PREPARO DE SOLUÇÕES A concentração de soluções é de importância fundamental na prática biológica.

Alguns conceitos devem ser lembrados: Solução: é a mistura unifásica de mais de um componente. Soluto e Solvente – na dissolução de uma substância em outra substância, a que se dissolveu (disperso) é chamada soluto e o meio em que foi dissolvida (dispersor) é chamada solvente. Solução aquosa é aquela na qual o solvente é a água, solvente natural nos sistemas biológicos. Solução Standard (Padrão) – é aquela cuja concentração é rigorosamente conhecida. Solução diluída é aquela que contém proporções relativamente pequenas de soluto. Concentração de uma solução refere-se à quantidade de soluto em uma dada quantidade de solução. Costuma-se expressar essa concentração em unidades Físicas e/ou Químicas. Unidades Físicas Quando se utiliza unidade física, a concentração da solução é geralmente expressa nas seguintes maneiras: 1 – pelo peso do soluto por volume-unidade (ex.20g de KCl por l de solução) 2 – percentagem da composição pode relacionar volume de soluto por 100 ml de solução (%V/V) pode relacionar peso do soluto por 100 g de solução (% p/p). Quando falarmos em percentagem, sem especificar as grandezas relacionadas estaremos nos referindo a peso/volume. Exemplo: NaCl 1% ( = 1g de NaCl em 100 ml de solução) 3 – pelo peso do soluto em relação ao peso do solvente Ex. 0,05 de NaCl em 1g de água. Unidades Químicas 1 - Molaridade (M) – relaciona número de moléculas-grama (moles) de soluto com volume da solução em litros. M = n/v ; onde M = molaridade n = número de moles do soluto v = volume da solução em litros n = m/mol ; onde n = número de moles m = massa em gramas mol = molécula-grama 2 – Molalidade (m) – relaciona o número de moléculas-grama (moles) de soluto por quilograma de solvente. 3 – Normalidade (N) – é a relação entre o número de equivalentes-grama do soluto e o volume da solução em litros.

c) dos Sais. a quantidade de soluto permanecendo a mesma. Quando aumentamos o volume da solução de V1 para V2.N = e/v : onde N = normalidade e = nº de equivalentes-grama do soluto v = volume da solução em litros e = m/Eq : onde m = massa da substância em gramas Eq = equivalente-grama Para calcular o equivalente-grama basta dividir o valor do peso molecular: a) dos Ácidos. pelo nº de íons metálicos (cátion ou ânion) multiplicado por sua valência. a partir de uma solução 3 M.15 M. . Diluição Tem-se uma solução de molaridade M1 e volume V1 e deseja-se obter a molaridade M2. Sendo o nº de moles do soluto da solução original. Objetivo: o aluno deverá preparar soluções e resolver problemas. Para a solução inicial: n = M1V1 Para a solução diluída: n = M2V2 Portanto: M1V1 = M2V2 O mesmo raciocínio é aplicado para a normalidade. na solução final teremos o número n de moles de soluto. pelos seus hidrogênios dissociáveis. para tanto é necessário conhecer o volume V2 a que deve ser diluída a solução inicial. buscando relacionar esses experimentos à pratica de enfermagem.8%. b) das Bases. b) 50 ml de citrato de sódio 0. pelo número de grupos OH ou pela valência do íon metálico. I – Responda: A partir de uma solução estoque de proteína a 10%. . acrescenta-se apenas solvente. a) que volume dessa solução seria necessário para preparar 10 ml de uma solução contendo 1000 µg/ml? b) quantas vezes seria necessário diluir essa solução estoque para fazer uma solução a 10 mg/ml? II – Prepare: a) 100 ml de salina numa concentração final de 0.

4. . b) o pH da solução salina preparada no ítem II e ajuste-o para pH 7. III – Determine: a) a concentração celular da suspensão apresentada.c) diluição seriada (base 2) da solução apresentada num volume final de 1 ml (em água destilada). e) 10 ml da solução apresentada numa diluição 1:20. d) 10 ml da solução apresentada numa diluição 1:5. utilizando câmara de neubauer.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful