Você está na página 1de 3

Mago: A Cruzada dos Feiticeiros

Cenário: Florença, em 1492. Governada pela família de banqueiros


Médici, na figura de Lourenço de Médici, O Magnífico.

 Capela afiliada ao Conselho dos Nove – Palácio Strozzi (nome


mundano) ou Academia dos Divinos Escribas (nome da Capela)

Diácono: Fillipo Strozzi, bani Ordem de Hermes (ex-membro da extinta


tradição dos Solificati).

Bustos do Diácono Fillipo Strozzi em duas fases de sua vida. O da direito é o estado atual
de sua idade enquanto dirige a Academia dos Divinos Escribas

A Academia dos Escribas é um palácio criado por Lorde Strozzi


primeiramente com o objetivo de se restabelecer em Florença após a
expulsão da família, em 1430, pelos Médici. Após de recuperarem boa
parte de sua fortuna como banqueiro em Nápoles, Fillipo Strozzi resolve
voltar à Florença, desafiando o já enfraquecido poder de Lourenço de
Médici e decidido a esmagas os seus rivais.
Strozzi fez questão de criar um palácio maior que o Palazzo
Médici, do qual copiou a forma. Uma construção de três andares,
envolta num pátio central e a parede revestida com pietraforte
florentina inclinada para o alto.
Cabalas que compõem a Academia dos Divinos Escribas

1. Os Línguas Azuis
Os Línguas Azuis são uma cabala formada por aprendizes que
buscam o conhecimento por quaisquer meios possíveis. Dizem que seus
espaços secretos dentro da Academia possuem livros e grimórios
únicos. Alguns até afirmam que a cabala é responsável por
desaparecimentos de obras do Vaticano e que possuem boa parte de
todos os livros proibidos pelo Tribunal do Santo Ofício.
Seu líder é Giuliano Bruno, um antigo monge dominicano que
dedicou sua vida à escolástica até o dia em que Despertou e passou a
ver o mundo de outra forma. Giuliano aparenta ter seus 30 anos, mas,
na verdade já está na casa dos 40 – esta característica é oriunda de
seus conhecimentos na esfera de Vida.

O Corista Giuliano Bruno, líder


da cabala das Línguas Azuis e
braço direito do Diácono.

2. Os Guardiões do Véu

Os Guardiões são um cabala de viajantes de várias partes do


mundo que tem um grande ideal: proteger as grandes criações mágicas
e os seres mágicos. Fornecendo-os locais seguros e abrigos em sítios
estratégicos criados para serem incorruptíveis. Dizem que a cabala
guarda um grande compendium, uma enciclopédia e uma fortaleza na
qual eles guardam todos os tesouros e mantém os seres mágicos a salvo
das investidas da Ordem da Razão e dos agentes da Inquisição; às
vezes, eles salvam alguns adormecidos ou despertos discrepantes de
serem queimados pelas fogueiras do Tribunal.
Safira Escarlate é a líder da cabala. Sua beleza, carisma e porte
são atributos que atraem os olhares de todos os homens da cidade;
inclusive do regente de Florença, Lourenzo de Médici, já enviou-lhe
convites com o objetivo de conhecer seu filho mais jovem, Pietro de
Médici, mas teve seu convite negado da forma mais cordial possível.

A Batini Safira Escarlate, líder dos


Guardiões do Véu