Você está na página 1de 2

ATIVIDADE DISCURSIVA DISCIPLINA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

2º BIMESTRE 2017

QUESTÃO 1

Como deve ser planejada e o que deve conter a entrevista devolutiva de


encerramento do processo de orientação profissional?

RESPOSTA:
Segundo a resolução 07/2003 do CFP; a Entrevista Devolutiva, em sua
maioria é resultante de um processo de avaliação psicológica sendo esta
entendida como um processo técnico-científico de coleta de dados, estudos e
interpretação de informações a respeito dos fenômenos psicológicos, que são
resultantes da relação do indivíduo com a sociedade, utilizando-se, para tanto,
de estratégias psicológicas: métodos, técnicas e instrumentos. Os resultados
dessas avaliações, ou devolutivas, devem considerar e analisar os
condicionantes históricos e sociais e seus efeitos no psiquismo, com a finalidade
de servirem como instrumentos para atuar não somente sobre o indivíduo, mas
na modificação desses condicionantes que operam desde a formulação da
demanda até a conclusão do processo.
A devolutiva não é uma tarefa nem um pouco fácil em nosso trabalho, pois
não estamos somente transmitindo os resultados do processo de avaliação
psicológica, mas sim o fruto de um trabalho realizado a partir de uma demanda.
A devolutiva deve ser construída visando e valorizando o crescimento e
amadurecimento do cliente, sendo sustentada sob a ideia de promoção de
saúde.
A Entrevista Devolutiva Planejada deverá ser planejada a partir de
algumas etapas.
São elas:
1) Rapport;
2) Dados de identificação;
3) Retomar o objetivo do psicodiagnóstico;
4) Relacionar esses objetivos com as expectativas do cliente;
5) Lembrar que o conhecimento oferecido não se refere a uma verdade absoluta
e definitiva sobre o sujeito;
6) Apresentar este como um momento de troca de informações;
7) Destacar inicialmente os aspectos ajustados da personalidade;
8) Enfocar os aspectos psicopatológicos ou problemáticos;
9) Fazer recomendações terapêuticas e propor encaminhamentos;
10) Solicitar ao cliente que expresse como foi a avaliação, a sua compreensão e
sentimentos sobre o que foi apresentado, além de suas dúvidas e curiosidades
acerca do processo;
11) Encerrar a entrevista após a compreensão do processo
Em relação à sua forma, especificidade, a Entrevista devolutiva deverá
ainda apresentar alguns aspectos baseados na ética da Psicologia. São eles:
Observar e adequar a linguagem utilizada; ter cuidado na elaboração de
diagnósticos: procurar enfocar o quadro sintomático; Perguntar se o cliente
compreende o que está sendo dito e se consegue lembrar exemplos de seu
cotidiano de como os fatores expostos, isto é; se apresentam; Não esquecer de
apontar ajustamentos e potencialidades; Sendo este um momento de troca,
deve-se permitir ao sujeito questionar dados, expressar seus sentimentos,
pensamentos e dúvidas; Observar os termos utilizados e evitar dizer: “Você não
passou”... “Você É uma pessoa...”; Manter o aspecto avaliativo frente às reações
do sujeito ao que é dito; Evitar preocupação com o tempo: a devolutiva pode se
estender por mais de uma sessão; Encarar os temas com naturalidade para não
criar tabus: sexualidade, risco de suicídio, psicopatologias graves, etc.
A devolutiva se refere ao momento em que o psicólogo transmite à pessoa
atendida o resultado do trabalho realizado, orientando-o e fazendo os
encaminhamentos necessários. Isso pode ocorrer tanto durante o atendimento
(por exemplo, no decorrer de um processo psicoterapêutico) ou quanto na sua
finalização (por exemplo, após a realização de uma avaliação psicológica).
Através dela, é possível transmitir à pessoa atendida contribuições da ciência
psicológica ao seu caso específico. (Novo Código de Ética - Resolução CFP
010/05).

Referencias

CREPOP-SP - Questões éticas Devolutiva: direito do cliente, dever do psicólogo


– Jornal Psi - número 147 - abril / junho 2006. Disponível:<
http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/jornal_crp/147/frames/fr_indice.asp
x. Acesso: 08 de novembro de 2017.
LIMA, MARIZA TAVARES. Orientação Profissional – Princípios Teóricos,
Práticas e Textos Para Psicólogos E Educadores. São Paulo: Vetor, 2007. 191P.