Você está na página 1de 12

Introdução e índice

Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de
Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português.

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de


apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um
ponto de partida!
Se quiser mais informações visite o site www.dicasdefotografia.com.br

Este conteúdo “já existe”: todo manual de fotografia começa batendo nessas mesmas teclas.
Porém eu tentei criar um conteúdo em língua Portuguesa que seja de fácil entendimento para
todos, sem muitas firulas técnicas. Foi tudo criado por mim, tanto os textos quanto as fotos
que ilustram. Não preciso nem dizer que prefiro que não seja copiado né? A apostila está com a
licensa de Creative Commons. Copie, distribua, use como base... mas sempre dê os créditos.

Quem deve ler?


Quem está começando. Esse conteúdo é simplificado ao máximo para melhor entendimento de
quem resolveu começar a fotografar agora. Se você já conhece a fotografia vai achar básico
demais. Não falei neste material sobre coisas mais intermediárias sobre equipamentos, cartão
cinza ou contas complexas para determinar o melhor foco da lente. Deixo isso para quem quiser
pesquisar mais além. Repito: este é um guia para quem está começando e quer entender sem
complicações os conceitos básicos da fotografia.

O que você vai precisar?


Para seguir estas lições é imprescindível ter uma câmera com controles Manuais (M). As câmeras
que não possuem controle manual selecionam todos os itens automaticamente - não deixando
nenhum espaço para a sua criatividade.

Também é importante que você tenha o manual da sua câmera para saber sempre como editar
as configurações mostradas. Como a nomenclatura é basicamente a mesma independente do
fabricante do seu equipamento qualquer dúvida está a um item do sumário de ser resolvida.

Obrigada e bom aprendizado!

Índice
1. O que é exposição - Páginas 3 e 4
2. O que é abertura do diafragma - Páginas 5 e 6
3. O que é a velocidade do obturador - Página 7
4. ISO ou ASA - Página 8
5. O que é o balanço de branco - Página 9
6. Foco e profundidade de campo - Páginas 10 e 11
7. Distância focal - Página 12
1. O que é exposição

Exposição se refere à quantidade de luz usada para formar uma


fotografia.
Conseguimos ver tudo no mundo porque tudo reflete luz* - isso já aprendemos lá no ensino
fundamental. E é graças à esse princípio que a fotografia existe!

Toda vez que vamos fotografar uma certa quantidade de luz, de acordo com o que tem lá fora,
passa pela lente e chega no sensor ou filme. Cada pedacinho de luz contém um pouco de
informção: é a luz refletida dos objetos que está indo até o nosso olho e, também, até a nossa
câmera.

Para nossa câmera criar as imagens estáticas que chamamos de “fotografia” uma certa quantidade
de luz deve passar pelas lentes por um tempinho para que possamos reproduzir um momento.

Essa luz não pode ser demais ou nossa foto ficará superexposta. Ou seja, ela ficará clara demais!

Essa luz também não pode ser de menos ou nossa foto ficará subexposta. Ou seja, ela ficará
escura demais!

Aposto que você já lidou com situações em que as fotos ficaram muito claras ou muito escuras,
certo? Às vezes usamos isso à nosso favor como um efeito. Mas a princípio buscamos fotos com
uma exposição balanceada.

A exposição é baseada em três fatores:

Abertura do diafragma + Velocidade do obturador + ISO

Esses três fatores serão explicados mais adiante. São eles que controlam a luz que será
transformada em imagem.

* Obs.: as formas como cada coisa reflete a luz diferem entre si, por isso conseguimos ver os diferentes objetos e
cores. Nosso olho e a câmera trabalham de forma parecida - absorvendo o espectro de cores e luminosidade de tudo
que está a nossa volta! A cor preta, por exemplo, absorve toda a luz, enquanto a cor branca reflete toda a luz.

Página 3 www.dicasdefotografia.com.br
Como expor corretamente?
As câmeras possuem mecanismos para nos dizer quando a exposição está correta. Nem sempre
a câmera está certa, mas com a experiência podemos nos basear no que ela nos diz para expor
exatamente do jeito que queremos as diferentes situações!

Ao olhar no visor da câmera conseguimos ver uma régua de exposição. Ela nos conta como está a
exposição da nossa imagem com a quantidade de luz que está entrando pelas lentes!

Como essa régua funciona ou se parece depende um pouquinho da sua câmera, mas basicamente
ela é assim:

Este pequeno retângulo embaixo mostra a exposição atual da sua imagem! Se ele estiver bem no
meio é porque a sua câmera considera que a cena está bem exposta. Neste caso pode bater a
foto pois a quantidade exata de luz vai entrar para que criar uma imagem bem exposta.

Se o retângulo estiver mais para a esquerda sua cena está subexposta e se estiver mais para a
direita, superexposta.

Subexposição

Uma foto está subexposta quando uma quantidade insuficiente de luz entrou na câmera pelas
lentes. Quando isso acontece vários pontos da imagem ficam pretos: sem informação nenhuma de
cor ou luminosidade.

Superexposição

Uma foto está superexposta quando muita luz entrou na câmera. Quando isso acontece
vários pontos da imagem ficam “estourados”: brancos e sem informação nenhuma de cor ou
luminosidade.

Modo de medição de exposição


Se sua câmera possuir a configuração do modo de medição de exposição (ou metering mode) é
interessante saber como configurá-lo. Existem vários metering modes que ajudam a câmera a
saber melhor quando a imagem está bem exposta.

Em situações em que o fundo está muito claro (por exemplo: um fundo branco ou com uma luz
direta) é importante configurar sua câmera para expor somente o que está no “meio” do visor.
Assim ela desconsidera a parte muito clara (ou muito escura) e você tem uma exposição mais
correta. De qualquer forma dê uma olhada no seu manual para maiores detalhes!
Página 4 www.dicasdefotografia.com.br
2. O que é abertura do diafragma

O diafragma é um “olhinho” que abre na hora de tirarmos a foto


para que a luz passe. Controlamos a abertura desse olhinho para
expor corretamente.

A primeira configuração que vamos ver para o controle da quantidade de luz que entra na nossa
câmera (exposição) é a abertura do diafragma.

O diafragma fica na sua lente e se parece com isso:

É simples: quanto maior for a abertura que você configurar mais luz entrará pela lente! Quanto
menor for esse valor, menos luz entrará.

Quando você está em uma situação de baixa luminosidade a tendência é usar uma abertura maior,
para que o máximo de luz possa entrar, e vice-e-versa.

E como eu configuro a abertura?


A abertura do diafragma é medida em um valor “f”. Quando menor esse valor mais aberto está o
diafragma. Cada valor de “f” tem o dobro de área do próximo valor.

Procure no manual da sua câmera a forma de alterar a abertura na hora de tirar as fotos.

Lentes e abertura
Lembre-se: cada lente tem seu diafragma e um limite de abertura. Algumas lentes conseguem
um valor de f1.4 (bem aberta!) até f22 e outras conseguem um valor de f5.6 até f16. Pense nisso
na hora de comprar suas lentes: dependendo do tipo de fotografia que você pretende fazer é
importante ter uma lente que tenha uma abertura bem ampla para que entre mais luz.

Página 5 www.dicasdefotografia.com.br
A abertura e suas consequências
O uso de diferentes aberturas não só controla a passagem de luz como tem como consequência
alguns fatores como menor profundidade de campo e aberrações, dependendo da lente. O
principal fator criativo que devemos observar é a profundidade de campo.

Profundidade de campo

Nas próximas lições você aprenderá mais sobre a profundidade de campo, mas a princípio já vai
lembrando: quando você usa uma abertura maior (valor f mais baixo) a profundidade de campo
diminui, quando você usa uma abertura menor (valor f mais alto) a profundidade de campo
aumenta.

Veja o exemplo em fotos:

f1.8 - várias partes da foto estão “embaçadas”


f16 - TODOS OS ELEMENTOS ESTÃO EM FOCO

Página 6 www.dicasdefotografia.com.br
3. O que é velocidade do obturador

A velocidade é a quantidade de tempo que o diafragma ficará


aberto expondo o filme ou o sensor. Quando mais tempo, mais
luz entra.

Viu só como a parte técnica da fotografia é fácil? A velocidade é super simples de entender:
quando mais tempo você deixar o diafragma aberto mais luz vai entrar e expor o sensor ou o
filme. Se você deixa menos tempo, menos luz entra.

Como a velocidade de exposição normalmente está em frações de segundo a maioria das câmeras
mostra somente a parte de baixo da fração.

Ou seja: se estou deixando meu sensor ser exposto à luz durante 1/100s a minha câmera vai
mostrar “100”. Quando passamos a lidar com exposições mais longas, de 1 segundo ou mais, a
câmera mostra 1’, 2’, 3’ e assim por diante.

A velocidade e suas consequências


Assim como a abertura, a velocidade controla a quantidade de luz que chega no sensor - sempre
com consequências que usamos de forma criativa. Algumas delas são:

Congelamento

Quando usamos uma velocidade alta conseguimos captar


objetos que estão se movimentando como se estivessem
parados.

Movimento

Quando usamos uma


velocidade baixa
tudo que está em
movimento começa
a ficar embaçado.
Assim conseguimos
ter essa impressão de
movimento da cena.

Cuidado na hora de
apertar o botão: o
movimento da própria
câmera pode tremer a
imagem em velocidades
mais baixas! 1/3 - COM UMA VELOCIDADE
BAIXA TEMOS UM EFEITO DE
MOVIMENTO

1/250 - COM UMA VELOCIDADE


ALTA CONSEGUIMOS VER
A ÁGUA DA CACHOEIRA
DETALHADAMENTE

Página 7 www.dicasdefotografia.com.br
4. O que é ISO ou ASA

ISO é a sensibilidade do sensor ou do filme. Quanto maior o valor


mais sensível é. E quanto mais sensível mais luz é absorvida.
O último fator que controla a luz de cada exposição é a sensibilidade chamada de “ISO”.
Você também vai escutar alguns chamarem de “ASA”, embora seja uma nomenclatura mais
abandonada.

Quanto maior o valor ISO mais sensível será o sensor ou o filme. No geral, quando temos uma
situação de bastante luz deixamos o valor ISO mais baixo para que a foto não fique superexposta.
Quanto temos pouca luz deixamos o valor de ISO mais alto para que a foto não fique subexposta.

Os valores de ISO variam muito de câmera para câmera. Você vai encontrar valores de 80 a 3200
e muitos outros além (também chamados de “alta sensibilidade”).

O ISO e suas consequências


Mais uma vez a mudança desse valores não afeta somente a exposição: no caso do ISO quanto
maior o valor de sensibilidade mais ruído será encontrado no resultado final.

O ruído é uma aberração que deixa a imagem com “pontilhados” de iluminação e cores - deixando
a imagem menos nítida.

Veja exemplos abaixo:

ISO 200 - imagem limpa e


nítida

ISO 3200 - podemos


notar na imagem
manchas de iluminação
e cores, o famoso ruído.
principalmente na cor
preta

Página 8 www.dicasdefotografia.com.br
5. O que é Balanço de Branco

O Balanço de Branco faz com que as cores da nossa foto sejam


iguais às cores da realidade, dependendo da luz que está
iluminando nossa cena.
Lembra que no começo contei que a luz bate em tudo que está por aí e reflete nos nossos olhos
e na câmera? Então: o balanço de branco existe porque existem vários tipos de luz por aí. E
dependendo da luz que bate na nossa cena as cores podem ficar diferentes. Isso acontece porque
cada tipo de luz tem uma temperatura de cor.

Ok, vamos por partes: às vezes fotografamos com a luz do sol. Às vezes fotografamos com uma
luz artificial como o flash ou uma lâmpada. Nosso olho é muito esperto então conseguimos ver as
cores corretamente em qualquer situação, mas as câmeras nem sempre são tão espertas então
precisamos contar para ela qual luz estamos usando para que ela a interprete da forma correta.
Assim o vermelho vai continuar vermelho e o azul vai continuar azul e - como é de se imaginar - o
branco continuará branco.

Temperatura de cor
A diferença entre uma luz e outra é a temperatura de cor - medida normalmente em Kelvins.

Todo mundo já tirou uma foto iluminada por lâmpada que ficou amarelada. Isso acontece porque
a câmera não estava preparada para a temperatura de cor dessa luz.

Procure no seu manual a forma de mudar o Balanço de Branco na sua câmera: normalmente você
encontra todas as opções que você precisa: luz do sol, sombra, tungstênio (aquela lâmpada antiga
que gasta mais energia), lâmpada fria, tempo nublado, luz de flash, entre outros.

Também é possível medir manualmente a temperatura de cor. Mas primeiro use os ajustes
automáticos para depois procurar fazer isso.

com o balanço de branco deixamos a imagem


com as cores reais, como a do meio

Página 9 www.dicasdefotografia.com.br
6. Foco e profundidade de campo
Esses dois item definem a nitidez da nossa imagem - onde
fica essa nitidez (foco)? Quantas partes da foto ficarão nítidas
(profundidade de campo)?
Todo mundo conhece o foco. Quando tiramos uma foto queremos que nosso destaque, no geral,
esteja nítido e visível.

Foco
O foco pode ser manual ou automático. Manualmente você gira o anel da sua lente. Nas lentes
automáticas você pressiona o botão do obturador somente um pouco (meio-toque) e a câmera irá
fazer o foco automaticamente.

Profundidade de campo
A profundidade de campo define o quanto os objetos “próximos” do objeto que você decidiu ser o
foco estarão focados também.

Vamos passar a chamá-la de “DOF”, pois é mais curto. DOF vem de “Depth of field”, Profundidade
de Campo em inglês.

Quando o DOF é maior quer dizer que tanto os objetos à frente do escolhido como ponto focal
quanto os que estão atrás também ficarão com um bom foco.

Quando o DOF é menor os objetos à frente e atrás do objeto escolhido como ponto focal ficarão
sem foco antes.

Observe a comparação para entender melhor:

Neste caso somente o tamborzinho está em foco. a quando a profundidade de campo é maior os objetos
profundidade de campo é menor e os objetos em volta em volta continuam nítidos (mas nunca tão nítidos
estão desfocados. quanto o ponto principal de foco)

Página 10 www.dicasdefotografia.com.br
Fatores que influenciam a profundidade de campo
E como controlamos a profundidade de campo?

Abertura
Quanto maior a abertura, menor o DOF - e vice-e-versa.

Proximidade com o objeto


Quanto mais próximo do objeto você estiver, menor o DOF - e vice-e-versa.

Distância focal
Quanto maior a distância focal (“zoom”), menor o DOF - e vice-e-versa. Falaremos mais sobre
Distância Focal na próxima lição.

Veja alguns exemplos de uso do DOF:

fundo desfocado graças à utilização de uma


abertura de f1.8

toda a paisagem está em foco, desde o céu


até o chão, graças a uma abertura de f22 e
uma distância focal de 18mm

Página 11 www.dicasdefotografia.com.br
7. Distância Focal
Você deve conhecer como “zoom”. A distância focal define o
campo de visão de uma lente.
A distância focal é medida em mm (milímetros) e define o quanto você consegue ver a partir de
uma lente. Quando maior o valor, mais “fechado” será o ângulo de visão de uma lente. Quando
esse valor é maior, mais “aberto” será o ângulo de visão de uma lente.

Veja abaixo exemplos para entender melhor. Nestes exemplos o fotógrafo está sempre na mesma
distância do assunto fotografado, a única coisa que muda é a lente!

Página 12 www.dicasdefotografia.com.br