P. 1
Introdução à Mineração

Introdução à Mineração

|Views: 1.596|Likes:
Publicado porpaulo1americo

More info:

Published by: paulo1americo on Sep 30, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/07/2014

pdf

text

original

INTRODUÇÃO À MINERAÇÃO

ÍNDICE
• A Atividade da Mineração e o meio-ambiente • Fases da Mineração • Reabilitação de áreas degradadas pela mineração

– Barragem de Rejeito
– Pilha de Estéril – Recomposição da cobertura vegetal

• Galeria de Fotos

O MEIO AMBIENTE E A ATIVIDADE DA MINERAÇÃO
Todo projeto de uma mina deve procurar minimizar os efeitos sobre a natureza, com o mínimo do desequilíbrio ecológico, buscar a reabilitação dos solos, a manutenção da qualidade das correntes aquosas, a preservação da fauna e da flora. Planejar em mineração é viabilizar, técnica e economicamente, determinado projeto, levandose em conta todas as etapas necessárias. Logo a questão ambiental não pode ser negligenciada. A mineração tem compromissos com a qualidade de vida, seja ela em grande, média ou pequena escala.

FASES DA MINERAÇÃO
• • • • • Prospecção; Exploração; Desenvolvimento; Lavra; Reabilitação Ambiental.

PROSPECÇÃO

Fase da mineração onde através de pesquisas são descobertas as jazidas. Algumas vezes estas jazidas são encontradas por acaso, sem nenhum tipo de estudo da área.

PROSPECÇÃO

EXPLORAÇÃO

É a etapa onde são feitos estudos da área onde foi encontrada a reserva mineral. Assim, nesta fase são desenvolvidas as pesquisas sobre impacto ambiental, planejamento de lavra, projetos de engenharia, etc.

DESENVOLVIMENTO

Logo após a exploração, esta fase é responsável pelos serviços necessários à preparação da jazida para a retirada do(s) minério(s).

LAVRA

É a fase de extração dos bens minerais de seus locais de origem. Compreende operações em larga, média ou pequena escala, realizadas em superfície ou em subsolo.

REABILITAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS
Última fase de exploração de uma mina, pode ser entendida como um conjunto de procedimentos visando à reintegração das áreas afetadas ao equilíbrio ambiental. Não se trata de uma recuperação completa da região, já que ela não mais voltará a ser como antes. Reabilitar uma área impactada é torna-lá mais próximo do que antes, respeitando a flora, a fauna nativa e a harmonia da natureza com os seres vivos ali existentes.
ÍNDICE

BARRAGEM DE REJEITO
Na fase de beneficiamento o minério é lavado com água que perde sua composição natural ficando inadequada para usos posteriores. Então, ela é levada para a barragem de rejeito, onde por decantação os sólidos e outras partículas vão se acumulando no fundo, clarificando a água que posteriormente vai para rios, córregos e outra parte volta por bombeamento para ser reutilizada na mina.
ÏNDICE

PILHA DE ESTÉRIL
Durante a lavra grande quantidade de solo é retirado da mina sem nenhuma utilização no processo da mineração, denominado de estéril. Este material é conduzido para as pilhas de estéril construídas em locais pré-determinados por estudos, evitando ao máximo o impacto ambiental na área. Isso quando não são despejadas nas áreas já lavradas, o que evita o transporte e o manuseio longo.
ÏNDICE

RECOMPOSIÇÃO DA COBERTURA VEGETAL
• Cinturões - Verdes
• Processo de Hidrossemeadura

CINTURÕES - VERDES
Nos limites das minas são plantadas grandes quantidades de árvores, formando o “cinturão-verde”, com o objetivo de diminuir a quantidade de poeira emitida no ar, os ruídos provocados pelas explosões para a retirada do minério e outras operações da mina e minimizam o impacto ambiental.

PROCESSO DE HIDROSSEMEADURA
Fase importante durante a reabilitação ambiental, a hidrossemeadura é responsável pela revitalização do solo das áreas já lavradas e da pilha de estéril. Durante sua execução são lançadas mais de 20 diferentes tipos de gramíneas, leguminosas e outros produtos para melhorarem o solo. O que germina primeiro é o “azevém” um tipo de capim que vai recompor o solo. A seguir o “guando”, que fixa o hidrogênio no ar. Posteriormente todo este processo vai possibilitar o reflorestamento dessas regiões com espécies nativas,servir como viveiro para a fauna etc.
ÏNDICE

PLANO A LONGO PRAZO

OBJETIVOS E) Estabelecimento do Lay-Out geral: é feito em função de um pit econômico pré-determinado, evitando remanuseio, em um curto período, de instalações, depósitos, etc..., que permite o mínimo custo no transporte de materiais. F) Cálculo dos equipamentos, investimentos e custos operacionais: todo este cálculo depende do ritmo de produção determinado para a jazida, bem como das características da mesma.

PLANO A LONGO PRAZO RECURSOS UTILIZADOS PARA EXECUÇÃO DESTE PLANO • Análise Qualitativa. • Mapas Topográficos. • Mapas de Superfície. • Cubagens por planimetria. • Seções Geológicas Verticais / Horizontais. • Sistemas de planejamento de Mina em Computador: Baseiamodelos reduzidos tridimensionais de minas onde são planos de lavra que geram os relatórios dos qualidade / econômico. módulos se em os / simulados tonelagem

PLANO A MÉDIO PRAZO DEFINIÇÃO: é um plano elaborado pelo setor de Planejamento da Mina, considerado operacional, ou seja, se destina à orientação da operação, executado com um tempo de 01 a 03 anos. A utilização mais comum deste plano é: - Na definição do plano anual de operação para um dado programa de vendas e, - Na definição de parâmetros para cálculo de despesa anual.

PLANO A MÉDIO PRAZO OBJETIVOS • Verificação do volume de rejeitos • Evolução ou abertura de estradas • Cálculo de equipamentos necessários • Orientação de drenagens de águas pluviais • Evolução ou abertura de depósitos de rejeitos • Data de abertura de novos bancos e evolução das recorrências • Esquema de áreas para operação • Adequação à demanda do período em quantidade / tipos de produtos.

PLANO A CURTO PRAZO OBJETIVOS • Prever abertura de estradas e rampas entre os blocos • Viabilizar drenagens e situações de depósito de rejeito • Analisar os ritmos de produção em relação ao plano anual • Adequar a remoção de rejeito às condições meteorológicas • Posicionar as escavadeiras de acordo com a necessidade da lavra • Analisar os reflexos de desempenho do Plano Trimestral anterior • Adequar a demanda ao período em quantidade / tipos de produtos.

PLANO A CURTO PRAZO RECURSOS UTILIZADOS Mapas Topográficos. Seções Geológicas Horizontais. Cubagens por Planimetria.
600 800.00 800 1200 1600 2000
745.00 730.00 745.00 730.00

700.00

700.00

670.00

670.00

640.00

640.00

610.00

610.00

580.00

580.00

550.00

550.00

520.00

520.00

490.00

490.00

460.00

460.00

430.00

430.00

400.00

400.00

370.00

370.00

340.00

340.00

310.00 300.00

310.00 300.00

270.00

200.00

150.00

PLANEJAMENTO OPERACIONAL / SEMANAL

DEFINIÇÃO: é um plano operacional executado para acompanhar a lavra semanalmente. ATRAVÉS DESTE PLANO É QUE SE FAZ O ACOMPANHAMENTO DA LAVRA NO DIA A DIA.

PLANEJAMENTO OPERACIONAL / SEMANAL COMENTÁRIO Diferentemente dos demais planos, o Plano Operacional / Semanal é elaborado por equipe composta por engenheiros e supervisores dos seguintes setores: Operação de Mina Planejamento de Mina Geologia / Topografia de Mina Controle de Qualidade de Mina Perfuração /Desmonte de Mina.

PLANEJAMENTO OPERACIONAL / SEMANAL OBJETIVOS • Analisar a semana anterior • Relacionar as prioridades para os tipos de minério e rejeito • Definir posições detalhadas das escavadeiras e perfuratrizes • Definir as máquinas que serão entregues para manutenção preventiva • Definir condições de trabalho dos equipamentos e definir produção de cada escavadeira • Determinar a alocação de escavadeiras e perfuratrizes para a semana seguinte, baseando-se na análise de desempenho da semana anterior.

MINA 02

MINA 01 MINA 03

MINA 04

MINA 05

TALUDES 02 TALUDES 01

TALUDES 03 TALUDES 04

TALUDES 05

LAVRA 01

LAVRA 02

EXPLOSÃO 01

EXPLOSÃO 02 EXPLOSÃO 03

BENEFICIAMENTO 01

BENEFICIAMENTO 03 BENEFICIAMENTO 02

BENEFICIAMENTO 04

BARRAGEM DE REJEITO 01

BARRAGEM DE REJEITO 02

BARRAGEM DE REJEITO 03

BARRAGEM DE REJEITO 04

BARRAGEM DE REJEITO 05 BARRAGEM DE REJEITO 06

BARRAGEM DE REJEITO 07

REFLORESTAMENTO 01

REFLORESTAMENTO 02

REFLORESTAMENTO 03

ÁREA REVITALIZADA

IRRIGAÇÃO NAS ESTRADAS PARA TRANSPORTE FLUVIAL 01 EVITAR A POEIRA

TRANSPORTE FLUVIAL 02

TRANSPORTE ATRAVÉS DE DUTOS 01

TRANSPORTE ATRAVÉS DE ESTEIRAS

TRANSPORTE FERROVIÁRIO 01

TRANSPORTE FLUVIAL 03

TRANSPORTE ATRAVÉS DE DUTOS 02

TRANSPORTE FERROVIÁRIO 02

TRANSPORTE AÉREO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO 03 TRANSPORTE FERROVIÁRIO 04

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->