Você está na página 1de 22

Faculdade Farmácia da Universidade do Porto

Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas


Fisiopatologia e Farmacoterapia I

Trabalho realizado por:


Liliana Teles
Sílvia Campos

26 de Março de 2009
Gripe ou Constipação?

Doenças inflamatórias do tracto respiratório superior.


Causadas por agentes virais.

Adaptado de Epidemiologi of Viral Infection (Michigan)

Sintomatologia semelhante.
“Epidemias sazonais”, maior incidência no Inverno.

2
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Rhinovirus
(inalação)

Mediadores químicos da inflamação provocam Estimulação colinérgica.


aumento da permeabilidade → edema e aumento
da mucosa nasal.
Vasodilatação,
broncoconstrição,
Rinorreia ↑ secreções

“Pingo”, Tosse e Espirros

3
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
• Infecção localizada (tracto respiratório superior).
• Incubação: 1 a 2 dias.
• Pico dos sintomas: Entre o 2.º e 4º dia.
• Tempo de prevalência: 5 dias aproximadamente.
• Transmissibilidade: mais elevada ao 3.º dia (maior excreção vírus).
• Normalmente não ocorrem complicações (asma e fibrose cistica).
• Sinusite - infecção viral migra para os seios paranasais provocando acumulação de muco.

• Aerossol • Rinorreia
• Mãos contaminadas com secreções • Obstrução nasal
• Espirros
• Tosse
• Dor de garganta
• Cefaleias
• Febre (raramente)
4
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
A (H1N1; H3N2) e B

Entrada por inalação ou ingestão.


Vírus ataca as células epiteliais do tracto respiratório superior e inferior (pneumonia).
Células infectadas “produzem” novas partículas viricas.
As novas partículas viricas destacam-se da célula (neuraminidase).
Partículas viricas infectam novas células – infecção disseminada.

5
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
• Infecção disseminada por todo o tracto respiratório.
• Incubação: 1 a 4 dias .
• Transmissibilidade: 2 dias antes a 5 dias depois do inicio sintomas.
• Tempo de prevalência: 5 a 10 (gripes não complicadas).
• Normalmente associada a complicações.

• Aerossol (<1metro)
•Miagia e artralgia
• Transmissão pelo ar (↓ probabilidade)
•Tosse
• Mãos contaminadas
•Cefaleias
• Febre (alta)
• Exaustão

6
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Quadro clínico mais grave. Tabela 2:
2 População com alto risco de
desenvolver complicações por Influenza
Associada a complicações ( grupos de
risco) • Adultos com idade > a 65 anos
• Crianças com idade < a 2 anos
• Sinusite • Mulheres grávidas
• Otite • Residentes a longo prazo em instalações médicas
• Agravamento de quadros crónicos • Doentes cardiovasculares
• Bronquite • Doentes crónicos que necessitem de hospitalizações
• Pneumonia (Staphylococcus) frequentes
• Imunocomprometidos
• Doentes com compromisso do sistema respiratório
 Eventualmente fatal (casos extremos).

7
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Descongestionantes nasais
Vasoconstritores simpaticomiméticos agonistas α

Brometo de ipratrópio Oximetazolina (Nasex ®)


(Atrovent ®)
Xilometazolina (Otrivina ®)

R. Adv.: Secura de boca, retenção urinária, obstipação. R. Adv.: tolerância, irritação local, epistaxis.
Contra-Ind.: obstrução da bexiga, glaucoma. Evitar na Contra-Ind.: hipersensibilidade aos constituintes.
gravidez. Evitar na gravidez.

Dexbromofeniramina + pseudoefedrina (Constipal ®)


R. Adv.: sedação, efeitos anti-colinérgicos.
Precauções: não usar na grávida e lactante.
Inter: potencia efeito sedativo de depressores do SNC e efeitos anti-muscarínicos dos antidepressores.
8
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
 Antitússicos (TOSSE SECA) R. Adv.: Depressão respiratória.
Contra-Ind.: hipersensibilidade aos constituintes.
Butamirato (Sinecod ®) Insuficiência respiratória.
Interações: antidepressores.
Dextrometorfano (Drill Tosse Seca ®)
Clobutinol (Silomat ®)

 Expectorantes (TOSSE PRODUTIVA)


R. Adv.:diarreia, náuseas, cefaleia, irritação
gastrointestinal. Bromexina (Bisolvon ®)
Contra-Ind.: hipersensibilidade aos constituintes.
Doentes com história de úlcera Carbocisteína (Mucorhinatiol Mucoral ®)
péptica.
9
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Anti-inflamatórios não esteróides

Ácido Acetilsalicílico (Aspegic ®, Aspirina ®) Ibuprofeno (Brufen®)


Analgésico, antipirético, anti-inflamatório Analgésico, antipirético, anti-inflamatório

R. Adv.: Perturbações gástricas, aumento do tempo de R. Adv.: Perturbações gástricas, renais e hepáticas.
hemorragia, broncoespasmo. Contra-Ind.:porfiria, doença inflamatória intestinal,
Contra-Ind.:asma, doença hepática, hemofilia, úlcera úlcera activa.
péptica, síndrome de Reye. Interacções: lítio, digoxina, metotrexato.
Interacções: anticoagulantes, fenitoína, antiácidos,
corticosteróides.

10
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Anti-inflamatórios não esteróides

Paracetamol (Ben-U-Ron®)
Flurbiprofeno (Strepfen®)
Analgésico e anti-pirético
Anti-inflamatório e analgésico
R. Adv.: Raras. Risco de Pancreatites e doença
hematológica. R. Adv.: Perturbações gástricas, renais e hepáticas
Contra-Ind.: Insuficiência renal, hepática e alcoolismo. Contra-Ind.: porfiria, úlcera péptica.
Interacções: Aumento do efeitos dos anti-coagulantes. Interacções: lítio, digoxina, metotrexato.

ASSOCIAÇÕES DE FÁRMACOS NÃO RECOMENDADO


Paracetamol + clorofenamina + hesperidina + ácido ascórbico (Cêgripe ®)
Ácido acetilsalicílico + ácido ascórbico (Aspirina C ®)
Paracetamol + cafeína + bromofeniramina + ácido ascórbico (lIvico®) 11
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
 PLECONARIL  RUPRINTRIVIR (AG7088)

12
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Inibidores da Neuraminidase (MSRM)
Medicamento Zanomivir* Oseltamivir
Indicaç
Indicação Tratamento de infecções por Influenza A e B Tratamento e profilaxia de infecções por Influenza A e B
Efeitos adversos • Epistaxis • Náuseas e vómitos
• Ulceração mucosa
Contra-
Contra-indicaç
indicações • Gravidez e aleitamento • Gravidez e aleitamento
• Doentes com asma e DPOC • Diminuir as doses em doentes com CLcr>30mL/min
* Medicamento não se encontra à venda em farmácia comunitária

Inibidor da Proteína M2 (MSRM)


Medicamento Amantadina & Rimantadina
Forma farmacêutica Cápsulas para administração oral
Efeitos adversos • Gastrointestinais
• Perturbações neurológicas
• Leucopenia e edema periférico
Contra-
Contra-indicaç
indicações • Insuficiência renal ou hepática; ICC
• Epilepsia, úlcera gástrica
• Gravidez e aleitamento.

13
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Rimantadina Inibidores M2

•Inibidores da M2 e Oseltamivir: Tratamento e profilaxia da gripe.


•Zanomivir: Tratamento da gripe, não utilizado em profilaxia.
•Inibidores M2 apenas efectivo contra vírus da gripe A (vírus B não tem M2).
•Inibidores da neuraminidase efectivo contra vírus da gripe A e B. Necessitam de ser
administrados nas primeira 72h após infecção (fase de replicação viral).
14
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Método mais eficaz na prevenção da gripe.
Pode ser administrada durante todo o inverno (Outubro).
Vacinas trivalentes (A H1N1; AH3N2 e B).
Dois tipos de vacinas: viva atenuada (não se encontra à venda em Portugal) e inactivada.

Tabela 3:
3 Quem deve ser vacinado contra o vírus Influenza.

• Adultos com idade > a 65 anos.


• Crianças entre os 6 meses e os 18 anos.
•Grávidas que em Outubro estejam no 2.º ou 3.º trimestre de
gravidez.
• Doentes crónicos.
•Crianças e adolescentes em terapêutica prolongada com
salicilatos (Sindroma de Reye).
•Doença grave que ataca o cérebro e rins - muitas vezes fatal
•Profissionais de saúde .
•Coabitantes e prestadores de cuidados a crianças que tenham
elevado risco de desenvolver complicações e cuja idade não Administração da vacina viva atenuada
permita a vacinação (< 6 meses).

15
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Vacina Tipo Reacções adversas
Chiroflu Antigénio de superfície •Eritrema local
Fluad* Antigénio de superfície •Febre
•Astenia
Flurix Vírus fraccionado
MSRM • Cefaleias
Inflexal V Antigénio de superfície
•Hipersensibilidade
Influvac Antigénio de superfície • Perturbações
Istivac Vírus fraccionado neurológicas
Istivac Infantil Vírus fraccionado
* Para administração em indivíduos após os 65 anos

 Inicio da protecção: 1 semana após vacina.


Máximo de imunidade após 1 mês.
“Prazo de validade”: 1 ano.
Doses: 1 dose anual nos adultos e crianças, excepto nas crianças com idade entre 6 meses e 6 anos
vacinadas pela primeira vez (2 doses).
Contra-indicado em casos de doença aguda (especialmente febril) e hipersensibilidade à clara do ovo.
Interacções com imunossupressores.

16
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Repouso

Vitamina C???

Aconselhamento
(Tratamento)

Automedicação!!
Antibióticos!!

Nebulizações
Manter hidratação
17
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Lavar frequentemente as mãos

Não esfregar os olhos

Aconselhamento
(Transmissão)

Usar lenços descartáveis

Usar máscara

Evitar transportes públicos e minimizar contacto com


outras pessoas 18
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
Sintomas Constipação Gripe
Agentes Etiológicos > 100 estirpes. Rhinovirus mais comum Influenza A (H1N1; H3N2) e B
Local da infecção Tracto respiratório superior Tracto respiratório (Todo)
Estabelecimento dos sintomas Gradual: 1-3 dias Repentinos: Dentro de poucas horas
Estação Durante todo o ano . Pico nos meses de Inverno Mais sazonal. Novembro a Março
Febre Raramente Elevada; durante 3-4 dias
Dor de cabeça Raramente Forte
Dor no corpo Ligeira Frequentemente; por vezes intensa
Fadiga e fraqueza Ligeira Pode durar 2-3 semanas
Exaustão extrema Nunca Comum, surge no início da doença
Nariz entupido Frequentemente Por vezes
Espirros Frequentemente Por vezes
Garganta inflamada Frequentemente Por vezes
Tosse, sensação de "peso" no peito Ligeira a moderada; tosse seca Frequente; pode tornar-se grave
Complicações Sinusite e dor de ouvidos Bronquite, pneumonia; eventualmente fatal

Prevenção Vitamina C Vacinação anual e antivíricos


Tratamento Alívio sintomático Antivíricos

Adaptado de www.gripe.com.pt

19
Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009
 Anderson S. The Common Cold – Past, Present and Future Research. Chest 1965 Nov; 48:545-9.
 Anthony EF, David KS, Karen B, John KI, Timothy MU, Gina M, et al. Prevention and Control of
Influenza recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP), 2008.
Morbidity and Mortality Weekly Report 2008 Aug; 57:RR-7.
 Antonio A, Michael SN. . Diagnosis and Treatment of Rhinovirus Respiratory Infections. Chest 2003;
123:1664-72.
 Arnold SM. Epidemiology of Viral Respiratory Infections. The American Journal of Medicine 2002 Apr;
112(6A): 4s-12s.
 Dora PO, Javier AS, Carlos CG, Eugenia MZ. Patogenia de las infecciones respiratorias por virus.
Revista Instituto nacional enfermedades respiratórios Mexico 2002 Oct; 15(4):239-54.
 Jyotsna J. Viral Etiology of Common Cold in Children, Finland. Emerging Infectious Diseases 2009 Fev;
15(2): 334-46.
 John TK, Willian WB. Host immune responses to rhinovirus: Mechanisms in asthma. The Journal of
Allergy and Clinical Immunology 2008 0ct; 122(4):671-82.
 Madeline S, David A, Blandino MD. Treatment of the Common Cold. American Family Phisician 2007
Fev; 75(4):515-20.
 Mika JM, Toumo P, Maija L, Pekka S, Marko K, et al. Viruses and Bacteria in the Etiology of the
Common Cold. Journal of clinical microbiology 1998 Fev; 36(2):539-42.

Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009 20


 Rohde G. Therapeutic Targets in Respiratory Viral Infections. Current Medicinal Chemistry 2007; 14
(26):2776-82.
 Roxas ND, Julie MT. Colds and Influenza: a Review of Diagnosis and Conventional, Botanical and
Nutritional Considerations. Alternative Medicine Review 2007 Mar; 12(1):25-48.
 Scott AH, John SB, Janet AE, Thomas MF, Stefan G, Frederick GH, et al. Seasonal Influenza in Adults
and Children— Diagnosis, Treatment, Chemoprophylaxis, and institutional Outbreak Management:
Clinical Practice Guidelines of the Infectious Diseases Society of America. Clinical Infectious Diseases
2008 APR; 48:000-000.
 Sweet C, Smith H. Pathogenecity of Influenza Virus. Microbiological Review 1980 Jun; 44(2):303-30.
 Stephan BG. Respiratory Consequences of Rhinovirus Infection. Archives of Internal Medicine 2003
Fev; 163(3):278-84.
 Ternho H, Asko J. The common cold. The Lancet 2003 Jan; 361:51-9.
 Ville P, Matii W, Riikka O, Petri S, Timo H, Olli R. Clinical effects of rhinovirus infections. Journal of
Clinical Virology 2008 Aug; 43: 411-14.

Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009 21


 Circular Informativa - Vacinação contra a gripe sazonal em 2008/2009. Disponível em
http://www.dgs.pt [acedido em 10/03/2009].
 Influenza. Disponível em http://www.cdc.gov [acedido em 10/3/2009].
 Informação sobre os medicamentos. Disponível em
http://www.infarmed.pt/prontuario/index.php [acedido em 15/03/2009].
 Informação sobre os medicamentos. Disponível em
http://www.anf.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=663&Itemid=69 [acedido em
15/3/2009]
 Epidemiologia da gripe na Europa. Disponível em http://www.gripenet.pt/ [acedido em 10/03/
2009].

Fisiopatologia e Farmacoterapia I. Seminário: Sistema Respiratório. 26 de Março 2009 22