Você está na página 1de 40

Um livro de Augusto de Franco

Uma pequena cidade, situada no ponto culminante do Planalto Central do Brasil, guarda um
segredo profundo.

O "Segredo do Paraíso" vem do futuro, de um manuscrito elaborado em 2006,

que misteriosamente e inexplicavelmente foi agora encontrado, com dez anos de


antecipação.

O autor agradece a todos os amigos e amigas da rede ALPA - PARAÍSO AGORA

Publicado pela Editora O LIVRO ABERTO

Internet Art & WebDesign : Luis Paulo Veiga Nunes Pereira

Índice

Capítulos

UM

OPASSADO

DOIS TRÊS QUATRO CINCO

SEIS SETE OITO NOVE DEZ

OFUTURO
ONZE DOZE TREZE QUATORZE

QUINZE DEZESSEIS DEZESSETE

O MANUSCRITO

(FRAGMENTOS)

AUTO-AJUDA & BUSCA ESPIRITUAL INDIVIDUAL

AJUDA MÚTUA & COMUM DESENVOLVIMENTO

ENCONTRANDO NO PRESENTE LUGARES DO FUTURO

SOBREVIDA, VIDA & CONVIDA

TÃO SIMPLES ASSIM

A CONVIDA NÃO PODE SER INSTRUMENTALIZADA

O OBJETIVO É SER MAIS HUMANO

QUAL É MESMO O PROBLEMA ?

O MISTÉRIO DA MULTIPLICAÇÃO

COMUNIDADE ANTECIPANDO A HUMANIDADE

AS NOVAS COMUNIDADES ALTERNATIVAS

QUALQUER PESSOA PODE PRATICAR A SOLIDARIEDADADE

A MISÉRIA HUMANA É A "MATÉRIA PRIMA"

NECESSIDADE É IGUAL A OPORTUNIDADE

É INFALIVEL

NÃO EXISTE RECEITA

O PRIMEIRO "SINAL" DA FRATERNIDADE

OS "SINAIS" PODEM NÃO APARECER PARA VOCÊ

FIM E MEIO SÃO A MESMA COISA

PRESENTE

DEZOITO DEZENOVE VINTE


VINTE E UM VINTE E DOIS

AGRADECIMENTOS

Capitulo UM

Existe no Brasil uma cidade muito pequena, situada no alto da Chapada dos Veadeiros, em
pleno cerrado do Planalto Central do País.

O cerrado dessa região é um pouco diferente, porque é um cerrado de altitude, que chega a
alcançar quase 1.700 metros acima do nível do mar.

Pois é. Aqui em cima fica esta cidade pequenininha chamada Alto Paraíso. Você, que está
começando agora a ler este livro, já deve ter compreendido a razão da primeira para do nome
da nossa cidade: "Alto". Quando acabar de ler o livro você compreenderá a razão da Segunda
parte do nome: "Paraíso".

A cidade de Alto Paraíso guarda um segredo profundo. Um segredo tão poderoso que quem
conheçe-lo vai poder Ter as sete coisas que, no fundo no fundo, todo ser humano sempre quis:
garantir sobrevivência e conquista saúde equilibrada, dinheiro suficiente para viver bem,
trabalho compensador, relacionamentos gratificantes, espiritualidade plena e realização
pessoal.

Diz-se, algures, que este "segredo do paraíso" é tão simples que quase ninguém descobre. Nem
os habitantes e os visitantes de Alto Paraíso conhecem o segredo por inteiro. Porque ele só vai
se revelar plenamente no futuro. Quer dizer, na medida em que as pessoas que moram aqui em
Alto Paraíso, ou que vieram para cá, saírem do passado e fizerem uma viagem de ida e volta ao
futuro. Em outras palavras, na medida em que as pessoas passarem pelo futuro para chegar
no presente, conseguindo assim se libertar do passado.

Algumas pessoas que moram ou trabalham em Alto Paraíso já começaram a desvendar o


segredo. Mas todos estão ainda bem no início deste caminho que conduz ao presente passando
pelo futuro.

Capitulo DOIS

O PASSADO

Alto Paraíso de Goiás fica nos limites do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, distando
cerca de 230 quilômetros de Brasília, em direção ao norte.
O Município de Alto Paraíso, com população em torno de sete mil habitantes, situa-se no
nordeste goiano, ocupando uma área de 2.429 quilômetros quadrado. Sua sede está a 1.280
metros de altitude. Além do Parque Nacional, o município abriga um ponto de grande interesse
ecológico e geográfico: o Morro do Pouso Alto. Com 1676 metros, ponto culminante de todo o
Planalto Central.

A Chapada dos Veadeiros é considerada uma das mais antigas formações geológicas do mundo
("Placa Arai"), estimando-se em mais 1,6 bilhões de anos o início da sua constituição. Geólogos
afirmam que o encontro de duas placas tectônicas, ao se fundirem, produziram vários metais e
minérios, com afloração de cristais de quartzo, que conferem muito especiais. Diz-se que é uma
das regiões de maior luminosidade do planeta, quando vista de fora da Terra.

O Parque Nacional, criado em 1961, com 635 mil hectares, teve sua área reduzida para 65 mil
hectares, mas mesmo assim ainda protege uma amostra importante do bioma do cerrado,
sobretudo do raro cerrado de altitude que se encontra aqui, semelhante ao do Tibet.

Alto Paraíso áreas circunvizinhas contêm uma vasta gama de ecossistemas representativos do
cerrado, incluindo chapadas, nascentes, vales de encosta e sertão. A flora e a fauna da região
são riquíssimas em espécies exóticas e medicinais, sendo muitas delas endêmicas. Biólogos
afirmam que o cerrado constitui um banco genético de plantas mater, que dão origem a boa
parte das plantas do continente.

A chapada dos Veadeiros contém as mais altas nascentes do Rio Preto e do Rio dos Couros, do
Rio das Almas, do Rio Macaco e do Rio São Bartolomeu, que abastecem o Rio Tocantins, um
dos principais afluentes da Bacia do Amazonas. Ademais, abriga centenas de fonte d'água que
contribuem para formar pequenos e médios rios da região.

Devido ao seu relêvo, a região apresenta uma paisagem espetacular, com inúmeras corredeiras
e quedas d'água.

Capitulo TRÊS

Algumas informações mais técnicas. As áreas de Brasília e Chapada dos Veadeiros constituem
o chamado "Espinhaço Brasília-Veadeiros".

A Chapada dos Veadeiros forma a parte superior desse "espinhaço", sendo um importante
divisor de águas, drenada por tributários dos Rios Maranhão e Paranã, formadores do Rio
Tocantins.

A região possui um clima semitropical de altitude, caracterizado por temperaturas médias


situadas entre 21 e 22 graus centígrados e um regime pluviométrico de longo período de
estiagem e chuvas torrenciais de verão.

A vegetação predominante é o cerrado, constituído por cerrado propriamente dito, cerradão,


campos, mata cifrar e veredas. As superfícies dissecadas possuem mata ciliar esófila
,acompanhando os vales. Nas áreas onde as superfícies são entalhadas por veredas, ocorre
uma vegetação hidrófila, com palmeiras típicas ,conhecidas por Buritis. À medida que a
drenagem se define a vereda passa a ser constituída pela mata cifrar.

Circundando as veredas, em áreas pouco encharcadas, aparece uma vegetação rasteira, com
predomínio de cliperáceas. Nas áreas secas, espalha-se o cerrado e o cerradão.

A Chapada dos Veadeiros é constituída po rrochas do Pré-Cambriano "B" (1.100 - 1.700 milhões
de anos) e do Pré-Cambriano "A"(570 -1.100 milhões de anos), que estão assentadas sobre
rochas do chamado "Pré-Cambriano indiferenciado do Complexo Basal" formações das mais
antigas do planeta.

Capítulo QUATRO

Os primeiros habitantes de Alto Paraíso foram os índios goiases. O primeiro registro de


colonização é de 1.750, com a chegada de três famílias na região, trazendo gado e plantação
de café.

Habitat natural do veado campeão, inicialmente a região foi batizada de Veadeiros.

O cultivo do trigo está intimamente ligado à história do município. Existe uma lenda segundo a
qual o trigo chegou na região de Alto Paraíso por intermédio de um casal de ciganos egípcios.
Em 1.780 já existiam quatro engenhos de trigo na região e, em 1.860, o Estado de Goiás
exportou 771 alqueires de trigo, sendo que 512 alqueires procediam de Cavalcante. Até 12 de
dezembro de 1.953 Alto Paraíso era distrito de Cavalcante, sendo elevado nesta data à
categoria de município.

Desde o início do povoamento, Alto Paraíso apresentou uma rica diversidade cultural, expressa
nas festas religiosas tradicionais e na produção artesanal variada.

Nos últimos dezesseis anos ocorreram duas correntes migratórias, provenientes de outros
estados e de grandes centros urbanos, para as cidades da região, fazendo com que hoje a
população de Alto Paraíso seja bastante heterogênea.

O primeiro grupo de migrantes, chamados localmente de "barbudos" e, depois, de


"alternativos", chegou no início da década de 1980, oriundo de capitais importantes do país. Os
"alternativos" buscavam um estilo de vida mais simples, mais perto da natureza, longe das
super-povoadas aglomerações urbanas.

Grupos esotéricos ou espiritualistas formaram depois a segunda corrente migratória que


desembocou na região nos últimos seis anos. Chegaram em busca de paz espiritual e de
condições ambientais mais adequadas para realizar seus trabalhos de auto-desenvolvimento e
de preparação para uma nova era.
Parte desses espiritualistas acredita que Alto Paraíso representa o "chakra cardíaco do
planeta",um centro energético fulcral, um vórtice através do qual se manifestaria o próprio
"coração da Terra".

Segundo algumas pessoas que vivem aqui, as condições formadas pela reunião de vários
fatores a força dos cristais e sobretudo das nascentes, a miscigenação das raças, as belezas
naturais e a existência desse centro energético - estariam predestinando Alto Paraíso para
fornecer novos modelos de vida pessoal e social e novos paradigmas para a humanidade no III
Milênio.

Capítulo Cinco

Quase setenta por cento dos habitantes de Alto Paraíso concentram-se hoje na área urbana. O
município tem dois povoados: Moinho e São Jorge e vários núcleos rurais: Fazenda Bona
Espero,Cidade da Fraternidade, Piçarrão, Pé de Serra, Água Branca, Parida, Murici e Ezuza.

O povoado do Moinho, a 12 quilômetros da sede, é o núcleo habitacional mais antigo do


município, com uma população predominantemente negra, remanescente dos escravos. É uma
região de natureza exuberante, com montanhas, rios, vegetação variada e cachoeiras.

São Jorge, situado a 38 quilômetros da sede,é um povoado na entrada do Parque Nacional da


Chapada dos Veadeiros, tendo sido originalmente região de garimpo de cristal. Atualmente, é o
núcleo mais movimentado na recepção de turistas e visitantes, possuindo vários campings,
muitas pousadas e restaurantes. A população local de São Jorge, a mais organizada de todas,
vive em função do turismo.

A Fazenda-Escola Bona Espero, organizada por um grupo esperantista, se dedica, há mais de


quarenta anos, á educação integral de crianças e jovens da região, sendo uma das poucas
escolas rurais do Brasil que está autorizada a propiciar ensino até a oitava série do primeiro
grau em regime de internato.

A Cidade da Fraternidade é um núcleo espírita kardecista, onde as famílias vivem em sistema


cooperativo de produção e distribuição de renda.

Água Branca, Parida e Murici, constituem a região do Sertão, a mais carente do município,
apesar de abrigar a maior quantidade de atrativos turísticos, ainda totalmente inexplorados. O
Sertão também apresenta um potencial extrativista muito grande, com produtos como o baru,
o pequi, o tingui, a cagaita, a mangaba e o cajuzinho, entre outros.

Capítulo Seis

Alto Paraíso é um lugar sui generis. Aqui se encontram marcas de épocas completamente
diferentes da história e até da pré-história do Brasil.

A 15 quilômetros de São Jorge, por exemplo,numa região que já foi chamada de Buritizana,
próximo ao curioso Morro vermelho - marco nos limites do município, á oeste - fica o Sítio
Arqueológico de São Miguel. Dentro deste sítio, numa grota seca e agreste, encontra-se a
Pedra Escrita, testemunhando a antiga presença humana no local.

A Pedra Escrita fica num lugar solene, profundamente silencioso, guardado por marimbondos e
abelhas, onde foram achados, além das incrições ancestrais, peças arqueológicas enigmáticas,
restos de utensílios de velhos povos que habitaram a região em tempos pretéritos.

Entretanto, no final do Serra Geral do Paranã, de um mirante onde se descortina o vale do São
Bartolomeu, no qual está situado o povoado do Moinho, encontram-se registros de outra era:
uma misteriosa gruta, encravada na encosta de um morro. Na parte de cima do portal da
gruta, entalhada na pedra, existe uma Cruz de Malta.

É a chamada Gruta da igrejinha, escavada na rocha pelos escravos, no século XVII, para benzer
o ouro que era retirado de minas situadas nas vizinhanças.

A Gruta da igrejinha chama a atenção, tanto pelo eco, surpreendente, no seu interior, quanto
pela belíssima paisagem avistada da sua entrada.

Por outro lado, nas vizinhanças da cidade, existe um aeroporto, com pista asfaltada de
aproximadamente um quilômetro e meio, onde é possível aterrisar até um Boeing, coisa inédita
numa pequena cidade do interior do país.

A Pedra Escrita, a Gruta da Igrejinha e o Aeroporto de jatos constituem marcas de três eras
distintas em Alto Paraíso.

Capítulo Sete

Alto Paraíso é caracterizado pelas suas águas. No complexo de serras do Pouso Alto, onde
passa o Paralelo 14, numa região cuja altitude varia entre 1.600 e 1.700 metros, fica o berço
mais alto das águas do centro do país. Alí se encontram as nascentes dos principais rios da
região.

E os rios são muitos na Chapada dos Veadeiros, gerando eventos naturais de rara beleza. No
Parque Nacional, o Fio Preto forma dois saltos espetaculares, um com 80 metros e outro com
120 metros de queda. Marcando o fim da Chapada, estes saltos constituem as cachoeiras mais
altas do Brasil Central encontradas até agora.

A descoberta dos Saltos do Fio Preto foi responsável pela ampla divulgação do Parque Nacional
da Chapada dos Veadeiros, atraindo para Alto Paraíso turistas de vários locais do país e do
mundo.

Não muito distante da entrada do Parque Nacional, no vale do Fio São Miguel, encontra-se o
chamado vale da Lua. Trata-se de uma formação geológica enigmática, parecida com lava
vulcânica, moldando um leito com formas bizarras - crateras, pequenas grutas e canais - que
lembram uma paisagem lunar.

Ao lado do povoado do Moinho fica o Ôco, também chamado por alguns de "Ôco das Araras".
É uma região incrível, apresentando cachoeiras belíssimas como a dos Anjos, a dos Arcanjos e a
dos Querubins. Hoje, o Ôco é uma propriedade particular chamada Parque Solarion, uma
espécie de spa natural e místico.

A menos de 4 quilômetros de Alto Paraíso, o Córrego Almécegas (formado orginalmente pelo


Rio pontezinha, que abastece toda a cidade de água potável), forma a Cachoeira Almécegas.
São trinta metros de queda, de uma beleza indescritível, numa região quase virgem.

Nas proximidades, outro rio - chamado Passatempo - forma as Loquinhas. As Loquinhas são
sete poços e pequenas cachoeiras que compõem um sistema natural de grande delicadeza,
com águas coloridas, azuis e verdes, e solo de pedras cobertas de musgos.

Trata-se de um local de estrita preservação ambiental, cuja visitação deve ser controlada com
rigor para não alterar em demasia o sutil equilíbrio ecológico. Os visitantes podem se banhar
mas não devem pisar nos musgos, arrancar a vegetação, nem tirar pedras de lugar.

Alto Paraíso guarda ainda muitos outros lugares que estão se transformando em atrativos
turísticos. No caminho do povoado de São Jorge, por exemplo, encontra-se o Riacho Fundo,
também chamado de "Jardim de Maitreya". Dali se avistam grandes veredas e serras ao longe,
com buritizais pelo meio - apresentando uma das melhores amostras típicas da paisagem
exótica característica do cerrado de altitude da Chapada dos Veadeiros.

O Riacho Fundo fica vizinho a dois grandes monumentos naturais: o Morro da Baleia (também
chamado "Ferro de Engomar") e o Morro do Buracão. São duas formações rochosas
imponentes e até certo ponto estranhas pelo seu formato, sobre as quais correm lendas de
mistérios.

Em termos de atrativos do turismo ecológico e místico, Alto Paraíso apresenta ainda vários
outros pontos notáveis. Existem as quedas d'água da Usina velha, praticamente dentro da
cidade, as já famosas cachoeiras João de Mello, vaca Preta, Cristal, São Bento, Cariocas e
Comendadora, as Pedreiras, o Poço de Água Quente e os canyons. Isso para não falar da região
do Sertão, sobre a quais não se deve fazer propaganda enquanto não estiver organizada uma
infraestrutura de apoio capaz de evitar a degradação do ambiente natural, com impactos
negativos para as comunidades que tradicionalmente vivem ali.

Capítulo Oito

Até agora você recebeu informações gerais sobre Alto Paraíso. informações que poderiam ser
encontradas num guia turistico (se houvesse algum tão completo).

você já pode advinhar que, devido ao seu relevo, a região apresenta uma paisagem
espetacular. E que, em razão do seu solo especialmente delicado, do seu clima ameno, de suas
águas abundantes e do seu ar puríssimo, da sua flora e da sua fauna raras, Alto Paraíso guarda
um grande tesouro ecológico.

Todas essas belezas naturais, aliadas ao "clima esotérico", têm transformado Alto Paraíso num
foco de atração turística para o Brasil e para o mundo.
As pessoas que fazem turismo em Alto Paraíso ficam deslumbradas com o seu patrimônio
ecológico e com os seus atrativos naturais. Elas contemplam campos úmidos atapetados de
flores, vales verdejantes antes, canyons maravilhosos, montanhas fantásticas, cachoeiras
extasiantes, rios misteriosos que se habitam em cavernas escuras, formações rochosas
exóticas, luares e por-de-sóis inesquecíveis.

Em geral as pessoas que visitam Alto Paraíso e isso acontece até mesmo com muita gente que
nasceu aqui ou que já se mudou para cá - se esquecem de ver que existe um povo no lugar.

Mas Alto Paraíso não é apenas a sua natureza é também as suas gentes, as pessoas que vivem
aqui. Ou melhor, é a combinação do seu potencial ambiental com o seu potencial social. Um
potencial social que precisa ser desenvolvido, porque a maioria das pessoas que vive aqui não
tem condições dignas de vida, embora tenha uma força, uma riqueza e uma beleza imensas,
porém reprimidas e escondidas.

Ocorre que quase ninguém presta atenção nesse imenso potencial que está guardado dentro
das pessoas que vivem aqui.

Quase ninguém pensa assim:

"... Por que será que esta pessoa está vivendo aqui, neste lugar tão maravilhoso, em condições
tão precárias?"

E quase ninguém se dá conta de que a força e a riqueza e a beleza que existem dentro da mais
simples, da mais humilde, da mais carente dessas pessoas, são infinitamente maiores do que as
de todos os acidentes e monumentos naturais que se encontram aqui.

Mais forte do que as trombas d'água e do que os temporais de verão. Mais rica do que
montanhas de cristais.

Mais bela do que os setecentos e trinta crepúsculos e alvoradas e do que duzentos e oitenta
luares do ano.

Então esse potencial social de Alto Paraíso precisa ser desenvolvido, pelos que nasceram ou
nascerão aqui e pelos que vieram ou virão para cá. Se você está disposto a descobrir o
"Segredo do Paraíso", esta é a primeira coisa que você não pode esquecer.

Capítulo Nove

Algumas pessoas que chegam em Alto Paraíso se impressionam com o ambiente esotérico
reinante. Vêem, por todo lado, cristais, ervas medicinais, incensos, anúncios de terapias
alternativas ede atendimento espiritual. Quando contemplam a cidade, vêem construções
diferentes, que não se encontram em nenhuma cidade do interior do Brasil- cúpulas, gotas,
pirâmides, tabas.

Essas pessoas devem ficar imaginando que seitas esotéricas, que ordens religiosas, que
sociedades iniciáticas e que tradições antigas estariam por trás de tudo isso.
É bom que você saiba que o passado recente de Alto Paraíso está muito ligado à história da
capital federal do país e, de certa forma, às profecias de Dom Bosco sobre a localização de
Brasília no Planalto Central do Brasil.

Em virtude da demarcação do território para sediar o futuro Distrito Federal, é que foram
criados, em 1960, o Parque Nacional do Tocantins (hoje conhecido como Parque Nacional da
Chapada dos Veadeiros) e, sete anos antes, o próprio município de Veadeiros (hoje chamado de
Alto Paraíso de Goiás).

Pois bem. Já em 1954, dois pioneiros - Renato e Veloso - instalam a primeira fazenda-escola da
região, chamada Bona Espero, nas proximidades do parque Nacional. A fundação da Bona
Espero foi inspirada pelo esperantismo, um movimento de cunho espiritual que enfatiza a
solidariedade e o universalismo.

Aproximadamente dez anos depois, uma outra organização voltada para objetivos espirituais,
sediada em Belo Horizonte, funda na zona rural de Alto Paraíso uma nova fazenda-escola,
chamada Cidade da Fraternidade.

Quinze anos mais tarde, no Natal de 1980 ,realiza-se na fazenda-escola Bona Espero um
importante encontro, com a participação de mais de 180 pessoas que buscavam um estilo
alternativo de vida- Este encontro fazia parte do "Projeto Rumo ao Sol", que escolheu o
Planalto Central como es-

paço privilegiado para desenvolver novas tecnologias apropriadas e vivenciar novas formas de
alimentação e de comportamento individual e coletivo.

O "Projeto Rumo ao Sol" trouxe para a Chapada dos Veadeiros as sementes de um novo
modelo de colonização, baseado nos pressupostos da preservação da natureza, da produção e
do consumo de alimentos naturais, do crescimento espiritual e da vida em comunidade. A
partir do "Projeto Rumo ao Sol" intensificou-se a migração, para Alto Paraíso, de pessoas que
buscavam um outro padrão de relacionamento dos seres humanos entre si e com a natureza
.Essas pessoas, que procuravam um padrão de vida pessoal e de desenvolvimento social
alternativo,começaram a visitar Alto Paraiso.

Atraídas pela magia do lugar, pelos poderes energéticos dos cristais ou pelo sonho de viver
num paraíso ecológico, muitas dessas pessoas, chegando aqui de visita, abandonavam tudo e
resolviam ficar.

No início da década de noventa, começaram a chegar a Alto Paraíso várias seitas, ordens e
sociedades esotéricas e espiritualistas, como os "Cavaleiros de Maytréia", as "Cúpulas de Saint
German" e os "Oshos" (sanyasis), entre outros. O chamado esoturismo e a migração esotérica
continuam até os dias de hoje.
Capítulo Dez

Tudo o que foi relatado até agora constitui, por assim dizer, o passado de Alto Paraíso. Mas
Alto Paraíso não é apenas o que foi herdado do passado - é também o que está vindo do
futuro. Ou melhor, é a combinação da sua herança natural e histórica, com a promessa do que
ele poderá vir-a-ser no porvir, com o seu projeto de futuro.

Este projeto de futuro pode ser compartilhado com você. Aliás, a única maneira de você
descobrir o "Segrêdo do Paraíso" é compartilhando este projeto.

O Futuro

Capítulo Onze

Graças a um pesquisador chamado Henrique Antunes, que já morava em Alto Paraíso no ano
de 2006, ficamos sabendo que existe no nosso mundo um "lugar" onde as coisas que tendem a
acontecer no futuro, com todo o planeta, podem ser antecipadas.

Estas antecipações aparecem hoje, para a maioria das pessoas que ainda vive no passado,
como verdadeiros milagres.

Com a ajuda de um Manuscrito, de autoria desse Henrique Antunes, que foi achado em 1996,
nós poderemos, mais adiante, encontrar este "lugar" e presenciar estes "milagres".

Capítulo Doze

Você deve estar pensando que estamos completamente malucos. Como é que um Manuscrito
elaborado em 2006 foi parar em 1996?

Isso não faz nenhum sentido. Não é possível voltar no tempo. Mas foi porque será assim.

Se você também quiser desvendar este mistério, terá que conhecer o Manuscrito de Henrique
Antunes primeiro.

Pelas anotações encontradas junto ao Manuscrito, ficamos sabendo que Henrique Antunes era
um antropólogo brasileiro, de quarenta anos de idade. E que ele vivia numa comunidade
chamada Porto Feliz, em Alto Paraíso, daqui a dez anos.

Henrique dedicou o seu Manuscrito "Ao Caminho do Coração de Antônia". Essa Antônia, ao que
parece, era uma peruana que estudou matemática em São Paulo, trabalhou no Rio de Janeiro e
depois veio para Alto Paraíso participar da comunidade de Porto Feliz.

Tudo isso aconteceu no futuro. E é por isso que o pessoal da comunidade de Porto Feliz pôde
descobrir o "Segredo do Paraíso" bem na nossa frente.
Agora somos compelidos a fazer um caminho como eles fizeram, se quisermos descobrir
também "O Segredo do Paraíso" que eles descobriram.

Capítulo Treze

As anotações encontradas junto ao Manuscrito dão a entender que aconteceu alguma coisa
extraordinária com Henrique Antunes.

Parece que foi uma transformação e tanto aquela pela qual passou Henrique para que pudesse
cumprir um papel tão importante, antes se quer imaginado mesmo por ele. Ninguém da
comunidade de Porto Feliz esperava isso daquele tímido antropólogo.

Mas aconteceu assim. Alguma coisa dentro de Henrique Antunes deu um estalo e ele despertou
dizendo que "todo saber que pudesse ser diferenciado do agir era uma falsa consciência" e que
era preciso "trabalhar o lado de fora do coração".

No inicio ninguém entendeu bem o que Henrique queria dizer com aquelas novas máximas, que
mais pareciam charadas ou epigramas.

Até que ele ficou duas semanas sumido e voltou com os originais de um livrinho, de menos de
setenta páginas, escrito a mão.

O livrinho de Henrique, depois de editado, foi amplamente distribuído e lido em toda a região
nos anos vindouros, tendo uma influência considerável sobre o que aconteceu em seguida.
Seus conceitos eram tão simples e ao mesmo tempo tão profundos, que a publicação acabou
virando uma espécie de evangelho laico do reflorescimento comunitário que já está tomando
conta do mundo todo no ano 2010.

Alguns recortes de jamais da época, que foram encontrados numa mala-container de alumínio,
ao lado do Manuscrito e um caderno de anotações da tal Antônia Sanches, relatam notícias
surpreendentes. Muita gente está abandonando as cidades para viver em novos espaços sócio-
produtivos e de vivência integral, formando uma rede imensa de comunidades alternativas de
novo tipo. Estas comunidades estão baseadas em relações econômicas cooperativas,
tecnologia apropriada, agricultura orgânica, saúde holística, espiritualidade e relacionamentos
pessoais horizontais, mudança de paradigmas e numa nova política participativa ,como, aliás,
previa Henrique.

Pelo que pudemos compreender, a existência da comunidade de Porto Feliz em Alto Paraíso e o
livrinho de Henrique Antunes, cumpriram um papel decisivo, desencadeador de todo este
processo.

Infelizmente, os recortes de jornal que foram encontrados param no ano de 2012. E não
podemos saber o que está acontecendo lá prá frente.

Infelizmente, também, só possuímos fragmentos do Manuscrito original de Henrique Antunes.


Nenhum exemplar do livrinho editado pela comunidade de Porto Feliz, que deve ter virado um
best-Seller no mundo todo, já pelos vindos de 2008, chegou ainda até nós.
Capítulo Quatorze

As anotaçôes de Antônia Sanches, encontradas junto ao Manuscrito de Henrique Antunes,


dizem que há vários anos atrás aconteceu uma grande festa em Alto Paraíso.

Nesta festa foi celebrado um compromisso histórico de ajuda mútua entre os presentes, a
partir da seguinte proposta:

"Aqui ninguém passa fome.

Aqui não tem analfabeto.

Aqui a mortalidade infantil foi reduzida ao máximo possível.

Aqui todos têm casa para morar e roupa para

vestir.

Aqui os doentes são atendidos.

Aqui os idosos, os portadores de deficiências

e os doentes crônicos participam de atividades produtivas ou de ajuda mútua socialmente


significativas.

Aqui todos desenvolvem um trabalho pessoal

e socialmente útil e gratificante.

Aqui o meio ambiente é dinâmicamente conservado."

Sobre estes oito pontos de desenvolvimento

humano e sustentável, foi celebrado um pacto coletivo com base no qual todo o resto pode ser
feito. Foi daí que saiu a "energia" para as grandes posteriores.

Segundo Antônia Sanches, isso ocorreu por

de 1996 ou 1997.

Capítulo Quinze

Segundo as anotações de Antônia Sanches, a comunidade de Porto Feliz, em Alto Paraíso,


estava, já no ano de 2006, antecipando, na sua vida pessoal e social, aquilo que Henrique
Antunes pensou que poderia ocorrer no futuro com todo o planeta

A partir da prática da ajuda-mútua, os parceiros de Porto Feliz encontraram, no presente,


alguns "lugares" imaginados sempre no futuro.
Infelizmente, Antônia Sanches apenas menciona alguns desses "lugares", sem acrescentar uma
descrição maior sobre o seu funcionamento. Ela fala de sete tipos de iniciativas.

Comunidades solidárias entre os que lutam pela sobrevivência.

Cooperativas de cura para o recíproco apoio entre os que hoje são considerados como sadios e
os que, no passado, eram chamados de doentes.

Fundos coletivos para fomentar o desenvolvimento e aumentar a prosperidade de diversos


conjuntos de pessoas.

Postos alternativos de trabalho local, baseados na colaboração e no ownwork.

Novos agrupamentos familiares, onde os critérios não são mais exclusivos, abertos a
experiências pós-monogãmicas de relacionamento não-permissivo.

Grupos de comum-desenvolvimento espiritual, empenhados na formação de "corações


coletivos".

Grupos transpessoais, de realização pessoal intimamente relacionada com a realização coletiva


da humanidade - usinas de sementes da nova unidade Pessoa-Planeta.

De passagem, Antônia menciona ainda outras experiências inovadoras nas áreas de geração
de energia, ocupação do solo, agroecologia e educação não-sacerdotal. Por último, fala da
geração de um novo software de políticas públicas, de novos modelos sócio-produtivos e da
implantação de um sistema inovador de co-govemo que se estabeleceu a partir de 2002.

Capítulo Dezesseis

Para conhecer o "Segredo do Paraíso" você vai ter que fazer duas coisas. Em primeiro lugar vai
ter que ler o Manuscrito de Henrique Antunes, ou melhor, os fragmentos que chegaram dele no
nosso tempo.

O Manuscrito está cheio de pistas sobre caminhos que você pode tomar para ter acesso ao
"Segredo do Paraíso".

Talvez você tenha de ler os fragmentos do Manuscrito várias vezes, até encontrar estas pistas,
que Henrique Antunes chama de "sinais da Fraternidade", espécies de marcos orientadores nos
caminhos que levam ao "lugar" da Fraternidade - o objetivo de toda a caminhada.

Em segundo lugar você vai ter que percorrer um desses caminhos aqui em Alto Paraíso,
seguindo as pistas encontradas no Manuscrito e outras

indicações fornecidas neste livro.

Mas preste bem atenção. Existem vários caminhos e não apenas um caminho único.
Os caminhos são tantos quantos são os andares dos caminhantes.

Você tem várias possibilidades, portanto.

Depois que você ler o Manuscrito, Alto Paraíso oferecerá uma oportunidade de andar por
terras e de conhecer as suas gentes, fazendo seu próprio caminho.

Capítulo Dezessete

Algumas pessoas que já leram o Manuscrito e estão hoje fazendo os seus caminhos aqui em
Alto Paraíso, dizem que o "Segredo do Paraíso" será surpreendente.

Uns falam assim:

"- Conhecendo o "Segredo do Paraíso" você terá todas as coisas que sempre quis. Desde que
não queira ter tudo sozinho, só para você, enquanto essas coisas continuem faltando para os
seus semelhantes."

Outros dizem o seguinte:

"Quando fazemos alguma coisa para melhorar a vida dos semelhantes, outras coisas começam
a acontecer, melhorando ainda mais a vida de todos e a nossa própria vida também. Este é o
"Segredo do Paraíso", o segredo para que a sua vida melhore. É o segredo de uma nova era
para a humanidade. Quer dizer, o segredo para que esta nova era (na qual estão prestes a
entrar Henrique Antunes e Antônia Sanches) seja um mundo mais fraterno."

Bom. Chegou a sua hora de tomar contato com o Manuscrito.

O MANUSCRITO

(Fragmentos)

pg 41

Auto-Ajuda e Busca Espiritual Individual

Em quase todas as livrarias do mundo, encontrávamos no final do século passado, livros de


auto-ajuda.

Vendiam aos milhões.

Porque de fato ajudavam as pessoas certos padrões internos que geram sofrimentos: doenças,
fracassos profissionais, desilusões nos relacionamentos, solidão, desânimo, falta de estima por
si mesmas e falta de sentido na vida.
Utilizando antigos ensinamentos com nova linguagem e modernas técnicas de reprogramação
psicológica, estes livros nos auxiliaram individulamente a sacudir nossas velhas crenças e
práticas individuais.

Porém, por mais que revistássemos livrarias e bibliotecas, dificilmente encontrávamos livros de
ajuda-mútua.

Livros que de fato ajudassem a mudar antigas crenças e práticas sociais, que geram
sofrimentos em coletividades humanas: fome, doenças endêmicas, desemprego,
analfabetismo, violência, falta de liberdade, discriminação dos "diferentes", marginalização da
cidadania; enfim, falta de condições para uma vida digna.

No final do século passado, em quase todas as livrarias do mundo encontrávamos também


muitos livros dedicados à chamada busca individual, que refloresceu na medida em que nos
aproximávamos do terceiro milênio.

Estes livros, igualmente, vendiam aos milhões.

Eles ajudavam as pessoas a dar um significado para as suas próprias vidas.

Eles ensinavam que todos temos uma vida interior, uma voz interior, capaz de nos orientar no
caminho do auto-desenvolvimento espiritual.

Muitos desses livros falavam no advento de uma "nova-era", de uma nova civilização. Alguns
diziam que quando "um número suficiente de pessoas" estivessem preparadas, aconteceria a
grande mudança de ciclo, e entraríamos numa nova etapa civilizatória em todo o planeta.

Porém, a maioria desses livros, enfatizava os esforços do indivíduo para "evoluir", por seus
próprios méritos, através do estudo, da perseverança, da observância de certos exercícios e
práticas. Raríssimos eram aqueles livros que falavam de uma espiritualidade que não só
pudesse, mas devesse ser vivida coletivamente, por uma comunidade concreta de pessoas
comuns.

Dizia-se que a auto-ajuda tinha produzido verdadeiros milagres.

Homes e mulheres desenganados pelos médicos, ficaram curados de antigas enfermidades.


Outros, prosperaram. Tímidos tiveram êxito em carreiras públicas. Pobres ficaram ricos.
Muitos, que se julgavam incapazes, obtiveram sucesso, alcançaram a fama ou a glória.

Dizia-se que na busca espiritual o disípulo também se deparava com milagres. Coincidências
significativas, sincronicidades, sonhos reveladores, que começavam a acontecer no seu dia-a-
dia, indicando-lhe o caminho do próprio progresso interior.

Mas quase ninguém falava nos milagres que podem ocorrer num coletivo cooperante, ou seja,
numa comunidade onde pessoas decidam trabalhar juntas, para promover a vida e a liberdade
e para aliviar os sofrimentos de outros seres humanos.

Entretanto, como podiam se beneficiar da auto-ajuda psicológica e do auto-desenvolvimento


espiritual, bilhões de pessoas que sofriam (e ainda sofrem) os efeitos perversos de um
"modelo" social que produz fome, doenças, desemprego, violência, marginalização e exclusão
social?

"__Isso não é problema meu!

É dos governos, dos políticos!"

"__A culpa é dessas próprias pessoas. Do seu karma! Aqueles que fizerem por merecer
acabarão encontrando seu próprio caminho." _ respondiam outros.

Mas podemos ser verdadeiramente sadios, bem sucedidos, livres, realizados e felizes, enquanto
tantos seres humanos continuam morrendo ou padecendo terríveis sofrimentos em virtude da
fome que pode ser saciada? De doenças que podem ser curadas? Do desemprego que pode ser
atenuado? Do analfabetismo que pode ser erradicado?

Se você fizesse essa pergunta a alguém muito enfronhado nas técnicas de auto-ajuda, poderia
ouvir como resposta:

"__Eu não assumo nenhuma culpa por essa situação! O mundo sempre foi assim e nós não
vamos conseguir consertá-lo da noite para o dia!"

Ou então ouviria:

"- Eu já estou fazendo a minha parte. .Se eu me amar mais e melhor; certamente conseguirei
mudar meus semelhantes!"

Encontrando alguém dedicado à busca espiritual, você podia fazer a mesma pergunta, porém
de outra forma:

"- Você acha que pode de fato acontecer uma era realmente nova se a vida das pessoas que
estão vivas hoje não melhorar?"

Ou perguntava:

"- Podemos preparar o advento de uma nova era sem conseguir produzir, aqui-e-agora, mais
vida, mais liberdade e menos sofrimento no mundo?"

Fazendo perguntas como estas você ouvia vários tipos de respostas indiretas. Ouvia "teorias"
sobre a sucessão das "eras",dos ciclos, das raças, das civilizações.

Pois bem. Os que ficavam plenamente satisfeitos com as respostas obtidas, não se
incomodavam em procurar um novo caminho.

Pelo contrário, os que sentiam que estava 'faltando alguma coisa" nas explicações fornecidas
pelos manuais de auto-ajuda e pelos livros de auto-desenvolvimento, tentaram levar em
consideração outros pontos de vista

Foi assim que nasceu este livro.


Pg 48

AJUDA MÚTUA &

COMUM DESENVOLVIMNTO

Este livro é um painel de considerações sobre ajuda-mútua e o comum desenvolvimento.

Ele parte da idéia, muito simples, se você pode melhorar a sua vida então pode melhorar
também a vida de muita gente.

Ele adota o ponto de vista de que se você pode encontrar o seu próprio caminho de
desenvolvimento interior, então você pode caminhar com os seus semelhantes, para construir
um caminho espiritual junto com eles.

Mas ele diz que se você está querendo ajudar a edificar um novo mundo mais fraterno, uma
coisa está ligada à outra.

Ou seja, a auto-ajuda depende da ajuda-mútua. E o auto-desenvolvimento depende do


comum-desenvolvimento.

Este livro afirma, em suma que para instaurar uma nova realidade, mais humana, no mundo, a
paixão necessária para se auto-ajudar e para se auto-desenvolver é função da compaixão
suficiente para ajudar os outros a se desenvolverem também.Ajuda!

Esta é uma palavra muito importante. Ajuda se procura. Geralmente você procura tem algum
problema.

Os livros de auto-ajuda diziam que os problemas da pessoas são basicamente de cinco tipos:
saúde, finanças, trabalho, relacionamentos e espiritualidade.

A maioria das pessoas que se consulta com médicos e psicólogos, cartomantes e astrólogos,
sacerdotes e magos, buscava ajuda para resolver algum problema individual. Em geral doença,
dinheiro ou relação amorosa.

Existe ainda hoje um número crescente que procura algum tipo de ajuda para desenvolver a
sua espiritualidade a sua espiritualidade.

Essas pessoas formam um novo e imenso mercado de pacientes e consulentes, consumidores


de remédios, terapias e livros alternativos. Estão sempre correndo atrás de alguma coisa que
julgam necessária para a realização dos seus desejos: de felicidade, de espírito, prazer, fortuna
ou sorte, sucesso, fama, poder e glória.

Todavia, grande parte dos seres humanos que vive neste planeta ainda tem sérios problemas
básicos de sobrevivência imediata, como a falta de alimentos e de proteção adequada.

Carecem de comida para comer, roupa para vestir e casa para morar.

Essas pessoas também precisam de ajuda.


Muitas vezes não podem procurar e obter ajuda porque estão fora do mercado da ajuda. Não
podem comprar livros de auto-ajuda. Não podem pagar consultas aos profissionais da ajuda,
convencionais ou alternativos. Essas pessoas têm que receber ajuda de graça.

Ajuda, portanto, se procura, se compra e se vende, mas também se dá.

Adotamos aqui um ponto de vista segundo o qual a melhor maneira de procurar ajuda para
receber ajuda é dar ajuda.

Isto é "ajuda-mútua".

Pg 51

Encontrando no Presente

"Lugares" do Futuro

Ajuda-mútua vale para todas as pessoas com problemas humanos.

Ela se dirige preferencialmente para quem não consegue pagar pela ajuda. Mas abrange
também os que podem procurar e obter ajuda, em todas as áreas:

K Sobrevivência Imediata

K Saúde

K Finanças

K Trabalho

K Relacionamentos

K Espiritualidade

K Realização Pessoal

A vida com ajuda é muito melhor do que Sem ajuda.

A rigor, ninguém conseguiria sobreviver tipo de ajuda, recebida de outras

E todos viveriam mais plenamente se participassem de comunidade de ajuda-mútua.

Em todas as sete áreas listadas acima é possível construir comunidades de ajuda-mútua.


Vamos descrever agora alguns tipos de comunidades que estão se formando e que superaram
vários dos impasses... "

[A página do Manuscrito foi encontrada rasgada a partir desse trecho.]


Pg 53

Sobrevida, vida

&

convida

Alimentação e proteção são necessidades básicas de sobrevivência.

São exigências da SOBREVIDA humana. As exigências da VIDA, entretanto ultrapassam este


nível

Garantida minimamente a sobrevida, as pessoas querem melhorar a qualidade das suas vidas.
Por isso almejam saúde, prosperidade, sucesso, relacionamento gratificante, confiança no
futuro e realização no presente.

Os livros de auto-ajuda e de auto-desenvolvimento espiritual falavam diretamente para este


nível de exigências.

Talvez por tal motivo não estivessem muito preocupados com as carências de sobrevida que, no
final do século passado, ainda assolavam cerca de quatro bilhões de seres humanos no
planeta.

Mas existe uma outra dimensão das potencialidades humanas sobre a qual também pouco
diziam os nossos manuais de ajuda e desenvolvimento pessoal.

Este terceiro nível, de exigências da própria humanidade, poderia ser chamado Convida. A
convida se manifesta quando realização pessoal se confunde com a realização coletiva.

Lutamos por uma ordem mais justa socialmente equilibrada, para garantir a sobrevida de
todos os seres humanos. Lutamos por liberdade para ensejar que as pessoas desenvolvam as
potencialidades de suas vidas. Mas só a fraternidade pode proporcionar a realização da
convida.

É no nível da convida que tomamos consciência da necessidade de garantir sobrevida e


melhorar a vida das pessoas, de todas as pessoas - para que 'possamos sobreviver e viver em
plenitude. Esta consciência é antecipada, em cada um de nós, por aquele sentimento de
humanidade que se chama compaixão.

Com-paixão é paixão coletiva para mobilizar a ajuda indispensável aos que sofrem porque não
têm garantida a sua sobrevida.

E para desencadear a ajuda-mútua entre aqueles que, embora não tendo mais os carecimentos
sociais-básicos, também sofrem porque necessitam melhorar as suas vidas, para realizar
plenamente sua personalidade.
Um famoso estudioso dos mitos, falecido há quase vinte anos, chamado Joseph Campbell, disse
que o inicio da humanidade acontece "quando, no nível do coração, você desperta para a com-
paixão, sofrimento partilhado: participação efetiva no sofrimento de outra pessoa".

Paixão comum

Experimente se apaixonar por muitas pessoas. Se estas pessoas também se apaixonarem


mutuamente você verá coisas incríveis acontecer.

Os "sinais da Fraternidade" surgem. Assim. Quando várias pessoas se apaixonam, ao mesmo


tempo, umas com as outras.Um grupo humano decidido a experimentar coletivamente a
compaixão é capaz de realizar coisas extraordinárias.

Por exemplo, várias pessoas dedicadas à cura de uma pessoa podem reunir uma grande
capacidade de cura. Sobre isso, a ajuda-mútua pode dizer o seguinte:

- Você quer se curar? Então ajude os outros a se curarem!"- Mas eu não sou médico. "

- Ai Não é? Então você também não pode se curar! De certo ponto de vista todos podemos ser
médicos uns dos outros. Louise Hay, uma escritora de auto-ajuda que ficou famosa na última
década do século passado, dizia, com intuição, que "o amor que existe no seu coração é
tamanho que você poderia curar o planeta inteiro ". De outro ponto de vista todos devemos ser
médicos uns dos outros.

O primeiro ponto de vista acima é o da Liberdade; o segundo é o da Fraternidade.

O mesmo vale para outras áreas:

Você quer prosperar? Então faça alguma coisa para que outras pessoas alcancem a
prosperidade! Chega a ser surpreendente. O inacreditável é que funciona!

E o mais inacreditável ainda é que você não precisa saber nem porque nem como funciona,
para que funcione."

Pg 57

TÃO SIMPLES ASSIM

Talvez não seja necessário fazer muita "teoria", nem seguir métodos e sistemas sofisticados,
para entrar na transição que nos levará à uma nova era.

Num certo sentido, basta que você faça alguma coisa pelos outros.

Não adianta pensar ou se comportar desta ou daquela maneira se sua mudança de atitude não
redundar em algum benefício concreto para os seus semelhantes. Tão simples assim?

Tão simples assim.

O difícil é resistir a tentação de mudar os outros no futuro. Você sabe do que estou falando:
"- Amanhã. Depois de amanhã. Quando tiver condições. Logo que conseguir isso. Quando
mudar de emprego. Quando me aposentar. Quando terminar minha tese. Quando ganhar na
loteria. Se eu ficar bem de saúde... "

E por aí vai.

O difícil é agir no presente. Deus não agiria diferente, se pudesse.

Ocorre que Deus só pode entrar no presente através do coração humano.

Gandhi dizia que "se Deus tiver que aparecer para os famintos, não se atreverá a aparecer de
outra forma que não a de um prato de comida".

Um prato de comida levado por um homem ou uma mulher. Um prato de comida trazido por
você, que tem um coração capaz de se comover diante dos carecimentos humanos. Um prato
de comida para ser comida hoje, porque amanhã a comida pode estragar!

Nas coisas mais simples da vida, que visam aliviar os sofrimentos dos seres humanos, é que
está o "segredo".

Pg 59

A convida não pode ser

Instrumentalizada

Você pode perguntar:

Se as coisas são tão simples assim, porque gastamos tanto tempo escrevendo e lendo livros
como estes?

Então veja bem. Um painel de considerações como este apenas oferece pistas sobre por que e
como essas coisas tão simples funcionam. Só vale se você quiser descobrir os "sinais" da
fraternidade. Mas você pode simplesmente viver a fraternidade, sem querer desvelar o que
estamos chamando aqui de seus "sinais". Neste caso, a fraternidade continuará "atuando",
subterraneamente, através dos gestos concretos de compaixão praticados pelos seres
humanos.

Todavia, como estamos buscando um caminho para antecipar mudanças de atitudes que
contribuam para mudar o paradigma atual, talvez seja necessário que você conheça alguma
coisa desse processo de mudança. Até para poder orientar melhor as suas próprias tentativas
práticas de realizar experiências convivenciais.

Por exemplo: refletindo sobre essas coisas você terá a oportunidade de entender uma coisa
fundamental, que geralmente não é percebida pelos que promovem e participam de
experiências alternativas de vida social e desenvolvimento espiritual. È o seguinte: não se pode
utilizar uma experiência de convida para construir uma ordem, nem para destruí-la em nome
da liberdade. A convida não pode ser instrumentalizada para perpetuar antiga tradições, nem
para inventar novas tradições Esta é a tentação predominante à têm sucumbido, em todas as
eras, tantos e tantos Magos e Sonhadores, Sacerdotes e Profetas, detentores do poder
hierárquico e Revolucionários, Príncipes e Representantes do Povo. De um lado, a tentação da
posse do segredo e da arte de produzir maravilhas no mundo; do Saber e do Poder, do Domínio
sobre coisas, seres e pessoas. De outro lado, a tentação de se contrapor a estes padrões para
destruí-los. O que no final acaba produzindo os mesmos efeitos anti-fraternos. E igualmente
impede a construção da humanidade.

Pg 61

O OBJETIVO É SER MAIS HUMANO

O caminho que não depende das leis da evolução, do Saber e do Poder acumulados nem do
Domínio estabelecido, exige paixão,sentido e ação. Ou melhor:

Compaixão

Sentido-Compartilhado

Ação-Comun

Estes são os três elementos necessários para que uma experiência concreta, feita por um
conjunto de pessoas, possa criar as condições para a manifestação da convida. Em palavras:
para que esta experiência seja um "lugar" de Fraternidade.

Além, é claro, de um objetivo almejado que caracterize a vida dessa coletividade como um
esforço de antecipação do objetivo.

Então a "fórmula" - se houvesse uma fórmula - seria a seguinte: paixão coletiva capaz de
impulsionar e sentido compartilhado capaz de orientar a ação de várias pessoas para a
antecipação do objetivo.

Não importa tanto a forma desse objetivo. Não existe uma receita, um modelo de utopia que
possa ser reproduzido. Se a tentativa de antecipar o objetivo, ou de viver com ele, apresentar
os três elementos acima, o resultado objetivo da experiência será sempre o de tornar, aquela
humana, em algo ainda mais humano.

Independentemente das diversas formas culturais, sociais e políticas, que as pessoas envolvidas
na experiência emprestarem subjetivamente para cada uma dessas pessoas, o objetivo será
sempre o mesmo: ser humanos.

Nada existe de mais forte, de mais "poderoso", para a construção do novo mundo. Esse é o
único "prodígio" que se espera dos magos sonhadores da "Nova Era": que eles consigam
transformar uma comunidade humana, não em algo supra-humano, mas em algo ainda mais
humano
Pg 63

QUAL É MESMO O PROBLEMA ?

Você deve estar pensando:

"... Chega de teologia. O que eu quero saber é que experiências concretas de convida podem
ser essas, que "lugares" de Fraternidade podem ser esses, no nosso mundo real".

Pois bem. Existem inúmeras possibilidades. A rigor toda ação local que promova a vida e a
liberdade e alivie o sofrimento de coletividades humanas é uma "experiência fundante" de
Humanidade. E, portanto, é um exemplo de convida, um "lugar" de Fraternidade.

Ao ler a resposta acima você pode perguntar:

"- Mas onde estão acontecendo estas experiências, que eu não vejo?"

É bom repetir: existem milhares, milhões de possibilidades de ação local. E existe um número
muito grande de experiências concretas desse tipo, de topias, que já foram realizadas no
passado ou que estão se vendo neste momento.

nos primeiros cinquenta anos, era uma topia Gandhi experimentou pelo menos duas topias:
uma na África do Sul e outra na Índia. Albert Schweitzer, na África, participou de uma topia As
comunidades solidárias, constituídas pela ação local, são topias ou embriões de topias.

Como exemplos da variedade de experiências possíveis reproduzirmos abaixo notícias de jornal


de algumas iniciativas que alcançaram visibilidade mundial no século passado:

"Auroville (Índia): Kibutz ecológico.

Em Auroville, os 30 mil habitantes estão organizados como num Kibutz. Lá, diz a constituição,
"a terra pertence a toda a humanidade". A comunidade produz eletrônicos e computadores
usando energia solar e eólica. Pesquisadores de 23 países trabalham na cidade no
aperfeiçoamento de, no aperfeiçoamento de técnicas para poupar energia.

" Villa El Salvador (Perú):Transformando a favela. Em Villa EI Salvador ,mil moradores de uma
favela decidiram não esperar pela ajuda do governo. A um custo cinco vezes inferior que o dos
conjuntos habitacionais oficiais, ergueram casas, pavimentaram ruas, instalaram água e luz.
Hoje as "autoridades saúdam a iniciativa, que um

dia consideraram ilegal."

"Bombaim (india): Médicos-mirins, Em Bombaim, onde o índice de mortalidade é de 95 em


cada 1000 nascimentos (contra 10 nos países desenvolvidos), Chundra, de 10 anos, é o
"médico" de uma favela de 100 mil habitantes. Outras cem crianças aprenderam medicina
básica para orientar sua comunidade. Trata-se do projeto-piloto de um médico da cidade. "

"Newberry (Reino Unido): Capital das


trocas. Em Newberry, o marceneiro Paul se trata com o médico Michael. Em vez de pagá-lo em
dinheiro, na semana seguinte Paul conserta o armário de Michael. Trocas desse tipo fazem
parte do cotidiano da cidade. O Programa de Troca Comercial local (Lets) foi inaugurado no
início da década de 90. Até uma moeda especial foi criada."

Vendo o mundo através dos velhos paradigmas não conseguíamos perceber que experiências
como as noticiadas acima estavam criando um novo mundo. Sob nossos olhos, as coisas
estavam acontecendo naquela época e nós não enxergávamos o seu potencial universal. No
máximo achávamos que eram tentativas particulares interessantes, sem condições de se
generalizar.

Muitas vezes éramos levados, por um sentimento de desconfiança, a investigar as imperfeições


e as limitações dessas experiências. Para provar a nós mesmos que não era possível mudar o
mundo pela força de exemplos desse tipo ou com experiências piloto dessa natureza, "que não
resolviam o problema".

Mas, qual é mesmo o problema?

Pg 67

O MISTÉRIO DA MULTIPLICAÇÃO

Muito bem. Você é uma pessoa prática e deve estar pensando assim: "...Isso tudo é muito
difícil! Seria necessário qu o mundo inteiro (ou, pelo menos, a maioria das pessoas) tivesse se
organizado em comunidades solidárias, para que os resultados dessas experiências
adquirissem algum poder de transformar o mundo"

Com certeza. Quanto mais experiências concretas desse tipo estiverem se desenvolvendo
simultaneamente, maiores serão as chances de universalização do novo paradigma que elas
encarnam.

Todavia, ocorre aqui um fenômeno extraordinário, inexplicável mesmo à luz do paradigma


ainda dominante. È o seguinte: não é necessário conquistar a maioria para que estas
experiências possam se propagar! Por algum motivo, que até hoje ainda não conseguimos
explicar satisfatoriamente, como dizia o velho Thoureau, há uma força de auto-propagação no
"novum" ético, mesmo que as minorias que o anuciam não logrem persuadir a maioria".

Pg 69

"Comunidade Antecipando a Humanidade"

Não adianta. Você ainda não está convencido. Ou precisa de mais argumentos teóricos, ou de
mais exemplos práticos.
Então vamos lá. Mais um argumento. Você vive numa cidade moderna não entende como será
possível fazer a história "andar para trás". Não acha nem um pouco razoável que o mundo
volte a ser organizado em pequenas comunidades. Aliás, as tendências da globalização
pareciam dizer exatamente o contrário desde o final do século passado: o mundo do futuro se
afigurava, cada vez mais, como uma sociedade global.

Mas talvez você ainda não tenha pensado no seguinte: a sociedade planetária não precisa mais
ser constituída por grandes sociedades-Estado. Através das redes de comunicação e da
mundialização das relações econômicas, sociais, políticas e culturais, um pequeno parceiro
pode hoje estar diretamente inserido no sistema global como nodo-elo de um "network". E
pode inclusive ser um protagonista no processo de globalização. Assim, a sociedade planetária
não será, necessariamente, uma cidade global. Ou ao invés de um sistema rígido de "cidades-
Estado" ela pode ser uma teia maleável de comunidades. Por que não?

Imagino que só haverá, de fato, uma Humanidade global, como uma comum-unidade de uma
imensa diversidade, de milhares, milhões, de unidades comunitárias, e não apenas de pouco
mais de uma centena de sociedades-Estado nacionais.

È óbvio que isso é uma utopia. Mas quem disse que não era? E quem disse que utopias como
essas não são necessárias?

Edward Ednger, um psicólogo junguiano, afirmava que "a cidade, como imagem da totalidade,
lembra-nos de que a cidade também é o vaso para a transformação coletiva da humanidade. O
processo de civilização - dizia ele - ocorre na cidade (civista)".

Mas, por outro lado, o historiados William Irwin thompson, lembrava que "civilização" é "uma
designação incorreta para esta transformação (um processo que começou na revolução urbana
da antiga Suméria): a palavra deveria ser "militarização", considerando-se que foram as
muralhas e os exércitos de prontidão as novas instituições resultantes da mudança da aldeia
neolítica para a cidade civilizada".

A cidade é um espaço do poder, não do serviço. Na Modernidade, a cidade é o lugar" das


sociedades de massa: massa amorfa, terreno social vazio, impessoal; regime político de
maioria, sempre controlado por poucas minorias. O "lugar" do serviço é a comunidade: um
tecido social tramado, uma teia de relações internas, uma comunhão de projeto; espaço ético
político de minorias compatíveis com a escala humana, das pessoas capaz de possibilitar a
efetivação daqueles laços de solidariedade que podem promover - garantir, melhorar e dar
sentido às suas vidas.

Então hoje já podemos dizer, avançando sobre a observação de Ednger, que a comunidade,
como realização da totalidade, é o vaso para a transformação pessoal da humanidade. O
processo de humanização ocorre na comunidade.

Em outras palavras, isso quer dizer que, num certo sentido, o grande "lugar" da Fraternidade é
a humanidade global formada pelas comunidades construídas pela ação local.
Por trás dessa visão existe um motivo mítico: baseando no mito da totalidade, que unifica
(porque identifica) a parte com o todo. Mas quem disse que o resultado da fusão desse mito
com a utopia mencionada acima não seria necessário?

Pg 73

AS NOVAS COMUNIDADES ALTERNATIVAS

Você pode estar pensando: Se fosse tão fácil assim já teria sido feito. Por que então as
inúmeras experiências alternativas comunitárias, que vêm sendo feitas há milênios, não
chegaram a nenhum resultado significativo?"

Mas quem disse que não chegaram? O casal Schwarz, que vivia no campo, em Essex no final do
século passado, observava que "as comunidades rurais tem uma tradição histórica jamais
rompida, que vem desde os mosteiros e os grupos seculares e os grupos seculares de protestos
e chega até as comunidades hippies que surgiram nos anos sessenta em ambos os lados do
Atlântico. Tais comunidades foram variadas e não duraram muito, mas sobreviveu a vontade
de viver em comunidades. Existe hoje um movimento comunal sólido e bem fundamentado,
tanto secular como religioso...". Pesquisando, por exemplo, "as origens ideológicas das
comunas da Grã-Bretanha", Jan Bang identificou sete raizes já nos anos oitenta do século XX:
relações econômicas cooperativas, tecnologia apropriada, agricultura orgânica, saúde
holística, espiritualidade e relacionamentos pessoais horizontais, mudanças de paradigma e
uma nova política democrática mais participativa.

Os exemplos registrados até agora nem de longe esgotam as possibilidades de ajuda-mútua e


de comum-desenvolvimento. O melhor exemplo que você pode Ter é aquele que você pode
inventar" "A imaginação é a fonte do ser", dizia os sufis.

Depois de inventar, tente fazer. Mas não desista antes de tentar.

Agora as comunidades alternativas estão voltando. Não mais como "ilhas" ou guetos, isolados
das sociedades existentes à sua volta. Não serão mais baluartes proféticos, marcos simbólicos
de contestação sócio-cultural, das estruturas e dos valores do "mundo exterior".

Se Utopia e Paixão era o lema da modernidade, topia e Compaixão é o lema da


Contemporaneidade. As novas comunidades que estão surgindo são comunidades reais-
pequenas cidades, vilas, povoados rurais, bairros e até quadras e ruas de grandes metrópoles -
que se transformam em espaços ético-políticos alternativos.

Ao contrário das "comunidades contra culturais " que proliferam nas últimas décadas, sobre,
sobretudo nos anos 70 e das quais ainda se encontram requícios em alguns lugares, as novas
comunidades alternativas se constituem com base na ação local. Não uma ação desligada da
população, mas promovida por ela própria.

Ao garantir a sobrevida e melhorar a vida das pessoas, estas novas comunidades estão afinal
atingindo o nível da convida, antecipando localmente a grande mudança global que está em
curso para uma nova era.

Pg 76
QUALQUER PESSOA PODE PRATICAR

A SOLIDARIEDADE

OK!

Agora você está mais convencido da importância de uma experiência tópica. A sua dificuldade
é outra. Você acha que não pode, ou que não é capaz de fazer uma experiência desse tipo.

Mas todos nós somos capazes de participar e mês o de promover iniciativas de ajuda-mútua e
de comum desenvolvimento. Desde que tenhamos uma alma humana.

Humanidade, como dizia Kabbalista inglês Halevi, é uma qualidade da alma! Num certo
sentido, chamamos de "alma" aquilo que, em nós, antecipa a Humanidade.

Nenhuma experiência já nasce pronta e acabada. Uma comunidade alternativa, do novo tipo
que estamos tratando aqui, não pode brotar de repente, do nada. Ela começa com gestos
concretos..."

{Esta parte do texto está interrompida a partir daqui.}

Pg 77

A MISÉRIA HUMANA É A

"MATÉRIA PRIMA"

Algumas vezes até achamos que somos capazes de realizar uma topia. O problema são os
outros. Onde encontrar as "pessoas certas" para fazer esta experiência?

Com efeito. Quando se fala em fazer experiência comunitária imaginamos logo escolher bons
parceiros. Pensamos assim:

"...Se fosse com fulano ou beltrana daria certo!"

Mas é ai que nos enganamos. Para experimentar a Fraternidade que se manifesta na convida
você não precisa você não precisa de uma companhia de santos de gênios ou de pessoas
"superevoluídas".

Se você juntar uma porção de santos talvez não dê certo" A misericórdia, que é a grande força
de que precisamos numa experiência desse tipo, só pode surgir quando um coração se
compadece das misérias humanas e traz essas misérias para dentro de sí.

Queremos estar perto da virtude e longe do vício. Os sistemas de sabedoria da tradicionalidade


nos ensinaram isso: "Para amigo, o amigo da virtude escolhe", diziam os famosos "versos de
ouro" atribuídos á Pitágoras.
Mas para superar a tradicionalidade temos que fazer o caminho inverso. Os alquimistas já
haviam compreendido: a "matéria prima" da Grande Obra é um elemento vil e imperfeito e
desejoso de reivindicar sua própria destituição, fealdade e inferioridade". Citando o teólogo
alquimistas Sebastian Moore, ele lembrava que o nosso mal "nos expõe ao amor de Deus de
uma maneira e a uma profundidade ás quais nem mesmo o nosso desejo de alcançar a
totalidade conseguiria nos expor".

Este Deus de que falava Fjerkenstade não é "o Deus da Crença - aquele Deus remoto retirado
da criação e da vida cotidiana - que nos liberta da nossa imperfeição e purifica-nos de toda a
contaminação terrena..." Mas sim o Deus vivo, aquele que, segundo Jung, "só poderia ser
encontrado onde menos queremos olhar, naquele local que remos mais resistência para
explorar".

Esse Deus vivo está "entremeado com a nossa própria escuridão e sombra, está entrelaçado
com as nossas feridas e complexos, está ligado às nossas patologias... A alquimia é um
processo para extrair o Deus vivo dos aspectos mais venais, mais corruptos da vida... para ver
se surge a alma..."

Se não há miséria humana, seja material ou moral, então não necessidade de misericórdia. Se
não há necessidade de misericórdia, não surge a alma ou o desenvolvimento do coração, o
"coração coletivo", formado pela comunidade convivência, não pode se manifestar.

Portanto, não fique esperando pelos parceiros ideais. A única condição é que eles sejam
humanos. Mesmo porque, em geral idealizamos aquelas que consideramos boas pessoas. Ou
olhamos apenas a sua persona, a máscara da sua personalidade, ou projetamos sobre elas as
qualidades positivas que não conseguimos apresentar em nossas vidas, mas que são nossas
também.

Por outro lado, não devemos ficar tão obcecados com o sucesso da experiência. Afinal de
contas, o que é "dar certo"? As famílias "dão certo"? Os grupos formados por cada um de nós
com nossos colegas de trabalho, "dão certo"? Qual é o grupo humano que "dá certo"?

Pg 81

Necessidade é Igual a oportunidade

É sobre a miséria do velho mundo que temos que trabalhar para produzir o novo mundo. A
miséria do mundo é a nossa matéria-prima para fazer a Grande Obra da Segunda Criação do
Mundo, isto é: o Mundo humano.

Portanto, neste caminho de ajuda-mútua e de comum-desenvolvimento não adiante você se


refugiar no topo do mundo, no anta você se refugiar no topo do mundo, no Himalaia ou em
MachuPichu, para trabalhar o seu desenvolvimento espiritual. Não adianta você se trancar
num mosteiro e cerca-se de homens e mulheres puro. É preciso compreender que aqui não se
trata de pureza, mas de dádiva.
Mas não julgue os outros que tomam esses caminhos. Como disse Mika Toimi Waltari pela voz
do ancião de Volsina, personagem do livro "O Etrusco":

- "prepara-te exatamente segundo o teu desejo... Buscam alguns a solidão das montanhas,
outros buscam a si mesmo em meio às ruidosas multidões... cada um deve seguir o seu próprio
caminho."

Este livro apenas enfatiza que as necessidades humanas de uns são as oportunidades para a
realização de outros. Por isso é que elas são a matéria-prima da convida. Se o seu semelhante
não tem necessidades você também não pode Ter oportunidades.

Se ninguém precisasse de você, você não seria necessário. Infelizmente. Porque neste caso não
lhe seriam dadas as condições para se auto-desenvolver.

Tente pensar assim: existem outras pessoas que têm necessidades que precisam da sua ajuda.
Não da ajuda de qualquer ser humano, mas da sua especificamente. No sistema global, nossas,
se desenvolvem quando "encaixam" em necessidades de outras pessoas, que são só delas.

No século passado Campbell falava da necessidade de "viver a vida que existe potencialmente
em você e nunca esteve em ninguém mais, enquanto possibilidade". A convida se baseia
exatamente nisso: o seu coração faz uma coisa que só ele pode fazer. Não existem dois
corações iguais. Cada pessoa é absolutamente necessária. E talvez Robert Muller tivesse razão
quando lembrava que estamos usando uma porcentagem do coração, ou da alma, ainda
menor do que a do cérebro.

Por outro lado, nossas necessidades originais são as oportunidades para o desenvolvimento de
outras pessoas. De sorte que, na "ecologia" global do sistema, necessidade e oportunidade são
a mesma coisa.

Ao exercitar a ajudar-mútua e trabalhar para o comum-desenvolvimento, você estará, ao


mesmo tempo, se ajudando e se desenvolvendo também.

Mas parece óbvio: você só pode fazer isso se estiver em contato humano, pessoal, com outras
pessoas. Se estiver (com)vivendo ou vivendo em comunidade.

Ah! E tem ainda "um pequeno detalhe": tudo deve ser feito de (ou por) Graça."

Pg 84

E infalível

Falamos acima da Compaixão. Mas é preciso não esquecer do Sentido Compartilhado e da


Ação Comum.

Sem compaixão nada pode ser feito. Sem estes outros dois elementos também não se pode
realizar uma topia.

Muitas pessoas que já se engajaram numa experiência comunitária acabaram desistindo sem
obter grandes resultados. Problemas externos e interno acabaram desviando aquela
experiência do objetivo. Os participantes desanimaram. A coisa toda "esfriou".
Com certeza faltou um daqueles três elementos. Porque é infalível: se os três elementos
estiverem reunidos, a topia acontece.

Na maioria dos casos, quando iniciativas comunitária fenecem, é porque a experiência não
conseguiu atingir o nível da convida. Então as pessoas se reúne, traçam um ou vários objetivos,
propõem formas de organização e funcionamento, e nada! As ciosas não acontecem. Os
"sinais" da Fraternidade não ocorrem.

Em geral falta compaixão. Às vezes falta ação comum. Mas é muito provável que falte também
sentido compartilhado. Porque na Modernidade ao eliminar as dimensões simbólicas e rituais
da vida tudo acabou perdendo sentido, inclusive a sua própria vida.

Por mais que tentemos escapar existe uma pergunta que continua martelando
intermitentemente, as cabeças das pessoa de nossa época:

o "Afinal, qual o sentido da minha vida?"

ora, se sua vida não tiver sentido, nada no mundo terá sentido para você, nem mesmo uma
extraordinária experiência coletiva de desenvolvimento humano. Por que convida é vida-com-
sentido compartilhado.

O sentido não brota, iminentemente, das coisas. Eles não está nas coisas. Só o ser humano
pode dar sentido ao mundo, significando os eventos. O sentido é atribuído por nós. Todavia, até
agora fizemos isso inconscientemente, por meio de certos sinais que possibilitam a comunhão
do nosso interior com o exterior. Estes sinais compões uma linguagem ancestral, arquetípica,
através da qual o nosso inconsciente - e o inconsciente coletivo se comunica com a nossa
consciência. E esta linguagem não é racional mas feita de símbolos e de gestos simbólicos. Elas
tem aparecido, em todas as épocas, para cada um de nós nos sonhos, nas doenças e nas
coincidências significativas que ocorrem em nossas vidas.

Mas na medida em que o inconsciente vai se tornando consciente, também vai se tornando
possível utilizar conscientemente a linguagem simbólica. E provocar, voluntariamente, os
efeitos que ela produz. Então podemos atribuir sentidos às circunstâncias do mundo. Porém
esse sentido não poderá ser dividido e compartilhado por outras pessoas sem gestos simbólicos
e sem rituais.

Muitas coisas não acontecem conosco porque esquecemos dessa dimensão simbólica e ritual
da vida, que precisa ser restaurada.

Os autores de livros de auto-ajuda, de auto-desenvolivimento, e os estudiosos dos muitos, já


haviam descoberto este "segredo". Você quer as coisas aconteçam? Então faça gestos
simbólicos. Crie execute um ritual.

Louise Hay afirmava que "o universo adora gestos simbólicos". Joseph Campbell dizia que os
ritos servem para "colocar a mente em acordo com o corpo, e o rumo da vida em acordo com
rumo apontado pela natureza". Sustentando que o ritual era o cumprimento de um muito, ele
também deu um testemunho pessoal, de um mito da tradição hindu que o ajudou, quando teve
que se aposentar do magistério, a criar um novo modo de vida, mudando inclusive a maneira
de pensar a sua própria vida, passando da esfera da realização para a esfera do deleite, da
apreciação e do repouso. Segundo essa tradição, a pessoa deve mudar efetivamente toda a
maneira de se verti, mudar até o próprio nome, quando passa de estágio a outro.

Muitas coisas não acontecem numa experiência coletiva de solidariedade porque deixamos de
restaurar essa dimensão simbólica e ritual da vida, que é absolutamente necessária para
precipitar a convida.

Mas cuidado. Trata-se aqui de uma restauração dos velhos símbolos tradicionais, para libertá-
los daquelas suas características que impedem a metalizarão de um novo estado do mundo
presente. Ou seja, daqueles três grandes problemas do mito que já foram detectados pelo
pensamento crítico: a representação de passado; se é ele - o mundo - que vai possuir você ao
invés de você possuí-lo e a Ordem imposta sobre você, com a conseqüente redução da sua
liberdade.

Por isso, é bom não esquecer: o que se propõe aqui é uma reflexão para antecipar a mudança
dos símbolos e dos rituais tradicionais, não para mantê-los."

Pg 89

Não existe Receita

Você quer saber agora que novos gestos simbólicos e rituais deverá usar para fazer coisas
extraordinárias acontecerem numa experiência de ajuda-mútua ou de comum-
desenvolvimento.

Mas ninguém pode lhe dar uma "receita". Inclusive porque não existe receita.

Muitas pistas já foram semeadas nas páginas deste escrito. Se a partir dessas pistas e de
outras indicações que estão aparecendo, todo o tempo na sua vida, você não conseguir ficar
receptivo para perceber os "sinais" da Fraternidade, mesmo que eles surjam eles não serão
uma descoberta capaz de orientar o seu caminho.

Preste atenção: essa descoberta tem que ser individual e coletiva! "Ela exige compaixão e
muita ação comum".

Pg 90

O Primeiro "Sinal da Fraternidade"

Ação comum. Este é um elemento importantíssimo que também não pode faltar.

Parece óbvio mas não é. Não estou falando de intenção, análise da situação, teoria da
mudança de situação, planejamento, organização, propaganda, discurso ideológico ou luta
social e política contra inimigos supostamente responsáveis pela situação.

Mas, pura e simplesmente, de ação concreta para modificar a situação, que não pode ser
substituída por nenhuma dessas coisas.
Por incrível que pareça é muito difícil deixar de substituir a ação concreta que pode ser feita por
nós, por uma ou várias das coisas listadas acima. Esse é o principal obstáculo, diante do qual
sucumbe grande parte das experiências coletivas de solidariedade.

Eis o segredo: se você está disposto a agir, aja.

Não venha dizer que não sabe o que fazer ou por onde começar.

Por acaso não existe sofrimento humano à sua volta? Não existem insegurança de
sobrevivência e falta de condições para que as pessoas possam desenvolver, livre e
plenamente, as potencialidades de sua vidas?

Não existem pessoas com fome, com frio e desabrigadas, vítimas da miséria, de doenças, do
analfabetismo, da violência, da falta de liberdade, da discriminação e da marginalizarão
social?

Não existem pessoas com fracassos profissionais, desânimo, falta de estima por si mesmas e
falta de sentindo na vida?

Não existe todo um pouco carente de segurança alimentar e nutricional, sanitária, ambiental e
social; carente de saúde, prosperidade, sucesso, relacionamentos gratificastes, confiança no
futuro e realização no presente?

Diante desses desafios, o único jeito de fazer alguma coisa é fazendo. E o único jeito de
começar, é dando o primeiro passo.

O primeiro passo para organizar uma comunidade de ajuda-mútua é começar a ajudar as


pessoas, no que for possível.

Se estiver sozinho, não desista! Comece assim mesmo. Porque se você não começar agindo
individualmente, nunca conseguirá desencadear uma ação coletiva.

Tendo claro o objetivo basta que você seja movido pela compaixão e que aja realmente, para
que, em breve, esta ação para atingir o objetivo se torne uma ação comum. E para que este
sentido que você deu á sua ação possa ser compartilhado por outras pessoas.

O primeiro "sinal" da Fraternidade acontece assim: você começa cozinho e, quando vê, já está
junto com outras pessoas, com as quais você imaginou que iria viver ou com-viver!"

Pg 93

Os "Sinais" podem não Aparecer para Você

Você pode Ter ficado decepcionado com o anúncio feito acima do primeiro "Sinal" de
Fraternidade. Se você esperava coisas mais surpreendentes, maravilhosas, efeitos
extraordinários, intervenção de forças misteriosos, manifestação de prodígios - e não viu nada
disso no primeiro "Sinal" - então você está no lugar errado. Ou melhor, o "lugar" que você
busca não é o da Fraternidade.
Do ponto de vista adotado aqui não há nada mais surpreendente, maravilho, extraordinário,
forte e prodigioso, para um ser humano, do que não estar sozinho.

Poderíamos falar de muitos outros "sinais" da Fraternidade.

Mas se você acha que esse primeiro "Sinal" é muito pouco, não adianta prosseguir. O melhor a
fazer é desistir agora!

Se lhe dissessem, por exemplo, que dez pessoas dedicadas à cura de uma pessoa, agindo
comparativamente em certas circunstância, totalizam um poder irresistível de cura, você até
poderia ficar mais animado. Mas se esse ânimo veio do prodígio e não da compaixão, então
para nada adiantará percorrer um caminho como este. Neste caso, aliás, o referido "sinal"
também poderia não aparecer para você. E sua animação inicial acabaria em decepção.

Por tudo isso é melhor que você mesmo descubra os outros "Sinais" da Fraternidade".

Pg 95

Fim e meio São a Mesma Coisa

Você está chegando ao fim deste conjunto de reflexões sobre a ajuda mútua e o comum-
desenvolvimento.

Neste texto tratamos, embora indiretamente, do fundamento do caminho das pessoas comuns
para um novo mundo: a Fraternidade.

O fundamento é o fim. O caminho é o meio. Mas fim e meio são aqui a mesma coisa.

Este é o segredo do paraíso. Se queremos que o novo mundo seja um mundo mais fraterno, só
há uma maneira de chegar até ele: multiplicando - aqui-e-agora os "lugares" de Fraternidade.

Oxalá possamos chegar ao objetivo de encontrar aqueles "lugares" onde acontecem os "sinais"
da Fraternidade, antecipando em nossas vidas e nas vida de muitos locais do mundo de hoje,
aquilo que ocorrerá no porvir com todo o planeta, se assim procedermos!

Entretanto..."

O PRESENTE

Capítulo DEZOITO

Muito bem você acabou de ler o Manuscrito e deve estar se perguntando:

" - o que eu faço agora?"

agora está chegando a hora de fazer o seu caminho em Alto Paraíso.

Mas você estar pensando assim:


"...Miséria e pobreza existem em todo lugar. Por que eu tenho que fazer o meu caminho de
ajuda-mútua justamente em Alto Paraíso?

De fato. Na verdade você não precisa. Os caminhos da ajuda-mútua podemos ser feitos em
todos os lugares do mundo, onde existam pessoas precisando de ajuda.

Você só deve fazer o seu caminho de ajuda-mútua em Alto Paraíso se quiser descobrir o
"Segredo do Paraíso".

É comum ouvir das pessoas que vieram para Alto Paraíso o seguinte depoimento:

" - Na verdade, não sei bem por que vim para cá. Mas tenho a plena certeza de que algum dia
descobrirei este segredo".

Cada lugar tem o seu segredo, assim como cada pessoa tem também o seu próprio segredo.

A diferença entre Alto Paraíso e outras cidades do continente que têm sue segredos - Machu
Pichu, Palenque, Tikal, etc. - é que enquanto nessas cidades o segredo está no passado, em Alto
Paraíso o segredo está no futuro.

É por isso que não se pode explicar, a partir de fatos do passado, porque tantas pessoas e
tantos grupos vêm para cá. Então se diz que estas pessoas e estes grupo estão sendo atraídos
pelo futuro, por uma coisa que já aconteceu no futuro.

Porque alguém, em Alto Paraíso. Gerou no futuro um novo padrão de relações dos seres
humanos entre si e com a natureza.

E esse padrão nos puxa, como se fosse um trator, oferecendo a possibilidade concreta de
anteciparmos, aqui e agora, muitas coisas que acontecerão no futuro com todo o planeta, se
aceitarmos esta oferta.

Capítulo Dezenove

É bom que você tenha recebido notícia das principais maravilhas naturais de Alto Paraíso antes
de viajar para cá. Seu caminho em Alto Paraíso pode passar por muitos desses lugares e por
outras que só você mesmo descobrirá.

Na medida em que você for contribuindo o seu caminho, cada um desses lugares já conhecidos
ou descobertos, constituirá uma estação de caminhada, e adquirirá um significado todo
especial para você.

Você poderá entrar em sintonia com os rios, como o Rio Preto, e o Rio São Bartolomeu, com as
cachoeiras, como a Cristal, a João de Mello, a São Bento e a Carioca, com as montanhas, como
a Baleia e o Pouso Alto e com os vales, como o surpreendente Vale do Rio São Miguel, onde fica
o chamado Vale da Lua.
Você poderá encontrar locais fantásticos para meditar ou para rezar, várias matas e campos de
flores. De um certo ponto de vista, esses são os templos mais adequados que podem existir
para a sua comunhão, cósmica, com toda a criação. Além d do seu próprio corpo-vivo, é claro.

Em alguns desses lugares - ou em outros que descobrir - você poderá escolher a sua rocha, a
sua árvore, a sua fonte, o seu posto de observação de um panorama, o seu recanto.

Todas essas coisas serão suas na medida em que você frequentá-las e cuidar delas,
modificando o mínimo possível a disposição encontrada.

Para ser "aceito" pelos sistemas naturais que penetrar, você terá que se integrar na paisagem
como um simbionte e não como um predador.

Enquanto não conseguir isso, pelo menos tente se comportar como um observador atento,
sobretudo silencioso - o silêncio é muito, muito importante - procurando sentir a variedade de
formas e texturas, de sons, odores e tonalidades de cores que se apresentam,. Com o tempo
você aprenderá a distinguir as variações básicas que se repetem em cada lugar de acordo com
a hora do dia ou da noite e a época do ano.

Isso quer dizer que você precisará visitar os lugares que escolheu várias vezes, até estabelecer
uma intimidade com eles. Para atingir esse ponto, você deverá se tornar responsável por tais
lugares, zelando pela sua conservação.

Ao dotar um lugar na natureza, você será adotado por ela. A rocha que você escolheu lhe dará
firmeza para empreender novas iniciativas. Não tenha acanhamento de deitar ou encostar as
palmas das mãos e a fronte sobre ela.

Sua árvore lhe ajudará a equilibrar sues próprios ritmos vitais. Não tenha vergonha de
conversar com ela sobre suas doenças e necessidades. Se tiver vontade, abrace-a.

Ao lado da sua fonte, brotarão um você pensamentos e sentimentos que talvez não lhe
ocorressem em outros locais.

O seu panorama preferido lhe inspirará visões mais abrangentes das circunstâncias em que
você está envolvido. Visões que lhe permitam, quem sabe, superar alguns impasses da vida.

No seu recanto escolhido, você poderá meditar, rezar, comer, ler, escrever ou simplesmente,
não fazer nada disso. Apenas ficar.

Capítulo VINTE

Antes de visitar a região, é muito importante que você saiba que existem pessoas incríveis em
Alto Paraíso. Se você quiser mesmo fazer o seu caminho em Alto Paraíso, mais cedo ou mais
tarde terá que encontrar esses pessoas.

Elas poderão lhe ajudar a fazer o seu próprio caminho. Desde que você não queira seguir a
caminho delas e nem queira que elas sigam o seu.
Mas ninguém pode dizer de antemão que pessoas você poderá encontrar em Alto Paraíso.
Porque isso depende de um combinação muito sutil entre oportunidade e necessidade.

Assim, não devemos lhe indicar nenhum nome e você deverá permanecer aberto e atento para
reconhecer os sinais de que aquela pessoa - e não outra - está precisando de você e você está
precisando dela. Ela estará precisando de você porque você está precisando dela. E vice-versa.

Talvez você encontre uma velha parteira, um farmacêutico natural, um historiador sofisticado
vivendo no meio do povo da terra, um ecologista altamente sensível, um guia turístico que
conhece toda a região como a palma da mão, um arquiteto de vanguarda ou um estudioso de
ocultismo.

Não ligue para os títulos, nem para as aparências. Talvez as pessoa que você precise encontrar
sejam uma empregada doméstica que acabou de chegar da roça, um pequeno comerciante,
um vendedor de cristais, uma terapeuta alternativa, um artesão de jóias, um professor de
crianças ou, quem sabe, um político.

Mas o que você vai ler agora é definitivo. Por mais que visite "lugares sagrados" e entreviste
todas aquelas pessoas tidas por mestres, gurus, dirigentes ou instrutores espirituais, se você
não encontrar as pessoas certas para você, não poderá fazer nenhum caminho em Alto
Paraíso.

Aliás, os caminhos que levam ao "Segredo do Paraíso" não passam por "lugares sagrados". Ou
melhor, nesses caminhos, todos os "lugares são "sagrados" - que é a mesma coisa.

Além disso, aqui não existem mestres. Ou melhor, nesses caminhos todos são mestres uns dos
outros.

Por outro lado, se você leu com atenção o manuscrito, já deve Ter percebido que o caminho é
seu, mas que você não pode percorrê-lo sozinho até o fim. Que dizer: nada poderá ser
concluído se o seu caminho não se encontrar com outros caminhos, de outras pessoas, que
estão em busca do mesmo "lugar" na Fraternidade.

É aí que "acontece" a comunidade de que tanto fala Henrique Antunes do seu Manuscrito.

Capítulo VINTE E UM

É fundamental que você conheça alguma coisa da situação social atual de Alto Paraíso antes
de vir para cá.

Entre os maiores de quatorze anos, quase vinte por cento da população de Alto Paraíso é
analfabeta. Vinte por cento das pessoas não bebem água filtrada. Vinte por cento não têm
sequer torneira em casa. E vinte por cento não contam com nenhum tipo de saneamento
básico, nem mesmo com fossas em suas residências.

Então todos esses "vinte-por-cento" já constituem uma boa matéria-prima para se começar a
construir caminhos de ajuda-mútua.
Mas existe muito, muito mais em Alto Paraíso com sérios problemas de qualidade de vida.

É crescente o número de adolescentes grávidas, de jovens drogados, de adultos sem trabalho e


de idoso sem amparo.

É grande a quantidade de pessoas marginalizadas, que perderam sua identidade, porque


saíram da zona rural e foram para a cidade e porque tiveram sua cultura tradicional invalida
de repente pelas novas idéias e pelos novos costumes trazidos pelos migrantes.

Pode-se dizer que existem hoje duas populações, até certo ponto apartadas uma da outra,
vivendo em Alto Paraíso. Na rua principal encontramos em geral os vieram de fora. Nas ruas
paralelas e transversais mais afastadas, encontramos o povo oriundo da terra =, que não
freqüenta a rua principal porque, muitas vezes, tem vergonha das suas roupas, dos seus
calçados e até do seu modo de falar.

Grande parte desses "nativos" moram na zona rural ou num bairro novo, construído dentro da
cidade, chamado Setor Novo Horizonte. O Setor Novo Horizonte fornece um exemplo perfeito
dos carecimentos básicos que ainda caracterizam uma parte considerável da população de Alto
Paraíso. Alí se concentram 150 famílias (cerca de setecentas pessoas) nas seguintes condições:

o 125 pessoas maiores de 14 anos são analfabetas;

o 42 famílias não utilizam água filtrada;

o 24 famílias não possuem fossa;

o 74 jovens (de 15 a 19 anos) não possuem capacitação profissional;

o 168 crianças e jovens ( de 10 a 19 anos) não têm noções básicos de orientação


sexual (prevenção da gravidez, aids e doenças sexualmente transmissíveis em
geral);

o 285 crianças e jovens (de 5 a 19 anos) não têm acesso atividades regulares de
lazer;

o praticamente toda a população de 702 pessoas as carece de orientações


básicos de higiene, nutrição e saúde.

A maioria dos turistas, dos moradores e até mesmo alguns ecologistas e espiritualistas que
visitam regularmente ou vivem em Alto Paraíso, ainda pensam que não têm nada a ver com
isso.

E é por isso que essas pessoas, enquanto continuarem pensando assim, não poderão descobrir
o "Segredo do Paraíso".

Por mais esforços que façam, por mais livros que leiam, por mais exercícios espirituais que
pratiquem , por mais rituais que celebrem, por mais experiências sobrenaturais que vivenciem,
essas pessoas não encontrarão os caminhos que levam ao "Segredo do Paraíso".
Porque estes caminhos são os caminhos da ajuda-mútua e não os do crescimento individual ou
grupal isolados.

Esta é a outra parte, que agora se torna visível, do segrego do "Segredo do paraíso". Alto
Paraíso só poderá se transformar num novo modelo de desenvolvimento humano e sustentável
para o Brasil e para o mundo, se as pessoas - todas as pessoas que vivem aqui - melhorem
sensivelmente a sua qualidade de vida. E isso deve ser feito a partir das ações concretas de
solidariedade, praticadas coletivamente e mutualmente, pelos que nasceram ou nascerão aqui
e pelos vieram ou virão para cá.

Capítulo VINTE E DOIS

Está chegando a hora de fazer as malas.

Nenhuma indicação de roteiro lhe será dada. Porque quando chegar em Alto Paraíso, você
mesmo terá que fazer o seu caminho.

Não importa o tempo que você fique aqui, nem quantas vezes tenha que voltar. De cada vez
que você vier, será possível construir um pedacinho do caminho. Desde que você ajude alguém,
de qualquer modo e em qualquer coisa.

Mas não se esqueça daquela conselho que Herinque Antunes transcreveu no seu Manuscrito:
"cada um deve seguir o seu próprio caminho". Assim, não adianta nada você ficar procurando
mestres e gurus que lhe orientem que direção tomar, o que fazer primeiro ou por onde começar
a caminhar.

O Manuscrito de Herinque e as anotações de Antônia reproduzidos aqui, poderá dizer o que


deve ser feito, numa dada circunstância, para atingir tal objetivo.

A medida que você começar a caminhar em direção ao objetivo, descobrirá muitos coisas que
sempre estiveram, o tempo todo, na frente, mas que você não via.

Aos poucos, constatará que todo gesto feito por você para ajudar outras pessoas, por menor
que seja este gesto, está sendo recompensado amplamente. E estão, sua vida começará a
melhorar, a olhos vistos.

Se as condições de sobrevivência da pessoa que você ajudou, melhorarem, as suas condições


de sobrevivência também melhorará.

Se contribuir para amparar alguém emocionalmente, você também será reconfortado.

Quanto mais você fizer, mais você obterá.

Em todos os campos.

Como vimos, se você ajudar a preservar o ecossistema, a natureza lhe devolverá, em beleza,
proteção e nutrição, o cuidado que você tiver dispensado à ela.

De repente, você se surpreenderá com a sua própria mudança.


Ao antecipar o futuro projetado - porque este, afinal, é o "segredo do Paraíso" - você
descobrirá que Henrique Antunes ou Antônia Sanches podem ser você mesmo, no futuro.

Pg 109

AGRADECIMENTOS

Em geral especial a Peter Christopher Midkiff (o "piter"), Luiz José de Regô da Cunha Lima (o
"lula") e Luís Paulo Veiga Nunes Pereira. O primeiro pela inspiração geral, o segundo pelo
material histórico e geográfico que serviu de suporte para vários dos capítulos de "O Segredo
do Paraíso" e o último pela ativa colaboração prestada logo que tomou conhecimento da obra.
Todos fizeram sugestões pertinentes que contribuíram para corrigir e aperfeiçoar os originais,
assim como Nathalie Dutra, se associaram ao autor para perfazer total de recursos necessários
à presente edição.

O autor agradece ainda a Josina Roncisvalle, da Edições O LIVRO ABERTO, com a qual repartiu
a aventura da viabilização final desta obra.

As informações geomorfológicas da região de Alto Paraíso, que constam do capítulo "três",


foram tomadas de Novaes Pinto, Maria. "Residuais de Aplainamentos na "Chapada" dos
Veadeiros - Goiás", UnB, 1986.

Essa obra foi digitalizada (via scanner/ OCR) pela Secretaria de Meio Ambiente e Turismo de
Alto Paraíso com a cooperação de Luis Paulo Veiga Nunes Pereira e Elisângela Alves Pereira. A
divulgação através da INTERNET foi autorizada pelo autor.