Início

Usuários Comunidades Documentos
0

Login

Cadastro

Enviar conteúdo

apostila álgebra booleana exercicios resolvidos
Michelle (FESSC, Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas)

Baixar Arquivo

Curtir

2.038 pessoas curtiram isso.

Sugestões Cursos Online! Confira!
800 cursos online com Tutor, Videos Videoconferência e Certificado. Promoção: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

introdução à banco de dados
apostila

mecatrônica
apostila

c
www.urbanstore.com.br Anúncios Google

apostila

APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL

redes industriais
apostila de redes

Prof. Murilo Parreira Leal, M.Sc. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores

automação de processos industriais
apostila weg

circuitos combinatorios teoria
apostila de eletronica analogica

introdução scilab
apostila de scilab

apostila clp completa
apostila de clp

geometria analitica e algebra linear
apostila

12/05/06 - Pág1 1 – INTRODUÇÃO Um computador digital é uma máquina projetada para armazenar e manipular informações representadas por algarismos ou dígitos que podem assumir dois valores distintos 0 ou 1, por isso são chamados de computadores digitais binários, ou simplesmente, computadores digitais. Fisicamente, os valores 0 ou 1 são representados no computador pelas tensões 0,5 V ou 3,0 V, respectivamente. Estes valores são entendidos pelo computador respeitando uma faixa de tolerância, uma vez que é impossível construir equipamentos ou chips que mantenham exatamente aquelas tensões. O computador é fabricado com circuitos eletrônicos que precisam armazenar os sinais binários e realizar certos tipos de operações com eles. Estes circuitos são chamados de “circuitos digitais” e são formados por pequenos elementos capazes de manipular as grandezas binárias. Estes pequenos elementos são conhecidos como portas (“gates”) por permitirem (ou não) a passagem destes sinais, e os circuitos que contém portas lógicas são conhecidos como circuitos lógicos. Uma porta é um elemento do hardware, que recebe um ou mais sinais de entrada e produz um sinal de saída, cujo valor depende da lógica estabelecida para sua construção. 2 – PORTAS E OPERAÇÕES LÓGICAS Uma vez que as variáveis de entrada em uma porta lógica só podem ser 0 ou 1, é possível tabular as saídas correspondentes em uma “Tabela Verdade”, em função da lógica da porta. Também é possível tabular uma “Tabela Verdade” para um circuito lógico. Importante salientar que o número de entradas em uma porta não precisa ser necessariamente 2 (A e B), pois existem chips com mais entradas para uma mesma porta lógica.

java
apostila

Descrição:
apostila álgebra booleana exercicios resolvidos

Avaliações
0 0 Denuncie este arquivo

Michelle Faculdade: FESSC Curso: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tamanho do arquivo: 985 kb Palavras chave:algebra booleana, Visitas: 361

APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. B 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 1 1 Uma das mais importantes utilidades desta porta é a ativação de uma linha de dados para controlar o fluxo de bits em um computador (Ver Capítulo 3). O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade’. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores Comentários Gostei muito desse arquivo porque. então são os seguintes: ENTRADA SAÍDA A B X = A + B 0 0 0 0 1 1 1 0 1 1 1 1 Circuito integrado 7432 possui quatro portas OR.Pág2 A porta AND é definida como sendo o elemento que produz um resultado verdade (1) se e somente se todas as entradas forem verdade. comentar 12/05/06 . O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade’.Sc. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores .​ A porta OR é definida para produzir um resultado verdade (1) se pelo menos uma das entradas for verdade. Murilo Parreira Leal.. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof.Sc. Circuito integrado 7408 possui quatro portas AND. M. Murilo Parreira Leal. então são os seguintes: ENTRADA SAÍDA A B X = A .. M.

4 – Porta NAND (NOT AND): A porta NAND é definida como o complemento da porta AND. O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade’. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores .12/05/06 . também chamada de inversor ou complemento.Pág3 2. isto é. a saída de um circuito NAND eqüivale à saída de um circuito AND passando por uma porta NOT. Murilo Parreira Leal. inverte o valor do sinal binário colocado em sua entrada.Sc. M. O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade’. Circuito integrado 7404 possui seis portas NOT. então são os seguintes: É interessante observar que a conexão de dois circuitos inversores em série produz. um resultado de valor igual ao da entrada.3 – Porta NOT (NÃO ou INVERSOR): A operação lógica NOT. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. então são os seguintes: Circuito integrado 7400 possui quatro portas NAND. 2. na saída.

ou seja. Outras portas implementadas através de portas NOR: DIAGRAMA 2 3 – ILUSTRAÇÕES SOBRE PORTAS LÓGICAS As portas lógicas são comercializadas em circuitos integrados (CI) em SSI (Small Scale of Integration – Pequena Escala de Integração).Pág4 Outras portas implementadas através de portas NAND: DIAGRAMA 1 2. dentro de memórias e microprocessadores. Existem muitas outras utilizações de portas lógicas em outras escalas de integração (LSI e VLSI). pode ser considerada um caso particular da função OR. porém elas ficam invisíveis para o usuário. Murilo Parreira Leal. sendo conhecidos como família 7400. M. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL .12/05/06 . Circuito integrado 7486 possui quatro portas XOR. então são os seguintes: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof.Sc. Não podem ambas entradas ser verdade e é esta a diferença para os resultados da porta OR.6 – Porta NOR (NOT OR): Assim como a porta NAND. O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade”. como por exemplo.5 – Porta XOR (EXCLUSIVE OR): A operação XOR. 2. abreviação de EXCLUSIVE OR. A saída de um circuito lógico NOR é obtida ao se efetuar a operação lógica OR sobre as entradas e inverter o resultado. a porta NOR é o complemento ou o inverso da porta OR.Pág5 Circuito integrado 7402 possui quatro portas NOR. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . sua definição: “a saída será verdade se exclusivamente uma ou outra entrada for verdade”.

Pág7 4 – EXPRESSÕES LÓGICAS – APLICAÇÃO DE PORTAS Uma expressão lógica pode ser definida como sendo uma expressão algébrica formada por variáveis lógicas .Prof. se duas palavras são iguais. se dois bits forem iguais. No exemplo da figura abaixo. selecionando a fonte de dados (memória 1 ou memória 2. por exemplo. conforme tabela-verdade: A figura ao lado representa um MUX que possui dois conjuntos de entradas. Observe que existe um inversor na entrada C que garante a habilitação de apenas uma das portas de cada vez. e um conjunto de saída. A conexão entre a entrada e a saída é realizada em função do endereço codificado em A e B. habilita a entrada “B” e desabilita a entrada “A”. para testar de modo rápido. a saída deste circuito XOR será FALSA (0). Caso apenas um par de bits apresente valores diferentes. Em qualquer instante. Este circuito pode ser utilizado para controle em um microcomputador. é selecionada uma das entradas para ser passada para a saída. provocando a UCP a solicitar reenvio do dado. M. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . e este valor (0) não provocará nenhuma ação por parte da UCP. a saída do seu XOR será 1 e. conhecido como 4-para-1. M. todas com 8 bits: Entrada “A”: Bits de A0 até A7 Entrada “B”: Bits de B0 até B7 Saída “S”: Bits de S0 até S7 O controle é dado pela entrada “C”: No estado “0”.Sc. I2 e I3) e apenas uma saída Z. conseqüentemente do OR também será 1. A porta XOR permite a fabricação de testadores de igualdade entre valores. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . Murilo Parreira Leal. Murilo Parreira Leal. A figura abaixo representa um circuito multiplexador com quatro entradas (I0.Pág6 Um multiplexador (MUX) conecta várias entradas em uma única saída. por exemplo) para o microprocessador. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. habilita a entrada “A” e desabilita a entrada “B” No estado “1”. I1. a saída do circuito OR que reúne todas as saídas XOR será FALSA. Neste caso.Sc.

As equações 10 a 20 podem ser demonstradas a partir das Tabelas Verdade e das equações básicas 1 a 9. e “invertidas” ou “barra” quando iguais a zero. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . A equação 19 pode ser resolvida substituindo X por X+X. ​ . Suas regras básicas são: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. Se precisamos de uma porta NOR. um Circuito Seqüencial. levando-se em conta apenas a prioridade do AND (.. diminuir o custo do mesmo. Para isto temos o seguinte procedimento: Seleciona-se uma coluna de saída e apenas as linhas diferentes de zero desta coluna. O equivalente )(YX​ utiliza apenas uma porta NOR. é importante utilizarmos as disponíveis através de equivalentes. YX​ implica na utilização de duas portas NOT e uma porta OR. O “Teorema de Post” define que é possível se encontrar uma função lógica a partir da sua Tabela Verdade. A Tabela Verdade deste circuito pode ser obtida a partir de todas as possibilidades de entrada e as respectivas saídas: As expressões lógicas podem ser resolvidas como uma expressão aritmética comum. Muitas vezes. por isso estão acrescentadas na tabela acima. contém elementos de armazenamento denominados flipflops. mas nosso chip só tem portas OR e NOT. . consequentemente. Exemplo: Simplificar a expressão: 4. a fim de diminuir a quantidade de portas necessárias e. Estas proposições simples de entrada serão consideradas normais quando iguais a um. O equivalente )(YX​ utiliza apenas uma porta NAND. O nome é uma homenagem ao matemático inglês George Boole (1815-1864). 4. As equações 23 e 24 representam a Tabela Verdade do circuito XOR e NOT-XOR. mas muitas vezes não lembramos deste fato. Murilo Parreira Leal. além de possuir portas.(binárias).Y (equação 16). Em contrapartida. neste caso. no entanto. por parênteses e por um sinal de igual. etc. por símbolos representativos de uma operação lógica (+. Analisemos os seguintes casos: YX​ implica na utilização de duas portas NOT (para inverte X e Y) e uma porta AND.2 – Circuitos Combinatórios: Um Circuito Combinatório é definido como sendo um conjunto de portas cuja saída em qualquer instante de tempo é função somente das entradas.). sendo que. não dispomos no chip de uma porta necessária ao circuito. Para cada linha será definido um termo que corresponde à operação “AND” entre as proposições simples da entrada. Todas as equações podem ser utilizadas para simplificação dos circuitos lógicos projetados.) sobre o OR (+).Pág8 As equações básicas 1 a 9 podem ser provadas através do emprego das Tabelas Verdade já mostradas anteriormente. que desenvolveu uma análise matemática sobre a lógica.Sc. As equações 21 e 2 referem-se ao “Teorema de Morgan” e podem ser provadas a partir dos Diagramas 1 e 2 vistos anteriormente.1 – Álgebra Boolena: A álgebra booleana é uma área da matemática que trata de regras e elementos de lógica. A proposição composta completa será obtida pela operação “OR” entre todos os termos obtidos. . M. Por exemplo: ZYXF​​. devemos utilizar estas portas prioritariamente.

1 Circuitos Decodificadores: Podemos exemplificar um circuito combinatório com um “Decodificador BCD8421 para Código Gray” (Tabela Verdade): BCD 8421 GRAY APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. por exemplo. M. Murilo Parreira Leal. Desta forma. O exemplo abaixo é de um “decodificador 3 para 8”.Estes circuitos são utilizados para várias funções dentro de um microcomputador.2. M. ao ser enviado um endereço binário para o decodificador. que a partir dos endereços (entrada) de três bits é capaz de que selecionar oito memórias: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. 4.Sc. Murilo Parreira Leal. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores .Pág9 S3 = A Simplificando as equações obteremos: S1 = B ​ C S0 = C ​ D Uma das aplicações mais importantes de um decodificador é a habilitação de circuitos de memória. ele habilita apenas o conjunto de bits referente àquele endereço.Sc. e podem ser utilizados em qualquer dispositivo compatível com a lógica digital. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 .

Murilo Parreira Leal. A Tabela Verdade deste circuito é a seguinte (Qa = Estado anterior. Para isso. além de possuir portas.Pág10 4. S R Qa Qf Qf Transição Conclusão 0 0 0 0 0 1 Estável Qf = Qa 1 0 0 1 1 0 Estável Qf = Qa 2 0 1 0 0 1 Estável Qf ​ 0 3 0 1 1 0 1 Instável Qf ​ 0 4 1 0 0 1 0 Instável Qf ​ 1 5 1 0 1 1 0 Estável Qf ​ 1 6 1 1 0 1 1 Não Permitido Q = Q .2 Circuitos Aritméticos: um dígito Para somarmos dois números binários de “n” bits basta efetuar a operação entre cada um dos seus “n” bits. que ocorre quando a soma supera O Circuito Somador Completo (FULL ADDER) soma dois bits considerando na soma o bit de carry in (“vem um”) que veio da soma anterior e.12/05/06 . Porém. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . Qf = Estado final). Devemos considerar ainda o “vai um”. 4 bits).A.a soma dos bits e o bit de carry out ("vai um") . existe a possibilidade de que a soma ultrapasse a capacidade do nosso somador (neste caso.S e Co Podemos representar um Circuito Somador Completo pelo diagrama a seguir: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. 4. um bit de overflow.2.Pág1 Um circuito somador de 4 bits é montado a partir dos módulos de Circuito Somador do diagrama anterior: A saída terá também 4 bits para o resultado da operação matemática (soma). M. B e Ci Saída . contém elementos de armazenamento denominados flipflops. gerando além da saída o bit de carry out (“vai um”): Entrada . Obs. é preciso forçar que o Ci desse somador seja zero.: Como o somador de entrada não deve receber nenhum bit de carry in.Sc.os dois bits a serem somados e o bit de carry in . Portanto um Circuito Seqüencial. precisamos incluir um 5º bit.3 – CIRCUITOS SEQÜENCIAIS: Um Circuito Seqüencial é definido como sendo um conjunto de portas cuja saída em qualquer instante de tempo é função das entradas e/ou de seus estados anteriores que permanecem armazenados (através dos Elos de Realimentação).

Isto pode ser resolvido mantendo uma entrada D ligada ao S. 4. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 .Sc.4 – MEMÓRIA RAM: MEMÓRIA RAM DE 1 BIT Estando a entrada de endereços em nível lógico 1. e um D ligado ao R (através de um inversor). Murilo Parreira Leal. Quando CLOCK = 1 o circuito irá comportar-se como um Flip-Flop RS básico. No instante adequado ao microprocessador é injetado um pulso de CLOCK informando ao Flip-Flop para receber as entradas R e S.Sc. Tal circuito ainda tem o defeito de apresentar indefinição quando R e S forem iguais a 1 simultaneamente. Quando CLOCK = 0. semelhantes à situação Qf = Qa. é necessária a troca dos dois inversores da entrada por portas NAND. temos: S R Qf 1 0 1 1 1 Não Permitido Para que o Flip-Flop RS básico seja controlado convenientemente. M.Pág12 Resumindo as conclusões anteriores.7 1 1 1 1 1 Não Permitido Q = Q APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. ou seja. as portas AND (P1 e P2) liberarão a passagem para os terminais R e S do Flip-Flop. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. Este pulso de clock entra nas duas outras entradas daquelas portas NAND. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores . Murilo Parreira Leal. as saídas das portas NAND de entrada serão sempre iguais a 1. do dado de entrada ligado na entrada D. M.

O diagrama a seguir mostra quatro memórias de três bits cada: O Decodificador endereça o conjunto de bits desejado a partir do endereço recebido pelo barramento. A solução então foi adotar um esquema matricial.Pág13 ESCRITA (WRITE) LEITURA (READ) END = 1 END = 1 Informação ​ D Controle Escrita/Leitura (Write/Read) ​ 0 Controle Escrita/Leitura (Write/Read) ​ 1 Bit ​ SL A memória RAM de 1 bit descrita anteriormente é insuficiente para termos uma noção completa de acesso (leitura ou gravação) de dados. Murilo Parreira Leal. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . onde cada endereço não possui um valor. Na verdade isso exigiria barramentos com muitas trilhas para endereçar as memórias. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. M. mas sim dois: “linha” e “coluna”. A quantidade de trilhas do barramento de endereços diminui exponencialmente com esta solução (Ver Apostila 4 – Subsistema de Memória).Pág14 LISTA DE EXERCÍCIOS 1) Desenvolva a tabela verdade para as seguintes expressões booleanas: a) b) c) d) e) f) Respostas: . Para tal devemos ter um conjunto de bits referenciado por um endereço.12/05/06 .Sc.

Sc. Murilo Parreira Leal. M.Pág15 d) e) f) g) h) i) j) k) . Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 .a) Entradas b) Entradas c) Entradas Saída A B C D Saída A B C D Saída 10001 10011 d) Entradas 1 0 1 0 1 f) Entradas Saída 1 0 1 1 0 A B C D Saída 1 0 0 00 1 0 0 0 1 0 1 00 1 0 1 1 1 1 0 0e) Entradas 1 1 1 0A B 2) Simplifique as seguintes expressões lógicas: a) b) c) APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof.

a)b) c) d)e) f) g) h) i) j) k) Respostas: 3) Desenhe o diagrama lógico correspondente às seguintes expressões: a) b) c) d) e) a)b) Respostas: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. Murilo Parreira Leal.Sc. M. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores .

7) Faça o diagrama e descreva o funcionamento de uma memória RAM de um bit. D. b)Resposta: Entradas Saídas c) Resposta: Entradas Saídas d)Resposta: Entradas Saídas 5) Faça o diagrama e descreva o funcionamento de um Flip-Flop RS.Pág16 4) A partir das seguintes tabelas verdade encontre as expressões booleanas. 6) Faça o diagrama e descreva o funcionamento de um Flip-Flop RS controlado por pulso de clock.12/05/06 . D: Entrada do dado (0 ou 1) para gravação. X: Seleção de leitura ou gravação Avaliações: 0 0 Denuncie Material de apoio: Perguntas frequentes Privacidade Termos de uso Sobre o ebaH!: O que é o ebaH!? Fale conosco Ajude-nos a melhorar Imprensa Fique ligado: Blog do ebaH! Twitter do ebaH! EbaH! no Orkut Forum do ebaH! EbaH! no Facebook . simplifique-as e faça os diagramas lógicos correspondentes: a)Resposta: Entradas Sai. X e a saída S de uma memória RAM de um bit? Resposta: END: Seleciona a memória que será lida ou gravada. 8) Para que são utilizadas as entradas END. S: Saída do dado (0 ou 1) para leitura.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful