Você está na página 1de 3

2.

A natureza da ciência

O Paradigma e a ciência normal

No seu uso estabelecido, um paradigma é um modelo ou padrão aceitos


[...] um paradigma raramente é suscetível de reprodução, tal como uma
decisão judicial aceita no direito costumeiro, o paradigma é um objeto a ser
melhor articulado e precisado em condições novas ou mais rigorosas.

Um paradigma pode ser muito limitado, tanto no âmbito como na


precisão, quando de sua primeira aparição [...] de início, o sucesso de um
paradigma é, em grande parte, uma promessa de sucesso que pode ser
descoberta em exemplos selecionados e ainda incompletos.

A ciência normal consiste na atualização dessa promessa, atualização


que se obtém ampliando-se

o conhecimento daqueles fatos que o paradigma apresenta como


particularmente relevantes, aumentando-se a correlação entre esses fatos e as
predições do paradigma e articulando-se ainda mais o próprio paradigma [...] a
maioria dos cientistas, durante toda a sua carreira, ocupa-se com operações de
limpeza, e elas constituem o que chamo de ciência normal.

Esse empreendimento parece ser uma tentativa de forçar a natureza a


encaixar-se dentro dos limites preestabelecidos e relativamente inflexíveis
fornecidos pelo paradigma, a ciência normal não tem como objetivo trazer à
tona novas espécies de fenômeno [...] a pesquisa científica normal está dirigida
para a articulação daqueles fenômenos e teorias já fornecidos pelo paradigma
[...] as áreas investigadas pela ciência normal são certamente minúsculas [...]
ao concentrar a atenção numa faixa de problemas relativamente esotéricos, o
paradigma força os cientistas a investigar alguma parcela da natureza com
uma profundidade e de uma maneira tão detalhada que de outro modo seriam
inimagináveis [...] a ciência normal possui um mecanismo interno que assegura
o relaxamento das restrições que limitam a pesquisa, toda vez que o
paradigma do qual derivam deixa de funcionar efetivamente [...] o paradigma foi
bem sucedido, os membros da profissão terão resolvido problemas que mal
poderiam ter imaginado e cuja solução nunca teriam empreendido sem o
comprometimento com o paradigma.

Os problemas que constituem essencialmente a ciência normal: Há três


focos normais para a investigação científica dos fatos:

1- classe de fatos que o paradigma mostrou ser particularmente


revelador da natureza das coisas, ao empregá-los na resolução de problemas,
o paradigma tornou-os merecedores de uma determinação mais precisa, numa
variedade maior de situações [...]As tentativas de aumentar a acuidade e
extensão de nosso conhecimento sobre esses fatos ocupam uma fração
significativa de literatura da ciência experimental e da observação

2- Fenômenos que embora freqüentemente sem muito interesse


intrínseco, podem ser diretamente comparados com as predições da teoria do
paradigma [...]quando passamos dos problemas experimentais aos problemas
teóricos da ciência normal, raramente encontramos áreas nas quais uma teoria
científica pode ser diretamente comparada com a natureza, especialmente se é
expressa numa forma predominantemente matemá¬tica.

3- Classe de fatos que articulam a teoria do paradigma resolvendo suas


ambigüidades residuais e problemas que o paradigma só havia chamado à
atenção. Dividem-se em: Experiências das ciências matemáticas que
trabalham com constantes físicas universais; Leis quantitativas que
aparentemente não se relacionam com o paradigma; Classe de fenômenos
diferentes em que o paradigma é ambíguo, logo, são feitas experiências para
saber qual das mesmas se adequará ao paradigma da nova área de interesse.

Os três problemas teóricos das ciências

1- As discussões teóricas de problemas: manipulação das teorias


verificadas através da experiência com o objetivo de apresentar uma nova
aplicação ao paradigma ou aumentar sua precisão (essa discussão é comum
em períodos de estabilidade do paradigma).

2- Problemas de precisão, exemplificadas pelo caso de Newton e Kepler


e os corpos celestes
3- Problemas com a articulação e reformulações do paradigma
(principalmente em períodos qualitativos da ciência).

Conclusão

A ciência normal é aquela baseada no paradigma que serve como


sustentáculo e modelo para aplicações futuras teóricas e fenomênicas, sendo
assim, boa parte do trabalho se dão como uma limpeza e expansão do modelo
paradigmático.

As três classes de problemas da ciência normal: 1- Determinação do fato


significativo, 2- Harmonização dos fatos com a teoria, 3- Articulação da Teoria