P. 1
Escola e Família

Escola e Família

|Views: 591|Likes:
Publicado porRaimundafernades

More info:

Published by: Raimundafernades on May 19, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/12/2013

pdf

text

original

Escola e Família: Uma Relação de Ajuda na Formação do Ser Humano

Rosangela Maria dos Santos Rigo 1 RESUMO O presente trabalho versa sobre a importância da escola e da família manter uma relação de ajuda na formação do ser humano. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica, onde constatou-se que a relação escola X família é imprescindível, pois a família como espaço de orientação, construção da identidade de um indivíduo deve promover juntamente com a escola uma parceria, a fim de contribuir no desenvolvimento integral da criança/adolescente. PALAVRAS-CHAVE: família ± escola ± parceria ± humanização INTRODUÇÃO O presente artigo apresenta uma reflexão acerca do tema "Escola e família: uma relação de ajuda na formação do ser humano". Dessa forma, procura-se evidenciar a importância da parceria família X escola, pois vive-se numa época em que a conturbação e a desintegração dos valores são os maiores obstáculos para o ser humano, a sociedade fundamenta-se no individualismo e o coletivo fica banido a uns poucos sobreviventes. As crianças e adolescentes inseridos nesse contexto, sofrem seqüelas de um mundo dominador. E sendo seres sociais por si mesmo, sofrem quando não conseguem desenvolver suas potencialidades. É neste prisma que a integração escola X família se sobressai para o pleno desenvolvimento infantil, sendo uma fascinação envolvente, podendo estar presente em toda e qualquer manifestação cotidiana. Assim sempre que aplicada, torna-se evidente o valor da mesma, tanto no aspecto físico, intelectual, moral, espiritual e social, já que se fundamenta na interferência dos processos vitais e culturais. Onde os sonhos e fantasias infantis serão transportes para realizações da vida. Inicialmente, pode-se afirmar que nos dias atuais a escola não pode viver sem a família e a família não pode viver sem a escola, pois, é através da interação desse trabalho em conjunto, que tem como objetivo o desenvolvimento do bem-estar e da aprendizagem do educando/filho, os quais contribuirão na formação integral do mesmo. Nesse sentido, é importante citar Içami Tiba (1996, p.140) que diz: "O ambiente escolar deve ser de uma instituição que complemente o ambiente familiar do educando, os quais devem ser agradáveis e geradores de afetos. Os pais e a escola devem ter princípios muito próximos para o benefício do filho/aluno". Desde a mais tenra idade, a criança se desenvolve plenamente quando estimulada e incentivada, buscando alternativas de ação, pois a conduta familiar e escolar propicia relações sociais e individuais. Dessa forma, ela terá maior oportunidade de assimilar a realidade, seja através da liquidação de seus próprios conflitos, das compensações de necessidades insatisfeitas ou de novas alternativas de busca.

não fazendo referência aqui somente à família com laços de sangue. . ele se deixa levar pelo impulso em direção da irresponsabilidade ou inconseqüência. e que possam receber carinho. 1980 apud BOCK. muitos dos conflitos hoje observados em sala de aula. verifica-se que se têm a partir desse desinteresse escolar/pedagógico indivíduos desestimulados e incapazes de prosseguirem em busca do seu lugar na sociedade. virão novas experiências que continuarão a construir a casa/indivíduo. morais e afetivos. Mas para que essa adequação ocorra é preciso que haja referências positivas. Segundo Lancam: a importância da primeira educação é tão grande na formação da pessoa que podemos compará-la ao alicerce da construção de uma casa. atenção e compreensão irão desenvolver uma identidade sadia. Partindo da idéia que a família é a base para qualquer ser humano. quanto falta ao educando/filho um ambiente familiar saudável e equilibrado. ao longo da sua vida. 1989. conseguindo suportar frustrações até o momento adequado para realizar seus desejos. de mãe). indisciplinados e com baixa auto-estima. crianças e jovens que estabeleçam vínculos de harmonia nos seus momentos de decepções.Como dizem Montandon e Perrenoud (1987.Para Gokhale (1980). Gerando assim. de construírem algo e de se complementarem. Defini-se família como um conjunto de pessoas que se unem pelo desejo de estarem juntas. diferente de outras tantas instituições sociais. eles aprendem a viver o jogo da afetividade de maneira adequada. serão aos poucos superados. Porém. constata-se que a escola é responsável pela educação escolar. relativizando o poder da família (LANCAM. mas é também o centro da vida social. como também não cumpre o seu papel social na formação do educando. Por isso. responsáveis encarregados de mostrar os limites necessários ao desenvolvimento de uma personalidade com equilíbrio emocional e afetivo. no qual ele convive com uma desestrutura familiar (ausência de pai. é um espaço destinado ao trabalho pedagógico formal. para que isso possa aconteça é necessário que a família realmente participe da vida escolar de seus filhos. as referências são pessoas. ao exercício da cidadania. alunos desmotivados. Quando a escola é despreparada tanto no seu quadro funcional. é e será a influência mais poderosa para o desenvolvimento da personalidade e do caráter das pessoas. Todavia. Para as crianças e adolescentes. Definindo escola como uma instituição social que se caracteriza como um local de trabalho coletivo voltado para a formação das jovens gerações. a escola faz parte da vida cotidiana de cada família". p. gerando assim ações inadequadas e insensatas que irão desorganizar e prejudicar a formação do seu caráter e da sua personalidade. 143). palavras. ao entendimento de regras. gestos que irão proporcionar a formação da identidade. Assim. A família tem sido. "de uma maneira ou de outra. mas também as famílias construídas através de laços afetivos. E é através dessas relações que os seres humanos tendem a tornaremse mais afetivos e receptivos. No momento em que escola e família conseguirem estabelecer uma parceria na maneira como irão promover a educação de seus educandos/filhos. à formação de valores éticos. agradável ou ameaçadora. pode-se dizer que as crianças precisam sentir que fazem parte de uma família. onipresente ou discreta. a família não é somente o berço da cultura e a base da sociedade futura. Depois. 7). A educação bem-sucedida da criança na família é que vai servir de apoio à sua criatividade e ao seu comportamento produtivo quando for adulto. p.

escola/família/sociedade deve ser alvo de uma transformação contínua. meios através dos quais ele possa se compreender melhor e compreender o mundo físico e social onde se insere. recursos. Só assim. antes prioritariamente repressores. etc. Nessa perspectiva. Portanto. nas bibliotecas. Então. Os sentimentos de gratidão. A escola necessita de uma aproximação com a realidade do aluno e da própria comunidade na qual ela está inserida. E o apoio e a coesão familiar podem proporcionar as crianças uma estrutura equilibrada e sadia. portanto. na elaboração de seus projetos. onde diz que ensinar é transmitir o que você sabe para quem quer saber. Nesse sentido. ensinar é também trocar (TIBA. . de modo geral. que influência os modelos vigentes de educação. às necessidades biopsíquico-sociais de cada momento. Todavia. verifica-se que é necessário ressaltar que a tarefa de cuidar de maneira adequada de um ser em formação é extremamente difícil.Que a família tenha comprometimento. também. para passar informações relevantes sobre seus objetivos. gerando assim. tomar decisões. é oportuno novamente citar Içami Tiba. desenvolver suas habilidades.As escolas devem ser mais ativas e participativas. é importantíssimo conscientização de que a relação entre educação. modificaram-se ao longo das últimas décadas. pois requer que os educadores tenham capacidade de trabalhar com os conflitos gerados pela impulsão dos jovens em direção a satisfação rápida. contribuindo. atitudes e personalidade do aluno. das rupturas de paradigmas. Como diz Vitor Paro ([s. como também orientar o educando/filho na medida em que demonstre necessidade. admiração e respeito do aprendiz alimentam a alma do mestre. envolvimento com a escola. para crescerem e tornarem-se cidadãos conscientes de seu papel na sociedade sendo capazes de interagir e intervir na realidade.]). A escola não deve apenas visar à construção do conhecimento. como assegurar que a escola está cumprindo o seu papel de formação cidadã? Deve-se promover principalmente na esfera escolar a contextualização de temas atuais que mostrem ao estudante a importância de ser aluno-cidadão e que sejam.d. na criança/adolescente um sentimento de amor. a escola deve utilizar todas as oportunidades de contato com os pais. O aluno precisa. Dessa forma. de escola e de sociedade. fazendo sentir-se amparado e valorizado como ser humano. pode ganhar o que nem lhe pertencia. museus. Mas é uma estranha divisão que não segue as leis matemáticas. porque você divide. problemas e também sobre as questões pedagógicas. o caminho percorrido para se chegar a tal interação foi um tanto difícil. 1996). em conseqüência das transformações políticas. Os objetivos da escola. portanto é dividir sua sabedoria. para despertar no aluno o desejo de aprender. A escola atual. É certo que os papéis da família e da escola. econômicas e sociais. apresenta maior disponibilidade em aceitar um relacionamento mais próximo com os pais. aprender qualquer ofício. ser incentivado a pensar por si próprio e buscar os conhecimentos de seus interesses. mas não perde o que era seu. de acordo com Dayrell (1999). como também da família nos dias de hoje deverão procurar tornar a criança/adolescente apta a assumir responsabilidades. Ensinar faz o mestre rever seus próprios conhecimentos com possibilidades de atualizá-los. pelo contrário. a família irá se sentir comprometida com a melhoria da qualidade escolar e com o desenvolvimento de seu filho como ser humano. mas a formação de valores.

trazer as famílias para o convívio escolar já está prescrito no Estatuto da Criança e do Adolescente o que esta faltando é concretizá-lo. se não se está a favor da vida e não da morte. A escola e a família. 1990). diminuindo. é pôr a Lei em prática. da eqüidade e não da injustiça. Vida familiar e vida escolar são simultâneas e complementares. publicações avulsas e imprensa escrita. filhos/alunos dividam experiências. com os pais e vice-versa. mais significativos serão os resultados na formação do educando/filho. as reuniões baseadas em temas teóricos para falar dos problemas dos educandos. mais necessitam uma da outra. sob algum ângulo. através de pequenas ações modificadoras. Encarná-la. para que esta (a família) compreenda a importância dos objetivos traçados pela escola. revistas. Desse modo. sobre notas baixas. de algum modo. sem ela tampouco a sociedade muda. Quanto melhor for a parceria entre ambas. a distância entre o que se diz e o que se faz. A escola deve buscar construir por meio de uma intervenção elaborada e consciente a criação de espaços de reflexão e experiências de vida numa comunidade educativa. A participação dos pais na educação formal dos filhos deve ser constante e consciente. instituindo acima de tudo a aproximação entre as duas instituições (família-escola). professores. assim. Marconi e Lakatos (2001) dizem que o fim principal da pesquisa bibliográfica é colocar o pesquisador em contato direto com tudo aquilo que foi escrito sobre determinado assunto. constituem uma estrutura intrínseca. quando diz que a educação sozinha não transforma a sociedade. Se opção é progressista. a relação família X escola requer. não se tem outro caminho se não viver a opção que se escolheu. bem como tudo que se relaciona aos alunos tem a ver. compreendam e trabalhem as questões envolvidas no seu dia-a-dia sem cair no julgamento "culpado X inocente". transformar o cotidiano da escola e da família. são sinais de referência existencial. é importante que pais. mas procurando compreender cada situação. não proporciona um início de parceria. Como se pode observar.Quando se fala em vida escolar e sociedade. não há como não citar o mestre Paulo Freire (1999). com a escola e vice-versa. cada qual com seus valores e objetivos específicos na educação de uma criança/adolescente. Nesse sentido. cabe a toda sociedade. então. da convivência com o diferente e não de sua negação. bem como participar da definição das propostas educacionais". uma vez que tudo o que se relaciona aos educandos/filhos tem a ver. artigos. onde quanto mais diferentes são. com o objetivo de permitir ao pesquisador o reforço paralelo na análise de suas pesquisas ou manipulação de suas informações. não apenas aos setores relacionados à educação. assim como o seu lugar de co-responsável nesse processo (família). . METODOLOGIA Este estudo caracteriza-se como pesquisa bibliográfica dissertativa pelo motivo que recorreu ao uso de materiais como livros. do direito e não do arbítrio. No Parágrafo único do Capítulo IV do Estatuto da Criança e do Adolescente (BRASIL. ou seja. diz que "é direito dos pais ou responsáveis ter ciência do processo pedagógico. dos professores uma tomada de consciência de que. Família e escola são pontos de apoio ao ser humano.

possibilidades e atribuições. se estão envolvidos no dia-a-dia de que são os principais beneficiários. análise e conclusões de autores. envolvendo também o meio social no qual vivem. crítico e autônomo desenvolvendo valores éticos. Visto que se crianças/adolescentes e sua família sabem aonde a escola quer chegar. poderão participar com mais investimentos e autonomia na busca do sucesso nessa empreitada que é o aprender e. E que este ser em formação seja futuramente um cidadão consciente. pois. englobando as diversas dimensões do ser humano. consciente de seus deveres e direitos. principalmente. Dessa forma. therefore as orientation space. atuante. SCHOOL AND FAMILY: A RELATION OF AID IN THE FORMATION OF THE HUMAN BEING ABSTRACT The present work turns on the importance of the school and the family to keep a relation of aid in the formation of the human being. argumentações. Ana Mercês Bahia et alii. considerando que os estudantes são crianças/adolescentes que apresentam características singulares e que se faz necessário manter um trabalho em parceria com as famílias. espírito empreendedor capaz de interagir no meio em que vive. The used methodology was the bibliographical research. .Os dados levantados na fundamentação teórica trazem reflexões. é necessário reconhecer que deve desempenhar o bem-estar. espirituais e funcionais. São Paulo: Saraiva. acompanhando a modernidade e evolução do mundo. família e escola devem aproveitar. participativo. in order to contribute in the integral development adolescent child/. através de trabalhos criativos. CONCLUSÃO Ao propor uma reflexão sobre "Escola e família: uma relação de ajuda na formação do ser humano". como também da escola o trabalho de transformar a criança imatura e inexperiente em cidadão maduro. busca-se uma correlação com a realidade do tema em estudo. Nessa perspectiva. sem dúvida nenhuma. a partir. sugere-se que a escola sinta-se desafiada a repensar a prática pedagógica. KEY-WORD: family ± school± partnership ± humanization REFERÊNCIAS BOCK. ao máximo. constata-se que é tarefa primordial tanto dos pais. em elemento facilitador de aprendizagens e de formação do cidadão. na formação de um ser humano que desenvolva suas potencialidades físicas. deles. porque o ajuste entre ambas e a união de esforços para a educação das crianças e adolescentes deve redundar. as possibilidades de estreitamento de relações. 1989. buscando desenvolver o prazer pelo conhecimento. se a escola deseja ter uma visão integral das experiências vividas pelos alunos. The family evidenced itself that the relation school X family is essential. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. interpretações. construction of the identity of an individual must together promote with the school a partnership.

136-161. 1999. Ano XVI. Qualidade do ensino: a contribuição dos pais. GOKHALE. p.49-87. FREIRE. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa.]: Xamã. Paulo. Distrito Federal: Senado. Fonte: http://www. "Le Go-Between: entre famille et l'école. Juarez. Içami. p. PERRENOUD. Estatuto da criança e do adolescente ± ECA. Rio de Janeiro: Paz e Terra.. l'enfant messager et message". Rio de Janeiro. In: MONTANDON. Belo Horizonte: UFMG.BRASIL. 11. Disciplina. A escola como espaço sócio-cultural: múltiplos olhares sobre educação e cultura. P. A família desaparecerá? In: Revista Debates Sociais.html#ixzz1Md7n1Duv . 1990. Peter Lang.l. 1980. P. PARO. TIBA. PERRENOUD. 1999.com/articles/3655/1/Escola-E-Familia-Uma-Relacao-De-Ajuda-Na-Formacao-Do-Ser-Humano/pagina1. S. Nº 30. CBSSIS.ed.webartigos. Entre parents et enseignants: un dialogue impossible?Paris. 1996. C. DAYRELL. Brasília. limite na medida certa. D. [s. Vitor Henrique. São Paulo: Gente. 1987. 126 p.

Essa é uma constatação que norteia os arredores dos setores educacionais. comprometimento com a formação do caráter do educando. Dentre algumas conquistas destacam-se: A concepção de educação. Inicialmente. pode-se afirmar que nos dias atuais a escola não pode viver sem a família e a família não pode viver sem a escola. pois. o objetivo principal da educação hoje é favorecer uma participação que gere compromisso da família com a aprendizagem e o sucesso escolar do seu aluno e compromisso da escola com a inserção curricular do ambiente cultural da família e da comunidade. Sendo assim. de dezembro de 1996) formaliza e institui a gestão democrática nas escolas e vai além. Nesse sentido. Assim. os quais contribuirão na formação integral do mesmo. é preciso uma interação entre escola e família. A sociedade moderna vive uma crise de valores éticos e morais sem precedentes. Importância da integração escola-família no processo pedagógico Pensar em educação de qualidade hoje. instituições sociais como a família e a escola não podem deixar que isso continue a acontecer sem fazer nada para mudar a situação. Essa parceria assegurará. A LDB ± Lei de Diretrizes e Bases da Educação ( lei 9394. estendendo a educação para além da educação escolar. desrespeito na sala de aula e desmotivação dos alunos.Ou seja. o pleno cumprimento da função social da escola. ficando em maior evidência. vive-se numa época em que a desintegração dos valores são os maiores obstáculos para o ser humano. ou seja. Nunca na escola se discutiu tanto quanto hoje assuntos como falta de limites. o principal objetivo deste artigo é fazer uma abordagem sobre a questão da importância da parceria entre escola X família para o pleno desenvolvimento infantil e a função do gestor como mediador e condutor de práticas educativas que possam gerar o pleno desenvolvimento do aluno. é preciso ter em mente que a família esteja presente na vida escolar de todos os alunos em todos os sentidos. Valores como ética e cidadania estão sendo banidos e deixados muitas vezes de fora da formação dos indivíduos. é através da interação desse trabalho em conjunto. Envolver os familiares na elaboração da proposta pedagógica pode ser a meta da escola que pretende ter um equilíbrio no que diz respeito à disciplina de seus educandos. Nunca se observou tantos . concepção ampla. que tem como objetivo o desenvolvimento do bem-estar e da aprendizagem do educando. pois nelas é que se formam os primeiros grupos sociais de uma criança. Nesse sentido. é preciso uma integração dessas duas instituições com objetivos em comum e com pessoal responsável e metodologias adequadas para se tentar resgatar esses valores tão importantes na formação do caráter dos educandos. Assim sendo. pois é na escola que essa crise pode aflorar mais. em última instância.PALAVRAS-CHAVE: família ± escola ± integração ± responsabilidades Introdução Atualmente. Nesse sentido. escola e família possuem uma grande tarefa.

observa-se que. doentes física e mentalmente. muitos projetos são lançados e inúmeros recursos também lançados pelo governo no sentido de não deixar que o aluno deixe de estudar. por parte de todos os envolvidos. basicamente envolvendo direções. essas discussões vêm sendo realizadas apenas dentro do âmbito da escola. os aspectos comportamentais não têm melhorado. Nunca os sentimentos de impotência e frustração estiveram tão marcantemente presentes na vida escolar. apesar das diferentes metodologias hoje utilizadas. em sala de aula. mas também mais crítica. São questões que merecem. caótico. no qual a educação se encontra mergulhada. Por essa razão. dentro das escolas as discussões que procuram compreender esse quadro tão complexo e. ou melhor. também não se pode continuar ignorando a importância fundamental da família na formação e educação de crianças e adolescentes. 1989. Entretanto. procuram-se novas metodologias de trabalho. não só mais profunda. Porém. Em outras palavras. muitas . ao longo da sua vida. assumindo a maior parte da responsabilidade pelas situações de conflito que nela são observadas. ao contrário. Entretanto.professores cansados e muitas vezes. os problemas continuam. observa-se que se não houver um comprometimento maior dos responsáveis e das instituições escolares isso pouco adiantará. antes de tudo. No entanto. A questão que se impõem é: até quando a escola sozinha conseguirá levar adiante essa tarefa? Ou melhor. virão novas experiências que continuarão a construir a casa/indivíduo. disciplinar. até o momento. dizer não. está sendo necessário. gradativamente. uma reflexão. constituída de pai. Professores debatem formas de tentar superar todas essas dificuldades e conflitos. pois além do conhecimento em si estar sendo comprometido para ensinar o mínimo. é preciso analisar a sociedade moderna. pois percebem que se nada for feito em breve não se conseguirá mais ensinar e educar. Aquela família tradicional.143) que (. Com as separações e os novos casamentos.. Assim. p. Depois. Atualmente. relativizando o poder da família. a escola vem. mãe e filhos tornou-se uma raridade. até quando a escola vai continuar assumindo isoladamente a responsabilidade de educar? Compreendemos com Lançam (1980 apud BOCK. coordenações e grupos de professores. muitas vezes. são cada vez mais freqüentes.) a importância da primeira educação é tão grande na formação da pessoa que podemos compará-la ao alicerce da construção de uma casa. aquele núcleo familiar mais tradicional tem dado lugar a diferentes famílias vivendo sob o mesmo teto. existem famílias dentro de famílias.. Esses novos contextos familiares geram. observando-se que uma das mudanças mais significativas é a forma como a família atualmente se encontra estruturada. principalmente. se agravam cada vez mais. Portanto. impor limites e. a indisciplina e a falta de respeito só têm aumentado.

com bases nesses pilares. Nesse aspecto.Autonomia. e que devem também . Toda essa situação acaba gerando uma série de sentimentos conflitantes. o sonho de educadores comprometidos com a cidadania de seus alunos deve tornar-se verdadeiro.Clima organizacional. as funções exercidas dentro da família eram bem definidas. Além disso. os alicerces da construção e manutenção de uma escola que visa a construção da cidadania para seus alunos se acentuam em pilares como: . conforme as circunstâncias saem todos os dias para suas atividades profissionais e vendo seus filhos somente à noite. mas também entre os próprios pais. Para que o desenvolvimento da personalidade das crianças seja harmonioso é necessário que seu ambiente familiar traduza uma atmosfera de crescente progressão educativa. . uma sensação de insegurança e até mesmo de abandono. atenção e educação das crianças. Então. Isto é. por diferentes motivos. A estratégia para a construção de uma sociedade democrática não é única. Nesse sentido. hoje. nota-se que todas as instituições e especialmente a escola deve não só apoiar e respeitar os esforços dos pais e responsáveis pelos cuidados. _ Estrutura organizacional. A gestão democrática inclui a participação. o diálogo e o respeito dos e aos alunos pela escola e tudo isso deve ser evidenciado como prática efetiva. vale ressaltar que. Assim. p. Dessa forma. é preciso que a instituição escolar esteja preparada para enfrentar esses desafios que o mundo exterior está cada vez mais proporcionando ao contexto familiar e à escola. Como já foi citado anteriormente. atualmente. _ Participação. hoje pai e mãe. 29) afirma que "as reflexões avançam. antigamente. o papel da educação na preparação para a cidadania passa por uma profunda revisão." Essa constatação leva-se a refletir sobre as dimensões da inter-relação escola-família no âmbito da comunidade e se intenta verificar a possibilidade de operacionalizar uma orientação que possa refletir a viabilização de uma inter-relação mais efetiva. não só entre pais e filhos. as crianças e os adolescentes estão cada vez mais sofrendo as conseqüências desta enorme crise familiar. Todavia. Geralmente a iniciação das pessoas na cultura. Bertrand (1999. enquanto que. para a identificação de características que influenciam as diferentes práticas de cidadania pelo mundo afora.vezes. que pais e mães assumam posições cada vez mais competitivas no mercado de trabalho. além de assumirem diferentes papéis. nos valores e nas normas da sociedade começam na família. a orientação. essa mesma sociedade tem exigido.

deve sempre envolver a família dos educandos em atividades escolares. As ações de caráter pedagógico que as escolas podem dirigir para favorecer às famílias devem fazer parte de seu projeto e para que isso possa acontecer é fundamental que as ações em favor da família sejam desenvolvidas e presididas pelos princípios da convergência e da complementaridade. diminuindo. do direito e não do arbítrio. Nessa perspectiva. sem ela tampouco a sociedade muda. a família irá se sentir comprometida com a melhoria da qualidade escolar e com o desenvolvimento de seu filho como ser humano. em direção a uma maior capacidade de dar respostas aos desafios que impõe a essa sociedade. encontramos que "é direito dos pais ou responsáveis ter ciência do processo pedagógico. Como diz Paro (1997. festas. desfiles escolares. são sinais de referência existencial. Essa visão. recursos. não há como não citar o mestre Paulo Freire (1999 p. integrando os diversos espaços educacionais que existem na sociedade. Nesse sentido. é pôr a Lei em prática.colocar-se em posição efetiva de gerar iniciativas dirigidas à elevação e aprimoramento social e educacional de seus educandos e respectivas famílias. Só assim. No Parágrafo único do Capítulo IV do Estatuto da Criança e do Adolescente (BRASIL. é importante que o projeto inicial se faça levando em conta os grandes e sérios problemas sociais tanto da escola como da família. se não se está a favor da vida e não da morte. certamente. etc. Encarnála. Família e escola são pontos de apoio ao ser humano. da convivência com o diferente e não de sua negação. Assim. Não para falar dos problemas que envolvem a família atualmente. da eqüidade e não da injustiça. 1990). A escola tem necessidade de encontrar formas variadas de mobilizações e de organização dos alunos. a escola por sua maior aproximação às famílias constitui-se em instituição social importante na busca de mecanismos que favoreça um trabalho avançado em favor de uma atuação que mobilize os integrantes tanto da escola." Quando se fala em vida escolar e sociedade.30) "a escola deve utilizar todas as oportunidades de contato com os pais. contribui para que se tenha uma maior clareza do que se pode fazer no enfrentamento das questões sócio-educativas no conjunto do movimento social. Substancialmente o que a escola deve fazer é melhorar a posição da família na agenda escolar já implementada pela legislação existente. 18). não se tem outro caminho se não viver a opção que se escolheu. trazer as famílias para o convívio escolar já está prescrito no Estatuto da Criança e do Adolescente o que esta faltando é concretizá-lo. ou seja. Se opção é progressista. assim. a distância entre o que se diz e o que se faz". quanto da família. para passar informações relevantes sobre seus objetivos. mas para ouvi-los e tentar engajá-los em algum movimento realizado pela escola como: projetos. bem como participar da definição das propostas educacionais". dos pais e da comunidade. quando diz que " a educação sozinha não transforma a sociedade. problemas e também sobre as questões pedagógicas. p. a escola. Quanto melhor .

Conectar a inter-relação escola-família de forma mais estreita significa construir e desenvolver comunidades nas quais podem-se satisfazer necessidades básicas ao aspirar uma melhor qualidade de vida para as gerações futuras. No processo educacional. os estudos e as propostas de ação possam servir de embasamento para que o desenvolvimento social se concretize por meio de práticas pedagógicas educativas efetivas. sendo uma prática social. Desse modo. A participação dos pais na educação formal dos filhos deve ser constante e consciente. A exposição de idéias. 7) " a cidadania é o espaço para a realização das pessoas. Vida familiar e vida escolar são simultâneas e complementares. de maneira a assegurar que as reflexões. É por meio de seu exercício que a sociedade pode reassumir seus rumos. mais significativos serão os resultados na formação do educando. redefinir sua organização e reorganizar suas atitudes e objetivos. a escola democrática deve ser a escola da cidadania. Considerações finais Diante da pesquisa realizada. devem ser discutidas com toda a comunidade escolar e a sociedade e a participação deve ser constante e igualitária a todos. observa-se que a educação.for a parceria entre ambas. metodologia e da avaliação devem ser feitas com a participação de todos. A elaboração e a definição de objetivos. vale ressaltar que é inevitável a autonomia da escola como prática social e não somente colocadas e registradas em papéis. sem compromisso com a realidade local e . críticos e que sejam capazes de enfrentar todos os obstáculos que possam surgir em seu meio social. para que sejam voltadas para o bem comum e para que se atualizem de acordo com as mudanças que vão ocorrendo. p. é preciso que tanto as comunidades escolares como as familiares colaborem para colocar claramente os princípios da inter-relação numa prática de relações sociais fortalecidas pelo respeito. Assim. em que se objetiva a formação de cidadãos autônomos. não pode restringir-se a ser puramente teórica. a própria escola deve articular seus recursos institucionais. Mais do que criar um novo espaço para tratar das questões da família ou da escola. os debates. família e escola devem permanecer unidas para o pleno desenvolvimento intelectual e social dos educandos. pela eficácia das ações e pela luta por uma cidadania digna. Promover a família nas ações dos projetos pedagógicos significa enfatizar ações em seu favor e lutar para que possa dar vida às leis." Nesse sentido. a aceitação de opiniões e sugestões. de acordo com o cotidiano e realidade social. Segundo Valenine (1995. conteúdos. Para isso precisa-se não só aprender sobre os princípios de convivências comunitárias como também exercitar esses princípios por meio de relações mais frutíferas e compromissadas com o desenvolvimento educacional e social. com metodologia inovadora e avaliação contínua. bem como as decisões dos caminhos da educação almejados. Os paradigmas tradicionais modificam-se com a gestão democrática.

AGUIAR. Vitor Henrique. VALENINE. FREIRE. 15. N. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. refletindo em uma efetividade social e. (org). Jul. portanto este dever perseguir os objetivos propostos. Referências BERTRAND. Estatuto da criança e do adolescente ± ECA. 1989.l. a escola deve ter claro o que quer. Brasília. o Professor necessário na construção da cidadania. S.com o mundo em que sua clientela está inserida. BORDIGNON In: FERREIRA. 1999.ed. M. [s. unindo a energia de todos os envolvidos para ser cumpridora de seus objetivos éticos e sociais. E isto só poderá realmente ser concretizado com a efetiva elaboração e administração do projeto político pedagógico. humanos e financeiros). 1999. Desse modo. A. Assim. Distrito Federal: Senado. 1995. Fortaleza CE. Campinas: Papirus. nota-se que a instituição escolar com toda a sua equipe possui uma grande tarefa: A de não deixar que o ambiente escolar seja meramente espectador dos problemas sociais. PARO. para tanto. captando ao máximo os recursos que dispõe (físicos.L. Ana Mercês Bahia et alii. Fortaleza. 126 p. Paulo. A.D. Rio de Janeiro: Paz e Terra. estruturar e programar o melhor possível para seus alunos. conclui-se que uma escola de qualidade deve ser o objetivo de qualquer gestor comprometido.]: Xamã. 1990. C. Qualidade do ensino: a contribuição dos pais.BRASIL. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. AEC. . Qual Cidadania? In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. 1995. o pleno exercício da cidadania inclui a prática do ato educativo e requer a participação ativa e compromissada dos cidadãos. São Paulo: Saraiva. . 11. Cidadania e Educação: rumo a uma prática significativa. Nesse sentido. BOCK. 2000. L. S. A orientação ao educando precisa estar voltada para estratégias que irão possibilitar a cada um deles a assumir efetivamente os valores humanos com consciência e responsabilidade para que seja agente de transformação na realidade em que está inserido. São Paulo: Cortez. Gestão da Educação.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->