Você está na página 1de 0
Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS
Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL NÚCLEO DE ENSAIOS DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

CURSO DE AGRONOMIA

EGR 1018 – TECNOLOGIA AGRÍCOLA

MÁQUINAS PARA PLANTIO E TRANSPLANTIO

Prof. AIRTON DOS SANTOS ALONÇO (Dr. Eng.) Eng. Agrícola HENDRIGO ALBERTO TORCHELSEN DA SILVEIRA (Mestrando em Engenharia Agrícola)

SANTA MARIA/RS – maio/julho de 2009

SUMÁRIO

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

1. INTRODUÇÃO

3

2. PLANTADORAS

4

2.1. Cultura da Mandioca

7

2.2. Cultura da Batata

9

2.3. Cultura da Cana-de-açúcar

11

3. TRANSPLANTADORAS

16

3.1. Cultura da Cebola

18

3.2. Cultura do Fumo

19

3.3. Cultura do Tomate

20

3.4. Cultura do Repolho

22

3.5. Cultura da Batata doce

23

4. ESTRUTURA DAS MÁQUINAS

24

5. MECANISMOS SULCADORES

25

6. MECANISMOS DOSADORES E DISTRIBUIDORES

26

7. MECANISMOS COBRIDORES E COMPACTADORES

28

8. MECANISMOS DE ACIONAMENTO

28

9. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

28

1.

INTRODUÇÃO

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

A mecanização levou o desemprego aos trabalhadores rurais, visto que a mão de obra foi substituída por máquinas como: tratores, colhedoras, semeadoras e outras, que faziam o trabalho de muitos lavradores. Por outro lado, gera outros empregos na cadeia de produção e beneficiamento da produção, bem como torna o trabalho menos árduo e aumenta em muito a capacidade de produção e, assim, reduz custos, gerando desta forma melhoria da qualidade de vida de toda a população. A Mecanização Agrícola tem como objetivo o emprego adequado dos equipamentos e máquinas agrícolas, visando sua otimização e viabilidade da obtenção de altas produtividades agropecuárias, com a racionalização dos custos e a preservação dos recursos naturais e do meio ambiente. As máquinas de plantio e transplantio disponíveis hoje, muitas vezes não são adequadas aos agricultores de pequenas propriedades, devido ao custo de aquisição, à fonte de potência empregada e ao porte da máquina, fazendo com que esses deixem de ser competitivos nessa área de atuação, induzindo-os a migrar para as cidades, causando outros problemas. Essa falta de mecanização adequada às necessidades regionais deve-se em parte ao fato de a maioria das companhias que desenvolvem máquinas agrícolas serem multinacionais e por trabalharem com produtos globais. Ou seja, são produtos em tese desenvolvidos para atender necessidades locais em seus países de origem e hoje estão sendo disponibilizados e vendidos em todo o mundo, sem muitas variáveis. Em muitos casos isso pode inviabilizar a disponibilização dessa tecnologia para determinados grupos de agricultores, constituindo-se essas necessidades regionais uma lacuna para novos desenvolvimentos (SILVA, 2006). No quadro abaixo temos alguns dados de produção de hortaliças importantes para a agricultura brasileira.

(SILVA, 2006). No quadro abaixo temos alguns dados de produção de hortaliças importantes para a agricultura

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Frente ao exposto vamos demonstrar algumas máquinas e implementos de plantio de transplantio de diversas culturas que desempenham um papel importante na agricultura. Dos quais os principais são os plantadores de tubérculos e bulbos e os transplantadores, nomeadamente relacionados com hortícolas, exemplo do tomate, e de plantas florestais, assim como o fumo.

2.

PLANTADORAS

Plantadora são máquinas especificas para cada cultura que plantam partes vegetativas (bulbos, colmos e tubérculos) de culturas como mandioca, batata, cana-de-açúcar entre outras. Tipos de plantadoras:

Plantadores de alimentação manual e colocação direta por tubo de descida (Figura 1);

manual e colocação direta por tubo de descida (Figura 1); Figura 1: Plantadoras com alimentação manual.

Figura 1: Plantadoras com alimentação manual. Plantadores de alimentação manual ou semi-automática, com prato rotativo horizontal com alvéolos de fundo basculante e com tubo de descida (Figura 2);

de fundo basculante e com tubo de descida (Figura 2); Figura 2: Plantadoras com alimentação manual

Figura 2: Plantadoras com alimentação manual ou semi-automática.

Plantadores de alimentação manual ou semi-automática, com prato rotativo vertical com alvéolos com deposição controlada (Figura 3 e 4).

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Figura 3: Representação do funcionamento de um plantador

Figura 3: Representação do funcionamento de um plantador de alimentação manual ou semi-automática, com prato rotativo vertical com alvéolos com deposição controlada. 1- Reservatório 2- Banco do operador 3- Prato distribuidor com alvéolos 4- Roda dianteira 5- Sulcador 6- Amontoador.

Fonte: CEMAGREF (1981).

dianteira 5- Sulcador 6- Amontoador. Fonte: CEMAGREF (1981). Figura 4- Representação de um plantador semi-automático

Figura 4- Representação de um plantador semi-automático de duas linhas com distribuidor rotativo vertical 1- Reservatório de alimentação 2- Painéis móveis 3- Discos para plantação com taças de dedos reguláveis 4- Excêntrico para comando da abertura dos dedos das taças 5- Fundo fixo de posição regulável 6- Roda de acionamento 7- Sulcador 8- Amontoadores 9- Adufas para regular a passagem de tubérculos. Fonte: CEMAGREF (1981)

Plantadores de alimentação manual ou semi-automática, com distribuidor vertical de correntes ou correias, com alvéolos ou colheres e com deposição controlada (Figura 5 e 6).

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Figura 5- Representação de um sistema com correção

Figura 5- Representação de um sistema com correção automática de falhas A- Correção com um dedo apalpador 1- Corretor de taças 2- Dedos apalpador de falhas 3- Reservatório 4- Corrente de distribuição com taças 5- Sulcador 6- Amontoador; B- Correção com um disco 1- Disco apalpador 2- Alavanca para comando do prato alveolado 3- Prato corretor. Fonte: CEMAGREF (1981)

Figura 6- Representação de um plantador automático com dois conjuntos de taças 1- Reservatório 2- Dispositivo de separação 3- Agitador para separação de “duplos” 4- Tambor de acionamento da correia de taças 5- Correia com duas fiadas de taças 6- Conduta de descida 7- Sulcador 8- Alavanca de regulação da profundidade de trabalho 9- Disco amontoador. Fonte: CEMAGREF (1981)

de trabalho 9- Disco amontoador. Fonte: CEMAGREF (1981) Plantadores com alimentação e distribuição automática

Plantadores com alimentação e distribuição automática (Figura 7)

com alimentação e distribuição automática (Figura 7) Figura 7: Representação de um plantador automático com

Figura 7: Representação de um plantador automático com controle eletrônico, alimentado por duas correias inclinadas e com um sistema de distribuição por disco vertical compartimentado na periferia. 1- Fundo móvel 2- Reservatório secundário 3- Batente articulado com contacto elétrico 4- Tapete

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

inferior constituído por duas correias 5- Escova 6- Paredes oscilantes 7- Palete de distribuição 8- Disco distribuidor 9- Sentido de avanço do plantador. Fonte:

CEMAGREF (1981)

2.1. Cultura da Mandioca

O plantio da mandioca é realizado com manivas ou manivas-sementes, também denominadas manaíba ou toletes ou rebolos, que são partes das hastes ou ramas do terço médio da planta. Devido a multiplicação vegetativa a seleção das ramas e o preparo das manivas são pontos importantes para o sucesso da plantação. Seleção e preparo das manivas: As manivas-semente devem ter 20 cm de comprimento, com pelo menos 5 a 7 gemas, e diâmetro em torno de 2,5 cm, com a medula ocupando 50% ou menos. As manivas podem ser cortadas com auxílio de um facão ou utilizando uma serra circular em motores estacionários, ou mesmo as existentes em máquinas plantadeiras, de modo que o corte forme um ângulo reto, no qual a distribuição das raízes é mais uniforme do que no corte em bisel. No caso da utilização de facão, o corte é realizado segurando a rama com uma mão dando-lhe um golpe com o facão de um lado, gira a rama 180 graus, e dá outro golpe no outro lado da rama cortando a maniva; evitando, assim, apoiar a rama em qualquer superfície, para não esmagar as gemas das manivas. Quantidade de manivas: A quantidade de manivas para o plantio de um hectare é de 4 m³ a 6 m³, sendo que um hectare da cultura, com 12 meses de ciclo, produz hastes para o plantio de 4 a 5 hectares. Um metro cúbico de hastes pesa aproximadamente 150 kg e pode fornecer cerca de 2.500 a 3.000 manivas com 20 cm de comprimento.

Espaçamento e plantio: O espaçamento no cultivo da mandioca depende da fertilidade do solo, do porte da variedade, do objetivo da produção (raízes ou ramas), dos tratos culturais

e do tipo de colheita (manual ou mecanizada). De maneira geral, recomenda-se os espaçamentos de 1,00 x 0,50 m e 1,00 x 0,60 m, em fileiras simples, e 2,00 x 0,60 x 0,60 m, em fileiras duplas. Em solos mais férteis deve-se aumentar a distância entre fileiras simples para 1,20 m. Em plantios destinados para a produção de ramas para ração animal recomenda-se um espaçamento mais estreito, com 0,80 m entre linhas e 0,50 m entre plantas.

Quando a colheita for mecanizada, a distância entre as linhas deve ser de 1,20 m, para facilitar

o movimento da máquina colhedeira. Se o mandiocal for capinado com equipamento mecanizado, deve-se adotar espaçamento mais largo entre as linhas, para facilitar a circulação das máquinas; nesse caso, a

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

distância entre fileiras duplas deve ser de 2,00 m, no caso do uso de tratores pequenos, ou de 3,00 m, para uso de tratores maiores. O espaçamento em fileiras duplas oferece as seguintes vantagens: a) aumenta a produtividade; b) facilita a mecanização; c) facilita a consorciação; d) reduz o consumo de manivas e de adubos; e) permite a rotação de culturas na mesma área, pela alternância das fileiras; f) reduz a pressão de cultivo sobre o solo; e g) facilita a inspeção fitossanitária e a aplicação de defensivos. Quanto ao plantio da mandioca, geralmente, é uma operação manual, sendo em solos não sujeitos a encharcamento pode ser feito em covas preparadas com enxada ou em sulcos construídos com enxada, sulcador a tração animal (figura 8) ou motomecanizados. Tanto as covas como os sulcos devem ter aproximadamente 10 cm de profundidade.

os sulcos devem ter aproximadamente 10 cm de profundidade. Figura 8. Abertura de sulco de plantio

Figura 8. Abertura de sulco de plantio com tração animal. Quando em grande áreas, para fins industriais, utiliza-se plantadeiras mecanizadas disponíveis no mercado que fazem de uma só vez as operações de sulcamento, adubação, corte das manivas, plantio e cobertura das manivas. Nesse caso, há plantadeiras com duas linhas de plantio, com capacidade para plantar até 5 ha/dia e mais recentemente surgiu as de quatro linhas, com o dobro da capacidade de plantio da anterior, porém, com necessidade de tratores com alta potência para sua operação. Nas regiões produtoras da região Centro Sul do Brasil, é significativo o uso dessas máquinas para a operação de plantio (Figura 9).

dessas máquinas para a operação de plantio (Figura 9). Figura 9. Plantadeira mecanizadas de mandioca: duas

Figura 9. Plantadeira mecanizadas de mandioca: duas linhas (esquerda) e quatro linhas

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

(direita). Em solos muito argilosos ou com problemas de drenagem, recomenda-se plantar em cova alta ou matumbo, que são pequenas elevações de terra, de forma cônica, construídas com enxada, ou em leirões ou camalhões, que são elevações contínuas de terra, que podem ser construídos com enxada ou arados ou taipadeiras. Quanto à posição de colocação das manivas-semente, estacas ou rebolos no plantio, a mais indicada é a horizontal, porque facilita a colheita das raízes, colocando-se as manivas no fundo das covas ou dos sulcos. Quando se usa a plantadeira mecanizada, as manivas também são colocadas na posição horizontal. As posições inclinada e vertical são menos utilizadas porque as raízes aprofundam mais, dificultando a colheita, sendo, assim, utilizadas apenas para plantios em matumbos ou camalhões.

2.2. Cultura da Batata

O Rio Grande do Sul é um dos maiores produtores de batata, superado apenas por Minas Gerais, São Paulo e Paraná. Em 2004, o Estado colheu 292.457 toneladas de batata numa área de 25.494 ha, ao passo que Minas Gerais colheu 751.460 toneladas numa área de 37.264 ha. Assim, a produtividade média dos gaúchos foi apenas 55% da produtividade obtida pelos mineiros. A utilização de plantadores semelhantes aos representados na figura 10, apresentam vários inconvenientes, nomeadamente a irregularidade da distribuição na linha e a grande necessidade de mão de obra, pelo que hoje a maioria dos equipamentos utilizados são semi - automáticos ou automáticos. A grande diversidade de plantadores disponíveis implica que na sua escolha se considere o tipo de tubérculos, germinados ou não, a superfície a plantar (custo da operação), etc

ou não, a superfície a plantar (custo da operação), etc Figura 10 - Representação de um

Figura 10- Representação de um plantador com alimentação manual. 1- Reservatório 2- Colocação do tubérculo no tubo de descida 3- Tubo de descida 4- Banco do operador 5- Roda dianteira 6- Roda de suporte 7- Sulcador 8- Amontoador. Fonte: CEMAGREF (1981). Preparo do solo

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Um bom preparo do solo, além de facilitar o plantio, tem grande influência na emergência das plantas, bem como na formação e produção de tubérculos. Para tanto, são necessárias duas lavrações e gradagens. A profundidade de aração deve estar em torno de 20 cm, a fim de permitir um melhor desenvolvimento das raízes. A primeira lavração e gradagem deve ser feita cerca de 90 dias antes do plantio, para enterrar restos de cultura e/ou vegetação espontânea e o calcário. A segunda pode ser feita pouco antes do plantio. Dependendo das condições de compactação da camada arável, uma alternativa a ser considerada é a utilização de subsolador como primeira operação, aprofundando o equipamento de 30 a 35 cm. Plantio Há duas épocas principais de plantio para a maioria das regiões do Rio Grande do Sul; o plantio de fim de inverno (15 de agosto a 15 de setembro) e o de fim de verão (15 de fevereiro a 15 de março). O cultivo de verão (terceira época) tem aumentado no Campos de Cima da Serra . Deve-se plantar em sulcos de 5 a 10 cm de profundidade, onde já foi misturado o adubo. Tapa-se o tubérculo-semente com 10 a 15 cm de terra. Conforme o equipamento utilizado para o plantio e tratos culturais, adapta-se o espaçamento entre linhas, que é em média de 0,75 m. Dependendo do tamanho do tubérculo- semente e do destino da produção (consumo ou semente), o espaçamento na linha vai de 0,25 a 0,35 m. O número de tubérculos necessário para o plantio de um hectare varia de acordo com o espaçamento entre e dentro da linha (Tabela 1). Tabela 1. Número de tubérculos necessários para plantar 1 ha.

.
.

As máquinas para plantio de batatas podem ser de varias formas e modelos dependendo do fabricante (Figura 11),por exemplo temos uma plantadora de batata (Figura 12) de 2 linhas marca Watanabe, modelo PAI-280, montada ao sistema hidráulico de levante a três pontos do trator. Na Figura 1 está apresentada a máquina utilizada para o plantio de batata, antes das adaptações.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. F i g

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. F i g u r a 1 1 : p l

Figura 11: plantadora de batata. Figura 12. Máquina para plantio de batata marca WATANABE. Capacidade de campo efetiva da plantadora de batatas: A capacidade de campo efetiva foi calculada usando a seguinte equação:

de campo efetiva foi calculada usando a seguinte equação: Em que: CO = capacidade operacional efetiva,

Em que:

CO = capacidade operacional efetiva, (ha h -1 ); V = velocidade de deslocamento do conjunto trator-plantadora, (km h -1 ); e L = largura de trabalho do implemento, (m).

2.3. Cultura da Cana-de-açúcar

Plantadora PCI-4000 Geração III(figura 13). A DMB Máquinas e Implementos Agrícolas Ltda, foi fundada em 05 de agosto de 1964 na cidade de Sertãozinho, Estado de São Paulo, maior pólo sucroalcooleiro do mundo.

Estado de São Paulo, maior pólo sucroalcooleiro do mundo. Figura 13: Plantadora de cana-de-açúcar de arrasto

Figura 13: Plantadora de cana-de-açúcar de arrasto DMB. Descrição: Equipamento desenvolvido para o plantio da cana-de-açúcar, que realiza todas as operações de plantio da cultura de uma só vez, inclusive a aplicação de inseticidas

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

contra pragas de solo, utilizando cana inteira e plantando 2 linhas de cada vez, com rendimento em torno de 5 ha por dia.

A plantadora é tracionada por trator com sistema de engate em três pontos, com

potência mínima sugerida de 140 hp, possuindo 2 rodas estabilizadoras e 2 discos de corte o que facilita o plantio em áreas de preparo reduzido e em áreas de reformas onde se utilizou rotação de culturas. A plantadora é equipada com 2 sulcadores com asas convencionais que

permitem fazer os sulcos semelhantes ao plantio manual.

Os sulcadores possuem regulagem de espaçamento, profundidade e largura do sulco, além de serem equipados com desarme de pino nas ponteiras. Possui 2 adubadoras tipo caixa individual de polietileno com capacidade para 370 litros cada uma que distribuem o adubo através de rosca sem fim de aço inoxidável e são acionadas por um motor hidráulico independente, sendo que a dosagem do adubo é regulada por válvula de fluxo de óleo.

A alimentação das mudas é feita manualmente por 4 pessoas que abastecem a

plantadora com cana inteira, que é armazenada em uma carreta acoplada logo atrás da plantadora, equipada com 4 plataformas de trabalho e com capacidade para cerca de 4 toneladas de mudas. A plantadora PCI-4000 Geração III possui 2 caixas picadoras com bicas alimentadoras com regulagem de altura e compostas de um sistema de roletes de borracha e facas que puxam a cana e a picam em toletes de cerca de 51 cm que são uniformemente distribuídos no sulco. As caixas picadoras são acionadas por um motor hidráulico independente sendo que a quantidade de gemas por metro linear é regulada pela válvula de fluxo de óleo. Possui ainda um conjunto aplicador de inseticidas contra pragas de solo composto por tanque de polietileno

de 310 litros de capacidade com visor de nível, filtro, bomba elétrica e 2 bicos anti-gotejantes que pulverizam a calda do inseticida diretamente sobre os toletes. Equipa a plantadora também 2 cobridores oscilantes compostos por 4 discos côncavos com regulagem de altura e ângulo de trabalho e 2 rolos compactadores de cantoneiras, que realizam um perfeito cobrimento dos toletes.

Características:

2 discos de corte de 23".

2 sulcadores com espaçamento regulável de 1,40m; 1,50m e 1,60m, com regulagem de profundidade, com asas convencionais e com desarme de pino nas ponteiras.

2 rodas estabilizadoras.

2 motores hidráulicos para acionamento independente das caixas picadoras e das adubadeiras.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

2 bicas alimentadoras com regulagem de altura.

2 adubadeiras tipo caixa individual de polietileno com capacidade para 370 litros cada uma e distribuição do adubo por rosca sem fim de aço inoxidável.

Regulagem da quantidade do adubo e do número de gemas por metro linear através de válvula de fluxo de óleo independente. Bitola da plantadora de 3,00 m.

Conjunto aplicador de inseticidas de solo composto por tanque de 310 litros, visor de nível, filtro, válvula, bomba elétrica e 2 bicos anti-gotejantes. 2 cobridores oscilantes compostos por 4 discos côncavos e 2 rolos compactadores de cantoneiras.

Carreta de 2 rodas com pneus de baixa pressão (400/60-15,5) com capacidade para 4 toneladas de mudas e com 4 plataformas de trabalho. Bitola da carreta de 2,60 m para transporte e de 2,80 m e 3,00 m para trabalho.

Comprimento total do conjunto de 6,75 m sendo 2,30 m da plantadora e 4,45 m da carreta. Largura máxima do conjunto de 3,00 m quando em trabalho.

Altura máxima do conjunto de 2,00 m.

Peso total do conjunto de 2.150 kg sendo 1.180 kg da plantadora e 970 kg da carreta. Plantadora de Cana Picada - PCP 6000 (figura 14).

carreta. Plantadora de Cana Picada - PCP 6000 (figura 14). Figura 14: plantadora de cana picada

Figura 14: plantadora de cana picada DMB. Descrição: Equipamento com projeto industrial desenvolvido em parceria com o CTC (Centro de Tecnologia Canavieira), a PCP 6000 destina-se a realizar o plantio mecanizado da

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

cana-de-açúcar, fazendo todas as operações do plantio da cultura de uma só vez em 2 linhas, com desempenho operacional de aproximadamente 1 há.h -1 .

A plantadora é tracionada por trator com potência mínima sugerida de 180 hp, através

de torre com engate em 3 pontos com articulação tipo pino-bola para facilitar as manobras e caracteriza-se pela grande simplicidade de funcionamento. Possui 2 sulcadores tipo beija-flor com desarme automático, regulagem de espaçamento

e profundidade do sulco, adubadeira tipo caixa de aço inoxidável, com capacidade para cerca

de 1.250 kg de adubo com sensor de nível, cuja distribuição é feita através de rosca sem fim de aço inoxidável acionada por motor hidráulico com válvula de regulagem de fluxo de óleo,

o que permite calibrar a quantidade de adubo a ser aplicada com maior exatidão e facilidade. Possui também uma caçamba com capacidade de 24 metros cúbicos para 6 toneladas de rebolos, que devem ser colhidos por colhedoras preparadas com kit’s especiais para colheita de mudas e abastecida por transbordo. A caçamba possui uma divisão central o que evita que as mudas se acumulem em um dos lados devido à declividade do terreno.

A distribuição das mudas é feita através de 2 esteiras transportadoras compostas por 16

taliscas cada uma dispostas alternadamente, para proporcionarem uma distribuição uniforme

das mudas no sulco. As esteiras são acionadas por um motor hidráulico com válvula de regulagem de fluxo de óleo, através da qual pode-se regular a velocidade das esteiras e conseqüentemente a quantidade de gemas por metro linear de sulco.

A plantadora é equipada com um dispositivo hidráulico que empurra a traseira da

caçamba, o que mantém constante o fluxo de mudas nas esteiras transportadoras, até o término dos rebolos na caçamba. Uma cabine climatizada cujo acesso se dá por escada e plataforma com corrimão, permite a um operador, por meio de alavancas e outros controles, operar o mecanismo transportador e dosador das mudas para as esteiras e o cobridor dos sulcos. O operador controla ainda a operação do sistema aplicador de inseticidas e a necessidade do

reabastecimento de adubo.

A PCP 6000 possui também um conjunto aplicador de inseticidas para pragas de solo,

composto por tanque com capacidade para 310 litros, filtro, bomba elétrica, válvula reguladora de pressão e 2 bicos anti-gotejantes que pulverizam a calda do inseticida

diretamente sobre os rebolos.

A plantadora é equipada com cobridor oscilante para os dois sulcos de plantio composto

por 2 rolos acamadores dos rebolos no fundo do sulco, 4 discos côncavos fixados em braços oscilantes com regulagem de ângulo de trabalho e 2 rolos compactadores de cantoneiras que

comprimem a terra sobre os rebolos, evitando a formação de bolsas de ar.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Possui eixo tandem com 4 pneus de baixa pressão e 2 rodas estabilizadoras e controladoras de profundidade. Características:

2 sulcadores com asas revestidas de polietileno, com desarme automático, espaçamento regulável para 1,40 e 1,50m e regulagem de profundidade feita através das rodas estabilizadoras com pneus Super Flotation 10,5/80 x 18 - 10 lonas.

Adubadeira tipo caixa de aço inoxidável com capacidade para cerca de 1.250 kg, com sensor de nível de adubo e distribuição por rosca sem fim de aço inoxidável, ou por esteiras.

Acionamento da adubadeira por motor hidráulico e calibragem da quantidade do adubo a ser aplicada através de válvula derivadora de fluxo de óleo. Caçamba com volume de 24 metros cúbicos e capacidade para 6 toneladas de mudas, com divisor central e complementos laterais e traseiros.

2 esteiras transportadoras de rebolos com 16 taliscas cada uma dispostas alternadamente, acionadas por motor hidráulico com controle de velocidade, para regulagem do número de gemas por metro linear de sulco.

Sistema hidráulico para empurrar a traseira da caçamba, que mantém constante o fluxo de mudas nas esteiras transportadoras até o término dos rebolos armazenados na caçamba.

Tanque com capacidade para 310 litros de calda inseticida.

Bomba elétrica e 2 bicos anti-gotejantes para pulverização da calda inseticida sobre os rebolos.

Reservatório com capacidade para 17 litros de água limpa, não potável.

Cobridor oscilante composto por 2 rolos acamadores dos rebolos no fundo do sulco, 4 discos côncavos fixados em braços oscilantes com regulagem de ângulo de trabalho e 2 rolos compactadores de cantoneiras que evitam a formação das bolsas de ar na cobrição dos rebolos.

Cabine climatizada com banco, alavancas e painel de controle para comandos do operador. Eixo tandem com 4 pneus de baixa pressão 500/45 x 22,5 - 12 lonas.

Altura de 4.30 metros.

Comprimento de 7,60 metros.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Bitola de 3,00m para espaçamento, de 1,50m e 2,80m para espaçamento de

1,40m.

Peso de 7.700 kg (vazia).

Engate por três pontos.

Rebolos de até 45cm.

Velocidade de trabalho de 5 à 6 km/h.

Raio de giro de 7,30m. Desempenho operacional ao redor de 1,0 ha/h.

3.

TRANSPLANTADORAS

Os transplantadores (Figura 15) são equipamentos muito utilizados em culturas hortícolas, e florestais, assim como a cultura do fumo, que foram previamente semeadas em viveiros, fazendo-se depois a sua plantação no local definitivo com aquele tipo de equipamentos; estes, quando as plantas são muito jovens, designam-se por repicadores sendo a operação designada por repicagem.

Relativamente à sua constituição, que apresenta alguma analogia com os plantadores de tubérculos, existindo mesmo alguns modelos em que, pela substituição de alguns elementos, o equipamento funciona como plantador ou transplantador, tem-se, como elemento base, um chassi, onde estão montados os elementos de plantação, o sistema de ligação ao trator e os bancos para os operadores.

Considerando os elementos de plantação, tantos quanto o número de linhas, estes são constituídos por:

Um sulcador, cuja forma condiciona a secção do sulco, esta é geralmente em forma de V ou U;

Um dispositivo de plantação, cujo acionamento é efetuado pelas rodas de suporte do transplantador ou TDF do trator, e em que a distância das plantas na linha é obtida pela variação da relação de transmissão; Um dispositivo de abertura do sulco e compactação em torno da planta, constituído por um amontoador, geralmente com dois discos, que provoca uma pequena amontoa junto à planta, sendo a compactação da terra contra a raiz obtida geralmente por duas rodas inclinadas em V, colocadas uma de cada lado da linha;

Um dispositivo para adubação das jovens plantas, constituído por um reservatório e condutas que conduzem o líquido até junto do dispositivo de plantação.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Os dispositivos de transplantação, que asseguram a colocação das mudas no solo, podem ser de diferentes tipos sendo os mais frequentes os constituídos por dois discos munidos de pinças ou dois discos maleáveis, concêntricos. Relativamente aos diferentes tipos estes são, na maioria dos casos, para plantas com raiz nuas, plantadores semi-automáticos, com alimentação manual, que apresentam como principais dispositivos de distribuição os seguintes:

Dispositivo com pratos circulares verticais e órgãos de preensão;

Dispositivo com discos maleáveis sem órgãos de preensão;

O primeiro dispositivo tem como geralmente como elementos de preensão pinças colocadas na periferia do disco, cuja abertura e fecho é regulada por excêntricos, permitindo assim ao operador a colocação da planta convenientemente orientada (pinça aberta) sendo esta transportada para o sulco (pinça fechada) onde vai ser depositada (pinça aberta).

Os dispositivos com discos maleáveis, sem órgãos de preensão, permitem a colocação das jovens plantas entre aqueles discos, que depois se mantêm em contacto até a altura de liberação das plantas, em que se afastam novamente. Para além dos dispositivos apresentados existem outros específicos para algumas máquinas especiais, nomeadamente as utilizadas na plantação do tabaco. Considerando a evolução tida por este tipo de plantadores pode-se afirmar que no futuro o objetivo é obter equipamentos polivalentes, de fácil regulação, que em densidade de plantação quer em profundidade, para se poderem utilizar em diferentes tipos de solo e aumentar o rendimento em trabalho.

Embora a maioria dos transplantadores tenham um sistema de alimentação semi- automática, alguns construtores têm tentado desenvolver sistemas de alimentação e distribuição automáticos; o principal problema nestes sistemas é a dificuldade em posicionar corretamente a planta na fase de alimentação, por forma a orientar corretamente as raízes.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. 3.1. Cultura da Cebola Figura 15 - Representação de um

3.1. Cultura da Cebola

Figura 15- Representação de um transplantador 1- Plantas a transplantar 2- Discos de distribuição 3- Assento do operador 4- Rodas de compactação 5- Sulcador 6 - Rolo destorroador. Fonte: CEMAGREF (1993)

Atualmente a cebola é a terceira hortaliça em termos de produção agrícola no Brasil, sendo superada apenas pela batata e pelo tomate. A região sul continua respondendo por mais de 50% do volume de produção interna. Neste último ano, contribuiu com 54,4% da oferta nacional, com destaque para Santa Catarina, maior produtor nacional, que ofertou 27,8% do total da colheita do país (INSTITUTO CEPA, 1998).

Em Santa Catarina, a cebola caracteriza-se como cultura típica de pequena propriedade rural, com utilização de mão-de-obra familiar. A área média cultivada em cada propriedade é de aproximadamente 2 ha. A prática mais freqüente entre os produtores é o transplante manual de mudas previamente cultivadas em sementeiras. Tal sistema de cultivo absorve grande quantidade de mão-de-obra, sendo este, em muitos casos, o fator limitante da área total a ser cultivada.

Conforme dados do Instituto Cepa (1998), aproximadamente 30% dos custos totais no cultivo da cebola são decorrentes de custos com mão-de-obra cujo ponto negativo relevante reside em ser o transplante manual operação de extremo desgaste físico para o produtor (Figura 16).

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Figura 16: plantio manual de cebola 3.2. Cultura do Fumo O

Figura 16: plantio manual de cebola

3.2. Cultura do Fumo

O Brasil produz hoje aproximadamente 500.000 toneladas de fumo por ano, colocando-

se entre os maiores produtores do mundo. Desde 1993, o Brasil é o maior exportador mundial de fumo, em volume. (AFUBRA, 1996/97).

A cultura do fumo é desenvolvida em mais de 600 municípios dos três Estados da Região Sul. Em média cerca de 160.000 famílias de pequenos agricultores, que em geral possuem propriedades inferiores a 20 hectares, dos quais cerca de 2 hectares são utilizados para o plantio de fumo. A fumicultura na Região Sul é desenvolvida através do Sistema Integrado de Produção entre indústrias e agricultores desde 1918.

Na área econômica, o fumo é responsável pela arrecadação de grandes somas em impostos: somente em 1996 totalizaram cerca de 6,2 bilhões de dólares recolhidos ao País. Em 1996, as exportações brasileiras de fumo e seus derivados totalizaram 1,5 bilhão de dólares, o que representou 2,5% do total das exportações brasileiras. (AFUBRA, 1996/97).

No campo social, a atividade fumageira é grande geradora de empregos diretos e indiretos. Somente no meio rural, o fumo ocupa a mão-de-obra de mais de 850.000 agricultores. Além disso, as usinas de beneficiamento e as fábricas de cigarros empregam mais de 30.000 pessoas. (AFUBRA, 1996/97). Considerando a soma total dos empregos

diretos e indiretos gerados pelo fumo desde o seu plantio até a comercialização do cigarro, há

o envolvimento de aproximadamente 2,5 milhões de pessoas que de alguma forma estão vinculadas ao setor. (AFUBRA, 1996/97).

Convém salientar que o fumo se constitui na principal fonte de renda para as mais de 160.000 famílias de agricultores. (AFUBRA, 1996/97). Outro fator a ser observado é que nas regiões fumageiras são necessários, em média, 9 hectares de milho para compensar o

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

faturamento de um hectare de fumo. Esses dados demonstram que a fumicultura é a grande responsável pela preservação da cobertura florestal, que é superior a 30% nas regiões minifundiárias, e contribui decisivamente para a permanência dos agricultores no meio rural. (AFUBRA, 1996/97).

A comprovada qualidade do fumo brasileiro não deixa dúvidas de que o País tem plenas

condições de aumentar a sua participação no mercado internacional. O setor fumageiro está permanentemente em busca de novas tecnologias, com o propósito de melhorar a produtividade e a qualidade de seu produto. A prática mais freqüente entre os produtores é o transplante manual de mudas previamente cultivadas em sementeiras, que absorve grande quantidade de mão-de-obra, sendo este, em muitos casos, o fator limitante da área total a ser cultivada como se viu aqui, no cultivo de cebola.

Abaixo temos uma transplantadora de fuma da metasa ( Figura 17 e 18).

uma transplantadora de fuma da metasa ( Figura 17 e 18). Figura 17: transplantadora de muda

Figura 17: transplantadora de muda de fumo

3.3. Cultura do Tomate

17: transplantadora de muda de fumo 3.3. Cultura do Tomate Figura 18: transplantadora de fumo acoplada

Figura 18: transplantadora de fumo acoplada ao trator.

A importância do tomate no Brasil é muito grande. O Brasil cultiva anualmente cerca de

20.000 ha de tomate para processamento industrial e em torno de 50.000 ha de tomate para consumo fresco, colhendo anualmente mais de dois milhões de toneladas (EPAGRI, 2000).

A prática usual entre os produtores é o transplante manual de mudas previamente cultivadas em sementeiras. Esse sistema de cultivo absorve grande quantidade de mão-de- obra, sendo este, em muitos casos, o fator limitante da área total a ser cultivada. É atividade manual, mas por suas características agronômicas, o tomate pode ser transplantado com a mesma máquina que transplanta o fumo, sem danos nem perda de mudas.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Praticamente toso o plantio de tomate para a indústria vem sendo feito por meio de transplante de mudas utilizando-se o preparo convencional do solo ou o plantio direto na palha.

Esse sistema de transplante tem como vantagens o menor gasto de sementes; menor tempo de permanência da planta no campo; redução das despesas com irrigações e pulverizações; e a redução dos níveis de infecção precoce por Geminivírus e Tospovírus. Em razão do alto custo do transplante manual, que é muito trabalhoso e demorado, exigindo de oito a dez dias-homens/ha, este sistema somente se viabilizou com a introdução das máquinas transplantadeiras (Figura 1). Entretanto, a produção de mudas tem que ser feita sob rigoroso controle sanitário, para evitar que elas sejam focos de disseminação de pragas e doenças.

A introdução do sistema de transplante de mudas viabilizou ainda a utilização de cultivares híbridas, cujas sementes tem custo muito superior ao das cultivares de polinização aberta. O modelo de transplantadora, atualmente comercializado no Brasil, tem capacidade para transplantar cerca de 120 mil mudas/dia, correspondendo ao plantio de quatro hectares de lavoura, utilizando mudas produzidas em bandejas.

No transplante, utilizam-se fileiras simples, distanciadas de 1,0 a 1,2 m, com cinco plantas por metro linear, o que corresponde a uma população variável de 42 mil a 50 mil plantas/ha. Atualmente, com a utilização de cultivares híbridas mais vigorosas, existe a tendência de se utilizar, na Região Centro-Oeste, populações de 30 mil a 35 mil plantas por hectare, porém em algumas regiões, vêm sendo utilizadas menos de 30 mil plantas por hectare. Com transplantadora mecânica e fileira simples, o espaçamento é de 1,0 m entre linhas e três plantas por metro linear, resultando em uma população de 30 mil plantas/ha. Com fileiras duplas, o espaçamento mais utilizado é o de 1,2 m entre as fileiras duplas e 0,7 m entre as linhas de cada fileira dupla (Figura 19 e 20).

Plantios adensados dificultam os tratos culturais e propiciam o aumento da umidade na superfície do solo, o que favorece o ataque de fungos causadores de podridões.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Figura 19 : transplantadora de mudas de tomate 3.4. Cultura

Figura 19: transplantadora de mudas de tomate

3.4. Cultura do Repolho

: transplantadora de mudas de tomate 3.4. Cultura do Repolho Figura 20 - Representação de diferentes

Figura 20- Representação de diferentes tipos de pratos com pinças 1- Operador 2- Planta 3- Derregador 4- Rotor com pinças. Fonte: CEMAGREF (1993)

É um vegetal que pertence à mesma família da couve, mas se diferencia desta pelo

formato redondo e compacto. Há basicamente três variedades de repolho: o repolho branco, mais comum, o repolho-verde ou repolho crespo e o repolho-roxo. Pela importância que essa cultura representa para o Estado, em Santa Catarina fez-se o seu zoneamento com dados de 26 estações agrometeorológicas, com períodos de observação variáveis de 10 a 30 anos, para montar uma série histórica de dados que representem o clima nas diversas regiões. Os índices utilizados para delimitar as regiões de aptidão do repolho foram determinados por meio de

revisão bibliográfica juntamente com as respostas biológicas observadas por técnicos da Epagri, em sua Rede Experimental, no período de 1970 a 2000 (EPAGRI, 2000).

O repolho pode ser cultivado em qualquer clima, inclusive nos de temperaturas muito

altas ou muito baixas, de acordo com a sua variedade. Prefere solos sílico-argilosos, férteis, ricos em matéria orgânica. As mudas são transplantadas (Figura 21 e 22) quando tiverem 5 ou 6 folhas, diretamente para o lugar definitivo, com espaçamento de 50 a 80 cm entre fileiras simples e de 30 a 40 cm entre plantas. Para plantar em fileiras duplas, o espaçamento deve ser de 30 cm entre as duas fileiras e de 30 cm entre as plantas.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Figura 21: transplantadora de repolho e alface 3.5. Cultura

Figura 21: transplantadora de repolho e alface

3.5. Cultura da Batata doce

Material de propagação:

alface 3.5. Cultura da Batata doce Material de propagação: Figura 22: transplantadora de repolho e alface

Figura 22: transplantadora de repolho e alface

Para implantação de uma lavoura de batata-doce, o produtor tem três opções para obter novas plantas: a) por meio de batatas, que consiste em promover a brotação de batatas selecionadas, utilizando-se posteriormente estas brotações inteiras, denominadas de mudas, ou segmentadas, denominadas de ramas-semente; b) retirando-se ramas-semente ou estacas de uma cultura em desenvolvimento; c) cultivando-se uma área como viveiro de mudas.

A produção de ramas a partir de batatas é utilizada apenas em locais com inverno muito rigoroso, quando não se tem a opção de obter material de reprodução em lavouras em crescimento no campo. Assim, para se ter material logo no início do período quente, pode-se iniciar o cultivo das batatas de 90 a 110 dias antes do plantio. O processo se inicia com a obtenção de batatas selecionadas de uma variedade adaptada às condições agroclimáticas do local e à época em que se pretende instalar a cultura.

Utilizando-se esse processo, para o cultivo de um hectare com 30.000 plantas, são necessárias 6.000 plantas em viveiro de segundo ciclo, que deve ocupar uma área aproximada de 2.000 m², além de 400 m² de viveiro em primeiro ciclo e 80 m² de área útil em telados. Os viveiros devem ser instalados em áreas isoladas dos campos de produção, mas ainda não se tem um parâmetro para esse isolamento. Essa opção ainda não está em uso no Brasil, mas já existem plantas sadias à disposição de quem queira realizar este investimento, que corresponde a um custo relativamente baixo.

Plantio da batata doce

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Consiste em enterrar parte da rama-semente ou da muda na leira de plantio. No Brasil, esta operação geralmente é realizada manualmente, fazendo-se primeiramente a distribuição das ramas no espaçamento adequado e, em seguida, faz-se um orifício com utilização de uma haste pontiaguda, denominada de “bengala” (Figura 23). Nesse orifício é depositada a base da rama, enterrando-a até a metade do seu comprimento e, com auxílio da mesma ferramenta, acomoda-se o solo ao redor da rama.

Caso não haja disponibilidade de água para irrigação, recomenda-se fazer o plantio lateralmente e na base das leiras. Dessa forma, a rama-semente fica em contato com a parte mais úmida da leira, uma vez que a crista é formada por solo solto e drenado, que facilita a desidratação da rama, reduzindo a chance de pegamento.

O plantio mecanizado é realizado com uma transplantadora de construção relativamente simples (Figura 24). Nela, dois operários que trabalham sentados na parte traseira da máquina, com a função de distribuir as ramas-semente no sulco. Na parte superior do equipamento, um outro operário se encarrega de distribuir as ramas, mas antes realiza o seu tratamento, mergulhando-as na solução desinfetante.

o seu tratamento, mergulhando-as na solução desinfetante. Figura 23: Plantio manual de ramas de batata- doce.

Figura 23: Plantio manual de ramas de batata- doce.

4. ESTRUTURA DAS MÁQUINAS

manual de ramas de batata- doce. 4. ESTRUTURA DAS MÁQUINAS Figura 24 : Equipamento para plantio

Figura 24: Equipamento para plantio mecanizado de ramas-semente de batata- doce.

Os plantadores de tubérculos são constituídos basicamente por um chassi, onde estão montadas os reservatórios, o sistema de ligação à unidade de tração, o de transmissão de movimento e os elementos relacionados diretamente com a plantação, ou seja, os sulcadores e amontoadores e os órgãos de alimentação e distribuição.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

Chassi: O chassi dos plantadores, geralmente formado por perfis em aço, permite a montagem dos restantes elementos, tais como os reservatórios, as transmissões, os assentos para os operadores, etc. e os elementos de plantação que têm a possibilidade de se deslocarem lateralmente por forma a variar a distância das entrelinhas.

Os reservatórios: Os reservatórios, individuais ou comuns aos vários elementos de alimentação - distribuição, são ligeiramente inclinadas para a parte posterior, sendo a sua capacidade bastante variável; os comuns dos equipamentos semi - montados têm uma capacidade de ± 500 kg ou ± 1000 kg, conforme se trate de modelos de duas e quatro linhas, respectivamente, ou de 1500 -2000 kg nas rebocadas.

Os reservatórios de maior capacidade têm dispositivos hidráulicos para basculamento, facilitando assim o seu carregamento direto a partir de um reboque, elementos separadores por forma a limitar a quantidade de tubérculos que vão para o sistema de distribuição, atenuando-se assim a danificação dos brotos, sendo, por vezes, divididas em duas partes, uma principal e uma de alimentação, podendo ter esta última o fundo oscilante e rolos, com movimentos opostos, para facilitar a progressão dos tubérculos para o sistema de distribuição.

Órgãos de plantação: Os órgãos de plantação têm como principais funções a abertura do sulco, a colocação dos tubérculos e o cobrimento destes.

5. MECANISMOS SULCADORES

A forma de abertura e fechamento dos sulcos é bastante semelhante nos diferentes tipos de plantadores sendo a primeira geralmente efetuada por um sulcador, constituído por um facão ou discos, e o segundo por um amontoador, constituído geralmente por dois discos côncavos, inclinados e convergentes, ou mais raramente, com um corpo de charrua duplo.

A abertura dos sulcos, cuja profundidade é geralmente regulada com uma roda de suporte, é efetuada com sulcadores que estão colocados à frente do elemento de colocação do tubérculo. Relativamente à sua constituição consiste basicamente numa ferramenta formado por duas aivecas, em que a distância pode variar por forma a aumentar ou diminuir a largura do sulco, e um haste escarificador, montado na parte anterior da junção daquelas, sendo o conjunto colocado na vertical ou com uma ligeira inclinação.

Os órgãos de alimentação e distribuição: No que respeita às regulações estas consistem fundamentalmente na profundidade e largura entre - linha. A variação da primeira é obtida com sistemas mecânicos, geralmente independentes para cada elemento semeador

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

quando os reservatórios são individuais, ou, no caso do reservatório ser comum, a roda de suporte e acionamento serve também para efetuar aquela regulação; neste último caso os elementos semeadores são montados no chassi mediante uma articulação em paralelogramo por forma a poderem oscilar livremente na vertical.

Os órgãos de alimentação e distribuição são os elementos principais de um plantador, sendo baseado neles que se faz a sua classificação. Relativamente à alimentação ela é função

da forma como se faz a colocação dos tubérculos no sulco, ou seja, do sistema de distribuição utilizado. Considerando os principais tipos de dispositivos de alimentação tem-se:

- alimentação manual;

- alimentação semi-automática;

- alimentação automática.

A alimentação manual é a forma que menos estragos faz nos tubérculos, mas é muito exigente e penosa em mão-de-obra, a semi-automática permite o transporte dos tubérculos do reservatório para o sistema de distribuição, cabendo ao operador a vigilância das várias taças por forma a impedir os duplos ou falhas. E a automática, para além de um sistema de remoção dos tubérculos semelhante ao do sistema anterior, tem um dedo apalpador que comanda um sistema corretor, independente do sistema de alimentação, que preenche as taças vazias.

Relativamente aos sistemas de distribuição estes podem ser agrupados em três grandes grupos, ou seja:

- os distribuidores com tubos de descida;

- os distribuidores rotativos horizontais;

- os distribuidores rotativos verticais.

Os distribuidores rotativos horizontais apresentam diferentes formas de distribuição, nomeadamente discos ou pratos com alvéolos na periferia cujo fundo é basculante, rolos com

Os distribuidores rotativos

pinças articuladas que retiram e distribuem os tubérculos, etc

verticais, que são os mais comuns, têm também várias formas de distribuição, como, por

exemplo, tambores com alvéolos, correntes ou correias sem-fim, com taças simples ou colheres, etc

6. MECANISMOS DOSADORES E DISTRIBUIDORES

Formas de alimentação: Os plantadores quanto à forma de alimentação podem ser manuais, em que a alimentação é feita à mão, e manuais ou automáticos, mas com um reservatório único ou com um reservatório para cada elemento. Na alimentação efetuada à

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

mão a cadência pode ser dada por um sinal sonoro, não havendo nenhum distribuidor móvel, mas apenas um tubo de descida, ou então os tubérculos serem colocados individualmente no elemento de distribuição. No caso da existência de reservatórios a alimentação e correção de falhas ou “duplos” pode ser manual ou automática.

Formas de distribuição: Relativamente às formas de distribuição estas podem ser totalmente manuais ou manuais melhoradas, consistindo a primeira, utilizada juntamente com a alimentação manual, na colocação direta num tubo de descida fixo, e a segunda, na distribuição parcialmente automática (semi - automática) num tubo de descida depois de retirada da reservatório; neste tipo de distribuição é necessário apenas um trabalhador para vigiar as várias linhas mas não permite a utilização de batatas pré-abrolhadas.

Na distribuição semi - automática os distribuidores rotativos podem estar colocado na vertical ou horizontal, sendo os primeiros geralmente um tambor com alvéolos na periferia ou correntes ou correias sem - fim, e os segundos pratos circulares (Figura 25), rolos extratores com dois elementos distribuidores, mesa vibratória ou pratos com pinças. Relativamente às correias verticais, dos distribuidores rotativos verticais, podem ser de alvéolos, com uma ou duas filas, alimentados individualmente à mão, sendo também manual a correção das falhas e duplos, ou com colheres (taças), mas com as correções feitas automaticamente.

Nos distribuidores rotativos horizontais os pratos circulares têm na periferia compartimentos com o fundo basculante, as mesas vibratórias, que funcionam como elemento de extração, têm também uma corrente com garfos que faz a distribuição e, nos pratos com pinças, estas funcionam como elementos de extração e distribuição.

funcionam como elementos de extração e distribuição. F i g u r a 25: Batatas livres

Figura 25: Batatas livres de doença colocadas em uma plantadeira comercial. (Cortesia H. D.

Thurston).

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

7. MECANISMOS COBRIDORES E COMPACTADORES

O fecho dos sulcos é efetuado com os amontoadores que podem ser de diferentes tipos sendo os mais frequentes os de discos ou de raspadeiras; estes elementos ativos são reguláveis em distância e profundidade o que permite movimentar para a linha um volume variável de terra, além de rodas compactadoras após a colocação de mudas.

8. MECANISMOS DE ACIONAMENTO

Ligação a unidade motora: Os plantadores de tubérculos relativamente à unidade de tração, podem ser de tração animal e tração mecânica, sendo, quanto à forma de ligação na tração mecânica, montados, semi-montados e rebocados. Os montados caracterizam-se por ficarem suspensos no sistema tripolar de engate dos tratores ou colocados entre os eixos destes, os semi-montados por parte da massa recair nos órgãos de suporte da máquina e a outra parte no sistema de ligação da unidade de tração, e os rebocados por terem um rodado dianteiro e um traseiro sendo um Deles o responsável pelo acionamento dos diferentes órgãos do plantador.

Transmissões: A transmissão do movimento aos dispositivos de alimentação e distribuição é obtida pelas rodas de suporte do plantador, sendo necessário, nas cabeceiras, proceder à sua interrupção; a solução mais frequente é utilizar uma caixa de velocidades a partir da qual sai uma cadeia de acionamento para todos os elementos que tem intercalada uma embreagem para interrupção do movimento para todos os elementos em simultâneo.

9. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CARRAFA, W. M. Desenvolvimento de uma máquina transplantadora para pequenas propriedades rurais utilizando uma abordagem de projeto de sistemas modulares. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina, 2002. 221 p. Dissertação de Mestrado em Engenharia Mecânica. CEDRA, C. (1990). Les matériels de travail du sol, semis et plantation. Technologie de l’agriculture. CEMAGREF. CULTIVO DA CEBOLA NO NORDESTE, Sistema de Produção 3, ISSN 1807-0027 Versão Eletrônica, EMBRAPA, novembro 2007. CULTIVO DA MANDIOCA NO CENTRO SUL, Sistema de Produção 7, ISSN 1678-8796 Versão Eletrônica, EMBRAPA Janeiro 2003. CULTIVO DE TOMATE PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, Sistema de Produção,Versão Eletrônica, EMBRAPA Janeiro 2003.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

For evaluation only.

DMB Máquinas e Implementos Agrícolas Ltda, Plantadora de cana picada, acesso em 30 de junho de 2009, http://www.dmb.com.br/Catalogo/Produto.asp?Cat_ID=460. FERNANDES H. C.; MODOLO A. J.; OLIVEIRA A. D. de. Adaptação de uma plantadora de batata para trabalhar em sistemas de plantio direto e cultivo mínimo. Engenharia na Agricultura, Viçosa, MG, v.12, n.4, 247-259, Out./Dez., 2004. Produção de Batata no Rio Grande do Sul, circular técnica 48, Embrapa, ISSN 1516-8832, Pelotas, RS Dezembro, 2005. SANTOS, F. Maquinas para plantação e transplantação, 19p, 1992. SILVA, J. B. C. da; LOPES, C. A.; MAGALHÃES, J. S. Cultura da batata-doce, EMBRAPA, 2008.