Você está na página 1de 2

POR QUE VOCÊS DEVERIAM CONHECER

A FILÓSOFIA HANNAH ARENDT


(Alimente o Cérebro) - https://www.youtube.com/watch?v=tok1yw6krX4&t=381s

Vou explicar para vocês o conceito de ação política, e é essencial para que possamos
entender o motivo dela ter sido uma defensora tão engajada da liberdade. Hannah Arendt se
debruçou sobre o totalitarismo no intuito de mostrar como surgia, quais eram as suas carências,
os motivos que levaram a surgir regimes totalitaristas no mundo, como aproveitavam-se da
natureza, da condição humana.

Hannah Arendt viu nesses regimes, de Hitler e Stalin, uma vontade de criar um novo tipo
de ser humano, que não tem vontade própria, que está a todo momento servindo ao Todo com
t maiúsculo, um ser humano que é apenas uma parte do mecanismo geral, ou seja, um
coletivismo extremo. Mas se engana quem pensa que para combater esse coletivismo extremo,
Hannah Arendt possa ter defendido o individualismo. Pelo contrário, Arendt também criticava
o individualismo.

Vou mostrar para vocês como Arendt dividia o conceito de vida ativa. São três os
conceitos:

 ATIVIDADE TRABALHADORA – É basicamente aquilo que fazemos para nos mantermos


vivos, para sobreviver. Estamos falando aqui de procriação, alimentação, algo que é
comum a todos os seres humanos e basicamente todos os seres vivos que existem no
planeta.
 OPERAR – Ao contrário da atividade trabalhadora, onde estamos preocupados com a
nossa sobrevivência, no operar nós já estaremos manipulando o mundo. Estaremos
criando um mundo artificial, completamente distinto do mundo natural. Um exemplo
da atividade do OPERAR é o marceneiro que cria uma mesa, uma cadeira, ou seja,
atividade comum em que trabalhamos para poder comprar uma TV, carro, ou seja, está
envolvido todas essas partes de envolvimento físico, material; com a transformação do
mundo natural ao mundo artificial.
 AÇÃO – Esta é no conceito de Arendt uma atividade puramente libertadora. A forma
mais simples e básica para definir a ação trata-se da capacidade que temos de colocar
as coisas em movimento, é a capacidade humana que temos de pensamento, de forma
a externar tudo aquilo que pensamos para os outros, é onde podemos ser criativos,
imaginativos e onde nós exercemos o nosso livre arbítrio. Mas a ação não pode existir
apenas na nossa mente, a ação ganha vida quando vai para o espaço de visibilidade
pública, é quando externamos o nosso pensamento ao mundo, quando expomos as
nossas ideias para as outras pessoas, quando através da fala colocamos para os demais
aquilo que acredito ou que outras pessoas acreditam. A definição de AÇÂO para Hannah
Arendt é essencial, pois é a nossa manifestação, é o espaço da visibilidade na
multiplicidade. Ela chega a fazer uma comparação com a língua dos Romanos, pois viver
é estar entre os outros, e morrer era o sinônimo de deixar de estar entre os outros.
Percebem que dentre estas três atividades a única que realmente define o nosso livre
arbítrio é a AÇÃO, ou seja, esta nossa capacidade criativa, imaginativa, libertadora de
pensamento, de colocar as coisas em movimento. E é exatamente a ação política que é
cortada nos regimes totalitários, é esse espaço público que é cortado, diminuído.

Pense, por exemplo, numa pessoa que vive uma vida irrefletida em que nasce, cresce,
vai ao Shopping e compra, se reproduz e morre. É uma pessoa que viveu? Bom! É uma
pessoa que exerceu a sua atividade trabalhadora, sobreviveu, manipulou o mundo físico,
operou, mas ela não exerceu nenhuma AÇÂO. Vocês percebem como essa pessoa existindo
ou não existindo, para a humanidade não fez muita diferença? Pois é isso que o regime
totalitário busca, fazer com que as pessoas sejam peças substituíveis.

Se você quer existir:

 Pense
 Externe o seu pensamento para a coletividade

Existe uma metáfora que nos ajuda a compreender esse conceito de Hannah Arendt.
Sabe aqueles espaços públicos da Grécia Antiga onde as pessoas iam e falavam o que elas
pensavam, votavam na sua democracia direta? Então, imagina que o mundo é isso, primeiro
você pensa lá consigo mesmo e depois expõe para todos aquilo que você está pensando.
Quando você faz isso, passa a existir. A sua existência está relacionada com a aparição no espaço
público.

Só estamos aqui falando de Hannah Arendt pelo fato de que se preservou a sua
memória, estamos falando de suas ideias, criativas, da sua AÇÂO POLÍTICA. Caso contrário quem
se lembraria dela? Apenas os seus familiares próximos. E vamos ser sinceros? As vezes um
familiar antigo é apenas um nome na árvore genealógica, e muitas vezes nem temos sequer esse
nome.