P. 1
Competência da Justiça do Trabalho em Razão da Pessoa e da Matéria

Competência da Justiça do Trabalho em Razão da Pessoa e da Matéria

|Views: 742|Likes:
Publicado porEudilene Wata

More info:

Published by: Eudilene Wata on Apr 16, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/20/2012

pdf

text

original

Competência da Justiça do Trabalho em Razão da Pessoa e da Matéria: JT NÃO é competente: • Na fase pré-contratual, pois não há relação de emprego

ainda. • Ação de servidores temporários de entes públicos. • Funcionário Público (concursado e estatuário). • Ações oriundas de contratos de carga. • Ações de relações de consumo. • Ações de consumidor contra prestador de serviços. • Ações de cobrança de profissionais liberais contra cliente. • Ações que envolvam prestador de serviço (pessoa jurídica). • Controvérsias sobre acidente de trabalho, ainda que promovidas contra a União, suas autarquias, empresas públicas e sociedades de economia mista. • Ações de acidente de trabalhado propostas pelo segurado contra o INSS. JT É competente: • Ações de casos de conflito entre empregado e empresa privada contratada para prestar serviços à administração pública. • Empregado Público (concursado, mas celetista). • Reclamação de servidor público relativamente a vantagens trabalhistas anteriores à instituição do regime jurídico único. • Ações de funcionários de entes de direito público externo, na vigência da nova CF. • Ações de Servidores de cartórios extrajudiciais (notas, títulos, protestos, registro de imóveis, etc). • Ações de atletas profissionais. Se envolver questões de disciplina e competições esportivas, antes deve esgotar as instâncias da Justiça Desportiva. • Ações para analisar a autorização para o trabalho do menor. • Ações que envolvam prestador de serviço (pessoa física). • Autônomo. • Empregado doméstico. • Estagiário. • Representante Comercial Autônomo. • Trabalhador Eventual. • Trabalhador Voluntário. • Ações de contrato de empreitada, desde que o trabalhador seja operário (trabalha sozinho ou tem no máximo 3 pessoas que o ajudam no trabalho manual) ou artífice (exerce atividade artesanal). • Executar, de ofício, as contribuições sociais, e seus acréscimos legais, decorrentes das sentenças que proferir. Insta esclarecer que a contribuição previdenciária decorrente de sentença trabalhista NÃO é título executivo judicial. • Conciliar e Julgar dissídios que tenham origem no cumprimento de convenções coletivas de trabalho, ou acordos coletivos de trabalho, mesmo quando ocorram entre sindicatos ou entre sindicato de trabalhadores e empregadores. • Ações relativas às penalidades administrativas impostas aos empregadores pelos órgãos de fiscalização das relações de trabalho. • Ações de dano moral decorrentes da relação de trabalho. • Ação possessória ajuizada em decorrência de exercício do direito de greve dos trabalhadores da iniciativa privada. • Ações de complementação de aposentadoria do empregado, pois esta decorre da existência do contrato de trabalho mantido entre o trabalhador e o empregador. • Ações de empregados contra empregadores, relativas ao cadastramento do PIS (Plano de Integração Social). • Ações sobre questões relativas a eleições sindicais que ocorrer entre o sindicato dos trabalhadores e o trabalhador ou entre o sindicato de empregadores e o empregador. • Ações que envolvam a contribuição assistencial ou confederativa que for prevista em dissídio coletivo. Competência da Justiça do Trabalho em Razão do Lugar: • Local da prestação de serviços • Em casos de empregados viajantes, será competente a vara da localidade onde o empregador tiver o seu domicílio, salvo se o empregado estiver subordinado à agência ou a filial, caso em que será competente essa jurisdição. • Em casos de empregado brasileiro laborando no estrangeiro, será competente as Varas do Trabalho, mesmo que ocorridos em agência ou filial No estrangeiro, desde que não haja convenção internacional dispondo em

é assegurado ao empregado apresentar reclamação no foro de celebração do contrato ou no da prestação dos respectivos serviços.• contrário. A vara da sede da filial (ou matriz) aqui no Brasil Em se tratando de empregador que promova a realização de atividades fora do lugar do contrato de trabalho. não a do local da contratação. A lei vigente será a do local da prestação de serviços. .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->