Você está na página 1de 11

Dermatofuncional

Epiderme -> subdividida em 5 subcamadas.

Epitélio estratificado pavimentoso queratinizado

Células pavimentosas,
 Avascular – não há vascularização linfática coladas umas às outras
e sanguínea, PRINCIPAL diferença entre a DERME.

A 1ª (ultima) camada chamada de membrana BASAL, está intimamente ligada à DERME, é a mais
IMPORTANTE, promove mitose celular (multiplicação) – ex:queratinócitos, sintetizam a queratina.
Que será deslocada para a 2ª camada, sendo ela a ESPINHOSA, que irão ser transferidas para a
3ª camada, a GRANULOSA, esta que esta em franca degeneração, onde a queratina irá formar a
4ª camada – CORNEA – que confere a pele a função de impermeabilização.

OBS: A camada lúcida, só está presente nas palmas das mãos e pés e se localiza entre a camada
córnea e granulosa.

CÉLULAS

Melanócitos: estão presentes na camada basal e espinhosa, são produtores de melanina, a partir
da tirosina, os grãos de melanina são introduzidos, através dos prolongamentos dos melanócitos
no citoplasma das células-tronco e dos queratinócitos, onde se concentram o núcleo,
protegendo o material genético da radiação ultravioleta. No albinismo não há produção de
melanina pela ausência da atividade da tirosinase ou pela incapacidade dos melanócitos
transportarem tirosina para o seu interior.

Queratinócitos: São originados da camada BASAL, migram em direção à superfície para produzir
mais queratina.

Células de Langerhans: São apresentadoras de antígenos, elas interagem com os queratinócitos,


mas também podem ser encontradas na DERME, elas monitoram a entrada de antígenos
estranhos na pele. Entram nos vasos linfáticos da derme e migram para os linfonodos regionais
para apresentar os antígenos capturados aos linfócitos T.

Derme

Espessa camada de tecido conjuntivo, apoia a derme, que se comunica com a


hipoderme.
Fibras elásticas, reticulares, colágenas e é VASCULARIZADA por vasos sanguíneos e
linfáticos, nervos e glândulas sebáceas, glândulas sudoríparas e unhas.

Subdividida em:

Derme papilar, que corresponde às papilas dérmicas e é constituída por tecido conjuntivo
FROUXO. Células mais comuns presente nelas são os fibroblastos e macrófagos. Apresenta
reentrâncias que acompanham a epiderme. Tem como função aumentar a zona de contato
proporcionando maior RESISTENCIA à pele.

Derme reticular, que corresponde à maior parte da derme, constituída por tecido conjuntivo
denso não modelado. Os fibroblastos são mais numerosos. Os feixes de colágenos foram uma
trama tridimensional, conferindo ao tecido resistência as trações em qualquer direção.

A camada reticular pode ser dividida em superficial onde se alonjam os folículos pilosos e as
glândulas sebáceas. A derme reticular profunda , é onde temos a grande parte das fibras
colágenas e estruturais da derme, além onde ocorre a junção da DERME e HIPODERME.

OBS: Ambas camadas contêm muitas fibras elásticas, o que confere à elasticidade da pele.

Substancia fundamental amorfa

Preenche os espaços entre as células e fibras do tecido conjuntivo.

Barreira à penetração de partículas estranhas no interior do tecido.

Glicosaminoglicana -> sustentação, transporte molecular e produção de colágeno.

Fibras Colágenas -> proporcionam a força tensil dos ferimentos na fase de cicatrização

Mais frequentes no tecido conjuntivo.

Escleroproteina -> colágeno -> sem este o homem seria reduzido a um amontoado de células.

TIPO I -> constituem a pele, tendão, osso e parede dos vasos.

TIPO II -> constituem da cartilagem hialina-condrocitos

TIPO III -> constituinte das células dos músculos lisos.

Fibras Elásticas

Cor amarelada -> componente principal é a ELASTINA -> mais resistente que o colágeno (100 a
140% de elasticidade).

Originam-se da derme média e profunda, é sintetizada pelas células musculares lisas, endoteliais,
fibroblastos e condroblastos cartilaginosos.
ALTERAÇÕES DENEGERATIVAS -> ENVELHECIMENTO -> 30 anos – pico aos 70 anos.

Substituídas à partir da DERME superficial por lipídios.

ANORMALIDADES- DIABETICOS.

Nervos e receptores sensoriais

Terminações nervosas livres: perdem células de schawnn e bainha de mielina, penetram na


epiderme, os nociceptores ou termorreceptores envolvem os folículos pilosos e são sensíveis ao
deslocamento dos pelos (mecanorreceptor).

Corpusculos de Paccini: são terminações nervosas encapsuladas, formando os corpúsculos


sensoriais, localizados na derme PROFUNDA e hipoderme das palmas das mãos e plantas dos
pés. Detectam vibrações e pressões.

Corpusculos de Meissner: estão nas papilas dérmicas, dedos das mãos e dos pés, são alongadas
e contistuidas pelo axônio disposto em espiral e envolto pelas células de Schwann. São
receptores táteis

Corpusculos de Merkel: estão presentes em maior quantidade em pele espessa. Uma terminação
nervosa está aderida à base da célula conduzindo o impulso nervoso. É considerado um
mecanorreceptor – tato, estão em abundancia na ponta dos dedos. São semelhantes aos
melanócitos.

Corpusculos de Ruffini: estão localizados na DERME e tecido subcutâneo, mais presente na


planta dos pés. Sua fibra nervosa perde a mielina e então ramifica-se entre as fibras colágenas.
Responderá ao grau de tensão das fibras colágenas.

Bulbos De Krause: São considerados mecanorreceptores, estão localizados nas bordas da


epiderme com as mucosas.

Pêlos

Estruturas queratinizadas -> desenvolvem-se a partir de invaginações da epiderme.

Folículo piloso -> bulbo piloso -> istimo ou talo (origem) -> infundíbulo -> haste

Ciclo de crescimento:
anágena -> intensa atividade celular
catágena
telógena -> fase do repouso

Glândulas sebáceas
Entradas em toda a pele, são tubulares simples, seu ducto é mais estreito que sua porção
secretora e não ramificado.

Écrinas: abrem-se na superfície da pele


Apócrinas: abrem-se no folículo piloso.

Glândulas sudoríparas

Estão anexas ao pelo.

Várias glândulas -> único ducto -> folículo piloso.

São responsáveis pela OLEOSIDADE NATURAL do pelo e ligeira ação bactericida.

Estrias

Lesão atrófica tegumentar adquirida -> aspceto linear e paralela -> obedecendo as linhas de
clivagem da pele.

Ruptura das fibras de COLÁGENO e ELASTINA

Pode variar de 1 a vários cm de extensão e 1 ou +


mm de largura.
Responsáveis pela
Considerada lesão IRREVERSÍVEL. tonicidade e elasticidade

Inicio -> avermelhada -> esbranquiçada.

Sinais e sintomas

1ª Fase: distensão das fibras elásticas -> instalação de processo inflamatório -> dilatação dos
vasos capilares = aspecto rosado

2ª Fase: Escuras – roxas, avermelhadas -, elastólise*

 Elastólise: morte da elasticidade

3ª Fase: Epiderme atrófica -> substituição da pele por TECIDO fibroso -> esbranquiçadas –
colágeno desogarnizado.

Estrias avermelhadas

Mais recentes -> coloração avermelhada devido ao rompimento sanguíneo.

TRATAMENTOS INICIADOS NESSA FASE -> Melhor resultado -> células continuam vivas e com
maior capacidade regenerativa.

Estrias brancas
Mais antigas -> coloração branca-acizentada -> melanina não está sendo mais produzida aonde
estão rompidas as fibras

Diminuição acentuada da espessura da pele = depressão

TRATAMENTOS INICIADOS NESSA FASE -> apenas estreitamento.

TEORIA MECANICA

Pele -> estiramento, ruptura ou perda de suas fibras elásticas dérmicas – obesidade, deposição
excessiva de gordura no tecido adiposo.

TEORIA ENDOCRINOLÓGICA

Uso terapêutico de hormônios adrenais corticais ou por uso de anabolizantes, distúrbios


nutricionais e hormonais.

TEORIA INFECCIOSA

Processo infecciosos provocam danos às fibras elásticas


Ex: febre reumática, hepatite crônica, febre tifoide.

Fatores a serem considerados na avaliação

Cor da pele, menarca, gestações, medicamentos, disfunção hormonal, transtornos de


cicatrização, alergias, tipo de alimentação.

TRATAMENTO

Eletrolifiting – suaviza, elimina alterações de linhas de expressão, aumenta taxa mitótica do


estrato basal, ativação do colágeno e elastina, compactação e reagregação das fibras. Indicação:
estrias brancas/vermelhas.
* estimulo da agulha + corrente -> inflamação local aguda -> aumento da permeabilidade dos
vasos -> edema -> exudato inflamatório -> epitelização ( acúmulo de fibroblastos) ->
recuperação da estria
* parâmetros: modo: microgalvanica
intensidade: 150 ma a 300 ma
frequência de aplicação: 15 em 15 dias.

Radiofrequência – ativação do metabolismo celular e sistema circulatório da região, retração das


fibras de colágeno existentes, remodelação, aumento do fluxo sanguíneo liberando ácidos livres
de gordura até o local onde há tecido adiposo e aumentando a lipólise estimulando
catecolaminas disponíveis, aumento da vascularização e drenagem linfática. Indicação: estrias
VERMELHAS
* parâmetros: modo: bipolar
potência: 40 a 80 w
tempo: 5 minutos por área
temperatura: 39 a 42 °C

Carboxiterapia – Quando o gás é injetado na derme, promove um deslocamento sem lesões


vasculares, estimulando a neocolagenase.
* parâmetros: Volume: 70 a 90 ml
fluxo: 70 a 90 ml/min
técnica: penetração: meso-epidérmico.
aplicação: 15 em 15 dias.

Flacidez

Estado mobilizado, frouxo ou lânguido do tecido

Flacidez muscular -> falta de exercício físico -> músculos não são solicitados adequadamente =
fibras atrofiam-se.

Atrofia da pele/musculo -> diminuição da atividade motora e de funcionamento de órgãos ->


tissular / muscular.

Déficit de substâncias dérmicas.

Fatores extrínsecos : radiações U.V, poluição ambiental, intempéries climáticas.

Fatores intrínsecos: diminuição da colagenese


diminuição do tônus muscular
ação dos radicais livres
alterações hormonais
desnutrição – alimentação.

Sedentarismo -> fator mais frequente


Perda de massa muscular Envelhecimento fisiológico
Aumento de depósito gorduroso inicio +/- 30 anos

Modificações dos componentes cutâneos

Epiderme -> diminuição da espessura, desordem/diminuição de melanócitos e células de defesa

Derme -> atrofia, diminuição do número de fibroblastos, desordem no colágeno e elastina,


diminuição do fluxo de capilares, glândulas sudoríparas e redução do calibre piloso.
Hipoderme -> diminuição da espessura, diminuição da sustentação devido a diminuição do
colágeno, surgimento de sulcos e pregas.

Envelhecimento cutâneo -> intrínseco -> pele atrófica, amarelada, ressecada, pouco elástica,
pouca secreção sebácea e sudorípara, diminuição dos pelos.

Pele -> função de sustentação – fibras colágenas, elásticas e reticulares -> manutenção da
musculatura e tegumento.

Tecido conjuntivo -> recobre a musculatura

Flacidez -> qualidade das fibras colágenas diminui/ forças extrínsecas agem sobre a pele.

Flacidez tissular -> afeta o tecido cutâneo

Flacidez muscular -> acomete a musculatura subcutânea.

Tônus muscular -> estado de tensão muscular – SNC – aumenta ou diminui conforme a
intensidade de atividades que o musculo realiza.
HIPOTONIA Diminuição do tônus flacidez.

Estímulo muscular

Vias nervosas aferentes desencadeia a vontade -> estimulo -> SNC -> tradução do comando ->
neurônio motor = contração

APARELHO DE ELETROESTIMULAÇÃO -> substituição do SNC

Tipos de contração

Isometria – alta tensão no musculo, contração sem alteração do tamanho da fibra, melhora o
tônus e não tem gasto calórico.

 Aumento do diâmetro da fibra muscular


 Aumento no numero e tamanho de fibras
 Aumento na quantidade de proteínas ( contrateis actina miosina)
 Aumento da circulação sanguínea
 Hipertrofia muscular

Isotonia – baixa tensão, contração muscular com alteração do tamanho da fibra, tem gasto
calórico e não trabalha o tônus, mas trabalha obesidade e gordura localizada.

 Aumenta irrigação sanguínea


 Dilatação das vias linfáticas
 Revigora musculatura
 Diminui o excesso de gorduras.
Aparelhos de excitação neuromuscular

Correntes excitomotoras -> estimulo neuromuscular -> promove a contração da musculatura


estriada.

Hipertrofia , melhora a irrigação sanguina e o retorno venoso.

Ação fisiológica da estimulação

Estimulação -> contração muscular -> ação de corrente elétrica -> nervos sensitivos e motores

Produção de trocas metabólicas

Ação de bombeamento sobre os vasos linfáticos artérias e veias dos músculos -> facilitação do
RV e transito linfático -> aumento do volume das fibras musculares, força e potência ->
intensifica o tônus e diminui a flacidez.

Estímulo elétrico -> todas unidades motoras em um músculo se contrai de forma sincronizada -
> maior hipertrofia
Maior volume das fibras musculas, aumento de proteínas, colágeno da aponeurose, aumento da
circulação, maior força muscular e melhora flacidez.

TRATAMENTO

Radiofrequência – ativação do metabolismo celular e sistema circulatório da região, retração das


fibras de colágeno existentes, remodelação, aumento do fluxo sanguíneo liberando ácidos livres
de gordura até o local onde há tecido adiposo e aumentando a lipólise estimulando
catecolaminas disponíveis, aumento da vascularização e drenagem linfática. Indicação: Flacidez
tissular, adiposidade localizada, FEG, PO.
* parâmetros: modo: bipolar
potência: 40 a 80 w
tempo: 5 minutos por área
temperatura: 39 a 42 °C

Corrente Russa – aumento da força muscular e mudança no tecido muscular, reproduz os


eventos físicos e químicos associados à contração muscular voluntária normal de forma mais
sincronizada, permitindo contrações musculares mais fortes e consequentemente hipertrofia
muscular. Indicação: Flacidez tissular e muscular/ hipotonia muscular
* parâmetros: modo: sincronizado/recipocro.
rise: 1 a 4 segundos
ON: 15 a 25 segundos
decay: 1 a 3 segundos
OFF:1/1 ou 1/2
Frequência: 30 a 150 Hz
Tempo: 20 minutos.

Carboxiterapia – Quando o gás é injetado na derme, promove um deslocamento sem lesões


vasculares, estimulando a neocolagenase. Indicação: Flacidez tissular.
* parâmetros: Volume: 70 a 90 ml
fluxo: 70 a 90 ml/min
técnica: penetração: meso-epidérmico.
aplicação: 15 em 15 dias.

Eletrolipólise – principal efeito lipólise. Indicação: Flacidez tissular,FEG,adiposidade localizada.


* parâmetros: frequência: 25 a 50hz
25 a 35hz (hipoderme)
35 a 45hz (derme)
tempo: 30 a 40 minutos
intensidade: tolerada pela paciente.

RECUROS GERAIS

USTC (HECCUS)
Indicação: FEG/Adiposidade localizada
Parametros: Modo: sonoforese tridimensional
programa: seleção manual
Fase: 2,0 a 3,0 w/cm²
modo:continuo
tempo: 5 minutos por área de cabeçote.

Modo: sonoeletroparação
programa: seleção manual
fase: 2,0 a 3,0 w/cm²
modo: continuo
tempo: 5 minutos por área de cabeçote
Polaridade: positiva/ negativa ( depende do gel).

Melhora do metabolismo celular, liberação de aderências, processo de regeneração tecidual,


reparação de tecidos moles, vasodilatação
ENDERMOLOGIA VIBRATÓRIA (VIBROCELL) = vibração
Indicação: FEG: F0 +15 RPM
Adiposidade localizada: F1 e F2
DLM: F0 8 RPM

Parâmetros: Programa :F0 (único programa que determina as rotações por minutos 8 a 30 RPM)
F1 A F6: pré programados.
Tempo: 5 a 10 minutos por área ou até provocar HIPEREMIA

Efeito de tonificação tissular: estimula as fibras de elastina -> devolve a pele uma tonicidade
natural
Efeito de hipervascularização: mobiliza o sangue nos capilares cutâneos -> favorece nutrição
celular.
Efeito de drenagem tissular e linfática
Efeitos gerais: relaxamento muscular e reequilíbrio neuro-vegetativo.

ENDERMOLOGIA A VÁCUO (DERMATOMUS) = pressão positiva/ negativa por causa do vácuo


Indicação: FEG 1,2,3 e adiposidade
Parâmetros: Modo: Contínuo
Pressão: 300 a 400 mmHg
Tempo 5 a 10 minutos por área de hiperemia.
Promove vasodilatação -> ginástica para o tecido vascular -> aumenta a elasticidade. Aumenta
metabolismo.

VACUOTERAPIA
Indicação: Cicatriz hipertrófica, aderência cicatricial, FEG
Parâmetros: Modo: Contínuo
Pressão: 200 a 300mmHz
Tempo: 3 a 5 minutos por área.

Indicação: PO recente ou cicatriz recente


Parâmetros: Modo: Pulsado
Técnica: Ventosa
Pressão 100 a 200 mmHz
Tempo: 3 a 5 minutos por região.

CARBOXITERAPIA

Disfunção Volume/ML Fluxo ml/min Técnica Frequência de


aplicação
FEG 1/ 2 e 40 a 60 50 a 70 Infusão 2x semana
Adiposidade
FEG 3 e aderência 30 a 50 30 a 50 Penetração 1x semana
cicatricial

Estrias e flacidez 70 a 90 70 a 90 Penetração 15 em 15 dias


tissular

Efeitos: Adiposidade localizada: Aumenta da AMPc por meio da ação do CO2 ativa a
adenilciclase, resultando em uma ação LIPOLITICA sobre o tecido adiposo – lipólise.

Ação no tecido conjuntivo: Trauma da agulha + gás -> processo inflamatório -> migração de
fibroblastos -> estimulação a síntese de colágeno, fibronectina..

Planos de aplicação: dérmico superficial/ mesocarboxi -> intradérmica -> vasodilatação,


hiperemia e aumento da concentração de c02
dérmico profundo -> gás -> deslocamento da pele (enfisema cutâneo) -> retração da pele e
produção de colágeno
subcutâneo (clássico) -> vasodilatação menos expressiva e visível -> lipólise
meso-epidérmico -> remodelação do colágeno e reestruturação das estrias.
dérmico -> formação de novo colágeno
hipodérmico -> lipólise e desfibrosagem