-­‐nos  a  nós   mesmos   o   que   a   outra   pessoa   estará   a   pensar   ou   sentir,   em   vez   de   perguntar   directamente  à  pessoa  amada;   4. Sai-­‐nos  muito  caro  o  preço  pago  pelos  poucos  bons  momentos  da  relação;   5. Quando  damos  início  à  relação  é  como  se  assinássemos  dois  contractos,  um  consciente   e  outro  inconsciente  (este  último  garante  que  iremos  sofrer);   6. Culpamos  a  outra  pessoa  e  culpamo-­‐nos  a  nós  mesmos;   7. Desejamos  a  separação  e  quando  acontece  queremos  a  outra  pessoa  de  volta;   8. Sabemos   que   a   dinâmica   da   relação   irá   mudar,   mas   queremos   que   se   mantenha   inalterada  até  ao  fim;   9. Sentimos  com  frequência  que  a  outra  pessoa  controla  o  nosso  comportamento;   10. Sentimos   uma   atracção   irresistível   pelas   qualidades   positivas   que   vemos   na   outra   pessoa  e  que  há  muito  rejeitámos  em  nós;   11. Com  frequência  dedicamo-­‐nos  a  fantasias  que  não  envolvem  a  outra  pessoa;   12. Procuramos   o   amor   incondicional   da   outra   pessoa   que   não   conseguimos   obter   quando   ainda  crianças.     Para   já   é   apenas   importante   que   comece   a   prestar   mais   atenção   à   sua   relação.   Se   descubrir   alguma  destas  características  não  entre  em  pânico.  Com  tempo  tudo  se  resolverá.  

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional  2010  

6  

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->