Início

Usuários Comunidades Documentos
0

Login

Cadastro

Enviar conteúdo

apostila álgebra booleana exercicios resolvidos
Michelle (FESSC, Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas)

Baixar Arquivo

Curtir

2.038 pessoas curtiram isso.

Sugestões Cursos Online! Confira!
800 cursos online com Tutor, Videos Videoconferência e Certificado. Promoção: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

introdução à banco de dados
apostila

mecatrônica
apostila

c
www.urbanstore.com.br Anúncios Google

apostila

APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL

redes industriais
apostila de redes

Prof. Murilo Parreira Leal, M.Sc. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores

automação de processos industriais
apostila weg

circuitos combinatorios teoria
apostila de eletronica analogica

introdução scilab
apostila de scilab

apostila clp completa
apostila de clp

geometria analitica e algebra linear
apostila

12/05/06 - Pág1 1 – INTRODUÇÃO Um computador digital é uma máquina projetada para armazenar e manipular informações representadas por algarismos ou dígitos que podem assumir dois valores distintos 0 ou 1, por isso são chamados de computadores digitais binários, ou simplesmente, computadores digitais. Fisicamente, os valores 0 ou 1 são representados no computador pelas tensões 0,5 V ou 3,0 V, respectivamente. Estes valores são entendidos pelo computador respeitando uma faixa de tolerância, uma vez que é impossível construir equipamentos ou chips que mantenham exatamente aquelas tensões. O computador é fabricado com circuitos eletrônicos que precisam armazenar os sinais binários e realizar certos tipos de operações com eles. Estes circuitos são chamados de “circuitos digitais” e são formados por pequenos elementos capazes de manipular as grandezas binárias. Estes pequenos elementos são conhecidos como portas (“gates”) por permitirem (ou não) a passagem destes sinais, e os circuitos que contém portas lógicas são conhecidos como circuitos lógicos. Uma porta é um elemento do hardware, que recebe um ou mais sinais de entrada e produz um sinal de saída, cujo valor depende da lógica estabelecida para sua construção. 2 – PORTAS E OPERAÇÕES LÓGICAS Uma vez que as variáveis de entrada em uma porta lógica só podem ser 0 ou 1, é possível tabular as saídas correspondentes em uma “Tabela Verdade”, em função da lógica da porta. Também é possível tabular uma “Tabela Verdade” para um circuito lógico. Importante salientar que o número de entradas em uma porta não precisa ser necessariamente 2 (A e B), pois existem chips com mais entradas para uma mesma porta lógica.

java
apostila

Descrição:
apostila álgebra booleana exercicios resolvidos

Avaliações
0 0 Denuncie este arquivo

Michelle Faculdade: FESSC Curso: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tamanho do arquivo: 985 kb Palavras chave:algebra booleana, Visitas: 361

. M. comentar 12/05/06 .Sc. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores . Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores Comentários Gostei muito desse arquivo porque. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof.Pág2 A porta AND é definida como sendo o elemento que produz um resultado verdade (1) se e somente se todas as entradas forem verdade. O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade’. então são os seguintes: ENTRADA SAÍDA A B X = A .Sc. O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade’. M. Murilo Parreira Leal. Circuito integrado 7408 possui quatro portas AND.APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof..​ A porta OR é definida para produzir um resultado verdade (1) se pelo menos uma das entradas for verdade. então são os seguintes: ENTRADA SAÍDA A B X = A + B 0 0 0 0 1 1 1 0 1 1 1 1 Circuito integrado 7432 possui quatro portas OR. B 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 1 1 Uma das mais importantes utilidades desta porta é a ativação de uma linha de dados para controlar o fluxo de bits em um computador (Ver Capítulo 3). Murilo Parreira Leal.

4 – Porta NAND (NOT AND): A porta NAND é definida como o complemento da porta AND. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. também chamada de inversor ou complemento. 2. na saída.3 – Porta NOT (NÃO ou INVERSOR): A operação lógica NOT.Sc. inverte o valor do sinal binário colocado em sua entrada. um resultado de valor igual ao da entrada. então são os seguintes: Circuito integrado 7400 possui quatro portas NAND. Murilo Parreira Leal. então são os seguintes: É interessante observar que a conexão de dois circuitos inversores em série produz. Circuito integrado 7404 possui seis portas NOT. isto é. a saída de um circuito NAND eqüivale à saída de um circuito AND passando por uma porta NOT. O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade’. M. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores .Pág3 2. O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade’.12/05/06 .

5 – Porta XOR (EXCLUSIVE OR): A operação XOR. ou seja. Circuito integrado 7486 possui quatro portas XOR. Murilo Parreira Leal. 2. porém elas ficam invisíveis para o usuário. dentro de memórias e microprocessadores. abreviação de EXCLUSIVE OR. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . pode ser considerada um caso particular da função OR.Pág4 Outras portas implementadas através de portas NAND: DIAGRAMA 1 2.Pág5 Circuito integrado 7402 possui quatro portas NOR. como por exemplo. A saída de um circuito lógico NOR é obtida ao se efetuar a operação lógica OR sobre as entradas e inverter o resultado. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL . O seu símbolo e a sua “Tabela Verdade”. Outras portas implementadas através de portas NOR: DIAGRAMA 2 3 – ILUSTRAÇÕES SOBRE PORTAS LÓGICAS As portas lógicas são comercializadas em circuitos integrados (CI) em SSI (Small Scale of Integration – Pequena Escala de Integração).Sc. então são os seguintes: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. sendo conhecidos como família 7400.6 – Porta NOR (NOT OR): Assim como a porta NAND. sua definição: “a saída será verdade se exclusivamente uma ou outra entrada for verdade”. M. a porta NOR é o complemento ou o inverso da porta OR.12/05/06 . Existem muitas outras utilizações de portas lógicas em outras escalas de integração (LSI e VLSI). Não podem ambas entradas ser verdade e é esta a diferença para os resultados da porta OR.

habilita a entrada “A” e desabilita a entrada “B” No estado “1”. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 .Pág6 Um multiplexador (MUX) conecta várias entradas em uma única saída. Murilo Parreira Leal. para testar de modo rápido. M.Pág7 4 – EXPRESSÕES LÓGICAS – APLICAÇÃO DE PORTAS Uma expressão lógica pode ser definida como sendo uma expressão algébrica formada por variáveis lógicas . a saída do circuito OR que reúne todas as saídas XOR será FALSA. M. habilita a entrada “B” e desabilita a entrada “A”. Em qualquer instante. I2 e I3) e apenas uma saída Z. se dois bits forem iguais. e um conjunto de saída. se duas palavras são iguais. Este circuito pode ser utilizado para controle em um microcomputador. conforme tabela-verdade: A figura ao lado representa um MUX que possui dois conjuntos de entradas. Murilo Parreira Leal. todas com 8 bits: Entrada “A”: Bits de A0 até A7 Entrada “B”: Bits de B0 até B7 Saída “S”: Bits de S0 até S7 O controle é dado pela entrada “C”: No estado “0”. Caso apenas um par de bits apresente valores diferentes. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. A figura abaixo representa um circuito multiplexador com quatro entradas (I0. Observe que existe um inversor na entrada C que garante a habilitação de apenas uma das portas de cada vez.Sc. e este valor (0) não provocará nenhuma ação por parte da UCP.Prof. conseqüentemente do OR também será 1. A porta XOR permite a fabricação de testadores de igualdade entre valores. a saída deste circuito XOR será FALSA (0). conhecido como 4-para-1. a saída do seu XOR será 1 e. Neste caso. por exemplo) para o microprocessador. I1. é selecionada uma das entradas para ser passada para a saída. provocando a UCP a solicitar reenvio do dado.Sc. por exemplo. A conexão entre a entrada e a saída é realizada em função do endereço codificado em A e B. No exemplo da figura abaixo. selecionando a fonte de dados (memória 1 ou memória 2.

. no entanto. O equivalente )(YX​ utiliza apenas uma porta NAND. consequentemente. 4. Em contrapartida. A equação 19 pode ser resolvida substituindo X por X+X.(binárias). não dispomos no chip de uma porta necessária ao circuito. diminuir o custo do mesmo. . por isso estão acrescentadas na tabela acima.Sc. Analisemos os seguintes casos: YX​ implica na utilização de duas portas NOT (para inverte X e Y) e uma porta AND. Exemplo: Simplificar a expressão: 4. A Tabela Verdade deste circuito pode ser obtida a partir de todas as possibilidades de entrada e as respectivas saídas: As expressões lógicas podem ser resolvidas como uma expressão aritmética comum. Suas regras básicas são: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. levando-se em conta apenas a prioridade do AND (. por símbolos representativos de uma operação lógica (+. Por exemplo: ZYXF​​. mas muitas vezes não lembramos deste fato. Se precisamos de uma porta NOR. O equivalente )(YX​ utiliza apenas uma porta NOR. mas nosso chip só tem portas OR e NOT. As equações 23 e 24 representam a Tabela Verdade do circuito XOR e NOT-XOR. a fim de diminuir a quantidade de portas necessárias e. As equações 10 a 20 podem ser demonstradas a partir das Tabelas Verdade e das equações básicas 1 a 9. A proposição composta completa será obtida pela operação “OR” entre todos os termos obtidos. Para cada linha será definido um termo que corresponde à operação “AND” entre as proposições simples da entrada. sendo que. além de possuir portas. Para isto temos o seguinte procedimento: Seleciona-se uma coluna de saída e apenas as linhas diferentes de zero desta coluna. é importante utilizarmos as disponíveis através de equivalentes. Estas proposições simples de entrada serão consideradas normais quando iguais a um. O “Teorema de Post” define que é possível se encontrar uma função lógica a partir da sua Tabela Verdade.Pág8 As equações básicas 1 a 9 podem ser provadas através do emprego das Tabelas Verdade já mostradas anteriormente. neste caso. devemos utilizar estas portas prioritariamente. que desenvolveu uma análise matemática sobre a lógica. YX​ implica na utilização de duas portas NOT e uma porta OR.). Murilo Parreira Leal.2 – Circuitos Combinatórios: Um Circuito Combinatório é definido como sendo um conjunto de portas cuja saída em qualquer instante de tempo é função somente das entradas.. por parênteses e por um sinal de igual. contém elementos de armazenamento denominados flipflops. Muitas vezes.) sobre o OR (+). e “invertidas” ou “barra” quando iguais a zero.Y (equação 16). etc.1 – Álgebra Boolena: A álgebra booleana é uma área da matemática que trata de regras e elementos de lógica. As equações 21 e 2 referem-se ao “Teorema de Morgan” e podem ser provadas a partir dos Diagramas 1 e 2 vistos anteriormente. M. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . O nome é uma homenagem ao matemático inglês George Boole (1815-1864). Todas as equações podem ser utilizadas para simplificação dos circuitos lógicos projetados. ​ . um Circuito Seqüencial.

O exemplo abaixo é de um “decodificador 3 para 8”.Pág9 S3 = A Simplificando as equações obteremos: S1 = B ​ C S0 = C ​ D Uma das aplicações mais importantes de um decodificador é a habilitação de circuitos de memória. ao ser enviado um endereço binário para o decodificador. por exemplo. e podem ser utilizados em qualquer dispositivo compatível com a lógica digital. M. 4. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores . que a partir dos endereços (entrada) de três bits é capaz de que selecionar oito memórias: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . Desta forma.Sc. Murilo Parreira Leal.2. ele habilita apenas o conjunto de bits referente àquele endereço.Sc.1 Circuitos Decodificadores: Podemos exemplificar um circuito combinatório com um “Decodificador BCD8421 para Código Gray” (Tabela Verdade): BCD 8421 GRAY APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. M. Murilo Parreira Leal.Estes circuitos são utilizados para várias funções dentro de um microcomputador.

Portanto um Circuito Seqüencial. gerando além da saída o bit de carry out (“vai um”): Entrada . Qf = Estado final).Sc. M. contém elementos de armazenamento denominados flipflops. 4. Porém. Para isso.A. Murilo Parreira Leal. que ocorre quando a soma supera O Circuito Somador Completo (FULL ADDER) soma dois bits considerando na soma o bit de carry in (“vem um”) que veio da soma anterior e.2 Circuitos Aritméticos: um dígito Para somarmos dois números binários de “n” bits basta efetuar a operação entre cada um dos seus “n” bits.a soma dos bits e o bit de carry out ("vai um") . 4 bits). Devemos considerar ainda o “vai um”. um bit de overflow.Pág10 4. S R Qa Qf Qf Transição Conclusão 0 0 0 0 0 1 Estável Qf = Qa 1 0 0 1 1 0 Estável Qf = Qa 2 0 1 0 0 1 Estável Qf ​ 0 3 0 1 1 0 1 Instável Qf ​ 0 4 1 0 0 1 0 Instável Qf ​ 1 5 1 0 1 1 0 Estável Qf ​ 1 6 1 1 0 1 1 Não Permitido Q = Q . Obs. A Tabela Verdade deste circuito é a seguinte (Qa = Estado anterior.12/05/06 . precisamos incluir um 5º bit.: Como o somador de entrada não deve receber nenhum bit de carry in.2. existe a possibilidade de que a soma ultrapasse a capacidade do nosso somador (neste caso. além de possuir portas. B e Ci Saída . é preciso forçar que o Ci desse somador seja zero. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 .Pág1 Um circuito somador de 4 bits é montado a partir dos módulos de Circuito Somador do diagrama anterior: A saída terá também 4 bits para o resultado da operação matemática (soma).S e Co Podemos representar um Circuito Somador Completo pelo diagrama a seguir: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof.os dois bits a serem somados e o bit de carry in .3 – CIRCUITOS SEQÜENCIAIS: Um Circuito Seqüencial é definido como sendo um conjunto de portas cuja saída em qualquer instante de tempo é função das entradas e/ou de seus estados anteriores que permanecem armazenados (através dos Elos de Realimentação).

Murilo Parreira Leal. Isto pode ser resolvido mantendo uma entrada D ligada ao S. M.Sc. as portas AND (P1 e P2) liberarão a passagem para os terminais R e S do Flip-Flop. Murilo Parreira Leal. ou seja. semelhantes à situação Qf = Qa. Tal circuito ainda tem o defeito de apresentar indefinição quando R e S forem iguais a 1 simultaneamente. 4. as saídas das portas NAND de entrada serão sempre iguais a 1. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores . APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 .7 1 1 1 1 1 Não Permitido Q = Q APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. é necessária a troca dos dois inversores da entrada por portas NAND.Pág12 Resumindo as conclusões anteriores. Quando CLOCK = 0. e um D ligado ao R (através de um inversor). M. Este pulso de clock entra nas duas outras entradas daquelas portas NAND. temos: S R Qf 1 0 1 1 1 Não Permitido Para que o Flip-Flop RS básico seja controlado convenientemente. No instante adequado ao microprocessador é injetado um pulso de CLOCK informando ao Flip-Flop para receber as entradas R e S. do dado de entrada ligado na entrada D.Sc. Quando CLOCK = 1 o circuito irá comportar-se como um Flip-Flop RS básico.4 – MEMÓRIA RAM: MEMÓRIA RAM DE 1 BIT Estando a entrada de endereços em nível lógico 1.

Na verdade isso exigiria barramentos com muitas trilhas para endereçar as memórias. A solução então foi adotar um esquema matricial. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 . onde cada endereço não possui um valor.12/05/06 . Murilo Parreira Leal. mas sim dois: “linha” e “coluna”.Sc. O diagrama a seguir mostra quatro memórias de três bits cada: O Decodificador endereça o conjunto de bits desejado a partir do endereço recebido pelo barramento. APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof.Pág14 LISTA DE EXERCÍCIOS 1) Desenvolva a tabela verdade para as seguintes expressões booleanas: a) b) c) d) e) f) Respostas: .Pág13 ESCRITA (WRITE) LEITURA (READ) END = 1 END = 1 Informação ​ D Controle Escrita/Leitura (Write/Read) ​ 0 Controle Escrita/Leitura (Write/Read) ​ 1 Bit ​ SL A memória RAM de 1 bit descrita anteriormente é insuficiente para termos uma noção completa de acesso (leitura ou gravação) de dados. A quantidade de trilhas do barramento de endereços diminui exponencialmente com esta solução (Ver Apostila 4 – Subsistema de Memória). M. Para tal devemos ter um conjunto de bits referenciado por um endereço.

M.Sc.Pág15 d) e) f) g) h) i) j) k) . Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores 12/05/06 .a) Entradas b) Entradas c) Entradas Saída A B C D Saída A B C D Saída 10001 10011 d) Entradas 1 0 1 0 1 f) Entradas Saída 1 0 1 1 0 A B C D Saída 1 0 0 00 1 0 0 0 1 0 1 00 1 0 1 1 1 1 0 0e) Entradas 1 1 1 0A B 2) Simplifique as seguintes expressões lógicas: a) b) c) APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof. Murilo Parreira Leal.

Murilo Parreira Leal. M.a)b) c) d)e) f) g) h) i) j) k) Respostas: 3) Desenhe o diagrama lógico correspondente às seguintes expressões: a) b) c) d) e) a)b) Respostas: APOSTILA 3 – LÓGICA DIGITAL Prof.Sc. Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores .

8) Para que são utilizadas as entradas END. 7) Faça o diagrama e descreva o funcionamento de uma memória RAM de um bit. X: Seleção de leitura ou gravação Avaliações: 0 0 Denuncie Material de apoio: Perguntas frequentes Privacidade Termos de uso Sobre o ebaH!: O que é o ebaH!? Fale conosco Ajude-nos a melhorar Imprensa Fique ligado: Blog do ebaH! Twitter do ebaH! EbaH! no Orkut Forum do ebaH! EbaH! no Facebook .Pág16 4) A partir das seguintes tabelas verdade encontre as expressões booleanas. D. 6) Faça o diagrama e descreva o funcionamento de um Flip-Flop RS controlado por pulso de clock. S: Saída do dado (0 ou 1) para leitura. b)Resposta: Entradas Saídas c) Resposta: Entradas Saídas d)Resposta: Entradas Saídas 5) Faça o diagrama e descreva o funcionamento de um Flip-Flop RS.12/05/06 . X e a saída S de uma memória RAM de um bit? Resposta: END: Seleciona a memória que será lida ou gravada. D: Entrada do dado (0 ou 1) para gravação. simplifique-as e faça os diagramas lógicos correspondentes: a)Resposta: Entradas Sai.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful