Você está na página 1de 20

PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V

1.3 PROCESSO GRÁFICO DE CULMANN


Estado ativo aplicável a solo não coesivo (areais). Processo absolutamente geral. Qualquer superfície do terrapleno, qualquer tipo de sobrecarga, qualquer tipo de tardoz.
Superfície de ruptura passa pelo bordo inferior interno da contenção. Apresenta-se a seguir sequencia de construção:
1. Traçar a linha de taludes (LT) que forma um ângulo  com a horizontal e a linha de pressões de terra (LPT) que forma um ângulo () com a linha de taludes.

LT



Ea
 

A

LPT

Página 1 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
2 Dividir o terrapleno em várias cunhas passando pelo ponto A (ABC1, ABC2, ABC3, ABC4.....)
C4
C3
C2
C1

B i

LT





Ea

 


LPT

Página 2 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
3 Calcular o peso das cunhas P =  x Volume (ABC1 → P1, ABC2 → P2, ABC3 → P3, ABC4 → P4.....) e marcar em uma escala adequada o peso na linha de taludes LT (P1 – AD1, P2 – AD2,
P3 – AD3, P4 – AD4......) C4
C3
C2
C1

B i

LT

D4

D3

D2
Ea
D1
 


LPT

Página 3 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
4 Pela extremidade de AD1, AD2, AD3, AD4 traçar paralelas à linha de pressões de terra LPT até encontrar a superfície de deslizamento da cunha correspondente AC1, AC2, AC3, AC4
gerando assim os segmentos D1E1, D2E2, D3E3, D4E4 os quais correspondem aos empuxos de cada cunha.

C4
C3
C2
C1

B i

LT

E4
E3

 E2 D4
E1 D3

D2
Ea
D1
 


LPT

Página 4 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
5 Unir os pontos E1 a E4 com uma curva, chamada Linha de Culmann. Traçar uma reta paralela à linha de taludes LT que tangencia a Linha de Culmann. O ponto de tangencia define
a cunha que corresponde ao valor máximo, que é empuxo ativo. O segmento DE corresponde, em escala, ao valor do empuxo ativo Ea.

C4
C3
C2
C1

B i

LT

E4 Linha de Culmann
E
E3

 E2 D4
D
E1 D3

D2
Ea
D1
 


LPT

Página 5 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
O ponto de aplicação do empuxo pode ser determinado pelo seguinte procedimento. Determinar o centróide da cunha ABC que corresponde ao valor máximo do empuxo ativo (o
centróide é determinado pelo encontro das bissetrizes dos ângulos internos do triangulo). Traçar uma paralela à superfície de ruptura AC dessa cunha, passando pelo centróide. O
ponto de intersecção dessa paralela com o tardoz do muro F corresponde ao ponto de aplicação do empuxo ativo.

B i

CG



Página 6 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
EXEMPLO – H =3m, solo  = 30º e  = 0º

Página 7 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
EXEMPLO – H = 3m, solo  = 30º e  = 20º

Página 8 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
PROCEDIMENTOS GRÁFICOS COM DICAS PARA USO DO AUTOCAD

1) Para a folha A3 escolha a escala adequada.


2) Desenhar a estrutura de contenção e a superfície do terreno. No CAD usar o comando “line” e informar as coordenadas dos pontos (line enter -5,0 enter 10,0 enter – linha que
define o pé do muro line 0,0 enter 0,3 enter – linha que define o tardoz do muro line 0,3 enter 10,3 enter – linha que define o terrapleno).

3) Traçar a linha de taludes. No exemplo, foi considerado que o ângulo de atrito interno do solo () é 30o (line 0,0 enter @6<30).

Página 9 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
4) Traçar a linha de pressões de terra (LPT). No exemplo, foi considerado que o ângulo de atrito entre o solo e a estrutura de contenção é 20 o. Note que essa linha forma um ângulo
(ooo) com a linha de taludes, dessa forma marcar -40o com a horizontal (line 0,0 enter @5<-40).

Página 10 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
5) Definir a primeira cunha ABC1. Iniciar com o ponto C1 distante 0,5 m da crista do muro de arrimo (line 0,0 enter 0.5,3)

Página 11 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
6) Calcular o peso da cunha (P =  x volume). Supor que o peso específico do solo () é 20 kN/m3. Assim P = 20 x 3 x 0,5 /2 = 15 kN/m. Adotar uma escala de forças, nesse caso
considerar que 1 unidade do desenho é igual a 20 kN/m. Para essa escala o peso da cunha corresponde a 0,75 unidades (line 0,0 enter @0.75<30).

Página 12 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
7) Pela extremidade do segmento AD1 traçar uma paralela à linha de pressões de terra (offset enter t enter clicar na LPT e depois clicar em D1). Prolongar essa linha até encontrar
o segmento AC1 (extend enter e clique na extremidade da paralela construída).

Página 13 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
8) Repetir os passos 5) a 7) para várias cunhas. Afastar cada cunha 0,5 m da anterior de modo a melhor definição a linha de Culmann.

Página 14 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V

Página 15 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V

Página 16 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
9) Ligar os pontos E1 a E6 definindo a linha de Culmann (use o comando spline e clique sucessivamente nos pontos E1 a E6).

Página 17 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
10) Traçar uma reta paralela à linha de taludes e que tangencia a linha de Culmann.

Página 18 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
11) O ponto de tangencia corresponde à situação de empuxo ativo. Traçando uma paralela à linha de pressões de terra nesse ponto de tangencia, o segmento define (em escala) a
intensidade do empuxo ativo.

O valor obtido no desenho é igual a 1,34 que na escala de forças corresponde a 26,8 kN/m.
Podemos verificar pela Teoria de Coulomb que para  = 90º, i = 0º,  = 30º e  = 20º o valor do coeficiente de empuxo ativo ka será igual a 0,2973. Logo o empuxo ativo será:

1 1
Ea  H 2 k a   20  3 2  0,2973  26,8 kN / m
2 2

Página 19 de 20
PUCPR – ESCOLA POLITÉCNICA – ENGENHARIA CIVIL – ENGENHARIA GEOTÉCNICA V
A figura a seguir apresenta a construção gráfica necessária para a determinação do ponto de aplicação do empuxo.

Página 20 de 20