Você está na página 1de 26

ESCOLA ESTADUAL PREFEITO ODÍLIO FERNANDES COSTA

CURSO NORMAL MÉDIO

ELCY ANTUNES TEIXEIRA

A PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA NA ESCOLA NA VISÃO DOS


PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DO TURNO
VESPERTINO DA ESCOLA MUNICIPAL CAPÃO

SANTO ANTÔNIO DO RETIRO/MG


2016
ELCY ANTUNES TEIXEIRA

EDILENE BARBOSA PEREIRA


A PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA NA ESCOLA NA VISÃO DOS
PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DO TURNO
VESPERTINO DA ESCOLA MUNICIPAL CAPÃO

Projeto de Pesquisa apresentado ao Curso Normal em


Nível Médio da Escola Estadual Prefeito Odílio Fernandes
Costa como requisito para obtenção de nota final do
segundo semestre da disciplina, de Pesquisa Educacional
sob orientação da docente Vaneide Gomes Soares.

SANTO ANTÔNIO DO RETIRO/MG


2016
“Família é o berço e a primeira escola do ser
humano, que nos consagra dentro de uma
sociedade mais justa.”
Suzi do Couto

 A Deus pоr tеr mе dado saúde е força pаrа superar аs dificuldades.


 A Deus pоr minha vida, família е amigos.
 Primeiramente а Deus qυе permitiu qυе tudo isso acontecesse, ао longo dе
minha vida, е nãо somente nestes anos como universitária, mаs que еm todos оs
momentos é o maior mestre qυе alguém pode conhecer.
Aos meus familiares que me deram forças para
que tudo pudesse ser concluído.
RESUMO

O presente Projeto apresenta como tema a participação da família na escola, sendo


que analisar este conteúdo é de suma importância para a idealização de uma
educação de qualidade, uma vez que a família é o suporte que faz que com que a
educação aconteça de forma efetiva. Questiona-se no presente projeto porque a
família não participa ativamente da construção da educação de seus filhos? Os
objetivos para o presente projeto são Objetivo geral, entender a importância da
participação da família na escola, e objetivos específico são: diagnosticar o que leva
a família a participar pouco do cotidiano escolar de seus filhos, qual é a relação entre
participação familiar e aprendizado do educando, o que a escola pode fazer para
buscar o auxílio dos pais na vida escolar do educando. O referencial teórico abordará
de forma ampla a importância de se discutir a participação da família na escola. O
projeto servirá de base para novos estudos relacionados ao tema.

Palavras-chave: Família. Escola. Educação. Discentes.


ABSTRACT
This design features the theme of family participation in school, and analyze this
content is of paramount importance to the idealization of a quality education, since the
family is the support that makes that education happens effectively. Wonders in this
project because the family did not actively participate in the construction of the
education of their children? The objectives for this project are General objective,
understand the importance of family involvement in school, and specific objectives are:
to diagnose which leads the family to attend some of the everyday school life of their
children, what is the relationship between family involvement and learning the student,
what school can do to seek the assistance of parents in the school life of the student.
The theoretical framework will address broadly the importance of discussing family
participation in school. The project will form the basis for further studies related to the
topic.

Keywords: Family. School. Education. Students.


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................... 09
1.1 JUSTIFICATIVA .................................................................................................. 11
1.2 PROBLEMATIZAÇÃO ........................................................................................ 12
1.3 HIPÓTESES ........................................................................................................ 12
1.3.1 Hipótese Básica ............................................................................................... 12
1.3.2 Hipótese Secundária ........................................................................................ 12
1.4 OBJETIVOS ........................................................................................................ 11
1.4.1 Objetivo Geral .................................................................................................. 11
1.4.2 Objetivos Específicos ....................................................................................... 11
2 REFERENCIAL TEÓRICO..................................................................................... 13
2.1 A importância da participação da família ............................................................. 13
2.2 Relação família/escola: Um laço necessário ....................................................... 13
3 METODOLOGIA .................................................................................................... 19
3.1 Análise de Dados ................................................................................................ 19
3.2 Cronograma ........................................................................................................ 23
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................... 24
5 REFERÊNCIAS ...................................................................................................... 25
6 ANEXOS ................................................................................................................ 26
9

1 - INTRODUÇÃO

O presente Projeto de Ensino denominado “a participação da família


na escola” busca discutir como a família pode auxiliar a escola no processo
educacional dos discentes.
A participação da família na vida escolar dos alunos, principalmente
nos anos iniciais, é de vital importância para que se possa obter êxito e uma melhor
atuação no processo de ensino aprendizado. Desta forma, é necessário que a família
sempre esteja trabalhando em conjunto com a escola, pois a escola sozinha, não
consegue cumprir a função de educar e ensinar. Os pais devem participar da vida
escolar de seus filhos, incentivar a leitura, ajudar nos deveres de casa, deixar um
tempo para estudo, conversar com seus filhos, esclarecer as dúvidas e procurar
sempre conhecer melhor os professores dos mesmos. O ápice do processo ensino-
aprendizagem se dá de vários aspectos, entre eles, da forma como é construído este
conhecimento e também de qual maneira os pais vão se envolver na educação dos
filhos. E assim o trabalho do professor, no processo educativo, possa ter bons
resultados.
Assim é necessária uma ação em conjunto com os pais, sempre
atentos no desenvolvimento do filho. O professor deve entender que nunca se deve
intervir nos assuntos da família do aluno, mas sim conhecer a realidade de onde o
aluno vem e através disto analisar o seu comportamento nas relações deste aluno
com a sociedade em que ele vive no seu cotidiano.
Pelo que foi dito sobre a importância dos pais e/ou responsáveis estar
acompanhando a vida escolar dos seus filhos este projeto pode ser de extrema
importância para os pais e educadores procurando mostrar para os pais e
responsáveis a necessidade de se fazer um trabalho cada vez mais eficiente,
visionando sempre a qualidade do processo ensino-aprendizagem.
Questiona-se no presente projeto, como fazer com que os pais
participem mais da vida escolar dos filhos?
Os objetivos para o presente projeto são: Objetivo Geral:
Compreender a importância da participação da família na escola. Objetivos
Específicos: diagnosticar o que leva a família a participar pouco do cotidiano escolar
de seus filhos, qual é a relação entre participação familiar e aprendizado do educando,
10

o que a escola pode fazer para buscar o auxílio dos pais na vida escolar do educando.
O referencial teórico abordará de forma ampla a importância da família
na escola.
11

1.1 - JUSTIFICATIVA

Sabe-se que a educação e algo primordial na vida de um ser humano


desde o seu nascimento e que em determinada época da vida e preciso introduzir este
ser humano no âmbito social escolar para que se dê continuidade na formação deste
novo ser, e com certeza o papel de família e muito importante nesta etapa inicial da
vida, por pensarmos assim escolhemos este tema para que possamos conscientizar
a família deste papel de participação essencial para que se haja sucesso, no ato de
se educar, procuraremos fazer entender neste projeto qual realmente é o papel da
família na escola e como deve ser feita esta parceria escola-família.
A escolha do tema se deu justamente pela importância de se discutir
um pouco mais sobre a importância da família na disciplina do educando e processo
de construção do conhecimento.
Esta pesquisa servirá de base para futuros trabalhos voltados para o
assunto.

1.2 - PROBLEMATIZAÇÃO
Como fazer com que os pais participem mais da vida escolar dos seus
filhos?

1.3 - HIPÓTESES
1.3.1 – HIPÓTESE BÁSICA
- A participação da família na escola é essencial para um processo educacional mais
sólido
1.3.2 – HIPÓTESE SECUNDÁRIA
- A família deve ser mais presente principalmente na disciplina do educando.

1.4 - OBJETIVOS
1.4.1 - Geral
 Compreender a importância da participação da família na escola.

1.4.2 - Específicos
 Diagnosticar o que leva a família a participar pouco do cotidiano escolar de
seus filhos,
12

 Analisar qual é a relação entre participação familiar e aprendizado do


educando,
 Pesquisar o que a escola pode fazer para buscar o auxílio dos pais na vida
escolar do educando.
13

2 – REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 – A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA

Nos dias em que vivemos, a negligencia da família, na escola é tão


grande que órgãos educacionais estão se preocupando em realizar palestras com
enfoque na família, a fim de trazê-la para a escola, pois estão sentindo que a falta dela
está contribuindo com o mau desempenho escolar dos alunos e aumentando, assim,
o fracasso escolar segundo Moreira, Andreia da Silva 2013. Mas também de acordo
com López (2009, p.20), “são os pais os principais responsáveis pela educação dos
seus filhos e tal responsabilidade não se pode passar para outrem”. Para o autor, na
educação, deve-se ter autoridade na hora de educar, devendo os pais ser firmes na
hora de exercerem sua autoridade, visto que os filhos, desde cedo, conhecem os
limites dos adultos e tentam manipulá-los para manter suas vontades; é preciso,
também, dizer não em alguns momentos, mas sem deixar de respeitar a
personalidade dos filhos. López (2009, p. 17) diz que é preciso incutir nas crianças
pequenas, ainda desprovidas de raciocínio lógico e de participação responsável no
estabelecimento de normas, hábitos de conduta, como vestir-se, dormir, comer, cuidar
da higiene, deslocar-se etc., com afeto, mas também com firmeza em sua aplicação.
Já para Rossini (2008), na hora de educar, é preciso impor limites às
crianças, dizendo não em alguns momentos, uma vez que, ao se dizer sempre sim, a
criança cresce pensando que pode fazer tudo e acaba se tornando pessoa que
encontra dificuldades de encarar a realidade e as frustrações, tornando-se, assim, no
futuro, uma pessoa com dificuldade de guiar sua própria vida. Ela diz ainda que a
criança está a todo o momento observando os pais, responsáveis, professores, enfim,
todo o adulto, então, é importante que, sabendo disso, os adultos, na hora de agir,
lembrem que eles são o espelho para as crianças.
E ainda se pensando ema educação familiar, Zagury (2003) diz sobre
a noção de valores e, segundo a autora, cada pai e mãe devem ir mostrando aos filhos
o que se pode ou não fazer numa sociedade, já que essa função é de responsabilidade
dos familiares e tal responsabilidade não se pode delegar aos outros. A escola é um
estabelecimento que muito irá contribuir com os familiares no sentido de educar, mas
nunca poderá substituí-los.
Segundo Cunha (2010), qualquer que seja a posição social dos pais,
14

eles não querem que a escola apenas ensine seus filhos, mas sim que eduque,
transmitindo valores morais, padrões de comportamento e princípios éticos.
Mas se deve repensar esta forma de se encarar o papel da escola na vida dos filhos
pois a função da escola é somente construir as paredes aonde já se há um alicerce
pronto que foi construído pela família da criança.
Conforme López (2009), a responsabilidade da família na educação
não pode desaparecer, porque a escola não fica todo o tempo com o aluno, então é
necessário que os familiares busquem um tempo diário para dar a devida atenção aos
seus filhos, sendo que as crianças têm a necessidade de contar o que realizam na
escola, as amizades que fazem e as inquietudes que têm. Desta forma a atenção dos
pais para com seus próprios filhos também é fundamental e indispensável, fazendo
com que os pais utilizem de suas indagações para ajuda-los a pensar com autonomia,
ouvindo sempre seus questionamentos, respeitando suas escolhas e fazendo com
que eles sejam responsáveis por elas, conforme entendimento de Sampaio (2011).
Neste contexto, esse estímulo ao pensamento não acontece em
algumas famílias, desestimulando, assim, que a criança questione, reflita e faça suas
escolhas, o que contribui negativamente na aprendizagem dela, seja na realização de
pesquisa, texto ou interpretação do mesmo e, também, mostrando insegurança nas
brincadeiras e atividades em grupos, evitando a socialização.
A autora Zagury (2003, p. 40), já tem o seguinte entendimento sobre
a importância em o ser humano se sentir amado, e protegido por seus semelhantes.
O ser humano, por natureza, tem o desejo de sentir – se amado, aprovado, e elogiado.
Portanto, temos de aproveitar esse aspecto em prol da boa formação de nossas
crianças. Quando o elogio vem da mamãe ou do papai então ... ai mesmo é que elas
dão o maior valor.
Moreira, Andreia da Silva 2013, também diz que não há somente
estes motivos mais dentre esses e outros motivos, a união das famílias, consanguínea
e constituída, e escola é de fundamental importância na aprendizagem, uma vez que
alguns alunos apresentam dificuldade e o professor, tendo muitos alunos em sala, não
consegue fazer com que todos fiquem no mesmo nível de aprendizagem. Já para
López (2009, p. 27), O contato entre a família e a escola é necessário em qualquer
idade, durante os primeiros anos ele terá de ser bem mais intenso para coordenar as
atividades educativas que permitam a rápida aquisição dos hábitos propostos. Serão
identificados possíveis ciúmes, atrasos de maturidade e dificuldades sensoriais (visão,
15

audição...) que muitas vezes a escola consegue detectar com maior clareza que a
família, o que pode exigir atuações imediatas para evitar seu agravamento.
López (2009) relata que as famílias precisam contribuir com a escola,
devendo mostrar-se interessadas pelos deveres de seus filhos, conversando com
professores para ter informação constante sobre o processo educativo concretizado
na instituição escolar, dando a cooperação solicitada para tornar mais eficaz a ação
escolar e, também, respeitar os conhecimentos e as habilidades que a instituição
proporciona. Ao planejar suas aulas, os professores “devem incluir e considerar a
participação dos pais nas atividades, uma vez que o aluno, ao sair da escola, é
responsabilidade dos pais auxiliar seus filhos nestes deveres para que a
aprendizagem se concretize”, como propôs Lopez (2009, p. 77).
Conforme Rossini (2008), independente da família que a criança tem,
seja ela nuclear ou monoparental, os responsáveis por ela, quase sempre desprovida
de amor, afeto e segurança, devem assumir sua responsabilidade de educar e
também contribuir com a escola, uma vez que, independente do estado civil dos pais,
os mesmos têm a obrigação de ser pai e mãe e ajudá-la em suas necessidades e ficar
atentos às fases que ocorrem na sua vida, como primeira infância, adolescência, entre
outras. Rossini (2008, p. 42) afirma: “é fundamental que nossos filhos possam contar
conosco, com nossa disponibilidade para conversar, mostrar os caminhos com
segurança, firmeza e equilíbrio”.

2.2 – RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA UM LAÇO NECESSÁRIO

Para López (2009), sabendo que o aluno fica na escola um longo


período, o professor deve ter responsabilidades imprescindíveis. As atividades
docentes precisam ser congregadas em quatro grandes categorias: as estritamente
didáticas, as de orientação, as vinculadas ao contexto social e as ligadas à formação
permanente.
No planejamento das atividades estritamente didáticas, o professor
deve atender às necessidades dos educandos e da instituição escolar, deve prender
a atenção dos estudantes, transmitir-lhes informações, avaliar o aprendizado
adquirido, estabelecer as atividades de aplicação pessoal e de grupo, entre outras. O
educador também adquire um compromisso social com sua profissão, já que, na
maioria das vezes, tem uma dedicação complementar ao horário tradicional de
16

trabalho, e suas implicações transcendem a atuação sobre os educandos da sala,


havendo implicações sociais. Na categoria de formação permanente, a educação,
como as demais carreiras, solicita uma atualização constante para que se possa
trabalhar seguindo os progressos científicos favoráveis ao ensino, tanto nos
conhecimentos que serão prestados como no que diz respeito às dimensões
psicopedagógicas que auxiliam a reconhecer os processos de ensino aprendizagem.
Sendo assim, o educador deve sempre estar se capacitando e
profissionalizando. Segundo Rossini (2008, p.44), a figura do professor é de extrema
importância na formação de crianças e dos jovens:
A família de hoje conta muito com a escola, ou seja, com seus
professores na formação das crianças e dos jovens. Ela precisa estar informada sobre
a linha de conduta que a escola tem para com seus filhos e, o que é fundamental,
concordar com esta linha: é preciso falar a mesma língua.
Sampaio (2011) diz que é indispensável que o docente seja alguém
capaz de não somente transmitir conhecimento, mas, também de construir com o
aluno conhecimento, transmitindo emoções e valores, para que este não permaneça
enrijecido com os sentimentos gerados pelas dificuldades que enfrenta e seja capaz
de descobrir que existem outras formas de passar pelos sentimentos.
A participação da família na escola contribui muito com a melhora do
rendimento escolar do aluno. Quando o aluno apresenta mau desempenho na escola,
buscam-se culpados e, tanto a família, quanto a escola, transferem uma para a outra
a culpa. Gentile (s.d.) enfatiza que: quando as notas são altas e tudo vai bem, ninguém
pensa em discutir a relação. Se o boletim e o comportamento deixam a desejar,
começa o jogo de empurra. Professores culpam a família “desestruturada”, que não
impõe limites nem se interessa pela educação. Os pais, por sua vez, acusam a escola
de negligente, quando não taxam o próprio filho de irresponsável. Nessa briga nada
saudável, a única vítima é o aluno.
Sampaio (2011, p. 27) “afirma que não é apenas o bom
desenvolvimento cognitivo que implica uma boa aprendizagem. Fatores de ordem
afetiva e social também influem de forma positiva ou negativa nesta aprendizagem”.
Portanto, é importantíssimo o afeto da família e dos docentes para
que a aprendizagem aconteça principalmente no momento dos deveres de casa, que
os professores passam e necessitam da ajuda dos pais para auxiliar seus filhos
nesses estudos fora da escola. Para López (2009), tem de ser vista, nos deveres de
17

casa, uma oportunidade de aplicação dos conhecimentos adquiridos na sala de aula


e, também, a possibilidade de adquirir aprendizados que, por diversos motivos, não
foram bem sucedidos na escola. Para o autor, os familiares têm, no momento dos
deveres de casa, uma chance de conversar com seus filhos e auxiliá-los, sem que
isso implique liberá-los do empenho de aprender por conta própria. Devem, também,
após a saída da criança da escola, reservar tempo entre deveres de casa, para brincar
e também para convivência familiar e com amigos. E, para a realização desses
deveres, é necessário que os pais encontrem um lugar em casa adequado. O autor
López (2009, p. 156) diz que a principal fonte da educação é a relação e o contato
cotidiano entre pais e filhos. entre essas atividades extracurriculares devem figurar
sempre, em primeiro plano, a relação, o contato cotidiano entre pais e filhos; essa é a
principal fonte de educação, que nunca será substituída por nenhuma outra atividade,
por mais moderna e sofisticada que seja.
Gentile (s.d.) também descreve a atuação da família nos estudos em
casa. Para a autora, “ninguém quer exigir que em casa sejam ensinados conteúdos
de matemáticas e ciências. Mas cabe aos pais verificar se a lição foi feita e elogiar
quando o menino ou a menina calcula certo o troco do sorveteiro”.
De acordo com Sampaio (2011), existem filhos que sentem o carinho
dos pais e a aprendizagem acontece de forma prazerosa, mas existem, também, filhos
que percebem que a única maneira de contar com carinho e atenção é quando não
aprendem. Há pais que não conseguem dar carinho a seus filhos, seja por terem tido
pais autoritários, por chegarem a casa cansados do trabalho ou por vários outros
motivos, e isso se reflete no rendimento escolar de seus filhos.
Para Sampaio (2011), não é de uma hora para outra que é criado o
vínculo afetivo familiar, mas este deve ser cultivado desde a primeira infância,
respondendo a seus intermináveis porquês e, com calma, às muitas contra-
argumentações, quando se proíbe a criança de fazer algo e se mostrando interessado
não só pelas notas do boletim escolar, mas pelo dia-a-dia escolar do filho. Os
familiares devem, portanto, se colocar à disposição para auxiliar o filho nas tarefas
escolares sempre que o mesmo necessitar, abertos ao diálogo, pois, para o autor,
“manter o diálogo aberto é imprescindível para uma boa relação familiar”. Com ele, os
pais conhecem a maneira de pensar dos filhos, como aprendem ou quando têm
dificuldade, o que gostam e o que não gostam. Sendo assim, essa cooperação entre
família e escola - contribuindo uma com a outra e fazendo cada uma a sua parte - leva
18

o sucesso no rendimento escolar dos alunos.


19

3 - METODOLOGIA DA PESQUISA

A metodologia utilizada nesta pesquisa foi à bibliográfica e pesquisa


de campo com 05 professores da Escola Municipal Capão, onde se coletou dados de
materiais já publicado, de livros e artigos da internet, quais foram lidos e selecionados
de acordo com o que mais chamou atenção, além de profunda análise junto ao
trabalho dos docentes para compreender a importância da participação dos pais na
educação dos filhos.
O tipo de pesquisa é qualitativo e quantitativo, porque teve a
preocupação na qualidade dos dados coletados, para assim, obter um melhor
conhecimento e consequentemente uma melhor compreensão do tema abordado,
para a elaboração do projeto.

3.1 - ANÁLISE DE DADOS

Observa-se com base no questionário dirigido a 05 docentes dos anos


iniciais da Escola Municipal Capão que a participação dos pais na escola é regular,
80% disseram, 20% disseram que é ruim.

01 – Como é a partipação dos pais na escola?


4.5

3.5

2.5

1.5

0.5

0
Ótima Boa Regular Ruim

Ótima Boa Regular Ruim

Observa-se que a Escola Municipal Capão assim como muitas outras


escolas sofre com a pouca participação dos pais no processo educacional dos filhos.
20

2 - O que a escola tem feito para atrair os


pais?
6

0
Reuniões de pais Eventos Feedback Convites formais

Observa-se neste segundo gráfico que a escola tem buscado


alternativas para atrair a atenção dos pais uma vez que 100% disseram que a escola
tem feito reuniões e pais e eventos, 60% disseram que há o feedback, ou seja estão
sempre comunicando aos pais as novidades de seus filhos, 60% ressaltaram ainda
que a escola manda convites formais para peculiaridades dos filhos.
Perguntou-se aos docentes se os pais dos filhos indisciplinados
aparecem quando são chamados, 80% disseram que ás vezes, 20% disseram que
sim.

3 - Os pais dos filhos indisciplinados aparecem


quando são chamados?
4.5
4
3.5
3
2.5
2
1.5
1
0.5
0
Sim Não Às vezes

Sim Não Ás vezes


21

Observa-se que por se tratar da educação infantil, os pais não relutam


aparecer quando são chamados, porém pelas respostas acima, só aparecem quando
são chamados.

4 - O que na sua opinião leva o pai/mãe a


participar pouco da vida escolar dos filhos?
3.5

2.5

1.5

0.5

0
Trabalho Pouca preocupação com os filhos Moram longe

Observa-se neste gráfico que as opiniões são bem divididas quanto


aos motivos levam os pais a participarem pouco da vida escolar dos discentes,
observa-se que 20% relatam o trabalho, 20% pouca preocupação com os filhos e 60%
moram longe, neste sentido enfatiza-se a questão da maioria dos pais da zona rural
não terem condições para acompanhar a vida escolar de seus filhos devido a
distância.
Questionou-se os docentes sobre a participação dos pais nas
reuniões, perguntando aos mesmos se a maioria dos pais que vem às reuniões, são
da zona rural ou da cidade, ao que 80% disseram da zona rural e 20% disseram da
cidade.
22

5 - A maioria dos pais que vem às reuniões, são da zona


rural ou da cidade?
4.5
4
3.5
3
2.5
2
1.5
1
0.5
0
Cidade Zona Rural

Cidade Zona Rural

Observa-se que a maioria dos pais que vem a reunião são da zona
rural, o que comprova a pergunta acima que a pouca participação dos pais se deve a
distância dos mesmos.
23

3.3 - CRONOGRAMA
ATIVIDADE Período
Abril Maio Junho
Revisão de literatura X
Montagem do projeto X
Coleta de dados X
Tratamento de dados X
Elaboração do relatório final X
Revisão do texto X
Entrega do trabalho X
24

4 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

Constatou-se com essa pesquisa que a distância é um dos fatores


preponderantes para a pouca participação dos pais junto aos alunos dos anos iniciais
da Escola Municipal Capão, observa-se junto aos professores que os mesmos
consideram importante que os pais compareçam para acompanhar a vida escolar de
seus filhos.
Os pesquisados afirmaram que tentam envolver a família nas ações
escolares convidando-as para reuniões, festas, feiras do conhecimento, mas, mesmo
assim a participação das mesmas é pequena. Compreendeu-se com essa pesquisa,
que a participação da família na escola é de fundamental importância para o sucesso
escolar do educando, assim, não pode se ausentar de sua responsabilidade de
educar. Participando e ajudando os filhos, a família contribui para uma boa
aprendizagem, consequentemente, com a melhora da qualidade da educação
brasileira.
25

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CUNHA, Marcos Vinicius. A escola contra a família. 4 ed. Belo Horizonte : Editora
Autêntica, 2010.

GABRIEL, Aparecida Pacheco Garcia. A importância da participação da família na


vida escolar dos alunos dos anos iniciais, segundo professores da Escola Nilo
Procópio Peçanha, do município de Alta Floresta MT. 2013. Disponível em
<http://faflor.com.br/revistas/refaf/index.php/refaf/article/view/119/html> Acesso em
03/07/2016.

GENTILE, Paola. Revista Escola. Disponível em:


<http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/diretor/parceiros-aprendizagem>.
Acessado em 03/07/2016..

LÓPEZ, I Sarramona. Educação na família e na escola: o que é, como se faz. 2.ed.


São Paulo: Editora Loyola, 2009.

ROSSINI, Maria Augusta Sanches. Pedagogia afetiva. 10.ed. Petrópolis, RJ: Editora
Vozes,2008.

SAMPAIO, Simaia. Dificuldades de Aprendizagem. 3. ed. A psicopedagogia na


relação sujeito, família e escola. Rio de Janeiro: Editora Wak, 2011.

TOBIAS, José Antonio. Como fazer sua pesquisa. 5. ed. São Paulo: Ave Maria,
2006.
TOBIAS, Jose Antonio. Manual de normas para apresentaçao de artigo cientifico.
Alta Floresta: Faculdade de Alta Floresta (FAF), 2012.

ZAGURY, Tânia. Limites sem trauma. Construindo cidadãos. 49.ed. Rio de Janeiro:
Editora Record, 2003.
26

6 – ANEXOS

QUESTIONÁRIO PARA OS PROFESSORES DA ESCOLA


MUNICIPAL CAPÃO
01 – Como é a participação dos pais na escola?
( ) Ótima ( ) Boa ( ) Regular ( ) Ruim

02 – O que a escola tem feito para atrair os pais?


( ) Reuniões ( ) Eventos ( ) Feedback (Mandar avisos sobre o filho na escola)
( ) Convites formais

03 – Os pais dos filhos indisciplinados aparecem quando são chamados?


( ) Sim ( ) Não ( ) Ás vezes

04- O que na sua opinião leva o pai/mãe a participar pouco da vida escolar dos filhos?
( ) Trabalho ( ) Pouca preocupação com os filhos ( ) Moram longe

05 – A maioria dos pais que vem às reuniões são da cidade ou zona rural?
( ) Cidade ( ) Zona rural