Você está na página 1de 6

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O PROJETO DE PESQUISA

Um Projeto de Pesquisa é um planejamento de estudo sobre um determinado assunto. É uma


promessa de estudo, um plano de estudo sobre um assunto; um texto que apresenta ideias que
pretendem ser analisadas por um aluno. Ou seja: não é, propriamente, já o trabalho monográfico do
aluno, mas apenas o que se pretende investigar. Esse planejamento tem uma ordem de informações
que a ABNT NBR 15287:2005 (p. 3) apresenta da seguinte maneira: TEMA, PROBLEMA,
HIPÓTESE(S), OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA, REFERENCIAL TEÓRICO, METODOLOGIA,
RECURSOS e CRONOGRAMA.

ESTRUTURA DO PROJETO

Tema: assunto geral que será abordado no trabalho;


Delimitação do tema: assunto mais específico em relação ao tema; a delimitação está dentro do
tema; há alguns direcionamentos que podem ajudar o aluno a escolher o seu tema:
Estratégias para reduzir um tema jurídico são basicamente por assunto (“A dispensa
abusiva no contrato de trabalho”), por autor (“O conceito de legitimidade em Hannah
Arendt”), por circunscrição temporal (“Evolução do concubinato na segunda metade do
século XX”), por circunscrição espacial (“Ações de despejo na Comarca de Escada”), por
referência expressa a aspecto específico do direito positivo (“O princípio da
nacionalidade na Lei de Introdução ao Código Civil de 1916”) etc., além desses critérios
combinados (ADEODATO, 2012, p. 3).

Problema: é expresso sob a forma de um questionamento; geralmente ele se mostra como um


equívoco, um impasse, uma dificuldade a ser solucionada, uma confusão no seu assunto; trata-se de
uma pergunta que diz exatamente o que você irá estudar, que diz o que será o objeto central de todo
o processo de reflexão do assunto. É por isso que ele é a razão de todo o projeto de pesquisa existir.
Sem problema não temos pesquisa e não temos projeto, muito menos TCC.

Hipótese: apresentar a(s) hipótese(s) de um trabalho é construir frases afirmativas que expressem
uma das questões a seguir: a) possível solução do problema; b) princípios gerais que permearão o
trabalho. A hipótese pode ser a possível solução do seu problema. Você pode acreditar em uma
solução, mas não sabe se ela será possível; ou seja, você acredita, inicialmente, nesta solução, mas
precisa pesquisar para saber se ela é realmente viável.

Justificativa: justificar significa apresentar argumentos que validam um objeto, que mostram a
pertinência do assunto, enaltecendo-o e enfatizando a sua importância. Isso é necessário porque esta
é a seção que precisa convencer o orientador, digamos assim, sobre a relevância da pesquisa. Esta
seção é a que o convencerá também de que ele deve realmente orientar você porque o assunto é de
inestimável importância. Devemos ter uma capacidade de convencimento elevada, a fim de que os
motivos elencados apresentem-se, de fato, como singulares, como especiais. Devemos mostrar que
a pesquisa é necessária e urgente.
Para isso, podemos explicar os motivos pelos quais todas as nossas escolhas foram feitas:
por que escolhemos o tema; por que optamos por aquele problema social em específico, se for o
caso; qual a importância de todo o trabalho que será desenvolvido por você; se há trabalhos já
realizados na área da forma como você quer desenvolver; se há grupos de pesquisa formados sobre
o seu assunto; por que a sua hipótese é importante; por que você está com os objetivos que
apresenta; por que você optou por trabalhar com o(s) doutrinador(es) especificado(s) e/ou com a
teoria base apresentada; se o seu trabalho terá uma importância prática ou teórica. Enfim, notem que
apresentamos os porquês de todas as etapas do projeto de pesquisa, sempre enaltecendo o trabalho e
as informações prestadas.
Marconi e Lakatos, Gressler e Gonçalves (2007, 2004, 2005) listam um conjunto de ideias
que podem ser abordadas na justificativa. Fizemos uma compilação dessas dicas:

 Enaltecer o trabalho, demonstrando a sua importância – enfatizar o tema;


 Apresentar o estágio em que se encontra a teoria respeitante ao tema;
 Destacar as contribuições teóricas que a pesquisa pode trazer (confirmação geral,
confirmação na sociedade particular em que se insere a pesquisa, especificação para casos
particulares, classificação da teoria, resolução de pontos obscuros);
 Ressaltar a importância do tema do ponto de vista geral e para os casos particulares em
questão;
 Relatar a possibilidade de sugerir modificações no âmbito da realidade abarcada pelo tema
proposto;
 Enfatizar descobertas de soluções para casos gerais e/ou particulares;
 Posicionar o projeto no contexto científico e tecnológico;
 Esclarecer por que o tema foi escolhido, qual a sua oportunidade e relevância
socioeconômica, cultural e/ou histórica;
 Verificar o potencial do estudo de vir a interessar ou afetar pessoas, instituições, meio
ambiente, etc;
 Apontar a potencialidade do assunto de conduzir a resultados originais, assim como a
viabilidade de execução do estudo;
 Enumerar as divergências acerca da temática.
Vale lembrar que todas as ideias supra devem ser expressas em um texto coerente e coeso.
Nesse momento, muita atenção à linguagem utilizada, a fim de que não se cometam erros de ordem
lógica e estrutural. Os argumentos selecionados também devem realmente ser uma comprovação da
pertinência e plausibilidade do trabalho que será desenvolvido. Em alguns momentos, durante a
leitura de alguns textos, é importante utilizarmos estruturas de enaltecimento das informações,
como: “é de suma importância”, “faz-se de extrema relevância”, “é notória a pertinência de” etc.

Objetivos: A seção de objetivos apresenta tudo o que temos que ser capazes de desenvolver no
leitor, a fim de que ele possa assimilar o que pretendemos defender. Notem que não são atividades
que a gente quer fazer, pois se assim o fosse, estaríamos escrevendo a metodologia da pesquisa. Os
objetivos são as capacidades que o pesquisador precisa despertar em quem lê o seu texto, a fim de
que esse leitor entenda as considerações finais do trabalho. São uma espécie de futuras metas a
serem alcançadas, apresentadas de forma gradativa, dentro de uma ordem que possibilite uma fácil
assimilação do que se pretende transmitir.
Os objetivos estão sempre divididos em geral e específicos. Primeiro escrevemos o objetivo
geral e depois os específicos; todos eles devem iniciar sempre com verbo no infinitivo. É
interessante que os verbos sejam diversificados, a fim de demonstrarmos domínio de vocabulário,
muita leitura, e diferentes capacidades que serão desenvolvidas no outro. Isso nos atribui uma
característica de pesquisador dinâmico.
O objetivo geral é único, pois ele está diretamente relacionado com o problema do seu
projeto. Como você só deve ter um problema, então, indubitavelmente, você só terá um objetivo
geral. Sendo este um objetivo de sentido amplo, que se relaciona com o todo do trabalho, é
importante que o verbo utilizado seja de igual amplitude.
Os verbos de sentido mais estrito ficam para a seção de objetivos específicos. Trata-se de
um momento em que devemos apresentar, gradativamente, o que deverá ser perseguido, a fim de
que consigamos atingir o objetivo geral. Esta gradação é de extrema importância para que não
pulemos etapas que tornem o alcance do objetivo geral mais difícil. Isto significa dizer que
precisamos de um detalhamento máximo e sutil de tudo o que deverá ser alcançado.
Assim, é importante identificarmos as etapas de planejamento dos objetivos específicos, que
são:

a) apresentar componentes importantes do problema;


b) transformar cada um dos aspectos escolhidos em um objetivo;
c) verificar a suficiência dos objetivos específicos propostos;
d) escolher a melhor sequência lógica (SANTOS, 2007).
Referencial teórico: Trata-se de uma explicação de ordem mais teórica sobre o pensamento base da
pesquisa: o referencial teórico - também chamado de fundamentação teórica, marco teórico ou
embasamento teórico. Referencial teórico é a descrição do pensamento que fundamentará todo o seu
trabalho. Por exemplo, se analisarmos um assunto como mercado virtual sob o ponto de vista
marxista, teremos uma linha a seguir que será diferente de um ponto de vista positivista sobre esse
mesmo assunto. Neste sentido, escrever um embasamento teórico é apresentar esclarecimentos
sobre a corrente jurídica, a linha filosófica, o pensamento que irá nortear o seu trabalho. Trata-se de
informações sobre os princípios que fundamentarão o seu trabalho e que desencadearão o seu ponto
de vista final. Não se trata de escrever já sobre o seu assunto a ser investigado, mas sim de escrever
sobre as bases do raciocínio dele. Você poderá abordar questões filosóficas, sociológicas,
psicológicas etc. Tudo dependerá do seu assunto. É interessante também mencionar as principais
ideias dos doutrinadores que embasarão o seu pensamento ao longo do texto a ser escrito. Notemos
que não abordamos o assunto em si, mas as ideias dos principais autores que fundamentarão o
trabalho.

Metodologia: A seção de metodologia de um projeto de pesquisa envolve termos de ordem técnica


próprios de cada área, associados de forma a explicar como o trabalho foi desenvolvido, o que foi
preciso fazer, pensar, ao longo da pesquisa; os encaminhamentos científicos que se seguiram para
que aquele trabalho estivesse dentro dos rigores técnicos que uma pesquisa exige. É uma espécie de
“bula” do trabalho, vez que apresenta o que está por trás da constituição de toda a pesquisa. A
metodologia que deve ser esclarecida no projeto é uma descrição minuciosa das etapas da pesquisa,
de forma a fazer com que outro pesquisador atinja os mesmos resultados alcançados por você, caso
ele queira passar pelo mesmo processo de pesquisa que você seguiu.
O pesquisador que está atento a questões metodológicas de sua pesquisa possui, por
conseguinte, uma excelente abordagem e disposição do conteúdo de sua pesquisa. Isso porque a
metodologia ajuda a traçar os passos que serão seguidos para as descobertas futuras com relação ao
objeto de estudo. Se estamos com estágios da pesquisa bem delineados, certamente teremos
excelentes resultados.
Tudo isso precisa de uma nomeação própria. Em metodologia, você nomeará as suas ações
com métodos, técnicas e tipos de pesquisa, justificando as suas escolhas. O principal é que você
demonstre a inserção desses métodos dentro do seu assunto; ou seja, demonstre que as suas ações
são imprescindíveis para a solução do seu problema, e que essas ações possuem nomes
metodológicos. Neste momento, será necessário juntar o seu conteúdo com o método aplicado,
enfatizando-se a pertinência e plausibilidade de cada ferramenta metodológica para o conteúdo.
As etapas a que nos referimos dizem respeito a: grau de comprometimento social do nosso
trabalho; indicação de um método de construção/organização da estrutura do trabalho como um
todo; a indicação de um método para as partes que comporão a estrutura maior do trabalho; o
método que conduzirá a análise crítica ou análise dos dados coletados; o tipo de pesquisa que será
desenvolvido; e o instrumento que será utilizado para coletarmos dados. Todo o conjunto dessas
partes, com as suas respectivas nomenclaturas científicas, é o que a gente intitula de metodologia.
Por este motivo, não estamos, em momento algum, falando em vários métodos, mas sim falando em
um método que foi necessário para um momento da pesquisa.
Dentre os critérios metodológicos que podem ser utilizados em uma metodologia, podemos
mencionar:

a) abordagem da natureza metodológica: para nos referirmos ao grau de comprometimento


social do nosso trabalho;
b) método de abordagem: para nos referirmos à indicação de um método de
construção/organização da estrutura do trabalho como um todo;
c) método de procedimento: para nos referirmos à indicação de um método para as partes que
comporão a estrutura maior do trabalho;
d) classificação da pesquisa quanto ao procedimento técnico: para o tipo de pesquisa que
será desenvolvido quanto às ações que foram tomadas para se prosseguir com a pesquisa;
e) classificação da pesquisa quanto ao objetivo geral: para o tipo de pesquisa que será
desenvolvido quanto à intenção geral do trabalho;
f) técnica de pesquisa: para o tipo de instrumento utilizado na coleta de dados.

Os critérios acima dispostos estão presentes em autores como Marconi e Lakatos, Antônio
Carlos Gil, Antônio Raimundo dos Santos, Silvio Oliveira, Olga Maria Boschi dentre outros. A
seguir, apresentaremos as opções de métodos, abordagens, técnicas e pesquisas de cada um desses
critérios acima. Isso significa dizer que, para cada um dos critérios supra, você terá que escolher o
subtópico que melhor represente as suas ações na pesquisa.
Para o momento, apresentamos as opções de cada critério metodológico abaixo. Vale
ressaltar que essas opções se baseiam no que irá predominar no âmbito jurídico. Isso significa que
há vários outros subtópicos para cada um desses critérios, mas que não são úteis para o Direito; há
também vários outros subtópicos que podem ser úteis ao Direito, mas que não predominam em
nossas pesquisas. Ou seja, não há como abordarmos todos os métodos aqui nesta obra, mas
privilegiaremos os mais recorrentes.
a) abordagem da natureza metodológica: abordagem qualitativa ou abordagem quali-
quantitativa;
b) método de abordagem: hipotético-dedutivo, dialético, fenomenológico.
c) método de procedimento: histórico-comparativo, tipológico, monográfico, estatístico,
comparativo, histórico etc.
d) classificação da pesquisa quanto ao procedimento técnico: pesquisa bibliográfica, de
campo ou documental;
e) classificação da pesquisa quanto ao objetivo geral: pesquisa exploratória, explicativa ou
descritiva;
f) técnica de pesquisa: documentação ou observação.

É importante dizer que não será o pesquisador quem seguirá o método, mas o oposto. Isso é
importante para que não limitemos as nossas ações durante as pesquisas ao cumprimento de um
método específico. Se assim o fizermos, poderemos deixar de descobrir importantes questões
somente pelo fato de estarmos presos a um determinado método.

Recursos: Os recursos dizem respeito a todo o material que será utilizado para a execução da
pesquisa.

Cronograma: O cronograma de uma pesquisa descreve atividades que deverão ser realizadas em
um determinado tempo. Ele é apresentando em forma de tabela, em que o aluno planeja as suas
atividades para cada mês, a fim de que o tempo seja bem aproveitado pelo pesquisador.