Você está na página 1de 8

Introdução

Na natureza, raramente encontramos substâncias puras. O mundo que nos rodeia é constituído por sistemas formados por mais de uma substância: as misturas. Às misturas homogêneas dá-se o nome de soluções. Logo, podemos dizer que, soluções são misturas de duas ou mais substâncias que apresentam aspecto uniforme. A água que

bebemos, os refrigerantes, os combustíveis, diversos

produtos de limpeza

são exemplos de soluções. Os componentes de uma solução são

chamados soluto e solvente:

Soluto

é a substância dissolvida

no solvente.

Em geral,

está em

menor quantidade na solução.

-

Solvente

é a substância que dissolve o soluto.

 

Objectivos

- Utilizar adequadamente os materiais de laboratório para preparar soluções.

- Preparar correctamente soluções por diluição e por dissolução.

1
1

Fundamentos Teóricos

Uma solução é sempre formada pelo soluto e pelo solvente. A água é chamada de solvente universal. Isso porque ela dissolve muitas substâncias e está presente em muitassoluções. As soluções podem ser formadas por qualquer combinação envolvendo os três estados físicos da matéria: sólido, líquido e gasoso.

Classificação das soluções quanto ao seu estado físico: podem ser sólidas, líquidas ou gasosas.

  • - Solução líquida: pelo menos um dos componentes encontra-se no estado líquido exemplos: refrigerantes, HCl 1M ...

    • - Solução sólida: os componentes estão no estado sólido a

temperatura ambiente exemplos: bronze que é uma liga de Cu+Sn,

Ouro(Au) 18K é uma liga composta de (75%Au+12,5%Cu+12,5%Ag).

  • - Solução gasosa: todos os componentes se encontram no estado

gasoso um bom exemplo é o nosso ar atmosférico, desde que seja filtrado

para remover a poeira, basicamente composto por oxigênio 21%, nitrogênio 78%, gás carbônico 0,03% e mais seis gases 0,97% argônio, criptônio, hélio, neônio, radônio e xenônio.

De acordo com a quantidade de soluto dissolvido, podemos classificar as soluções:

Soluções

saturadas

contêm uma quantidade de soluto dissolvido

igual à sua solubilidade naquela temperatura,

isto

é, excesso

de

soluto, em relação ao valor do

dissolve, e constituirá o corpo de fundo.

 

Soluções

insaturadas

contêm uma quantidade de soluto dissolvido

menor que a sua solubilidade naquela temperatura.

2
2

Soluções supersaturadas (instáveis)

contêm

uma

quantidade

de

soluto dissolvido maior que a sua solubilidade naquela temperatura.

Quando

a

solução

é

preparada

pela

mistura de dois líquidos,

considera-se como solvente o liquido em maior quantidade. Devido á água

dissolver uma grande solvente universal.

quantidade de substâncias ela é considerada o

Unidades de concentração:

Concentração comum (C) g

:

 Soluções supersaturadas (instáveis) contêm uma quantidade de soluto dissolvido maior que a sua solubilidade naquela

g/L (grama or litro), relaciona a massa do soluto

em gramas com o volume da solução em litro e utilizada é g/L mas

encontramos em g/mL, g/cm 3s 50 g de sulfato de níquepara 1 L

Densidade da solução (D)

 Soluções supersaturadas (instáveis) contêm uma quantidade de soluto dissolvido maior que a sua solubilidade naquela

deve ter o almente, as unidades usadas são g/mL ou g/

Concentração Molar ou Molaridade

  • ,

 Soluções supersaturadas (instáveis) contêm uma quantidade de soluto dissolvido maior que a sua solubilidade naquela
 Soluções supersaturadas (instáveis) contêm uma quantidade de soluto dissolvido maior que a sua solubilidade naquela

Título relaciona a massa do soluto com a massa da solução:

 Soluções supersaturadas (instáveis) contêm uma quantidade de soluto dissolvido maior que a sua solubilidade naquela

ou

 Soluções supersaturadas (instáveis) contêm uma quantidade de soluto dissolvido maior que a sua solubilidade naquela
3
3

Materiais

Reagentes

Um Vidro de relógio

Água destilada

Uma vareta de vidro

Cloreto de potássio extra puro

Dois Béqueres, 250ml

Ácido clorídrico concentrado

Uma Espátula

Uma Balança analítica

Papel de filtro

Duas provetas 100ml

Três balões volumétricos, 100ml, 200ml e 250ml

 

Um Funil

Um esguicho

Dois conta-gotas

Dois Frascos para guardar soluções.

4
4

Procedimento Experimental

PREPARAÇÃO DE SOLUÇÃO POR DISSOLUÇÃO.

Preparação de 100 ml de solução 1M KCl.

  • 1 – Medir rigorosamente num papel de filtro a massa de KCl necessária para

preparar a solução pretendida.

  • 2 – Transferir o sal para um balão volumétrico de 100 ml.

  • 3 – Dissolver o conteúdo do balão com quantidade suficiente de água

destilada.

  • 4 – Adicionar água destilada para perfazer a capacidade do balão e

homogeneizar a solução.

  • 5 – Transferir a solução para um frasco limpo e seco, lavando antes o frasco

uma ou duas vezes com um pouco da própria solução.

  • 6 – Rotular e guardar a solução

PREPARAÇÃO DE SOLUÇÃO POR DILUIÇÃO.

Preparação de 250 ml de solução grosseira, aproximadamente 0,10 mol/l

em cloreto de potássio.

  • 1 – Calcular o volume de KCl que contém a quantidade necessária para

preparar a solução pretendida.

  • 2 – Medir o volume calculado numa pipeta de capacidade adequada.

  • 3 – Adicionar água destilada até ao traço de referência, agitar e

homogeneizar.

  • 4 – Rotular e guardar a solução.

PREPARAÇÃO DE SOLUÇÃO POR DILUIÇÃO.

Preparação de 250 ml de solução grosseira, aproximadamente 0,10 mol/l

em ácido clorídrico.

  • 1 – Verificar a massa molar, a densidade e a concentração do ácido

clorídrico.

  • 2 – Calcular o volume de ácido que contém a quantidade necessária para

preparar a solução pretendida.

  • 3 – Na hott ou na capela, medir o volume calculado numa proveta de

capacidade adequada.

  • 4 – Colocar cerca de 100 mL de água destilada em um béquer graduado de

5
5

250 mL. Levar o béquer para junto da proveta contendo o ácido.

5

– Verter lentamente sobre a água, o ácido contido na proveta agitando

constantemente a solução com uma vareta de vidro.

  • 6 – Enxaguar a proveta com água destilada e adicionar o conteúdo ao

béquer.

  • 7 – Perfazer a capacidade do béquer e transferir a solução para um frasco

limpo e seco, conforme os procedimentos anteriores.

  • 8 – Rotular e guardar a solução.

Resultados obtidos e discussão

Preparação da solução por dissolução :

Concentração Molar: C n

= m 1 /MM 1 .V (mol/l);

Massa do soluto: m= C n . V. MM (g);

MM 1 =74,54 g (KCl)

C= 1mol/l

V=100ml

Resultado obtido da massa do soluto, m= 7,454g (Kcl);

Calculamos a massa do soluto que nos serviu de auxílio para preparação da

solução pretendida;

Preparação da solução por diluição: KCl

C 1 = 1mol/l

C 2 = 0,10 mol/l

V 2 = 250ml

Aplicando a

lei da diluição:

C 1 . V 1 = C 2 . V 2

V 1 = C 2 . V 2 /

C 1

O resultado obtido do volume V 1 = 25ml (Kcl)

6
6

Calculamos o volume que nos serviu de auxílio para preparação da solução

pretendida;

Preparação da solução por diluição com HCl

C 2 = 0,10 mol/l

V 2 = 250 ml

C 1 = 12mol/l

Densidade HCl = 1,19 g/ml

MM HCl = 36,5 g/mol

Aplicando

a lei da diluição:

C 1 .

V 1 = C 2 . V 2

Isolando

Volume1 temos : V 1 = C 2 . V 2 / C 1

V 1 = 2 ml

Calculamos a volume que nos serviu de auxílio para preparação da solução

pretendida;

7
7

Conclusão

O preparo de soluções é algo muito importante e comum dentro de

um laboratório. Por isso, deve-se saber como realizar esses procedimentos

corretamente, desde a medida e pesagem das substâncias até o

armazenamento delas em recipientes apropriados, passando por etapas

como a transferência quantitativa da solução para o balão volumétrico, a

homogeneização da solução e ambientação da vidraria utilizada.

Referências bibliográficas

Relatório com base nas informações dadas pelo Docente e pelo

material por ele fornecido.

Transformações Químicas – Apostila para as aulas práticas; Fabiano

Molinos de Andrade e Rafael Pavão de Chagas;

Fundamentos de Química Analítica, 8ª edição; Skoog, West, Holler e

Crouch, 2005.

8
8