Você está na página 1de 3

História do Golfe em Cabo Verde

Tendo sido introduzido em Cabo Verde pelos Ingleses na época do


carvão, temos registos históricos no clube datando de 1906
significando que estamos perante uma organização desportiva
centenária. Nos finais de semana é comum encontrarmos uma média
de 35 a 40 jogadores praticando golfe no Clube de Golfe de São
Vicente com golfistas desde os 18 aos 84 anos neste caso
simbolizados pelos sócios Eduardo Andrade (Eduardo Fula) e
Florêncio Andrade (Nha Florêncio).

Clube de Golfe de S. Vicente

Um breve histórico

A prática do golfe em S. Vicente, bem como a maior parte das


restantes modalidades desportivas tiveram o seu início com a
instalação dos Ingleses na cidade do Mindelo no quadro das antigas
companhias carvoeiras operativas desde 1850 entre as quais
podemos citar:
• Royal Mail Steam Packet no ano de 1850
• Patent Freel Thomas and Miller em 1851
• Visger & Miller em 1875
• Wilson & Son e comp em 1885
• Companhia S. Vicente em 1896
Em 1874 a Brasilian Submarino Company (mais tarde Western
Company Limited ) amarrava em S. Vicente o seu primeiro Cabo
Submarino, estabelecendo a ligação telegráfica entre a Europa e a
América do Sul, ligando Lisboa e Pernambuco via Madeira.
Em documentos publicados, se toma conhecimento de que no ano de
1852-53 foram concedidos os primeiros terrenos não destinados a

1
instalações comerciais mas sim para prática desportiva, a Thomas e
George Miller. Na praia da Galé foram cedidos terrenos em 1853 por
Thomas, George Miller e George Rendaly terrenos que depois foram
aproveitados para o Clube Inglês de golf e um campo de futebol.
Os Ingleses, alem dos encontros isolados, fundaram as seguintes
clubes:
• The Western Athletic Clube 1925
• St Vicente Sport’s Clube e St.Vicente (Cape Verde island).
• Golf Club 1925
• St. Vicente Lawn tennis club 1926.
Em 1933 os três clubes se fundiram num único clube dando origem
ao St. Vincent Cape Verde Island Golf & Lawn Tennis Clube cujos
estatutos foram aprovados a 22 de Junho de 1933.
Durante décadas, a modalidade do golfe foi exclusivamente praticada
pelos Ingleses.
Entretanto bem cedo, uma camada jovem Mindelense quer pela sua
estreita relação com os Ingleses, quer por residir na zona de jogo,
assimilou a modalidade, aderindo a ela com entusiasmo, a ponto de
vir a fundar o seu próprio clube denominado Clube de Golfe de S.
Vicente com os seus estatutos aprovados em Abril de 1940. (De
notar que na fundação do clube estiveram também alguns Ingleses
radicados em S. Vicente).
Com a saída progressiva dos Ingleses da ilha de S.Vicente e a
consequente diminuição do numero dos associados do St. Vicente
Golf and Lawn Tennis Clube, feitas as consultas necessárias e de
comum acordo em 1969, as assembleias gerias dos dois clubes
deliberaram fundir-se numa única e nova agremiação que tomou o
nome de Clube Anglo-Portuguese de Golf de S. Vicente, com os seus
estatutos aprovados no dia 4 de Agosto de 1969.
No ano de 1975 logo após a Independência Nacional uma assembleia
geral alterou o nome do clube que passou a designar-se novamente
Clube de Golfe de S. Vicente.

2
Pelo seu interesse assinalam-se aqui algumas efemérides que
constituem êxitos marcantes do clube.
• Em 8 e 9 de Outubro de 1925, sua Alteza o príncipe de Gales
de passagem por S. Vicente á bordo de um navio de armada
Britânica , visitou as instalações do clube.
• Em 1962 de visita oficial a Cabo Verde, o então Ministro do
Ultramar, Professor Doutor Adriano Moreira, visitou as
instalações do Clube tendo sido homenageado com um amoço
entre os sócios.
• Em Novembro de 1968, com o patrocínio do departamento do
Turismo, o clube recebeu uma equipe Portuguesa da Lisbon
Sport Clube com oito elementos sendo esta vencida pela
equipe local.
A convite do governo de Cabo Verde, por ocasião das comemorações,
do 3º, 4º, e 5º aniversário da independência nacional, equipas
portuguesas seleccionadas pela federação Portuguesa de golfe
deslocaram-se a S. Vicente, tendo as equipas Cabo-verdianas saído
sempre vitoriosas.
Actualmente o Clube de Golfe de S. Vicente, é considerada uma
instituição de utilidade publica, com cerca de 300 sócios, dispondo
de Sede própria com um campo de golfe com 18 buracos e um
“court” de ténis, numa bela zona arborizada a cerca de 3 quilómetros
da cidade. De notar que o campo de golfe é de terra batida, sendo o
a zona do “green” constituída de mistura de areia e óleo, sendo
comum utilizar-se a expressão “bola no preto” em vez de bola no
green.

Adriano da Cruz Brito

Interesses relacionados