Você está na página 1de 52

Fisiologia do Sistema Nervoso

Motricidade Somática II:


Córtex, Cerebelo e N. da Base I

Profa Dra Eliane Comoli


Depto Fisiologia
FMRP-USP
Organização Hierárquica do Movimento
Córtex: propósito e comando do
movimento.

Núcleos da Base e Cerebelo: formação


do plano motor e ajustes motores.

Tronco Cerebral: reflexos; controle da


postura e equilíbrio.

Medula Espinhal: nível mais baixo da


organização hierárquica; circuitos
neurais que mediam reflexos e
automatismos rítmicos
(tronco e medula espinhal)
Organização dos Movimentos
Sistema Nervoso Motor
Córtex Motor Cerebral
onde se localizam os neurônios motores superiores no lobo frontal:
Córtex Motor Primário, Córtex Pré-Motor e Área Motora Suplementar

Área Motora Área Motora


Suplementar Suplementar
Córtex Córtex Motor I Córtex Motor I
Pré-motor

Diferença: arquitetura do Córtex Motor Primário e baixa intensidade de


corrente necessária para desencadear movimentos por estimulação elétrica no
Córtex Motor Primário – indicador de via direta grande com início no Córtex
Motor Primário
Área motora e Pré-motora são
responsáveis pelo
planejamento e controle
preciso de seqüências
complexas de movimentos
voluntários.

Área motora e Pré-motora


tem papel importante para a
manutenção da postura
durante o movimento
voluntário iniciado pelo
Córtex Motor Primário.

Áreas Motoras
Área Motora Suplementar e Córtex Pré-Motor
apresentam conexões recíprocas com o Córtex Motor Primário

O Córtex Motor Primário recebe Córtex Motor Primário recebe impulsos


impulsos da área motora suplementar do cortex pré-motor, que processa
(SMA), sendo que a SMA recebe informações sensoriais do Córtex Parietal.
impulsos dos núcleos da base e O circuito parietal - pré-motor guia ações
córtex pré-frontal.
orientadas por objetos (ex: grasp), usando
impulsos sensoriais em curso.
Área Motora Suplementar e Córtex Pré-Motor
utiliza informação de outras regiões corticais para selecionar movimentos
apropriados ao contexto da ação

Área Motora Suplementar: iniciam Córtex pré-motor: respondem em


atividade alguns seg antes do movimento; sincronia com o movimento;
importante em tarefas condicionadas (st importante em tarefas condicionadas
internos, ex memória) e parecem codificar (st visual) e parecem codificar
intenção do movimento. intenção do movimento.
Verde: Cortex frontal forma e delibera
as intenções motoras.

Vermelho: Área motora suplementar


começa o planejamento para a ação.

Azul: Imediatamente antes da ação


acontecer o Córtex Motor Primário torna-se ativo.

Córtex MotorPrimário gera sinais neurais


para a medula
espinhal e músculo
contralaterais.

Atividade cerebral precede a ação voluntária.


Áreas Pré-Motoras
(≈ 30% do trato córtico-espinhal). Área Pré- Área Pré-
Motora Motora

influenciam o movimento
através de conexões recíprocas
com o Córtex Motor Primário e
através de axônios que se
projetam pelas vias córtico-
bulbar e córtico-espinhal.
Córtex Motor Primário
somatotopia motora – Homúnculo Motor de Penfield
mapa sistemático da musculatura corporal ou mapa do movimento?

Musculatura usada em tarefas que


requerem controle motor fino,
ocupa uma área de representatividade
maior no mapa.

Homúnculo Motor de Penfield


Neurônios do Córtex Motor Primário
neurônio motor piramidal ou célula de Betz – tratos córtico-bulbar
(núcleos motores de nervos cranianos do tronco, formação reticular e
núcleo rubro) e córtico-espinhal.

(Modified from Hendry SHC, Jones EG: Sizes and distributions of intrinsic neurons incorporating tritiated GABA in monkey sensory-motor
cortex. J Neurosci 1:390-408, 1981; and Jones EG: Laminar distribution of cortical efferent cells. In Peters A, Jones EG [eds]: Cerebral
Cortex, vol 1. New York, Plenum Press, 1984, pp 521-553, with permission.)
Neurônios do Córtex Motor Primário
célula piramidal gigante (soma atinge 100 µm de altura) encontrada
quase exclusivamente no cortex motor primário, camada V.
Projeta-se para o corno anterior da medula espinhal e está envolvida
com controle do movimento.
Córtex Motor Primário
modula a ação dos neurônios motores e
interneurônios do tronco e da medula espinhal;
movimentos complexos e precisos.
Córtex Motor Primário
comanda movimentos complexos e precisos
dos olhos, face, cabeça e língua.
Expressão Facial
Expressão Facial ao sorrir
Projeções descendentes - Movimento Facial

Como se explica as Deficiências Motoras?


Lesões Neurológicas responsáveis
por Deficiências Motoras
Córtex Motor Primário
comanda movimentos complexos e precisos do
tronco, membros, mãos e pés.
Córtex Motor Primário
inicia o movimento através da
projeção córtico-espinhal
Córtex Motor Primário
influência de um único neurônio motor
superior cortical sobre a atividade muscular
(excitação de vários músculos e inibição
simultânea de outros)
Via Córtico-Espinhal

Organização médio-lateral dos


interneurônios pré-motores
na medula espinhal no
desenvolvimento neurogênico.
(adapted from Tripodi et al, 2011).

Projeção descendente do interneurônio


cervical até segmento lombar;
subdivisão feita por identidade neuroquímica
(excitatória e inibitória) e origem no
desenvolvimento.
(adapted from Ruder et al, 2016).
Via Córtico-Espinhal Lesão nos Tratos Laterais
Incapacidade de realizar
movimento fracionado;
movimento voluntário muito
lentificado.

Lesão na Via córtico-espinhal


Efeito Agudo - deficiência
severa do movimento Lesão subsequente da Via
Tardio – fraqueza nos flexores Rubro-Espinhal
distais e incapacidade de reverte a recuperação
mover os dedos

Trato Rubroespinhal – ativadora


dos músculos flexores e inibidora
dos músculos extensores.
Projeção cortical para as vias
ventromediais do tronco encefálico
Vias Descendentes do Tronco Cerebral:
utilizam informações sensoriais sobre equilíbrio e posição corporal e ambiente visual
para manter reflexamente, o equilíbrio e postura corporais.

Núcleo Rubro: movimento dos braços

Colículo Superior:
cabeça e olhos;

N.Vestibulares e
Formação Reticular:
posição do corpo

Via descendente medial: Via descendente lateral:


controle postural controle movimento dos membros
Trato Vestíbulo-Espinhal (L e M) superiores
Trato Retículo-Espinhal Trato Rubro-Espinhal
Trato Tecto-Espinhal
Qual a função e importância dessas 2 vias em
relação à orientação da cabeça e dos olhos?

Via Vestíbulo-Espinhal Via Tecto-Espinhal


Trato Tecto-espinhal – responsável pelo controle do
posicionamento da cabeça e movimento dos olhos em relação ao
objeto em movimento no espaço.

Trato Vestíbulo-espinhal –
responsável estabilidade
da cabeça e dos olhos
quando o corpo se
movimenta.

Via Vestíbulo-Espinhal Via Tecto-Espinhal


Vias retículo-espinhais

Trato Retículo-espinhal
Bulbar – libera os
músculos anti-
gravitacionais do controle
Trato Retículo-espinhal
reflexo
Pontino – aumenta os reflexos
anti-gravitacionais
Via Córtico-Retículo-Espinhal
manutenção da postura e alguns movimentos
reflexos

A formação reticular é um dos destinos


mais importantes das projeções corticais
para o tronco no ajuste da postura para
manter a estabilidade durante o movimento
voluntário – Via Córtico-Retículo-Espinhal
Cortico-Espinhal Ventral
Qual a diferença do papel das vias vestíbulo-espinhais
e das vias retículo-espinhais na manutenção da
postura?
Manutenção antecipatória
da postural corporal
para garantir a estabilidade corporal a
contração do gastroquinênio precede a
contração do bíceps

Mecanismo
Antecipatório ou
de Proação – via
córtico-reticular-
espinhal
Movimento Voluntário
Iniciação de um movimento balístico voluntário

Quais as estruturas e vias estão


relacionadas com esse movimento?
Iniciação de um movimento balístico voluntário
Iniciação de um movimento balístico voluntário
Requer instruções que descem do
Córtex Motor Primário pelas vias
laterais que ativam diretamente
neurônios motores espinhais e os libera
do controle reflexo, comunicando-se
com as vias ventromediais.
Vía Córtico-Espinhal

Antes é necessário uma sequência detalhada de movimentos (Área Motora


Suplementar)
Posição detalhada do seu corpo em relação ao rebatedor (somatossensorial,
propriocepção e visual - auto-imagem e relação espacial) – Córtex
SomatoSensorial e Córtex Parietal Posterior; e Córtex Pré-Motor .
Córtex Pré-frontal e Córtex Parietal Posterior representam o nível mais alto da
hierarquia do controle motor (decisões são tomadas acerca de quais ações realizer
e as possíveis conseqüências).
Córtex Pré-frontal e Parietal enviam axônios que convergem para o
Córtex Motor Primário
O Movimento requer a participação dos
Núcleos da Base e Cerebelo
Interações do Sistema Auditivo e
Motor durante o desempenho musical
Interações do Sistema Auditivo e Motor
durante o desempenho musical
Atividade neural entre regiões pré-motoras,
auditivas, cortex motor I é disseminada na
expressão musical e organização da ação musical
(Zatorre, 2001; Patel, 2007; Koelsch, 2011).

Área Motora Suplementar está envolvida na


sensibilidade de métrica musical
(Zatorre, 2001)

Cortex pré-motor
ativado em músicos
experientes
durante a execução
da ação musical.
(Bangert et al., 2006;
Baumann et al., 2007).
Lesão nas Vias Motoras Descendentes
Síndrome do Neurônio Motor Superior
Síndrome do Neurônio Motor Superior:
lesões no neurônio motor do córtex ou na via motora descendente

Efeito Inicial
Estado de Choque Espinhal é uma perda temporária de
atividade reflexa dos neurônios motores inferiores por terem
sido deprivados das aferência corticais repentinamente

Flacidez imediata da musculatura afetada

Hipotonia

Atividade Reflexa abolida


Efeito Tardio - após saída do estado de choque espinhal:
recuperação de várias funções dos circuitos medulares

1. Sinal de Babinsk: abertura anormal dos 2. Espasticidade: aumento do tônus


dedos em leque e extensão do dedão. muscular (hipertonia) e aumento do
reflexo miotático hiperativo
(hiperreflexia miotática)

3. Hiporreflexia dos reflexos superficiais


(reflex córneo, reflexo abdominal).

4. Perda da habilidade de
realizar movimentos finos.

Rigidez de descerebração
Reflexos extensores exagerados:
extensão rígida dos membros
e hiperreflexia miotática.
Achados Clássicos sugerem:
Hipertonia e hiper-reflexia
são respostas clássicas de lesões do
neurônio superior.
Diversas teorias sugerem mecanismos
dependentes de impulsos cortico-espinhais
descendentes (do córtex motor primário)
para explicar esses quadros, mas não
esclarece a conectividade envolvida na
hiporeflexia aguda (choque espinhal) e
hiper-reflexia tardia.
Os achados clássicos tardios de
lesões do neurônio motor superior atribuem
a muitos mecanismos localizados na
medula espinhal principalmente ao nível
Hiper-reflexia
dos interneurônios.
tardia
Achados Recentes sugerem:

Hipotonia e Arreflexia com déficit motor são


respostas observadas nos estados de Choque
Espinhal e na Síndrome da Área Motora
Suplementar.

Esse artigo sugere, na hiporeflexia aguda, um


papel dominante da influência inibitória supra-
espinhal originária na Área Motora Suplementar
e que descende através do trato córtico-espinhal,
relacionada à perda da excitação dos
motoneurônios alfa através do decréscimo na
inibição de interneurônios inibitórios.

Hiporeflexia aguda
Esclerose Múltipla não é uma doença
exclusivamente motora
É uma doença neurológica, crônica e
autoimune – ou seja, as células de
defesa do organismo atacam o
próprio sistema nervoso central,
provocando lesões cerebrais e
medulares.
Os pacientes são geralmente jovens,
em especial mulheres de 20 a 40
anos.
Esclerose Múltipla
é uma doença desmielinizante causada por uma reação inflamatória
que destrói a bainha de mielina.

Os axónios deixam de transmitir o


potencial de ação de um neurónio
ao neurónio seguinte ficando
assim a condução do estímulo
nervoso interrompida.

Fadiga é um dos sintomas mais


comuns e um dos mais
incapacitantes.

Manifesta-se por um cansaço intenso e momentaneamente incapacitante.


Muito comum quando o paciente se expõe ao calor ou quando faz um
esforço físico intenso.
Sintomas da Esclerose Múltipla
Espasticidade e Parestesia:
rigidez de um membro ao movimento (ppal/e inferiores).
sensação de queimação ou formigamento em uma parte do corpo;
sensações de dor.

Problemas de equilíbrio e coordenação:


Tremores; Instabilidade ao caminhar (ataxia); Vertigens e náuseas; Falta
de coordenação; Debilidade (pode afetar pernas e o andar);
Fraqueza geral.

Transtornos cognitivos: no processamento da memória e na execução


das tarefas.

Transtornos emocionais
Pode haver sintomas depressivos, ansiosos, transtorno de humor,
irritabilidade, flutuação entre depressão e mania (transtorno bipolar).
Sintomas da Esclerose Múltipla
Alterações fonoaudiológicas:
ligadas a fala e deglutição: fala lentificada, palavras arrastadas, voz trêmula,
disartrias, e disfagias (dificuldade para engolir: líquidos, pastosos, sólidos).

Transtornos visuais: Visão embaçada; Visão dupla (diplopia);

Sexualidade: Disfunção erétil, nos homens.


Diminuição de lubrificação vaginal nas mulheres.
Comprometimento da sensibilidade do períneo, interferindo no desempenho
do ato sexual.
Movimentos Voluntários ou
Elaborados
Iniciação do Movimento – Córtex Motor
Execução de movimentos voluntários:
a) intenção (córtex pré-frontal e área suplementar motora)
b) motivação (regiões frontais do córtex )
c) programação (núcleos da base)
d) comando motor (córtex motor e áreas pré-motoras)
e) ajustes posturais (cerebelo e sistema vestibular)
Alças Corticais com os Núcleos da Base
e com o Cerebelo

Alças Córticais com os Núcleos da Base


Programa Motor
Parâmetros Motores
Seleção de ações
Hábitos
Motivação

Alças Córticais com o Cerebelo


Propriocepção
Padrão temporal do movimento
Erro de sinalização motora