Você está na página 1de 6

PLANO DE ENSINO

CURSO: Psicologia SÉRIE: 10 o Semestre DISCIPLINA: Psicoterapias CARGA HORÁRIA SEMANAL: 3 Horas/aulas CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Horas

I – EMENTA

Prática supervisionada às psicoterapias orientadas por diferentes concepções teóricas: Abordagem Fenomenológico-Existencial, Psicologia Comportamental, Abordagem Sistêmica, Abordagem Psicanalítica e Psicoterapia Cognitiva. Atendimento dirigido a crianças, adolescentes, adultos, famílias e casais.

a crianças, adolescentes, adultos, famílias e casais. II – OBJETIVOS GERAIS Realização de atendimentos

II – OBJETIVOS GERAIS

Realização de atendimentos psicoterápicos breves, articulando as intervenções clínicas aos arcabouços teóricos e técnicos que os fundamentam.

III

– OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Tal competência será desenvolvida a partir das seguintes habilidades:

Estabelecer contato com o cliente/paciente, considerando-os em suas dimensões histórico-social, cultural, educacional e psicológica.

Observar, analisar e compreender fenômenos psicológicos, em suas vertentes comportamentais, cognitivas, simbólicas e afetivas.

Reconhecer os pressupostos ontológicos e epistemológicos que fundamentam diferentes práticas psicoterápicas.

Identificar demandas psicológicas no contexto clínico, compreendendo- as a partir de um dado referencial teórico.

Estabelecer estratégias de intervenção adequadas a diferentes concepções teóricas.

IV – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. O contexto da clínica-escola na universidade para atendimento à comunidade no entorno de sua localização.

2. Fundamentos ontológicos e epistemológicos de cada uma das diferentes concepções teóricas.

3. A situação clínica: estratégias de contato, de escuta, de observação e de coleta de informações de acordo com cada um dos diferentes referenciais teóricos.

1
1

4. Diagnóstico, levantamento de hipóteses e planejamento de intervenção de acordo com os objetivos terapêuticos. 5. Indicações e limites de cada uma das diferentes propostas psicoterápicas. 6. Descrição da experiência clínica em relatórios semanais e relatório final (conclusão teórica com o devido encaminhamento).

V – ESTRATÉGIAS DE TRABALHO

Apresentação do programa da disciplina, contemplando os objetivos, critérios de avaliação, estratégias de trabalho e bibliografia. Leituras e discussão de textos. Atendimentos clínicos. Orientação para a elaboração de relatórios de atendimento. Orientação e acompanhamento da organização dos prontuários. Supervisão dos atendimentos psicoterápicos, com discussão da correlação teórico-prática. Acompanhamento da elaboração do relatório final que deve articular teoria e prática clínica com análise fundamentada das técnicas e estratégias. Avaliação dos efeitos da ação profissional do ponto de vista do usuário. Avaliação da atuação acadêmica e clínica do estagiário.

da atuação acadêmica e clínica do estagiário. de utilizar conhecimentos prévios: conceitos VI –

de

utilizar

conhecimentos

prévios:

conceitos

VI – AVALIAÇÃO

1.

Deverão ser aplicados exercícios bimestrais com questões discursivas

Os alunos serão avaliados também nos seguintes aspectos, valendo

valendo conceito Suficiente ou Insuficiente.

2.

conceito Suficiente ou Insuficiente, de acordo com o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia:

a) Conceitual

Capacidade de compreender os conceitos e verbalizá-los com as próprias palavras.

foram

aprendidos Capacidade de abstração: qualidade do entendimento mediante a exposição de situações Capacidade para discriminar as diversas situações e optar pela intervenção mais adequada.

Capacidade

que

b) Atitudinal

Compromisso e envolvimento com o processo ensino-aprendizagem. Capacidade de tomar decisões com iniciativa, a partir de um pensamento crítico. Compromisso e envolvimento afetivo e ético. Espírito científico e investigativo. Pontualidade na entrega de relatórios e trabalhos solicitados.

2
2

Comprometimento com as tarefas solicitadas (leituras, atendimentos, relatórios de sessões, análise de procedimentos e supervisões).

c) Participação

Interesse e disponibilidade para a realização de todas as atividades propostas. Atuação expressiva, no sentido de levantar questões e colocar dúvidas, promovendo reflexões pertinentes ao tema abordado.

Expressar-se com clareza e correção.

d) Postura Ética

Reflexão sobre o desempenho ético-profissional. Responsabilidade e respeito com o cliente/paciente, supervisor, colegas e instituições. Responsabilidade com o material clínico: prontuários, testes, manuais etc.

com o material clínico: prontuários, testes, manuais etc. e) Capacidade de articular conceitos teóricos com a

e)

Capacidade de articular conceitos teóricos com a prática Capacidade de compreender a demanda psicológica do cliente/paciente, planejar e implementar intervenções.

Raciocínio Clínico

f) Produção Escrita Capacidade de elaborar textos, relatórios e trabalhos, com clareza, concisão e coerência utilizando a norma culta da língua portuguesa.

A média do semestre será calculada de acordo com o Regimento. A nota a ser lançada é a Média Semestral em mapa de notas na Secretaria com comprovação da frequência em supervisão de estágio e em carga horária do estágio.

VII – BIBLIOGRAFIA

BÁSICA

1 - Psicoterapia na Abordagem Fenomenológico-Existencial

CRITELLI, D. História Pessoal e Sentido da Vida – Historiobiografia. São Paulo: EDUC, 2012.

EVANGELISTA, P. E. R. A. (org.) Psicologia Fenomenológico-existencial –

Possibilidades da atitude clínica fenomenológica. Rio de Janeiro: Via Verita,

2013.

FEIJOÓ, A. M. A escuta e a fala em psicoterapia: uma proposta fenomenológico-existencial. 2ª ed. Rio de Janeiro: IFEN, 2010.

2 - Psicoterapia Comportamental

3
3

CABALLO, V. E.; SIMÓN, M. A. Manual de Psicologia Clínica Infantil e do Adolescente – Transtornos específicos. São Paulo: Santos Ed., 2005.

SILVARES, E. F. M.; GONGORA, M. N. A. Psicologia Clínica Comportamental: A Inserção da Entrevista Com Adultos e Crianças. São Paulo: Edicon, 1998.

KOHLENBERG, R. J.; TSAI, M. Psicoterapia Analítica Funcional: Criando Relações Terapêuticas Intensas e Curativas. Santo André: ESETec, 2001.

3 - Atendimento Clínico a Famílias e Casais na Abordagem Sistêmica

MACEDO, R. M. S. de Terapia familiar no Brasil na última década. São Paulo: Rocca, 2008.

no Brasil na última década. São Paulo: Rocca, 2008. MCGOLDRICK, M. Novas abordagens da terapia familiar:

MCGOLDRICK, M. Novas abordagens da terapia familiar: raça, cultura e gênero na prática clínica. São Paulo: Rocca, 2003.

SOUZA, R. M. de Amor, Casamento, Família, Divórcio as crianças. São Paulo: Summus, 2006.

4

e depois, segundo

- Psicoterapia de Orientação Psicanalítica

FREUD, S. Edição Standard das Obras Completas. Rio de Janeiro: Ed. Imago, 1969, 24 volumes. Volume XV e XVI - Conferências Introdutórias sobre psicanálise (1916 - 1917 [1915-1917]). Volume XVIII - Além do princípio do prazer (1920). Volume XXIII - Análise terminável e interminável (1937).

KLEIN, M. (1932) A psicanálise de crianças. Obras completas de Melanie Klein. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

WINNICOTT, D. W. Da Pediatria à Psicanálise. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora, 1993.

5 - Psicoterapia Cognitiva

DATTILIO, F. M.; FREEMAN, A.; REINECKE, M. A. Terapia Cognitiva com

Crianças e Adolescentes: manual de prática clínica. São Paulo: LMP Editora,

2009.

LEAHY, R. L. Técnicas de Terapia Cognitiva: manual do terapeuta. Porto Alegre: ARTMED, 2006.

4
4

RANGÉ, B. Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. Porto Alegre: ARTMED, 2001.

COMPLEMENTAR

1 - Psicoterapia na Abordagem Fenomenológico-Existencial

BINSWANGER, L. Sonho e existência – Escritos sobre Fenomenologia e Psicanálise. Rio de Janeiro: Via Verita, 2013.

CARDINALLI, I. Daseinsanalyse e Esquizofrenia. São Paulo: Educ, 2004.

MAY, R. A Psicologia e o Dilema Humano. 12ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes,

2009.

e o Dilema Humano. 12ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2009. MORATO, H. et al. (org.) Aconselhamento Psicológico

MORATO, H. et al. (org.) Aconselhamento Psicológico numa Perspectiva Fenomenológica Existencial: Uma Introdução. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

YALOM, I. Os Desafios da Terapia: Reflexões para pacientes e terapeutas. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

2

- Psicoterapia Comportamental

ABREU, C. N.; GUILHARDI, H. J. Terapia comportamental e cognitivo- comportamental: práticas clínicas. São Paulo: Roca, 2004.

DE FARIAS, A. K. C. R. Análise comportamental clínica: aspectos teóricos e estudos de caso. Porto Alegre: Artmed, 2010.

MARTIN, G.; PEAR, J. Modificação do comportamento: o que é e como fazer? São Paulo: Rocca, 2009.

SILVARES, E. F. M. Estudos de caso em psicologia clínica comportamental infantil. Campinas: Papirus, 2000.

TEIXEIRA JÚNIOR, R. R.; SOUZA, M. A. O.; DIAS, M. F. Vocabulário de análise do comportamento. Santo André: ESETec, 2006.

3 - Atendimento Clínico a Famílias e Casais na Abordagem Sistêmica

COLOMBO, S. F. (org.) Gritos e sussurros interseções e ressonâncias:

Trabalhando com casais. São Paulo: Vetor, 2006, vol. II.

ELKAÏM, M. Como sobreviver à própria família. São Paulo: Integrate Editora,

2008.

5
5

KROM, M. Família e Mitos. Prevenção e terapia – resgatando histórias. São Paulo: Summus, 2000.

SCHEINKMAN, M. Para além do trauma da traição: reconsiderando a

infidelidade

http://www.michelescheinkman.com/ScheinkmanPortuguese2008.pdf

na

terapia

de

casal.

In:

WATZLAWICK, P.; BEAVIN, J. H.; JACKSON, D. D. Pragmática da comunicação humana: Um estudo dos padrões, patologia e paradoxos da interação. 12ª ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2001.

4 - Psicoterapia de Orientação Psicanalítica

GARBARD, G. Psiquiatria Psicodinâmica na Prática Clínica. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

na Prática Clínica. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. GEBARA, A. C. Técnica da interpretação em

GEBARA, A. C. Técnica da interpretação em psicoterapia breve operacionalizada. 1ª ed. São Paulo: Vetor, 2011.

KAHTUNI, H. C. Psicoterapia breve psicanalítica. São Paulo: Editora Escuta,

1996.

OLIVEIRA, I. T. Psicoterapia breve infantil: planejamento do processo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

ZIMERMAN, D. E. Manual de Técnica Psicanalítica. Porto Alegre: Artmed,

2004.

5

- Psicoterapia Cognitiva

GONÇALVES, M. M. Psicoterapia uma Arte Retórica: contributos das terapias narrativas. Portugal/Coimbra: Ed. Quarteto, 2003.

GONÇALVES, M. M. Terapia Centrada nas Soluções. Portugal/Coimbra: Ed. Quarteto, 2008.

GONZÁLEZ REY, L. F. Psicoterapia e Subjetiva e Pós-Modernidade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Ed. Thompson Pioneira, 2007.

GREENBERG, L. S.; PAVIO, S. Trabajar con las Emociones em Psicoterapia. Espanha/Barcelona: Paidós, 2000.

MAHONEY, M. J.; NIEMEYER, R. A. (org.) Construtivismo em Psicoterapia. Porto Alegre: ARTMED, 1997.

6
6