Você está na página 1de 1

(Per)formando uma proposição didática no campo da educação

estética no Ensino Fundamental II


Joevan Oliveira
Universidade Federal da Paraíba

O presente trabalho trata da experiência desenvolvida na disciplina Estágio


Supervisionado I da Licenciatura em Teatro da Universidade Federal da Paraíba. Trata-
se de uma proposta de experimentação no campo da educação estética, que objetiva
investigar o uso da performance como proposta pedagógica e proposição didática na
disciplina de Arte. Teve início no primeiro semestre de 2017, no 9º ano da Escola
Municipal de Ensino Fundamental Zumbi dos Palmares, no bairro de Mangabeira I em
João Pessoa, sob a supervisão do professor Joht Cavalcanti. A pedagogia da
performance norteou o processo de ensino-aprendizagem por acreditarmos que ela
possibilita a experimentação de proposições didáticas que funcionem como estratégias
de estímulo ao desenvolvimento de uma sensibilidade estética nos alunos. Pensada
enquanto campo ampliado, a performance nos permite dissolver as dimensões artísticas,
pedagógicas e sociais, abrindo espaço para novas perspectivas de ensino apoiadas no
acontecimento e no caráter processual. Ao mesmo tempo em que se configura como a
própria experiência, sendo perpassada pela bagagem de vida de cada sujeito, ao se
recusar a qualquer estabilização, a performance também contesta o pensamento
assegurado e reprodutor, o que a torna tão cara a experiência pós-moderna. Enquanto
conteúdo, trabalhamos identidade, memória, diferença e alteridade a partir de
procedimentos de intervenção e composição cênica, a exemplo de programas
performativos. Como recurso metodológico, utilizamos a aula prática, a dialogada e a
expositiva para problematizar conteúdos, estimular o posicionamento dos alunos frente
às situações e experiências propostas e incentivar os mesmos a estabelecer relação com
outras vivências fora do ambiente escolar. Apesar dos percalços e problemas resultantes
dos dispositivos e estruturas educacionais vigentes e entranhados no comportamento de
alunos, professores e funcionários, realizamos o que foi pretendido. Como proposição
didática, a performance mostrou-se versátil e potente o suficiente para apontar caminhos
e possibilidades de ação. Enquanto proposta pedagógica, apesar do pouco tempo,
alcançamos algumas conquistas quanto à relação dos alunos com o espaço da escola e
desta em relação aos discentes. O mesmo pode ser dito sobre as perspectivas
metodológicas do professor de Arte em relação aos conteúdos e de abordagem e
entendimento, destes conteúdos, por parte dos alunos.