Você está na página 1de 3

IMPUGNAÇÃO AO CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA VARA DA


COMARCA DO ESTADO

AUTOS DO PROCESSO NÚMERO

NOME, qualificação, vem, por intermédio da Defensoria Pública do Estado de


Pernambuco, através do Defensor Público abaixo assinado, com fulcro nos Art. 134,
CF/88 e art. 525 CPC, oferecer IMPUGNAÇÃO AO CUMPRIMENTO DE SENTENÇA nos
autos da ação que lhe move NOME, já qualificado, pelas razões de fato e direito abaixo
apresentadas

(01) DA SINOPSE PROCESSUAL

XXX

(02) DAS PRELIMINARES

2.1) da justiça gratuita

Impende observar ainda que os apelantes são beneficiários da justiça gratuita, vez que
não podem arcar com os custos do processo sem prejuízo de seu sustento, nos termos
do art. 98 do CPC, razão pela qual gozam de isenção legal quando ao pressuposto
recursal de preparo, com fulcro no art. 1.007, § 1º, do CPC.

2.2) das prerrogativas processuais da DPE

Outrossim, cumpre pugnar pela observância das prerrogativas processuais conferidas à


Defensoria Pública, mormente a intimação pessoal e a concessão de prazo em dobro em
todos os atos do feito, nos termos do art. 128, I da LC nº 80/94, bem como a dispensa
de mandato para atuação.

2.3) da tempestividade

15 dias para pagar (dobro segundo o OUSE é o que prevalece e é em dias úteis também)
+ 15 dias para impugnar (dobro)

2.4) Do cabimento da impugnação e de garantia de juízo.

Vale afirmar que a impugnação se faz cabível no presente caso, pois se trata de sentença
– título executivo judicial – que determinou obrigação de pagar quantia certa, que está
sendo executada pela parte autora em procedimento de cumprimento definitivo de
sentença, nos termos do artigos 523 e 525 do CPC.

Ademais, a despeito de certa controvérsia jurisprudencial e doutrinária no passado,


hodiernamente prevalece o direito do devedor de apresentar impugnação ao
cumprimento de sentença, independentemente de penhora ou de garantia do juízo por
outros meios, o que assegura o direito fundamental de acesso à justiça, consagrado
constitucionalmente no art. 5º, inciso XXXV.

Nesse sentido, em contraposição ao código antigo, o CPC de 2015 ressalta


expressamente a desnecessidade desse requisito para propositura dessa petição, no art.
525, o que evidencia que, no caso concreto, é permitido ao Sr. Tarcísio apresentar a
impugnação.

5) DO MÉRITO

4) DO PEDIDO DE EFEITO SUSPENSIVO

Em regra, a impugnação não possui efeito suspensivo. No entanto, o Art. 525 § 6o do


CPC prevê que excepcionalmente este possa ser concedido, caso presentes três
requisitos: fundamentos relevantes, garantia do juízo e risco de dano grave ou incerta
reparação.

Na situação em destaque, a probabilidade do direito é patente ante todas as ilegalidades


da execução e já narradas no mérito. Por sua vez, o perigo de dano reside na penhora do
veículo do impugnante, utilizado para o exercício de sua profissão e conseqüentemente
prover seu sustento, que restará comprometido caso haja prosseguimento da execução.

Em relação ao requisito da necessidade de garantia do juízo, há de se evidenciar que,


apesar de ser um posicionamento minoritário na Jurisprudência dos Tribunais
Superiores, a execução há de ser suspensa, em razão de três argumentos: a uma, em
virtude da concessão dos benefícios da justiça gratuita ao executado, que pode abranger
também essa isenção; a duas, porque tolher o efeito suspensivo de uma pessoa que não
pode garantir o juízo é violar o direito constitucional de acesso à justiça (art. 5º, XXXV,
CF/88); a três, em atenção ao princípio da igualdade, pois os desiguais devem ser
tratados desigualmente, isto é, não se pode exigir de um jurisdicionado carente o mesmo
requisito de uma pessoa que goza de boa saúde financeira.

6) DO PEDIDO.

Ante o exposto, o réu requer:

1 O deferimento do pedido de justiça gratuita


2 O recebimento da presente impugnação
3 Que sejam observadas as prerrogativas processuais da Defensoria Pública
4 A concessão de efeito suspensivo independentemente de garantia do juízo para
suspender a presente execução
5 Que seja julgada procedente a presente impugnação para
a) decretação da nulidade e improcedência da execução em razão da nulidade
citatória no processo de conhecimento
b) subsidiariamente, que seja reconhecida a incorreção da penhora realizada,
com a conseqüente desconstituição.
6 A condenação do apelado em custas e honorários advocatícios, nos termos do art.
art.4º XXI da LC 80/94 e art. 85, parágrafo 1º do CPC, a serem revertidos para o
fundo de aparelhamento da DPE/PE

Nestes Termos, pede Deferimento.

Local e data.

Defensor Público.