Você está na página 1de 632

1

Índice
Parte 1 – Teoria

Eletrostática
Carga elétrica e processos de eletrização 3
Força elétrica – Lei de Coulomb 9
Campo elétrico 10
Potencial Elétrico 16
Eletrodinâmica
Corrente elétrica 20
Resistência elétrica 22
Resistores 25
Potência elétrica 29
Consumo de energia elétrica 31
Segunda Lei de ohm 32
Geradores 33
Capacitores 43
Eletromagnetismo
Ímãs e Campo Magnético 45
Força Magnética sobre uma Carga 51
Força Magnética sobre um fio 57
Campo Magnético gerado por um fio 59
Campo Magnético gerado por uma espira e por um solenoide 63
Indução Eletromagnética 68
Força Eletromotriz Induzida 77

Parte 2 - Exercícios
Eletrostática
Carga Elétrica e Processos de Eletrização 85
Força Elétrica - Lei de Coulomb 115
Campo Elétrico 134
Potencial Elétrico 166
Trabalho da Força Elétrica 189
Eletrodinâmica
Corrente Elétrica 211
Potência Elétrica - Energia Elétrica 231
Resistores - Primeira Lei de Ohm 259
Resistividade - Segunda Lei de Ohm 285
Associações de Resistores 301
Geradores 322
Eletromagnetismo
Ímãs e Campo Magnético 336
Força Magnética sobre uma Carga 366
Força Magnética sobre um fio 400
Campo Magnético gerado por um fio 410
Campo Magnético gerado por uma espira e por um solenoide 429
Indução Eletromagnética 441
Força Eletromotriz induzida 453

Parte 3 - Resolução dos Exercícios


Eletrostática
Carga Elétrica e Processos de Eletrização 464
Força Elétrica - Lei de Coulomb 472
Campo Elétrico 482
Potencial Elétrico 502
Trabalho da Força Elétrica 512
Eletrodinâmica
Corrente Elétrica 522
Potência Elétrica - Energia Elétrica 527
2

Resistores - Primeira Lei de Ohm 533


Resistividade - Segunda Lei de Ohm 541
Associações de Resistores 546
Geradores 562
Eletromagnetismo
Ímãs e Campo Magnético 571
Força Magnética sobre uma Carga 584
Força Magnética sobre um fio 603
Campo Magnético gerado por um fio 608
Campo Magnético gerado por uma espira e por um solenoide 618
Indução Eletromagnética 625
Força Eletromotriz induzida 629
3

FÍSICA – ELETRICIDADE
PARTE 1 – TEORIA E CONCEITOS

ELETROSTÁTICA

Carga elétrica e processos de eletrização

Toda a matéria que conhecemos é formada por moléculas. Esta, por sua vez, é formada
de átomos, que são compostos por três tipos de partículas elementares: prótons,
nêutrons e elétrons.

Os átomos são formados por um núcleo, onde ficam os prótons e nêutrons e uma
eletrosfera, onde os elétrons permanecem, em órbita.

Os prótons e nêutrons têm massa praticamente igual, mas os elétrons têm massa
milhares de vezes menor. Sendo m a massa dos prótons, podemos representar a massa
dos elétrons como:

Ou seja, a massa dos elétrons é aproximadamente 2 mil vezes menor que a massa dos
prótons.

Podemos representar um átomo, embora fora de escala, por:

Se pudéssemos separar os prótons, nêutrons e elétrons de um átomo, e lançá-los em


direção à um imã, os prótons seriam desviados para uma direção, os elétrons a uma
direção oposta a do desvio dos prótons e os nêutrons não seriam afetados.
4

Esta propriedade de cada uma das partículas é chamada carga elétrica. Os prótons são
partículas com cargas positivas, os elétrons tem carga negativa e os nêutrons tem carga
neutra.

Um prótons e um elétrons têm valores absolutos iguais embora tenham sinais opostos.
O valor da carga de um próton ou um elétrons é chamado carga elétrica elementar e
simbolizado por e.

A unidade de medida adotada internacionalmente para a medida de cargas elétricas é o


coulomb (C).

A carga elétrica elementar é a menor quantidade de carga encontrada na natureza,


comparando-se este valor com coulomb, têm-se a relação:

A unidade coulomb é definida partindo-se do conhecimento de densidades de corrente


elétrica, medida em ampère (A), já que suas unidades são interdependentes.

Um coulomb é definido como a quantidade de carga elétrica que atravessa em um


segundo, a secção transversal de um condutor percorrido por uma corrente igual a 1
ampère.

A única modificação que um átomo pode sofrer sem que haja reações de alta liberação
e/ou absorção de energia é a perda ou ganho de elétrons.

Por isso, um corpo é chamado neutro se ele tiver número igual de prótons e de elétrons,
fazendo com que a carga elétrica sobre o corpo seja nula.

Pela mesma analogia podemos definir corpos eletrizados positivamente e


negativamente.

Um corpo eletrizado negativamente tem maior número de elétrons do que de prótons,


fazendo com que a carga elétrica sobre o corpo seja negativa.

Um corpo eletrizado positivamente tem maior número de prótons do que de elétrons,


fazendo com que a carga elétrica sobre o corpo seja positiva.

Fique atento:

É comum haver confusão sobre corpos positivamente carregados,


principalmente, já que é plausível de se pensar que para que o corpo tenha
carga elétrica positiva ele deva receber carga elétrica positiva, ou seja, ganhar
prótons.

Quando na verdade um corpo está positivamente carregado se ele perder


elétrons, ficando com menos carga elétrica negativa.

Para que durante os cálculos você não se confunda, lembre que a física vista a
5

nível de ensino médio estuda apenas reações elementares e cotidianas, como o


movimento de elétrons. As reações onde as partículas intranucleares (nêutrons
e prótons) podem ser modificadas são estudadas na parte da ciência conhecida
como Física Nuclear.

Eletrizar um corpo significa basicamente tornar diferente o número de prótons e de


elétrons (adicionando ou reduzindo o número de elétrons).

Podemos definir a carga elétrica de um corpo (Q) pela relação:

Onde:

Q= Carga elétrica, medida em coulomb no SI

n= quantidade de cargas elementares, que é uma grandeza adimensional e têm sempre


valor inteiro (n=1, 2, 3, 4 ...)

e= carga elétrica elementar ( )

A eletrostática é basicamente descrita por dois princípios, o da atração e repulsão de


cargas conforme seu sinal (sinais iguais se repelem e sinais contrários se atraem) e a
conservação de cargas elétricas, a qual assegura que em um sistema isolado, a soma de
todas as cargas existentes será sempre constante, ou seja, não há perdas.

Processos de eletrização

Considera-se um corpo eletrizado quando este tiver número diferente de prótons e


elétrons, ou seja, quando não estiver neutro. O processo de retirar ou acrescentar
elétrons a um corpo neutro para que este passe a estar eletrizado denomina-se
eletrização.
Alguns dos processos de eletrização mais comuns são:

Eletrização por Atrito:

Este processo foi o primeiro de que se tem conhecimento. Foi descoberto por volta do
século VI a.C. pelo matemático grego Tales de Mileto, que concluiu que o atrito entre
certos materiais era capaz de atrair pequenos pedaços de palha e penas.

Posteriormente o estudo de Tales foi expandido, sendo possível comprovar que dois
corpos neutros feitos de materiais distintos, quando são atritados entre si, um deles fica
eletrizado negativamente (ganha elétrons) e outro positivamente (perde elétrons).
Quando há eletrização por atrito, os dois corpos ficam com cargas de módulo igual,
porém com sinais opostos.
Esta eletrização depende também da natureza do material, por exemplo, atritar um
6

material com uma material pode deixar carregado negativamente e


positivamente, enquanto o atrito entre o material e outro material é capaz de
deixar carregado negativamente e positivamente.
Convenientemente foi elaborada uma lista em dada ordem que um elemento ao ser
atritado com o sucessor da lista fica eletrizado positivamente. Esta lista é chamada série
triboelétrica:

Eletrização por contato:

Outro processo capaz de eletrizar um corpo é feito por contato entre eles.
Se dois corpos condutores, sendo pelo menos um deles eletrizado, são postos em
contato, a carga elétrica tende a se estabilizar, sendo redistribuída entre os dois, fazendo
com que ambos tenham a mesma carga, inclusive com mesmo sinal.
O cálculo da carga resultante é dado pela média aritmética entre a carga dos condutores
em contato.
7

Por exemplo:

• Um corpo condutor A com carga é posto em contato com outro corpo


neutro . Qual é a carga em cada um deles após serem separados.

• Um corpo condutor A com carga é posto em contato com outro corpo


condutor B com carga , após serem separados os dois o corpo A é
posto em contato com um terceiro corpo condutor C de carga qual é a
carga em cada um após serem separados?

Ou seja, neste momento:

Após o segundo contato, tem-se:

E neste momento:

Ou seja, a carga após os contados no corpo A será +1C, no corpo B será -2C e no corpo
C será +1C.

Um corpo eletrizado em contato com a terra será neutralizado, pois se ele tiver falta de
elétrons, estes serão doados pela terra e se tiver excesso de elétrons, estes serão
descarregados na terra.

Eletrização por indução eletrostática:

Este processo de eletrização é totalmente baseado no princípio da atração e repulsão, já


que a eletrização ocorre apenas com a aproximação de um corpo eletrizado (indutor) a
um corpo neutro (induzido).
O processo é dividido em três etapas:
- Primeiramente um bastão eletrizado é aproximado de um condutor inicialmente
neutro, pelo princípio de atração e repulsão, os elétrons livres do induzido são
atraídos/repelidos dependendo do sinal da carga do indutor.
8

- O próximo passo é ligar o induzido à terra, ainda na presença do indutor.

- Desliga-se o induzido da terra, fazendo com que sua única carga seja a do sinal oposto
ao indutor.
9

Após pode-se retirar o indutor das proximidades e o induzido estará eletrizado com sinal
oposto à carga do indutor e as cargas se distribuem por todo o corpo.

Força Elétrica – Lei de Coulomb

Esta lei, formulada por Charles Augustin Coulomb, refere-se às forças de interação
(atração e repulsão) entre duas cargas elétricas puntiformes, ou seja, com dimensão e
massa desprezível.
Lembrando que, pelo princípio de atração e repulsão, cargas com sinais opostos são
atraídas e com sinais iguais são repelidas, mas estas forças de interação têm intensidade
igual, independente do sentido para onde o vetor que as descreve aponta.
O que a Lei de Coulomb enuncia é que a intensidade da força elétrica de interação
entre cargas puntiformes é diretamente proporcional ao produto dos módulos de cada
carga e inversamente proporcional ao quadrado da distância que as separa. Ou seja:

Onde a equação pode ser expressa por uma igualdade se considerarmos uma constante
k, que depende do meio onde as cargas são encontradas. O valor mais usual de k é
considerado quando esta interação acontece no vácuo, e seu valor é igual a:

Então podemos escrever a equação da lei de Coulomb como:

Para se determinar se estas forças são de atração ou de repulsão utiliza-se o produto de


suas cargas, ou seja:

Campo Elétrico
Assim como a Terra tem um campo gravitacional, uma carga Q também tem um campo
que pode influenciar as cargas de prova q nele colocadas. E usando esta analogia,
podemos encontrar:
10

Desta forma, assim como para a intensidade do campo gravitacional, a intensidade do campo
elétrico (E) é definido como o quociente entre as forças de interação das cargas geradora do
campo (Q) e de prova (q) e a própria carga de prova (q), ou seja:

Chama-se Campo Elétrico o campo estabelecido em todos os pontos do espaço sob a


influência de uma carga geradora de intensidade Q, de forma que qualquer carga de
prova de intensidade q fica sujeita a uma força de interação (atração ou repulsão)
exercida por Q.

Já uma carga de prova, para os fins que nos interessam, é definida como um corpo
puntual de carga elétrica conhecida, utilizado para detectar a existência de um campo
elétrico, também possibilitando o cálculo de sua intensidade.

Vetor Campo Elétrico


11

Voltando à analogia com o campo gravitacional da Terra, o campo elétrico é definido


como um vetor com mesma direção do vetor da força de interação entre a carga
geradora Q e a carga de prova q e com mesmo sentido se q>0 e sentido oposto se q<0.
Ou seja:

A unidade adotada pelo SI para o campo elétrico é o N/C (Newton por coulomb).

Interpretando esta unidade podemos concluir que o campo elétrico descreve o valor da
força elétrica que atua por unidade de carga, para as cargas colocadas no seu espaço de
atuação.

O campo elétrico pode ter pelo menos quatro orientações diferentes de seu vetor devido
aos sinais de interação entre as cargas, quando o campo é gerado por apenas uma carga,
estes são:

Quando a carga de prova tem sinal negativo (q<0), os vetores força e campo
elétrico têm mesma direção, mas sentidos opostos, e quando a carga de prova
tem sinal positivo (q>0), ambos os vetores têm mesma direção e sentido

Já quando a carga geradora do campo tem sinal positivo (Q>0), o vetor campo
elétrico tem sentido de afastamento das cargas e quando tem sinal negativo
(Q<0), tem sentido de aproximação, sendo que isto não varia com a mudança
do sinal das cargas de provas.
12

Quando uma única partícula é responsável por gerar um campo elétrico, este é gerado
em um espaço que a circunda, embora não esteja presente no ponto onde a partícula é
encontrada.

Campo elétrico gerado por mais do que uma partícula eletrizada.

Quando duas ou mais cargas estão próximas o suficiente para que os campos gerados
por cada uma se interfiram, é possível determinar um campo elétrico resultante em um
ponto desta região.

Para isto, analisa-se isoladamente a influência de cada um dos campos gerados sobre um
determinado ponto.

Por exemplo, imaginemos duas cargas postas arbitrariamente em um ponto A e outro B,


com cargas e , respectivamente. Imaginemos também um ponto P sob a
influência dos campos gerados pelas duas cargas simultaneamente.

O vetor do campo elétrico resultante será dado pela soma dos vetores e no ponto
P. Como ilustram os exemplos a seguir:

Como as duas cargas geradoras do campo têm sinal positivo, cada uma delas gera um
campo divergente (de afastamento), logo o vetor resultante terá módulo igual à
subtração entre os valores dos vetores e direção e sentido do maior valor absoluto.
13

Assim como no exemplo anterior, ambos os campos elétricos gerados são divergentes,
mas como existe um ângulo formado entre eles, esta soma vetorial é calculada através
de regra do paralelogramo, ou seja, traçando-se o vetor soma dos dois vetores, tendo
assim o módulo direção e sentido do vetor campo elétrico resultante.

Como ambas as cargas que geram o campo tem sinais negativos, cada componente do
vetor campo resultante é convergente, ou seja, tem sentido de aproximação. O módulo,
14

a direção e o sentido deste vetor são calculados pela regra do paralelogramo, assim
como ilustra a figura.

Neste exemplo, as cargas que geram o campo resultante têm sinais diferentes, então um
dos vetores converge em relação à sua carga geradora ( ) e outro diverge ( ).

Então podemos generalizar esta soma vetorial para qualquer número finito de partículas,
de modo que:

Linhas de força

Estas linhas são a representação geométrica convencionada para indicar a presença de


campos elétricos, sendo representadas por linhas que tangenciam os vetores campo
elétrico resultante em cada ponto, logo, jamais se cruzam. Por convenção, as linhas de
força têm a mesma orientação do vetor campo elétrico, de modo que para campos
gerados por cargas positivas as linhas de força são divergentes (sentido de afastamento)
e campos gerados por cargas elétricas negativas são representados por linhas de força
convergentes (sentido de aproximação).

Quando se trabalha com cargas geradoras sem dimensões, as linhas de força são
representadas radialmente, de modo que:
15

Densidade Superficial de cargas

Um corpo em equilíbrio eletrostático, ou seja, quando todos possíveis responsáveis por


sua eletrização acomodam-se em sua superfície, pode ser caracterizado por sua
densidade superficial média de cargas , que por definição é o resultado do quociente
da carga elétrica Q, pela área de sua superfície A.

Sendo sua unidade adotada no SI o C/m².

Observe que para cargas negativas a densidade superficial média de cargas também é
negativa, já que a área sempre é positiva.

Utiliza-se o termo médio já que dificilmente as cargas elétricas se distribuem


uniformemente por toda a superfície de um corpo, de modo que é possível constatar que
o módulo desta densidade é inversamente proporcional ao seu raio de curvatura, ou seja,
em objetos pontiagudos eletrizados há maior concentração de carga em sua extremidade
(ponta).
16

Campo Elétrico Uniforme (CEU)

Dizemos que um campo elétrico é uniforme em uma região quando suas linhas de força
são paralelas e igualmente espaçadas umas das outras, o que implica que seu vetor
campo elétrico nesta região têm, em todos os pontos, mesma intensidade, direção e
sentido.

Uma forma comum de se obter um campo elétrico uniforme é utilizando duas placas
condutoras planas e iguais. Se as placas forem postas paralelamente, tendo cargas de
mesma intensidade, mas de sinal oposto, o campo elétrico gerado entre elas será
uniforme.

Potencial Elétrico
Imagine um campo elétrico gerado por uma carga Q, ao ser colocada um carga de prova
q em seu espaço de atuação podemos perceber que, conforme a combinação de sinais
entre as duas cargas, esta carga q, será atraída ou repelida, adquirindo movimento, e
conseqüentemente Energia Cinética.

Lembrando da energia cinética estudada em mecânica, sabemos que para que um corpo
adquira energia cinética é necessário que haja uma energia potencial armazenada de
alguma forma. Quando esta energia está ligada à atuação de um campo elétrico, é
chamada Energia Potencial Elétrica ou Eletrostática, simbolizada por .
17

A unidade usada para a é o joule (J).

Pode-se dizer que a carga geradora produz um campo elétrico que pode ser descrito por
uma grandeza chamada Potencial Elétrico (ou eletrostático).

De forma análoga ao Campo Elétrico, o potencial pode ser descrito como o quociente
entre a energia potencial elétrica e a carga de prova q. Ou seja:

Logo:

A unidade adotada, no SI para o potencial elétrico é o volt (V), em homenagem ao


físico italiano Alessandro Volta, e a unidade designa Joule por coulomb (J/C).

Quando existe mais de uma partícula eletrizada gerando campos elétricos, em um ponto
P que está sujeito a todas estes campos, o potencial elétrico é igual à soma de todos os
potenciais criados por cada carga, ou seja:

Uma maneira muito utilizada para se representar potenciais é através de equipotenciais,


que são linhas ou superfícies perpendiculares às linhas de força, ou seja, linhas que
representam um mesmo potencial.

Para o caso particular onde o campo é gerado por apenas uma carga, estas linhas
equipotenciais serão circunferências, já que o valor do potencial diminui uniformemente
em função do aumento da distância (levando-se em conta uma representação em duas
dimensões, pois caso a representação fosse tridimensional, os equipotenciais seriam
representados por esferas ocas, o que constitui o chamado efeito casca de cebola, onde
quanto mais interna for a casca, maior seu potencial).
18

Trabalho de uma força elétrica

O trabalho que uma carga elétrica realiza é análogo ao trabalho realizado pelas outras
energias potenciais usadas no estudo de mecânica, ou seja:

Se imaginarmos dois pontos em um campo elétrico, cada um deles terá energia


potencial dada por:

Sendo o trabalho realizado entre os dois pontos:

Mas sabemos que, quando a força considerada é a eletrostática, então:


19

Diferença de potencial entre dois pontos

Considere dois pontos de um campo elétrico, A e B, cada um com um posto a uma


distância diferente da carga geradora, ou seja, com potenciais diferentes. Se quisermos
saber a diferença de potenciais entre os dois devemos considerar a distância entre cada
um deles.

Então teremos que sua tensão ou d.d.p (diferença de potencial) será expressa por U e
calculada por:
20

ELETRODINÂMICA
Corrente Elétrica
Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar
em equilíbrio eletrostático passamos à situação onde há deslocamento destas cargas para
um determinada direção e em um sentido, este deslocamento é o que chamamos
corrente elétrica.

Estas correntes elétricas são responsáveis pela eletricidade considerada utilizável por
nós.

Normalmente utiliza-se a corrente causada pela movimentação de elétrons em um


condutor, mas também é possível haver corrente de íons positivos e negativos (em
soluções eletrolíticas ou gases ionizados).

A corrente elétrica é causada por uma diferença de potencial elétrico (d.d.p./ tensão). E
ela é explicada pelo conceito de campo elétrico, ou seja, ao considerar uma carga A
positiva e outra B, negativa, então há um campo orientado da carga A para B. Ao ligar-
se um fio condutor entre as duas os elétrons livres tendem a se deslocar no sentido da
carga positiva, devido ao fato de terem cargas negativas, lembrando que sinais opostos
são atraídos.

Desta forma cria-se uma corrente elétrica no fio, com sentido oposto ao campo elétrico,
e este é chamado sentido real da corrente elétrica. Embora seja convencionado que a
corrente tenha o mesmo sentido do campo elétrico, o que não altera em nada seus
efeitos (com exceção para o fenômeno chamado Efeito Hall), e este é chamado o
sentido convencional da corrente.

Para calcular a intensidade da corrente elétrica (i) na secção transversal de um condutor


se considera o módulo da carga que passa por ele em um intervalo de tempo, ou seja:

Considerando |Q|=n e

A unidade adotada para a intensidade da corrente no SI é o ampère (A), em homenagem


ao físico francês Andre Marie Ampère, e designa coulomb por segundo (C/s).

Sendo alguns de seus múltiplos:


21

Continuidade da corrente elétrica

Para condutores sem dissipação, a intensidade da corrente elétrica é sempre igual,


independente de sua secção transversal, esta propriedade é chamada continuidade da
corrente elétrica.

Isto implica que se houver "opções de caminho" em um condutor, como por exemplo,
uma bifurcação do fio, a corrente anterior a ela será igual à soma das correntes em cada
parte desta bifurcação, ou seja:
22

Resistência Elétrica
Ao aplicar-se uma tensão U, em um condutor qualquer se estabelece nele uma corrente
elétrica de intensidade i. Para a maior parte dos condutores estas duas grandezas são
diretamente proporcionais, ou seja, conforme uma aumenta o mesmo ocorre à outra.

Desta forma:

A esta constante chama-se resistência elétrica do condutor (R), que depende de fatores
como a natureza do material. Quando esta proporcionalidade é mantida de forma linear,
chamamos o condutor de ôhmico, tendo seu valor dado por:

Sendo R constante, conforme enuncia a 1ª Lei de Ohm: Para condutores ôhmicos a


intensidade da corrente elétrica é diretamente proporcional à tensão (ddp) aplicada em
seus terminais.

A resistência elétrica também pode ser caracterizada como a "dificuldade" encontrada


para que haja passagem de corrente elétrica por um condutor submetido a uma
determinada tensão. No SI a unidade adotada para esta grandeza é o ohm (Ω), em
homenagem ao físico alemão Georg Simon Ohm.

Pode-se também definir uma grandeza chamada Condutância elétrica (G), como a
facilidade que uma corrente tem em passar por um condutor submetido à determinada
tensão, ou seja, este é igual ao inverso da resistência:

E sua unidade, adotada pelo SI é o siemens (S), onde:


23

Geradores de corrente elétrica

A corrente sempre existe enquanto há diferença de potencial entre dois corpos ligados,
por um condutor, por exemplo, mas esta tem pequena duração quando estes corpos são
eletrizados pelos métodos vistos em eletrostática, pois entram rapidamente em
equilíbrio.

A forma encontrada para que haja uma diferença de potencial mais duradoura é a
criação de geradores elétricos, que são construídos de modo que haja tensão por um
intervalo maior de tempo.

Existem diversos tipos de geradores elétricos, que são caracterizados por seu princípio
de funcionamento, alguns deles são:

Geradores luminosos

São sistemas de geração de energia construídos de modo a transformar energia luminosa


em energia elétrica, como por exemplo, as placas solares feitas de um composto de
silício que converte a energia luminosa do sol em energia elétrica.

Geradores mecânicos

São os geradores mais comuns e com maior capacidade de criação de energia.


Transformam energia mecânica em energia elétrica, principalmente através de
magnetismo. É o caso dos geradores encontrados em usinas hidroelétricas,
termoelétricas e termonucleares.

Geradores químicos

São construídos de forma capaz de converter energia potencial química em energia


elétrica (contínua apenas). Este tipo de gerador é muito encontrado como baterias e
pilhas.

Geradores térmicos
24

São aqueles capazes de converter energia térmica em energia elétrica, diretamente.

Quando associados dois, ou mais geradores como pilhas, por exemplo, a tensão e a
corrente se comportam da mesma forma como nas associações de resistores, ou seja:

• Associação em série: corrente nominal e tensão é somada.


• Associação em paralelo: corrente é somada e tensão nominal.
• Corrente contínua e alternada
• Se considerarmos um gráfico i x t (intensidade de corrente elétrica por tempo),
podemos classificar a corrente conforme a curva encontrada, ou seja:

• Corrente contínua

• Uma corrente é considerada contínua quando não altera seu sentido, ou seja, é
sempre positiva ou sempre negativa.
• A maior parte dos circuitos eletrônicos trabalha com corrente contínua, embora
nem todas tenham o mesmo "rendimento", quanto à sua curva no gráfico i x t, a
corrente contínua pode ser classificada por:

• Corrente contínua constante


• Diz-se que uma corrente contínua é constante, se seu gráfico for dado por um
segmento de reta constante, ou seja, não variável. Este tipo de corrente é
comumente encontrado em pilhas e baterias.

• Corrente contínua pulsante
25


• Embora não altere seu sentido as correntes contínuas pulsantes passam
periodicamente por variações, não sendo necessariamente constantes entre duas
medidas em diferentes intervalos de tempo.
• A ilustração do gráfico acima é um exemplo de corrente contínua constante.
• Esta forma de corrente é geralmente encontrada em circuitos retificadores de
corrente alternada.

• Corrente alternada


• Dependendo da forma como é gerada a corrente, esta é invertida periodicamente,
ou seja, ora é positiva e ora é negativa, fazendo com que os elétrons executem
um movimento de vai-e-vem.
• Este tipo de corrente é o que encontramos quando medimos a corrente
encontrada na rede elétrica residencial, ou seja, a corrente medida nas tomada de
nossa casa.

Resistores
São peças utilizadas em circuitos elétricos que tem como principal função converter
energia elétrica em energia térmica, ou seja, são usados como aquecedores ou como
dissipadores de eletricidade.
26

Alguns exemplos de resistores utilizados no nosso cotidiano são: o filamento de uma


lâmpada incandescente, o aquecedor de um chuveiro elétrico, os filamentos que são
aquecidos em uma estufa, entre outros.

Em circuitos elétricos teóricos costuma-se considerar toda a resistência encontrada


proveniente de resistores, ou seja, são consideradas as ligações entre eles como
condutores ideais (que não apresentam resistência), e utilizam-se as representações:

Associação de Resistores

Em um circuito é possível organizar conjuntos de resistores interligados, chamada


associação de resistores. O comportamento desta associação varia conforme a ligação
entre os resistores, sendo seus possíveis tipos: em série, em paralelo e mista.

Associação em Série

Associar resistores em série significa ligá-los em um único trajeto, ou seja:

Como existe apenas um caminho para a passagem da corrente elétrica esta é mantida
por toda a extensão do circuito. Já a diferença de potencial entre cada resistor irá variar
conforme a resistência deste, para que seja obedecida a 1ª Lei de Ohm, assim:

Esta relação também pode ser obtida pela análise do circuito:


27

Sendo assim a diferença de potencial entre os pontos inicial e final do circuito é igual à:

Analisando esta expressão, já que a tensão total e a intensidade da corrente são


mantidas, é possível concluir que a resistência total é:

Ou seja, um modo de se resumir e lembrar-se das propriedades de um circuito em série


é:

Tensão (ddp) (U) se divide


Intensidade da corrente (i) se conserva
Resistência total (R) soma algébrica das resistência em cada resistor.

Associação em Paralelo:

Ligar um resistor em paralelo significa basicamente dividir a mesma fonte de corrente,


de modo que a ddp em cada ponto seja conservada. Ou seja:

Usualmente as ligações em paralelo são representadas por:


28

Como mostra a figura, a intensidade total de corrente do circuito é igual à soma das
intensidades medidas sobre cada resistor, ou seja:

Pela 1ª lei de ohm:

E por esta expressão, já que a intensidade da corrente e a tensão são mantidas, podemos
concluir que a resistência total em um circuito em paralelo é dada por:

Associação Mista:

Uma associação mista consiste em uma combinação, em um mesmo circuito, de


associações em série e em paralelo, como por exemplo:

Em cada parte do circuito, a tensão (U) e intensidade da corrente serão calculadas com
base no que se conhece sobre circuitos série e paralelos, e para facilitar estes cálculos
pode-se reduzir ou redesenhar os circuitos, utilizando resistores resultantes para cada
parte, ou seja:

Sendo:
29

Potência Elétrica
Potência Elétrica

A potência elétrica dissipada por um condutor é definida como a quantidade de energia


térmica que passa por ele durante uma quantidade de tempo.

A unidade utilizada para energia é o watt (W), que designa joule por segundo (J/s)

Ao considerar que toda a energia perdida em um circuito é resultado do efeito Joule,


admitimos que a energia transformada em calor é igual a energia perdida por uma carga
q que passa pelo condutor. Ou seja:

Mas, sabemos que:


30

Então:

Logo:

Mas sabemos que , então podemos escrever que:

Por exemplo:

Qual a corrente que passa em uma lâmpada de 60W em uma cidade onde a tensão na
rede elétrica é de 220V?

Pela 1ª Lei de Ohm temos que , então podemos definir duas formas que
relacionem a potência elétrica com a resistência.
31

Então se utilizando do exemplo anterior, qual a resistência do filamento interno da


lâmpada?

Consumo de Energia Elétrica


Consumo de energia elétrica

Cada aparelho que utiliza a eletricidade para funcionar, como por exemplo, o
computador de onde você lê esse texto, consome uma quantidade de energia elétrica.

Para calcular este consumo basta sabermos a potência do aparelho e o tempo de


utilização dele, por exemplo, se quisermos saber quanta energia gasta um chuveiro de
5500W ligado durante 15 minutos, seu consumo de energia será:

Mas este cálculo nos mostra que o joule (J) não é uma unidade eficiente neste caso, já
que o cálculo acima se refere a apenas um banho de 15 minutos, imagine o consumo
deste chuveiro em uma casa com 4 moradores que tomam banho de 15 minutos todos os
dias no mês.

Para que a energia gasta seja compreendida de uma forma mais prática podemos definir
outra unidade de medida, que embora não seja adotada no SI, é mais conveniente.

Essa unidade é o quilowatt-hora (kWh).

Para calcularmos o consumo do chuveiro do exemplo anterior nesta unidade


consideremos sua potência em kW e o tempo de uso em horas, então teremos:
32

O mais interessante em adotar esta unidade é que, se soubermos o preço cobrado por
kWh, podemos calcular quanto será gasta em dinheiro por este consumo.

Por exemplo:

Considere que em sua cidade a companhia de energia elétrica tenha um tarifa de


0,300710 R$/kWh, então o consumo do chuveiro elétrico de 5500W ligado durante 15
minutos será:

Se considerarmos o caso da família de 4 pessoas que utiliza o chuveiro diariamente


durante 15 minutos, o custo mensal da energia gasta por ele será:

Segunda Lei de Ohm


Segunda lei de Ohm

Esta lei descreve as grandezas que influenciam na resistência elétrica de um condutor,


conforme cita seu enunciado:

A resistência de um condutor homogêneo de secção transversal constante é proporcional


ao seu comprimento e da natureza do material de sua construção, e é inversamente
proporcional à área de sua secção transversal. Em alguns materiais também depende de
sua temperatura.

Sendo expressa por:

Onde:

ρ= resistividade, depende do material do condutor e de sua temperatura.

ℓ= largura do condutor
33

A= área da secção transversal.

Como a unidade de resistência elétrica é o ohm (Ω), então a unidade adotada pelo SI
para a resistividade é .

Geradores
Gerador – dispositivo com função de transformar ou transferir energia.
Transforma qualquer tipo de energia em energia elétrica. Exemplos:

Usina hidrelétrica – transforma energia mecânica de uma queda de água em


energia elétrica através de um gerador, que é um dispositivo que transforma energia
mecânica em energia elétrica e que possui um eixo que é movido pôr uma turbina. O
eixo precisa ser girado para que o gerador produza eletricidade. A função da água é
apenas de girar a turbina. Assim, é necessário represar a água de um rio em um
reservatório ou barragem e canaliza-la para promover o movimento do eixo da turbina.
Depois do uso, a água continua seu percurso normalmente.

Hidrelétrica de Itaipu Hidrelétrica de Tucurui

Usina termoelétrica ou termelétrica – utiliza carvão, óleo, gás ou qualquer outro


tipo de combustível para aquecer a água, transformá-la em vapor que irá girar a turbina,
que por sua vez acionará o gerador, transformando assim energia térmica em energia
elétrica.

Usina termoelétrica Bandeirantes Usina termoelétrica Mimoso


34

Usina nuclear - utiliza o potencial energético dos elementos químicos radioativos


para aquecer a água que circula no interior do reator, transformando-a em vapor que irá
girar a turbina, que por sua vez acionará o gerador, transformando assim energia
nuclear em energia elétrica.

Usina nuclear Angra 2 Usina nuclear Angra 3

Aerogerador – energia eólica – utiliza a energia cinética do vento transformando-a


em energia elétrica, através de turbinas eólicas acopladas a geradores. A este conjunto
turbina-gerador é habitualmente chamado Aerogerador.

Baterias solares (células ou módulos fotovoltaicos) – são constituídos por um


grupo de células conectadas eletricamente e reunidas em uma estrutura, que converte a
luz do Sol diretamente em eletricidade.

Pilhas e baterias- geradores químicos que transformam energia química em energia


elétrica.

Na realidade, o gerador não gera energia elétrica, apenas transforma qualquer tipo
de energia em energia elétrica. O gerador fornece energia às cargas livres de um
35

condutor, movimentando-as, mantendo assim uma diferença de potencial entre dois


pontos quaisquer desse condutor.

No símbolo de um gerador o traço maior indica um pólo positivo e o menor, o pólo


negativo.

Quando se mede a tensão elétrica entre os pólos do gerador, obtém-se uma grandeza
denominada força eletromotriz (f.e.m.), representada por E e que corresponde, num
gerador ideal, de resistência interna nula, à quantidade de energia elétrica que recebe
cada unidade de carga que o atravessa.

Assim, denomina-se força eletromotriz E de um gerador ao quociente entre o trabalho


(W) realizado no transporte de uma carga q, contra a força do campo elétrico, e o valor
absoluto dessa carga, ou seja,

Na expressão acima as unidades de f.e.m. são as mesmas do potencial elétrico U, pois


ambas são razão entre trabalho W e carga q. Assim , no Sistema Internacional de
Unidades (SI), a unidade de força eletromotriz E é o volt (V) ou o joule/coulomb
(V=J/C=

=J.C-1).

Portanto, quando você afirma que a força eletromotriz de um gerador é 1V, você quer
dizer que cada quantidade de carga elétrica de 1C recebe do gerador 1J de energia
elétrica.

Na prática observa-se que um gerador funcionando normalmente não lança no


circuito externo toda potência elétrica por ele originada, porque, quando a corrente o
atravessa, ela encontra certa resistência interna (r) por parte dos elementos condutores
internos que compõe o gerador. Esse é um gerador real. Se a resistência interna ( r ) do
gerador for considerada desprezível, então o gerador será ideal.
36

A corrente elétrica no interior do gerador não é espontânea, mas forçada. Assim, ela
percorre o gerador no sentido do menor para o maior potencial, ou seja, entra pelo pólo
negativo e sai pelo positivo.

Potência elétrica de um gerador – considere um gerador de força eletromotriz E e


resistência interna r, submetido a uma diferença de potencial U, quando percorrido por
uma corrente elétrica de intensidade i.

O gerador não cria energia elétrica, ele apenas transforma qualquer tipo de energia em
energia elétrica e as fornece às cargas elétricas que o atravessam. Mas, durante a
passagem das cargas elétricas pelo interior do gerador, ocorrem perdas energéticas.
Assim, esquematicamente tem-se:

Como a potência elétrica representa a energia elétrica por unidade de tempo, tem-se:

Onde Pt representa a potência total gerada (recebida de forma não elétrica), Pd a


potência dissipada ou perdida no interior do gerador e Pu a potência fornecida pelo
gerador ao meio exterior (potência útil).

Como a energia não se perde nem se cria, apenas se transforma, pelo princípio da
conservação da energia tem-se --- Pt=Pu + Pd --- onde, Pt=E.i --- Pd=r.i2 --- Pu=U.i
--- Pt=Pu + Pd --- E.i=U.i + r.i2 --- cancelando i --- U=E – r.i (equação do gerador)
37

Rendimento do gerador – representado por η (letra grega etá) e é definido como


sendo a razão entre a potência útil Pu e a potência total Pt, ou seja, η=Pu/Pt ---
η=U.i/E.i --- η=U/E --- como potência=energia/tempo --- P=W/∆t, e as
transformações ocorrem no mesmo intervalo de tempo ∆t, pode-se também escrever
η=Wútil/Wtotal (η=energia útil/energia total):

O rendimento η (que é sempre um número compreendido entre 0 e 1) normalmente é


representado em termos de porcentagem ---

η%=(U/E=Pu/Pt=Wu/Wt) x 100% --- com 0 ≤ η ≤ 100

Curva característica do gerador – é representada por um gráfico que relaciona a


intensidade de corrente elétrica i no gerador com a diferença de potencial (tensão) U em
seus terminais.

Se i=0, ou seja, se o gerador estiver em circuito aberto, tem-se:

Se U=0, ou seja, se o gerador estiver em curto circuito, tem-se:


38

Os pares de valores U=E e icc=E/r determinam dois pontos no gráfico Uxi, que unidos
por um segmento de reta (função do primeiro grau) fornecea curva característica de um
gerador.

Observação: A tensão (diferença de potencial) nos terminais do gerador só é igual à sua


f.e.m. E quando ele está em circuito aberto, ou seja, quando não há corrente no gerador
e, isso ocorre somente quando o fio está interrompido, independe de quantos

dispositivos elétricos estiverem inseridos no mesmo.

Potência útil máxima fornecida pelo gerador - o gráfico que representa a


potência útil (Pu) de um gerador está abaixo e,

nele --- Pu=Pt – Pd --- Pu=E.i – r.i2 --- Pu=i(E – ri) --- nesta equação Pu=i(E – ri),
quando Pu=0 --- 0=i(E – ri) --- ou i=0 ou E – ri=0 --- i=E/r=icc (corrente de curto
circuito) --- sendo a parábola uma figura simétrica, a potência será máxima quando
imáx=icc/2 --- imáx=(E/r)/2 --- imáx=E/2r
39

Pmáx=Umáx.imáx --- Umáx.imáx=(E – r.imáx).imáx --- Umáx=E – r.imám --- Umáx=E – Umáx -
-- 2Umáx=E --- Umáx=E/2

Se o gerador estiver ligado a uma associação de resistores de resistência


equivalente Req a potência máxima fornecida à essa

associação será --- Umáx=Req.imáx --- E/2=Req.(E/2r) --- r=Req

O que você deve saber

Gerador – dispositivo com função de transformar ou transferir energia.


Transforma qualquer tipo de energia em energia elétrica.

Denomina-se força eletromotriz E de um gerador ao quociente entre o trabalho


(W) realizado no transporte de uma carga q, contra a força do campo elétrico, e o valor
absoluto dessa carga.

Potência elétrica :

Pt=Pu + Pd --- Pt=E.i --- Pd=r.i2 --- Pu=U.i


Pt - representa a potência total gerada (recebida de forma não elétrica)
40

Pd a potência dissipada ou perdida no interior do gerador e

Pu a potência fornecida pelo gerador ao meio exterior (potência útil).

Equação do gerador

Rendimento do gerador

O rendimento η (que é sempre um número compreendido entre 0 e 1) normalmente é


representado em termos de porcentagem ---

η%=(U/E=Pu/Pt=Wu/Wt) x 100% --- com 0 ≤ η ≤ 100

Gerador ideal --- η=100% --- gerador real --- 100% > η > 0%

Potência útil máxima fornecida pelo gerador - gráfico que representa a potência
útil (Pu) de um gerador ---

icc=E/r --- imáx=icc/2 --- imáx=E/2r --- Umáx=E/2

Se o gerador estiver ligado a uma associação de resistores de resistência


equivalente Req a potência máxima fornecida à
41

essa associação será --- Umáx=Req.imáx --- E/2=Req.(E/2r) --- r=Req

Você já deve ter observado a existência de pilhas e baterias de diversos tamanhos


que fornecem a mesma voltagem (tensão, diferença de potencial).

Rendimento (η) do gerador quando a potência é máxima ---


η=Umáx/E=(E/2)/E=0,5 --- quando a potência é máxima, o rendimento é de 50%.

O tamanho da pilha ou da bateria está diretamente relacionado com a


intensidade de corrente elétrica que ela deve

fornecer a um circuito --- observe na figura acima que as lâmpadas possuem a mesma
força eletromotriz e, assim, como a maior fornece maior corrente, consequentemente ela
deve fornecer maior potência (P=U.i) e possuir menor resistência interna.

Associação de geradores

Associação série

Se você deseja obter uma diferença de potencial de 6,0V e tiver apenas pilhas de
1,5V, você deve associar quatro pilhas em série ligando o pólo positivo de uma ao
negativo da outra, e assim por diante. O mesmo ocorre com qualquer tipo de gerador.

Esse tipo de associação recebe o nome de associação série, cujas características estão
resumidas a seguir e que podem ser estendidas a ,5, 6, 7 ....... n geradores.

A intensidade de corrente elétrica i é a mesma em todos os geradores.


42

A força eletromotriz equivalente é a soma das forças eletromotrizes dos geradores


parciais, ou seja, E=E1 + E2 + E3 + E4 + ..... + En.

A diferença de potencial (tensão) total entre A e B é a soma das tensões parciais, ou


seja, UAB U1 + U2 + U3 + U4 + ...... + Un.

A resistência interna equivalente é a soma das resistências internas parciais, ou


seja, req=r1 + r2 + r3 + r4 + ...... + rn.

Associação paralelo

É obtida quando se liga entre si todos os pólos positivos dos geradores (o terminal
da união é o de mais alta tensão do circuito) e todos os pólos negativos (o terminal de
união é o de mais baixa tensão do circuito). Nesse tipo de associação convém que todos
os geradores tenham a mesma força eletromotriz E, para que não dissipem parte da
energia que fornecem ao circuito externo.

Características desse tipo de associação:

A intensidade de corrente elétrica se subdivide entre os geradores

A força eletromotriz da associação é igual àquela de cada um dos resistores ---


Eeq=E
43

Cálculo da resistência interna equivalente --- utilizar um dos três processos já vistos
em associação paralelo de resistores.

Associação mista

Diversas associações paralelo estão ligadas em série ou vice versa. Para resolver
um associação mista de geradores, inicialmente você deve resolver as ligações
serie e paralelo que existirem e repetindo o processo até que só reste um único
resistor (resistor equivalente).

O que você deve saber

A associação de geradores em série é utilizada para que se forneça maior diferença


de potencial ou tensão (U) ao circuito externo.

A associação de geradores em paralelo (geradores iguais, para não haver perda de


energia) é utilizada para se obter uma resistência interna inferior à resistência de cada
gerador --- n geradores em paralelo --- Eeq=E --- req=r/n.

Geradores em oposição -

Quando você liga o pólo positivo de um gerador (por exemplo, pilha) com o pólo
positivo da seguinte, você obtém uma associação em oposição e as forças eletromotrizes
atuarão umas “contra” as outras e, nesse caso, as forças eletromotrizes se anularão se
forem iguais. Isso ocorre porque a força eletromotriz total é igual à diferença entre as
forças eletromotrizes parciais. Observe os exemplos abaixo:

Em I --- 1,5V – 1,5V=0V --- em II --- 4V – 3V=1V

Capacitores
Capacitores
44

Em circuitos eletrônicos alguns componentes necessitam que haja alimentação em


corrente contínua, enquanto a fonte está ligada em corrente alternada. A resolução deste
problema é um dos exemplos da utilidade de um capacitor.

Este equipamento é capaz de armazenar energia potencial elétrica durante um intervalo


de tempo, ele é construído utilizando um campo elétrico uniforme. Um capacitor é
composto por duas peças condutoras, chamadas armaduras e um material isolante com
propriedades específicas chamado dielétrico.

Para que haja um campo elétrico uniforme é necessário que haja uma interação
específica, limitando os possíveis formatos geométricos de um capacitor, assim alguns
exemplos de capacitores são:

Capacitores planos

Capacitores cilíndricos
45

ELETROMAGNETISMO
Ímãs e Campo Magnético
Desde a antiguidade se conhecia um mineral, hoje denominado magnetita, composto
basicamente por óxido de ferro (Fe3O4)

que possuía propriedade de atrair alguns minerais como o ferro, o níquel e o cobalto e
pedras de óxidos de ferro são denominadas de imãs naturais.

Essa propriedade recebe o nome de magnetismo e as regiões do imã onde as


propriedades magnéticas são mais intensas são denominadas de pólos do imã.

Formatos dos imãs:

Pólos de mesmo nome se repelem e pólos de nomes opostos se atraem:

O que você deve saber

Imã atrai ferro independente da polaridade:


46

Observe que a força de atração entre um imã e um pedaço de ferro ou as forças de


atração ou de repulsão entre dois imãs não é de origem elétrica, pois os corpos não estão
eletrizados. Trata-se de forças magnéticas e que obedecem ao princípio da ação e reação
(terceira lei de Newton), pois tem a mesma intensidade, mesma direção, mas sentidos
opostos.

Bússola – Trata-se de uma agulha magnética colocada na posição horizontal,


suspensa pelo centro de gravidade, indicando

sempre a direção norte-sul.

A Terra se comporta como um grande imã onde o pólo Sul magnético está
aproximadamente localizado no pólo Norte geográfico e vice versa.

Se você pendurar um imã em forma de barra pelo seu centro ou observar a agulha
magnética de uma bússola você verá que seus pólos ficam sempre alinhados na direção
norte-sul.

O pólo que indicar o pólo norte geográfico recebe o nome de pólo norte e estará
indicando o pólo sul magnético da Terra. O pólo que indicar o pólo sul geográfico
recebe o nome de pólo sul e estará indicando o pólo norte magnético da Terra. Tudo
isso ocorre porque pólos de mesmo nome se atraem.

Observação: O pólo Norte geográfico não coincide exatamente com o pólo Sul
magnético, distando um do outro aproximadamente 1.900km.

Inseparabilidade dos pólos – Se você quebrar um imã e em seguida continuar


dividindo os imãs resultantes, você observará que cada pedaço partido continuará sendo
47

um novo imã com dois pólos, Norte e Sul de maneira que cada pedaço atraia o outro.
Não existem pólos isolados.

Se você partir um imã conforme a figura abaixo, a força entre eles será de repulsão.

Veja a situação da figura abaixo onde o imã atrai os dois pregos. O imã imanta
(ordena os imãs elementares de cada prego) por

influência, determinando suas polaridades da maneira indicada.

Relação entre a imantação e os imãs elementares – uma barra, por exemplo, de


ferro, pode encontrar-se:

As substâncias que se imantam intensamente e que são atraídas facilmente pelos


imãs (permitem a orientação de seus imãs elementares) recebem o nome de substâncias
ferromagnéticas (ferro, níquel, cobalto, e certas ligas metálicas como o aço), ao
contrário das substâncias paramagnéticas (seus imãs elementares não são facilmente
orientados) e esses materiais são fracamente atraídos pelos imãs, como, por exemplo, o
alumínio, o magnésio, o cromo, a platina, o ar, etc.

Quando aquecemos um imã, submetendo-o a altas temperaturas, seu imãs


elementares sofrem agitação e se desorientam completamente, fazendo-o perder as
48

propriedades magnéticas. Essa temperatura é chamada temperatura Curie e varia para


cada substância ferromagnética. Para o ferro ela é de 770oC e para a magnetita 580oC.

A localização dos pólos de um imã depende de sua forma geométrica, mas sempre
se localizam em oposição em relação a um

plano de simetria, como você pode observar nas figuras abaixo.

Campo magnético

Um imã origina numa região ao seu redor um campo magnético ( ), o que se pode
comprovar colocando nessa região um corpo com propriedades magnéticas e
observando que sobre ele surge uma força de origem magnética.

Convenciona-se como forma de visualizar um campo magnético as linhas de


indução, que podem ser representadas supondo que pequenas partículas magnéticas
elementares se desloquem única e exclusivamente sob ação do campo magnético. A
trajetória dessas partículas representa as linhas de indução do campo magnético (figura
I).

Essas linhas de indução também podem ser visualizadas colocando-se sobre o imã
minúsculas partículas (limalhas) de ferro e elas se distribuirão conforme a figura II.

O que você deve saber

Por convenção, as linhas de indução “nascem” no pólo norte e “morrem” no pólo


sul.
49

O vetor campo magnético é sempre tangente às linhas de indução em cada ponto.


Observe na figura a representação dos

vetores , , e , localizados nos pontos P, Q, R e S.

Uma agulha magnética (por exemplo, de uma bússola) terá em cada ponto seu pólo
norte apontando sempre no sentido de ,

conforme indicado nos pontos P, Q, R e S da figura acima.

Perto dos pólos, onde o campo magnético tem maior intensidade, a concentração
das linhas de indução é maior, conforme

você pode observar na figura.

São sempre linhas fechadas e por isso nunca se cruzam. Fora do ímã, as linhas saem
do pólo norte e se dirigem para o pólo sul;
50

Dentro do ímã, as linhas são orientadas do pólo sul para o pólo norte.

Analise na figura abaixo as linhas de indução do campo magnético terrestre e


observe que a agulha magnética de uma bússola tem a propriedade de se alinhar de
acordo com as linhas do campo geomagnético.

Analisando a figura onde estão representadas estas linhas, observe que o pólo sul do
ponteiro das bússolas aponta para o pólo Sul geográfico, porque o Norte geográfico
corresponde ao Sul magnético.

Campo elétrico uniforme – No interior dele, o vetor campo elétrico é o mesmo


em todos os pontos, ou seja, tem em todos os pontos a mesma intensidade, mesma
direção e mesmo sentido. É claro que, para que isso ocorra, as linhas de indução devem
ser retas paralelas e igualmente espaçadas.

Entre os pólos de um imã em forma de U, o campo elétrico é praticamente uniforme


(veja figura acima).

Influência de um campo magnético uniforme sobre um imã – Os imãs da figura


abaixo estão colocados no interior de um campo magnético uniforme. Considere
somente as ações magnéticas e classifique, em cada caso, o tipo de equilíbrio.
51

Os imã se orientam sempre com o pólo norte no sentido de , ou seja, para a direita.
Assim no pólo norte surge uma força puxando-o para a direita e no pólo sul surge uma
força puxando-o para a esquerda. Na figura 1, se você tirar um pouco o imã da posição
em que ele se encontra, ele girará, pois está em equilíbrio instável até atingir o
equilíbrio estável (pólo norte para a direita) --- Na figura 2, se você tirar um pouco o
imã da posição em que ele se encontra, ele retornará a ela, pois está em equilíbrio
estável --- Na figura 3, ele está em equilíbrio instável, pois girará de 90o no sentido
anti-horário até atingir o equilíbrio estável.

Força Magnética sobre uma carga


Quando uma carga elétrica que se move com velocidade no interior de um campo
magnético sobre ela surge uma força de origem magnética ( denominada força de
Lorentz), com as seguintes características:

Direção e sentido de - fornecidos pela regra da mão esquerda conforme mostrado


na figura abaixo. Observe na figura da

direita que é perpendicular a e a , o que impõe a condição de que e devem


pertencer a um mesmo plano. Observe também que θ é o ângulo entre e .

Intensidade de - é proporcional a q, V, B e ao senθ, obedecendo à equação:

Conhecendo a direção e o sentido de e de você pode, pela regra da mão


esquerda, determinar a direção e o sentido da força magnética como você pode
52

observar no esquema abaixo, onde uma carga positiva move-se com velocidade no
interior de um campo magnético uniforme .

Observe que a direção e sentido das linhas de indução magnética e consequentemente


de é do pólo norte para o pólo sul. Adaptando o indicador e o médio nas direções de
e de você determina a direção e sentido de .

Observação: Se q for negativa você deve inverter o sentido da força magnética .

O que você deve saber

Como a força magnética tem sempre direção perpendicular ao vetor velocidade e


como a potência de uma força é fornecida por Po=Fm.V.cosθ, então θ=90o e cós 90o=0 -
-- Po=Fm.V.0 --- Po=0 --- se a potência é nula o trabalho também será --- W=0 ---

O trabalho realizado pela força magnética é sempre nulo ou, a força magnética
nunca realiza trabalho.

Convenção

Alguns exemplos: Ns figuras abaixo estão representadas as forças magnéticas e a


disposição final da mão esquerda. Observe que nos casos b e c a força magnética tem
sentido oposto ao dado pela regra da mão esquerda, pois a carga elétrica é negativa.
53

a)

Força magnética sobre carga elétrica - casos particulares

Você já viu que as principais características da força magnética que atua sobre uma
carga elétrica imersa num campo magnético tem as seguintes características:

Direção e sentido de - fornecidos pela regra da mão esquerda conforme mostrado


na figura abaixo. Observe na figura da

direita que é perpendicular a e a , o que impõe a condição de que e devem


pertencer a um mesmo plano. Observe também que θ é o ângulo entre e .

Intensidade de - é proporcional a q, V, B e ao senθ, obedecendo à equação:


54

Primeiro caso – carga em repouso (V=0) ou lançada com velocidade


paralelamente às linhas de indução de um campo magnético uniforme --- observe
que, neste caso o ângulo entre e é θ=0o ou θ=180o e que sen0o=sen180o=0

Fm=q.V.B.senθ=q.V.B.0 --- Fm=0

Segundo caso – Carga elétrica q lançada com velocidade lançada


perpendicularmente às linhas de indução de um campo magnético uniforme ---
observe que, neste caso o ângulo entre e é 90o e que sen90o=1.

Na figura abaixo uma carga positiva q penetra com velocidade no ponto A numa
região em que existe um campo magnético uniforme penetrando na folha. Observe
que e são perpendiculares e, como a velocidade é sempre tangente à trajetória
em cada ponto, a força magnética , obtida pela regra da mão esquerda e indicada na
figura é sempre dirigida para o centro de

uma circunferência de raio R. Assim, a carga q realizará um movimento circular


uniforme com velocidade de intensidade constante .

A expressão matemática dessa força magnética é Fm=q.V.B.senθ=q.V.B.1 ---


Fm=q.V.B --- lembrando que a força magnética Fm é responsável pelo movimento
55

circular é a força resultante centrípeta de intensidade Fc=m.V2/R --- Fm=Fc ---


q.V.B=m.V2/R ---

R=m.V/q.B (I) --- o período T (tempo que a carga q demora para efetuar uma volta
completa) é fornecido por --- V=∆S/∆t --- numa volta completa --- ∆S=2πR e ∆t=T
--- V=2πR/T (II) --- substituindo II em I --- R=m. (2πR/T)/q.B --- T=2πm/q.B ---

Observe que o período (T) do movimento circular não depende da velocidade com que a
partícula q penetra no campo magnético.

Terceiro caso – a carga q é lançada obliquamente de tal modo que o ângulo entre
e é θ (com θ diferente de 0o, 90o e 180o).

Neste caso, a velocidade é decomposta em duas parcelas e , a primeira na


direção de e a segunda perpendicular a .

* A componente paralela a provoca na carga q um movimento retilíneo uniforme


(primeiro caso).

* A componente perpendicular a provoca na carga q um movimento circular


uniforme (segundo caso).

Compondo simultaneamente esses dois movimentos você obtém um movimento


helicoidal uniforme e cuja trajetória denomina-se hélice cilíndrica
56

O que você deve saber

carga em repouso (V=0) ou lançada com velocidade paralelamente às linhas de


indução de um campo magnético uniforme

Carga elétrica q lançada com velocidade lançada perpendicularmente às linhas de


indução de um campo magnético uniforme . A carga realizará um movimento
circular uniforme com velocidade de intensidade constante .

* Observe na expressão do período (T) que ele não depende da velocidade da partícula,
nem do raio da circunferência.

* Partículas com a mesma velocidade e a mesma carga elétrica ao penetrarem num


campo magnético uniforme com perpendicular a descrevem trajetórias circulares
de raios diferentes, pois na expressão R=m.V/q.B apenas R e m são variáveis, sendo os
outros parâmetros constantes.
57

Observe na expressão que R e m são diretamente proporcionais. Maior massa, maior o


raio da curva.

a carga q é lançada obliquamente de tal modo que o ângulo entre e é θ (com θ


diferente de 0o, 90o e 180o).

Compondo simultaneamente os dois movimentos paralelo a e paralelo a você


obtém um movimento helicoidal uniforme e cuja trajetória denomina-se hélice
cilíndrica

Força Magnética sobre um fio


Considere um condutor retilíneo de comprimento ℓ percorrido por uma corrente elétrica
(elétrons livres com carga q, movendo-se com velocidade no interior do condutor,
pela sua seção transversal). Esse fio condutor reto está imerso num campo magnético
uniforme . Sobre cada carga elétrica q que constituem a corrente elétrica i surge uma
força magnética

fornecida pela expressão Fm’=q.V.B.senθ e somando as intensidades de cada força Fm’


obtém-se uma força resultante Fm=n.Fm’, onde n é o número de cargas que passam pelo
fio condutor num intervalo de tempo ∆t --- Fm=n.q.V.B.senθ --- V=∆S/∆t=ℓ/∆t ---
Fm= n.q. ℓ/∆t.B.senθ --- i=n.q/∆t --- Fm=B.i.ℓ.senθ

Fm – intensidade da força magnética que age sobre o fio – medida em newton (N), no
SI.
58

B – intensidade do campo magnético – medido em tesla (T), no SI.

i – corrente elétrica no fio – medida em ampère (A), no SI.

θ – ângulo entre a direção de B e de i.

A direção e sentido de é fornecida pela regra da mão esquerda (veja figura


abaixo) onde o dedo médio indica o sentido da

corrente elétrica i, pois o sentido convencional da corrente elétrica é o mesmo que o da


velocidade das cargas positivas.

O que você deve saber

Fm – intensidade da força magnética que age sobre o fio – medida em newton (N), no
SI.

B – intensidade do campo magnético – medido em tesla (T), no SI.

i – corrente elétrica no fio – medida em ampère (A), no SI.

θ – ângulo entre a direção de B e de i.

A direção e sentido de é fornecida pela regra da mão esquerda (veja figura) onde o
dedo médio indica o sentido da
59

corrente elétrica i

Alguns exemplos: Determine em cada caso a direção e o sentido da força magnética


que age sobre o condutor retilíneo percorrido por corrente elétrica e dentro de um
campo magnético uniforme:

Campo Magnético gerado por um fio


O Eletromagnetismo estuda os fenômenos que surgem da interação
entre campo elétrico e campo magnético. Hans Christian Oersted, em
1820, realizou uma experiência fundamental para o desenvolvimento
do eletromagnetismo, na qual constatou que a agulha de uma
bússola era defletida sob a ação de uma corrente elétrica percorrendo
um fio condutor próximo à bússola. A agulha da bússola ocupa
sempre uma posição perpendicular ao plano que contém o fio e o
centro da agulha. As linhas de indução são circunferências
concêntricas com o fio.

Suponha que esse fio condutor esteja atravessando um cartão,


colocado perpendicularmente a ele. Colocando limalha de ferro sobre
o cartão, essa limalha se orientará no campo magnético segundo as
linhas de força do campo. Observa-se que a limalha de ferro se
distribui segundo circunferências concêntricas, cujo centro está no
próprio condutor (figura 1). Na figura 2, o fio condutor está colocado
perpendicularmente à folha a esta folha de papel.
60

O sentido do campo depende do sentido da corrente no fio. A agulha da bússola se


alinha com esse campo.

Um dos processos práticos para se determinar a direção e o sentido do vetor


indução magnética ou vetor campo magnético , é a regra da mão direita. Esse
sentido de depende do sentido da corrente que o origina.

Você coloca o polegar no sentido da corrente com a mão espalmada (primeira figura),
em seguida você fecha a mão n pra pegar o

fio (segunda figura) e o sentido da “fechada” de mão é o sentido do vetor (terceira


figura). Observe na terceira figura que é sempre tangente às linhas de indução em
cada ponto.

Comprova-se experimentalmente que a intensidade do campo magnético


depende da intensidade da corrente elétrica i, da distância r do fio até o ponto (P) onde
se quer o campo magnético e do meio onde o condutor se encontra. Essa dependência de
com o meio é fornecida pela constante µ que recebe o nome de permeabilidade
magnética do meio e no vácuo ela vale

µo=4π.10-7T.m/A. Matematicamente:
61

O que você deve saber

O pólo norte de uma bússola indica sempre o sentido das linhas de indução
fornecido pela regra da mão direita.

Força de interação entre dois fios condutores paralelos

Considere dois condutores retilíneos 1 e 2 percorridos, respectivamente por


correntes elétricas i1 e i2, e separados por uma distância d. Tem-se duas situações:

As correntes elétricas tem mesmo sentido


62

Utilizando a regra da mão direita, você determina que é o vetor indução magnética
que o condutor 1 produz onde está o condutor 2.

O condutor 2, imerso no campo magnético de ficará sujeito a uma força magnética


, fornecida pela regra da mão esquerda.

Assim, o condutor 2 fica sujeito a uma força magnética vertical e para cima.

Analogamente, o condutor 2 origina, onde está o condutor 1, um campo magnético ,


que, fornecido pela regra da mão direita estará saindo da folha de papel. Então surgirá
sobre o condutor 1 uma força vertical e para baixo, fornecida pela regra da mão
esquerda.

Situação final:

Dois fios condutores retilíneos, paralelos e próximos um do outro, sofrem forças de


atração se as correntes que os percorrem tiverem mesmo sentido.

Se as correntes elétricas tiverem sentidos contrários, procedendo da mesma forma


que no item anterior, você observará que os dois fios sofrem força de repulsão.

Dois fios condutores retilíneos, paralelos e próximos um do outro, sofrem forças de


repulsão se as correntes que os percorrem tiverem sentidos contrários.
63

Intensidade dessa força, de atração ou de repulsão --- para o condutor 2 ---


Fm2=B1.i2.L.sen90o --- Fm2=B1.i2.L (I) --- B1=µ.i1/2πd (II) --- I em II ---
Fm2=µ.i1.i2.L/2πd --- as forças que surgem em 1 (F1) e em 2 (F2) possuem a mesma
intensidade, pois constituem par ação e reação --- Fm=µ.i1.i2.L/2.π.d

O que você deve saber

Dois fios condutores retilíneos, paralelos e próximos um do outro, sofrem forças de


repulsão se as correntes que os percorrem tiverem sentidos contrários.

Dois fios condutores retilíneos, paralelos e próximos um do outro, sofrem forças de


atração se as correntes que os percorrem tiverem mesmo sentido.

Campo magnético gerado por uma espira e por um


solenoide
64

Na figura abaixo você observa um condutor sob forma de espira


circular com centro O e raio R sendo percorrido por uma corrente
elétrica de intensidade i.

Em torno da espira surge um campo magnético cuja direção e sentido


é fornecido pela regra da mão direita (você coloca o polegar no
sentido da corrente com a mão espalmada, em seguida você fecha a
mão como se fosse pegar o pegar o fio e o sentido da “fechada” de
mão é o sentido do vetor ), considerando cada pequeno trecho da
circunferência como sendo um condutor retilíneo.

Observe na figura abaixo que no plano do circulo, todas as linhas de


força tem sentidos coincidentes e que no centro da espira, em

qualquer posição que você use a regra da mão direita, o campo


magnético é perpendicular ao plano do papel e, nesse exemplo,
entrando nele.

A intensidade do campo magnético no centro da espira circular


de raio R vale B=µ.i/2R e, se você enrolar vários (n) fios em

torno da mesma circunferência de raio R (bobina chata ou plana), a


expressão será B=n. µ.i/2R.
65

O que você deve saber

A direção e o sentido do vetor indução magnética (vetor campo


magnético) no interior da espira é fornecido pela regra da mão

direita (você coloca o polegar no sentido da corrente com a mão


espalmada, em seguida você fecha a mão no sentido de pegar o
pegar o fio e o sentido da “fechada” de mão é o sentido do vetor ).

Intensidade de

Se você tiver (n) fios em torno da mesma circunferência de raio R,


a expressão será:

Campo magnético no interior de um solenóide


66

Um solenóide ou uma bobina longa é constituído por um condutor


enrolado por um número muito grande de espiras iguais, uma ao lado
da outra, conforme figura abaixo.

Quando o solenóide é percorrido por corrente elétrica, a


configuração de suas linhas de indução é obtida pela reunião das
configurações de cada espira o que equivale à configuração das linhas
de indução de um imã natural.

O sentido das linhas de indução no solenóide é fornecido pela regra


da mão direita aplicada em uma de suas espiras (figura 2) e

em seu interior o campo magnético é praticamente uniforme (figura


1) e fora são linhas que saem do pólo norte e chegam ao pólo sul.

As linhas de força do campo magnético produzido por um


solenóide são idênticas aos do campo magnético produzido por um

ímã. Na prática, é indiferente produzir-se um campo magnético por


um ímã ou por um solenóide.

No interior do solenóide o campo magnético é praticamente


uniforme e sua intensidade é constante e vale:
67

A expressão B=µ.N.i/L é válida para solenóides sem núcleo ---


se você colocar no interior do solenóide um núcleo de material

ferromagnético, a intensidade do campo magnético gerado fica muito


aumentada ele será um eletroímã (imã muito possante).

Utilidades dos eletroímãs – seleção e transportes de sucatas de


ferro, pegar carros e objetos de metal pesado, disjuntores,

amplificadores de música para guitarra, caixas de som, alto falantes,


fechaduras magnéticas, televisões, ressonância magnética, etc.

O que você deve saber


68

No interior do solenóide o campo magnético tem a direção do


eixo do solenóide, sentido fornecido pela regra da mão direita
aplicada em uma de suas espiras e intensidade B=µ.N.i/L.

Indução Eletromagnética

Considere uma espira circular, quadrada ou retangular de ares S no


interior de um campo magnético uniforme de indução . Considere
o vetor normal ao plano que contém a espira e α o ângulo que o
vetor indução magnética forma com .

Define-se fluxo magnético pela letra Φ (fi), como sendo o produto


entre o vetor indução magnética , a área S da espira e o cosseno do
ângulo α formado entre e , ou seja:

Observe que o fluxo magnético Φ pode ser considerado como a


grandeza física que mede o número de linhas de indução que
atravessam a superfície de uma espira e que o fluxo será máximo
quando α=0o (número de linhas de indução que atravessam a
69

espira é máximo - I) e será nulo quando α=90o (nenhuma linha de


indução atravessa a espira - II).

Indução eletromagnética

O fenômeno da indução eletromagnética foi descoberto por


Faraday em 1831, quando observou que um campo magnético pode
induzir um campo elétrico, ou seja, demonstrou que, aproximando e
afastando um imã de uma espira de fio condutor conectada a um
galvanômetro (dispositivo que indica pequenas correntes), durante o
movimento do imã o galvanômetro detectava o aparecimento de uma
corrente elétrica no fio, e quando o imã parava, essa corrente
elétrica cessava.

A partir do fenômeno da indução eletromagnética foram


construídos geradores de energia elétrica através das usinas
hidrelétricas,

termoelétricas ou nucleares que giram turbinas as quais movem


gigantescos imãs e bobinas.
70

Para que você entenda o fenômeno da indução eletromagnética,


considere uma única espira e um imã permanente. Quando você
aproxima o imã da espira, o número de linhas de indução do imã que
penetram na espira (fluxo magnético) aumenta, fazendo surgir na
espira uma corrente elétrica induzida num determinado sentido.

Quando você afasta o imã da espira, o número de linhas de indução


do imã (fluxo magnético) que penetram na espira diminui, fazendo
surgir na espira uma corrente elétrica induzida com sentido oposto ao
anterior.

Com o imã imóvel, o número de linhas de indução que penetram na


espira (fluxo magnético) não muda, não existindo corrente elétrica
induzida.

Você obteria o mesmo resultado acima, mantendo o imã fixo e


movendo a espera ou movendo os dois, pois não importa quem de
movimente, mas que haja variação de fluxo magnético através da
espira, o que só ocorre se a velocidade relativa entre eles for
diferente de zero.

O mesmo será válido se, em vez de uma espira você tivesse um


solenóide (várias espiras circulares de mesmo raio, concêntricas e
interligadas)

Lembre-se de que o fluxo magnético deve aumentar ou diminuir


de intensidade de forma perpendicular ao fio (de forma que as linhas
de fluxo atravessem a espira), do contrário nenhuma corrente elétrica
tensão será induzida.

Leis qualitativas sobre a indução eletromagnética:


71

Toda corrente elétrica induzida é originada devido a uma variação


do fluxo magnético de indução.

Não há corrente induzida se não houver variação do fluxo


magnético de indução

O fluxo magnético pode variar por uma variação da área da


superfície, ou por uma variação da indução, ou por uma variação da
superfície da espira no interior do campo magnético. Este último
processo ocorre quando se:

a) varia o ângulo α girando a espira e variando assim sua posição,


obtendo um gerador mecânico de energia elétrica (como nas usinas
hidrelétricas, termelétricas e nucleares).

Observe nas figuras abaixo que à medida que a espira gira, a


quantidade de linhas de indução magnética (fluxo magnético) que a

atravessa também varia, fazendo surgir na espira uma corrente


elétrica induzida, acendendo a lâmpada.

O ângulo α entre e , num ciclo, varia entre 0o e 360o, assumindo


os valores máximo, mínimo e nulo, conforme indicam as

figuras e o gráfico.

b) varia o fluxo magnético variando a área da espira, conforme a


figura onde se tem um condutor retilíneo PQ apoiado sobre os ramos
paralelos do condutor ABCD e todos estão no interior de um campo
magnético de indução .
72

Observe na figura abaixo que, quando o condutor PQ se move com


velocidade a área da espira de lados ABPQ varia,

provocando uma variação do fluxo magnético e fazendo surgir uma


corrente elétrica induzida nesta espira.

Lei de Lenz

A lei de Lenz se refere ao sentido da corrente elétrica induzida


afirmando que a corrente elétrica induzida, sempre tem sentido
oposto as linhas do campo magnético indutor: “ O sentido da corrente
elétrica induzida é tal que, por seus efeitos, opõe-se à causa que lhe
deu origem”

Observe atentamente os exemplos seguintes, que permitem


calcular o sentido da corrente elétrica induzida através da aplicação
da lei de Lenz:

O pólo norte do imã se aproxima da espira ou do solenóide

A corrente induzida deve ter um sentido que vai originar na espira um


pólo que deve se opor ao pólo norte que se aproxima.

Assim, a face esquerda da espira deve ser um pólo norte.

Sabendo que a face esquerda da espira é um pólo norte (de onde


saem as linhas de indução) e a face direita é um pólo sul (onde
chegam as linhas de indução), aplica-se a regra da mão direita
(polegar no sentido da corrente e a “fechada” da mão passando por
dentro da espira, fornece o sentido das linhas de indução).
73

Assim, para que a face esquerda da espira seja um pólo norte e a


direita um pólo sul, a corrente elétrica induzida deve ter o sentido da
figura.

O pólo norte do imã se afasta da espira ou do solenóide

A corrente induzida deve ter um sentido que vai originar na espira um


pólo que deve atrair pólo norte que se afasta.

Assim, a face esquerda da espira deve ser um pólo sul.

Sabendo que a face esquerda da espira é um pólo sul ( onde chegam


as linhas de indução) e a face direita é um pólo norte ( de onde saem
as linhas de indução), aplica-se a regra da mão direita (polegar no
sentido da corrente e a “fechada” da mão passando por dentro da
espira, fornece o sentido das linhas de indução).

Assim, para que a face esquerda da espira seja um pólo sul e a


direita um pólo norte, a corrente elétrica induzida deve ter o sentido
da figura.

Se o módulo do fluxo magnético estiver aumentando

Nesse caso, pela lei de Lenz, deve surgir um fluxo magnético que se
oponha a esse aumento de fluxo, ou seja, deve surgir um fluxo
magnético que esteja saindo da folha.
74

Com saindo da folha, usando a regra da mão direita, o sentido da


corrente elétrica induzida está indicado nas figuras acima.

Se o módulo do fluxo magnético estiver diminuindo

Nesse caso, pela lei de Lenz, deve surgir um fluxo magnético que se
oponha a essa diminuição de fluxo, ou seja, deve surgir um fluxo
magnético que esteja entrando na folha.

Com entrando da folha, usando a regra da mão direita, o sentido da


corrente elétrica induzida está indicado nas figuras acima.

O que você deve saber

Leis qualitativas sobre a indução eletromagnética:

Toda corrente elétrica induzida é originada devido a uma variação


do fluxo magnético de indução.

Não há corrente induzida se não houver variação do fluxo


magnético de indução
75

A figura abaixo representa um imã preso a uma mola ideal que


está oscilando verticalmente, passando pelo centro de um anel
metálico fixo.

Como o fluxo magnético através da espira está variando surge uma


corrente elétrica induzida no anel, ora num sentido, ora no outro.

Pelo princípio da conservação da energia, se surge energia elétrica no


anel, alguma outra forma de energia deve estar sendo consumida. No
caso, essa energia elétrica vem da energia cinética do ímã que está
diminuindo, provocando diminuição na amplitude de oscilação do ímã.

Se uma espira ou solenóide estiver no interior de um campo


magnético uniforme, só haverá variação de fluxo magnético se ela
estiver girando perpendicularmente ao plano onde está contido o
campo magnético, conforme você pode observar na figura,

onde o amperímetro só indicará corrente quando ela for girada em


torno da direção RS.

Observe que a quantidade de linhas de indução através do


solenóíde continua a mesma se ele se deslocar na direção RS, na
direção PQ e se girar em torno da direção PQ.
76

Quando uma espira está girando no interior de um campo magnético


uniforme (gerador de corrente alternada) o ângulo α entre e

, num ciclo, varia entre 0o e 360o, assumindo os valores máximo,


mínimo e nulo, conforme indicam as figuras e o gráfico acima..

Leia atentamente os quatro exemplos da lei de Lenz na obtenção


do sentido da corrente elétrica induzida.

Uma espira retangular condutora passa com velocidade constante


entre os pólos de um ímã, conforme a figura (I). A variação da
intensidade i da corrente elétrica com o tempo t, enquanto a espira
atravessa o espaço entre os pólos do ímã está indicado na figura (II)
--- ela começa a penetrar no campo magnético até penetrar
totalmente, com o fluxo magnético aumentando (entre t1 e t2,

corrente num sentido) --- totalmente dentro do campo magnético


não há variação de fluxo (entre t2 e t3,corrente nula) --- começa a
sair do campo magnético até sair totalmente, com o fluxo magnético
diminuindo (entre t3 e t4, corrente em outro sentido).

A figura mostra um imã caindo dentro de um tubo preso a um


suporte --- suponha que o imã que está descendo tenha o pólo Sul
(cor preta) na extremidade inferior e o pólo Norte (cor vermelha) na
extremidade superior e, nele estão esquematizadas as linhas do
campo magnético que saem do pólo Norte e chegam ao pólo Sul
(figura 1) --- vamos considerar o tubo como sendo metálico, caso
contrário não haverá indução eletromagnética --- enquanto o imã
desce, o fluxo do campo magnético é aumentado na região (a)
próxima ao pólo Sul
77

do imã, surgindo aí uma corrente elétrica induzida que origina um


campo magnético e consequentemente um imã com pólo Sul na parte
superior que se opõe à descida do imã (figura 2) --- da mesma
maneira, enquanto o imã desce, o fluxo do campo magnético é
diminuido na região (a) próxima ao pólo Norte do imã, surgindo aí
uma corrente elétrica induzida que origina um campo magnético e
consequentemente um imã com pólo Sul na parte inferior que se
opõe à descida do imã (figura 3) --- assim, são originados no tubo
metálico dois imãs cujos pólos se opõe à descida do imã, dificultando
sua queda (figura 4) e todo o fenômeno descrito é explicado pela lei
de Lenz.

Força eletromotriz induzida

Michael Faraday, experimentalmente observou que a tensão média


induzida e consequentemente a corrente elétrica induzida é maior
quanto mais rápida for a variação do fluxo magnético no circuito.
Lembrando que a essa tensão média induzida dá-se o nome de força
78

eletromotriz induzida. Assim, ele definiu essa lei da seguinte


maneira:

“ O módulo da força eletromotriz induzida num circuito é igual à


razão entre a variação do fluxo magnético nesse circuito, pelo
intervalo de tempo em que essa variação ocorre”

Eventualmente, devido à lei de Lenz, que afirma que a força


eletromotriz induzida se opõe à variação de fluxo, costuma-se
escrever a lei de Lenz da seguinte forma:

Força eletromotriz induzida pelo movimento

Força eletromotriz gerada por um condutor móvel num


campo elétrico uniforme --- esse condutor tem o comportamento
de um gerador mecânico de eletricidade de fem ε --- quando você
movimenta o condutor RS de comprimento L

com velocidade constante, para a direita, você está aumentando a


área da espira de ∆S=y.L, provocando uma variação de fluxo
magnético que por sua vez faz surgir na espira uma corrente elétrica
induzida e consequentemente uma tensão (força eletromotriz
induzida) --- ε=∆Φ/∆t --- a variação de fluxo, num campo
magnético uniforme, é fornecida por ∆Φ=B.(∆S).cosα ---
∆Φ=B.(∆S).cos0o --- ∆Φ=B.(∆S).1 --- ∆Φ=B.(y.L) --- ε=∆Φ/∆t --
- ε= B.y.L/∆t --- V=∆S/∆t=y/∆t --- ε=B.L.V --- o sentido da
corrente elétrica induzida é fornecida pela lei de Lenz “a força
79

eletromotriz induzida e a corrente induzida geram um fluxo


magnético que se opõe à variação do fluxo causador da indução”.

A barra RS em deslocamento no campo magnético é um gerador


elétrico que transforma energia mecânica em elétrica e a fornece à
carga elétrica que flui em seu interior.

Transformadores

A função de um transformador é aumentar ou diminuir a


diferença de potencial voltagem). Trata-se de um dispositivo de

corrente alternada que opera baseado nos princípios


eletromagnéticos da Lei de Faraday e da Lei de Lenz. O
transformador de tensão (voltagem) consta de uma peça de ferro,
denominada de núcleo do transformador, ao redor do qual são
enroladas duas bobinas, uma denominada primária e a outra
secundária.

Em uma dessas bobinas é aplicada a tensão que se deseja


transformar, ou seja, aumentar ou diminuir. Essa bobina é chamada
de bobina primária ou enrolamento primário. Depois de
transformada, a tensão é estabelecida nos terminais da outra bobina,
que é denominada bobina secundária ou enrolamento secundário.
Alguns transformadores tem mais espiras no primário que no
secundário. Desta forma eles diminuem a tensão, sendo chamados de
redutores. Como exemplo têm-se os transformadores usados na
alimentação de rádios e aparelhos de som em geral. Outros
80

possuem mais espiras no secundário, sendo chamados de elevadores.


Como exemplo têm-se o transformador de alta tensão do forno
microondas e o "fly-back" dos televisores.

As usinas geradoras de energia elétrica produzem corrente


elétrica alternada que permite, através de um transformador, elevar

a tensão e, assim, diminuir a intensidade da corrente diminuindo as


perdas de energia por efeito Joule nas longas linhas de

transmissão que ocorreriam se as correntes fossem muito elevadas.

Sejam N1 e N2, respectivamente, o número de espiras do primário


e do secundário e, suponha que seja induzida uma mesma tensão
variável U=ε=∆Φ/∆t no primário e no secundário (o fluxo magnético
que atravessa os dois é o mesmo) --- como existem N1 espiras no
primário, a tensão nele induzida será U1=N1.U (I) --- como existem
N2 espiras no secundário, a tensão nele induzida será U2=N2.U (II) --
- dividindo membro a membro I por II --- U1/U2=N1/N2 --- “as
tensões (voltagens) U1 e U2 são diretamente
81

proporcionais ao número de espiras N1 e N2”

Não havendo perdas de energia a energia elétrica e


consequentemente a potência elétrica fornecida ao primário, no
mesmo intervalo de tempo são as mesmas que no secundário --- no
primário --- P1=U1.i1 --- no secundário --- P2=U2.i2 --- P1=P2 ---

U1.i1=U2.i2 --- U1/U2=i2/i1 --- “ as tensões (voltagens) U1 e U2 são


inversamente proporcionais às intensidades de correntes i1 e

i2”

Lembre-se de que pelo Princípio da Conservação da Energia não


pode haver aumento da energia consumida , assim a potência
fornecida ao primário é a mesma do secundário --- P1=P2

Símbolo de um transformador

O que você deve saber


82

Eventualmente, devido à lei de Lenz, que afirma que a força


eletromotriz induzida se opõe à variação de fluxo, costuma-se
escrever a lei de Lenz da seguinte forma:

O sentido da corrente elétrica induzida é fornecida pela lei de Lenz “a


força eletromotriz induzida e a corrente induzida geram um fluxo
magnético que se opõe à variação do fluxo causador da indução”.
Assim, se o módulo do fluxo aumenta --- as linhas de indução do
fluxo induzido (com as quais você vai aplicar a regra da mão direita)
são contrárias às do fluxo induzido (figura 1) --- se o módulo do
fluxo diminui

--- as linhas de indução do fluxo induzido (com as quais você vai


aplicar a regra da mão direita) são do mesmo sentido do fluxo
induzido (figura 2).

Gráficos da força eletromotriz induzida e da corrente


elétrica induzida – considere uma espira de qualquer formato ou
83

uma bobina (solenóide) girando com velocidade angular W no interior


de um campo magnético uniforme.

A corrente elétrica induzida é uma função senoidal do tempo e é


alternada porque ela percorre a espira ou bobina invertendo seu
sentido durante um ciclo, como indica o gráfico i X t.

Observe as seqüências abaixo onde a espira inicia seu giro no sentido


horário: A corrente i inicia seu ciclo quando t=0, aumenta

até atingir um valor máximo em t=T/4; diminui até se anular em


t=T/2: inverte seu sentido e aumenta até atingir um valor máximo
em módulo (mínimo) em t=3T/4 e em seguida diminui até chegar
novamente a zero, quando reinicia um novo ciclo.

Como ε=R.i, com R constante, o gráfico da força eletromotriz


induzida em função do tempo (ε X t) também é uma função

senoidal, variando da mesma maneira como varia o gráfico da


corrente elétrica induzida, variando apenas de intensidade.

Observe nos gráficos i X t e ε X t que, quanto mais rápido girar a


espira, maior será a intensidade dessas grandezas.

As correntes que chegam em nossas instalações domiciliares é


alternada com força eletromotriz eficaz de (117V ou 227V) e
freqüência de 60Hz, o que significa que a espira gire 60 vezes em
cada segundo (3.600 rotações por minuto). Para facilitar, cada
84

gerador tem vários pares de pólos e assim se, por exemplo, um


gerador tiver dois pares de pólos, cada volta completa gera dois
ciclos.

Assim, o gerador acima, para gerar 60Hz deve girar 30 vezes por
segundo. Generalizando:

f=K.P, onde: f --- freqüência em Hz da fem induzida; K --- número


de rotações por segundo efetuadas pela espira e P é o número de
pares de pólos

Exemplo --- Se um gerador tiver pares de pólos e a espira girar 30


vezes por segundo, a fem induzida será de f=30.4=120Hz

Lembre-se de que pelo Princípio da Conservação da Energia não


pode haver aumento da energia consumida , assim a potência
fornecida ao primário é a mesma do secundário --- P1=P2

PARTE 2 – EXERCÍCIOS
85

ELETROSTÁTICA
Carga elétrica e processos de eletrização:

01-(UFPE-PE) Considere os materiais:

1. Borracha 5. Vidro

2. Porcelana 6. Ouro

3. Alumínio 7. Mercúrio

4. Nylon 8. Madeira

Assinale a alternativa abaixo, na qual os três materiais citados são bons condutores:

a) 5, 7 e 8 b) 3, 5 e 6 c) 3, 4 e 6 d) 3, 6 e 7

02- (UFMG-MG) Um isolante elétrico:

a) não pode ser carregado eletricamente; b) não contém elétrons; c) tem de


estar no estado sólido;

d) tem, necessariamente, resistência elétrica pequena; e) não pode ser


metálico.

03- (UECE-CE) A matéria, em seu estado normal, não manifesta propriedades elétricas.
No atual estágio de conhecimentos da estrutura atômica, isso nos permite concluir que a
matéria:

a) é constituída somente de nêutrons. b) possui maior número de


nêutrons que de prótons.

c) possui quantidades iguais de prótons e elétrons. d) é constituída somente de


prótons.
86

04-(FCC - BA) Considere uma esfera metálica oca, inicialmente com carga elétrica
nula. Carregando a esfera com um certo número N de elétrons verifica-se que:

a) N elétrons excedentes se distribuem tanto na superfície interna como na externa;

b) N elétrons excedentes se distribuem em sua superfície interna;

c) N elétrons excedentes se distribuem em sua superfície externa;

d) a superfície interna fica carregada com cargas positivas;

e) a superfície externa fica carregada com cargas positivas.

05- (PUC-SP) Não é possível eletrizar uma barra metálica segurando-a com a mão,
porque:

a) a barra metálica é isolante e o corpo humano é bom condutor.

b) a barra metálica é condutora e o corpo humano é isolante.

c) tanto a barra metálica como o corpo humano são bons condutores.

d) a barra metálica é condutora e o corpo humano é semicondutor.

e) tanto a barra metálica como o corpo humano são isolantes.

06- (UERJ-RJ) Em processos físicos que produzem apenas elétrons, prótons e nêutrons,
o número total de prótons e elétrons é sempre par.

Esta afirmação expressa a lei de conservação de:

a) massa b) energia c) momento d)


carga elétrica

07-(UNESP-SP) Em 1990 transcorreu o cinqüentenário da descoberta dos "chuveiros


penetrantes" nos raios cósmicos, uma contribuição da física brasileira que alcançou
repercussão internacional.

(O Estado de
São Paulo, 21/10/90, p. 30)

No estudo dos raios cósmicos são observadas partículas chamadas píons. Considere um
píon com carga elétrica +e se
87

desintegrando (isto é, se dividindo) em duas outras partículas: um múon com carga


elétrica +e e um neutrino. De acordo com o princípio de conservação da carga, o
neutrino deverá ter carga elétrica:

a) +e b) –e c) +2e d) -
2e e) nula

08-(UNESP-SP) De acordo com o modelo atômico atual, os prótons e nêutrons não são
mais considerados partículas elementares.

Eles seriam formados de três partículas ainda menores, os quarks. Admite-se a


existência de 12 quarks na natureza, mas só dois tipos formam os prótons e nêutrons, o
quark up (u), de carga elétrica positiva, igual a 2/3 do valor da carga do elétron, e o
quark down (d), de carga elétrica negativa, igual a 1/3 do valor da carga do elétron. A
partir dessas informações, assinale a alternativa que apresenta corretamente a
composição do próton e do nêutron:

próton nêutron

a) d, d, d u, u, u

b) d, d, u u, u, d

c) d, u, u u, d, d

d) u, u, u d, d, d

e) d, d, d d, d, d

09-(PUC-RS) Durante as tempestades, normalmente ocorrem nuvens carregadas de


eletricidade. Uma nuvem está eletrizada
88

quando tem carga elétrica resultante, o que significa excesso ou falta de _______, em
conseqüência de _______ entre camadas da atmosfera. O pára-raios é um metal em
forma de ponta, em contato com o solo, que _______ a descarga da nuvem para o ar e
deste para o solo.
a) energia; choque; facilita b) carga; atrito; dificulta c)
elétrons; atração; facilita
d) elétrons; atrito; facilita e) prótons atrito dificulta

10-(FGV-SP) Tem-se uma esfera eletrizada negativamente com carga Q. Sendo e o


valor da carga de um elétron, o quociente Q/e

é,necessariamente:

a) par b) ímpar c) não-inteiro d) inteiro


e) infinito

11-(PUC-MG) Assinale a afirmativa CORRETA sobre o conceito de carga elétrica.

a) É a quantidade de elétrons em um corpo. b) É uma propriedade da


matéria.

c) É o que é transportado pela corrente elétrica. d) É o que se converte em


energia elétrica em um circuito.

12-(PUC-PR) Um corpo possui 5.1019 prótons e 4.1019 elétrons. Considerando a carga


elementar igual a 1,6.10-19 C, este corpo está:
89

a) carregado negativamente com uma carga igual a 1.10-19 C. b) neutro.

c) carregado positivamente com uma carga igual a 1,6 C. d) carregado


negativamente com uma carga igual a 1,6 C.

e) carregado positivamente com uma carga igual a 1.10-19 C.

13-(UFB) Qual é a carga elétrica de um corpo que possui 2.980 prótons e 3.010
elétrons? (carga de próton = +1 C)

14-(EFOA-MG) Um sistema é constituído por um corpo de massa M, carregado


positivamente com carga Q, e por outro corpo de massa M, carregado negativamente
com carga Q. Em relação a este sistema pode-se dizer que:
a) sua carga total é -Q e sua massa total é 2M.
b) sua carga total é nula e sua massa total é nula.
c) sua carga total é +2Q e sua massa total é 2M.
d) sua carga total é +Q e sua massa total é nula.
e) sua carga total é nula e sua massa total é 2M.

15-(ESAN-RN) As palavras que completam corretamente as lacunas do texto abaixo


são, respectivamente:

Se a um corpo eletricamente neutro acrescentarmos partículas negativas, desaparece o


equilíbrio de cargas. O efeito total das partículas negativas supera o das positivas e
podemos dizer que o corpo está carregado negativamente. Podemos também carregar
positivamente um objeto ________________ partículas ____________e deixando,
portanto, um excesso de cargas ____________.

a) acrescentando; negativas; positivas b) retirando; negativas;


positivas

c) retirando; positivas; negativas d) acrescentando; positivas;


negativas

e) retirando; positivas; positivas

16-(FURG RS) Sobre os núcleos atômicos e seus constituintes, são feitas quatro
afirmativas.
90

I. Os núcleos atômicos são constituídos por prótons, nêutrons e elétrons.


II. O próton é uma partícula idêntica ao elétron, porém de carga positiva.
III. Nos núcleos atômicos está concentrada a quase totalidade da massa do átomo.
IV. As forças nucleares são as responsáveis por manter unidas as partículas que
compõem os núcleos atômicos.
Quais afirmativas estão corretas?
a) Apenas II. b) Apenas I e III. c) Apenas III e IV. d) Apenas I, II e
IV. e) I, II, III e IV.

17-(CESESP-PE) Sabe-se que a carga do elétron vale – 1,6. 10-19C. Considere um


bastão de vidro que foi atritado e perdeu elétrons, ficando positivamente carregado com
a carga de 5,0 . 10-6C. Conclui-se que o número de elétrons retirados do bastão foi de
aproximadamente:

a) 1,6. 1016 b) 3,1 . 1011 c) 2,5 . 1010 d) 3,1


. 1013 e) 1,6 . 1015

18-(UPF-RS) Um corpo que tenha sido eletrizado com uma carga de 10µC deverá ter
recebido, aproximadamente, em elétrons:

a) algumas dúzias b) entre 104 e 1010 c) várias centenas d) entre 1011 e


1015

19-(PUC-RJ) Se algum objeto inicialmente neutro adquire uma carga elétrica positiva
Q, podemos, então, afirmar que algum outro objeto inicialmente neutro:

a) torna-se negativamente carregado, mas não necessariamente com carga –Q

b) torna-se carregado com carga Q.

c) torna-se carregado com carga –Q.

d) torna-se positivamente carregado, mas não necessariamente com carga Q.

e) torna-se magnetizado.

20- (UERJ) Prótons e nêutrons são constituídos de partículas chamadas quarks: os


quarks u e d. O próton é formado de 2 quarks
91

do tipo u e 1 quark do tipo d, enquanto o nêutron é formado de 2 quarks do tipo d e 1 do


tipo u. Se a carga elétrica do próton é igual a 1 unidade de carga e a do nêutron igual a
zero, as cargas de u e d valem, respectivamente:

a) 2/3 e 1/3 b) - 2/3 e - 1/3 c) - 2/3 e 1/3 d) 2/3 e - 1/3 e) 1/3


e 2/3

21-(UFB) Quando você liga um televisor, o material que reveste a tela internamente,
perde uma grande quantidade de elétrons e se

torna eletricamente carregado. Você pode verificar a presença dessa carga aproximando
o braço da tela e notando como os pêlos ficam "em pé". Qual é o sinal da carga
adquirida pela tela?

22-(PUCCAMP-SP) Três esferas estão eletrizadas com cargas p, m, g, tais que

g + m = 9µC

g + p = 8µC

m + p = 5µC

A carga elétrica g em microcoulombs vale:


92

a) 6 b) 5 c) 4 d) 3 e) 2

23-(UNIUBE-MG) Uma aluna de cabelos compridos, num dia bastante seco, percebe
que depois de penteá-los pente utilizado

atrai pedaços de papel. Isto ocorre porque


a) o pente se eletrizou por atrito. b) os pedaços de papel estavam
eletrizados. c) o papel é um bom condutor elétrico.
d) há atração gravitacional entre o pente e os pedaços de papel. e) o pente é um
bom condutor elétrico.

24-(UFSCAR-SP) Atritando vidro com lã, o vidro se eletriza com carga positiva e a lã
com carga negativa. Atritando algodão com

enxofre, o algodão adquire carga positiva e o enxofre, negativa. Porém, se o algodão for
atritado com lã, o algodão adquire carga negativa e a lã, positiva. Quando atritado com
algodão e quando atritado com enxofre, o vidro adquire, respectivamente, carga elétrica:
a) positiva e positiva. b) positiva e negativa. c) negativa e positiva.
d) negativa e negativa.
e) negativa e nula.

25-(UNIFOR-CE) Os corpos x e y são eletrizados por atrito, tendo o corpo x cedido


elétrons a y. Em seguida, outro corpo, z, inicialmente neutro, é eletrizado por contato
com o corpo x. Ao final dos processos citados, as cargas elétricas de x, y e z são,
respectivamente,
a) positiva, negativa e positiva b) negativa, positiva e negativa c) positiva,
positiva e positiva
d) negativa, negativa e positiva e) positiva, positiva e negativa

26-(UEL-PR) Campos eletrizados ocorrem naturalmente no nosso cotidiano. Um


exemplo disso é o fato de algumas vezes
93

levarmos pequenos choques elétricos ao encostarmos em automóveis. Tais choques são


devidos ao fato de estarem os automóveis eletricamente carregados. Sobre a natureza
dos corpos (eletrizados ou neutros), considere as afirmativas a seguir:
I. Se um corpo está eletrizado, então o número de cargas elétricas negativas e positivas
não é o mesmo.
II. Se um corpo tem cargas elétricas, então está eletrizado.
III. Um corpo neutro é aquele que não tem cargas elétricas.
IV. Ao serem atritados, dois corpos neutros, de materiais diferentes, tornam-se
eletrizados com cargas opostas, devido ao princípio de conservação das cargas elétricas.
V. Na eletrização por indução, é possível obter-se corpos eletrizados com quantidades
diferentes de cargas.
Sobre as afirmativas acima, assinale a alternativa correta.
a) Apenas as afirmativas I, II e III são verdadeiras. b) Apenas as afirmativas
I, IV e V são verdadeiras.
c) Apenas as afirmativas I e IV são verdadeiras. d) Apenas as afirmativas
II, IV e V são verdadeiras.
e) Apenas as afirmativas II, III e V são verdadeiras.

27-(UEL-PR) Em dias frios e secos, podemos levar um choque elétrico quando, ao sair
de um automóvel, colocamos a mão na

porta para fechá-la. Sobre esse fenômeno de descarga elétrica, é correto afirmar:
a) O automóvel está eletricamente carregado. b) O automóvel
está magnetizado.
c) A porta do automóvel está a um mesmo potencial que a Terra. d) A porta do
automóvel é um isolante elétrico.
e) As cargas magnéticas se descarregam durante o choque.

28-(UFSM-RS) Considere as seguintes afirmativas:

I. Um corpo não eletrizado possui um número de prótons igual ao número de elétrons.

II. Se um corpo não eletrizado perde elétrons, passa a estar positivamente eletrizado e,
se ganha elétrons, negativamente eletrizado.
94

III. Isolantes ou dielétricos são substâncias que não podem ser eletrizadas.

Está(ão) correta(s)

a) apenas I e II. b) apenas II. e) I, II e III. c) apenas III. d) apenas I


e III. e) I, II e III.

29-(PUCCAMP-SP) Dispõe-se de uma barra de vidro, um pano de lã e duas pequenas


esferas condutoras, A e B, apoiadas em suportes isolados, todos eletricamente neutros.
Atrita-se a barra de vidro com o pano de lã; a seguir coloca-se a barra de vidro em
contato com a esfera A e o pano com a esfera B. Após essas operações:
a) o pano de lã e a barra de vidro estarão neutros. b) a barra de vidro
repelirá a esfera B.
c) o pano de lã atrairá a esfera A. d) as esferas A e B se
repelirão.
e) as esferas A e B continuarão neutras.

30- (PUC-SP) Leia com atenção a tira do gato Garfield mostrada abaixo e analise as
afirmativas que se seguem.

I. Garfield, ao esfregar suas patas no carpete de lã, adquire carga elétrica. Esse processo
é conhecido como eletrização por atrito.

II. Garfield, ao esfregar suas patas no carpete de lã, adquire carga elétrica. Esse processo
é conhecido como eletrização por indução.

III. O estalo e a eventual faísca que Garfield pode provocar, ao encostar em outros
corpos, são devidos à movimentação da carga acumulado no corpo do gato, que flui de
seu corpo para os outros corpos.

Estão certas:

a) I, II e III b) I e II c) I e III d) II e
III e) Apenas I
95

31-(PUC-SP) Pessoas que têm cabelos secos observam que quanto mais tentam assentar
os cabelos, mais os fios ficam ouriçados

(em dias secos). Este fato pode ser explicado por:

a) eletrização por atrito. b) eletrização por indução. c)


fenômenos magnéticos.

d) fenômenos químicos. e) fenômenos biológicos.

32-(UFF-RJ) Um aluno tem 4 esferas idênticas, pequenas e condutoras (A, B, C e D),


carregadas com cargas respectivamente iguais a –2Q, 4Q, 3Q e 6Q. A esfera A é
colocada em contacto com a esfera B e a seguir com as esferas C e D. Ao final do
processo a esfera A estará carregada com carga equivalente a:

a) 3Q b) 4Q c) Q/2 d)
8Q e) 5,5Q

33-(UEPB-PB) O médico e cientista inglês William Gilbert (1544-1603), retomando as


experiências pioneiras com os fenômenos elétricos, realizadas pelo filósofo grego Tales
de Mileto, no século VI a.C. (experiências que marcaram o início da Ciência da
Eletricidade, fundamental para o progresso de nossa civilização) verificou que vários
corpos, ao serem atritados, se comportam como o âmbar e que a atração exercida por
eles se manifestava sobre qualquer outro corpo, mesmo que este não fosse leve. Hoje
observa-se que a geração de eletricidade estática por atrito é mais comum do que se
pode imaginar e com várias aplicações.
A respeito destas experiências, analise as proposições a seguir.

I. Em regiões de clima seco é relativamente comum um passageiro sentir um pequeno


choque ao descer de um veículo e tocá-lo. Isto ocorre porque, sendo o ar seco, bom
isolante elétrico, a eletricidade estática adquirida por atrito não se escoa para o
96

ambiente, e o passageiro, ao descer, faz a ligação do veículo com o solo.


II. Ao caminharmos sobre um tapete de lã, o atrito dos sapatos com o tapete pode gerar
cargas que se acumulam em nosso corpo. Se tocarmos a maçaneta de uma porta, nessas
condições, poderá saltar uma faísca, produzindo um leve choque. Este processo é
conhecido como eletrização por indução.
III. É muito comum observar-se, em caminhões que transportam combustíveis, uma
corrente pendurada na carroceria, que é arrastada no chão. Isso é necessário para
garantir a descarga constante da carroceria que, sem isso, pode, devido ao atrito com o
ar durante o movimento, apresentar diferenças de potencial, em relação ao solo,
suficientemente altas para colocar em risco a carga inflamável.
IV. Quando penteamos o cabelo num dia seco, podemos notar que os fios repelem-se
uns aos outros. Isso ocorre porque os fios de cabelo, em atrito com o pente, eletrizam-se
com carga de mesmo sinal.
A partir da análise feita, assinale a alternativa correta:
a) Apenas as proposições I e II são verdadeiras. b) Apenas as
proposições I e III são verdadeiras.
c) Apenas as proposições II e IV são verdadeiras. d) Apenas as
proposições I, III e IV são verdadeiras.
e) Todas as proposições são verdadeiras.

34-(PUC-MG) Em certos dias do ano, freqüentemente tomamos pequenos "choques" ao


fecharmos a porta do carro ou ao cumprimentarmos um colega com um simples aperto
de mãos. Em quais circunstâncias é mais provável que ocorram essas descargas
elétricas?

a) Em dias muito quentes e úmidos, porque o ar se torna condutor.

b) Em dias secos, pois o ar seco é bom isolante e os corpos se eletrizam mais


facilmente.

c) Em dias frios e chuvosos, pois a água da chuva é ótima condutora de eletricidade.

d) A umidade do ar não influi nos fenômenos da eletrostática, logo essas descargas


poderão ocorrer a qualquer momento.

35-(UFL-MG) No modelo atômico atual, o nêutron tem a composição (u, d, d), no qual
(u) representa o quark up e (d) representa o quark down. O quark up (u) tem carga
elétrica positiva e igual a 2/3 do valor da carga elétrica do elétron, em módulo. A
alternativa que apresenta corretamente a carga elétrica do quark down (d) é:

a) carga positiva e igual a 1/3 do valor da carga elétrica do elétron.

b) carga positiva e igual a 2/3 do valor da carga elétrica do elétron.

c) carga negativa e igual a 1/3 do valor da carga elétrica do elétron.

d) carga negativa e igual 2/3 a do valor da carga elétrica do elétron.


97

e) carga nula.

36-(PUC-RS) A mão da garota da figura toca a esfera eletrizada de uma máquina


eletrostática conhecida como gerador de

Van de Graaf. A respeito do descrito são feitas as seguintes afirmações:

I. Os fios de cabelo da garota adquirem cargas elétricas de mesmo sinal e por isso se
repelem.

II. O clima seco facilita a ocorrência do fenômeno observado no cabelo da garota.

III. A garota conseguiria o mesmo efeito em seu cabelo, se na figura sua mão apenas se
aproximasse da esfera de metal sem tocá-la.

Está correto o que se lê em

a) I, apenas. b) I e II, apenas. c) I e III, apenas. d) II


e III, apenas. e) I, II e III.

37-(PUC-MG) Um bastão isolante eletricamente carregado atrai uma bolinha condutora


A e repele uma outra bolinha condutora

B, penduradas, cada uma, na ponta de um fio leve e isolante. Pode-se concluir que:

a) a bolinha B não está carregada. b) a bolinha A pode não estar carregada.


c) ambas as bolinhas estão carregadas igualmente. d) a bolinha B está carregada
positivamente.
98

38-(UNIFOR-CE) Uma pequena esfera condutora está suspensa por um fio isolante.
Um bastão de vidro é aproximado da esfera e

verifica-se que ela é atraída.


São feitas as seguintes afirmações:
I. O bastão e a esfera estão eletrizados com cargas de sinais opostos.
II. O bastão está eletrizado, mas a esfera está neutra.
III. O bastão está neutro, mas a esfera está eletrizada.
Pode estar correto o que se afirma em:
a) I, somente. b) I e II, somente. c) I e III, somente. d) II e
III, somente. e) I, II e III.

39-(FESP-PE) Quatro corpos, A, B, C e D formam um sistema eletricamente isolado.


Inicialmente tem-se que QA = 6µC, QB = –2µC, QC = 4µC e QD = – 4µC. O corpo A
cede 2µC ao corpo B e o corpo C cede 1µC ao corpo D.

Assinale a afirmação incorreta:

a) O corpo B ficou eletricamente neutro.

b) A carga total após a transferência é de 4mC.

c) A soma algébrica das quantidades de carga elétrica é constante.

d) O corpo A, antes e depois, tem carga elétrica positiva.

e) Após a transferência de carga os corpos C e D ficaram eletricamente positivos.

40-(UFCE) A série triboelétrica a seguir é uma lista de substâncias, de modo que cada
uma se eletriza com carga positiva quando atritada com qualquer outra substância que
a segue na lista.
99

Um gato escorrega para baixo em uma vara de plástico e cai dentro de uma cuba
metálica X, que repousa sobre uma placa isolante. Duas outras cubas idênticas , Y e Z,
apoiadas na placa, estão em contato entre si, mas nenhuma faz contato com X. Quando
o gato cai em X, a placa se quebra e todas as cubas caem, separadas, sobre o soalho
isolado. O gato abandona a cuba X e foge. Ao final desse processo:.

a) X adquire carga positiva, Y, negativa e Z, positiva. b) X adquire carga


negativa, Y, positiva e Z, negativa.

c) somente X adquire carga positiva d) X, Y e Z têm carga


positiva.

41-(UFPEL-RS)

“A ÁGUA NA ATMOSFERA”

O calor proveniente do Sol por irradiação atinge o nosso Planeta e evapora a água que
sobe, por ser ela, ao nível do mar, menos densa que o ar. Ao encontrar regiões mais frias
na atmosfera, o vapor se condensa, formando pequenas gotículas de água que compõem,
então, as nuvens, podendo, em parte, solidificar-se em diferentes tamanhos. Os ventos
fortes facilitam o transporte do ar próximo ao chão — a temperatura, em dias de verão,
chega quase a 40º — para o topo das nuvens, quando a temperatura alcança 70°C. Há
um consenso, entre pesquisadores, de que, devido à colisão entre partículas de gelo,
água e granizo, ocorre a

eletrização da nuvem, sendo possível observar a formação de dois centros: um de


cargas positivas e outro de cargas negativas. Quando a concentração de cargas nesses
centros cresce muito, acontecem, então, descargas entre regiões com cargas elétricas
opostas. Essas descargas elétricas – raios – podem durar até 2s, e sua voltagem
100

encontra-se entre 100 milhões e 1 bilhão de volts, sendo a corrente da ordem de 30 mil
ampères, podendo chegar a 300 mil ampères e a 30.000 °C de temperatura. A luz
produzida pelo raio chega quase instantaneamente, enquanto que o som, considerada
sua velocidade de 300m/s, chega num tempo 1 milhão de vezes maior. Esse trovão, no
entanto, dificilmente será ouvido, se acontecer a uma distância superior a 35 km, já que
tende seguir em direção à camada de ar com menor temperatura.
Física na Escola, vol. 2, n° 1, 2001 [adapt.].
A eletrização que ocorre nas gotículas existentes nas nuvens, pode ser observada em
inúmeras situações diárias, como quando, em tempo seco, os cabelos são atraídos para o
pente, ou quando ouvimos pequenos estalos, por ocasião da retirada do corpo de uma
peça de lã. Nesse contexto, considere um bastão de vidro e quatro esferas condutoras,
eletricamente neutras, A, B, C e D. O bastão de vidro é atritado, em um ambiente seco,
com uma flanela, ficando carregado positivamente. Após esse processo, ele é posto em
contato com a esfera A. Esta esfera é, então, aproximada das esferas B e C — que estão
alinhadas com ela, mantendo contato entre si, sem tocar-se. A seguir, as esferas B e C,
que estavam inicialmente em contato entre si, são separadas e a B é aproximada da D —
ligada à terra por um fio condutor, sem tocá-la. Após alguns segundos, esse fio é
cortado.
A partir da situação acima, é correto afirmar que o sinal da carga das esferas A, B, C e
D é, respectivamente,
a) +, +, +, - b) -,-,+,+ c) +, +, -, - d) -, +, -, + e)
+, -, +, +

42-(UFSCAR-SP) Considere dois corpos sólidos envolvidos em processos de


eletrização. Um dos fatores que pode ser observado tanto na eletrização por contato
quanto na por indução é o fato de que, em ambas:
a) torna-se necessário manter um contato direto entre os corpos.
b) deve-se ter um dos corpos ligado temporariamente a um aterramento.
c) ao fim do processo de eletrização, os corpos adquirem cargas elétricas de sinais
opostos.
d) um dos corpos deve, inicialmente, estar carregado eletricamente.
e) para ocorrer, os corpos devem ser bons condutores elétricos.

43-(PUC-MG) Duas esferas condutoras idênticas (1 e 2) têm, cada uma delas, uma
carga Q. Uma terceira esfera idêntica, com um

suporte isolante e inicialmente descarregada, é tocada primeiro com a esfera 1 e, em


seguida, com a esfera 2 e, então, removida.

As novas cargas nas esferas 1 e 2, são respectivamente:

a) 3Q/4 e Q/2 b) 2Q/3 e 2Q/3 c) Q/2 e 3Q/4 d)


Q/2 e 3Q/3 e) Q/3 e Q/3
101

44-(UNIFESP-SP) Em uma atividade experimental de eletrostática, um estudante


verificou que, ao eletrizar por atrito um canudo

de refresco com um papel toalha, foi possível grudar o canudo em uma parede, mas o
papel toalha não. Assinale a alternativa que pode explicar corretamente o que o
estudante observou:
a) Só o canudo se eletrizou, o papel toalha não se eletriza
b) Ambos se eletrizam, mas as cargas geradas no papel toalha escoam para o corpo do
estudante
c) Ambos se eletrizam, mas as cargas geradas no canudo escoam para o corpo do
estudante
d) O canudo e o papel toalha se eletrizam positivamente, e a parede tem carga negativa
e) O canudo e o papel toalha se eletrizam negativamente, e a parede tem carga negativa

45-(UFJF-MG) Considere um bastão de PVC carregado com um excesso de cargas


positivas e três esferas metálicas condutoras neutras e eletricamente isoladas do
ambiente. Elas são postas em contato, lado a lado, alinhadas. O bastão carregado é
aproximado de uma das esferas das extremidades, de maneira a estar posicionado na
mesma linha, mas não a toca, conforme esquematicamente mostrado na Figura A. A
seguir, a esfera do centro é afastada das outras duas e só após o bastão é afastado, como
mostrado na Figura B.

Após afastar o bastão e com as esferas em equilíbrio eletrostático:

a) a esfera 1 ficou com um excesso de cargas positivas, a esfera 2 ficou neutra e a esfera
3 ficou com um excesso de cargas negativas.

b) a esfera 1 ficou com um excesso de cargas negativas e as esferas 2 e 3 ficaram, cada


uma, com um excesso de cargas positivas.

c) a esfera 1 ficou com um excesso de cargas positivas e as esferas 2 e 3 ficaram, cada


uma, com um excesso de cargas negativas.

d) a esfera 1 ficou com um excesso de cargas negativas e cada uma das esferas 2 e 3
ficou neutra.
102

e) a esfera 1 ficou com um excesso de cargas negativas, a esfera 2 ficou neutra e a


esfera 3 ficou com um excesso de cargas positivas.

46-(FUVESP-SP) Duas barras isolantes, A e B, iguais, colocadas sobre uma mesa, têm
em suas extremidades, esferas com cargas elétricas de módulos iguais e sinais opostos.
A barra A é fixa, mas a barra B pode girar livremente em torno de seu centro O, que
permanece fixo. Nas situações I e II, a barra B foi colocada em equilíbrio, em posições
opostas. Para cada uma dessas duas situações, o equilíbrio da barra B pode ser
considerado como sendo, respectivamente,

a) indiferente e instável. b) instável e instável. c) estável e indiferente. d)


estável e estável. e) estável e instável.

47-(UFMG-MG) Em seu laboratório, o Professor Ladeira prepara duas montagens - I e


II -, distantes uma da outra, como mostrado na figura 1.

Em cada montagem, duas pequenas esferas metálicas, idênticas, são conectadas por um
fio e penduradas em um suporte isolante. Esse fio pode ser de material isolante ou
condutor elétrico.

Em seguida, o professor transfere certa quantidade de carga para apenas uma das esferas
de cada uma das montagens.

Ele, então, observa que, após a transferência de carga, as esferas ficam em equilíbrio,
como mostrado na figura 2.

Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar que, após a transferência de


carga,
103

a) em cada montagem, ambas as esferas estão carregadas.

b) em cada montagem, apenas uma das esferas está carregada.

c) na montagem I, ambas as esferas estão carregadas e, na II, apenas uma delas está
carregada.

d) na montagem I, apenas uma das esferas está carregada e, na II, ambas estão
carregadas.

48-(PUC-MG) Um bastão de vidro M, eletrizado positivamente, é colocado nas


proximidades de uma pequena esfera metálica P, não eletrizada, suspensa por um fio
leve de material isolante. Observa-se que P é atraído por M. Considere as afirmativas
seguintes.

I. Em virtude da indução eletrostática, na região de P mais próxima de M aparecerá


carga negativa.

II. A carga positiva e a carga negativa induzidas em P tem o mesmo valor absoluto.

III. A esfera P é atraída por M porque o campo criado pela carga de M não é uniforme.

Podemos concluir que:

a) apenas a afirmativa I é correta b) apenas a afirmativa II é correta c) apenas


as afirmativas I e II são corretas.

d) as afirmativas I, II e III são corretas e) apenas as afirmativas II e III são


corretas.

49-(FGV-SP) Em relação aos principais conceitos da eletrostática, é correto afirmar que

a) um pêndulo eletrostático neutro é atraído tanto por um corpo eletrizado


negativamente como por um corpo eletrizado positivamente, devido à indução.

b) no processo de eletrização por atrito de dois corpos condutores, um fio terra pode ser
conectado entre esses dois corpos, permitindo a obtenção de cargas mais elevadas.
104

c) um corpo carregado eletricamente possui diferentes quantidades de cargas positivas e


negativas, de modo que, aquele que nomeamos como positivamente carregado, possui
elétrons em excesso.

d) os conceitos de campo elétrico e de potencial elétrico são bastante semelhantes, visto


que ambos envolvem o conhecimento da intensidade, da direção e do sentido de
aplicação dos vetores de campo e de potencial elétrico.

e) quando dois corpos carregados eletricamente, mesmo que de formatos distintos, se


encostam, há uma partilha de cargas elétricas de tal modo que ambos fiquem com
cargas de mesmo tipo e intensidade.

50-(FUVEST-SP) A figura representa um eletroscópio de folhas inicialmente


descarregado. A esfera E, o suporte S e as folhas F são metálicos. Inicialmente, o
eletroscópio está eletricamente descarregado.

Uma esfera metálica, positivamente carregada, é aproximada, sem encostar, da esfera do


eletroscópio. Em qual das seguintes alternativas melhor se representa a configuração das
folhas do eletroscópio (e suas cargas), enquanto a esfera positiva estiver perto

de sua esfera?

51-(UFRJ-RJ) Um aluno montou um eletroscópio para a Feira de Ciências da escola,


conforme ilustrado na figura a seguir.
105

Na hora da demonstração, o aluno atritou um pedaço de cano plástico com uma flanela,
deixando-o eletrizado positivamente, e em seguida encostou-o na tampa metálica e
retirou-o. O aluno observou, então, um ângulo de abertura α1 na folha de alumínio.

a) Explique o fenômeno físico ocorrido com a fita metálica.

b) O aluno, em seguida, tornou a atritar o cano com a flanela e o reaproximou do


eletroscópio sem encostar nele, observando um ângulo de abertura α2. Compare α1 e α2,
justificando sua resposta.

52- (ITA-SP) Um objeto metálico carregado positivamente, com carga +Q, é


aproximado de um eletroscópio de folhas, que foi previamente carregado negativamente
com carga igual a -Q.

I. À medida que o objeto for se aproximando do eletroscópio, as folhas vão se abrindo


além do que já estavam.

II. À medida que o objeto for se aproximando, as folhas permanecem como estavam.

III. Se o objeto tocar o terminal externo do eletroscópio, as folhas devem


necessariamente fechar-se.

Neste caso, pode-se afirmar que:

a) somente a afirmativa I é correta. b) as afirmativas II e III


são corretas.

c) afirmativas I e III são corretas. d) somente a afirmativa III


é correta.
106

e) nenhuma das alternativas é correta.

53-(PUC-MG) O eletroscópio de folhas ilustrado ao lado está carregado positivamente.


Quando uma pessoa tocar a esfera, as lâminas a e b se fecharão indicando que:

a) os nêutrons da pessoa passarão para o eletroscópio. eletroscópio. b) os


prótons do eletroscópio passam para a pessoa.
c) passam-se elétrons da pessoa para o eletroscópio. d) o calor
da pessoa aqueceu as lâminas do eletroscópio fazendo com que elas se fechassem.

54- (PUC-SP) A figura mostra um eletroscópio de folhas eletricamente carregado.


Descreva uma maneira de determinar o sinal da

carga elétrica acumulada no eletroscópio.

55 (FUVEST-SP) Três esferas metálicas, M1, M2 e M3, de mesmo diâmetro e montadas


em suportes isolantes, estão bem afastadas entre si e longe de outros objetos.

Inicialmente M1 e M3 têm cargas iguais, com valor Q, e M‚ está descarregada. São


realizadas duas operações, na seqüência

indicada:
107

I. A esfera M1 é aproximada de M2 até que ambas fiquem em contato elétrico. A seguir,


M1 é afastada até retornar à sua posição inicial.

II. A esfera M3 é aproximada de M2 até que ambas fiquem em contato elétrico. A seguir,
M3 é afastada até retornar à sua posição inicial.

Após essas duas operações, as cargas nas esferas serão cerca de

a) M1 = Q/2; M2 = Q/4; M3 = Q/4 b) M1 = Q/2; M2 = 3Q/4; M3 = 3Q/4 c)


M1 = 2Q/3; M2 = 2Q/3; M3 = 2Q/3

d) M1 = 3Q/4; M2 = Q/2; M3 = 3Q/4 e) M1 = Q; M2 = zero; M3 = Q

56-(FATEC-SP) Três esferas condutoras idênticas A, B e C estão sobre tripés isolantes.


A esfera A tem inicialmente carga elétrica de 6,4µC, enquanto B e C estão neutras.

Encostam-se as esferas A e B até o equilíbrio eletrostático e separam-se as esferas. Após


isso, o procedimento é repetido, desta feita com as esferas B e C. Sendo a carga
elementar 1,6.10-19 C, o número total de elétrons que, nessas duas operações, passam de
uma esfera a outra é

a) 1,0 . 1013 b) 2,0 . 1013 c) 3,0 . 1013 d) 4,0 .


1013 e) 8,0 . 10 13

57-(UFMG-MG) Durante uma aula de Fisica, o Professor Carlos Heitor faz a


demonstração de eletrostática que se descreve a seguir. Inicialmente, ele aproxima duas
esferas metálicas - R e S -, eletricamente neutras, de uma outra esfera isolante,
eletricamente carregada com carga negativa, como representado na Figura I. Cada uma
dessas esferas esta apoiada em um suporte isolante. Em seguida, o professor toca o
dedo, rapidamente, na esfera S, como representado na Figura II. Isso feito, ele afasta a
esfera isolante das outras duas esferas, como representado na Figura III.

Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar que, na situação representada


na Figura III,
108

a) a esfera R fica com carga negativa e a S permanece neutra. b) a esfera R fica


com carga positiva e a S permanece neutra.

c) a esfera R permanece neutra e a S fica com carga negativa. d) a esfera R


permanece neutra e a S fica com carga positiva.

58-(PUC-RS) Quando aproximamos, sem encostar, um corpo eletrizado de um corpo


neutro, podemos verificar que o corpo neutro

a) se eletriza com carga de sinal contrário a do eletrizado. b) se eletriza com carga


de mesmo sinal que a do eletrizado.

c) permanece neutro. d) é repelido pelo


eletrizado.

e) não é atraído e nem repelido pelo eletrizado.

59-(UFU-MG) Uma bolinha metálica A, carregada com carga positiva +12C, está
suspensa por um fio isolante formando um pêndulo como na figura. Outra bolinha
metálica B, exatamente igual, encontra-se presa em um suporte isolante, carregada com
uma carga –8C.

Fazendo-se oscilar a bolinha A, esta toca a bolinha B. Após o contato, as cargas nas
bolinhas A e B serão, respectivamente,

a) +2C e +2C b) +4C e 0C c) +8C e –12C d)


+4C e +4C

60- (FUVEST-SP) Aproximando-se uma barra eletrizada de duas esferas condutoras,


inicialmente descarregadas e encostadas uma na outra, observa-se a distribuição de
cargas esquematizada na figura:
109

Em seguida, sem tirar do lugar a barra eletrizada, afasta-se um pouco uma esfera da
outra. Finalmente, sem mexer mais nas esferas, remove-se a barra, levando-a para muito
longe das esferas. Nessa situação final, a figura que melhor representa a distribuição de
cargas nas duas esferas é:

61-(PUC-PR-09) Atualmente é grande o interesse na redução dos impactos ambientais


provocados pela agricultura através de pesquisas, métodos e equipamentos. Entretanto,
a aplicação de agrotóxicos praticada continua extremamente desperdiçadora de energia
e de produto químico. O crescente aumento dos custos dos insumos, mão-de-obra,
energia e a preocupação cada vez maior em relação à contaminação ambiental têm
realçado a necessidade de uma tecnologia mais adequada na colocação dos agrotóxicos
nos alvos, bem como de procedimentos e equipamentos que levem à maior proteção do
trabalhador. Nesse contexto, o uso de gotas com cargas elétricas, eletrizadas com o uso
de bicos eletrostáticos, tem-se mostrado promissor, uma vez que, quando uma

nuvem dessas partículas se aproxima de uma planta, ocorre o fenômeno de indução, e a


superfície do vegetal adquire cargas elétricas de sinal oposto ao das gotas. Como
consequência, a planta atrai fortemente as gotas, promovendo uma melhoria na
deposição, inclusive na parte inferior das folhas.
110

A partir da análise das informações, é CORRETO afirmar:

a) As gotas podem estar neutras que o processo acontecerá da mesma forma.

b) O fenômeno da indução descrito no texto se caracteriza pela polarização das folhas


das plantas, induzindo sinal igual ao da carga da gota.

c) Quanto mais próximas estiverem gotas e folha menor será a força de atração.

d) Outro fenômeno importante surge com a repulsão mútua entre as gotas após saírem
do bico: por estarem com carga de mesmo sinal, elas se repelem, o que contribui para
uma melhoria na distribuição do defensivo nas folhas.

e) Existe um campo elétrico no sentido da folha para as gotas.

62-(UFC-SC-09) Uma esfera de cobre com raio da ordem de micrômetros possui uma
carga da ordem de dez mil cargas elementares, distribuídas uniformemente sobre sua
superfície. Considere que a densidade superficial é mantida constante. Assinale a
alternativa

que contém a ordem de grandeza do número de cargas elementares em uma esfera de


cobre com raio da ordem de milímetros.

a) 1019. b) 1016. c) 1013. --- d)


1010. e) 101.

63- (PUC-MG-010) Em dias secos e com o ar com pouca umidade, é comum ocorrer o
choque elétrico ao se tocar em um carro ou
111

na maçaneta de uma porta em locais onde o piso é recoberto por carpete. Pequenas
centelhas elétricas saltam entre as mãos das pessoas e esses objetos. As faíscas elétricas
ocorrem no ar quando a diferença de potencial elétrico atinge o valor de 10.000V numa
distância de aproximadamente 1 cm. A esse respeito, marque a opção CORRETA.

a) A pessoa toma esse choque porque o corpo humano é um bom condutor de


eletricidade.

b) Esse fenômeno é um exemplo de eletricidade estática acumulada nos objetos.

c) Esse fenômeno só ocorre em ambientes onde existem fiações elétricas como é o caso
dos veículos e de ambientes residenciais e comerciais.

d) Se a pessoa estiver calçada com sapatos secos de borracha, o fenômeno não acontece,
porque a borracha é um excelente isolante elétrico.

64-(UFAL-010) Um estudante dispõe de um kit com quatro placas metálicas


carregadas eletricamente. Ele observa que, quando aproximadas sem entrar em contato,
as placas A e C se atraem, as placas A e B se repelem, e as placas C e D se repelem. Se
a placa D possui carga elétrica negativa, ele conclui que as placas A e B são,
respectivamente,

a) positiva e positiva. b) positiva e negativa. c) negativa e positiva. d)


negativa e negativa. e) neutra e neutra.

65-(UEPG-PR-011)

Considere quatro esferas metálicas idênticas e isoladas uma da outra. Três esferas
(a,b,c) estão, inicialmente, descarregadas e a quarta esfera (d) está eletrizada com carga
igual a Q. A seguir a esfera d é posta sucessivamente em contato com as esferas a, b e
112

c. No final todas as esferas estão eletrizadas. Sobre as cargas adquiridas pelas esferas,
ao final do processo, assinale o que for correto.

01) As quatro esferas estarão igualmente eletrizadas.

02) A esfera a estará eletrizada com carga igual a Q/2.

04) As esferas c e d estarão eletrizadas com cargas iguais a Q/8.

08) As esferas a, b e c estarão eletrizadas com cargas iguais a Q/3.

16) A esfera b estará eletrizada com carga igual a Q/4.

66-(UFTM-MG-011)

A indução eletrostática consiste no fenômeno da separação de cargas em um corpo


condutor (induzido), devido à proximidade de outro corpo eletrizado (indutor).

Preparando-se para uma prova de física, um estudante anota em seu resumo os passos a
serem seguidos para eletrizar um corpo neutro por indução, e a conclusão a respeito da
carga adquirida por ele.

Passos a serem seguidos:

I. Aproximar o indutor do induzido, sem tocá-lo.

II. Conectar o induzido à Terra.

III. Afastar o indutor.

IV. Desconectar o induzido da Terra.


113

Conclusão:

No final do processo, o induzido terá adquirido cargas de sinais iguais às do indutor.

Ao mostrar o resumo para seu professor, ouviu dele que, para ficar correto, ele deverá

a) inverter o passo III com IV, e que sua conclusão está correta.

b) inverter o passo III com IV, e que sua conclusão está errada.

c) inverter o passo I com II, e que sua conclusão está errada.

d) inverter o passo I com II, e que sua conclusão está correta.

e) inverter o passo II com III, e que sua conclusão está errada.

67-(IFSP-SP-011)

Um estudante deseja determinar o estado de eletrização de uma bexiga de aniversário.


Para isso, ele aproxima um corpo A, que não se sabe se está ou não eletrizado, e observa
que há atração com a bexiga. Após isso, ele pega outro corpo B, carregado

positivamente, e aproxima-o da bexiga e verifica novamente a atração. A partir dessa


sequência, são feitas as seguintes afirmações:

I. Não se pode afirmar se o estado de eletrização da bexiga é neutro ou carregado.

II. Se o corpo A estiver negativamente carregado, então a bexiga está necessariamente


neutra.

III. Se o corpo A estiver carregado positivamente, então a bexiga estará necessariamente


carregada com carga negativa.
114

São corretas as afirmações

a) I, apenas. b) II, apenas. c) I e III, apenas. d) I


e II, apenas. e) I, II e III.

68-(COLÉGIO NAVAL-RJ-011)

Fenômenos elétricos e fenômenos magnéticos fazem parte da vida diária das pessoas.
Em relação a esses fenômenos, assinale a opção correta de acordo com os
conhecimentos da física.

a) O pólo norte da agulha magnética de uma bússola será atraído pelo pólo sul
geográfico da Terra, pois pólos de nomes diferentes se atraem.

b) Nos telefones existem eletroímãs que, como se sabe, funcionam devido à passagem
da corrente elétrica, que transfere elétrons para o núcleo de ferro do eletroímã.

c) A eletricidade estática acumulada num corpo pode provocar faíscas. Por isso, nos
navios que transportam petróleo, os tripulantes não devem usar sapatos com solado de
borracha, que é um isolante elétrico.

d) Corpos condutores de eletricidade ficam eletrizados mais facilmente que os corpos


isolantes, pois nos isolantes os elétrons não se movem.

e) Na eletrização por atrito os corpos ficam eletrizados com cargas de sinais contrários.
Assim, o corpo que ficou eletrizado positivamente ganhou prótons e o que ficou
negativamente eletrizado ganhou elétrons.

69-(UFJF-MG-012)

A Figura (A) mostra uma esfera metálica, com carga positiva (+q), presa por um fio
isolante para ser introduzida em
115

uma caixa metálica inicialmente neutra e isolada por uma base de borracha. Quando a
esfera fica suspensa dentro da

caixa sem contato com ela, como mostra a Figura (B), aparece uma carga (– q)
distribuída em sua superfície interna

e outra carga (+q) em sua superfície externa. Quando a esfera toca o fundo, ela e a caixa
passam a compor um único

corpo condutor, Figura (C).

Com base nessas informações, assinale a alternativa CORRETA.

a) A esfera sai da caixa em (D) carregada negativamente com carga (– q).

b) A esfera sai da caixa em (D) carregada positivamente com carga (+q).

c) A esfera sai da caixa em (D) completamente descarregada, e todo o excesso de carga


(+q) situa-se distribuído na superfície externa da caixa.

d) A esfera sai da caixa em (D) carregada negativamente com carga (– q), e todo o
excesso de carga (+q) situa-se distribuído na superfície interna da caixa.

e) A esfera sai da caixa em (D) carregada positivamente com carga (+q), e todo excesso
de carga (– q) situa-se distribuído na superfície externa da caixa.

Força Elétrica – Lei de Coulomb

01-(UNIFESP-SP) Duas partículas de cargas elétricas

Q1 = 4,0 × 10-16 C e q‚ = 6,0 × 10-16 C


116

estão separadas no vácuo por uma distância de 3,0.10-9m. Sendo k = 9,0.109 N.m2/C2, a
intensidade da força de interação entre elas, em newtons, é de

a) 1,2.10-5. b) 1,8.10-4. c) 2,0.10-4. d) 2,4.10-4.


e) 3,0.10-3.

02-(UEL-PR) Duas cargas iguais de 2.10-6C, se repelem no vácuo com uma força de
0,1N. Sabendo-se que a constante elétrica do vácuo é 9.109Nm2/C2, a distância entre as
cargas, em metros, é de:

a) 0,9 b) 0,6 c) 0,5 d)


0,3 e) 0,1

03-(UNESP-SP) Qual dos gráficos representa a maneira como varia a força elétrica
entre duas cargas pontuais em função da distância que as separa, quando são
aproximadas ou afastadas uma da outra?

04-(MACKENZIE-SP) Dois corpúsculos eletrizados com cargas elétricas idênticas


estão situados no vácuo (Ko=9.0.109N.m2/C2) e

distantes 1m um do outro. A intensidade da força de interação eletrostática entre eles é


3,6.10-2 N. A carga elétrica de cada um desses corpúsculos pode ser (em µC):

a) 9 b) 8 c) 6 d)
4 e) 2

05-(PUC-MG) Duas cargas elétricas puntiformes são separadas por uma distância de
4,0 cm e se repelem mutuamente com uma força de 3,6 × 10-5 N. Se a distância entre as
cargas for aumentada para 12,0 cm, a força entre as cargas passará a ser de:
117

a) 1,5 × 10-6 N b) 4,0 × 10-6 N c) 1,8 × 10-6


-6
N d) 7,2 × 10 N

06-(UNESP-SP)) Dois corpos pontuais em repouso, separados por certa distância e


carregados eletricamente com cargas de sinais iguais, repelem-se de acordo com a Lei
de Coulomb.

a) Se a quantidade de carga de um dos corpos for triplicada, a força de repulsão elétrica


permanecerá constante, aumentará (quantas vezes?) ou diminuirá (quantas vezes?)?

b) Se forem mantidas as cargas iniciais, mas a distância entre os corpos for duplicada, a
força de repulsão elétrica permanecerá constante, aumentará (quantas vezes?) ou
diminuirá (quantas vezes?)?

07-(UFRN-RN) Se q1 e q2 forem duas cargas elétricas, para a situação esquematizada


necessariamente ter-se-á:

a) q1 = q2 b) q1 = - q2 c) q1 . q2 > 0 d) q1 . q2 <
0 e) q1 >0, q2 < 0

08-(UEPG-PR) A interação eletrostática entre duas cargas elétricas q1 e q2, separadas


uma da outra por uma distância r, é F1. A carga q2 é removida e, a uma distância 2r da
carga q1, é colocada uma carga q3 cuja intensidade é a terça parte de q2. Nesta nova
configuração, a interação eletrostática entre q1 e q3 é – F2. Com base nestes dados,
assinale o que for correto.

(01) As cargas q1 e q2 têm sinais opostos.

(02) As cargas q2 e q3 têm sinais opostos.

(04) As cargas q1 e q3 têm o mesmo sinal.

(08) A força F2 é repulsiva e a força F1 é atrativa.

(16) A intensidade de F2 = F1/12

09- (UERJ-RJ) Seja f a força de repulsão entre duas partículas de mesma carga q,
separadas por uma distância r. Assim , qual das duas figuras abaixo melhor ilustra as
118

forças de repulsão entre duas partículas de cargas 2q e 3q, separadas pela mesma
distância r ?

10-(PUC-RJ) Duas esferas carregadas, afastadas de 1 m, se atraem com uma força de


720 N. Se uma esfera tem o dobro da carga da segunda, qual é a carga das duas esferas?

(Considere k = 9 . 109 Nm2/C2)

11-(FGV-SP) Sendo k a constante eletrostática e G a constante de gravitação universal,


um sistema de dois corpos idênticos, de

mesma massa M e cargas de mesma intensidade +Q, estarão sujeitos a uma força
resultante nula quando a relação M/Q for igual a

a) k/G. b) G/k. c) √(k/G). d)


√(G/k). e) (k/G)2.

12-(FUVEST-SP) A uma distância d uma da outra, encontram-se duas esferinhas


metálicas idênticas, de dimensões desprezíveis, com cargas -Q e +9Q. Elas são postas
em contacto e, em seguida, colocadas à distância 2d. A razão entre os módulos das
forças que

atuam após o contacto e antes do contacto é

a) 2/3 b) 4/9 c) 1 d) 9/2 e) 4


119

13-(UFPE) O gráfico a seguir representa a força F entre duas cargas puntiformes


positivas de mesmo valor, separadas pela

distância r. Considere K=9.109 N.m2C2 e determine o valor das cargas, em unidades de


10-7C.

a) 1,0 b) 2,0 c) 3,0 d) 4,0 e)


5,0

14-(UFRGS) Deposita-se, uniformemente, carga elétrica no valor de +5.10-5 C sobre


uma pequena esfera não condutora. Uma partícula com carga -3.10-6 C, colocada a 30
cm da esfera, sofre uma força atrativa de módulo 15 N. Outra partícula, com carga

-6.10-6 C, colocada a 60 cm da esfera, sofrerá uma força atrativa de módulo, em N:


a) 3,8 b) 7,5 c) 15,0 d)
30,0 e) 60,0

15-(FATEC-SP) Duas pequenas esferas estão, inicialmente, neutras eletricamente. De


uma das esferas são retirados 5,0 × 1014

elétrons que são transferidos para a outra esfera. Após essa operação, as duas esferas são
afastadas de 8,0 cm, no vácuo

Dados: carga elementar e = 1,6 × 10-19C --- constante eletrostática no vácuo ko = 9,0 ×
109N.m2/C2

A força de interação elétrica entre as esferas será de


120

a) atração e intensidade 7,2 ×105N. b) atração e intensidade 9,0 ×


3
10 N. c) atração e intensidade 6,4 × 103N.

d) repulsão e intensidade 7,2 × 103N. e) repulsão e intensidade 9,0 × 103N.

16- (UFGO) Em quatro vértices de um pentágono regular são colocadas cargas de


mesmo valor Q, mas de sinais alternados,

conforme a figura. No 5º e último vértice do pentágono é colocada uma carga de prova


q0 > 0, que ficará sob a ação de todas as outras. Qual dos vetores , , , ou
representa a resultante das ações das cargas + Q e – Q sobre q0?

a) b) c) d)
d) resultante nula

17- (UNESP-SP) Considere uma experiência em que três cargas pontuais de igual
módulo estejam alinhadas e igualmente espaçadas, que as cargas A e C sejam fixas, e
que os sinais das cargas A, B e C obedeçam a uma das três configurações seguintes:

Considere, ainda, que se deseja que a carga B esteja solta e em equilíbrio. Para tanto,
das configurações apresentadas, pode-se usar

a) somente a 1. b)somente a 2. c) somente a 3. d)tanto a 1


quanto a 3. e)tanto a 1 quanto a 2.
121

18-(PUCCAMP-SP) Nos pontos de abscissa x=2 e x=5 são fixadas as cargas Q e 4Q,
respectivamente, conforme mostra o esquema a

seguir: Uma terceira carga –Q, ficará em equilíbrio, sob ação somente das forças
elétricas exercidas por Q e 4Q, quando colocada no ponto de abscissa igual a:

a) 0 b) 1 c) 3 d) 4 e) 6

19-(UFC-CE) Uma partícula com carga positiva +q é fixada em um ponto, atraindo uma
outra partícula com carga negativa -q e massa m, que se move em uma trajetória circular
de raio R, em torno da carga positiva, com velocidade de módulo constante (veja a
figura a seguir). Considere que não há qualquer forma de dissipação de energia, de
modo que a conservação da energia mecânica é observada no sistema de cargas.
Despreze qualquer efeito da gravidade. A constante eletrostática é igual a k.

a) Determine o módulo da velocidade v com que a carga negativa se move em torno da


carga positiva.

b) Determine o período do movimento circular da carga negativa em torno da carga


positiva.

20-(UNESP-SP) Três pequenas esferas estão carregadas eletricamente com cargas q1, q2
e q3 e alinhadas sobre um plano horizontal sem atrito (no vácuo), conforme a figura.

Nessa situação elas se encontram em equilíbrio. A carga da esfera q2 é positiva e vale


2,7.10-4 C.
122

Pede-se:

a) Determinar os sinais das cargas q1 e q3. Justificar.

b) Calcular os valores das cargas q1 e q3.

c) Se forem fixada as posições de q1 e de q3, qual será o tipo de equilíbrio (estável,


instável ou indiferente) da esfera de carga q2?

21-(UFRS-RS) Três cargas elétricas puntiformes idênticas, Q1, Q2 e Q3, são mantidas
fixas em suas posições sobre uma linha reta,

conforme indica a figura a seguir. Sabendo-se que o módulo da força elétrica exercida
por Q1 sobre Q2 é de 4,0.10-5 N, qual é o módulo da força elétrica resultante sobre Q2?

a) 4,0.10-5 N. b) 8,0.10-5 N. c) 1,2.10-4 N. d) 1,6.10-4


N. e) 2,0.10-4N.

22-(UFRS-RS) A figura a seguir representa duas cargas elétricas puntiformes positivas,


+q e +4q, mantidas fixas em suas

posições.Para que seja nula a força eletrostática resultante sobre uma terceira carga
puntiforme, esta carga deve ser colocada no ponto

a) A. b) B. c) C. d)
D. e) E.

23-(UFMG-MG) Duas pequenas esferas isolantes - I e II -, eletricamente carregadas


com cargas de sinais contrários, estão fixas nas posições representadas nesta figura:

A carga da esfera I é positiva e seu módulo é maior que o da esfera II.


123

Guilherme posiciona uma carga pontual positiva, de peso desprezível, ao longo da linha
que une essas duas esferas, de forma que ela fique em equilíbrio.

Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar que o ponto que melhor


representa a posição de equilíbrio da carga pontual, na situação descrita, é o

a) R. b) P. c) S. d)
Q.

24-(FUVEST-SP) Três objetos com cargas elétricas idênticas estão alinhados como
mostra a figura. O objeto C exerce sobre B uma força igual a 3,0.10-6 N. A força elétrica
resultante dos efeitos de A e C sobre B é:

a) 2,0.10-6 N. b) 6,0.10-6 N. c) 12.10-6 N. d)


24.10-6 N. e) 30.10-6 N.

25-(FUVESP-SP) Duas barras isolantes, A e B, iguais, colocadas sobre uma mesa, têm
em suas extremidades, esferas com cargas elétricas de módulos iguais e sinais opostos.
A barra A é fixa, mas a barra B pode girar livremente em torno de seu centro O, que
permanece fixo. Nas situações I e II, a barra B foi colocada em equilíbrio, em posições
opostas. Para cada uma dessas duas situações, o equilíbrio da barra B pode ser
considerado como sendo, respectivamente,

a) indiferente e instável. b) instável e instável. c) estável e indiferente. d)


estável e estável. e) estável e instável.

26-(PUC-RJ) Antes da primeira viagem à Lua, vários cientistas da NASA estavam


preocupados com a possibilidade de a nave lunar se deparar com uma nuvem de poeira
carregada sobre a superfície da Lua.
124

Suponha que a Lua tenha uma carga negativa. Então ela exerceria uma força repulsiva
sobre as partículas de poeira carregadas também negativamente. Por outro lado, a força
gravitacional da Lua exerceria uma força atrativa sobre estas partículas de poeira.

Suponha que a 2 km da superfície da Lua a atração gravitacional equilibre exatamente a


repulsão elétrica, de tal forma que as partículas de poeira flutuem.
Se a mesma nuvem de poeira estivesse a 5 km da superfície da Lua:

a) a gravidade ainda equilibraria a força eletrostática, mas apenas se a poeira perdesse


carga.
b) a gravidade ainda equilibraria a força eletrostática, e as partículas de poeira também
flutuariam.
c) a gravidade ainda equilibraria a força eletrostática, mas apenas se a poeira perdesse
massa.
d) a gravidade seria maior que a força eletrostática, e a poeira cairia.
e) a gravidade seria menor que a força eletrostática, e a poeira se perderia no espaço.

27-(UFMG-MG)) Observe a figura que representa um triângulo eqüilátero. Nesse


triângulo, três cargas elétricas pontuais de mesmo valor absoluto estão nos seus vértices.
O vetor que melhor representa a força elétrica resultante sobre a carga do vértice 1 é

28-(UFMG-MG) Na figura estão representadas três partículas com cargas idênticas


taisque│q1│taisque│q1│=│q2│=│q3│=1µC,
125

ocupando os vértices de um triângulo equilátero ABC de 3m de lado. Determine a


intensidade, direção e sentido da força resultante elétrica que atua sobre a carga situada
no vértice A.Considere K=9.109N.m2/C2

29-(UNIFESP-SP) Na figura, estão representadas duas pequenas esferas de mesma


massa, m=0,048kg, eletrizadas com cargas de mesmo sinal, repelindo-se, no ar. Elas
estão penduradas por fios isolantes muito leves, inextensíveis, de mesmo comprimento
L=0,090m. Observa-se que, com o tempo, essas esferas se aproximam e os fios tendem
a tornarem-se verticais.

a) O que causa a aproximação dessas esferas? Durante essa aproximação, os ângulos


que os fios formam com a vertical são sempre iguais ou podem tornar-se diferentes um
do outro?

b) Suponha que, na situação da figura, o ângulo α é tal que senα=0,60; cosα=0,80 e


tgα=0,75 e as esferas têm cargas iguais. Qual é, nesse caso, a carga elétrica de cada
esfera? (Admitir g=10m/s2 e K=9,0.109N.m2/C2).

30-(UFPE) Quatro cargas elétricas puntiformes, de intensidades Q e q, estão fixas nos


vértices de um quadrado, conforme indicado na figura. Determine a razão Q/q para que
a força sobre cada uma das cargas Q seja nula.
126

a) -√2/4 b) -√2/2 c) -√2 d) -2√2


e) -4√2

31-(UFRJ-RJ) Duas cargas, q e -q são mantidas fixas a uma distância d uma da outra.
Uma terceira carga qo é colocada no ponto médio entre as duas primeiras, como ilustra a
figura A. Nessa situação, o módulo da força eletrostática resultante sobre a carga qo vale
FA.

A carga qo é então afastada dessa posição ao longo da mediatriz entre as duas outras até
atingir o ponto P, onde é fixada, como ilustra a figura B. Agora, as três cargas estão nos
vértices de um triângulo equilátero. Nessa situação, o módulo da força eletrostática
resultante sobre a carga qo vale FB.

Calcule a razão FA/FB.

32-(PUC-RJ-09) Dois objetos metálicos esféricos idênticos, contendo cargas elétricas


de 1 C e de 5 C, são colocados em contato e depois afastados a uma distância de 3 m.
Considerando a Constante de Coulomb k = 9.109 N m2/C2, podemos dizer que a força
que atua entre as cargas após o contato é:

a) atrativa e tem módulo 3.109 N. b) atrativa e tem módulo 9.109 N. c)


repulsiva e tem módulo 3.109 N.

d) repulsiva e tem módulo 9.109 N. e) zero.

33-(PUC-RJ-09) Duas esferas idênticas, carregadas com cargas Q = 30 µ C, estão


suspensas a partir de um mesmo ponto por dois
127

fios isolantes de mesmo comprimento como mostra a figura.

Em equilíbrio, o ângulo θ, formado pelos dois fios isolantes com a vertical, é 45°.
Sabendo que a massa de cada esfera é de 1 kg, que a Constante de Coulomb é k = 9.109
N m2/C2 e que a aceleração da gravidade é g = 10 m/s2, determine a distância entre as
duas esferas quando em equilíbrio.

Lembre-se de que µ = 10-6.

a) 1,0 m b) 0,9 m c) 0,8 m d) 0,7 m


e) 0,6 m

34-(UNICAMP-SP-09) O fato de os núcleos atômicos serem formados por prótons e


nêutrons suscita a questão da coesão

nuclear, uma vez que os prótons, que têm carga positiva q = 1,6.10-19 C , se repelem
através da força eletrostática. Em 1935, H. Yukawa propôs uma teoria para a força
nuclear forte, que age a curtas distâncias e mantém os núcleos coesos.

a) Considere que o módulo da força nuclear forte entre dois prótons FN é igual a vinte
vezes o módulo da força eletrostática entre eles FE , ou seja, FN = 20 FE. O módulo da
força eletrostática entre dois prótons separados por uma distância d é dado por FE =
K(q2/d2), onde K = 9,0.109Nm2/C2. Obtenha o módulo da força nuclear forte FN entre os
dois prótons, quando separados por uma distância = 1,6.10-15 m, que é uma distância
típica entre prótons no núcleo.

b) As forças nucleares são muito maiores que as forças que aceleram as partículas em
grandes aceleradores como o LHC. Num
128

primeiro estágio de acelerador, partículas carregadas deslocam-se sob a ação de um


campo elétrico aplicado na direção do movimento. Sabendo que um campo elétrico de
módulo

E = 2,0.105 N/C age sobre um próton num acelerador, calcule a força eletrostática que
atua no próton.

35-(UNIFESP-SP-09) Considere a seguinte "unidade" de medida: a intensidade da


força elétrica entre duas cargas q, quando separadas por uma distância d, é F. Suponha
em seguida que uma carga q1 = q seja colocada frente a duas outras cargas, q2 = 3q e

q3 = 4q, segundo a disposição mostrada na figura. A intensidade da força elétrica


resultante sobre a carga q1, devido às cargas q2 e q3, será

a) 2F. b) 3F. c) 4F. d) 5F.


e) 9F.

36-(FGV-SP-010) Posicionadas rigidamente sobre os vértices de um cubo de aresta 1 m,


encontram-se oito cargas elétricas positivas

de mesmo módulo. Sendo k o valor da constante eletrostática do meio que envolve as


cargas, a força resultante sobre uma nona carga elétrica também positiva e de módulo
igual ao das oito primeiras, abandonada em repouso no centro do cubo, terá intensidade:
129

a) zero. b) k.Q2. c) k.Q2. d) 4k.Q4.


e) 8k.Q2.

37- (PUC-RJ-010) Três cargas elétricas estão em equilíbrio ao longo de uma linha reta
de modo que uma carga positiva (+Q) está

no centro e duas cargas negativas (–q) e (–q) estão colocadas em lados opostos e à
mesma distância (d) da carga Q. Se aproximamos as duas cargas negativas para d/2 de
distância da carga positiva, para quanto temos que aumentar o valor de Q (o valor final
será Q’), de modo que o equilíbrio de forças se mantenha?

a) Q’ = 1 Q b) Q’ = 2 Q c) Q’ = 4 Q d) Q’ = Q / 2
e) Q’ = Q / 4

38-(PUC-RJ-010) O que acontece com a força entre duas cargas elétricas (+Q) e (–q)
colocadas a uma distância (d) se mudarmos a carga (+ Q) por (+ 4Q), a carga (–q) por
(+3q) e a distância (d) por (2d)?

a) Mantém seu módulo e passa a ser atrativa.

b) Mantém seu módulo e passa a ser repulsiva.

c) Tem seu módulo dobrado e passa a ser repulsiva.

d) Tem seu módulo triplicado e passa a ser repulsiva.

e) Tem seu módulo triplicado e passa a ser atrativa.

39-(ITA-SP-010)
130

Considere uma balança de braços desiguais, de comprimentos ℓ1 e ℓ2, conforme mostra


a figura. No lado esquerdo encontra-se pendurada uma carga de magnitude Q e massa
desprezível, situada a uma certa distância de outra carga, q. No lado direito encontra-se
uma massa m sobre um prato de massa desprezível. Considerando as cargas como
puntuais e desprezível a massa do prato da direita, o valor de q para equilibrar a massa
m é dado por

40-(UFU-MG-011)

Duas cargas +q estão fixas sobre uma barra isolante e distam entre si uma distância 2d.
Uma outra barra isolante é fixada perpendicularmente à primeira no ponto médio entre
essas duas cargas. O sistema é colocado de modo que esta última haste fica apontada
para cima. Uma terceira pequena esfera de massa m e carga +3q furada é atravessada
pela haste vertical de maneira a poder deslizar sem atrito ao longo desta, como mostra a
figura a seguir. A distância de equilíbrio da massa m ao longo do eixo vertical é z.

Com base nessas informações, o valor da massa m em questão pode ser escrito em
função de d, z, g e k, onde g é a aceleração gravitacional e k a constante eletrostática.

A expressão para a massa m será dada por:


131

41-(MACKENZIE-SP-011)

Duas cargas elétricas puntiformes, quando separadas pela distância d, se repelem com
uma

força de intensidade F. Afastando-se essas cargas, de forma a duplicar a distância entre


elas, a intensidade da força de repulsão será igual a

a) √2F b) 2F c) F/2 d)
F/4 e) F/8

42-(IME-RJ-011)

Uma carga positiva está presa a um espelho plano. O espelho aproxima-se, sem rotação,
com velocidade constante paralela ao eixo x, de uma carga negativa, pendurada ao teto
por um fio inextensível. No instante ilustrado na figura, a carga
132

negativa se move no sentido oposto ao da carga positiva, com a mesma velocidade


escalar do espelho. Determine, para esse instante:

a) as componentes x e y do vetor velocidade da imagem da carga negativa refletida no


espelho;

b) as acelerações tangencial e centrípeta da carga negativa;

Dados:

• ângulo entre o eixo x e o espelho: α;


• ângulo entre o eixo x e o segmento de reta formado pelas cargas: β;
• módulo das cargas elétricas; Q;
• diferença entre as coordenadas y das cargas: d;
• comprimento do fio: L;
• velocidade escalar do espelho: V;
• massa da carga negativa: m;
• constante elétrica do meio: k

43-Questões interdisciplinares:

A população mundial hoje gira em torno de 7 bilhões de pessoas e até meados do século
XXI deverá atingir 10 bilhões. De acordo com os cenários escolhidos para a procura
energética, o consumo da energia primária mundial poderá atingir duas a três vezes o
consumo atual.

Em 1990, o consumo de energia primária por habitante e por ano era de 5,1 TEP nos
países industrializados e apenas 10% nos países em vias de desenvolvimento.
133

1TEP (Tonelada Equivalente de Petróleo) é a unidade de medição de consumo de


energia e equivale a 10x109 cal.

1BEP (Barril Equivalente de Petróleo), variação da TEP, equivalente a 1,45x109 cal.

Ou ainda que:

Uma fonte de energia capaz de corresponder de forma substancial a esta procura é a


energia nuclear, através da FISSÃO e da FUSÃO nuclear. Vejamos:

Esse fenômeno da repulsão elétrica constitui um dos Princípios da Eletrostática, cujo


módulo da força pode ser determinado pela Lei de Coulomb F=k.|Q1|.
|Q2|./d2. .

O quanto esta força atua está relacionado à carga, ao meio e à distância entre os centros
dos núcleos das partículas que estão interagindo. Caso os núcleos conseguissem se
aproximar o suficiente, prevalecendo a interação forte, ocorreria o fenômeno da fusão
nuclear.

O controle dessa fusão nuclear continua sendo objeto de pesquisa. Essa fusão é o
processo no qual dois núcleos de átomos leves (por exemplo, o hidrogênio – cujo núcleo
é constituído por 1 próton com carga elétrica elementar é 1,6.10-19 C) se combinam, ou
se fundem, constituindo um elemento mais pesado. Os núcleos, então, carregados
positivamente, devem se aproximar suficientemente um do outro, ou seja, vencer a força
de repulsão eletrostática entre eles.

Para que as reações de fusão possam ser produzidas a uma taxa conveniente, são
necessárias temperaturas altíssimas, da ordem de 100 milhões de graus Celsius e a
pressão faz com que os átomos de hidrogênio sejam comprimidos.
134

Os centros de seus núcleos devem estar a 1.10-15 metros um do outro para que ocorra a
fusão. Nesse estágio, eles se transformam em plasma. Uma característica especial desse
estado é que, nele, a matéria reage a influências elétricas e magnéticas.

Por modestas que sejam as esperanças de chegar à fusão, estima-se que ainda demorará
30 anos para termos um reator comercial e, por mais caras que sejam as pesquisas, as
vantagens da fusão são sedutoras.

Segundo todos os cálculos, as futuras usinas de fusão nuclear poderão extrair de 1 metro
cúbico de água uma quantidade de energia igual à de 2 mil barris de petróleo.

a) Segundo as expectativas, após a instalação de um reator comercial com capacidade


diária de 100 metros cúbicos de água para a fusão nuclear, qual seria a sua produção,
diária, correspondente a Barris Equivalentes de Petróleo? (admita que 1 barril [159L] de
petróleo de composição média contenha 1,5x106 kcal)

b) Determine o valor da força elétrica repulsiva entre dois núcleos de hidrogênio quando
colocados no vácuo e separados à distância necessária para a ocorrência da fusão
nuclear.

Campo Elétrico
135

01-(FUVEST-SP) Em um ponto do espaço:

I. Uma carga elétrica não sofre ação da força elétrica se o campo nesse local for nulo.

II. Pode existir campo elétrico sem que aí exista força elétrica.

III. Sempre que houver uma carga elétrica, esta sofrerá ação da força elétrica.

Use: C (certo) ou E (errado).

a) CCC b) CEE c) ECE d) CCE


e) EEE

02-(UFU-MG) A figura abaixo representa uma carga Q e um ponto P do seu campo


elétrico, onde é colocada uma carga de prova

q. Analise as afirmativas abaixo, observando se elas representam corretamente o ponto


de atuação e o sentido do vetor campo elétrico em P e da força que

atua sobre q. São corretas:

a) todas as afirmações. b) apenas I, II e III. c) apenas II, III e IV. d) apenas III
e IV. e) apenas I e III.

03-(FATEC-SP) Em um ponto P do espaço existe um campo elétrico horizontal de


intensidade E=5.104N/C, voltado para a direita.
136

a) Se uma carga de prova de 1,5µC, positiva, é colocada em P, qual será o valor da força
elétrica que atua sobre ela?
b) Em que sentido a carga de prova tenderá a se mover, se for solta?
c) Responda às questões a e b supondo que a carga de prova seja negativa.

04-(UFB) De que maneira você consegue detectar a presença de um campo elétrico em


uma determinada região do espaço?

05-(FATEC-SP) Uma carga q = 2,0.10-6 C é colocada num ponto M do espaço e fica


sujeita a uma força elétrica F = 10N, para o

norte. Nesse ponto, calcule a intensidade e o sentido do campo elétrico.

06-(MACKENZIE-SP) Uma carga elétrica puntiforme com 4µC que é colocada em um


ponto P do vácuo, fica sujeita a uma força elétrica de intensidade 1,2 N. O campo
elétrico nesse ponto P tem intensidade de: Considere K=9.109N.m2/C2

a) 3,0.105N/C b) 2,4.105N/C c) 1,2.105N/C d)


4,0.10-6N/C e) 4,8.10-6N/C

07-(UFRGS-RS) O módulo do vetor campo elétrico produzido por uma carga elétrica
puntiforme em um ponto P é igual a E. Dobrando-se a distância entre a carga e o ponto
P, por meio do afastamento da carga, o módulo do vetor campo elétrico nesse ponto
muda para:

a) E/4. b) E/2. c) 2E. d)


4E. e) 8E.

08-(UERJ-RJ) Duas cargas pontuais distam d uma da outra. Consideram-se os dois


pontos M e N (ver figura). Tais que OM = ON. Qual das seguintes figuras representa
corretamente o vetor campo elétrico em M e N?
137

09-(UFPI) Uma carga de prova q, colocada num ponto de um campo elétrico


E=2,0.103N/C, sofre ação de uma força F=18.10-5N. O valor dessa carga, em coulombs,
é de:

a) 9.10-8 b) 20.10-8 c) 36.10-8 d) 9.10-2 e) 36.10-2

10-(UCBA) Qual dos gráficos a seguir melhor representa o módulo do campo elétrico
em função da distância d até a carga elétrica puntiforme geradora?

11-(UFB) Num ponto A de uma região, a intensidade do campo elétrico é E=5N/C, com
direção e sentido indicados na figura.

Determine a intensidade, direção e sentido da força elétrica que atua sobre uma carga de
prova de módulo │q│=3µC, colocada nesse ponto, considerando:

a) q>0

b) q<0
138

12-(FEI-SP) Considere a figura abaixo, onde é o vetor campo elétrico resultante em


A, gerado pelas cargas fixas Q1 e Q2 e é a força elétrica na carga de prova q,
colocada em A.

Dadas as alternativas abaixo, assinale a correta:

a) Q1 < 0, Q2 > 0 e q < 0 b) Q1 > 0, Q2 < 0 e q > 0 c) Q1 > 0, Q2 > 0 e q < 0


d) Q1 > 0, Q2 < 0 e q < 0 e) Q1 < 0, Q2 < 0 e q > 0

13-(PUC-MG) A figura representa duas cargas elétricas fixas, positivas, sendo q1>q2.

Os vetores campo elétrico, devidos às duas cargas, no ponto médio M da distância entre
elas, estão mais bem representados em:

14-(UFMG-MG) Um ponto P está situado à mesma distância de duas cargas, uma


positiva e outra negativa, de mesmo módulo. A opção que representa corretamente a
direção e o sentido do campo elétrico criado por essas cargas, no ponto P, é:

15-(MACKENZIE –SP) Considere a figura abaixo:


139

As duas cargas elétricas puntiformes Q1e Q2 estão fixas, no vácuo, onde Ko= 9,0 .
109N.m2C2, respectivamente, sobre pontos A e B. O campo elétrico resultante no ponto
P tem intensidade:

a) zero b) 4,0.05N/C c) 5,0.05N/C d) 9,0.05N/C d)


9,0.05N/C e) 1,8.06N/C

16-(UCSal-BA) Os pontos assinalados na figura abaixo estão igualmente espaçados:

O vetor campo elétrico resultante, criado por Q e –4Q, localizados nos pontos 7 e 4
indicados na figura, é nulo no ponto:

a) 10 b) 8 c) 6 d)
5 e) 1

17-(UNESP-SP) Na figura adiante, o ponto P está eqüidistante das cargas fixas +Q e -


Q. Qual dos vetores indica a direção e o sentido do campo elétrico em P, devido a essas
cargas?

18-(CESGRANRIO-RJ) Quatro cargas elétricas, três positivas e uma negativa, estão


colocadas nos vértices de um quadrado,
140

como mostra a figura.

19-(UFB) A figura a seguir mostra dois pontos P e N, e os respectivos vetores campo


elétrico numa região onde o campo elétrico foi criado por uma única carga puntiforme
fixa Q.

Baseado na figura de escala E=2.103N/C:

a) Localize a carga Q, que origina o campo, e determine seu sinal.

b) Determine a intensidade, direção e sentido da força elétrica que atua sobre uma carga
de prova q=3µC colocada no ponto M.
141

20-(UERJ-RJ) Duas cargas elétricas pontuais, de mesmo valor e com sinais opostos,
encontram-se em dois dos vértices de um triângulo eqüilátero. No ponto médio entre
esses dois vértices, o módulo do campo elétrico resultante devido às duas cargas vale E.
Qual o valor do módulo do campo elétrico no terceiro vértice do triângulo?

a) E/2 b) E/3 c) E/4 d)


E/6 e) E/8

21-(FUVEST-SP) Uma pequena esfera, com carga elétrica positiva Q = 1,5 × 10-9C,
está a uma altura D = 0,05 m acima da superfície de uma grande placa condutora, ligada
à Terra, induzindo sobre essa superfície cargas negativas, como na figura 1. O conjunto
dessas cargas estabelece um campo elétrico que é idêntico, apenas na parte do espaço
acima da placa, ao campo gerado por uma carga +Q e uma carga -Q, como se fosse uma
"imagem" de Q que estivesse colocada na posição representada na figura 2.

a) Determine a intensidade da força F, em N, que age sobre a carga +Q, devida às


cargas induzidas na placa.

b) Determine a intensidade do campo elétrico Eo, em V/m, que as cargas negativas


induzidas na placa criam no ponto onde se encontra a carga +Q.

c) Represente, no diagrama da figura 3, no ponto A, os vetores campo elétrico E+ e E-,


causados, respectivamente, pela carga +Q e pelas cargas induzidas na placa, bem como
o campo resultante, EA . O ponto A está a uma distância D do ponto O da figura e muito
próximo à placa, mas acima dela.

d) Determine a intensidade do campo elétrico resultante EA, em V/m, no ponto A.


142

22-(PUC-SP) Três cargas estão colocadas no vértice de um triângulo eqüilátero, como


mostra a figura.

O vetor campo elétrico resultante criado pelas cargas no ponto P é mais bem
representado por:

23-(FUVEST-SP) Duas pequenas esferas, com cargas elétricas iguais ligadas por uma
barra isolante, são inicialmente colocadas como descrito na situação I. Em seguida,
aproxima-se uma das esferas de P, reduzindo-se à metade sua distância até esse ponto,
ao mesmo tempo em que se duplica a distância entre a outra esfera e P, como na
situação II. O campo elétrico em P, no plano que contém o centro das duas esferas,
possui, nas duas situações indicadas:

a) mesma direção e intensidade. b) direções diferentes e mesma intensidade. c)


mesma direção e maior intensidade em I.
d) direções diferentes e maior intensidade em I. e) direções diferentes e maior
intensidade em II.

24-(PUC-SP) Caracterize o campo elétrico capaz de equilibrar no ar, próximo ao solo,


uma gota de óleo de 4.10-10g de massa
143

e carga q = +10 e (e = 1,6.10-19 C). (g = 10m/s2)

25-(UFPE) Três cargas pontuais de valor Q = 10-6 C foram posicionadas sobre uma
circunferência de raio igual a 1 cm formando

um triângulo equilátero, conforme indica a figura. Determine o módulo do campo


elétrico no centro da circunferência, em N/C.

26-(PUC-RJ) Duas esferas metálicas contendo as cargas Q e 2Q estão separadas pela


distância de 1,0 m. Podemos dizer que, a meia distância entre as esferas, o campo
elétrico gerado por:

a) ambas as esferas é igual. b) uma esfera é 1/2 do


campo gerado pela outra esfera.

c) uma esfera é 1/3 do campo gerado pela outra esfera. d) uma esfera é 1/4 do
campo gerado pela outra esfera.

e) ambas as esferas é igual a zero.

27-(UFRS-RS) Três cargas puntiformes, de valores +2Q, +Q e -2Q estão localizadas em


três vértices de um losango, do modo

indicado na figura a seguir.Sabendo-se que não existem outras cargas elétricas presentes
nas proximidades desse sistema, qual das setas mostradas na figura representa melhor o
campo elétrico no ponto P, quarto vértice do losango?
144

a) A seta 1. b) A seta 2. c) A seta 3. d) A


seta 4. e) A seta 5.

28-(UEPG) Uma carga elétrica puntiforme Q gera um campo elétrico numa determinada
região do espaço. Considerando um ponto P a uma distância r da carga Q, assinale o que
for correto.

(01) A intensidade do vetor força elétrica que age sobre a carga de prova qo é
inversamente proporcional à intensidade do vetor campo elétrico.

(02) O sentido do vetor campo elétrico é o do vetor força elétrica que age sobre a carga
de prova qo, colocada no ponto P, se qo>0..

(04) A intensidade do vetor campo elétrico é inversamente proporcional ao quadrado da


distância r.

(08) O campo elétrico será nulo no ponto P se a carga de prova qo tiver sinal contrário
ao da carga Q.

(16) Se o sentido do vetor campo elétrico for de afastamento da carga Q, então a carga
de prova qo tem sinal contrário ao da carga Q.

29-(UFRJ-RJ) Duas cargas puntiformes q1 = 2,0.10-6 C e q2 = 1,0.10-6 C estão fixas num


plano nas posições dadas pelas coordenadas cartesianas indicadas a seguir. Considere K
= 9,0.109 NC-2 m2.

Calcule o vetor campo elétrico na posição A indicada na figura, explicitando seu


módulo, sua direção e seu sentido.

30-(FUVEST-SP) Um pequeno objeto, com carga elétrica positiva, é largado da parte


superior de um plano inclinado, no ponto A, e desliza, sem ser desviado, até atingir o
ponto P. Sobre o plano, estão fixados 4 pequenos discos com cargas elétricas de mesmo
módulo. As figuras representam os discos e os sinais das cargas, vendo-se o plano de
cima. Das configurações a seguir, a única compatível com a trajetória retilínea do objeto
é
145

31-(FUVEST-SP) O diagrama da figura seguinte representa a intensidade do campo


elétrico gerado por uma carga puntiforme fixa no vácuo, em função da distância d à
carga. (Considere K=9,0.109 N.m2C2)

a) Calcule o valor da carga Q que origina o campo.


b) Determine a intensidade do campo elétrico em um ponto que dista 30cm da carga
fixa.

32-(UEFS-BA) Suponha que uma partícula eletricamente carregada seja colocada em


repouso numa região do espaço onde há um

campo elétrico uniforme e onde o campo gravitacional é desprezível. Essa partícula vai:

a) permanecer em repouso b) adquirir uma velocidade constante


c) adquirir uma aceleração constante
d) adquirir um movimento circular e) adquirir um movimento parabólico.
146

33-(UFPEL-RS) O positron e a anti-particula do elétron, possuem a mesma massa


porem com carga elétrica positiva +e. Sob a ação de um campo elétrico uniforme o
positron sofre uma aceleração cujo modulo é a.

Ao quadruplicarmos a intensidade do campo elétrico, o positron sofrerá uma aceleração


cujo módulo vale

a) a/2 b) a c) a/4 d) 4a e) 3a

34-
(MACKENZIESP) Um corpúsculo dotado de carga elétrica negativa é abandonado, a partir 
do repouso, no interior de um campo elétrico  uniforme, 
gerado por duas placas metálicas, paralelas entre si e carregadas com cargas iguais e de sinais 
diferentes. O movimento adquirido  por  esse corpúsculo, em relação às placas, é:

a)  retilíneo e uniforme. b)  retilíneo uniformemente retardado. c) 


retilíneo uniformemente acelerado.

d)  circular uniforme. e)  acelerado com trajetória parabólica.

35-(MACKENZIE-SP) Existe um campo elétrico apontando para baixo, na


atmosfera terrestre, com uma intensidade média de

100 N/C. Deseja-se fazer flutuar nesse campo uma esfera de enxofre de 0,5 kg. Que
carga (módulo e sinal) precisa ter a esfera? (g=10m/s2).

36-(UFV-MG) Em um campo elétrico variável e orientado para baixo, faz-se incidir um


elétron, segundo um ângulo de 60o com a
147

horizontal. Desprezando a ação da gravidade, pode-se afirmar que a força elétrica que
atua no elétron:

a) faz um ângulo de 0o com a horizontal. b) tem a direção e o


sentido do campo elétrico

c) faz um ângulo de 90o com a horizontal d) é perpendicular ao


vetor velocidade do elétron

e) tem a direção e o sentido da velocidade do elétron.

37-(UFG-GO) Os materiais de uma forma geral são constituídos por cargas elétricas,
podendo estar neutros ou carregados

positiva ou negativamente. Em relação ao comportamento desses materiais, do ponto de


vista eletrostático, é correto afirmar-se que:

01. um corpo eletricamente neutro, suspenso por um fio isolante, é repelido quando
aproximamos um bastão carregado positivamente;

02. uma carga Q cria um campo elétrico no espaço em torno dela, e esse campo é o
responsável pelo aparecimento de força elétrica em outras cargas, colocadas no espaço
ao seu redor;

04. a carga elétrica em uma casca condutora esférica se distribui na superfície interna
desta, anulando o campo elétrico nas vizinhanças da superfície externa;

08. a força eletrostática que uma carga q1, exerce sobre uma carga q2 é diretamente
proporcional à distância que separa seus centros.

38-(UFF- RJ) Entre duas placas metálicas, paralelas e distantes L uma da outra, há um
campo elétrico uniforme , conforme
148

mostrado na figura. Através de dois pequenos furos, uma carga positiva atravessa o
sistema, tendo velocidade inicial Vo.

Assinale qual das opções a seguir melhor representa a variação da velocidade da carga
em função de sua posição ao longo do eixo x.

39-(UFMG-MG). Na figura, um elétron desloca-se na direção x, com velocidade inicial


. Entre os pontos x1 e x2 , existe um campo elétrico uniforme, cujas linhas de força
também estão representadas na figura.

Despreze o peso do elétron nessa situação. Considerando a situação descrita, assinale a


alternativa cujo gráfico melhor descreve o módulo da velocidade do elétron em função
de sua posição x

40-(FUVEST-SP) Uma fonte F emite partículas (elétrons, prótons e nêutrons) que são
lançadas no interior de uma região onde existe
149

um campo elétrico uniforme. As partículas penetram perpendicularmente às linhas de


força do campo. Três partículas emitidas atingem o anteparo A nos pontos P, Q e R.
Podemos afirmar que essas partículas eram, respectivamente:

a) elétron, nêutron, próton b) próton, nêutron, elétron c) elétron, próton,


próton d) nêutron, elétron, elétron

e) nêutron, próton, próton

41-(UFMG-MG) A figura mostra, esquematicamente, as partes principais de uma


impressora a jato de tinta.

Durante o processo de impressão, um campo elétrico é aplicado de modo a desviar as


gotas eletrizadas. Dessa maneira, as gotas incidem exatamente no lugar programado da
folha de papel onde se formará, por exemplo, parte de uma letra. Considere que as gotas
são eletrizadas negativamente. Para que elas atinjam o ponto P da figura, o vetor campo
elétrico entre as placas defletoras é melhor representado por:
150

42-(UNICAMP-SP) Um elétron é acelerado, a partir do repouso, ao longo de 8,8 mm,


por um campo elétrico constante e uniforme de módulo E = 1,0.105 V/m. Sabendo-se
que a razão carga/massa do elétron vale e/m = 1,76.1011 C/kg, calcule:

a) a aceleração do elétron.

b) a velocidade final do elétron.

c) Ao abandonar o campo elétrico, o elétron penetra perpendicularmente a um campo


magnético constante e uniforme de módulo B = 1,0 × 10-2 T. Qual o raio da órbita
descrita pelo elétron?

43-(UNESP-SP) Um dispositivo para medir a carga elétrica de uma gota de óleo é


constituído de um capacitor polarizado no

interior de um recipiente convenientemente vedado, como ilustrado na figura. A gota de


óleo, com massa m, é abandonada a partir do repouso no interior do capacitor, onde
existe um campo elétrico uniforme E. Sob ação da gravidade e do campo elétrico, a gota
inicia um movimento de queda com aceleração 0,2 g, onde g é a aceleração da
gravidade. O valor absoluto (módulo) da carga pode ser calculado através da expressão

a) Q = 0,8 mg/E. b) Q = 1,2 E/mg. c) Q = 1,2 m/gE. d) Q =


1,2 mg/E. e) Q = 0,8 E/mg.

44-(PUC-MG) No início do século XX (1910), o cientista norte-americano ROBERT


MILLIKAN conseguiu determinar o valor da carga elétrica do ELÉTRON como q = -
1,6.10-19C. Para isso colocou gotículas de óleo eletrizadas dentro de um campo elétrico
vertical, formado por duas placas eletricamente carregadas, semelhantes a um capacitor
de placas planas e paralelas, ligadas a uma fonte de tensão conforme ilustração a seguir
(g = 10 m/s2).
151

Admitindo que cada gotícula tenha uma massa de 1,6.10-25 kg, assinale o valor do
campo elétrico necessário para equilibrar cada gota, considerando que ela tenha a sobra
de um único ELÉTRON (carga elementar).

a) 1,6.103 N/C b) 1,0.105 N/C c) 2,0.105N/C d)


2,6.103N/C

45-(FUVEST-SP) Uma partícula de carga q > 0 e massa m, com velocidade vo > 0,


penetra numa região do espaço, entre x = 0 e x = a, em que existe apenas um campo
elétrico uniforme, E > 0 (ver figura). O campo é nulo para x < 0 e x > a. Despreze as
ações

gravitacionais.

a) Qual a aceleração entre x = 0 e x = a?


b) Qual a velocidade para x > a?

46-(UNICAMP-SP) Considere uma esfera de massa m e carga q pendurada no teto e


sob a ação da gravidade e do campo elétrico

E como indicado na figura.

a) Qual é o sinal da carga q? Justifique sua resposta.


b) Qual é o valor do ângulo θ no equilíbrio?

47-(FUVEST-SP) Um certo relógio de pêndulo consiste em uma pequena bola, de


massa M = 0,1 kg, que oscila presa a um fio. O intervalo de tempo que a bolinha leva
para, partindo da posição A, retornar a essa mesma posição é seu período To, que é igual
a
152

2 s. Neste relógio, o ponteiro dos minutos completa uma volta (1 h) a cada 1800
oscilações completas do pêndulo. Estando o relógio em uma região em que atua um
campo elétrico E, constante e homogêneo, e a bola carregada com carga elétrica Q, seu
período será alterado, passando a TQ. Considere a situação em que a bolinha esteja
carregada com carga Q = 3.10-5 C, em presença de um campo elétrico cujo módulo E =
1.105 V/m.

Então, determine:

a) a intensidade da força efetiva Fe, em N, que age sobre a bola carregada.


b) a razão R = TQ/To entre os períodos do pêndulo, quando a bola está carregada e
quando não tem carga.
c) a hora que o relógio estará indicando, quando forem de fato 3 h da tarde, para a
situação em que o campo elétrico tiver passado a atuar a partir do meio-dia.

48-(UFMS-MS) O vento desloca uma nuvem, carregada, com velocidade V constante e


horizontal, próximo da superfície da Terra (veja a figura). A nuvem está carregada
negativamente com uma distribuição de cargas uniforme. Suponha que, devido à
evaporação de água, moléculas de água estejam flutuando próximo à superfície da
Terra. Como o centro de cargas positivas dos dois átomos de hidrogênio não coincide
com o centro de cargas negativas do átomo de oxigênio que constituem cada molécula
d'água, podemos considerar cada molécula d'água como um dipolo elétrico com cargas
+ 2e e - 2e, onde e é a carga do elétron. Esses dipolos estão inicialmente em repouso, e
com orientações aleatórias. Considere sempre uniformes os campos gravitacional,
produzido pela Terra, e elétrico, produzido pela nuvem. Com relação aos fenômenos
físicos que ocorrerão, quando a nuvem passar sobre os dipolos, assinale a alternativa
correta.
153

a) O vetor que representa o campo elétrico produzido pela nuvem, possuirá sentido da
nuvem para a superfície da terra.

b) Os dipolos serão alinhados pelo campo elétrico, atraídos e arrastados até a nuvem.

c) A força elétrica resultante em cada dipolo será nula.

d) Durante o alinhamento dos dipolos, a força elétrica não realiza trabalho nos dipolos.

e) Os dipolos ficarão alinhados predominantemente na direção horizontal.

49-(UEL-PR-09) Revistas de divulgação científica ajudam a população, de um modo


geral, a se aproximar dos conhecimentos da Física. No entanto, muitas vezes alguns
conceitos básicos precisam ser compreendidos para o entendimento das informações.
Nesse texto, estão explicitados dois importantes conceitos elementares para a
compreensão das informações dadas: o de campo elétrico e o de corrente elétrica.

Assinale a alternativa que corretamente conceitua campo elétrico.

a) O campo elétrico é uma grandeza vetorial definida como a razão entre a força elétrica
e a carga elétrica.

b) As linhas de força do campo elétrico convergem para a carga positiva e divergem da


carga negativa.

c) O campo elétrico é uma grandeza escalar definida como a razão entre a força elétrica
e a carga elétrica.

d) A intensidade do campo elétrico no interior de qualquer superfície condutora fechada


depende da geometria desta superfície.

e) O sentido do campo elétrico independe do sinal da carga Q, geradora do campo.

50-(UFC-CE-09) Uma partícula de massa m e carga positiva q, com velocidade


horizontal (módulo v), penetra numa região de comprimento L (paralelo à velocidade
inicial da partícula), na qual existe um campo elétrico vertical (constante), conforme
a figura a seguir. A aceleração da gravidade local é (de módulo g, direção vertical e
sentido para baixo).
154

Na região onde o campo elétrico é não-nulo (entre as linhas verticais tracejadas na


figura abaixo), a força elétrica tem módulo maior que a força peso. Determine o módulo
do campo elétrico para o qual a partícula apresenta o máximo alcance ao longo da linha
horizontal localizada na altura em que ela deixa a região do campo elétrico. Despreze
quaisquer efeitos de dissipação de energia (resistência do ar, atrito etc.).

51-(UNICAMP-SP-09) O fato de os núcleos atômicos serem formados por prótons e


nêutrons suscita a questão da coesão

nuclear, uma vez que os prótons, que têm carga positiva q = 1,6.10-19 C , se repelem
através da força eletrostática. Em 1935, H. Yukawa propôs uma teoria para a força
nuclear forte, que age a curtas distâncias e mantém os núcleos coesos.

a) Considere que o módulo da força nuclear forte entre dois prótons FN é igual a vinte
vezes o módulo da força eletrostática entre eles FE , ou seja, FN = 20 FE. O módulo da
força eletrostática entre dois prótons separados por uma distância d é dado por FE =
K(q2/d2), onde K = 9,0.109Nm2/C2. Obtenha o módulo da força nuclear forte FN entre os
dois prótons, quando separados por uma distância = 1,6.10-15 m, que é uma distância
típica entre prótons no núcleo.

b) As forças nucleares são muito maiores que as forças que aceleram as partículas em
grandes aceleradores como o LHC. Num

primeiro estágio de acelerador, partículas carregadas deslocam-se sob a ação de um


campo elétrico aplicado na direção do movimento. Sabendo que um campo elétrico de
155

módulo E = 2,0.105 N/C age sobre um próton num acelerador, calcule a força
eletrostática que atua no próton.

52-(FUVEST-SP-09) Uma barra isolante possui quatro encaixes, nos quais são
colocadas cargas elétricas de mesmo módulo, sendo as positivas nos encaixes claros e as
negativas nos encaixes escuros. A certa distância da barra, a direção do campo elétrico
está indicada na figura 1. Uma armação foi construída com quatro dessas barras,
formando um quadrado, como representado na figura 2. Se uma carga positiva for
colocada no centro P da armação, a força elétrica que agirá sobre a carga terá sua
direção e sentido indicados por:

Desconsidere eventuais efeitos de cargas induzidas.

53-(FUVEST-SP-09) Um campo elétrico uniforme, de módulo E, criado entre duas


grandes placas paralelas carregadas, P1 e P2, é utilizado para estimar a carga presente em
pequenas esferas. As esferas são fixadas na extremidade de uma haste isolante, rígida e
muito leve, que pode girar em torno do ponto O. Quando uma pequena esfera A, de
massa M = 0,015 kg e carga Q, é fixada na haste, e sendo E igual a 500 kV/m, a esfera
assume uma posição de equilíbrio, tal que a haste forma com a vertical um ângulo

θ = 45°. Para essa situação:


156

a) Represente a força gravitacional P e a força elétrica Fe que atuam na esfera A, quando


ela está em equilíbrio sob ação do campo elétrico. Determine os módulos dessas forças,
em newtons.

b) Estime a carga Q, em coulombs, presente na esfera.

c) Se a esfera se desprender da haste, represente, na figura 2, a trajetória que ela iria


percorrer, indicando-a pela letra T.

54-(ITA-SP-09) Uma partícula carregada negativamente está se movendo na direção +x


quando entra em um campo elétrico uniforme atuando nessa mesma direção e sentido.
Considerando que sua posição em t = 0 s é x = 0 m, qual gráfico representa melhor a
posição da partícula como função do tempo durante o primeiro segundo?

55-(UEG-GO-09) Sobre os conceitos de campos escalares e campos vetoriais, responda


ao que se pede.

a) Um objeto de massa m e carga q em repouso, gera qual(ais) campo(s)? Justifique.

b) Um objeto de massa m e carga q em movimento, gera qual(ais) campo(s)? Esse(s)


campo(s) é(são) vetorial(ais) ou escalar(es)? Justifique.

56-(PUC-PR-09) Atualmente é grande o interesse na redução dos impactos ambientais


provocados pela agricultura através de pesquisas, métodos e equipamentos. Entretanto,
a aplicação de agrotóxicos praticada continua extremamente desperdiçadora de energia
e de produto químico. O crescente aumento dos custos dos insumos, mão de obra,
energia e a preocupação cada vez maior em relação à contaminação ambiental têm
realçado a necessidade de uma tecnologia mais adequada na colocação dos agrotóxicos
nos alvos, bem como de procedimentos e equipamentos que levem à maior proteção do
trabalhador. Nesse contexto, o uso de gotas com cargas elétricas, eletrizadas com o uso
de bicos eletrostáticos, tem-se mostrado promissor, uma vez que, quando uma nuvem
dessas partículas se aproxima de uma planta, ocorre o fenômeno de indução, e a
superfície do vegetal adquire cargas elétricas de sinal oposto ao das gotas. Como
consequência, a planta atrai fortemente as gotas, promovendo uma melhoria na
deposição, inclusive na parte inferior das folhas.
157

A partir da análise das informações, é CORRETO afirmar:

a) As gotas podem estar neutras que o processo acontecerá da mesma forma.

b) O fenômeno da indução descrito no texto se caracteriza pela polarização das folhas


das plantas, induzindo sinal igual ao da carga da gota.

c) Quanto mais próximas estiverem gotas e folha menor será a força de atração.

d) Outro fenômeno importante surge com a repulsão mútua entre as gotas após saírem
do bico: por estarem com carga de mesmo sinal, elas se repelem, o que contribui para
uma melhoria na distribuição do defensivo nas folhas.

e) Existe um campo elétrico no sentido da folha para as gotas.

57-(ITA-SP-010)

Uma esfera condutora de raio R possui no seu interior duas cavidades esféricas, de raio
a e b, respectivamente, conforme mostra a figura. No centro de uma cavidade há uma
carga puntual qa e no centro da outra, uma carga também puntual qb,cada qual distando
do centro da esfera condutora de x e y, respectivamente. E correto afirmar que

a) a força entre as cargas qa e qb é k0qaqb/(x2 + y2 – 2xy cos θ). b) a força


entre as cargas qa e qb é nula.

c) não é possível determinar a força entre as cargas, pois não há dados suficientes.
158

d) se nas proximidades do condutor houvesse uma terceira carga, qc, esta não sentiria
força alguma.

e) se nas proximidades do condutor houvesse uma terceira carga, qc, a força entre qa e qb
seria alterada.

58-(FATEC-SP-010) Leia o texto a seguir.

Técnica permite reciclagem de placas de circuito impresso e recuperação de metais

Circuitos eletrônicos de computadores, telefones celulares e outros equipamentos


poderão agora ser reciclados de forma menos

prejudicial ao ambiente graças a uma técnica que envolve a moagem de placas de


circuito impresso.

O material moído é submetido a um campo elétrico de alta tensão para separar os


materiais metálicos dos não-metálicos, visto que a enorme diferença entre a
condutividade elétrica dos dois tipos de materiais permite que eles sejam separados.

(http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=010125070306,
acessado em 04.09.2009. Adaptado.)

Considerando as informações do texto e os conceitos físicos, pode-se afirmar que os


componentes

a) metálicos, submetidos ao campo elétrico, sofrem menor ação deste por serem de
maior condutividade elétrica.

b) metálicos, submetidos ao campo elétrico, sofrem maior ação deste por serem de
maior condutividade elétrica.

c) metálicos, submetidos ao campo elétrico, sofrem menor ação deste por serem de
menor condutividade elétrica.

d) não-metálicos, submetidos ao campo elétrico, sofrem maior ação deste por serem de
maior condutividade elétrica.
159

e) não-metálicos, submetidos ao campo elétrico, sofrem menor ação deste por serem de
maior condutividade elétrica.

59-(CFT-MG-010) Quatro cargas puntiformes de mesmo valor +q são colocadas nos


vértices de um quadrado de lado L.

O vetor campo elétrico resultante no centro do lado assinalado com é

60-(UECE-CE-010) Qual é o efeito na força elétrica entre duas cargas q1 e q2 quando se


coloca um meio isolante, isotrópico e homogêneo entre elas?

a) Nenhum, porque o meio adicionado é isolante. b) A força aumenta, devido a


cargas induzidas no material isolante.

c) A força diminui, devido a cargas induzidas no material isolante. d) Nenhum,


porque as cargas q1 e q2 não se alteram.

61-(UEL-PR-010) "Nuvens, relâmpagos e trovões talvez estejam entre os primeiros


fenômenos naturais observados pelos humanos pré-históricos.
160

pré-históricos. [...]. A teoria precipitativa é capaz de explicar convenientemente os


aspectos básicos da eletrificação das nuvens, por meio de dois processos [...]. No
primeiro deles, a existência do campo elétrico atmosférico dirigido para baixo [...]. Os
relâmpagos são descargas de curta duração, com correntes elétricas intensas, que se
propagam por distâncias da ordem de quilômetros [...]".

(FERNANDES, W. A.; PINTO Jr. O; PINTO, I. R. C. A. Eletricidade e poluição no ar.


Ciência Hoje. v. 42, n. 252. set. 2008. p. 18.)

Revistas de divulgação científica ajudam a população, de um modo geral, a se


aproximar dos conhecimentos da Física. No entanto, muitas vezes alguns conceitos
básicos precisam ser compreendidos para o entendimento das informações. Nesse texto,
estão explicitados dois importantes conceitos elementares para a compreensão das
informações dadas: o de campo elétrico e o de corrente elétrica.

Assinale a alternativa que corretamente conceitua campo elétrico.

a) O campo elétrico é uma grandeza vetorial definida como a razão entre a força elétrica
e a carga elétrica.

b) As linhas de força do campo elétrico convergem para a carga positiva e divergem da


carga negativa.

c) O campo elétrico é uma grandeza escalar definida como a razão entre a força elétrica
e a carga elétrica.

d) A intensidade do campo elétrico no interior de qualquer superfície condutora fechada


depende da geometria desta superfície.

e) O sentido do campo elétrico independe do sinal da carga Q, geradora do campo.

62-(CESGRANRIO-RJ-010) Um sistema tridimensional de coordenadas ortogonais,


graduadas em metros, encontra-se em um meio cuja constante eletrostática é 1,3.109
N.m2/C2. Nesse meio, há apenas três cargas positivas puntiformes Q1, Q2 e Q3, todas
com carga igual a 1,44 10–4 C.

Essas cargas estão fixas, respectivamente, nos pontos (0,b,c), (a,0,c) e (a,b,0). Os
números a, b e c (c < a < b) são as raízes da equação x3 – 19x2 + 96x – 144 = 0.

O vetor campo elétrico resultante no ponto (a,b,c) é paralelo ao vetor

a) (1,5,9) b) (5,9,16) c) (5,12,13) d)


(9,16,1) e) (9,1,16)

63-(UFV-MG-010) A figura a seguir mostra uma visão lateral de duas placas finas não
condutoras, paralelas e infinitas, separadas
161

por uma distância d. As duas placas possuem densidades uniformes de cargas, iguais em
módulo e de sinais contrários. Sendo E o módulo do campo elétrico devido a somente
uma das placas, então os módulos do campo elétrico acima, entre e abaixo das duas
placas, são, respectivamente:

a) E, 2E, E b) 2E, 0, 2E c) 0, 2E, 0 d)


2E, 2E, 2E

64-(UFC-CE-010) Uma partícula de massa m e carga elétrica q e largada do repouso de


uma altura 9H, acima do solo. Do solo até uma altura h' = 5H, existe um campo elétrico
horizontal de módulo constante E. Considere a gravidade local de modulo constante g, a
superfície do solo horizontal e despreze quaisquer efeitos de dissipação de energia.
Determine:

a) o tempo gasto pela partícula para atingir a altura h'.

b) o tempo gasto pela partícula para atingir o solo.

c) o tempo gasto pela partícula sob ação do campo elétrico.

d) o módulo do deslocamento horizontal da partícula, desde o instante em que a


partícula é largada até o instante em que a partícula atinge o solo.

65-(UNIMONTES-MG-011)

Duas cargas puntiformes Q e q são separadas por uma distância d, no vácuo (veja
figura). Se, no ponto P, o campo elétrico tem módulo nulo, a relação entre Q e q é igual
a
162

Dado: Ko = 9.109 Nm2/C2

66-(UDESC-SC-011)

A carga elétrica de uma partícula com 2,0 g de massa, para que ela permaneça em
repouso, quando colocada em um campo

elétrico vertical, com sentido para baixo e intensidade igual a 500 N/C, é:

a) + 40 nC b) + 40 µ C c) + 40 mC d) - 40 µ
C µ) - 40 mC

67-(UNICAMP-SP-011)

Quando um rolo de fita adesiva é desenrolado, ocorre uma transferência de cargas


negativas da fita para o rolo, conforme ilustrado na figura a seguir.
163

Quando o campo elétrico criado pela distribuição de cargas é maior que o campo
elétrico de ruptura do meio, ocorre uma descarga elétrica. Foi demonstrado
recentemente que essa descarga pode ser utilizada como uma fonte econômica de raios-
X.

No ar, a ruptura dielétrica ocorre para campos elétricos a partir de E = 3,0.106 V/m .
Suponha que ocorra uma descarga elétrica entre a fita e o rolo para uma diferença de
potencial V = 9 kV. Nessa situação, pode-se afirmar que a distância máxima entre a fita
e o rolo vale

a) 3 mm. b) 27 mm. c) 2 mm.


d) 37 nm.

68-(MACKENZIE-SP-011)

A intensidade do vetor campo elétrico, em pontos externos, próximos a uma placa


condutora eletrizada, no vácuo, é dada por

E = σ/εo. Nessa equação, σ é a densidade superficial de carga e εo, a constante de


permissividade elétrica no vácuo. Uma pequena esfera, de massa 1,0g, eletrizada com
carga q = +1,0µC, suspensa por um fio isolante, inextensível e de massa desprezível,
mantém-se em equilíbrio na posição indicada.

Considerando-se que o módulo do vetor campo gravitacional local é g = 10m/s2, neste


caso, a relação , referente
164

à placa, é

a) σ/εo = 1,0.102 V/m b) σ/εo = 2,0.102 V/m c) σ/εo = 1,0.104 V/m d) σ/εo
= 2,0.10 V/m e) σ/εo = 1,0.106 V/m
4

69-(UEMG-MG)

Há situações na natureza que são impossíveis de ocorrer. Com base nessa afirmação,
assinale, abaixo, a alternativa em que se apresenta um fenômeno físico que não ocorre.

A) Uma massa, ao ser abandonada numa região do espaço onde há um campo


gravitacional, passa a se movimentar no sentido do campo gravitacional.

B) Uma carga elétrica, ao ser abandonada numa região do espaço onde há um campo
elétrico, passa a se movimentar em sentido contrário ao campo elétrico.

C) Dois corpos, a temperaturas diferentes, são colocados em contato e isolados da


vizinhança. O calor flui do corpo de temperatura mais baixa para o de temperatura mais
alta.

D) Uma carga elétrica, ao ser abandonada numa região do espaço onde há um campo
elétrico, passa a se movimentar no sentido do campo elétrico.

70-(UFPE-PE-012)

Três cargas elétricas, q1 - 16 µC, q-=2 = + 1,0 µC e q3 - 4,0 µC, são mantidas fixas no
vácuo e alinhadas, como mostrado na figura.-=
165

A distância d = 1,0 cm. Calcule o módulo do campo elétrico produzido na posição da


carga q2, em V/m.

71-(UFF-RJ-012)

Um elétron é retirado de uma das placas de um capacitor de placas paralelas e é


acelerado no vácuo, a partir do repouso, por um campo elétrico constante. Esse campo é
produzido por uma diferença de potencial estabelecida entre as placas e imprime no
elétron uma aceleração constante, perpendicular às placas, de módulo 6,4.103 m/s2. A
intensidade do campo elétrico é grande o suficiente para que se possam desprezar os
efeitos gravitacionais sobre o elétron.

Depois de 2ms (2.10-3 s), a polaridade da diferença de potencial estabelecida entre as


placas é bruscamente invertida, e o elétron passa a sofrer uma força de mesmo módulo
que o da força anterior, porém de sentido inverso. Por causa disso, o elétron acaba por
retornar à placa de onde partiu, sem ter alcançado a 2ª placado capacitor.

a) Esboce, no reticulado abaixo, o gráfico da velocidade do elétron em função do tempo,


desde o instante em que ele é retirado da placa até o instante em que ele retorna à
mesma placa.

b) Determine a distância mínima que deve existir entre as placas do capacitor de modo
que o elétron não atinja a segunda placa, conforme foi relatado.

c) Calcule o tempo que o elétron levou no percurso desde o instante em que ele é
retirado da placa até o instante em que retorna ao ponto de partida.

d) Determine o módulo do campo elétrico responsável pela aceleração do elétron,


sabendo-se que sua massa é 9,0.10-31 kg e que sua carga é 1,6.10-19 C.
166

72-(UERJ-RJ-012)

Três pequenas esferas metálicas, E1, E2 e E3, eletricamente carregadas e isoladas, estão
alinhadas, em posições fixas, sendo E2 equidistante de E1 e E3. Seus raios possuem o
mesmo valor, que é muito menor que as distâncias entre elas, como mostra a figura:

As cargas elétricas das esferas têm, respectivamente, os seguintes valores:

Q1= 20 µC, Q2= - 4 µC e Q3= 1 µC.

Admita que, em um determinado instante, E1 e E2 são conectadas por um fio metálico;


após alguns segundos, a conexão é desfeita.

Nessa nova configuração, determine as cargas elétricas de E1 e E2 e apresente um


esquema com a direção e o sentido da força resultante sobre E3

Potencial Elétrico
01-(UFPA) Com relação às linhas de força de um campo elétrico, pode-se afirmar que
são linhas imaginárias:

a) tais que a tangente a elas em qualquer ponto tem a mesma direção do campo elétrico;

b) tais que a perpendicular a elas em qualquer ponto tem a mesma direção do campo
elétrico;

c) que circulam a direção do campo elétrico;

d) que nunca coincidem com a direção do campo elétrico;

e) que sempre coincide com a direção do campo elétrico.

02-(UFES) As linhas de força do conjunto de cargas Q1 e Q2 são mostradas na figura.


167

Para originar essas linhas, os sinais de Q1 e Q2 devem ser, respectivamente:

a) + e + b) - e - c) + e - d) – e
+ e) + e + ou - e -

03-(UNICAMP-SP) A figura mostra as linhas de força de um campo eletrostático criado


por um sistema de duas cargas

puntiformes q1 e q2.

a) Nas proximidades de que carga o campo eletrostático é mais intenso? Por quê?

b) Qual é o sinal do produto q1.q2?

04-(UEG-GO) Linhas de força são linhas tangentes ao vetor campo elétrico em cada um
de seus pontos, sendo essas linhas de força orientadas no sentido do vetor campo e
perpendiculares às superfícies eqüipotenciais. Das figuras a seguir, qual(is) pode(m)
representar as linhas de força de um campo elétrico produzido por cargas elétricas
estacionárias?

a) Apenas a figura I. b) As figuras I e IV. c) As figuras I, II e IV. d) As


figuras I, III e IV. e) Todas as figuras.
168

05-(UEG-GO) A figura a seguir representa as linhas de campo elétrico de duas cargas


puntiformes.

Com base na análise da figura, responda aos itens a seguir.

a) Quais são os sinais das cargas A e B? Justifique.

b) Crie uma relação entre os módulos das cargas A e B. Justifique.

c) Seria possível às linhas de campo elétrico se cruzarem? Justifique.

06-(FUVEST-SP) Três grandes placas P1, P2 e P3, com, respectivamente, cargas +Q, -Q
e +2Q, geram campos elétricos uniformes em certas regiões do espaço. A figura 1
abaixo mostra intensidade, direção e sentido dos campos criados pelas respectivas
placas P1, P2 e P3, quando vistas de perfil. Colocando-se as placas próximas, separadas
pela distância D indicada, o campo elétrico resultante, gerado pelas três placas em
conjunto, é representado por

Nota: onde não há indicação, o campo elétrico é nulo

07-(UEM-PR) Considere um corpo metálico descarregado, AB, colocado em repouso


em um campo elétrico cujas linhas de força são mostradas na figura a seguir. Assinale o
que for correto.
169

(01) Em virtude da indução eletrostática no corpo metálico, a sua extremidade A ficará


eletrizada negativamente e a sua extremidade B ficará eletrizada positivamente.

(02) Nas proximidades da região A do corpo metálico, a intensidade do campo elétrico


externo é maior do que nas proximidades da região B.

(04) A força elétrica FA, que age sobre a extremidade A do corpo metálico, aponta para
a esquerda da figura.

(08) A força elétrica FB, que age sobre a extremidade B do corpo metálico, aponta para
a direita da figura.

(16) Sob a ação das forças FA e FB, o corpo metálico tenderá a se deslocar para a
esquerda da figura.

(32) Se as linhas de força do campo elétrico representado na figura fossem paralelas e


igualmente espaçadas, FA apontaria para a direita e FB apontaria para a esquerda.

(64) Se as linhas de força do campo elétrico representado na figura fossem paralelas e


igualmente espaçadas, o corpo permaneceria em repouso.

08-(PUC-MG) As linhas de força de um campo elétrico são um modo conveniente de


visualizar o campo elétrico e indicam a direção do campo em qualquer ponto. Leia as
opções abaixo e assinale a afirmativa INCORRETA.

a) O número de linhas que saem ou que entram numa carga puntiforme é proporcional
ao valor da carga elétrica.

b) As linhas de força saem da carga negativa e entram na carga positiva.

c) As linhas de força saem da carga positiva e entram na carga negativa.

d) O número de linhas por unidade de área perpendicular às linhas é proporcional à


intensidade do campo.

09-(PUC-RS) A figura a seguir representa um campo elétrico não uniforme, uma carga
de prova q+ e cinco pontos

A figura a seguir representa um campo elétrico não uniforme, uma carga de prova q+ e
cinco pontos quaisquer no interior do campo.
170

O campo elétrico é mais intenso no ponto

a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5

10-(UFV-MG) A figura a seguir representa a configuração de linhas de campo elétrico


produzida por três cargas puntuais,

todas com o mesmo módulo Q. Os sinais das cargas A, B e C são, respectivamente:

a) negativo, positivo e negativo. b) negativo, negativo e positivo. c)


positivo, positivo e positivo.

d) negativo, negativo e negativo. e) positivo, negativo e positivo.

11-(UFF-RJ) Estão representadas, a seguir, as linhas de força do campo elétrico criado


por um dipolo.

Considerando-se o dipolo, afirma-se:

1. A representação das linhas de campo elétrico resulta da superposição dos campos


criados pelas cargas puntiformes.

II. O dipolo é composto por duas cargas de mesma intensidade e sinais contrários.

III. O campo elétrico criado por uma das cargas modifica o campo elétrico criado pela
outra.

Com relação a estas afirmativas, conclui-se que:

a) apenas a I é correta. b) apenas a lI é correta. c) apenas a III


é correta. d) apenas a I e a II são corretas. e) apenas a lI e a III são
corretas.
171

12-(PUC-PR) As linhas de força foram idealizadas pelo físico inglês Michael Faraday
com o objetivo de visualizar o campo elétrico numa região do espaço. Em cada ponto de
uma linha de força, a direção do campo elétrico é tangente à linha. Qual das afirmações
abaixo NÃO cor responde a uma propriedade das linhas de força?

a) As linhas de força de um campo elétrico uniforme são paralelas e eqüidistantes entre


si.

b) Para uma carga puntiforme positiva, as linhas de força apontam “para fora” da carga.

c) As linhas de força “convergem” para cargas puntiformes negativas.

d) Nas vizinhanças da superfície de um condutor isolado e carregado, as linhas de força


são perpendiculares à superfície.

e) As linhas de força do campo elétrico são sempre fechadas.

13-(FURG-RS) A Figura mostra as linhas de força do campo elétrico. As afirmativas


referem-se a esta figura.

I. A intensidade do campo elétrico E na região A é maior do que na região C

II. Uma carga negativa colocada nas regiões A ou C sofre uma força para a esquerda.

III. Uma carga positiva colocada nas regiões A ou C sofre uma força para a direita.

Está(ão) correta(s):

a) I b) I e II c)I e III d )II e III


e) I, II, III

14-(UFMG-MG) A figura mostra, esquematicamente, as partes principais de uma


impressora a jato de tinta.
172

Durante o processo de impressão, um campo elétrico é aplicado de modo a desviar as


gotas eletrizadas. Dessa maneira, as gotas incidem exatamente no lugar programado da
folha de papel onde se formará, por exemplo, parte de uma letra. Considere que as gotas
são eletrizadas negativamente. Para que elas atinjam o ponto P da figura, o vetor campo
elétrico entre as placas defletoras é melhor representado por:

15-(UNIFEI-MG) As figuras abaixo mostram as linhas de força do campo eletrostático


criado por um sistema de duas cargas

I
II

puntiformes. Quais das respostas abaixo é verdadeira?

a) Em II temos duas cargas negativas de mesmo módulo e em I temos duas cargas


positivas de mesmo módulo.

b) Em II e em I as duas cargas apresentam sinais opostos. Nada podemos dizer sobre os


módulos das cargas.

c) Em II temos duas cargas positivas de mesmo módulo e em I temos duas cargas de


módulos diferentes e sinais opostos.
173

d) As cargas em I e II apresentam módulos diferentes. Nada podemos dizer sobre o sinal


das cargas.

e) Todas as respostas estão erradas.

16-(UFRGS) Uma carga de –10-6 C está uniformemente distribuída sobre a superfície


terrestre. Considerando-se que o potencial

elétrico criado por essa carga é nulo a uma distância infinita, qual será
aproximadamente o valor desse potencial elétrico sobre a superfície da Lua?

Dados: DTerra-Lua =3,8.108m; k = 9.109Nm2/C2

a) - 2,4.107 V. b) - 0,6.10-1 V. c) - 2,4.10-5V. d) -


0,6.107V. e) - 9,0.106 V

17-(PUC-RS) Uma carga de 2,0 . 10-7C encontra-se isolada, no vácuo, distante 6,0cm de
um ponto P. Dado: K0 = 9,0 . 109 unidades SI Qual a proposição correta?

a) O vetor campo elétrico no ponto P está voltado para a carga.

b) O campo elétrico no ponto P é nulo porque não há nenhuma carga elétrica em P.

c) O potencial elétrico no ponto P é positivo e vale 3,0 . 104V.

d) O potencial elétrico no ponto P é negativo e vale -5,0 . 104V.

e) Em P são nulos o campo elétrico e o potencial, pois aí não existe carga elétrica.

18-(PUC-SP) Dois pontos A e B tem potenciais, em relação a um nível no infinito,


iguais a 150V e 100V, respectivamente. Supondo que se passe a medir os potenciais em
relação a B, o novo potencial de A será, em volts:

a) 150 b) 250 c) -50 d) 50 e)


zero
174

19-(CESGRANRIO-RJ) Nas figuras, três cargas positivas e pontuais q são localizadas


sobre a circunferência de um círculo de raio R de três maneiras diferentes. As
afirmações seguintes se referem ao potencial eletrostático em O, centro da
circunferência (o zero dos potenciais está no infinito):
I. O potencial em O nas figuras 1 e 3 é dirigido para baixo.
II. O potencial em O tem o mesmo valor (não-nulo) nos três casos.
III. O potencial em O na figura 2 é nulo.

Está(ão) certa(s) a(s) afirmação(ões):

a) I e II somente. b) II somente. c) III somente. d) I


somente. e) I e III somente.

20-(UECE-CE) "n" prótons, cada um de carga q, foram distribuídos aleatoriamente ao


longo de um arco de círculo de 60° e raio r, conforme ilustra a figura.

conforme ilustra a figura. Considerando k = 1/(4πεo) e o potencial de referência no


infinito igual a zero, assinale a alternativa que contém o valor do potencial elétrico no
ponto O devido a esses prótons.

a) (kqn)/r b) [(knq)/r]cos 60° --c) (knq)/r d)


[(2knq)/r]cos 30°

21-(FMVASSOURAS-MG) Três vértices não consecutivos de um hexágono regular são


ocupados por cargas elétricas pontuais.
175

Duas destas cargas têm o mesmo valor q e a terceira vale Q. Sendo nulo o potencial
elétrico no vértice A não ocupado por carga, é correto afirmar que:

a) Q = -q b) Q = -2q c) Q = -3q d) Q =
-4q e) Q = -6q

22-(UNICAMP-SP) Considere uma molécula diatômica iônica. Um átomo tem carga


q=1,6.10-19C, e o outro tem carga oposta.A

distancia interatômica de equilíbrio é 2,0.10-10m. No Sistema Internacional K é igual a


9,0.109. Na distância de equilíbrio, a força de atração entre as cargas é anulada por
outras forças internas da molécula.

a) Qual é a resultante das outras forças internas que anula a força de atração entre as
cargas.

b) Considerando que, para distâncias interatômicas maiores que a distância de


equilíbrio, as outras forças internas são desprezíveis, determine a energia necessária
para separar completamente as duas cargas, isto é, para dissociar a molécula em dois
íons.

23-(FUVEST-SP) Quando se aproximam duas partículas que se repelem, a energia


potencial das duas partículas:

a) aumenta b) diminui c) fica constante d)


diminui e, em seguida, aumenta;

e) aumenta e, em seguida, diminui.

24-(UFLavras-MG) O diagrama potencial elétrico versus distância de uma carga elétrica


puntiforme Q no vácuo é mostrado abaixo. Considere a constante eletrostática do vácuo
Ko=9.109N.m2/C2.
176

Pode-se afirmar que o valor de Q é:

a) +3,0.10-12C b) +0,1.10-12C c) +3,0.10-9C d) +0,1.10-


9 -12
C e) -3,0.10 C

25-(UNICAMP) Uma carga de -2,0.10-9C está na origem de um eixo X. A diferença de


potencial entre x1 = 1,0m e x2 = 2,0m (em

V) é:

a) +3 b) -3 c) -18 d) +18
e) -9

26-(PUC-MG) A diferença de energia potencial elétrica existente entre duas cargas


puntiformes separadas por uma certa distância ficará inalterada se:

a) as cargas forem mantidas e a distância dividida por dois. b) cada carga for
dobrada e a distância também.

c) uma das cargas for dobrada e a distância multiplicada por quatro. d)cada carga for
quadruplicada e distância dividida por dois. e) cada carga for dobrada e a distância
multiplicada por quatro.

27-(UNESP-SP) Na configuração de cargas da figura, qual é a expressão que representa


o potencial elétrico no ponto P?

(K = constante eletrostática do vácuo)


177

a) +k. Q/3a b) –k. 4Q/a c) +k. 2Q/2a d) –k.


Q/a e) –k. 2Q/3a

28-(PUC-RJ) Uma carga positiva puntiforme é liberada a partir do repouso em uma


região do espaço onde o campo elétrico é uniforme e constante. Se a partícula se move
na mesma direção e sentido do campo elétrico, a energia potencial eletrostática do
sistema

a) aumenta e a energia cinética da partícula aumenta. b) diminui e a energia


cinética da partícula diminui.

c) e a energia cinética da partícula permanecem constantes. d) aumenta e a energia


cinética da partícula diminui.

e) diminui e a energia cinética da partícula aumenta.

29- (UFRS-RS) Duas cargas elétricas puntiformes, de mesmo módulo e sinais


contrários, estão fixas nos pontos X e Y

representados na figura. Em que pontos indicados na figura a diferença de potencial


gerada pelas cargas é nula?

a) 0 e R b) X e R c) X e Y d) P e
Q e) 0 e Y

30-(PUC-RS) Uma carga elétrica puntual Q está colocada em um ponto P como mostra
a figura.
178

Os pontos que se encontram no mesmo potencial elétrico são, respectivamente,

a) 1 e 2 b) 1 e 5 c) 3 e 4 d) 1 e 4 e) 2 e 3

31-(PUC-MG) As configurações A, B e C, que representam quatro cargas de mesmo


valor, situadas nos vértices de um quadrado, conforme a figura abaixo, serão utilizadas
nas questões_31 e 32.

Escolha a opção que contenha a configuração ou configurações em que o campo elétrico


no centro do quadrado tenha o maior valor:

a) A b) B c) C d) B e C
e) A, B e C

32-(PUC-MG) Escolha a opção que contenha a configuração ou configurações em que o


potencial elétrico no centro do quadrado tenha o menor valor:

a) A b) B c) C d) --
BeC e) A, B e C

O potencial elétrico é uma grandeza escalar e, no centro do quadrado é a soma algébrica


dos potenciais criados por cada carga ---

A – EA=Kq/d + Kq/d + Kq/d + Kq/d=4Kq/d --- B – EB= Kq/d + Kq/d - Kq/d -


Kq/d=0 --- C – EC= Kq/d + Kq/d - Kq/d - Kq/d=0 --- R- D
179

33-(UESB-BA) Uma carga elétrica q > 0, abandonada em repouso na região de um


campo elétrico uniforme , irá se

movimentar:

(01) em sentido contrário à orientação de .


(02) em trajetória retilínea, mantendo velocidade constante .
(03) sujeita a uma força elétrica de módulo igual a F=E/q.
(04) aumentando a sua energia potencial elétrica.
(05) mantendo constante a sua energia mecânica.

34-(UFRS-RS) A figura a seguir representa duas cargas elétricas puntiformes, mantidas


fixas em suas posições, de valores + 2q e - q, sendo q o módulo de uma carga de
referência.

Considerando-se zero o potencial elétrico no infinito, é correto afirmar que o potencial


elétrico criado pelas duas cargas será zero também nos pontos

a) I e J. b) I e K. c) I e L. d) J e
K. e) K e L.

35-(UFCE) Duas cargas puntiformes de valores Q e -3Q estão separadas por uma
distancia de 104 cm, conforme a figura.

O ponto A e pontos infinitamente distantes das cargas têm potencial nulo. Qual é, em
centímetros, a distancia entre a carga -3Q e o ponto A.

a) 75 cm b) 76 cm c) 77 cm d) 78
cm e) 79 cm
180

36-(FUVEST-SP) Um sistema formado por três cargas puntiformes iguais, colocadas


em repouso nos vértices de um triângulo

eqüilátero, tem energia potencial eletrostática igual a U. Substitui-se uma das cargas por
outra, na mesma posição, mas com o dobro do valor. A energia potencial eletrostática
do novo sistema será igual a:
a) 4U/3 b) 3U/2 c) 5U/3 d) 2U
e) 3U

37-(PUC-RJ) Duas partículas de cargas q1 = 4.10-5 C e q2 = 1.10-5 C estão alinhadas no


eixo x sendo a separação entre elas de 6 m.

Sabendo que q1 encontra-se na origem do sistema de coordenadas e considerando k =


9.109 Nm2/C2, determine:

a) a posição x, entre as cargas, onde o campo elétrico é nulo;

b) o potencial eletrostático no ponto x = 3 m;

c) o módulo, a direção e o sentido da aceleração, no caso de ser colocada uma partícula


de carga q3 = - 1 . 10-5 C e

massa m3 = 1,0 kg, no ponto do meio da distância entre q1 e q2.

38-(MACKENZIE-SP) Na determinação do valor de uma carga elétrica puntiforme,


observamos que, em um determinado ponto do campo elétrico por ela gerado, o
potencial elétrico é de 18 kV e a intensidade do vetor campo elétrico é 9,0 kN/C. Se o
meio é o vácuo (k = 9.109 N.m2/C2), determine o valor dessa carga.

39-(UDESC-SC-09) O gráfico a seguir representa a variação da energia potencial de


uma carga elétrica de 10-6 C, no vácuo, submetida apenas à ação de um campo elétrico
uniforme e paralelo ao eixo x. Em x = 0,0 cm, a energia cinética da carga é nula.
181

Determine o potencial elétrico em x = 0,6 cm.

40-(ITA-SP-09) Três esferas condutoras, de raio a e carga Q, ocupam os vértices de um


triângulo equilátero de lado b > a, conforme mostra a figura (1). Considere as figuras
(2), (3) e (4), em que, respectivamente, cada uma das esferas se liga e desliga da Terra,
uma de cada vez. Determine, nas situações (2), (3) e (4), a carga das esferas Q1, Q2 e Q3,
respectivamente, em função de a, b e Q.

41-(UFC-09) Na figura a seguir, é mostrada uma distribuição de três partículas


carregadas (duas com carga positiva e uma com carga negativa) localizadas ao longo
dos eixos perpendiculares de um dado sistema de referência. Todas as distâncias estão
em unidades arbitrárias (u.a.). As cargas positivas, ambas iguais a q, estão fixas nas
coordenadas (x,y), iguais a (4,0) e (- 4,0). A carga negativa, igual a - q, está localizada,
inicialmente em repouso, no ponto A, cujas coordenadas são (0,3). A aceleração da
gravidade local é constante (módulo g) e aponta no sentido negativo do eixo y do
sistema de referência, que está na vertical. Todas as partículas possuem a mesma massa
m. A constante eletrostática no meio em que as partículas carregadas estão imersas é K.

Determine o módulo da velocidade com que a partícula com carga negativa chega ao
ponto P, localizado pelas coordenadas (x,y) = (0,-3).

42-(ENEM-MEC-cancelado-09) As células possuem potencial de membrana, que pode


ser classificado em repouso ou ação, e é uma estratégia eletrofisiológica interessante e
simples do ponto de vista físico. Essa característica eletrofisiológica está presente na
figura a seguir, que mostra um potencial de ação disparado por uma célula que compõe
182

as fibras de Purkinje, responsáveis por conduzir os impulsos elétricos para o tecido


cardíaco, possibilitando assim a contração cardíaca. Observa-se que existem quatro
fases envolvidas nesse potencial de ação, sendo denominadas fases 0, 1, 2 e 3.

O potencial de repouso dessa célula é -100 mV, e quando ocorre influxo de íons Na+
e Ca2+, a polaridade celular pode atingir valores de até +10 mV, o que se denomina
despolarização celular. A modificação no potencial de repouso pode disparar um
potencial de ação quando a voltagem da membrana atinge o limiar de disparo que está
representado na figura pela linha pontilhada. Contudo, a célula não pode se manter
despolarizada, pois isso acarretaria a morte celular. Assim, ocorre a repolarização
celular, mecanismo que reverte a despolarização e retorna a célula ao potencial de
repouso. Para tanto, há o efluxo celular de íons K+.

Qual das fases, presentes na figura, indica o processo de despolarização e repolarização


celular, respectivamente?

a) Fases 0 e 2. b) Fases 0 e 3. c) Fases 1 e 2. d) Fases 2 e 0.


e) Fases 3 e 1.

43-(CESGRANRIO-RJ-010) Um sistema tridimensional de coordenadas ortogonais,


graduadas em metros, encontra-se em um meio cuja constante eletrostática é
1,3.109N.m2/C2 Nesse meio, há apenas três cargas positivas puntiformes Q1, Q2 e Q3,
todas

com carga igual a 1,44.10-4 C. Essas cargas estão fixas, respectivamente, nos pontos
(0,b,c), (a,0,c) e (a,b,0). Os números a, b e c (c < a < b) são as raízes da equação x3 –
19x2 + 96x – 144 = 0.
183

Adotando-se o referencial no infinito, o potencial elétrico, em kV, gerado pela carga Q3


no ponto (0,0,c) é

a) 14,4 b) 15,6 c) 25,8 d) 46,8


e) 62,4

44- (ITA-SP-010)

Considere as cargas elétricas q1 = 1 C, situada em x = – 2 m, e q2 = – 2 C, situada em x


= – 8 m. Então, o lugar geométrico dos pontos de potencial nulo é

a) uma esfera que corta o eixo x nos pontos x = – 4 m e x = 4m.

b) uma esfera que corta o eixo x nos pontos x = – 16 m e x = 16 m.

c) um elipsoide que corta o eixo x nos pontos x = – 4 m e x = 16 m.

d) um hiperboloide que corta o eixo x no ponto x = – 4 m.

e) um plano perpendicular ao eixo x que o corta no ponto x = – 4 m.

45-(UFG-G0-011)

Uma carga puntiforme Q gera uma superfície equipotencial de 2,0V a uma distância de
1,0m de sua posição. Tendo

em vista o exposto, calcule a distância entre as superfícies equipotenciais que diferem


dessa por 1,0V
184

46-(UERJ-RJ-011)

Em um laboratório, um pesquisador colocou uma esfera eletricamente carregada em


uma câmara na qual foi feito vácuo.

O potencial e o módulo do campo elétrico medidos a certa distância dessa esfera valem,
respectivamente, 600 V e 200 V/m.

Determine o valor da carga elétrica da esfera.

47-(IFSP-SP-011)

Na figura a seguir, são representadas as linhas de força em uma região de um campo


elétrico. A partir dos pontos A, B, C, e D situados nesse campo, são feitas as seguintes
afirmações:
185

I. A intensidade do vetor campo elétrico no ponto B é maior que no ponto C.

II. O potencial elétrico no ponto D é menor que no ponto C.

III. Uma partícula carregada negativamente, abandonada no ponto B, se movimenta


espontaneamente para regiões de menor potencial elétrico.

IV. A energia potencial elétrica de uma partícula positiva diminui quando se movimenta
de B para A.

É correto o que se afirma apenas em

a) I. b) I e IV. c) II e III. d) II e
IV. e) I, II e III.

48-(UFPE-PE-012)

O gráfico mostra a dependência do potencial elétrico criado por uma carga pontual, no
vácuo, em função da distância à

carga. Determine o valor da carga elétrica. Dê a sua resposta em unidades de 10-9 C.

49-(FGV-SP-012)
186

A figura seguinte representa algumas linhas de força de um campo elétrico uniforme e


três pontos internos A, B e C desse campo. A reta que passa pelos pontos A e C é
perpendicular às linhas de força.

É correto afirmar que

(A) A e B têm o mesmo potencial elétrico, sendo este maior que o de C.

(B) A e B têm o mesmo potencial elétrico, sendo este menor que o de C.

(C) A e C têm o mesmo potencial elétrico, sendo este maior que o de B.

(D) os potenciais elétricos dos pontos A, B e C guardam a relação VA<VB<VC.

(E) os potenciais elétricos dos pontos A, B e C guardam a relação VA>VB>VC.

50--(AFA-012)

A figura abaixo representa as linhas de força de um determinado campo elétrico.


187

Sendo VA, VB, e VC os potenciais eletrostáticos em três pontos A, B e C,


respectivamente, com 0 < VA - VC < V B - VC, pode-se afirmar que a

posição desses pontos é melhor representada na alternativa

51-(MACKENZIE-S)-012)

Um aluno, ao estudar Física, encontra no seu livro a seguinte questão: “No vácuo ( k =
9.109 N.m2/C2), uma carga puntiforme Q

gera, à distância D, um campo elétrico de intensidade 360 N/C e um potencial elétrico


de 180 V, em relação ao infinito”. A partir dessa afirmação, o aluno determinou o valor
correto dessa carga como sendo
188

a) 24 µC b) 10 µC c) 30 nC d) 18
nC e) 10 nC

52-(FUVEST-SP-012)

Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A


fez experimentos com o objetivo de desenhar

linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados nas figuras
I, II, III e IV abaixo.

Aos alunos do grupo B, coube analisar os desenhos produzidos pelo grupo A e formular
hipóteses. Dentre elas, a única correta é que as figuras I, II, III e IV podem representar,
respectivamente, linhas de campo

a) eletrostático, eletrostático, magnético e magnético. b) magnético,


magnético, eletrostático e eletrostático.
189

c) eletrostático, magnético, eletrostático e magnético. d) magnético,


eletrostático, eletrostático e magnético.

e) eletrostático, magnético, magnético e magnético.

Trabalho da Força Elétrica


01-(FESP-SP) Considere as seguintes afirmativas sobre o campo de uma carga
puntiforme:
I) As superfícies equipotenciais são esféricas
II) As linhas de força são perpendiculares às superfícies equipotenciais
III) A intensidade do vetor campo elétrico varia inversamente com a distância do ponto
à carga
São corretas :
a) I e III b) II e III c) I e II d)
todas e) nenhuma

02-(ACAFE) Entende-se que a diferença de potencial (ddp) entre dois pontos de um


campo elétrico corresponde:

a) à capacidade de armazenar carga elétrica b) à energia


consumida por um aparelho elétrico qualquer.

c) ao deslocamento dos elétrons livres entre dois pontos considerados. d) ao trabalho


(energia) realizado pela força elétrica entre dois pontos considerados por unidade de
carga e) à energia consumida por unidade de tempo.

03-(UFSCAR-SP) Uma esfera condutora de raio r possui uma carga Q. Quanto mede o
trabalho, devido à força elétrica,

necessário para levar uma carga de prova ao longo de um arco de circunferência de raio
R, entre os pontos A e B da figura? Justifique sua resposta.

04-(UNIFESP-SP) A figura representa a configuração de um campo elétrico gerado por


duas partículas carregadas, A e B.
190

Assinale a alternativa que apresenta as indicações corretas para as convenções gráficas


que ainda não estão apresentadas nessa figura (círculos A e B) e para explicar as que já
estão apresentadas (linhas cheias e tracejadas).

05-(FUVEST-SP) Qual o trabalho realizado pela força elétrica que atua numa carga
positiva de 3 C quando essa se desloca de

uma distância de 2 m sobre uma superfície eqüipotencial de 10 V ?

06-(FESP-SP) Considere as afirmações:

I. Percorrendo-se uma linha de força no seu sentido, o potencial elétrico, ao longo de


seus pontos, aumenta.

II. As linhas de força são paralelas às superfícies eqüipotenciais.

III. Num campo elétrico uniforme, as superfícies eqüipotenciais são esféricas e


concêntricas.

São corretas:
191

a) I b) II c) I e II d)
todas e) nenhuma

07-(UFRJ-RJ) Com base no esquema abaixo, que representa a configuração das linhas
de forças e das superfícies eqüipotenciais

de um campo Com base no esquema acima, que representa a configuração das linhas de
forças e das superfícies eqüipotenciais de um campo elétrico uniforme de intensidade E
= 5,0 . 102V/m, determine:

a) A distância entre as superfícies eqüipotenciais S1 e S2.

b) O trabalho da força elétrica que age em q = 2,0.10-6C para esta ser deslocada de A
para B.

08-(CESGRANRIO-RJ) Uma carga elétrica positiva se desloca no interior de um campo


elétrico uniforme, desde um ponto A ate

um ponto D, como mostra a figura abaixo.

A seguir são propostas três trajetórias para essa carga.

Trajeto ABD, cujo trabalho realizado vale T1.

Trajeto AD, cujo trabalho realizado vale T2.

Trajeto ACD, cujo trabalho realizado vale T3.

Sobre os valores de T1, T2 e T3, e correto afirmar que:

a) T1 = T2 < T3 b) T1 = T2 = T3 c) T1 = T2 > T3 d) T1 > T3


> T2
192

09-(UEL-PR) Uma carga elétrica positiva Q gera um campo elétrico a sua volta. Duas
superfícies equipotenciais e o percurso de

uma carga elétrica q =2.10-6 C, que se desloca de A para B, estão representados na


figura. O trabalho realizado pelo campo elétrico de Q sobre a carga q nesse
deslocamento vale, em joules,

a) 4.10-6 b) 6.10-6 c) 1.10-5 d) - 4.10-6

10-(UNIFESP-SP) Na figura, as linhas tracejadas representam superfícies


equipotenciais de um campo elétrico; as linhas cheias I, II, III, IV e V representam cinco
possíveis trajetórias de uma partícula de carga q, positiva, realizadas entre dois pontos
dessas superfícies, por um agente externo que realiza trabalho mínimo.

A trajetória em que esse trabalho é maior, em módulo, é:

a) I. b) II. c) III. d)
IV. e) V.

11-(UFU-MG) Em uma região onde existe um campo elétrico uniforme de intensidade


E, abandona-se um elétron (carga = -e) no ponto A (ver figura).
193

Adota-se zero o potencial desse ponto (VA = 0).

O trabalho do campo elétrico no deslocamento do elétron, desde A até B, vale:

a) -e VB d b) e E d c) VB E d d) -e V2B
e) o elétron não passará por B.

12-(UnB-DF) A figura a seguir ilustra quatro superfícies equipotenciais com os seus


respectivos valores de potencial. Os algarismos I, II, III e IV indicam trajetórias que
iniciam no ponto A e terminam no ponto B.

Com relação às informações apresentadas no texto acima, é correto afirmar que a


diferença de potencial entre os pontos A e B:

a) é igual a 100 V na trajetória I. b) é igual a 0 V na trajetória II. C) é maior


na trajetória III que na da trajetória IV.

d) é maior na trajetória I que na da trajetória II. E) é igual nas trajetórias II e


III.

13-(UnB-DF) A figura a seguir ilustra quatro superfícies equipotenciais com os seus


respectivos valores de potencial. Os algarismos I, II, III e IV indicam trajetórias que
iniciam no ponto A e terminam no ponto B.
194

Considerando ainda as informações apresentadas no texto, assinale a opção correta.

a) Existirá um ponto do espaço onde as superfícies equipotenciais se cruzarão.

b) As superfícies equipotenciais são ortogonais às linhas de força ou linhas de campo


elétrico e, consequentemente, são

ortogonais ao vetor campo elétrico.

c) A força elétrica sobre uma carga puntiforme e positiva que se desloca sob uma
superfície equipotencial é diferente de zero.

d) O sentido do vetor campo elétrico é dos potenciais menores para os maiores.

d) Pelo fato de a força elétrica não ser conservativa, a integral de linha do vetor campo
elétrico depende da trajetória.

14-(UFU-MG) A figura a seguir mostra duas placas planas, condutoras, separadas por
uma distância d, conectadas a uma bateria

de 1V. Deseja-se determinar o trabalho realizado pela força elétrica sobre uma carga
positiva q, quando essa é deslocada de duas diferentes formas:

1a forma: a carga é deslocada, paralelamente às placas, do ponto A para o ponto B


(WAB).

2a forma: a carga é deslocada do ponto A para o ponto C (WAC).

Assuma que as dimensões laterais de cada placa são muito maiores do que a separação
entre elas. Com base nessas informações, é correto afirmar que:
195

a) WAB= 0 e WAC= -q/3 b) WAB= -q/6 e WAC= 0 c) WAB= 0 e WAC= -


q/6 d) WAB= -q/3 e WAC= 0

15-(UFPR-PR) Embora a força de atração e repulsão entre corpos carregados fosse


conhecida empiricamente desde Tales de Mileto, na Grécia Antiga, somente a partir dos
trabalhos experimentais de Coulomb foi possível calcular a intensidade dessa força.
Sobre o assunto, considere a seguinte situação: uma carga +q encontra-se localizada no
ponto coordenado (0,a) e uma segunda carga -q localiza-se no ponto coordenado (0,-a).
Desejando-se deslocar, com velocidade constante, uma carga +Q, inicialmente no
infinito, até o ponto com coordenadas (a,0), calcule o trabalho realizado por essa força
externa para realizar tal deslocamento. Justifique sua resposta.

16-(PUC-SP) Um elétron é colocado em repouso, entre duas placas metálicas planas e


paralelas, onde é aplicada uma diferença de potencial de 20V (ver figura). Qual a
energia cinética que o elétron adquire quando atinge a placa de maior potencial? A
carga do elétron vale, em módulo, 1,6.10-19C.

a) 6,4 . 10-18J b) 0 (zero) c) 0,8 . 10-18J d)


1,6 . 10-18J e) 3,2 . 10-18J

17-(PUC-RJ) Uma partícula de massa 1,0.10-4kg e carga -1,0.10-6C é lançada na direção


de um campo elétrico uniforme de intensidade 1,0.105V/m. A velocidade mínima de
lançamento para que ela percorra 20 cm a partir da posição de lançamento, no sentido
do campo, é de:

a) 14 m/s b) 20 m/s c) 26 m/s d) 32 m/s


e) 38 m/s

18-(UFLA-MG) As válvulas termoiônicas, ainda hoje utilizadas em amplificadores de


som "valvulados", podem ser constituídas
196

por um catodo e um anodo. Os elétrons são emitidos pelo catodo e acelerados em


direção ao anodo pelo campo elétrico uniforme gerado pela ddp aplicada aos eletrodos.
Considere:
Massa do elétron = 9.10-31 kg
Carga de módulo = 1,6.10-19C
Distância entre os eletrodos = 1 cm
ddp = 104V

Calcule:

a) A intensidade do campo elétrico entre os eletrodos.


b) A intensidade da força elétrica que atua sobre os elétrons.
c) Supondo que os elétrons partem do repouso, qual a velocidade ao atingirem o anodo?

19-(UNESP-SP) Quando a atmosfera está em condições de estabilidade - não se


avizinham tempestades, por exemplo - existe um

campo elétrico uniforme nas proximidades da superfície terrestre de intensidade 130


V/m, aproximadamente, tendo a Terra carga negativa e a atmosfera carga positiva.

a) Trace uma linha horizontal para representar a superfície da Terra, atribuindo a essa
linha o potencial 0,0 V. Represente as linhas eqüipotenciais acima dessa linha,
correspondentes às alturas 1,0 m, 2,0 m, 3,0 m, 4,0 m e 5,0 m, assinalando, de um lado
de cada linha, a altura, e do outro, o respectivo potencial elétrico.
b) Qual deveria ser a carga elétrica de um corpo de massa 1,3 kg para que ele ficasse
levitando graças a esse campo elétrico? (Adote g = 10 m/s2). Isso seria possível na
prática? Considere que uma nuvem de tempestade tem algumas dezenas de coulombs e
justifique sua resposta.

20-(MACKENZIE) Um corpúsculo de 0,2g eletrizado com carga de 80.10-6 C varia sua


velocidade de 20m/s para 80m/s ao ir do
197

ponto A para o ponto B de um campo elétrico. A d.d.p. entre os pontos A e B desse


campo elétrico e de:

a) 1.500 V b) 3.000 V c) 7.500 V d) 8.500 V

21-(UFU-MG) Na figura a seguir, são apresentadas cinco linhas equipotenciais, A-E,


com os respectivos valores do potencial

elétrico. Inicialmente, um aglomerado de partículas com carga total igual a 2,0 C está
sobre a equipotencial A. Esse aglomerado é deslocado para a equipotencial B. Em B o
aglomerado sofre uma mudança estrutural e sua carga passa de 2,0 C para 1,5 C. Esse
novo aglomerado de 1,5 C é deslocado para a equipotencial C e, em seguida, para D,
conservando-se a carga de 1,5 C. Em D ocorre uma nova mudança estrutural e sua carga
passa para 1,0 C. Por último, esse aglomerado de 1,0 C é deslocado para a equipotencial
E.

Considerando as afirmações apresentadas no enunciado anterior, assinale a alternativa


que corresponde ao trabalho realizado sobre o aglomerado para deslocá-lo de A para E.

a) 12 J b) 16 J c) 8 J d) 10 J

22-(UFU-MG) Considere duas partículas, com cargas Q1 = 1.10-9 C e Q‚ = - 1.10-9C,


localizadas em um plano, conforme figura a

seguir. Cada quadriculado da figura possui lado igual a 1 cm.

Dado: Considere a constante elétrica (K) igual a 9.109 N . m2 C-2.

Pede-se:

a) calcule o potencial eletrostático devido a Q1 e Q2 no ponto A.


198

b) se uma terceira partícula, Q3, com carga igual a 2.10-9 C é colocada no ponto A,
calcule o trabalho total realizado pelos campos elétricos devido a Q1 e Q2 quando a
carga Q3 é deslocada de A para B.

c) a energia potencial eletrostática do sistema formado pelas três cargas, (Q1, Q2 e Q3)
diminui, aumenta ou não se altera, devido ao deslocamento de Q3 de A para B ?
Justifique a sua resposta.

23-(FUVEST-SP) Duas pequenas esferas metálicas, A e B, são mantidas em potenciais


eletrostáticos constantes, respectivamente, positivo e negativo. As linhas cheias do
gráfico a seguir representam as intersecções, com o plano do papel, das superfícies
equipotenciais esféricas geradas por A, quando não há outros objetos nas proximidades.
De forma análoga, as linhas tracejadas representam as intersecções com o plano do
papel, das superfícies equipotenciais geradas por B.

Os valores dos potenciais elétricos dessas superfícies estão indicados no gráfico. As


questões se referem à situação em que A e B estão na presença uma da outra, nas
posições indicadas no gráfico, com seus centros no plano do papel.

NOTE/ADOTE: Uma esfera com carga Q gera, fora dela, a uma distância r do seu
centro, um potencial V e um campo elétrico de módulo E, dados pelas expressões:

V = K (Q/r)

E = K (Q/r2) = V/r

K = constante;

1 volt /metro = 1 newton /coulomb

a) Trace, com caneta, em toda a extensão do gráfico a seguir, a linha de potencial V = 0,


quando as duas esferas estão nas posições indicadas. Identifique claramente essa linha
por V = 0.

b) Determine, em volt /metro, utilizando dados do gráfico, os módulos dos campos


elétricos e criados, no ponto P, respectivamente, pelas esferas A e B.
199

c) Represente, em uma escala conveniente, no gráfico, com origem no ponto P, os


vetores , e o vetor campo

elétrico resultante em P. Determine, a partir desta construção gráfica, o módulo de


, em volt /metro.

d) Estime o módulo do valor do trabalho τ, em joules, realizado quando uma pequena


carga q = 2,0nC é levada do ponto

P ao ponto S, indicados no gráfico.

(2,0nC = 2,0 nanocoulombs = 2,0.10-9 C)

24-(FUVEST-SP) A figura a seguir representa algumas superfícies equipotenciais de


um campo eletrostático e os valores dos

potenciais correspondentes.

a) Copie a figura, representando o vetor campo elétrico nos pontos A e B.

b) Qual o trabalho realizado pelo campo para levar uma carga q, de 2 x 10-6 C, do ponto
A ao ponto B ?

25-(FUVEST-SP) Uma partícula eletrizada positivamente, com carga 3,0.10-15C, é


lançada em um campo elétrico uniforme de 2,0.103N/C de intensidade, descrevendo o
movimento representado na figura.
200

a) Qual a intensidade da força que atua sobre a partícula no interior do campo elétrico?

b) Qual a variação da energia potencial da partícula entre os pontos A e B?

26-(UFU-MG) Na figura abaixo, são apresentadas as superfícies equipotenciais geradas


por uma distribuição de cargas C, colocada na origem do sistema de coordenadas. Os
valores dos potenciais para cada superfície equipotencial estão indicados nas figuras. A
distribuição de cargas encontra-se em um potencial igual a 50 V.

Uma partícula carregada, de massa 0,4 g e carga elétrica Q igual a 1 C, desloca-se na


direção da distribuição de cargas C.

Desprezando-se os efeitos da gravidade, a velocidade mínima que a partícula carregada


deve ter, ao passar pela superfície

equipotencial V = 0, para que ela atinja a distribuição de cargas C, será de

a) 100 m/s. b) 500 m/s. c) 200 m/s. d) 400


m/s e) 800m/s

27-(ITA-SP) O átomo de hidrogênio no modelo de Bohr é constituído de um elétron de


carga e que se move em órbitas circulares

de raio r, em torno do próton, sob influência da força de atração coulombiana. O


trabalho efetuado por esta força sobre o elétron ao percorrer órbita do estado
fundamental é:

a) –e2/2εor) b) e2/2εor) c) –e2/4πεor) d)


e2/r e) n.d.a.
201

28-(UNIMAR-SP) Considerando o campo elétrico gerado por uma carga puntiforme Q


= 1,2.10-8 C, no vácuo, conforme figura,

pede-se determinar o trabalho da forca elétrica que age em q = 1,0 µC ao ser deslocada
de A para B. Dado: ko = 9.109 N.

m2/C2.

a) 9,0.10-4 J b) 1,8.10-4 J c) 2,7.10-4 J d) 4,5.10-4 J


e) 9,0.10-5 J

29-(UF-PR) Considere as superfícies eqüipotenciais abaixo, S1, S2 e S3, com seus


respectivos potenciais elétricos indicados, e

determine o trabalho para se transportar uma carga de 2µC, do ponto A ao ponto E,


percorrendo a trajetória indicada:

30-(UFPR-PR) No exercício anterior, se a carga fosse transportada diretamente de A ao


ponto E, qual seria o trabalho realizado ? Justifique a sua resposta.

31-(PUC-SP) Um campo elétrico é criado por uma carga puntiforme. As superfícies


eqüipotenciais são superfícies concêntricas, com centro na carga. Considerando
superfícies eqüipotenciais cujos correspondentes valores do potencial diferem por uma
constante (por ex. 20, 18, 16, 14, ...) podemos afirmar que estas superfícies se
apresentam:

a) igualmente espaçadas; b) cada vez mais espaçadas, à medida que a


distância à carga aumenta;
202

c) cada vez mais juntas, à medida que a distância à carga aumenta; d) mais
afastadas ou mais juntas, dependendo do valor da carga que cria o campo; e)
n.d.a

32-(UNIFOR-CE-09) Uma carga puntiforme Q, positiva, está fixa num ponto O, no


vácuo. Uma partícula de massa m e carga negativa – q descreve, em torno de O, um
movimento circular uniforme de raio r. Sendo K0 a constante eletrostática no vácuo, o
módulo da velocidade da partícula vale

a) b) c)

d) e)

33-(UNIMONTES-MG-09) As linhas de campo elétrico em torno de um dipolo elétrico


estão representadas na figura a seguir.

A seta que melhor representa o campo elétrico no ponto P é

34-(UFLA-MG-09) Duas placas paralelas estão eletrizadas e geram em seu interior um


campo elétrico uniforme de intensidade (figura abaixo). Um ponto A desse
campo tem potencial elétrico VA = 100 V, então, um ponto B distante 20 cm de A

tem potencial elétrico VB de:


203

a) –80 V b) –100 V c) 0
V d) –20000 V

35-(UESPI-PI-010) Uma partícula de massa 0,1 kg e carga 10–6 C cai verticalmente


numa região de campo elétrico uniforme e

vertical, de módulo 105 N/C. Desprezando a resistência do ar e considerando a


aceleração da gravidade igual a 10 m/s2, os valores mínimo e máximo da aceleração
dessa partícula valem:

a) 8 m/s2 e 10 m/s2 b) 9 m/s2 e 10 m/s2 c) 8 m/s2 e 12 m/s2 d) 9 m/s2


e 11 m/s2 e) 8 m/s2 e 9 m/s2

36-(UFG-GO-010) Conecta-se à placa positiva de um capacitor de placas paralelas um


fio isolante inextensível, de comprimento L e massa desprezível, que tem preso à sua
extremidade uma bolinha de massa m e carga +q, conforme ilustra a figura.

Sendo E o módulo do campo elétrico entre as placas e desprezando a resistência do ar, o


período de pequenas oscilações desse pêndulo é:

a) b) c)

d) e)

37-(UFAC/2010) As células são as unidades básicas da vida. O entendimento do


funcionamento delas é muito importante dos pontos de vista físico e químico, a fim de
saber como funcionam os seres vivos e como eles reagem frente a diversos estímulos
externos. Um dos avanços do ponto de vista físico foi à descoberta da existência de
excesso de íons positivos, na parede externa, e excesso de íons negativos na parede
204

interna da membrana celular. Essa descoberta indica que a membrana celular, se


comporta,

efetivamente, como um capacitor elétrico, que podemos chamar “capacitor celular”.


Sabe-se, também, que a diferença de potencial elétrico entre as paredes da membrana de
uma célula nervosa varia entre 55 mV e 100 mV, para animais de sangue quente.
Suponha que o capacitor celular pode ser aproximado por um capacitor de placas
paralelas e que a espessura da membrana celular é de 7 nm (1 nm = 10–9 m).

Escolha o item correto:

a) O sentido do campo elétrico no interior da membrana é de dentro para fora.

b) Os valores do campo elétrico no interior da membrana encontram-se entre 7,86´106


V/m e 1,43´107 V/m.

c) O campo elétrico no interior da membrana celular é nulo.

d) O potencial elétrico na parede externa da membrana é menor do que o potencial


elétrico na parede interna.

e) O potencial elétrico é constante no interior da membrana celular, ou seja, na região


limitada entre a parede interna e a parede externa.

38-(ITA-SP-010) Considere as cargas elétricas q1 = 1C, situada em x = –2m, e q2 = –


2C, situada em x = –8m.

Então, o lugar geométrico dos pontos de potencial nulo é

a) uma esfera que corta o eixo x nos pontos x = –4m e x = 4m.

b) uma esfera que corta o eixo x nos pontos x = –16m e x = 16m.

c) um elipsoide que corta o eixo x nos pontos x = –4m e x = 16m.

d) um hiperboloide que corta o eixo x no ponto x = –4m.

e) um plano perpendicular ao eixo x que o corta no ponto x = –4m.


205

39-(UPE-2010) Um próton se desloca horizontalmente, da esquerda para a direita, a


uma velocidade de 4.105 m/s. O módulo do

campo elétrico mais fraco capaz de trazer o próton uniformemente para o repouso, após
percorrer uma distância de 3 cm, vale em N/C:

Dados: massa do próton = 1,8 ´ 10–27 kg, carga do próton = 1,6 ´ 10–19 C

a) 4.103 b) 3.105 d) 3.104 c) 6.104 e)


7.103

40-(UFRGS-010) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do texto


a seguir, na ordem em que aparecem.

Na figura que segue, um próton (carga +e) encontra-se inicialmente fixo na posição A
em uma região onde existe um campo elétrico uniforme. As superfícies equipotenciais
associadas a esse campo estão representadas pelas linhas tracejadas.

Na situação representada na figura, o campo elétrico tem módulo................., e o mínimo


trabalho a ser realizado por um agente externo para levar o próton até a posição B é
de............... .

a) 1000 V/m direita -300 ev b) 100 V/m


direita -300eV

c) 1000 V/m direita +300eV d) 100 V/m


esquerda -300eV

e) 1000 V/m esquerda +300eV


206

41-(MACKENZIE-SP-010) Uma partícula de massa 1 g, eletrizada com carga elétrica


positiva de 40 µC, é abandonada do repouso no ponto A de um campo elétrico
uniforme, no qual o potencial elétrico é 300 V. Essa partícula adquire movimento e se
choca em B, com um anteparo rígido. Sabendo-se que o potencial elétrico do ponto B é
de 100 V, a velocidade dessa partícula ao

se chocar com o obstáculo é de

a) 4 m/s b) 5 m/s c) 6 m/s d) 7 m/s


e) 8 m/s

42-(UFPR-PR-010) Um professor de Física idealizou uma experiência para apresentar


a lei de conservação de energia e discutir as transformações de um tipo de energia em
outro. A figura a seguir mostra o sistema visto de cima, nas situações inicial e final. O
movimento ocorre no plano horizontal e sem atrito. O professor considerou duas
pequenas esferas com massas m1 e m2 e cargas Q1 e Q2 de mesmo sinal, inicialmente
fixas, separadas por uma distância d1. A esfera 1 permanece fixa durante o experimento.
Como as esferas têm cargas de mesmo sinal, há uma força elétrica repulsiva entre elas.
Assim, quando a esfera 2 é solta, ela se afasta da esfera 1, movendo-se horizontalmente
até colidir com um objeto em forma de U, que tem massa desprezível e está situado
inicialmente a uma distância d1 + d2 da esfera 1. O objeto possui um encaixe, de modo
que a esfera 2 permanece em contato com ele durante o movimento subsequente. A
mola, de constante elástica K e massa desprezível, é comprimida até que o objeto em
forma de U e a esfera 2 parem.

Nesse instante, a mola está comprimida de uma distância d3. A aceleração da gravidade
no local do experimento tem módulo g.

a) Discorra sobre as formas de energia envolvidas nesse sistema e as transformações


que ocorrem entre elas.

b) Considerando Q1 = Q2 = Q, d1 = d3 = d, d2 = 2d e m1 = m2 = m, obtenha uma


expressão algébrica para o módulo da carga Q que deve ser colocada em cada esfera, em
termos de K, d e εo.
207

43-(UFAL-010) Um canhão de elétrons lança um elétron em direção a outros dois


elétrons fixos no vácuo, como mostra a figura. Considere que o elétron lançado se
encontra apenas sob a ação das forças elétricas dos elétrons fixos. Sabendo que o elétron
lançado atinge velocidade nula exatamente no ponto médio entre os elétrons fixos, qual
a velocidade do elétron quando ele se encontra a 2√3 cm deste ponto (ver figura).
Considere: constante eletrostática no vácuo = 9.109 Nm2/C2; massa do elétron =

9. 10-31 kg; carga do elétron = −1,6.10-19 C.

a) 160 m/s b) 250 m/s c) 360 m/s d) 640 m/s


e) 810 m/s

44-(PUC-SP-010) “Acelerador de partículas cria explosão inédita e consegue simular o


Big Bang

GENEBRA – O Grande Colisor de Hadrons (LHC) bateu um novo recorde nesta terça-
feira. O acelerador de partículas conseguiu produzir a colisão de dois feixes de prótons a
7 tera-elétron-volts, criando uma explosão que os cientistas estão chamando de um ‘Big
Bang em miniatura’”.

A unidade elétron-volt, citada na matéria de O Globo, refere-se à unidade de medida da


grandeza física:

a) corrente b) tensão c) potencia d) energia


e) carga elétrica
208

45-(UFRJ-RJ-011)

Um íon de massa m e carga elétrica q incide sobre um segundo íon, de mesma massa m
e mesma carga q. De início, enquanto a

separação entre eles é grande o bastante para que as forças mútuas sejam desprezíveis, o
primeiro mantém uma velocidade constante de módulo vo e o segundo se mantém em
repouso, como indica a figura 1.

Ao se aproximarem, as forças elétricas coulombianas entre eles, não mais desprezíveis,


passam a mudar continuamente suas velocidades. Despreze quaisquer outras forças,
considere dados os valores de m, q, vo e e suponha que todos os movimentos se
dêem em uma reta.

a) Calcule a velocidade do segundo íon quando a velocidade do íon incidente for igual a
3vo /4 (como indicado na figura 2).

b) Calcule a distância entre eles no instante da situação considerada no item anterior.

46-SP-SP-011)
209

Na figura a seguir, são representadas as linhas de força em uma região de um campo


elétrico. A partir dos pontos A, B, C, e D situados nesse campo, são feitas as seguintes
afirmações:

I. A intensidade do vetor campo elétrico no ponto B é maior que no ponto C.

II. O potencial elétrico no ponto D é menor que no ponto C.

III. Uma partícula carregada negativamente, abandonada no ponto B, se movimenta


espontaneamente para regiões de menor potencial elétrico.

IV. A energia potencial elétrica de uma partícula positiva diminui quando se movimenta
de B para A.

É correto o que se afirma apenas em

a) I. b) I e IV. c) II e III. d) II e
IV. e) I, II e III.

47-(UFSM-RS-012)

Com velocidade constante, uma partícula com carga q positiva é levada, por um agente
externo, do ponto A ao ponto B entre as placas de um capacitor com carga Q numa
trajetória paralela às placas.
210

O trabalho realizado pelo agente externo sobre a partícula é

a) zero b) E.d c) E.d.D/q d)


K.Q.q.D/d2 e) K.Q.q.D/(d/2)2

48-(UFPR-PR-012)

A unidade de uma grandeza física pode ser escrita como

Considerando que essa unidade foi escrita em termos das unidades fundamentais do SI,
assinale a alternativa correta para o nome dessa grandeza.

a) Resistência elétrica. b) Potencial elétrico. c) Fluxo magnético. d)


Campo elétrico. e) Energia elétrica.

49-(MACKENZIE-SP-012)

Uma pequena esfera de isopor, de massa 0,512 g, está em equilíbrio entre as armaduras
de um capacitor de placas paralelas,
211

sujeito às ações exclusivas do campo elétrico e do campo gravitacional local.


Considerando g=10m/s2, pode-se dizer que essa pequena esfera possui

a) um excesso de 1,0 . 1012 elétrons, em relação ao número de prótons.

b) um excesso de 6,4 . 1012 prótons, em relação ao número de elétrons.

c) um excesso de 1,0 . 1012 prótons, em relação ao número de elétrons.

d) um excesso de 6,4 . 1012 elétrons, em relação ao número de prótons.

e) um excesso de carga elétrica, porém, impossível de ser determinado.

ELETRODINÂMICA
Corrente elétrica
01-(UFRS-RS) O gráfico da figura representa a intensidade da corrente elétrica i em um
fio condutor, em função do tempo

transcorrido t. Calcule a carga elétrica Q que passa por uma seção do condutor nos dois
primeiros segundos.

02-(UFRS-RS) Selecione a alternativa que preenche corretamente as lacunas do texto


abaixo, na ordem em que elas aparecem.

As correntes elétricas em dois fios condutores variam em função do tempo de acordo


com o gráfico mostrado a seguir, onde os fios estão identificados pelos algarismos 1 e 2.
212

No intervalo de tempo entre zero e 0,6 s, a quantidade de carga elétrica que atravessa
uma seção transversal do fio é maior para o fio ........ do que para o outro fio; no
intervalo entre 0,6 s e 1,0 s, ela é maior para o fio ........ do que para o outro fio; e no
intervalo entre zero e 1,0 s, ela é maior para o fio ........ do que para o outro fio.

a) 1 - 1 – 2 b) 1 - 2 – 1 c) 2 - 1 – 1 d) 2 - 1 – 2 e) 2 - 2 –
1

03-(UFSCAR-SP) O capacitor é um elemento de circuito muito utilizado em aparelhos


eletrônicos de regimes alternados ou contínuos. Quando seus dois terminais são ligados
a uma fonte, ele é capaz de armazenar cargas elétricas. Ligando-o a um elemento
passivo como um resistor, por exemplo, ele se descarrega. O gráfico representa uma
aproximação linear da descarga de um capacitor.

Sabendo que a carga elétrica fundamental tem valor 1,6.10-19C, o número de portadores
de carga que fluíram durante essa descarga está mais próximo de:

a) 1017 b) 1014 c) 1011 d) 108 e) 105

04-(UNIFOR-CE) Um circuito eletrônico foi submetido a um pulso de corrente indicada


no gráfico.
213

Durante esse pulso, a carga elétrica que fluiu no circuito, em coulombs, foi igual a:

a) 1,3.10-3 b) 2,6.10-3 c) 3,0.10-3 d) 6,0.10-3 e) 1,2.10-2

05-(UEL-PR) O gráfico mostra, em função do tempo t, o valor da corrente elétrica i


através de um condutor.

Sendo Q a carga elétrica que circulou no intervalo de tempo de 0 a 4,0, a carga elétrica
que circulou no intervalo de tempo de 4,0s a 8,0s foi:

a) 0,25Q b) 0,40Q c) 0,50Q d) 2,0Q e)


4,0Q

06-(UFRS-RS)) A frase "O calor do cobertor não me aquece direito" encontra-se em


uma passagem da letra da música "Volta", de Lupicínio Rodrigues. Na verdade, sabe-se
que o cobertor não é uma fonte de calor e que sua função é a de isolar termicamente
nosso corpo do ar frio que nos cerca. Existem, contudo, cobertores que, em seu interior,
são aquecidos eletricamente por meio de uma malha de fios metálicos nos quais é
dissipada energia em razão da passagem de uma corrente elétrica.

Esse efeito de aquecimento pela passagem de corrente elétrica, que se observa em fios
metálicos, é conhecido como

a) efeito Joule. b) efeito Doppler. c) efeito estufa. d)


efeito termoiônico.

e) efeito fotoelétrico.

07-(PUC-MG) Os seguintes aparelhos são aplicações práticas do efeito de aquecimento


de um fio devido à corrente
214

elétrica, EXCETO:

a) chuveiro elétrico. b) ferro elétrico de passar. c) lâmpada de


incandescência. d) flash de máquina fotográfica.

08-(UEL-PR) Em relação à corrente elétrica, considere as afirmativas a seguir.

I - A corrente elétrica é uma grandeza escalar, definida como a razão entre a variação da
quantidade de carga elétrica que flui em um meio em um intervalo de tempo.

II - A corrente elétrica convencional descreve o fluxo de cargas elétricas positivas.

III - Os elétrons fluem no interior dos metais com a velocidade da luz.

IV - O campo elétrico é o responsável por fazer cargas elétricas se movimentarem em


um circuito elétrico.

Assinale a alternativa CORRETA.

a) Somente as afirmativas I e II são corretas. b) Somente as afirmativas I e III são


corretas.

c) Somente as afirmativas III e IV são corretas. d) Somente as afirmativas I, II e IV


são corretas.

e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.

09-(URCA-CE) O __________________ é explicado pelo aquecimento dos condutores,


ao serem percorridos por uma corrente elétrica, estando os elétrons livres no condutor
metálico possuem grande mobilidade podendo se deslocar se chocando com outros
átomos da rede cristalina, durante seus movimentos, sofrem contínuas colisões com os
átomos da rede cristalina desse condutor.
215

A cada colisão, parte da energia cinética do elétron livre é transferida para o átomo com
o qual ele colidiu, e esse passa a vibrar com uma energia maior. Esse aumento no grau
de vibração dos átomos do condutor tem como conseqüência um aumento de
temperatura. Através desse aumento de temperatura ocorre o aparecimento da
incandescência que nada mais é que a luz emitida nessa temperatura.

a) efeito Compton; b) efeito Joule; c) efeito fotoelétrico; d) efeito


Cerenkow; e) efeito Doppler

10-(UNIFESP-SP) Uma das grandezas que representa o fluxo de elétrons que atravessa
um condutor é a intensidade da corrente elétrica, representada pela letra i. Trata-se de
uma grandeza

a) vetorial, porque a ela sempre se associa um módulo, uma direção e um sentido.

b) escalar, porque é definida pela razão entre grandezas escalares: carga elétrica e
tempo.

c) vetorial, porque a corrente elétrica se origina da ação do vetor campo elétrico que
atua no interior do condutor.

d) escalar, porque o eletromagnetismo só pode ser descrito por grandezas escalares.

e) vetorial, porque as intensidades das correntes que convergem em um nó sempre se


somam vetorialmente.

11-(UNAMA-PA) Considere os seguintes dispositivos elétricos comuns em nosso


cotidiano: uma bateria de automóvel, uma lâmpada incandescente e uma lâmpada
fluorescente.

Nesta seqüência, a corrente elétrica no interior de cada aparelho é constituída,


exclusivamente, por movimento de:

a) íons; elétrons; elétrons e íons b) elétrons e íons; íons; elétrons c) elétrons e


íons; elétrons e íons; elétrons e íons d) elétrons; elétrons; elétrons e) íons;
elétrons e íons; íons

12-(PUC-MG) Em um relâmpago, a carga elétrica envolvida na descarga atmosférica é


da ordem de 10 coulombs.
216

Se o relâmpago dura cerca de 10-3 segundos, a corrente elétrica média, vale, em ampère:

a) 10 b) 100 c) 1.000 d)
10.000 e)100.000

13-(PUCCAMP-SP) A enguia elétrica ou poraquê, peixe de água doce da região


amazônica chega a ter 2,5 m de comprimento e 25 cm de diâmetro.

Na cauda, que ocupa cerca de quatro quintos do seu comprimento, está situada a sua
fonte de tensão - as eletroplacas. Dependendo do tamanho e da vitalidade do animal,
essas eletroplacas podem gerar uma tensão de 600V e uma corrente de 2,0A, em pulsos
que duram cerca de 3,0 milésimos de segundo, descarga suficiente para atordoar uma
pessoa ou matar pequenos animais.

(Adaptado de Alberto Gaspar. "Física". v.3. São Paulo: Ática, 2000, p. 135)

Numa descarga elétrica da enguia sobre um animal, o número de cargas elétricas


elementares que percorre o corpo do animal, a cada pulso, pode ser estimado em:

Dado: carga elementar = 1,6 . 10-19 C

a) 5 . 106 b) 1.109 c) 2.1012 d)


4.1016 e) 8.1018

14-(UNIFESP-SP) Um condutor é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i


= 800 mA.
217

Conhecida a carga elétrica elementar, e = 1,6 × 10-19C, o número de elétrons que


atravessa uma seção normal desse condutor, por segundo, é

a) 8,0.1019 b) 5,0 × 1020 c) 5,0.1018 d)


1,6.1020 e) 1,6.1022

15-(UEL-PR) Se uma bateria de automóvel possui aproximadamente 44, 4 A.h de


capacidade de carga, qual a

capacidade de carga (q) em Coulomb (C) e o número de elétrons (n) que ela pode
fornecer?

Considere e = 1, 6 × 10-19C

a) q = 16 × 105 C, n = 10 × 1014 elétrons. b) q = 160 × 105 C, n = 10 × 1024


elétrons.

c) q = 1, 6 × 105 C, n = 1× 1024 elétrons. d) q = 1, 6 × 104 C, n = 1× 1014


elétrons.

e) q = 16 × 104C, n = 1× 1019 elétrons.

16-(UNESP-SP) O feixe de elétrons num tubo de televisão percorre uma distância de


0,50 m no espaço evacuado entre o emissor de elétrons e a tela do tubo.

Se a velocidade dos elétrons no tubo é 8. 107 m/s e se a corrente elétrica do feixe é 2,0
mA, calcule o número de elétrons que há no feixe em qualquer instante.(Considere a
carga elementar como 1,6.10-19C)
218

17-(UNICAMP-SP) figura abaixo mostra como se pode dar um banho de prata em


objetos, como, por exemplo, em talheres.

O dispositivo consiste em uma barra de prata e do objeto que se quer banhar imersos em
uma solução condutora de

eletricidade.

Considere que uma corrente de 6,0 A passa pelo circuito e que cada coulomb de carga
transporta aproximadamente 1,1 mg de prata.

a) Calcule a carga que passa nos eletrodos em uma hora.

b) Determine quantos gramas de prata são depositados sobre o objeto da figura em um


banho de 20 minutos.

18-(UNESP-SP) Mediante estímulo, 2 . 105 íons de K+ atravessam a membrana de uma


célula nervosa em 1,0 milissegundo.

Calcule a intensidade dessa corrente elétrica, sabendo que a carga elementar é 1,6 . 10-19
C.

19-(UEG-GO) Os elétrons, em um circuito no qual há uma corrente elétrica contínua,


movem-se com velocidade muito pequena (apenas 0,1 mm/s, aproximadamente).
Entretanto, quando ligamos o interruptor do circuito, o campo elétrico que surge no
condutor é estabelecido quase instantaneamente em todo fio, pois a velocidade de
propagação desse campo é praticamente igual à da luz. Então, em um tempo muito
curto, todos os elétrons livres já estão em movimento, embora os elétrons que
começaram a mover-se nas proximidades do interruptor só alcancem o filamento depois
de um tempo muito longo. Portanto, os elétrons que provocam o aquecimento do
filamento a 2500°C são aqueles presentes no seu próprio tungstênio.
219

LUZ, A. M.R.; ÁLVARES, B.A, "Curso de Física". 5. ed. Eletricidade, São


Paulo: Scipione, p. 155.

A propósito do assunto tratado no texto, assinale a alternativa CORRETA:

a) O efeito joule consiste na transformação de energia térmica em energia luminosa em


um resistor percorrido por uma corrente elétrica.

b) As lâmpadas incandescentes foram criadas por James Watt.

c) Os filamentos dessas lâmpadas são geralmente feitos de tungstênio, que é um metal


cujo ponto de fusão é baixo.

d) Para um elétron percorrer um fio de 60 cm de comprimento com velocidade


constante de 0,1 mm/s seria necessário um tempo de 100 minutos.

e) Em Fahrenheit, a temperatura do filamento pode chegar 950°F.

20-(FUVEST-SP) Com o objetivo de criar novas partículas, a partir de colisões entre


prótons, está sendo desenvolvido, no CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares),
um grande acelerador (LHC).

Nele, através de um conjunto de ímãs, feixes de prótons são mantidos em órbita


circular, com velocidades muito próximas à velocidade c da luz no vácuo. Os feixes
percorrem longos tubos, que juntos formam uma circunferência de 27 km de
comprimento, onde é feito vácuo. Um desses feixes contém N = 3,0 × 1014 prótons,
distribuídos uniformemente ao longo dos tubos, e cada próton tem uma energia cinética
E de 7,0 × 1012 eV. Os prótons repassam inúmeras vezes por cada ponto de sua órbita,
estabelecendo, dessa forma, uma corrente elétrica no interior dos tubos. Analisando a
operação desse sistema, estime:

NOTE E ADOTE:

q = Carga elétrica de um próton = 1,6 × 10-19C

c = 3,0 × 108 m/s


220

1 eletron-volt = 1 eV = 1,6 × 10-19 J

a) A energia cinética total Ec, em joules, do conjunto de prótons contidos no feixe.

b) A velocidade V, em km/h, de um trem de 400 toneladas que teria uma energia


cinética equivalente à energia do conjunto de prótons contidos no feixe.

c) A corrente elétrica I, em amperes, que os prótons em movimento estabelecem no


interior do tubo onde há vácuo.

ATENÇÃO! Não utilize expressões envolvendo a massa do próton, pois, como os


prótons estão a velocidades próximas à da luz, os resultados seriam incorretos.

21-(UFMG) Uma lâmpada fluorescente contém em seu interior um gás que se ioniza
após a aplicação de alta tensão entre seus terminais. Após a ionização, uma corrente
elétrica é estabelecida e os íons negativos deslocam-se com uma taxa de 1,0.1018 íons /
segundo para o pólo A. Os íons positivos se deslocam, com a mesma taxa, para o pólo
B.

Sabendo-se que a carga de cada íon positivo é de 1,6 x 10-19 C, pode-se dizer que a
corrente elétrica na lâmpada será:

a) 0,16 A b) 0,32 A c) 1,0. 1018 A d)


nula e) 2,0.1019 A

22-(UFSM-RS) Uma das aplicações dos raios X é na observação dos ossos do corpo
humano.

Os raios X são obtidos quando elétrons emitidos por um filamento aquecido são
acelerados por um campo elétrico e atingem um alvo metálico com velocidade muito
grande. Se 1,0.1018 elétrons (e=1,6.10-19C) atingem o alvo por segundo, a corrente
elétrica no tubo, em A, é de:
221

a) 8.10-38 b) 0,08 c) 0,16 d 0,32


e) 3,20

23- (Unifesp-SP) Num livro de eletricidade você encontra três informações: a primeira
afirma que isolantes são corpos que não permitem a passagem da corrente elétrica; a
segunda afirma que o ar é isolante e a terceira afirma que, em média, um raio se
constitui de uma descarga elétrica correspondente a uma corrente de 10000 ampères que
atravessa o ar e desloca, da nuvem à Terra, cerca de 20 coulombs. Pode-se concluir que
essas três informações são

a) coerentes, e que o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica é de 0,002 .

b) coerentes, e que o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica é de 2,0 s.

c) conflitantes, e que o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica é de 0,002 s.

d) conflitantes, e que o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica é de 2,0 s.

e) conflitantes, e que não é possível avaliar o intervalo de tempo médio de uma descarga
elétrica.

24-(FUVEST-SP-010) Medidas elétricas indicam que a superfície terrestre tem carga


elétrica total negativa de, aproximadamente, 600.000 coulombs.

Em tempestades, raios de cargas positivas, embora raros, podem atingir a superfície


terrestre. A corrente elétrica desses raios pode atingir valores de até 300.000A. Que
fração da carga elétrica da Terra poderia ser compensada por um raio de 300.000A e
com duração de 0,5s?

a) 1/2 b) 1/3 c) 1/4 d) 1/10


e) 1/20

25- (UNICAMP-SP- 010)


222

A experimentação é parte essencial do método científico, e muitas vezes podemos fazer


medidas de grandezas físicas usando instrumentos extremamente simples.

a) Usando o relógio e a régua graduada em centímetros da figura a seguir, determine o


módulo da velocidade que a extremidade

do ponteiro dos segundos (o mais fino) possui no seu movimento circular uniforme.
Considere π=3

b) Para o seu funcionamento, o relógio usa uma pilha que, quando nova, tem a
capacidade de fornecer uma carga q = 2,4 Ah = 8,64×103 C. Observa-se que o relógio
funciona durante 400 dias até que a pilha fique completamente descarregada. Qual é a
corrente elétrica média fornecida pela pilha?

26-(UPE-PE-010)
223

A corrente de 0,3 A que atravessa o peito pode produzir fibrilação (contrações


excessivamente rápidas das

fibrilas musculares) no coração de um ser humano, perturbando o ritmo dos batimentos


cardíacos com efeitos possivelmente fatais. Considerando que a corrente dure 2,0 min, o
número de elétrons que atravessam o peito do ser humano vale --- carga do elétron=
1,6 x10-19C

a) 5,35 . 102 b) 1,62 . 10-19 c) 4,12 . 1018 d) 2,45 . 1018 e) 2,25 .


1020

27-(UFMG-MG-010)

Um professor pediu a seus alunos que ligassem uma lâmpada a uma pilha com um
pedaço de fio de cobre.

Nestas figuras, estão representadas as montagens feitas por quatro estudantes:

Considerando-se essas quatro ligações, é CORRETO afirmar que a lâmpada vai acender
apenas
224

a) na montagem de Mateus. b) na montagem de


Pedro. c) nas montagens de João e Pedro.

d) nas montagens de Carlos, João e Pedro.

28-(UFOP-MG-010)

Em uma tarde de tempestade, numa região desprovida de pára-raios, a antena de uma


casa recebe uma carga que

faz fluir uma corrente de 1,2.104 A, em um intervalo de tempo de 25.10-6 s. Qual a carga
total transferida para a antena?

a) 0,15 C b) 0,2 C c) 0,48


C d) 0,3 C

29-(UFRN-RN-010)
225

A figura 1, abaixo, mostra o esquema de um termostato que utiliza uma lâmina


bimetálica composta por dois metais diferentes – ferro e cobre – soldados um sobre o
outro. Quando uma corrente elétrica aquece a lâmina acima de uma determinada
temperatura, os metais sofrem deformações, que os encurvam, desfazendo o contato do
termostato e interrompendo a

corrente elétrica, conforme mostra a figura 2. Com base nas informações sobre
termostato (Figuras 1 e 2), é correto afirmar que a corrente elétrica é capaz de aquecer a
lâmina bimetálica devido

a) ao campo elétrico gerado pelo movimento dos elétrons dentro dos metais.

b) aos choques entre os portadores de carga e os íons dos metais.

c) ao campo magnético gerado pelo movimento dos elétrons dentro dos metais.

d) ao fato de os portadores de carga moverem-se livremente nos metais.

30-(UFPE-PE-010)
226

O gráfico mostra a variação da corrente elétrica I, em ampère, num fio em função do


tempo t, em segundos. Qual a carga elétrica,

em coulomb, que passa por uma seção transversal do condutor nos primeiros 4,0
segundos?

31-(FEPECS-DF-011)

Uma bateria completamente carregada pode liberar 2,16.105 C de carga. Uma lâmpada
que necessita de
227

2,0A para ficar acessa normalmente, ao ser ligada a essa bateria, funcionará por:

a) 32h b) 30h c) 28h d)


26h e) 24h

32-(UEPG-PR-011)

Considere um fio metálico no qual foi estabelecido um campo elétrico , conectando


suas extremidades

aos polos de uma bateria. Os elétrons livres do fio metálico estarão sujeitos à ação da
força elétrica devida ao campo e assim serão postos em movimento, dando origem a
uma corrente elétrica através do fio condutor. Sobre este fenômeno, assinale o que for
correto.

01. Ao longo do fio metálico a intensidade da corrente elétrica pode variar.

02. O sentido convencional da corrente elétrica através do fio é no sentido do ponto de


maior potencial para o ponto de menor potencial.

04. Ao passar através do fio, parte da energia da corrente elétrica é dissipada em outras
formas de energia.

08. O movimento dos elétrons livres através do fio será no sentido contrário ao do
campo elétrico.

16. Se o sentido do campo elétrico estabelecido no fio metálico for invertido


periodicamente, a corrente elétrica também sofrerá inversões periódicas.
228

33-(CEFET-MG-011)

Um gerador de forca eletromotriz é um dispositivo eletroeletrônico que, em um


circuito, tem a função de

a) criar portadores de cargas elétricas. b) dissipar a energia


potencial elétrica.

c) transformar a energia elétrica em movimento. d) transferir energia aos


portadores de carga elétrica.

e) possibilitar a queda da diferença de potencial elétrico.

34-(FUVEST-SP-011)
229

A lei de conservação da carga elétrica pode ser enunciada como segue:

a) A soma algébrica dos valores das cargas positivas e negativas em um sistema isolado
é constante.

b) Um objeto eletrizado positivamente ganha elétrons ao ser aterrado.

c) A carga elétrica de um corpo eletrizado é igual a um número inteiro multiplicado pela


carga do elétron.

d) O número de átomos existentes no universo é

constante.

e) As cargas elétricas do próton e do elétron são, em módulo, iguais.

35-(UNICAMP-SP-012)

Atualmente há um número cada vez maior de equipamentos elétricos portáteis e isto


tem levado a grandes esforços no

desenvolvimento de baterias com maior capacidade de carga, menor volume, menor


peso, maior quantidade de ciclos e menor tempo de recarga, entre outras qualidades.
230

Outro exemplo de desenvolvimento, com vistas a recargas rápidas, é o protótipo de uma


bateria de íon-lítio, com estrutura

tridimensional. Considere que uma bateria, inicialmente descarregada, é carregada com


uma corrente média im = 3,2 A até atingir sua carga máxima de Q = 0 8 Ah . O tempo
gasto para carregar a bateria é de

a) 240 minutos. b) 90 minutos. c) 15


minutos. d) 4 minutos.

36-(FUVEST-SP-012)

Na década de 1780, o médico italiano Luigi Galvani realizou algumas observações,


utilizando rãs recentemente dissecadas. Em um dos experimentos, Galvani tocou dois
pontos da musculatura de uma rã com dois arcos de metais diferentes, que estavam em
contato entre si, observando uma contração dos músculos, conforme mostra a figura:

Interpretando essa observação com os conhecimentos atuais, pode-se dizer que as


pernas da rã continham soluções diluídas de sais. Pode-se, também, fazer uma analogia
entre o fenômeno observado e o funcionamento de uma pilha. Considerando essas
informações, foram feitas as seguintes afirmações:
231

I. Devido à diferença de potencial entre os dois metais, que estão em contato entre si e
em contato com a solução salina da perna da rã, surge uma corrente elétrica.

II. Nos metais, a corrente elétrica consiste em um fluxo de elétrons.

III. Nos músculos da rã, há um fluxo de íons associado ao movimento de contração.

Está correto o que se afirma em

a) I, apenas. b) III, apenas. c) I e II, apenas. d) II e


III, apenas. e) I, II e III.

Potência Elétrica – Energia Elétrica


01-(UNICAMP-SP) Considere os seguintes equipamentos operando na máxima
potência durante uma hora: uma lâmpada

de 100W, o motor de um fusca, o motor de um caminhão, uma lâmpada de 40W, um


ferro de passar roupa.

a) Qual das lâmpadas consome menos energia?

b) Que equipamento consome mais energia?

c) Coloque os cinco equipamentos em ordem crescente de consumo de energia.

02-(ENEM-MEC) A distribuição média, por tipo de equipamento, do consumo de


energia elétrica nas residências no Brasil é apresentada no gráfico.

Em associação com os dados do gráfico, considere as variáveis:

I. Potência do equipamento.

II. Horas de funcionamento.


232

III. Número de equipamentos.

O valor das frações percentuais do consumo de energia depende de

a) I, apenas. b) II, apenas. c) I e II, apenas. d) II e III, apenas. e) I,


II e III.

03-(ENEM-MEC) Entre as inúmeras recomendações dadas para a economia de energia


elétrica em uma residência, destacamos as seguintes:

- Substitua lâmpadas incandescentes por fluorescentes compactas.- Evite usar o


chuveiro elétrico com a chave na posição "inverno" ou "quente".

- Acumule uma quantidade de roupa para ser passada a ferro elétrico de uma só vez.

- Evite o uso de tomadas múltiplas para ligar vários aparelhos simultaneamente.

- Utilize, na instalação elétrica, fios de diâmetros recomendados às suas finalidades.

A característica comum a todas essas recomendações é a proposta de economizar


energia através da tentativa de, no dia-a-dia, reduzir

a) a potência dos aparelhos e dispositivos elétricos.

b) o tempo de utilização dos aparelhos e dispositivos.

c) o consumo de energia elétrica convertida em energia térmica.

d) o consumo de energia térmica convertida em energia elétrica.

e) o consumo de energia elétrica através de correntes de fuga.

04-(ENEM-MEC) "...O Brasil tem potencial para produzir pelo menos 15 mil
megawatts por hora de energia a partir de fontes alternativas”.

Somente nos Estados da região Sul, o potencial de geração de energia por intermédio
das sobras agrícolas e florestais é de 5.000 megawatts por hora.

Para se ter uma idéia do que isso representa, a usina hidrelétrica de Ita, uma das maiores
do país, na divisa entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, gera 1.450 megawatts de
energia por hora."
233

Esse texto, transcrito de um jornal de grande circulação, contém, pelo menos, UM


ERRO CONCEITUAL ao apresentar valores de produção e de potencial de geração de
energia. Esse erro consiste em

a) apresentar valores muito altos para a grandeza energia.

b) usar unidade megawatt para expressar os valores de potência.

c) usar unidades elétricas para biomassa.

d) fazer uso da unidade incorreta megawatt por hora.

e) apresentar valores numéricos incompatíveis com as unidades.

05-(UNICAMP-SP) Um disjuntor é um interruptor elétrico de proteção que desliga o


circuito, quando a corrente ultrapassa certo valor.

A rede elétrica de 110V de uma casa é protegida por um disjuntor de 15A. Dispõe-se
dos seguintes equipamentos: um aquecedor de água de 2.200W, um ferro de passar de
770W e lâmpadas de 100W.

a) Quais desses equipamentos podem ser ligados na rede elétrica, um de cada vez, sem
desligar o disjuntor?

b) Se apenas as lâmpadas de 100W são ligadas na rede elétrica, qual o número máximo
dessas lâmpadas que podem ser ligadas simultaneamente sem desligar o disjuntor de
15A?

06-(UFPE-PE) Uma lâmpada especial tem uma curva de corrente versus diferença de
potencial conforme indicado na figura.
234

Qual a potência que será dissipada, em watts, na lâmpada quando ela estiver submetida
à diferença de potencial de 10V? 2W

07-(PUCCAMP-SP) A enguia elétrica ou poraquê, peixe de água doce da região


amazônica chega a ter 2,5 m de comprimento e 25 cm de diâmetro. Na cauda, que ocupa
cerca de quatro quintos do seu comprimento, está situada a sua fonte de tensão - as
eletroplacas.

Dependendo do tamanho e da vitalidade do animal, essas eletroplacas podem gerar uma


tensão de 600V e uma corrente de 2,0A, em pulsos que duram cerca de 3,0 milésimos
de segundo, descarga suficiente para atordoar uma pessoa ou matar pequenos animais.

(Adaptado de Alberto Gaspar. "Física". v.3. São Paulo: Ática, 2000, p. 135)

A energia elétrica que a enguia gera, em cada pulso, em joules, vale:

a) 1,0 . 10-3 b) 4,0 . 10-1 --- c) 3,6 d) 9,0


e) 1,0 . 103

08-(UFU-MG) Dois ferros de passar roupa consomem a mesma potência. O primeiro foi
projetado para ser utilizado em uma tensão de 110 V, enquanto que o segundo para uma
tensão de 220 V.

Nas condições projetadas de utilização dos ferros, é correto afirmar que:


235

a) o consumo de energia será maior para o primeiro ferro, e a corrente que percorrerá o
primeiro será maior do que a corrente que percorrerá o segundo ferro.

b) o consumo de energia será o mesmo para os dois ferros, e a corrente que percorrerá o
primeiro será maior do que a corrente que percorrerá o segundo ferro.

c) o consumo de energia será maior para o segundo ferro, e as correntes elétricas que
percorrerão cada ferro serão iguais.

d) o consumo de energia será o mesmo para os dois ferros e as correntes elétricas que
percorrerão cada ferro também serão iguais.

09-(UNIFESP-SP) De acordo com um fabricante, uma lâmpada fluorescente cujos


valores nominais são 11W / 127V

equivale a uma lâmpada incandescente de valores nominais 40W / 127V. Essa


informação significa que

a) ambas dissipam a mesma potência e produzem a mesma luminosidade.

b) ambas dissipam a mesma potência, mas a luminosidade da lâmpada fluorescente é


maior.

c) ambas dissipam a mesma potência, mas a luminosidade da lâmpada incandescente é


maior.

d) a lâmpada incandescente produz a mesma luminosidade que a lâmpada fluorescente,


dissipando menos potência.

e) a lâmpada fluorescente produz a mesma luminosidade que a lâmpada incandescente,


dissipando menos potência.

10-(UNESP-SP) Um carregador de celular, que pode ser ligado à saída do acendedor de


cigarros de um carro,
236

comercializado nas ruas de São Paulo, traz a seguinte inscrição:

TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO; 24W

POTÊNCIA CONSUMIDA: 150V

Essa instrução foi escrita por um fabricante com bom conhecimentos práticos , mas
descuidado quanto ao significado e uso correto das unidades do SI (Sistema
Internacional) adotado no Brasil.

a) Reescreva a instrução, usando corretamente as unidades de medida do SI.

b) Calcule a intensidade da corrente elétrica utilizada pelo aparelho.

11-(ENEM-MEC) Podemos estimar o consumo de energia elétrica de uma casa


considerando as principais fontes desse consumo. Pense na situação em que apenas os
aparelhos que constam da tabela a seguir fossem utilizados diariamente da mesma
forma.

Tabela: A tabela fornece a potência e o tempo efetivo de uso diário de cada aparelho
doméstico.

Supondo que o mês tenha 30 dias e que o custo de 1kWh é R$ 0,40, o consumo de
energia elétrica mensal dessa casa, é de aproximadamente

a) R$ 135.

b) R$ 165.

c) R$ 190.

d) R$ 210.
237

e) R$ 230.

12-(UERJ-RJ) Para a iluminação do navio são utilizadas 4.000 lâmpadas de 60 W e 600


lâmpadas de 200 W, todas

submetidas a uma tensão eficaz de 120 V, que ficam acesas, em média, 12 horas por dia.

Considerando esses dados, determine:

a) a corrente elétrica total necessária para mantê-las acesas;

b) o custo aproximado, em reais, da energia por elas consumida em uma viagem de 10


dias, sabendo-se que o custo do kWh é R$ 0,40.

13-(UNIFESP-SP) Atualmente, a maioria dos aparelhos eletrônicos, mesmo quando


desligados, mantêm-se em "standby", palavra inglesa que nesse caso significa "pronto
para usar". Manter o equipamento nesse modo de operação reduz o tempo necessário
para que volte a operar e evita o desgaste provocado nos circuitos internos devido a
picos de tensão que aparecem no instante em que é ligado. Em outras palavras, um
aparelho nessa condição está sempre parcialmente ligado e, por isso, consome energia.
Suponha que uma televisão mantida em "standby" dissipe uma potência de 12

watts e que o custo do quilowatt-hora é R$0,50. Se ela for mantida em "standby"


durante um ano (adote 1 ano = 8 800 horas), o seu consumo de energia será,
aproximadamente, de

a) R$ 1,00. b) R$ 10,00. c) R$ 25,00. d) R$


50,00. e) R$ 200,00.
238

14-(UERJ-RJ) Um grupo de alunos, ao observar uma tempestade, imaginou qual seria o


valor, em reais, da energia elétrica contida nos raios.

Para a definição desse valor, foram considerados os seguintes dados:

- potencial elétrico médio do relâmpago = 2,5 × 107 V;

- intensidade da corrente elétrica estabelecida = 2,0 × 105 A;

- custo de 1 kWh = R$ 0,38.

- 1kWh=3,6.106J

Admitindo que o relâmpago tem duração de um milésimo de segundo, o valor


aproximado em reais, calculado pelo grupo para a energia nele contida, equivale a:

a) 280 b) 420 c) 530 d)


810 e) 1.010

15- (FUVEST-SP) O gráfico mostra a variação da corrente eficaz, em ampéres, de um


aquecedor elétrico que operou sob tensão eficaz de 120V, durante 400 minutos.

a) Se o custo da energia elétrica é de C$ 0,20 por quilowatt-hora, determine o custo, da


energia cedida ao aquecedor durante os 400 minutos indicados.

b) Se 1/3 da energia total cedida ao aquecedor, nos primeiros 42 minutos de


funcionamento, foi utilizado para aquecer 10 litros de água, determine a variação de
temperatura da água. Considere: calor específico da água c=4,2.103kg/J e que o volume
de 1L de água possui massa de 1kg e 1kWh=3,6.106J.
239

16-(UFRS-RS) Para iluminar sua barraca, um grupo de campistas liga uma lâmpada a
uma bateria de automóvel.

A lâmpada consome uma potência de 6 W quando opera sob uma tensão de 12 V. A


bateria traz as seguintes especificações: 12 V, 45 Ah, sendo o último valor a carga
máxima que a bateria é capaz de armazenar. Supondo-se que a bateria seja ideal e que
esteja com a metade da carga máxima, e admitindo-se que a corrente fornecida por ela
se mantenha constante até a carga se esgotar por completo, quantas horas a lâmpada
poderá permanecer funcionando continuamente?

a) 90 h. b) 60 h. c) 45 h. d) 22 h 30
min. e) 11 h 15 min.

17-(UFMS-MS) A energia solar é uma das fontes alternativas de energia utilizadas pelo
homem. A intensidade média anual da radiação solar na cidade de Campo Grande - MS
é igual a 700 W/m2 considerando 6 horas de irradiação por dia.

Um equipamento de captação de energia solar, para aquecer a água destinada ao


consumo doméstico, possui rendimento igual a 60%, isto é, 60% da potência da
radiação solar disponível é transformada em potência útil pelo equipamento. Considere
uma residência que possui um desses equipamentos instalado, cuja área de captação de
irradiação solar é de 4 m2 e que toda a potência útil é consumida. Se o custo da energia
elétrica no local é de R$ 0,60 por kWh, a economia média anual (365 dias) em reais,
nessa residência, será
240

a) maior que R$ 2.124,00. b) igual a R$ 551,88. c) igual a R$ 367,92.


d) menor que R$ 367,92.

e) igual R$ 1.980,00.

18-(UNIFESP-SP) Um consumidor troca a sua televisão de 29 polegadas e 70 W de


potência por uma de plasma de 42 polegadas e 220 W de potência.

Se em sua casa se assiste televisão durante 6,0 horas por dia, em média, pode-se
afirmar que o aumento de consumo mensal de energia elétrica que essa troca vai
acarretar é, aproximadamente, de

a) 13 kWh. b) 27 kWh. c) 40 kWh. d) 70 kWh.


e) 220 kWh.

19-(FUVEST-SP-09) Na maior parte das residências que dispõem de sistemas de TV a


cabo, o aparelho que decodifica o sinal permanece ligado sem interrupção, operando
com uma potência aproximada de 6 W, mesmo quando a TV não está ligada.

O consumo de energia do decodificador, durante um mês (30 dias), seria equivalente ao


de uma lâmpada de 60 W que permanecesse ligada, sem interrupção, durante

a) 6 horas. b) 10 horas. c) 36 horas. d) 60 horas.


e) 72 horas.

20-(UFG-GO) No Equador, a radiação solar média, por mês, sobre a superfície da


Terra, é de aproximadamente 792 MJ/m2. Por quantas horas, aproximadamente, deve
241

permanecer ligado um aquecedor com tensão igual a 220 V e corrente elétrica de 20 A


para produzir uma quantidade de calor equivalente à energia solar mensal incidente em
1,00 m2?

a) 3 horas b) 20 horas c) 50 horas d) 250


horas e) 1000 horas

21-(UFG-GO) Um telefone celular funciona numa faixa de freqüência de 824 Hz a 849


MHz. As cargas e os tempos de duração das baterias , de 6V, para esse tipo de telefone
são dadas na tabela a seguir.

a) Sabendo-se que a velocidade de uma onda eletromagnética no ar é aproximadamente


igual a 3.108m/s, qual o comprimento de onda aproximado para a freqüência de 830
MHz?

b) Qual a quantidade de carga (em coulombs) fornecida pela bateria de 0,80Ah?

c) Calcule a corrente elétrica e a potência média fornecidas pela bateria de 0,80Ah.

22-(FUVEST-SP) As lâmpadas fluorescentes iluminam muito mais do que as lâmpadas


incandescentes de mesma potência. Nas lâmpadas fluorescentes compactas (de soquete),
a eficiência luminosa, medida em lumens por watt (lm/W), é da ordem de 60 lm/W e,
nas lâmpadas incandescentes, da ordem de 15 lm/W. Em uma residência, 10 lâmpadas
incandescentes de 100 W são substituídas por fluorescentes compactas que fornecem
iluminação equivalente (mesma quantidade de lumens). Admitindo que as lâmpadas
ficam acesas, em média 6 horas por dia e que o preço da energia elétrica é de R$ 0,30
por kWh, a economia mensal na conta de energia elétrica dessa residência será de,
aproximadamente:
a) R$ 18,00 b) R$ 30,00 c) R$ 40,00 d) R$ 54,00 e) R$
80,00

23-(PUC-SP) Um aquecedor de imersão (ebulidor) dissipa 200W de potência,


utilizados totalmente para aquecer 100g
242

de água, durante 1 minuto. Qual a variação de temperatura sofrida pela água?

Considere: 1cal=4J e cágua=1cal/goC

a) 1200C b) 1000C c) 700C d) 500C


e) 300C

24-(FUVEST-SP-09) Na maior parte das residências que dispõem de sistemas de TV a


cabo, o aparelho que decodifica o sinal permanece ligado sem interrupção, operando
com uma potência aproximada de 6 W, mesmo quando a TV não está ligada.

O consumo de energia do decodificador, durante um mês (30 dias), seria equivalente ao


de uma lâmpada de 60 W que permanecesse ligada, sem interrupção, durante

a) 6 horas. b) 10 horas. c) 36 horas. d) 60 horas.


e) 72 horas.

25-(ITA-09) Em 1998, a hidrelétrica de Itaipu forneceu aproximadamente 87600 GWh


de energia elétrica.

Imagine então um painel fotovoltaico gigante que possa converter em energia elétrica,
com rendimento de 20%, a energia solar incidente na superfície da Terra, aqui
considerada com valor médio diurno (24 h) aproximado de 170 W/m2.
243

Calcule:

a) A área horizontal (em km2) ocupada pelos coletores solares para que o painel possa
gerar, durante um ano, energia equivalente àquela de Itaipu, e,

b) O percentual médio com que a usina operou em 1998 em relação à sua potência
instalada de 14000 MW.

26-(FUVEST-09) As lâmpadas fluorescentes iluminam muito mais do que as lâmpadas


incandescentes de mesma potência. Nas lâmpadas fluorescentes compactas (de soquete),
a eficiência luminosa, medida em lumens por watt (lm/W), é da ordem de 60 lm/W e,
nas lâmpadas incandescentes, da ordem de 15 lm/W. Em uma residência, 10 lâmpadas
incandescentes de 100 W são substituídas por fluorescentes compactas que fornecem
iluminação equivalente (mesma quantidade de lumens). Admitindo que as lâmpadas
ficam acesas, em média 6 horas por dia e que o preço da energia elétrica é de R$ 0,30
por kWh, a economia mensal na conta de energia elétrica dessa residência será de,
aproximadamente:
a) R$ 18,00 b) R$ 30,00 c) R$ 40,00 d) R$ 54,00 e) R$
80,00

27-(UEL-PR-09) Alguns carros modernos usam motores de alta compressão, que


exigem uma potência muito grande, que só um motor elétrico pode desenvolver.

Em geral, uma bateria de 12 volts é usada para acionar o motor de arranque.

Supondo que esse motor consuma uma corrente de 400 ampères, a potência necessária
para ligar o motor é:

a) 4,0 ×102 W. b) 4,0 ×103 W. c) 4,8 ×103 W. d) 5,76 ×104


W. e) 1,92 ×10¦ W.

28-(ENEM-09) A passagem de uma quantidade adequada de corrente elétrica pelo


filamento de uma lâmpada deixa-o incandescente, produzindo luz. O gráfico a seguir
mostra como a intensidade da luz emitida pela lâmpada está distribuída no espectro
eletromagnético, estendendo-se desde a região do ultravioleta (UV) até a região do
infravermelho.
244

A eficiência luminosa de uma lâmpada pode ser definida como a razão entre a
quantidade de energia emitida na forma de luz visível e a quantidade total de energia
gasta para o seu funcionamento. Admitindo-se que essas duas quantidades possam ser
estimadas, respectivamente, pela área abaixo da parte da curva correspondente à faixa
de luz visível e pela área abaixo de toda a curva, a eficiência luminosa dessa lâmpada
seria de aproximadamente

a) 10%. b) 15%. ---c) 25%. d) 50%.


e) 75%.

29-(ENEM-MEC-010) A instalação elétrica de uma casa envolve várias etapas, desde a


alocação dos dispositivos, instrumentos e aparelhos elétricos, até a escolha dos materiais
que a compõem, passando pelo dimensionamento da potência requerida, da fiação
necessária, dos eletrodutos*, entre outras.

Para cada aparelho elétrico existe um valor de potência associado. Valores típicos de
potências para alguns aparelhos são apresentados na tabela seguinte.

*Eletrodutos são condutos por onde passa a fiação de uma instalação elétrica, com a
finalidade de protegê-la.

A escolha das lâmpadas é essencial para a obtenção de uma boa iluminação. A potência
da lâmpada deverá ser de acordo com o tamanho do cômodo iluminado. O quadro a
seguir mostra a relação entre as áreas dos cômodos (em m2) e as potências das
lâmpadas (em W), e foi utilizado como referência para o primeiro pavimento de uma
residência.
245

Obs.: Para efeitos de cálculos das áreas, as paredes são desconsideradas.

Considerando a planta baixa fornecida, com todos os aparelhos em funcionamento, a


potência total, em watts, será de:

a) 4.070 b) 4.270 c) 4.320 d) 4.390


e) 4.470

30-(PASUSP-010) Um refrigerador doméstico tem potência de 180W. Em um período


de 24 horas, o compressor funciona cerca de 10 horas e, com isso, mantém a
temperatura adequada no interior do aparelho. Sabendo-se que o funcionamento desse
refrigerador representa, em média, 25% do consumo total de energia, pode-se estimar o
consumo mensal, em kWh, dessa residência, em:

a) 54 b) 96 c) 128 d)
180 e) 216

31-(ENEM-MEC-010) A eficiência de um processo de conversão de energia é definida


como a razão entre a produção de energia ou trabalho útil e o total de energia no
processo. A figura mostra um processo em várias etapas. Nesse caso, a eficiência geral
será igual ao produto das eficiências das etapas individuais. A entrada de energia que
não se transforma em trabalho útil é perdida sob formas não utilizáveis (como resíduos
de calor)
246

Aumentar a eficiência dos processos de conversão de energia implica economizar


recursos e combustíveis. Das propostas seguintes, qual resultará em maior aumento da
eficiência geral do processo?

a) Aumentar a quantidade de combustível para a queima na usina de força.

b)Utilizar lâmpadas incandescentes, que geram pouco calor e muita luminosidade.

c) Manter o menor número possível de aparelhos elétricos nas moradias.

d) Utilizar cabos com menor diâmetro nas linhas de transmissão a fim economizar o
material condutor.

e) Utilizar materiais com melhores propriedades condutoras nas linhas de transmissão e


lâmpadas fluorescentes nas moradias.

32-(UNESP-SP-010) A pilha esquematizada, de resistência desprezível, foi construída


usando-se, como eletrodos, uma lâmina de cobre mergulhada em solução aquosa
contendo íons Cu+2 (1mol.L-1) e uma lâmina de zinco mergulhada em solução aquosa
contendo íons Zn+2 (1mol.L-1). Além da pilha, cuja diferença de potencial é igual a 1,1
volts, o circuito é constituído por uma lâmpada pequena e uma chave interruptora Ch.
Com a chave fechada, o eletrodo de cobre teve um incremento de massa de 63,5µg após
193s.

Considerando que a corrente elétrica se manteve constante nesse intervalo de tempo, a


potência dissipada pela lâmpada nesse período foi de:

a) 1,1mW b) 1,1W c) 0,55mW d)


96.500W e) 0,22mW

33-(UECE-CE-010)
247

Uma bateria de 12 V de tensão e 60 A.h de carga alimenta um sistema de som,


fornecendo a esse sistema

uma potência de 60 W. Considere que a bateria, no início, está plenamente carregada e


alimentará apenas o sistema de som, de maneira que a tensão da bateria permanecerá 12
V até consumir os 60 A.h de carga. O tempo Máximo de funcionamento ininterrupto do
sistema de som em horas é:

a) 08 b) 10 c)
12 d) 14

34-(PUC-MG-010)
248

Na leitura da placa de identificação de um chuveiro elétrico, constatam-se os seguintes


valores: 127 V -

4800W. É CORRETO afirmar:

a) Esse equipamento consome uma energia de 4800J a cada segundo de funcionamento.

b) A corrente elétrica correta para o funcionamento desse chuveiro é de no máximo 127


v.

c) A tensão adequada para o seu funcionamento não pode ser superior a 4800 w.

d) Não é possível determinar o valor correto da corrente elétrica com as informações


disponíveis.

35-(UNESP-SP-010) Um estudante de física construiu um aquecedor elétrico


utilizando um resistor. Quando ligado a uma tomada cuja tensão era de 110 V, o
aquecedor era capaz de fazer com que 1 litro de água, inicialmente a uma temperatura
de 20 °C, atingisse seu ponto de ebulição em 1 minuto. Considere que 80% da energia
elétrica era dissipada na forma de calor pelo resistor equivalente do aquecedor, que o
calor específico da água é 1 cal/(g ´ °C), que a densidade da água vale 1 g/cm3 e que 1
caloria é igual a 4 joules. Determine o valor da resistência elétrica, em ohms, do resistor
utilizado.

36-(UFJF-MG-010)
249

O gráfico mostra a potência elétrica, em kW, consumida na residência de um morador


da cidade de Juiz de Fora, ao

longo do dia. A residência é alimentada com uma voltagem de 120 V. Essa residência
tem um disjuntor que desarma,

se a corrente elétrica ultrapassar um certo valor, para evitar danos na instalação elétrica.
Por outro lado, esse disjuntor é dimensionado para suportar uma corrente utilizada na
operação de todos os aparelhos da residência, que somam uma potência total de 7,20
kW.

a) Qual é o valor máximo de corrente que o disjuntor pode suportar?

b) Qual é a energia em kWh consumida ao longo de um dia nessa residência?

c) Qual é o preço a pagar por um mês de consumo, se o 1kWh custa R$ 0,50?


250

37-(UFLA-MG-010)

A figura a seguir representa a relação diferença de potencial elétrico volt (V) e


intensidade de corrente ampère (A) em um resistor ôhmico. É CORRETO afirmar que
para uma tensão de 150 V o resistor dissipará uma potência de

a) 960 W. b) 1500 W. c) 1200 W.


d) 9600 W.

38-(PUC-RJ-010)
251

Os chuveiros elétricos de três temperaturas são muito utilizados no Brasil. Para


instalarmos um chuveiro é necessário escolher a potência do chuveiro e a tensão que
iremos utilizar na nossa instalação elétrica. Desta forma, se instalarmos

um chuveiro de 4.500 W utilizando a tensão de 220 V, nós podemos utilizar um


disjuntor que aguente a passagem de 21 A. Se quisermos ligar outro chuveiro de
potência de 4.500 W em uma rede de tensão de 110 V, qual deverá ser o disjuntor
escolhido?

a) 21 A b) 25 A c) 45 A d) 35 A
e) 40 A

39-(UERJ-RJ-010)

A tabela abaixo mostra a quantidade de alguns dispositivos elétricos de uma casa, a


potência consumida por cada um deles e o tempo efetivo de uso diário no verão.

Considere os seguintes valores:

• densidade absoluta da água: 1,0 g/cm3

• calor específico da água: 1,0 cal.g-1 oC-1


252

• 1 cal = 4,2 J

• custo de 1 kWh = R$ 0,50

Durante 30 dias do verão, o gasto total com esses dispositivos, em reais, é cerca de:

a) 234 b) 513 c) 666


d) 1026

40- (UERJ-RJ-010) A tabela abaixo mostra a quantidade de alguns dispositivos elétricos


de uma casa, a potência consumida por cada um deles e o tempo efetivo de uso diário no
verão.

Considere os seguintes valores:

• densidade absoluta da água: 1,0 g/cm3

• calor específico da água: 1,0 cal.g-1 oC-1

• 1 cal = 4,2 J

• custo de 1 kWh = R$ 0,50

No inverno, diariamente, um aquecedor elétrico é utilizado para elevar a temperatura de


120 litros de água em 30 ºC.

Durante 30 dias do inverno, o gasto total com este dispositivo, em reais, é cerca de:

a) 48 b) 63 c) 96
d) 126

41- (UNIRG-TO-2010)

A figura a seguir mostra uma arma de choque utilizada para defesa pessoal.
253

Esse aparelho, quando em funcionamento, fornece uma corrente de 2 mA


(microampères) em uma tensão de 50.000 volts, o que é suficiente para incapacitar uma
pessoa, sem provocar nela danos permanentes. A potência elétrica liberada durante um
choque com essas características, em watts, é de

a) 0,1 b) 0,2 c)
0,3 d) 0,4

42-(UFT-TO-010)

Uma pessoa demora 45 minutos em seu banho diário. Sabe-se que seu chuveiro
consome uma potência de 5000 Watts e voltagem de 220Volts, e que o custo da energia
é R$ 0,20 por [kW·h]. Quanto esta pessoa gasta mensalmente com seus banhos?

Considere que a pessoa toma um banho por dia, e que o mês tem 30 dias.

a) R$10,00 b) R$12,50 c) R$22,50 d)


R$75,00 e) R$75,50

43-(PUCS-RS-010)
254

Um dispositivo elétrico possui inicialmente uma energia interna de 550 J. Então, passa a
receber de uma corrente elétrica uma quantidade de energia por tempo equivalente a 50
W, e passa a liberar na forma de radiação eletromagnética uma quantidade de energia
por tempo equivalente a 20 W. Quando o dispositivo elétrico atingir uma energia
interna de 1000 J, ele derrete. Quanto tempo levará para isso acontecer? (Despreze
qualquer outra perda ou ganho de energia fora dos processos mencionados acima.)

a) 8 s b) 20 s c) 28 s d) 15
s e) 55 s

44-(UESPI-PI-010)

Um estudante paga R$ 40,00 (quarenta reais) por mês pelo uso de um chuveiro elétrico
de 5000 W de potência. Sabendo que esta

quantia resulta de uma cobrança a custo fixo por kWh de energia elétrica consumida
mensalmente, ele decide economizar trocando este chuveiro por outro de 4000 W. Se o
novo chuveiro for utilizado durante o mesmo tempo que o chuveiro antigo, a economia
em um mês será de:

a) R$ 5,00 b) R$ 8,00 c) R$
15,00 d) R$ 20,00 e) R$ 39,00
255

45-(ENEM-MEC-010) A energia elétrica consumida nas residências é medida, em


quilowatt-hora, por meio de um relógio medidor de consumo. Nesse relógio, da direita
para esquerda, tem-se o ponteiro da unidade, da dezena, da centena e do milhar. Se um
ponteiro estiver entre dois números, considera-se o último número ultrapassado pelo
ponteiro. Suponha que as medidas indicadas nos esquemas seguintes tenham sido feitas
em uma cidade em que o preço do quilowatt-hora fosse de R$ 0,20.

O valor a ser pago pelo consumo de energia elétrica registrado seria de

a) R$ 41,80. b) R$ 42,00. c) R$ 43,00. d) R$


43,80. e) R$ 44,00.

46-(UNIFOR-CE-011)

A nossa matriz energética é eminentemente de origem hidráulica. As nossas usinas,


como Itaipú, Sobradinho, Paulo Afonso e Tucuruí, estão localizadas a grandes
distâncias dos centros consumidores de energia, fazendo necessária a
256

transmissão de energia através de extensas linhas. A escolha por esse tipo de


transmissão, em alta tensão e corrente alternada de baixa intensidade, ocorre porque:

I. A transmissão de grande potência em baixa tensão e corrente de baixa intensidade é


economicamente viável.

II. A transmissão em corrente de alta intensidade e baixa tensão demandaria uma grande
perda de potência devido ao aquecimento das linhas de transmissão.

III. A transmissão em corrente alternada permite o abaixamento simplificado da tensão


através de transformadores nas estações abaixadoras dos centros consumidores.

a) I, apenas. b) II, apenas. c) III, apenas. d) I e III,


apenas. e) II e III, apenas.

47- (UERJ-RJ-011)Para dar a partida em um caminhão, é necessário que sua bateria de


12 V estabeleça uma corrente de 100 A

durante um minuto. A energia, em joules, fornecida pela bateria, corresponde a:

a) 2,0 × 101 b) 1,2 × 102 c) 3,6 × 103


d) 7,2 × 104

48-(ENEM-MEC-010) Observe a tabela seguinte. Ela traz especificações técnicas


constantes no manual de instruções fornecido p
257

pelo fabricante de uma torneira elétrica. Considerando que o modelo de maior potência
da versão 220 V da torneira suprema foi inadvertidamente conectada a uma rede com
tensão nominal de 127 V, e que o aparelho está configurado para trabalhar em sua

máxima potência. Qual o valor aproximado da potência ao ligar a torneira?

a) 1.830 W b) 2.800 W c) 3.200 W d)


4.030 W e) 5.500 W

49-(UFPA-PA-012)

Um painel de energia solar de área igual a 1 m2 produz cerca de 0,5 kW.h por
dia. Pensando nisso, um consumidor interessado nessa fonte de energia resolveu avaliar
sua necessidade de consumo diário, que está listada na tabela abaixo.

A partir desses dados, o número mínimo de painéis solares que esse consumidor precisa
adquirir para fazer frente às suas necessidades
258

de consumo diário de energia é

a) 5 b) 10 c) 15 --d) 20
e) 25

50-(ENEM-MEC-011)

Os biocombustíveis de primeira geração são derivados da soja, milho e cana-de-açúcar


e sua produção ocorre através

da fermentação. Biocombustíveis derivados de material celulósico ou biocombustíveis


de segunda geração – coloquialmente chamados de “gasolina de capim” – são aqueles
produzidos a partir de resíduos de madeira (serragem, por exemplo), talos de milho,
palha de trigo ou capim de crescimento rápido e se apresentam como uma alternativa
para os problemas enfrentados pelos de primeira geração, já que as matérias-primas são
baratas e abundantes.

DALE, B. E.; HUBER, G. W. Gasolina de capim e outros vegetais. Scientific American


Brasil. Ago. 2009. n.° 87

(adaptado).

O texto mostra um dos pontos de vista a respeito do uso dos biocombustíveis na


atualidade, os quais:
259

a) são matrizes energéticas com menor carga de poluição para o ambiente e podem
propiciar a geração de novos empregos, entretanto, para serem oferecidos com baixo
custo, a tecnologia da degradação da celulose nos biocombustíveis de segunda geração
deve ser extremamente eficiente.

b) oferecem múltiplas dificuldades, pois a produção é de alto custo, sua implantação não
gera empregos, e deve-se ter cuidado com o risco ambiental, pois eles oferecem os
mesmos riscos que o uso de combustíveis fósseis.

c) sendo de segunda geração, são produzidos por uma tecnologia que acarreta
problemas sociais, sobretudo decorrente ao fato de a matéria-prima ser abundante e
facilmente encontrada, o que impede a geração de novos empregos.

d) sendo de primeira e segunda geração, são produzidos por tecnologias que devem
passar por uma avaliação criteriosa quanto ao uso, pois uma enfrenta o problema da
falta de espaço para plantio da matéria-prima e a outra impede a geração de novas
fontes de emprego.

e) podem acarretar sérios problemas econômicos e sociais, pois a substituição do uso de


petróleo afeta negativamente toda uma cadeia produtiva na medida em que exclui
diversas fontes de emprego nas refinarias, postos de gasolina e no transporte de petróleo
e gasolina.

Resistores – Primeira Lei de Ohm


01-(CFT-PR) O elemento de um chuveiro elétrico que fornece calor, esquentando a
água, é o:

a) resistor. b) capacitor. c) gerador. d)


disjuntor. e) amperímetro.

02-(UNESP-SP) Um bipolo tem equação característica U=5.i2 com U dado em voltas


(V) e i dado em ampères (A). Para i=2 A, sua resistência elétrica vale:

a) 5Ω b) 110 Ω c) 20 Ω d) 12
Ω e) 2,5 Ω
260

03-(UFRN-RN) Zelita estava aprendendo na escola as propriedades de condução de


eletricidade dos materiais. Sua professora de Ciências disse que materiais usados em
nosso cotidiano, como madeira, borracha e plástico são, normalmente, isolantes
elétricos, e outros, como papel alumínio, pregos e metais em geral, são condutores
elétricos.

A professora solicitou a Zelita que montasse um instrumento para verificar


experimentalmente se um material é condutor ou isolante elétrico.

Para montar tal instrumento, além dos fios elétricos, os componentes que Zelita deve
utilizar são

a) pilha e lâmpada. b) capacitor e resistor. c) voltímetro e diodo.


d) bobina e amperímetro.

04-(UFG-GO) Nos choques elétricos, as correntes que fluem através do corpo humano
podem causar danos biológicos que, de acordo com a intensidade da corrente, são
classificados segundo a tabela a seguir.

Considerando que a resistência do corpo em situação normal e da ordem de 1500 Ω, em


qual das faixas acima se enquadra uma pessoa sujeita a uma tensão elétrica de 220V?

a) I b) II c) III d)
IV e) V

05-(UFSCAR-SP) O laboratório de controle de qualidade em uma fábrica para


aquecedores de água foi incumbido de analisar o comportamento resistivo de um novo
261

material. Este material, já em forma de fio com secção transversal constante, foi
conectado, por meio de fios de resistência desprezível, a um gerador de tensão contínua
e a um amperímetro com resistência interna muito pequena, conforme o esquema na
figura 1.

Fazendo variar gradativa e uniformemente a diferença de potencial aplicada aos


terminais do fio resistivo, foram anotados simultaneamente os valores da tensão elétrica
e da correspondente corrente elétrica gerada no fio. Os resultados desse monitoramento
permitiram a construção dos gráficos que seguem na figura 2.

Com os dados obtidos, um novo gráfico foi construído com a mesma variação temporal.
Neste gráfico, os valores representados pelo eixo vertical correspondiam aos resultados
dos produtos de cada valor de corrente e tensão, lidos simultaneamente nos aparelhos do
experimento.

a) Uma vez que a variação de temperatura foi irrelevante, pôde-se constatar que, para os
intervalos considerados no experimento, o fio teve um comportamento ôhmico.
Justifique esta conclusão e determine o valor da resistência elétrica, em Ω, do fio
estudado.

b) No terceiro gráfico, qual é a grandeza física que está representada no eixo vertical?
Para o intervalo de tempo do experimento, qual o significado físico que se deve atribuir
à área abaixo da curva obtida?

06-(UFSM-RS)

Chama-se "gato" uma ligação elétrica clandestina entre a rede e uma residência.
262

Usualmente, o "gato" infringe normas de segurança, porque é feito por pessoas não
especializadas. O choque elétrico, que pode ocorrer devido a um "gato" malfeito, é
causado por uma corrente elétrica que passa através do corpo humano.

Considere a resistência do corpo humano como 105Ω para pele seca e 103Ω para pele
molhada.

Se uma pessoa com a pele molhada toca os dois pólos de uma tomada de 220 V, a
corrente que a atravessa, em A, é

a) 2,2 × 105 b) 2,2 × 103 c) 4,5 d) 2,2 × 10-


1
e) 2,2.10-3

R=U/i --- 103=220/i --- i=220/103 --- i=0,220 --- R- D

07-(UnB-DF) Suponha que uma pessoa em Brasília, na época da seca, aproxime sua
mão de um carro cuja carroceria apresente um diferença de potencial de 10.000V com
relação ao solo. No instante em que a mão estiver suficientemente próxima ao carro,
fluirá uma corrente que passará pelo ar, pelo corpo da pessoa e, através do seu pé,
atingirá o solo.

Sabendo que a resistência do corpo da pessoa, no percurso da corrente elétrica, é de


2.000Ω e que uma corrente de 300mA causará a sua morte, calcule, em kΩ, a
resistência mínima que o ar deve ter para que a descarga não mate essa pessoa.
Despreze a parte fracionária de seu resultado, caso exista.

08-(UFPE-PE) Alguns cabos elétricos são feitos de vários fios finos trançados e
recobertos com um isolante.

Um certo cabo tem 150 fios e a corrente total transmitida pelo cabo é de 0,75A quando a
diferença de potencial é 220V. Qual é a resistência de cada fio individualmente, em kΩ?

09-(UFMS) O gráfico desta questão mostra o resultado de um experimento no qual foi


medida a corrente
263

elétrica em função da diferença de potencial aplicada entre as extremidades de cinco


condutores

produzidos a partir de cinco ligas metálicas diferentes, cujos resultados são rotulados de
I a V.

Todos os condutores, de tipo cilíndrico, foram produzidos com os mesmos


comprimentos e raios.

A respeito desses condutores, é correto afirmar que

(01) os condutores II e III são ôhmicos.

(02) os condutores III e IV são ôhmicos.

(04) o condutor III possui uma resistência que é o dobro do condutor IV.

(08) para o condutor V, a diferença de potencial pode ser escrita como V = Ri, onde R é
a

resistência desse condutor.

(16) acima de 1 Volt, o condutor I é o que apresenta maior resistência dentre todos.

10-(FUVEST-SP) Estuda-se como varia a intensidade i da corrente elétrica que


percorre um resistor cuja resistência elétrica é constante e igual a 2,0Ω, em função da
tensão U aplicada aos seus terminais. O gráfico que representa o resultado das medidas
é:
264

11-(UFF-RJ-010) Um resistor ôhmico, quando submetido a uma ddp de 20V , é


percorrido por uma corrente elétrica de 4 A. Para que o resistor seja percorrido por uma
corrente elétrica de 3A, que ddp deve ser aplicada a ele ?

12-(UNESP-SP) Uma lâmpada incandescente (de filamento) apresenta em seu rótulo as


seguintes especificações: 60W e 120V.

Determine:

a) a corrente elétrica i que deverá circular pela lâmpada se ela for conectada uma fonte
de 120V

b) a resistência elétrica R apresentada pela lâmpada supondo que ela esteja funcionando
de acordo com as especificações.

13-(UFRJ-RJ) Cada farol de um carro dissipa 15W,com a luz baixa, e 25 W com a luz
alta. Considerando que ambas as

lâmpadas estão submetidas à mesma tensão da bateria, determine em qual dos casos a
resistência da lâmpada é

menor. Justifique.

14-(CFT-SC) Um chuveiro elétrico não está aquecendo satisfatoriamente a água. Para


resolver esse problema, fechamos um pouco
265

a torneira. Com esse procedimento, estamos:

a) Diminuindo a resistência elétrica do chuveiro.

b) Diminuindo a corrente elétrica que atravessa o chuveiro.

c) Diminuindo a massa de água que será aquecida por unidade de tempo.

d) Diminuindo a diferença de potencial nos terminais do chuveiro.

e) Economizando energia elétrica.

15-(CFT-SC) Uma pessoa mudou-se do estado de Santa Catarina, onde a tensão da rede
elétrica é 220 V, para o estado do Paraná, onde a tensão é 110 V.

Levou consigo um chuveiro, cuja potência nominal é de 2200 W. Instalado no estado


do Paraná, para que o chuveiro continue a dissipar a mesma potência por efeito Joule,
sua resistência elétrica deve ser:

a) quadruplicada.

b) reduzida à metade do valor original.

c) reduzida a um quarto do valor original.

d) dobrada.

e) mantida inalterada.
266

16- (PUC-MG) A "chave" de um chuveiro elétrico pode ser colocada nas posições
"fria", "morna" e "quente". Quando se muda a

chave de posição, modifica-se o valor da resistência elétrica do chuveiro. Indique a


correspondência VERDADEIRA.

a) Água morna - resistência média.

b) Água morna - resistência baixa.

c) Água fria - resistência média.

d) Água quente - resistência alta.

17-(UFRN-RN) Nos meses de maio e junho, a temperatura cai um pouco em várias


cidades do Rio Grande do Norte. Isso faz com que algumas famílias passem a utilizar o
chuveiro elétrico para um banho morno.

O Sr. Newton vai ao comércio e solicita do vendedor um chuveiro de pouca potência


(P), que apenas "quebre a frieza" da água, pois está preocupado com o aumento do
consumo de energia elétrica (E) e, por conseguinte, com o aumento da sua conta
mensal.

O vendedor lhe oferece dois chuveiros (ôhmicos, comuns) para a voltagem (V) do Rio
G. do Norte, que é 220 V: um com resistência elétrica (R) de 20,0Ω e outro de 10,0Ω ,
por onde circula a corrente (i) que aquece a água. Qual dos dois chuveiros o Sr. Newton
deve escolher, tendo em vista sua preocupação econômica? Justifique.

18-(PUC-RJ) Ao aplicarmos uma diferença de potencial de 9,0 V em um ebulidor de


resistência 3,0 Ω, podemos dizer que a
267

corrente elétrica fluindo pela resistência e a potência dissipada, respectivamente, são:

a) 1,0 A e 9,0 W b) 2,0 A e 18,0 W c) 3,0 A e 27,0 W d)


4,0 A e 36,0 W e) 5,0 A e 45,0 W

19- (UFSCAR-SP) Ao reformar o banheiro de sua casa, por recomendação do


eletricista, o proprietário substituiu a instalação elétrica de sua casa, e o chuveiro, que
estava ligado em 110 V, foi trocado por outro chuveiro de mesma potência, ligado em

220 V.

A vantagem dessa substituição está

a) no maior aquecimento da água que esse outro chuveiro vai proporcionar.

b) no menor consumo de eletricidade desse outro chuveiro.

c) na dispensa do uso de disjuntor para o circuito desse outro chuveiro.

d) no barateamento da fiação do circuito desse outro chuveiro, que pode ser mais fina.

e) no menor volume de água de que esse outro chuveiro vai necessitar.

20-(UERJ-RJ) Um chuveiro elétrico pode funcionar sob várias combinações de tensão


eficaz e potência média. A combinação em
268

que o chuveiro apresenta a maior resistência elétrica está indicada em:

a) 120 V - 1250 W b) 220 V - 2500 W c) 360 V - 3000


W d) 400 V - 5000 W

21-(ACAFE-SC) Suponha que você mude de São Paulo, onde a tensão da rede é 110V,
para Florianópolis, onde a tensão na rede é 220V, e traga consigo um aquecedor
elétrico. Você pode manter a mesma potência do aquecedor substituindo a resistência
original de 8,0Ω por uma outra, cujo valor, em Ω, seja:

a) 16 b) 12 c) 4 d) 2 e) 64

22-(UFPR) Em um chuveiro elétrico temos três possibilidades de escolha: água fria


(chuveiro desligado), água morna e água quente.

Sua resistência elétrica pode assumir os valores de 3,0 a 8,0 ohms.

Então, é correto afirmar, (dê como resposta a soma dos números correspondentes às
afirmações corretas):

(01) Na escolha “água morna”, a resistência do chuveiro vale 8,0 ohms.

(02) Se esse chuveiro for ligado à tensão de 120V, o fusível que protege o circuito deve
suportar no mínimo 40 A.

(04) Se circula uma corrente de 15 A quando a resistência do chuveiro é de 8,0 ohms, a


potência dissipada é de 1,8.103W.

(08) Na posição “água quente”, se a tensão aplicada for reduzida à metade, o chuveiro
dissipará 1/4 da potência inicial.

(16) Com resistência de 3,0 ohms ligada à tensão de 120V, a corrente que circula no
chuveiro é de 16 A.

23-(FATEC-SP) Um resistor ôhmico, de resistência R = 20Ω, submetido à ddp de 200V


e percorrido por uma corrente elétrica de

intensidade 10 A e dissipa uma potência de 2000W.


269

Se o mesmo resistor for submetido a ddp de 100V, a intensidade da corrente que o


percorrerá, em amperes, e a potência que dissipará, em watts, serão, respectivamente,

a) 10 e 1000. b) 10 e 500. c) 5 e 4000. d) 5 e


2000. e) 5 e 500.

24-(UNESP-SP) Células fotovoltaicas foram idealizadas e desenvolvidas para coletar a


energia solar, uma forma de energia abundante, e convertê-la em energia elétrica.

Estes dispositivos são confeccionados com materiais semicondutores que, quando


iluminados, dão origem a uma corrente elétrica que passa a alimentar um circuito
elétrico. Considere uma célula de 100 cm2 que, ao ser iluminada, possa converter 12%
da energia solar incidente em energia elétrica. Quando um resistor é acoplado à célula,
verifica-se que a tensão entre os terminais do resistor é 1,6 V. Considerando que, num
dia ensolarado, a célula recebe uma potência de 1 kW por metro quadrado, calcule a
corrente que passa pelo resistor.

25-(PUC-RS) Um chuveiro tem as seguintes especificações: 4000 W - 220 V.

Para aumentar a temperatura da água que sai desse chuveiro, pode-se

a) ligá-lo em uma rede cuja tensão é 127 V.

b) selecionar um comprimento maior para o comprimento do resistor do chuveiro.

c) selecionar um comprimento menor para o comprimento do resistor do chuveiro.

d) conectá-lo com um disjuntor que permita maior passagem de corrente.

e) substituir os fios da rede por outros de maior diâmetro.

26-(UFU-MG) Dois ferros de passar roupa consomem a mesma potência. O primeiro foi
projetado para ser utilizado em uma
270

tensão de 110 V, enquanto que o segundo para uma tensão de 220 V. Nas condições
projetadas de utilização dos ferros, é correto afirmar que:

a) o consumo de energia será maior para o primeiro ferro, e a corrente que percorrerá o
primeiro será maior do que a corrente que percorrerá o segundo ferro.

b) o consumo de energia será o mesmo para os dois ferros, e a corrente que percorrerá o
primeiro será maior do que a corrente que percorrerá o segundo ferro.

c) o consumo de energia será maior para o segundo ferro, e as correntes elétricas que
percorrerão cada ferro serão iguais.

d) o consumo de energia será o mesmo para os dois ferros e as correntes elétricas que
percorrerão cada ferro também serão iguais.

27-(FUVEST-SP) Um determinado aquecedor elétrico, com resistência R constante, é


projetado para operar a 110 V. Pode-se ligar o aparelho a uma rede de 220V, obtendo os
mesmos aquecimento e consumo de energia médios, desde que haja um dispositivo que
o ligue e desligue, em ciclos sucessivos, como indicado no gráfico.

Nesse caso, a cada ciclo, o aparelho permanece ligado por 0,2s e desligado por um
intervalo de tempo ∆t. Determine

a) a relação Z1 entre as potências P220 e P110, dissipadas por esse aparelho em 220V e
110V, respectivamente, quando está continuamente ligado, sem interrupção.

b) o valor do intervalo ∆t, em segundos, em que o aparelho deve permanecer desligado


a 220V, para que a potência média dissipada pelo resistor nessa tensão seja a mesma
que quando ligado continuamente em 110V.

c) a relação Z2 entre as correntes médias I220 e I110, que percorrem o resistor quando em
redes de 220V e 110V, respectivamente, para a situação do item anterior.
271

NOTE E ADOTE: Potência média é a razão entre a energia dissipada em um ciclo


e o período total do ciclo.

28-(UFRJ-RJ) Um chuveiro elétrico está instalado em uma residência cuja rede elétrica
é de 110 V. Devido a um problema de vazão baixa, a água fica insuportavelmente
quente quando o chuveiro é ligado.

Para sanar o problema, o morador substitui a resistência original R1 do chuveiro pela


resistência R2 de um segundo chuveiro, fabricado para funcionar em uma rede de 220 V.
Suponha que ambos os chuveiros, funcionando com vazões iguais, nas tensões
indicadas pelos fabricantes, aqueçam igualmente a água.

Calcule a razão entre a potência elétrica P1 dissipada pela resistência original R1 do


chuveiro e a potência elétrica P2 dissipada pela resistência R2 após a substituição da
resistência. Analise o resultado e responda se a troca da resistência causa o efeito
desejado ou se aumenta ainda mais a temperatura da água. Justifique sua resposta.

29-(UERJ-RJ) Uma torradeira elétrica consome uma potência de 1200 W, quando a


tensão eficaz da rede elétrica é igual a 120 V.

Se a tensão eficaz da rede é reduzida para 96 V, a potência elétrica consumida por essa
torradeira, em watts, é igual a:

a) 572 b) 768 c) 960 d) 1028 e)


920

30-(FGV-SP-09) Aproveitando o momento em que a moda dos cabelos alisados volta a


todo vapor, a indústria de chapinhas
272

"Alisabem" corre para lançar-se no mercado, faltando apenas a correta identificação do


valor da potência elétrica de seu produto.

O técnico responsável mede o valor da resistência elétrica do produto, obtendo 70 Ω,


podendo estimar que a potência dissipada pela chapinha, em W, é, aproximadamente,

a) 100. b) 125. c) 150. d) 175.


e) 200.

31-(FUVEST) Uma jovem, para aquecer uma certa quantidade de massa M de água,
utiliza, inicialmente, um filamento enrolado, cuja resistência elétrica Ro é igual a 12 Ω,
ligado a uma fonte de 120 V (situação I).

Desejando aquecer a água em dois recipientes, coloca, em cada um, metade da massa
total de água (M/2), para que sejam aquecidos por resistências R1 e R2, ligadas à mesma
fonte (situação II). A jovem obtém essas duas resistências, cortando o filamento inicial
em partes não iguais, pois deseja que R1 aqueça a água com duas vezes mais potência
que R2. Para analisar essas situações:

a) Estime a potência Po, em watts, que é fornecida à massa total de água, na situação I.

b) Determine os valores de R1 e R2, em ohms, para que no recipiente onde está R1 a


água receba duas vezes mais potência do que no recipiente onde está R2, na situação II.

32-(FUVEST-SP-010) Medidas elétricas indicam que a superfície terrestre tem carga


elétrica total negativa de 600.000 coulombs. Em tempestades, raios de cargas positivas,
embora raros, podem atingir a superfície terrestre. A corrente elétrica desse raios pode
atingir valores de até 300.000 A com duração de 0,5s.
273

a) Que fração da carga elétrica total da Terra poderia ser compensada por esses raios?

b) Se a diferença de potencial que provocou esses raios pode chegar a 5.106V, qual a
energia elétrica descarregada, por esses raios, em kWh?

33- (UFSC-SC-010)

A tabela a seguir mostra diversos valores de diferença de potencial aplicados a um resistor R1 e


a corrente que o percorre.

Responda as perguntas a seguir e justifique suas respostas.

a) A relação R=U/i representa o enunciado da lei de Ohm?

b) A relaçãoR=U/i é válida para resistores não ôhmicos?

c) O resistor R1 é ôhmico?

34-(UFAL-AL-010)
274

O peixe elétrico possui células denominadas eletroplacas capazes de produzir uma diferença de
potencial (d.d.p.) elétrico. Tipicamente, o conjunto dessas células gera uma d.d.p. de 600 V
entre as extremidades do peixe. Uma pessoa com mãos molhadas

resolve segurar com cada mão uma extremidade de um peixe elétrico retirado de um aquário.
Considere que as resistências equivalentes do peixe e do corpo humano nessas condições sejam,
respectivamente, 2 kΩ e 16 kΩ. As alternativas a seguir descrevem aproximadamente as
consequências de um choque recebido por uma pessoa em cada intervalo de corrente i, onde
1mA = 10-3 A.

Qual das alternativas corresponde à situação experimentada pela pessoa ao segurar o peixe
elétrico?

a) i < 1mA: choque praticamente imperceptível.

b) 1mA < i < 10mA: sensação desagradável, contrações musculares.

c) 10mA < i < 19mA: sensação dolorosa, contrações violentas, risco de morte.

d) 19mA < i < 100mA: contrações violentas, asfixia, morte aparente, com possibilidade de
reanimação.

e) i > 100mA: asfixia imediata, fibrilação ventricular, morte.


275

35-(FUVEST-SP-011)) O filamento de uma lâmpada incandescente, submetido a uma tensão


U, é percorrido por uma corrente de intensidade i. O gráfico abaixo mostra a relação entre i e U.

As seguintes afirmações se referem a essa lâmpada.

I. A resistência do filamento é a mesma para qualquer valor da tensão aplicada.

II. A resistência do filamento diminui com o aumento da corrente.

III. A potência dissipada no filamento aumenta com o aumento da tensão aplicada.

Dentre essas afirmações, somente

a) I está correta. b) II está correta. c) III está correta. d) I e III estão corretas. e)
II e III estão corretas.

36-(MACKENZIE-SP-010)

Certo resistor quando submetido a uma ddp de 24 V, dissipa a potência de 20 W. A


potência que esse resistor dissipará,
276

quando for submetido a uma ddp de 12 V, será

a) 10 W b) 8 W c) 7 W d) 6
W e) 5 W

37-(UFF-RJ-011)

Em dias frios, o chuveiro elétrico é geralmente regulado para a posição “inverno”. O efeito
dessa regulagem é alterar a resistência elétrica do resistor do chuveiro de modo a aquecer mais,
e mais rapidamente, a água do banho. Para isso, essa resistência deve ser

a) diminuída, aumentando-se o comprimento do resistor.

b) aumentada, aumentando-se o comprimento do resistor.

c) diminuída, diminuindo-se o comprimento do resistor.

d) aumentada, diminuindo-se o comprimento do resistor.

e) aumentada, aumentando-se a voltagem nos terminais do resistor.

38-(UEPG-PR-011) Um ebulidor de resistência elétrica igual a 75,0Ω está envolto por 0,20 kg
de gelo a 0 ºC. Os terminais do
277

ebulidor são conectados a uma fem que gera uma corrente elétrica de intensidade igual a 2 A
através dele, durante 1,4 minutos. Considere que toda energia dissipada pelo ebulidor foi
integralmente absorvida pelo gelo.

Considere, ainda, 1 cal = 4,2 J; cágua = 1 cal/g ºC e Lf(água) = 80 cal/g. Sobre esse evento
físico, assinale o que for correto.

01) A potência do ebulidor é igual a 300 W.

02) A energia dissipada pelo ebulidor foi 25.200 J.

04) A diferença de potencial entre os terminais do ebulidor, durante o processo, foi de 150 V.

08) Ao final do processo tem-se 125 g de gelo e 75 g de água.

16) A temperatura final do sistema é 0 ºC.

39-(FGV-RJ-011)

Visando economizar energia elétrica, uma família que, em 30 dias, consumia em média 240
kWh, substituiu doze

lâmpadas de sua residência, dez de 60 W e duas de 100 W, por lâmpadas econômicas de 25 W.


Na situação em que as lâmpadas
278

ficam acesas 4 horas por dia, a troca resultou em uma economia de energia elétrica,
aproximadamente, de

a) 62% b) 37% c) 25% d)


15% e) 5%

40-(IFSP-SP-011)

Uma lanterna necessita de 4 pilhas comuns de 1,5 V cada, e sua lâmpada, funcionando
normalmente, dissipa uma potência de 20 W. Essa lanterna consegue funcionar com seu brilho
máximo e ininterruptamente durante 2 dias e 2 horas. São feitas as seguintes afirmações:

I. Se essas pilhas fossem ligadas em série, 8V seria a tensão sobre as lâmpadas da lanterna.

II. O consumo dessa lanterna equivaleria ao de um chuveiro elétrico de 4000 W, ligado durante
15 minutos.

III. As pilhas, assim como as baterias, transformam a energia química em elétrica.

IV. Uma bússola, junto dessa lanterna acesa, não sofre ação de um campo magnético criado pela
lanterna.

É correto o que se afirma em:

a) III, apenas. b) I e II, apenas. c) II e III, apenas d) I, II e III, apenas. e)


I, II, III e IV.

41-(PUC-SP-011) Na figura abaixo temos uma lâmpada e um chuveiro com suas


respectivas especificações. Para que a
279

lâmpada consuma a mesma energia que o chuveiro consome num banho de 20 minutos,
ela deverá ficar acesa ininterruptamente, por aproximadamente

a) 53 h b) 113 h c) 107 h d) 38
h e) 34 h

(UEPB-PB-012)

Leia o texto a seguir, para responder às questões 42 e 43.

O físico británico Jaines Prescon Joule (1818-1889), que descobriu o principio que
levou o seu nome, explica a relação entre eletricidade e calor, e trouxe ao homem vários
benefícios. Muitos aparelhos que utilizamos no nosso dia a dia têm seu funcionamento
baseado no efeito Joule. Este principio tem larga utilização no cotidiano como. por
exemplo. cm equipamentos de aquecimento como o ferro elétrico. o chuveiro elétrico, a
prancha alisadora, o forno elétrico, lâmpadas incandescentes, etc.
280

O chuveiro elétrico é composto de dois resistores, constituídos por um fio espiralado de


metais que possibilitam um aquecimento rápido e prático, um de alta potência e o outro
de baixa potência de aquecimento, e um diafragma de borracha. Os resistores ficam
fixados no interior do chuveiro. Para selecionar o tipo de banho que se deseja tomar,
existe na sua parte externa uma chave seletora que é capaz de mudar o tipo de
resistência, aumentando ou diminuindo a potência do chuveiro e, consequentemente. a
temperatura do banho. A água ao circular pelo chuveiro pressiona o diafragma de
borracha, este por sua vez aproxima os contatos energizados, situados no cabeçote do
aparelho. Assim, a água ao passar pelos terminais do resistor quente se aquece, tomando
o banho bem quentinho e agradável.

(Adaptado de <http:/Jwwsv.newtoncbraga.com.br/index.phpieletncadomiciliar’2936-c
1033.hunl p’

Para selecionar o tipo de banho que se deseja tomar, existe no chuveiro elétrico uma
chave seletora que pode ser colocada nas posições INVERNO E VERÃO.

42--(UEPB-PB-012)

Acerca do assunto tratado no texto, analise a seguinte situação- problema:


281

A figura mostra uma chave, capaz de alterar a resistência elétrica, aumentando ou


diminuindo a potência do chuveiro e, consequentemente, a temperatura da água.

Analise as proposições abaixo, em relação ao Efeito Joule, escrevendo V ou F conforme


sejam verdadeiras ou falsas, respectivamente:

( ) Na posição verão, a resistência do resistor do chuveiro torna-se menor, ocorrendo


uma menor oposição à passagem de cargas, aumentando a intensidade de corrente e,
consequentemente, maior a potência dissipada.

( ) Na posição verão, a potência dissipada no resistor deverá ser menor que na posição
inverno. Por isso, a resistência na posição verão é maior que a resistência na posição
inverno.

( ) Na posição verão, a resistência do resistor do chuveiro torna-se maior, ocorrendo


uma maior oposição à passagem de cargas, diminuindo a intensidade de corrente e.
consequentemente, menor a potência dissipada.

( ) Tanto na posição inverno quanto na posição verão a temperatura da água independe


da potência dissipada.

Assinale a alternativa que corresponde à sequência correta:

a) FVFF b) FVVF c) VFVF d


VFVV e) FFVF

43--(UEPB-PB-012)
282

Ainda acerca do assunto tratado no texto anterior, analise a seguinte situação-problema:

Um pai de família, preocupado cm economizar energia elétrica cm sua residência, se


propôs a determinar qual o consumo de energia relativo à utilização do chuveiro
elétrico, durante um mês (30 dias). Ele percebeu que cada um dos

quatro membros da família, todos os dias, fica em média como chuveiro ligado durante
l0 min.em seu banho. Sabendo quc o manual do fabricante informa que esse chuveiro
tem potência de 6500 W, o consumo de energia encontrado, em kWh, é:

a) 130 b)13 c)260 d) 36 e)


20

44-(UEPB-PB-012)

Em 1879 o cientista americano Thomas Alva I3dison (1847-1931) inventou a lâmpada


elétrica de filamentos que, quando percorridos por corrente elétrica, tornam-se
incandescentes, emitindo luz.

A limpada incandescente (figura abaixo) é constituída por um fio de tungstênio dentro


de uma cápsula de vidro
283

contendo um gás nobre, para evitar a combusta do metal incandescente, que ocorreria se
o fio estivesse exposto ao oxigênio do ar. (Adaptado dc Física. Módulo 9. Ensino
Médio. Sistema de Ensino Pueri Domus. São Paulo: Puen Domus. 2011)

Acerca do assunto tratado no texto, em relação à lâmpada elétrica incandescente, analise


as proposições a seguir.

1- Considere duas lâmpadas. A e B. idênticas. exceto por uma diferença: a lâmpada A


tem um filamento mais espesso que a lâmpada B. Ao ligarmos cada lâmpada a uma
tensão de 220 V, verifica-se que A brilhará mais, pois tem menor resistência.

11- Um eletricista possui duas lâmpadas incandescentes (100W. 120V). Ao ligar as


duas em série em uma tomada de 220V. observa-se que as lâmpadas irão queimar.

III- Ao ligar uma lâmpada incandescente (60W- 120V) em uma tomada de 120V, a
corrente elétrica que deverá circular pela lâmpada é de 1,0 A.

Após a análise feita, é (são) correta(s) apena(s) a(s) proposiçào(ôes):

a) I e II b) II c) l d) l e
III e) II e III

45-(PUC-SP-012)

No reservatório de um vaporizador elétrico são colocados 300g de água, cuja


temperatura inicial é 20oC. No interior desse reservatório encontra-se um resistor de
12Ω que é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade 10 A quando o aparelho
284

está em funcionamento. Considerando que toda energia elétrica é convertida em energia


térmica e é integralmente absorvida pela água, o tempo que o aparelho deve permanecer
ligado para vaporizar 1/3 da massa de água colocada no reservatório deve ser de

(A) 3 min 37s (B) 4 min 33s (C) 4 min 07s (D) 36 min
10s (E) 45 min 30s

46--(ENEM-MEC-011)

Em um manual de um chuveiro elétrico são encontradas informações sobre algumas


características técnicas, ilustradas no quadro, como a tensão de alimentação, a potência
dissipada, o dimensionamento do disjuntor ou fusível, e a área da seção transversal dos
condutores utilizados.

Uma pessoa adquiriu um chuveiro modelo A e, ao ler o manual, verificou que precisava
ligá-lo a um disjuntor de 50 ampres. No entanto, intrigou-se com o fato do disjuntor a
285

ser utilizado para uma correta instalação de um chuveiro B devia possuir uma
amperagem 40% menor.

Considerando-se os chuveiros de modelos A e B, funcionando à mesma potência de 4


400 W, a razão entre as suas respectivas resistências elétricas RA e RB, que justifica a
diferença de dimensionamento dos disjuntores, é mais próxima de

A. 0,3 B. 0,6 C. 0,8 D) 1,7


E) 3,0

Resistividade – Segunda Lei de Ohm

01-(UEFS-BA) Dois condutores metálicos, A e B de mesmo comprimento e


constituídos do mesmo material, possuem área de seção transversal respectivamente
igual a SA e SB e estão em equilíbrio térmico entre si. Pode-se afirmar que o condutor A
apresenta, em relação ao condutor B, igual:

a) massa b) resistividade elétrica c) resistência elétrica d)


condutividade elétrica

02-(UFC-CE) Duas lâmpadas, L1 e L2, são idênticas, exceto por uma diferença: a
lâmpada L1 tem um filamento mais

espesso que a lâmpada L2. Ao ligarmos cada lâmpada a uma tensão de 220 V,
observaremos que:

a) L1 e L‚ terão o mesmo brilho. b) L1 brilhará mais, pois tem


maior resistência.

c) L2 brilhará mais, pois tem maior resistência. d) L2 brilhará mais, pois tem
menor resistência.

e) L1 brilhará mais, pois tem menor resistência.

03-(UNITAU-SP) Um condutor de secção transversal constante e comprimento L tem


resistência elétrica R. Cortando-se o fio pela metade, sua resistência elétrica será igual
a:
286

a) 2R b) R/2 c) R/4 d) 4/R


e) R/3

04-(FGV-RJ)-Um fio de cobre tem um raio igual a r, uma resistência R e comprimento


L. Se o raio do fio for duplicado e o

comprimento reduzido à metade, o novo valor da resistência vale:

a) 4R b) R/4 c) R d) R/8
e) 8R

05-(UEL-PR) Para variar a potência dissipada por aparelhos tais como chuveiros,
aquecedores elétricos, lâmpadas incandescentes, são projetados resistores com
diferentes resistências elétricas. Em um projeto, um fio condutor de comprimento l e de
diâmetro da seção transversal D teve reduzidos à metade tanto o seu diâmetro quanto o
seu comprimento (conforme está representado na figura). O que acontecerá com a
resistência R' do novo fio, quando comparada à resistência R do fio original?

a) R/R’=1/4 b) R/R’=1/8 c) R/R’=1/2 d)


R/R’=4 e) R/R’=2

06-(UFSC) Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).

(01). Para a maioria dos metais a resistividade diminui quando há um aumento na


temperatura.

(02). Para um condutor ôhmico um aumento de tensão corresponde a um aumento


proporcional de corrente elétrica.
287

(04). Para dois condutores de mesmo material e mesmo comprimento, sendo que um
tem o dobro da área de seção do outro, teremos uma mesma intensidade de corrente se
aplicarmos a mesma tensão sobre ambos.

(08). A dissipação de energia por efeito Joule num resistor depende do sentido da
corrente e independe da tensão aplicada sobre ele.

(16). Ao se estabelecer uma corrente elétrica num fio metálico submetido a certa tensão
contínua, teremos prótons se movendo do pólo positivo ao negativo.

(32). Os metais geralmente são bons condutores de eletricidade e de calor.

07-(UFSM-RS) Dois fios condutores do mesmo material e do mesmo comprimento,


com seções retas de áreas A e 2A, submetidos

à mesma diferença de potencial e à mesma temperatura, dissipam, por efeito Joule,


respectivamente, as potências P1 e P2, com P1/P2 valendo:

a) 1/4. b) 1/2. c) 2. d)
4. e) 8.

08-(UESB-BA) Um condutor cilíndrico de comprimento L tem resistência elétrica R.


Sendo estirado até um comprimento 2L,

mantendo o mesmo volume, a resistência elétrica será igual a:

a) 4R. b) 2R. c) R. d) R/2. e) R/4.

09-(UECE-CE) O alemão Georg Simon Ohm (1787 – 1854) verificou


experimentalmente que a resistência elétrica de um objeto depende do material que o
constitui, das dimensões e de sua temperatura. Um condutor sólido cilíndrico tem raio
288

R e comprimento L. Outro condutor cilíndrico de mesmo material, comprimento L, e


raio R é oco ao longo de seu eixo. O raio interno é r. Estando os dois condutores à
mesma temperatura, a relação entre as resistências Rmaciço/Roco é:

a) (r2 – R2)/ r2 b) 1 – (r2/R2) c) r2/R2 d) (R - r


)2/R2

10-(UERJ-RJ) Considere dois cabos elétricos de mesmo material e com as seguintes


características:

Sabe-se que o peso do cabo 2 é o quádruplo do peso do cabo 1.

Calcule o valor da resistência elétrica R2.

11-(PUC-PR). Na figura abaixo, é mostrado um resistor de chuveiro com regulagem


para duas temperaturas.

O fabricante especifica que quando 220 volts forem aplicados entre os terminais A e B
do resistor sob fluxo contínuo de água, 5500 watts de potência elétrica serão
convertidos em calor, que aquecerá a água passando pelo resistor.

Analise as afirmativas:

I. Quando os 220 volts são aplicados entre os terminais A e C, a corrente elétrica no


resistor é menor e a água sai mais fria do chuveiro.

II. Quando os 220 volts são aplicados entre os terminais A e C, a potência elétrica
convertida em calor é maior e a água sai mais quente do chuveiro.
289

III. Quando a chave seletora de temperatura do chuveiro está na posição “morna”, os


220 volts estão aplicados nos terminais A e B. Com a chave na posição “quente”, os 220
volts estão aplicados nos terminais A e C.

Marque a alternativa que contêm todas e apenas as afirmações corretas.

A) I e III. B) Apenas II. C) Apenas I. D) Apenas


III. E) II e III.

12-(UNIFESP-SP) Você constrói três resistências elétricas, RA, RB e RC, com fios de
mesmo comprimento e com as seguintes características:

I. O fio de RA tem resistividade 1,0 . 10-6 Ω . m e diâmetro de 0,50 mm.

II. O fio de RB tem resistividade 1,2 . 10-6 Ω . m e diâmetro de 0,50 mm.

III. O fio de RC tem resistividade 1,5 . 10-6 Ω . m e diâmetro de 0,40 mm.

Pode-se afirmar que:

a) RA > RB > RC. b) RB > RA > RC. c) RB > RC > RA. d) RC > RA >
RB. e) RC > RB > RA.

13-(UNICAMP-SP)) O tamanho dos componentes eletrônicos vem diminuindo de


forma impressionante. Hoje podemos imaginar componentes formados por apenas
alguns átomos. Seria esta a última fronteira? A imagem a seguir mostra dois pedaços
microscópicos de ouro (manchas escuras) conectados por um fio formado somente por
três átomos de ouro. Esta imagem, obtida recentemente em um microscópio eletrônico
por pesquisadores do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, localizado em Campinas,
SP, demonstra que é possível atingir essa fronteira.

a) Calcule a resistência R desse fio microscópico, considerando-o como um cilindro


com três diâmetros atômicos de comprimento. Lembre-se de que, na Física tradicional,
a resistência de um cilindro é dada por: R=ρ.L/A, onde ρé a resistividade, L é o
comprimento do cilindro e A é a área da sua seção transversal. Considere a resistividade
do ouro ρ= 1,6.10-8 Ωm, o raio de um átomo de ouro 2,0.10-10 m e aproxime π=3,2.
290

b) Quando se aplica uma diferença de potencial de 0,1V nas extremidades desse fio
microscópico, mede-se uma corrente de 8,0.10-6A. Determine o valor experimental da
resistência do fio. A discrepância entre esse valor e aquele determinado anteriormente
deve-se ao fato de que as leis da Física do mundo macroscópico precisam ser
modificadas para descrever corretamente objetos de dimensão atômica.

14-(UFC-CE) Um pássaro pousa em um dos fios de uma linha de transmissão de


energia elétrica. O fio conduz uma corrente

elétrica i= 1000A e sua resistência, por unidade de comprimento, é de 5,0.10-5Ω/m. A


distância que separa os pés do pássaro, ao longo do fio, é de 6,0 cm. A diferença de
potencial, em milivolts (mV), entre os seus pés é:

a) 1,0. b) 2,0. c) 3,0. d) 4,0.


e) 5,0.

15-(UNICAMP-SP) Uma lâmpada incandescente (100W,120V) tem um filamento de


tungstênio de comprimento igual

31,4cm e diâmetro 4,0.10-2mm. A resistividade do tungstênio à temperatura ambiente é


de 5,6.10-8Ωm.

a) Qual a resistência do filamento quando ele está à temperatura ambiente?

b) Qual a resistência do tungstênio com a lâmpada acesa?

16-(UNIFESP-SP) A linha de transmissão que leva energia elétrica da caixa de relógio


até uma residência consiste de
291

dois fios de cobre com 10,0 m de comprimento e secção reta com área 4,0 mm2 cada
um. Considerando que a resistividade elétrica do cobre é ρ = 1,6.10-8 Ω.m,

a) calcule a resistência elétrica r de cada fio desse trecho do circuito.

b) Se a potência fornecida à residência for de 3.300 W a uma tensão de 110 V, calcule a


potência dissipada P nesse trecho do circuito.

17-(ITA-SP) Um resistor Rx é mergulhado num reservatório de óleo isolante. A fim de


estudar a variação da temperatura do reservatório, o circuito de uma ponte de
Wheatstone foi montado, conforme mostra a figura 1.

Sabe-se que Rx é um resistor de fio metálico de 10 m de comprimento, área da seção


transversal de 0,1 mm2, e resistividade elétrica ρo de 2,0 × 10-8 Ω m, a 20 °C. O
comportamento da resistividade ρ versus temperatura t é mostrado na figura 2. Sabendo-
se que o resistor Rx foi variado entre os valores de 10 Ω e 12 Ω para que o circuito
permanecesse em equilíbrio, determine a variação da temperatura nesse reservatório.

18-(UFF-RJ) Um dos hábitos de higiene que proporciona uma vida saudável é o banho
diário. Na possibilidade de se utilizar um

chuveiro elétrico, esse hábito pode se tornar desagradável quando, nos dias frios, a água
é pouco aquecida.
Para melhorar o aquecimento sem alterar o fluxo de água e a posição da chave seletora,
uma pessoa retira 1/6 do comprimento do resistor.
Considerando que a tensão nos terminais do chuveiro se mantém constante, é correto
afirmar que a razão entre as potências antes e após a redução do comprimento do
resistor é:

a) 6/1. b) 6/5. c) 1/6. d)


1/1. e) 5/6.
292

19- (MACKENZIE-SP) Um fio A tem resistência elétrica igual a duas vezes a


resistência elétrica de um outro fio B. Sabe-se que o fio A tem o dobro do comprimento
do fio B e sua seção transversal têm raio igual à metade do raio da seção transversal do
fio B. A relação ρA/ρB entre a resistividade do material do fio A e a resistividade do
material do fio B é:

a) 0,25. b) 0,50. c) 0,75. d)


1,25. e) 1,50.

20-(MACKENZIE-SP) Deseja-se alimentar a rede elétrica de uma casa localizada no


sítio ilustrada a seguir:

Em A, tem-se o ponto de entrada do sítio, que “recebe” a energia da rede pública e, em


B, o ponto de entrada da casa. Devido à irregularidades no terreno, as possibilidades de
linhas de transmissão de A até B apresentadas pelo eletricista foram a linha 1 (linha
pontilhada) e a 2 (linha cheia); porém, somente uma será instalada. Com uma mesma
demanda de energia, independentemente da opção escolhida e utilizando-se fio de
mesmo material, deseja-se que no ponto chegue a mesma intensidade de corrente
elétrica. Para que isso ocorra, o diâmetro do fio a ser utilizado na linha 1, deverá ser
igual:

a) ao diâmetro do fio utilizado na linha 2 b) a 0,6 vezes o diâmetro do fio


utilizado na linha 2

c) a 0,72 vezes o diâmetro do fio utilizado na linha 2 d) a 1,2 vezes o o diâmetro do


fio utilizado na linha 2

e) 1 1,44 vezes o diâmetro do fio utilizado na linha 2

21-(PUC-MG-09) Os chuveiros elétricos permitem alterar a temperatura da água sem


alterar o seu fluxo, fornecendo-lhe mais ou menos calor. Esses equipamentos possuem
uma chave seletora que altera o valor da resistência elétrica,
293

modificando-lhe o comprimento. Considere que, ao mover a chave seletora da posição


A para a posição B, o comprimento da resistência tenha sido reduzido em 20%.

Considerando-se que se mantiveram inalteradas as demais condições, é CORRETO


afirmar:

a) A temperatura da água não vai se alterar.

b) A potência do chuveiro aumentou 25% e a água sairá mais quente.

c) A potência irá diminuir 20% e a água sairá mais fria.

d) Não se pode fazer nenhuma previsão sem saber se o chuveiro opera com 110V ou
220V.

22-(UDESC-SC-09) A tabela a seguir fornece os comprimentos, as áreas da seção


transversal e as resistividades para fios de cinco materiais diferentes. A resistência
desses fios não depende da tensão aplicada.

A partir desses dados, indique a alternativa que contém o fio referente ao material que
transforma mais energia por unidade de tempo quando todos estão individualmente
submetidos à mesma diferença de potencial em suas extremidades.

a) C b) B c) A d) D e)
E

23-(UDESC-SC-09) A tabela a seguir apresenta algumas propriedades dos fios de cobre


comumente utilizados em circuitos e instalações elétricas.
294

Considerando que a resistividade do cobre a 20 °C é igual a 1,7 × 10-8 Ω m, e as


informações fornecidas na tabela acima, resolva as questões a seguir:

a) Calcule a resistência por unidade de comprimento de um fio de cobre de calibre 12.

b) Para a montagem de um circuito elétrico são necessários 10 m de fio de cobre. A


resistência máxima oferecida pelo fio não poderá ser maior do que 2,0 x 10-2 Ω para o
bom funcionamento do circuito. Determine qual o diâmetro mínimo de fio que pode ser
utilizado para a montagem do circuito e identifique qual o calibre do fio.

24-(UDESC-SC-010) Sobre as características de resistores exclusivamente ôhmicos,


analise:

I. a potência elétrica dissipada pelo resistor depende do valor da intensidade da corrente


elétrica que o atravessa;

II. a resistividade é uma característica do material do qual o resistor é feito, e quanto


maior for o valor da resistividade, mantidas as dimensões espaciais, menos condutor é
esse resistor;

III. a classificação como resistor ôhmico se dá pelo fato de que nesses resistores, os
valores da diferença de potencial aplicada e da intensidade de corrente elétrica quando
multiplicados, geram sempre um mesmo valor constante;

IV. A potência elétrica total de um circuito elétrico sob diferença de potencial não nula
e constituída apenas por resistores é igual à soma das potências dissipadas
individualmente em cada resistor, independentemente de como eles são associados.

Está correto apenas o contido em:

a) I e II b) I e III c) III e IV d) I, II e
IV e) II, III e IV

25- (UEPG-PR-010)
295

A respeito da resistência elétrica apresentada pelos condutores e de resistores elétricos,


assinale o que for correto.

01) Resistor é um dispositivo elétrico especialmente construído para impedir a


passagem da corrente elétrica.

02) Dobrando o comprimento de um condutor e mantendo a sua área de secção


transversal, sua resistência dobra, porém sua resistividade se reduz à metade.

04) Lâmpadas ligadas em série tem suas intensidades luminosas reduzidas à medida que
no circuito se acrescentam novas lâmpadas.

08) A resistência elétrica de um condutor depende de suas dimensões, da sua


condutividade e da sua temperatura.

26-(PUC-RS-010)

Durante um experimento realizado com um condutor que obedece à lei de Ohm,


observou-se que o seu comprimento dobrou, enquanto a área da sua secção transversal
foi reduzida à metade. Neste caso, se as demais condições experimentais permanecerem
296

inalteradas, pode-se afirmar que a resistência final do condutor, em relação à resistência


original, será

a) dividida por 4. b) quadruplicada. c) duplicada. d) dividida por


2. e) mantida.

27-(UFSCAR-SP-010)

As lâmpadas incandescentes foram inventadas há cerca de 140 anos, apresentando hoje


em dia praticamente as mesmas características físicas dos protótipos iniciais. Esses
importantes dispositivos elétricos da vida moderna constituem-se de um filamento
metálico envolto por uma cápsula de vidro. Quando o filamento é atravessado por uma
corrente elétrica, se aquece e passa a brilhar. Para evitar o desgaste do filamento
condutor, o interior da cápsula de vidro é preenchido com um gás inerte, como argônio
ou criptônio.

a) O gráfico apresenta o comportamento da resistividade do tungstênio em função da


temperatura. Considere uma lâmpada incandescente cujo filamento de tungstênio, em
funcionamento, possui uma seção transversal de 1,6.10-2 mm2 e comprimento de 2 m.
Calcule qual a resistência elétrica R do filamento de tungstênio quando a lâmpada está
operando a uma temperatura de

3 000 oC.
297

b) Faça uma estimativa da variação volumétrica do filamento de tungstênio quando a


lâmpada é desligada e o filamento atinge a temperatura ambiente de 20 oC. Explicite se
o material sofreu contração ou dilatação.

Dado: O coeficiente de dilatação volumétrica do tungstênio é 12.10-6 (ºC)-1.

28-(PUC-MG-010)

SUPERCONDUTIVIDADE

O termo supercondutividade se refere à capacidade que alguns materiais têm de


conduzir a corrente elétrica sem que ocorram perdas de energia na forma de calor.

O QUE FAZ UM CONDUTOR SER SUPER?

A história dos semicondutores já é quase centenária e começa em 1911 com o físico


Heike Kamerling Onnes, que observou o fenômeno no mercúrio resfriado a 4,2 K. Em
1995, compostos de cobre dopados com tálio exibiram o fenômeno da
supercondutividade a temperaturas de 138 K a pressões ambientes e até a temperaturas
de 164 K em altas pressões.

Em um condutor comum, os elétrons da corrente elétrica são continuamente espalhados


pelos íons metálicos do fio, perdendo energia, que aquece o fio, fenômeno conhecido
como efeito joule. Em um supercondutor, esses elétrons combinam-se e formam os
chamados pares de Cooper, unidos por uma interação atrativa, e movem-se sem haver
espalhamento.

(Texto adaptado de Scientific American Brasil, ano 8 numero 88, págs. 48-55.)

Considere uma linha de transmissão de energia elétrica em um fio condutor com


diâmetro de 2 cm e comprimento de 2000 m
298

percorrido por uma corrente de 1000 A. Se essa transmissão fosse feita através de um
supercondutor, a cada hora, seria evitada a perda de uma energia de, aproximadamente,
igual a:

Dado: ρ =1,57 x 10-8Ω.m

a) 3,6 x 108J b) 1,4 x 109J c) 7,2 x 108J


d) 8,5 x 1010J

29-(PUC-MG-010)

SUPERCONDUTIVIDADE

O termo supercondutividade se refere à capacidade que alguns materiais têm de


conduzir a corrente elétrica sem que ocorram perdas de energia na forma de calor.

O QUE FAZ UM CONDUTOR SER SUPER?

A história dos semicondutores já é quase centenária e começa em 1911 com o físico


Heike Kamerling Onnes, que observou o fenômeno no mercúrio resfriado a 4,2 K. Em
1995, compostos de cobre dopados com tálio exibiram o fenômeno da
supercondutividade a temperaturas de 138 K a pressões ambientes e até a temperaturas
de 164 K em altas pressões.

Em um condutor comum, os elétrons da corrente elétrica são continuamente espalhados


pelos íons metálicos do fio, perdendo energia, que aquece o fio, fenômeno conhecido
como efeito joule. Em um supercondutor, esses elétrons combinam-se e formam os
chamados pares de Cooper, unidos por uma interação atrativa, e movem-se sem haver
espalhamento.

(Texto adaptado de Scientific American Brasil, ano 8 numero 88, págs. 48-55.)

Essa energia perdida seria capaz de aquecer até 100ºC, aproximadamente quantos
quilogramas de água inicialmente a 28 ºC?

Dado: c = 4200 J/kg.oC


299

a) 3,5 x 103kg b) 1,2 x 103 kg c) 4,5 x 105 Kg


d) 1,0 x 106kg

30-(ENEM-MEC-010) A resistência elétrica e as dimensões do condutor

A relação da resistência elétrica com as dimensões do condutor foi estudada por um


grupo de cientistas por meio de vários experimentos de eletricidade. Eles verificaram
que existe proporcionalidade entre: resistência (R) e comprimento (ℓ), dada a mesma
secção transversal (A); resistência (R) e área da secção transversal (A), dado o mesmo
comprimento (ℓ) e

comprimento (ℓ) e área da secção transversal (A), dada a mesma resistência (R).

Considerando os resistores como fios, pode-se exemplificar o estudo das grandezas que
influem na resistência elétrica utilizando as figuras seguintes.

As figuras mostram que as proporcionalidades existentes entre resistência (R) e


comprimento (ℓ), resistência (R) e

área da secção transversal (A), e entre comprimento (ℓ) e área da secção transversal (A)
são, respectivamente,

a) direta, direta e direta. b) direta, direta e inversa. c) direta, inversa e


direta. d) inversa, direta e direta.

e) inversa, direta e inversa.

31-(UFU-MG- 011)
300

Um fio de comprimento e possui uma dada resistividade elétrica. Quando esse fio é
conectado nos terminais de uma bateria, ele é percorrido por uma corrente i. O fio é
cortado ao meio e colocado em paralelo nos terminais da mesma bateria.

A corrente que circula por cada metade do fio, nesse caso, será de:

a) 2i b) 3i c) 4i
d) 8i

32-(ITA-SP-011)

Um fio condutor é derretido quando o calor gerado pela corrente que passa por ele se
mantém maior que o calor perdido pela superfície do fio (desprezando a condução de
calor pelos contatos). Dado que uma corrente de 1 A é a mínima necessária para
301

derreter um fio de seção transversal circular de 1 mm de raio e 1 cm de comprimento,


determine a corrente mínima necessária para derreter um outro fio da mesma substância
com seção transversal circular de 4 mm de raio e 4 cm de comprimento.

a) 1/8 A b) 1/4 A c) 1 A d) 4
A e) 8 A

Associações de Resistores
01-(UNESP-SP) A figura representa uma associação de três resistores, todos com a
mesma resistência R.

a) Denominando UAB e UBC, respectivamente, as tensões entre A e B e B e C, quando a


associação está ligada a uma bateria, determine a razão UBC/UAB

b) Sabendo que a potência dissipada no resistor colocado entre B e C é igual a 1,2W,


determine a potência dissipada em cada um dos outros dois resistores.

02-(MACKENZIE-SP) No trecho de circuito a seguir, L1 e L2 são lâmpadas de valores


nominais (80W,20V) e (36W,12V), respectivamente:

Determine o valor da resistência R que faz L2 ter brilho normal. Suponha L1 operando
conforme as especificações.

03-(FATEC-SP) No circuito elétrico representado no esquema abaixo, a corrente no


resistor de 6Ω é de 4A e no de 12Ω é de 2A.
302

Nessas condições, a resistência do resistor R e a tensão U aplicada entre os pontos C e


D valem, respectivamente:

a) 6 Ω e 42V b) 2 Ω e 36V c) 12 Ω e 18V d) 8 Ω e


5V e) 9 Ω e 72V

04-(ITA-SP) Determine a intensidade da corrente que atravessa o resistor R2 da figura,


quando a tensão entre os pontos P e Q for igual a V e as resistências R1, R2 e R3 forem
iguais a R.

a) V/R b) V/(3R) c) 3V/R d)


2V/3R e) 4V/5R

05-(UFMA) A figura abaixo representa um circuito elétrico formado por associação de


resistores, alimentados através de uma

bateria de 12V. Determine a potência dissipada pelo resistor de 9Ω.

06-(UNICAMP-SP) Algumas residências recebem três fios da rede de energia elétrica,


sendo dois fios correspondentes às fases e o terceiro ao neutro. Os equipamentos
existentes nas residências são projetados para serem ligados entre uma fase e o neutro
(por exemplo, uma lâmpada) ou entre duas fases (por exemplo, um chuveiro). Considere
303

o circuito abaixo, que representa, de forma muito simplificada, uma instalação elétrica
residencial.

As fases são representadas por fontes de tensão em corrente contínua e os


equipamentos, representados por resistências. Apesar de simplificado, o circuito pode
dar uma idéia das conseqüências de uma eventual ruptura do fio neutro. Considere que
todos os equipamentos estejam ligados ao mesmo tempo.

a) Calcule a corrente que circula pelo chuveiro.

b) Qual é o consumo de energia elétrica da residência em kWh durante quinze minutos?

c) Considerando que os equipamentos se queimam quando operam com uma potência


10% acima da nominal (indicada na figura), determine quais serão os equipamentos
queimados caso o fio neutro se rompa no ponto A.

07-(UEL-PR) A corrente elétrica i1, indicada no circuito representado no esquema


abaixo, vale 3,0 A.

De acordo com as outras indicações do esquema, a diferença de potencial entre os


pontos X e Y, em volts, vale:

a) 4,0 b) 7,2 c) 24 d)
44 e) 72

08-(Olimpíada Brasileira de Física) Uma corrente de 0,10A passa pelo resistor de 25Ω,
conforme indicado na figura abaixo.
304

Qual é a corrente que passa pelo resistor de 80Ω?

a) 0,10 A b) 0,20 A c) 0,30 A d)


0,40 A e) 0,50 A

09-(UNESP-SP) Um circuito com 3 resistores iguais é submetido a uma diferença de


potencial V entre os pontos A e C, conforme mostra a figura.

A diferença de potencial que se estabelece entre os pontos A e B é

a) V/4 b) V/3 c) V/2 d) 2/3 V e)


3/2 V

10-(MACKENZIE-SP) No circuito a seguir, tem-se uma associação de lâmpadas


idênticas, um amperímetro e um gerador elétrico, ambos considerados ideais.

Quando a chave K está aberta, o amperímetro indica uma intensidade de corrente


elétrica i. Se fecharmos a chave K, o amperímetro indicará uma intensidade de corrente
elétrica

a) 0,4 i b) 0,6 i c) 1,2 i d) 2,5 i


e) 5,0 i
305

11-(FGV-SP) O circuito elétrico representado foi construído a partir de resistores de


mesma resistência elétrica R.

Supondo o gerador E ideal, a corrente elétrica total, i, fornecida ao circuito, é

a) i = 0 b) i = (4E)/R c) i = 4RE d) i =
E/(8R) e) i = (2R)/E

12-(PUC-RS) Um eletricista tem uma tarefa para resolver: precisa instalar três
lâmpadas, cujas especificações são 60W e 110V, em uma residência onde a tensão é
220V.

A figura a seguir representa os três esquemas considerados por ele.

Analisando os elementos da figura, é correto concluir que, no esquema

a) 1, todas as lâmpadas queimarão. b) 2, duas lâmpadas queimarão, e a outra terá


seu brilho diminuído. c) 3, todas as lâmpadas terão seu brilho diminuído. d)
1, só uma das lâmpadas queimará, e as outras não acenderão. e) 2, duas
lâmpadas exibirão brilho normal.

13-(PUC-SP) A figura a seguir representa um circuito elétrico no qual há

- um gerador (G) ideal, de força eletromotriz 48 V

- um resistor R2, de resistência elétrica 6Ω

- um resistor R3, de resistência elétrica 8Ω

- um resistor R4 e um resistor R1 ambos com mesmo valor de resistência.


306

Se a diferença de potencial entre os pontos A e B é igual a 24 V, a resistência do resistor


R1 é dada, em ohms, por um número

a) menor do que 3. b) entre 3 e 6. c) entre 6 e 9. d) entre 9 e 12. e)


maior do que 12.

14-(CFT-MG) A figura seguinte representa um circuito elétrico composto por uma fonte
ideal e três resistores.

Quando a corrente elétrica que passa no resistor de 2Ω é de 6 A, a potência dissipada


pelo resistor de 6 Ω, em watts, é igual a:

a) 216. b) 96. c) 36. d)


24. e) 48

15-(ITA-SP) No circuito representado na figura, têm-se duas lâmpadas incandescentes


idênticas, L1 e L2 , e três fontes idênticas, de mesma tensão V. Então, quando a chave é
fechada,

a) apagam-se as duas lâmpadas.

b) o brilho da L1 aumenta e o da L2 permanece o mesmo.


307

c) o brilho da L2 aumenta e o da L1 permanece o mesmo.

d) o brilho das duas lâmpadas aumenta.

e) o brilho das duas lâmpadas permanece o mesmo.

16-(UNESP-SP) Um circuito contendo quatro resistores é alimentado por uma fonte de


tensão, conforme figura.

Calcule o valor da resistência R, sabendo-se que o potencial eletrostático em A é igual


ao potencial em B.

17-(UFC) Considere o circuito mostrado na figura a seguir.

Assinale a alternativa que contém, respectivamente, os valores da resistência R e da


diferença de potencial entre os pontos a e b, sabendo que a potência dissipada no
resistor de 5Ω é igual a 45W.

a) 1 Ω e 5 V. b) 5 Ω e 15 V. c) 10 Ω e 15 V.
d) 10 Ω e 30 V. e) 15 Ω e 45 V.

18-(UFRJ-RJ-09) Uma bateria ideal de força eletromotriz ε está ligada a um circuito


como ilustra a figura a seguir.
308

Calcule a diferença de potencial VA – VB entre os pontos terminais A e B em função de


ε.

19-(UFRJ-RJ-09) Um aluno dispõe de três lâmpadas e uma fonte de tensão para montar
um circuito no qual as lâmpadas funcionem de acordo com as especificações do
fabricante. As características dos elementos do circuito e os símbolos a eles atribuídos
são:

- lâmpada 1: 100V, 40W e símbolo (figura 1)

- lâmpada 2: 100V, 40W e símbolo (figura 2)

- lâmpada 3: 200V, 40W e símbolo (figura 3)

- fonte de tensão: 200V, considerada ideal, e símbolo (figura 4).

Indique, por meio de um desenho, como o aluno deve montar o circuito e calcule, nesse
caso, a potência total que as três lâmpadas consumirão.

20-(UERJ-RJ-09) Alguns animais, como o peixe elétrico, conseguem gerar corrente


elétrica pela simples migração de íons de metais alcalinos através de uma membrana. O
órgão elétrico desse peixe é formado por células chamadas de eletroplacas, que são
similares às musculares, mas não se contraem. Essas células são discos achatados, nos
quais uma das superfícies é inervada por terminações nervosas colinérgicas. Quando
estimuladas, apenas a superfície inervada é despolarizada. Milhares de eletroplacas
empilham-se em série formando conjuntos que, por sua vez, se dispõem em paralelo.

O esquema a seguir, representando esses conjuntos, detalha também a estrutura básica


da eletroplaca e mostra os potenciais de repouso da membrana e a sua inversão na face
inervada, quando o nervo é estimulado.
309

Admita as seguintes condições:

- cada conjunto de eletroplacas em série é formado por 5000 células e existem 5 desses
conjuntos em paralelo;

- esses 5 conjuntos em paralelo podem gerar uma intensidade total de corrente elétrica
igual a 0,5 A.

Nesse caso, a potência máxima, em watts, que cada conjunto pode fornecer é igual a:

a) 50 b) 75 c) 150 d)
750 e) 550

21-(PUC-RJ-09) Montaremos um circuito elétrico como na figura.

Quatro resistores (R1 = 8,0 kΩ, R2 = 8,0 kΩ, R3 = 4,0 kΩ, R4 = 4,0 kΩ,) estão ligados
por condutores sem resistência a uma bateria de V = 24 V. Os interruptores I1 e I2
podem estar abertos (A) ou fechados (F). Calcule a corrente que passa por R4 (resistor
4) para os casos em que (I1,I2) são:

a) (A,A)
310

b) (F,A)

22-(ITA-SP-09) Considere um circuito constituído por um gerador de tensão E = 122,4


V, pelo qual passa uma corrente I = 12 A, ligado a uma linha de transmissão com
condutores de resistência r = 0,1Ω.

Nessa linha encontram-se um motor e uma carga de 5 lâmpadas idênticas, cada qual
com resistência R = 99 Ω, ligadas em paralelo, de acordo com a figura. Determinar a
potência absorvida pelo motor, PM, pelas lâmpadas, PL, e a dissipada na rede, PR.

23-(UNIFESP-SP-09) Em um enfeite de Natal alimentado com tensão de 110 V, há 5


lâmpadas idênticas ligadas em paralelo, todas acesas, e os fios de ligação apresentam
resistência elétrica de 1,0 Ω. O circuito elétrico correspondente a esta situação está
esquematizado na figura, na qual as lâmpadas estão representadas pela sua resistência
equivalente Re.

Considerando que o amperímetro ideal registra uma corrente de 2,2 A, calcule:

a) O valor da resistência elétrica de cada lâmpada.

b) A energia dissipada em 30 dias pelos fios de ligação, em Wh, se as lâmpadas ficarem


acesas por 5 horas diárias.

24-(UFRN-RN) Para montar um circuito elétrico, você dispõe de uma bateria de


automóvel de 12 V e de quatro lâmpadas

incandescentes, sendo duas do tipo L1 e duas do tipo L2, com as especificações


nominais indicadas na figura abaixo
311

Com base no exposto, atenda às solicitações abaixo.

a) Na figura inserida no espaço destinado à resposta, está representada a montagem


incompleta de um circuito.

Complete tal montagem inserindo corretamente as quatro lâmpadas, de forma que elas
fiquem acesas em suas especificações nominais.

b) Determine a corrente fornecida pela bateria após a montagem do circuito.

25-(UNESP-SP) Uma rede elétrica de 110V alimenta o circuito dado na figura, formado
por um aquecedor de água A (1 100W -

110V) e quatro outros aparelhos elétricos idênticos, cujas resistências são iguais a 44Ω .

Determine:

a) a corrente no aquecedor;

b) a potência elétrica total consumida pelo circuito.

26-(UNICAMP-SP) O diagrama abaixo representa um circuito simplificado de uma


torradeira elétrica que funciona com uma
312

tensão U = 120V.

Um conjunto de resistores RT = 20Ω é responsável pelo aquecimento das torradas e um


cronômetro determina o tempo durante o qual a torradeira permanece ligada

a) Qual é a corrente que circula em cada resistor RT quando a torradeira está em


funcionamento?

b) Sabendo-se que essa torradeira leva 50 segundos para preparar uma torrada, qual é a
energia elétrica total consumida

no preparo dessa torrada?

c) O preparo da torrada só depende da energia elétrica total dissipada nos resistores. Se


a torradeira funcionasse

com dois resistores RT de cada lado da torrada, qual seria o novo tempo de preparo da
torrada?

27-(UFABC-SP) Brincando com resistores, um estudante monta o bonequinho


esquematizado.

Enquanto uma das mãos do boneco toca o pólo positivo de uma pilha de 1,5 V, os pés
mantêm contato com uma placa metálica condutora onde o outro pólo da pilha está
encostado. Como conseqüência, a lâmpada se acende. Se a lâmpada e os três resistores

utilizados têm resistências iguais e de valor 2,0Ω, a potência elétrica dissipada pela
lâmpada em funcionamento é, em W,
313

a) 0,03. b) 0,09. c) 0,18. d)


0,30. e) 0,90.

28-(MACKENZIE-SP-010) As três lâmpadas, L1, L2 e L3, ilustradas na figura abaixo,


são idênticas e apresentam as seguintes informações nominais: 0,5W – 6V. Se a
diferença de potencial elétrico entre os terminais A e B for 12V, para que essas
lâmpadas possam ser associadas de acordo com a figura e “operando” segundo suas
especificações de fábrica, pode-se associar a elas o resistor de resistência elétrica R,
igual a:

a) 6 Ω b) 12 Ω c) 18 Ω d) 24
Ω e) 30 Ω

29-(UNICAMP-SP-010) Telas de visualização sensíveis ao toque são muito práticas e


cada vez mais utilizadas em aparelhos celulares, computadores e caixas eletrônicos.
Uma tecnologia frequentemente usada é a das telas resistivas, em que duas camadas
condutoras transparentes são separadas por pontos isolantes que impedem o contato
elétrico.

a) O contato elétrico entre as camadas é estabelecido quando o dedo exerce uma força
de intensidade F sobre a tela, conforme mostra a figura abaixo.

A área de contato da ponta de um dedo é igual a A=0,25cm2. Baseado na sua


experiência cotidiana estime o módulo da força exercida por um dedo em uma tela ou
teclado convencional, e em seguida calcule a pressão exercida pelo dedo. Caso julgue
necessário, use o peso de objetos conhecidos como guia para sua estimativa.

b) O circuito simplificado da figura no espaço de resposta ilustra como é feita a


detecção da posição do toque em telas resistivas. Uma bateria oferece uma diferença de
potencial U=6V ao circuito de resistores idênticos de R=2KΩ.
314

Se o contato elétrico for estabelecido apenas na posição representada pela chave A,


calcule a diferença de potencial entre C e D do circuito.

30-(UERJ-RJ-010) Três lâmpadas, L1, L2 e L3, com as mesmas características, são


ligadas a uma fonte ideal de tensão, dispostas

em três diferentes arranjos: A alternativa que indica a ordenação adequada das potências
consumidas pelos arranjos é:

a) PI > PIII > PII b) PI > PII > PIII c) PIII > PII >
PI d) PIII > PI > PII

31-(FMJ-SP-010)

No circuito mostrado, o gerador e os fios de ligação são ideais, e os resistores R1, R2 e


R3 são ôhmicos e têm a mesma resistência
315

elétrica. Sabendo que o resistor R1 dissipa 100 W de potência, pode-se afirmar que o
resistor R2 dissipa, em W, uma potência igual a

a) 10. b) 25. c) 50. d)


75. e) 100.

32-(PUC- RJ-010) Em um laboratório de eletromagnetismo, uma aluna se prepara para


realizar um experimento com resistores. Ela observa um arranjo montado em sua
bancada como na figura abaixo. Os resistores têm resistências R = 10 kW; 2R = 20 kW;
e 3R = 30 kW. Ela tem que colocar um quarto resistor de resistência 4 R = 40 kW,
encaixando-o em dois dos três terminais (A, B ou C).

a) Calcule a corrente e a potência dissipada no circuito quando ela escolhe A e B.

b) Indique o valor da corrente se ela escolher B e C.

c) Calcule a corrente e a potência dissipada no caso de escolher A e C.

33-(MACKENZIE-SP-010) As três lâmpadas, L1, L2 e L3, ilustradas na figura a seguir,


são idênticas e apresentam as seguintes informações nominais: 0,5 W - 6,0 V. Se a
diferença de potencial elétrico entre os terminais A e B for 12 V, para que essas
316

lâmpadas possam ser associadas de acordo com a figura e “operando” segundo suas
especificações de fábrica, pode-se associar a elas o resistor de resistência elétrica R
igual a

a) 6 Ω b) 12 Ω c) 18 Ω d) 24
Ω e) 30 Ω

34-(ACAFE-SC-010)

Na associação de resistores (figura abaixo), R1 = 8 W, R2 = 12 W e R3 = 1,2 W, onde V


= 24 V.

Considerando o enunciado e a figura, assinale a alternativa correta.

a) A intensidade de corrente no resistor R3 é de 6 A.


317

b) A voltagem no resistor R2 é 16 V.

c) A intensidade de corrente no resistor R1 é 2,4 A.

d) O resistor equivalente da associação vale 5 W(ohms).

35-(UFSC-SC-011) Nos circuitos abaixo, A e B são duas lâmpadas cujos filamentos


têm resistências iguais; R é a resistência de outro dispositivo elétrico; ε é uma bateria de
resistência elétrica desprezível; e I é um interruptor aberto.

Sabendo-se que o brilho das lâmpadas cresce quando a intensidade da corrente elétrica
aumenta, é CORRETO afirmar que:

01. no circuito 1, a lâmpada A brilha mais do que a B.

02. no circuito 2, as lâmpadas A e B têm o mesmo brilho.

04. no circuito 3, uma das lâmpadas brilha mais do que a outra.

08. no circuito 4, a lâmpada B brilha mais do que a A.

16. no circuito 5, se o interruptor I for fechado, aumenta o brilho da lâmpada B.

36-(MACKENZIE-SP-011) Em uma experiência no laboratório de eletricidade, um


aluno verificou, no circuito abaixo, que a intensidade de corrente no resistor de 3 Ω é
0,4 A. Sabendo que a fem do gerador é 4,5 V, esse aluno pode, corretamente, afirmar

que a resistência interna desse gerador é


318

a) 0,5 Ω b) 0,4 Ω c) 0,3 Ω d) 0,2


Ω e) 0,1 Ω

37-(UFRN-RN-011)

No mundo atual, é muito difícil viver sem a eletricidade e seus benefícios. No entanto, o
seu uso adequado envolve o domínio técnico associado a conceitos e princípios físicos.
Neste sentido, considere um ramo de um circuito residencial montado por estudantes em
uma aula prática de eletricidade, composto pelos seguintes elementos : um disjuntor
(D), uma lâmpada (L), um interruptor (I), o fio neutro e o fio fase.

O circuito que está corretamente montado é o representado pela opção

38-(UNESP-SP-011)
319

Três resistores, de resistências elétricas R1, R2 e R3, um gerador G e uma lâmpada L são
interligados, podendo formar diversos circuitos elétricos.

Num primeiro experimento, foi aplicada uma tensão variável V aos terminais de cada
resistor e foi medida a corrente i que o percorria, em função da tensão aplicada. Os
resultados das medições estão apresentados no gráfico, para os três resistores.

Considere agora os circuitos elétricos das alternativas abaixo. Em nenhum deles a


lâmpada L queimou. A alternativa que representa a situação em que a lâmpada acende
com maior brilho é

39-(UNICAMP-SP-011) Quando dois metais são colocados em contato formando uma


junção, surge entre eles uma diferença de potencial elétrico que depende da temperatura
da junção.

a) Uma aplicação usual desse efeito é a medição de temperatura através da leitura da


diferença de potencial da junção. A vantagem desse tipo de termômetro, conhecido
como termopar, é o seu baixo custo e a ampla faixa de valores de temperatura que ele
pode medir. O gráfico abaixo mostra a diferença de potencial U na junção em função da
temperatura para um termopar conhecido como Cromel-Alumel. Considere um balão
fechado que contém um gás ideal cuja temperatura é medida por um termopar Cromel
Alumel em contato térmico com o balão. Inicialmente o termopar indica que a
temperatura do gás no balão é Ti = 300K . Se o balão tiver seu volume quadruplicado e
320

a pressão do gás for reduzida por um fator 3, qual será a variação ∆U = Ufinal – Uinicial da
diferença de potencial na junção do termopar?

b) Outra aplicação importante do mesmo efeito é o refrigerador Peltier. Neste caso, dois
metais são montados como mostra a figura abaixo.

A corrente que flui pelo anel é responsável por transferir o calor de uma junção para a
outra. Considere que um Peltier é usado para refrigerar o circuito abaixo, e que este
consegue drenar 10% da potência total dissipada pelo circuito. Dados R1 = 0,3Ω_, R2 =
0,4 Ω _, R3 = 1,2 Ω , qual é a corrente ic que circula no circuito, sabendo que o Peltier
drena uma quantidade de calor Q = 540J em ∆t = 40 s?

40-(UNEMAT-MT-011)

Na associação de resistores abaixo, o circuito é submetido a uma diferença de potencial


V, entre os pontos A e B, igual a:
321

a) V b) V/9 c) 9V/5
d) 5V/9 e) 9V

41-(FGV-SP-011)

Um barco de pesca era o mais iluminado do porto

Em cada cabresto, o pescador distribuiu 5 lâmpadas, todas idênticas e ligadas em série,


conectando os extremos dessas ligações à bateria de 12 V da embarcação, segundo a
configuração esquematizada.
322

Quando acesas todas essas lâmpadas, uma potência de 100 W era requisitada da bateria.
Supondo que o fio utilizado nas conexões tenha resistência elétrica desprezível, a
corrente elétrica que atravessava uma lâmpada do circuito é, aproximadamente,

a) 2,4 A. b) 2,1 A. c) 1,7 A. d)


1,5 A. e) 0,4 A.

Geradores
01-(UNESP-SP) Dois resistores, um de 20Ω e outro de resistência R desconhecida,
estão ligados em série a uma bateria de 6,0V e resistência interna desprezível, como
mostra a figura.

Se a corrente no circuito é 0,1 A, o valor da resistência R, em ohms, é:

a) 20 b) 30 c) 40 d)
50 e) 60

02-(FUVEST-SP) No circuito as lâmpadas L1, L2 e L3 são idênticas com resistores de


30 ohms cada. A força eletromotriz vale 18V e C é uma chave que está inicialmente
fechada..

a) Qual a corrente que passa por L2?


323

b) Abrindo-se a chave C, o que acontece com o brilho da lâmpada L1? Justifique.

03-(FUVEST-SP) No circuito representado na figura, G é um gerador de força


eletromotriz igual a 12 volts e resistência interna desprezível.

Calcule a diferença de potencial, em volts, entre A e B, quando:

a) a chave C está aberta

b) a chave C está fechada

04-(UNESP-SP) Na figura, temos um circuito onde R1 e R2 são resistores fixos e R3 é


um resistor variável (reostato). A força eletromotriz é de 1,2V. Os valores de R1 e R2
são,

respectivamente, 2,0Ω e 3,0Ω, enquanto que R3 pode variar de 0,0Ω a 6,0Ω. Entre que
valores a diferença de potencial entre A e B pode variar? Justifique.

05-(UFSCAR-SP) No circuito da figura, os potenciais nos pontos A e C valem,


respectivamente:
324

a) 2V e -1V b) 4V e 6V c) 12V e -8V


d) 8V e -4V e) 16V e -16V

06-(UFRJ-RJ) No circuito da figura, o gerador tem força eletromotriz 12V e resistência


interna desprezível. Liga-se o ponto A a terra. O potencial do terminal negativo do
gerador é:

a) -12V b) 3V c) -9V d) -
3V e) 2V

07-(FUVEST-SP) O esquema mostra três fios ligados a uma fonte, entre os quais se
ligam algumas lâmpadas iguais:

a) Qual a tensão aplicada às lâmpadas quando o fio neutro está ligado?

b) Se o fio neutro quebrar no ponto P, qual a tensão que será aplicada às duas lâmpadas
de baixo?
325

08-(UFMA) A figura representa um circuito elétrico formado por uma associação de


resistores, alimentados através de uma bateria de 12V e resistência interna 0,1Ω.

Determine a potência dissipada pelo resistor de 9Ω

09-(UFF-RJ) Uma bateria B, de força eletromotriz ε=12V e resistência interna r


desconhecida, é conectada a um circuito elétrico que contém um resistor de resistência
R=3,5Ω e uma chave S.

Com o resistor imerso em 240g de água, a chave S é ligada, permitindo que o circuito
seja atravessado por uma corrente elétrica de intensidade igual a 3,0 A. considerando
que não há dissipação de energia nos fios de ligação e que a energia liberada no resistor
é utilizada integralmente para aquecer a água, determine: (calor específico da água
c=1cal/goC;1,0J=0,24cal).

a) a resistência interna da bateria

b) a ddp nos terminais da bateria

c) a potência útil e a eficiência do gerador

d) a energia absorvida pela água durante os 10 minutos que sucedem a ligação de S.

e) a variação de temperatura da água 10 minutos após S ser ligada


326

10-(UFPE-PE) No circuito a seguir qual o valor da força eletromotriz ε, em volts, se a


corrente fornecida pela bateria for igual a

9,0 A? Considere desprezível a resistência interna da bateria.

11-. (Mackenzie-SP) Três pequenas lâmpadas idênticas, cada uma com a inscrição
nominal (0,5W - 1,0V), são ligadas em série, conforme o circuito a seguir. Com a chave
aberta, a corrente que passa pelas lâmpadas tem intensidade de 300mA

. Com a chave fechada, a nova intensidade de corrente pelas lâmpadas será:

a)187,5mA b) 375mA c) 400mA d)


525mA e) 700mA

12- (Mackenzie-SP) Quando a intensidade de corrente elétrica que passa no gerador do


circuito elétrico a seguir é 2,0A, o rendimento do mesmo é de 80%. A resistência
interna desse gerador vale:

a) 1,.0 Ω b) 1,5 Ω c) 2,0 Ω d) 2,5


Ω e) 3,0 Ω
327

13-(ITA-SP) No circuito representado na figura, têm-se duas lâmpadas incandescentes


idênticas, L1 e L2 , e três fontes idênticas, de mesma tensão V. Então, quando a chave é
fechada,

a) apagam-se as duas lâmpadas. b) o brilho da L1 aumenta e o da L2 permanece o


mesmo. c) o brilho da L2 aumenta e o da L1 permanece o mesmo.

d) o brilho das duas lâmpadas aumenta. e) o brilho das duas lâmpadas permanece
o mesmo.

14-(UERJ-RJ) Uma lanterna funciona com duas pilhas iguais de 1,5 V ligadas em série
e uma lâmpada que consome 0,6 W quando submetida a uma tensão de 3 V. Ao
ligarmos a lanterna,

a tensão aplicada sobre a lâmpada vale 2,5 V.

A resistência interna, em ohms, de cada pilha, tem o valor de:

a) 1,5 b) 1,8 c) 3,0 d)


5,0 e) 0,8

15-(UFRS-RS) O circuito a seguir representa três pilhas ideais de 1, 5 V cada uma, um


resistor R de resistência elétrica 1, 0 Ω e um motor, todos ligados em série.

(Considere desprezível a resistência elétrica dos fios de ligação do circuito.)


328

A tensão entre os terminais A e B do motor é 4, 0 V. Qual é a potência elétrica


consumida pelo motor?

a) 0, 5 W. b) 1, 0 W. c) 1, 5
W. d) 2, 0 W e) 2, 5 W.

16-. (FGV-SP) Capaz de cozer salsichas em apenas 20s, este eletrodoméstico é um


verdadeiro eletrocutador. Como uma salsicha tem em média resistência elétrica de
440KΩ. a passagem da corrente elétrica através dela envolve dissipação de calor,
cozinhando-a.

A energia empregada para preparar 6 salsichas é, em J, aproximadamente

a) 1,5 b) 2,5 c) 3,5 d)


5,5 e) 7,5

17-(FUVEST-SP) Uma jovem, para aquecer uma certa quantidade de massa M de água,
utiliza, inicialmente, um filamento enrolado, cuja resistência elétrica Ro é igual a 12 Ω,
ligado a uma fonte de 120 V (situação I).

Desejando aquecer a água em dois recipientes, coloca, em cada um, metade da massa
total de água (M/2), para que sejam aquecidos por resistências R1 e R2, ligadas à mesma
fonte (situação II). A jovem obtém essas duas resistências, cortando o filamento inicial
em partes não iguais, pois deseja que R1 aqueça a água com duas vezes mais potência
queR2. Para analisar essas situações:
329

a) Estime a potência Po, em watts, que é fornecida à massa total de água, na situação I.

b) Determine os valores de R1 e R2, em ohms, para que no recipiente onde está R1 a


água receba duas vezes mais potência do que no recipiente onde está R2, na situação II.

c) Estime a razão P/Po, que expressa quantas vezes mais potência é fornecida na
situação II (P), ao conjunto dos dois recipientes, em relação à situação I (Po).

18-(UFLA-MG) No circuito elétrico abaixo E é uma fonte de tensão contínua variável.


Pede-se:

a) A tensão fornecida pela fonte de tensão contínua variável E, de forma que a tensão
entre os pontos X e Y seja de 16V.

b) Ajustando-se a fonte E para 240V, qual será a tensão entre os pontos X e Y?

19-(MACKENZIE-SP-09) Quando as lâmpadas L1, L2 e L3 estão ligadas ao gerador de


f.e.m.ε, conforme mostra a figura ao lado, dissipam, respectivamente, as potências 1,00
W, 2,00 W e 2,00 W, por efeito Joule.
330

Nessas condições, se a corrente na lâmpada l3 é de 500 mA, a força eletromotriz do


gerador é de:

a) 2,25 V b) 3,50 V c) 3,75


V d) 4,00 V e) 4,25 V

20-(MACKENZIE-SP-09) No laboratório de Física, um aluno observou que ao fechar a


chave ch do circuito a seguir, o valor da tensão nos terminais do gerador passa a ser 3
vezes menor. Analisando esse fato, o aluno determinou que a resistência interna do
gerador vale:

a) 4 Ω b) 6 Ω c) 8 Ω d) 10
Ω ---e) 12 Ω

21-(UFRJ-RJ-09) Uma bateria ideal de força eletromotriz ε está ligada a um circuito


como ilustra a figura a seguir.

Calcule a diferença de potencial VA – VB entre os pontos terminais A e B em função de


ε.
331

22-(CEFET-MG-010) A chave S, a bateria ideal de fem E e as três lâmpadas idênticas,


L1, L2 e L3 estão ligadas conforme o circuito elétrico abaixo.

Quando a chave S é fechada, a(s)

a) lâmpadas L1, L2 e L3 brilham com a mesma intensidade.


b) corrente elétrica que flui em L1 é o dobro da que flui em L2.

c) correntes elétricas que fluem nas lâmpadas L2 e L3 são diferentes.


d) lâmpadas L1, L2 e L3 estão submetidas ao mesmo potencial, E, da bateria.

e) potência elétrica dissipada por L2 é maior do que a potência elétrica dissipada por L1

23- (UFSC-SC-010) Nos circuitos abaixo, A e B são duas lâmpadas cujos filamentos
têm resistências iguais; R é a resistência de outro dispositivo elétrico; ε é uma bateria de
resistência elétrica desprezível; e I é um interruptor aberto.

Sabendo-se que o brilho das lâmpadas cresce quando a intensidade da corrente elétrica
aumenta, é CORRETO afirmar que:

01. no circuito 1, a lâmpada A brilha mais do que a B.

02. no circuito 2, as lâmpadas A e B têm o mesmo brilho.


332

04. no circuito 3, uma das lâmpadas brilha mais do que a outra.

08. no circuito 4, a lâmpada B brilha mais do que a A.

16. no circuito 5, se o interruptor I for fechado, aumenta o brilho da lâmpada B.

24-(FUVEST-SP-011) A conversão de energia solar em energia elétrica pode ser feita


com a utilização de painéis constituídos por

células fotovoltaicas que, quando expostas à radiação solar, geram uma diferença de
potencial U entre suas faces. Para caracterizar uma dessas células (C) de 20 cm2 de área,
sobre a qual incide 1 kW/m2 de radiação solar, foi realizada a medida da diferença de
potencial U e da corrente I, variando-se o valor da resistência R, conforme o circuito
esquematizado na figura abaixo. Os resultados obtidos estão apresentados na tabela.

a) Faça o gráfico da curva I × U na figura impressa na folha de respostas.

b) Determine o valor da potência máxima Pm que essa célula fornece e o valor da


resistência R nessa condição.

c) Determine a eficiência da célula C para U = 0,3 V.

25-(UNIFESP-SP-011)
333

Os circuitos elétricos A e B esquematizados, utilizam quatro lâmpadas incandescentes L


idênticas, com

especificações comerciais de 100W e de 110V, e uma fonte de tensão elétrica de 220V.


Os fios condutores, que participam dos dois circuitos elétricos, podem ser considerados
ideais, isto é, têm suas resistências ôhmicas desprezíveis.

a) Qual o valor da resistência ôhmica de cada lâmpada e a resistência ôhmica


equivalente de cada circuito elétrico?

b) Calcule a potência dissipada por uma lâmpada em cada circuito elétrico, A e B, para
indicar o circuito no qual as lâmpadas apresentarão maior iluminação.

26--(PUC-SP-012)

O resistor RB dissipa uma potência de 12W. Nesse caso, a potência dissipada pelo
resistor RD vale
334

a) 0,75 W b) 3,0 W c) 6,0 W d)


18,0 W e) 24,0 W

27-(UNESP-SP-012)

Considere o circuito elétrico que esquematiza dois modos de ligação de duas lâmpadas
elétricas iguais, com valores nominais

de tensão e potência elétrica 60 V e 60 W, respectivamente.

Modo A – ambiente totalmente iluminado: a chave Ch, ligada no ponto A, mantém as


lâmpadas L1 e L2 acesas.
335

Modo B – ambiente levemente iluminado: a chave Ch, ligada no ponto B, mantém


apenas a lâmpada L1 acesa, com potência menor do que a nominal, devido ao resistor R
de resistência ôhmica constante estar ligado em série com L1.

Considerando que as lâmpadas tenham resistência elétrica constante, que os fios tenham
resistência elétrica desprezível e

que a diferença de potencial de 120 V que alimenta o circuito seja constante, calcule a
energia elétrica consumida, em kWh,

quando as lâmpadas permanecem acesas por 4 h, ligadas no modo A – ambiente


totalmente iluminado.

Determine a resistência elétrica do resistor R, para que, quando ligada no modo B, a


lâmpada L1 dissipe uma potência de 15 W.

28-(FUVEST-SP-012)

A figura ao lado representa, de forma esquemática, a instalação elétrica de uma


residência, com circuitos de tomadas de uso geral e circuito específico para um chuveiro
elétrico. Nessa residência, os seguintes equipamentos permaneceram ligados durante 3
horas a

tomadas de uso geral, conforme o esquema da figura: um aquecedor elétrico (Aq) de 990
W, um ferro de passar roupas de 980 W e duas

lâmpadas, L1 e L2, de 60 W cada uma.


336

Nesse período, além desses equipamentos, um chuveiro elétrico de 4400 W, ligado ao


circuito específico, como indicado na figura, funcionou durante 12 minutos. Para essas
condições, determine

a) a energia total, em kWh, consumida durante esse período de 3 horas;

b) a corrente elétrica que percorre cada um dos fios fase, no circuito primário do quadro
de distribuição, com todos os equipamentos, inclusive o chuveiro, ligados;

c) a corrente elétrica que percorre o condutor neutro, no circuito primário do quadro de


distribuição, com todos os equipamentos, inclusive o chuveiro, ligados.

ELETROMAGNETISMO
Ímãs e Campo Magnético
01-(UFB) Uma bússola tem sua agulha magnética orientada com um pólo (M) indicando
Roraima e o outro (N) indicando o Paraná. A seguir, aproxima-se a agulha magnética dessa
bússola bem perto da extremidade de um imã cujos pólos são (P) e (Q), até que o equilíbrio
estável seja atingido (ver figura).

a) Quais são os pólos magnéticos M e N da agulha magnética da bússola?


337

b) Quais são os pólos P e Q do imã?

02-(UFB) Pares de imãs em forma de barra são dispostos conforme indicam as figuras a seguir:

A letra N indica o pólo Norte e o S o pólo Sul de cada uma das barras. Entre os imãs de cada
um dos pares anteriores (a) , (b) e (c) ocorrerão, respectivamente, forças de:

a) atração, repulsão, repulsão; b) atração, atração, repulsão; c) atração,


repulsão, atração;

d) repulsão, repulsão, atração; e) repulsão, atração, atração.

03-(PUC-SP) Três barras, PQ, RS e TU, são aparentemente idênticas.

Verifica-se experimentalmente que P atrai S e repele T;

Q repele U e atrai S. Então, é possível concluir que:

a) PQ e TU são ímãs b) PQ e RS são imãs c) RS e TU são imãs d) as três são


imãs e) somente PQ é imã

04-(UFB) Tem-se três barras, AB, CD, EF, aparentemente idênticas. Experimentalmente
constata-se que:

I - a extremidade A atrai a extremidade D;

II - A atrai a extremidade C;

III - D repele a extremidade E ;

Então:

a) AB, CD e EF são ímãs. b) AB é ímã, CD e EF são de ferro. c) AB é de ferro, CD e EF


são ímãs.
338

d) AB e CD são de ferro, EF é ímã. e) CD é ímã, AB e EF são de ferro.

05-(ITA) Um pedaço de ferro é posto nas proximidades de um ímã, conforme o esquema


abaixo.

Qual é a única afirmação correta relativa à situação em apreço?

a) é o imã que atrai o ferro b) é o ferro que atrai o ímã c) a atração do ferro pelo ímã
é mais intensa do que a atração

do ímã pelo ferro d) a atração do ímã pelo ferro é mais intensa do que a atração

do ferro pelo ímã e) a atração do ferro pelo ímã é igual à atração do ímã pelo
ferro

06-(UFPA) Para ser atraído por um ímã, um parafuso precisa ser:

a) mais pesado que o ímã b) mais leve que o ímã c) de latão e cobre d)
imantado pela aproximação do ímã

e) formando por uma liga de cobre e zinco

07-(UFPA) A Terra é considerada um imã gigantesco, que tem as seguintes características:

a) O pólo Norte geográfico está exatamente sobre o pólo sul magnético, e o Sul geográfico está
na mesma posição que o norte magnético.
b) O pólo Norte geográfico está exatamente sobre o pólo norte magnético, e o Sul geográfico
está na mesma posição que o sul magnético.
c) O pólo norte magnético está próximo do pólo Sul geográfico, e o pólo sul magnético está
próximo do pólo Norte geográfico.
d) O pólo norte magnético está próximo do pólo Norte geográfico, e o pólo sul magnético está
339

próximo do pólo Sul geográfico.


e) O pólo Norte geográfico está defasado de um ângulo de 45º do pólo sul magnético, e o pólo
Sul geográfico está defasado de 45º do pólo norte magnético.

08-(UnB-DF) Três chaves de fenda que podem estar com as pontas imantadas, cujos pólos são
X, Y e Z, são aproximadas do pólo K de um imã.

Observamos que os pólos X e Y são atraídos e Z, repelido. Se a chave X é um pólo sul,


podemos afirmar que:
I. Y é um pólo norte.
II. Z e K são pólo norte.
III. Y não está imantada e K é um pólo sul.
a) apenas I está correta b) I e II estão corretas c) I e III estão corretas d) apenas II está
correta e) todas estão corretas

09-(PUC–MG) A figura mostra o nascer do Sol. Dos pontos A, B, C e D, qual deles indica o Sul
geográfico?

a) A b) B c) C d) D

10-(UFRGS) A figura mostra um pedaço de ferro nas proximidades de um dos pólos de um imã
permanente.
340

Selecione a alternativa que completa corretamente as lacunas nas seguintes afirmações sobre
essa situação.

A extremidade L do pedaço de ferro é ......... pelo pólo K do imã.

Chamando o pólo sul do imã de S e o norte de N, uma possível distribuição dos pólos nas
extremidades K, L e M é, respectivamente, ......... .

a) atraída - N, N e S b) atraída - N, S e N c) repelida - N, S e N d) repelida - S, S e N


e) repelida - S, N e S

11-(FUVEST-SP) Considere um imã em forma de barra apoiado sobre uma mesa. Você segura
entre os dedos outro imã em forma de barra, e investiga as forças magnéticas que agem sobre
ele, nas proximidades do imã apoiado sobre a mesa. Você conclui que o imã entre seus dedos:

a) será sempre atraído pelo imã fixo b) será sempre repelido pelo imã fixo c) tenderá
sempre a girar

d) não será atraído nem repelido e) poderá ser atraído ou repelido

12-(UFB) Um professor de Física, numa experiência de magnetismo, monta o esquema da


figura abaixo, onde M e N são duas barras, uma de ferro e a outra um imã natural, não
necessariamente nessa ordem. Observando que elas se atraem, pergunta a seus alunos:

a) Qual delas é o imã?

b) O que ocorreria se a posição das duas barras fosse invertida?


341

13-(UFPA) Na figura, um imã natural, cujos pólos magnéticos norte, N, e sul, S, estão
representados, equilibra dois pregos 1 e 2. Os pontos A e B pertencem a 1 e os pontos C e D
pertencem a 2.

a) B e C são pólos norte b) A é um pólo norte e D um pólo sul c) A e D são pólos


sul d) A é um pólo sul e B um pólo norte e) B é um pólo sul e D um pólo norte

14-(UEMG-MG) Observe as afirmativas a seguir:


I. Numa bússola, o pólo norte é o pólo da agulha que aponta para o norte geográfico da
Terra.
II. Pólo de um imã é a região desse imã onde o magnetismo é mais intenso
III. Ao se cortar um imã, obtêm-se dois imãs com um único pólo cada um.
Estão corretas:

a) todas b) I e II c) II e III d) apenas III e) apenas II

15-(UFB) A figura representa a posição de um imã em forma de ferradura em relação aos


pontos cardeais.

Desenhe a agulha magnética de uma bússola e sua orientação quando colocada no ponto P.
Considere que as forças magnéticas da Terra e do imã sobre a agulha tenham a mesma
intensidade.
342

16-(FUVEST) A figura I adiante representa um imã permanente em forma de barra, onde N e S


indicam, respectivamente, pólos

norte e sul.

Suponha que a barra seja dividida em três pedaços, como mostra a figura II. Colocando lado a
lado os dois pedaços extremos, como indicado na figura III, é correto afirmar que eles:

a) se atrairão, pois A é pólo norte e B é pólo sul. b) se atrairão, pois A é pólo sul e B é
pólo norte.

c) não serão atraídos nem repelidos. d) se repelirão, pois A é pólo norte e


B é pólo sul.

e) se repelirão, pois A é pólo sul e B é pólo norte.

17-(UFB) Represente, em cada caso, a força magnética resultante que os pólos norte (N) s sul
(S) do imã A exercem sobre o pólo norte (P) e sul (Q), do imã B. Se o imã B tender a girar em
torno de um ponto fixo (G), qual será o sentido de rotação em cada caso?

18-(UFB) Pode-se induzir uma imantação num material ferromagnético, como por exemplo um
prego de aço, esfregando nele seguidamente, um imã permanente, sempre com o mesmo pólo
(no caso pólo norte) e sempre no mesmo sentido (no caso, para a direita), conforme figura
abaixo.
343

Depois que o prego fica imantado e o imã permanente é afastado, qual extremidade do prego
é o pólo norte e qual é o pólo Sul?

19-(UERJ-RJ) Uma agulha magnética atravessada numa rolha de cortiça flutua num recipiente
que contém água, na posição mostrada na figura 1, sob a ação do campo magnético terrestre.

Coloca-se, envolvendo o recipiente, um outro imã com seus pólos posicionados como indicado
na figura 2:

A nova posição da agulha, sob a ação dos dois campos magnéticos, será:

20-(UFSC-SC) - As afirmativas abaixo referem-se a fenômenos magnéticos. Assinale a(s)


proposição(ões) VERDADEIRA(S).
01. Um estudante quebra um ímã ao meio, obtendo dois pedaços, ambos com pólo sul e pólo
344

norte.
02. Um astronauta, ao descer na Lua, constata que não há campo magnético na mesma,
portanto ele poderá usar uma bússola para se orientar.
04. Uma barra imantada se orientará ao ser suspensa horizontalmente por um fio preso pelo
seu centro de gravidade ao teto de um laboratório da UFSC.
08. Uma barra não imantada não permanecerá fixa na porta de uma geladeira
desmagnetizada, quando nela colocada.
16. Uma das formas de desmagnetizar uma bússola é colocá-la num forno quente.
32. Uma das formas de magnetizar uma bússola é colocá-la numa geladeira desmagnetizada.

21-(PUCCAMP-SP) Um pequeno ímã atrai um prego colocado a uma distância x com uma força
cujo módulo é inversamente proporcional ao quadrado de x.

Isso significa que, quando se duplicar a distância x, o valor da força magnética passará a ser

a) quatro vezes menor. b) duas vezes menor. c) a mesma. d) duas vezes


maior. e) quatro vezes maior.

22-(UNIFESP-SP) Um bonequinho está preso, por um ímã a ela colado, à porta vertical de uma
geladeira.

a) Desenhe esquematicamente esse bonequinho no caderno de respostas, representando e


nomeando as forças que atuam sobre ele.

b) Sendo m = 20g a massa total da bonequinho com o ímã e μ = 0,50 o coeficiente de atrito
estático entre o ímã e a porta da geladeira, qual deve ser o menor valor da força magnética
entre o ímã e a geladeira para que o bonequinho não caia? Dado: g = 10m/s2.
345

23-(FGV-SP) Da palavra 'aimant', que traduzido do francês significa amante, originou-se o


nome ímã, devido à capacidade que esses objetos têm de exercer atração e repulsão. Sobre
essas manifestações, considere as proposições:

I. assim como há ímãs que possuem os dois tipos de pólos, sul e norte, há ímãs que possuem
apenas um.

II. o campo magnético terrestre diverge dos outros campos, uma vez que o pólo norte
magnético de uma bússola é atraído pelo pólo norte magnético do planeta.

III. os pedaços obtidos da divisão de um ímã são também ímãs que apresentam os dois pólos
magnéticos, independentemente do tamanho dos pedaços.

Está correto o contido em

a) I, apenas. b) III, apenas. c) I e II, apenas. d) II e III, apenas. e) I, II e III.

24-(PUC-PR) Um pedaço de ferro é colocado próximo de um ímã, conforme a figura a seguir:

Assinale a alternativa correta:

a) é o ferro que atrai o ímã. b) a atração do ferro pelo ímã é igual à atração do ímã pelo
ferro.

c) é o ímã que atrai o ferro. d) a atração do ímã pelo ferro é mais intensa do que a
atração do ferro pelo ímã.

e) a atração do ferro pelo ímã é mais intensa do que a atração do ímã pelo ferro.

25-(FUVEST-SP) Quatro ímãs iguais em forma de barra, com as polaridades indicadas, estão
apoiados sobre uma mesa horizontal, como na figura, vistos de cima. Uma pequena bússola é
também colocada na mesa, no ponto central P, eqüidistante dos ímãs,

indicando a direção e o sentido do campo magnético dos ímãs em P.


346

Não levando em conta o efeito do campo magnético terrestre, a figura que melhor representa
a orientação da agulha da bússola é:

26-(FGV-SP) Os ímãs 1, 2 e 3 foram cuidadosamente seccionados em dois pedaços simétricos,


nas regiões indicadas pela linha tracejada.

Analise as afirmações referentes às conseqüências da divisão dos ímãs:

I. todos os pedaços obtidos desses ímãs serão também ímãs, independentemente do plano de
secção utilizado;

II. os pedaços respectivos dos ímãs 2 e 3 poderão se juntar espontaneamente nos locais da
separação, retomando a aparência original de cada ímã;

III. na secção dos ímãs 1 e 2, os pólos magnéticos ficarão separados mantendo cada fragmento
um único pólo magnético.

Está correto o contido apenas em

a) I. b) III. c) I e II. d) I e III. e) II e III.

27-(PUC-MG) Um ímã permanente, em forma de "ferradura", cujos pólos norte e sul estão
indicados na figura a seguir, é dividido em três partes.
347

É CORRETO concluir que:

a) a parte 1 terá apenas o pólo norte e a parte 2 terá apenas o pólo sul.

b) as partes 1 e 2 formarão novos ímãs, mas a parte 3 não.

c) as partes 1, 2 e 3 perderão suas propriedades magnéticas.

d) as partes 1, 2 e 3 formarão três novos ímãs, cada uma com seus pólos norte e sul.

28-(UFPEL-RS) Considere um ímã permanente e uma barra de ferro inicialmente não imantada,
conforme a figura a seguir.

Ao aproximarmos a barra de ferro do ímã, observa-se a formação de um pólo ______ em A,


um pólo ______ em B e uma ______ entre o ímã e a barra de ferro.

A alternativa que preenche respectiva e corretamente as lacunas da afirmação anterior é

a) norte, sul, repulsão b) sul, sul, repulsão. --c) sul, norte, atração. d) norte, sul,
atração e) sul, norte, repulsão.

29-(CFT-MG) Uma pessoa possui duas bússolas, sendo que uma delas está defeituosa e aponta
para o sul geográfico da Terra. Quando colocadas lado a lado, a interação magnética entre elas
é muito maior que entre ambas e a Terra. Nesse caso, a orientação de equilíbrio das duas está
corretamente representada em:
348

30-(CFT-MG) Uma bússola que se orienta no campo magnético da Terra, como ilustra a figura
1, é colocada no ponto P, ao lado de um ímã em forma de barra, mostrado na figura 2.

A posição de equilíbrio da bússola em P é mais bem representada em:

31-(UFMG-MG) Um ímã e um bloco de ferro são mantidos fixos numa superfície horizontal,
como mostrado na figura:

Em determinado instante, ambos são soltos e movimentam-se um em direção ao outro,


devido à força de atração magnética.

Despreze qualquer tipo de atrito e considere que a massa "m" do ímã é igual à metade da
massa do bloco de ferro.

Sejam a(i) o módulo da aceleração e F(i) o módulo da resultante das forças sobre o ímã. Para o
bloco de ferro, essas grandezas são, respectivamente, a(f) e F(f).

Com base nessas informações, é CORRETO afirmar que

a) F(i) = F(f) e a(i) = a(f). b) F(i) = F(f) e a(i) = 2a(f). c) F(i) = 2F(f) e a(i) = 2a(f). d) F(i)
= 2F(f) e a(i) = a(f).

32-(CFT-MG) Um ímã AB em forma de barra é partido ao meio, e os pedaços resultantes


também são divididos em duas partes iguais, conforme a seguinte figura.
349

Pendurando-se os quatro pedaços, eles se orientam na direção Norte-Sul geográfico. Os pólos


que apontam para o mesmo sentido são

a) E, C, G, B. b) E, F, G, H. c) A, F, G, B. d) A, C, D, B.

33- (UFRS-RS) A figura (a) representa uma metade magnetizada de uma lâmina de barbear,
com os pólos norte e sul indicados respectivamente pelas letras N e S. Primeiramente, esta
metade de lâmina é dividida em três pedaços, como indica a figura (b). A seguir, os pedaços 1 e
3 são colocados lado a lado, como indica a figura (c).

Nestas condições, podemos afirmar que os pedaços 1 e 3 se __________, pois P assinala um


pólo __________ e Q um pólo __________ .

A alternativa que preenche corretamente as lacunas na afirmativa anterior é:

a) atrairão - norte – sul b) atrairão - sul – norte c) repelirão - norte – sul d)


repelirão - sul - norte

e) atrairão - sul – sul

34-(UNIFESP-SP-09) De posse de uma balança e de um dinamômetro (instrumento para medir


forças), um estudante decide investigar a ação da força magnética de um imã em forma de U
sobre uma pequena barra de ferro. Inicialmente, distantes um do outro, o estudante coloca o
imã sobre uma balança e anota a indicação de sua massa. Em seguida, ainda distante do imã,
prende a barra ao dinamômetro e anota a indicação da força medida por ele. Finalmente,
monta o sistema de tal forma que a barra de ferro, presa ao dinamômetro, interaja
magneticamente com o imã, ainda sobre a balança, como mostra a figura.
350

A balança registra, agora, uma massa menor do que a registrada na situação anterior, e o
dinamômetro registra uma força equivalente a

a) força peso da barra b) força magnética entre o imã e a barra c) soma da força peso da
barra com metade do valor da força magnética entre o imã e a barra d) soma da força peso
da barra com a força magnética entre o imã e a barra e) soma das forças peso da barra e
magnética entre o imã e a barra, menos a força elástica da mola do dinamômetro.

35-(FATEC-SP-2010) Uma criança brincando com um imã, por descuido, o deixa cair, e ele se
rompe em duas partes. Ao tentar consertá-lo, unindo-as no local da ruptura, ela percebe que
os dois pedaços não se encaixam devido à ação magnética.

Pensando nisso, se o imã tivesse o formato e as polaridades da figura a seguir, é válido afirmar
que o imã poderia ter se rompido

a) na direção do plano α b) na direção dos planos α e β c) na direção do plano π d) na


direção de qualquer plano

e) apenas na direção do plano β

36-(UFB) A figura representa as linhas de indução do campo magnético de um imã em forma


de barra.
351

a) Represente como se disporiam pequenas agulhas magnéticas ( ) colocadas nos pontos


1, 2, 3 e 4.

b) Represente o vetor indução magnética , , e ,

37-(UFAL-AL) Dois ímãs idênticos, em forma de barra, são fixados paralelamente.

No ponto médio P, eqüidistante dos dois ímãs, como mostra a figura, o vetor indução
magnética resultante deve ser representado pelo vetor

38-(UEL-PR)A agulha de uma bússola assume a posição indicada na figura a seguir quando
colocada numa região onde existe, além do campo magnético terrestre, um campo magnético
uniforme e horizontal.

Considerando a posição das linhas de campo uniforme, desenhadas na figura, o vetor campo
magnético terrestre na região pode ser indicado pelo vetor:

39-(UEL-PR) Considere o campo magnético nos pontos P1, P2, P3, P4„ e P5, nas proximidades de
um ímã em barra, conforme representado na figura a seguir.
352

A intensidade do campo magnético é menor no ponto:

a) P1 b) P2 c) P3 d) P4 e) P5

40-(MACKENZIE-SP) As linhas de indução de um campo magnético são:

a) o lugar geométrico dos pontos, onde a intensidade do campo magnético é constante

b) as trajetórias descritas por cargas elétricas num campo magnético

c) aquelas que em cada ponto tangenciam o vetor indução magnética, orientadas no seu
sentido

d) aquelas que partem do pólo norte de um ímã e vão até o infinito

e) nenhuma das anteriores é correta

41-(UFSC-SC) A figura representa as linhas de indução do campo magnético terrestre. O


magnetismo terrestre levou à invenção da bússola, instrumento essencial para as grandes
navegações e descobrimentos do século XV e, segundo os historiadores, já utilizada pelos
chineses desde o século X. Em 1600, William Gilbert, em sua obra denominada De Magnete,
explica que a orientação da agulha magnética se deve ao fato de a Terra se comportar como
um imenso ímã, apresentando dois pólos magnéticos.

Muitos são os fenômenos relacionados com o campo magnético terrestre. Atualmente,


sabemos que feixes de partículas eletrizadas (elétrons e prótons), provenientes do espaço
cósmico, são capturados pelo campo magnético terrestre, ao passarem nas proximidades da
Terra, constituindo bom exemplo de movimento de partículas carregadas em um campo
magnético.
353

Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S):

01. O sentido das linhas de indução, mostradas na figura, indica que o pólo sul magnético está
localizado próximo ao pólo norte geográfico.

02. O sentido das linhas de indução, mostradas na figura, indica que o pólo norte magnético
está localizado próximo ao pólo norte geográfico.

04. As linhas de indução do campo magnético da Terra mostram que ela se comporta como um
gigantesco ímã, apresentando dois pólos magnéticos.

08. O pólo norte da agulha de uma bússola aponta sempre para o pólo sul magnético da Terra.

16. O módulo do campo magnético terrestre aumenta, à medida que se afasta da superfície da
Terra.

42-(UNESP-SP) Num laboratório de biofísica, um pesquisador realiza uma experiência com


"bactérias magnéticas", bactérias que tem pequenos ímãs no seu interior.

Com auxílio desses imãs, essas bactérias se orientam para atingir o fundo dos lagos, onde há
maior quantidade de alimento. Dessa, forma, devido ao campo magnético terrestre e à
localização desses lagos, há regiões em que um tipo de bactéria se alimenta melhor e, por isso,
pode predominar sobre outro. Suponha que esse pesquisador obtenha três amostras das
águas de lagos, de diferentes regiões da Terra, contendo essas bactérias.

Na amostra A predominam as bactérias que se orientam para o pólo norte magnético, na


amostra B predominam as bactérias que se orientam para o pólo sul magnético e na amostra C
há quantidades iguais de ambos os grupos.

a) A partir dessas informações, copie e preencha o quadro a seguir, assinalando a origem de


cada amostra em relação à localização dos lagos de onde vieram.
354

b) Baseando-se na configuração do campo magnético terrestre, justifique as associações que


você fez.

43-(UFMG-MG) Fazendo uma experiência com dois ímãs em forma de barra, Júlia colocou-os
sob uma folha de papel e espalhou limalhas de ferro sobre essa folha. Ela colocou os ímãs em
duas diferentes orientações e obteve os resultados mostrados nas figuras I e II:

Nessas figuras, os ímãs estão representados pelos retângulos.

Com base nessas informações, é CORRETO afirmar que as extremidades dos ímãs voltadas para
a região entre eles correspondem aos pólos

a) norte e norte na figura I e sul e norte na figura II. b) norte e norte na figura I e sul e sul
na figura II.

c) norte e sul na figura I e sul e norte na figura II. d) norte e sul na figura I e sul e sul na
figura II.

44-(UFRS-RS) Uma pequena bússola é colocada próxima a um imã permanente. Em quais das
posições assinaladas na figura a extremidade norte da agulha apontará para o alto da página?
355

a) Somente A ou D b) Somente B ou C c) Somente A, B ou D d) Somente B,C ou D e)


Em A, B, C, ou D

45-(UFRJ-RJ) Explora-se o campo do imã em ferradura, na superfície da cartolina, colocando-se


pequenas bússolas nas posições 1, 2, 3, 4 e 5. Qual das opções propostas representa
corretamente as orientações das bússolas?

46-(UFG-GO) Oito imãs idênticos estão dispostos sobre uma mesa à mesma distância de um
ponto O, tomado como origem, e orientados como mostra a figura.

Desprezando o efeito do campo magnético da Terra, o campo magnético resultante, em O,


formará com o eixo x, no sentido anti-horário, um ângulo de

a) 0° b) 315° c) 135° d) 225° e)


45

47-(UFRN-RN) O estudioso Robert Norman publicou em Londres, em 1581, um livro em que


discutia experimentos mostrando que a força que o campo magnético terrestre exerce sobre
uma agulha imantada não é horizontal. Essa força tende a alinhar tal agulha às linhas desse
356

campo. Devido a essa propriedade, pode-se construir uma bússola que, além de indicar a
direção norte-sul, também indica a inclinação da linha do campo magnético terrestre no local
onde a bússola se encontra. Isso é feito, por exemplo, inserindo-se uma agulha imantada num
material, de modo que o conjunto tenha a mesma densidade que a água e fique em equilíbrio
dentro de um copo cheio de água, como esquematizado na figura 1.

A figura 2 representa a Terra e algumas das linhas do campo magnético terrestre. Foram
realizadas observações com a referida bússola em três cidades (I, II e III), indicando que o pólo
norte da agulha formava, APROXIMADAMENTE,

- para a cidade I, um ângulo de 20° em relação à horizontal e apontava para baixo;

- para a cidade II, um ângulo de 75° em relação à horizontal e apontava para cima;

- para a cidade III, um ângulo de 0° e permanecia na horizontal.

A partir dessas informações, pode-se concluir que tais observações foram realizadas,
RESPECTIVAMENTE, nas cidades de

a) Punta Arenas (sul do Chile), Natal (nordeste do Brasil) e Havana (noroeste de Cuba).

b) Punta Arenas (sul do Chile), Havana (noroeste de Cuba) e Natal (nordeste do Brasil).

c) Havana (noroeste de Cuba), Natal (nordeste do Brasil) e Punta Arenas (sul do Chile).

d) Havana (noroeste de Cuba), Punta Arenas (sul do Chile) e Natal (nordeste do Brasil).

48-(UFSCAR-SP) Dois pequenos imãs idênticos têm a forma de paralelepípedos de base


quadrada. Ao seu redor,cada um produz um campo magnético cuja linhas se assemelham ao
desenho esquematizado.
357

Suficientemente distante um do outro, os imãs são cortados de modo diferente. As partes


obtidas são afastadas para que não haja nenhuma influência mútua e ajeitadas, conforme
indica a figura a seguir.

Se as partes do imã 1 e do imã 2 forem aproximadas novamente na região em que foram


cortadas, mantendo-se as posições originais de cada pedaço, deve-se esperar que

a) as partes correspondentes de cada imã atraiam-se mutuamente, reconstituindo a forma de


ambos

b) apenas as partes correspondentes do imã 2 se unam reconstituindo a forma original deste


imã

c) apenas as partes correspondentes do imã 1 se unam reconstituindo a forma original desse


imã

d) as partes correspondentes de cada imã repilam-se mutuamente, impedindo a reconstituição


de ambos

e) devido ao corte, o magnetismo cesse por causa da separação dos pólos magnéticos de cada
um dos imãs

49-(FUVEST-SP) Sobre uma mesa plana e horizontal, é colocado um ímã em forma de barra,
representado na figura, visto de cima, juntamente com algumas linhas de seu campo
magnético. Uma pequena bússola é deslocada, lentamente, sobre a mesa, a partir do ponto P,
realizando uma volta circular completa em torno do ímã.
358

Ao final desse movimento, a agulha da bússola terá completado, em torno de seu próprio eixo,
um número de voltas igual a: Obs: Nessas condições, desconsidere o campo magnético da
Terra.

a) 1/4 de volta. b) 1/2 de volta. c) 1 volta completa. --d) 2 voltas


completas. e) 4 voltas completas.

50-(FUVEST-SP-09) Um objeto de ferro, de pequena espessura e em forma de cruz, está


magnetizado e apresenta dois pólos Norte (N) e dois pólos Sul (S). Quando esse objeto é
colocado horizontalmente sobre uma mesa plana, as linhas que melhor representam, no plano
da mesa, o campo magnético por ele criado, são as indicadas em

51-(UEPG-PR-010)

O eletromagnetismo estuda tanto as interações elétricas como as magnéticas. Sobre o


eletromagnetismo, assinale o que for correto.

01) Se um imã for partido em duas partes, o pólo sul se conserva enquanto o pólo norte
desaparece.
359

02) A Terra pode ser considerada como um grande imã, cujos pólos norte e sul magnéticos se
localizam aproximadamente nos pólos sul e norte geográficos, respectivamente.

04) A atração que ocorre quando aproximamos certos minérios de um pedaço de ferro é uma
manifestação de natureza elétrica.

08) Um fio condutor percorrido por uma corrente elétrica produz deflexões em uma agulha
imantada.

52-(FATEC-SP-010)

Uma criança brincando com um ímã, por descuido, o deixa cair, e ele se rompe em duas
partes. Ao tentar consertá-lo, unindo-as

no local da ruptura, ela percebe que os dois pedaços não se encaixam devido à ação
magnética.

Pensando nisso, se o ímã tivesse o formato e as polaridades da figura a seguir, é válido afirmar
que o ímã poderia ter se rompido

a) na direção do plano α. b) na direção do plano β c) na direção do plano π. d)


na direção de qualquer plano.

e) apenas na direção do plano β.


360

53-(PUC-RJ-010)

Biomagnetismo estuda a geração e interação de campos magnéticos com a matéria viva. Uma
de suas mais recentes aplicações é o uso de partículas magnéticas – as nano partículas, em
especial – na administração de medicamentos. Em vez de deixar uma medicação circulando
livremente pelo corpo humano, com o risco de efeitos colaterais prejudiciais à saúde, a idéia é
“grudar” a medicação em partículas magnéticas, injetá-las na corrente sanguínea e guiá-las
com um ímã até o local foco da doença.

Organizar esses materiais exige habilidades multidisciplinares para escolher e preparar as


partículas magnéticas apropriadas;

escolher e preparar o invólucro e o modo como os medicamentos serão absorvidos.


Geralmente os farmacêuticos é que lidam com os materiais do invólucro, enquanto os médicos
investigam a reação nos seres vivos. Aos físicos, químicos e engenheiros de materiais, cabe a
preparação das partículas magnéticas.

Sobre os conceitos e aplicações da Eletricidade e do Magnetismo, é CORRETO afirmar que:

a) As linhas de indução do campo magnético geradas pelo ímã são linhas contínuas que, fora
do ímã, vão do pólo norte para o pólo sul.

b) O medicamento associado à partícula magnética pode ser guiado até o local da doença
através de um campo elétrico constante.

c) Se o campo magnético orientador se formasse devido a uma corrente elétrica contínua, ele
teria variação proporcional ao quadrado da distância entre o fio que conduz a corrente e as
partículas magnéticas.

d) Qualquer substância metálica pode ser utilizada como partícula magnética.

e) A única forma de se obter um campo magnético para orientar a medicação é através da


utilização de ímãs permanentes.
361

54-(CEFET-MG-010)

A bússola é um dispositivo composto por uma agulha imantada que pode girar livremente em
torno de um eixo perpendicular a

ela. Sobre seu funcionamento, afirma-se:

I- O pólo sul magnético aponta para o norte geográfico terrestre.

II- O pólo norte magnético aponta para o sul de um ímã colocado próximo à bússola.

III- A agulha sofre uma deflexão quando está próxima e paralela a um fio que conduz corrente
elétrica.

IV- A agulha, na ausência de campos magnéticos externos, orienta-se na direção leste-oeste


terrestre.

São corretas apenas as afirmativas

a) I e II. b) II e III. c) II e IV. d) III e IV.

55-(UEMG-MG-010)

O ano de 2009 foi o Ano Internacional da Astronomia. A 400 anos atrás, Galileu apontou um
telescópio para o céu, e mudou a nossa maneira de ver o mundo, de ver o universo e de
vermos a nós mesmos. As questões, a seguir, nos colocam diante de
362

constatações e nos lembram que somos, apenas, uma parte de algo muito maior: o cosmo.

Um astronauta, ao levar uma bússola para a Lua, verifica que a agulha magnética da bússola
não se orienta numa direção

preferencial, como ocorre na Terra. Considere as seguintes afirmações, a partir dessa


observação:

1. A agulha magnética da bússola não cria campo magnético, quando está na Lua.

2. A Lua não apresenta um campo magnético.

Sobre tais afirmações, marque a alternativa CORRETA:

a) Apenas a afirmação 1 é correta. b) Apenas a afirmação 2 é correta. c) As


duas afirmações são corretas.

d) As duas afirmações são falsas.

56-(FGV-SP-011)

Sobre os fenômenos do magnetismo, analise:

I. Um ímã, inserido em uma região onde atua um campo magnético, está sujeito a um binário
de forças magnéticas de mesma intensidade, que não são capazes de transladá-lo, contudo
podem rotacioná-lo.
363

II. Quando ímãs artificiais são produzidos, a posição de seus pólos é determinada pela posição
em que se encontra o corpo do ímã, relativamente às linhas do campo magnético ao qual ele é
submetido em seu processo de magnetização.

III. O número de vezes que podemos repartir um ímã em duas partes e dessas partes obtermos
novos ímãs se limita ao momento em que da divisão separam-se os pólos sul e norte.

IV. Os pólos geográficos e magnéticos da Terra não se encontram no mesmo local. Quando
utilizamos uma bússola, o norte magnético de sua agulha nos indica a região em que se
encontra o norte magnético do planeta.

Está correto apenas o contido em

A) I e II. B) I e IV. C) II e III. D) I, III e IV.


E) II, III e IV.

57-(UFF-RJ-012)

Ímãs são frequentemente utilizados para prender pequenos objetos em superfícies metálicas
planas e verticais, como quadros de avisos e portas de geladeiras.

Considere que um ímã, colado a um grampo, esteja em contato com a porta de uma geladeira .
Suponha que a força magnética que o ímã faz sobre a superfície da geladeira é perpendicular a
ela e tem módulo FM.

. O conjunto imã/grampo tem massa mo

.O coeficiente de atrito estático entre a superfície da geladeira e a do ímã é μe

.Uma massa M está pendurada no grampo por um fio de massa desprezível, como mostra a
figura.
364

a) Desenhe no diagrama as forças que agem sobre o conjunto ímã/grampo (representado pelo
ponto preto no

cruzamento dos eixos x e y na figura), identificando cada uma dessas forças.

b) Qual o maior valor da massa M que pode ser pendurada no grampo sem que o conjunto
caia?

58-(FUVEST-SP-012)

Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez
experimentos com o objetivo de desenhar linhas

de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados nas figuras I, II, III e IV
abaixo.
365

Aos alunos do grupo B, coube analisar os desenhos produzidos pelo grupo A e formular
hipóteses. Dentre elas, a única correta é que as figuras I, II, III e IV podem representar,
respectivamente, linhas de campo

a) eletrostático, eletrostático, magnético e magnético. b) magnético, magnético,


eletrostático e eletrostático.

c) eletrostático, magnético, eletrostático e magnético. d) magnético, eletrostático,


eletrostático e magnético.

e) eletrostático, magnético, magnético e magnético.

59--(UNESP-SP-012)

A Terra comporta-se como um imenso ímã, ou seja, tem magnetismo próprio. Observe as
figuras, que são representações do campo magnético da Terra.
366

A partir da observação das figuras e de seus conhecimentos, pode-se afirmar que:

(A) se buscamos as coordenadas geográficas do pólo norte magnético para atingir o pólo norte
geográfico, o provável

é que não cheguemos lá, porque a localização dos pólos magnéticos da Terra não coincide com
a dos pólos geográficos.

(B) o pólo norte magnético encontra-se na costa norte do Alasca e o pólo sul magnético na
costa oeste da Antártida.

(C) se buscarmos as coordenadas geográficas do pólo sul magnético para atingir o pólo sul
geográfico, o provável

é que alcancemos nosso intento, porque a localização dos pólos magnéticos da Terra coincide
com a dos pólos geográficos.

(D) o pólo norte magnético encontra-se na Groenlândia, na América do Norte, e o pólo sul
geográfico na costa norte

da Antártida.

(E) o pólo norte magnético encontra-se na costa norte do Canadá, no oceano Atlântico,
portanto, junto à localização do pólo norte geográfico.

Força Magnética sobre uma carga


01-(PUC-PR) Uma carga positiva q se movimenta em um campo magnético uniforme
, com velocidade . Levando em conta a convenção a seguir, foram representadas
três hipóteses com respeito à orientação da força atuante sobre a carga q, devido à sua
interação com o campo magnético.
367

Está correta ou estão corretas:

a) somente I e III. b) somente I e II. c) somente II. d) I,


II e III. e) somente II e III.

02-(UFU-MG) Um objeto de massa M, carregado com uma carga positiva +Q, cai
devido à ação da gravidade e passa por uma região próxima do pólo norte (N) de um
ímã, conforme mostra figura a seguir.

De acordo com o sistema de eixos representado acima, assinale a alternativa que contém
a afirmativa correta.

a) O objeto sofrerá um desvio no sentido positivo do eixo y, devido à presença do


campo magnético na região.

b) O objeto cairá verticalmente, não sofrendo desvio algum até atingir o solo, pois
campos gravitacionais e magnéticos não interagem.

c) O objeto sofrerá um desvio no sentido positivo do eixo x, devido à presença do


campo magnético na região.

d) O objeto sofrerá um desvio no sentido negativo do eixo x, devido à presença do


campo magnético na região.

03-(FUVEST-SP) Assim como ocorre em tubos de TV, um feixe de elétrons move-se


em direção ao ponto central O de uma tela, com velocidade constante. A trajetória dos
elétrons é modificada por um campo magnético vertical B, na direção perpendicular à
trajetória do feixe, cuja intensidade varia em função do tempo t como indicado no
gráfico.
368

Devido a esse campo, os elétrons incidem na tela, deixando um traço representado por
uma das figuras a seguir. A figura que pode representar o padrão visível na tela é:

04-(UFMG-MG) O tubo de imagem de um televisor está representado,


esquematicamente, na Figura I.

Elétrons são acelerados da parte de trás desse tubo em direção ao centro da tela. Quatro
bobinas - K, L, M e N - produzem campos magnéticos variáveis, que modificam a
direção dos elétrons, fazendo com que estes atinjam a tela em diferentes posições,
formando uma imagem, como ilustrado na Figura II. As bobinas K e L produzem um
campo magnético na direção vertical e as bobinas M e N, na horizontal.

Em um certo instante, um defeito no televisor interrompe a corrente elétrica nas bobinas


K e L e apenas as bobinas M e N continuam funcionando.

Assinale a alternativa em que melhor se representa a imagem que esse televisor passa a
produzir nessa situação.

05-(UFU-MG) Uma carga q movendo-se com velocidade v imersa em um campo


magnético B está sujeita a uma força magnética Fmag. Se v não é paralelo a B, marque a
alternativa que apresenta as características corretas da força magnética Fmag.

a) O trabalho realizado por Fmag sobre q é nulo, pois Fmag é perpendicular ao plano
formado por v e B .

b) O trabalho realizado por Fmag sobre q é proporcional a v e B, pois Fmag é


perpendicular a v.

c) O valor de Fmag não depende de v, somente de B; portanto Fmag não realiza trabalho
algum sobre q.
369

d) O valor de Fmag é proporcional a v e B, sendo paralela a v; portanto o trabalho


realizado por Fmag sobre q é proporcional a v.

06-(UNESP-SP) Uma mistura de substâncias radiativas encontra-se confinada em um


recipiente de chumbo, com uma pequena abertura por onde pode sair um feixe paralelo
de partículas emitidas. Ao saírem, três tipos de partícula, 1, 2 e 3, adentram uma região
de campo magnético uniforme B com velocidades perpendiculares às linhas de campo
magnético e descrevem trajetórias conforme ilustradas na figura.

Considerando a ação de forças magnéticas sobre cargas elétricas em movimento


uniforme, e as trajetórias de cada partícula ilustradas na figura, pode-se concluir com
certeza que

a) as partículas 1 e 2, independentemente de suas massas e velocidades, possuem


necessariamente cargas com sinais contrários e a partícula 3 é eletricamente neutra
(carga zero).

b) as partículas 1 e 2, independentemente de suas massas e velocidades, possuem


necessariamente cargas com sinais contrários e a partícula 3 tem massa zero.

c) as partículas 1 e 2, independentemente de suas massas e velocidades, possuem


necessariamente cargas de mesmo sinal e a partícula 3 tem carga e massa zero.

d) as partículas 1 e 2 saíram do recipiente com a mesma velocidade.

e) as partículas 1 e 2 possuem massas iguais, e a partícula 3 não possui massa.

07-(PUC-MG) Uma partícula de carga q, com velocidade e massa m dentro de um


campo magnético , fica sujeita a uma força pela ação desse campo. Sobre a
situação, foram feitas três afirmações.

I. A intensidade da força depende do valor de q.

II. O sentido da força depende do sinal de q.

III. A intensidade da força depende da velocidade v e da massa m da partícula.

A afirmativa está CORRETA em:


370

a) I e III apenas. b) I e II apenas. c) II e III


apenas. d) I, II e III.

08-(UNESP-SP) A figura representa as trajetórias de duas partículas, 1 e 2, deixadas


numa câmara de bolhas de um acelerador de partículas, imersa num campo magnético
uniforme. Concluiu-se que, para que essas trajetórias fossem possíveis, deveria existir
uma outra partícula, 3, que interagiu com as duas primeiras. Sabe-se que essas
trajetórias estão num mesmo plano, coincidente com o plano da figura, perpendicular à
direção do campo magnético.

a) Sabendo-se que a carga elétrica da partícula 1 é positiva, qual a carga das outras duas
partículas? Justifique.

b) Qual o sentido do campo magnético? Justifique.

09-(UFMG-MG) Um feixe de elétrons passa inicialmente entre os pólos de um ímã e, a


seguir, entre duas placas paralelas, carregadas com cargas de sinais contrários, dispostos
conforme a figura a seguir. Na ausência do ímã e das placas, o feixe de elétrons atinge o
ponto O do anteparo.

Em virtude das opções dos campos magnético e elétrico, pode-se concluir que o feixe

a) passará a atingir a região I do anteparo. b) passará a atingir a região II do


anteparo.

c) passará a atingir a região III do anteparo. d) passará a atingir a região IV do


anteparo.
371

e) continuará a atingir o ponto O do anteparo.

10-(UNESP-SP) Sabe-se que no ponto P da figura existe um campo magnético na


direção da reta RS e apontando de R para S. Quando um próton (partícula de carga
positiva) passa por esse ponto com a velocidade mostrada na figura, atua sobre ele
uma força, devida a esse campo magnético,

a) perpendicular ao plano da figura e "penetrando" nele. b) na mesma direção e


sentido do campo magnético.

c) na direção do campo magnético, mas em sentido contrário a ele. d) na mesma direção


e sentido da velocidade.

e) na direção da velocidade, mas em sentido contrário a ela.

11-(ITA-SP) Qual dos esquemas abaixo ilustra o movimento de uma partícula carregada
em um campo magnético uniforme?

Convenções:
372

12-(UFU-MG) A figura mostra a tela de um osciloscópio onde um feixe de elétrons, que


provém perpendicularmente da página para seus olhos, incide no centro da tela.
Aproximando-se lateralmente da tela dois imãs iguais com seus respectivos pólos
mostrados, verificar-se-á que o feixe:

a) será desviado para cima b) será desviado para baixo c) será desviado para a
esquerda d) será desviado para a direita

e) não será desviado

13-(UFSM-RS) As imagens, captadas por um aparelho de ultra–som, são visualizadas


na tela de um monitor. O ponto imagem

na tela é obtido pela deflexão de elétrons por bobinas, nas quais circulam correntes
elétricas variáveis, conforme mostra a figura.
373

O ponto P, à direita da tela, acontece somente na situação em que os campos


magnéticos, gerados pelas bobinas, estão orientadas de acordo com a figura da
alternativa.

14-(UFRS) No interior de um acelerador de partículas existe um campo magnético


muito mais intenso que o campo magnético

terrestre, orientado de tal maneira que um elétron lançado horizontalmente do sul para o
norte, através do acelerador é desviado para o oeste. O campo magnético do acelerador
aponta:

a) do norte para o sul b) do leste para o oeste c) do oeste para o leste d) de


cima para baixo e) de baixo para cima

15-(UFSCAR-SP) Uma pequena esfera carregada eletricamente com carga positiva e


em queda livre penetra em uma região onde um campo magnético horizontal atua
uniformemente.
374

O esboço que melhor representa a trajetória da esfera no interior dessa região é

16-(UNESP-SP) Uma partícula com carga elétrica positiva desloca-se no plano Z - X na


direção d - b, que é diagonal do quadrado a, b, c, d indicado na figura (1). É possível
aplicar na região do movimento da carga um campo magnético uniforme nas direções
dos eixos (um de cada vez), como é mostrado nas figuras (2), (3) e (4).

Em quais casos a força sobre a partícula será no sentido negativo do eixo Y?

a) Somente no caso 2. b) Nos casos 2 e 4. c) Somente no caso 3. d)


Nos casos 3 e 4. e) Somente no caso 4.

17-(FGV-SP-09) Em 2008, o maior acelerador de partículas já construído foi colocado


em funcionamento. Em seu primeiro teste, um feixe de prótons foi mantido em
375

movimento circular dentro do grande anel, sendo gradativamente acelerado até a


velocidade desejada.

A figura mostra uma secção reta desse anel. Admita que um feixe de prótons esteja
sendo conduzido de modo acelerado no sentido do eixo y. De acordo com as leis do
eletromagnetismo, os campos elétrico e magnético, nessa ordem, na origem do sistema
de eixos indicado, têm sentidos que apontam para o:

a) positivo de y e negativo de z. b) positivo de y e positivo de z. c) positivo


de y e positivo de x.

d) negativo de y e positivo de z. e) negativo de y e negativo de x.

18-(FATEC-SP) Ao vídeo de um televisor encostam-se as faces polares de um imã,


conforme o esquema abaixo (face norte em cima, face sul para baixo). A imagem se
distorce com desvio:

a) para a esquerda b) para a direita c) para cima d) para baixo e)


a imagem não se distorce

19-(PUC-RS) Um feixe de elétrons incide horizontalmente no centro do anteparo.


Estabelecendo-se um campo magnético vertical para cima, o feixe de elétrons passa a
atingir o anteparo em que região?
376

a) região 1 b) região 2 c) segmento 0A d)


segmento CD e) região 3

20-(UFRRJ-RJ) Uma partícula de carga q entra com velocidade Vo numa região onde
existe um campo magnético uniforme B.

No caso em que Vo e B possuem a mesma direção, podemos afirmar que a partícula

a) sofrerá um desvio para sua direita. b) sofrerá um desvio para sua


esquerda. c) será acelerada na direção do campo magnético uniforme
B. d) não sentirá a ação do campo magnético uniforme B. e) será
desacelerada na direção do campo magnético uniforme B.

21-(PUC–SP) Na figura pode-se ver a representação de um ímã. As letras N e S


identificam os pólos do ímã, respectivamente, Norte e Sul. Uma carga positiva passa
com uma velocidade pela região entre os pólos desse ímã e não sofre nenhum desvio
em sua direção. Nessas condições, é correto afirmar que a direção e o sentido de ,
cujo módulo é diferente de zero, podem ser, respectivamente:

a) perpendicular ao plano desta folha, entrando nele. b) perpendicular ao


plano desta folha, saindo dele.
c) paralela ao plano desta folha, da esquerda para a direita. d) paralela ao plano
377

desta folha, de cima para baixo.


e) paralela ao plano desta folha, de baixo para cima.

22-(UFMG-MG) Em algumas moléculas, há uma assimetria na distribuição de cargas


positivas e negativas, como representado, esquematicamente, na figura a seguir.

Considere que uma molécula desse tipo é colocada em uma região onde existem um
campo elétrico e um campo magnético

, uniformes, constantes e mutuamente perpendiculares.

Nas alternativas a seguir, estão indicados as direções e os sentidos desses campos.

Assinale a alternativa em que está representada CORRETAMENTE a orientação de


equilíbrio dessa molécula na presença dos dois campos.

23-(UESC-SC)Um feixe de elétrons penetra na região de um campo magnético


uniforme de módulo igual a B. O ângulo formado entre a direção da velocidade do feixe
e as linhas de indução do campo mede 60°.

Nessas condições, a trajetória descrita pelo feixe é

a) circular. b) elíptica. c) retilínea. d)


parabólica e) helicoidal

24-(UFJF-MG) Um filtro de velocidades é um dispositivo que utiliza campo elétrico


uniforme perpendicular ao campo magnético uniforme (campos cruzados), para
selecionar partículas carregadas com determinadas velocidades. A figura a seguir
mostra uma região do espaço em vácuo entre as placas planas e paralelas de um
capacitor. Perpendicular ao campo produzido pelas placas, está o campo magnético
uniforme. Uma partícula positiva de carga q move-se na direção z com velocidade
constante (conforme a figura 1).
378

a) na figura 2, represente os vetores força elétrica, , e força magnética, , que atuam


na partícula assim que entra na região de campos cruzados, indicando suas magnitudes.

b) Determine a velocidade que a partícula deve ter, para não ser desviada.

25-(UFRRJ-RJ) Uma partícula de carga positiva q e inicialmente com velocidade Vo no


sentido positivo do eixo Y penetra em uma região onde existe um campo elétrico Eo
constante, no sentido positivo do eixo X, e um campo magnético Bo, também constante.

Sabendo-se que a velocidade da partícula não se altera, mesmo depois que ela passa a
sofrer a ação dos campos, determine em função de Vo e Eo:

(Desconsidere qualquer efeito gravitacional)

a) a componente X do campo magnético;

b) a componente Z do campo magnético;

26-(PUC-SP) Um elétron num tubo de raios catódicos está se movendo paralelamente


ao eixo do tubo com velocidade de 107m/s.
379

Aplicando-se um campo de indução magnética de 2T, paralelo ao eixo do tubo, qual o


valor da força magnética que atua sobre o elétron? Considere a carga de um elétron
q=1,6.10-19C.

27-(UFRS-RS) A figura a seguir representa uma região do espaço no interior de um


laboratório, onde existe um campo magnético estático e uniforme. As linhas do campo
apontam perpendicularmente para dentro da folha, conforme indicado.

Uma partícula carregada negativamente é lançada a partir do ponto P com velocidade


inicial vo em relação ao laboratório.

Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo, referentes ao


movimento subseqüente da partícula, com respeito ao laboratório.

I. Se vo for perpendicular ao plano da página, a partícula seguirá uma linha reta,


mantendo sua velocidade inicial.

II. Se vo apontar para a direita, a partícula se desviará para o pé da página.

III. Se vo apontar para o alto da página, a partícula se desviará para a direita.

A seqüência correta, de cima para baixo, é

a) V - V - F. b) F - F - V. c) F - V - F. d) V - F -
V. e) V - V - V.

28-(UNIFESP-SP) Uma partícula eletricamente carregada, inicialmente em movimento


retilíneo uniforme, adentra uma região de campo magnético uniforme , perpendicular
à trajetória da partícula. O plano da figura ilustra a trajetória da partícula, assim como a
região de campo magnético uniforme, delimitada pela área sombreada.
380

Se nenhum outro campo estiver presente, pode-se afirmar corretamente que, durante a
passagem da partícula pela região de campo uniforme, sua aceleração é

a) tangente à trajetória, há realização de trabalho e a sua energia cinética aumenta.

b) tangente à trajetória, há realização de trabalho e a sua energia cinética diminui.

c) normal à trajetória, não há realização de trabalho e a sua energia cinética permanece


constante.

d) normal à trajetória, há realização de trabalho e a sua energia cinética aumenta.

e) normal à trajetória, não há realização de trabalho e a sua energia cinética diminui.

29-(UFSCAR-SP) O professor de Física decidiu ditar um problema "para casa",


faltando apenas um minuto para terminar a aula. Copiando apressadamente, um de seus
alunos obteve a seguinte anotação incompleta:

Um elétron ejetado de um acelerador de partículas entra em uma câmara com


velocidade de 8.105 m/s, onde atua um campo magnético uniforme de intensidade
2,0.10-3-----.

Determine a intensidade da força magnética que atua sobre o elétron ejetado, sendo a
carga de um elétron -1,6.10-19---- .

Sabendo que todas as unidades referidas no texto estavam no Sistema Internacional,

a) quais as unidades que acompanham os valores 2,0.10-3 e -1,6.10-19, nesta ordem?

b) resolva a "lição de casa' para o aluno, considerando que as direções da velocidade e


do campo magnético são perpendiculares entre si”.

30- (UFG-GO) Uma partícula de carga elétrica q e massa m, é ejetada numa região onde
existe campo elétrico e magnético, ambos não nulos, mas cuja força resultante sobre a
partícula é nula. Desprezando o campo gravitacional, o que você pode dizer quanto a
direção dos campos elétrico e magnético? Explique a sua resposta.
381

31-(UECE-CE) A maior força de origem magnética (medida em newton) que pode atuar
sobre um elétron (carga e = 1,6.10-19 C)

em um tubo de TV, onde existe um campo magnético de módulo B = 83,0 mT, quando
sua velocidade é de 7,0.106 m/s, vale aproximadamente

a) 9,3.10-13 b) 4,7.10-16 c) 13,3.10-10 d)


8,1.10-10 e) 1,1.10-21

32-(ITA-SP) A figura mostra uma partícula de massa m e carga q > 0 , numa região
com campo magnético constante e uniforme, orientado positivamente no eixo x. A
partícula é então lançada com velocidade inicial no plano xy, formando o

ângulo θ indicado, e passa pelo ponto P, no eixo x, a uma distância d do ponto de


lançamento.

Assinale a alternativa correta.

a) O produto d q B deve ser múltiplo de 2πmvcosθ .

b) A energia cinética da partícula é aumentada ao atingir o ponto P.

c) Para θ=0 , a partícula desloca-se com movimento uniformemente acelerado.

d) A partícula passa pelo eixo x a cada intervalo de tempo igual a m/qB.

e) O campo magnético não produz aceleração na partícula.

33-(CFT-CE) Uma partícula, de massa m e carregada positivamente, é lançada com


velocidade v do ponto P, centro da face de um paralelepípedo formado por 4 cubos de
382

arestas iguais, numa região onde existe um campo magnético uniforme B, orientado
conforme a figura a seguir.

Desprezando ações gravitacionais, podemos afirmar CORRETAMENTE que a


partícula seguirá uma trajetória:

a) retilínea, passando pelo ponto L b) circular, no plano vertical LIEP


c) circular, no plano horizontal LKCP

d) parabólica, no plano vertical GFEP e) retilínea, passando pelo ponto K

34- (UEPB) Uma maneira de se obter informações sobre a carga e a massa de uma
partícula é fazê-la passar, através de um campo magnético uniforme. A partir da sua
trajetória circular pode-se, conhecendo-se o campo, a velocidade da partícula e o raio da
trajetória, determinar o sinal da carga elétrica e o valor da massa. A figura mostra parte
das trajetórias 1 e 2 deixadas por duas partículas P1 e P2, respectivamente. Os pontos
indicam um campo magnético B constante que sai perpendicular à folha da prova.
Considere que as duas partículas, P1 e P2, possuem cargas de mesmo módulo e sinais
contrários e penetram perpendicularmente, com a mesma velocidade constante Vo, na
região do campo B. Analisando as trajetórias e tomando como base o campo magnético
mostrado, conclui-se que:

a) a partícula P1 possui carga negativa e o valor é maior que o da partícula P2.


b) a partícula P1 possui carga positiva e o valor é maior que o da partícula P2.
c) a partícula P1 possui carga positiva e o valor é menor que o da partícula P2.
d) a partícula P1 possui carga negativa e o valor é menor que o da partícula P2.
e) a partícula P1 possui carga positiva e o valor é igual ao da partícula P2.
383

35-(UFSC) A figura representa um espectrômetro de massa, dispositivo usado para a


determinação da massa de íons. Na fonte F, são produzidos íons, praticamente em
repouso. Os íons são acelerados por uma diferença de potencial VAB, adquirindo uma
velocidade sendo lançados em uma região onde existe um campo magnético
uniforme . Cada íon descreve uma trajetória semicircular, atingindo uma chapa
fotográfica em um ponto que fica registrado, podendo ser determinado o raio R da
trajetória.

Considerando a situação descrita, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S):

(01) A carga dos íons, cujas trajetórias são representadas na figura, é positiva.

(02) A energia cinética EC que o íon adquire, ao ser acelerado pela diferença de
potencial elétrico VAB, é igual ao trabalho realizado sobre ele e pode ser expressa por
EC = qVAB, onde q é a carga do íon.

(04) A carga dos íons, cujas trajetórias são representadas na figura, tanto pode ser
positiva como negativa.

(08) O raio da trajetória depende da massa do íon, e é exatamente por isso que é
possível distinguir íons de mesma carga elétrica e massas diferentes.

(16) Mesmo que o íon não apresente carga elétrica, sofrerá a ação do campo magnético
que atuará com uma força de direção perpendicular à sua velocidade .

36-(UNICAMP-SP) A utilização de campos elétrico e magnético cruzados é importante


para viabilizar o uso da técnica híbrida de tomografia de ressonância magnética e de
raios X. A figura a seguir mostra parte de um tubo de raios X, onde um elétron,
movendo-se com velocidade v = 5,0.105 m/s ao longo da direção x, penetra na região
entre as placas onde há um campo magnético uniforme, , dirigido
perpendicularmente para dentro do plano do papel. A massa do elétron é me= 9.10-31 kg
e a sua carga elétrica é q = - 1,6.10-19C. O módulo da força magnética que age sobre o
elétron é dado por F = qvB senθ, onde θ é o ângulo entre a velocidade e o campo
magnético.
384

a) Sendo o módulo do campo magnético B = 0,010T, qual é o módulo do campo elétrico


que deve ser aplicado na região entre as placas para que o elétron se mantenha em
movimento retilíneo uniforme?

b) Numa outra situação, na ausência de campo elétrico, qual é o máximo valor de B para
que o elétron ainda atinja o alvo? O comprimento das placas é de 10 cm.

37-(FUVEST-SP) Um próton de massa M=1,26.10-7kg, com carga elétrica Q=1,6.10-


19
C, é lançada em A, com velocidade vo, em uma região onde atua um campo magnético
uniforme B, na direção x. A velocidade vo, que forma um ângulo θ com o eixo x, tem
componentes vox=4,0.106m/s e voy=3,0.106m/s. O próton descreve um movimento em
forma de hélice, voltando a cruzar o eixo x, em P, com a mesma velocidade inicial, a
uma distância Lo=12m do ponto A.

Desconsiderando a ação do campo gravitacional e utilizando π=3, determine:

a) o intervalo de tempo ∆t, em segundos, que o próton demora para ir de A a P.

b) o raio R, em metros, do cilindro que contém a trajetória em hélice do próton.

c) a intensidade do campo magnético B, em tesla, que provoca esse movimento.

38-(UFBA) A figura esquematiza o experimento realizado por JJ. Thomson para


determinar a razão carga/massa do elétron. Nesse experimento, os elétrons, de massa m
e carga q, são emitidos pela fonte F, a partir do repouso, e acelerados pela ddp U da
fonte, penetrando na região do campo de indução magnética uniforme , através do
orifício O existente na placa e incidindo no ponto P.
385

Desprezando-se as ações gravitacionais, é correto afirmar:

01. As linhas de indução magnética são perpendiculares ao plano da figura, orientadas


para fora desse plano.

02. A força magnética que atua nos elétrons tem sentido da esquerda para a direita.

04. Na região de , a variação da energia cinética é zero.

08. A medida do segmento OP é m.v/qB

16. O tempo de permanência dos elétrons na região de é πm/qB

Dê como resposta a soma dos números correspondentes às afirmações corretas.

39-(IME–RJ) Considere um elétron de massa m e carga -e, que se move com velocidade
conforme indicado na figura. No instante t = 0 é ligado um campo magnético
uniforme em todo o espaço. Desprezando a ação da gravidade, determine:

a) o trabalho realizado pela força magnética após um intervalo de tempo ∆t.


b) o período do movimento no plano perpendicular a .
c) a trajetória seguida pelo elétron, graficamente.

40-(UFRJ-RJ-09) Uma partícula de massa m e carga elétrica positiva q entra em uma


região na qual existem um campo elétrico e um campo magnético, ambos uniformes,
constantes, perpendiculares entre si e de módulos respectivos E e B. O peso da partícula
386

é totalmente desprezível comparado à força elétrica, de modo que podemos supor


somente as forças elétrica e magnética agindo sobre a partícula na região.

A partícula entra na região com velocidade inicial , de módulo vo = 2E/B e direção


perpendicular aos campos elétrico e magnético, e desvia-se até atingir, com velocidade
nula, uma distância máxima d da reta suporte da velocidade inicial . A partícula volta
a aproximar-se dessa reta, de modo que sua trajetória é uma curva plana como ilustra a
figura a seguir.

Considerando como dados E, B, q e m, calcule a distância d.

41-(UNESP-SP-2010) Uma tecnologia capaz de fornecer altas energias para partículas


elementares pode ser encontrada nos aceleradores de partículas, como, por exemplo, nos
cíclotrons. O princípio básico dessa tecnologia consiste no movimento de partículas
eletricamente carregadas submetidas a um campo magnético perpendicular à sua
trajetória.

Um cíclotron foi construído de maneira a utilizar um campo magnético uniforme, , de


módulo constante igual a 1,6 T, capaz de gerar uma força magnética, , sempre
perpendicular à velocidade da partícula. Considere que esse campo magnético, ao atuar
sobre uma partícula positiva de massa igual a 1,7 x 10–27 kg e carga igual a 1,6 x 10–19
C, faça com que a partícula se movimente em uma trajetória que, a cada volta, pode ser
considerada circular e uniforme, com velocidade igual a 3,0 x 104 m/s. Nessas
condições, o raio dessa trajetória circular seria aproximadamente

a) 1 x 10–4 m. b) 2 x 10–4 m. c) 3 x 10–4 m. d) 4 x 10–4


m. e) 5 x 10–4 m.
387

42-(UFMG-MG- 2010) Reações nucleares que ocorrem no Sol produzem partículas –


algumas eletricamente carregadas –, que são lançadas no espaço. Muitas dessas
partículas vêm em direção à Terra e podem interagir com o campo magnético desse
planeta.

Nesta figura, as linhas indicam, aproximadamente, a direção e o sentido do campo


magnético em torno da Terra:

Nessa figura, K e L representam duas partículas eletricamente carregadas e as setas


indicam suas velocidades em certo instante.

Com base nessas informações, Alice e Clara chegam a estas conclusões:

• Alice - “Independentemente do sinal da sua carga, a partícula L terá a direção de sua


velocidade alterada pelo campo magnético da Terra.”

• Clara - “Se a partícula K tiver carga elétrica negativa, sua velocidade será reduzida
pelo campo magnético da Terra e poderá não atingi-la.”

Considerando-se a situação descrita, é CORRETO afirmar que

a) apenas a conclusão de Alice está certa. b) apenas a conclusão de Clara está


certa. c) ambas as conclusões estão certas.

d) nenhuma das duas conclusões está certa.

43-(ITA-SP-2010) Um elétron e acelerado do repouso através de uma diferença de


potencial V e entra numa região na qual atua um campo magnético, onde ele inicia um
movimento ciclotrônico, movendo-se num circulo de raio RE com período TE. Se um
próton fosse acelerado do repouso através de uma diferença de potencial de mesma
magnitude e entrasse na mesma região em que atua o campo magnético, poderíamos
afirmar sobre seu raio RP e período TP que

a) RP = RE e TP = TE. b) RP > RE e TP > TE. c) RP > RE e TP = TE.


d) RP < RE e TP = TE.

e) RP = RE e TP < TE.
388

44-(UFMS-MS-2010) O acelerador LHC colidiu dois prótons, girando em trajetórias


circulares com sentidos opostos, sendo um no sentido horário e o outro no sentido anti-
horário, veja a figura. Considere que as trajetórias dos prótons antes da colisão eram
mantidas circulares devido unicamente à interação de campos magnéticos
perpendiculares ao plano das órbitas dos prótons. Com fundamentos no
eletromagnetismo, é correto afirmar:

01) A finalidade do campo magnético é apenas mudar a direção da velocidade dos


prótons.

02) A finalidade do campo magnético é aumentar a energia cinética dos prótons.

04) O próton que está girando no sentido anti-horário está submetido a um campo
magnético que possui um sentido que está entrando no plano da página.

08) A força magnética aplicada em cada próton possui direção tangente à trajetória.

16) A força magnética aplicada em cada próton não realiza trabalho.

45-(UNIRG-TO-010)
389

Essa configuração de campos elétrico e magnético funciona como um seletor de


velocidade para partículas carregadas. Desprezando-se a força gravitacional, a
velocidade em que a partícula não sofre desvio, ou seja, a força elétrica anula a força
magnética, é dada por

a) qE/B b) E/B c) B/q


d) B/E

46-(UFG-GO-010)

Uma cavidade em um bloco de chumbo contém uma amostra radioativa do elemento


químico bário. A figura (a) ilustra as trajetórias das partículas a, b e g emitidas após o
decaimento radioativo.

Aplica-se um campo magnético uniforme entrando no plano da folha, conforme


ilustrado na figura (b). O comportamento representado pelas trajetórias ocorre porque

a) a partícula b tem carga positiva e quantidade de movimento maior que a de a.

b) as partículas a e b têm cargas opostas e mesma quantidade de movimento.

c) a partícula a tem carga positiva e quantidade de movimento maior que a de b.

d) a partícula a tem carga maior e quantidade de movimento menor que a de b.

e) a partícula g tem carga positiva e quantidade de movimento menor que a de b.

47-(FUVEST-SP-010)
390

A figura a seguir mostra o esquema de um instrumento (espectrômetro de massa),


constituído de duas partes. Na primeira parte, há um campo elétrico , paralelo a esta
folha de papel, apontando para baixo, e também um campo magnético , perpendicular
a esta folha, entrando nela. Na segunda, há um campo magnético, de mesma direção
que , mas em sentido oposto. Íons positivos, provenientes de uma fonte, penetram na
primeira parte e, devido ao par de fendas F1 e F2 , apenas partículas com velocidade ,
na direção perpendicular aos vetores e , atingem a segunda parte do equipamento,
onde os íons de massa m e carga q tem uma trajetória circular com raio R.

a) Obtenha a expressão do módulo da velocidade em função de e de .

b) Determine a razão m/q dos íons em função dos parâmetros E, B1, B2 e R.

c) Determine, em função de R, o raio R’ da trajetória circular dos íons, quando o campo


magnético, na segunda parte do equipamento, dobra de intensidade, mantidas as demais
condições.

48-(UFOP-MG-010)

O cíclotron é um acelerador em que partículas carregadas executam movimento circular


em um plano perpendicular a um campo
391

magnético uniforme de módulo B. Se o campo magnético for o único campo aplicado,


a velocidade angular do movimento circular resultante depende somente da razão
carga/massa e de B. Em um acelerador típico, o valor de B é de 1 tesla e as partículas
percorrem uma trajetória de raio de 50 cm.

Qual a ordem de grandeza da velocidade da partícula (dados: carga igual a 1,6.10-19C e


massa igual 1,67.10-27 kg)?

a) 103 m/s b) 105 m/s c) 107 m/s d) 109


m/s

49-(UEPG-PR-011)

Cargas elétricas em movimento originam campo magnético. Quando uma carga elétrica
encontra-se em movimento, em um campo magnético, há uma interação entre esse
campo e o campo originado pela carga. Essa interação é manifestada por uma força que
age na carga elétrica, a qual é denominada força magnética.

Sobre força magnética, assinale o que for correto.

01) O sentido da força magnética depende do sinal da carga em movimento.

02) A direção da força magnética, sobre uma carga em movimento, é perpendicular ao


plano formado pelo vetor velocidade da carga e pelo vetor indução magnética.

04) Quando uma carga elétrica é lançada perpendicularmente em direção de um campo


magnético uniforme, a carga descreverá uma trajetória circular.

08) A força magnética sobre uma carga elétrica movendo-se, em uma direção paralela à
direção do campo magnético uniforme, é nula.

50-(UFTM-MG-011)
392

Um elétron penetra numa região entre duas placas planas e paralelas pela fenda F1 e a
atravessa segundo a direção tracejada mostrada na figura, saindo pela fenda F2, sem
sofrer desvio.

Durante a travessia, o elétron fica sujeito a um campo de indução magnética e a um


campo elétrico , ambos uniformes. Considerando o sistema de referência xyz, e
sabendo que as placas são paralelas ao plano xz, isso será possível se

a) tiver a mesma direção e o mesmo sentido do eixo x, e tiver a mesma direção e o


mesmo sentido do eixo z.

b) tiver a mesma direção e o mesmo sentido do eixo z, e tiver a mesma direção e o


mesmo sentido do eixo y.

c) tiver a mesma direção e o mesmo sentido do eixo y, e tiver a mesma direção e o


sentido oposto ao do eixo z.

d) e tiverem a mesma direção e o mesmo sentido do eixo z.

e) e tiverem a mesma direção e o mesmo sentido do eixo x.

51-(ITA-SP-011)

Prótons (carga e e massa mp), deuterons (carga e e massa md = 2mp) e partículas alfas
(carga 2e e massa ma = 4mp) entram em um campo magnético uniforme
perpendicular a suas velocidades, onde se movimentam em órbitas circulares de
períodos Tp, Td e Ta, respectivamente. Pode-se afirmar que as razões dos períodos Td/Tp
e Ta/Tp são, respectivamente,
393

a) 1 e 1. b) 1 e √2. c) √2 e 2. d) 2 e √2.
e) 2 e 2.

52-(UNIMONTES-MG-011)

Uma partícula carregada é injetada em uma região onde atua apenas um campo
magnético de módulo B, perpendicular ao movimento inicial da partícula (veja a figura
abaixo). Esse campo é suficiente para fazer com que a partícula descreva um

movimento circular. A carga da partícula é o triplo da carga do elétron, o módulo do


campo é 2 T, e o módulo da velocidade da partícula é V = 10-4.c, em que c é a
velocidade da luz no vácuo. Se a massa da partícula é M = 3.10-25 kg, o raio R, descrito
pela partícula, será, aproximadamente,

Dados: e = 1,6.10-19 C e c=3.108 m/s

a) 1 cm. b) 1 mm. c) 1 dm.


d) 1 m.

53-(UFRJ-RJ-011)

Uma partícula de massa m e carga q positiva, em movimento retilíneo uniforme, penetra


em uma região na qual há um campo magnético uniforme, vertical e de módulo B. Ao
sair da região, ela retoma um movimento retilíneo uniforme.
394

Todo o movimento se processa em um plano horizontal e a direção do movimento


retilíneo final faz um ângulo θ com a direção do movimento retilíneo inicial. A
velocidade da partícula é grande o bastante para desprezarmos a força gravitacional, de
modo a considerarmos apenas a força magnética sobre ela.

a) Determine a razão v’ / v entre o módulo v’ da velocidade do movimento retilíneo


final e o módulo v da velocidade do

movimento retilíneo inicial.

b) Calcule quanto tempo a partícula demora para atravessar a região em que há campo
magnético em função de q, m, B e .

54-(UFPR-PR-011)

Uma experiência interessante, que permite determinar a velocidade com em que


partículas elementares se movem, consiste em utilizar um campo magnético em
combinação com um campo elétrico . Uma partícula elementar com carga Q negativa
move-se com velocidade paralelamente ao plano do papel (referencial inercial) e
entra em uma região onde há um campo magnético uniforme, constante e orientado
para dentro do plano do papel, como mostra a figura. Ao se deslocar na região do campo
magnético, a partícula fica sujeita a uma força magnética .

a) Obtenha uma expressão literal para o módulo de e represente na figura o vetor


para a posição indicada da partícula.
395

b) Dispõe-se de um sistema que pode gerar um campo elétrico uniforme, constante e


paralelo ao plano do papel, que produz uma força elétrica sobre a partícula.
Represente na figura o vetor necessário para que a partícula de carga Q mova-se em
movimento retilíneo uniforme. Em seguida, obtenha uma expressão literal para o
módulo da velocidade da partícula quando ela executa esse movimento, em função
das grandezas apresentadas no enunciado.

55-(UCPEL-RS-012)

Considere as afirmativas abaixo e as analise como VERDADEIRAS (V) ou FALSAS


(F).

I. Uma carga elétrica colocada num campo magnético sempre fica sujeita a uma força.

II. Em cada ponto, as linhas do campo magnético são perpendiculares ao vetor campo
magnético.

III. Um elétron move-se no vácuo com velocidade constante, quando penetra num
campo magnético uniforme de direção perpendicular a sua velocidade, passa a mover-se
em movimento retilíneo uniformemente acelerado.

IV. Se vários resistores estiverem ligados em paralelo, o que tiver maior resistência
dissipa maior potência elétrica devido ao efeito Joule.

V. A resistividade de um condutor é diretamente proporcional ao comprimento que


possui.

A sequência correta é

(A) V – V – F – F – F (B) V – V – V – V – V
(C) V – V – F – V – V

(D) F – V – F – F – V (E) F – F – F – F – F

56-(PUC-RJ-012)
396

Em uma experiência de física, observa-se que uma carga elétrica puntiforme com carga
elétrica q = 2 x 10-3C se movimenta com velocidade constante v = 4 m/s, paralela ao
eixo y, como ilustra a trajetória tracejada da figura.

Sabendo que a região do espaço por onde a carga se movimenta possui campo elétrico E
= 2 N/C ao longo do eixo z e campo magnético B ao longo do eixo x, ambos uniformes,
também representados na figura, determine:

a) módulo, direção e sentido da força feita pelo campo elétrico sobre a carga q;

b) módulo do campo magnético em N.s/m.C) atuando na carga

57-(UEM-PR-012)

Uma partícula, de massa M e carga elétrica Q positiva, é lançada horizontalmente com


velocidade , da direita para a esquerda, em uma região do espaço onde existem vácuo
e um campo elétrico uniforme , que está direcionado de cima
397

para baixo. Nessa região do espaço, também existem um campo magnético uniforme
, orientado perpendicularmente para dentro do plano da página. De posse dessas
informações, desconsiderando ação da gravidade, assinale o que for correto.

01) O módulo da força resultante que atua sobre a partícula é Q(vH + E).

02) Para que a trajetória da partícula se mantenha retilínea, é necessário que o módulo
da sua velocidade de lançamento seja Vo=E/H.

04) Na situação descrita no enunciado, a trajetória da partícula é sempre desviada para


baixo.

08) As linhas de força do campo magnético formam superfícies fechadas.

16) A passagem da partícula carregada na região dos campos elétrico e magnético altera
as características físicas desses campos.

58-(UFES-ES-012)

Um bloco rígido e isolante de massa 400 g possui uma carga elétrica embutida positiva
de 10,0 C e encontra-se em repouso em uma superfície definida pelo plano zy no ponto
A, como é representado na figura ao lado.
398

Um campo elétrico uniforme e constante , de intensidade 1,00.102 N/C, é mantido


ligado acelerando linearmente o bloco, até este atingir o ponto B. No trecho entre os
pontos B e C, um campo magnético uniforme e constante é aplicado
perpendicularmente ao plano xy representado por esta folha de papel e com sentido para
dentro do papel. Considere que o bloco pode deslizar livremente, sem atrito, entre os
pontos A e C; porém, existe atrito entre os pontos C e D.

A) Determine a velocidade escalar do bloco no momento imediatamente antes de atingir


o ponto B. Considere que o bloco é um ponto material e que a distância entre A e B é de
50,0 cm.

B) Identifique e desenhe, num diagrama, as forças que atuam no bloco, quando ele se
encontra entre os pontos B e C.

C) Encontre a intensidade do campo magnético para que a força de contato entre o


bloco e a superfície definida pelo plano zy seja nula no trecho de B a C.

D) Determine o coeficiente de atrito cinético entre o bloco e a superfície definida pelo


plano zy em função de v, g e d, considerando que o bloco chega ao ponto C com uma
velocidade horizontal v e para no ponto D, percorrendo uma distância d.

59-(UDESC-SC-012)
399

A figura representa uma região do espaço onde existe um campo magnético uniforme
orientado perpendicularmente para dentro do plano desta figura. Uma partícula de
massa m e carga positiva q penetra nessa região de campo magnético,
perpendicularmente às linhas de

campo, com velocidade constante.

Considerando a situação descrita acima, assinale a alternativa incorreta.

a. ( ) O período do movimento executado pela partícula na região de campo


magnético não depende de sua velocidade .

b. ( ) O trabalho realizado pela força magnética sobre a partícula é diferente de zero.

c. ( ) A frequência do movimento é inversamente proporcional à massa m da


partícula.

d. ( ) O módulo da força magnética que atua sobre a partícula é determinado pelo


produto qVB.

e. ( ) O raio da trajetória executada pela partícula na região de campo magnético é


proporcional à quantidade de movimento da partícula.

60-(EsPCEx-012)
400

Sob a ação exclusiva de um campo magnético uniforme de intensidade 0,4 T, um próton


descreve um movimento

circular uniforme de raio 10 mm em um plano perpendicular à direção deste campo. A


razão entre a sua massa e a sua carga é de 10-8 kg/C. A velocidade com que o próton
descreve este movimento é de:

[A] 4·105 m/s [B] 2·105 m/s [C] 8·104 m/s [D] 6·104 m/s
[E] 5·103 m/s

Força Magnética sobre um fio

01-(UFB) Represente a força magnética que age sobre cada condutor retilíneo,
percorrido por corrente elétrica e imerso no interior de um campo magnético uniforme,
nos casos:

02-(UFMS-MS) Um fio condutor, de comprimento L, percorrido por uma corrente de


intensidade i, está imerso num campo magnético uniforme B. A figura a seguir mostra
três posições diferentes do fio (a), (b) e (c), em relação à direção do campo magnético.
Sendo F(a), F(b) e F(c) as intensidades das forças magnéticas produzidas no fio, nas
respectivas posições, é correto afirmar que:
401

a) F(a) > F(b) > F(c). b) F(b) > F(a) > F(c). c) F(a) > F(c) > F(b). d) F(c) >
F(b) > F(a). e) F(a) = F(b) = F(c).

03-(UFB) Um fio condutor é dobrado formando um retângulo ABCD (espira


retangular), que pode girar livremente em torno do eixo e. Seja i a intensidade de
corrente constante que percorre a espira no sentido indicado pela figura.

Represente as forças magnéticas que agem em cada lado da espira e determine suas
intensidades considerando: LAD=LBC=0,1m; LAB=LCD=0,2m; i=10 A, B=2,0.10-3T e o
ângulo entre B e i como sendo θ=90o para os lados AB e CD e θ=0o para os lados BC e
AD.

04-(UFRGS) Na figura a seguir, um fio condutor flexível encontra-se na presença de um


campo magnético constante e uniforme perpendicular ao plano da página. Na ausência
de corrente elétrica, o fio permanece na posição B. Quando o fio é percorrido por certa
corrente elétrica estacionária, ele assume a posição A.

Para que o fio assuma a posição C, é necessário

a) inverter o sentido da corrente e do campo aplicado. b) inverter o sentido da


corrente ou inverter o sentido do campo.
402

c) desligar lentamente o campo. d) desligar lentamente a


corrente.

e) desligar lentamente o campo e a corrente.

05-(UFB) A barra metálica condutora PQ está em equilíbrio e é percorrida pela corrente


i indicada na figura. Identifique os pólos

norte e sul do imã.

06-(UE-PB) Um professor de física resolve fazer um experimento de eletromagnetismo


que objetiva determinar o valor do campo magnético entre os pólos do imã. Para isso,
ele utiliza um imã, uma bateria que fornece 4,8V a um condutor cilíndrico AC com
massa 5g, comprimento de 10cm e resistência elétrica igual a 0,10Ω. Ao ligar a bateria
ao circuito, mostrado na figura, o condutor cilíndrico fica suspenso em equilíbrio.

Considerando-se que as linhas de campo são perpendiculares ao condutor, que a


resistência elétrica dos fios é 0,02Ω, que a massa dos fios é desprezível e adotando
g=10m/s2, o professor concluiu que o campo magnético, em tesla, tem valor igual a:

a) 12,5.10-3 b) 125 c) 1,25.10-4 d) 12,5.10-2 e)


1.250

07-(UFPE-PE) Um fio MN, de 40cm de comprimento e massa igual a 30g, está


suspenso horizontalmente por uma mola ideal de constante elástica k=10N/m. O
403

conjunto encontra-se em uma região de campo magnético uniforme B=0,1Wb/m2,


como mostra a figura.

Quando a corrente no fio for 10 A, dirigida de N para M, atuará sobre o fio uma força
magnética verticalmente para baixo. Determine a elongação total, devido à força
magnética e à força gravitacional, sofrida pela mola, em cm.

08-(UNICAMP-SP) Um fio condutor rígido de 200 g e 20 cm de comprimento é ligado


ao restante do circuito por meio de contatos deslizantes sem atrito, como mostra a figura
.

O plano da figura é vertical. Inicialmente a chave está aberta. O fio condutor é preso a
um dinamômetro e se encontra numa região com campo magnético de 1,0T, entrando
perpendicularmente no plano da figura: (considere g=10m/s2)

a) calcule a força medida pelo dinamômetro com a chave aberta, estando o fio em
equilíbrio.
b) determine a direção e a intensidade da corrente elétrica no circuito após o fechamento
da chave, sabendo-se que o dinamômetro passa a indicar leitura zero.
c) calcule a tensão da bateria sabendo-se que a resistência total do circuito é de 6,0Ω.

09-(UFG–GO) Para medir a intensidade de um campo magnético uniforme, utiliza-se o


aparato ilustrado na figura. O fio condutor tem comprimento 2,5 cm; as molas,
404

condutoras de eletricidade, têm constante elástica 5,0N/m. Quando a tensão elétrica está
desligada as molas apresentam deformação de 2,0 mm. Com a tensão ajustada para
produzir uma corrente de 1,0A as molas retornam ao estado natural. Dado que o campo
magnético é perpendicular ao plano da figura, determine a sua magnitude e o seu
sentido. Despreze os efeitos da corrente e do campo sobre as molas.

10-(UEL-PR) "Trem magnético japonês bate seu próprio recorde de velocidade (da
Agência Lusa) - Um trem japonês que levita magneticamente, conhecido por "Maglev",
bateu hoje o seu próprio recorde de velocidade ao atingir 560 km/h durante um teste de

via. O comboio de cinco vagões MLX01, cujo recorde anterior de 552 km/h fora
alcançado em abril de 1999 com 13 pessoas a bordo, alcançou sua nova marca sem levar
passageiros. O trem japonês fica ligeiramente suspenso da via pela ação de magnetos, o
que elimina a redução da velocidade causada pelo atrito com os trilhos".
(Disponível:http:www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia Acesso em: 13 set. 2004).

É possível deixar suspenso um corpo condutor criando uma força magnética contrária à
força gravitacional que atua sobre ele. Para isso, o corpo deve estar imerso em um
campo magnético e por ele deve passar uma corrente elétrica. Considerando um fio
condutor retilíneo como uma linha horizontal nesta folha de papel que você lê, que deve
ser considerada como estando posicionada com seu plano paralelo à superfície terrestre
e à frente do leitor. Quais devem ser as orientações do campo magnético e da corrente
elétrica, de modo que a força magnética resultante esteja na mesma direção e no sentido
contrário à força gravitacional que atua sobre o fio? Ignore as ligações do fio com a
fonte de corrente elétrica.

a) A corrente deve apontar para esquerda ao longo do fio, e o campo magnético deve
estar perpendicular ao fio, apontando para o leitor

b) A corrente deve apontar para a esquerda ao longo do fio, e o campo magnético deve
estar paralelo ao fio, apontando para a direita.
405

c) A corrente deve apontar para a direita ao longo do fio, e o campo magnético deve
estar perpendicular ao fio, apontando para fora do plano da folha.

d) A corrente deve apontar para a direita ao longo do fio, e o campo magnético deve
estar paralelo ao fio, apontando para a direita.

e) A corrente deve apontar para a esquerda ao longo do fio, e o campo magnético deve
estar perpendicular ao fio, apontando para dentro do plano da folha.

11-(UNIFESP-SP-09) Na região quadriculada da figura existe um campo magnético


uniforme, perpendicular ao plano do reticulado e penetrando no plano da figura. Parte
de um circuito rígido também passa por ela, como ilustrado na figura.

A aresta de cada célula quadrada do quadrilátero tem comprimento u, e pelo fio passa
uma corrente elétrica de intensidade i. Analisando a força magnética que age sobre cada
elemento de comprimento u do fio do circuito, coincidente com a aresta das células
quadradas, a intensidade da força magnética resultante sobre a parte do circuito exposta
ao campo B é:

a) nula. b) iBu/2. c) iBu. d) 3iBu.


e) 13iBu.

12-(FUVEST-SP-09) Para estimar a intensidade de um campo magnético Bo, uniforme


e horizontal, é utilizado um fio condutor rígido, dobrado com a forma e dimensões
indicadas na figura, apoiado sobre suportes fixos, podendo girar livremente em torno do
eixo OO'. Esse arranjo funciona como uma "balança para forças eletromagnéticas". O
fio é ligado a um gerador, ajustado para que a corrente contínua fornecida seja sempre i
= 2,0 A, sendo que duas pequenas chaves, A e C, quando acionadas, estabelecem
diferentes percursos para a corrente. Inicialmente, com o gerador desligado, o fio
permanece em equilíbrio na posição horizontal. Quando o gerador é ligado, com a chave
A, aberta e C, fechada, é necessário pendurar uma pequena massa M1 = 0,008 kg, no
meio do segmento P3 – P4, para restabelecer o equilíbrio e manter o fio na posição
horizontal.
406

a) Determine a intensidade da força eletromagnética F1, em newtons, que age sobre o


segmento P3P4 do fio, quando o gerador é ligado com a chave A, aberta e C, fechada.

b) Estime a intensidade do campo magnético Bo, em teslas.

c) Estime a massa M2, em kg, necessária para equilibrar novamente o fio na horizontal,
quando a chave A está fechada e C, aberta. Indique onde deve ser colocada essa massa,
levando em conta que a massa M1 foi retirada.

As extremidades P1, P2, P3 e P4 estão sempre no mesmo plano.

13-(UFC-CE-09) Na figura a seguir, o circuito principal é formado por uma bateria


(resistência interna nula e força eletromotriz E), duas molas condutoras (cada uma com
constante elástica k = 2 N/m e resistência elétrica R = 0,05 Ω), uma barra condutora de
comprimento L = 30 cm e resistência elétrica desprezível. As molas estão em seus
comprimentos naturais (sem deformação). Um campo magnético de módulo B=0,01 T,
perpendicular ao plano da figura e apontando para dentro da página, está presente na
região da barra.

Existe ainda outra barra isolante, conectada a uma ponta condutora, fixa ao ramo
superior do circuito principal. A massa da barra isolante é desprezível. Uma lâmpada de
resistência r e uma bateria de força eletromotriz E' compõem o circuito anexo (veja a
figura a seguir). A altura entre a ponta condutora e o ramo superior do circuito anexo é h
= 3 cm.
407

Assinale a alternativa que contém o valor mínimo da força eletromotriz ε no circuito


principal, de modo que a lâmpada no circuito anexo seja percorrida por uma corrente
elétrica (desconsidere quaisquer efeitos gravitacionais).

a) 0,5 V. b) 1,0 V. c) 2,0 V. d) 3,0 V.


e) 4,0 V.

14-(PUC-RS-2010)) Resolver a questão com base nas informações a seguir.

O músculo cardíaco sofre contrações periódicas, as quais geram pequenas diferenças de


potencial, ou tensões elétricas, entre determinados pontos do corpo.

A medida dessas tensões fornece importantes informações sobre o funcionamento do


coração. Uma forma de realizar essas medidas é através de um instrumento denominado
eletrocardiógrafo de fio.

Esse instrumento é constituído de um ímã que produz um campo magnético intenso por
onde passa um fio delgado e flexível. Durante o exame, eletrodos são posicionados em
pontos específicos do corpo e conectados ao fio. Quando o músculo cardíaco se contrai,
uma tensão surge entre esses eletrodos e uma corrente elétrica percorre o fio. Utilizando
um modelo simplificado, o posicionamento do fio retilíneo no campo magnético
uniforme do ímã do eletrocardiógrafo pode ser representado como indica a figura a
seguir, perpendicularmente ao plano da página, e com o sentido da corrente saindo do
plano da página.

Com base nessas informações, pode-se dizer que, quando o músculo cardíaco se contrai,
o fio sofre uma deflexão

a) lateral e diretamente proporcional à corrente que o percorreu.

b) lateral e inversamente proporcional à intensidade do campo magnético em que está


colocado.

c) vertical e inversamente proporcional à tensão entre os eletrodos.


408

d) lateral e diretamente proporcional à resistência elétrica do fio.

e) vertical e diretamente proporcional ao comprimento do fio.

(IFET-MG-011) O enunciado a seguir refere-se às questões 15 e 16

A figura abaixo mostra uma região onde existe um campo magnético uniforme , de
módulo igual a 5,0.10-1T, localizado entre os pólos de um imã. Nessa região, há uma
mola ideal , de constante elástica k igual a 2,0.102N/m, presa ao teto, que sustenta em
sua

extremidade um fio cilíndrico, condutor e retilíneo, de comprimento L igual a 2,0m e


massa M igual a 6,0.102g. O fio é percorrido por uma corrente contínua i, cujo sentido
está indicado pelo símbolo .

15-(IFET-MG -011)

Observando a figura acima, podemos concluir que a força magnética que atua sobre o
fio apontará

a) verticalmente para baixo b) verticalmente para cima c) perpendicularmente


ao plano do papel, afastando-se do leitor d) perpendicularmente ao plano do papel,
aproximando-se do leitor e) horizontalmente para a direita

16-(IFET-MG-011)
409

Admitindo que o sistema esteja em equilíbrio e adotando a aceleração da gravidade g


igual a 10m/s2, o valor da deformação x sofrida pela mola quando a corrente i for igual a
4,0.10-1 A é, em módulo, igual a

a) 32cm b) 64cm c) 6,4.10-2m d) 3,2.10-


2
m e) 3,2.10-2cm

17-(UNIFESP-SP-012)

Uma mola de massa desprezível presa ao teto de uma sala, tem sua outra extremidade
atada ao centro de uma barra metálica homogênea e na horizontal, com 50 cm de
comprimento e 500 g de massa. A barra metálica, que pode movimentar-se num plano
vertical, apresenta resistência ôhmica de 5 Ω e está ligada por fios condutores de massas
desprezíveis a um gerador G de corrente contínua, de resistência ôhmica interna de 5 Ω,
apoiado sobre uma mesa horizontal. O sistema barra-mola está em um plano
perpendicular a um campo magnético B horizontal, cujas linhas de campo penetram
nesse plano, conforme mostra a figura.

Determine:

a) a força eletromotriz, em volts, produzida pelo gerador e a potência elétrica dissipada


pela barra metálica, em watts.
410

b) a deformação, em metros, sofrida pela mola para manter o sistema barra-mola em


equilíbrio mecânico. Suponha que os fios elétricos não fiquem sujeitos a tensão
mecânica, isto é, esticados.

Campo Magnético gerado por um fio

01-(FATEC-SP) Um condutor reto e longo é percorrido por corrente elétrica invariável


i. As linhas de indução de seu campo magnético seguem o esquema:

02- (FURG-RS) Um fio condutor retilíneo e muito longo é percorrido por uma corrente
elétrica constante, que cria um campo magnético em torno do fio. Podemos afirmar que
esse campo magnético:
a) tem o mesmo sentido da corrente elétrica. b) é uniforme. c) é paralelo
ao fio. d) aponta para o fio.
e) diminui à medida que a distância em relação ao condutor aumenta.

O3-(UEL-PR) Um fio longo e retilíneo, quando percorridos por uma corrente elétrica,
cria um campo magnético nas suas proximidades. A permeabilidade magnética é µ=
4π10-7 T.
Observe a figura abaixo.

Se a corrente elétrica é de 5,0 A, o campo magnético criado num ponto P distante 0,20
m do fio, conforme a figura, vale:
a) 1,0 . 10-5T, orientado como a corrente i. b) 1,0 . 10-5T, perpendicular ao plano
do papel, para fora.
c) 5,0 . 10-6T, dirigido perpendicularmente ao fio, no próprio plano do papel.
d) 5,0 . 10-6T, orientado contra a corrente i. e) 5,0 . 10-6T, perpendicularmente
ao plano do papel, para dentro.
411

04-(Fuvest-SP) A figura representa 4 bússolas apontando, inicialmente, para o pólo


norte terrestre. Pelo ponto O, perpendicularmente ao plano do papel, coloca-se um fio
condutor retilíneo e longo. Ao se fazer passar pelo condutor uma corrente elétrica
contínua e intensa no sentido do plano do papel para a vista do leitor, permanece
praticamente inalterada somente a posição:

a) das bússolas A e C b) das bússolas B e D c) das bússolas A, C e D


d) da bússola C e) da bússola D

05-(PUC-SP) Na experiência de Oersted, o fio de um circuito passa sobre a agulha de


uma bússola. Com a chave C aberta, a agulha alinha-se como mostra a figura a.
Fechando-se a chave C, a agulha da bússola assume nova posição (figura b).

A partir desse experimento, Oersted concluiu que a corrente elétrica estabelecida no


circuito:

a) gerou um campo elétrico numa direção perpendicular à da corrente.


b) gerou um campo magnético numa direção perpendicular à da corrente.
c) gerou um campo elétrico numa direção paralela à da corrente.
d) gerou um campo magnético numa direção paralela à da corrente.
e) não interfere na nova posição assumida pela agulha da bússola que foi causada pela
energia térmica produzida pela lâmpada.

06-(UNESP-SP) A figura abaixo representa um condutor retilíneo, percorrido por uma


corrente i, conforme indicado. O sentido do campo magnético no ponto P, localizado no
plano da figura, vale:
412

a) contrário ao da corrente b) saindo perpendicularmente da página c)


entrando perpendicularmente na página

d) para sua esquerda, no plano do papel e) para sua direita, no plano do papel

07-(UFPEL-RS) A figura a seguir representa um fio retilíneo e muito longo percorrido


por uma corrente elétrica convencional i, de A para B.

Com relação ao sentido do campo magnético criado pela corrente elétrica no ponto P e a
sua intensidade, é correto afirmar que

a) o sentido é para fora da página e sua intensidade depende da distância "r".

b) o sentido é para o ponto "1" e sua intensidade depende da distância "r".

c) o sentido é para o ponto "2" e sua intensidade independe da distância "r".

d) o sentido é para dentro da página e sua intensidade depende da distância "r".

e) o sentido é para o ponto "3"e sua intensidade depende de "i" e independe de "r".

08-(UNESP-SP) Um fio longo e retilíneo é percorrido por uma corrente elétrica


constante i e o vetor indução magnética em um ponto

próximo ao fio têm intensidade B. Se o mesmo fio for percorrido por uma corrente
elétrica constante igual a 3i, a intensidade do vetor indução magnética no mesmo ponto
próximo ao fio será:
413

a) B/3 b) B c) 2B d)
3B e)6B

09-(UFMG-MG) Um fio condutor reto e vertical passa por um furo em uma mesa, sobre
a qual, próximo ao fio, são colocadas uma esfera carregada, pendurada em uma linha de
material isolante, e uma bússola, como mostrado na figura:

Inicialmente, não há corrente elétrica no fio e a agulha da bússola aponta para ele, como
se vê na figura.

Em certo instante, uma corrente elétrica constante é estabelecida no fio.

Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar que, após se estabelecer a


corrente elétrica no fio,

a) a agulha da bússola vai apontar para uma outra direção e a esfera permanece na
mesma posição.

b) a agulha da bússola vai apontar para uma outra direção e a esfera vai se aproximar do
fio.

c) a agulha da bússola não se desvia e a esfera permanece na mesma posição.

d) a agulha da bússola não se desvia e a esfera vai se afastar do fio.

10-(UFU-MG) A agulha de uma bússola, inicialmente, aponta para a marcação Norte


quando não passa corrente pelo fio condutor, conforme figura1.
414

Ao ligar as extremidades do fio condutor a uma pilha, por onde passa uma corrente, a
agulha muda de direção, conforme figura 2. Com base neste experimento, é correto
afirmar que

a) magnetismo e eletricidade são fenômenos completamente independentes no campo da


física; o que ocorre é uma interação entre o fio e a agulha, independente de haver ou não
corrente.

b) a corrente elétrica cria um campo magnético de forma que a agulha da bússola é


alinhada na direção do campo magnético resultante. Este é o campo magnético da Terra
somado, vetorialmente, ao campo magnético criado pela corrente que percorre o fio.

c) a bússola funciona devido aos pólos geográficos, não tendo relação alguma com o
campo magnético da Terra. A mudança de posição da agulha acontece pelo fato de o fio
alterar a posição dos pólos geográficos da Terra.

d) a agulha muda de direção porque existe uma força coulombiana repulsiva entre os
elétrons do fio e os elétrons da agulha, conhecida como lei de Coulomb.

11-(UFPEL-MG) A figura a seguir mostra dois fios retos e longos, ortogonais entre si,
cada um percorrido por uma corrente elétrica i, de mesma intensidade, com os sentidos
mostrados.

De acordo com seus conhecimentos e com as informações dadas, das regiões I, II, III,
IV, aquelas em que podem existir pontos nos quais o campo magnético resultante criado
pelas correntes seja "não nulo", são

a) apenas I e IV. b) I, II, III e IV. c) apenas II e III. d) apenas


II, III e IV. e) apenas I, II e III.

12-(PUC-MG) - O campo magnético medido em um ponto P próximo de um condutor


longo retilíneo no qual circula uma corrente constante, terá o seu valor quadruplicado
quando:
a. a corrente for quadruplicada e a distância ao condutor também.
b. a corrente for duplicada e a distância reduzida à metade.
c. a corrente for mantida constante e a distância reduzida à metade.
415

d. a corrente for duplicada e a distância ficar inalterada.


e. a corrente e a distância forem reduzidas à metade dos seus valores iniciais.

13-(ITA-SP) Uma corrente elétrica passa por um fio longo, (L) coincidente com o eixo
y no sentido negativo. Uma outra corrente de mesma intensidade passa por outro fio
longo, (M), coincidente com o eixo x no sentido negativo, conforme mostra a figura. O
par de quadrantes nos quais as correntes produzem campos magnéticos em sentidos
opostos entre si é

a) I e II b) II e III c) I e IV d) II e
IV e) I e III

14-(UNIFESP-SP) Um trecho de condutor retilíneo l, apoiado sobre uma mesa, é


percorrido por uma corrente elétrica contínua de intensidade i. Um estudante coloca
uma bússola horizontalmente, primeiro sobre o condutor (situação I) e depois sob o
condutor (situação II). Supondo desprezível a ação do campo magnético terrestre sobre
a agulha (dada a forte intensidade da corrente. , a figura que melhor representa a posição
da agulha da bússola, observada de cima para baixo pelo estudante, nas situações I e II,
respectivamente, é:

15-(UFU-MG) A figura representa o chão de uma sala, sendo AB a direção norte-sul da


Terra. Um fio reto é colocado verticalmente

Nessa sala, conduzindo uma corrente i, dirigida para cima, de intensidade muito
elevada. Uma pequena agulha magnética é colocada no ponto P indicado na figura. A
orientação final da agulha é:
416

16-(FUVEST-SP) A figura adiante indica 4 bússolas que se encontram próximas a um


fio condutor, percorrido por uma intensa corrente elétrica.

a) Represente, na figura, a posição do condutor e o sentido da corrente.

b) Caso a corrente cesse de fluir qual será a configuração das bússolas? Faça a figura
correspondente.

17-(UEL-PR) Numa sala de aula foram montados dois condutores verticais C1 e C2 que
suportam as correntes elétricas ascendentes de 3,0 e 4,0 ampéres, respectivamente.
Essas correntes elétricas geram campo magnético na região e, em particular, num ponto
P situado no centro da sala. O esquema a seguir indica a posição relativa dos condutores
e do ponto P na sala de aula.

Nessas condições, o vetor indução magnética no ponto P é

a) horizontal dirigido para o fundo da sala. b) horizontal dirigido para o


quadro-negro.

c) horizontal e paralelo ao quadro negro. d) vertical dirigido para baixo.

e) vertical dirigido para cima.


417

18-(UFCE-CE) A figura representa dois fios bastante longos ( 1 e 2) perpendiculares ao


plano do papel, percorridos por correntes de sentido contrário, i1 e i2, respectivamente.

A condição para que o campo magnético resultante, no ponto P, seja zero é

a) i1=i2 b) i1=2i2 c) i1=3i2 d)


i1=4i2 e) i1=5i2

19-(UFES-ES) A figura a seguir representa dois fios muito longos, paralelos e


perpendiculares ao plano da página.

Os fios são percorridos por correntes iguais e no mesmo sentido, saindo do plano da
página. O vetor campo magnético no ponto P, indicado na figura, é representado por:

20- (UFG-GO-09) Em uma excursão acadêmica, um aluno levou uma lanterna com
uma bússola acoplada.

Em várias posições durante o dia, ele observou que a bússola mantinha sempre uma
única orientação, perpendicular à direção seguida pelo Sol. À noite, estando a bússola
sobre uma mesa e próxima de um fio perpendicular a ela, notou que a bússola mudou
sua orientação no momento em que foi ligado um gerador de corrente contínua.

A orientação inicial da agulha da bússola é a mostrada na figura a seguir, onde a seta


preenchida indica o sentido do campo magnético da Terra.
418

Ao ligar o gerador, a corrente sobe o fio (saindo do plano da ilustração). Assim, a


orientação da bússola passará ser a seguinte:

21-(PUC-RS) Dois longos fios condutores retilíneos e paralelos, percorridos por


correntes de mesma intensidade, atraem-se magneticamente com força F. Duplicando a
intensidade da corrente em cada um deles e a distância de separação dos condutores, a
intensidade da força magnética que atua entre eles ficará

a) 4F b) 3F c) 2F d) F/2
e) F/4

22-(UNESP-SP) Um fio metálico AB, suspenso por dois fios verticais, condutores e
flexíveis, é colocado próximo e paralelamente a um fio longo pelo qual passa a corrente
elétrica i, no sentido indicado na figura. O fio longo e o fio AB estão no mesmo plano
horizontal.

Utilizando essa montagem, um professor pretende realizar duas experiências, I e II. Na


experiência I, fará passar uma corrente pelo fio AB, no sentido de A para B. Na
experiência II, fará passar a corrente no sentido contrário. Nessas condições, espera-se
que a distância entre o fio longo e o fio AB

a) permaneça inalterada, tanto na experiência I como na experiência II.


419

b) aumente na experiência I e diminua na experiência II.

c) aumente, tanto na experiência I como na experiência II.

d) diminua, tanto na experiência I como na experiência II.

e) diminua na experiência I e aumente na experiência II.

23-(UFRS-RS) Selecione a alternativa que preenche corretamente as lacunas do texto


abaixo, na ordem em que elas aparecem.

A figura a seguir representa dois fios metálicos paralelos, A e B, próximos um do outro,


que são percorridos por correntes elétricas de mesmo sentido e de intensidades iguais a I
e 2I, respectivamente. A força que o fio A exerce sobre o fio B é ........., e sua
intensidade é ........ intensidade da força exercida pelo fio B sobre o fio A.

a) repulsiva - duas vezes maior do que a b) repulsiva - igual à c) atrativa -


duas vezes menor do que a

d) atrativa - duas vezes maior do que a e) atrativa - igual à

24-(UFMG-MG) Em um experimento, André monta um circuito em que dois fios


retilíneos - K e L -, paralelos, são percorridos por correntes elétricas constantes e de
sentidos opostos.

Inicialmente, as correntes nos fios são iguais, como mostrado na Figura I.

Em seguida, André dobra o valor da corrente no fio L, como representado na Figura II.

Sejam F(K) e F(L), respectivamente, os módulos das forças magnéticas nos fios K e L.

Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar que:


420

25-(CFT-CE) Três fios flexíveis e condutores, a, b e c, paralelos, encontram-se fixos em


suas extremidades e separados por uma

pequena distância d. Quando percorridos, simultaneamente, por correntes de mesma


intensidade nos sentidos indicados na figura, suas configurações são melhor
representadas na alternativa:

26-(Mackenzie–SP) A intensidade da força de interação eletromagnética entre dois


condutores retilíneos, dispostos paralelamente um ao outro e percorridos por correntes
elétricas de intensidades i1 e i2, é dada pela equação:F=µoL.i1.i2/2πd. Dois condutores
idênticos estão dispostos paralelamente, como mostra a figura, distantes 10,00 cm um
do outro. Se a distância entre estes condutores passar a ser o dobro da inicial, eles irão
_____ com uma força de intensidade ______ .

a) repelir-se; 2 F. b) repelir-se; F/2. c) atrair-se; 2


F. d) atrair-se; F/2.
e) atrair-se ; √F .

27-(FUVEST-SP) Um circuito é formado por dois fios muito longos, retilíneos e


paralelos, ligados a um gerador de corrente contínua como mostra a figura. O circuito é
percorrido por uma corrente constante i. Pode-se afirmar que a força de origem
magnética que um trecho retilíneo exerce sobre o outro é:
421

a) nula. b) atrativa e proporcional a i. c) atrativa e proporcional a


2
i. d) repulsiva e proporcional a i.
e) repulsiva e proporcional a i2.

28-(ITA-SP-09) A figura representa o campo magnético de dois fios paralelos que


conduzem correntes elétricas. A respeito da força magnética resultante no fio da
esquerda, podemos afirmar que ela:

a) atua para a direita e tem magnitude maior que a da força no fio da direita.

b) atua para a direita e tem magnitude igual à da força no fio da direita.

c) atua para a esquerda e tem magnitude maior que a da força no fio da direita.

d) atua para a esquerda e tem magnitude igual à da força no fio da direita.

e) atua para a esquerda e tem magnitude menor que a da força no fio da direita.

29-(PUC-RS-010)

Resolver a questão com base nas informações a seguir.

O músculo cardíaco sofre contrações periódicas, as quais geram pequenas diferenças de


potencial, ou tensões elétricas, entre determinados pontos do corpo.

A medida dessas tensões fornece importantes informações sobre o funcionamento do


coração. Uma forma de realizar essas medidas é através de um instrumento denominado
eletrocardiógrafo de fio.
422

Esse instrumento é constituído de um ímã que produz um campo magnético intenso por
onde passa um fio delgado e flexível. Durante o exame, eletrodos são posicionados em
pontos específicos do corpo e conectados ao fio. Quando o músculo cardíaco se contrai,
uma tensão surge entre esses eletrodos e uma corrente elétrica percorre o fio. Utilizando
um modelo simplificado, o posicionamento do fio retilíneo no campo magnético
uniforme do ímã do eletrocardiógrafo pode ser representado como indica a figura a
seguir, perpendicularmente ao plano da página, e com o sentido da corrente saindo do
plano da página.

Com base nessas informações, pode-se dizer que, quando o músculo cardíaco se contrai,
o fio sofre uma deflexão

a) lateral e diretamente proporcional à corrente que o percorreu.

b) lateral e inversamente proporcional à intensidade do campo magnético em que está


colocado.

c) vertical e inversamente proporcional à tensão entre os eletrodos.

d) lateral e diretamente proporcional à resistência elétrica do fio.

e) vertical e diretamente proporcional ao comprimento do fio.

30-(UEPG-PR-010)

Em 1820, o físico Hans Christian Oersted demonstrou existir uma íntima relação entre
os fenômenos elétricos e os fenômenos
423

magnéticos. Nascia assim, a teoria eletromagnética na qual é preciso substituir as forças


elétrica e magnética por uma única força, a força eletromagnética. Sobre as relações
entre efeitos elétricos e efeitos magnéticos, assinale o que for correto.

01) Uma carga elétrica cria no espaço à sua volta um campo magnético que atuará sobre
outra carga elétrica, exercendo sobre ela uma força magnética.

02) Sempre que um condutor retilíneo é percorrido por uma corrente elétrica surge um
campo magnético cujas linhas de indução são circulares com centro sobre o
condutor.

04) Uma bobina, quando percorrida por uma corrente elétrica alternada, comporta-se
como um imã.

08) Devido ao seu comportamento magnético, a grande maioria das substâncias


existentes na natureza é classificada em dois grupos, as substâncias diamagnéticas e
as substâncias paramagnéticas.

16) Fenômenos eletrostáticos podem ser produzidos por efeitos magnéticos.

31-(ITA-SP-010)

Considere uma espira retangular de lados √3a e a, respectivamente, em que circula uma
corrente I, de acordo com a figura. A espira pode girar livremente em torno do eixo z.
Nas proximidades da espira há um fio infinito, paralelo ao eixo z, que corta o
424

plano xy no ponto x = a/2 e y = 0. Se pelo fio passa uma corrente de mesma magnitude
I, calcule o momento resultante da força magnética sobre a espira em relação ao eixo z,
quando esta encontra-se no plano yz.

32-(UFPR-PR-011)

Na segunda década do século XIX, Hans Christian Oersted demonstrou que um fio
percorrido por uma corrente elétrica era capaz de causar uma perturbação na agulha de
uma bússola. Mais tarde, André Marie Ampère obteve uma relação matemática para a

intensidade do campo magnético produzido por uma corrente elétrica que circula em
um fio condutor retilíneo. Ele mostrou que a intensidade do campo magnético depende
da intensidade da corrente elétrica e da distância ao fio condutor.

Com relação a esse fenômeno, assinale a alternativa correta.

a) As linhas do campo magnético estão orientadas paralelamente ao fio condutor.

b) O sentido das linhas de campo magnético independe do sentido da corrente.

c) Se a distância do ponto de observação ao fio condutor for diminuída pela metade, a


intensidade do campo magnético será reduzida pela metade.

d) Se a intensidade da corrente elétrica for duplicada, a intensidade do campo magnético


também será duplicada.

e) No Sistema Internacional de unidades (S.I.), a intensidade de campo magnético é


A/m.

33-(IFSP-SP-011)
425

Considere dois fios retilíneos e muito extensos situados nas arestas AD e HG de um


cubo conforme figura a seguir. Os fios são percorridos por correntes iguais a i nos
sentidos indicados na figura. O vetor campo magnético induzido por estes dois fios, no
ponto C, situa-se na direção do segmento

Obs: Desconsidere o campo magnético terrestre.

a) CB. b) CG. c) CF. d) CE.


e) CA.

34-(UFSC-SC-011)

A figura abaixo mostra quatro fios, 1, 2, 3 e 4, percorridos por correntes de mesmo


módulo, colocados nos vértices de um quadrado, perpendicularmente ao plano da
página. Os fios 1, 2 e 3 têm correntes saindo da página e o fio 4 tem uma corrente

entrando na página. Com base na figura, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).


426

01. O campo magnético resultante que atua no fio 4 aponta para o leste.

02. A força magnética resultante sobre o fio 4 aponta para o sudeste.

04. Os fios 1 e 3 repelem-se mutuamente.

08. A força magnética que o fio 2 exerce no fio 3 é maior do que a força magnética que
o fio 1 exerce no fio 3.

16. O campo magnético resultante que atua no fio 2 aponta para o sudoeste.

32. O campo magnético resultante no centro do quadrado aponta para o leste.

35-(UFU-MG-011)

Com o crescimento populacional e, consequentemente, urbano, torna-se necessário o


desenvolvimento de novas tecnologias que, além de facilitarem a vida das pessoas,
economizem energia e preservem o meio ambiente. Exemplos de dispositivos com tais
características são os foto censores, isto é, censores que são acionados através da
incidência de luz.

O princípio básico desses equipamentos é o efeito fotoelétrico, ilustrado na figura


abaixo.

Com base nos dados R1 = 1Ω, R2 = 2 Ω e V = 1 V, responda:

a) Nos pontos A e B, estão conectados dois fios paralelos entre si que são longos o
suficiente para que os efeitos de borda não sejam levados em conta. As resistências R1 e
R2, desenhadas na figura acima, representam a resistência intrínseca aos materiais que
constituem os fios, os quais estão separados por uma distância de 10 cm. Responda qual
é o módulo da força magnética por unidade de comprimento entre os fios e se a força
será atrativa ou repulsiva.
427

b) Dado que a função trabalho do cátodo C é Wo = 3eV, a partir de que comprimento de


onda da luz incidente os elétrons serão emitidos? c=velocidade da luz no
vácuo=3,0.108m/s e h=6.10-34J.s

36-(UFRN-RM-012)

Visando a discutir os efeitos magnéticos da corrente elétrica sobre quatro pequenas


bússolas postas sobre uma placa, um professor montou, em um laboratório didático, o
dispositivo experimental representado na Figura abaixo.

Inicialmente, com a chave desligada, as bússolas ficam orientadas exclusivamente pela


ação do campo magnético terrestre. Ao ligar a chave e fazer circular uma corrente
elétrica no circuito, esta irá produzir um campo magnético muito mais intenso que o
terrestre. Com isso, as bússolas irão se orientar de acordo com as linhas desse novo
campo magnético.

Das representações abaixo, a que melhor representa o efeito do campo magnético


produzido pela corrente sobre as bússolas é
428

37-(UDESC-SC-012)

Dois fios retilíneos e de tamanho infinito, que conduzem correntes elétricas i1 e i2 em


sentidos opostos, são dispostos paralelamente um ao outro, como mostra a figura. A
intensidade de i1 é a metade da intensidade de i2 e a distância entre os dois fios ao longo
da linha ox

é d.Considere as seguintes proposições sobre os campos magnéticos produzidos pelas


correntes i1 e i2 nos pontos localizados ao longo da linha ox:

I. À esquerda do fio 1 não existe ponto no qual o campo magnético resultante seja
nulo.

II. Nos pontos localizados entre o fio 1 e o fio 2, os campos magnéticos produzidos por
ambas as correntes têm o mesmo sentido.

III. À direita do fio 2 existe um ponto no qual o campo magnético resultante é nulo.

IV. O campo magnético resultante é nulo no ponto que fica à distância 3d/4 à esquerda
do fio 2.

Assinale a alternativa correta.

a.( ) Somente as afirmativas II e III são verdadeiras. b.( ) Somente


as afirmativas I e II são verdadeiras.

c.( ) Somente a afirmativa III é verdadeira. d.( ) Somente a


afirmativa II é verdadeira.

e. ( ) Somente a afirmativa IV é verdadeira.


429

38-(UEPA-PA-012)

Os efeitos nocivos das linhas de transmissão na saúde humana constituem matéria de


alto interesse no meio científico, já que alguns

estudos indicam uma correlação entre o campo eletromagnético e o surgimento de


alguns tipos de cânceres. Uma residência localizada a

16 m de uma linha de transmissão percorrida por uma corrente de intensidade igual


a 2400 A, fica sujeita à ação de um campo

magnético de intensidade igual a B. Sabendo-se que a permeabilidade magnética do


vácuo vale µ o = 4π.10-7T.m/A e que a intensidade

do campo magnético típico de um exame de ressonância magnética é Bo = 3 T, afirma-


se que a razão entre Bo e B é igual a:

a) 103 b) 10-4 c) 10-5 d) 106


e) 10-7

Campo magnético gerado por uma espira e por um


solenoide

01-(PUC-BA) Uma espira circular é percorrida por uma corrente


elétrica contínua, de intensidade constante. Quais são as
características do vetor campo magnético no centro da espira?
430

a) É constante e perpendicular ao plano da espira. b) É


constante e paralelo ao plano da espira.

c) No centro da espira é nulo. d) É


variável e perpendicular ao plano da espira.

e) É variável e paralelo ao plano da espira.

02-(UFSC-SC) Seja uma espira circular de raio r, na qual passa uma


corrente de intensidade i. Considere o campo magnético gerado por
essa espira. Marque a(s) proposição(ões) verdadeira(s):
01. O campo no centro da espira é perpendicular ao plano definido
pela espira.
02. O campo no centro da espira está contido no plano definido pela
espira.
04. O campo gerado fora da espira, no plano definido por ela, tem
mesma direção e sentido do campo gerado no interior da espira,
também no plano definido por ela.
08. Se dobrarmos a corrente i, o campo gerado cai à metade.
16. Se dobrarmos o raio da espira, o campo gerado em seu centro
também dobra.
32. Se invertermos o sentido da corrente, a direção e o sentido do
campo gerado não se alteram.

03-(MACKENZIE-SP) Uma espira circular condutora é percorrida por


uma corrente elétrica de intensidade i e perfura

ortogonalmente uma superfície plana e horizontal, conforme a figura


acima. O segmento CD, pertencente ao plano da superfície, é
diâmetro dessa espira e o segmento AB, também pertencente a esse
plano, é perpendicular a CD, assim como EF é perpendicular a GH e
ambos coplanares aos segmentos anteriores.

Se apoiarmos o centro de uma pequena agulha imantada sobre o


centro da espira, com liberdade de movimento, ela se alinhará a:
431

a) AB b) CD c) EF d)
GH

04-(UFRN-RN) Em alguns equipamentos eletroeletrônicos, costuma-


se torcer, juntos, os fios que transportam correntes elétricas, para se
evitarem efeitos magnéticos em pontos distantes do equipamento,
onde há outros dispositivos. Por exemplo, a tela fluorescente de um
televisor, na qual incidem elétrons, não deve sofrer influência
magnética das correntes que fluem em outras partes do aparelho,
senão ocorreriam distorções ou interferências na imagem.

Esses efeitos magnéticos indesejáveis serão evitados com maior


eficácia os fios a serem torcidos forem percorridos por correntes de

a) mesmo valor e mesmo sentido. b) mesmo valor e


sentidos contrários. c) valores diferentes e sentidos
contrários.

d) valores diferentes e mesmo sentido.

05-(ITA-SP) Um espira circular de raio R é percorrida por uma


corrente i. A uma distância 2R de seu centro encontra-se um
condutor retilíneo muito longo que é percorrido por uma corrente i1
(conforme a figura). As condições que permitem que se anule o
campo de indução magnética no centro da espira são,
respectivamente,

a) (i1/i) = 2π e a corrente na espira no sentido horário. b)


(i1/i) = 2π e a corrente na espira no sentido anti-horário.

c) (i1/i) = π e a corrente na espira no sentido horário. d)


(i1/i) = π e a corrente na espira no sentido anti-horário.

e) (i1/i) = 2 e a corrente na espira no sentido horário.


432

06-(UFAC-AC) Uma espira circular de raio R é mantida próxima de


um fio retilíneo muito grande percorrido por uma corrente if = 62,8 A,
com o sentido indicado pela figura.

Qual a intensidade e o sentido da corrente ie que percorrerá a espira


para que o campo magnético resultante no centro C da mesma seja
nulo?

07-(Unicamp-SP) Um condutor homogêneo de resistência 8,0 Ω tem


a forma de uma circunferência. Uma corrente I = 4,0 A chega por um
fio retilíneo ao ponto A e sai pelo ponto B por outro fio retilíneo
perpendicular, conforme a figura. As resistências dos fios retilíneos
podem ser consideradas desprezíveis.
a) calcule a intensidade das correntes nos dois arcos de
circunferência compreendidos entre A e B.
b) calcule o valor da intensidade do campo magnético B no centro O
da circunferência.

08-(UF-BA) Duas espiras circulares, concêntricas e coplanares, de


raios R1 e R2, sendo R1=0,4R2, são percorridas respectivamente

pelas correntes i1 e i2; O campo magnético resultante no centro da


espira é nula. A razão entre as correntes i1 e i2 é igual a:

a) 0,4 b) 1,0 c)
2,0 d) 2,5 e) 4,0

Os dois campos B1 e B2 devem se anular --- B1=µi1/2R1 ---


B1=µi1/0,8R2 --- B2=µi2/2R2 --- B1=B2 --- µi1/0,4R2=µi2/2R2 ---

I1/i2=0,4 --- R- A
433

09-(UEPB) Uma espira circular de raio R=0,1m e com centro no ponto


C é percorrida por uma corrente i1, no sentido anti-horário. A espira
está apoiada sobre um fio retilíneo longo que é percorrido por uma
corrente i2, como indica a figura.

No entanto, não há contato elétrico entre o fio e a espira e, como os


fios são muito finos, pode-se considerar como sendo R a distância
entre o fio retilíneo e o centro da espira. Verifica-se que o campo
magnético resultante no centro da espira é nulo. Para que isso
ocorra, determine: Considere µ=4.10-7Tm/A e π=3

a) o sentido de i2

b) o valor da razão i2/i1

10-(UEL-PR) Um anel condutor de massa M e um ímã com o dobro de


sua massa, encontram-se frente a frente e em repouso, em uma
superfície em que pode ser desprezado o atrito do movimento do ímã
e do anel. A face do pólo norte do ímã fica confrontando o plano do
anel. Em um determinado instante, estabelece-se uma corrente no
anel de tal forma que o seu sentido é anti-horário, visto por um
observador posicionado além do pólo sul do imã sobre a reta que une
o ímã e a espira.

Com base no texto, considere as afirmativas a seguir.

I. A força de repulsão sobre o ímã é de igual intensidade à força de


repulsão sobre o anel.

II. A força de atração sobre o ímã é de igual intensidade à força de


atração sobre o anel.

III. O módulo da aceleração do anel será o dobro do módulo da


aceleração do ímã.

IV. O torque mecânico da espira cancela a energia magnética do ímã.


434

Estão corretas apenas as afirmativas:

a) I e III. b) I e IV. c) II e III.


d) I, II e IV. e) II, III, IV.

11-CESESP-PE) Nos pontos internos de um longo solenóide


percorrido por corrente elétrica contínua, as linhas de indução do
campo magnético são:

a) radiais com origem no eixo do solenóide; b) circunferências


concêntricas c) retas paralelas ao eixo do solenóide;

d) hélices cilíndricas; e) não há linhas de indução pois o


campo magnético é nulo no interior do solenóide.

12-(CESESP-PE) As espiras adjacentes de um solenóide no qual


circula uma corrente elétrica:

a) repelem-se mutuamente; b) atraem-se mutuamente;


c) não exercem nenhuma ação mútua;

d) possuem uma tensão induzida; e) podem se atrair ou se


repelir

13-(UnB-DF) A figura mostra um solenóide muito longo com seus


terminais ligados aos pólos de uma bateria, como indicado.

Uma agulha magnética, dentro do solenóide e sobre o ponto médio


do eixo XX’, orienta-se da seguinte forma:
435

14-(UFMS-MS) A figura a seguir representa um eletroímã e um


pêndulo, cuja massa presa à extremidade é um pequeno imã.

Ao fechar a chave C, é correto afirmar que

a) o imã do pêndulo será repelido pelo eletroímã. b) o


imã do pêndulo será atraído pelo eletroímã.

c) o imã do pêndulo irá girar 180° em torno do fio que o suporta.


d) o pólo sul do eletroímã estará à sua esquerda.

15-(UERJ-RJ) Considere a situação em que um menino enrola várias


espiras de um fio condutor de eletricidade ao redor de uma barra

de ferro.

Leia, agora, as afirmações abaixo:

I - Se a barra for de material isolante, ela se comportará como um


condutor.

II - Se a barra de ferro for um magneto, uma corrente elétrica


circulará pelas espiras.

III - Se uma corrente elétrica circular pelas espiras, a barra de ferro


se comportará como um isolante.

IV - Se uma corrente elétrica circular pelas espiras, a barra de ferro


se comportará como um magneto.

A afirmativa que se aplica à situação descrita é a de número:


436

a) I b) II c) III
d) IV

16-(UFTM-MG) - A relação fenomenológica entre correntes elétricas e


campos magnéticos se constitui numa das bases principais de toda a
tecnologia contemporânea. Sobre esse tema, julgue as afirmativas.
00. Conectando-se uma pilha a um solenóide, surgirá em torno deste
um campo magnético semelhante ao campo gerado por um imã
permanente.
01. Se no interior de um solenóide houver um imã permanente,
haverá o aparecimento de uma corrente. Como a intensidade do
campo do imã permanente é constante, a corrente também não
variará com o tempo.
02. Somente haverá o aparecimento de um campo magnético nas
imediações de um solenóide se este for alimentado por uma corrente
alternada.

17-(UFG-GO) – Um fio fino, encapado ou esmaltado, é enrolado em


uma haste de ferro. O fio é ligado aos pólos de uma pilha, como
mostrado na figura.

a- Por que a haste passa a atrair pequenos objetos de ferro ou aço


(alfinetes, clipes, pequenos pregos etc.)?
b- Aproximando-se uma bússola dessa haste, qual extremidade ela
indicará, como sendo o pólo norte?
c- Qual a mudança que ocorre ao se inverter a pilha? (inverter os
pólos)?

18-(UNIUBE-MG) – Um parafuso muito pequeno, feito de metal, caiu


num solo empoeirado e você não conseguiu mais encontrá-lo. Você
dispunha de uma pilha, um pedaço de fio e um prego. Dispondo
destes três objetos, você construiu um dispositivo que, ao passar
pelo solo, capturou o parafuso. Este dispositivo foi assim montado:
a) amarrou-se em uma das extremidades do fio, o prego e, na outra,
a pilha, criando-se um eletroímã que atraiu o parafuso.
437

b) ligou-se a pilha nas extremidades do prego e, pendurando o prego


pelo fio, atraiu-se o parafuso.
c) enrolou-se o fio no prego e ligou-se a pilha nas extremidades do
fio, formando um eletroímã que, ao passar pelo solo, atraiu o
parafuso.
d) enrolou-se o fio na pilha e, empurrando a pilha com o prego sobre
o solo, atraiu-se o parafuso.

19-(UNIFOR-CE) - Considere as afirmações sobre o campo magnético


no interior de um solenóide.
I. O módulo desse campo é proporcional ao número de espiras por
unidade de comprimento do solenóide.
II. A intensidade desse campo diminui quando se introduz uma barra
de ferro no seu interior.
III. O módulo desse campo é proporcional à intensidade da corrente
elétrica que percorre o solenóide.
Está correto SOMENTE o que se afirma em:
a. I b. II c.
III d. I e II e. I e III

20-(UFSCAR-SP) A figura representa um solenóide, sem núcleo, fixo


a uma mesa horizontal. Em frente a esse solenóide está colocado um
ímã preso a um carrinho que se pode mover facilmente sobre essa
mesa, em qualquer direção. Estando o carrinho em repouso, o
solenóide é ligado a uma fonte de tensão e passa a ser percorrido por
uma corrente contínua cujo sentido está indicado pelas setas na
figura. Assim, é gerado no solenóide um campo magnético que atua
sobre o ímã e tende a mover o carrinho:

a) aproximando-o do solenóide. b) afastando-o do


solenóide. c) de forma oscilante, aproximando-o e
afastando-o do solenóide. d) lateralmente, para
dentro do plano da figura.
e) lateralmente, para fora do plano da figura.

21-(PUC-SP) A figura mostra um prego de ferro envolto por um fio


fino de cobre esmaltado, enrolado muitas vezes ao seu redor. O
conjunto pode ser considerado um eletroímã quando as extremidades
438

do fio são conectadas aos pólos de um gerador, que, no caso, são


duas pilhas idênticas, associadas em série.

A respeito do descrito, fazem-se as seguintes afirmações:

I - Ao ser percorrido por corrente elétrica, o eletroímã apresenta


polaridade magnética. Na representação da figura, a extremidade A
(cabeça do prego) será um pólo norte e a extremidade B será um
pólo sul.

II - Ao aproximar-se um prego de ferro da extremidade A do


eletroímã e outro da extremidade B, um deles será atraído e o outro
será repelido.

III - Ao substituir-se o conjunto de duas pilhas por outro de 6 pilhas


idênticas as primeiras, também associadas em série, a intensidade do
vetor indução magnética no interior e nas extremidades do eletroímã
não sofrerá alteração, uma vez que esse valor independe da
intensidade da corrente elétrica que circula no fio.

Está correto apenas o que se afirma em

a) I e II. b) II e III. c) I e III.


d) I. e) III.

22-(UNIFESP-SP) A figura representa uma bateria, de força


eletromotriz E e resistência interna r = 5,0Ω, ligada a um solenóide
de 200 espiras. Sabe-se que o amperímetro marca 200 mA e o
voltímetro marca 8,0 V, ambos supostos ideais.

a) Qual o valor da força eletromotriz da bateria?

b) Qual a intensidade do campo magnético gerado no ponto P,


localizado no meio do interior vazio do solenóide?
439

Dados: µo =4π .10-7 T.m/A;

B = µo (N/L) i (módulo do campo magnético no interior de um


solenóide)

23-(UNICAMP-SP) Um solenóide ideal, de comprimento 50 cm e raio


1,5 cm, contém 2000 espiras e é percorrido por uma corrente de
3,0A.

O campo de indução magnética é paralelo ao eixo do solenóide e sua


intensidade B é dada por: B = n I , onde n é o número de espiras
por unidade de comprimento e I é a corrente. Sendo µo= 4π.10-
7
Tm/A:
a) qual é o valor de B ao longo do eixo do solenóide?
b) qual é a aceleração de um elétron lançado no interior do solenóide,
paralelamente ao eixo?
Justifique.

24-(UFV–MG) A figura ilustra a vista superior de uma montagem


experimental disposta sobre uma mesa sem atrito, em uma situação
de equilíbrio estático. Nesta montagem, uma bobina está posicionada
entre as extremidades de duas barras, AB e NS, sendo pelo menos
esta última imantada. A extremidade de polaridade norte (N) da
barra NS atrai a extremidade A da barra AB, enquanto as outras
extremidades de S e B, são repelidas pela bobina.

Sabendo-se que o comprimento e o diâmetro da bobina são


pequenos, comparados com qualquer dimensão das barras, pode-se
afirmar que, das possibilidades a seguir, a que pode configurar a
situação de equilíbrio descrita é:

a) a barra AB não está imantada e nenhuma corrente flui na bobina.


b) a barra AB não está imantada e flui na bobina corrente contínua do
ponto 1 para o ponto 2.
440

c) a barra AB não está imantada e flui na bobina corrente contínua do


ponto 2 para o ponto 1.
d) a barra AB está imantada e flui na bobina corrente contínua do
ponto 2 para o ponto 1.
e) a barra AB está imantada e flui na bobina corrente contínua do
ponto 1 para o ponto 2.

25-(UFMG) Na figura, estão representadas: uma bobina (fio enrolado


em torno de um tubo de plástico) ligada em série com um resistor de
resistência R e uma bateria. Próximo à bobina, está colocado um ímã,
com os pólos norte (N) e sul (S) na posição indicada. O ímã e a
bobina estão fixos nas posições mostradas na figura.

Com base nessas informações, é correto afirmar que:

a) a bobina não exerce força sobre o ímã.


b) a força exercida pela bobina sobre o ímã diminui quando se
aumenta a resistência R.
c) a força exercida pela bobina sobre o ímã é diferente da força
exercida pelo ímã sobre a bobina.
d) o ímã é repelido pela bobina.

26-(FUVEST-SP)

Para estimar a intensidade de um campo magnético Bo, uniforme e horizontal, é


utilizado um fio condutor rígido, dobrado com a forma e dimensões indicadas na figura,
apoiado sobre suportes fixos, podendo girar livremente em torno do eixo OO'. Esse
arranjo funciona como uma "balança para forças eletromagnéticas". O fio é ligado a um
gerador, ajustado para que a corrente contínua fornecida seja sempre i = 2,0 A, sendo
que duas pequenas chaves, A e C, quando acionadas, estabelecem diferentes percursos
para a corrente. Inicialmente, com o gerador desligado, o fio permanece em equilíbrio
na posição horizontal. Quando o gerador é ligado, com a chave A, aberta e C, fechada, é
441

necessário pendurar uma pequena massa M1 = 0,008 kg, no meio do segmento P3 – P4,
para restabelecer o equilíbrio e manter o fio na posição horizontal.

a) Determine a intensidade da força eletromagnética F1, em newtons, que age sobre o


segmento P3P4 do fio, quando o gerador é ligado com a chave A, aberta e C, fechada.

b) Estime a intensidade do campo magnético Bo, em teslas.

c) Estime a massa M2, em kg, necessária para equilibrar novamente o fio na horizontal,
quando a chave A está fechada e C, aberta. Indique onde deve ser colocada essa massa,
levando em conta que a massa M1 foi retirada.

Indução Eletromagnética
01-(FATEC-SP) Em qualquer tempo da história da Física, cientistas
buscaram unificar algumas teorias e áreas de atuação. Hans Christian
Oersted, físico dinamarquês, conseguiu prever a existência de ligação
entre duas áreas da física, ao formular a tese de que quando duas
cargas elétricas estão em movimento, manifesta-se entre elas, além
da força eletrostática, uma outra força, denominada força magnética.

Este feito levou a física a uma nova área de conhecimento


denominada:

a) eletricidade. b) magnetostática. c)
eletroeletrônica. d) eletromagnetismo. e) indução
eletromagnética.

02- (FUVEST- SP) Um imã preso a um carrinho desloca-se com


velocidade constante ao longo de um trilho horizontal. Envolvendo o
trilho há uma espira metálica, como mostra a figura.
442

Pode-se afirmar que, na espira, a corrente elétrica:

a) é sempre nula; b) existe somente quando o


imã se aproxima da esfera; c) existe somente quando
o imã está dentro da espira; d) existe somente quando imã
se afasta da espira; e) existe quando o imã se
aproxima ou se afasta da espira.

03-(UFAC) A figura mostra um imã e um anel metálico. O eixo do imã


(eixo x) é perpendicular ao plano do anel e passa pelo seu centro.

Não haverá corrente elétrica induzida no anel se ele:

a) deslocar-se ao longo do eixo x b) deslocar-se ao longo do


eixo y c) girar em torno do eixo x

d) girar em torno do eixo y e) girar em torno do eixo z

04-(UFU-MG) Nas figuras a seguir, um ímã é movimentado sobre


uma espira condutora, colocada sobre uma mesa, de tal forma que
há uma variação do fluxo do campo magnético na espira. As figuras
indicam o sentido da velocidade imprimida ao ímã em cada caso e o
pólo do ímã, que se encontra mais próximo da espira.

Assinale a alternativa que representa corretamente o sentido da


corrente induzida na espira, de acordo com o movimento do ímã.
443

05-(CFT-MG) Um aluno desenhou as figuras 1, 2, 3 e 4, indicando a


velocidade do ímã em relação ao anel de alumínio e o sentido da
corrente nele induzida, para representar um fenômeno de indução
eletromagnética.

A alternativa que representa uma situação fisicamente correta é

a) 1 b) 2 c)
3 d) 4

06-(PUC-PR) Um ímã natural está próximo a um anel condutor,


conforme a figura.

Considere as proposições:

I. Se existir movimento relativo entre eles, haverá variação do fluxo


magnético através do anel e corrente induzida.

II. Se não houver movimento relativo entre eles, existirá fluxo


magnético através do anel, mas não corrente induzida.
444

III. O sentido da corrente induzida não depende da aproximação ou


afastamento do ímã em relação ao anel.

Estão corretas:

a) todas b) somente III c) somente I e


II d) somente I e III e) somente II e III

07-(UFV-MG)- A figura abaixo ilustra um ímã cilíndrico que é


abandonado acima de uma espira condutora situada num plano
horizontal, no campo gravitacional da Terra. Após abandonado, o ímã
cai verticalmente passando pelo centro da espira.

Desprezando-se a resistência do ar, é CORRETO afirmar que as forças


que a bobina exerce no ímã quando este está se aproximando e,
depois, se afastando da mesma são, respectivamente:

a) vertical para baixo e vertical para baixo. b) vertical para


cima e vertical para baixo. c) vertical para cima e vertical para
cima. d) vertical para baixo e nula. e) nula e vertical
para cima.

08-(UFRN-RN) Numa aula prática, um professor montou um


experimento para demonstrar as leis de Faraday e de Lenz.

O experimento consistia em fazer oscilar verticalmente um ímã preso


a uma mola nas proximidades de uma bobina.

O campo magnético do ímã tem a forma apresentada na figura


abaixo.
445

Considerando-se que as setas verticais das figuras abaixo


representam o sentido do movimento do ímã, a opção de resposta
cuja figura representa corretamente o sentido da corrente induzida
pelo ímã na bobina é:

09-(UFMG-MG) Uma bobina condutora, ligada a um amperímetro, é


colocada em uma região onde há um campo magnético , uniforme,
vertical, paralelo ao eixo da bobina, como representado nesta figura:

Essa bobina pode ser deslocada horizontal ou verticalmente ou,


ainda, ser girada em torno do eixo PQ da bobina ou da direção RS,
perpendicular a esse eixo, permanecendo, sempre, na região do
campo.

Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar que o


amperímetro indica uma corrente elétrica quando a bobina é

A) deslocada horizontalmente, mantendo-se seu eixo paralelo ao


campo magnético.

B) deslocada verticalmente, mantendo-se seu eixo paralelo ao campo


magnético.

C) girada em torno do eixo PQ.

D) girada em torno da direção RS

10-(UNESP-SP) Na figura f1 e f2 representam fios condutores


paralelos que conduzem a mesma corrente io=constante. ABCD é
446

uma espira de cobre, quadrada, no mesmo plano dos fios. Nas


condições do problema, podemos afirmar que:

a) aparece na espira uma corrente i, constante, no sentido de A para


B. b) aparece na espira uma corrente i, crescente com o tempo,
no sentido de A para B. c) na espira a corrente é nula. d)
aparece na espira uma corrente i, constante, no sentido de B para
A. e) aparece na espira uma corrente i, crescente com o tempo,
no sentido de B para A.

11-(UFPI) As duas espiras de corrente, mostradas na figura, são


planas e paralelas entre si. Há uma corrente i1 na espira I, no sentido
mostrado na figura. Se essa corrente está aumentando com o tempo,
podemos afirmar corretamente que o sentido da corrente induzida na
espira II é:

a) o mesmo de i1 e as espiras se atraem. b)


contrário ao de i1 e as espiras se atraem.
c) contrário ao de i1 e a força entre as espiras é nula d)
contrário ao de i1 e as espiras se repelem.
e) o mesmo de i1 e as espiras se repelem.

12-(PUC-MG) A figura mostra um plano inclinado sobre o qual se


coloca um ímã no ponto A, que desliza livremente em direção a B. No
trajeto, ele passa através de uma espira circular, ligada a um
voltímetro V.
447

Desprezando-se todos os atritos mecânicos, pode-se afirmar que:

a) haverá uma diferença de potencial (ddp) induzida na bobina


apenas nos momentos de entrada e saída do ímã através da espira.

b) o voltímetro não vai acusar nenhuma ddp, porque a espira não


está ligada a nenhuma pilha ou bateria.

c) durante toda a passagem do ímã através da espira, o voltímetro


vai acusar leituras da ddp induzida.

d) o voltímetro somente acusaria a leitura de uma ddp induzida na


espira se houvesse atrito entre o ímã e o plano inclinado, fazendo
com que o ímã passasse através da espira com velocidade constante.

13- (UFMG) Observe a figura:

Uma espira de fio metálico, quadrada, de lado a, move-se com


velocidade constante na direção Px, de P (onde x é igual a zero) até
Q (onde x é igual a 6a). Essa espira atravessa a região quadrada de
lado 2a, onde existe um campo magnético uniforme, perpendicular
ao plano da figura e que aponta para o leitor.

O gráfico que melhor representa a corrente i, induzida na espira, em


função da distância x, é:
448

14-(UNICAMP) Uma espira quadrada de lado a atravessa com


velocidade constante uma região quadrada de lado b, b>a, onde
existe um campo magnético constante no tempo e no espaço. A
espira se move da esquerda para a direita e o campo magnético
aponta para cima, conforme a figura.

Segundo um observador que olha de cima para baixo, qual será o


sentido da corrente na espira (horário ou anti-horário), quando:

a) ela está entrando na região do campo magnético?

b) ela está no meio da região?

c) ele está saindo da região?

15-(UFSM–RS) Na figura, o fio retilíneo e a espira condutora estão no


plano horizontal. A corrente induzida na espira tem sentido horário,
quando ela:
449

a) fica em repouso. b) é deslocada para cima, paralelamente


ao fio. c) é deslocada para baixo, paralelamente ao fio.
d) é deslocada para a esquerda, na horizontal. e) é deslocada
para a direita, na horizontal.

16- (UFMG) Um fio de cobre, enrolado na forma de uma espira, está


fixado em uma região, onde existe um campo magnético B, como
mostrado na figura. Esse campo tem o mesmo módulo em toda a
região em que se encontra a espira, é perpendicular ao plano da
página e dirigido para dentro desta, como representado, na figura,
pelo símbolo ×. O módulo desse campo magnético varia com o
tempo, como representado no gráfico. Considerando-se essas
condições, é correto afirmar que há uma corrente elétrica induzida na
espira:

a) apenas na região II do gráfico. b) apenas na região III do


gráfico. c) apenas nas regiões I e III do gráfico.
d) nas três regiões do gráfico.

17-(UFPB) A figura abaixo representa um gerador elétrico de corrente


alternada. Girando-se a espira colocada entre os pólos do imã, nela é
induzida uma corrente elétrica. Com relação a esse procedimento,
considere as alternativas:

I. O pólo norte do imã deve ficar necessariamente na parte superior e


o pólo sul, na inferior para que a intensidade da corrente seja grande.

II. A corrente elétrica aparece, porque varia o fluxo magnético na


espira.
450

III. A intensidade da corrente elétrica independe da rapidez com que


a espira é girada

a) I b) II c)
III d) I e II e) I e III

18-(UFMG-MG) Observe as figuras:

Cada uma das situações representadas mostra uma espira circular


que se movimenta nas proximidades de um fio longo e reto, no qual
há uma corrente elétrica constante i. Em todas as situações o fio e a
espira estão no mesmo plano. Haverá corrente elétrica induzida na
espira circular:

a) apenas na situação 3 b) apenas nas situações 1 e 3


c) apenas na situação 2 d) apenas na situação 1

e) em todas as situações

19-(UFB) Determine, em cada caso, o sentido da corrente elétrica


induzida:
451

20-(UFMG-MG) Em uma aula, o Prof. Antônio apresenta uma


montagem com dois anéis dependurados, como representado na
figura a seguir. Um dos anéis é de plástico – material isolante – e o
outro é de cobre – material condutor. Em seguida, ele mostra aos
seus alunos que o anel de plástico e o de cobre não são atraídos nem
repelidos por um ímã que está parado em relação a eles. Então,
aproxima rapidamente o ímã, primeiro, do anel de plástico e, depois,
do anel de cobre. Com base nessas informações, é correto afirmar
que:

a) os dois anéis aproximam-se do ímã. b) o anel de


plástico não se movimenta e o de cobre afasta-se do ímã.
c) nenhum dos anéis se movimenta. d) o anel de
plástico não se movimenta e o de cobre aproxima-se do ímã.
452

21-(UFMG-MG) Um anel metálico rola sobre uma mesa, passando,


sucessivamente, pelas posições P, Q, R e S, como representado na
figura. Na região indicada pela parte sombreada na figura, existe um
campo magnético uniforme, perpendicular ao plano do anel,
representado pelo símbolo B. Considerando-se essa situação, é
correto afirmar que, quando o anel passa pelas posições Q, R e S, a
corrente elétrica nele:

a) é nula apenas em R e tem sentidos opostos em Q e em S.


b) tem o mesmo sentido em Q, em R e em S.
c) é nula apenas em R e tem o mesmo sentido em Q e em S.
d) tem o mesmo sentido em Q e em S e sentido oposto em R.

22-(FUVEST-09) Em uma experiência, um longo fio de cobre foi


enrolado, formando dois conjuntos de espiras, E1 e E2, ligados entre
si e mantidos muito distantes um do outro. Em um dos conjuntos, E2
foi colocada uma bússola, com a agulha apontando para o Norte, na
direção perpendicular ao eixo das espiras.

A experiência consistiu em investigar possíveis efeitos sobre essa


bússola, causados por um ímã, que é movimentado ao longo do eixo
do conjunto de espiras E1.

Foram analisadas três situações:

I. Enquanto o ímã é empurrado para o centro do conjunto das espiras


E1.

II. Quando o ímã é mantido parado no centro do conjunto das espiras


E1.

III. Enquanto o ímã é puxado, do centro das espiras E1, retornando à


sua posição inicial.

Um possível resultado a ser observado, quanto à posição da agulha


da bússola, nas três situações dessa experiência, poderia ser
representado por:
453

O eixo do conjunto de espiras E2 tem direção leste-oeste.

Força Eletromotriz Induzida

01-(UNIFESP-SP) A foto mostra uma lanterna sem pilhas,


recentemente lançada no mercado. Ela funciona transformando em
energia elétrica a energia cinética que lhe é fornecida pelo usuário -
para isso ele deve agitá-la fortemente na direção do seu
comprimento. Como o interior dessa lanterna é visível, pode-se ver
como funciona: ao agitá-la, o usuário faz um ímã cilíndrico atravessar
uma bobina para frente e para trás. O movimento do ímã através da
bobina faz aparecer nela uma corrente induzida que percorre e
acende a lâmpada.

O princípio físico em que se baseia essa lanterna e a corrente


induzida na bobina são, respectivamente:

a) indução eletromagnética; corrente alternada.

b) indução eletromagnética; corrente contínua.

c) lei de Coulomb; corrente contínua.

d) lei de Coulomb; corrente alternada.

e) lei de Ampere; correntes alternada ou contínua podem ser


induzidas.
454

02-(UFPE-PE) O fluxo magnético através do anel da figura é 37.10-3


Wb. Quando a corrente que produz este fluxo é

interrompida, o fluxo cai a zero no intervalo de tempo de 1,0 ms.

Determine a intensidade da força eletromotriz média induzida no


anel, em volts.

03-(UFSC-SC) A energia eólica pode ser uma excelente opção para


compor a matriz energética de uma nação como o Brasil. Um
estudante construiu um modelo de gerador elétrico "eólico" colocando
ventilador na frente de pás conectadas a uma espira com 1,0.10-3 m2
de área, que está em um campo magnético constante de 2,0.10-2 T.

O modelo do gerador está representado pelo esquema a seguir.


Observe-o e assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).

(01) Com o ventilador ligado e a espira girando, a lâmpada brilha, e a


corrente gerada é alternada.

(02) Enquanto a espira estiver girando, o campo magnético gera


sobre ela um torque que se opõe ao seu movimento de rotação.

(04) Correntes alternadas são normalmente usadas nas linhas de


transmissão, pois podem ser diminuídas ou aumentadas se
utilizarmos transformadores.
455

(08) Mesmo sem vento e com a espira parada teremos uma força
eletromotriz induzida, pois um campo constante sempre gera uma
força eletromotriz sobre uma espira.

(16) O módulo do fluxo magnético na espira varia entre -2 .10-5T m2


e o valor máximo de 2.10-5 T m2.

04-(UFPE-PE) O gráfico mostra a dependência com o tempo de um


campo magnético espacialmente uniforme que atravessa uma espira
quadrada de 10 cm de lado.

Sabe-se que a resistência elétrica do fio, do qual é formada a espira,


é 0,2 ohm. Calcule a corrente elétrica induzida na espira, em mA,
entre os instantes t = 0 e t = 2,0 s.

05-(ITA-SP) Quando uma barra metálica se desloca num campo


magnético, sabe-se que seus elétrons se movem para uma das
extremidades, provocando entre elas uma polarização elétrica. Desse
modo, é criado um campo elétrico constante no interior do metal,
gerando uma diferença de potencial entre as extremidades da barra.
Considere uma barra metálica descarregada, de 2,0 m de
comprimento, que se desloca com velocidade constante de módulo v
= 216 km/h num plano horizontal (veja figura), próximo à superfície
da Terra. Sendo criada uma diferença de potencial (ddp) de 3,0.10-3V
entre as extremidades da barra, o valor do componente vertical do
campo de indução magnética terrestre nesse local é de

a) 6,9.10-6 T b) 1,4.10-5 T c) 2,5.10-5


T d) 4, 2.10-5 T e) 5,0.10-5T
456

06-(UFPE-PR) Um anel está numa região do espaço onde existe uma


densidade de campo magnético que varia com o tempo. A
densidade de campo magnético é uniforme em toda a região e
perpendicular ao plano do anel. O gráfico mostra a magnitude de
em função do tempo. Observando o gráfico, assinale a afirmação
correta com relação às forças eletromotrizes induzidas, ”a, ”b, ”c e
”d, durante os respectivos intervalos de tempo a, b, c e d.

a) εa = constante ≠ 0. b) εb = 0. c) εc = constante ≠
0. d) εd = 0. e) εd = constante ≠ 0.

07-(UFSCAR-SP) Uma espira circular de área 1m2 é colocada em um


campo magnético. O campo mantém-se perpendicular ao plano da
espira, porém sua intensidade diminui uniformemente à razão de 2T
por segundo. Calcule a intensidade de corrente que circula pela espira
se a resistência elétrica da mesma vale 4Ω.

08-(UEG-GO) A figura a seguir mostra dois circuitos nos quais se


desliza uma barra condutora com a mesma velocidade « através do
mesmo campo magnético uniforme e ao longo de um fio em forma de
U. Os lados paralelos do fio estão separados por uma distância 2L no
circuito 1 e por L no circuito 2. A corrente induzida no circuito 1 está
no sentido anti-horário. Julgue a validade das afirmações a seguir.

I. O sentido do campo magnético é para dentro da página.


457

II. O sentido da corrente induzida no circuito 2 é anti-horário.

III. A fem induzida no circuito 1 é igual à do circuito 2.

Assinale a alternativa CORRETA:

a) Apenas as afirmações I e II são verdadeiras. b)


Apenas as afirmações I e III são verdadeiras.

c) Apenas as afirmações II e III são verdadeiras. d) Todas


as afirmações são verdadeiras.

09-(UERJ-RJ) Para produzir a energia elétrica necessária a seu


funcionamento, o navio possui um gerador elétrico que fornece uma
potência de 16,8 MW. Esse gerador, cujo solenóide contém 10.000
espiras com raio de 2,0 m cada, cria um campo magnético B de
módulo igual a 1,5.10-2 T, perpendicular às espiras, que se reduz a
zero no intervalo de tempo de 5.10-2 s.

a) O esquema a seguir representa o gerador. Sabendo que sua massa


é igual a 2,16.105 kg e que está apoiado em doze suportes quadrados
de 0,5 m de lado, calcule a pressão, em N/m2, exercida por ele sobre
os suportes.(g=10m/s2)

b) Determine a força eletromotriz média induzida que é gerada no


intervalo de tempo em que o campo magnético se reduz a zero.

10- (UFRN) Ao término da sua jornada de trabalho, Pedro Pedreiro


enfrenta com serenidade a escuridão das estradas em sua bicicleta
porque, a fim de transitar à noite com maior segurança, ele colocou
em sua bicicleta dínamo que alimenta uma lâmpada de 12V. Num
dínamo de bicicleta, a parte fixa (estator) é constituída de bobinas
(espiras), onde é gerada a corrente elétrica, e de uma parte móvel
(rotor), onde existe um ímã permanente, que gira devido ao contato
458

do eixo do rotor com o pneu da bicicleta. Face à descrição acima e


com o auxílio de conhecimentos de Física, pode-se afirmar que:

a) a energia por unidade de tempo emitida pela lâmpada mostrada na


figura I não depende da velocidade da bicicleta.
b) no instante representado na figura II, o sentido correto da
corrente elétrica induzida é do ponto Q para o ponto P.
c) a conversão de energia mecânica em energia elétrica ocorre devido
à variação temporal do fluxo magnético nas espiras (figura II).
d) a velocidade angular do rotor (figura II) tem de ser igual à
velocidade angular do pneu da bicicleta (figura I), para a lâmpada
funcionar.

11-(UFC–CE) A figura (a) mostra uma espira retangular de 20 cm por


30 cm, contendo um amperímetro ideal A e um resistor R, cuja
resistência vale 3,0 Ω. Um campo magnético uniforme, cuja
intensidade B muda com o tempo, como mostrado na figura (b), é
aplicado perpendicularmente ao plano da espira durante 1,2
segundos. Os valores de corrente, em ampère, medidos pelo
amperímetro, correspondentes aos intervalos de tempo I, II e III
mostrados na figura (b) são, respectivamente:

a) 0,5; 0 e 0,1. b) 0,4; 0 e 0,2. c) 0,3; 0,1 e


0,3. d) 0,2; 0,1 e 0,4. e) 0,1; 0,2 e 0,5.
459

12-(UFU–MG) Uma espira quadrada de lados 0,10 m e resistência


total 20Ω está imersa em um campo magnético orientado
perpendicularmente ao plano da espira, conforme figura. O fluxo
magnético através da espira varia com o tempo de acordo com o
gráfico apresentado. A partir dessas informações é correto afirmar
que:

a) se o campo magnético variar apenas com o tempo, o seu módulo


no instante t = 1,6.10-2 s será igual a 8T.
b) a fem induzida entre os pontos A e B, entre os instantes t = 0 s e t
= 1,6.10-2 s, será de 2 V.
c) de acordo com a Lei de Lenz, a corrente elétrica induzida na espira
circulará de B para A.
d) a corrente elétrica induzida na espira entre os instantes t = 0 s e t
= 1,6.10-2 s será de 0,025A.

13-(ITA SP) Uma espira em forma de U está ligada a um condutor


móvel AB. O conjunto é submetido a um campo de indução
magnética, B = 4,0 T, perpendicular ao plano do papel e orientado
para dentro dele. A largura da espira é, L = 2,0 cm

Determine a força eletromotriz induzida e o sentido convencional da


corrente, sabendo que a velocidade AB é 20 cm / s.

14-(ITA-SP) Uma bicicleta, com rodas de 60 cm de diâmetro externo,


tem seu velocímetro composto de um ímã preso em raios, a 15 cm do
460

eixo da roda, e de uma bobina quadrada de 25 mm2 de área, com 20


espiras de fio metálico, presa no garfo da bicicleta. O ímã é capaz de
produzir um campo de indução magnética de 0,2 T em toda a área da
bobina (veja a figura). Com a bicicleta a 36 km/h, a força
eletromotriz máxima gerada pela bobina é de

a) 2 x 10-5V b) 5 x 10-3V c) 1 x 10-


2
V d) 1 x 10-1V e) 10V

15-(UFSM-RS) A turbina movimentada pela água está acoplada a um


gerador elétrico. A figura que representa corretamente o sentido da
corrente convencional (i) num segmento de condutor que se desloca
com velocidade , numa região de campo magnético uniforme , é:

16-(UNICAMP-SP) O princípio de funcionamento dos detectores de


metais utilizados em verificações de segurança é baseado na lei de
indução de Faraday. A força eletromotriz induzida por um fluxo de
campo magnético variável através de uma espira gera uma corrente.
Se um pedaço de metal for colocado nas proximidades da espira, o
valor do campo magnético será alterado, modificando a corrente na
espira. Essa variação pode ser detectada e usada para reconhecer a
presença de um corpo metálico nas suas vizinhanças.
461

Considere que o campo magnético B atravessa perpendicularmente a


espira e varia no tempo segundo a figura. Se a espira tem raio de 2
cm, qual é a força eletromotriz induzida?

17-(UFBA) Em uma região onde existe um campo magnético


uniforme B = 0,2T na direção vertical, uma barra metálica — de
massa desprezível, comprimento L=1m e resistência elétrica R =
0,5Ω — desliza sem atrito, sob a ação de um peso, sobre trilhos
condutores paralelos de resistência desprezível, conforme a figura.

Sabendo que o circuito formado pela barra e pelos trilhos está contido
em um plano horizontal e que, após alguns instantes, a barra passa a
se mover com velocidade constante, identifique a origem da força
que equilibra o peso e, considerando a massa M=40g e a aceleração
da gravidade g=10m/s2, calcule o valor da velocidade constante.

18-(ITA-SP) A figura mostra um circuito formado por uma barra fixa


FGHJ e uma barra móvel MN, imerso num campo magnético
perpendicular ao plano desse circuito. Considerando desprezível o
atrito entre as barras e também que o circuito seja alimentado por
um gerador de corrente constante I, o que deve acontecer com a
barra móvel MN?
462

a) Permanece no mesmo lugar. b)


Move-se para a direita com velocidade constante.

c) Move-se para a esquerda com velocidade constante. d) Move-


se para a direita com aceleração constante.

e) Move-se para a esquerda com aceleração constante.

19- (ITA-SP) Uma haste metálica com 5,0 kg de massa e resistência


de 2,0 Ω desliza sem atrito sobre duas barras paralelas separadas de
1,0 m, interligadas por um condutor de resistência nula e apoiadas
em um plano de 30° com a horizontal, conforme a figura. Tudo
encontra-se imerso num campo magnético B , perpendicular ao plano
do movimento, e as barras de apoio têm resistência e atrito
desprezíveis.

Considerando que após deslizar durante um certo tempo a velocidade


da haste permanece constante em 2,0 m/s, assinale o valor do
campo magnético. (g=10m/s2)

a) 25,0 T b) 20,0 T c) 15,0 T


d) 10,0 T e) 5,0 T

20-(FUVEST-SP) Um anel de alumínio, suspenso por um fio isolante,


oscila entre os pólos de um ímã, mantendo-se, inicialmente, no plano
perpendicular ao eixo N – S e eqüidistante das faces polares. O anel
oscila, entrando e saindo da região entre os pólos, com uma certa
amplitude.
463

Nessas condições, sem levar em conta a resistência do ar e outras


formas de atrito mecânico, pode-se afirmar que, com o passar

do tempo,

a) a amplitude de oscilação do anel diminui. b) a


amplitude de oscilação do anel aumenta.

c) a amplitude de oscilação do anel permanece constante. d) o


anel é atraído pelo pólo Norte do ímã e lá permanece.

e) o anel é atraído pelo pólo Sul do ímã e lá permanece.

PARTE 3 – RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS


464

ELETROSTÁTICA

Carga elétrica e processos de eletrização


01- Condutores são os materiais que permitem que as cargas (elétrons livres) se
movimentem com facilidade no seu interior --- os metais, de uma maneira em geral,
são bons condutores --- assim, alumínio, ouro e mercúrio são os três dos materiais
citados, bons condutores de eletricidade --- R- D

02- Os metais são bons condutores --- R- E

03- Quando a matéria não manifesta propriedades elétricas diz-se que ela está
eletricamente neutra --- um corpo eletricamente neutro possui número de prótons igual
ao número de elétrons --- R- C

04- Quando um condutor neutro (oco ou maciço) é eletrizado recebendo, por exemplo,
elétrons, na região indicada nas figuras,

esses elétrons em excesso se repelem e como o material é condutor (permitem a


movimentação de elétrons livres) eles tendem a se deslocarem ficando o mais longe
possível, que é sua superfície externa --- R- C

05- As cargas elétricas escoam do metal para o corpo humano e depois para o solo, pois
todos são bons condutores --- R- C

06- R- D --- veja teoria

07- R- E

08- próton --- d + u + u=-1/3 + 2/3 + 2/3=3/3=1 --- nêutron --- u + d + d=2/3 -1/3 –
1/3=0 --- R- C

09- Quando uma nuvem eletrizada por atrito, com excesso ou falta de elétrons passa
perto do para-raio, por indução aparece nele uma carga elétrica de sinal oposto ao da
nuvem. Então a carga da nuvem é atraída, dá-se o raio entre a nuvem e o para-raio, e
assim a carga da nuvem é escoada para a Terra --- R- D
465

10- A carga elétrica total de um corpo é uma grandeza quantizada, ou seja, ela é
sempre múltiplo inteiro da carga elétrica elementar │e│=1,6.10-19C --- Q/│e│=n
(número inteiro) --- R- D

11- R- B --- veja teoria

12- Q=n.e --- Q=(5.1019 – 4.1019).1,6.10-19 --- Q=1,6C --- R- C

13- Q=n.e=(3.010 – 2.980).1 --- Q= 30 C (negativa, excesso de elétrons)

14- As massas se adicionam e as cargas se anulam --- R- E


15- R- B --- veja teoria

16- I. Falsa --- no núcleo estão concentrados os prótons e nêutrons

II. Falsa --- possuem massas diferentes

III. Correta --- veja teoria

IV. Correta
R- C

17- Q=n.e --- 5.10-6=n.1,6.10-19 --- n=3,125.1013 --- R- D

18- Q=n.e --- 10.10-6=n.1,6.10-19 --- n=1.10-5/1,6.10-19=(1/1,6).1014 --- n=0,625.1014


--- R- D

19- A carga elétrica obedece a lei de conservação, de modo que se um objeto foi
carregado com uma carga Q, algum outro objeto adquiriu uma carga -Q, pois a carga
antes do processo de eletrização era nula --- R- C

20- Próton --- 2u + d=1 --- nêutron --- u + 2d=0 --- resolvendo o sistema --- u=2/3
e d= -1/3 --- R- D

21- A tela perdeu elétrons e ficou eletrizada com carga positiva.

22- Resolvendo o sistema --- m=3 --- p=2 --- g=6 --- R- A

23- R- A --- veja teoria


24- Colocando-os na série triboelétrica:

R- A

25- X cedeu elétrons a Y --- X ficou com carga positiva e Y negativa --- Z em contato
com X – ambos ficam com carga positiva --- carga final --- X e Z – positiva --- Y –
negativa --- R- A
466

26- I. Correta --- para estar eletrizado um corpo deve possuir cargas negativas ou
positivas em excesso.

II. Falsa --- veja I.

III. Falsa --- tem cargas elétricas, mas elas se anulam.

IV. Verdadeira --- veja teoria.

R- C

27- R- A --- veja teoria


28- I (Verdadeira) --- um corpo não eletrizado (neutro) possui um número de prótons
igual ao número de elétrons.

II (Verdadeira) --- um corpo neutro PERDE elétrons --- fica carregado


POSITIVAMENTE (falta de elétrons).

Um corpo neutro GANHA elétrons --- fica carregado NEGATIVAMENTE (excesso


de elétrons).

III (Falsa) --- isolantes ou dielétricos são substâncias que não oferecem facilidade de
movimento aos elétrons. No entanto um isolante pode se eletrizar, mas não com a
mesma facilidade com que um condutor é eletrizado.

R- A
29- Atritando vidro com lã, o vidro fica com carga positiva e a lã, negativa --- vidro
em contato com A, A fica com carga positiva --- lã em contato com B, B fica com
carga negativa --- R- C

30- R- C --- veja teoria

31- R- A

32-
467

R- B

33- R- D --- veja teoria


34- R- B --- veja teoria

35- A carga elétrica do nêutron é nula --- 0=1u + 1d + 1d --- 2e/3 + d + d=0 --- d= -
e/3 --- R- C

36- A III está errada, se ela não tocasse na esfera, ela não receberia cargas elétricas da
mesma (eletrização por contato) --- R- B

37- R- B

38- I. Correta --- cargas de sinais opostos se atraem.

II. Correta --- um corpo eletrizado pode atrair um neutro, desde que seja condutor, por
indução.

III. Falsa --- o bastão é isolante e nele não ocorre separação de cargas elétricas
(indução).

R- B

39-

R- E

40- Na eletrização por atrito entre o gato e o plástico, o gato se eletriza com carga
positiva (veja série triboelétrica) --- quando o gato cai na cuba X, ele a eletriza por
contato com carga de mesmo sinal que a dele e a cuba X fica eletrizada com carga
positiva --- a carga positiva de X induz cargas negativas em Y atraindo seus elétrons
livres e, consequentemente Z fica com carga positiva --- após separadas a cuba X tem
carga positiva, a Y, negativa e a Z, positiva --- R- A

41- Bastão de vidro com carga positiva ao ser colocado em contato com a esfera A e
ambos ficam eletrizados com carga positiva --- as cargas positivas da esfera A
induzem cargas negativas na B e positivas na C --- B de carga negativa, quando
próxima da D provoca uma separação de cargas na mesma e, quando a D é ligada à terra
elétrons escoam deixando-a com carga positiva ---

R- E
42- R- D --- veja teoria
468

43- A 3a (Q=0) com a 1 (Q) --- cada uma fica com Q/2 --- a 3a (Q/2) com a 2 (Q) ---
cada uma fica com Q’=(Q/2 + Q)/2=3Q/4 --- R- C

44- Se o papel toalha não grudou na parede é porque ele foi descarregado --- R- B
45- R- E

46-

R- E

47- Na montagem I elas estão se repelindo e as cargas tem mesmo sinal, o que significa
que o fio dessa montagem é condutor, pois espalhou a carga pelas duas esferas --- na
montagem 2, o fio é isolante, apenas uma delas está eletrizada e as esferas se atraem por
indução --- R- C

48- Veja a figura abaixo:

I. Correta

II. Correta, pois a esfera continua neutra.

III. Falsa

R- C
469

49- R- A --- veja teoria

50- R- A --- veja teoria

51- a) eletrização por contato e a fita de alumínio ficou eletrizada com carga positiva, e
a folha se abriu com ângulo α1.

b) eletrização por indução e a fita de alumínio abriu mais ainda, pois mais cargas
positivas foram induzidas nela e α2 ficou maior que α1.

52- I. Falsa --- o objeto induzirá cargas positivas nas folhas e elas tendem a se fechar.

II. Falsa --- veja I.

III. Correta --- objeto e corpo têm cargas iguais em módulo, e elas se anularão,
fechando as folhas.

R- D

53- R- C --- eletrons irão anular a carga positiva do eletroscópio.


54- Aproxime da esfera do eletroscópio um corpo com a carga que você já conhece ---
se as folhas do eletroscópio se abrirem mais a carga do eletroscópio é a mesma que a do
corpo --- se as folhas se fecharem um pouco, a carga do eletroscópio é contrária à do
corpo.
55-

R- B

56- A com B --- A passa para B --- Q’=(6,4.10-6 + 0)/2 --- Q’=3,2.10-6C --- B passa
para C --- Q’’=(3,2.10-6 + 0)/2 --- Q’’=1,6.10-6C --- a carga total transferida vale ---
Q=3,2.10-6 + 1,6.10-6=4,8.10-6C --- Q=n.e --- 4,8.10-6=n.1,6.10-19 ---

n=3.1013 elétrons --- R- C

57- Na figura I, a esfera negava induz as esferas R e S

Ao tocar com o dedo a esfera S, ele a eletriza por indução e S fica com carga positiva --
- R- D
470

58- Trata-se de eletrização por indução onde o eletrizado (indutor) provoca uma
separação de cargas no induzido (neutro), mas ele continua neutro, pois o número de
prótons e de elétrons continua o mesmo --- R- C

59- Como as esferas são idênticas a carga total Q = QA + QB se dividirá igualmente


entre as esferas --- Q’=(QA + QB)/2 --- Q’= (+12 – 8)/2 --- Q’=2C --- R- A

60- R- A

61- R- D

62- Área da esfera 1 de raio da ordem de micrômetros --- S1=πR12=π.(10-6)2 ---


S1=10-12.π --- área da esfera 2 de raio da ordem de milímetros --- S2=πR22=π.(10-3)2 -
-- S1=10-6.π --- densidade superficial da esfera 1 --- d1=n1/S1=104/10-12.π=1016/π ---
densidade superficial da esfera 2 --- d2=n2/S2=n2/10-6.π --- d1=d2 --- 1016/π = n2/10-
6
.π --- n2=1010 --- R- D

63- O atrito da pele das pessoas com objetos isolantes (lã, flanela, papel, plástico)
tornam a pele eletrizada. Em dias normais, esse excesso de cargas é descarregado no
contato com o próprio ar. Porém, em dias secos, esse processo torna-se muito lento,
acumulando cargas estáticas. No contato com objetos, principalmente metálicos, ocorre
uma brusca descarga, que é o choque elétrico --- R- B

64- D possui carga negativa --- C e D se repelem: C possui carga negativa --- A e C
se atraem: A possui carga positiva --- A e B se repelem: B possui carga positiva ---
R- A

65- Observe a tabela abaixo que apresenta as cargas das esferas durante todo o processo:

R- (02 + 04 + 16) = 22

66- Observe na explicação abaixo como ocorre esse processo de eletrização por
indução:

Aproxima-se um condutor eletrizado, por exemplo, negativamente. (indutor) de um


condutor neutro que se deseja eletrizar (induzido), sem encostar, mas bem próximos
(figura 1).
471

Os elétrons livres do indutor serão repelidos, ficando o lado direito do induzido com
excesso de elétrons e o lado esquerdo com falta de elétrons, fenômeno que recebe o
nome de indução elétrica (figura 2). As cargas elétricas que se concentram nas duas
extremidades opostas (denominadas cargas induzidas) são de mesmo módulo, mas de
sinais opostos e, por esse motivo o induzido continua neutro. Em seguida, ainda na
presença do indutor você liga o induzido à terra (fio terra ou com seu dedo) e observa
que elétrons se deslocam do induzido para a terra. (figura 3). Afastando

agora o indutor para bem longe, as cargas elétricas se repelem e espalham pela
superfície externa do induzido, que fica eletrizado com cargas de sinal oposto ao do
indutor (figura 4)

Se o indutor tivesse cargas positivas, ao final de todo o processo o induzido ficaria


eletrizado com cargas negativas.

Os passos III e IV devem ser invertidos e, na eletrização por indução, os corpos


adquirem cargas de sinais opostos.

R- B

67- Como, nas duas situações as forças são de atração, você tem as seguintes
possibilidades:

Com base nessas hipóteses, analisemos as possibilidades, confrontando as duas tabelas:

I. Correta --- pelas possibilidades (1) e (3) da tabela I e (1) e (2) da tabela II, a bexiga
pode estar neutra ou carregada
472

negativamente.

II. Correta --- pelas possibilidades (4) da tabela I e (2) da tabela II.

III. Falsa --- a possibilidade (3) da tabela I e a possibilidade (2) da tabela II mostram
que a bexiga pode estar neutra.

R- D

68- a) Falsa --- o pólo sul geográfico é um pólo norte magnético e haverá repulsão
entre eles, pois pólos de mesmo nome se repelem.

b) Falsa --- eletroímãs não transferem elétrons para o núcleo de ferro. O núcleo serve
para reforçar o campo magnético da bobina.

c) Correta.

d) Falsa --- os isolantes também trocam cargas, porém elas ficam distribuídas na
superfície externa, não penetrando no material.

e) Falsa --- o corpo eletrizado positivamente perdeu elétrons para o corpo eletrizado
negativamente.

R- C

69-(UFJF-MG-012)

Observe que a caixa metálica está neutra porque quando a esfera com carga (+q) fica
suspensa em seu interior, sem contato, aparece na caixa metálica uma carga (– q)
distribuída em sua superfície interna e outra carga (+q) em sua superfície externa ---
quando a esfera toca o fundo, ela e a caixa passam a compor um único corpo condutor e
a carga (+Q) em excesso, da esfera, fica localizada na superfície externa da caixa
metálica --- assim, quando a esfera é retirada ela já não possui mais a carga (+q) ---
R- C

Força Elétrica – Lei de Coulomb

01- F=KQq/d2=9.109.4.10-16.6.10-16/(3.10-9)2 --- F=9.24.10-23/9.10-18 --- F=24.10-5 N -


-- R- D

02- F=KQq/d2 --- 10-1=9.109.2.10-6.2.10-6/d2 --- 10-1=36.10-3/d2 --- d2=36.10-2 ---


d=6.10-1m --- R- B

03- R- E --- veja teoria


473

04- Q1=Q2=Q --- F=KQq/d2 --- 3,6.10-2=9.109.Q.Q/(1)2 --- Q2=3,6.10-


2
/9.109=0,4.10-11 --- Q2=4.10-12 --- Q=2.10-6C --- R- E

05- Observe na expressão F=KQq/d2 que a intensidade da força F é inversamente


proporcional ao quadrado da distância --- se a distância ficou 3 vezes maior, a força
deverá ficar 33=9 vezes menor --- 3,6.10-5/9 --- F=0,4.10-5N --- R-B

06- a) Observe na expressão F=KQq/d2 que a intensidade da força F é diretamente


proporcional ao módulo de cada carga --- se você triplicar o valor de uma das cargas a
força elétrica ficará 3 vezes maior.

b) Observe na expressão F=KQq/d2 que a força F é inversamente proporcional ao


quadrado da distância entre as cargas --- se você duplicar a distância, a força elétrica
ficará 22=4 vezes menor.

07- Observe que a força é de repulsão o que significa que as cargas têm mesmo sinal, ou
seja, (+).(+)>0 e (-).(-)>0 --- R- C

08- F1=Kq1.q2/r2 --- F1>0 (q1 e q2 tem mesmo sinal) --- -


F2=K.q1.q3/(2r)2=(Kq1.q2/3)/4r2 --- -F2=Kq1.q2/12r2 --- F2<0 (q1 e q3 tem sinais
opostos) --- F1/F2= Kq1.q2/r2 X 12r2/Kq1q2 --- F1/F2=12 --- R- (02 + 16)=18

09-

R- E

10- F=KQq/d2 --- 720=9.109.Q.2Q/12 --- Q2=720/18.109 --- Q2=40.10-9 ---


Q=√(4.10-8) --- Q=2.10-4C e Q’=4.10-4C

11- Força elétrica --- Fe=KQq/d2 --- força gravitacional --- FG=GMm/d2 ---
igualando-as --- KQq/d2 = GMm/d2 --- KQ2/d2 = GM2/d2 --- M2Q2=KG ---
MQ=√(KG) --- R- C

12- Antes do contato --- Fa=KQq/d2=KQ.9Q/d2 --- Fa=9KQ2/d2 --- após colocadas
em contato e separadas cada uma fica com carga Q’ tal que Q’= (-Q + 9Q)/2 --- Q’=
4Q --- Fd=KQq/d2=K4Q.4Q(2d)2 --- Fd=16KQ2/4d2 --- Fd=4KQ2/d2 ---
Fd/Fa=4KQ2/d2 X d2/9KQ2 --- Fd/Fa=4/9 --- R- B

13- Quando r=3m --- F=2,5.10-4N --- F=KQq/r2 --- 2,5.10-4=9.109.Q.Q/32 ---
Q2=2,5.10-13=25.10-14 --- Q=5.10-7C --- R- E

14- Observe que, como a carga de uma partícula dobrou, a força também dobrará (2F) e
como a distância dobrou, a força ficará 4 vezes menor (2F/4=F/2) --- F’=15/2 ---
F’=7,5N --- R- B
474

15- Cada esfera ficará com cargas de sinais opostos e de módulo ---
Q=n.e=5.1014.1,6.10-19 --- Q=8.10-5C --- F=KQq/d2 --- F=9.109.8.10-5.8.10-5/(8.10-
2 2
) --- F=9.10-1/10-4 --- F=9.103N --- R- B

16- Observe as figuras abaixo:

R- D

17-

R- E

18- Observe na figura abaixo que a carga –Q não pode estar à esquerda de Q e nem a
direita de 4Q, pois nessas posições a

resultante não seria nula --- ela tem que estar entre Q e 4Q na posição da figura ---
FQ,-Q=KQQ/m2 --- F4Q,-Q=K4QQ/(3 – m)2 --- KQQ/m2= K4QQ/(3 – m)2 ---
1/m2=4/(3 – m)2 --- (3 – m)2/m2=4 --- (3 – m)/m=√4 --- 2m=3 – m --- m=1 --- está
na abscissa x=2 + 1=3 --- R- C

19- a) A intensidade da força elétrica é igual à intensidade da força centrípeta ---


Fe=Fc --- KQq/R2=mV2/R --- V=√(KQq/mR)

b) V=2πR/T --- 2πR/T=√(KQq/mR) --- 4π2R2/T2 =KQq/mR --- T2=4π2R2mR ---


T=2πR√(mR/KQq)

20- a) Ou as duas são positivas ou negativas


475

b) Ação de q1 e de q3 sobre q2 --- Fq1q2=Kq1q2/r2 --- Fq3q2=K.q3q2/r2 --- Kq1q2/r2 =


K.q3q2/r2 --- q1=q3=q --- ação de q2 e de q3 sobre q1 --- Fq3q1=Kq2/(2r)2 ---
Fq2q1=KQ2q1/r2 --- Kq2/(2r)2 = KQ2q1/r2 --- q=4.2,7.10-4 --- q=q1=q2=10,8.10-4C

c) Se você retirar um pouquinho a carga q2 da posição de equilíbrio, ela não retorna à


mesma --- equilíbrio instável.

21- Sendo as cargas elétricas idênticas, a força exercida por 3 sobre 2 deve ser 4 vezes
maior que a força exercida por 1 sobre 2 (metade da distância) --- F12=4.10-5N ---
F32=4.4.10-5 --- F32=16.10-5N --- FR=16.10-5 – 4.10-5 --- FR=12.10-5N --- R- C

22- A carga q’ deve estar entre as duas cargas a uma distância m de +q ---
F1=Kq’.q/m2 --- se estiver à distância n de +4q --- F2= Kq’.4q/m2 --- F1 = F2 ---
Kq’.q/m2 = Kq’.4q/m2 --- (n/m)2=4 --- n=2m --- n + m = 6 --- m=2 --- n=4 --- R-
B

23- Observe na figura abaixo que a carga pontual para ficar em equilíbrio não pode estar
entre as cargas e que deve estar no ponto

S, pois a carga positiva tem intensidade maior que a negativa --- R- C

24- Observe que FAB é 9 vezes maior que FCB=3.10-6N (inversamente proporcional ao
quadrado da distância) --- FAB=9.3.10-6 ---

FAB=27.10-6N --- FR=27.10-6 – 3.10-6 --- FR=24.10-6N --- R- D

25-
476

R- E

26- Força elétrica --- Fe=KQq/d2 --- Força gravitacional --- FG=GMm/d2 ---
quando a distância é 2km Fe=FG --- KQq/22=GMm/22 --- KQq=GMm --- quando a
distância é 5km as massas M e m e as cargas Q e q continuam iguais, então Fe continua
igual a FG e as partículas continuam equilibradas --- R- B

27- Veja esquema abaixo:

R- C

28- Força elétrica que 1 exerce em 3 --- F13=Kq1.q3/d2=9.109.10-6.10-6/32 --- F13=10-


3
N --- como a distância e as cargas são as mesmas a força que 2 exerce em 3 também
será a mesma --- F23=10-3N=F13=F --- a força que q1 exerce em q3 é de atração e a que
q2 exerce em q3 é de repulsão (figura).
477

Observe que os triângulos são eqüiláteros, então a intensidade de FR será FR=F=10-3N,


direção horizontal e sentido para esquerda.

29- a) Como elas estão no ar, com o tempo as esferas irão se descarregando e se
aproximando --- as forças que agem nas esferas, T intensidade da força de tração no
fio, P intensidade da força peso e F força elétrica de repulsão entre as esferas com
cargas de mesmo sinal, para qualquer posição das esferas tem sempre a mesma
intensidade em ambos os fios e as decomposições dessas forças serão sempre
simétricas,e os ângulos serão sempre iguais.

b) Colocando as forças que agem sobre uma das esferas e que são --- - força de
tração no fio --- - força peso --- - força

Elétrica --- considerando m como a distância entre as duas cargas --- senα=(m/2)/L --
- 0,6=m/2.0,09 --- m=0,108m --- no triângulo de forças --- tgα=F/P --- 0,75=F/P -
-- F=0,75P --- KQ.Q/m2=0,75.m.g --- 9.109.Q2/(0,108)2=0,048.10 ---

Q=2,5.10-7 C

30- Observe na figura, onde todas as forças que agem sobre a carga Q acima, da direita

foram colocas, que, para que +

anule as cargas q e Q devem ter sinais opostos --- = + --- (F1)2 =


2 2 2 2 2 2
(FqQ) + (FqQ) --- (F1) =KqQ/L + KqQ/L --- F1=√2.K.q.Q/L --- L – lado do
quadrado --- FQQ=K.Q.Q/(√2L)2 --- FQQ=K.Q.Q/2L2 --- resultante nula --- F1=FQQ
---

√2.K.q.Q/L2 = K.Q.Q/2L2 --- √2q=Q/2 --- Q/q=2√2 --- R- D

31- Figura A:
478

FA=2Kqqo/(d/2)2 --- FA=8Kqqo/d2

Figura B:

FB=2Kqqo/(d/2)2.cos60o = 2Kqqo/(d/2)2.(1/2) --- FB=Kqqo/d2 --- FA/FB=8Kqqo/d2 X


d2/Kqqo --- FA/FB=8

32- Depois do contato cada corpo terá carga de (1 + 5)/2= 3 C

F = k.q.Q/d2 = 9.109.3.3/32 = 9.109 N

A força será repulsiva, pois os dois corpos apresentam a mesma natureza elétrica (são
cargas positivas).

R- D

33- Na direção horizontal para qualquer uma das esferas é verdadeiro afirmar que ---
k.Q2/d2 = T.senq --- na direção vertical

m.g = T.cosq --- dividindo as duas expressões --- k.Q2/(m.g.d2) = senq/cosq = 1 (pois
q = 45°) --- d=Q√k/(mg) ---

d=30.10-6.√9.108 --- d=90.10-2 --- d=90cm --- R- B

34- a) FN=20FE=20Kq2/d2=20.9.109.(1,6.10-19)2/1,6.10-15)2 --- FN=180.109.10-8 ---


FN=1.800N --- FN=1,8.103N
b)F = q.E = 1,6.10-19.2.106 = 3,2.10-13 N

35- Das informações iniciais sabemos que --- F = k.q.q/d2 --- F = k.(q/d)2 --- na
configuração apresentada a força resultante sobre q1 é --- Fr = Ö[F212 + F312] --- Fr =
Ö[(k.3q.q/d2)2 + (k.4q.q/d2)]2 --- Fr = Ö[9k2.q4/d4 + 16.k2.q4/d4] --- Fr = Ö[25k2.q4/d4]
= 5.k.(q/d)2 --- Fr = 5.F --- R- D

36- Em cada uma das extremidades das quatro diagonais que passam pelo centro do
cubo há duas cargas de mesmo módulo e de
479

mesmo sinal. Elas exercem na carga central (também de mesmo sinal e mesmo módulo
que as dos vértices) forças de mesma intensidade e de sentidos opostos. Portanto, essas
forças se equilibram, sendo então nula a resultante dessas forças.

R- A

37-

Na situação inicial, as cargas negativas (-q), nas extremidades, repelem-se com forças
de intensidade F, sendo 2 d a distância entre elas --- como as cargas negativas estão em
equilíbrio, elas trocam forças, também, de intensidade F com a carga positiva (+Q)
central, sendo d a distância do centro às extremidades --- a lei de Coulomb nos afirma
que a intensidade das forças eletrostáticas entre duas cargas varia com o inverso do
quadrado da distância entre essas cargas --- F=kQq/d2 --- na situação final, a distância
entre as cargas negativas foi reduzida à metade (de 2 d para d) logo, as forças de
repulsão entre elas passam a ter intensidade 4 F --- porém, a distância de cada carga
negativa à carga central também é reduzida à metade (de d para d/2) quadruplicando,
também, as forças de atração entre elas, ou seja, 4 F --- portanto o equilíbrio é mantido
com Q’ = 1 Q --- R- A

38-

Na primeira situação, as forças são atrativas e têm intensidade --- F=kQq/d2 (I) --- na
segunda situação, as forças são repulsivas e têm intensidade --- F’=k.4Q.3q/(2d)2 ---
F’=3kQq/d2 (II) --- comparando I com II você conclui que F’=3F e que as forças que
eram atrativas passam a ser repulsivas --- R- D

39- Como não foi especificada a massa da barra é considerada desprezível, como
também a massa da carga suspensa --- as forças eletrostáticas entre as cargas têm a
mesma direção da reta que passa pelos seus centros --- para que o sistema fique em
equilíbrio as forças eletrostáticas devem ser de atração --- as intensidades da força de
tração no fio e das forças eletrostáticas são iguais (T = F), como ilustrado na figura ---
da figura --- cos30o=d/r --- r=d/cos30o --- r=d/(√3/2) (I) --- lei de Coulomb ---
F=koQq/r2
480

(II) --- (I) em (II) --- F = koQq/(2d/√3)2 --- F=3koQq/4d2 (III) --- para que a barra
esteja em equilíbrio a somatória dos momentos deve ser nula --- adotando o pólo no
ponto O mostrado na figura --- Fcos30oℓ1=mgℓ2 (IV) --- (III) em (IV) ---

3koQq√3 ℓ1/4d2.2=mg ℓ2 --- 3koQq√3 ℓ1/8d2=mg ℓ2 --- q=8mgℓ2d2/3√3koQℓ1

--- como as forças entre Q e q são de atração e, se Q é positiva, q só


pode ser negativa ou vice versa --- R- E

40- Observe as figuras abaixo --- no triângulo hachurado da figura 1 --- Pitágoras ---
L2=d2 + z2 --- L=√(d2 + z2) (I) ---

• cosθ=z/L --- as forças de repulsão mostradas têm intensidade dada pela lei de
Coulomb --- F=kq3q/L2 --- F=k3q2/L2 (II) --- (I) em (II) --- F=k3q2/(√d2 + y2)2 ---
F= k3q2/(d2 + y2) (III) --- observe na figura 2 que, como a massa m está em equilíbrio
a força resultante sobre ela é nula --- P=2Fy --- mg=2Fcosθ --- cosθ=z/L ---
m=2F(z/L)/g (IV) --- (III) em (IV) --- m=(2/g).(k3q2/L2).(z/L) --- m=6kq2z/gL3 ---
m=6kq2z/g(d2 + z2)2/3 --- R- B

41- Observe as figuras abaixo que mostram as duas situações descritas no enunciado ---
F=kQq/d2 (I) --- F’=kQq/(2d)2=KQq/4d2 --

- (I)/(II) --- F/F’=kQq/d2 x 4d2/kQq --- F/F’=4 --- F’=F/4 --- R- D

42- a) Observe na figura abaixo a imagem da carga –Q (-Q’) e a decomposição de suas


velocidades e das velocidades do espelho nas direções paralelas e perpendiculares ao
espelho:
481

Observe na figura acima que v.senα é a velocidade com que a imagem da carga –Q se
aproxima perpendicularmente do espelho e que v.cosα é a velocidade com que a
imagem da carga –Q se move paralelamente ao espelho --- mas, também, como o
espelho se aproxima da carga –Q com velocidade v.senα, a imagem de –Q se
aproximará do espelho com velocidade 2v.senα --- como o espelho se aproxima de –Q
paralelamente ao eixo x, a imagem de –Q não sofrerá deslocamento na direção paralela
ao espelho ---

Se você somar vetorialmente os vetores velocidades da imagem –Q’ e os decompondo


em x e y, obterá --- vx=(3vsenα).senα –

(vcosα).cosα --- vx=v(3sen2α – cos2α) --- vy= - (3vsenα).cosα – (vcosα).senα --- vy=
- 4vsenα.cosα --- mas sen2α=(1 – cos2α)/2 e sen2α=2senα.cosα --- vx=v(3sen2α – (1 –
sen2α)) --- vx=v(1 – 2cos2α) --- vy= - 4vsen2α/2 --- vy= - 2vsen2α

b) Aceleração centrípeta da carga negativa --- intensidade --- ac=v2/r --- direção e
sentido --- vertical e para cima --- a figura mostra as forças que agem sobre a carga
negativa --- a aceleração tangencial tem a direção do eixo x --- FR=Fex ---

ma=Fecosβ --- Fe==kQQ/r2 --- ma=kQQ/r2 --- r=d/senβ ---


ma=kQQ/(d/senβ)2.cosβ --- a=kQ2sen2βcosβ/md2 --- aceleração tangencial ---
intensidade – at= kQ2sen2βcosβ/md2 --- direção – eixo x --- sentido – contrário a
x.
482

43-

a) Do texto --- “Segundo todos os cálculos, as futuras usinas de fusão nuclear poderão
extrair de 1 metro cúbico de água uma quantidade de energia igual à de 2 mil barris de
petróleo” --- regra de três --- 1 m3 – 2.103 barris --- 100 m3 – n barris ---

n=2.103.102 --- n=2.105 barris de petróleo --- como cada barril contém 1,5.106 kcal,
2.105 barris conterão --- W=2.105 barris x

1,5.106kcal/barril --- W=3,0.1011 kcal=3,0.1014cal --- do enunciado --- 1 BEP (Barril


Equivalente de Petróleo), equivale a 1,45.109 cal --- regra de três --- 1 BEP –
1,45.109 cal --- n’ BEP – 3.1014 cal --- n’=3.1014 cal/1,45.109 cal ---

n’≈2,07.105 BEP.

b) Do texto: “Os centros dos núcleos dos átomos de hidrogênio devem estar a 1.10-
15
metros um do outro para que ocorra a fusão” --- ainda do texto --- “essa fusão é o
processo no qual dois núcleos de átomos leves (por exemplo, o hidrogênio – cujo núcleo
é constituído por 1 próton com carga elétrica elementar é 1,6.10-19C) se combinam, ou
se fundem, constituindo um elemento mais pesado. Os núcleos, então, carregados
positivamente, devem se aproximar suficientemente um do outro, ou seja, vencer a força
de repulsão eletrostática entre eles” --- portanto, são dados --- d=1.10-15m --- .|Q1|=
|Q2|=1,6.10-19C --- k=9.109N.m2/C2 ---

Lei de Coulomb --- F=k.|Q1|. |Q2|./d2 = 9.109.1,6.10-19.1,6.10-19/(1.10-15)2 ---


F=23,04.101 --- F=230,4 N.

Campo Elétrico
01- I. Certo --- só surge força sobre a carga se existir campo elétrico

II. Certo --- se não tiver carga, pode existir o campo elétrico sem existir força elétrica.

III. Errado --- não surgirá força sobre a carga se não houver campo elétrico

R- D

02- II e IV são falsas --- os dois vetores devem ter suas origens no ponto P, onde está
q --- R- E
03- a) E=F/q --- 5.104=F/1,5.10-6 --- F=7,5.10-2N
483

b) Se move na direção e sentido da força elétrica que, no caso, é horizontal e para a


direita, pois q é positiva.

c) Nesse caso, o campo elétrico e a força elétrica terão sentidos contrários e q se


desloca no sentido da força, ou seja,para a esquerda.

04- Colocando nessa região uma pequena carga elétrica de prova e verificar que se
sobre ela surgir uma força elétrica, nessa região

existe um campo elétrico, caso contrário, não existe.

05- E=F/q --- E=10/2.10-6 --- E=5.106N/C --- como q>0, e tem mesmo sentido
--- sentido para o norte.

06- E=F/q=1,2/4.10-6 --- E=3.105N/C --- R- A

07- Observe na expressão E=KQ/d2 que E é inversamente proporcional ao quadrado da


distância --- se a distância é dobrada, E fica 22=4vezes menor --- R- A

08- Veja esquema abaixo:

R- A
09- E=F/q --- 2.103=18.10-5/q --- q=9,0.10-8C

10- R- E --- veja teoria

11- a) Se q>0, e tem a mesma direção e o mesmo sentido --- E=F/q ---
5=F/3.10-6 --- intensidade F=1,5.10-5N --- direção

--- horizontal --- sentido --- para a esquerda


484

b) q<0, e tem a mesma direção e sentidos opostos --- E=F/q --- 5=F/3.10-6 ---
intensidade F=1,5.10-5N --- direção ---

horizontal --- sentido --- para a direita

12- Veja esquema abaixo:

R- D

13- Veja esquema abaixo:

R- E

14- Cargas negativas criam campos de aproximação e positivas, de afastamento.

R- D

15- As duas cargas positivas originam no ponto P campos elétricos de afastamento de


intensidades --- E1=KQ1/(2.10-1)2 ---

E2=9.109.4.10-6/4.10-2 --- E2=9.105N/C --- E2=9.109.10-4/(1,0)2 --- E2=9.105N/C ---


ER=9.105 – 9.105=0 --- R- A

16- O ponto P onde o campo elétrico resultante deve se anular deve estar à direita de Q
(observe figura) --- E1=K4Q/d2 ---
485

E2=KQ/(d – 3)2 --- E1=E2 --- 4KQ/d2=KQ/(d – 3)2 --- (d – 3)2/d2=1/4 --- (d –
3)/d=1/2 --- d=6 unidades --- é nulo no ponto 10 --- R- A

17- Cargas positivas criam campos de afastamento e negativas de aproximação.

R- C

18- Cargas negativas originam campos de aproximação e positivas, de afastamento.


Veja figuras abaixo:

R- B

19- a) Prolongando os vetores e , a carga Q estará na intersecção de seus


prolongamentos e será positiva, pois os vetores são de afastamento.

b) Observe na escala da figura que o vetor tem duas unidades e sua intensidade é
EP=2.2.103 --- EP=4.103N/C --- a distância entre Q e é de 4 unidades e de Q a M,
onde está q é de duas unidades, assim, EM=2 =4 vezes maior que EP --- EM=4.4.103 ---
2

EM=16.103N/C, horizontal
486

e para a direita, pois a carga Q (positiva) cria em M um campo campo de


afastamento --- em M, onde está q=3.10 C --- EM=F/q --- 16.10 =F/3.10-6 ---
-6 3

F=4,8.10-2N, horizontal e para a direita.

20-

R- E

21-

22- Veja esquema abaixo:


487

R- C

23- Veja esquema abaixo:

R- B
24- O campo elétrico deve ter direção vertical e sentido para cima, pois a carga é
positiva e a força deve também ser para cima

para anular a força peso que é vertical e para baixo --- Fe=P --- q.E=m.g ---
10.1,6.10-19.E=4.10-10.10-3.10 ---

E=4.10-12/16.10-9 --- E=0,25.10-3 N/C --- E=2,5.10-4 N/C, direção vertical e sentido
para cima.

25- Observe na figura abaixo, que o vetor campo elétrico resultante no centro da
circunferência é nulo, pois o ângulo entre cada

um deles é de 120o. .

26- Observe na expressão E=KQ/d2 que o campo é diretamente proporcional ao módulo


de cada carga --- como uma é o dobro da outra, o campo por ela originado será o dobro
do campo gerado pela outra --- R- B
488

27- Veja esquema abaixo:

R- B

28- 01. Falsa --- E=F/qo --- observe nessa expressão qo=E/F que E e F são
diretamente proporcionais.

02. Verdadeira --- veja teoria.

04. Verdadeira --- E=KQ/d2.

08. Falsa --- terá sentido contrário ao da força elétrica.

16. Falsa --- veja teoria

R- (2 + 4) = 6

29- Sendo a distância do ponto A a cada uma das cargas iguais e q1=2q2 você observa
que E1=2E2 --- E1=Kq1/(1.10-2)2 ---

E1=9.109.2.10-6/1.10-4 --- E1=18.107N/C --- E2=9.107N/C --- ER2=E12+ E22 ---


ER2=(18.107)2 + (9.107)2 --- intensidade -ER=9√5.107N/C --- direção - tgα=E2/E1=1/2,
sendo α o ângulo que ER forma com o eixo x --- sentido - se afastando da origem a
partir do ponto A.

30- A única alternativa em que o objeto com carga positiva não é desviado (força
resultante nula) durante a queda é a E

R- E

31- a) Quando E=400N/C – d=0,10m --- E=KQ/d2 --- 400=9.109.Q/(10-1)2 ---


Q=4.102.10-2/9.109 --- Q≈0,45.10-9C ---

Q ≈ 4,5.10-10 C
489

b) E=KQ/d2=9.109.4,5.10-10/(3.10-1)2 --- E=40,5.10-1/9.10-2 --- E=4,5.10 --- E=45


N/C
32- Se existe campo elétrico uniforme, sobre a partícula surgirá uma força e
consequentemente uma aceleração constantes ---

R-C

33- E=F/q --- E=ma/q --- nesta expressão, como a massa e a carga são constantes, se
você quadruplicar a intensidade do campo elétrico você estará quadruplicando a
aceleração --- R- D

34-
Como o campo elétrico é uniforme, a carga fica sujeita a uma força resultante (elétrica) const
ante, adquirindo um movimento retilíneo 

Acelerado --- R- C

35- A carga deve ter sinal negativo para que a força elétrica seja contrária ao campo
elétrico e possa equilibrar a força peso ---

P=m.g=0,5.10 --- P=5N --- E=F/q --- 100=F/q --- 100=P/q+ --- 100=5/q ---
q=5.10-2 C

36- A direção e o sentido do a força elétrica estão relacionadas com a direção e o


sentido do campo elétrico, no caso a força elétrica é vertical e para cima (elétron tem
carga negativa) --- R- C

37- 01. Falsa --- um corpo eletrizado pode atrair um corpo neutro, por indução
eletrostática, nunca repelir.

02. Correta --- veja teoria de campo elétrico.

04- Falsa --- o campo elétrico gerado por uma esfera condutora é de afastamento
(Q>0) ou de aproximação (Q<0), em suas vizinhanças externas.

08- Falsa --- Observe na expressão F=KQq/d2 que a força é inversamente proporcional
ao quadrado da distância.

R- 02

38- A placa da esquerda tem carga positiva (campo de afastamento) fazendo com que
ao penetrar no espaço entre as placas, a carga positiva será acelerada pela força elétrica
490

em direção à placa negativa e, ao sair, a força deixará de existir e ela seguirá com
velocidade constante V, tal que V>Vo --- R- C

39- Como o elétron tem carga negativa, quando ele penetrar na região do campo elétrico
surgirá sobre ele uma força elétrica com sentido contrário ao do campo e esta força irá
acelerá-lo até abandonar a região do campo com velocidade V tal que V>Vo ---

R- A

40- Os nêutrons não sofrem desvio e o campo elétrico desvia os prótons para baixo ---
R- E

41- Para que a gota atinja P ela deve ser desviada pela força elétrica para cima e, como a
gota tem carga negativa o campo elétrico deve ter sentido contrário ao da força, ou seja,
para baixo --- R- A

42-

43- A força resultante é para baixo e a gota cai com aceleração a, tal que FR=m.a --- P -
F=m.0,2g --- m.g- Q.E=m0,2g ---

mg – 0,2mg=QE --- Q=0,8mg/Q --- R- A

44- gota em equilíbrio --- FR=0 --- F=P --- q.E=m.g --- 1,6.10-19.E=1,6.10-25.10 ---
E=1,6.10-19/1,6.10-24 --- E=1,0.105 N/C

45- a) F=ma --- qE=ma --- a=qE/m

b) Torricelli --- V2 = Vo2 + 2.a.∆S --- V2=Vo2 + 2.qE/m.a --- V=√(Vo2 +


2.q.(E/m).a)
46- a) carga negativa --- a força elétrica tem que estar para a esquerda em sentido
oposto ao do campo elétrico.

b) Colocando as forças sobre a esfera que são: a tração no fio --- a força elétrica
horizontal e para a esquerda para manter a
491

esfera em equilíbrio --- o peso , vertical e para baixo --- tgθ=F/P=qE/mg ---
θ=arc tg qE/mg

47-

48- R- C --- os dipolos estão flutuando --- as forças peso e elétrica se anulam ---
observe que os dipolos ficarão alinhados predominantemente na direção vertical com as
cargas negativas voltadas para baixo (repulsão) e as positivas para cima (atraação)

49- R- A --- veja teoria

50- Força resultante sobre a partícula dentro do campo elétrico é --- FR = Felétrica –
Fgravitacional --- m.a = q.E – m.g --- q.E = m.a + m.g --- E = (m/q).(a + g) --- na
horizontal devido a ausência de forças o movimento é uniforme então --- S = So + v.t -
--

L = v.t --- t = L/v onde t é o tempo para a partícula percorrer a distância L --- na
vertical devido às forças atuantes o movimento é uniformemente variado --- Vy = at =
aL/v --- como a partícula deverá sair do campo com alcance máximo fora dele, ela
deverá sair do campo em ângulo de 45°, o que significa que a velocidade vy = v --- Vy
= aL/v = v --- a = v2/L --- E = (m/q). (a + g) --- E=(m/q).(g + v2/L)

51- a) FN=20FE=20Kq2/d2=20.9.109.(1,6.10-19)2/1,6.10-15)2 --- FN=180.109.10-8 ---


FN=1.800N --- FN=1,8.103N
b)F = q.E = 1,6.10-19.2.106 = 3,2.10-13 N

52- A carga positiva colocada em P será mais repelida pelo canto superior direito do que
pelo canto inferior esquerdo. Além disso, será mais atraída pelo canto superior esquerdo
do que pelo canto inferior direito. Assim a resultante deverá estar apontando para a
esquerda --- R- B

53- a) As forças pedidas estão no esquema a seguir


492

Dada a simetria da figura devido ao ângulo a figura é um quadrado e desta forma a força
elétrica terá mesmo módulo que o peso da carga, ou seja, Fe = P = m.g = 0,015.10 =
0,15 N --- Fe=P=0,15N

b) Como o campo é uniforme Fe = q.E --- q = Fe/E = 0,15 / (500.103) = 0,0000003 =


3.10-7 C --- q =0,3 µC

54- Se a partícula é carregada negativamente e está se movendo na direção e sentido do


campo elétrico existe uma força constante de sentido oposto atuando sobre a partícula.
Desta forma a partícula apresentará uma aceleração constante e negativa, o que está
caracterizado no diagrama de aparência parabólica de concavidade para baixo --- R- E

55- a) De acordo com a lei de Newton da gravitação, toda massa gera em torno de si um
campo gravitacional. E de acordo com a lei de Coulomb, toda carga elétrica gera em
torno de si um campo elétrico.

b) Conforme a experiência de Oersted, quando uma partícula eletrizada está em


movimento, além dos campos gravitacional e elétrico, ela gera, também, campo
magnético. Quando dois, ou mais, desses campos de mesma natureza se superpõem, o
campo resultante depende da direção e do sentido de cada um. Portanto, esses campos
são grandezas vetoriais.

Obs: se a partícula eletrizada sofrer aceleração, há emissão de onda eletromagnética,


que é a propagação do campo eletromagnético através do espaço.

56- a) Com as gotas neutras não haverá a atração eletrostática.

b) A folha terá a indução de cargas opostas ao da gota.

c) A força de atração é tanto maior quanto mais próximas estiverem as gotas da folha.

d) Correta
493

e) A formação de campos elétricos é sempre no sentido do positivo para o negativo e


neste caso será então das gotas para a folha

R- D.

57- Devido à blindagem eletrostática, o vetor campo elétrico no interior de cada uma
das cavidades é nulo. Logo, a força entre as cargas qa e qb também é nula, pois
F=qE=q.0=0 --- R- B

58- Comentário: materiais metálicos apresentam maior condutividade elétrica, por isso
são mais facilmente polarizados e atraídos por campos elétricos externos.

R- B

59- Chamemos de A, B, C e D esses vértices --- as cargas são positivas então criam
campos elétricos de afastamento --- como se mostra na figura a seguir, os campos e
têm mesma direção e sentidos opostos anulando-se --- restam os campos e
que ,somados vetorialmente, têm campo resultante , horizontal e para esquerda.

R- B

60- Quando se coloca um isolante entre as cargas, mudam-se as condições do meio


entre as cargas. Por isso a lei de Coulomb para cargas puntiformes é:

E=(1/4.πε).Q/r2 A constante ε é á permissividade elétrica do meio. Portanto, ao se


colocar um isolante entre as placas, o campo elétrico entre elas varia. A figura abaixo
ilustra um exemplo para duas placas carregadas com cargas de sinais opostos.
494

R-C

61- R- A --- E = F/q ou F = q.E

62- Como o coeficiente de x3 na equação dada é igual a 1, e a, b e c são raízes


da equação, podemos escrevê-la como:

(x – a) (x – b) (x – c) = 0. Desenvolvendo esses produtos, obtemos:

x3 – (a + b + c) x2 + (a b + a c + b c) x – a b c = 0

Comparando os coeficientes, podemos montar o sistema:

Como podemos notar, não é um sistema fácil de ser resolvido. Atentando,


porém, para a equação (III) notamos que o produto dessas raízes é igual a 144.
Podemos, então, fazer uma pesquisa de solução, com os divisores de 144 que
são: 1, 2, 3, 4, 6, 8, 9, 12, 16, 18, ...,144), para encontrar uma primeira raiz.

Notamos que x1 = 3 é uma raiz. Dividimos, então, o polinômio dado por (x – 3)


para baixar o grau.

Fazendo a divisão pelo dispositivo prático de Briot Ruffini (ou pelo método da
chave):

(x3 – 19 x2 + 96 x – 144) (x – 3) = x2 – 16 x + 48

Igualando a zero, calculamos as outras duas raízes:

x2 – 16 x + 48 = 0. Essas duas raízes tem soma 16 e produto 48. Então: x2 = 4 e


x3 = 12.
495

Do enunciado (c < a < b). Então: c = 3; a = 4; b = 12; ou seja: (a;b;c) = (4;12;3).

Para melhor visualização, observemos a figura a seguir, que mostra a


localização das cargas.

Dados: k = 1,3 × 109 N.m2/C2 --- Q1 = Q2 = Q3 = 1,44 × 10–4 C --- Lembrando


que a intensidade do vetor campo elétrico em um ponto à distância d de uma

carga puntiforme é dado por: temos:

E1 = E1 = 1,17 × 104 N/C.

E2 = E2 = 1,3 × 103 N/C.

E2 = E3 = 2,08 × 104 N/C.

Escrevendo na forma vetorial, o vetor resultante no ponto (a,b,c) é:

Para encontrar o vetor ( de menor intensidade, paralelo ao vetor campo


elétrico, dividamos todos os componentes pelo componente de menor valor, ou
seja, por 1,3 × 103. Assim:


496

Portanto, o vetor paralelo ao vetor campo elétrico no ponto (a;b;c) é o vetor


(9;1;16) --- R- E

63- Apenas para ilustrar a resolução, suponhamos que a placa inferior esteja eletrizada
positivamente e, a superior, negativamente.

A figura mostra o vetor campo elétrico de cada uma das placas em três pontos: A e C,
fora delas, e B, entre elas.

Como se trata de placas infinitas, o campo elétrico criado por cada uma delas é
uniforme --- assim --- EA = 0; EBB = 2 E e

EC = 0 --- R- C

64- Como o campo elétrico ( ) é horizontal, e a força elétrica ( ) só age na


direção do campo, ela não influi no tempo de queda --- como o enunciado não
informou o sinal da carga, considere-a positiva --- por isso, a força elétrica
está no mesmo sentido do campo elétrico.

a) Como indicado na figura, quando a partícula atingir a altura h’ = 5 H, ela terá


caído 4 H --- como na vertical o movimento é uniformemente variado --- 4 H =

⇒ 8 H = g t’ 2 ⇒ .

b) Analogamente ao item anterior, para o tempo total --- 9 H = ⇒ 18 H

=g ⇒
497

c) o tempo que a partícula permanece sob ação do campo elétrico é

d) A distância horizontal percorrida pela partícula, como mostrado na figura é --


- D = d1 + d2 (I) --- distância horizontal d1 é percorrida em movimento
uniformemente acelerado pela ação do campo elétrico, durante o tempo t’ ---

aceleração horizontal da partícula --- F = m ax --- q E = m ax --- ax = -

-- então --- d1 = --- d1 = --- d1 = --- d1 = 4

(II)

A partir daí, o movimento da partícula é um lançamento oblíquo para baixo, sob


ação exclusiva do campo gravitacional. O tempo para atingir o solo é --- t2 = tT

– t’ ⇒ t2 = (III) --- ao abandonar o campo elétrico, a


velocidade horizontal da partícula é vx, como indicado na figura, adquirida
durante o tempo (t’) em que sofreu ação do campo elétrico, sendo, então --- vx

= ax t’ ⇒ vx = (IV)

A distância horizontal d2 é percorrida em movimento uniforme, com a


velocidade vX durante o tempo t2 --- assim, de (III) e (IV) vem ---

d 2 = vx t 2 ⇒ d 2 = --- aplicando a distributiva --- d2 =

--- d2 = --- d2 = 4 (V) ---

substituindo (II) e (V) em (I) --- D = 4 +4 --- D = 8 .

65- Veja a figura abaixo, onde as cargas elétricas devem ter sinais contrários, para que
um campo seja de aproximação e o outro de afastamento e, só assim podem se anular:
498

66- A figura mostra o campo elétrico e as forças que agem na partícula --- observe que
a carga deve ser negativa para que a força

magnética tenha sentido para cima --- como a carga está em equilíbrio a força
resultante sobre ela é nula --- Fe=P ---

q.E=m.g --- q=mg/E=2.10-3.10/5.102 --- q=4.10-5 C --- q=40µC --- R- D

67- Dados --- E = 3.106 V/m --- V = 9 kV = 9.103 V --- V=E.d -- 9.103=3.106.d ---
d=3.10-3m --- d=3mm --- R- A

68-

R- C

69-(UEMG-MG)

Há situações na natureza que são impossíveis de ocorrer. Com base nessa afirmação,
assinale, abaixo, a alternativa em que se apresenta um fenômeno físico que não ocorre.
499

A) Uma massa, ao ser abandonada numa região do espaço onde há um campo


gravitacional, passa a se movimentar no sentido do campo gravitacional.

B) Uma carga elétrica, ao ser abandonada numa região do espaço onde há um campo
elétrico, passa a se movimentar em sentido contrário ao campo elétrico.

C) Dois corpos, a temperaturas diferentes, são colocados em contato e isolados da


vizinhança. O calor flui do corpo de temperatura mais baixa para o de temperatura mais
alta.

D) Uma carga elétrica, ao ser abandonada numa região do espaço onde há um campo
elétrico, passa a se movimentar no sentido do campo elétrico.

A) Correta --- toda massa abandonada no interior de um campo gravitacional fica


sujeito a uma força que tem o mesmo sentido do campo gravitacional.

B) Correta --- Observe nas informações abaixo, que se a carga for negativa a força
elétrica sobre ela a desloca em

sentido contrário ao do campo elétrico.

C) Falsa --- calor é a transferência de energia entre dois ou mais corpos devido à
diferença de temperatura entre ele e essa transferência ocorre semptre do corpo de maior
para o de menor temperatura --- essa transferência de energia (calor) ocorre até que as
moléculas de todas as substâncias que estão em contato térmico apresentem a mesma
temperatura que é denominada temperatura de equilíbrio térmico.

D) Correta --- observe nas informações fornecidas em B, que se a carga for positiva a
força elétrica sobre ela a desloca

no mesmo sentido que o do campo elétrico.

R- C.

70-(UFPE-PE-012)

Observe abaixo as características do vetor campo elétrico, nesse caso:


500

Intensidade do campo elétrico que q1 cria na posição onde está q2 ---


E12=k.q1/d2=9.109.16.10-6/22 --- E12=36.103N/C e é de afastamento de q1, pois q1<0 ---
intensidade do campo elétrico que q3 cria na posição onde está q2 ---
E32=kq3/d2=9.109.4.10-6/12 --- E32=36.103N/C e é de afastamento de q3, pois q3<0 ---
observe na figura que esses dois

vetores tem mesma intensidade, mesma direção mas sentidos contrários, então se
anulam e ER=0.

71-(UFF-RJ-012)

a) Orientando a trajetória da primeira placa para a segunda placa (velocidade positiva


para a direita e negativa para a esquerda):

1o trecho --- o elétron é acelerado a partir do repouso (Vo=0) em movimento


progressivo (velocidade positiva) até atingir a velocidade máxima (Vmáx);

2o trecho --- a força contrária agora desacelera o elétron e sua velocidade máxima
Vmax começa a diminuir, ainda em movimento
501

progressivo (velocidade positiva), ou seja, indo para a direita, até parar (V=0);

3o trecho --- o elétron, a partir de V=0, acelera para a esquerda em movimento


retrógrado (velocidade negativa) até atingir velocidade de – V’, com que retorna à
placa.

Representando gráficamente:

b) A distância mínima entre as placas, para que ele não atinja a segunda placa ocorre
quando ele estiver na iminência de atingi-la, ele pare (V=0) --- em todo gráfico VxT a
distância percorrida é numericamente igual a área, no caso área de um triângulo ---
Vmax=Vo +

a.t=0 +6,4.103.2.10-3=12,8m/s --- área do triângulo 1 --- A1=b.h/2=2.10-


3
.12,8/2=12,8.10-3m --- observe que A2=A1 --- Atotal=d=2.12,8.10-3= 25,6.10-3m ---
dmínima=25,6.10-3m

c) O tempo total do movimento vale --- ttotal=4.10-3 + t’, sendo t’ o tempo que ele
demora no retorno até retornar a placa onde chega com velocidade V’ e, neste trecho em
que retorna ele percorre a mesma distância que você já calculou no item anterior, que é
de ∆S=Vo.t’ + at’2/2 --- 25,6.10-3=0.t’ + 6,4.103.t’2/2 --- t’2 = 25,6.10-3/3,2.103 =8.10-
6
--- t’≈2,8.10-3s --- ttotal=4.10-3 + 2,8.10-3 --- ttotal≈6,8.10-3s

d) dados --- m=9.10-31kg --- q=1,6.10-19C --- a=6,4.103ms2 --- princípio


fundamental da dinâmica --- F=m.a=9.10-31.6,4.103=

57,6.10-28N --- E=F/q=57,6.10-28/1,6.10-19=36.10-9N/C --- E=3,6.10-8N/C (V/m).

72-(UERJ-RJ-012)
502

como elas têm as mesmas dimensões (mesmo raio), quando conectadas por um fio
metálico condutor (como se estivessem em contato) elas se comportarão como um único
corpo com carga total Qtotal=(Q1 + Q2)=[20µC + (-4 µC)] --- Qtotal=16µC --- após
desconectadas, cada uma ficará com carga elétrica Q’=16µC/2=8µC --- como todas as
cargas são positivas, E1 repele E3 com força para a direita e E2 também repele E3 com
força para a direita --- assim, a força

resultante sobre E3 terá a direção e sentido indicados na figura acima.

Potencial Elétrico
01- R- A --- veja teoria

02- R- C --- veja teoria

03- a) Nas proximidades de q1, pois nela é maior a concentração de linhas de campo.

b) Como q1 é positiva (linhas de campo divergentes) e q2 negativa (linhas de campo


convergentes), o sinal do produto q1.q2 é negativo.

04- R- D --- veja teoria

05- a) Cargas positivas são fontes de campo elétrico enquanto cargas negativas são
sorvedouros. Pela análise da figura, como as linhas de campo elétrico saem de B e
chegam a A, conclui-se que A é negativa e B é positiva.

b) Da figura, percebemos que da carga B saem o dobro de linhas de campo que chegam
na carga A, portanto: |QA| = 2|QB|.

c) Não. Pois caso fosse possível, haveria diferentes vetores em cada ponto de
cruzamento das linhas de campo.

06- Observe a figura abaixo, onde em cada espaço entre as placas foram colocados
todos os vetores, com as intensidades de cada
503

placa, pois as placas são grandes.

R- E

07- (01) Verdadeira --- veja figura abaixo

(02) Verdadeira --- veja que na extremidade A existe maior concentração de linhas de
campo

(04) Verdadeira --- na extremidade A, nas cargas negativas a força é contrária ao


campo

(08) Verdadeira --- na extremidade B, nas cargas positivas campo e força tem mesma
direção e mesmo sentido

(16) Verdadeira --- a força de atração é maior que a força de repulsão

(32) Falsa --- veja (04) e (08)

(64) Verdadeira --- o campo elétrico é uniforme e consequentemente a força elétrica é


constante.

R- (01 + 02 + 04 + 08 + 16 + 64)=95

08- R- B --- veja teoria

09- Observe que na região do ponto 2 as linhas de campo elétrico são mais próximas ---
R- B

10- Saem da A e da C (positivas) e chegam a B (negativa) --- R- E

11- I. Correta --- Observe na figura abaixo que a carga da esquerda (positiva) produz
num ponto P campo de afastamento ( ), a
504

carga da direita (negativa) produz no mesmo ponto P uma campo de aproximação ( ) e


a soma vetorial desses dois campos produz um vetor campo elétrico resultante ( ) que
é tangente ao ponto.

II. Correta --- A quantidade de linhas de força (de campo) que saem das cargas
positivas é a mesma das que chegam às negativas.

III. Falsa --- a intensidade de cada campo independe da intensidade do outro


(E=KQ/d2), e o campo resultante é a soma vetorial desses dois campos.

R- D

12- R- E --- veja teoria

13- I. Falsa --- é maior na região C onde a concentração de linhas de campo é maior.

II. Correta --- quando a carga é negativa força e campo tem sentidos contrários.

III. Correta --- quando a carga é positiva força e campo tem mesmo sentido.

R- D

14- Para que a gota atinja P ela deve ser desviada pela força elétrica para cima e, como a
gota tem carga negativa o campo elétrico deve ter sentido contrário ao da força, ou seja,
para baixo --- R- A

15- R- C

16- V=Kq/d=9.109.(-10-6)/3,8.108 --- V= -2,368.10-5V --- R- C

17- a) Falsa --- a carga Q é positiva e origina em P campo elétrico de afastamento e


fornecido por E=KQ/d2.

b) Falsa --- veja a anterior.

c) Correta --- V=KQ/d=9.109.2.10-7/6.10-2 --- V=3.104V

d) Falsa --- veja a anterior

e) Falsa --- veja a e c.

R- C

18- A em relação ao ∞ - UA∞=VA - V∞ --- 150=VA – 0 --- VA=150V --- B em relação


ao ∞ - UB∞=VB - V∞ --- 100=VB – 0 ---
505

VB=100V --- A em relação a B - UAB=VA – VB=150 – 100=50V ou A em relação a B


com VB=0 --- UAB=VA – VB ---

50=VA – 0 --- VA=50V --- R- D

19- I. Falsa --- potencial elétrico é grandeza escalar, não tem direção nem sentido.
II. Correta --- observe que nos três casos o potencial em 0 vale Vtota=Kq/R + Kq/R +
Kq/R --- Vtotal=3Kq/R

III. Falsa --- veja a anterior

R- B

20- O potencial no ponto 0, que é uma grandeza escalar é a soma algébrica do potencial
em 0 originado pelos “n” prótons --- V0=nKq/r --- R- C

21- Um hexágono regular é composto por 6 triângulos equiláteros --- VA=Kq/d + Kq/d
+ KQ/2d --- 0=2Kq/d + KQ/2d ---

Q=-4q --- R- D

22- a) Se os dois átomos devem ficar em equilíbrio, a resultante das outras forças
internas deve anular a força elétrica entre as cargas --- FR=Fe=KQ.q/d2=9.109.│1,6.10-
19
│ . │-1,6.10-19│/(2.10-10)2 --- F=5,76.10-9N

b) O módulo da energia potencial elétrica associada ao sistema vale ---


Ep=Kq.q/d=9.109.│1,6.10-19│ . │-1,6.10-19│/(2.10-10) ---

Ep=1,152.10-18J.

23- Para que essas cargas se aproximem é preciso que um agente externo aplique forças,
forçando a aproximação, e fornecendo

energia ao sistema --- R- A


506

24- V=KQ/d --- 30=9.109Q/3.10-2 --- Q=10-10C --- R- D

25- V1=KQ/d=9.109.(-2,0.10-9)/1 --- V1=-18V --- V2=KQ/d=9.109.(-2,0.10-9)/2 ---


V2=-9V --- U12=V1 – V2 =

(-18) – (-9) --- U12=-9V --- R- E

26- Ep=KQq/d --- observe que se você dobrar cada carga Ep ficará quadruplicada e que
se você multiplicar a distância por 4, Ep ficará 4 vezes menor --- R- E

27- Ep+Q=K(+Q)/3a --- Ep-Q=K(-Q)/a --- Ep=+KQ/3a – KQ/a --- Ep=(KQ – 3KQ)/3a
--- Ep=-2KQ/3a --- R- E

28- Observe na figura abaixo que o deslocamento da partícula é para a direita e é


espontâneo, portanto a energia potencial eletrostática

do sistema está diminuindo. A força faz surgir sobre a partícula uma aceleração,
portanto sua velocidade e consequentemente sua energia cinética está aumentando ---
R- E

29- Observe que para que o potencial criado pelas duas cargas seja nula nos pontos,
como elas tem mesmo módulo e sinais contrários, esses pontos devem ser eqüidistantes
de cada carga --- R- A

30- Os pontos devem estar eqüidistantes de Q --- veja figura abaixo:

R- B

31- Lembre-se de que cargas positivas originam campos de afastamento e negativas,


campos de aproximação --- veja a figura ---

R- C
507

32- O potencial elétrico é uma grandeza escalar e, no centro do quadrado é a soma


algébrica dos potenciais criados por cada carga

--- A – EA=Kq/d + Kq/d + Kq/d + Kq/d=4Kq/d --- B – EB= Kq/d + Kq/d - Kq/d -
Kq/d=0 --- C – EC= Kq/d + Kq/d - Kq/d - Kq/d=0 --- R- D

33- Como a carga é positiva ela ficará sujeita a uma força que tem a mesma direção e
sentido que o campo elétrico e intensidade

F=q.E, que a fará acelerar para a direita (figura) sujeita a uma aceleração a, aumentando
sua velocidade e consequentemente sua energia cinética e diminuindo sua energia
potencial elétrica de modo que sua energia mecânica seja constante (a força elétrica é
conservativa) --- R- 05

34- V=0=K.(+2q)/d1 + K(-q)/d2 --- d1=2d2 --- d2=1, d2=2 (K) --- d2=3, d2=6 (L) ---
R- E

35- VA=0 --- KQ/(104 – x) – K3Q/x=0 --- 1/(104 – x) = 3/x --- x=312/4 ---
x=78cm

R- D

36- Situação inicial

EP1=Kq2/d + Kq2/d + Kq2/d --- Ep1=3kq2/d

Situação final
508

Ep2=Kq2/d + K(2q)2/d + K.(2q)2/d --- Ep2=5Kq2/d --- Ep2=(5/3)Ep1 --- R- C

37- a) As duas cargas originam em x campos de afastamento que devem se anular ---
E1=Kq1/(6 – x)2 --- E2=Kq2/x2 --- E1=E2 ---

K.4.10-5/(6 – x)2=K.10-5/x2 --- 4/(6 – x)2=1x2 --- x2/(6 – x)2=1/4 --- x/(6 – x)=1/2 ---
x=6/3 --- x=2 --- o campo elétrico é nulo a 2m de q2 e a 4m de q1.= ou na posição
x=4m

b) V=Kq1/3 + Kq2/3=9.109.4.10-5/3 + 9.109.10-5/3 --- V=15,0.104V

c) E1=9.109.4.10-5/9=4.104N/C --- E2=9.109.10-5/9=104N/C --- ER=4.104 – 104 ---


ER=3.104N/C --- E=F/q3 --- 3.104=F/10-5 --- F=3.10-1N --- F=ma --- 3.10-1=1ª ---
a=0,3m/s2.

38- E=KQ/d2 --- 9.103=KQ/d2 --- KQ=9.103d2 --- V=KQ/d --- 18.103=KQ/d ---
KQ=18.103d --- 9.103d2=18.103d --- d=2m --- 18.103=9.109Q/2 --- Q=36.103/9.109
--- Q=4.10-6C ou Q=4µC

39- Quando x=0,6m – Ep=6.10-4J --- V=Ep/Q --- V=6.10-4/10-6 --- V=6.102V

40- Todo ponto “aterrado” possui potencial nulo --- na figura 2 --- V1 + V3,1 + V2,1 =
0 --- KQ1/a KQ/b + KQ/b=0 --- Q1/a=-2Q/b --- Q1=-2Qa/b --- na figura 3 ---
KQ2/a + KQ1/b + KQ/b=0 --- Q2/a=Q1/b – Q/b --- substituindo Q1 --- Q2/a=+2Qa/b2
– Q/b --- Q2=Qa/b(2a/b – 1) --- na figura 4 --- KQ3/a + KQ1/b + KQ2/b=0 --- Q3/a
+ Q1/b + q2/b=0 --- usando as expressões de Q1 e Q2 --- Q3/a=2Qa/b2 – Qa/b2(2a/b –
1) --- Q3/a=Qa/b2(2 – 2a/b + 1) --- Q3=Qa2(3 – 2a/b)

41- Como o sistema é simétrico quanto a energia potencial elétrica, o que ocorrerá é a
transformação de energia potencial gravitacional em energia cinética --- m.g.h =
m.v2/2 --- g.h = v2/2 --- g.6 = v2/2 --- v2 = 12g --- v = √12g

42- A despolarização ocorre na fase em que o potencial sobe, que é a fase 0. A


repolarização ocorre quando o potencial está voltando ao potencial de repouso, o que
ocorre na fase 3.

R- B
509

43- Dados: Q3 = 1,44.10-4 C; k = 1,3.109 N.m2;C2.

Cálculo da distância (L) da carga Q3 ao ponto (0;0;c), que é o ponto (0;0;3), (figura).

Aplicando Pitágoras --- L2 = 42 + 32 + 122 --- L2 = 169 --- L = 13 m. --- Calculando


o potencial elétrico --- V=KQ3/L=1,3.109.1,44.10-4/13 --- V=14,4.103V ---
V=14,4kV --- R- A

44-

R- A

45- Observe na figura abaixo as superfícies equipotenciais com as respectivas


distâncias --- V2=kQ/r2 (I) --- V1=kQ/r1 (II) ---

V3=kQ/r3 (III) --- (II)/(I) --- V1/V2=kQ/r1 x r2/kQ --- r1=2/3m --- r1=0,67m ---
(III)/(I) --- V3V2=kQ/r3x r2/kQ --- r3=2m ---

Distância d pedida --- d=r3 – r1=2,00 – 0,67 --- d=1,33m


510

46- Dados --- V = 600 V --- E = 200 V/m --- k = 9.109 N.m2/C2.

A carga Q é positiva, pois o potencial elétrico por ela gerado é positivo --- potencial --
- V=kQ/r --- E=kQ/r2 --- V/E=kQ/r x r2/kQ --- 600/200=r --- r=3m --- V=kQ/r ---
600=9.109.Q/3 --- Q=2,0.10-7C

47- I. Correta --- quanto mais concentradas as linhas de força, mais intenso é o campo
elétrico.

II. Falsa --- no sentido das linhas de força o potencial elétrico é decrescente, portanto
VD > VC.

III. Falsa --- partículas com carga negativa sofrem força em sentido oposto ao do vetor
campo elétrico, movimentando-se espontaneamente para regiões de maior potencial
elétrico.

IV. Correta --- partículas positivamente carregadas movimentam-se espontaneamente


no mesmo sentido dos menores potenciais, ganhando energia cinética,
consequentemente, diminuindo sua energia potencial.

R- B

48-(UFPE-PE-012)

Veja as características do potencial originado nesse


caso:

Do gráfico, quando d=0,15m, V=300V --- V=k.Q/d --- 300=9.109.Q/0,15 ---


Q=45/9.109 --- Q=5.10-9C=5nC.

49-(FGV-SP-012)

-Num campo elétrico uniforme o vetor campo elétrico tem em todos os seus infinitos
pontos mesma intensidade, mesma
511

direção e mesmo sentido e é obtido entre duas placas condutoras idênticas e paralelas e
eletrizadas com cargas de mesmo módulo, mas de sinais contrários --- observe que
nesse caso as superfícies equipotenciais (todos os seus pontos possuem o mesmo
potencial elétrico) são planas e paralelas entre si --- assim, os pontos A e C possuem o
mesmo potencial elétrico (estão numa mesma superfície equipotencial) --- observe
também que o potencial diminui no sentido das linhas de força, que se afastam da placa
positiva --- R- C

50--(AFA-012)

Lembre-se de que o potencial elétrico diminui ao longo das linhas de força (de
campo) --- R- A --- ou, do enunciado 0 < VA – VC --- VA> VC --- 0 < VB – VC ---
VB > VC --- VA – VC < VB - VC --- VA < VB --- VC < VA < VB --- R- A

51-(MACKENZIE-S)-012)

Campo elétrico de intensidade E criado por uma carga de módulo Q a uma distância d
dessa carga --- E=k.Q/d2 (I) --- potencial elétrico de intensidade V criado por uma
carga de módulo Q a uma distância d dessa carga --- V=k.Q/d (II) ---

Dividindo (I) por (II) --- (I)/(II) = E/V=(kQ/d2)x(d/kQ)=1d --- E/V=1/d --- V = E.d
--- 180=360.d --- d=0,5m --- substituindo d=0,5m em (II) --- 180=9.109.Q/0,5 ---
Q=90/9.109 --- Q=10.10-9=10nC --- R- E

52-(FUVEST-SP-012)

Inicialmente você deve se lembrar que as linhas de força de um campo magnético são
linhas fechadas e de um campo eletrostático são linhas abertas --- A figura I mostra as
linhas de força (de campo) de um campo elétrico (eletrostático) criado por uma placa
plana, muito extensa e uniformemente eletrizada por cargas elétricas positivas (campos
de afastamento) --- a figura II sugere o campo eletrostático originado por duas cargas
pontuais eletrizadas com cargas positivas (campo de afastamento), colocadas próximas
uma da outra, mas pode representar também o campo magnético originado por dois
pólos norte de imãs diferentes (linhas de indução saem dos pólos norte), quando
colocados próximos (veja figura abaixo), apenas que, nesse caso as
512

linhas são fechadas (saem do pólo norte de cada imã e chegam ao pólo sul do mesmo
imã) --- a figura III representa campo magnético, pois são linhas fechadas --- pode
representar as linhas de indução de uma espira percorrida

por corrente elétrica ou por dois fios retilíneos, percorridos por correntes elétricas de
sentidos opostos (veja figuras acima) --- a figura IV também mostra um campo
magnético (linhas fechadas) --- esse campo magnético é gerado por um fio retilíneo,
perpendicular ao plano dessa folha, com a corrente elétrica saindo da mesma.

R- A ou E

Trabalho da Força Elétrica

01- I e II são verdadeiras (veja teoria) e a III é falsa porque o vetor campo elétrico varia
inversamente com o quadrado da distância do ponto à carga --- R- C

02- Observe a expressão a seguir --- W=qU --- U=W/q --- R- D

03- Todos os pontos da trajetória AB estão eqüidistantes do centro da carga e


consequentemente constituem uma superfície equipotencial --- VA=VB --- W=q.(VA –
VB)=q.0 --- W=0 --- o trabalho da força elétrica nesse deslocamento é nulo.

04- As linhas de força (linhas cheias) saem das cargas positivas e chegam às negativas e
são perpendiculares às superfícies equipotenciais (linhas tracejadas) --- R- E

05- Ao longo da mesma superfície equipotencial, o potencial é sempre o mesmo e a


diferença de potencial é nula e, consequentemente o trabalho também é nulo.
513

06- I. Falsa --- o potencial diminui

II. Falsa --- as linhas são perpendiculares

III. Falsa --- as superfícies são planas e paralelas

R- E

07- a) U=E.d --- (100 – 50)=5.102.d --- d=50/5.102 --- d=1,0.10-1m

b) WAB=q(VA – VB)=2.10-6(100 – 50) --- WAB=102.10-6 --- WAB=1,0.10-4J

08- Sendo as posições iniciais (A) e finais (D) coincidentes, o trabalho pelas três
trajetórias é a mesma, pois para forças conservativas como a força elétrica, o trabalho
independe da trajetória dependendo apenas das posições final e inicial --- R- B

09- WAB=q(VA – VB)=2.10-6(5 – 3) --- WAB=4.10-6J --- R- A

10- W=q(VA – VB) --- observe que a maior ddp (VA – VB) é a da trajetória V --- R- E

11- U=(VA – VB) --- VA<VB --- U<0 --- W=qU=-e(-Ed) --- W=eEd --- ou --- a
placa positiva está à esquerda (campo de afastamento dela) e o elétron se desloca
espontaneamente de A para B (deslocamento espontâneo,W positivo) --- R- B

12- a) Falsa --- é nula --- A e B estão na mesma superfície equipotencial

b) Correta --- estão na mesma superfície equipotencial

c) Falsa --- é a mesma na III e na IV e vale UAB=VA – VB=100 – 80=20V

d) Falsa --- nas duas é nula

e) Falsa --- veja c

R- B

13- R- B --- veja teoria

14- Observe que o potencial da placa superior é positivo (está ligado ao pólo positivo do
gerador) e que a ddp U entre as placas é
514

U=1V --- VC>VA --- A e B estão sobre a mesma superfície equipotencial ---
VA=VB --- WAB=q.(VA – VB)=q.0 --- WAB=0 --- dAC=d – (d/3 + d/2) --- dAC=d/6 --
- UAC=VA – VC e como VC>VA, UAC é negativo --- U=Ed --- 1=E.d --- E=1/d ---

WAC=qUAC=q.(-EdAC) --- WAC=-q(1/d).d/6 --- WAC= -q/6 --- R- C

15- O trabalho realizado sobre a carga Q depende da diferença de potencial entre o


infinito e o ponto (a,0) --- No infinito o potencial

elétrico do sistema é nulo e no ponto (a,0) também o é, pois as duas cargas estão em
disposição simétrica, com cargas de mesmo módulo, mas sinais opostos --- assim, o
trabalho da força resultante é nulo.

16- W=qU=1,6.10-19.20 --- W=32.10-19J --- WAB=ECB - ECA --- 32.10-19=ECB- 0 ---
ECB=3,2.10-18J --- R- E

17- E=F/q --- 105=F10-6 --- F=10-1N --- F=ma --- 10-1=10-4.a --- a=103ms2 ---
Torricelli --- V2=Vo2 + 2.a.∆S ---

02=Vo2 + 2.(-103).2.10-1 --- Vo=√4.102 --- Vo=20ms --- R- B

18- a) U=E.d --- 104=E.10-2 --- E=106V/m (N/C)


b) E=F/q --- 106=F/1,6.10-19 --- F=1,6.10-13N

c) F=ma --- 1,6.10-13=9.10-31.a --- a=0,17.1018m/s2 --- Torricelli --- V2=Vo2 +


2.a.∆S --- V2=02 + 2.0,17.1018.10-2 --- V=√0,34.1016 --- V≈0,58.108 --- V≈6.107m/s

19- a) VA – VB=E.d --- VA – 0=130.d --- V1=130.1=130V --- V2=130.2=260V e


assim por diante

b) Como a carga da terra é negativa, esse corpo deve estar com carga negativa para que
a força elétrica sobre ele seja para cima --
515

P=F --- mg=qE --- 1,3.10=q.130 --- q=-0,1C --- na prática, isso não seria possível,
pois um pequeno corpo não poderia ser eletrizado com uma carga elétrica desta ordem.
A nuvem de tempestade, cujas dimensões são enormes, consegue armazenar cargas
elétricas de algumas dezenas de coulombs.

20- Trabalho como variação de energia cinética --- WAB=ECB – ECA=mVB2/2 -


mVB2/2=2.10-4.6.400/2 – 2.10-4.400/2 --- WAB=0,64 – 0,04 --- WAB=0,6J ---
WAB=q.U --- 6.10-1=80.10-6.U --- U=6.10-1/8.10-5=0,75.104 --- U=7.500V --- R- C

21- WAB=q(VA – VB)=2(1 – 3) --- WAB=-4J --- WBD=q(VB – VD)=1,5(3 – 7) ---


WBD=-6,0J --- WDE=q(VD – VE)=1.(7 – 9) ---

Wtotal=-4 – 6 – 2 --- Wtotal=-12J --- R- A

22- a) VA1=KQ1/d1=9.109.10-9/5.10-2 --- VA1=180V --- VA2=KQ2/d2=9.109.(-10-


9
)/4.10-2 --- VA2=-225V --- VA=180 – 225 ---

VA= -45V

b) VB=KQ1/d1 + KQ2/d2=9.109.10-9/5.10-2 + 9.109.(-10-9)/10.10-2 --- VB=180 –


90=90V --- WAB=q(VA – VB)=2.10-9.(-45 – 90) --- WAB= -2,7.10-7J

c) Diminui, pois Q3 se afasta das demais e a energia potencial eletrostática é


inversamente proporcional à distância.

23- a) Observe que, onde o potencial V é nulo, as duas superfícies equipotenciais devem
se anular (+150V com -150V, +200V

com -200V, etc.) conforme o gráfico acima.


b) Observe na figura as coordenadas das distâncias do centro das cargas até o ponto P -
-- dA(0,02;0,03) e dB(0,08;0,03) ---
516

dA2= (0,02)2 + (0,03)2 --- dA=0,036m --- dB2= (0,08)2 + (0,03)2 --- dB=0,085m ---
EPA=VPA/dA=+250/0,036 --- EPA=6,9.103V/m --- EPB=VPB/dB=-250/0,085 ---
EPB=3,0.103V/m

c)

d) WPS=q(VP – VS)=2.10-9(0 – (+150 – 500)) --- WPS=2.10-9.350 --- WPS=7,0.10-7J

24-

25- a) E=F/q --- 2.103=F/3.10-15 --- F=6,0.10-12N

b) A distância que você deve considerar é a distância entre as duas superfícies


equipotenciais (retas verticais) que passam por A e por B --- d=4cm --- U=(VA –
VB)=Ed=2.103.4.10-2 --- U=-80V (negativo, pois VA<VB) --- a variação de energia
potencial corresponde ao trabalho --- W=qU=3.10-15.(-80) --- W=∆EP=-2,4.10-13J
517

26- W=q(VA – VB)=1.(0 – 50) --- W=-50J --- W=ECf – Eci=0 – mVo2/2 --- -50=-
4.10-4Vo2/2 --- Vo=500m/s --- R- B

27- Essa força de atração coulombiana (direção radial, sentido para o centro da
circunferência” núcleo do átomo” e intensidade constante), que atua sobre o elétron e
que o obriga a efetuar movimento circular uniforme é a força resultante centrípeta e o
trabalho realizado por ela é nulo. Isso ocorre porque, como o módulo da velocidade não
varia, o valor da energia cinética também não varia e como o trabalho da força
resultante (que é a centrípeta) é igual à variação da energia cinética WFR=WFc=ECF -
ECi=0, trabalho é nulo. Ou ainda, Sendo W=Fc.d.cosα, e tendo o deslocamento a
mesma direção e mesmo sentido que , ou seja, é

perpendicular a , WFC=Fc.d.cos90o=Fc.d.0 --- WFC=0 --- R- E

28- VA=KQ/dA=9.109.1,2.10-8/4.10-1 --- VA=270V --- VB=KQ/dB=9.109.1,2.10-8/6.10-


1
--- VB=540V --- WAB=q(VA – VB) ---

WAB=10-6(270 – 540) --- WAB=-270.10-6=-2,7.10-4J --- R- C

29-

30- – 62µJ, pois o trabalho não depende da trajetória.

31- V=KQ/d --- observe que KQ é constante, variando V e d --- vamos supor o valor
de KQ como 40 no SI --- 20=40/d1 ---

d1=2m --- 18=40/d2 --- d2=2,22m --- 16=40/d3 --- d3=2,5m --- 14=40/d4 ---
d4=2,86m --- R- B

32- Nesse caso a força resultante centrípeta FC=mV2/r é igual à força de atração entre as
duas cargas elétricas F=KQq/r2 --- mV2/=KQq/r2 --- V=√(KQq)/(mr) --- R- A
518

33- O vetor campo elétrico é sempre tangente em cada ponto às linhas de campo (de
força) e orientado das cargas positivas para as

negativas --- R- A

34- (VA – VB)=E.d --- 100 – VB=103.20.10-2 --- VB=-100V --- R- B

35- E=F/q --- 105=F/10-6 --- F=10-1N --- P=mg=0,1.10 --- P=1N --- máximo F +
P=ma --- 1,1=0,1.a --- a=11m/s2 --- mínimo --- P – F=ma --- 1,0 – 0,1=0,1.a ---
a=9N --- R- D

36- Veja em MHS (fisicaevestibular.com.br) que o período de um pêndulo simples sob


ação apenas da força gravitacional (figura

I) é fornecido por T=2π√(Lm)/(P) --- considerando os campos elétrico e gravitacional


(figura II) a expressão ficará --- T=2π√(Lm)/(P + Fe) --- T=2π√(Lm)/(mg + qE) ---
R- E

37- a) Falsa --- se afasta das cargas positivas e se aproxima das negativas.

b) Correta --- U1=E1d --- 55.10-3=E1.7.10-9 --- E1=7,857.106V/m --- U2=E2d ---
100.10-3=E2.7.10-9 --- E2=14,285.106V/m

c) Falsa --- é uniforme e diferente de zero

d) Falsa --- placas positivas possuem maior potencial

e) Falsa --- as superfícies equipotenciais no interior da membrana tem seu potencial


diminuído no sentido das placas positivas para as negativas.
519

R- B

38- Kq1/d1 + Kq2/(6 – d1)=0 --- K.1/d1 – K.2/(6 – d1)=0 --- d1=2m --- potencial é
nulo a 2m de d1, ou seja, nos pontos x=-4m e

x=4m e, em todos os pontos que constituem uma esfera de raio 4m (superfície


equipotencial) --- R- A

39- Cálculo da aceleração do próton --- V2=vo2 + 2a∆S --- 02=(4.105)2 +2.a.3.10-2 ---
a=-16.1010/6.10-2 --- a=-8/3.1012 m/s2 ---

F=ma --- F=1,8.10-27.8/3.1012 --- F=4,8.10-15 N --- E=F/q=4,8.10-15/1,6.10-19 ---


E=3.104N/C (V/m) --- R-D

40- Dados --- distância entre as superfícies: dAB = 0,3 m --- diferença de potencial
entre as superfícies --- UAB = (500 – 200) = 300 V --- carga do próton: q = e ---
observe a figura que mostra as linhas de força, sempre perpendiculares às superfícies
equipotenciais, e o sentido do vetor campo elétrico, o mesmo das linhas de força ---
cálculo da intensidade do vetor campo

E dAB = UAB --- E =UAB/dAB=300/0,3 --- E=1.000V/m --- no sentido do vetor campo
elétrico, o potencial elétrico é decrescente e para a direita, como indica a figura --- o
trabalho mínimo de um agente externo para levar o próton de A até B ocorre quando ele
chega em B com velocidade nula, ou seja, a variação da energia cinética é nula --- pelo
teorema da energia cinética, o somatório dos trabalhos é igual à variação da energia
cinética --- desprezando ações gravitacionais, apenas a força elétrica e essa tal força
externa realizam trabalho --- --- |q| E d + = 0 --- =–e
(1.000) (0,3) ---

= – 300 eV --- R- A

41- Teorema da Energia Cinética --- WFel = DEcin --- (VA – VB) q = mV2/2 ---
V=√2(VA – VB)q/m --- V=√2.(300 – 100).

4.10-5/10-3 --- V=√16=4m/s --- R- A


520

42- a) Considerando o sistema conservativo, as energias envolvidas e suas


transformações são: energia potencial elétrica, energia cinética e energia potencial
elástica --- quando a esfera 2 é liberada, a energia potencial elétrica das esferas diminui
transformando-se em energia cinética para a esfera 2 --- ao se chocar com o objeto, a
energia cinética dessa esfera passa a ser dividida com o objeto --- a seguir, a energia
cinética do conjunto esfera 2 – objeto transforma-se em energia potencial elástica,
armazenada pela mola --- como o plano de apoio é horizontal, a energia potencial
gravitacional permanece constante.

b) Dados --- Q1 = Q2 = Q; d1 = d3 = d; d2 = 2d e m1 = m2 = m --- a constante elástica


da mola é K e a permissividade elétrica do meio é eo --- a energia potencial elástica
armazenada na mola na situação final corresponde à diferença entre as energias

43- Observe a figura abaixo --- aplicando Pitágoras no triângulo ABC --- a2 = b2 + c2
--- a2=(2√3)2 + 22 --- a=4cm --- a=4.10-2m

--- calculando o potencial elétrico (V) nos pontos A e B devido às cargas presentes em
C e D ---

ignorando a ação de outras forças, a força elétrica é a força resultante --- aplicando o
teorema da energia cinética entre os pontos A e B --- WAB=∆Ec --- q(VA –
VB)=mVB2/2 – mVA2/2 --- -mVA2/2=q(VA – VB) --- VA=√-2q(VA – VB)/m ---

R- A

44- O elétron-volt é uma unidade de energia --- equivale ao trabalho da força elétrica
para acelerar uma partícula com carga igual à carga elementar (q = e = 1,6.10-19 C)
quando sujeito a uma diferença de potencial de U=1volt (V) --- na eletrostática, a
expressão do trabalho da força elétrica é --- W=qU=1,6.10-19.1 --- 1 eV=1,6.10-19J ---
R- D
521

45- a) Como os dois íons formam um sistema mecanicamente isolado (livres de ação de
forças externas), ocorre conservação da quantidade de movimento do sistema --- para
as duas situações mostradas --- Qs1 = Qs2 --- mVo + 0 = m(3Vo/4) + mV ---

V = Vo – 3Vo/4 --- V = Vo/4

46- I. Correta --- quanto mais concentradas as linhas de força, mais intenso é o campo
elétrico.

II. Falsa --- no sentido das linhas de força o potencial elétrico é decrescente, portanto
VD > VC.

III. Falsa --- partículas com carga negativa sofrem força em sentido oposto ao do vetor
campo elétrico, movimentando-se espontaneamente para regiões de maior potencial
elétrico.

IV. Correta --- partículas positivamente carregadas movimentam-se espontaneamente


no mesmo sentido dos menores potenciais, ganhando energia cinética,
consequentemente, diminuindo sua energia potencial.

R- B

47-(UFSM-RS-012)

R- A --- veja que a partícula em está em equilíbrio dinâmico ou seja, se movendo em


linha reta com velocidade constante.

48-(UFPR-PR-012)

U=E.d --- U=(F/q).d --- U=m.a.d/q --- i=q/∆t --- q=i. ∆t --- U=m.a.d/i.∆t ---
U=(kg).(m/s2).(m)/A.s --- U=kg.m2/s3.A ---

R- B

49-(MACKENZIE-SP-012)

Observe na figura que a placa superior está eletrizada com cargas positivas (falta de
elétrons ou excesso de prótons) e a inferior com cargas negativas (excesso de elétrons)
522

--- como a força peso é sempre vertical e para baixo, para haver equilíbrio (força
resultante nula) a força elétrica deverá ser vertical e para cima --- para que a força
elétrica sobre a carga seja para cima a carga da esfera deve ser negativa (excesso de
elétrons), pois a placa positiva superior atrai a carga e a placa negativa inferior a repele
--- Fe=q.E --- P=mg=5,12.10-4.10 --- P=5,12.10-3 N --- Fe=P=5,12.10-3N ---
q.E=5,12.10-3N --- E=5,12.10-3/q ---

U=E.d --- 640=(5,12.10-3/q).2.10-2 --- q=10,24.10-5/6,4.102=1,6.10-7C --- q=n.e ---


1,6.10-7=n.1,6.10-19 --- n=1,0.1012 elétrons --- R- A

ELETRODINÂMICA
Corrente elétrica
01- Q=área do retângulo=b.h=2.4 --- Q=8C

02- entre zero e 0,6s --- fio 1 --- Q1=área do triângulo e Q2=área do trapézio ---
observe na s figuras abaixo que a área

do trapézio é maior que a área do triângulo, ou seja, Q2>Q1.

Entre 0,6s e 1,0s --- Q1’=área do trapézio da figura 1’ --- Q2’=área do trapézio da
figura 2’ --- observe nas figuras

abaixo Q1’ > Q2’.

Entre zero e 1,0s --- observe que Q2’’ > Q1’’ pelas figuras abaixo
523

R- D

03- Q=área do triângulo=b.h/2=7,2.4.10-3/2=14,4.10-3C --- regra de três --- 1 e –


1,6.10-19C --- n e – 14,4.10-3C ---

1,6.10-19.n=14,4.10-3 --- n=14,4.10-3/1,6.10-19 --- n=9.1016 --- n=10.1016 --- n=1017


--- R- A

04- Q=área do triângulo=b.h/2=3.10-3.4/2 --- Q=6.10-3C --- R- D

05- Entre 0 e 4s --- Q=área do retângulo=b.h=4.0,4 --- Q=1,6C --- entre 4,0s e 8,0s
--- Q’=área do triângulo=b.h/2=4.0,4/2 --- Q’=0,8C --- Q’=Q/2 --- R- C

06- R- A --- Efeito Joule (efeito térmico) – Quando os elétrons livres que se movem
ordenadamente no interior do condutor se chocam contra os átomos desse material eles
recebem energia e, ao receberem essa energia, vibram mais intensamente. Esse aumento
vibratório dos átomos do condutor provoca um aumento de sua temperatura, liberando
calor e aquecendo-o, provocando a transformação da energia elétrica em energia
térmica (efeito Joule).

07- R- D --- trata-se de uma reação química instantânea.

08- R- D --- veja teoria

09- R- B --- Veja teoria

10- R- B --- Veja teoria

11- Na bateria (solução líquida eletrolítica) as partículas portadoras de cargas são os


íons; na lâmpada, o filamento é um condutor sólido e neles os portadores de cargas são
os elétrons livres; na lâmpada fluorescente (gás ionizado) os portadores de carga são os
íons e os elétrons --- R- A

12- i=Q/∆t=10/10-3 --- i=10.000A --- R- D

13- i=Q/∆ --- 2=Q/3.10-3 --- Q=6.10-3C --- regra de três --- 1.e – 1,6.10-19C --- n.e
– 6.10-3C --- 1,6.10-19n=6.10-3 ---

n=6.10-3/1,6.10-19 --- n=3,75.1016 partículas elementares --- R- D

14- i=Q/∆t --- 8.102.10-3=Q/1 --- Q=8.10-1C --- regra de três --- 1e – 1,6.10-19C ---
n.e – 8.10-1C --- 1,6.10-19.n=
524

8.10-1 --- n=5.1018 --- R- C

15- Q=44,4.3600=1,598.105C --- 1e – 1,6.10-19C --- ne – 1,598.105C --- n=1024


elétrons --- R- C

16- V=∆S/∆t --- 8.107=0,5/∆t --- ∆t=6,25.10-9s --- i=Q/∆t --- 2.10-3=Q/6,25.10-9 --
- Q=1,25.10-11C --- regra de três --- 1e – 1,6.10-19C --- ne – 1,25.10-11C --- 1,6.10-
19
n=1,25.10-11 --- n=1,25.10-11/1,6.10-19 --- n=0,78.108=

7,8.107 elétrons

17- a) i=Q/∆t --- 6=Q/3.600 --- Q=2,16.104C

b) i=Q/∆t --- 6=Q/20.60 --- Q=7,2.103C --- regra de três --- 1,1mg – 1C --- xmg –
7,2.103C --- x=7,2.103.

1,1.10-3 --- x=7,92g

18- Q=n.e=2.105.1,6.10-19 --- Q=3,2.10-14C --- i=Q/∆t=3,2.10-14/10-3 --- i=3,2.10-11A

19- a) Falsa – energia elétrica em térmica

b) Falsa – foi Thomas Alva Edison

c) Falsa – seu ponto de fusão é elevado

d) V=∆S/∆t --- 0,1.10-3=0,6/∆t --- ∆t=6.000s=100min --- correta

e)C/5=(F – 32)/9 --- 2.500/5=(F – 32)/9 --- F=1.032oF --- Falsa

R- D

20- a) ECtotal=3.1014.7.1012=2,1.1027eV --- em joules --- ECtotal=2,1.1027.1,6.10-19 ---


ECtotal=3,36.108J

b) ECtotal=m.V2/2 --- 3,36.108=400.103.V2/2 --- V=√17.102 --- V=41,2m/s x


3,6=148,32km/h

c) Qtotal=N.q=3.1014.1,6.10-19 --- Qtotal=4,8.10-5C --- L=27km=27.103m --- V=∆S/∆t


--- c=L/∆t --- 3.108=27.103/∆t --- ∆t=27.103/3.108 --- ∆t=9.10-5s ---
i=Qtotal/∆t=4,8.10-5/9.10-5 --- i=0,53A

21- Módulo da carga dos íons positivos --- Q+=1,0.1018.1,6.10-19 --- Q+=0,16C --- o
módulo das cargas dos íons negativos é o mesmo --- Q-=0,16C --- módulo da carga
total --- Qtotal=│0,16 + 0,16│=│0,32│C --- i=Qtotal/∆t ---

I=0,32/1 --- i=0,32 A --- R- B

22- Q=n.e=1018.1,6.10-19 --- Q=1,6.10-1C --- i=Q/∆t=0,16/1 --- i=0,16 A --- R- C


525

23- A primeira afirmação é correta e a segunda é falsa, pois o ar pode ser condutor
conforme a terceira afirmativa --- i=Q/∆t --- 10.000=20/∆t --- ∆t=20/10.000=0,002s
--- R- C

24- i=Q/∆t --- 300.000=Q/0,5 --- Q=150.000C --- fração


f=Q/QTerra=150.000/600.000 --- f=1/4 --- R- C

25- a) Observe as medidas assinaladas na figura --- nessa figura, você obtém o
diâmetro do ponteiro dos segundos --- D = 58,0 mm

--- período desse ponteiro --- T = 60 s --- a cada volta, o espaço percorrido pela
extremidade desse ponteiro é --- ∆S = 2πR=2πD/2 --- ∆S=πD ---
V=∆S/∆t=πD/T=3x58/60 --- V=174/60 --- V=2,9mm/s

b) Dados --- q = 2,4 A.h = 8,64x103 C --- ∆t = 400 dias = (400 x 24) h --- corrente
elétrica média --- i=q/∆t=2,4/400x24 --- i=0,1/400 --- i=2,5.10-4 A --- i=0,25mA

26- i=∆Q/∆t --- 0,3= ∆Q/120 --- ∆Q=36C --- Q=ne --- 36=n.1,6.10-19 ---
n=2,25.1020 elétrons --- R- E

27- Princípio de funcionamento de uma lâmpada de filamento (lâmpada comum) ---


ela possui um filamento (resistor), conectado à rede elétrica por dois pontos de contato,
a rosca metálica (parte rosqueada) e o pino inferior --- para que o filamento seja

percorrido por corrente elétrica, fique incandescente e emita luz, entre esses dois pontos
de contato deve existir uma diferença de potencial e o filamento pode dissipar energia
526

sob forma térmica e principalmente luminosa --- a proposta de Mateus é falsa, pois ela
não constitui um circuito fechado --- Carlos estabeleceu um curto circuito, pois ligou
os dois pólos da pilha em um único ponto de contato (rosca metálica) --- nas
montagens de João e Pedro o circuito está ligado corretamente entre os dois pontos de
contato, o pino inferior e a parte rosqueada, estabelecendo assim, entre eles uma
diferença de potencial, acendendo a lâmpada --- R- C

28- i=Q/∆t --- 1.2.104=Q/25.10-6 --- Q=1.2.104.25.10-6 --- Q=30.10-2=0,3C --- R- D

29- R- B --- este fenômeno chama-se efeito Joule.

30- Em todo gráfico corrente elétrica x tempo a carga elétrica Q é numericamente igual
à área compreendida entre a reta

representativa e o eixo do tempo (figura) --- área de um trapézio --- Q=(B +


b).h/2=(4 + 1).4/2 --- Q=10C

31- i=Q/∆t --- 2=2,16.105/∆t --- ∆t=1.08.105s =1,08.1053.600 --- ∆t=30h --- R- B

32- O1- Falsa --- bateria fornece corrente contínua e sempre com a mesma intensidade.

02. Correta --- o sentido convencional da corrente elétrica é sempre contrário ao do


movimento dos elétrons livres que saem do pólo negativo e chegam ao positivo.

04. Correta --- trata-se do efeito Joule.

08. Correta --- elétrons tem carga negativa e o sentido do movimento (da força) é
contrário ao do campo elétrico.

16- Correta --- trata-se de uma corrente alternada.

R- (02 + 04 + 08 + 16)=30

33- O gerador, por exemplo, uma pilha, transforma energia química em energia elétrica,
transferindo energia aos portadores de carga elétrica, no caso de fio, são os elétrons
livres do material do fio, que se deslocam constituindo assim uma corrente elétrica ---
R- D

34- R- A --- veja teoria


527

35-(UNICAMP-SP-012)

-1 ampére = 1 A = 1 coulomb/segundo=1 C/s --- 1h=3 600s --- dado do exercício ---
Q=0,8 A.h = 0,8 C/s.3 600s --- Q=2 880C --- corrente elétrica média --- im=Q/∆t ---
3,2 = 2 880/∆t --- ∆t=2 880/3,2=900s --- ∆t=900/60=15 min --- R- C

36-(FUVEST-SP-012)

I. Correta --- se dois determinados metais estiverem em contato com uma solução
eletrolítica, surge uma tensão elétrica entre esses dois metais e a solução, originando
assim uma corrente elétrica. O caráter ácido da solução ajuda na condução da
eletricidade.

II. Correta --- nos condutores metálicos a corrente elétrica consiste no movimento
ordenado de elétrons livres.

III. Correta --- nos músculos da rã surge um fluxo de íons que surgem um circuito
formado por três condutores - um, eletrolítico, e dois metálicos, que provocam sua
contração.

Potência Elétrica – Energia Elétrica


01- a) A lâmpada de menor potência – 40W

b) O de maior potência – caminhão

c) Lâmpada de 40W, lâmpada de 100W, ferro elétrico, fusca e caminhão

02- Quanto maior o número de equipamentos elétricos, maior o consumo de energia


(III) --- observe na expressão W=Po.∆t que o consumo de energia W depende também
da potência do equipamento Po (I) e do tempo ∆t de funcionamento (II) --- R- E

03- Observe que em cada uma das recomendações você tentando diminuir o efeito
Joule, ou seja, a transformação de energia elétrica em térmica --- R- C

04- A energia elétrica é expressa por W=Po.∆t, medida em megawatts.hora MW.h) e


não megawatts por hora (MW/h) --- R- D

05- a) O disjuntor desliga quando a potência total for superior a Pot=i.U=15.110 ---
Pot=1.650W --- o ferro elétrico e a lâmpada.

b) n=1.650W/100W --- n=16,5 --- n=16 lâmpadas

06- Po=i.U=0,2.10 --- Po=2,0W

07- Po=i.U=2.600 --- Po=1.200W --- Po=W/∆t --- 1.200=W/3.10-3 --- W=3,6J ---
R- C
528

08- Po1=i1.U1=i1.110 --- Po2=i2.U2=i2.110 --- Po1=Po2 --- 110.i1=220.i2 ---i1=2i2 --- a
corrente que percorre o primeiro é 2 vezes maior que a corrente que percorre o segundo,
mas o consumo de energia é o mesmo, pois a potência é a mesma --- R- B

09- R- E --- veja teoria

10- a) TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO; 24V

POTÊNCIA CONSUMIDA: 150W

b) Po=i.U --- 150=i.24 --- i=6,25A

11- W=Po.∆t=30(1,5.8 + 3,3.1/3 + 0,2.10 + 0,36.10 + 0,1.6)=30.(12 + 1,1 + 2,0 + 3,5 +


0,6)=30.(19,4) --- W=582Wh --- regra de três --- 1kWh – 0,40 --- 1.362kWh – x --
- x=232,8 --- R- E

12- a) Pot=4.000x60 + 600x200 --- Pot=240.000 + 120.000 --- Pot=360.000W ---


Pot=i.U --- 360.000=120.i --- i=3.000A

b) Wt=Pot.∆t=360.000x120=43.200.000Wh=43.200kWh --- R$=43.200x0,40 ---


R$=17.280,00

13- W=Po.∆t=12.8800 --- W=105.600Wh --- W=105,6kWh --- R$=105,6.0,5=52,80


--- R- D

14- Po=i.U=2.105.2,5.107 --- Po=5,0.1012W --- W=Po.∆t=5.1012.10-3 --- W=5.109J ---


regra de três --- 1kWh - 3,6.106J --- xkWh – 5,0.109J --- x=5.109/3,6.106=1,39.103 -
-- W=1.390kWh --- C$=0,38.1390 --- R$=530,00 --- R- C

15- .a) Cálculo da carga elétrica total Q pela soma das áreas dos 4 retângulos do gráfico
acima --- Q=(10.100 + 20.100 + 30.100 + 10.100) --- Q=7.000A.min=7.000.60 ---
Q=420.000C --- W=Q.U-420.000.120 --- W=50.400.000J ---

regra de três --- 1kWh – 3,6.106J --- xkWh – 50,4.106J --- x=W=14kWh ---
custo=14.0,20 --- C$2,80

b) Observe no gráfico que nos primeiros 42 minutos a corrente é de 10ª ---


Po=i.U=10.120 --- Po=1.200W --- W=Po.∆t=1.200.(42.60) --- W=3.024.000J ---
apenas 1/3 dessa energia foi utilizada para aquecer a água --- Wcalor=3.024.000/3 ---
Wcalor=1.008.000J --- equação fundamental da calorimetria --- Wcalor=m.c.∆θ ---
1.008.000=10.4,2.103. ∆θ --- ∆θ=1.008.103/42.103 --- ∆θ=24oC

16- Cálculo da corrente na lâmpada --- Pl=i.U --- 6=i.12 --- i=0,5A (C/s) --- carga
na bateria --- Q=45/2A.h=22,5.3.600 --- Q=81.000C --- i=Q/∆t --- 0,5=81.000/∆t -
-- ∆t=162.000s=162.000/3.600 --- ∆t=45h --- R- C

17- Campo Grande --- anual --- P0=700W --- área 1m2 --- ∆t=365diasx6h ---
∆t=2.190h --- Po=W/∆t --- 700W=W/2.190h --- W=2.190.700=1.533.000W.h ---
WCampo Grande=1.533kWh --- energia coletada em Campo Grande, por m2 de área
durante um ano, 6h ao dia --- equipamento de captação --- We=1.533kWh x 0,6(60%)
529

x 4(área de captação 4 vezes maior) --- We=3.679,2kWh --- economiza 3.679,2 x


0,60 --- C$=2.207,00 --- R- A

18- Televisão de 29 polegadas --- Po=W/∆t --- 70=W/6.30 ---


W=12.600Wh=12,6kWh --- televisão de 42 polegadas --- Po=W/∆t --- 220=W/180 -
-- W=39.600Wh=39,6kWh --- diferença --- Wd=39,6 – 12,6 --- Wd=27kWh ---

R- B

19- Decodificador --- Wd=Pod.∆t=6.30,24 --- Wd=4.320W.h --- lâmpada ---


Wl=Pol.∆t --- Wl=Wd=4.320=60.∆t ---

∆t=4.320/60 --- ∆t=72h --- R- E

20- no Equador --- We=792.106J --- aquecedor --- Wa=Po.∆t=i.U.∆t=20.220.


∆t=4.400.∆t --- We=Wa --- 792.106=4.400.∆t --- ∆t=792.106/44.102 ---
∆t=180.000s/3.300=50h --- R- C

21- a) V=λf --- 3.108=λ830.106 --- λ=0,36m

b) Q=0,8Ah=0,8C/s.1h=0,8C/s.3600s --- Q=2.880C

c) i=Q/∆t=2.880/110.60 --- i=0,44 A --- W=Q.U=2.880.6 --- W=17.280J ---


Po=W/∆t=17.280/110.60=17.280/6.600 --- Po=2,62W

22- Comparando, em termos de porcentagem, 60lm/W com 15lm/W, você verifica que,
ao substituir uma lâmpada de 15lm/W por outra de 60lm/W, o rendimento será de 75%
--- como cada lâmpada tem 100W e são 10 lâmpadas, a economia de potência será P
=10.0,75.100= 750 W, que fornece, em um mês (30 dias), uma economia de energia
(W) que,funcionando 6h por dia --- W=Po.∆t=750.30.6 --- W=135.000Wh ---
W=135kWh --- economia=135.0,30 ---

C$=40,50 --- R- C
23- W=Po.∆t=200.60 --- W=12.000J --- 1cal – 4J --- Qcal – 12.000J ---
4Q=12.000 --- Q=3.000cal --- Q=m.c.∆θ ---

3.000=100.1. .∆θ --- .∆θ=30oC --- R- E

24- Decodificador --- Wd=Pod.∆t=6.30,24 --- Wd=4.320W.h --- lâmpada ---


Wl=Pol.∆t --- Wl=Wd=4.320=60.∆t ---

∆t=4.320/60 --- ∆t=72h --- R- E

25- a)Energia de Itaipu --- WI=87.600GWh=87.600.109Wh --- energia captada pela


área S em 1 ano --- WS=0,2.Po.∆t --- WS=0,2.170.W/m2.S.360.24=293.760S ---
WS=WI --- 293.760S=87.600.109 --- S=87.600.109/293.760 --- S=0,3.109 ---
S=3.108m2 --- S=3.108.10-6 --- S=3.102km2
530

b) Porcentual médio ---


P=87.600.109Wh/14.000.106.24.360=87.600.109/14.24.360.109 --- P=0,724 ---
P=72,4%

26- Comparando, em termos de porcentagem, 60lm/W com 15lm/W, você verifica que,
ao substituir uma lâmpada de 15lm/W por outra de 60lm/W, o rendimento será de 75%
--- como cada lâmpada tem 100W e são 10 lâmpadas, a economia de potência será P
=10.0,75.100= 750 W, que fornece, em um mês (30 dias), uma economia de energia
(W) que,funcionando 6h por dia --- W=Po.∆t=750.30.6 --- W=135.000Wh ---
W=135kWh --- economia=135.0,30 ---

C$=40,50 --- R- C
27- Po=i.U=400.12 --- Po=4.800W --- R- C

28- Gráfico que fornece a quantidade de energia na forma de luz visível pode ser
calculado como sendo aproximadamente a

área do trapézio da figura --- S1=(B + b).h/2=(3,8 + 0,5).0,4/2 --- S1=0,86 --- S2 –
área do gráfico que fornece

quantidade total de energia gasta para o funcionamento da lâmpada – área do triângulo


--- S2=b.h/2=1,7.4/2 --- S2=3,4 --- eficiência --- e=S1/S2=0,86/3,4=0,252 x
100=25,2% --- R- C

29- Excluindo as lâmpadas, em cada cômodo da casa existe um aparelho elétrico citado
na primeira tabela --- soma de suas potências --- P1=120 + 3.000 + 500 + 200 + 200 +
50=4.070 --- P1=4.070W --- cada lâmpada --- na sala – área=3.3=9m2 – 100W ---
no banheiro – área=1,5 x 2,1=3,1m2 – 60W --- no corredor – área=0,9 x 1,5=1,3m2 –
60W --- no quarto – área=2,8 x 3=8,4m2 – 100W --- potência das lâmpadas – Pl=100
+ 60 + 60 + 100=320W --- potência total instalada na casa --- Pt=P1 + Pl=4.070 +
320 --- Pt=4.390W --- R- D
531

30- Energia elétrica consumida em um mês funcionando 10h por dia ---
W=Po.∆t=180.30.10=54.000Wh=54kWh --- regra de três --- 54kWh – 50% --- x –
100% --- x=54.100/25=216kWh --- R- E

31- As lâmpadas fluorescentes produzem maior luminosidade utilizando a mesma


potência e materiais com melhores características condutoras reduzem a perda de
energia por calor (efeito Joule) --- R- E

32- U=1,1V --- m=63,5µg=63,5.10-6g --- ∆t=193s

Po=i.U=1,0.10-3.1,1=1,1.10-3W=1,1mW --- R- A

33- Cálculo da corrente elétrica fornecida pela bateria --- P=iU --- 60=i.12 --- i=5 A
--- a carga Q fornecida permanecerá a mesma, fornecendo 5 A de corrente durante ---
i=Q/∆t --- 5= 60/∆t --- ∆t=60/5 --- ∆t=12h --- R- C

34- R- A --- veja teoria

35-

36- a) P=iU --- 7.200=i.120 --- i=60 A

b) Wtotal=4kW.2h + 6kW.2h + 2kW.2h --- Wtotal=24kWh

c) W=24.30=720kWh --- preço --- p=720.0,5 --- p=R$ 360,00

37- Aplicando a 1ª Lei de Ohm a esse resistor, temos --- U = R I --- 120 = R (8) ---
R = 15 Ω --- P=U2/R=1502/15 P=1.500W

R- B

38- Dados: P = 4.500 W --- U = 110 V.

P = i U --- i = P/U=4.500/110=40,9 A --- portanto o disjuntor escolhido deverá ser o


de 45 A, que é o valor mais próximo do acima do calculado --- R- C

39- Sendo N a quantidade de dispositivos, P a potência elétrica e ∆t, o tempo efetivo de


uso diário, e C (R$ 0,50) o custo do kWh, o gasto diário dos dispositivos é --- G = N x
P x ∆t x C --- aplicando essa expressão, você obtém a tabela
532

--- gasto mensal (30 dias) --- Gmensal = 30.( 12,00 + 2,10 + 3,00) = 30 (17,10) ---
Gmensal = R$ 513,00 ---

R- B

40- Dados --- V = 120 L --- m = 120 kg --- ∆T = 30°C --- c = 1 cal.g-1.°C-1 = 4.200
J.kg-1.°C-1 --- quantidade de calor gasta diariamente --- Q = m c ∆T = 120 x 4.200 x
30 = 15,12.106 J --- equivalência entre quilowatt hora e joule ---

1 kWh = (103 W) x (3.600 s) = 3,6 x 1066W.s = 3,6 x 106 J --- regra de três ---
3,6.106J – 1 kWh --- 15,12.106J – Q --- Q=15,12.106/3,6.106 --- Q=4,2kWh ---
gasto total com esse dispositivo em 30 dias --- Gtotal = 30 x 4,2 x 0,50 --- Gtotal = R$
63,00 --- R- B

41- Po=i.U=2.10-6.5.104=10.10-2 --- Po=0,1W --- R- A

42- ∆t=45/60hx30 --- ∆t=22,5h --- Po=W/∆t --- 5.000=W/22,5 ---


W=11.250Wh=11,25kWh --- gasto --- g=11,25x0,20=22,40

R- C

43- Recebe - Por=50J/s --- libera – Pol=20J/s --- ganha continuamente Pog=(50 –
20)=30J/s --- ao atingira 1.000J ele derrete e para que isso ocorra ele deve receber
W=(1.000 – 550)=450J de energia --- Po=W/t --- 30=450/t --- t=15s

R- D

44- Po1=W1 /∆t --- 5.000=W1/∆t --- ∆t=W1/5.000 (I) --- Po2=W2/∆t ---
4.000=W2/∆t --- ∆t=W2/4.000 (II) --- igualando I com II --- W1/5.000=W2/4.000 ---
W2=0,8W1 --- o novo chuveiro utiliza 80% da potência do anterior e economiza 20%
--- economizará --- 0,2x40=8,00 --- R- B

45- O relógio indicou um consumo de 2.563 kwh no mês anterior e de 2.783 kwh na
última leitura --- a diferença entre essas duas medidas determina um consumo de 220
kwh no período de um mês --- regra de três --- 1 kwh - R$ 0,20 --- 220 kwh – C ---
C=0,20x220 --- C= R$ 44,00 --- R- E

46- A tensão alternada produzida pelos geradores na usina hidrelétrica é relativamente


baixa. Assim, para que se possa abastecer diferentes centros utilizando linhas de
transmissão, essa tensão é aumentada até centenas ou milhares de kV por meio de
transformadores. Ao atingir os centros de consumo, a tensão é reduzida, por exemplo, a
algumas dezenas de kV, pelos transformadores das subestações e distribuída para o
público. A tensão de transmissão é elevada e a corrente diminuída porque assim se
533

podem utilizar fios condutores mais finos (mais leves, mais baratos) já que, para que a
potência seja a mesma (P=Ui) se você aumentar a tensão (U) você deve diminuir a
corrente i.

R- E

47- Po=U.i=ε.i=12.100=1.300W --- Po=W/∆t --- 1.200=W/60 ---


W=1.200x60=7.200W --- W=7,2.104W --- R- D

48-

R- A

49-(UFPA-PA-012)

Po=W/∆t --- W=Po.∆t --- lâmpadas --- W1=0,1.10=1kWh --- televisão ---
W2=0,1.8=0,8kWh --- geladeira --- W3=0,3.24=7,2kWh --- ventilador ---
W4=0,125.8=1,0kWh --- Wtotal=1,0 + 0,8 + 7,2 + 1,0=10,0kWh --- 1 painel – 0,5kWh
--- n painéis – 10,0kWh --- N=20 painéis --- R- D

50-(ENEM-MEC-011)

- Os biocombustiveis de primeira geração são produzidos a partir da fermentação


alcoólica dos açúcares vegetais da biomassa que contenha amido ou sacarose, como por
exemplo o milho, o trigo, o sorgo, o amendoim, a soja, a beterraba, a batata doce, o
girassol e a cana-de-açúcar, não utilizando a celulose --- porém, para evitar que se
atinja o limite da oferta ou venha a ocorrer a competição pelo uso da terra para a
produção de biocombustíveis e de alimentos, é necessário investir no desenvolvimento
de tecnologias de segunda geração para produção de etanol com o aproveitamento
eficiente da celulose --- estimativa é de que o aproveitamento do bagaço e parte das
palhas e pontas da cana-de-açúcar eleve a produção de álcool em 30% a 40%, para uma
mesma área plantada --- demais matérias-primas para as quais se buscam tecnologias
de processamento da celulose, tais como capim-elefante, braquiárias, panicuns e árvores
de crescimento rápido podem representar alternativas competitivas e eficientes para
locais onde não se cultiva ou cultivará cana-de-açúcar, podendo gerar novos empregos -
-- R- A.

Resistores – Primeira Lei de Ohm


01- R-A – veja teoria
534

02- Para i=2 A --- U=5.i2=5.22=5.4 --- U=20V --- R=U/i=20/2 --- R=5 Ω --- R- A

03- Em todo circuito elétrico deve existir um gerador (piha), fios elétricos de condução
da corrente elétrica e um condutor (lâmpada) --- R- A.

04- R=U/i --- 1.500=220/i --- i=220/1.500 --- i=0,1466 A --- i=146,6mA --- R- D

05- a) Como a relação entre a tensão (U) e a corrente(i) é constante o resistor é ôhmico.
Aplicando-se a lei de Ohm --- quando t=10s --- U=0,5V e i=1,0A --- R=U/i=0,5/1,0
--- R=0,5Ω

b) A potência elétrica no resistor é definida pelo produto U.i. A área representa a


energia dissipada.

06- R=U/i --- 103=220/i --- i=220/103 --- i=0,220 --- R- D

07- U=10.000V, i=300mA=0,3ª --- cálculo da resistência total para que a pessoa não
morra --- R=U/i=10.000/0,3 --- R=3,33.105Ω --- sendo a resistência do corpo da
pessoa Rp=2.000Ω, a resistência elétrica do ar deve completar esse valor --- R=Rp +
Rar ---

3,33.105=2.000 + Rar --- Rar=3,31.105Ω

08- Cada fio é percorrido por uma corrente elétrica de i=0,75/150 --- i=0,005 A e
submetido à uma ddp de U=220V --- R=U/i=220/0.005 --- R=44.000Ω=44kΩ

09- (01) Falsa – apenas o condutor III é ôhmico

(02) Verdadeira

(04) Falsa – veja cálculos abaixo

RIII=U/i=4/8=0,5Ω --- RIV=U/i=4/4=1Ω

(08) Falsa – o condutor V não é ôhmico

(16) Falsa – acima de 1V, a resistência de I é a menor de todas as ôhmicas

R- soma - (02)
535

10- Como R é constante, o resistor ôhmico --- ou b ou e --- R=U/i --- 2=10/5 --- R-
E

11- Sendo o resistor ôhmico, a ddp U é diretamente proporcional a corrente elétrica i ---
regra de três --- 20V – 4 A – xV – 3 A --- x=60/4 --- i=15V

12- a) P=i.U --- 60=i.120 --- i=0,5 A

b) R=U/i=120/0,5 --- R=240Ω

13- Sendo U constante --- Po=U2/R --- Po e R são inversamente proporcionais --- a
de 25W tem menor resistência, pois tem maior potência.

14- Quando fechamos um pouco a torneira, estamos diminuindo a vazão da água e,


consequentemente diminuindo a massa de água que deve ser aquecida --- R- C

15- PSC=PSP --- USC2/RSC= UP2/RP --- USC=2UP --- (2UP)2/RSC= UP2/RP --- 4
UP2/RS= UP2/RP --- RP=RSC/4 --- R- C

16- Água morna – média potência – resistência média --- R- A

17- Como Po=U2/R e sendo U constante, Po é inversamente a R --- maior resistência


(20,0Ω) – menor potência – maior economia

18- R=U/i --- 3=9/i --- i=3,0A --- Po=i.U=3.9 --- Po=27,0V --- R- C

19- Como a potência é a mesma, a corrente elétrica diminuirá e a fiação do circuito do


chuveiro poderá ser mais fina, propiciando economia --- R- D

20- Po=U2/R --- R=U2/P --- substituindo cada alternativa --- R- C

21- Deve ser 4 vezes menor --- veja teoria --- R= 8/4=2Ω --- R- D

22- (01) Correta – menor potência (água menos quente , morna), maior resistência

(02) Menor R – maior i --- R=U/i --- 3=120/i --- i= 40 A --- correta

(04) Po=R.i2=8.152=8.225=1.800W --- correta

(08) Correta – veja teoria

(16) R=U/i --- 3=120/i --- i=40 A --- falsa

R- (01 + 02 + 04 + 08) = 15

23- Resistor ôhmico --- mesma resistência --- R=20Ω --- R=U/i --- 20=100/i ---
i=100/20=5 A --- Po==i.U=5.100=500W --- R- E
536

24- 1 kW/m2 = 1000 W/10000 cm2 = 10 W/100 cm2 --- a célula recebe 10 W. Como a
eficiência é de 12% isto significa que 1,2 W são de energia solar são convertidos em
energia elétrica.

Po= U.i --- 1,2 = 1,6.i --- i = 1,2/1,6 = 0,75 --- i=0,75A

25- R- C --- veja teoria

26- Mesma potência – mesmo consumo --- a corrente i cai pela metade - veja teoria --
- R- B

27- a) sendo o mesmo aparelho --- a resistência R é a mesma ---


P220=(U220)2/R=2202/R --- P110=(U110)2/R=11002/R --- Z1=P220/P110 --- Z1=4

b) as energias dissipadas são iguais – W=P.∆t --- W110=W220 ---


P110.∆t110=P220.∆t220 --- ∆t110=(P220/P110).∆t220 --- observe no gráfico que a duração de
um ciclo de 220V é 0,2s --- ∆t110=4.0,2 --- ∆t110=0,8s --- mas a duração de um ciclo
contínuo de 110V é 0,2 + ∆t --- 0,8=0,2 + ∆t --- ∆t=0,6s

c) a corrente média pode ser a corrente constante que fornece a mesma potência média -
-- Pm=R.Im2 --- Pm220=Pm110 --- no ciclo de 0,8s a energia dissipada é a mesma nos
dois casos --- R.(Im220)2= R.(Im110)2 --- Z2=Im220/Im110=1 ---

Z2=1

28- Como os chuveiros, funcionando com vazões iguais nas tensões indicadas pelos
fabricantes, aquecem igualmente a água, as potências dissipadas por R1 e R2 (com os
chuveiros operando de acordo com as especificações do fabricante) são iguais, ou seja,
1102/R1 = 2202/R2. Conseqüentemente, temos R2 = 4R1 e, portanto, P2 = (110V)2/R2 =
(110V)2/(4R1), ou seja, P1/P2 = 4. Uma vez que P2 é menor do que P1, vemos que a troca
da resistência surtiu o efeito desejado, pois com a resistência R2 operando com 110V a
potência dissipada é quatro vezes menor, aquecendo menos a água.

29- R é a mesma --- Po=U2/R --- 1200=(120)2/R --- R=12Ω --- Po1=U12/R=(96)2/12
--- Po1=768W --- R- B

30- Po=U2/R=(110)2/70 --- Po=173W --- R- D

31- a) Po=U2/R=(120)2/12 --- Po=1.200W

b) P1=2P2 --- U2/R1=2U2/R2 --- R2=2R1 --- R1 + R2=12 --- R1 + 2R1=12 ---
R1=4,0Ω --- R2=8,0Ω

32- a) i=Q/∆t --- 300.000=Q/0,5 --- Q=150.000C --- f=Q/Qtotal=150.000/600.00 ---


f=1/4

b) Po=U.i=5.106.3.105 --- Po=15.1011W --- W=Po.∆t=15.1011.0,5 --- W=7,5.1011J ---


1kWh – 3,6.106J --- x kWh - 7,5.1011J --- x=7,5.1011/3,6.106 --- W=2,1.105kWh

33- a) Não --- essa relação apresenta a definição de resistência elétrica.


537

b) Sim --- essa relação permite determinar a resistência elétrica de qualquer resistor,
seja ele ôhmico ou não.

c) Sim --- a resistência R1 =U/i é constante e igual a 2,2Ω.

34- Dados --- U = 600 V --- R1 = 2 kΩ = 2.103 Ω --- R2 = 16 kΩ = 16.103 Ω --- ao


segurar as extremidades do peixe, a pessoa e o peixe se associam como resistores em
série --- aplicando a 1ª lei de Ohm --- U = (R1 + R2) i --- 600 = 18 .103 i --- i =
600/18.103 --- i=33,3.10-3 A --- i=33,3mA --- 19 mA < i < 100 mA --- R- D

35- Observe o gráfico abaixo onde foram escolhidos dois pontos A e B:

I. Falsa --- quando a resistência é constante, tensão e corrente são diretamente


proporcionais, portanto o gráfico é uma reta que passa pela origem.

II. Falsa --- Calculando a resistência para os pontos, A e B, destacados na figura ---
RA=UA/iA=2/0,15 --- RA=13,3Ω --- RB=UB/iB --- RB=6/0,25 --- RB=24Ω --- a
resistência aumenta com o aumento da corrente.

III. Correta --- potências dissipadas para os valores dos pontos destacados --- PA =
UA. iA = 2.(0,15) = 0,3 W --- PB=UB.iB ---

PB=6.0,24=1,5W --- PB > PA --- a potência dissipada no filamento aumenta com o


aumento da tensão aplicada.

R- C

36- P1=U2/R --- 20=242/R --- R=576/20 --- R=28,8Ω (suposta constante) ---
P2=U2/R=122/28,8 --- P2=144/28,8 --- P2=5W --- R= E

37- Observe pela expressão Po=U2/R que a potência dissipada é inversamente


proporcional à resistência --- portanto, para aquecer a água do banho mais rapidamente
a resistência deve ser diminuída, diminuindo-se o comprimento do resistor e
consequentemente sua resistência --- R- C

38- 01) Correta --- a potência dissipada é --- Pd = R i2 = 75 (2)2 --- Pd = 300 W.

02) Correta --- ∆E = Pd.∆ t = 300 (1,4x60) --- ∆E = 25.200 J.


538

04) Correta --- addp (U)nos terminais é dada pela 1ª lei de Ohm --- U = R i = 75 (2) -
-- U = 150 V.

08) Correta --- calculando a massa de gelo que funde, transformando em água --- ∆E
= Q = m Lf --- 25.200 = m (80 x4,2) --- m = 75 g --- como a massa inicial de gelo é
0,2 kg = 200 g, restam 125 g de gelo.

16) Correta --- como no final há uma mistura de água e gelo, a temperatura de
equilíbrio é 0 °C.

R- (01 + 02 + 04 + 08 + 16) = 31

39-

40- I. Incorreta. Se as pilhas estão em série, a tensão equivalente é a soma das tensões,
portanto a tensão nas lâmpadas da lanterna será: U = 4 +1,5 = 6 volts.

II. Correta. A energia consumida por um aparelho é dada pelo produto da potência pelo
tempo de operação --- lanterna --- PL=20W --- ∆tL=(2.24) + 2 --- ∆tL=50h ---
chuveiro --- Pc=4.000W --- ∆tc=15min=1/4h --- Wc=Pc. ∆tc=4.000x1/4 ---

Wc=1.000Wh=1kWh

III. Correta.

IV. Incorreta. A bússola sofre ação do campo magnético criado pela corrente elétrica
que alimenta as lâmpadas da lanterna.

R- C

41- Energia consumida --- ∆ε = P ⋅ ∆t --- igualando a energia consumida pela


lâmpada com a energia consumida pelo chuveiro --- ∆εL = ∆εC --- PL ⋅ ∆tL = PC ⋅ ∆tC
--- 60 ⋅ ∆tL = 6800 ⋅ 1/3 --- ∆tL ≈ 37,7 h --- R- D

(UEPB-PB-012)
539

Leia o texto a seguir, para responder às questões 42 e 43.

O físico británico Jaines Prescon Joule (1818-1889), que descobriu o principio que
levou o seu nome, explica a relação entre eletricidade e calor, e trouxe ao homem vários
benefícios. Muitos aparelhos que utilizamos no nosso dia a dia têm seu funcionamento
baseado no efeito Joule. Este principio tem larga utilização no cotidiano como. por
exemplo. cm equipamentos de aquecimento como o ferro elétrico. o chuveiro elétrico, a
prancha alisadora, o forno elétrico, lâmpadas incandescentes, etc.

O chuveiro elétrico é composto de dois resistores, constituídos por um fio espiralado de


metais que possibilitam um aquecimento rápido e prático, um de alta potência e o outro
de baixa potência de aquecimento, e um diafragma de borracha. Os resistores ficam
fixados no interior do chuveiro. Para selecionar o tipo de banho que se deseja tomar,
existe na sua parte externa uma chave seletora que é capaz de mudar o tipo de
resistência, aumentando ou diminuindo a potência do chuveiro e, consequentemente. a
temperatura do banho. A água ao circular pelo chuveiro pressiona o diafragma de
borracha, este por sua vez aproxima os contatos energizados, situados no cabeçote do
aparelho. Assim, a água ao passar pelos terminais do resistor quente se aquece, tomando
o banho bem quentinho e agradável.

(Adaptado de <http:/Jwwsv.newtoncbraga.com.br/index.phpieletncadomiciliar’2936-c
1033.hunl p’
540

Para selecionar o tipo de banho que se deseja tomar, existe no chuveiro elétrico uma
chave seletora que pode ser colocada nas posições INVERNO E VERÃO.

42--(UEPB-PB-012)

Analise a teoria a seguir:

Num chuveiro elétrico, normalmente de tensão 220V (mantida constante), as posições


inverno (quente), verão (morna) correspondem à diferentes potências. Quando você
muda o cursor do chuveiro, por exemplo, do verão para o

o inverno, você está diminuindo a resistência elétrica no interior do chuveiro e,


consequentemente aumentando a potência, fazendo-o aquecer mais, claro que mantendo
a vazão constante. O oposto ocorre quando você muda o cursor do chuveiro do inverno
para o verão. Isso acontece porque, para a mesma tensão, a potência é inversamente
proporcional à resistência, pois, P=U2/R, com U constante.

R- A.

43--(UEPB-PB-012)

Potência do chuveiro --- P=6500W6,5kW --- tempo de funcionamento ---


∆t=10min=10/60=1/6hx4x30=20h --- P=W/∆t --- 6,5kW=W/20h --- W=130kWh --
- R- A.

44-(UEPB-PB-012)

- I- Verdadeira --- pela segunda lei de Ohm (R=ρ.ℓ/s) a resistência elétrica do


filamento da lâmpada A, que tem maior espessura S, é menor que a resistência da
lâmpada B --- quanto menor a resistência, maior será o brilho.

II- Falsa --- cada uma, após ligadas em série, ficará sob ddp de 220/2=110V --- sob
ddp de 120V dissipariam uma potência de 100W, mas como estão sob ddp de 110V,
dissiparão uma potência menor que 100W, serão percorridos por corrente menor,
brilharão menos que o normal, mas não se queimarão.
541

III- Falsa --- P=i.U --- 60=i.120 --- i = 0,5 A.

R- C.

45-(PUC-SP-012)

Quantidade de calor sensível utilizado para aquecer m=300g de água de 20oC a 100oC -
-- Q1=m.c.(t – to)=300.1,0.(100 - 20) ---

Q1=300.1,0.80 --- Q1=24.000cal --- quantidade de calor latente utilizado para


vaporizar m/3=100g de água a 100oC --- Q2=m.LV --- Q2=100.540 --- Q2=54.000cal
--- quantidade de calor total absorvido pela água --- Qtotal=Q1 + Q2=78.000cal ---

pelo enunciado toda energia elétrica é transformada em energia térmica --- energia
elétrica (W) --- 1cal – 4,2J --- 78.000cal – W J --- W=327.600J --- potência elétrica
do vaporizador --- Po=R.i2=12.102 --- Po=1.200W --- Po=W/∆t ---
1.200=327.600/∆t --- ∆t=273s/60=4min 33s --- R- B

46--(ENEM-MEC-011)

Pelo enunciado os dois chuveiros estão funcionando à mesma potência ---


PA=PB=4400W --- Chuveiro A --- PA=4.400W --- UA=127V --- PA=UA2/RA ---
4400=1272/RA --- RA=16129/4400=3,665Ω --- Chuveiro B --- PB=4.400W ---
UB=127V --- PB=UB2/RB --- 4400=2202/RB --- RB=48400/4400=11Ω --- o exercício
pede RA/RB=3,665/11=0,33 --- R- A.

Resistividade – Segunda Lei de Ohm


01- Como são de mesmo material, possuem a mesma resistividade elétrica --- R- B

02- A resistência R é inversamente proporcional à espessura (S) --- maior espessura,


menor R, maior corrente i --- brilha mais --- R- E

03- Mesmo fio --- mesma resistividade ρ --- mesma S --- L cai pela metade --- R é
diretamente proporcional a L --- R também cai pela metade --- R- B

04- R é inversamente proporcional à área de seção reta transversal S --- S=πr2 --- a
nova área ficará 4 vezes maior, pois R está ao quadrado, e a resistência R ficará 4 vezes
menor --- R é diretamente proporcional ao comprimento L --- se L é reduzido à
metade, R também será reduzido à metade --- R’=R/4.2=R/8 --- R- D

05- Reduzindo o comprimento à metade --- R fica 2 vezes menor --- reduzindo o
diâmetro (r/2) à metade --- R fica 4 vezes maior --- R’=(1/2 x 4)R --- R’=2R --- R-
C
542

06- (01) Quando a temperatura da maioria dos metais aumenta, há um aumento no


movimento vibratório de seus átomos e moléculas, que dificultam a passagem da
corrente elétrica diminuindo-a, o que provoca um aumentando de sua resistência
elétrica. Como a resistividade é diretamente proporcional à intensidade da corrente
elétrica, ela também aumenta --- Falsa.

(02) Correta --- resistor ôhmico, R constante --- U é diretamente proporcional a i.

(04) Falsa --- Se a área S dobra, a resistência R cai pela metade.

(08) Falsa --- W=Po.∆t=i.U.∆t --- i é a intensidade da corrente que independe de seu
sentido e, observe na fórmula, depende da tensão U.

(16) Falsa --- corrente elétrica é um movimento ordenado de elétrons.

(32) Verdadeira --- veja teoria.

R- (02 + 32)=34

07- R1=R --- R é inversamente proporcional à S --- R2=R/2 --- P1=U2/R ---
P2=U2/(R/2) --- P2=2U2/R --- P1/P2=U2/R x R/2U2 --- P1/P2=1/2 --- R- B

08- Sendo o mesmo material, a resistividade ρ é a mesma --- quando ele é estirado,
como mantém o mesmo volume, o comprimento

passa a 2L e a nova espessura a S1 --- V=S.L --- V=S1.L1 --- S.L=S1.2L --- S1=S/2
--- R=ρ.L/S (I) --- R1=ρ.L1/S1 --- R1=ρ.2L/S/2 --- R1=4ρ.L/S (II) --- comparando
(II) com (I) --- R1=4R --- R- A

09- Maciço --- Rmaciço=ρ.L/πR2 --- oco --- Smaior=π(R)2 --- Smenor=π( r )2 --- S=π.R2
– π.r2 --- S=π( R2 – r2) --- a expressão da resistência fica --- Roco=ρ.L/π(R2 – r2) ---
Rmaciço/Roco= ρ.L/πR2 x π(R2 – r2)/ρL --- Rmaciço/Roco=(R2 – r2)/R2= 1 – r2/R2 --- R- B

10- P2=4P1 --- m2=4m1 --- mesmo material, mesma densidade --- d=m1/V1 ---
d=m2/V2 --- m1/V1=4m1/V2 --- V2=4V1 --- V1=S1.L1=S1.25 --- V2=S2.L2=S2.75 ---
V2=4V1 --- 75S2=4.25.S1 --- S2=4S1/3 --- R1=ρL1/S1 ---

4= ρ.25/S1 --- ρ=4.S1/25 --- R2= ρ.L2/S2=4.S1/25.75/(4S1)/3 --- R2=75.3/25 ---


R2=9Ω

11- I. Entre A e C --- maior resistência --- menor corrente --- menor potência ---
aquece menos --- correta
543

II. Falsa --- veja I.

III. Falsa --- quente é entre B e C (menor R, maior potência, aquece mais) e não entre
A e C.

R- C

12- RA=ρA.L/π(rA)2=10-6.L/π(0,25)2 --- RA=16.10-6L/π --- RB=ρB.L/π(rB)2=1,2.10-


6
.L/π.(0,25)2 --- RB=19,2.10-6L/π --- RC=ρC.L/π(rC)2=1,5.10-6.L/π.(0,2)2 ---
RC=37,5.10-6L/π --- R- E

13- a) L=3.(4.10-10)=12.10-10m --- R=ρ.L/A --- R=ρ.L/π.(r)2 = 1,6.10-8.12.10-


10
/3,2.(2.10-10)2 --- R=19,2.10-18/12,8.10-20 --- R=1,5.102Ω

b)R=U/i=10-1/8.10-6 --- R=0,12.105 --- R=1,2.104Ω


14- A resistência por unidade de comprimento=ρ/S --- R=ρL/S=5.10-5.6.10-2=30.10-7 -
-- R=3.10-6Ω --- R=Ui --- 3.10-6=U/103 --- U=3.10-3 A --- R- C

15- a) R=ρL/S=5,6.10-8.31,4.10-2/π(4/2.10-5)2 --- R=175,84.10-10/3,14.4.10-


10
=175,84.10-10/12,56.10-10 --- R=14Ω

b) Po=U2/R --- 100=(120)2/R --- R=14.400/100 --- R=144Ω (observe que, com a
lâmpada acesa a temperatura aumenta, aumentando assim o movimento vibratório dos
átomos e moléculas do tungstênio.o que dificulta a passagem da corrente elétrica,
aumentando portanto a resistência).

16- a) R=ρL/S=1,6.10-8.10/4.10-6=1,6.10-7/4.10-6 --- R=0,4.10-1 --- R=0,04Ω

b) Corrente que chega à residência --- Po=i.U --- 3.300=i.110 --- i=30 A --- da
caixa de relógio até a residência existem dois fios --- R=2.0,04=8.10-2Ω ---
Po=R.i2=8.10-2.900 --- Po=72W

17- A ponte de Wheatstone é um dispositivo que permite determinar o valor de


resistência elétrica desconhecida --- Rx=ρL/S --- Rx varia de 10Ω até 12Ω ---
Rx=10Ω --- 10=ρ1L/S (I) --- Rx=12Ω --- 12= ρ2L/S (II) --- subtraindo (II) de (I) ---
2=( ρ2 - ρ1).L/S --- 2=∆ρ.L/S --- 2=∆ρ.10/0,1.10-6 --- ∆ρ=2.10-8Ωm --- pelo
gráfico --- regra de três --- ∆ρ (2.10-8Ωm) – ∆t oC --- (ρ – ρo) (0,8.10-8Ωm) – 89oC -
-- 0,8.10-8.∆t=160.10-8 --- ∆t=200oC

18- Rantes=R(6R/¨) --- comprimento 6 vezes menor Rdepois=5R/6 --- Poantes=U2/R ---
Podepois=U2/5R/6=6U2/5R --- Poantes/Podepois=U2/R x5R/6U2 --- Poantes/Podepois=5/6 ---
R- E

19-RA=2RB --- LA=2LB --- AS=SB/4 --- ρ=R.S/L --- ρA=RA.SA/LA ---
ρA=2RB.(SB/4)/2LB --- ρA/ρB= 2RB.(SB/4)/2LB x LB/RB.SB --- ρA/ρB=RBSB/2LB x
LB/RBSB --- ρA/ρB=1/2 --- R- B

20- Para que a corrente seja a mesma em cada linha, as duas devem ter a mesma
resistência elétrica --- R=ρL/S ---
544

S=π( r )2 =π.(d/2 )2 --- S=πd2/4 --- R1=ρ(72 + 72)/π.(d12/4)=4.144/πd12 ---


R2=ρ100/π(d22/4)=4.100/ πd22 ---

R1=R2 --- 4.144/πd12=4.100/ πd22 --- (d1/d2)2=144/100 --- d1/d2=12/10 --- d1/d2=1,2

21- R1=R --- R2=0,8R --- P1=U2/R --- P2=U2/0,8R --- P1/P2=U2/R x 0,8R/U2 ---
P2=P1/0,8 --- P2=1,25P1 --- P2=125%P1 --- R- B

22- W=Po.∆t=(U2/R).∆t --- maior potência, menor resistência, consome mais energia -
-- menor resistência – substituindo os valores de cada alternativa na equação R=ρ.L/S,
chega-se à resposta --- R- C

23- a) R=ρL/S=1,7.10-8.1/3,5.10-6 --- R=0,486.10-2 --- R=4,86.10-3Ωm

b) R=ρL/S --- 2.10-2=1,7.10-8.10/S --- S=1,7.10-7/2.10-2=85.10-7m2 --- S=8,5mm2 ---


S=π.r2 --- 8,5=3,14.r2 --- r=√2,71 --- r=1,6mm --- d=2.r=2.1,6 --- d=3,2mm ---
calibre 8

24- I- Correta --- Po=R.i2 --- quanto maior i, maior Po

II- Correta --- R=ρL/S --- quanto maior ρ, maior R e menor i

III- Falsa --- é a razão U/i que é constante e não o produto U.i

IV- Correta --- Falsa --- depende do tipo de associação (série, paralelo ou mista)

R- D

25- (01) Errada. Resistor é um dispositivo elétrico para CONTROLAR a intensidade da


corrente elétrica.

(02) Errada. A resistividade de um material só depende dele próprio e de sua


temperatura.

(04) Correta. Quando se acrescentam novas lâmpadas em série, aumenta-se a resistência


equivalente do conjunto, diminuindo a corrente. Como P = Ri2, reduz-se também a
potência dissipada em cada uma delas, diminuindo as intensidades luminosas.

(08) Correta. De acordo com a Segunda Lei de Ohm, a resistência depende: do material
de que é feito o condutor, das dimensões do condutor e da temperatura.

R- (04 + 08) = 12

26- Sendo ρ a resistividade do material, L o comprimento do condutor e A a área de sua


secção transversal, a segundo lei da Ohm nos dá que a resistência (R) desse condutor é
--- R=ρL/A --- dobrando o comprimento e reduzindo à metade a área de sua secção
transversal, a nova resistência passa a ser --- R’=(ρ2L)/A/2=4(ρL/A) --- R’=4R ---
R- B
545

27- a) Dados --- A = 1,6.10-2 mm2 = 1,6.10-8 m2 --- L = 2 m --- do gráfico ---
quando a temperatura é T = 3.000 °C, a resistividade é ρ = 8.10-7 Ω.m --- segunda lei
de Ohm --- R= ρL/S=8.10-7.2/1,6.10-8 --- R=100Ω

b) Dados --- λ = 12.10-6 °C-1 --- T’ = 20 °C --- T = 3.000 °C --- 3.000 °C, o volume
inicial é --- Vo = S.L = 1,6.10-8. 2 ---

Vo= 3,2.10-8 m3 --- variação volumétrica --- ∆V = Vo.λ.(T’ – T) = 3,2.10-8.12.10-6 (20


– 3.000) --- ∆V= – 1,1.10-9 m3=-1,1mm3

--- o sinal (–) indica que o material sofreu contração.

28- Dados --- D = 2 cm = 2.10-2 m --- L = 2.103 m --- i = 103 A; --- ∆t = 1 h =


3,6.103 s.

A resistência da linha é dada pela 2ª lei de Ohm --- R=ρL/S --- área da secção
transversal --- S= πr2 =π(D/2)2 --- S=πD2/4 ---

R=ρL/S=4ρL/(πD2/4)=4(1,57.10-8).(2.103)/3,14.(2.10-2)2 --- R=0,1Ω --- Po=R.i2 ---


Po=∆W/∆t --- ∆W=Po.∆t ---

∆W=R.i2.∆t --- ∆W=0,1.(103)2.3,6.103 --- ∆W=3,6.108J --- R- A

R- A

29- Dados --- c = 4.200 J --- ∆T = (100 – 28) = 72 °C --- Q = ∆W = 3,6.108 J ---
equação do calor sensível --- Q = m c ∆T --- m = Q/c∆t=3,6.108/4,2.103.72 ---
m=1,2.103 kg --- R- B

30- Baseado nas figuras:

(1) Mantendo-se a secção transversal constante e dobrando-se o comprimento (ℓ) do fi


o, a resistência (R) dobra --- então, a proporcionalidade entre ℓ e R é direta.

(2) Mantendo-se o comprimento constante e dobrando-se a área da secção transversal


(A), a resistência (R) fica dividida por dois --- então, a proporcionalidade entre A e R é
inversa.

(3) Mantendo-se a resistência constante e dobrando-se o comprimento (ℓ) do fio, a área


da secção transversal (A)

dobra. Assim, a proporcionalidade entre ℓ e A é direta.

R- C

31- As figuras 1 e 2 ilustram a situação descrita.


546

Considere que na Fig 1 a resistência elétrica do fio é R e a corrente é i --- sendo U a


ddp fornecida pela bateria, aplicando a 1ª lei de Ohm --- R=U/i --- i=U/R --- de
acordo com a 2ª lei de Ohm, a resistência elétrica é diretamente proporcional ao
comprimento Então, ao se cortar o fio ao meio, a resistência elétrica de cada pedaço é
metade da resistência do fio inteiro ---

R1=R2=R/2 ---

colocando-se os dois pedaços em paralelo como na Fig 2, a resistência do circuito é ---


R’=(R/2)/2 --- R’=R/4 --- corrente i’ no circuito --- U’=U/R’=U/(R/4) ---
U’=4U/R --- U’=4i --- correntes nos pedaços --- i1=i2=i’/2=4i/2 --- i1=i2=2i --- R-
A

32-

Associações de Resistores
01- a) Observe a figura abaixo --- i=2i’ --- R=UAB/i’ --- R=UBC/i --- UAB/i’=UBC/i -
-- UAB/i’=UBC/2i’ --- UBC/UAB=2
547

b) PBC=R.i2 --- 1,2=R.(2i’)2 --- i’2=1,2/4R --- i’2=0,3/R --- PAB=R.i’2=R.0,3/R ---
PAB=0,3W --- a potência é a mesma nos dois resistores em paralelo e vale PBC=1,2W

02- Como as lâmpadas devem ter brilho normal, devem funcionar dentro das
especificações --- corrente em L1 --- PL1=UL1.i1 ---

i1=80/20 --- i1=4A --- corrente em L2 --- PL2=UL2.i2 --- i2=36/12 --- i2=3A ---
observe no esquema que a corrente que deve

passar por R deve ser de 1A --- como L2 e R estão em paralelo eles tem a mesma ddp
U=12V --- R=U/i=12/1 --- R=12Ω

03- Cálculo da tensão U’ no resistor de 12Ω --- R=U’/I --- U’=12.2 --- U’=24V ---
como a corrente total é 4A, pelos resistores

em série (3 + R) passam 2A --- (3 + R)=U’/I --- 3 + R=24/2 --- R=9Ω --- tensão
U’’ em cada resistor de 6Ω --- R=U’’/I ---

6=U’’/4 --- U’’=24V --- U=U’’ + U’ + U’’=24 + 24 + 24 --- U=72V --- R- E

04- Observe que existe curto circuito --- marcando os nós e colocando letras nos
mesmos
548

Refazendo o circuito:

R/3=V/i --- i=3V/R --- R- C

05-
549

No resistor de 9Ω --- P=R.i2=9.(0,8)2 --- P=5,76W

06- a) Chuveiro --- P=R.i2 --- 4.400=11.i2 --- i=20A

b) Potência total --- Pt=((335 + 100 + 55 + 110 + 4400)=5.000W=5kW ---


W=Pt.∆t=5.15/60 --- Pt=1,25kWh

c) Observe que, se o fio neutro queimar em A, geladeira, lâmpada e chuveiro


continuarão dentro das especificações (geladeira 110V, lâmpada 110V e chuveiro
220V) --- apenas ventilador e TV serão afetados e ficarão em série, submetidos a ddp
de 220V

--- Pventilador=R.i2=220.(0,7)2=107,8W, que é maior que 60,5W --- ventilador queima -


-- PTV=R.i2=110.(0,7)2=53,9W, que é menor que 121W --- a TV não queima ---
quem queima é só o ventilador

07-

R- D
550

08-

R- C

09-

R- D

10- ε =U --- K aberta --- a corrente i passa apenas pelas 3 lâmpadas de cima ---
Req=3R --- Req=U/i --- 3R=U/i --- i=U/3R ---
551

K fechada --- passa corrente por todas as lâmpadas --- 3R em paralelo com 2R ---
Req=2R.3R/(2R + 3R)=6R2/5R --- Req=6R/5 --- i’=U/Req=U/(6R/5) --- i’=5U/6R ---
i/i’=U/3R x 6R/5U --- i’=15/6i --- i’=2,5i --- R- D

11- Observe que existe curto circuito --- marcando os nós, colocando letras nos
mesmos e refazendo o circuito ---

R- B

12-

R- E

13- Refazendo o circuito:

R- B
552

14- Observe o esquema abaixo --- i=i1 + i2 --- i1=U’’/3 --- i2=U’’/6 --- i=U’’/3 +
U’’/6 --- 6= U’’/3 + U’’/6 --- 6=3U’’/6 ---

U’’=12V --- i2=U’’/6=12/6=2A --- P6Ω=R.i22=6.(2)2 --- P6Ω=24W --- R- D

15-

Chave aberta --- como as lâmpadas são idênticas, a tensão total de 2V fica distribuída
para cada uma e elas ficam submetidas à mesma tensão V --- chave fechada --- a
tensão em L2 (V) não se altera e então a tensão em L1 (V) também permanece a mesma.

R- E

16- Se VA=VB, a tensão nos terminais de R e 90Ω é a mesma (U1) e a tensão nos
terminais de 60Ω e 120Ω também é a mesma (U2) --

U2=60i1 --- U2=120i2 --- 60i1=120i2 --- i1=2i2 --- U1=90i2 --- U1=Ri1 --- 90i2=Ri1
--- 90i2=R.2i2 --- R=45Ω

17-
553

R=10Ω e Uab=15V --- R- C

18-

U1=VC – VA=ε/3 --- U2=VC – VB=2ε/R ---U1 – U2=(Vc – VA) – (VC – VB)=ε/3 - 2ε/3 -
-- VC – VA – VC + VB= - ε/3 ---

VB – VA= -ε/3 --- VA – VB=ε/3

19- Observe a figura a seguir:

A potência total é Pt=40 + 40 +40=120 --- Pt=120W.


554

20- Se cada conjunto tem 5.000 células de 150mV=0,15V cada, a tensão desse conjunto
vale --- U=5.000x0,15 --- U=750V ---

Como a corrente total é de 0,5A e existem 5 desses conjuntos em paralelo, essa corrente
em cada conjunto é de i=5/5=1A --- potência de um conjunto --- P=i.U=0,1.750 ---
P=75W --- R- B

21-

a)

A corrente é a mesma em R3 e R4=3,0mA

b)

Em R4 --- U’=9,6V --- R4=4.103Ω --- i4=9,6/4.103 --- i4=2,4.10-3A ou i4=2,4mA

22-
555

23- a)

A tensão nos terminais das 5 lâmpadas idênticas de resistência R é de U’=107,8V e a


corrente total é i=2,2A --- cada lâmpada será percorrida por uma corrente
i’=2,2/5=0,44A --- R=U’/i’=107,8/0,44 --- R=245Ω

b) fios de ligação --- P=i.U=2,2.2,2=4,84W --- W=P.∆t=4,84.30.5 --- W=726Wh

24- a) Observe no esquema abaixo que todas as lâmpadas estão sob suas especificações
normais

b) Req=12 Ω paralelo com 12 Ω (6 Ω) + 6 Ω em série com 6 Ω e em série com 6 Ω ( 18


Ω) --- Req=18 Ω --- Req=U/i --- 18=12/i --- i=0,7A

25- a) resistência do aquecedor P=U2/R --- 1.100=(110)2/R --- R=11Ω --- observe
que existe curto circuito --- marcando os nós,
556

colocando letras nos mesmos e refazendo o circuito --- observe a seqüência --- a
corrente no aquecedor é i’=2,5A

b) Pt=Req.i2=(44/3).(7,5)2 --- Pt=825W

26-

27-

Req=U/i --- 5=1,5/i --- i=0,3 A --- lâmpada --- P=R.i2=2.(0,3)2 --- P=0,18W ---
R- C

28-
557

R- D

29- a) Estimando a intensidade da força que o dedo exerce sobre a tela como sendo
F=0,8N --- A=0,25cm2=0,24.10-4m2 --- P=F/A --- P=0,8/0,25.10-4=3,2.104N/m2 (Pa)

30- Sendo a fonte a mesma a ddp U aplicada aos arranjos é a mesma --- arranjo I ---
Req=R/3 --- PI=U2/Req=U2/(R/3) --- PI=3U2/R --- arranjo II --- Req=3R ---
PII=U2/Req=U2/3R --- arranjo III --- Req=R + R/2=3R/2 --- PIII=U2/(3R/2) ---
PIII=2U2/3R ---

R- A

31- PR1=R.i12 --- 100=R.i12 (I) --- em R1 --- R=U/i1 (II) --- em R2 --- R=(U/2)/i2 ---
R=U/2i2 (III) --- igualando II com III --- U/i1=U/2i2 --- i1=2i2 --- i2=i1/2 ---
potência em R2 --- P’=R.i22=R.(i1/2)2 --- P’=R.i12/4 (VI) --- substituindo I em IV ---
P’=100/4 --- P’=25W --- R- B .

32- a) Observe na figura abaixo que todos os resistores estão em série --- Req=10k +
20k + 30k + 40k --- Req=100.103Ω --- Req=U/i
558

--- i=9/100.103 --- i=9.10-5 A --- P=i.U=9.10-5.9 --- P=81.10-5 W --- P=8,1.10-4 W

b) Observe na figura abaixo que o circuito está em aberto, não está fechado e não passa
corrente pelo mesmo --- a potência

elétrica dissipada é nula.

c) Observe na figura abaixo que os três resistores estão em série --- Req=20k + 40k +
30k --- Req=90.103Ω --- Req=U/i ---

90.103=9/i --- i=1,0.10-4 A --- P=iU=10-4.9 --- P=9,0.10-4W

33- Corrente elétrica em cada lâmpada --- P=iU --- 0,5=i.6 --- i=1/12 A --- corrente
total no circuito --- it=3.(1/12) --- it=0,25A --- a tensão no resistor somada à tensão
nas lâmpadas deve ser igual a tensão da fonte --- UL + UR = UAB --- 6 + UR = 12 ---
UR = 6 V --- 1ª lei de Ohm no resistor --- UR = R.it --- 6 = R (0,25) --- R = 24 Ω -
-- R- D

34- Observe a resolução na seqüência abaixo, na ida e na volta:


559

R- C

35- 01. Falsa --- trata-se de uma associação série e as lâmpadas apresentam o mesmo
brilho

02. Correta --- estão em série

04. Falsa --- a corrente em vada lâmpada é a mesma --- brilham por igual.

08- Correta --- a lâmpada A tem um resistor associado em série e é percorrida por
menor corrente e brilha menos que a B.

16- Falsa --- a lâmpada B fica em curto circuito e apaga.

R- (02 + 08) = 10

36-

R- A

37- O disjuntor D, que limita a corrente que entra no circuito até certo limite evitando
curto circuito deve ser ligado no fio fase, que é por onde entra a corrente elétrica
(opções c e d invalidadas) --- na opção a, com o interruptor I ligado ou desligado,
sempre passará corrente pela lâmpada, permanecendo sempre acesa --- R- B ---
Observações --- 01. Note na figura b que o fio Fase (por onde entra a corrente) é quem
deve ser interrompido pela chave de luz e não o Neutro pois assim quando você ou
alguém for trocar a lâmpada ou simplesmente limpá-la, basta ter certeza de que desligou
a chave de luz para que não haja tensão no receptáculo e conseqüentemente não
ocorram choques --- 02. Para você saber qual fio é o fase e qual é
560

o neutro, use uma lâmpada de teste, com fios isolados, ligue uma das pontas no fio a
testar; encoste a outra ponta na parede ou em um cano de ferro. Se for o fio neutro, a
lâmpada não acenderá. Se for o fio fase (positivo), a lâmpada acenderá. Muito cuidado
para somente segurar a lâmpada teste nas partes isoladas.

38-

R- E

39-
561

40- Veja seqüência abaixo:

R- D

41- Refazendo o circuito ele terá o formato da figura abaixo --- corrente total no
circuito --- P=i.U --- 100=12.i --- i=100/12 A ---

A corrente em cada lâmpada vale --- i’=(100/12)/5=100/60 --- i’=1,666 A --- R- C


562

Geradores
01- Os dois resistores estão em série --- Req=(R + 20) --- Req=U/i --- (R + 20)=6/0,1
--- R + 20=60 --- R=40Ω --- R- C

02- a) Com a chave C fechada, L2 e L3 estão em paralelo --- R’=30/2=15Ω --- R’fica
em série com a resistência de R1=30Ω --- Req=15 + 30 --- Req=45Ω --- Req=U/i ---
45=18/i ---

i=0,4A --- chave fechada --- corrente que passa por iL1==0,4A e por L2 --- iL2=0,4/2
--- iL2=0,2A

b) Chave aberta --- só passa corrente por L1 e por L2, que estão em série --- Req=30 +
30 --- Req=60Ω --- Req=U/i --- 60=18/iL1= --- iL1=18/60 --- iL1=0,3A --- chave
aberta --- por L1 passa 0,3A --- chave fechada --- por L1 passa 0,4A --- abrindo-se
a chave, por L1 passa menor corrente e ela brilha menos.

03- a) Chave C aberta

Req=2R --- Req=U/i --- 2R =12/i --- i=6/R --- UAB=R.i --- UAB=(6/R).R ---
UAB=6V

b) Chave C fechada --- observe a sequência abaixo

Req=U/i --- 3R/2=12/i’ --- i’=24/3R --- i’=8/R --- UAB=R.i --- UAB=R/2.8/R ---
UAB=4V

04-

Quando R3=0
563

os pontos A e B estão em curto circuito e UAB=0

Quando R3=6Ω --- observe as seqüências abaixo

Req=U/i --- 4=1,2/i --- i=0,3A --- UAB=R.i=2.0,3 --- UAB=0,6V

05- O “fio terra” indica que o potencial no ponto B é nulo (VB=0) --- Req=1 + 2 + 4 ---
Req=7Ω --- Req=U/i --- 7=14/i --- i=2 A --- UAB=RAB.i --- VA – VB=4.2 --- VA –
0=8 ---

VA=8V --- UBC=VB – VC=RBC.i --- 0 – VC=2.2 --- VC= - 4V --- R- D --- Obs: Se
a polaridade do gerador fosse invertida, o sentido da corrente também seria invertido e
os valores seriam VA= - 8V e VC=2V

06- A ligação terra torna o potencial do ponto A nulo --- (VA=0) --- cálculo de i ---
Req=U/i --- 12=12/i --- i=1A --- chamando o terminal negativo do gerador de C e o
positivo de B ---
564

UAC=VA – VC=R.i --- 0 – VC=9.1 --- VC= - 9V --- R- C --- Obs. --- observe que
--- UBA=VB –VA=R.i --- VB – 0=3.1 --- VB=3V --- observe ainda que VB – VA=3 –
(-9)=12V

07- a) No fio neutro o potencial é nulo --- diferença de potencial (tensão) entre os
pontos A e P (quatro lâmpadas de cima) é VA – VP=110 – 0=110V, e nas duas lâmpadas
de baixo (entre P e B) é VP – VB=0 – (-110)=110V --- R- 110V

b) Se o fio quebrar em P --- curto circuito --- refazendo o circuito (figuras abaixo) ---
as 4 lâmpadas de cima estão em paralelo (r/4) e as duas de baixo também estão em
paralelo (r/2) -

--- UAB=VA – VB=110 – (- 110) --- UAB=220V --- Req=3r/4 --- Req=U/i ---
3r/4=220/i --- i=4.220/3r --- i=880/3r --- tensão (UPB) na parte de baixo (duas
lâmpadas em paralelo Rrq=r/2) vale --- Req=U/i --- r/2=UPB/880/3r ---
UPB=r/2x880/3r --- UPB=147V

08- Req=0,1 + 1,9 + (18/3) + 2 --- Req=10Ω --- Req=U/i --- 10=12/i --- i=1,2 A ---
veja nas seqüências abaixo que a corrente que flui pelo resistor de 9Ω é i’’=0,8 A ---
P=i.U ---

P=0,8.7,2 --- P=5,76W


565

09- a) chave fechada --- Req=r + 3,5 --- i=3 A --- U= ε=12V --- Req=U/i --- r +
3,5=12/3 --- r=0,5Ω

b) equação do gerador (bateria) --- U=E – r.i --- U=12 – 0,5.3 --- U=10,5V

c) Pútil=U.i=10,5.3 --- Pútil=31,5W --- η=U/ ε=10,5/12 --- η=0,875 --- η=87,5%

d) potência liberada (dissipada) pelo resistor --- Pd=R.i2=3,5.(3)2 --- Pd=31,5W ---
energia dissipada na água em ∆t=10min=10.60 --- ∆ t=600s --- W=Pd.∆t=31,5.600 ---
W=18.900J

e) como 1J=0,24cal --- W=18.900.x0,24 --- W=Q=4.356cal --- Q=m.c.∆θ ---


4.356=240.1. ∆θ --- ∆θ=18,15oC

10- Req=U/i --- 4/3= ε/9 --- ε=12V

11- Cálculo da resistência de cada lâmpada --- P=U2/R --- 0,5=(1)2/R --- R=2Ω ---
Chave aberta --- Req=U/i --- 6 + 2r=(1,5 + 1,5)/0,3 --- 2r=4 --- r=2Ω --- chave
fechada ---

Req=U/i --- 6 + 2=3/i --- i=3/8=0,375 --- i=375mA --- R- B

12- A ddp U que o gerador fornece ao circuito esterno (resistência R=12Ω) vale ---
R=U/i --- 12=U/2 --- U=24V --- η=80%=0,8 --- η=U/E --- 0,8=24/E ---
E=24/0.8 --- E=30V ---

Equação do gerador --- U=E – r.i --- 24=30 – r.2 --- r=3,0Ω --- R= E

13- Chave aberta --- como as lâmpadas são idênticas, a tensão V em cada lâmpada é a
mesma --- chave fechada --- como a tensão em L2 continua a mesma, a tensão em L1
também será a mesma e as duas lâmpadas continuarão com o mesmo brilho --- R- E

14- Cálculo da resistência da lâmpada --- P=U2/R --- 0,6=9/R --- R=15Ω ---
corrente na lâmpada --- R=U/i --- 15=2,5/i --- i=0,1666A --- equação do gerador --
- U=Eeq – req.i ---

2,5=(1,5 + 1,5) – 2r.0,1666 --- r=0,5/0,333 --- r=1,5Ω --- R- A


566

15- As três pilhas em série fornecem uma fem total de E=4,5V --- como todos os
elementos estão em série a tensão total fornecida (E=4,5V0 é igual à soma das tensões
parciais ---

E= UM +UR --- 4,5=4 + UR --- 0,5=R.i --- 0,5=1.i --- i=0,5 A --- potência do
motor --- P=U.i=4.0,5 --- P=2,0W --- R- D

16- A resistência equivalente é a de 6 salsichas em paralelo --- Req=440.000/6Ω ---


Potência empregada pelo sistema --- P=U2/Req(110)2/(440.000/6) --- P=0,165W ---

energia em 20s --- W=P.∆t=0,165.20 --- W=3,3J --- R- C

17- a) A potência Po é dada por --- Po = U2/Ro --- Po = (120)2/12 --- Po = 1200 W

b) De acordo com o enunciado P1 = 2 . P2 --- U2/R1=2.U2/R2 --- R2=2R1 --- R1 +


R2=12 --- R1 + 2R1=12 --- R1=4Ω e R2=8Ω

c) A potência P é dada por --- P=P1 + P2=U2/R1 + U2/R2 --- Po=U2/Ro ---
P/Po=(U2/R1 + U2/R2)/U2/Ro --- P/Po=(1/4 + 1/8)/1/12 --- P/Po=4,5

18- a) Como a tensão entre X e Y é UXY=16V, a corrente no resistor de 8Ω será ---


R=UXY/i --- 8=16/i --- i=2 A --- a tensão entre os pontos M e N, onde i=2 A vale
UMN=R’.i=(8 + 7).2

--- UMN=30V --- no resistor de 30Ω a tensão também é UMN=30V --- R=UMN/i’ ---
30=30/i’ --- i’=1 A --- itotal=2 + 1 --- itotal=3 A --- Req=15 paralelo com 30(10Ω) +
30 --- Req=40Ω --- Req=U/i --- 40=E/3 --- E=120V

b) E=240V --- Req=40Ω --- Req=U/it --- 40=240/it --- it=6 A --- como uma
resistência é o dobro da outra, as correntes nos ramos de 30Ω e (7Ω e 8Ω) serão o dobro
uma da outra de

maneira que sua soma seja 6 A --- i=4 A e i’= 2 A --- UXY=R.i=8.4 --- UXY=32V

19- Cálculo da tensão U em L3 onde i3=500mA=0,5 A --- P3=i3.U --- 2=0,5.U ---
U=4V --- esta tensão (U=4V) é a mesma para as três lâmpadas (estão em paralelo) ---
567

L2 --- P2=i2.U --- 2=i2.4 --- i2=0,5 A --- L1 --- P1=i1.U --- 1=i1.4 --- i1=0,25 A --
- i=i1 + i2 + i3=0,5 + 0,5 + 0,25 --- i=1,25 A --- equação do gerador --- U=E – r.i ---
4=E – 0,2.1,25 --- E=4,25V --- R- E

20- Do enunciado --- U=E/3 --- E=3U --- U=R.i --- U=6i --- E=3.U ---
E=3.6i=18i --- equação do gerador --- U=E – r.i --- 6i= 18i – r.i --- r=12Ω --- R-
E

21- Req=3R paralelo com 3R --- Req=1,5R --- Req=U/i --- 1,5R= ε/i --- i= ε/1,5R --
- em cada ramo de resistências iguais (3R) a corrente i= ε/1,5R se divide pela metade -
-- i1= ε/3R e

i2=ε/3R --- VC – VA=R.i1 --- VC – VA=R. ε/3R --- VC – VA= ε/3 ( I ) --- VC –
VB=2R.i2 --- VC – VB=2R. ε/3R --- VC – VB= 2ε/3 ( II ) --- subtraindo (II) de (I) ---

VC – VB – (VC – VA)= 2ε/3 – ε/3 --- VA – VB=ε/3

22- a) Falsa --- L1 é percorrida por corrente maior que a de L2 e de L3 e brilha coma
maior intensidade (i1=i2 + i3)

b) Correta --- sendo as lâmpadas idênticas --- i2=i3=i --- i1=i2 + i3 --- i1=i + i ---
i1=2i e i2=i

c) Falsa --- são iguais

d) Falsa --- apenas L2 e L3 estão submetidas ao mesmo potencial

e) Falsa --- a potência dissipada por L1 é maior que a dissipada por L2, pois L1 é
percorrida por maior corrente

R- B

23- 01. Falsa --- lâmpadas idênticas em série --- percorridas pela mesma corrente ---
brilham por igual

02. Correta --- veja 01

04. Falsa --- brilham por igual --- mesma ddp e mesma corrente

08. Correta --- é percorrida por maior corrente, pois tem menor resistência
568

16. Falsa --- a lâmpada B apaga, entra em curto circuito

Corretas --- 02 e 08

24- a) Colocando os valores e construindo o gráfico

25-

26--(PUC-SP-012)

Observe que, como a corrente total é 1,0A e se, por RA passa 0,5 A pelo resistor de
0,5Ω passará também 0,5 A --- por RB
569

passará 1,0 A e por RD=0,75ª --- como RA e 8Ω estão em paralelo eles estão
submetidos à mesma diferença de potencial U1, tal que --- R=U1/i --- 8=U1/0,5 ---
U1=4V --- em B --- PB=iB.U2 --- 12=1.U2 --- U2=12V --- U1 + U2 + U3 =
Utotal=24V ---

4 + 12 + U3=24 --- U3=8V --- a potência elétrica dissipada no resistor RD vale ---
PD=iD.U3=0,75.8 --- PD=6W --- R- C

27-(UNESP-SP-012)

Modo A --- chave C ligada no ponto A --- como as lâmpadas estão ligadas em série,
cada uma delas ficará sob ddp de 60V , dissipando uma potência de 60W --- cálculo da
resistência elétrica R de cada uma --- P=U2/R --- 60=602/R --- R=60Ω ---

Req=60 + 60=120Ω --- potência total dissipada --- Ptotal=U2/Req=1202/120 ---


Ptotal=120W --- energia elétrica consumida em 4h --- Ptotal=W/∆t --- 120=W/4 ---
W=480Wh=0,48kWh

Modo B --- chave C ligada ao ponto B --- L2 fica apagada (não passa corrente por
ela) --- para que a lâmpada L1 de
570

resistência RL=60Ω dissipe uma potência de 15W, a corrente através dela deve ser ---
PL2=Rl.i2 --- 15=60.i2 --- i=√(0,25) ---

i=0,5 A (é a mesma corrente que passa por R, R e 60Ω estão em série) --- Req=(R +
60) --- U=120V --- Req=U/i --- R + 60 = 120/0,5 --- R + 60=240 --- R=180Ω

28-(FUVEST-SP-012)

a) Aquecedor --- Paq=990W --- ∆t=3h --- Paq=Waq/∆taq --- 990=Waq/3 ---
Waq=2.970 Wh --- ferro --- Pfe=980W --- ∆t=3h --- Pfe=Wfe/∆tfe --- 980=Wfe/3 ---
Wfe=2.940 Wh --- 2 lâmpadas --- PL=2.60=120W --- ∆t=3h --- PL=WL/∆tL ---
120=WL/3 --- WL=360 Wh --- chuveiro --- Pch=4.400W --- ∆t=12min=12/60=0,2h
--- Pch=Wch/∆tch --- 4.400=Wch/0,2 --- Wch=880 Wh --- energia total ---
Wtotal=2.970 + 2.940 + 360 + 880 --- Wtotal=7.150Wh --- Wtotal=7,15kWh.

b) Cálculo da intensidade de corrente elétrica em cada aparelho --- aquecedor ---


Paq=iaq.Uaq --- 990=iaq.110 --- iaq=9 A --- ferro --- Pfe=ife.Ufe --- 980=ife.110 ---
ife=98/11 A --- cada lâmpada --- PL=iL.UL --- 60=iL.110 --- iL=6/11 A --- chuveiro
--- Pch=ich.Uch --- 4.400=ich.220 --- ich=20,0 A --- observe atentamente o esquema da
figura e o circuito abaixo onde foi tirado o fio terra, já que por ele

não passa corrente elétrica --- a corrente i1 no fio fase 1 se divide nas correntes que
passam pelo aquecedor e pelo chuveiro, ou seja, i1=iaq + ich= 9 + 20=29,0 A --- a
corrente i2 no fio fase 2 recebe as correntes que passam pelo ferro, pelas duas lâmpadas
e pelo chuveiro, ou seja, i2= 6/11 + 6/11 + 98/11 + 20 --- i2=29,98 --- i2≈30 A.

c) Observe nas figuras abaixo que no ponto P chegam as correntes do fio neutro in e do
aquecedor iaq e e sai a corrente i’ que corresponde
571

às somas das correntes que passam pelo ferro e pelas lâmpadas --- in+iaq = i’ ---
i’=98/11 + 6/11 + 6/11=10 A --- in + 9=10 --- in=1 A.

ELETROMAGNETISMO
Ímãs e Campo Elétrico
01- a) O pólo da agulha magnética da bússola que aponta para Roraima (M) é seu pólo
Norte e a que aponta para o Paraná (N) é seu pólo Sul.

b) Observe na figura que N atrai P e, como N é Sul, P é Norte Q é Sul.

02- R- A --- Veja teoria

03- R- A --- lembre-se de que imã atrai ferro independente da polaridade e que pólos
de mesmo nome se repelem e de nomes opostos se atraem

04- R- C --- lembre-se de que imã atrai ferro independente da polaridade e que pólos
de mesmo nome se repelem e de nomes opostos se atraem

05- R- E --- As forças magnéticas obedecem ao princípio da ação e reação (tem


sempre mesma intensidade, mesma direção mas sentidos contrários) e surgem sempre
aos pares.

06- R- D --- veja teoria

07- R- C --- veja teoria

08- R- D --- veja teoria

09- Mão direita para o nascer do Sol C (leste), na frente B (norte), atrás D (sul) e à
esquerda A, (oeste) --- R- D

10- A extremidade L do pedaço de ferro é atraída pelo polo K do imã (imã atrai ferro
independente da polaridade) --- uma das
572

possibilidades é a da figura --- R- B

11- Poderá ser atraído ou repelido dependendo de quais pólos estarão próximos --- R -
E

12- a) É a barra N porque seus pólos, onde as propriedades magnéticas são mais
intensas atraem qualquer posição da barra de ferro, que é a M.

b) A barra M cairia, pois a região central do imã é neutra, ao contrário dos pólos onde é
máxima.

13- O imã imanta os dois pregos fazendo com que eles se atraiam, determinando suas
polaridades conforme a figura abaixo ---

R- B

14- R- A --- veja teoria

15- Observe a figura abaixo:

16- Observe nas figuras abaixo como ficam as polaridades:

R- E
573

17- a) Observe na figura abaixo que as forças resultantes em P e em Q fazem o imã B


girar no sentido horário em torno de G.

b) Observe na figura abaixo que as forças resultantes em P e em Q fazem o imã B girar


no sentido anti-horário em torno de G

18- Observe a seqüência abaixo:

Assim, a parte direita do prego que ficou imantado (cabeça) é o pólo sul e a parte
esquerda (ponta) é o pólo norte.

19- A alternativa mais coerente é a C, supondo as forças que a agulha troca com a Terra
e com o imã comparáveis.

R- C

20- 01- Correta --- veja teoria.

02- Falsa --- se não existe campo magnético, a bússola não se orientará.

04- Correta --- a bússola sempre se orienta na direção norte-sul geográfica ou


magnética.

08- Correta --- ambas estão desmagnetizadas..

16- Correta --- se a temperatura do forno for alta o suficiente, provocará um intenso
movimento oscilatório das partículas elementares desorientando-as.
574

32- Falsa --- este não é um dos processos de imantação.

Corretas: 01; 04; 08 e16

21- Como a intensidade da força é inversamente proporcional ao quadrado da


distância x, duplicando x a força se tornará 4 vezes menor --- R- A

22- a)

b) Equilíbrio na vertical --- Fat=P=mg=0,02.10 --- Fat=0,2N --- Fat= µFN ---
0,2=0,5.FN --- FN=0,4N --- equilíbrio na horizontal --- Fmag=FN --- Fmag=0,4N

23- R- B --- veja teoria

24- R- B --- veja teoria

25- Observe que na horizontal os dois pólos sul anulam a orientação da agulha da
bússola, que se alinha na vertical segundo a alternativa A

R- A

26- R- A --- veja teoria

27- É impossível se obter pólos isolados --- R- D

28- O imã permanente imanta a barra de ferro transformando a extremidade A em pólo


sul e a B em norte --- R- C

29- Os pólos norte e sul estão trocados --- R- C

30- Pólos de nomes opostos se atraem --- R- B

31- A forças de atração que o ferro troca com o imã tem a mesma intensidade (par ação
e reação) --- F(i)=F(f) --- F(i)=m.a(i) --- F(f)=2ma(f) --- ma(i)=2ma(f) ---
a(i)=2a(f) --- R- B

32- R- A --- veja teoria

33- R- D --- veja teoria


575

34- Observe no esquema abaixo que, como a barra está em equilíbrio a resultante das
forças que agem sobre ela é nula, ou seja,

Fdin=Pbarra + Fmag --- R- D

35- Se fosse quebrado nas direções α ou β você teria dois pólos opostos na direção do
corte e eles seriam atraídos se encaixando

devido à força magnética --- então, para que não se encaixem, a repartição só pode ser
segundo o plano π, conforme a figura

R- C

36- a) As agulhas magnéticas terão, em cada ponto, seu pólo norte indicando o sentido
de .

b) O vetor indução magnética em cada ponto é tangente às linhas de indução com o


mesmo sentido das linhas de indução.
576

37- Observe a figura abaixo onde estão traçadas as linhas de indução do imã da
esquerda (1) e da direita (2) que passam pelo ponto P

O vetor indução magnética que é tangente ao ponto P tem direção vertical e sentido
da linha de indução, ou seja, para baixo --- o vetor indução magnética que é tangente
ao ponto P tem direção vertical e sentido da linha de indução, ou seja, para cima ---
observe que esses dois vetores se anulam no ponto P --- R- E

38- Veja que, a soma vetorial do campo magnético terrestre com o campo magnético
horizontal fornece o campo magnético

resultante da bússola --- R- E

39- A intensidade do campo magnético é menor na região do imã onde existe menor
concentração de linhas de indução, ou seja, no ponto P1 --- R- A

40- R- C --- veja teoria

41- 01- Correto --- veja teoria

02- Falso --- o pólo norte magnético está localizado próximo do pólo sul geográfico

04- Correta --- veja teoria

08- Correta --- veja teoria


577

16- Falsa --- à medida que se afasta da superfície da Terra, a intensidade do campo
magnético terrestre diminui

Soma – (01 + 04 + 08)=13

42- a) Observe o quadro preenchido:

b) Bactérias da amostra A são atraídas para o fundo dos lagos localizados próximos ao
norte magnético. As bactérias da amostra B irão se orientar para o fundo dos lagos
localizados no sul magnético. Como no equador não há polaridade magnética neste
local estarão as bactérias da amostra C.

43- Observe que na figura 1 as interações entre os pólos são atrativas (nomes opostos) e
na figura 2, repulsivas (mesmo nome) ---

R- D

44- O pólo norte da agulha magnética é tangente em cada ponto às linhas de indução
que saem do pólo norte e chegam ao pólo sul e possuem o sentido de (veja figura
abaixo)

R- A

45- Os pólos norte das bússolas estão sempre orientados no sentido das linhas de
indução (saem do pólo norte e chegam ao pólo sul do
578

imã) --- R- B

46- Colocando no ponto 0 todos os vetores de intensidade B, que se afastam dos pólos
norte e chegam aos pólos sul

R- E

47- O pólo norte da bússola aponta sempre para o pólo norte geográfico --- observe na
figura e observe também que --- em Havana

a bússola indica o pólo norte e está inclinada para baixo --- em Natal, na linha do
equador, a bússola indica o pólo norte e não está inclinada --- em Punta Arenas´, a
bússola indica o pólo norte e está inclinada para cima --- R- D

48- Supondo que a parte superior seja um pólo norte e a inferior um pólo sul e
separando-os, você obterá ---
579

R- C

49- Observe a figura abaixo:

1 volta completa + 1 volta completa = 2 voltas completas --- R- D

50- As linhas de indução são linhas fechadas que saem do pólo norte e chegam ao pólo
sul --- R- A

51- (01) Errada. Os pólos de um ímã são inseparáveis, havendo sempre norte e sul.

(02) Correta. Analisando o comportamento de dois ímãs próximos, William Gilbert


notou que pólos de mesmo nome nunca apontam no mesmo sentido, concluindo que a
Terra se comporta como um grande ímã.

(04) Errada. A interação entre certos minérios e pedaços de ferro é de natureza


magnética.

(08) Correta. Em 1820, Oersted realizou sua importante experiência, mostrando que
uma corrente elétrica é capaz de produzir deflexões em uma agulha magnética.

R- (02 + 08)=10

52- Se o rompimento se desse na direção dos planos a ou b (horizontal), ele poderia ser
consertado, pois na região de rompimento surgiriam pólos de nomes contrários, gerando
forças de atração. Já direção do plano p (vertical), as extremidades dos dois ímãs
formados com o rompimento teriam de ser alinhados juntando pólos de mesmo nome, o
que é impossível, pois eles se repelem. A figura abaixo ilustra os rompimentos nas duas
direções.
580

R- C

53- a) Correta.

b) Errada --- o campo elétrico somente exerce força sobre partículas eletrizadas ---
como o próprio enunciado afirma, as nanopartículas devem ser conduzidas por ímãs, ou
seja, por campo magnético.

c) Errada --- o campo magnético de um fio é proporcional ao inverso da distância.

d) Errada --- apenas substâncias metálicas ferromagnéticas podem ser utilizadas.

e) Errada --- imãs artificiais também podem ser utilizados

R- A

54- Analisando as afirmações:

I – Errada. O pólo sul magnético aponta para o sul geográfico.

II – Correta.

III – Correta.

IV – Errada. Na ausência de campos magnéticos externos, a agulha orienta-se na


direção norte-sul terrestre.

R- B

55- 1. Falsa --- o campo magnético da agulha existe, porém, para que essa agulha sofra
alguma deflexão, ela tem que sofrer influência de outro campo magnético.

2. Correta --- a agulha da bússola não sofre deflexão, é porque ela não está em
presença de algum campo magnético, sendo, portanto, nulo o campo magnético na Lua.

R- B

56- I- Correta --- Quem origina o campo magnético uniforme são dois pólos e a
direção e sentido dos infinitos pontos do mesmo é
581

do pólo norte para o pólo sul (veja figura) --- pólo norte do ímã fica sujeito a uma força
de mesma direção e sentido do campo magnético, enquanto o pólo sul fica sujeito a uma
força de mesma direção do campo magnético, porém de sentido contrário --- essas
duas forças têm a mesma intensidade, portanto a resultante das forças no ímã é nula, e
consequentemente o ímã não translada, mas a distância entre as linhas de ação dessas
forças é diferente de zero, portanto o corpo fica sujeito a torque e por isso pode
rotacionar.

II. Correta --- o processo de produção de ímã artificial consiste em provocar o


alinhamento dos ímãs atômicos com o campo

magnético existente na região --- (veja figura acima).

III. Falsa --- não é possível separar os pólos de um ímã.

IV. Falsa --- a agulha magnética da bússola indica o norte geográfico da Terra que está
próximo do pólo sul magnético da Terra.

R- A

57-(UFF-RJ-012)

a) As forças que agem sobre o conjunto imã-grampo são --- – força peso, vertical e
para baixo, aplicada sobre o conjunto
582

pela Terra --- - força de tração no fio, vertical e para baixo, aplicada sobre o
conjunto pela massa M pendurada --- - força de atrito, trocada entre o conjunto e a
parede da geladeira, vertical e para cima, contrária ao movimento ou à sua tendência ---
- força magnética, horizontal e que atrai o conjunto para a esquerda, é de atração
magnética entre o imã e a parede da geladeira --- – força normal, horizontal e para a
direita, reação da parede da geladeira sobre o conjunto.

b) Se o conjunto não deve cair a força resultante sobre ele tanto na vertical como na
horizontal deve ser nula --- equilíbrio na vertical ---

Fat=P + T --- P=mog --- T=Mg --- Fat=µeN --- µeN = mog + Mg (I) --- equilíbrio na
horizontal --- FM=N (II) --- (II0 em (I) --- µeFM = mog + Mg --- Mg = µeFM – mog -
-- M= (µeFM – mog)/g ou M= µeFM/g - mo --- para esse valor de M o conjunto está na
iminência de cair --- para qualquer valor de M menor que esse, o conjunto não cai.

58-(FUVEST-SP-012)

Inicialmente você deve se lembrar que as linhas de força de um campo magnético são
linhas fechadas e de um campo eletrostático são linhas abertas --- A figura I mostra as
linhas de força (de campo) de um campo elétrico (eletrostático) criado por uma placa
plana, muito extensa e uniformemente eletrizada por cargas elétricas positivas (campos
de afastamento) --- a figura II sugere o campo eletrostático originado por duas cargas
pontuais eletrizadas com cargas positivas (campo de afastamento), colocadas próximas
uma da outra, mas pode representar também o campo magnético originado por dois
pólos norte de imãs diferentes (linhas de indução saem dos pólos norte), quando
colocados próximos (veja figura abaixo), apenas que, nesse caso as

linhas são fechadas (saem do pólo norte de cada imã e chegam ao pólo sul do mesmo
imã) --- a figura III representa campo magnético, pois são linhas fechadas --- pode
representar as linhas de indução de uma espira percorrida
583

por corrente elétrica ou por dois fios retilíneos, percorridos por correntes elétricas de
sentidos opostos (veja figuras acima) --- a figura IV também mostra um campo
magnético (linhas fechadas) --- esse campo magnético é gerado por um fio retilíneo,
perpendicular ao plano dessa folha, com a corrente elétrica saindo da mesma.

R- A ou E

59--(UNESP-SP-012)

R- A --- leia informações a seguir --- a Terra se comporta como um grande imã onde
o pólo Sul magnético está aproximadamente localizado no pólo Norte geográfico e vice
versa --- se você pendurar um imã em forma de barra pelo seu centro ou observar a
agulha magnética de uma bússola você verá que seus pólos ficam sempre alinhados na
direção norte-sul.

O pólo que indicar o pólo norte geográfico recebe o nome de pólo norte e estará
indicando o pólo sul magnético da Terra --- o pólo que indicar o pólo sul geográfico
recebe o nome de pólo sul e estará indicando o pólo norte magnético da Terra. Tudo
isso ocorre porque pólos de mesmo nome se atraem.

Observação: O pólo Norte geográfico não coincide exatamente com o pólo Sul
magnético, distando um do outro aproximadamente 1.900km --- os pólos geográficos
são fixos, baseados nas coordenadas geográficas --- o pólo norte geográfico
584

está localizado no oceano glacial Ártico e o pólo sul geográfico, no centro da Antártida
--- os pólos magnéticos tem localizações variáveis e encontram-se em constante
movimento que ocorrem devido aos metais líquidos do núcleo da Terra se encontrarem,

junto com a Terra, em movimento de rotação --- segundo os pesquisadores esse


movimento ocorre a uma velocidade de mais de 60 km/ano.

Força Magnética sobre uma carga

01- R- A --- regra da mão esquerda

02- O campo magnético se afasta do pólo norte do imã --- aplicando a regra da mão
esquerda no esquema abaixo você verificará
585

que a força magnética desviará a carga na direção de x em seu sentido positivo --- R-
C

03- Utilizando a regra da mão esquerda a força estaria saindo da folha, mas como a
carga é negativa (elétrons) ela estará desviando os elétrons para dentro da folha, na
direção horizontal da tela --- R- E

04- Observe na figura abaixo onde os pólos norte e sul foram aleatoriamente nomeados
que a força magnética tem direção vertical e

sentido para baixo, e assim, os feixes são desviados na direção vertical da tela --- R- A

05- R- A --- veja teoria

06- As forças que desviam cada carga têm sentidos contrários, pois uma carga é positiva
(1) e a outra negativa (2) e a carga 3 não sofre desvio, ou seja, é neutra --- R- A

07-

R- B

08-

a) A partícula 2 desviada para a direita tem carga negativa. A partícula 3 é neutra


porque não foi desviada.

b) O campo de indução tem vetor entrando no papel, pela regra da mão esquerda.

09- Entre os pólos do imã a força magnética estaria saindo da folha, mas como a carga é
negativa está penetrando e desviando a carga para trás da folha --- quando a carga
negativa passa entre as placas ela é desviada para cima (atraída pela placa positiva e
repelida
586

pela negativa) --- assim ela se desvia para trás da folha e para cima atingindo a região
I --- R- A

10- Pela regra da mão esquerda a força magnética sobre a carga estará penetrando na
folha --- veja a figura

R- A

11- R- D --- regra da mão esquerda

12- Pela regra da mão esquerda a força magnética estará para cima, mas como são
eletros estará para baixo --- R- B

13- O campo magnético vertical faz surgir sobre o feixe de elétrons uma força
horizontal para a direita e o campo magnético

horizontal faz surgir sobre o feixe de elétrons uma força vertical para cima --- assim o
feixe de elétrons é desviado para a direita e para cima --- R- A

14- Observe na figura abaixo que utilizando a regra da mão esquerda o vetor campo
magnético estaria entrando na folha, mas como se
587

trata de elétron (carga negativa), estará saindo --- R- E

15- Como, ao penetrar no campo magnético é vertical e para baixo e está


penetrando na folha, a força magnética será horizontal e para a direita, fazendo com que
a carga q se mova simultaneamente para baixo e para a direita ---

R- D

16- Utilizando a regra da mão esquerda --- R- B

17- Sendo prótons cargas positivas e como são aceleradas no sentido do eixo positivo
do eixo Y, a força elétrica é nesse sentido e consequentemente o campo elétrico
também --- a força magnética aponta no sentido do eixo x, pois as cargas são desviadas
nesse sentido (veja a curva do anel) e usando a regra da mão esquerda, o sentido de
será o mesmo que o sentido negativo do eixo z -- R- A

18- saindo da tela, para baixo (do norte para o sul) --- usando a mão esquerda a
força magnética estará para a direita, mas como são elétrons o deslocamento será para a
esquerda --- R- A

19- R- C --- regra da mão esquerda

20- Sendo Vo e B vetores que tem a mesma direção, a força magnética sobre a partícula
será nula e ela se moverá em movimento retilíneo e uniforme --- R- D

21- A velocidade deve ser paralela a que é do pólo norte para o pólo sul --- R- C

22- Como as moléculas estão em repouso a força magnética sobre elas é nula --- a
força elétrica tem o mesmo sentido que para a

carga positiva e sentido contrário para a carga negativa --- o único caso em que a
molécula permanece em equilíbrio é a alternativa b --- R- B

23- R- E --- veja teoria

24- a)
588

b) Para a partícula não ser desviada a força resultante sobre ela deve ser nula --- Fe=Fm
--- q.E=q.V.B --- V=E/B

25- a) Como a velocidade da carga permanece constante, então as forças elétrica e


magnética que atuam sobre ela se cancelam, ou seja, a força magnética deve estar
dirigida ao longo de X, no sentido negativo, pois a força elétrica está no sentido de x,
positivo (q>0). Se houvesse uma componente X para o campo magnético, a força
magnética teria uma componente Z, o que está excluído pela consideração anterior.
Assim sendo, temos BX = 0.

b) A intensidade da força elétrica (Fe=q.Eo) e da força magnética (Fm=q.Vo.BZ) devem


ser iguais --- BZ=Eo/Vo --- para que o sentido da força magnética seja contrário ao da
força elétrica, a componente BZ deve ser negativa.

26- Como e são paralelos, não surgirá força magnética sobre o elétron e ele não
sofrerá desvio --- Fm=0

27- I. Verdadeira --- e são paralelos

II. Verdadeira --- aplicando a regra da mão esquerda, a força magnética estará para
cima, mas como a carga é negativa ela indicará para baixo.

III. Verdadeira --- aplicando a regra da mão esquerda, a força magnética estará para
a esquerda, mas como a carga é negativa ela indicará para a direita.

R- E

28- Dentro do campo magnético é perpendicular a ela efetua um arco de


circunferência em movimento circular uniforme com velocidade constante em
intensidade --- a força magnética sobre a partícula é a força resultante centrípeta e
consequentemente sobre ela surgirá também uma aceleração centrípeta (normal à
trajetória) --- a força magnética é perpendicular ao deslocamento e consequentemente
à velocidade e então o trabalho da força magnética é nulo (W=F.d.cos90o=F.d.0=0) ---
como a intensidade da velocidade é constante, a energia cinética também será constante
--- R- C

29- a) tesla (T) e coulomb (C)

b) Fm=q.V.B.sen90o=1,6.10-19.8,0.105.2,0.103.1 --- Fm=2,56.10-16N

30- Para que a força resultante seja nula, as forças elétrica e magnética devem se anular
o que só pode ocorrer quando o vetor campo
589

elétrico for perpendicular ao plano formado pelos vetores e .

31- Fm=q.V.B.senθ --- a maior força magnética ocorre quando θ=90o e sen90o=1 ---
Fm=1,6.10-19.7.106.0,83=7,296.10-13 ---

R- A

32-

33- Pela regra da mão esquerda a força magnética terá direção horizontal e sentido para
a direita e será perpendicular ao plano que contém e , desviando o feixe nessa
direção e sentido --- R- C

34- As partículas possuem cargas de sinais contrários já que a força magnética