Você está na página 1de 4

10 regras de ouro para escrever

um texto com clareza


Suas habilidades de redação são postas à prova o tempo todo no
trabalho. Como garantir a clareza da escrita nossa de cada dia?
Por Claudia Gasparini
access_time4 out 2017, 17h09 - Publicado em 5 ago 2014, 15h38

more_horiz
Redação: para escrever com clareza, você precisa se colocar no lugar do seu leitor (MorgueFile/)

São Paulo – Ser íntimo – verdadeiramente íntimo – das palavras é privilégio


dos grandes escritores. Mas você não precisa ser nenhum gênio
da literatura para depender de alguma familiaridade com a língua no
trabalho.
PUBLICIDADE
Afinal, currículos, relatórios, emails e inúmeros outros documentos escritos
fazem parte da rotina de todo profissional. Obter o máximo de clareza nesses
textos cotidianos é essencial para evitar mal-entendidos e até conflitos com
colegas e chefes.
“Você sempre precisa se colocar no lugar do seu leitor”, recomenda Reinaldo
Passadori, especialista em comunicação verbal. Isso significa revisar seus
textos “esquecendo” que você sabe do que tratam.

De acordo com Passadori, essa é a melhor maneira de perceber frases


ambíguas, passagens confusas ou referências incompreensíveis para quem tem
contato com a sua redação pela primeira vez.

Para ganhar agilidade nessa revisão, a recomendação é praticá-la o máximo


possível. “É preciso cultivar o bom hábito de escrever muito, sempre”, diz
Diogo Arrais, professor de língua portuguesa do Damásio Educacional.

A tarefa pode parecer difícil, mas não é. Com a ajuda dos dois especialistas,
EXAME.com compilou 10 conselhos básicos para aperfeiçoar a escrita do
cotidiano:

1. Saiba do que está falando


Antes de tudo, você precisa conhecer muito bem o tema, o propósito e o
objetivo do seu texto. Tal etapa precede o início da redação. “Para que você
escreve? Busca informar, motivar, persuadir? Você precisa dessas respostas
para começar”, diz Passadori.
2. Use frases curtas
Dar rodeios ou escrever sentenças muito longas pode confundir o seu leitor.
Prefira orações breves e simples. “A concisão é a maior aliada da clareza”, diz
Passadori.
3. Cuide da pontuação
Um texto mal pontuado tem muitas chances de conter ambiguidades. Sinais
gráficos como vírgulas e pontos finais não são decorativos: servem para
organizar e, sobretudo, dar sentido à sua mensagem.
4. Prefira a ordem direta
Em nome da clareza, é recomendável construir frases com sujeito, verbo e
complemento, nessa sequência. “Escolha sempre a forma mais simples
possível de expressar a sua ideia”, diz Arrais.
5. Torne suas ideias palpáveis
Passadori recomenda o uso de metáforas para explicar conceitos abstratos.
“Comparações com elementos concretos tornam o seu texto mais
compreensível e didático”, explica.
6. Evite abreviaturas e siglas obscuras
Também se recomenda cuidado com formas reduzidas de palavras e
expressões. “Na correria do dia a dia, podemos escrever abreviaturas e siglas
que não são conhecidas por todos”, explica Arrais. A dica é verificar em
dicionários aquelas que são de uso comum na língua portuguesa.
7. Procure não repetir ideias
Arrais recomenda atenção especial às possíveis redundâncias da sua
comunicação. “Os pleonasmos viciosos são uma praga da escrita, e podem
comprometer muito o sentido de um texto”, alerta o professor.
8. Deixe as emoções de fora
O estresse rotineiro do expediente muitas vezes pode contaminar a expressão
escrita, gerando textos confusos e truncados. “É importante buscar serenidade
e equilíbrio emocional na hora de concatenar ideias no papel”, aconselha
Passadori.
9. Saiba o verdadeiro significado das palavras
Usar palavras difíceis – sobretudo aquelas cujo significado nem você conhece
– é outro convite ao mal-entendido. O remédio é a leitura frequente. “Além de
literatura em geral, buscar obras ligadas à sua área profissional contribui com
vocabulário técnico”, aconselha Arrais.
10. Conheça o seu público-alvo
O que é claro para alguns pode não ser para outros, segundo Passadori. O
nível de familiaridade do seu leitor com o tema do seu texto, por exemplo,
determinará se ele pode ou não conter certas alusões, termos técnicos, entre
outros elementos.

Interesses relacionados