Você está na página 1de 9

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA – PARTE II

1. BARRILETE
Chama-se de BARRILETE a tubulação que interliga as duas metades da
caixa d’água e de onde partem as colunas de água. Podem ser do tipo ramificado
ou do tipo concentrado.

Barrilete ramificado

Barrilete concentrado
Trata-se de uma tubulação ligando as duas seções do reservatório superior,
e da qual partem as derivações correspondentes às diversas colunas de
alimentação. O barrilete é a solução que adota para se limitarem as ligações ao
reservatório. O traçado barrilete depende exclusivamente da localização das
colunas de distribuição. Estas por sua vez, devem ser localizadas de comum
acordo com a equipe envolvida no projeto global do edifício (arquiteto, engenheiro
do cálculo estrutural, etc.).
1.1. Sistema Unificado
Do barrilete ligando as duas seções do reservatório partem diretamente
todas as ramificações, correspondendo cada qual a uma coluna de alimentação.
Colocam-se dois registros que permitem isolar uma ou outra seção do
reservatório. Cada ramificação para a coluna correspondente tem seu registro
próprio. Deste modo, o controle e a manobra de abastecimento, bem como o
isolamento das diversas colunas, são feitos num único local da cobertura. Se o
número de colunas for muito grande, prolonga-se o barrilete além dos pontos de
inserção no reservatório.
1

Sistema ramificado Do barrilete saem ramais. o volume da reserva de incêndio. os bombeiros podem ligar um caminhão tanque com bomba que vai recalcar mais 2 . Esse sistema usado por razões de economia de tubulação dispensa os pontos de controle por registros. toda a água do reservatório superior poderá ser usada para combate ao fogo. Mesmo que a água acabe e que só tenha a água do reservatório superior. Tecnicamente. Já a saída do reservatório para alimentar o barrilete de incêndio é feita rente ao fundo. os quais por sua vez dão origem a derivações secundárias para as colunas de alimentação. coloca-se um registro.2. resguardando a reserva de incêndio. não é considerado tão bom quanto o primeiro. Em caso de incêndio. tendo no mínimo. Em um edifício existe o barrilete de distribuição de água e o barrilete de incêndio. ou no ramal do barrilete próximo à descida da coluna. Após a saída do reservatório existe uma Válvula de retenção que impede que a água dos hidrantes retorne ao reservatório.1. o edifício nunca vai consumir a água destinada ao combate de incêndio. Ainda neste caso. pois a tubulação é ligada em uma válvula no passeio do edifício e em caso de incêndio. na parte superior da coluna. A tomada d'água do barrilete de distribuição é alta.

água na coluna dos hidrantes. COLUNAS DE ÁGUA-FRIA Pelo método tradicional de projeto. cozinha sobre cozinha e área de serviço sobre área de serviço. cada coluna de água-fria também possui um registro de gaveta que também deverá ser acionado em caso de manutenção. Esse sistema de distribuição através de colunas independentes por ambientes inviabiliza ou. Um apartamento que tem um único 3 . no mínimo. 2. Na saída do reservatório existem os registros de gaveta destinados à manutenção das células e nas saídas do barrilete. Essa água deve sair nos hidrantes e não retornar ao reservatório. cada apartamento pode ter várias colunas de alimentação. Como temos banheiro sobre banheiro. dificulta muito a medição individual de água e faz com que o consumo de água no edificio seja rateado entre todos os moradores e cobrado na taxa de condomínio. cada ambiente ou conjuntos próximos de ambientes podem possuir colunas independentes. em um edifício de apartamentos. Dimensionamento Do Barrilete: Procedimento de cálculo:  Somar o peso de todas as colunas e determinar o diâmetro do barrilete através do ábaco de soma de pesos.

4 . As primeiras informações que precisamos saber para o dimensionamento das tubulações de água fria são:  O número de peças de utilização que esta tubulação irá atender. Um edifício com quatro apartamentos por andar. pois se queremos fazer uma medição individual. o apartamento terá uma única entrada para o abastecimento de todos os ambientes. A distribuição de água para um prédio partindo de um reservatório superior de acumulação é feita por meio de um sistema de encanamentos que compreende: sub-ramais. por exemplo.morador paga o mesmo que outro apartamento que tem uma família de 5 pessoas. não podemos mais ter várias colunas atendendo um apartamento. Pelas normas atuais. A partir do hidrômetro é que será feita a distribuição para todos os ambientes do apartamento através de tubulações horizontais. terá somente 4 colunas de água-fria com um hidrômetro em cada apartamento. Todas as tubulações das instalações prediais de água fria são dimensionadas para funcionar como condutos forçados. ramais.  A quantidade de água (vazão) que cada peça necessita para funcionar perfeitamente. colunas e barrilete. Conceito totalmente diferente do anterior.

DIMENSIONAMENTO DAS COLUNAS: As colunas são dimensionadas trecho por trecho. com as peças que serão atendidas em cada coluna.  Somar os pesos de baixo para cima do edifício. Os sub-ramais são dimensionados para atendimento da vazão mínima requerida pelo ponto de utilização. para isso. Procedimento de cálculo:  Ter em mãos o corte vertical do edifício. 5 .  Determinar o diâmetro dos tubos consultando o ábaco de soma dos pesos. SUB-RAMAIS E RAMAIS: Cada sub-ramal serve a uma peça de utilização ou aparelho sanitário apenas. será útil dispormos do esquema vertical da instalação. A tabela a seguir indica o diâmetro mínimo exigido em função do tipo de aparelho a ser conectado ao ponto de utilização. 3.

indústrias. O uso simultâneo de todas as peças de utilização instaladas dificilmente ocorrerá em instalações “normais”. que considera a vazão de alimentação e a probabilidade de uso simultâneo dos diversos equipamentos servidos pela rede. todas as peças podem estar em uso simultâneo. devido à praticidade do dimensionamento. CRITÉRIO DE CONSUMO MÁXIMO POSSÍVEL: Este critério se baseia na hipótese do uso simultâneo de todas as peças de utilização instaladas. colégios. da instrução etc. como em quadras de esporte. Embora o critério do consumo máximo possível conduza a diâmetros maiores. Em instalações de maior porte e nas quais o uso simultâneo não ocorrer. poderemos adotá-lo em pequenas instalações. ou seja. O uso simultâneo ocorrerá em instalações onde o regime de uso determina esta ocorrência. quartéis. o uso deste critério não é recomendado por razões econômicas. 6 . onde no final do jogo. admitindo-se que todos os equipamentos à ele conectados se encontrem em funcionamento ou ainda em função do consumo máximo provável.Os ramais podem ser dimensionados considerando-se o consumo máximo possível. do turno.

Os aparelhos.(O ábaco fornece o diâmetro do ramal de alimentação em função da vazão calculada). 7 . por exemplo pode ser utilizado de duas a quatro vezes por dia e cada banho pode durar de 15 a 20 minutos. são utilizados em intervalos de tempo diferentes e durante períodos de tempo diferentes. estaremos afirmando que todos os aparelhos funcionam simultaneamente. o que não é verdade e estaremos superdimensionando a tubulação. Existe a probabilidade de alguns aparelhos serem utilizados simultaneamente. sem superdimensionar o sistema. ΣP .CRITÉRIO DO CONSUMO MÁXIMO PROVÁVEL: Este critério se baseia na hipótese de que o uso simultâneo não ocorre. Utilizando esses pesos relativos estaremos dimensionamento a tubulação de uma forma muito mais realista. Diferente de um lavatório que pode ser utilizado 5 a 10 vezes por dia por 20 a 30 segundos cada. Este critério conduz a seções de tubulação menores que o critério anterior. Hunter. estatisticamente. sendo: Q = vazão em l/s P= Peso das peças de utilização  Procedimento de cálculo:Soma-se os pesos das duas peças de maior peso dos trechos a dimensionar e determinamos a vazão do trecho e o respectivo diâmetro através do ábaco da soma dos pesos. estabelecendo a cada um pesos relativos.  A vazão é determinada pela fórmula: Q = 0. se somarmos as Vazões de todos os aparelhos. Este tipo de consumo é o mais freqüente nas instalações prediais “normais”. Um chuveiro. Por exemplo. Neste caso ocorrerá um consumo máximo provável. portanto torna a instalação mais econômica.30. Existe a probabilidade de se utilizar o chuveiro e o lavatório ao mesmo tempo e esta probalidade também pode ser calculada estatisticamente. percebeu isso e mediu todos os períodos e intervalos de tempo de todos os aparelhos.

8 .

9 .