Você está na página 1de 3

“O não acesso à Educação é a causa da criminalidade.


“A baixa classe socioeconômica é fator determinante da criminalidade.”
“Alguém com menos de 18 anos de idade não tem consciência de seus
atos.”
Essas são apenas 3 das mentiras falaciosas repetidas ad nauseam pelos
esquerdistas e basbaques que amam passeatas inócuas e
involuntariamente cômicas que pedem paz após algum crime chocante, os
famosos defensores daqueles que são chamados de “Direitos Humanos” (os
criminosos riem lagos com esse tipo de manifestação...). O fato é que, seja
por inércia política, inocência, ideologia ou mau-caratismo, ambos os
espécimes citados contribuem, cada um à sua maneira para instauração do
caos social, e eliminação total de qualquer senso de justiça que a nossa
sociedade desenvolveu desde tempos ancestrais. Desconstruindo as
bobagens:
a. O acesso ou não ao ensino, não gera criminosos. Esta é uma falácia
pueril... se assim fosse, todo analfabeto seria um criminoso insano. O
acesso à educação/ensino (principalmente de base), é peça
fundamental para criar cidadãos com ânsia de absorção cultural e
preparo para a vida em sociedade e posterior mercado de trabalho,
mas com a defasagem educacional na qual nos encontramos, levar
tal ensino de qualidade a todos, corrigindo todas as distorções
percebidas ainda vai levar vários anos (lembrando que vontade
política conta muitíssimo). O crime é uma escolha, não um resultante
da (des)educação ou desinstrução.
b. A classe econômica por si só não gera criminosos. Outra contradição
estúpida da militância esquerdista, que acusa a direita de “não gostar
de pobres”, mas assume em seu discurso a certeza de que pobre só
tem um destino: ser criminoso por que é pobre. como exemplos
recentes, temos o caso dos criminosos que queimaram a dentista no
ABC paulista: eles fugiram no Audi da mãe do criminoso de 17 anos.
Ou mesmo o da S. Richthofen que massacrou os pais em conluio com
o namorado e o cunhado. É interessante lembrar que a classificação
como pobre ou burguês, se dá apenas através por autodenominação.
Não há um critério para classificação utilizando estes termos ou
semelhantes para classificação de terceiros. Qualquer coisa que rume
neste sentido pode ser classificado como preconceito de classe.
Novamente, o crime é uma escolha independente de condicionantes
socioeconômicos;
c. Fato óbvio: Se alguém com menos de 18 anos não tivesse consciência
de seus atos não teria Título eleitoral, CNH, não trabalharia ou
estagiaria em empresas estabelecidas socialmente, impossibilitadas
de contratar incapazes. O fato é: nós conhecemos a morte e a
tristeza (TODOS NÓS, sem distinção de cor ou classes), muito cedo.
Excetuando talvez casos de retardo mental, qualquer pessoa com
mais de 5 anos de idade sabe como é sofrer ou como é causar dor (a

Eu. Isentar de culpa um criminoso que impede que um inocente volte para casa em segurança. posto que nem sequer é pauta de nenhuma das conversações a respeito de segurança pública. é um mistério que apenas classificando o esquerdismo como uma doença mental grave. Precisamos URGENTEMENTE de ao menos uma destas reformas: a. Antes que algum “teórico” da compaixão pelo crime e seus autores “vitimados” por aquela “sociedade malvada”. Reduzir a maioridade penal para crimes considerados graves ou hediondos. Esta última talvez a mais difícil de ser obtida no cenário atual. Sem condescendência para assassinos. como o fez magistralmente o psiquiatra forense Lyle Rossiter. se adiantem em dizer que . ou mesmo minimizar esta culpa frente alguma falácia de cunho ideológico e social é imperdoável. sem limite além do imposto por esta (é um teatro totalmente estúpido para a sociedade assistir: um julgamento no qual o juiz imputa 150 anos a um criminoso que não poderá cumprir mais de 30 em regime fechado – e com as progressões. o criminoso de 17 anos que atirou na cabeça do rapaz em Santa Catarina mesmo após este lhe ter entregue o celular e não esboçado nenhuma reação tinha total consciência do que estava fazendo. b. que é uma urgência aceita pela maioria há vários anos. sou a favor da descriminalização e da licença para porte de armas pelo cidadão comum. podemos entender. temos de focar na primeira. Como alguém consegue vitimar o criminoso e criminalizar a vítima. d. O crime é uma escolha CONSCIENTE. não me aprofundarei em conjecturações). Voltar o regime em que um condenado cumpre toda a pena determinada. desde que seguidos seriamente alguns critérios de modo a garantir a sua segurança e a dos demais. Ao assumir o “direito” de tirar uma vida. anulando-a enquanto indivíduo e dissolvendo-a como a um carma no corpo de uma entidade abstrata a qual dão o nome de "sociedade". mas como essa não é minha área de conhecimento e atuação.). Portanto..eles não tiveram empatia ou condescendência nenhuma com suas vítimas. estupradores e congêneres . pessoalmente. o criminoso que esfaqueou de forma mortal o médico na Lagoa no Rio de Janeiro tinha total consciência do que estava fazendo (e uma extensa ficha criminal nos dá provas disso. esta pena pode chegar a 1/3 disto). e automaticamente cedendo a sua própria vida para a punição adequada.. o criminoso está ciente do ato. c.forma como uma criança lida com isso pode ser diferente da de um adulto. Rever a aplicação de penas aos condenados (acabar com o regime de progressão para crimes hediondos já seria um começo). O que importa para a nossa realidade é que: os 3 criminosos de 13 e 16 anos que estupraram a menina no banheiro da escola tinham consciência do que estavam fazendo.

Novamente: NADA VAI ACABAR COM O CRIME. cumprindo sua pena integralmente. . inveja e todas as mazelas que podem decorrer disto. não poderíamos fechar os olhos sacrificando a maioria honesta em prol de uma minoria que tem o dano criminoso como escolha de vida. a vida e patrimônio de “n” possíveis vítimas serão poupadas. com uma extensa ficha de atrocidades estiver preso (independente da idade que este tenha). Enquanto seres humanos caminharem na terra haverá cobiça. luxúria. este algo é: rever o ECA. só posso argumentar o óbvio: Caríssimas musas inflamadas pela Síndrome de Estocolmo: nada vai acabar com o crime. mas a maioria não deve se sacrificar pelas escolhas mal intencionadas da minoria. construir mais cadeias e garantir que elas sejam ocupadas por quem merece lá estar. A situação é bastante simples de ser compreendida: é necessário que algo seja feito AGORA. E mesmo que o problema pudesse ser magicamente reduzido ao binômio educação e classe social. Mas a partir do momento em que um criminoso contumaz.nenhuma destas medidas acabaria com o crime. do que uma parte considerável da população que opta pela via mais difícil (trabalho e renda honesta). quem OPTA pela via criminosa. Já está mais do que demonstrado que. E no presente momento. Nunca. em geral tem ao seu dispor muito mais ferramental educacional (seja por iniciativa pública ou privada).