Você está na página 1de 7

ESTUDO DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICOS EM

EDIFICAÇÕES ANTIGAS NA CIDADE DE ARARUNA-PB

William do Nascimento Pontes


Débora Emmanuele de Sousa Oliveira
Diógenes Luiz Silva Nascimento
Maria de Lourdes Soares de Souza
Tasso Bismarck Tavares Henriques

INTRODUÇÃO

Desde o mais simples abrigo até o mais moderno edifício a estrutura é o principal
componente de uma construção. Sem estrutura, nenhuma forma material pode ser
edificada e conservada. Ela garante o equilíbrio da construção que sofre ações de cargas
cujas diferentes direções e intensidades provocam conflitos que necessitam ser
solucionados.
Os problemas que envolvem as causas das patologias em edificações vão desde
eventos naturais como chuvas, ventos e temperatura até causas antrópicas como
sobrecarga imprevista nas estruturas e agentes químicos. Assim, é notória a complexidade
do estudo. Além do mais, construções antigas tornam-se mais vulneráveis a tais
problemas por abrangerem maior tempo sobre ações que evidenciam causas patológicas
(GONÇALVES, 2015).
Sabendo-se que Araruna é uma região com grande quantidade de estruturas
arquitetônicas antigas, que são patrimônio histórico e cultural e tendo-se conhecimento
que tais construções sofrem influência de ações intempéries e humanas. É necessária uma
pesquisa nas construções com maiores riscos à predominação de acidentes patológicos.
O presente artigo tem como objetivo a inspeção e análise das manifestações
patológicas estruturais e construtivas presentes em patrimônio histórico na cidade de
Araruna-PB.
Nesse sentido, visa-se detectar a ocorrência de patologias estruturais por falta de
manutenção ou falha construtiva, através de uma inspeção de patologias inerentes e
adquiridas tais como suas consequências para a edificação.
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

De acordo com RIPPER e SOUSA (1998), Patologia das Estruturas define-se


como “campo da Engenharia das Construções que se ocupa do estudo das origens, formas
de manifestação, consequências e mecanismos de ocorrência das falhas e dos sistemas de
degradação das estruturas".
Segundo LICHTENSTEIN (1985), estes problemas patológicos podem
apresentar-se deforma simples, sendo assim, de diagnóstico e reparação evidentes ou
então, de maneira complexa, exigindo uma análise individualizada. As formas
patológicas encontradas com maior frequência são infiltrações, fissuras, corrosão da
armadura, movimentações térmicas, descolamentos, entre outros.
O termo "patologia" é derivado do grego (pathos - doença, e logia - ciência,
estudo) e significa "estudo da doença". Na construção civil pode-se atribuir patologia aos
estudos dos danos ocorridos em edificações.

METODOLAGIA

A estrutura do trabalho estabeleceu em um estudo de caso, com objetivo de


encontrar patologias, em edificações antigas do município de Araruna – PB. Segundo
dados do IBGE, este local pertencente à microrregião do Curimataú Oriental, que é área
onde se abrange o semiárido e assim, sujeita a irregularidades nos índices pluviométricos
e risco de secas prolongadas, fatores estes que contribuem para o surgimento de tais
patologias.
Foi escolhido a fazenda Maquiné para estudos das patologias na estrutura histórica
no município de Araruna - PB.
Após a escolha da edificação, foi feita vistoria na edificação, com finalidade de
evidenciar os problemas de origem patológica e realizar registros fotográficos das
epidemias. Como corrosão de armaduras e fissuras que podem decorrer da variação de
temperatura, compressão, torção, cisalhamento, flexão e retração hidráulica.
ANÁLISE E DISCUSSÃO DO RESULTADOS

Após a visita a Fazenda Maquiné, foram retiras imagens e informações das


patologias existentes na estrutura da construção da casa e galpões a redor do núcleo da
fazenda.

Figura 1: Numeração(1891) referente ao ano de construção da estrutura.


Fonte: PONTES, W.N.

Fendas verticais causadas por atuação de sobrecargas


As fissuras verticais induzidas por sobrecargas se dão por excessivo carregamento
de compressão. Quando a alvenaria está submetida ao carregamento axial de compressão,
incide na interface entre o componente da alvenaria e a junta de argamassa um esforço de
tração transversal, pois a argamassa apresenta deformações superiores ás dos
componentes e tende, por efeito de Poisson, a deformasse transversalmente.
(JAWOROSKI,1990).

Figura 2: Fissuração típica da


Figura 3: Fissuração típica
alvenaria causada por
da alvenaria causada por
sobrecarga vertical
sobrecarga vertical

Fonte: PONTES, W.N. Fonte: PONTES, W.N


Fendas verticais causadas por movimentação higroscópica
As mudanças higroscópicas provocam variações dimensionais nos materiais
porosos que integram os elementos e componentes da construção, o aumento do teor de
umidade produz uma expansão do material enquanto a diminuição desse teor provoca
uma contração. No caso da existência de vínculos que impeçam ou restringem essas
movimentações poderão ocorrer fissuras nos elementos e componentes construtivos
(VALLE,2008).
As variações térmicas durante o ano e períodos de secas prolongadas agravam a
estabilidade de estruturas frágeis como é o que acontece com as edificações da Fazenda
Maquiné. A retração dos tijolos nas arestas dos edifícios é consequência do clima seco e
com baixa pluviosidade da região.

Figura 4: A retração dos tijolos Figura 5 A retração dos tijolos


causa fissuramento vertical no causa fissuramento vertical no
canto do edifício. canto do edifício.

Fonte: PONTES, W.N. Fonte: PONTES, W.N.

Problemas causados por variação térmica


No momento da visita técnica, constatou-se evidencias de incêndio mostrada na
figura 5 que causaram problemas nas mais diversas estruturas, desde a dilatação da
fundação até a fragilização da grelha de madeira que sustenta o telhado.
Como visto na figura 6, era utilizado fogão a lenha, comum naquela época, fato
esse que provocou oscilações de temperatura diminuindo as propriedades mecânicas de
resistência da estrutura.

Figura 6: Indício de Figura 7: Fogão a lenha.


incêndio no forro de
madeira. Fonte: PONTES, W.N.

Fonte: PONTES, W.N.

Defeitos estruturais graves


As múltiplas situações em que a facilidade de desmonte pode ser vista como uma
debilidade estrutural, são nesse caso a falta do vigamento em aberturas com grandes vãos
mostrado na figura 7 e formas arquitetônicas de arcos em janelas que foram mal
executados exemplificado na figura 8.

Figura 8: Patologia causada pela falta de vigamento.

Fonte: PONTES, W.N.

Figura 9: Ruptura do arco


da janela.

Fonte: PONTES, W.N.


CONCLUSÃO

Nesse trabalho foi estudado as patologias existentes nas edificações do núcleo da


Fazenda Maquiné abordando aspectos importantes da eficiência estrutural. Não apenas
evidenciou-se os defeitos estruturais como: falhas estruturais graves, problemas causados
por variação térmica, fendas verticais causadas por movimentação higroscópica e fendas
verticais causadas por atuação de sobrecargas, mas também, explanar a importância de
cuidados com o patrimônio histórico de Araruna-PB.
REFERÊNCIA:
GONÇALVES, Eduardo Albuquerque Buys. Eduardo Albuquerque Buys Gonçalves.
2015. 174 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Civil, Engenharia Civil,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
RIPPER e SOUSA (1998). Durabilidade de Estruturas de Betão Armado, Degradação do
Betão e Corrosão de Armaduras, Importância da Inspecção Periódica, Março.Publicado
na revista “Arte e Cimento”, Out. 2005.
LICHTENSTEIN, N. (1985). Patologia Das Construções: Procedimento Para Formulação
Do Diagnóstico De Falhas E Definição De Conduta Adequada À Recuperação De
Edificações. SãoPaulo: Escola Politécnica da USP: Dissertação (mestrado em engenharia
civil).
VALLE, J.B.S.S. (2008). PATOLOGIA DAS ALVENARIAS Causa / Diagnóstico /
Previsibilidade. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais Escola de
Engenharia (graduação em engenharia civil).
GONÇALVES, Eduardo Albuquerque Buys. Eduardo Albuquerque Buys Gonçalves.
2015. 174 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Civil, Engenharia Civil,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.