Você está na página 1de 5

Práticas e modelos de A. A.

das BE

Tarefa 2

Integração do processo de auto-avaliação das Bibliotecas escolares


no contexto escolar do Agrupamento onde se inserem

A biblioteca escolar proporciona informação e ideias fundamentais para sermos bem


sucedidos na sociedade actual, baseada na informação e no conhecimento. A
biblioteca escolar desenvolve nos estudantes competências para a aprendizagem ao
longo da vida e desenvolve a imaginação, permitindo-lhes tornarem-se cidadãos
responsáveis.
Manifesto da Biblioteca Escolar da IFLA/UNESCO

Self-evaluation can help schools to prepare for inspection, but more importantly to
identify strengths and weaknesses and help schools to improve their library provision
through in-depth evaluation of specific areas.

McNICOL, Sarah

Com as transformações sociais e as novas exigências/desafios que se colocam


em relação à Educação, a BE não podia ficar indiferente e tornou-se
necessário repensar conceitos e atitudes.

A nova concepção de BE deverá estreitar relações com as diferentes estruturas


da escola, com vista ao sucesso educativo, afirmando-se como o núcleo de
trabalho e aprendizagem da escola.

Nesta perspectiva é fundamental implementar estratégias de mudança nas


formas de actuação e nas interacções com as diferentes estruturas da escola:
Direcção Executiva, Conselho Pedagógico, Conselho de Escola, Docentes,
Alunos, Encarregados de Educação e Comunidade envolvente.
A BE enquanto centro que disponibiliza informação e serviços deve dar lugar a
uma BE activa, desenvolvendo um plano de acção integrador com objectivos e
práticas facilitadoras da mudança, estabelecendo a ligação ao currículo e ao
sucesso educativo dos alunos.

Esta nova concepção da BE exige um professor bibliotecário com qualidade de


um orientador, facilitador do processo e de relações entre os diversos actores,
regendo-se por uma atitude de abertura, de inovação, proporcionando
situações significativas e diferenciadas e deve ser capaz de fazer crer à
comunidade educativa que a BE contribui positivamente para as aprendizagens
dos alunos.

A good school library media program not only can help improve standardized test
scores, but can be at the heart of a school’s efforts to develop a constructivist approach
to teaching and learning.
JOHNSON, Doug

Rosa Ferreira Pinelo Página 1


Práticas e modelos de A. A. das BE

1- Análise à realidade do Agrupamento de escolas de Águas Santas

Na realidade deste agrupamento detectam-se os seguintes factores inibidores


relativamente à capacidade de resposta ao processo de auto-avaliação da BE:

 Falta de reconhecimento do trabalho desenvolvido pelo PB;


 Pouca abertura por parte dos docentes, da direcção e de outros
membros da comunidade educativa para a compreensão do papel
da BE, no contexto do sucesso educativo;
 Processo de ensino-aprendizagem muito centrado na sala de
aula;
 Fraca utilização dos recursos disponibilizados;
 Falta de tempo do PB para tantas solicitações/tarefas
 Avaliação empírica do funcionamento da BE.

2- Plano de acção

… attitude is everything. Success starts with attitude. A positive attitude breeds


positive results […] Attributs of a positive attitude include passion, enthusiasm,
optimism and energy.

EISENBERG, Michael B. e Miller, Danielle H.

Com vista a colmatar os factores inibidores referidos, foi delineado um plano de


acção que pretende dar continuidade a um trabalho que tem vindo a ser
desenvolvido nos diferentes domínios preconizados no MAABE.
O Plano de Acção tem em conta as orientações e documentos/instrumentos
propostos pela RBE e assenta numa política de colaboração entre a biblioteca
da escola sede e as escolas do Agrupamento.

 UTILIZADORES
A apropriação da BE pela comunidade conduzirá à sua valorização e à
concretização da sua missão

Objectivos Acções a implementar


 Divulgar de forma mais  Organizar sessões de
agressiva os recursos, informação/formação para
potencialidades e normas de alunos, professores e
utilização a fim de promover a funcionários;
autonomia do utilizador;  Elaborar e divulgar o guia do
utilizador,
 Investir na formação para a  Elaborar boletins informativos;

Rosa Ferreira Pinelo Página 2


Práticas e modelos de A. A. das BE

utilização da BE;  Elaborar documentos de


divulgação das actividades da
 Assegurar a participação do PB BE;
em reuniões dos órgãos
intermédios de gestão;  Participar em reuniões de CP,
departamentos, de conselhos
de ano, conselhos de docentes
a fim de:
 Planificar propostas de  Divulgar os recursos da BE
actividades a desenvolver em  identificar necessidades
cooperação com os docentes sentidas pelos vários órgãos
dos diferentes departamentos; relativamente à BE;
 Recolher sugestões de
 Divulgar essas actividades; actividades de dinamização da
BE, de acordo com a
especificidade de cada grupo
disciplinar/ano de escolaridade;

 Organizar fundos documentais


 Reforçar o papel formativo da diversificados e divulgá-los;
BE
 Implementar visitas guiadas à
BE;

 Promover reuniões com a


equipa da BE para planificar
estratégias de
desenvolvimentos das
competências da utilização da
informação;

 Organizar actividades que


promovam o conhecimento da
utilização da BE.

 APOIO AO CURRÍCULO

Objectivos Acções a implementar


 Definir um horário adequado
 Propor a utilização da BE para às necessidades das
apoio às áreas curriculares escolas;
disciplinares e não disciplinares;
 Apresentar propostas
 Trabalhar em equipa com os facilitadoras da acção do
docentes; professor na gestão das
áreas curriculares
disciplinares e não
disciplinares;

 Elaborar listas de “sites” e

Rosa Ferreira Pinelo Página 3


Práticas e modelos de A. A. das BE

de títulos (por áreas


temáticas) de apoio às
 Eleger a BE como espaço actividades curriculares em
privilegiado na aquisição de colaboração com os
competências para pesquisar, professores;
avaliar e usar a informação.
 Orientar pesquisas
temáticas, bibliográficas,
biográficas nos diversos
suportes.

 COLABORAÇÃO COM OS DOCENTES

Objectivos Acções a implementar


 Criar instrumentos que definam  Elaborar documentos
políticas de colaboração e de facilitadores da utilização do
utilização do espaço e dos recursos espaço e dos recursos da
BE:
- Guia do utilizador
- Boletim informativo
- Dossiers temáticos
- Guião de pesquisa
- Guiões para elaboração de
Trabalhos
 Proporcionar formação aos
docentes  Organizar encontros de
formação com os
professores da escola;

 Promover a auto-formação.

 GESTÃO DA BE

Objectivos Acções a implementar


 Melhorar os instrumentos de
 Contribuir para uma gestão mais recolha e registos;
eficiente da BE; sistemáticos de dados;
 Proceder ao tratamento
estatístico dos dados
recolhidos;
 Manter dossiers com toda a
documentação da BE;
 Divulgar o PA da BE no
Agrupamento e na
Comunidade.

Rosa Ferreira Pinelo Página 4


Práticas e modelos de A. A. das BE

 LEITURA

Objectivos Acções a implementar


 Dinamizar acções de
 Desenvolver o gosto pela leitura animação de leitura e
escrita;

 Apoiar a leitura orientada;

 Colaborar com os docentes


no desenvolvimento de
actividades do PNL;

 Criação de um ambiente
acolhedor no âmbito da
leitura informal.

Bibliografia

JOHNSON, Doug, (2005) “Getting the Most from Your School Library Media Program”,
Principal. Jan/Feb 2005 <http://www.doug-johnson.com/dougwri/getting-the-most-from-
your-school-library-media-program-1.html> [14/10/2009]

Manifesto da BE da IFLA / UNESCO

EISENBERG, Michael e MILLER, Danielle H. – School Library journal

McNICOL, Sarah (2004) Incorporating library provision in school self-evaluation.


Educational Review, 56 (3), 287-296

Rosa Ferreira Pinelo Página 5