Você está na página 1de 31

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA

ALEXANDRE RECHETNICOU GARCIA DE VASCONCELLOS

VANTAGENS OPERACIONAIS DAS AERONAVES REGIONAIS EM


OPERAÇÕES DE BAIXO CUSTO: UMA ANÁLISE DO EMBRAER 175
E ATR 72-600

PALHOÇA
2017
ALEXANDRE RECHETNICOU GARCIA DE VASCONCELLOS

VANTAGENS OPERACIONAIS DAS AERONAVES REGIONAIS EM


OPERAÇÕES DE BAIXO CUSTO: UMA ANÁLISE DO EMBRAER 175
E ATR 72-600

Monografia apresentada ao Curso de graduação


em Ciências Aeronáuticas, da Universidade do
Sul de Santa Catarina, como requisito parcial
para obtenção do título de Bacharel.

Orientador: Cleo Marcus Garcia, Me.

PALHOÇA
2017
ALEXANDRE RECHETNICOU GARCIA DE VASCONCELLOS

VANTAGENS OPERACIONAIS DAS AERONAVES REGIONAIS EM


OPERAÇÕES DE BAIXO CUSTO: UMA ANÁLISE DO EMBRAER 175
E ATR 72-600

Esta monografia foi julgada adequada à


obtenção do título de Bacharel em Ciências
Aeronáuticas e aprovada em sua forma final
pelo Curso de Ciências Aeronáuticas, da
Universidade do Sul de Santa Catarina.

Palhoça, 23 de novembro de 2017.

___________________________________________
Orientador: Prof. Cleo Marcus Garcia, Me.

___________________________________________
Avaliador Prof. Esp. Orlando Flavio Silva.
AGRADECIMENTOS

Este trabalho é resultado de um estudo acompanhado pelo meu orientador professor


Cleo Marcus Garcia, a quem só tenho a agradecer pela generosa assistência que me foi
oferecida, e também sou grato à Unisul por proporcionar um excelente curso.
Obrigado a Deus e a minha família por me apoiarem nesta etapa acadêmica.
RESUMO

A aviação é uma das formas de transporte mais importante atualmente e o objetivo deste
trabalho é identificar as qualidades operacionais das aeronaves regionais ATR 72-600 e
Embraer E-175. Esse meio determina ampliar a capacidade de atender às necessidades da
população para oferecer um serviço eficaz, sendo assim, a necessidade atual é o gerenciamento
controlado de uma operação de baixo custo em rotas regionais onde há pequenos aeroportos.
Oferecer transporte rápido, barato e simples não só estimula o turismo como também o
desenvolvimento local. É importante que as companhias aéreas reparem nas oportunidades de
negócio rentável utilizando aeronaves de pequeno porte, como o ATR 72-600 e o Embraer
EMB-175, visto que é possível a redução de custos nas operações, oferecendo transporte de
passageiros e carga a preços acessíveis, ampliando, assim, os negócios nas regiões atendidas.
Podemos analisar, através do estudo de suas características, quais as vantagens operacionais de
baixo custo que essas aeronaves podem conceder e concluir quais são mais adequadas para
aeroportos secundários — modalidade que tem se tornado uma tendência mundial —
fomentando o desenvolvimento de regiões onde outras aeronaves não conseguem operar. São
aeronaves regionais pequenas, econômicas, modernas e seguras. Pousam em qualquer aeroporto
de pequeno porte, não necessitam de serviços complexos para operar e são excelentes opções
de mercado a um baixo custo por unidade com excelente rentabilidade. Para a coleta desses
dados a Pesquisa Bibliográfica foi necessária a fim de se obter informações técnicas e históricas
relacionadas com o tema abordado onde os objetivos alcançados são apresentar as qualidades
técnicas de ambas as aeronaves e a que melhor se encaixa no perfil regional.

Palavras-chave: Aeronaves regionais. Baixo custo. Transporte aéreo.


ABSTRACT

Aviation is one of the most important forms of transportation currently and the objective of this
work is to identify the operational qualities of the ATR 72-600 and Embraer E-175 regional
aircraft. This means that the ability to meet the needs of the population to provide effective
service is strengthened, so the current need is the controlled management of a low-cost
operation on regional routes where there are small airports. Offering fast, cheap and simple
transportation not only stimulates tourism but also local development. It is important for airlines
to look at profitable business opportunities using small aircraft, such as the ATR 72-600 and
Embraer EMB-175, as it is possible to reduce costs in operations by offering passenger and
cargo transportation at accessible prices, thus expanding business in the regions served. We can
analyze the low-cost operational advantages that these aircraft can provide and conclude which
ones are most appropriate for secondary airports, a mode that has become a worldwide trend,
by analyzing their characteristics, encouraging the development of regions where other aircraft
do not can operate. They are small, economical, modern and safe regional aircraft. They land
at any small airport, do not require complex services to operate and are excellent market options
at a low cost per unit with excellent profitability. In order to collect this data, the Bibliographic
Survey was necessary in order to obtain technical and historical information related to the topic
addressed where the objectives are to present the technical qualities of both aircraft and the one
that best fits the regional profile.

Keywords: Air transport. Low-cost. Regional Jets.


LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 - Embraer EMB-175 ................................................................................................... 19


Figura 2 - ATR 72-600 ............................................................................................................. 19
LISTA DE GRÁFICOS

Gráfico 1 - Performance em operação de baixo custo (Altitude) ............................................. 22


Gráfico 2 - Performance em operação de baixo custo (Velocidade) ........................................ 23
Gráfico 3 - Performance em operação de baixo custo (Tamanho de pista necessária para pouso
e decolagem) ............................................................................................................................. 24
LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Pesos das aeronaves ................................................................................................ 20


Tabela 2 - Aeronaves concorrentes selecionadas apenas compatíveis com voos domésticos e
não internacionais. (Os valores apresentados são determinados em Kg) ................................. 21
Tabela 3 - Características com relação à velocidade, alcance e preço de mercado .................. 21
Tabela 4 - Vantagens das operações de baixo custo ................................................................. 26
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 12
1.1 PROBLEMA DE PESQUISA ........................................................................................... 13
1.2 OBJETIVO ........................................................................................................................ 14
1.2.1 Objetivo Geral .............................................................................................................. 14
1.2.2 Objetivos Específicos ................................................................................................... 14
1.3 JUSTIFICATIVA .............................................................................................................. 14
1.4 METODOLOGIA ........................................................................................................... 15
1.5 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ................................................................................ 15
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA.................................................................................. 17
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS .......................................................................................... 28
REFERÊNCIAS ..................................................................................................................... 30
12

1 INTRODUÇÃO

A crise atual tem derrubado o número de passageiros, levando as companhias aéreas


a suspenderem voos e também a cancelarem rotas. As pessoas, caso queiram viajar, precisam
se deslocar para uma cidade grande, uma vez que o mercado ainda não trabalha com aeronaves
de médio e grande porte, impossibilitando novas rotas regionais. Tendo em vista o ínfimo
número de passageiros para essa demanda, o custo torna-se muito alto e faltam recursos para
os equipamentos.
No mercado aeronáutico regional brasileiro, o recurso de redução de custos pode
ser benéfico caso a quantidade de pessoas transportadas em aeroportos secundários seja maior,
oferecendo melhores preços, com promoções frequentes e reduzindo os serviços de conforto.
Existe um conceito de baixo-custo concomitante às tarifas baratas, em que as
companhias aéreas diminuem e controlam os custos internos, fornecendo tarifas de baixo custo,
sendo assim, propiciando uma estabilidade a longo prazo.
A primeira linha aérea de baixo custo do mundo, a Southwest Airlines, foi criada
em 1971 e seu sucesso levou a uma revolução de baixo custo no setor de transporte aéreo
tornando-se modelo de maior crescimento no setor de aviação civil, oferecendo alta eficiência,
mais voos de curta distância e o maior número de cidades navegáveis nos Estados Unidos. A
Southwest Airlines também padronizou sua frota com um único modelo, o Boeing 737. Os
benefícios simplificam o gerenciamento e reduzem os custos de treinamento e manutenção.
Pilotos, comissários de bordo e engenheiros de manutenção podem se concentrar na pesquisa e
na familiaridade com o mesmo modelo, e a empresa pode obter mais descontos com a única
fornecedora de aeronaves.
A Southwest Airlines foi basicamente a originadora de operações aéreas de baixo
custo. No início dos anos 90 até o começo do século XXI, a concorrência de aviação de baixo
custo se intensificou. A concorrência tentou reduzir os custos de operações ao máximo, não
fornecendo bagagem gratuita, entre outros. Com base nisso, a atualização de serviços tornou-
se um peso aos concorrentes.
A indústria da aviação é altamente competitiva, desta forma, as empresas devem ter
um sistema rigoroso de controle de custos e devem se adaptar ao mecanismo de gerenciamento,
economizando combustível, trabalho, aeronave, pouso, vendas e outros custos para garantir o
seu mercado.
Na era do rápido desenvolvimento da aviação civil, há uma série de empresas de
sucesso, todavia muitas estão por trás do número de imitadores falhados, uma vez que não
13

atingiram a implementação de tarifas baixas — obrigatório para atingir o baixo custo nas
operações — caso contrário a empresa não conseguirá atingir os lucros.
É difícil alcançar as necessidades específicas de cada consumidor e fornecer
serviços diferenciados visando a obtenção de mais lucro. As companhias aéreas de serviço
completo oferecem produtos diferentes, como voos de primeira classe, executivo e classe
econômica, o que contribui para o rendimento das empresas. As companhias aéreas de baixo
custo têm se concentrado apenas no deslocamento de passageiros para atender o serviço,
tornando-o limite do ônibus de tráfego aéreo.
A preocupação com o baixo custo é, hoje em dia, uma realidade em todos os setores
do cotidiano. Nesse contexto, a utilização de uma aeronave agradavelmente econômica e
funcional vem se transformando em uma verdadeira febre que atende à necessidade de se fazer
presente num mercado cada vez mais competitivo. Enfim, tendo-se como principal objetivo
encontrar as reais qualidades destas aeronaves, torna-se essencial a comparação delas.

Para a coleta de dados, foram utilizadas as Pesquisas Bibliográfica e Documental. A


Pesquisa Bibliográfica foi necessária a fim de se obter informações técnicas e históricas
relacionadas com o tema abordado. Já a Pesquisa Documental foi importante para que fossem
adicionadas informações específicas, como o Anuário da ANAC, com dados sobre a evolução
do cotidiano aeronáutico

O desenvolvimento do trabalho foi distribuído em dois capítulos No primeiro, são


ressaltadas as de onde veio o baixo custo. No capítulo seguinte, demonstra-se as as qualidades
operacionais das aeronaves, analisando seus elementos. O último capítulo do desenvolvimento,
intitulado considerações finais, foca essencialmente na melhor escolha e diferenciação das
concorrentes.

1.1 PROBLEMA DE PESQUISA

Buscou-se reunir dados e informações com o propósito de responder ao seguinte


problema de pesquisa: como as aeronaves regionais de médio porte como o turbofan Embraer
E-JET EMB-175 e a de pequeno porte como o turboélice ATR 72-600 podem auxiliar nas
operações de baixo custo com relação aos concorrentes de larga escala como os das fabricantes
Boeing e Airbus?
14

1.2 OBJETIVOS

1.2.1 Objetivo Geral

Identificar como as aeronaves regionais de médio porte como o turbofan Embraer


E-JET EMB-175 e a de pequeno porte como o turboélice ATR 72-600 podem auxiliar nas
operações de baixo custo com relação aos concorrentes de larga escala como os das fabricantes
Boeing e Airbus.

1.2.2 Objetivos Específicos

a) apresentar detalhadamente as características operacionais das aeronaves E-175


e ATR 72-600;
b) identificar as vantagens operacionais das aeronaves regionais em operações de
baixo custo;
c) abordar aeronaves que operam no Brasil em aviação civil com transporte de
passageiros;
d) abordar a definição de custos nas companhias;

1.3 JUSTIFICATIVA

Devido à dificuldade na aplicação da operação de baixo custo, essa pesquisa se


justifica através de análise das aeronaves regionais de médio porte como o turbofan Embraer
E-JET EMB-175 e a de pequeno porte como o turboélice ATR 72-600, em contribuição ao seu
público alvo, identificando as vantagens sobre as outras aeronaves. Este projeto pretende
apresentar uma solução para o mercado atual atender mais rotas/passageiros por menos, e
também reduzir custos em rotas correntes. Essa ideia surgiu a partir de uma viagem recente, em
que diversos serviços oferecidos poderiam ser eliminados, tendo em vista que os trechos eram
curtos e não havia a necessidade de serem comercializados, tal qual o serviço de bordo e em
solo.
A dificuldade na aplicação da operação de baixo custo pode ser resolvida com a
análise dessas aeronaves para o mercado atual, buscando seus potenciais para ampliar ainda
mais o resultado lucrativo e simplificando os serviços de voo. A escolha do assunto ocorreu
15

devido ao desenvolvimento da aviação regional e a relação do Brasil com as operações de baixo


custo, visando fomentar o desenvolvimento das regiões cujas aeronaves não operam.

1.4 METODOLOGIA

Esse estudo tem por finalidade realizar uma pesquisa aplicada, uma vez que utilizará
conhecimento da pesquisa básica para resolver problemas
Para um melhor tratamento dos objetivos e melhor apreciação desta pesquisa,
observou-se que ela é classificada como pesquisa descritiva. Detectou-se também a necessidade
da pesquisa bibliográfica no momento em que se fez uso de materiais já elaborados: livros,
artigos científicos, revistas, documentos eletrônicos e enciclopédias na busca e alocação de
conhecimento sobre aeronaves regionais, correlacionando tal conhecimento com abordagens já
trabalhadas por outros autores.
A pesquisa assume como pesquisa bibliográfica, sendo descritiva, por sua vez, expor
as características de determinadas aeronaves, demandando técnicas padronizadas de coleta de
dados como questionários e etc. descreve uma experiência, uma situação, um fenômeno ou
processo nos mínimos detalhes. Por exemplo, quais as características de uma determinada
aeronave em relação à capacidade de passageiros, capacidade de carga, qualidade de operações
etc. Faz uso de gráficos para visualização analítica dos dados técnicos das aeronaves.
Como procedimentos, podemos citar a necessidade de pesquisa Bibliográfica, isso
porque faremos uso de material já publicado, constituído principalmente de livros e páginas das
fabricantes das aeronaves e especializados em aviação, também entendemos como um
procedimento importante a pesquisa bibliográfica como procedimento técnico. A abordagem
do tratamento da coleta de dados da pesquisa será bibliográfica.
O problema foi direcionando a pesquisa para as áreas de operação de baixo custo,
sendo este com a análise das aeronaves regionais de médio porte como o turbofan Embraer
E-JET EMB-175 e o de médio porte como o turboélice ATR 72-600.

1.5 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

O desenvolvimento do trabalho foi distribuído em dois capítulos. No primeiro, são


ressaltadas as de onde veio o baixo custo. No capítulo seguinte, demonstra-se as as qualidades
16

operacionais das aeronaves, analisando seus elementos. O último capítulo do


desenvolvimento, intitulado considerações finais, foca essencialmente na melhor escolha e
diferenciação das concorrentes.
17

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

A América Latina possui economia emergente e é uma região de rápido crescimento


na indústria aérea. A riqueza que a classe média vem criando irá aproximar a indústria da
aviação, afetando, por exemplo, a economia do Brasil, influenciando nos custos das viagens. A
economia é a principal fonte de poder para o crescimento do mercado aeronáutico, pois a
tendência de viajar de avião está em uma crescente. Tem se notado que desde a década de 80,
o tamanho da aeronave aumentou para poder acompanhar o crescimento do tráfego aéreo. As
companhias optaram por comprar aeronaves ainda maiores ou então aumentar o tamanho das
já existentes para transportar mais passageiros e carga, sem aumentar o número de voos e,
consequentemente, aliviar o congestionamento.
Em um campo de novo consumo, promover o desenvolvimento do turismo de
aviação, a concorrência e a experiência de lazer podem fazer das operações de baixo custo uma
maneira de atender cidades ou regiões amadurecidas mais distantes das capitais e suprir essa
demanda ainda pouco explorada. A cadeia de aviação regional faz parte de um importante
desenvolvimento econômico, e as rotas que necessitam de alimentação aérea devem ajudar a
impulsionar o crescimento econômico do país. Expandir essa teia de novas operações a baixo
custo não exige demanda por conforto, nem flexibilidade operacional.

Conforme Almeida e Costa - Revista Turismo & Desenvolvimento (2012, p. 391):

modelos de negócio baseados no baixo custo, levou as companhias aéreas regulares


tradicionais ou de bandeira a reverem o seu modelo de negócio, avaliarem estruturas
de custos e acima de tudo a estabelecerem novas estratégias de atuação.

Analisando o anuário do transporte aéreo da ANAC (ATA 2016 - ANAC 2016 pag.
43), podemos perceber que foram realizados 964 mil voos regulares e não regulares por
empresas brasileiras e estrangeiras, apenas em território nacional, representado uma queda de
10% em relação ao ano anterior 2015, apesar do aumento acumulado nos últimos 10 anos de
31%. Como exemplo, a Azul, empresa aérea que é a responsável pelo maior espaço de voos
regionais do país, possui 31% do total de voos domésticos realizados e utiliza aeronaves
Embraer e também ATR. Entretanto, ter o maior espaço de voos regionais do país não significa
que as operações sejam de baixo custo e nem que possa refletir no bolso do consumidor.
Segundo dados pela ABEAR Voar por mais Brasil (2016, p.81):
18

Os custos de operação das empresas aéreas brasileiras são muito superiores aos pagos
pelas companhias estrangeiras. O preço do combustível de aviação no país é um dos
mais caros do planeta, em especial para voos domésticos. Isso limita o
desenvolvimento econômico, afeta a conectividade e restringe a expansão do turismo
interno.”

Isso é, atualmente, o custo que mais reflete na economia da aviação e a prazo


imediato. Outros custos com operações ainda podem ser a curto e longo prazo e se pagam com
o tempo. O custo de operações está relacionado a muitos outros fatores, como por exemplo o
itinerário de voo para áreas de curta distância, principalmente adjacentes. Adotar o termo Fleet
single (frota única) já que a compra de modelos de aeronave unificados também ajuda a evitar
uma variedade de modelos, contribuindo para economia através do acompanhamento de
simples manutenção.
Alternar para pequenas cidades ao redor das grandes capitais ajuda a economizar
aeroportos, inclusive fornece redução no aluguel de instalações mais caras no aeroporto, como
pontes de embarque, em vez de arranjos para conectar veículos e escada de embarque pequena.
Os salários dos atendentes no solo e dos trabalhadores são reduzidos, e alguns são contratados
para reduzir os custos de pessoal, como é o caso da terceirização de serviços. Voar em alta
altitude também economiza combustível, e portanto, apesar de não fazer parte do setor de
serviços, faz parte do desempenho e influi no lucro da empresa.
Simplificar os serviços de limpeza, que podem ser efetuados ao fim do ciclo de
rotas, alterar serviços a pagar, como vender ativamente mercadorias para aumentar a receita
além do frete, não fornecer revistas ou jornais de bordo, manter um único nível de classe com
mais passageiros, promover ativamente a reserva e registro on-line, promover tarifas populares
mais acessíveis de acordo com as horas de voo contribuindo para reduzir a taxa vazia,
simplificar o método de check-in, orientando que os passageiros imprimam por conta própria
para reduzir custos também influencia no balanço financeiro da empresa. Tudo está em torno
do baixo custo, porém aplicar esse método é muito difícil. A indústria aérea viu algumas
companhias tradicionais serem bem-sucedidas no desenvolvimento de subsidiárias de baixo
custo, de modo que as oportunidades e os desafios são a coexistência. A chave para o sucesso
no desenvolvimento de operações de baixo custo é a aérea tradicional investir isoladamente o
baixo custo do negócio principal, seja em operações, gerenciamento ou amortização de custo,
mesmo em marcas e toda estrutura.
Aeronaves regionais são aquelas que podem levar menos passageiros que jatos
principais, exigem menor pista para operação e também podem voar em velocidades similares
19

tal qual como o Embraer EMB-175, oferecendo economia e facilidade de comutação em


aeroportos primários e secundários como o ATR 72-600.

Figura 1 - Embraer EMB-175

Fonte: Embraer. Disponível em: <https://assets.embraercommercialaviation.com>

O Embraer EMB-175 é um típico jato regional, capaz de transportar até 88


passageiros (depende da configuração da companhia) e com excelente autonomia. Voa com
velocidades equivalentes a outras aeronaves de grande porte. Os motores são leves, estão sobre
as asas e torna o aparelho silencioso. Em 2013 foi atualizado com pacote de melhorias para
poder reduzir o consumo de combustível e o ruído, garantindo que a aeronave se mantenha
competitiva no mercado com excelente performance operacional até a sua próxima geração.

Figura 2 - ATR 72-600

Fonte da imagem: ATR

O ATR 72-600 é uma aeronave regional de alto desempenho com propulsão


turboélice e seus motores estão alocados sobre as asas, que estão instaladas na parte superior da
aeronave. É um aparelho excelente para rotas regionais, traz economia nas operações em geral,
inclusive de carga. É robusta, confortável e com tecnologia de ponta. Exige pista
20

relativamente curta e pode transportar até 72 passageiros e com autonomia compatível ao


mercado regional de curto alcance. Possui reputação de aeronave regional com consumo de
combustível mais eficiente do mercado e não exige aeroportos sofisticados, dado que sua
estrutura é mais próxima do solo, facilitando o embarque de passageiros, bagagens ou carga.
A apresentação das características, custos e vantagens operacionais são importantes
para poder compreender qual aeronave poderá ser adotada em rotas regionais. Uma avaliação
aprofundada para fins de comparação perante aeronaves concorrentes também serão
apresentadas e estará envolvida basicamente em suas características operacionais, tal qual como
velocidade de cruzeiro, carga, preço de mercado, alcance, dentre outros. Essas informações são
essenciais para que empresas aéreas explorem o potencial dos aparelhos para suas operações e
estabeleçam um equilíbrio operacional em seu negócio aeronáutico. Não há necessidade em
gerar categorias para avaliação das aeronaves regionais que comumente são aeronaves de
pequena dimensão e que podem ser de propulsão a jato ou turboélice.
Antes de aprofundar essas variáveis, é importante efetuar uma colocação sobre os
pesos que compreendem uma aeronave.

Tabela 1 - Pesos das aeronaves


Carga ou Payload Peso da carga carregada de um local ao outro. Inclui carga e pessoas.
Combustível É a carga necessária que uma aeronave utiliza para uma viagem determinada
Peso da aeronave É o peso do avião menos a carga paga e o combustível, porém, incluso tripulação e
vazia também equipamentos.
Peso decolagem Basicamente o peso da aeronave durante a decolagem, que compreende o peso do
avião + peso do combustível + carga.
Peso pouso Ao contrário do peso de decolagem, o peso de pouso compreende o peso total no
momento do pouco menos o combustível utilizado.
Peso máximo carga É o limite máximo que a aeronave pode carregar devido a condições estruturais.
paga
Peso máximo Determinam a quantidade máxima de combustível suportada pelos tanques.
combustível
Peso máximo É o peso máximo que a aeronave consegue suportar para efetuar a decolagem.
decolagem
Peso máximo Pouso Maior peso que o avião consegue pousar.
Fonte: Reinas et al (2011)

Utilizando tabelas, iremos expor as características dessas aeronaves regionais e


compará-las com as utilizadas no mercado brasileiro.
21

Tabela 2 - Aeronaves concorrentes selecionadas apenas compatíveis com voos domésticos e


não internacionais. (Os valores apresentados são determinados em Kg)
Aeronaves Peso Peso Peso Peso Peso Peso
máximo máximo máximo operacional máximo máximo
decolagem pouso zero vazio carga combustível
combustível
ATR72-600 22,800 22,350 20,800 13,311 7,500 5,000
Embraer
38,790 34,000 31,700 21,886 9,814 9,335
EMB-175
Airbus A318 59.000 56.000 53.000 34.500 13 300 24 210
Airbus A319 64 000 61 000 57 000 40 300 13 200 23 860
Airbus A320 73 500 64 500 61 000 42 100 16 600 24 210
Boeing
60,328 58,060 54,658 37,648 17,010 20,894
737-700
Boeing
79,002 66,349 62,721 41,413 20,540 26,020
737-800 NG
Embraer
51,800 44,000 40,900 27,753 13,047 12,971
EMB-190
Embraer
50,790 45,000 42,500 28,583 13,917 12,971
EMB-195
Fonte: ATR, Embraer, Boeing, Airbus, AircraftCompare

Tabela 3 - Características com relação à velocidade, alcance e preço de mercado


Aeronaves Velocidade de cruzeiro Alcance Valor de mercado em
dólares
ATR72-600 275 KTAS - 510 km/h 825 nm 19M
Embraer
553 KTAS - 890 km/h 2150 nm 28M
EMB-175
Airbus A318 594 KTAS - 955 km/h 2750 nm 75.9M
Airbus A319 592 KTAS – 952 km/h 3750 nm 90.5M
Airbus A320 592 KTAS – 952 km/h 3700nm 108.4M
Boeing
514 KTAS - 827 km/h 3010nm 63M
737-700
Boeing
583 KTAS – 938 km/h 2938nm 96M
737-800 NG
Embraer
553 KTAS – 890 km/h 2300nm 32M
EMB-190
Embraer
553 KTAS -890 km/h 2200nm 40M
EMB-195
Fonte: ATR, Embraer, Airbus, Boeing, AircraftCompare

Com base nas informações acima podemos notar que as aeronaves regionais ATR
72-600 e EMB-175 são muito menores que os jatos tradicionais que operam em aeroportos
primários. O custo da unidade também é baixo.
Os gráficos abaixo apresentam uma operação simulada de baixo custo baseada em
dados operacionais das aeronaves em uma rota regional em que o tempo máximo de voo de
curta duração, ou short haul, seja de até 38 minutos e a distância de até 250 milhas náuticas.
22

Esse dado tempo/distância foi estabelecido através da aeronave mais lenta durante sua máxima
performance.

Gráfico 1 - Performance em operação de baixo custo (Altitude)

Performance
altitude
45000
40000 41000 41000 41000
35000
30000
25000 25000 25000 25000
20000
15000
10000
5000
0 0 0
Decolagem Max altitude Pouso
operacional

ATR 72-600 Embraer EMB-175 Boeing 737NG Airbus A319

Fonte: do Autor.

Baseado na altitude operacional de cada aeronave, podemos notar que os turbofans


(EMB-175; Boeing 737 NG; Airbus A319) levam vantagem sobre o turboélice (ATR 72-600)
no quesito altitude. Porém em rota regional de até 35 minutos, os turbofans apesar de serem
mais rápidos, operariam em baixa altitude, e o desempenho oferecido pela aeronave seria
prejudicado implicando em maior consumo de combustível. Ponto para o ATR 72-600 que
opera em teto máximo de 25000 pés.
A velocidade em conjunto com altitude são fatores relacionados à economia na
aviação. Conforme o gráfico, os turbofans são mais potentes e podem operar em grande altitude.
Já o turboélice é mais limitado, porém leva vantagem por o voo ser de curta duração. Outra vez,
a atitude é um empecilho para os turbofans em operações de rota relativamente curta.
23

Gráfico 2 - Performance em operação de baixo custo (Velocidade)

Performance em operação de baixo custo


VELOCIDADE

Velocidade

0 100 200 300 400 500 600 700


Velocidade (KTAS))

Airbus A319 Boeing 737 NG Embraer EMB-175 ATR 72-600

Fonte: Elaborado pelo Autor.

Fica evidente que o Boeing 737 NG possui a maior capacidade em transporte de


passageiros, entretanto essa quantidade não é compatível com rota de curta duração, tendo em
vista a movimentação de passageiros, que teria de ser grande para compensar o mau
desempenho da operação de voo. O A319 também transporta grande quantidade para a curta
distância da rota estabelecida. O ATR 72-600 e o Embraer EMB-175 levam vantagem por
possuírem poltronas compatíveis com rotas de curta duração e se enquadraram como o
verdadeiro “ônibus” aéreo se as rotas forem bem estudadas e aplicadas.
24

Gráfico 3 - Performance em operação de baixo custo (Tamanho de pista necessária


para pouso e decolagem)

Performance em operação de baixo custo


TAMANHO DE PISTA NECESSÁRIA PARA POUSO E
DECOLAGEM

3500
3000
PISTA (EM METROS)

2500
2000
1500
1000
500
0
Decolagem Pouso

ATR 72-600 Embraer EMB-175 Boeing 737 NG Airbus A319

Fonte: Elaborado pelo Autor.

O ATR 72-600 e o EMB-175 são as aeronaves ideais para operações de baixo custo
em rotas regionais, decolam e pousam em pistas relativamente curtas, tornando-se a melhor
escolha para operar em aeroportos de pequeno porte.
O formato de aeronave regional é um layout essencial para remodelar o mercado
dos negócios na aviação. Sua estrutura deve ser definitiva e possuir solução efetiva para o
desenvolvimento do setor a fim de evitar desperdício descontrolado de recursos. Mas a
remodelação do mercado não precisa de inovação nos modelos de aeronaves nem em serviços.
Os recursos ociosos ainda podem e devem ser explorados. Uma operação de baixo custo precisa
de gerenciamento em que os procedimentos necessitam de aprovação, visto que envolvem
desde espaços para estacionamento, tempo, espaço aéreo, rotas até outros recursos que podem
virar oportunidades de negócios alternativos.
O modelo de operações de baixo custo com aeronaves regionais carece de uma
urgente mudança. Uma plataforma de negócios compartilhada em aeroportos secundários na
situação atual é o modelo mais efetivo para estabelecer uma cooperação entre empresas de
transporte aéreo. Com trabalho compartilhado, os serviços de diferentes cenários que os
passageiros pedem podem ser atendidos, e os custos de operações reduzidos.
As vantagens das operações de baixo custo são basicamente o baixo custo, a menor
tarifa padrão média do mercado, usufruir de um controle mais flexível do mercado regional, e
também uma política mais liberal em que o governo faz o seu papel em incentivar o
25

desenvolvimento aéreo regional. Baixo custo é alcançar a máxima eficiência e o menor custo é
fornecer aos passageiros tarifas mais baixas para estimular esse novo modelo de seguimento no
mercado e desenvolver a capacidade da indústria. Por isso, há a necessidade de cooperação do
governo para oferecer condições de controle relativamente flexíveis e desenvolver uma rede de
rotas ajustável ao mercado, e também ter um certo grau de liberdade no ajuste dos preços, de
modo a alcançar o baixo custo e baixa tarifa para produzir o efeito de impulsionar o crescimento
de todo o mercado.
Para produzir uma operação de baixo custo com o ATR 72-600 ou Embraer EMB-
175 é necessário eficiência operacional. É exatamente o que essas aeronaves oferecem. São
rápidas, silenciosas, ecológicas, transportam boa quantidade de passageiros e carga compatível
com rotas regionais. Quanto maior a utilização da aeronave, menor será o custo médio. Quanto
mais a aeronave voa todos os dias, durante o ano, o custo dos bilhetes tende a cair. Essa
vantagem dá a oportunidade de percorrer diversas regiões diariamente. O custo e a tarifa vão
sendo reduzidos em conformidade com a utilização. A taxa de administração é menor do que
as companhias aéreas tradicionais e com essas aeronaves modernas, a frota pode ser considerada
nova, sendo os custos de treinamento e manutenção são relativamente menores. Maximizar as
receitas através do baixo custo é captar mais passageiros com tarifas mais baixas, mesmo o
montante adquirido de cada passageiro sendo pequeno, a receita geral final do voo pode ser
suficiente para competir com as grandes empresas. Há também tendências para incorporar as
operações de baixo custo. Uma delas é obter renda através de outros produtos oferecidos como
bagagem despachada, equipamentos que fornecem refeições ou assento com maior espaço.
As aeronaves ATR e Embraer são excelentes para rotas ponto a ponto, pois é um
modelo de rota mais fácil de usar, mais conveniente do que o Hub, podendo melhorar a
eficiência operacional reduzindo os custos operacionais dos aviões, tais como, consumo de
combustível, manutenção, custos trabalhistas etc. As aeronaves em operações de baixo custo
ajudam a aliviar efetivamente o congestionamento do espaço aéreo do aeroporto primário,
oferecendo capacidade de responder a atrasos e emergências, atendendo ao mercado regional
interno.
Operações baratas também tem uma vantagem peculiar e significativa, que é reduzir
o custo das paradas reduzindo o tempo em solo. O baixo custo não significa cortar os serviços,
mas oferecê-los de forma paga tornando-se importante fonte de receita para esse modelo de
operação.
26

Abaixo seguem as vantagens das operações de baixo custo:

Tabela 4 - Vantagens das operações de baixo custo


Densidade de assento elevada
Baixa relação homem x máquina - alta utilização diária da aeronave
Único modelo – acomodação individual
Tarifas baixas
Rotas ponto a ponto
Além dos serviços básicos, poucos gratuitos
Rotas de curta distância, voo ponto a ponto, alta frequência de voo
Decolar e pousar em aeroportos secundários
Menor tempo de cruzamento com rotas tradicionais
Vendas on-line
Curto tempo de inatividade
Sem serviço de Hub
Baixa taxa de uso do aeroporto
Baixos custos trabalhistas
Sem lounge no aeroporto nem bagagem gratuita disponível
Sem serviços de comida, revistas e jornais
Fonte: Elaborado pelo Autor.

Atualmente, o custo de nossas companhias aéreas pode ser dividido nos principais
custos comerciais e o custo de duas partes. O custo do negócio principal da companhia aérea
são os diversos custos incorridos pelas aeronaves durante o processo de produção do voo. O
período das despesas da companhia aérea refere-se aos custos incorridos no período atual e não
pode ser classificado diretamente em um produto da rota, incluindo taxas de gerenciamento,
despesas de vendas e despesas financeiras. Portanto, o nível de custo e o ambiente operacional
do setor aeronáutico é bastante limitado pelo ambiente comercial externo tais como: preços do
combustível, taxas de aterrissagem, tarifas e níveis de imposto de valor agregado, estado da
infraestrutura da aviação civil e outros fatores, fazendo o custo das companhias aéreas terem
um impacto significativo no nível de custos. As aeronaves ATR 72-600 e Embraer E-175 podem
ter o perfil indicado para o tipo de operação de baixo custo. Como as companhias aéreas
domésticas são geralmente pequenas, com alto índice de ativos e passivos, as aeronaves são
adquiridas principalmente por leasing financeiro ou arrendamento operacional.
Respectivamente, segundo website AircraftCompare.com, estas aeronaves tem o custo
aproximado em 19 milhões para o ATR 72-600 e 28 milhões para o Embraer E-175, os
colocando em uma cadeia de aeronaves com baixo custo por unidade.
O custo de uma operação pode ser afetado por uma série de fatores, onde estes
podem ser a longo prazo, mas também há outros a curto prazo. A análise do custo da operação
27

pode garantir que nenhum impacto significativo sobre a qualidade do aparelho colabora para
reduzir custos, garantindo que a companhia aérea arrisque a vantagem e mantenha nível tarifário
mais baixo. Para resumir, as economias de escala, as economias de alcance e a economia das
companhias aéreas têm um impacto nos custos, mas nem todos os fatores irão reduzir estes
custos e alguns fatores aumentarão os custos.
Tal como acontece com outras indústrias, o custo das operações é muitas vezes
proporcional à qualidade da aeronave. A companhia aérea de baixo custo é popular e seu
desenvolvimento é irresistível. A estratégia comercial de baixo custo tornou-se a pesquisa
concorrente de companhia aérea e segue a estratégia de negócios. O chamado negócio
estratégico de baixo custo, diferente do que geralmente pensamos nos meios e métodos para
reduzir custos. Não está focada na operação diária da "província", mas a partir da altura
estratégica, do ponto de vista do design do produto, como manter operações de baixo custo. A
operação de baixo custo envolve todos os aspectos do negócio: desde a composição da frota até
a manutenção da aeronave, desde a estrutura da rota até a escolha do aeroporto de decolagem e
pouso, desde a concepção do produto até a prestação de serviços, da estrutura organizacional
aos recursos humanos. Tudo na operação de baixo custo tem um princípio e no atual ambiente
de negócios de transporte aéreo doméstico, as companhias aéreas nacionais podem aprender
com a experiência do sucesso estrangeiro de baixo custo. Os métodos específicos e a eficácia
do controle de custos das companhias aéreas estão mais relacionadas a utilizar modelos de
aeronaves que consomem pouco combustível para se enquadrar no sistema aéreo nacional e
utilizar aeroportos já preparados para receber operações.
28

3 CONCLUSÕES

Este estudo tem como objetivo principal analisar quais as vantagens operacionais
das aeronaves regionais de médio porte como o turbofan Embraer E-JET EMB-175 e o de
pequeno porte como o turboélice ATR 72-600 em operações de baixo custo, com a finalidade
de beneficiar mais regiões e oferecer voos com preços mais acessíveis.
As aeronaves regionais ATR 72-600 e EMB-175 possuem a vantagem de ser
excelentes opções de mercado a um baixo custo por unidade e oferecem operações de baixo
custo utilizando rotas ponto a ponto a aeroportos secundários no mercado brasileiro. Possuem
características como aeronaves ecológicas e podem trazer muito tráfego de passageiros em rotas
regionais de baixo custo. Não necessitam de longa pista para operar nem serviços completos de
aeroporto. Se comparadas aos aparelhos utilizados no mercado brasileiro como Airbus da série
A e Boeing da série 737, o ATR 72-600 e EMB-175 se destacaram pelo baixo custo por unidade
e mesmo com capacidade menor de transporte, podem manter a densidade sempre alta.
O governo local onde as aeronaves podem operar, ajuda a ampliar a oportunidade
de consumo e passageiros, bem como crescimento nas ofertas de emprego colaborando para
proporcionar um melhor ambiente para o desenvolvimento.
Apesar dos diferentes graus de modalidades aéreas, as operações de baixo custo têm
se mostrado uma tendência, e como os aeroportos regionais de segunda linha no Brasil são
pequenos, essas duas classes de aeronaves se enquadrariam no melhor custo-benefício regional
em rotas de até 38 minutos e até 250nm de distância ou menos, o que equivale a melhorar a
utilização da aeronave. Para o sucesso, as principais companhias aéreas deveriam investir em
negócios secundários, como operações de baixo custo regionais em locais mais distantes dos
aeroportos principais, contribuindo para o crescimento na receita, expandindo o mercado e os
principais meios da marca. Operações de baixo custo aumentam a transparência e evitam o
consumo desnecessário, e mudar a prática tradicional de fornecer o serviço mais básico e
simples para oferecer serviços adicionais aos viajantes tem se tornado uma fonte alternativa de
lucro. O foco nas operações de baixo custo tem mesmo se voltado para valor e renda em que
continuar a reduzir custos através da utilização mais eficiente dos recursos ajuda no
gerenciamento dessas operações. Com alta eficiência e serviço confiável, as aeronaves ATR 72-
600 e EMB-175 podem atender todo o território brasileiro, melhorando a perfeição do sistema
de operações regionais, pois ambas podem lidar com uma variedade de ambientes como
aeroportos pequenos. Portanto, a estratégia de baixo custo não é um truque, mas um nível mais
alto de gerenciamento da receita e eficiência operacional que essas aeronaves podem oferecer
29

a longo prazo. As aeronaves são o ativo mais importante da companhia aérea e, simplificar a
manutenção, a operação e o treinamento podem agregar valor ao serviço.
30

REFERÊNCIAS

ABEAR. Panorama 2016: O setor aéreo em dados e análises. 2016. Disponível em:
http://www.abear.com.br/uploads/arquivos/dados_e_fatos_arquivos_ptbr/Panorama_2016.pdf
Acesso em: 2017

ABEAR. Voar por mais Brasil. Os benefícios da aviação nos estados. 1 ed. 2016. Disponível
em:
http://abear.com.br/uploads/arquivos/dados_e_fatos_arquivos_ptbr/ABEAR_VoarPorMaisBra
sil_2016.pdf Acesso em: 2017

AIRBUS. Disponível em: <http://www.airbus.com/> Acesso em: 2017

AIRBUS, A318 Series specifications. Disponível em: < https://www.airlines-


inform.com/commercial-aircraft/Airbus-A318.html > Acesso em: 2017

AIRBUS, A318 specifications. Disponível em: <


http://www.aircraft.airbus.com/aircraftfamilies/passengeraircraft/a320family/a318/>
Acesso em: 2017

AIRBUS, A319 Neo specifications. Disponível em: <


http://www.aircraft.airbus.com/aircraftfamilies/passengeraircraft/a320family/a319neo/>
Acesso em: 2017

AIRBUS, A320 Neo specifications. Disponível em:


<http://www.aircraft.airbus.com/aircraftfamilies/passengeraircraft/a320family/a320neo/ >
Acesso em: 2017

AIRCRAFT COMPARE, Aircraftcompare.com aircraft specifications. Disponível em: <


https://www.aircraftcompare.com> Acesso em: 2017

AIRLINES-INFORM, 737-800 specifications. Disponível em: <https://www.airlines-


inform.com/commercial-aircraft/Boeing-737-800.html> Acesso em: 2017

ALMEIDA e COSTA, Cláudia M. B. R. A, Carlos M.M.D.C operação das companhias aéreas


de baixo custo na Europa. O caso da Ryanair. Revista Turismo & Desenvolvimento, nº17/18,
p. 391-402, 2012. Disponível em:
<https://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/1549/1/Almeida%20e%20Costa%20-
%20A%20opera%C3%A7%C3%A3o%20das%20companhias%20a%C3%A9reas%20de%20
baixo%20custo%20na%20Europa%20Revista%20Turismo%20e%20Desenvolvimento%2017
_18_2012.pdf>. Acesso em: 2017

ANAC - AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. Dados do Anuário do Transporte


Aéreo, 2017. Disponível em: <http://www.anac.gov.br/assuntos/dados-e-estatisticas/mercado-
de-transporte-aereo/anuario-do-transporte-aereo/dados-do-anuario-do-transporte-aereo>.
Acesso em: 2017

ARVAI, Ernest s, SCHONLAND, Dr. Addison M. Embraer E-Jets E2: Building on Success
Air Insight Research, 2016. Acesso em: 2017

ATR AIRCRAFT. Disponível em: <http://www.atraircraft.com/>. Acesso em: 2017


31

ATRAIRCRAFT, ATR72-600. Disponível em:


<http://www.atraircraft.com/datas/download_center/27/fiche72_27.pdf> Acesso em: 2017

AVIAÇÃO MARTE, Peso e balanceamento de aeronaves. Disponível em: <


http://aviacaomarte.com.br/wp-content/uploads/2015/04/03Peso-e-Balanceamento.pdf>
Acesso em: 2018

BOEING - Helen Jiang, Key Findings on Airplane Economic Life, Disponível em: <
http://www-
test.lb.boeing.com/assets/pdf/commercial/aircraft_economic_life_whitepaper.pdf> Acesso
em: 2017

BOEING. Disponível em: <http://www.boeing.com.br/> Acesso em: 2017

BOEING, 737 Airplane Characteristics for Airport Planning. Disponível em:


<http://www.boeing.com/assets/pdf/commercial/airports/acaps/737.pdf> Acesso em: 2017

EMBRAER COMERCIAL JETS. Disponível em:


<http://www.embraercommercialjets.com/img//download/137.pdf> Acesso em: 2017

EMBRAER, E-175 specifications. Disponível em:


<https://assets.embraercommercialaviation.com/wp-
content/uploads/2017/06/21224053/Embraer_spec_175_web.pdf > Acesso em:2017

EMBRAER, E-190 specifications. Disponível em:


<https://www.embraercommercialaviation.com/commercial-jets/e190/> e
<https://assets.embraercommercialaviation.com/wp-
content/uploads/2017/06/21224054/Embraer_spec_190_web.pdf> Acesso em: 2017

EMBRAER, E-195 specifications. Disponível em:


<https://assets.embraercommercialaviation.com/wp-
content/uploads/2017/06/21224055/Embraer_spec_195_web.pdf> Acesso em : 2017

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo, Atlas.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia


Científica. São Paulo, Atlas, 1991.

Modernairliners, 737 Series specifications. Disponível em:


<http://www.modernairliners.com/boeing-737/boeing-737-specifications/> Acesso em:
2017

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico, 22.ed., São Paulo:


Cortez,2002

USP, Rafael Iglesias ReinasI; Enzo Barberio Mariano II; Daisy Aparecida do Nascimento
RebelattoIII, Custo/benefício de aeronaves: uma abordagem pela Análise Envoltória de
Dados. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-
65132011000400012&script=sci_arttext> Acesso em: 2017

UFRJ, Roberta de Roode Torres I ; Licínio da Silva Portugal II, Caracterização de aeroportos
regionais: Contribuição para uma classificação brasileira. Disponível em: <
32

http://redpgv.coppe.ufrj.br/index.php/es/produccion/articulos-cientificos/2013-1/752-
caracterizacao-de-aeroportos-regionais-contribuicao-para-uma-classificacao-brasileira/file>
Acesso em: 2017