Você está na página 1de 2

ARTIGOS E ENSAIOS CIENTÍFICOS

Vera Britto
Notas e Informes
Mestre em Letras e Professora da UNIFACS.

Nos dias de hoje, nem “revisão, quando resume, analisa e mitação (recorte) e proposições
sempre é muito clara, até discute informações já publicadas”. (i.é, aquilo que o autor defende
para os próprios autores, a Todas as formas de artigos são no artigo),
distinção entre artigos e publicadas em periódicos, especiali- • desenvolvimento: exposição, ex-
ensaios científicos. Ela en- zados ou não. plicação ou demonstração do
tretanto existe, tanto que material, avaliação dos resulta-
um é normatizado pela dos e comparação com obras an-
1.2 ESTRUTURA
NBR 6022/1994 da ABNT teriores,
A estrutura dos artigos científicos
(o artigo) e o outro não o é .
está fixada em norma e é a seguinte: • comentários e conclusões: dedu-
ção lógica dos elementos do de-
1 ARTIGO a) elementos pré-textuais ou preli- senvolvimento;
1.1 DEFINIÇÃO minares, c) elementos pós-textuais - parte
Modalidade de traba- • título (e subtítulo, se houver, em- referencial - notas ou referências
lho científico primário que bora não seja aconselhável), bibliográficas (NBR 6023/2000),
se define por um discurso apêndices, anexos e, se essa for a
• autoria: nome do(s) autor(es)
“envolvido” – o da desco- opção, data e agradecimentos. A
acompanhado(s) de suas creden-
berta do escritor-cientista – norma da ABNT recomenda que se
ciais (qualificação na área de que
e por um discurso “envol- evitem ao máximo as notas de
trata o artigo), da data de elabo-
vente” – porque o escritor rodapé ou de final de texto e a se-
ração do trabalho e do local onde
busca o envolvimento da paração do texto de anexos e apên-
exerce suas atividades, com o
comunidade científica com dices. Se, entretanto existirem, as
respectivo endereço. Todo o blo-
o valor de verdade de sua citações devem ser apresentadas de
co das credenciais e dos eventu-
descoberta. Geralmente, acordo com a NBR 10520.
ais agradecimentos do autor
portanto, apresenta o resul- deve aparecer em nota de rodapé Nem sempre é necessário, em vir-
tado de estudos ou pesqui- na página de abertura, preferen- tude das limitações impostas à exten-
sas pequenas, porém com- cial, mas não obrigatoriamente, são dos artigos - na maioria das vezes
pletas, que não constituem visto que é possível transformá- pelas características do tipo de pes-
matéria para um livro. lo em nota editorial colocada no quisa que gera artigos e também pela
A NBR 6022 da ABNT fim do artigo, própria estrutura dos periódicos -
admite a existência de dois explicitar subdivisões no desenvolvi-
outros tipos de artigos: • resumo: parágrafo redigido de mento: elas se traduzirão na ordena-
acordo com a NBR 6028 da mes- ção lógica do material. Entretanto, é
a) o primeiro, denominado ma ABNT o qual deve conter o
“versão preliminar”, é recomendável numerar progressiva-
tema, os objetivos, a metodologia mente todas as seções primárias: in-
aquele artigo “explicita- e as conclusões do artigo, redigi- trodução, o título geral do desenvol-
mente apresentado como do de forma concisa (algumas re- vimento e a conclusão.
abordagem inicial ou vistas exigem também a versão
parcial de determinado do resumo para língua de gran- 1.3 CONTEÚDO
assunto, em função de de difusão, geralmente o inglês), Abrange aspectos variados, mas
indisponibilidade tem-
• palavras-chave: termos indica- em geral apresenta temas ou aborda-
porária de dados, salva- gens novas, atuais, diferentes. Assim,
guarda de propriedade tivos do conteúdo do artigo;
ele pode:
industrial ou segurança b) elementos textuais - corpo do arti-
nacional”. • versar sobre estudo pessoal ou dar
go, subdividido em
a temas polêmicos enfoque diverso
b) o segundo, de caráter se- • introdução: apresentação do as- daqueles com que até então foram
cundário, uma espécie de sunto, objetivos, metodologia, li- tratados;

112 Ano III • Nº 4 • Julho de 2001 • Salvador, BA RDE - REVISTA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
• oferecer soluções provi- cultural e grande maturidade intelec- grande, que dificilmente se poderia es-
sórias ou não para ques- tual (SEVERINO, p. 153). Os autores, tabelecer um método de redação ou es-
tões controvertidas; porém, têm dificuldade de caracterizar tabelecer uma estrutura. Assim, é pre-
esse tipo de texto, denominando-o ora ferível considerar como ensaios cien-
• abordar aspectos se- tíficos apenas as duas modalidades
cundários levantados “artigo” ora “ensaio”, quer no resu-
anteriormente citadas.
por alguma pesquisa mo, quer no texto expandido.
Notas e Informes
mas não utilizados nela 2.3 ESTRUTURAS
por desviar-se do pro- 2.2 TIPOS
Ensaio teórico e ensaio avaliativo
blema central; Há dois tipos de ensaios científi- têm estruturas diferentes (assim como
• levar ao conhecimento cos: são diferentes seus objetivos). São
do público especializa- a) informativo ou teórico (con- elas:
do idéias novas para vencimento) a) do ensaio teórico:
sondagem de opinião b) opinativo ou avaliativo (per-
ou atualização de infor- • exposição da teoria
suasão) • apresentação dos fatos
mações.
No ensaio teórico, o escritor-cien- • síntese dos fatos
tista apresenta argumentos favoráveis • conclusão
ou contrários a uma teoria ou a teori-
2 ENSAIO as, enfocando um dado argumento e
b) do ensaio avaliativo:
CIENTÍFICO depois fatos (em geral do domínio • apresentação - o que está sen-
público científico) que possam prová- do avaliado
2.1 DEFINIÇÃO lo ou refutá-lo. • avaliação - o valor da ques-
É uma situação de dis- O desenrolar da argumentação tão (importância)
curso secundário, i.é, o que conduz à tomada de posição do autor • exposição - razões, argumen-
é produzido referindo-se a quanto à teoria ou às teorias discuti- tos e provas
descobertas de cientistas das, funcionando como conclusão do • finalização - conclusão, com
que não o autor do ensaio. ensaio. Esta forma requer pesquisa e encaminhamento e abertura
Segundo SEGISMUNDO conhecimento profundos e reflexão de debate.
SPINA, ele oferece pontos intensa, sendo geralmente elaborada
de contato com a mono- por especialistas experientes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
grafia e a tese, diferindo No ensaio avaliativo, confron-
delas pela forma eminen- tam-se experiências conhecidas pelo ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
temente pessoal como o TÉCNICAS (RJ). Normas sobre docu-
ensaísta que são comparadas, apreci- mentação. Rio de Janeiro: 1980-1994.
tema é tratado, ou seja, pelo adas, julgadas e transmitidas à comu- _______. NBR 6023: informação e docu-
CARÁTER CRÍTICO do nidade científica a fim de que esta mentação – referências – elaboração. Rio
escrito, sobre uma questão mude de opinião e aceite o ponto de de Janeiro, 2000.
científica. vista do escritor ensaísta. Esta é a for- BRENNER, Eliana de Moraes; DIAS, Célia
Caracteriza-se, funda- Guimarães; JESUS, Dalena Maria Nas-
ma que costuma aparecer em suple- cimento de. Elaboração de trabalhos
mentalmente, como “estu- mentos culturais de jornais e revistas. acadêmicos: projeto de pesquisa, mono-
do bem desenvolvido, for- Embora outros autores não o fa- grafia e artigo. 2. ed. Salvador: Universi-
mal, discursivo e conclu- dade Salvador – UNIFACS, Coordena-
çam, CARMO-NETO (1992 p. 101) in- ção de Pesquisa, 2000.
dente que consiste em ex- clui no seu livro um outro tipo de en- CARMO-NETO, Dionísio. Metodologia ci-
posição lógica e reflexiva saio opinativo que é aquele entífica para principiantes. Salvador:
e em argumentação rigoro- “ensaio (assinado) de jornal... no qual
Ed. Universitária Americana, 1992.
sa com alto nível de inter- o autor pode estar interessado simples- SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodolo-
gia do trabalho científico. 21. ed. rev. e
pretação e julgamento do mente em : dar uma opinião, prover ampl. São Paulo: Cortez,2000.
autor”(SALVADOR, apud uma solução alternativa a um certo SPINA, Segismundo. Normas gerais para
SEVERINO, 2000, p. 152). problema polêmico sem entrar em trabalhos de grau: um breviário para o
Na medida em que, para quaisquer especificações metodológicas, estudante de pós-graduação. 2. ed. melh.
criticar uma atitude de ação social, po- e ampl. São Paulo: Ática, 1984.
isso, o autor não precisa
apoiar-se em aparato de lítica ou econômica, comentar sobre
uma minoria de certa ideologia, dar
documentação empírica e
informação, opinar sobre um aconteci-
bibliográfica, ele tem maior mento que jamais poderá se realizar e
liberdade de defender de- corrigir ou demonstrar vieses aparen-
terminada posição, mas temente não percebidos”. Trata-se, já
exige grande informação se vê, de uma diversidade temática tão

RDE - REVISTA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Ano III • Nº 4 • Julho de 2001 • Salvador, BA 113