Você está na página 1de 9

Cultivo de Plantas Aquáticas Emersas


Escrito por Nathan Petrin Baranauskas


fShare
Salvar

Muitas plantas que nós temos em nosso aquário, podem ser cultivadas de outra forma, a
forma emersa.

Nem todas as plantas podem ser cultivadas dessa forma, plantas do gênero Egeria, Najas,
Hidrilla, Aponogeton, Cabomba, Vallisneria e Nymphea não suportam períodos fora da
água, pois são "aquáticas verdadeiras", mas a maioria das plantas que temos em nossos
aquários, podem.

(Ao lado: Bacopa lanigera florindo, muitas das plantas só dão flores na forma emersa.)

O cultivo emerso pode ser interessante tanto por si só, quanto como forma de propragação
auxiliar para o aquário, já algumas plantas apresentam um crescimento bem mais rápido
emersas, além de ser uma forma mais segura e barata de cultivo, já que não há problemas
com algas, não precisa de sistema de filtragem e nem de aquecimento, então, quando
houver uma quantidade desejável da planta, poderá passá-la para o aquário, de preferência
com um período de readaptação ao meio aquático.

As únicas exigências do cultivo emerso são a iluminação, umidade e manter sempre um


substrato bem encharcado. Levando em conta as vantagens do cultivo emerso, os
cultivadores profissionais de plantas para aquários e lagos mantém a maioria de suas
plantas na forma emersa, motivo pelo qual, a maioria das plantas que você compra nas
lojas e leva para o seu aquário, ficam diferentes, depois de algum tempo, elas se
readaptam ao meio aquático e as folhas que nascem a partir daí são totalmente diferentes
das anteriores.

Emergindo
Existem três formas de emergir uma planta.

Uma delas, a maneira mais forçada, basta colocar a planta em seu vaso, com ela
completamente fora da água. Não são todas as plantas que resistem a esse tipo de emersão,
e para que ela ocorra o ambiente deverá ser muito úmido. Essa é a maneira mais arriscada
e rápida de emergi-las.

O outro modo também é uma emersão forçada, só que mais lenta, permitindo a adaptação
da planta. Cubra toda a planta com a água e vá abaixando seu nível lentamente, como se
simulasse o período de seca de um rio. Com o tempo ela vai lançando folhas já adaptadas
na forma emersa.

O terceiro método é o mais lento, e ocorre de forma natural. É só manter a planta toda
coberta de água e esperar que ela cresça, emergindo sozinha.

Umidade

Algumas plantas mais


exigentes só vão bem emersas com altos níveis de umidade. Para manter esses níveis,
muitos aquaristas usam aquários tampados, com uma pequena coluna de água dentro. É
recomendado trocar essa água cerca de uma vez por mês.

(Ao lado: Exemplo de aquário-estufa.)

É perfeitamente possível manter plantas emersas sem isso, mas provavelmente algumas
plantas mais exigentes, como Hemianthus, algumas Echinodorus, Cryptocorines e
algumas Bacopas não deverão se desenvolver muito bem.

Iluminação

A iluminação é muito importante para que as plantas possam fazer a fotossíntese.

O período ideal de iluminação é de aproximadamente três ou quatro horas de luz solar


direta pela manhã. Se elas estiverem recebendo muita luz, provavelmente muitas folhas
irão queimar, por isso seria aconselhado o uso de sombrite nesses casos.
Substrato

Existem várias opções de substrato, as usadas são combinações de húmus, laterita, terra
e cascalho fino. Alguns preferem misturar tudo, outros usam camadas com 20% de
húmus, 10% de laterita, 30% de terra vegetal e 50% de cascalho fino.

Algumas plantas como Cryptocorines preferem um substrato ácido, por isso é


recomendada a adição de um pouco de xaxim em seu vaso. Outra coisa importante é
manter o substrato bem encharcado, ou até com uma coluna de 1 ou 2 cm de água.

Rotala sp. emergindo em lago no Jardim


Botânico de São Paulo.
Myriophyllum matogrossensis, também no Jardim
Botânico de São Paulo.

Mini Cultivo Emerso Passo a Passo


Cada vez mais os aquaristas estão se interessando pelo aquapaisagismo nos últimos
anos e cada vez cresce mais o número de aquapaisagistas pelo mundo afora, uma moda
que pegou.

Ao vermos os belos aquários montados pelo Takashi Amano ou pelos excelentes


aquapaisagistas brasileiros ficamos imaginando o quanto é trabalhoso montar e manter
um aquário assim.

Realmente não é fácil, pois são vários obstáculos a serem enfrentados, como por
exemplo, conseguir as plantas desejadas, ter um aquário estabilizado e com uma boa
manutenção para evitar algas, iluminação e fertilização adequada, entre outros.

Então após ver diversos layouts você resolve montar seu novo aquário e começa a correr
atrás das plantas, algumas fáceis outras quase impossíveis de encontrar, sem falar que
nem sempre os preços são convidativos.

Então imagine que você compra ou ganha uma mudinha de uma planta, rapidamente
você faz o que? Põe no aquário para não morrer né?

Torça para que ela não tenha vindo com algas, que se adapte bem e que não venha a
morrer.

Mas esse artigo não é sobre um mini cultivo emerso?

É sim, mas estou ilustrando as situações que me fizeram a ter um mini cultivo emerso
em casa.

O que fazer então?

É ai que começa o principal objetivo deste artigo.

Existem milhares de espécies de plantas aquáticas por natureza, ou seja só sobrevivem


totalmente imersas e em condições ideais, como pH, temperatura, iluminação, etc.

Mas também existem muitas plantas aquáticas que suportam emersão, ou que são de
cultivo emerso e suportam imersão.

Só para esclarecer os significados:

Emersão: movimento de um corpo que sai de um fluido no qual estava mergulhado;


Imersão: ação de mergulhar um corpo em um líquido;

"Quero lembrar aqui que nem todas as plantas suportam emersão, mas as que suportam se
desenvolvem muito mais rapidamente nesta forma e exigem muito menos cuidados."

Vou ilustrar neste passo a passo o cultivo de duas espécies de plantas: Lilaeopsis
brasiliensis e Hemianthus callitrichoides "cuba"

Então vamos ao que interessa...

Materiais necessários

Embalagem plástica Substrato fértil Manta acrílica Camada isolante

Lilaeopsis H. callitrichoides
Borrifador de água Pinças e tesoura
brasiliensis "cuba"

Conforme você pode observar nas imagens acima o que iremos utilizar é:

- uma embalagem plástica utilizada geralmente para bolos e tortas;

- substrato fértil de sua preferência, podendo ser húmus com laterita, terra vegetal ou até
mesmo barro (argila);

- manta acrílica (opcional) depois vou explicar o motivo de utilizar;


- camada isolante (opcional);

- borrifador de água;

- pinças pequenas, custa R$ 1.99 e vem uns 4 ou 5 tipos de pinças;

- tesoura pequena;
- plantas;

Com todo o material em mãos vamos começar o mini cultivo.

Passo a Passo

Adicione o substrato fértil desejado na embalagem plástica


formando uma camada de cerca de 2 cm de altura.

Caso não deseje utilizar camada isolante adicione então


pelo menos 5 centímetros de substrato.

Usando o borrifador com água de torneira mesmo, sem


anticloro sem nada, umedeça o substrato fértil.

Cubra o substrato fértil com um pedaço de manta acrílica.


Esse passo é opcional, porém eu utilizo a manta por dois
motivos, separar o substrato fértil da camada inerte e
ajudar a manter a umidade do substrato por mais tempo.
Sem contar que ao remover uma planta não mistura as
duas camadas, apesar de no cultivo emerso isso não
importar, mas é apenas uma questão de gosto.

Adicione a camada isolante por cima da manta acrílica, e


novamente utilizando o borrifador, umedeça bem a areia.
Eu utilizei como camada isolante areia para facilitar o
plantio, mas pode ser utilizado basalto ou apenas o
substrato mesmo sem isolamento.

Caso a planta tenha vindo num vasinho, retire e lave bem


as raízes.
Separe as mudas em pequenas quantidades, na foto ao lado
cortei as mudas de Lilaeopsis brasiliensis entre os nós dos
"runners" da planta. Quanto mais mudas você fizer mais
área coberta você vai ter, facilitando o alastramento da
planta. Essa parte exige paciência, mas serve para relaxar
após um dia estressante. Durante o manuseio, mantenha
sempre úmida as mudinhas.

Evite plantar um "maço" de mudas de uma só vez, plante


uma a uma em diversos pontos do substrato como exibido
na foto ao lado. Ao terminar o plantio, utilize o borrifador
e vá umedecendo até formar uma camada de cerca de 1mm
de água sobre a areia. Não deixe mais do que isso,
evitando assim a formação de algas na superfície do
substrato.

Na foto ao lado separei as mudas de Hemianthus


callitrichoides "cuba" e depois ainda cortei entre os nós
dos "runners" da planta.

Repare que a Hemianthus callitrichoides "cuba" foi


plantada praticamente nó por nó, mas isso ajuda muito a
planta a se alastrar mais rapidamente.

Depois de algumas semanas

Depois de algumas semanas notem a quantidade de novas


mudas e nessa foto eu já havia tirado algumas para utilizar
numa montagem aqui. E com base nessas mudas já estou
com dois cultivos emersos de Lilaeopsis brasiliensis.
Depois de algumas semanas a Hemianthus callitrichoides
"cuba" fechou toda a superfície.

Aqui já desfalcado pelo uso em uma montagem, essa é a


vantagem de ter um cultivo emerso.

Dicas Importantes

Mantenha a embalagem sempre fechada para manter a umidade no interior da mesma.

No caso das duas plantas acima eu crio elas dentro do meu aquário, em cima da trava
central, então seguem o mesmo fotoperíodo do aquário.

Mas você poder colocar elas em um local aonde bata sol durante a parte da manhã ou da
tarde, mas que tenha sombra em um dos períodos do dia.

A manutenção é semanal ou quinzenal, vai depender do calor de sua região, aqui eu só


reponho água uma vez por semana ou a cada 15 dias.

Para repor a água eu utilizo o borrifador e adiciono 1 ou 2 gotas de fertilizante líquido


na água de reposição.

Outras plantas que suportam emersão

A quantidade de plantas que suportam emersão é enorme, vou citar algumas delas:

- Alternanthera reineckii
- Ammannia gracilis
- Anubias barteri var. nana
- Bacopa australis e Bacopa caroliniana
- Bolbitis heudelotii
- Callitriche terrestris
- Cryptocoryne (quase todas)
- Cyperus helferi
- Didiplis diandra
- Echinodorus (diversas)
- Eleocharis (diversas)
- Glossostigma elatinoides
- Heteranthera zosterifolia
- Hygrophila (diversas)
- Lobelia cardinalis
- Ludwigia (diversas)
- Micranthemum umbrosum
- Microsorum pteropus
- Monosolenium tenerum
- Myriophyllum (diversas)
- Pogostemon (diversas)
- Riccia fluitans
- Rotala (diversas)
- Staurogyne (diversas)
- Utricularia graminifolia

Bom é isso ai amigos, espero que tenham gostado do passo a passo, pode parecer algo
simples e de fato é, porém como muitas pessoas tinham dúvidas sobre o assunto resolvi
ilustrar e mostrar que qualquer um pode ter um cultivo emerso em casa.

Informo desde já que cultivo apenas para meu uso e trocas com amigos, sem nenhum
objetivo financeiro, apenas por aprendizado e prazer mesmo.

Recomendo também a leitura de alguns tópicos sobre cultivo emerso em nosso fórum:

- Cultivo emerso
- Mini Estufa com garrafa Pet
- Meu cultivo emerso FVM

Caso tenham dúvidas utilizem o fórum para perguntar, ajudando dessa forma outras
pessoas que tenham a mesma dúvida.

Um abraço!