Você está na página 1de 48

Índice

I
MENSAGEM DO CONSELHO EXECUTIVO pág . 03

II
CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE E APRESENTAÇÃO DO SISTEMA pág . 11

III
ACTIVIDADE DESENVOLVIDA pág . 17

3.1 Recolha e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos pág . 18

3.2 Recolha Selectiva Multimaterial pág . 24



3.3 Resíduos Industriais Banais pág . 32

3.4 Monitorização do Centro de Tratamento de Resíduos pág . 38

3.5 Central de Valorização Orgânica pág . 39

3.6 Educação Ambiental pág . 44

3.7 Abastecimento de Água aos Municípios de Carregal do Sal, Mortágua, pág . 53


Santa Comba Dão, Tábua e Tondela

IV
DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS pág . 67

4.1 Balanço pág . 68



4.2 Demonstrações de Resultados pág . 73

4.3 Controlo Orçamental da Despesa e da Receita pág . 75



4.4 Fluxos de Caixa pág . 77

4.5 Análise da Dívida Directa da AMRPB pág . 81

4.6 Notas ao balanço e à demonstração de resultados pág . 82

V
CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS pág . 87
I
Mensagem do
Conselho Executivo
Mensagem do Conselho Executivo Desempenho do SGRU da AMRPB no Exercício 2017 na ótica do PERSU 2020
O Sistema Intermunicipal de Gestão de Resíduos do Planalto Beirão, gerido pela Associação O Sistema de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos (SGRU) da AMRPB concluiu o exercício de 2017
de Municípios da Região do Planalto Beirão (AMRPB), entidade responsável pela recolha de com uma variação homóloga na recolha seletiva de recicláveis trifluxo (papel/cartão, plástico/
resíduos sólidos urbanos (RSU) dos municípios associados, consubstancia-se num modelo de metal/ECAL e vidro) mais de quatro vezes superior ao crescimento da produção total de resíduos
gestão direta, nos termos do artigo 14.º do Decreto-Lei 194/2009, de 20 de agosto, na versão sólidos urbanos (RU) entrados no sistema no mesmo ano. A circunstância traduz, pese embora o
em vigor, constituindo os seus titulares os 19 municípios integrantes da Associação. aumento da quantidade de resíduos sólidos urbanos produzidos, um aumento da separação na
A Ecobeirão EIM, SA – Sociedade de Tratamento de Resíduos Sólidos do Planalto Beirão, fonte para reciclagem e um desvio dos recicláveis de aterro, representando um alinhamento do
constitui a entidade gestora responsável pela recolha seletiva, tratamento e destino final dos Sistema com a estratégia nacional e europeia na área da gestão de resíduos sólidos urbanos e
RSU produzidos na área de intervenção da AMRPB, por delegação atribuída pela Associação de com a transição para o paradigma de uma economia tendencialmente circular.
Municípios, enquanto titular do sistema intermunicipal de gestão de RSU do Planalto Beirão, nos
termos previstos no artigo 17.º do Decreto-Lei 194/2009, de 20 de agosto, na versão em vigor. Para além da sinalização positiva patente na evolução da recolha seletiva trifluxo, a capitação
da produção de RU do SGRU da AMRPB em 2017 (386 kg/hab.) regista um valor quase 20%
Na qualidade de entidade titular do sistema intermunicipal de gestão de RSU do Planalto Beirão,
cabe à AMRPB a prestação de contas no período a que este relatório reporta, ou seja 2017, assim inferior à capitação registada em Portugal continental (em 2016 ), o mesmo sucedendo na
como a exposição da estratégia desenvolvida pelo Conselho Executivo, em prol do Centro de comparação com a capitação da produção total de RU registada no conjunto de 28 países na UE
Tratamento de RSU do Planalto Beirão (CTRSU), que representa, antes de mais, a agregação de (482 kg/hab. ). Esta circunstância espelha um importante contributo do SGRU da AMPRB para
vários projetos que visam a moderna e correta gestão dos RSU produzidos na Região. a prevenção da produção de resíduos sólidos urbanos que, a par da promoção da reutilização
e do incremento da reciclagem, preconizam as preocupações cimeiras da estratégia da gestão
O conjunto de dados apresentados caracteriza a produção e as operações de gestão de RSU
de resíduos e sustentam, no setor dos resíduos, a estratégia de transição para o modelo da
registadas e desenvolvidas no CTRSU do Planalto Beirão em 2017, tendo os dados relativos à
produção de RSU sido comunicados à APA, I.P. no quadro das obrigações de reporte de informação Economia Circular.
preconizadas no Regime Geral da Gestão de Resíduos. Com efeito, o SGRU da AMRPB retomou em 2017 o alinhamento com a estratégia de incremento
Face ao ano transato, 2017 foi um ano particularmente difícil, em grande parte porque os da valorização de resíduos vertida no seu PAPERSU para o período 2015-2020, alinhamento para
equipamentos e infraestruturas do CTRSU foram severamente afetados pelo incêndio do dia 15 o qual contribuiu também, para além do desempenho da recolha seletiva, o restabelecimento
de outubro, obrigando à redefinição da estratégia e do modelo técnico operado pela AMRPB, das condições de operação das instalações de Tratamento Mecânico e Biológico da Central de
que tiveram de ser redirecionados para a implementação das medidas necessárias a garantir a Valorização Orgânica do Centro de Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos (CTRSU) de Tondela.
continuidade do serviço público de gestão de resíduos, passando para segundo plano os esforços Assim, conquanto o exercício de 2017 não tenha permitido atingir as metas intercalares definidas
e os calendários, até então prosseguidos, com vista à requalificação e modernização do Sistema para o SGRU da AMRPB através do PERSU 2020, num quadro comum à generalidade dos SGRU
Intermunicipal de Gestão de Resíduos.
em Portugal que já despoletou a revisão do PERSU 2020, a variação homóloga traduz uma
Este revés exigiu a tomada de decisões célebres e eficazes e um empenho e esforço acrescidos evolução promissora que reforça a necessidade de aprofundamento da estratégia de gestão
face à complexidade e dimensão das intervenções necessárias à recuperação imediata dos operada, designadamente a intensificação dos investimentos substantivos em curso no domínio
equipamentos e infraestruturas afetados, que se reconhecem a todos aqueles que fazem parte e da recolha seletiva trifluxo com o apoio do Fundo de Coesão da União Europeia.
colaboraram para o conseguimento deste objetivo.
A meta de preparação para reutilização e reciclagem triplicou o desempenho registado em 2016,
Assim, a todos os colaboradores, associados, empresas e instituições que connosco trabalharam,
e que nos acompanham nesta missão de garantir a continuidade do serviço público de gestão de tendo registado um desvio de 12 pontos percentuais face à meta intercalar; a diminuição da
RSU o nosso muito obrigado. deposição de resíduos biodegradáveis em aterro registou uma melhoria superior a 4%, tendo
registado um desvio expressivo face à meta intercalar, decorrente das dificuldades registadas
Mário A. Loureiro José António Jesus Leonel A. Gouveia José Júlio Norte Rogério M. Abrantes
ao nível da qualidade do composto produzido na CVO bem como da quantidade de rejeitados
provenientes das operações de tratamento mecânico desenvolvidas nas instalações de TMB;
por fim, a capitação da recolha com origem em recolha seletiva atingiu um valor de 23 kg/
hab, equivalente a uma variação homóloga de 10%, assinalando-se um desvio de apenas 4%
relativamente à meta intercalar.


Pres. Município de Tábua Pres. Município de Tondela
Pres. Município de S. Comba Dão
Pres. Município de Mortágua Pres. Município de Carregal do Sal

» »

pág. 6 pág. 7
Em suma, malgrado as consequências dos incêndios de 15 de outubro de 2017 nas instalações OPERAÇÃO POSEUR-03-1911-FC-000075: Incremento da qualidade e da quantidade da
e operações de tratamento de resíduos desenvolvidas no CTRSU de Tondela, estendidas ao reciclagem multimaterial de papel/cartão, pástico/metal/ECAL e vidro”.
transporte e à própria rede de contentorização, o desempenho do SGRU em 2017 incentiva o
desenvolvimento da estratégia de gestão em curso e reforça a importância da intensificação
do esforço de investimento em curso na modernização e requalificação das infraestruturas e
equipamentos do SGRU, com especial enfoque no sistema de recuperação multimaterial no
quadro da operação POSEUR-03-1911-FC-000075, com um investimento global de 19,5 MEUR
apoiado pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR)
dos Fundos Europeus Estruturais de Investimento (FEEI) do Portugal 2020 num montante global
de 18,8 MEUR, do Fundo de Coesão da União Europeia.

A operação POSEUR-03-1911-FC-000075 corresponde, no presente, ao investimento mais


significativo em execução do PO SEUR em Portugal continental. Trata-se de uma operação
integralmente verticalmente integrada cuja requalificação e modernização intervenciona
todos os domínios da cadeia de valor de recicláveis de papel/cartão, plástico/metal/ECAL e
vidro produzidos nos 19 Municípios do SGRU da AMRPB: sensibilização & educação ambiental,
deposição, recolha, transporte, armazenamento e triagem. Os indicadores de realização e de
resultado contratualizados na operação alinham o SGRU da AMRPB com o cumprimento dos
objetivos definidos ao nível do PERSU 2020, com especial preponderância na preparação para
reutilização e reciclagem e na retoma com origem em recolha seletiva, a última das quais
se perspetiva que venha a registar um valor de 29 kg/hab. em 2020 – o equivalente a um
incremento de 2.820 toneladas face a 2014 (i.e., +39%).
A União Europeia depende, atualmente, da importação de cerca de metade dos recursos que
consome. Estima-se que em 2030 a população mundial atinga 8,5 mil milhões de pessoas e que,
em 2050, cada habitante irá usar em média mais 70% de materiais do que os necessários em
2005. Por estas e outras razões, a EU, Portugal e o concerto global das nações estão confrontados
com desafios ao nível do equilíbrio delicado entre a renovação dos recursos que sustentam o bem-
estar e a viabilidade dos ecossistemas que os proporcionam e nos quais nos integramos como
protagonistas de algumas causas e de muitas consequências. Nesse sentido a permanência de
materiais e energia em cadeias de valor circulares sustentadas em dinâmicas de ciclo renovável
preconizam a essência da Economia Circular e da resposta da EU a este desafio.
A operação POSEUR-03-1911-FC-000075 corresponde a um passo pequeno mas fundamental
na transição para esse novo paradigma. A par do desenho de novos produtos mais sustentáveis
e do consumo responsável, a gestão de resíduos configura um pilar deste novo modelo de
desenvolvimento económico desligado da exploração e desperdício de recursos numa lógica
linear de produção – eliminação. O contributo da operação fortalecerá o Sistema Integrado de
Gestão de Embalagens nacional, com provadas dadas na prevenção de externalidades ambientais
negativas e na promoção de externalidades económicas benéficas, disponibilizando à economia
da criação de valor económico baseada na reutilização e na recuperação de materiais para
matérias-primas secundárias, novos produtos, novos mercados e novos empregos cujo potencial
virtuoso seria, sem a intervenção da operação, desperdiçado em aterro. A operação POSEUR-03-
1911-FC-000075 preconiza, pois, o contributo de mais de 300 mil portugueses de 19 Municípios
da região Centro para o desafio global das gerações presentes e futuras.

» »

pág. 8 pág. 9
A presente operação aprovada em 17-10-2016, permitiu a abertura de uma série de procedimentos Situação decorrente dos incêndios de 15 de Outubro
legais com vista à implementação da estratégia definida pela AMRPB para atingir os objetivos a
que se propôs no seu PAPERSU, bem como alcançar o compromisso que assumiu no Termo de O dia 15 de Outubro de 2017 ficará para sempre marcado na memória da maioria dos habitantes
Aceitação da operação. da região do Planalto Beirão. A quase totalidade dos municípios que constituem a AMRPB sofreu
direta ou indiretamente as consequências dos incêndios devastadores que assolaram a região
centro do país.
No final do ano de 2017, 100% das ações candidatadas estavam adjudicadas ou em fase pré-
Esta tragédia sem precedentes causou danos materiais avultados, afetando não só área florestada,
contratual, conforme a tabela seguinte:
mas também habitações e empresas. Ao nível das instalações da AMRPB, foram várias as
unidades afectadas, causando danos materiais avultados e constrangimentos operacionais muito
  Estado de Contratação
significativos, contabilizando-se inúmeros prejuízos.
PROCEDIMENTO Avaliação Adjudicação Execução
As áreas mais afetadas foram o complexo de centrais de triagem, com a destruição total do
Assessoria na elaboração da ACB e EVF     x
edifício de processamento de papel e cartão e parcial da linha de embalagens, que inviabilizou o
Plano de comunicação     x processamento dos resíduos provenientes da recolha selectiva e do tratamento mecânico.
Aquisição 1545 ecopontos de superfície     x
Ao nível do aterro sanitário registaram-se danos consideráveis, sobretudo nas telas de cobertura
Aquisição 188 ecopontos enterrados + sistema PAYT   x  
e da rede de drenagem de biogás. Por último, a Estação de Tratamento de Águas Lixiviadas
Aquisição 77 ecopontos semi-enterrados + sistema PAYT x    
(ETAL) foi também afetada, sofrendo danos que comprometeram o seu pleno funcionamento.
Aquisição de 3 viaturas ligeiras para recolha de resíduos 3F no comércio   x  
Face a estas situações dramáticas e totalmente inesperadas, foi necessário procurar soluções de
Aquisição de 14 viaturas para a recolha seletiva x    
recurso que permitissem ao CTRSU do Planalto Beirão retomar o seu normal funcionamento. É de
Aquisição de 3 grupos motopropulsores e 6 semi reboques para transporte coordenado de resíduos x    
salientar que, 3 dias depois do incêndio, a recolha de RSU retomou o seu normal funcionamento,
Aquisição de máquina telescópica para movimentação de carga de resíduos   x  
dando assim resposta às necessidades acrescidas da população afetada.
Construção de dois cais de transferência de recicláveis papel/cartão e plástico - ET de Vouzela   x  
Ao nível da triagem e retoma de resíduos de embalagens, foi estabelecido um acordo
Ampliação e otimização da Central de Triagem   x  
de colaboração com a Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), de modo a
Aquisição de sistema de gestão de frota x    
encaminhar as embalagens recolhidas selectivamente, para triagem nas unidades deste sistema.
Plano de sensibilização x    
Quanto ao tratamento do lixiviado, foi necessário proceder ao aluguer de um sistema móvel de
tratamento por Osmose Inversa que se manterá até à conclusão da obra de beneficiação da ETAL.
Os investimentos elencados visam acima de tudo alcançar as metas nominais vinculativas,
fixadas ao Sistema de Gestão de Resíduos Urbanos (SGRU) pelo PERSU 2020, que visam três
principais objetivos: a preparação para reutilização e reciclagem, a deposição de resíduos urbanos
biodegradáveis em aterro e a retoma de recolha seletiva.

Em dezembro de 2017 a execução física da operação cingiu-se na instalação de 80 ecopontos de


superfície, (dos 1.545 previstos) nos 19 Municípios do Planalto Beirão.

» »

pág. 10 pág. 11
II
Caracterização da Entidade e
Apresentação do Sistema
2.1. Caracterização da Entidade 5

1 A Mesa da Assembleia Intermunicipal tem a seguinte composição:

A Associação de Municípios adopta a denominação de Associação de Municípios da Região do Presidente da Câmara Municipal de Sátão | Presidente
Planalto Beirão, com o número de contribuinte 502788283.
Presidente da Câmara Municipal de Nelas | Vice-Presidente
Tem a sua sede no Centro de Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos do Planalto Beirão, em
Presidente da Câmara Municipal de São Pedro do Sul | Secretário
Vale da Margunda – Borralhal, 3465-013 Barreiro de Besteiros, concelho de Tondela.

As associações de municípios beneficiam das isenções fiscais previstas na lei para as autarquias 6
locais.
O órgão executivo da Associação/Conselho Executivo tem a seguinte composição:
A Associação está vinculada ao regime de contabilidade estabelecido para municípios (POCAL –
Presidente da Câmara Municipal de Tábua | Presidente
Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais).
Presidente da Câmara Municipal de Carregal do Sal | Vogal
A Associação está igualmente vinculada à demais legislação existente para as Autarquias Locais.
Presidente da Câmara Municipal de Mortágua | Vogal
A Associação é uma entidade de Direito Público.
Presidente da Câmara Municipal de Santa Comba Dão | Vogal
2 Presidente da Câmara Municipal de Tondela | Vogal
A Associação de Municípios foi constituída por escritura datada de 20 de Março de 1991, publicada
na III série do Diário da República nº 131 de 8 de Junho de 1991. 7

As contas são auditadas pela empresa Martins Pereira, João Careca & Associados – Sociedade de
3 Revisores Oficiais de Contas.
A Associação de Municípios tem por objetivo imediato a transformação industrial e comercial
de resíduos sólidos urbanos (e eventualmente a recolha de lixos da via pública), e o sector do
saneamento básico (águas e esgotos).

A Associação de Municípios dispõe dos seguintes órgãos: Assembleia Intermunicipal e Conselho


Executivo.

A Assembleia Intermunicipal é o órgão deliberativo da Associação e é constituída pelos presidentes


dos municípios associados, ou seus substitutos e por um vereador designado de cada uma das
respetivas câmaras municipais.

O Conselho Executivo é o órgão executivo da Associação e é composto por cinco membros


efectivos representantes dos municípios associados, eleitos pela Assembleia Intermunicipal de
entre os respectivos membros.

» »

pág. 14 pág. 15
2.2. Apresentação do Sistema Os resíduos indiferenciados quando chegam ao CTRSU são normalmente encaminhados para o
Tratamento Mecânico e Biológico (TMB), onde se procede à separação mecânica das embalagens
A Associação de Municípios da Região do
de plástico/metal e resíduos orgânicos, para que estes possam ser valorizados. Os restantes
Planalto Beirão criou um sistema integrado de
resíduos são eliminados em aterro sanitário. A deposição destes resíduos em aterro é realizada de
gestão de RSU, com o objectivo de recolher,
forma controlada, existindo uma unidade de tratamento (ETAL) dos efluentes líquidos produzidos
tratar e valorizar, os resíduos produzidos nos 19
(lixiviados). No aterro existem ainda captações do biogás produzido, que é posteriormente
Municípios que actualmente constituem esta
encaminhado para a central de valorização energética (CVE).
associação.
Ao nível da recolha selectiva de resíduos valorizáveis o sistema dispõe de mais de 1600 ecopontos
O centro de tratamento de RSU (CTRSU),
e ainda de um ecocentro em cada município. Os resíduos provenientes desta recolha são depois
localizado no Município de Tondela, é a
processados nas unidades de triagem e encaminhados para reciclagem através de entidades
estrutura central do sistema. Aqui são recebidos
gestoras, ao abrigo do Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Embalagens (SIGRE).
os resíduos recolhidos e é definido o seu destino
e tipo de tratamento consoante a sua tipologia.

O CTRSU dispõe de um aterro sanitário, uma


unidade de tratamento mecânico e biológico
(TMB) e uma unidade de triagem de resíduos
valorizáveis.

12

1 PORTARIA
2 SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS
11 3 AUDITÓRIO
4 BÁSCULA DE PESAGEM
5 OFICINAS/ARMAZÉM
10 6 PISTA DE LAVAGEM
9
8 7 TRATAMENTO MECÂNICO E BIOLÓGICO
2 8 TRIAGEM DE EMBALAGENS

7
9 TRIAGEM DE PAPEL E CARTÃO
10 ETAR DA PISTA DE LAVAGEM
6 4 3 2
5 11 ATERRO SANITÁRIO
1 12 ETAL

» »

pág. 16 pág. 17
III
Actividade
desenvolvida
3.1. Recolha e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos 3.1.1. Resíduos sólidos urbanos indiferenciados
Durante o ano de 2017 foram recolhidas nos 19 municípios associados e tratadas no CTRSU do
Planalto Beirão 129.989 toneladas de RSU. Comparativamente com o ano de 2016, 2017 registou um substancial aumento ao nível da
produção de RSU.
Acresce ainda a admissão no CTRSU de 9.034 toneladas de resíduos industriais não perigosos.
. Resíduos indiferenciados 118.521 toneladas Mapa geral de recolha e tratamento de resíduos sólidos urbanos indiferenciados (toneladas):

. Resíduos valorizáveis 11.468 toneladas MUNICÍPIO 2014 2015 2016 2017


. Resíduos industriais banais 9.034 toneladas Aguiar da Beira 1.922,900 1.910,920 1.951,620 1.950,200
Carregal do Sal 3.422,600 3.427,400 3.455,160 3.501,220
Castro Daire 4.106,620 4.065,260 4.170,760 4.220,760
Gouveia 4.768,680 4.580,360 4.574,400 4.535,900
Mangualde 6.521,180 6.422,760 6.531,580 6.633,140
Mortágua 3.077,180 3.071,260 3.098,920 3.091,340
Nelas 5.258,160 5.315,840 5.550,940 5.529,260
Oliveira de Frades 3.038,580 3.079,620 3.067,820 3.122,940
Oliveira do Hospital 6.672,240 6.711,560 6.579,920 6.830,700
Penalva do Castelo 2.438,280 2.412,140 2.409,540 2.381,980
Santa Comba Dão 4.067,900 4.049,540 4.048,920 4.070,920
São Pedro do Sul 5.266,840 5.171,720 5.240,820 5.362,060
Sátão 3.753,300 3.713,180 3.781,600 3.867,840
Seia 7.675,640 7.668,080 7.451,100 7.811,400
Tábua 3.945,500 3.984,620 3.990,130 4.075,620
Tondela 9.583,280 9.869,640 9.751,680 9.869,560
Vila Nova de Paiva 1.577,860 1.533,880 1.602,140 1.682,300
Viseu 36.763,060 37.268,100 37.133,900 36.883,020
Vouzela 2.955,600 2.927,580 2.991,820 3.100,840
Total 116.815,400 117.183,460 117.382,770 118.521,000

» »

pág. 20 pág. 21
3.1.2. Fornecimento de contentores de RSU
No âmbito do actual contrato de prestação de serviços de recolha e transporte a destino final de
RSU, foram fornecidos 1.482 novos contentores. Estes equipamentos destinaram-se a substituição
de contentores danificados e também a novos pontos de deposição. Em Dezembro de 2017 o
parque de contentores totalizava 21.286 unidades.

FORNECIMENTO DE CONTENTORES
Município
240 l 360 l 800 l 1000 l 1100 l Total
Carregal do Sal 0 3 65 0 0 68
Castro Daire 8 8 55 1 0 72
Gouveia 0 0 14 0 0 14
Mangualde 0 1 56 0 0 57
Mortágua 0 9 54 0 0 63
Nelas 0 7 126 1 0 134
Oliveira do Hospital 0 37 210 0 0 247
Penalva do Castelo 0 4 12 0 0 16
Santa Comba Dão 0 6 88 3 0 97
São Pedro do Sul 0 13 59 0 0 72
Sátão 0 4 23 0 0 27
Seia 2 14 40 0 0 56
Tábua 0 7 67 0 0 74
Tondela 0 10 149 7 0 166
Vila Nova de Paiva 0 1 18 0 0 19
Viseu 0 0 7 60 132 199
Vouzela 0 10 91 0 0 101
Total 10 134 1134 72 132 1482

PARQUE DE CONTENTORES
Município
240 l 360 l 800 l 1000 l 1100 l 3000 l 5000 l Total
Carregal do Sal 3 155 829 0 0 0   987
Castro Daire 22 191 1173 7 0 0   1393
Gouveia 1   430         431
Mangualde 3 54 1210 2 0 0   1269
Mortágua 0 122 931 0 0 0   1053
Nelas 2 61 900 1 0 0   964
Oliveira do Hospital 4 454 1036     16   1510
Penalva do Castelo 0 29 741 1 0 0   771
Santa Comba Dão 0 85 922 3 0 2 0 1012
São Pedro do Sul 23 232 1268 12 0 10   1545
Sátão 9 171 838 2 0 0   1020
Seia 18 97 1215 0 7     1337
Tábua 0 170 1008 11 0 0   1189
Tondela 10 129 1925 7 3 9   2083
» » Vila Nova de Paiva 2 50 506 0 0 0   558
Viseu PB e moloks 0 2 140 823 2086 1 239 3291
Vouzela 2 75 791 0 0 5   873
Total 99 2077 15863 869 2096 43 239 21286

pág. 22 pág. 23
3.1.3. Lavagem de Contentores de RSU 3.1.4. Recolha de Monstros
No âmbito do contrato de prestação de serviços de recolha e transporte a destino final de
A lavagem de contentores é uma das actividades previstas no âmbito do contrato e realizada
RSU, foi possível alargar a prestação de serviços ao munícipe, permitindo para além da normal
em todos os circuitos incluídos na prestação de serviços.
recolha de RSU, a recolha de monstros (móveis, colchões, entre outros) através de circuitos
pré agendados de recolha deste tipo de resíduo e o seu transporte a destino adequado,
minimizando a sua deposição em locais inapropriados. Para este efeito foi também criado
um número verde 800 209 316, que permite o contacto gratuito por parte dos cidadãos e a
posterior definição dos circuitos de recolha.

» »

pág. 24 pág. 25
3.2. Recolha Selectiva Multimaterial

A AMRPB mantém como suas linhas orientadoras, as metas estabelecidas no âmbito da Diretiva
Aterros e da Diretiva Embalagens, transpostas para a legislação nacional, bem como no vigente
PERSU 2020.
A recolha seletiva de resíduos valorizáveis do Planalto Beirão visa o desenvolvimento de um
conjunto de operações, executadas a partir de diretivas e procedimentos técnicos. O decorrer
da atividade assenta particularmente no crescimento da retoma de resíduos recicláveis,
alcançável através do crescimento da recolha seletiva de resíduos urbanos e pela pesquisa de
novos métodos sustentáveis de gestão de resíduos.
É na tentativa de suplantar os desafios existentes, no desenvolvimento da sua atividade de
gestão de resíduos valorizáveis, que a AMRPB assume uma posição coerente na sustentabilidade
económico-financeira e ambiental da sua ação através da Ecobeirão, EIM, SA..
A troca de conhecimentos e experiências com SGRU homólogos no seio da ESGRA assim como
operadores de reciclagem das diversas fileiras é estimulada, através da realização de visitas a
unidades congéneres. A proteção dos interesses económicos da instituição, bem como todos os
assuntos de cariz legal, ambiental e normativo foram assegurados e articulados, sempre que
previsto ou necessário, com a Administração da AMRPB/Ecobeirão.
O trabalho coletivo levado a cabo na Região do Planalto Beirão, pelos agentes envolvidos e
acima de tudo, pelos 19 municípios associados, tem sido constante ao longo dos últimos anos,
demonstrando uma resposta positiva, não só aos investimentos executados pela Associação de
Municípios da Região do Planalto Beirão, como ao atual modelo de tratamento e valorização
de resíduos.
Quanto ao futuro, os desígnios delineados continuam a passar de uma maneira geral pelo
crescimento gradual da retoma de resíduos de embalagem e não embalagem, de forma a
seguir a evolução que a Região do Planalto Beirão permitir, através da adesão das populações
a este sistema, que serve cerca de 340.000 habitantes.
A retoma de material por fileira/habitante/ano 2017 necessária à concretização das metas de
reciclagem dos resíduos de embalagem faz parte da Diretiva n.º94/62/CE, de 20 de Dezembro.
Para o período entre 2015 e 2017, os principais objetivos a alcançar pelos Sistemas de Gestão
de Resíduos (SGRU) nacionais, estão expressos no Despacho n.º7111/2015.
No caso específico da Região do Planalto Beirão, essas metas ficaram comprometidas devidos
ao incêndio de 15 de outubro, que atingiu particularmente as centrais de triagem, inviabilizado
a retoma de resíduos de embalagens prevista para o 4º trimestre de 2017.

» »

pág. 26 pág. 27
Recolha Selectiva / Ecopontos 2017 Recolha Seletiva / Ecocentros 2017

Vidro Papel/Cartão Embalagens Total


REEE PLÁSTICOS VERDES
Município 150107 150101 150106 kg ENTULHOS eq. REEE PAPEL E PLÁSTICOS MISTOS residuos Emb. MADEIRAS E
Município VIDRO METAIS REEE (REEE) TOTAIS
RCD Arref monitores TV CARTÃO mist plásticos plásticos não biode- Madeira COLCHÕES
A. Beira 44 828 13 892 7 971 66 692 Refreg embalagem gradáveis

C. Sal 91 523 40 976 33 927 166 425


LER 150107 200140 170904 20 01 23 20 01 35 200136 150101 150106 200139 200201 150103 200307 Kg
C. Daire 82 542 32 408 28 855 143 805
Gouveia 99 803 59 700 38 636 198 139 A. BEIRA 7 120 5 980 41 680 0 0 3 830 14 380 2 900 1 340 12 680 0 34 680 124 590

Mangualde 160 602 81 580 62 574 304 756


C. SAL 8 420 7 180 66 900 1 310 1 122 8 898 10 040 2 240 1 740 37 000 0 33 520 178 370
Mortágua 129 226 37 341 32 992 199 559
C. DAIRE 4 340 0 29 200 1 280 960 3 880 24 720 4 720 1 000 0 0 29 800 99 900
Nelas 114 213 59 240 39 555 213 007
O. Frades 55 682 23 682 19 621 98 985 GOUVEIA 11 300 19 240 161 520 3 196 2 020 22 904 21 560 7 180 6 840 23 020 16 980 43 260 339 020

O. Hospital 175 242 102 455 64 428 342 125 MANGUALDE 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

P. Castelo 37 409 17 154 12 617 67 180


MORTÁGUA 16 200 15 840 159 000 3 160 1 600 19 390 16 320 4 480 5 580 34 740 0 56 300 332 610
S. C. Dão 123 537 50 168 41 265 214 970
NELAS 7 080 5 300 55 540 1 054 1 266 9 430 19 080 6 420 2 040 29 980 0 35 240 172 430
S. P. Sul 133 517 70 683 49 404 253 604
Satão 84 746 32 872 25 232 142 850 O. FRADES 0 2 940 18 420 0 0 3 590 3 880 3 300 1 120 2 680 0 14 340 50 270

Seia 249 844 145 191 93 213 488 247


O. HOSPITAL 22 300 11 380 112 200 4 291 4 420 19 726 73 500 25 800 6 840 73 380 27 720 51 680 433 237

Tábua 94 376 44 016 33 765 172 157


P. CASTELO 9 900 4 200 21 980 0 0 3 790 8 080 3 060 1 460 14 740 0 15 740 82 950
Tondela 234 863 131 775 99 281 465 920
V. N. Paiva 44 765 16 747 11 223 72 734 S. C. DÃO 0 2 580 67 840 0 0 0 4 020 1 780 0 7 800 0 15 720 99 740

Viseu 1 046 703 1 137 069 603 953 2 787 725 S. P. SUL 10 760 4 160 59 140 1 000 1 340 4 910 29 760 7 600 2 280 12 800 0 39 340 173 090

Vouzela 83 541 44 308 31 128 158 976


SÁTÃO 7 660 2 360 19 700 0 0 11 250 28 420 7 360 4 380 49 740 0 30 540 161 410
Total 3 086 960 2 141 257 1 329 640 6 557 857
SEIA 19 340 25 080 213 900 7 660 4 200 31 100 65 840 16 640 8 480 90 700 47 380 107 020 637 340

TÁBUA 22 400 4 120 71 980 1 080 1 080 8 790 20 440 4 620 3 640 48 000 0 35 980 222 130

TONDELA 0 4 720 120 560 3 776 3 308 22 716 6 580 2 440 8 840 10 660 0 26 580 210 180

V. N. PAIVA 10 000 11 680 93 180 1 206 1 206 13 098 20 900 6 480 2 060 12 660 0 50 240 222 710

VISEU 4 060 9 600 220 260 4 406 3 612 20 632 26 280 11 500 11 600 128 980 46 780 187 500 675 210

VOUZELA 21 340 2 720 21 360 1 420 1 060 8 020 22 020 9 920 2 060 2 160 0 26 560 118 640

TOTAIS 182 220 139 080 1 554 360 34 839 27 194 215 954 415 820 128 440 71 300 591 720 138 860 834 040 4 333 827

» »

pág. 28 pág. 29
Recolha Seletiva / Capitação 2017 Retomas

Retomas Recolha Seletiva 2017

Vidro 3.473
Cartão 2.561
ECAL 109
Filme 228
PET 190
PEAD 108
EPS 9
Plásticos Mistos 452
Aço 257
Alumínio 21
Plásticos mistos não
71
embalagem
Verdes 595
Madeira 138
REEE 277
Total (ton) 8.489

Retomas de Tratamento
2017
Mecânico
Aço embalagem 944
Metal TMB 278
Alumínio TMB 66
PET TMB 480
PEAD TMB 264
Filme TMB 657
ECAL TMB 278
Total (ton) 2.967

» »

pág. 30 pág. 31
Tratamento mecânico de Resíduos Urbanos No quadro seguinte são apresentados e discriminados os valores de entrada e saída de materiais
da Unidade de Tratamento Mecânico

O tratamento mecânico é um processo de triagem mecânica automática que separa elementos Tratamento Mecânico de RSU - Resumo Anual 2017
valorizáveis como o plástico o metal e resíduos biodegradáveis, de uma variedade de resíduos Dados Gerais Unid Totais
sólidos urbanos recolhidos indiferenciadamente.  Entradas RSU ton 90962
  Rejeitado - Cabine ton 2489
Em 2017, a Unidade de Tratamento Mecânico do Planalto Beirão, que está dotada de equipamentos
  Rejeitado - Cais ton 5775
e tecnologia adequada para a moderna gestão de resíduos, processou 90.962 toneladas de RSU,
  Rejeitado -TMB ton 68513
provenientes da área de influência da Associação de Municípios da Região do Planalto Beirão.
  Rejeitado - Sem ID ton 1334
Rejeitado - Polímeros ton 87
Valores Básicos Operacionais:   Total Material Rejeitado ton 78199
Total de horas de funcionamento: 2.902 h   Mistura Plásticos/Polímeros ton 2028
  Filme 1 ton 1129
Dias totais trabalhados: 269 dias   Filme 2 ton 234
Média de operadores em cabine de triagem por dia: 14 operadores TMB - Aço Embalagem ton 950
  TMB - Aço Embalagem Finos ton 199
  TMB - Metal ton 281
 Saídas TMB - Alumínio ton 34
  TMB - Alumínio Embalagem ton 40
  TMB - Vidro ton 70
  Total Saídas Mat.Potencial Valorização ton 4968
  Matéria Orgânica para CVO ton 6810

» »

pág. 32 pág. 33
3.3. Central de Valorização Orgânica Em 2017, foram introduzidas no digestor da CVO 6.810 toneladas de resíduos sólidos triados,
provenientes da Unidade de Tratamento Mecânico. Embora este valor ainda não atinja o valor
O sistema de digestão anaeróbia permite decompor os componentes biodegradáveis dos RSU nominal de projeto, registaram-se importantes melhorias ao nível da operacionalidade da
e produzir biogás e composto orgânico. O biogás pode ser utilizado para gerar eletricidade e o instalação.
composto orgânico serve de fertilizante para diversos fins.
A Central de valorização orgânica (CVO) do Planalto Beirão contribui não só para a redução da
deposição de resíduos em aterro sanitário, como para a redução de gases responsáveis pelo
aquecimento global, ao integrar tanto a digestão anaeróbia como a compostagem, assumindo a
forma de uma fase de digestão anaeróbia completa, seguida de uma maturação (compostagem)
do material sólido resultante.

» »

pág. 34 pág. 35
CVO - Principais resultados analíticos
2017 Parâmetro Unidade Valores médios
MS % 40
No fim de 2017, o digestor apresentava um nível de 18,3 metros, um volume de 3.107 m3 e

RST
MSV % 63
uma temperatura de 36,9ºC.
Inertes totais % PS 30
Foram produzidas cerca de 500 toneladas de composto que foi utilizado para modelação do MS % 21
aterro sanitário, face à necessidade de encerramento definitivo de um dos taludes da instalação MSV % 47

Digerido
de confinamento técnico. Inertes totais % PS 53
PH   7,65
Temperatura o
C 37,5
BIC g/l 19,9
AGV g/l 2,65

Central de Valorização Orgânica - Resumo Anual 2017


Processo Parâmetro Unidade Total
Resíduos sólidos triados ton. 6810
Outros produtos ton. 258
Sucos prensados m3 1891
Sucos filtrados m3 101

Introdução
Vapor m 3
305
Total ton. 9365
Nível2 m 18.3
Volume2 m3 3106
Temperatura2 o
C 36.9
Extração digerido m3 5412

Extração
Suco tratado m3 848
Sucos prensados ton. 2827
Água ETAR m3 2905
Produção biogás1 Nm3 339135
CH4 % 57
H2S ppm 145

Biogás
CO ppm 184
CO2 % 42
O2 % 0.2

» »

pág. 36 pág. 37
Central de Valorização Energética TABELA 1 – ENERGIA PRODUZIDA NA CVE
Energia eléctrica Produzida Energia eléctrica vendida
Ano de 2017
A decomposição anaeróbia da matéria orgânica depositada em aterro sanitário e tratada na (MWh) (MWh)
CVO geram um gás rico em metano (cerca de 60%), designado por biogás. Este gás é captado e Janeiro 546,57 520,147
tratado, sendo a forma mais correta de tratamento a sua queima. Fevereiro 610,55 580,408
Março 563,0 555,778
O Centro de tratamento de RSU do Planalto Beirão efetua este tratamento e simultaneamente
Abril 560,04 535,657
produz eletricidade – valorização energética – numa central equipada com 3 grupos motor-
Maio 693,06 658,956
geradores com uma potência instalada de 3,00 MW.
Junho 639,6 605,820
Quando os grupos motor-geradores não estão disponíveis a queima é efetuada num queimador auxiliar. Julho 670,6 633,050
A eletricidade produzida nesta central é uma energia verde renovável, que contribui para a Agosto 545,0 516,26
redução da dependência dos produtos petrolíferos e consequentemente para a redução das Setembro 544,3 518,67
emissões de Gases com Efeito de Estufa. A energia elétrica produzida é vendida à rede elétrica, Outubro 263,10 262,28
conforme se verifica na Tabela 1. Novembro 0 0
Dezembro 0 0
Total anual 5635,82 5387,03

Origem da energia CVE 2017 m3 biogás Energia vendida (KWh) %


Aterro sanitário 2.601.081 4.717.055 87,6%
CVO 339.135 669.971 12,4%
Total 2.40.216 5.387.026 100%

Na tabela anterior verifica-se que no período pós 15 de outubro, com a destruição total dos poços
de biogás do aterro sanitário e de toda a rede de captação de biogás, não se produziu energia
elétrica.

» »

pág. 38 pág. 39
3.4. Resíduos Industriais Banais 3.5. Monitorização do CTRSU do Planalto Beirão
O CTRSU do Planalto Beirão recebeu e tratou, através da operação de gestão de resíduos D1-
3.5.1. Monitorização do Aterro Sanitário / Confinamento Técnico
Eliminação em aterro, 9.038 toneladas de resíduos não perigosos, provenientes de 93 produtores
da área de influência da AMRPB. A monitorização do aterro sanitário é realizada através de parâmetros, tais como, superfície,
volume e composição dos resíduos:
O quadro seguinte apresenta e discrimina a quantidade de resíduos recebidos por código LER.
. Área total: 101.291 m2
Resíduos não perigosos recebidos no CITERPB em 2017
Código LER Designação Total (Kg) . Volume total: 1.938.576 m3
02 02 03 Materiais impróprios para consumo ou processamento 140.980
02 02 99 Outros resíduos não anteriormente especificados 48.320 . Volume 2017: 55.369 m3
02 05 01 Materiais impróprios para consumo ou processamento 15.860
02 06 01 Materiais impróprios para consumo ou processamento 11.860
03 01 05 Serradura, aparas, fitas, madeira aglomerados e folheados… 1.180 Face às quantidades registadas no ano de 2016 verificou-se uma diminuição global da
03 01 99 Outros resíduos não anteriormente especificados 15.400
quantidade de resíduos depositados em aterro sanitário de 2,95%, como se verifica no
04 01 08 Resíduos de pele curtida contendo crómio 13.060
04 01 99 Outros resíduos não anteriormente especificados 48.840
quadro seguinte:
04 02 15 Resíduos de acabamento 20.980
04 02 20 Lamas de tratamento local de efluente 53.720
aterro Refugo Rejeitado Circuito Madeiras
04 02 21 Resíduos de fibras têxteis não processadas 84.160 RSU RIB Outros TOTAL
sanitário triagem TMB monstros e colchões
04 02 22 Resíduos de fibras têxteis processadas 55.260
07 02 99 Outros resíduos não anteriormente especificados 196.540 2016 13.650,94 8.728,95 972,84 91.685,22 222,44 729,16 1787,72 117.777,27
07 05 14 Resíduos sólidos não abrangidos e 07 05 13 148.270
10 01 01 Cinzas, escórias e poeiras de caldeiras 720 2017 24.019,04 9.038,46 1.111,92 78.076,28 52,8 834,04 1171,22 114.303,76
10 11 03 Resíduos de materiais fibrosos à base de vidro 20.240
Variação +75,95% +3,55% +14,30% -14,84% -76,26% +14,38% -34,48% -2,95%
12 01 05 Aparas de matérias plásticas 20.000
12 01 99 Outros resíduos não anteriormente especificados 57.660
15 01 01 Embalagens de papel e cartão 880
15 01 05 Embalagens compósitas 5.620
15 01 06 Misturas de embalagens 79.920
A deposição de resíduos não perigosos (RIB) sofreu um acréscimo de 3,55%. Em termos
16 01 19 Plástico 2.440
16 01 22 Componentes não anteriormente especificados 22.300 globais foram depositados em aterro, no ano de 2017, um total de 114.303,76 toneladas de
16 01 99 Outros resíduos não anteriormente especificados 64.080 resíduos. No ano 2016 esse valor foi de 117.777,27 toneladas. Esta variação corresponde a
19 08 01 Gradados 1.360 uma diminuição de 2,95%.
19 08 05 Lamas de tratamento de águas residuais urbanas 114.980
19 08 14 Lamas de outros tratamentos de águas residuais industriais 2.500 Relativamente ao total de RSU entrado no CTRSU do Planalto Beirão, o mesmo teve os seguintes
19 09 02 Lamas de clarificação de água 23.340 destinos:
19 12 01 Papel e cartão 69.320
19 12 04 Plástico e borracha 2.111.180
19 12 12 Outros resíduos do tratamento mecânico de resíduos 2.853.720 2017 RSU directo (ton) %
20 01 10 Roupas 1.707.900
20 01 11 Têxteis 1.180 TMB 90.962,46 79,11
20 01 39 Plásticos 5.580
20 03 01 Outros resíduos urbanos e equiparados, incluindo misturas de resíduos 1.015.010 Aterro Sanitário 24.019,04 20,89
20 03 07 Monstros 4.100
Total 114.981,50 100%
Total Geral 2017 (kg) 9.038.460

» »

pág. 40 pág. 41
Calculando a variação da quantidade de resíduos geridos obtêm-se os seguintes resultados: Controlo e tratamento de lixiviados
Os lixiviados provenientes do aterro sanitário e da CVO, face às suas caraterísticas têm que
2016 (toneladas) 2017 (toneladas) Variação (%) ser convenientemente contidos, recolhidos, tratados e monitorizados.

Produção de RSU (= recolhido)* 117.031,15 118.266,48 + 1,06% A contenção do lixiviado no aterro sanitário efetua-se através da impermeabilização de
fundo e lateral das células de deposição e a recolha através de uma rede de drenagem
Deposição directa de RSU em AS 13.650,93 24.019,04 +75,95% própria.
RSU Entrado na TMB 100.436,45 90.962,46 -9,43% A monitorização realiza-se por intermédio de análises periódicas aos lixiviados, às águas
Deposição em ecopontos 6.500,08 6.557,857 + 0,89% subterrâneas em piezómetros e às águas superficiais em linhas de água da envolvente.
O tratamento dos lixiviados é realizado antes da sua descarga no meio natural de maneira a
Deposição em ecocentro 4.237,00 4.333,827 + 2,28%
se obterem as concentrações impostas na legislação em vigor relativa à qualidade da água.
O sistema de tratamento compõe-se por:
*o total recolhido não corresponde à soma do RSU entrado em AS com a TMB. Este valor corresponde ao
efectivamente recolhido nos municípios, ou seja, corresponde à produção.
Lagoas de armazenamento e regularização de caudais;
Decantador lamelar;
2 Unidades de osmose inversa.
Na tabela pode-se verificar o caudal de lixiviado tratado na ETAL, do qual resultou permeado,
ou seja, água tratada mensalmente.

  Lixiviado Permeado
Tabela 2017 Total (m3) Total (m3)
Quantificação do lixiviado Janeiro 5356,30 2564,80
afluente ao tratamento de Osmose Inversa Fevereiro 4872,00 3061,80
e respectivo efluente descarregado Março 4634,80 2808,30
Abril 5429,20 2820,60
Maio 5980,10 2596,50
Junho 4722.60 2272,90
Julho 5605,80 2850,40
Agosto 4213,30 2111,00
Setembro 3962,20 1693,60
Outubro 3605,50 1401,00
Novembro 0,00 0,00
Dezembro 2408,50 1264,70
TOTAL 50790,30 25445,60

» »

pág. 42 pág. 43
Com o tratamento instalado obteve-se um rendimento/eficiência de tratamento de 50,01%, Controlo de águas superficiais
ou seja, 50.790,3m3 de lixiviado originaram 25.446 m3 de efluente tratado o qual foi
A amostragem ao meio hídrico superficial, a montante e jusante da zona de implantação do
descarregado na linha de água e/ou reutilizado na instalação para irrigação dos caminhos
aterro, permite avaliar o seu possível impacto ambiental sob o meio hídrico superficial.
de acesso ao aterro sanitário.
A linha de água em estudo é o Ribeiro do Vale que dista aproximadamente 100 metros dos
Em termos gráficos pode-se verificar a relação IMPUT – OUTPUT do sistema de tratamento
limites do CTRSU do Planalto Beirão.
de lixiviados.
Foram monitorizados dois pontos, um a montante e outro a jusante, do ponto de descarga
das águas residuais provenientes do aterro, com uma periodicidade trimestral, de acordo
com o preconizado na Licença Ambiental da instalação.
Gráfico
Representação da relação entre o lixiviado e a quantidade de efluente permeado produzido

Monitorização de lixeiras
Desde o encerramento das lixeiras existentes na área de intervenção da AMRPB, estas são
continuamente alvo de monitorização técnica.
A metodologia de monitorização baseia-se na caracterização das suas principais emissões
(biogás e águas), assim como do seu impacto no meio hídrico envolvente.
A devida análise físico-química é realizada de acordo com os parâmetros definidos no
“Programa Base de monitorização das Lixeiras” previsto nas Normas e Especificações Técnicas
da Agência Portuguesa do Ambiente – Manutenção e monitorização Ambiental das Antigas
Lixeiras Encerradas em:
- águas subterrâneas recolhidas em piezómetros;
- águas recolhidas em poços de retenção/lixiviados;
- águas superficiais em pontos definidos a montante e a jusante das lixeiras;
Anualmente é elaborado o respectivo relatório referente à monitorização das lixeiras seladas
Para verificação do cumprimento da licença é realizado um rigoroso controlo analítico,
do Planalto Beirão.
por laboratório externo, com periodicidade mínima mensal e obedecendo ao plano de
monitorização imposto pela Licença de Exploração/Licença Ambiental do Aterro Sanitário
são realizadas também, análises ao lixiviado.
Pela análise do gráfico anterior verifica-se que no período pós incêndio, o devido tratamento
ficou comprometido. Tal situação ficou a dever-se à inoperacionalidade dos equipamentos
da ETAL. No entanto, em finais de novembro procedeu-se ao aluguer de um sistema móvel
de tratamento por Osmose Inversa que se manterá até à conclusão da obra de beneficiação
da ETAL.

» »

pág. 44 pág. 45
3.6.Comunicação e Sensibilização Ambiental 3.6.1. “Planalto Beirão News”

Numa área de actividade cujo desempenho está fortemente dependente dos níveis de adesão e
A newsletter “Planalto Beirão News” é uma publicação trimestral, com uma tiragem de 1.000
participação dos cidadãos, é essencial criar mecanismos de comunicação que assegurem níveis
exemplares e tem como público-alvo os seguintes destinatários:
desejáveis de motivação e participação dos mesmos.
. Municípios Associados da AMRPB
Assim sendo, ao longo dos anos a AMRPB tem procurado desenvolver uma actividade contínua
de comunicação, focada na sensibilização para as questões ambientais, com especial enfoque na . Juntas de Freguesia dos 19 Municípios
reciclagem e nas boas práticas da gestão de resíduos. Desenvolvidas através de meios próprios . Sistemas Intermunicipais e Multimunicipais de Gestão de Resíduos
ou em parceria com entidades externas, essas actividades tem dado o seu contributo para os
. Escolas dos 19 Municípios
resultados obtidos e para a sustentabilidade de todo o sistema.
. Empresas e Instituições ligadas ao sector ambiental
Seguidamente serão apresentadas as acções mais relevantes, realizadas neste campo, durante
o ano de 2017. Os conteúdos da “Planalto Beirão News” (texto e imagem) são integramente desenvolvidos a
nível interno, sendo posteriormente enviados para paginação e impressão.

Newsletter “Planalto Beirão News”

» »

pág. 46 pág. 47
3.6.2. Visitas de Estudo ao Centro de Tratamento de RSU Ao nível da tipologia dos visitantes, apesar de tal como em anos anterior se registar uma
prevalência do grupo constituído por alunos do 2.º e 3.º C.E.B. que representam praticamente
Desde a sua entrada em funcionamento, no ano de 1999, o Centro de Tratamento de
metade dos visitantes, registam-se duas alterações significativas. A primeira tem a ver com um
rsu registou um total de mais de 30.000 visitantes. A realização de visitas de estudo
aumento do número de visitantes do 1.º C.E.B., a segunda e mais significativa tem a ver com o
com escolas e outras instituições, tem assumido um papel preponderante na política de
grande decréscimo de visitantes oriundos do ensino superior. Esta última é contudo facilmente
comunicação e sensibilização ambiental, proporcionando a quem nos vista um contacto
justificável, uma vez que estas visitas se realizavam normalmente nos meses de início do ano
directo com a realidade do tratamento de resíduos, que tem contribuído para uma mudança
lectivo e devido aos incêndios foram canceladas.
de mentalidades e atitudes, ao longo do tempo.
No ano de 2017, registámos um total de 845 visitantes, valor ligeiramente superior ao ano
anterior, mas dentro da média verificada nos últimos 5 anos.
Seguindo também a tendência de anos anteriores, a grande maioria das visitas realiza-se
nos meses do segundo e terceiro períodos do ano lectivo.
Este ano, devido aos estragos causados nas nossas instalações pelos incêndios de 15 de
Outubro, não se realizaram visitas de estudo após essa data. Sem esta contingência, o
número de visitantes teria sido substancialmente superior ao de 2016, uma vez que além
de solicitações posteriores, foram canceladas várias visitas já marcadas, que no seu total
envolviam mais de 200 visitantes. As visitas são realizadas mediante marcação prévia e acompanhadas por um responsável desta
Associação.
Após a visita é entregue material informativo e de sensibilização aos visitantes.

Material distribuído pelos visitantes

» »

pág. 48 pág. 49
3.6.3. Acções de sensibilização nas escolas As sessões proporcionaram momentos de lazer, aprendizagem e fomentaram o espírito de
equipa entre os alunos participantes, sensibilizando para a temática dos resíduos, bem como
No âmbito da campanha “Separar para Reduzir”, iniciada em 2014, a Associação de Municípios
para a importância do papel de cada um na adopção de práticas mais sustentáveis.
da Região do Planalto Beirão promoveu uma iniciativa de sensibilização sobre a temática
da separação selectiva de resíduos, que contemplou a realização de sessões educativas em
escolas de 5 municípios associados, nomeadamente Tábua, Tondela, Vila Nova de Paiva, Viseu
e Vouzela.
As sessões educativas consistiram na dinamização de duas actividades lúdico-pedagógicas
focadas no tema dos resíduos e sua separação selectiva, nomeadamente:
Sessão participativa, de base teórica, em que se transmitiram aos alunos conhecimentos sobre
as regras de separação de resíduos, consumo sustentável e exemplos de produtos obtidos
através da reciclagem.
No final da sessão foi distribuído a cada aluno um guia pedagógico “O circuito dos resíduos” e
o folheto da campanha “Separar para Reduzir”.
Jogo lúdico-pedagógico “Lixo no Bom Caminho”, foi uma oportunidade para os alunos
consolidarem importantes conhecimentos adquiridos de uma forma lúdica e interactiva.
A dinamização das sessões envolveu alunos do 1.º e 2.º ciclo do Ensino Básico, durante o
período compreendido entre 15 de Maio e 1 de Junho.

Data Município Escola Alunos envolvidos


15 Maio Vouzela Escola Básica de Vouzela 64
16 Maio Tábua EBI Margarita Fierro Caeiro da Matta 100
29 Maio Viseu Escola Básica1,2 João de Barros 93
30 Maio Tondela Centro Escolar de Campo de Besteiros 72
1 Junho Vila Nova de Paiva Agrupamento de Escolas de V. N. de Paiva 90
TOTAL 5 5 419

Sessão participativa Jogo lúdico-pedagógico

» »

pág. 50 pág. 51
3.6.4. Dia do Planalto Beirão 3.6.5. Projecto "Educação Ambiental pela Arte"
Com o intuito de assinalar a data de entrada em funcionamento do Centro de Tratamento de RSU, O projecto “Educação Ambiental pela Arte” iniciado em 2015 pela Associação de Municípios da
a AMRPB criou o “Dia do Planalto Beirão”. Esta iniciativa, realiza-se anualmente no mês de Maio, Região do Planalto Beirão, em parceria com a Ferrovial Serviços e a Formato Verde, teve lugar
nas nossas instalações. Em 2017, o dia 19 de Maio foi o escolhido e a actividade contou com a este ano no município de Vouzela.
presença de 164 alunos, acompanhados por professores e auxiliares das escolas do 1.º ciclo dos
Esta iniciativa que conjuga a temática da reciclagem com várias formas de expressão artística
Municípios de Vouzela e Tondela.
iniciou-se com a realização de workshops na escola participante e culminou com a realização do
O objectivo desta acção é familiarizar os participantes com a AMRPB e sensibilizar para as espectáculo final, onde participaram 79 alunos da Escola Básica de Vouzela.
problemáticas ambientais, fomentando a adopção de comportamentos ambientalmente
O espectáculo realizou-se no passado dia 12 de Dezembro no Cine-Teatro João Ribeiro e perante
responsáveis.
uma casa cheia estes jovens presentearam os presentes com uma actuação brilhante e carregada
Após recepção dos participantes, os grupos foram percorrendo as várias actividades programadas, de mensagem ambiental.
que contemplavam uma oficina criativa de reutilização de resíduos, dois jogos de grandes
dimensões sobre a temática dos resíduos, uma acção encenada sobre a prevenção da produção
de resíduos e ainda um insuflável.
No final do evento, todos os participantes receberam brindes, material informativo e ainda um
ecoponto doméstico de modo a facilitar a separação dos resíduos em casa.
O Dia do Planalto Beirão proporcionou a todos os participantes momentos de lazer, aprendizagem
e convívio saudável, num contexto de aproximação da população à Associação de Municípios da
Região do Planalto Beirão, fomentando a sustentabilidade e boas práticas ambientais.

Peça de Teatro Jogos Didácticos Momentos do Espectáculo Final

» »

pág. 52 pág. 53
3.6.6. Concurso “Arte em Movimento II” 3.7. Abastecimento de Água aos Municípios de Carregal do Sal, Mortágua, Santa
Comba Dão e Tondela
O concurso “Arte em Movimento II” procura estimular a criatividade dos jovens, desafiando-as a
produzirem desenhos, subordinados à temática da recolha selectiva e reciclagem.
1 Aspetos Técnicos
O concurso teve como público-alvo, os alunos do 2.º ciclo do ensino básico matriculados nas escolas
1.1 Volume de água Captada:
dos municípios associados e como objectivo a produção de peças gráficas que serão utilizadas
como elementos decorativos das viaturas de recolha selectiva. A Concessionária captou um volume de 3.530.278m3.

Pretendeu-se com esta iniciativa sensibilizar os jovens para esta temática e através da utilização
dos desenhos vencedores como decoração das viaturas, criar laços de identidade com o processo,
aumentando assim os níveis de participação na reciclagem. Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total
Apesar do apuramento dos vencedores absolutos do concurso ter decorrido já em 2018, o concurso Total de Água Captada 260.376 241.832 260.474 301.701 296.769 320.200 330.478 342.240 287.253 304.871 268.709 315.375 3.530.278
teve o seu início em Outubro de 2017 com o envio do convite às escolas. A primeira fase terminou
em 15 de Dezembro, data limite para envio dos trabalhos. Seguiu-se uma selecção dos três finalistas
de cada município participante, efectuada por um júri composto por elementos da AMRPB e da
Ferrovial Serviços e os trabalhos finalistas foram publicados no Facebook para votação no dia 5 de
Janeiro de 2018. A selecção final dos vencedores absolutos termina a 19 de Janeiro de 2018.

Adicionalmente a Concessionária comprou um volume de 14.283m3 ao Município de Oliveira do Hospital.

» »

pág. 54 pág. 55
1.2 Volume de Água Faturada: 1.2.1 Detalhe do Volume de Água Faturada
A Concessionária faturou 2.826.486m3 de água.
1.2.1.1 Decomposição do Volume de Água Faturada, por tipologia de consumo:
Os Utilizadores Domésticos têm um peso de 90% no conjunto total de contratos existentes, e
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total um peso de 68% no volume de água vendido. Este cenário tem-se mantido constante ao longo
Total de Água Faturada 173.960 183.970 167.036 198.212 206.593 238.678 235.135 292.902 305.908 297.075 240.686 286.329 2.826.486 dos anos.

Consumo Médio
Volume Peso Nº de Peso
Tipo do Cliente Mensal
Vendido (m3) Total (%) Utilizadores Total (%)
(m3) por utilizador

Doméstico 1.932.737 68,4% 31.309 89,9% 5,14

Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia 285.462 10,1% 772 2,2% 30,81

Comércio e Indústria 430.468 15,2% 2.285 6,6% 15,70

Público 60.621 2,1% 104 0,3% 48,57

Instituições de Utilidade Pública 116.660 4,1% 361 1,0% 26,93

Tarifa Especial 538 0% 10 0% 4,48

Total 2.826.486 34.841

1.2.1.2 Decomposição geográfica do consumo:


O Concelho de Mortágua continua a apresentar o índice de consumo médio mais elevado da área
de concessão, sendo que o Município de Tábua surge com o consumo médio mais baixo.
Desvio do
Consumo Médio consumo médio
Distribuição Geográfica Volume Peso Peso
Nº de utilizadores Mensal municipal, face
do Consumo Vendido (m3) Total (%) Total (%) à média da
(m3) por utilizador
concessão

Carregal do Sal 400.542 14% 5.652 16% 5.91 -13%

Mortágua 568.213 20% 5.151 15% 9.19 36%

Santa Comba Dão 475.001 17% 6.131 18% 6.46 -4%

Tábua 441.829 16% 6.306 18% 5.84 -14%

Tondela 940.901 33% 11.601 33% 6.76 0%

Total 2.826.486 34.841 6.76

» »

pág. 56 pág. 57
1.2.1.3 Evolução do Consumo médio 1.4 N.º de Utilizadores
A Concessionária regista um consumo médio muito baixo (6,76m3). Em 2017 a Empresa registou um crescimento de 0,6% no n.º de Utilizadores, face ao ano anterior.
A área de concessão é predominantemente rural, dispondo os Utilizadores com fontes alternativas No gráfico seguinte podemos verificar a evolução do N.º de Utilizadores:
de abastecimento (poços e furos). Por outro lado, temos muitos Utilizadores sazonais, que só
utilizam o imóvel em época de férias.

2015 2016 2017


Número de Utilizadores 34.672 34.624 34.841
2015 2016 2017
Consumo médio 6,24 6,24 6,76

1.3 Nível de água não faturada (%)


No ano 2017 registámos uma diminuição da 2,3p.p. na água não faturada:

Volume de Água (m3) 2016 2017 Variação (%) 2016/17

Água Produzida/Comprada 3.345.095 3.544.561 6,0%

Água Vendida 2.592.102 2.826.486 9,0%

ÁGUA NÃO FATURADA (%) 22.5% 20,3% 2,3 p.p.

2015 2016 2017


ÁGUA NÃO FATURADA 22,7% 22,5% 20,3%

» »

pág. 58 pág. 59
1.4.1 Novos Contratos 1.4.2 Baixas de Fornecimento
A empresa celebrou 1.685 contratos de fornecimento de água. No decurso do ano 2017, a Concessionária registou 1.314 denúncias de contrato de fornecimento.
Um dos motivos que provoca maior descontentamento com o serviço prende-se com a inclusão
Contratos Celebrados Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total Peso das tarifas autárquicas na fatura da Concessionária, o que se implica que somente os Cidadãos
Carregal Do Sal 21 18 21 20 14 25 13 29 25 26 11 26 249 15% com contrato de água pagam as referidas taxas, originando uma injusta isenção de pagamento
para todos os que optam por não aderir ao sistema público de abastecimento.
Mortágua 17 11 24 16 12 13 17 21 23 15 25 18 212 13%

Santa Comba Dão 19 12 11 16 26 28 26 24 19 34 19 23 257 15% Denúncias de Contrato Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total Peso

Tábua 25 25 24 14 24 24 29 17 40 15 31 12 280 17% Carregal do Sal 30 20 21 17 34 9 14 24 20 20 16 20 245 17%

Tondela 45 35 44 42 56 50 67 76 41 47 117 57 687 41% Mortágua 22 9 18 9 7 11 6 15 19 14 18 11 159 11%

Total 127 101 124 108 132 140 152 167 158 137 203 136 1 685 Santa Comba Dão 28 13 20 11 25 26 12 28 13 57 24 19 276 19%

Tábua 32 22 19 13 23 13 23 17 22 21 30 9 244 17%

Tondela 56 59 43 51 40 40 44 52 28 58 40 33 544 37%

Total 168 123 121 101 129 99 99 136 102 170 128 92 1.468

Evolução no N.º de Denuncias de Contrato:


Evolução no N.º de Contratos Celebrados:

2015 2016 2017


Contratos Celebrados 1.142 1.266 1.266 2015 2016 2017
Denúncias de Contratos 1.141 1.314 1.468

» »

pág. 60 pág. 61
1.5 N.º de Ramais Executados Vista parcial da Barragem da Ribeira do Paúl
A Concessionária executou 93 ramais domiciliários.

2015 2016 2017


Ramais executados 66 75 93

» »

pág. 62 pág. 63
1.6 Interrupções de Fornecimento Acidentais 1.7 Evolução da Qualidade da Água Distribuída
O número de roturas na rede de distribuição de água mantém-se elevado, tendo-se registado Foi integralmente cumprido o programa de controlo analítico da Qualidade da Água de acordo
1.410 roturas durante o ano. com o Decreto-Lei nº 306/2007 de 27 de agosto.
O Município de Tábua mantém-se como o local de maior índice de ocorrências, representando
36%.
Localização Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total Peso
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total
Carregal Do Sal 12 10 8 14 19 25 21 22 20 14 9 3 177 13%
Mortágua 33 12 14 18 26 39 31 58 34 30 15 5 315 22% Nº de Parâmetros
180 174 127 133 192 211 173 155 107 110 164 130 1.856
analisados 2017
Santa Comba Dão 15 9 17 8 14 11 10 18 14 12 16 9 153 11%
Nº de Parâmetros
Tábua 38 22 14 31 44 79 58 71 68 43 23 12 503 36% 180 174 127 133 191 211 172 155 107 110 161 129 1.850
em conformidade 2017
Tondela 22 14 14 17 15 29 22 37 28 26 22 16 262 19%
% Água Segura 100% 100% 100% 100% 99,5% 100% 99,4% 100% 100% 100% 98,2% 99,2% 99,7%
Total 120 67 67 88 118 183 142 206 164 125 85 45 1.410

Tipo Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total Peso
Rede 55 31 30 37 56 94 81 107 85 62 35 21 694 49%
Ramais 65 36 37 51 62 89 61 99 79 63 50 24 716 51%
Total 120 67 67 88 118 183 142 206 164 125 85 45 1.410

Evolução do N.º de Roturas:

2015 2016 2017


Roturas 1.295 1.298 1.410

» »

pág. 64 pág. 65
1.8 Caracterização dos Recursos Humanos 2 Aspetos Financeiros
Em 31 de Dezembro de 2017 a empresa tinha 55 colaboradores.
2.1 Receitas de Exploração detalhadas
A Concessionária atingiu um Volume de Negócios de 6.668.008€.

2015 2016 2017


Número de Trabalhadores 51 55 55
Vendas e Prestações de serviços 2015 2016 2017 Variação(%) 2014/15

Tarifa Variável - Venda de Água 3.234.017 3.291.923 3.562.877 8,2%

Tarifa Fixa - Disponibilidade 2.819.889 2.858.328 2.884.812 0,9%

Total de Vendas Variável + Fixa 6.053.905 6. 150.252 6.447.689 4,8%

Ramais Domiciliares 23.603 30.844 40.811 32,3%

Outros Serviços 159.632 167.743 179.508 7%

Total das Prestações de Serviços 183.234 198.586 220.319 10,9%


Total de Volume de Negócios 6.237.139 6.348.838 6.668.008 5%

» »

pág. 66 pág. 67
IV
Demonstrações
Financeiras
4.1. Balanço

» »

pág. 70 pág. 71
» »

pág. 72 pág. 73
Na análise do balanço pretendemos apenas fazer uma explicação sobre os valores mais relevantes. 4.2. Demonstração de Resultados

ACTIVO
A conta 21, com o valor de 2.587.259,12 €, traduz a dívida dos municípios.
A conta de depósitos em instituições financeiras apresenta o valor de 2.725.279,00€.

PASSIVO E FUNDOS PRÓPRIOS


As dívidas a instituições de crédito, refere-se ao acordo de regularização de divida, celebrado
com o Novo Banco é de 1.755.139,30€.

» »

pág. 74 pág. 75
4.3. Controlo orçamental da despesa e da receita
Controlo Orçamental – Despesa

Código Descrição Grau de Execução

02 Conselho de Administração 42,234


0201 Conselho Administração – RSU 41,685
020101 Despesas com pessoal 86,978
0201010103 Pessoal dos quadros 91,477
0201010111 Representação 8,115
020101011301 Subsídio de refeição 100,000
0201010114 Subsídio de férias 99,683
020101030501 Assistência na doença dos funcionários publ 19,011
02010103050201 Caixa Geral de Aposentações 90,830
0201020118 Livros e documentação técnica 5,575
0201020121 Outros bens 98,777
0201020203 Conservação de bens 75,584
0201020212 Seguros 99,290
0201020213 Deslocações e estadas 15,588
0201020214 Estudos, pareceres, proj e consultadoria 93,456
020102022501 Recolha de resíduos sólidos urbanos 71,917
02010202250201 Tratamento de resíduos 55,537
02010202250202 Taxa Gestão Resíduos 69,599
020102022503 Campanhas de sensibilização 50,135
A demonstração de resultados faz a análise dos custos e dos proveitos do exercício.
020102022504 Outras 99,258
O valor de 10.699.128,61€ na conta de fornecimentos e serviços externos está relacionado 020104050102 Freguesias 51,660
principalmente, com os trabalhos especializados derivados da recolha e tratamento de resíduos. 020107010411 Infraestruturas para tratamento resíduos sólid 8,624

A rubrica de custos e perdas financeiras engloba os juros suportados pela Associação com o 0202 Conselho AdministraçãoAbastecimento Água 82,168
acordo de regularização de divida. Este acordo foi celebrado com uma instituição bancária para 020202 Aquisição de bens e serviços 67,398
pagamento de facturas da empreitada – Construção da Central de Valorização Orgânica. 020202011601 Água 67,398
020207 Aquisição de bens de capital 85,277
A rubrica prestação de serviços tem um valor de 10.675.594,87€.
020207010407 Captação e distribuição de água 85,277

» »

pág. 76 pág. 77
Controlo Orçamental – Receita 4.4 Fluxos de caixa

RECEBIMENTOS (euros)
Código Descrição Grau de Execução
Saldo da Gerência Anterior 150.864,99
04 Taxas, multas e outras penalidades 87,730 Execução Orçamental 101.909,56
Operações de Tesouraria 48.955,43
0401239902 Concessão Águas do Planalto – Sobretaxa 87,208
040201 Juros de mora 96,965 Total das Receitas Orçamentais 13.351.162,45
Receitas Correntes 10.942.652,97
05 Rendimentos de propriedade 157,567 Taxas, multas e outras penalidades 658.940,71
050201 Banco e outras instituições financeiras 0,226 Taxas 610.458,35
Taxas específicas das autarquias locais 610.458,35
05109902 Concessão Águas do Planalto 0,502 Outras 610.458,35
06 Transferências correntes 75,237 Concessão Águas Planalto - Sobretaxa 610.458,35
Multas e outras penalidades 48.482,36
06050101 Recolha de resíduos sólidos urbanos 68,416 Juros de mora 48.482,36
0605010201 Tratamento de resíduos 78,865 Rendimentos da propriedade 502,81
Juros - Sociedades financeiras 1,13
0605010202 Taxa de Gestão Resíduos 89,690 Bancos e outras instituições financeiras 1,13
06050103 Quotizações 99,452 Rendas 501,68
Outros 501,68
07 Venda de bens e serviços 4,727 Concessão Águas do Planalto 501,68
07010801 Água (Concessão Águas Planalto) 36,274 Transferências correntes 10.213.793,18
Administração local 10.213.793,18
08 Outras receitas correntes 61,359 Continente 10.213.793,18
08019999 Diversas 61,359 Recolha de resíduos sólidos urbanos 4.173.399,52
Tratamento de resíduos 5.856.407,66
10 Transferências de capital 23,511
Tratamento de resíduos 4.968.473,70
100202 Companhias de seguros 99,999 Taxa de Gestão de resíduos 887.933,96
Quotizações 183.986,00
100307 Estado-participações comunitárias proj co-fin 1,554
Venda de bens e serviços correntes 23.396,68
16 Saldo da gerência anterior 100,000 Venda de bens 23.396,68
Mercadorias 23.396,68
160101 Na posse dos serviços 100,000
Água ( Concessão Águas do Planalto) 23.396,68
Outras receitas correntes 46.019,59
Outras 46.019,59
Outras 46.019,59
Diversas 46.019,59

Receitas Capital 2.408.509,48


Transferências de capital 2.408.509,48
Sociedades fiananceira 2.304.236,32
Campanhias de seguros 2.304.236,32
Administração central 104.273,16
Estado - Particip. Comunitária proj co-financiados 104.273,16

Operações de Tesouraria 39.731,01

Total 13.541.758,45

» »

pág. 78 pág. 79
PAGAMENTOS (euros) PAGAMENTOS (euros)

Total das Despesas Orçamentais 10.730.625,97 Total das Despesas Orçamentais 10.730.625,97
Despesas Correntes 9.576.359,08
Despesas com o pessoal
122.873,78
Despesas Capital 870.788,02
Remunerações certas e permanentes 99.638,19
Pessoal dos quadros - Reg. de função pública 82.329,72
Aquisição de bens de capital 870.788,02
Representação 551,84 Investimentos 870.788,02
Subsídio de refeição 3.100,00 Construções diversas 870.788,02
Pessoal dos quadros 3.100,00 Infraestruturas para tratamento 870.788,02
Subsídio de ferias e de Natal 13.656,63 resíduos sólidos
Pessoal dos quadros 13.656,63
Segurança social 23.235,59
Despesas Correntes 40.438,94
Contribuições para a segurança social 23.235,59
Aquisição de bens e serviços 40.438,94
Assistência na doença dos funcionários públicos 475,28
Segurança social dos funcionários públicos 22.760,31
Aquisição de bens 40.438,94
Caixa Geral de Aposentações 22.760,31 Mercadorias para venda 40.438,94
Aquisição de bens e serviços 9.436.695,84 Água 40.438,94
Aquisição de bens 1.492,81
Livros e documentação técnica 11,15 Despesas Capital 243.039,93
Outros bens 1.481,66 Aquisição de bens de capital 243.039,93
Aquisição de serviços 9.435.203,03
Investimentos 243.039,93
Conservação de bens 1.209,34
Construções diversas 243.039,93
Seguros 59.573,79
Deslocações e estadas 483,22
Captação e distribuição de água 243.039,93
Estudos,pareceres, projectos e consultadoria 142.052,70
Outros serviços 9.231.883,98 Operações de Tesouraria 85,853.49
Recolha de resíduos sólidos urbanos 4.383.633,45
Tratamento de resíduos 4.843.026,84 Saldo para a Gerência Seguinte 2.725.279,00
Tratamento de resíduos 4.153.995,95
Taxa de Gestão de resíduos 689.030,89
Execução Orçamental 2.722.446,04
Campanhas de sensibilização 1.253,37
Operações de Tesouraria 2.832,95
Outros 3.970,32
Transferências correntes 16.789,46
Administração local 16.789,46 Total 13.541.758,45
Continente 16.789,46
Freguesias 16.789,46

» »

pág. 80 pág. 81
RECEBIMENTOS (euros) 4.5. Análise da dívida

Saldo da Gerência Anterior 150.864,99 Mapa de endividamento - outras dividas a terceiros


Execução Orçamental 101.909,56 (euros)
Operações de Tesouraria 48.955,43
Fornecedor Dívida a 1 de Janeiro Dívida a 31 de Dezembro

Total das Receitas Orçamentais 13.351.162,45


Receitas Correntes 10.942.652,97
Cipriano P. Carvalho, Lda 159.022,60 113.519,90
Receitas Capital 2.408.509,48
Ferrovial Serviços,SA 5.140.849,33 5.608.000,22
Receitas Outras 0,00
Ecobeirão, SA 1.367.517,69 2.588.044,12
Operações de Tesouraria 39.731,01 Sociedade do Caramulo 15.861,76 7.930,88
Novo Banco 2.544.530,47 1.755.139,30
Total 13.541.758,45 Irmãos Almeida Cabral,Ld 68.916,00 0,00
W2S-World wide Service 0,00 10.332,00
Ovo Solutions,SA 0,00 229.800,90

Total 9.296.698,45 10.312.767,32

PAGAMENTOS (euros)

Total das Despesas Orçamentais 10.730.625,97


Despesas Correntes 9.616.798,02
Despesas Capital 1.113.827,95

Operações de Tesouraria 85.853,49

Saldo para a Gerência Seguinte 2.725.279,00

Execução Orçamental 2.722.446,04


Operações de Tesouraria 2.832,95

Total 13.541.758,45

» »

pág. 82 pág. 83
Notas ao Balanço e à Demostração de Resultados - 2017

4.6. Notas ao Balanço e à Demostração de Resultados 8.2.5 O resultado do exercício não foi afetado por valorimetrias diferentes das previstas no
capítulo 4 «Critérios de valorimetria» do POCAL, nem por amortizações do ativo imobilizado
superiores às adequadas, nem por provisões extraordinárias respeitantes ao ativo.
NOTA INTRODUTÓRIA 8.2.6 As contas 431 «Despesas de instalação» e 432 «Despesas de investigação e de
desenvolvimento» apresentam saldo nulo
No âmbito dos anexos às demonstrações financeiras e em conformidade com o ponto 8.2 do
Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de fevereiro, a Associação de Municípios da Região do Planalto 8.2.7 Os movimentos ocorridos nas rubricas do ativo imobilizado constantes do balanço e nas
Beirão apresenta, assim, as seguintes notas ao balanço e à demonstração de resultados, com respetivas amortizações e provisões constam dos seguintes quadros:
o objetivo de clarificar e evidenciar os factos cuja informação seja relevante na perceção dos Ativo Bruto Ano: 2017 Unidade em Euros

mesmos.
Rubricas Saldo Inicial Reavaliação/ Ajustam. Aumentos Alienações Sinistros Abates Transferências Saldo Final
Caso a nota não seja aplicável à Associação de Municípios será colocada a referência “ não De Bens de domínio público
Terrenos e recursos naturais 0 0 0 0 0 0 0 0
aplicável”.
Edifícios 0 0 0 0 0 0 0 0
8.2 Notas ao balanço e à demonstração de resultados Outras construções e infraestruturas 0 0 0 0 0 0 0 0
Bens do património histórico, artístico e cultural 0 0 0 0 0 0 0 0
8.2.1 Não foi derrogada nenhuma disposição do POCAL que produzisse efeitos no Balanço e na Outros bens de domínio público 0 0 0 0 0 0 0 0
Demonstração de Resultados. Imobilizações em curso 0 0 0 0 0 0 0 0
Adiantamentos por conta de bens de domínio
0 0 0 0 0 0 0 0
8.2.2 No Balanço: público
0 0 0 0 0 0 0 0
No ano de 2017 todas as contas são comparáveis com as do ano anterior. De Imobilizações incorpóreas
Despesas de instalação 0 0 0  0  0 0 0 0
Na demonstração de resultados:
Despesas de investigação e desenvolvimento 0 0 0  0  0 0 0 0

No ano de 2017 a transferência anual das amortizações correspondentes ao valor subsidiário Propriedade industrial e outros direitos 0 0 0 0 0 0 0 0
Imobilizações em curso 0 0 0 0 0 0 0 0
passaram a ser registadas na conta de proveitos extraordinários, como estipulado no POCAL,
Adiantamentos por conta de imobilizações
0 0 0 0 0 0 0 0
anteriormente parte era registada na conta de transferência de subsídios obtidos. incorpóreas
0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0
8.2.3 Critérios valorimétricos adotados: De Imobilizações corpóreas
Terrenos e recursos naturais 1.727.720,06 0 0 0 0 0 0 1.727.720,06
Para as Existências – os critérios valorimétricos utilizados na determinação do custo de saída de
Edifícios e outras construções 89.720.600.91 0 32.487,50 0 1.668.596,65 0 0 88.084.491,76
existências foi o custo médio ponderado; Equipamento básico 7.575.981,84 0 34.440,00 0 3.313.733,47 0 0 4.296.688,37
Equipamento de transporte 45.530,65 0 0 0 0 0 0 45.530,65
Para as Imobilizações – os critérios utilizados, em regra, foram os do custo de aquisição ou
Ferramentas e utensílios 9.043,62 0 0 0 0 0 0 9.043,62
de produção e, nos casos em que não foi possível determinar o custo de aquisição, para os Equipamento administrativo 53.529,25 0 0 0 0 0 0 53.988,66
bens móveis, adotou-se o método comparado (atribuindo o valor conhecido de um bem com Taras e vasilhame 0,00 0 0 0 0 0 0 0,00
idênticas características e estado de utilização) e, nos imóveis, o valor patrimonial atribuído pela Outras imobilizações corpóreas 21.504,13 0 0 0 0 0 0 21.504,13
Imobilizações em curso 0 0 213.872,40 0 0 0 0 213.872,40
administração fiscal.
Adiantamentos por conta de imobilizações
0 0 0 0 0 0 0 0,00
corpóreas
Para as Amortizações – foi aplicado o método de cálculo das cotas constantes e dado cumprimento
99.153.910,46 0 213.872,40 0 4.915.402,62 0 0 94.452.839,65
ao regulado pela Portaria n.º 671/2000 – Cadastro e Inventário dos Bens do Estado.
De Investimentos financeiros
8.2.4 Todas as operações registadas em contas incluídas no balanço e na demonstração de Partes de capital 36.000 0 0 0 0 0 0 36.0000
Obrigações e títulos de participação 0 0 0 0 0 0 0 0
resultados foram expressas em euros, pelo que não se recorreu a cotações para conversão de
Investimentos em imóveis 0 0 0 0 0 0 0 0
moeda. Terrenos e recursos naturais 0 0 0 0 0 0 0 0
Edifícios e outras construções 0 0 0 0 0 0 0 0
Outras aplicações financeiras 0 0 0 0 0 0 0 0
Depósitos em instituições financeiras 0 0 0 0 0 0 0 0
Títulos de dívida pública 0 0 0 0 0 0 0 0
Outros títulos 0 0 0 0 0 0 0 0
Imobilizações em curso 0 0 0 0 0 0 0 0
Adiantamentos por conta de investimentos
0 0 0 0 0 0 0 0
financeiros
» »
0 0 0 0 0 0 0 0
99.189.910,46 0 213.872,40 0 4.915.402,62 0 0 94.812.839,65

pág. 84 pág. 85
Notas ao Balanço e à Demostração de Resultados - 2017 Notas ao Balanço e à Demostração de Resultados - 2017

Amortizações e provisões Ano: 2017 Unidade em Euros 8.2.13 No imobilizado da Associação de municípios não figuram bens em regime de locação
financeira.
Rubricas Saldos Iniciais Reforço Regularizações Saldo Final
De Bens de domínio público: 485 8.2.14 Não aplicável.
Terrenos e recursos naturais 4851 0 0 0 0
Edifícios 4852 0 0 0 0 8.2.15 Não aplicável.
Outras construções e infraestruturas 4853 0 0 0 0
Bens do património histórico, artístico e cultural 4855 0 0 0 0 8.2.16 A Associação de Municípios detém desde 1996 uma participação de 36.000,00 € no
Outros bens de domínio público 4859 0 0 0 0 capital da empresa Ecobeirão, EIM, SA.
0 0 0 0
De Imobilizações incorpóreas 483 8.2.17 As contas «Títulos negociáveis» e «Outras aplicações de tesouraria» não apresentam
Despesas de instalação 4831 0 0 0 0
movimentos, uma vez que a Associação de Municípios não efetuou qualquer aplicação de
Despesas de investigação e desenvolvimento 4832 0 0 0 0
Propriedade industrial e outros direitos 4833 0 0 0 0
tesouraria.
0 0 0 0
8.2.18 A discriminação da conta «Outras aplicações financeiras» é nula por não terem sido feitas
De Imobilizações corpóreas 482
Terrenos e recursos naturais 4821 0 0 0 0 aplicações financeiras.
Edifícios e outras construções 4822        
Edifícios 48221 10.293.457,63 675.647,64 1.142.283,84 9.826.821,46
8.2.19 Não se verificaram diferenças materialmente relevantes entre os custos de elementos
Outras construções 48222 17.815.375,33 3.855.853,70 150.504,85 21.520.724,18 do ativo circulante, calculados de acordo com os critérios valorimétricos adaptados, e as quantias
Equipamento básico 4823 7.575.981,84 0 3.313.733,47 4.262.248,37 correspondentes aos respetivos preços de mercado..
Equipamento de transporte 4824 45.530,65 0 0 45.530,65
Ferramentas e utensílios 4825 9.043,62 0 0 9.043,62 8.2.20 Não foi atribuído a elementos do ativo circulante um valor inferior ao mais baixo do custo
Equipamento administrativo 4826 48.488,58 1.434,35 0 49.922,93
ou do mercado
Taras e vasilhame 4827 0 0 0 0
Outras imobilizações corpóreas 4829 21.504,13 0 0 21.504,13 8.2.21 Não se constituíram provisões extraordinárias respeitantes a elementos do ativo circulante.
35.809.381,78 3.857.288,05 3.930.874,49 35.735.795,34
De Investimentos em imóveis 481 8.2.22 Não aplicável.
Terrenos e recursos naturais 4811 0 0 0 0
Edifícios e outras construções: 4812 0 0 0 0 8.2.23 São nulas as dívidas ativas e passivas respeitantes ao pessoal da Associação de Municípios.
Edifícios 48121 0 0 0 0
Outras construções 48122 0 0 0 0 8.2.24 A Associação de Municípios não emitiu obrigações nem outros títulos.
0 0 0 0
De Investimentos financeiros 49
8.2.25 A conta «Estado e outros entes públicos» não inclui dívidas em situação de mora.
Partes de capital 491 0 0 0 0
8.2.26 Não aplicável.
Obrigações e títulos de participação 492 0 0 0 0
Outras aplicações financeiras: 495 0 0 0 0 8.2.27 Não aplicável.
  0 0 0 0
Totais 35.809.381,78 3.857.288,05 3.930.874,49 35.735.795,34 8.2.28 Não aplicável.
8.2.29 Não aplicável.
8.2.8 Não aplicável.
8.2.30 Não aplicável.
8.2.9 Não foram incorporados custos incorridos no exercício e respeitantes a empréstimos obtidos
para financiar imobilizações, durante a construção.
8.2.10 Em 2017 não foram efetuadas reavaliações.
8.2.11 Não aplicável.
8.2.12 Não aplicável.

» »

pág. 86 pág. 87
Notas ao Balanço e à Demostração de Resultados - 2017

8.2.31 Demonstração dos resultados financeiros:


IV
Ano: 2017

Certificação Legal
Unidade em Euros

Códigos das Exercício Códigos Exercício


Custos e perdas Proveitos e ganhos
contas 2017 2016 das contas 2017 2016

das Contas
681 Juros suportados 0 0 781 Juros obtidos 1.13 10,65
682 Perdas em entidades participadas 0 0 782 Ganhos em entidades participadas 0 0
Amortizações de investimentos em
683 0 0 783 Rendimentos de imóveis 73.923,32 72.981,86
imóveis
684 Provisões para aplicações financeiras 0 0 784 Rendimentos de participações de capital 0 0
685 Diferenças de câmbio desfavoráveis 0 0 785 Diferenças de câmbio favoráveis 0 0
Perdas na alienação de aplicações de
687 0 0 786 Descontos de pronto pagamento obtidos 0 0
tesouraria
Ganhos na alienação de aplicações de
688 Outros custos e perdas financeiros 221.098,13 305.531,35 787 0 0
tesouraria
Resultados Financeiros -147.032,88 -232.538,84 788 Outros proveitos e ganhos financeiros 140,80

74.065,25 72.992,51 74.065,25 72.992,51

Ano: 2017 Unidade em Euros

8.2.32 Demonstração dos resultados extraordinários:


Códigos Exercício Códigos Exercício
das Custos e perdas das Proveitos e ganhos
contas 2017 2016 contas 2017 2016

691 Transferências de capital concedidas 0 0 791 Restituições de impostos 0  0 

692 Dívidas incobráveis 0 0 792 Recuperação de dívidas 0  0 

693 Perdas em existências 362.846,34 0 793 Ganhos em existências 0 42,59

694 Perdas em imobilizações 375.807,99 0 794 Ganhos em imobilizações 442,18 0

695 Multas e Penalidades 24.125,00 0 795 Benefícios de penalidades contratuais 24.855,12 42.206,98

696 Aumentos de amortizações e de provisões 0 0 796 Reduções de amortizações e de provisões 0 0

697 Correções relativas a exercícios anteriores 0 745,66 797 Correções relativas a exercícios anteriores 0 6.163,62

698 Outros custos e perdas extraordinárias 0 0 798 Outros proveitos e ganhos extraordinários 5.534.335,36 3.191.700,69

Resultados extraordinários 4.796.853,33 3.239.368,22

  5.559.632,66 3.240.113,88 5.559.632,66 3.240.113,88

Exercício de 2016 reexpresso para efeitos comparativos.

pág. 88
» »

pág. 90 pág. 91
»

pág. 92
RECOLHA
-
RECOLHA
TRANSPORTE TRIAGEM
-
DEPOSIÇÃO TRANSPORTE TRIAGEM
DEPOSIÇÃO
SELETIVA RECOLHA
-
SELETIVA TRANSPORTE TRIAGEM
DEPOSIÇÃO
SELETIVA

Pensar hoje
SEPARAÇÃO

Pensar hoje
-
SEPARAÇÃO
PREVENÇÃO
-
PREVENÇÃO

Pensar hoje
SEPARAÇÃO
-
PREVENÇÃO
RECICLAGEM
RECICLAGEM
oo Futuro
Futuro
o Futuro
EFICIÊNCIA
RECICLAGEM
EFICIÊNCIA
OPERACIONAL
OPERACIONAL
EFICIÊNCIA A Associação de Municípios da
OPERACIONAL A Associação de Municípios da
Região do Planalto Beirão
A Região
Associaçãodo dePlanalto Beirão
(AMRPB) está Municípios
a iniciar um da
(AMRPB)
Região está a iniciar
do modernização
Planalto Beirão um
projeto de e
projeto de
(AMRPB) está modernização
a iniciar um e
requalificação do sistema de
SENSIBILIZAÇÃO PROJETOS-PILOTO requalificação
projeto do sistema ede
de resíduos
modernização
gestão de sólidos
E SENSIBILIZAÇÃO
EDUCAÇÃO PROJETOS-PILOTO
PAYT EM VISEU gestão de resíduos
requalificação
urbanos dos 19 Municípios de
do sistemasólidos
da
E EDUCAÇÃO
SENSIBILIZAÇÃO
AMBIENTAL E SEIA EM VISEU
PAYT
PROJETOS-PILOTO urbanosdedos 19 Municípios da
gestão resíduos sólidos
sua área de intervenção. Será
AMBIENTAL
E EDUCAÇÃO E SEIA
PAYT EM VISEU sua área de19 intervenção. Será
urbanos
investidodos Municípios
um montante da
global
AMBIENTAL
100.000 “ecopontos” E SEIA
150 “ilhas” de recolha seletiva investido
sua áreaade um montante Será global
100.000 “ecopontos” 150tecnologia
“ilhas” de recolha seletiva superior 18intervenção.
milhões de euros
domésticos com inovadora superior um
investido a 18montante
milhões de euros
global
e domésticos
campanha de sensibilização com tecnologia inovadora ao longo dos próximos três anos.
100.000 “ecopontos” 150 “ilhas” de recolha seletiva ao longo
superior a dos próximos
18 milhões detrês anos.
euros
e campanha de sensibilização
domésticos com tecnologia inovadora
REDE
e DE DEPOSIÇÃO
campanha de sensibilização TRANSPORTE ao longo dos próximos três anos.
REQUALIFICAÇÃO
DEREDE DE DEPOSIÇÃO
RESÍDUOS TRANSPORTE A PARTIR
COORDENADO DAREQUALIFICAÇÃO
ESTAÇÃO
DE RESÍDUOS
REDE DE DEPOSIÇÃO
RECICLÁVEIS DE COORDENADO
ESTAÇÕES DEA PARTIR
TRANSPORTE
DAS DA ESTAÇÃO
REQUALIFICAÇÃO
DE TRANSFERÊNCIA
DERECICLÁVEIS
RESÍDUOS DE
EMBALAGENS DAS ESTAÇÕESADE
COORDENADO
TRANSFERÊNCIA PARTIR DA
DEDEVOUZELA
TRANSFERÊNCIA
ESTAÇÃO
EMBALAGENS
RECICLÁVEIS DE TRANSFERÊNCIA
DAS ESTAÇÕES DE DEDETRANSFERÊNCIA
VOUZELA
EMBALAGENS
1.545 “ecopontos” de superfície, TRANSFERÊNCIA
Melhoria da contentorização e DE VOUZELA
Melhoria das condições de
1.545
188 “ecopontos”
“ecopontos” de superfície,
enterrados e Melhoria da
transporte de contentorização
resíduos de e Melhoria das condições de
operação
77188 “ecopontos”
“ecopontos” enterrados
semienterrados e transporte
embalagens de resíduos de operação
1.545 “ecopontos” de superfície, Melhoria da contentorização e Melhoria das condições de
77 “ecopontos” semienterrados embalagens
188 “ecopontos” enterrados e transporte de resíduos de operação
MODERNIZAÇÃO
77 “ecopontos” semienterrados RECOLHA
embalagens CAMIÕES DE RECOLHA
MODERNIZAÇÃO
DA CENTRAL RECOLHA
PORTA A PORTA CAMIÕES
DE RESÍDUOS DE RECOLHA
DA CENTRAL
MODERNIZAÇÃO
DE TRIAGEM DE TONDELA PORTA
RECOLHA
NO COMÉRCIOA PORTA DE RESÍDUOS
CAMIÕES
RECICLÁVEIS DE RECOLHA
DECENTRAL
DA TRIAGEM DE TONDELA NO COMÉRCIO
PORTA A PORTA RECICLÁVEIS
DE RESÍDUOS
DE TRIAGEMmodernos
Equipamentos DE TONDELA
de NO COMÉRCIO
3 novas viaturas e 8 novos RECICLÁVEIS
14 novas viaturas e 73 novos
Equipamentos
separação modernos
automática de de 3 novasde
circuitos viaturas
recolhae para
8 novos 14 novas
circuitos deviaturas
recolha e 73 novos
separação automática
resíduos recicláveis de circuitos
utilizadoresde recolha para
não-domésticos circuitos de recolha
Equipamentos modernos de 3 novas viaturas e 8 novos 14 novas viaturas e 73 novos
resíduos recicláveis utilizadores não-domésticos
separação automática de circuitos de recolha para circuitos de recolha
resíduos recicláveis utilizadores não-domésticos