Você está na página 1de 19
Instituto Superior de Agronomia Introdução à Engenharia Alimentar ALIMENTAÇÃO MEDITERRÂNEA
Instituto Superior de Agronomia
Introdução à Engenharia Alimentar
ALIMENTAÇÃO
MEDITERRÂNEA
O Que é a Alimentação Mediterrânea Caracteriza- sepelo consumo elevado de alimentos ricos em hidratos
O Que é a Alimentação Mediterrânea
Caracteriza- sepelo consumo elevado de alimentos ricos em
hidratos de carbono complexos, fibras, vitaminas,
minerais e numerosos antioxidantes protectores da saúde
do coração, e pelo baixo consumo de alimentos ricos em
gordura saturada e de grande valor calórico.
Predominam os cereais, legumes, frutos.
Consumo moderado de: ovos; peixe; carne de criação
(aves, coelho).
A principal gordura utilizada é o azeite.
Vinho Tinto presente neste tipo de alimentação.
A Dieta Da Longevidade Frutas e hortaliças: por conterem grande quantidade de fibras e antioxidantes,
A Dieta Da Longevidade
Frutas e hortaliças: por conterem grande quantidade de
fibras e antioxidantes, previnem o cancro.
Cereais: fornecedores de energia para o organismo mas,
se forem integrais, também contribuem com vitaminas.
Leguminosas: são fonte de fibras e proteínas vegetais. As
fibras combatem a constipação, evitam o cancro do cólon e
recto e diminuem o nível do colesterol prevenindo o
aparecimento das doenças cardiovasculares.
Oleaginosas: por possuírem ácidos gordos mono e
polinsaturados, reduzem a hipótese da pessoa desenvolver
níveis altos de colesterol no sangue.
Peixes: são ricos em ácidos ómega – 3 e, dessa forma, actuam contra o aparecimento
Peixes: são ricos em ácidos ómega – 3 e, dessa forma, actuam
contra o aparecimento de uma variedade de doenças, incluindo
hipertensão, arteriosclerose, doenças do coração e cancro.
Iogurtes: o cálcio contribui para a prevenção da osteoporose e
os lactobacilos (microrganismos vivos presentes nos iogurtes)
ajudam na nossa flora intestinal, combatendo os microrganismos
patogénicos que possam estar presentes nos intestinos.
Vinho Tinto: por possuir uma alta quantidade de antioxidantes,
o vinho tinto evita a formação de placas de gorduras na parte
interna dos vasos sanguíneos, diminui o risco do
desenvolvimento das doenças cardiovasculares.
Azeite de Oliva: é rico em antioxidantes e em ácidos gordos
monoinsaturados, sendo que os últimos equilibram os níveis de
colesterol, favorecendo o nosso coração.
Características da Dieta Mediterrânea Abundância em alimentos de proveniência vegetal (batatas, cereais, legumes,
Características da Dieta
Mediterrânea
Abundância em alimentos de proveniência vegetal (batatas,
cereais, legumes, hortaliças, frutos secos e frescos). A farinha de
trigo, usada na confecção de massas e de pão, tem constituído a
base da alimentação. Além de comerem o pão como
acompanhamento, utilizam-no em muitos pratos da culinária
regional (açordas, migas, sopas, ensopados
).
Os alimentos ingeridos são frescos, da época e da região, sem
qualquer processamento químico. Os legumes, as hortaliças, as
ervas aromáticas, as frutas frescas, muito ricos em vitaminas,
minerais e enzimas antioxidantes, e os frutos secos, ricos em
ácidos gordos polinsaturados são consumidos com regularidade.
O consumo de margarina e manteiga é quase nulo, sendo o
azeite a principal gordura.
O consumo de queijo e iogurtes.
O consumo moderado de peixe, aves e ovos. O peixe a principal fonte de proteínas
O consumo moderado de peixe, aves e ovos. O peixe a
principal fonte de proteínas na alimentação dos povos da orla
mediterrânica, nomeadamente, a sardinha, a cavala e, mais
tarde, o bacalhau seco.
A principal sobremesa é a fruta fresca.
O consumo de carne vermelha é limitado.
O consumo de água (75% do nosso corpo é constituído por
água).
O consumo moderado de vinho; a pele da uva contém
substâncias anticancerígenas e a grainha da uva é muito rica
em compostos químicos com propriedades antioxidantes
superiores às vitaminas). As populações que bebem vinho
com regularidade em quantidades moderadas, apresentam
um menor risco de terem doenças cardíacas.
Pirâmide Alimentar Os Alimentos Construtores Ricos em proteínas, responsáveis pela construção dos novos tecidos,
Pirâmide Alimentar
Os Alimentos Construtores
Ricos em proteínas, responsáveis pela construção dos novos
tecidos, pelo seu crescimento, reparação e desgaste natural.
Têm um papel fundamental na activação do sistema
imunitário.
O que pode acontecer se houver falta de
construtores:
• Crescimento e desenvolvimento inadequados;
• Fraqueza e flacidez muscular;
• Desânimo e cansaço;
• Baixa resistência às infecções;
• Anemia.
Os Alimentos Reguladores Devem constituir 75% do valor calórico diário ingerido. São geralmente ricos em
Os Alimentos Reguladores
Devem constituir 75% do valor calórico diário ingerido.
São geralmente ricos em compostos bioactivos, excelentes
auxiliares na prevenção e no tratamento de várias doenças.
Mantêm o equilíbrio corporal, o bom funcionamento do intestino, a
saúde da pele, promovem a redução da incidência de infecções,
dado que activam o sistema imunitário.
O que pode acontecer se houver falta de
reguladores:
•Envelhecimento precoce;
•Anemias;
•Hemorragias;
•Fraqueza e cansaço;
•Baixa resistência às infecções.
Os Alimentos Energéticos Responsáveis pela produção de energia necessária ao desempenho das funções vitais do
Os Alimentos Energéticos
Responsáveis pela produção de energia necessária ao
desempenho das funções vitais do organismo (funcionamento
do coração e dos pulmões) e auxiliam no crescimento e
desenvolvimento do corpo.
O que pode acontecer se houver falta de
energéticos:
•Diminuição de peso;
•Fraqueza e o cansaço;
•Deficiência no aproveitamento de certas vitaminas e na
utilização de proteínas como fonte de combustível.
Azeite – Elemento Fundamental O azeite conserva todas as suas propriedades como condimento de saladas,
Azeite – Elemento Fundamental
O azeite conserva todas as suas propriedades como condimento de
saladas, peixes ou legumes cozidos ou mesmo quando é utilizado em
molhos, como a maionese.
Em sopas: Depois de cozer, se juntar azeite à sopa mantém as suas
propriedades gustativas e dietéticas, ainda que perca algum do seu
aroma. Daí que seja aconselhável juntar à sopa um segundo fio de
azeite, quando a sua temperatura tenha já baixado um pouco.
Em guisados e estufados: Em lume brando, a cozedura faz-se com o
líquido que se desprende dos alimentos e com o líquido que se lhes
junta. Mantêm-se os sabores e os aromas concentram-se, sobretudo se
o cozinhado se processar num recipiente fechado.
Em assados: As temperaturas para assar, especialmente carnes, são
inevitavelmente altas. Dada a sua estabilidade, o azeite é a gordura
mais indicada para todo o tipo de assados.
Em grelhados: Na brasa, o azeite ajuda a cozinhar, protegendo o alimento perfumado, ou não,
Em grelhados: Na brasa, o azeite ajuda a cozinhar,
protegendo o alimento perfumado, ou não, de ervas, para
que este, à mistura com a própria gordura do alimento, lhe
empreste um sabor e aroma irresistíveis.
Em fritos: O azeite é a única gordura que não regista
modificações substanciais da sua estrutura se submetido a
uma temperatura de 200ºC. Por isso, ele é particularmente
recomendado para fritar.
Por outro lado, o azeite faz surgir uma crosta à superfície
dos alimentos, alourando- ose deixando- osestaladiços,
impedindo assim a absorção de gordura. Contudo, não
deve misturar o azeite com outros óleos vegetais nem com
outras gorduras.
Em massas: As massas alimentícias ficam mais suaves e
soltas quando se adiciona um pouco de azeite à água de
cozedura.
O que diferencia a dieta mediterrânea das outras dietas? Baixo consumo de gorduras saturadas (de
O que diferencia a dieta
mediterrânea das outras dietas?
Baixo consumo de gorduras saturadas (de origem animal) e
doces, que contêm muita gordura ou açúcar refinado. É rica
em hidratos de carbono integrais, os quais contêm alto teor
de fibras, e em ácidos gordos monoinsaturados, encontrados
no azeite de oliva. O consumo de alimentos vegetais,
minimamente processados ou refinados, garante o alto teor
de vitaminas e minerais que promovem a saúde. Estes
elementos actuam como antioxidantes, substâncias que
retardam e previnem o envelhecimento celular. O alto teor de
fibras auxilia o bom funcionamento intestinal e reduz os níveis
de colesterol.
Pode a dieta mediterrânea auxiliar na perda de peso? É uma dieta com baixos teores
Pode a dieta mediterrânea
auxiliar na perda de peso?
É uma dieta com baixos teores de gordura animal saturada
e rica em fibras, vitaminas e minerais, compatíveis com uma
boa saúde e com a manutenção de peso corporal, logo, auxilia
na perda de peso. A maioria dos planos alimentares para
emagrecimento adopta o consumo de vegetais, frutas e grãos
integrais, ao mesmo tempo que diminui o consumo de
gorduras e hidratos de carbono refinados.
O estilo de vida mediterrâneo e a longevidade de seus
povos sempre despertou um grande interesse por parte dos
profissionais de saúde de países onde a obesidade e as
doenças crónicas aumentam de forma preocupante.
Principais Erros Alimentares dos Portugueses: Alimentação pouco variada – o que vai traduzir- carências de
Principais Erros Alimentares dos
Portugueses:
Alimentação pouco variada – o que vai traduzir-
carências de vitaminas, minerais e fibra;
se em
Excesso calórico – com acumulação progressiva de gordura e,
consequentemente, obesidade;
Omissão das refeições intermédias – o que tem como
consequência diminuição do rendimento físico e intelectual,
perda de massa muscular, baixa de tensão arterial, dores de
cabeça e cansaço;
Excessivo consumo de bebidas alcoólicas – associado a
patologias do aparelho digestivo, como neoplasia do fígado,
cirrose, pancreatite, assim como hipertensão arterial, doenças
cardiovasculares, carcinoma da laringe, faringe e esófago, para
além de potenciar o efeito cancerígeno do tabaco;
Consumo excessivo de gorduras- o que vai contribuir para o excesso de peso/obesidade, diabetes tipo
Consumo excessivo de gorduras- o que vai contribuir para o
excesso de peso/obesidade, diabetes tipo 2, hipertensão
arterial, arteriosclerose, cancro da mama e intestino grosso;
Consumo excessivo de açúcar – fortemente associado a carie
dentária e excesso de peso/obesidade;
Excessivo consumo de sal – o que vai contribuir para
hipertensão arterial, carcinoma gástrico e outras patologias
gástricas;
Baixo consumo de leite e seus derivados- e como
consequência osteoporose, deficiente massa óssea,
raquitismo, crescimento deficiente
Baixo consumo de frutas e legumes – associado a carência de
fibra, deficiência vitamínica e mineral, alterações no trânsito
intestinal, obstipação;
Baixo consumo de peixe e excessivo consumo de carne- o
que vai contribuir para hipertensão arterial, gota e excesso de
peso/obesidade.
Às vezes, progredir significa olhar para trás. Como dizia Hipócrates há 2.500 anos: "Deixe o
Às vezes, progredir significa olhar para trás.
Como dizia Hipócrates há 2.500 anos:
"Deixe o alimento ser o seu remédio e o remédio
ser o seu alimento."
Adoptar a dieta mediterrânea é uma forma de
se alimentar bem, ter melhores condições de
saúde e ainda manter o peso.
Referências Bibliográficas www.cienciahoje.pt www.observatorioagricola.pt www.lifecooler.com www.adelgafit.com
Referências Bibliográficas
www.cienciahoje.pt
www.observatorioagricola.pt
www.lifecooler.com
www.adelgafit.com
www.todafruta.com.br
www.educare.pt
www.cienciapt.info
Trabalho Realizado Por: Adriana Godinho Ana Veríssimo Dora Santos Inês Mendes Luísa Campos Turma 7
Trabalho Realizado Por:
Adriana Godinho
Ana Veríssimo
Dora Santos
Inês Mendes
Luísa Campos
Turma 7