Você está na página 1de 20

ESTRUTURAS METÁLICAS

AULA -02

ESTRUTURAS METÁLICAS AULA -02 Estruturas Metálicas Rogério G. Jorge

Estruturas Metálicas

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO  Há cerca de 4.500 anos, o ferro metálico usado
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO  Há cerca de 4.500 anos, o ferro metálico usado
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO  Há cerca de 4.500 anos, o ferro metálico usado

Há cerca de 4.500 anos, o ferro metálico usado pelo homem era

encontrado in natura em meteoritos recolhidos por tribos nômades na Asia Menor.

Muitos defendem a hipótese de que o homem descobriu o ferro por

volta de 6.000 a 4.000 a.C.

Ele teria surgido por acaso quando pedras do minério de ferro usadas para proteger um fogueira, teriam fundindo-se com o calor do fogo.

O ferro passou a ser usado com frequência, partir do momento em que

descobriu-se como extrai-lo do seu minério em torno de 1.500 a.C.

Estruturas Metálicas

2

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

O minério de ferro começou a ser aquecido em fornos primitivos, (forno de lupa) para fabricar um quilo de ferro em barras, usava-se de dois a quatro

quilos de minério de ferro e cerca de quatro quilos de carvão vegetal.

Forno de lupa ou Forno Fechado
Forno de lupa ou
Forno Fechado

Estruturas Metálicas

Forja Catalã

3

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

Mas, aos poucos, novas técnicas foram sendo descobertas, tornando o ferro mais duro e resistente a corrosão.

Um exemplo disso foi a adição de calcário à mistura de ferro, o que possibilitava

melhor absorção de impurezas.

Após anos de uso de forno de lupa, surgiu a forja catalã (considerada o

embrião do Alto-fornos utilizados até os dias de hoje).

Ela apareceu na Espanha e foi utilizada durante toda a idade média.

Era uma lareira de pedras e foles que inflavam a forja de ar, o que aumentava a temperatura e com isso era POSSÍVEL OBTER FERRO NO ESTADO LIQUIDO.

Em torno de 1444, o minério de ferro passou a ser fundido em ALTO- FORNOS, processo que é usado até hoje.

As temperaturas atingidas nesses fornos eram ainda maiores o que permitia maior absorção de carbono o que tornava o ferro e as ligas de aço ainda mais duras e resistentes.

Estruturas Metálicas

4

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

PROCESSO SIDERÚRGICO

BASICAMENTE O AÇO É UMA LIGA DE FERRO E CARBONO.

O ferro é encontrado em toda crosta terrestre, o minério de ferro é um óxido de ferro, misturado com areia fina.

O carbono é também relativamente abundante na natureza. Na siderurgia usa-se o CARVÃO MINERAL, e em alguns casos o CARVÃO VEGETAL.

Antes de serem levados ao Auto-forno, o minério de ferro e o carvão são previamente preparados para melhoria do processo. O MINÉRIO É TRANSFORMADO EM PELOTAS E O CARVÃO É DESTILADO PARA OBTENÇÃO DO COQUE.

NO PROCESSO DE REDUÇÃO O FERRO SE LIQUEFAZ E É CHAMADO DE FERRO-GUSA. Ainda em estado liquido o ferro é levado para aciaria onde é transformado em aço.

O REFINO DO AÇO SE FAZ EM FORNOS A OXIGÊNIO OU ELÉTRICOS.

FINALMENTE, O AÇO É LAMINADO.

O aço em processo de solidificação é deformado mecanicamente para ser transformado em produtos utilizados pela indústria de transformação como chapas grossa e finas, barras, bobinas, perfilados, etc.

Estruturas Metálicas

5

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

Matérias-primas para a Siderurgia

As matérias-primas básicas para a indústria siderúrgica são:

básicas para a indústria siderúrgica são: Calcário C a r v ã o Minério de Ferro
básicas para a indústria siderúrgica são: Calcário C a r v ã o Minério de Ferro

Calcário

básicas para a indústria siderúrgica são: Calcário C a r v ã o Minério de Ferro

Carvão

a indústria siderúrgica são: Calcário C a r v ã o Minério de Ferro Outras matérias-primas,

Minério de Ferro

Outras matérias-primas, minérios principalmente, são igualmente importantes principalmente o manganês

pela sua presença em todos os processos siderúrgicos.

Estruturas Metálicas

Rogério G. Jorge

6

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

Os minerais que contem ferro em quantidades considerareis são os óxidos. Os principais

óxidos de ferro são:

- Magnetita (oxido ferro-ferroso) com 72,4% de Fe - Hematita (oxido férrico) com 69,9% de Fe

- Limonita (oxido hidratado de ferro) com 48,3% de Fe

-Siderita 48,0% teor de ferro

ferro) com 48,3% de Fe -Siderita – 48,0% teor de ferro Estruturas Metálicas A Magnetita é
ferro) com 48,3% de Fe -Siderita – 48,0% teor de ferro Estruturas Metálicas A Magnetita é
ferro) com 48,3% de Fe -Siderita – 48,0% teor de ferro Estruturas Metálicas A Magnetita é

Estruturas Metálicas

A Magnetita é um mineral magnético formado pelos óxidos de ferro II e III, cuja fórmula química é Fe₃O₄. A magnetita apresenta na sua

composição, aproximadamente, 69% de FeO e 31% de Fe₂O₃ ou 72,4%

de ferro e 26,7% de oxigênio.

Hematita ou hematite é um mineral de fórmula química óxido de ferro III, um dos diversos óxidos de ferro. O mineral contém, às

vezes, pequenas quantidades de titânio.

Limonite ou limonita é um termo aplicado a um grupo de óxidos de

ferro hidratados, amorfos e de cor amarela ou acastanhada,

formados a partir da oxidação de minerais que contêm ferro. Pode

também ocorrer como precipitado em lagos e pântanos.

7

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

CARVÃO MINERAL é um tipo de pedra que, ao longo de milhões de anos se formou através de altas pressões no interior da Terra.

se formou através de altas pressões no interior da Terra. Estruturas Metálicas CARVÃO VEGETAL provém da

Estruturas Metálicas

CARVÃO VEGETAL provém

da queima da madeira.

pressões no interior da Terra. Estruturas Metálicas CARVÃO VEGETAL provém da queima da madeira. 8 Rogério

8

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

FLUXO SIMPLIFICADO DE PRODUÇÃO

-02 – PRODUÇÃO DO AÇO FLUXO SIMPLIFICADO DE PRODUÇÃO Refino- Processo que controla a percentagem de
Refino- Processo que controla a percentagem de carbono e Fabricação do aço, resultante da transformação
Refino- Processo que controla
a percentagem de carbono e
Fabricação do aço, resultante
da transformação do ferro
gusa líquido em aço
se elimina o excesso de
impurezas que possam afetara
qualidade do aço.

9

Estruturas Metálicas

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

ALTO FORNO

São estruturas de aproximadamente 100 metros de altura e 13 metros de diâmetro.

Temperaturas elevadas que podem chegar até 1800.

Construídos com chapas de aço e revestidos com materiais refratários.

A produção diária em média de um alto forno varia de 5.000 a 10.000 toneladas

produção diária em média de um alto forno varia de 5.000 a 10.000 toneladas Estruturas Metálicas

Estruturas Metálicas

produção diária em média de um alto forno varia de 5.000 a 10.000 toneladas Estruturas Metálicas

10

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

A REMOÇÃO DO CARBONO DO FERRO-GUSA (PROCESSO LD)

Utilização de Oxigênio puro (Processo LD, processo moderno), lançados de 5 a 7 bar, através de uma lança introduzida de cima e ajustável na sua altura.

Os aditivos neste processo são os metais de liga desejados e a cal que tem o papel de fixar os fosfatos e

sulfatos em forma de escória.

Quando o carbono se esgota, isto é após cerca de 15 minutos.

Escória removida da superfície por um rodo.

Como não é possível para o processo LD definir o teor

de C, então o produto primário é um aço com 0% de C.

Para recolocar a quantidade desejada de C, pode-se misturar o ferro líquido-ralo com a quantidade controlada de ferro gusa do alto-forno, com ferro- espelho (= liga de Fe/Si) ou ferromanganês -

dependendo da finalidade do aço.

Junto ao componente que provoca a re-carbonização são adicionados nesta etapa os metais de liga desde que estejam desejados no produto acabado (aditivos mais usados, especialmente em aço inoxidável: Cr, Ni,

Mn, Mo, W).

Estruturas Metálicas

LD = Linz-Donawitzer, inventado na Áustria.

inoxidável: Cr, Ni, Mn, Mo, W). Estruturas Metálicas LD = Linz-Donawitzer , inventado na Áustria. 11

11

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

A remoção do carbono do ferro-gusa Processo FORNO ELÉTRICO A ARCO (EAF)

O fenômeno é caracterizado por uma altíssima densidade corrente (I), com resposta não linear em relação à diferença de potencial (ΔV).

O arco voltaico é um processo de descarga elétrica

Permite a reciclagem de vários tipos de metais ferrosos e não-ferrosos que contém resíduos

gerados pela indústria metalúrgica (pós ou lamas de

aço carbono ou inox de fornos elétricos à arco, resíduos de ferro-níquel, escória Waelz, catalisadores gastos, escória de cobre

A mistura se aquece então, torna-se inteiramente

).

líquida e pode ser aditivada por metais cujos pontos de fusão são elevadas (pro exemplo, W e Mo). Sendo assim, o teor em carbono pode ser acertado de forma direta, já que o processo elétrico

é menos violento do que LD e Thomas e dura em

torno de 30 minutos. Este processo é especialmente adequado para produzir valiosos aços inoxidáveis e especiais.

Estruturas Metálicas

Objetivo: fundir sucata metálica, convertendo-a em aço líquido, utilizando energia elétrica, convertida em calor
Objetivo: fundir sucata
metálica, convertendo-a em
aço líquido, utilizando energia
elétrica, convertida em calor
através pela radiação de arcos
elétricos criados entre o(s)
eletrodo(s) e peças de sucata
sólida (Metalurgia Primária).

12

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

LAMINAÇÃO

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO LAMINAÇÃO 13 Estruturas Metálicas Rogério G. Jorge

13

Estruturas Metálicas

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

Perfil I - abas paralelas

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Perfil I - abas paralelas Perfil H - abas paralelas

Perfil H - abas paralelas

DO AÇO Perfil I - abas paralelas Perfil H - abas paralelas Estruturas Metálicas Barras chatas

Estruturas Metálicas

Barras chatas Laminadas

abas paralelas Estruturas Metálicas Barras chatas Laminadas Barra Quadrada Perfil U C a n t o

Barra Quadrada

Estruturas Metálicas Barras chatas Laminadas Barra Quadrada Perfil U C a n t o n e

Perfil U

Metálicas Barras chatas Laminadas Barra Quadrada Perfil U C a n t o n e i

Cantoneiras

chatas Laminadas Barra Quadrada Perfil U C a n t o n e i r a

Perfil T

chatas Laminadas Barra Quadrada Perfil U C a n t o n e i r a

Barra Redonda

chatas Laminadas Barra Quadrada Perfil U C a n t o n e i r a

14

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 15 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 15 Rogério G. Jorge

Estruturas Metálicas

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 15 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 15 Rogério G. Jorge

15

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 16 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 16 Rogério G. Jorge

Estruturas Metálicas

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 16 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 16 Rogério G. Jorge

16

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 17 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 17 Rogério G. Jorge

Estruturas Metálicas

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 17 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 17 Rogério G. Jorge

17

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 18 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 18 Rogério G. Jorge

Estruturas Metálicas

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 18 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 18 Rogério G. Jorge

18

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 19 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 19 Rogério G. Jorge

Estruturas Metálicas

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 19 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 19 Rogério G. Jorge

19

Rogério G. Jorge

AULA -02PRODUÇÃO DO AÇO

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 20 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 20 Rogério G. Jorge

Estruturas Metálicas

AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 20 Rogério G. Jorge
AULA -02 – PRODUÇÃO DO AÇO Estruturas Metálicas 20 Rogério G. Jorge

20

Rogério G. Jorge