Você está na página 1de 385

RESPOSTAS DAS ULTIMAS PROVAS ORAIS - TJRJ

SUMÁRIO

Ponto 1 .....................................................................................................................................................................6

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ..........................................................................................................6

ECA ..................................................................................................................................................................... 11

Penal/Processo Penal........................................................................................................................................... 11

Constitucional...................................................................................................................................................... 13

Eleitoral ............................................................................................................................................................... 14

Tributário ............................................................................................................................................................ 16

Administrativo ..................................................................................................................................................... 17

Empresarial ......................................................................................................................................................... 17

Ambiental............................................................................................................................................................ 17

Humanística ........................................................................................................................................................ 18

Ponto 2 ................................................................................................................................................................... 19

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ........................................................................................................ 19

ECA ..................................................................................................................................................................... 28

Penal/Processo Penal........................................................................................................................................... 28

Constitucional...................................................................................................................................................... 32

Eleitoral ............................................................................................................................................................... 34

Tributário ............................................................................................................................................................ 35

Administrativo ..................................................................................................................................................... 36

Empresarial ......................................................................................................................................................... 41

Ambiental............................................................................................................................................................ 45

Humanística ........................................................................................................................................................ 46

Ponto 3 ................................................................................................................................................................... 46

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ........................................................................................................ 46

Processo Civil ....................................................................................................................................................... 55

ECA ..................................................................................................................................................................... 59

Penal/Processo Penal........................................................................................................................................... 62

Constitucional...................................................................................................................................................... 68

1
Eleitoral ............................................................................................................................................................... 75

Tributário ............................................................................................................................................................ 78

Administrativo ..................................................................................................................................................... 83

Empresarial ......................................................................................................................................................... 87

Ambiental............................................................................................................................................................ 88

Humanística ........................................................................................................................................................ 90

Ponto 4 ................................................................................................................................................................... 94

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ........................................................................................................ 94

Penal/Processo Penal........................................................................................................................................... 94

Constitucional...................................................................................................................................................... 94

Eleitoral ............................................................................................................................................................... 95

Tributário ............................................................................................................................................................ 95

Administrativo ..................................................................................................................................................... 96

Empresarial ......................................................................................................................................................... 96

Ambiental............................................................................................................................................................ 96

Humanística ........................................................................................................................................................ 96

Ponto 5 ................................................................................................................................................................... 96

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ........................................................................................................ 96

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 100

Constitucional.................................................................................................................................................... 101

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 101

Tributário .......................................................................................................................................................... 101

Administrativo ................................................................................................................................................... 101

Empresarial ....................................................................................................................................................... 102

Ambiental.......................................................................................................................................................... 102

Humanística ...................................................................................................................................................... 102

Ponto 6 ................................................................................................................................................................. 102

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ...................................................................................................... 102

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 106

Constitucional.................................................................................................................................................... 107

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 107

Tributário .......................................................................................................................................................... 108

Administrativo ................................................................................................................................................... 109

2
Empresarial ....................................................................................................................................................... 109

Ambiental.......................................................................................................................................................... 110

Humanística ...................................................................................................................................................... 110

Ponto 7 ................................................................................................................................................................. 110

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ...................................................................................................... 110

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 116

Constitucional.................................................................................................................................................... 119

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 120

Tributário .......................................................................................................................................................... 126

Administrativo ................................................................................................................................................... 128

Empresarial ....................................................................................................................................................... 129

Ambiental.......................................................................................................................................................... 129

Humanística ...................................................................................................................................................... 129

Ponto 8 ................................................................................................................................................................. 131

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ...................................................................................................... 131

Direito do Consumidor ....................................................................................................................................... 143

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 148

Constitucional.................................................................................................................................................... 154

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 159

Tributário .......................................................................................................................................................... 161

Administrativo ................................................................................................................................................... 161

Empresarial ....................................................................................................................................................... 170

Ambiental.......................................................................................................................................................... 177

Humanística ...................................................................................................................................................... 179

Ponto 9 ................................................................................................................................................................. 181

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ...................................................................................................... 181

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 181

Constitucional.................................................................................................................................................... 181

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 181

Tributário .......................................................................................................................................................... 181

Administrativo ................................................................................................................................................... 182

Empresarial ....................................................................................................................................................... 182

Ambiental.......................................................................................................................................................... 182

3
Humanística ...................................................................................................................................................... 182

Ponto 10 ............................................................................................................................................................... 183

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ...................................................................................................... 183

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 183

Constitucional.................................................................................................................................................... 183

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 183

Tributário .......................................................................................................................................................... 183

Administrativo ................................................................................................................................................... 183

Empresarial ....................................................................................................................................................... 183

Ambiental.......................................................................................................................................................... 183

Humanística ...................................................................................................................................................... 183

Ponto 11 ............................................................................................................................................................... 184

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ...................................................................................................... 184

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 184

Constitucional.................................................................................................................................................... 185

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 186

Tributário .......................................................................................................................................................... 186

Administrativo ................................................................................................................................................... 186

Empresarial ....................................................................................................................................................... 186

Ambiental.......................................................................................................................................................... 186

Humanística ...................................................................................................................................................... 187

Ponto 12 ............................................................................................................................................................... 189

Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ...................................................................................................... 189

Processo Civil ..................................................................................................................................................... 203

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 210

Constitucional.................................................................................................................................................... 215

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 218

Tributário .......................................................................................................................................................... 221

Administrativo ................................................................................................................................................... 222

Empresarial ....................................................................................................................................................... 227

Ambiental.......................................................................................................................................................... 227

Humanística ...................................................................................................................................................... 232

Ponto 13 ............................................................................................................................................................... 233

4
Direito Civil /ProcesSo Civil/Consumidor Eca ...................................................................................................... 233

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 234

Constitucional.................................................................................................................................................... 235

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 235

Tributário .......................................................................................................................................................... 235

Administrativo ................................................................................................................................................... 236

Empresarial ....................................................................................................................................................... 236

Ambiental.......................................................................................................................................................... 236

Humanística ...................................................................................................................................................... 237

Ponto 14 ............................................................................................................................................................... 239

Direito Civil ........................................................................................................................................................ 239

Processo Civil ..................................................................................................................................................... 245

Consumidor ....................................................................................................................................................... 251

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 255

Constitucional.................................................................................................................................................... 262

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 266

Tributário .......................................................................................................................................................... 271

Administrativo ................................................................................................................................................... 278

Empresarial ....................................................................................................................................................... 283

Ambiental.......................................................................................................................................................... 283

Humanística ...................................................................................................................................................... 284

Ponto 15 ............................................................................................................................................................... 285

Direito Civil ........................................................................................................................................................ 285

Processo Civil ..................................................................................................................................................... 290

Consumidor ....................................................................................................................................................... 297

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 300

Constitucional.................................................................................................................................................... 307

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 313

Tributário .......................................................................................................................................................... 317

Administrativo ................................................................................................................................................... 323

Empresarial ....................................................................................................................................................... 325

Ambiental.......................................................................................................................................................... 327

Humanística ...................................................................................................................................................... 332

5
PONTO X – multi-pontuais, REPETIDAS E NÃO IDENTIFICADAS ................................................................................ 335

Civil/Consumidor/Eca ........................................................................................................................................ 335

Processo Civil/Consumidor ................................................................................................................................. 343

Penal/Processo Penal......................................................................................................................................... 349

Constitucional.................................................................................................................................................... 352

Eleitoral ............................................................................................................................................................. 354

Tributário .......................................................................................................................................................... 358

Administrativo ................................................................................................................................................... 363

Empresarial ....................................................................................................................................................... 368

Ambiental.......................................................................................................................................................... 377

Humanística ...................................................................................................................................................... 377

SUGESTÃO DE USO PARA QUEM USA WORD: CLIQUE NA ABA “EXIBIÇÃO”; CLIQUE PARA QUE APARECA O “PAINEL DE
NAVEGAÇÃO” (SEGUNDO QUADRO DA ABA “EXIBIÇÃO” ABAIXO DE “RÉGUA” E “LINHAS DE GRADE”

PONTO 1

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

Princípios que regem o direito de personalidade (Ponto 1)

A Dignidade da pessoa humana é o valor supremo e fundamento do qual se extraem os direitos da


personalidade. A consagração da dignidade da pessoa humana depende do reconhecimento e proteção dos
direitos da personalidade. São esses os direitos que concretizam e tutelam a pessoa humana individualmente,
protegendo-a de qualquer ataque. Também incide o princípio da proporcionalidade quando houver conflito
entre os direitos da personalidade, de modo a impedir que haja a supressão de algum deles no caso concreto.

Fale sobre as características dos direitos da personalidade; possibilidade de aliená-los ou vendê-los. (Ponto 1)

Indisponibilidade relativa: A compreensão dos direitos da personalidade em perspectiva de relativa


indisponibilidade impede que o titular possa deles dispor em caráter permanente ou total, preservando a sua
própria estrutura física, psíquica e intelectual, muito embora possa, eventualmente, ceder (temporariamente) o
exercício de determinados direitos da personalidade. Trata-se de uma cessão, que pode ser onerosa, mas jamais
se admite a alienação do direito.
Absolutos: oponíveis erga omnes.Impõe-se à coletividade o dever de respeitá-los. De tal característica é possível
extrair um dever geral de abstenção. São opníveis não apenas em face do
Extrapatrimoniais: Não possuem conteúdo econômico. A violação pode ensejar reparação patrimonial.
Inatos: São inerentes à pessoa humana. Uma vez adquirida a personalidade pelo nascimento, imediatamente
são adquiridos os direitos da personalidade. Entretanto, há a hipótese de direitos da personalidade que são
adquiridos, como é o caso do direito do autor. Aqui é importante fazer menção às três teorias que discutem o
momento de aquisição da personalidade.
Teoria Natalista: a aquisição da personalidade se dá no momento do nascimento com vida (artigo 2º do CC).
Teoria Concepcionalista: O nascituro já tem personalidade desde a concepção, apenas adquirindo capacidade no
momento do nascimento com vida. Quem for concebido já é pessoa.
Teoria da Personalidade Condicional: Aqui o nascituro seria pessoa sob a condição suspensiva de nascer com
vida
Imprescritíveis: Os direitos da personalidade não se extinguem pela ausência de exercício. Entretanto, a
pretensão reparatória prescreve em 3 anos (art. 206, §3º, V do CC)
6
Vitalícios: Se iniciam como nascimento e se extinguem com a morte. Eles não se transmitem aos sucessores.
Ainda que o Código Civil preveja a proteção post mortem dos direitos da personalidade, a regra dos artigos 12,
PU e 20 PU do CC traz hipótese de lesão indireta, em que os parentes atuam em legitimidade ordinária.

Diferencie domicílio de residência. (Ponto 1)

Domicílio é o local onde a pessoa estabelece sua residência com ânimo definitivo, convertendo-o, em regra, em
centro principal de seus negócios jurídicos ou de sua atividade profissional. O conceito de domicílio, portanto,
possui o elemento objetivo (residência) e o elemento subjetivo (ânimo definitivo), extraídos a partir da redação
do artigo 70 do CC.
O conceito de residência, por sua vez, indica apenas o elemento objetivo: a estabilidade, a habitualidade, é a
fixação da pessoa em determinado lugar.

É possível ação reconvencional em ação declaratória? (Ponto 1)

Em regra não há interesse de agir ao réu para reconvir em uma ação declaratória, uma vez que a ação
declaratória possui natureza dúplice: a sua improcedência já confere ao réu a declaração contrária. Entretanto,
o STF possui a Súmula 258: É admissível reconvenção em ação declaratória. Fredie Didier interpreta essa súmula
no sentido de que é possível ao réu reconvir em ação declaratória, desde que formule outro tipo de pretensão
(não se limite a pedir a declaração contrária). Exemplo: declaratória de inexistência de débito. O réu afirma que
o débito existe e oferece reconvenção cobrando essa dívida.

O direito de ação é um direito potestativo? (Ponto 1)

A concepção do direito de ação como um direito potestativo foi formulada por Chiovenda. Para ele o direito de
ação é um direito autônomo, mas não era exercido em face do Estado e sim em face da parte adversária.
Haveria um poder de influir na esfera de vontade deste sem que este quisesse. Esse estado de sujeição do réu
caracterizava o direito potestativo do direito de ação do autor. Para Chiovenda a ação competiria a quem tem
razão contra quem não tem. Por essa razão, segundo Chiovenda, a ação teria um caráter concreto.
Atualmente não é possível afirmar que o direito de ação é um direito potestativo. Em verdade o direito de ação
é um direito subjetivo concedido a todo aquele que preencha as condições para o regular exercício do direito de
ação. Trata-se de um direito subjetivo exercido em face do Estado. Esse é o conceito formulado a partir da
Teoria Eclética de Liebman, que parte de uma concepção abstrata do direito de ação.

Diferencie capacidade processual e legitimação processual (Ponto 1)

Capacidade processual (ou capacidade de estar em juízo) é a aptidão genérica para atuar no processo
independentemente de assistência ou representação. Ela coincide com a capacidade de fato. É aquela prevista
no artigo 7º do CPC.
Legitimação processual, por sua vez, é a pertinência subjetiva da lide, de modo que só a tem, salvo em hipóteses
especiais em que a sua atribuição resulta de expressa disposição de lei, quem participa, no pólo ativo ou
passivo, da relação jurídica de direito material posta como objeto da pretensão deduzida em juízo. Se subdivide
em legitimidade ordinária e legitimidade extraordinária. Na legitimidade ordinária a parte atua em nome
próprio na defesa de interesse próprio. Já na legitimidade extraordinária, a parte atua em nome próprio na
defesa de interesse alheio. A legitimidade extraordinária, por ser hipótese excepcional, demanda previsão legal
expressa, na forma do artigo 6º do CPC, tendo em vista que o legitimado processual não atua na defesa de
direito próprio.

O que é personalidade judiciária? Exemplifique (Ponto 1)

Como regra, para ser parte é preciso ter personalidade jurídica, capacidade de direito. A capacidade de ser
parte, portanto, é atribuída, em regra, às pessoas físicas e jurídicas. Essa regra se extrai também do artigo 7º do
CPC, que elenca a capacidade de estar em juízo, para a qual se exige a capacidade de fato. Ressalte-se que a
capacidade de fato é um plus da capacidade de direito.
Personalidade judiciária, por sua vez, consiste na capacidade de ser parte atribuída a determinados entes que
não possuem personalidade jurídica. A personalidade judiciária indica que determinados conglomerados
jurídicos, ao menos para o processo, são consideraados pessoas. É indispensável que haja previsão legal
7
atribuindo a capacidade judiciária. O CPC contempla a personalidade judiciária nas hipóteses no artigo 12,
atribuindo a representação destes entes a determinadas físicas. É o caso do espólio, da massa falida e das
sociedades sem personalidade jurídica.
Ressalte-se que, apesar da falta de previsão legal, a jurisprudência dos tribunais superiores, amparada em
construção doutrinária (Carvalhinho), reconhece a personalidade judiciária a órgãos de cúpula integrantes da
Administração Pública para figurarem como partes no processo, na defesa de suas prerrogativas institucionais.

DESEMBARGADOR ANTÔNIO ILOÍZIO BASTOS

Os direitos do natimorto são protegidos? (Ponto 1)

Sim. Apesar de não haver previsão expressa no Código Civil, o Enunciado 1 do CJF afirma que a proteção que o
Código defere ao nascituro alcança o natimorto no que concerne aos direitos da personalidade, tais como
nome, imagem e sepultura.
“Enunciado nº 1: Art. 2º: a proteção que o Código defere ao nascituro alcança o natimorto no que concerne aos
direitos da personalidade, tais como nome, imagem e sepultura”

A união estável também cessa a incapacidade para o menor? (Ponto 1)

A emancipação pelo casamento é expressamente prevista no art. 5º, PU, II do CC, regra essa que não inclui a
união estável. Dessa forma, por se tratar de hipótese que excepciona a regra geral (incapacidade dos menores
de 18 anos), a regra merece interpretação restritiva. Além disso, quisesse o legislador incluir a união estável
entre as hipóteses de emancipação, teria feito expressamente. Por fim, o artigo 226, §3º da CF equipara a união
estável ao casamento apenas para constituir família e não para suprir a incapacidade de algum dos conviventes.

Princípios e conceitos gerais do CDC (Ponto 1)

Princípios
Princípio da vulnerabilidade (artigo 1º, inciso I do CDC) : a vulnerabilidade do consumidor é extraída do
princípio da isonomia, onde busca-se constantemente a igualdade, já que o consumidor é o elemento mais
fraco na relação de consumo, pois fica à mercê do fornecedor, que detém o poder econômico, ante o pleno
domínio técnico e econômico.
Princípio do dever governamental (artigo 4º, incisos II, VI e VII do CDC): decorre da Constituição Federal de
1988, que incumbe ao Estado a responsabilidade em promover meios para a efetiva proteção do consumidor,
principalmente através da fiscalização.
Princípio da garantia de adequação (artigo 4º, inciso II, alínea “d” e inciso V do CDC): corresponde à plena
adequação dos produtos e serviços ao binômio da segurança/qualidade que é o fim ideal colimado pelo
sistema protetivo do consumidor, respeitando seus interesses econômicos e buscando a melhoria de sua
qualidade de vida.
Princípio da boa-fé nas relações de consumo (artigo 4º, inciso III CDC): a boa-fé corresponde à lealdade e
cooperação nas relações entre consumidor e fornecedor, com vistas a combater os abusos praticados no
mercado, evitando que interesses particulares sobreponham-se aos interesses sociais. A boa-fé é um princípio
orientador, no qual as partes de uma relação jurídica devem se pautar, ou seja, é o dever conduta que
razoavelmente se espera das partes com vistas a impedir qualquer conduta abusiva.
Princípio da informação (artigo 4º, inciso IV CDC): determina o esclarecimento acerca dos direitos e deveres
dos consumidores e fornecedores, com vistas a harmonizar a relação de consumo. Com a edição da Lei
8.078/90, tornou-se ilegal qualquer ato ou procedimento que atente contra o direito à informação do
consumidor, assim, a informação tem que ser ampla, substancial, extensiva a todos os aspectos da relação de
consumo desenvolvida.
Princípio do acesso à justiça (artigo 6º, incisos VII e VIII CDC): todos têm direito do acesso à justiça para invocar
perante o Estado qualquer que seja o seu direito. Assim, teve o legislador a preocupação de fornecer
subsídios, que pudessem facilitar ainda mais o acesso a todos os cidadãos à justiça, como um meio de defesa
de seus direitos como forma de reequilibrar ou reduzir a distância na qual se evoluiu entre o consumidor e o
fornecedor.
Conceitos Gerais:
Consumidor (artigo 2º do CDC): É toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou
serviço como destinatário final. Trata-se de adoção da Teoria Finalista do conceito de consumidor que,
segundo a doutrina, consumidor é todo aquele destinatário final fático e econômico do produto/serviço. No
entanto, é importante descatar que o STJ reconhece a adoção da Teoria Finalista Mitigada, segundo a qual,
8
ainda que a pessoa física ou jurídica não seja destinatária final fática e econômica, é possível que seja
considerada consumidora, desde que comprovada a sua vulnerabilidade, que pode ser técnica, jurídica, fática
ou informacional (STJ: REsp. 1195642).
Fornecedor (artigo 3º do CDC): É toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou
estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de produção, montagem,
criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou
prestação de serviços. Ressalte-se que o STJ insere no conceito de fornecedor mesmo aqueles cuja
remuneração é recebida de forma indireta, como é o caso dos provedores de internet (STJ: REsp. 1186616).
Produto (artigo 3º, §1º do CDC): É qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial. Destacando
que os produtos podem ser de dois tipos: durável e não durável.
Serviço (artigo 3º, §2º do CDC): É qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante
remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das
relações de caráter trabalhista.

O que é parte?

R: Parte é quem pede a tutela jurisdicional e aquele em face de quem essa tutela é pedida.

- Onde há a previsão da desconsideração da personalidade jurídica?

A desconsideração da personalidade jurídica tem previsão em diversos diplomas do ordenamento jurídico


brasileiro, dentre eles:
Art. 50, CC – previsão da teoria maior, na qual o patrimônio do sócio pode ser atingido se presentes os seguintes
requisitos: descumprimento da obrigação e abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio da
finalidade ou pela confusão patrimonial.
Art. 28, CDC e art. 4º, L9605– previsão da teoria menor, na qual basta a demonstração que a obrigação foi
descumprida, não se exigindo os requisitos caracterizadores do ato abusivo

- Conhece a desconsideração da personalidade jurídica inversa?

Diferentemente da desconsideração tradicional, na qual atinge-se o patrimônio do sócio ou administrador, na


desconsideração inversa o juiz atinge o patrimônio da pessoa jurídica, a fim de alcançar o sócio ou
administrador (pessoa física) que cometeu o ato abusivo. Esta teoria tem sido aplicada no juízo de família,
inclusive.
Enunciado 283 da IV Jornada de Direito Civil – Art. 50. É cabível a desconsideração da personalidade jurídica
denominada “inversa” para alcançar bens de sócio que se valeu da pessoa jurídica para ocultar ou desviar bens
pessoais, com prejuízo a terceiros.”
STJ, 2014: “Se o sócio controlador de sociedade empresária transferir parte de seus bens à pessoa jurídica
controlada com o intuito de fraudar partilha em dissolução de união estável, a companheira prejudicada, ainda
que integre a sociedade empresária na condição de sócia minoritária, terá legitimidade para requerer a
desconsideração inversa da personalidade jurídica de modo a resguardar sua meação”

- Qual a diferença entre o nascituro e prole eventual?

A diferença se dá pela concepção. Apesar de ambos não terem nascido, o nascituro já foi concebido, enquanto a
prole eventual não.
O nascituro é o sujeito de direito que está para nascer, tendo diversos direitos garantidos, como: Titular de
direitos pessoalíssimos (art. 2º, “in fine”, CC) – direito à vida, proteção pré-natal; Pode receber doação – sem
prejuízo do ITCMD (art. 542, CC); Ser legatário ou herdeiro – no direito das sucessões (arts. 1799, I,1800, §§, 1º a
4º, CC); Tipificação do crime de aborto – na norma penal incriminadora (arts. 124a 128, CP), etc.
Quanto à “prole eventual, o CC confere a capacidade para adquirir bens por meio de testamento (art. 1799, I,
CC) e para receber doação (art. 546, CC).

- Pode ser assegurado algum direito para a prole eventual?

Quanto à “prole eventual, o CC confere a capacidade para adquirir bens por meio de testamento (art. 1799, I,
CC) e para receber doação (art. 546, CC).
9
- Cessa a incapacidade pelo casamento. Casamento dissolve. Retorna a incapacidade?

Uma vez emancipado pelo casamento, se o menor vier a se divorciar ou se separar posteriormente, não
retornará à situação de incapacidade. O divórcio e a separação não prejudicam a emancipação legal. A sentença
que os constitui apresenta efeitos “ex nunc”, não tendo o condão de desconstituir situação jurídica anterior
quanto à capacidade.
Quanto à anulação do casamento ou a declaração de nulidade do casamento, há divergência doutrinária:
1ª corrente (mino): uma vez alcançada a capacidade, não é possível retornar a incapacidade.
2ª corrente (majo): para Pontes de Miranda, leva ao retorno à situação de incapacidade do menor, pois a
sentença que assim dispõe tem efeito “ex tunc”, colocando-se o nubente no “status quo ante”. Essa disposição
só não tem aplicação se o casamento for putativo, porquanto o juiz pode preservar os efeitos para o contraente
de Boa-fé (art. 1561, § 1º, CC).

- A emancipação pode ser revogada pelos pais?

A emancipação é irrevogável.
Porém, tratando-se de emancipação inválida, torna-se plenamente possível a sua anulação por sentença
judicial. Entretanto, tal fato não se trata de revogação, pois esta é o desfazimento de um ato válido. Diferente
da anulação que é o cancelamento de um ato inválido, ou seja, fruto de erro, dolo, coação.
PONTO 1 - CDC

- Quais os princípios que norteiam o CDC?

Princípio da Vulnerabilidade (art. 4º, I, CDC): Trata-se do reconhecimento da fragilidade do consumidor no


mercado de consumo. A sua presunção é absoluta.
Espécies de vulnerabilidade:
1 – técnica: decorre do fato de o consumidor não possuir conhecimentos específicos sobre os produtos e/ou
serviços que está adquirindo, ficando sujeito aos imperativos do mercado, tendo como único aparato a
confiança na boa-fé da outra parte.
2 – jurídica: segundo Claudia Marques, é a falta de conhecimentos jurídicos específicos, conhecimentos de
contabilidade ou de economia. Outra corrente entende que esta espécie de vulnerabilidade manifesta-se na
avaliação das dificuldades que o consumidor enfrenta na luta para a defesa de seus direitos, quer na esfera
administrativa ou judicial.
3 - fática ou socioeconômica: É a exposição do consumidor às práticas comerciais, especialmente o marketing e
a publicidade. Resulta das disparidades de força entre os agentes econômicos e os consumidores.
Obs: O princípio da vulnerabilidade não se confunde com hipossuficiência. Este último conceito é o resultado de
uma condição especial do consumidor, que depende de decisão judicial. Trata-se, portanto, de uma condição
processual e não material. A vulnerabilidade é um vetor hermenêutico, um princípio, enquanto a
hipossuficiência é direito básico; vulnerabilidade é presunção e hipossuficiência é condição especial;
vulnerabilidade é um aspecto material enquanto a hipossuficiência é um aspecto processual. A principal
consequência da hipossuficiência é a inversão do ônus da prova. Ao se falar em hipossuficiência, estamos
falando em demanda do consumidor em face do fornecedor.
Princípio da segurança: Os produtos e serviços em circulação no mercado de consumo não podem acarretar
riscos à vida, saúde, integridade física e patrimônio do consumidor. A violação do princípio da segurança
permite a incidência de diversas sanções na esfera civil, penal e administrativa.
Obs: Produto e serviço inseguro é diferente de produto e serviço nocivo e perigoso. Estes últimos podem circular
no mercado de consumo desde que exista informação ostensiva (detalhada e obrigatória) desta condição (ex.:
cigarro; remédio). Já os produtos inseguros não podem circular, como visto.
Princípio da informação: é uma derivação específica da boa fé objetiva (Art. 4º CDC e 422 do CC). A informação
é o principal elemento de decidibilidade dos consumidores. A sua projeção se dá de duas formas: o acesso e a
sua compreensão.
Princípio do protecionismo (art. 1º, CDC) – o CDC é norma de ordem pública com interesse social e fundamento
constitucional (arts. 5º, XXXII, 170, IV, CF/88, e 48, ADCT). Por isso se afirma que o CDC é norma principiológica,
colocando-se em posição exatamente abaixo da Constituição, em um ponto de superioridade em relação às
demais leis.

10
Princípio da reparação integral de danos – está expresso no art. 6º, VI e VII, CDC, encontrando fulcro no art. 5º,
V e X, CF/88. A codificação prevê a reparação de danos materiais e morais, inclusive cumulativamente (Súmula
37 do STJ).
Princípio da boa-fé objetiva – está no art. 4º, III, CDC. Decorre do fundamento constitucional da solidariedade,
como preceitua o princípio do art. 3º, I, CF/88 (SILVA, 2003, p. 15). É necessário reconhecer a boa-fé e o
equilíbrio nas relações de consumo. Boa-fé objetiva é uma conduta ligada à lealdade e aos deveres anexos (ou
laterais), ínsitos a qualquer negócio jurídicos.
Princípio da função social do contrato – não é expresso no CDC, mas sim implícito. O contrato deve ser analisado
de acordo com o contexto da sociedade. A função social do contrato tem dupla eficácia: interna e externa. A
primeira (entre as partes) afirma que a cláusula abusiva (antisocial) é nula (art. 51, CDC). A segunda (fora das
partes) assevera que o contrato que traz danos coletivos é nulo. Ex.: contrato de veiculação de publicidade
abusiva (art. 37, CDC).
Princípio da transparência : significa INFORMAÇÃO CLARA E CORRETA sobre o produto a ser vendido, sobre o
contrato a ser firmado, significa lealdade e respeito nas relações entre fornecedor e consumidor, mesmo na fase
pré-contratual, isto é, na fase negocial dos contratos de consumo.
Princípio da confiança - Intimamente ligado ao princípio da transparência tem-se o princípio da confiança, que
consiste na credibilidade depositada pelo consumidor no produto ou contrato a fim de que sejam alcançados os
fins esperados. Prestigia, dessa forma, as legítimas expectativas do consumidor.

ECA

Quais os Princípios que norteiam o ECA?

Resposta: Fazer menção à Doutrina da proteção integral. Princípio do melhor interesse; Princípio da prioridade
absoluta; Princípio da cooperação (Estado, família e sociedade); Princípio da Municipalização das políticas de
atendimento.

PENAL/PROCESSO PENAL

Autoridade policial pratica certo ato no inquérito policial contra o qual a defesa se insurge através de HC. Em que
vara será distribuído? (Ponto 1)

O HC deve ser distribuído na vara criminal, por expressa previsão do art. 93, inciso I, alínea d do CODJERJ.

Se o ato do delegado for administrativo (fechar um estabelecimento com fundamento no CDC), em que vara será
distribuído? (Ponto 1)

Nessa hipótese o ato será impugnável por Mandado de Segurança e, envolvendo matéria criminal, a
competência continua sendo da vara criminal, por expressa previsão do art. 93, inciso I, alínea d do CODJERJ.

Mandado de Segurança impetrado contra ato judicial em ação penal, qual a autoridade coatora? (Ponto 1)

Em se tratando de autoridade coatora será o juiz do processo. Por força do artigo 6º§ 3º da Lei 12016/09, a
autoridade coatora é aquela que praticou o ato impugnado ou aquela da qual emane a ordem para a sua
prática.

As informações prestadas pelo juiz, neste caso, tem intuito de defesa? Qual o cunho dessas informações? (Ponto 1)

A doutrina diverge a respeito da natureza jurídica dessas informações. Alguns autores sustentam que as
informações possuem caráter de contestação, uma vez que a Lei 12016/09 não prevê Contestação da pessoa
jurídica que integra o polo passivo do Mandado de Segurança, tarefa essa que teria sido atribuída à autoridade
coatora. Esse é o entendimento de Hely Lopes Meirelles.
Outros autores, no entanto, não reconhecem o caráter de Contestação nas informações prestadas pela
autoridade coatora, uma vez que ela não é considerada parte. Além disso, a obrigatoriedade no oferecimento
das informações, sob pena de incorrer na conduta do artigo 330 do CP é característica que retira o caráter de
Contestação. Essa é a posição de Sério Sampaio Ferraz Jr. em estudo específico sobre Mandado de Segurança.

No âmbito do HC é cabível avaliação de mérito? (Ponto 1)

11
Via de regra, o Habeas Corpus não se presta a viabilizar o reexame das provas em que se baseou a condenação.
Segundo Paulo Rangel, no habeas corpus o que se visa é a análise da ilegalidade ou não do ato constritivo da
liberdade de locomoção. A discussão sobre elementos de prova ou sobre a inocência do réu é matéria a ser
discutida no curso do processo, perante o juiz de primeiro grau e não na ação de habeas corpus, sob pena de
haver supressão de instância.
No entanto, caso haja a prova pré-constituída, restará demonstrado o direito líquido e certo á liberdade de
locomoção. Isso pode ocorrer quando, por exemplo, o Tribunal reconheça a ilegalidade do prosseguimento do
inquérito ou da ação penal por causas de atipicidade ou extinção da punibilidade. Tais soluções envolvem juízo
de mérito e, uma vez concedida a ordem de habeas corpus, o processo principal será extinto com julgamento do
mérito.

Em HC é possível alegar excesso de prazo? O excesso de prazo viola algum princípio? (Ponto 1)

Sim. Em se tratando de réu que responde ao processo preso, é possível alegar excesso de prazo por meio de
habeas corpus. A Constituição Federal, em seu artigo 5º, inciso LXXVIII prevê a garantia da duração razoável do
processo. Estando o réu preso, o prolongamento desnecessário da sua prisão provisória representa, segundo a
jurisprudência, constrangimento ilegal a autorizar a impetração de HC. Não há um prazo objetivo estabelecido
para a duração da instrução criminal. Por essa razão, os tribunais superiores entendem que o excesso de prazo
deve ser analisado à luz da razoabilidade, admitindo-se a dilação dos prazos processuais levando em
consideração as peculiaridades do caso concreto. Não se trata de mero cálculo aritmético.
Contudo, é importante destacar que, conforme em entendimento sumulado pelo STJ, o atraso injustificado
provocado pela defesa não configura excesso de prazo a representar constrangimento ilegal (Súmula 64 do STJ).
Além disso, uma vez encerrada a instrução criminal, fica superada a alegação de constrangimento ilegal por
excesso de prazo (Súmula 52 do STJ). Por sua vez, no que se refere ao Júri, uma vez pronunciado o réu fica
superada a alegação de constrangimento ilegal (Súmula 21 do STJ).
Por fim, ressalte-se que, em se tratando de réu que responda ao processo em liberdade, os tribunais superiores
entendem que o excesso de prazo não configura constrangimento ilegal. Trata-se de mera irregularidade.

Recebe o juízo um ofício do Desembargador, onde este chama a atenção para o excesso de prazo em um
determinado processo. qual a sua atitude como magistrado? (Ponto 1)

Em se tratando de Habeas Corpus remeteria as informações ao Tribunal de Justiça.


Em interpretação a contrario sensu da Súmula 64 do STJ, o excesso de prazo que não for imputável à defesa
configura constrangimento ilegal. Por competir ao magistrado zelar pela rápida solução do litígio, determinaria o
imediato prosseguimento do processo, a fim de evitar maiores dilações para o término da instrução criminal.

- É possível análise do mérito em sede de HC?

Apesar do HC não desafiar dilação probatória e apresentar limite cognitivo mais restritivo, não significa que a
cognição dentro destes limites não seja exauriente, sendo possível a análise do mérito e ter coisa julgada
material.
A análise de mérito do HC repousa na constatação ou não de ser o referido ato ilegal ou arbitrário, o que vai
determinar a concessão ou não da ordem (mérito). Não se questiona a autoria do ato, e sim se é legal ou ilegal.

- MS impetrado por MP contra decisão proferida por juiz na ação penal. Quais são as partes?

Legitimidade ativa: Ministério Público;


Legitimidade passiva: pessoa jurídica de direito público ao qual o juiz (autoridade coatora) faz parte.
Obs: neste caso, é obrigatória a citação do réu para que atue em litisconsórcio passivo necessário, nos termos
da Sum. 701 STF. Na hipótese de não constituir-se o litisconsórcio, por ausência de citação, extingue-se o
processo conforme Súmula 631, STF.

- MS: qual natureza jurídica em matéria penal?

Trata-se de remédio jurídico processual, de índole constitucional, utilizado por toda pessoa, física ou jurídica,
com o escopo de proteger todo e qualquer direito individual ou coletivo, líquido e certo, não amparado por HC
ou HD, quando violado ou ameaçado de lesão por ilegalidade ou abuso de poder praticados por autoridade ou
agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público.
12
A sua natureza jurídica de ação cível autônoma de impugnação, de rito sumário especial.
Obs: Não há MS criminal, trabalhista ou eleitoral, e sim MS cível impetrado na área criminal, trabalhista ou
eleitoral.

- As informações prestadas pela autoridade coatora tem natureza de defesa ou informativa?

Natureza informativa.
As informações prestadas são esclarecimentos sobre o ato praticado, não tendo caráter de contestação. Desta
forma, se não apresentada no prazo de 10 dias não gera revelia.

CONSTITUCIONAL

Poder Constituinte Difuso. Exemplifique. (Ponto 1)

Poder Constituinte Difuso se materializa de modo informal e espontâneo, como verdadeiro poder de fato e que
decorre dos fatores sociais, políticos e econômicos, encontrando-se em estado de latência. Trata-se de um
processo informal de mudança da Constituição. Segundo Uadi Lammêgo Bulos, é um poder difuso porque não
vem formalizado pelas Constituições, estando, contudo, presente na vida dos ordenamentos jurídicos. Para
Paulo Bonavides, por sua vez, é uma segunda espécie de poder constituinte originário, justamente por ser uma
força normativa da realidade e do meio social, assegurando a estabilidade e a permanência das criações
constitucionais, mantendo atualizada a Constituição. É um poder constituinte material em contraste com o
poder constituinte formal.
O principal exemplo de manifestação do Poder Constituinte Difuso é o fenômeno da Mutação Constitucional. Na
jurisprudência do STF há precedentes amparados na mutação constitucional, como é o caso do reconhecimento
da união estável homoafetiva (ADI 4277), extinção da prisão civil do depositário infiel (Súmula Vinculante nº 25
do STF), a reinterpretação do papel do AGU no controle de constitucionalidade (ADI 3916), entre outros.

Poder Constituinte Decorrente. (Ponto 1)

Poder Constituinte Decorrente é aquele responsável pela elaboração das Constituições Estaduais. Encontra
fundamento no artigo 11 do ADCT e no artigo 25 do ADCT. Pode ser de duas espécies: Poder Constituinte
Decorrente Inicial e Poder Constituinte Decorrente Reformador. Possui um caráter de complementaridade em
relação à Constituição Federal.
Trata-se de um poder de direito, secundário, limitado e condicionado.
A titularidade do Poder Constituinte Decorrente pertence, analogamente à do originário, ao povo habitante do
Estado-membro.
Alguns autores ressaltam a dupla natureza: originário em relação à Constituição do Estado-membro e derivado
em relação à Constituição Federal.

O poder constituinte decorrente pode se estender aos Municípios e ao Distrito Federal. Correto ou não? (Ponto 1)

Em relação aos Municípios a assertiva está incorreta. O principal fundamento para negar a existência de um
Poder Constituinte Decorrente municipal é a subordinação da Lei Orgânica não apenas à Constituição Federal,
mas também à Constituição Estadual, regra expressamente prevista no artigo 11, PU do ADCT. Isso a tornaria
um poder constituinte de terceiro grau, já que precisa observar dois graus de interposição legislativa. O Poder
Constituinte Decorrente é um poder de segundo grau, ou seja, retira seu fundamento direto da Constituição
Federal. Por tal razão, não se reconhece Poder Constituinte municipal.
Por sua vez, em relação ao Distrito Federal a assertiva encontra-se correta. A matéria já foi objeto de análise
pelo STF, que reconheceu a natureza constitucional da Lei Orgânica do Distrito Federal. Eis o julgado:
"EMENTA: Antes de adentrar no mérito da questão aqui debatida, anoto que, muito embora não tenha o
constituinte incluído o Distrito Federal no art. 125, § 2º, que atribui competência aos Tribunais de Justiça dos
Estados para instituir a representação de inconstitucionalidade em face das constituições estaduais, a Lei
Orgânica do Distrito Federal apresenta, no dizer da doutrina, a natureza de verdadeira Constituição local, ante a
autonomia política, administrativa e financeira que a Carta confere a tal ente federado. Por essa razão, entendo
que se mostrava cabível a propositura da ação direta de inconstitucionalidade pelo MPDFT no caso em exame"
(RE 577.025, voto do Rel. Min. Ricardo Lewandowski, j. 11.12.2008, Plenário, DJE de 06.03.2009)

13
- Poder Constituinte difuso. O que se trata?

O poder constituinte difuso pode ser caracterizado como um poder de fato e se manifesta por meio das
mutações constitucionais. Trata-se de mais um mecanismo de modificação da Constituição, que se
instrumentaliza de modo informal e espontâneo como verdadeiro poder de fato e que decorre dos fatores
sociais, políticos e econômicos, encontrando-se em estado de latência. Em síntese, é o processo informal de
mudança da Constituição.

- Disserte sobre o Poder Constituinte Decorrente.

PC DERIVADO DECORRENTE INSTITUCIONALIZADOR: poder de instituição da Constituição Estadual. Limite:


05/10/1989 (prazo de 1 ano após a CF88)
PC DERIVADO DECORRENTE DE REFORMA ESTADUAL: poder de reforma da CE existente.

É o poder responsável pela elaboração da Constituição dos Estados-membros e do Distrito Federal, nos termos
dos artigos 25, CF e art. 11, ADCT
O poder constituinte derivado decorrente, assim como o reformador, por ser derivado do originário e por ele
criado, é também político e encontra os seus parâmetros de manifestação nas regras estabelecidas pelo
originário.
A partir dos artigos 25, CF e art. 11, ADCT, é possível extrair o PRINCÍPIO DA SIMETRIA. Assim, as Constituições
Estaduais devem seguir o modelo da CRFB, sofrendo limitações em relação às normas de auto-organização dos
Estados-Membros.
Segundo J.A.S, a limitação se dá pela observância de 3 espécies de princípios obrigatórios: sensíveis, extensíveis
e estabelecidos.
1 - Princípios sensíveis: previstos no art. 34, VII da CF (a) forma republicana, sistema representativo e regime
democrático; b) direitos da pessoa humana; c) autonomia municipal; d) prestação de contas da administração
pública, direta e indireta; e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais,
compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e
serviços públicos de saúde).
Se os Estados-membros, ao elaborar suas constituições e leis, não observarem estes princípios, poderá haver
intervenção federal sobre eles. Esta intervenção possui um pressuposto: o Procurador Geral da República, único
legitimado, deve propor uma ação denominada ADI interventiva (ou representação interventiva). Somente no
caso do STF dar provimento a esta ação é que haverá intervenção.
Obs1: Em razão do princípio da independência funcional (art. 127, §1º), o PGR possui independência para ajuizar
a ação, não sendo obrigado a fazê-lo.
Obs2: Segundo o STF, a sua decisão, na ADI interventiva, tem natureza político-administrativa.
2 – Princípios Extensíveis: São normas de auto-organização da União, que se estendem aos Estados, podendo
ser expressos (ex: art. 27, §1º - deputados estaduais) ou implícitos (exs: art. 58, §3º (CPI), art. 59 e ss - processo
legislativo).
3 – Princípios Estabelecidos (organizatórios): São princípios diretamente destinados aos entes federados,
limitando, vedando ou proibindo a ação indiscriminada do poder constituinte decorrente. Por isso mesmo,
funcionam como balizas reguladoras da capacidade de auto-organização dos Estados.

- O Poder Constituinte decorrente pode se estender aos Municípios e DF?

No Brasil, não se reconhece a existência de Constituição do DF e Municípios. A CF fala em lei orgânica para estes
entes.
Assim, não há que se falar em PC Decorrente para os municípios. A sua lei orgânica tem natureza jurídica de
legislação municipal. A auto-organização municipal é limitada, pois produz normas jurídicas próprias, mas essas
normas não são exteriorizadas por Constituição.
Já em relação ao DF, há controvérsia acerca da extensão do PC Decorrente, prevalecendo que não tem PC no
seu âmbito, apesar de ter a característica de auto-organização, embora limitada, nos termos do art. 32 CF.

ELEITORAL

Qual é a função dos princípios? (Ponto 1)


14
A explicação acerca da atual função dos princípios exige uma breve noção de sua concepção anterior. Na era
positivista os princípios não encontravam tanto espaço para aplicação e tinham relevância secundária. Isso
porque a premissa do sistema positivista era a adstrição ao texto legal. O julgador deveria buscar solução no
texto da lei. Somente em caso em omissão ou dificuldade de interpretação era possível recorrer aos princípios.
Era uma aplicação supletiva ou interpretativa, nos moldes em que prevê o artigo 4º da LINDB.
O atual sistema pós-positivista, que encontra raízes no neoconstitucionalismo, atribuiu maior relevância aos
princípios, que foram alçados à categoria de normas jurídicas, ao lado das regras (lei). Assim, os princípios
passam a ter função informadora (orientação para o legislador, dando base à criação dos preceitos legais),
interpretativa (fixar corretamente o conteúdo das normas positivadas e direcionar coerentemente as soluções
jurídicas) e supletiva (suplementam as lacunas existentes no ordenamento jurídico).

Escolha 3 princípios de Direito Eleitoral e fale sobre eles. (Ponto 1)

Princípio da anualidade: encontra previsão no artigo 16 da CF. Segundo esse princípio, a lei que alterar o
processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicação, mas não se aplica à eleição que ocorra até um
ano da data da sua vigência. Trata-se de norma que visa preservar a segurança jurídica e o equilíbrio da disputa
eleitoral. Esse princípio fundamentou a decisão proferida pelo STF no RE 633703, que afastou a aplicabilidade da
LC 135/2010 (Lei da Ficha Limpa) às eleições de 2010.
Princípio da Celeridade: Exige que as decisões em matéria eleitoral sejam rápidas, uma vez que o processo todo,
entre o registro das candidaturas e a diplomação dura apenas 06 meses. O grande exemplo desse princípio foi a
alteração promovida pela Lei 12034/09, que incluiu o artigo 97-A na Lei 9504/97. O dispositivo prevê que o
processo que possa resultar em perda do mandato eletivo deve ter duração razoável, expressamente
considerado o prazo de 01 (um) ano.
Princípio da Moralidade: Trata-se de princípio que estabelece a moralidade para o exercício do mandato. O
conceito de moralidade não é pacífico: é extraído de preceitos éticos, de postura honesta, retidão, etc. O
Princípio da Moralidade Eleitoral é previsto no artigo 14, §9º da CF. O dispositivo constitucional exige que se
considere a vida pregressa do candidato para o exercício do mandato, o que culminou com a edição da Lei da
Ficha Limpa (LC 135/2010), estabelecendo novas hipóteses de inelegibilidade, com vistas a garantir a
moralidade eleitoral.

- Qual é a função dos princípios?

Os princípios do Direito Eleitoral gozam de influência social e servem no balizamento e direcionamento da


sociedade. Além disso, são imprescindíveis ao bom funcionamento do Estado Democrático de Direito.

- Cite 3 princípios de direito eleitoral e fale sobre eles.

Princípio da Lisura das eleições: toda a atuação da justiça eleitoral, MP, partidos, candidatos e eleitores deve
pautar-se na preservação da lisura das eleições. A preservação da intangibilidade dos votos e da igualdaded e
todos os candidatos perante a lei eleitoral e na propaganda política eleitoral ensejam a observância ética e
jurídica desde princípio. Tal princípio nutre-se de especial sentido de proteção aos direitos fundamentais da
cidadania (cidadão-eleitor), bem coo alicerce nos artigos: 1º, II e 14, §9º, CF.

Princípio da Soberania Popular: ligado à ideia de poder, poder este que é inerente à existência do próprio
Estado. Diz-se que o poder é soberano quando não está sujeito a nenhum outro. O poder soberano, emana
sempre do povo, e assim o definiu a CF/88, em seu art. 1°, parágrafo único. O caput do art. 14, por sua vez,
assevera que a sobredita soberania popular se concretiza por intermédio do sufrágio universal, pelo voto direto
e secreto, plebiscito, referendo e iniciativa popular, devendo nestes três últimos casos, haver regulamentação
legal. No dizer de Jairo Gomes, “a soberania popular se revela no poder incontrastável de decidir. É ela que
confere legitimidade ao exercício do poder estatal. Tal legitimidade só é alcançada pelo consenso expresso na
escolha feita nas urnas.
Sufrágio Universal:, em sua denotação política, traduz a manifestação volitiva do povo para a escolha de seus
representantes. Já no contexto jurídico, o sufrágio constitui o direito público subjetivo de votar e ser votado,
inerente ao exercício da soberania popular. É do sufrágio que emana a essência dos direitos políticos dos
cidadãos e de sua consectária participação no governo e na condução do Estado.

15
Democracia partidária: os partidos tomaram-se peças essenciais para o funcionamento do complexo mecanismo
democrático contemporâneo. Com efeito, captam e assimilam rapidamente a opinião pública' catalisam,
organizam e transformam em postulados - em bandeiras de luta as díspares aspirações surgidas no meio social,
sem que isso implique ruptura no funcionamento do gverno constituído

- Fale sobre o princípio da isonomia em matéria eleitoral.

O princ. da isonomia em matéria eleitoral pode ser dar em mais de uma acepção:
1ª – Em relação à disputa eleitoral: deve ser dar em condições de “paridade de armas”. Não pode haver
beneficiamento por razoes pessoais à nenhum dos candidatos ou partidos.
2ª – Igualdade de gênero, na forma do art. 5º, I, CF, para acesso aos cargos: art. 10, §3º, Lei das eleições prevê
percentual mínimo a ser preenchido para candidaturas de cada sexo. Norma com finalidade de estimular a
participação de lideranças femininas na vida partidária e eleitoral.

TRIBUTÁRIO

ISS na exportação de serviços. Recente julgado do STJ (trata-se do julgado sobre o caso de Petrópolis - manuntenção
das turbinas). (Ponto 1)

Conforme previsão do artigo 2º, inciso I da LC 116/03, o ISS não incide sobre as exportações de serviços para o
exterior do país.
Questionou-se no STJ a pretensão do Município de cobrar ISS sobre os serviços de retífica, reparo e revisão de
motores e de turbinas de aeronaves realizados por empresa situada no Município de Petrópolis no Rio de
Janeiro, em relação aos serviços prestados para clientes localizados no exterior. Os clientes remetem as turbinas
para a empresa localizada em Petrópolis e, nesta cidade, são realizados os procedimentos de retífica, reparo e
testes. Uma vez finalizados os serviços, as turbinas são novamente remetidas ao exterior e somente após o
recebimento pelo cliente é que ocorre o pagamento.
A empresa brasileira defendia que, apesar de boa parte do serviço se realizar no Município de Petrópolis, ele só
se aperfeiçoava no exterior, com a reinstalação das turbinas nas aeronaves. Dessa forma, preencheria o
requisito de não incidência do ISS previsto no artigo 2º, inciso I da LC 116/03.
No entanto, o STJ entendeu que, para que se configure a exportação do serviço, é essencial que o
resultado NÃO ocorra em território nacional, por força do artigo 2º PU da LC 116/03. No caso concreto a
empresa é contratada por empresas do exterior, inicia, desenvolve e conclui todo o serviço em território
nacional. Somente após testadas as turbinas elas são devolvidas. É importante destacar que a empresa não é
contratada para reinstalar as turbinas após o conserto, hipótese na qual o resultado se verificaria o resultado no
exterior. Assim, o resultado do serviço, que consiste no conserto das turbinas, é totalmente desenvolvido no
território nacional, o que afasta a aplicação do artigo 2º, inciso I da LC 116/03. Por essas razões, legítima a
incidência do ISS. (STJ: Resp. 831124)

- A competência tributária é delegável?

A competência tributária é o poder de tributar (criar e modificar tributos) conferido pela CF/88 aos entes
federativos.
Nos termos do art. 7º, CTN, a competência tributária é absolutamente indelegável.
Já a capacidade tributária ativa, que é o poder de fiscalizar e arrecadar tributos, é delegável. Ex: ITR. Sendo
integral a delegação fala-se em parafiscalidade.
Obs1: Exceção – possibilidade de mudança de competência no tocante ao poder de tributar, desde que por
emenda e não afrontando a cláusula federativa.
Obs2: Questão da facultatividade do exercício x art. 11, LRF: vinculação à responsabilidade na gestão do
dinheiro público (sanção: não recebimento de transferências voluntárias).

- A competência para fixação dos elementos essenciais do tributo pode ser delegada ao Executivo?

16
Na forma dos artigos 150, I e 97, CTN, os elementos essenciais do tributo somente podem ser veiculados por
lei, não podendo ser objeto de delegação ao Executivo.
Quanto às medidas provisórias, o seu uso é plenamente possível em matéria tributária, desde que observados
os requisitos constitucionais.
Uma de suas limitações se dá em relação à matéria reservada à lei complementar. Desta forma, tendo em vista
a redação do art. 146, III, c, CF, somente lei complementar pode dispor sobre fatos geradores, base de cálculo e
contribuintes.

- Data do recolhimento do tributo é elemento essencial? Pode ser delegada ao Executivo?

São elementos essenciais do tributo: fato gerador, sujeitos passivo e ativo, base de cálculo e alíquotas.
Não sendo a data de recolhimento elemento essencial, uma vez não ser abrangido pelo art. 97 CTN, a sua
fixação pode ser delegada ao Executivo através de espécie normativa infralegal.

- ISS na exportação. Entende cabível?

Não incide ISS nas prestações de serviço para o exterior, na forma dos artigos 156, 3º, II, CF c/c art. 2º, I, LC 116.
A finalidade dessa não incidência é para atrair consumidores de outros países, através de melhores preços, em
razão do não repasse de carga tributária.

- Se o serviço for prestado fora do território nacional, mas contratado por nacional, cabe ISS?

Cumpridos os requisitos (objetivos), o serviço prestado fora do território nacional, independentemente de quem
seja o contratante, não incide o ISS.

- Lista de ISS prevê a expressão “e congêneres”. Conhece alguma discussão sobre isso? Como conciliar com o CTN que
prevê que a analogia não pode resultar exigibilidade de tributo não previsto em lei?

A expressão “e congêneres” na lista de serviços pela LC 116/03 traz abre a possibilidade de tributação de
inúmeras atividades não previstas ali. Tal expressão traz um caráter de similaridade, permitindo, assim, que
serviços não previstos expressamente poderiam sofrer a incidência de ISS.
Esta expressão afronta diretamente o previsto no art. 108, §2º, CTN, que afirma que o emprego da analogia não
poderá resultar na exigência de tributo não previsto em lei. Desta forma, não se pode aplicar uma norma
jurídica existente a um caso não previsto (“e congêneres”), apesar de semelhante.
Mais do que ferir o CTN, tal disposição é inconstitucional. Tal expressão ofende diretamente a Carta Magna,
uma vez que burla o caráter taxativo que a lista de serviços deve possuir, por expressa determinação
constitucional, já reconhecida pela jurisprudência pátria.

ADMINISTRATIVO

EMPRESARIAL

AMBIENTAL

- Fale sobre o artigo 225, CF. O que considera relevante e diferente das demais Constituições? Quais os princípios que
norteiam esse artigo?

A CF/88 foi a primeira Constituição da história brasileira a abordar o tema do meio ambiente, dedicando um
capítulo para o mesmo e o colocando no rol de direitos fundamentais.
O art. 225 exerce na constituição o papel de principal; norteador do meio ambiente, devido a seu complexo teor
de direitos, mensurado pela obrigação do Estado e da sociedade na garantia de um meio ambiente
ecologicamente equilibrado, já que se trata de um bem de uso comum do povo que deve ser preservado e
mantido para as presentes e futuras gerações.

17
Os princípios norteadores deste artigo são:
1 - Princípio do Meio Ambiente Ecologicamente Equilibrado como um Direito Fundamental: todos têm direito ao
meio ambiente ecologicamente equilibrado. Significa um meio ambiente não poluído com salubridade e sadia
qualidade de vida (quanto mais se aproxima à dignidade da pessoa humana, mais essencial ele se torna.
2 - Princípio do Desenvolvimento Sustentável (art. 225 e 170, III e VI CRFB/88): deve haver uma compatibilização
das atividades econômicas com a proteção do meio ambiente.
3 - Princípio da Solidariedade Intergeracional ou Responsabilidade entre Gerações (art. 225, in fine CRFB/88): O
direito ao desenvolvimento deve ser exercido de modo a permitir que sejam atendidas eqüitativamente as
necessidades de gerações presentes e futuras. É o princípio de ética entre as gerações, havendo duas leituras: I)
Sincrônica (presentes associações) = o acesso desta geração não pode comprometer o acesso das gerações
futuras. II) Diacrônica (futuras gerações) = a localização dos recursos naturais (quem deve ter acesso a eles é
quem tiver mais próximo). A localização deve-se dar a nível local, regional, nacional e internacional.
4 - Princípio da Educação Ambiental (art. 225,§1º,VI CRFB/88): Deve ser analisada, sob dois aspectos: 1º)
promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino = a educação ambiental tem que estar presente
desde o ensino fundamental até o médio, em nível escolar. 2º) conscientização pública para a preservação do
meio ambiente = vai convergir com o princípio da informação e participação comunitária.
5 - Princípio do Controle do Poluídor Pelo Poder Público (art. 225,§1º,V CRFB/88): Significa que o Poder Público
tem a obrigação de controlar o poluidor através do licenciamento ambiental, poder de polícia ambiental e de
auditorias ambientais.

- Sr acha que vivemos em uma situação em que esta norma do artigo 225 não esta sendo aplicada?

A norma do art. 225, CF tem sido aos poucos colocada em prática. Diversas normas infraconstitucionais têm
implementado tutelas ao ambiente levando em consideração os direitos humanos

HUMANÍSTICA

Quem são os precursores do conceito do homem como animal político?

Resposta: Platão e Aristóteles. Para Aristóteles, que é discípulo de Platão, o homem é animal racional que fala e
pensa, organizando as suas relações na cidade-estado. Para Aristóteles, a sociedade precede o indivíduo, ou o
“todo” precede a “parte”. Logo, o homem é um ser político porque se une aos demais não somente para
atendimento de seus desejos, mas também para realização dos interesses da sociedade.

Quais são os pilares de sustentação do NCC?

Resposta: Eticidade, operabilidade e socialidade.

O que o Código Civil veio implantar com a socialidade: Qual exemplo prático?

Resposta: rompendo com o excessivo individualismo e patrimonialismo que permeavam o Código Civil
revogado, que buscava sua inspiração nos códigos do Século XIX, como o Napoleônico ou o BGB Alemão, o
Código vigente demonstra uma maior preocupação com a questão da socialização das relações jurídicas
tuteladas. Ultrapassa-se a aplicação do direito voltada para o indivíduo em si mesmo, para que a norma
extravase os seus efeitos também em relação à sociedade adjacente às relações pessoais e reais. Grande
exemplo disso é a função social do contrato, preconizada no artigo 421 do CC02, que aponta no sentido de que
a liberdade de contratar não pode violar o interesse de terceiros e deve produzir frutos em benefício do maior
número possível de pessoas.

Comente sobre o arremesso de anão:

Resposta: A questão diz respeito à prática comum no leste europeu em determinada época, como prática de
entretenimento para o público em circos e espetáculos públicos, disseminada também em outras regiões da
Europa. Na França houve a proibição da prática por ato de um executivo municipal, com base na violação da
dignidade da pessoa humana. Contudo, houve reclamação dos próprios anões, porque com a proibição,
simplesmente perderam a única forma que tinham para obter trabalho, daí sim advindo a violação da sua
dignidade pessoal. Pode então a liberdade de profissão contrastar com a dignidade da pessoa humana?
18
Ultrapassada a teoria normativa pura de Kelsen, o direito voltou a aproximar-se da moral, revisitando as ideias
de Kant, e consequentemente o homem passa a ser visto como fim em si mesmo, e tem sua dignidade humana
reconhecida e protegida em diversos diplomas constitucionais. O Estado tem que, além de preservar a
dignidade da pessoa humana, promove-la, garantindo o mínimo existencial do indivíduo e seus direitos
fundamentais, aí incluído o direito de liberdade de profissão. Logo, no caso do arremesso dos anões, a corte
local decidiu que a proibição violava o direito de livre iniciativa e de liberdade de profissão, conjugando tal
direito com a própria dignidade da pessoa humana, reconhecendo que pela baixa estatura, os anões não
poderiam obter outros empregos, escassos na época.

PONTO 2

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

Discorra sobre locação residencial, não residencial e para temporada:

Resposta: As três modalidades de contrato estão disciplinadas na Lei n. 8.245/91 1, e se referem à locação de
imóvel urbano. A todas se aplicam as disposições legais sobre ação de despejo, renovatória, consignatória e
revisional do aluguel, bem como acerca das garantias locatícias, que compreendem a caução, a fiança, o seguro
fiança e a cessão fiduciária de quotas de fundo de investimento.
A locação residencial é a mais comum e é usada para fins de moradia, sendo contrato com evidente
interesse social, atendendo plenamente aos ditames da função social dos contratos. Se estipulado o prazo de 30
meses, o contrato se extingue ao término do prazo, independentemente de notificação. Do contrário, ocorrerá
prorrogação por prazo indeterminado, e poderá ser denunciado a qualquer tempo, com prazo de 30 dias para
desocupação.
A locação por temporada vincula-se à situações de fato que ensejem o uso do imóvel por
determinado tempo não superior a 90 dias. Pode ou não envolver os móveis que guarnecem o imóvel. O valor
do aluguel poderá ser cobrado todo antecipadamente pelo Locador. Se findo o prazo, o Locatário permanecer
no imóvel por mais de 30 dias, presume-se que o contrato é por tempo indeterminado, e o Locador não poderá
mais cobrar antecipadamente o aluguel, hipótese na qual o Locador somente poderá denunciar o contrato após
o prazo de 30 meses ou nas demais hipóteses legais.
A locação não residencial, de imóveis destinados ao comércio ou atividade empresarial, enseja o
direito à renovação, atendidas as condições especificadas na Lei, entre as quais, a existência de contrato escrito
e por prazo determinado, prazo mínimo de 5 anos; exploração do mesmo ramo por pelo menos 3 anos. Do
direito à renovação decairá aquele que não propuser a ação no prazo entre 1 ano e 6 meses antes do término
do contrato.

Locação não residencial visa proteger o locatário? Por que? O locatário teria direito potestativo ou subjetivo de
renovar a locação?

RESPOSTA:
Considerando que uma das funções dos contratos é promover a geração e circulação de riquezas, e
que a atividade empresarial possui nítida função social, da mesma forma que os contratos celebrados, a Lei
busca a proteção do exercente de atividade mercantil, com base na preservação da empresa e dos empregos
que propicia. Dessa forma, presentes os requisitos estipulados na Lei, há o direito do Locatário à renovação do
contrato, como forma de preservação da atividade econômica desempenhada e os benefícios particulares e
sociais que dela se originam. Ressalva importante a ser feita é no tocante à possibilidade da exceção de
retomada por parte do Locador, quando estiverem presentes os requisitos que a própria Lei elenca, como a
necessidade de obras por determinação do Poder Público que alterem substancialmente as características do
imóvel; o uso próprio pelo Locador ou por sociedade constituída há mais de 1 ano da qual detenha a maioria do
capital social, ou seu cônjuge, ascendente ou descendente.
Tendo em vista que o direito à renovação deve ser exercido no prazo decadencial de 1 ano a 6
2
meses anteriores ao término do contrato, sob pena de decaimento, o direito é potestativo, e oponível ao
Locador, se presentes os requisitos que a Lei elenca.

1
Artigos 46, 48 e 51 da Lei n. 8.245/91.
2
Artigo 51, §5º, da Lei n. 8.245/91.
19
É permitida a antecipação do aluguel?

RESPOSTA: O contrato de locação não deixa de se submeter ao Princípio da autonomia da vontade, que rege os
contratos em geral, no que pese a maior intervenção estatal para garantia do interesse social que viceja nas
relações locatícias em geral. E exatamente pela existência desse cunho social, é que a Lei de locações veda a
cobrança antecipada do aluguel, exceto na ausência de garantia locatícia ou no caso de locação por temporada.
Ou seja, em regra, o aluguel deve ser pago após o uso do bem, mas se não houver garantias no contrato, poderá
ser cobrado até o 6º dia do mês vincendo, e antecipadamente ao período integral da locação por temporada3

O que são luvas? É permitido no ordenamento?

Resposta: Denomina-se “luvas” o valor recebido à margem do pactuado pela locação nos contratos de locação
para fins comerciais, no ato da contratação. Costumeiramente, representa uma espécie de adiantamento pelo
potencial do imóvel para produção de lucros em favor do Locatário, assemelhando-se à res sperata das locações
de espaços em shopping centers. É também uma forma de garantir a locação do imóvel, quase um “leilão” entre
os interessados.
Existe vedação no artigo 45, da Lei n. 8.245/91, da prática de cobrança de qualquer valor além do
aluguel, para fins de renovação da locação. Outrossim, o artigo 43, I, da mesma Lei dispõe que é contravenção
penal a exigência de quantia ou valor além dos aluguel ou encargos permitidos.
No entanto, a vedação é expressa para os casos de renovação da locação, silenciando a Lei no tocante
à contratação inicial, ou seja, se a Lei não proíbe, é possível que se pactue o pagamento de “luvas” ao início do
contrato.4

1) Discorra sobre os contratos de locação (PONTO 2)

R: O contrato de locação é aquele pelo qual uma das partes (locador) se obriga a ceder à outra (locatário) por
tempo determinado ou não, o uso e gozo de coisa não fungível mediante retribuição.

2) É possível a antecipação dos alugueis? (PONTO 2)

R: Em regra, não é possível a cobrança antecipada dos aluguéis. É ressalvada a hipótese em que a locação não
tem garantia e no caso de locação para temporada, conforme art. 43, III L.8245/91.

3) Ainda é possível o pagamento de luvas? (PONTO 2)

R: A lei de locações não proíbe expressamente a cobrança de luvas no contrato como fazia a lei anterior. Porém,
ela veda a exigência de quantia ou valores além dos aluguéis (art.43, I), sendo tal conduta considerada
contravenção penal. Portanto, continua sendo vedada a exigência de luvas.

1) Quais são as partes e o procedimento do Mandado de Injunção? (PONTO 2)

3
Artigos 20 e 42 da Lei n. 8.245/91.
4
Esse foi o entendimento do próprio examinador que formulou a pergunta no julgado a seguir: “ DES. ANTONIO
ILOIZIO B. BASTOS - Julgamento: 01/07/2014 - QUARTA CAMARA CIVEL

APELAÇÃO CIVEL. INDENIZATÓRIA. LOCAÇÃO COMERCIAL. LUVAS. LEGALIDADE. LUCROS CESSANTES.


BENFEITORIAS. IMPROCEDÊNCIA MANTIDA. 1. Apelação veiculada em face de sentença que julgou
improcedente pedido indenizatório. 2. A Lei 8245/91 não estabelece qualquer vedação à exigência de luvas
quando se trata de contrato inicial, sendo as mesmas proibidas apenas no caso de renovação da locação,
conforme exegese do artigo 45 do referido Diploma Legal. 3. Contrato claro em assentar acerca da ciência do
estado do imóvel e da incumbência de realização de obras de adaptação para o ramo comercial que pretendia
atuar. 4. Devolução de benfeitorias não previstas na avença. 5. Parte que não recorreu da decisão que indeferiu a
produção de novas provas. Improcedência que se mantém. 6. Recurso ao qual se nega seguimento.”

20
R: O legitimado ativo do mandado de injunção é qualquer pessoa que tenha inviabilizado o exercício de direito,
liberdades e prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania, pela falta de norma
regulamentadora. O legitimado passivo é o ente estatal responsável pela feitura da norma regulamentadora. O
procedimento do mandado de injunção é aquele previsto para o mandado de segurança (art. 24 lei 8038/90).

2) Cabe condenação do réu em honorários de sucumbência quando proposta uma ACP pelo MP? (PONTO 2)

R: Na ação civil pública aplica-se, regra geral, a norma do art. 20 do CPC quanto ao ônus de sucumbência.
Porém, em relação ao MP, o STJ entendeu que essa verba não é devida, pois por uma questão de simetria esta
não é exigível, posto que se o MP perde a demanda ele não deve pagar e quando ganhar também não deveria
receber (art. 128, § 5º, II CF).

1) Quais os princípios que norteiam a infância e a juventude? (PONTO 2)

R: São princípios que regem a infância e a juventude, a prioridade absoluta, o superior interesse da criança e do
adolescente, o princípio de cooperação, princípio da prevalência da família, princípio da informação, dentre
outros.
1- Quem ocupa o polo passivo no Mandado de Segurança.
Resposta: O polo passivo no Mandado de Segurança é ocupado pela autoridade coatora que pratica ou ordena
concreta e especificadamente a execução ou inexecucao do ato impugnado. É aquele que possui a
competencia para corrigir a ilegalidade. A pessoa jurídica de direito público pode ingressar como litisconsorte.

2- Condicionamento de liminar em Mandado de Segurança quanto ao depósito judicial – é constitucional ou não?

Resposta: É constitucional o condicionamento de liminar em Mandado de Segurança a exigência de depósito


judicial, desde que tal exigência seja feita a partir de um juízo de razoabilidade e proporcionalidade a ser
efetuado pelo magistrado. Assim, deve ser uma faculdade do magistrado, sob pena de cerceamento à obtenção
da medida liminar em mandado de segurança.
O inciso III do art. 7° da Lei n° 12.016/09 prevê a faculdade de o magistrado exigir do impetrante caução, fiança
ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica.

3- Quais são os pressupostos constitucionais do mandado de segurança?

Resposta: os pressupostos constitucionais do mandado de segurança são: a) direito líquido e certo; b) não
amparado por HC ou HD; c) responsável pela ilegalidade ou abusp de[pder for autoridade pública ou agente de
pessoa jurídica no exerício de atribuiçoes do Poder Público.

Em sede de mandado de segurança o que se entende por direito líquido e certo ?

Resposta: É aquele direito que resulta de fato certo, ou seja, aquela capaz de ser comprovado, de plano, por
documentação inequívoca. É demonstrado mediante prova pré-constituída.

Quais São os pressupostos do mandado de segurança contra ato judicial ?

Resposta: Segundo o Superior Tribunal de Justiça, os pressupostos do mandado de segurança contra ato judicial
é necessária a coexistência de dois pressupostos, quais sejam, a flagrante ilegalidade ou teratologia da decisão,
o perigo de lesão irreversível e não ser cabível recurso com efeito suspensivo contra o ato judicial.

Cabe mandado de segurança contra ato judicial ?

Resposta: Em regra, não cabe mandado de segurança contra ato judicial. No entanto, excepcionalmente tem se
admitido a impetração de mandado de segurança contra ato judicial requer situação absolutamente
excepcional, quando evidenciada flagrante teratologia ou flagrante ilegalidade do ato, segundo o Superior
Tribunal de Justiça. Esse Egrégio Tribunal entende que adecisão teratológica qualifca-se com aquela que se
mostra absurdamente ilegal e contiver a potencialdade de produzir lesões jurídicas imediatas e de grande
monta.
21
Ainda , os incisos II e III do art. 5 da Lei n 12.016/09 preveem que não se concederá mandado de segurança
contra a decisao judicial cabia recurso com efeito suspensivo ou contra decisão judicial transitada em julgado,
nos termos.
No JEC não se tem admitido mandado de segurança contra ato judicial.

3- Quais são os pressupostos constitucionais do mandado de segurança ?

Os pressupostos constitucionais do Mandado de Segurança são:


a) direito líquido e certo;
b) a ilegalidade ou o abuso de poder no ato praticado pela autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no
exercício de atribuições do Poder Público;
c) b)que a ilegalidade ou o abuso não seja amparado por habeas corpus e habeas data.

Em sede de mandado de segurança o que se entende por direito líquido e certo?

É aquele que pode ser comprovado de plano, através de documentação inequívoca(prova pré-constituída).
Registre-se que a certeza e a liquidez referem-se aos fatos, ou seja, estando estes devidamente provados, por
prova documental pré-constituída, as dificuldades com relação à interpretação do direito serão resolvidas pelo
juiz.

Quais São os pressupostos do mandado de segurança contra ato judicial ? Cabe mandado de segurança contra ato
judicial ?

São dois os pressupostos negativos(previstos no Art. 5º, inciso II e III, da Lei 12.016) : a) Não é cabível MS
contra decisão judicial transitado em julgado(não é substituto de ação rescisória); e b) Não é cabível MS contra
ato judicial que caiba recurso com efeito suspensivo(Porém a Súmula 267 do STF afirma que “não cabe MS
contra ato judicial cabível de recurso(com qualquer efeito) ou correção”, o que é ratificado pelo TJRJ(Ricardo
Rodrigues: “O MS não é substituto de recurso”). Há decisões do STF admitindo excepcionalmente se a decisão
for teratológica ou se causar dano irreparável.

4- Existem requisitos infraconstitucionais do mandado de segurança ?

Os requisitos constitucionais do MS são: a) prazo decadencial de 120 dias para a impetração (art. 23); e b)
a adequação da Petição Inicial ao que dispõem o art. 282 e seguintes do Código de Processo Civil (art. 6º).

5- O que é direito líquido e certo para fins de mandado de segurança ?

É aquele que pode ser comprovado de plano, através de documentação inequívoca(prova pré-constituída). Se
precisar de prova para a demonstração do direito somente é cabível ação ordinária(exceto se o documento
estiver com a Administração Publica, que no caso o juiz determinará sua exibição).

E se a questão jurídica for muito complexa é caso de direito líquido e certo ou não ?

A certeza e a liquidez referem-se aos fatos, ou seja, estando estes devidamente provados, por prova
documental pré-constituída, as dificuldades com relação à interpretação do direito serão resolvidas pelo juiz. É o
mesmo teor da Súmula 625 STF: “Controvérsia sobre matéria de direito não impede concessão de mandado de
segurança”.

6- . O Senhor concederia liminar num mandado de segurança em que essa liminar exauriria a sua eficácia ?

A Lei 8.437(que disciplina medidas cautelares contra o Poder público) afirma que não será cabível medida
liminar que esgote, no todo ou em parte, o objeto da ação. Porém a Lei do MS não reproduziu tal dispositivo,
sendo, em regra permitido em sede de MS. Porém há alguns julgados afirmando que se a liminar em MS for de
natureza satisfatória(e não conservatória), deve ser observado, por analogia, o Art. 273, parágrafo 2º, que versa
sobre a irreversibilidade da medida. OBS: não tenho certeza se é a resposta mais correta.
22
7- banco privado é parte passiva legítima numa ação de mandado de segurança ?

Em regra não, exceto se o ato tido como ilegal for praticado no exercício de atribuições do Poder
Público(delegação). Exemplo: Bradesco indefere financiamento de imóvel do Sistema Financeiro de
Habitação(SFH).

8- O Senhor saberia me dizer qual é o recurso cabível da decisão denegatória do mandado de segurança, prolatada
por Tribunal Estadual ?

a) Se única instância/competência originária(exemplo: TJ denega MS de governador): Cabe o RMS - recurso


ordinário(Art. 105, inciso II,b, da CF: “Compete ao STJ julgar em recurso ordinário: os mandados de segurança
decididos em única instância pelos Tribunais Regionais Federais ou pelos tribunais dos Estados, do Distrito
Federal e Territórios, quando denegatória a decisão”.

b) Se última instância: não cabe recurso ordinário. OBS1: se fosse caso de HC, caberia RMS ao STJ – Art. 105, II, “a”
– CF.

OBS2: TJ julga MS de seus próprios atos ou do juiz(Art. 108, I, ‘c” – CF).


OBS3: Governador só é julgado no STJ se cometer crime.

Resumo de competência do MS conforme a autoridade coatora: STF julga Presidente, STJ julga ministro de
estado, TJ julga governador, juiz julga prefeito. Ato de juiz: quem julga é o TJ, salvo se juiz do juizado que será
julgado pela Turma Recursal(súmula 376 do STJ).

9- Para a impetração do mandado de segurança coletivo, é indispensável a autorização expressa dos interessados ao
legitimado ?

Não é necessária a autorização expressa. O Art. 21 da Lei do MS, em sua parte final dispõe: “dispensada,
para tanto, autorização especial”. Ademais, temos a Súmula 629 do STF: “A impetração de mandado de
segurança coletivo por entidade de classe em favor dos associados independe da autorização destes”.

10- Qual é a definição de mandado de segurança ?

É o instrumento constitucional que garante o direito, individual ou coletivo, líquido e certo, não
amparado por Habeas corpus ou habeas data, contra ato ilegal ou abusivo praticada por autoridade pública ou
afim.

11-O mandado de segurança pode amparar só direito individual ou coletivo, também ?

A constituição de 1988 trouxe ao nosso ordenamento o mandado de segurança individual e o coletivo e


a lei 12.016, em seu Art. 21, parágrafo único, prevê que o mandado de segurança abrange os direitos coletivos e
os individuais homogêneos, deixando fora de seu alcance os direitos difusos. Registre-se que a CF de 88 foi a
primeira a prevê o MS coletivo, sendo que até o advento da Lei 12.016/2009 era aplicado à referida ação
coletiva analogicamente a Lei 1.533. Por sua vez o Mandado de Segurança individual nasceu com a constituição
de 1934.

12-Qual é a diferença entre a sentença que não conhece do mandado de segurança e a sentença que denega a
impetração do mandado de segurança ?

Pela Lei 12.016/09, a denegação abrange o mérito e as hipóteses do Art. 267, do CPC: Art. 6 § 5º:
“Denega-se o MS nos casos do Art. 267 do CPC.”. O não conhecimento, conforme a doutrina, é quando não há o
direito líquido e certo.

23
13-O mandado de segurança impetrado em lugar de um recurso processual próprio, previsto na lei processual via de
regra, deve ser conhecido ou deve ser denegado ?

Em regra, deve ser denegado, pois o MS não é substitutivo de recurso. Em regra não cabe MS de decisão
judicial, salvo se: a) decisão teratológica; b) se não houver recurso cabível da decisão judicial(ex: da decisão que
converte o agravo de instrumento em retido não cabe recurso, porém a jurisprudência tem admitido MS); e c)
se o recurso não tenha obtido ou não se possa obter efeito suspensivo.

14-Qual é o prazo para se impetrar mandado de segurança ?

Prazo do MS repressivo: 120 dias, contados da ciência, pelo interessado, do ato impugnado.
Prazo do MS preventivo: Não há prazo, pois não se cogita de decadência posto que enquanto persistir a ameaça
há a possibilidade de impetração.
Também não haverá prazo no caso de ato omissivo da Administração, pois enquanto persistir a
omissão, é cabível mandado de segurança(exceto se o ato omissivo tiver prazo para ser praticado, quando será
de 120 dias contado da expiração do referido prazo).

É decadencial ?Por quê ?

Sim(posição do STF e doutrina majoritária), pois firmou-se o entendimento de que por não ser possível
interrupção e suspensão, tal prazo seria decadencial, além de tratar de direito potestativo do autor do MS, que
tem a faculdade ou não de propor a ação constitucional durante o prazo previsto em lei. Porém trata-se de uma
decadência imprópria ou atípica, pois o seu não exercício no prazo não acarreta a perda do direito em si, mas a
perda da via processual do MS.
Porém há doutrinadores que afirmam ser prazo prescricional já que artigo 18 da LMS expressamente fala-
se em perda do direito de requerer, ou seja, perda do direito de ação, o que leva à conclusão de que o prazo é
prescricional. Há ainda quem afirma ser prazo preclusivo(Pontes de Miranda), porém a preclusão é a perda da
faculdade de se praticar determinado ato processual em decorrência da inércia da parte, e desta forma
preclusão pressupõe um processo. Trata-se de instituto endo-processual, só podendo se falar em prazo
preclusivo com a propositura de uma ação e posterior seguimento do processo.

15-O que é mandado de segurança repressivo e mandado de segurança preventivo ?

Mandado de segurança repressivo: é quando se pretende desfazer o ato ilegal ou abusivo já praticado
pela autoridade coatora.
Mandado de segurança preventivo: é quando se pretende evitar a prática do ato considerado ilegal. Não há
previsão expressa no inciso do Art. 5º que prevê o remédio constitucional, porém a referida tutela se baseia no
Princípio constitucional da inafastabilidade da jurisdição/acesso à justiça e na própria Lei do MS que prevê “ou
justo receio de sofrer a violação do direito”.

16- Pode ser impetrado um mandado de segurança por uma associação, por um sindicato para a defesa de direito
líqüido e certo de um só de seus associados ou filiados ?

Não. O art. 21 da LMS afirma que somente cabe o MS em “favor da totalidade ou de parte de seus
membros”.

17-Há um posicionamento doutrinário defendendo a inconstitucionalidade do prazo decadencial de 120 dias do


mandado de segurança. O Senhor saberia dizer qual é o fundamento, qual é o apoio desta posição ?

Parte da doutrina considerava esse prazo inconstitucional sob a justificativa de que a lei estaria
impondo limitação temporal não prevista na Constituição Federal, restringindo, assim, o exercício de um direito
previsto pela Carta Maior: de o agente lesado se valer de um rito especial e célere.
O STF, porém, por meio da súmula 632, pacificou o entendimento de que “é constitucional lei que fixa
o prazo de decadência para a impetração do mandado de segurança”. E o fez considerando que o prazo legal
estabelecido, além de não ser uma penalidade em si, não restringe a discussão do direito do impetrante – que
ainda pode ser apreciada em ação ordinária.
24
18-O endereçamento errôneo da autoridade coatora, impede a fluência do prazo decadencial ou não ?

O endereçamento errôneo não impede a fluência do prazo decadencial, isso porque o prazo de
decadência é de ordem pública, e assim, não se interrompe ou se suspende, salvo hipóteses taxativamente
previstas em lei, que não é o caso.
19-O que é prova préconstituída ?

É aquela que já existe antes do ajuizamento da ação e que pode ser comprovada de plano, através de
documentação inequívoca.

Pode-se ouvir testemunhas no mandado de segurança ?

Não é possível a oitiva de testemunhas para se comprovar o direito alegado no mandamus. Nas lições de
Humberto Theodoro Júnior “se a demonstração do direito do impetrante estiver na dependência de
investigação probatória, ainda a ser feita em juízo, o caso não é de mandado de segurança. Terá de ser resolvido
pelas vias ordinárias. O procedimento do mandamus é sumário e não contem fase para coleta de outras provas
que não as documentais, imediatamente exibíveis.

20- mandado de segurança para a realização de um bingo é possível?

A princípio é possível MS contra ato de autoridade municipal/estadual que impediu a realização do


evento. Porém, é possível sustentar a ausência de direito líquido e certo, face a existência da Súmula Vinculante
nº 02, do STF, a saber: "é inconstitucional a lei ou ato normativo estadual ou distrital que disponha sobre
sistemas de consórcios e sorteios, inclusive bingos e loterias". STF já decidiu: “In casu, a proibição de exploração
e funcionamento de máquinas de jogos eletrônicos, caça-níqueis, bingos e similares, mercê de configurar ato
contravencional descrito no art. 50 da Lei de Contravenções Penais, denota a ausência de direito líquido e certo
da empresa, ora Recorrente” - Recurso Ordinário em Mandado de Segurança 2006/0022126-2, Rel. Ministro Luiz
Fux, 16/12/2008.

21- Quem pode impetrar mandado de segurança coletivo ?

Partido político com representação no Congresso Nacional ou por organização sindical, entidade de
classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano(Constituição Federal e
Lei do MS).

Supondo que um membro da Associação não se conforme com a impetração, o que ele faz ?

A legitimidade extraordinária decorrente da CF independe de autorização. Ademais, cabe o MS coletivo


para parte dos membros da associação. Em tese, seria possível um pedido de ineficácia da sentença em relação
ao associado inconformado, ou até uma ação de indenização caso sofresse danos em decorrência do MS. Outra
hipótese, seria a aplicação integrativa do Art. 94 do CDC, em que, após a publicação de edital, os interessados
poderiam intervir como litisconsortes, informando se querem ou não que os efeitos da sentença lhes alcance.

22- Para que serve o habeas data ?

Serve para: a) direito de acesso aos registros relativos à pessoa do impetrante(hipótese constitucional e legal);
b) direito de retificação desses registros(hipótese constitucional e legal); e c) direito de complementação dos
registros(hipótese legal não prevista na constituição).

O Senhor poderia pedir as duas coisas num mesmo habeas data ?

Em tese sim, desde que se cumpra um dos requisitos da petição inicial previstos no Art. 8º, par. único,
quais sejam: prova da recusa ao acesso às informações ou do decurso de mais de dez dias sem decisão; prova da
recusa em fazer-se a retificação ou do decurso de mais de quinze dias, sem decisão; e/ou prova da recusa em
fazer-se a anotação ou do decurso de mais de quinze dias sem decisão.
Porém, já entendeu o STJ: “Em razão da necessidade de comprovação de plano do direito do demandante,
mostra-se inviável a pretensão de que, em um mesmo habeas data, se assegure o conhecimento de informações
e se determine a sua retificação. É logicamente impossível que o impetrante tenha, no momento da propositura
25
da ação, demonstrado a incorreção desses dados se nem ao menos sabia o seu teor. Por isso, não há como
conhecer do habeas data no tocante ao pedido de retificação de eventual incorreção existente na base de dados
do BACEN(STJ – HD 160 DF 2007/0232664-4).

O cônjuge supérstite ou o herdeiro legitimo tem legitimidade ativa para a ação de habeas data ?

O HD é remédio constitucional considerado personalíssimo pela maior parte da doutrina, ou seja, só pode
ser impetrado por aquele que é o titular dos dados questionados. Todavia, a jurisprudência admite que
determinadas pessoas vinculadas ao indivíduo tenham legitimidade (cônjuge, ascendente, descendente e
irmã/o). Veja por exemplo o REXT 589.257: “É parte legítima para impetrar habeas data o cônjuge sobrevivente
na defesa de interesse do falecido. No caso, os documentos requisitados tem o condão de influenciar o
patrimônio moral e financeiro dos herdeiros”.

23- Quem pode ser considerado agente coator no habeas data ?Só a autoridade ? E um órgão particular de serviço de
crédito ?

No pólo passivo, como agente coator, podem figurar entidades governamentais, da Administração
Pública Direta (União, Estados, DF e Municípios) e Indireta (as autarquias, as Fundações instituídas e mantidas
pelo Poder Público, as Empresas Públicas e as Sociedades de Economia Mista), bem como as instituições,
entidades e pessoas jurídicas privadas detentoras de banco de dados (ex.: as entidades de proteção ao crédito,
como o SPC, o SERASA, entre outras).
Desta forma, é irrelevante a natureza jurídica da entidade, que poderá ser pública ou privada. O
aspecto que determinará o cabimento da ação será o fato de o banco de dados ser de caráter público, a
exemplo do SPC(entidade é de natureza privada). Ademais, o Art. 43, par. 4º, do CDC afirma que o banco de
dados de consumidores são considerados entidades de caráter público.

24- O Senhor poderia me apontar a semelhança existente entre o mandado de injunção e a ação de
inconstitucionalidade por omissão ?

Ambas buscam sanar as omissões do Poder Público, consistente na falta de regulamentação das normas
constitucionais(síndrome de inefetividade das normas constitucionais).

Quais seriam as diferenças entre o mandado de injunção e a ação de inconstitucionalidade por omissão ?
a) ADIO: Competência: STF(controle concentrado).
MI: Competência: TJ, TSE,STJ, STF(controle difuso), a depender da autoridade encarregada de regulamentar.
b) Procedimento da ADIO: Lei 9.688
Procedimento do MI: não há procedimento próprio. Aplica-se a Lei do MS e o CPC.
c) Legitimidade ativa na ADIO: os elencados no Art. 103-CF(os mesmos legitimados da ADIN/ADC -
interpretação sistemática).
Legitimidade ativa no MI: qualquer pessoa física ou jurídica de direito privado(STF não admite PJ de direito público),
inclusive o Ministério Público.
d) Objeto de controle/parâmetro: ADIO: falta de qualquer norma de eficácia limitada; MI: omissão
referentes às prerrogativas inerentes à nacionalidade, soberania, cidadania e quaisquer direitos do Art. 5º
da CF.
e) Efeitos da decisão: ADIO: decisão declaratória(dá ciência, e se for órgão administrativo, fixa prazo para
sanar a omissão);
MI: corrente concretista(atualmente): o Poder Judiciário supre a omissão, criando a norma para o
caso concreto(teoria concretista individual) ou para todos que estejam na mesma situação(teoria concretista geral).

Quem tem legitimidade para propor o mandado de injunção e a inconstitucionalidade por omissão ?

ADIO: Competência: STF(competência concentrada).


MI: Competência: TJ, TSE,STJ, STF(competência difusa), a depender da autoridade encarregada de
regulamentar.

E em relação a instrução processual ?


26
Procedimento da ADIO: Lei 9.688
Procedimento do MI: não há procedimento próprio. Aplica-se a Lei do MS e o CPC.

E em relação ao objetivo, qual a diferença entre os dois ?

ADIO: Cientifica o Poder Legislativo do seu estado de inércia ou estabelece prazo de 30 dias para a
Administração Pública emitir o ato normativo integrador, sob pena de responsabilidade.
MI: Resolver concretamente a situação de insegurança criada pela omissão.

Qual o procedimento adotado para o mandado de injunção ?

Não há procedimento próprio. Aplica-se a Lei do MS e o CPC.

25- Qual é a diferença entre a ação popular e a ação civil pública quanto ao fim ?

A finalidade da ação popular é a prevenção ou correção de ato lesivo de caráter concreto praticado
conta o patrimônio público, ou contra o meio ambiente, ou também ato de caráter abstrato, sendo estes
praticados ofendendo a moralidade administrativa e o patrimônio histórico cultural. É uma ação
desconstitutiva(anulação do ato lesivo), e eventualmente condenatória(perdas e danos- art. 11, da Lei
4.717/65).
Já a finalidade da ACP é a proteção jurisdicional ao meio ambiente, consumidor, aos bens e direito de
valor histórico, artístico, estético, turístico e paisagístico e qualquer outro interesse ou direito difuso coletivo ou
individuais homogêneos, bem como a defesa da ordem econômica. É uma ação cominatória(fixa obrigação de
fazer/não fazer), e condenatória.

Podem as duas ações existirem simultaneamente ?

Sim, se não houver litispendência. Registre-se que é possível haver litispendência entre uma ACP e uma
Ação Popular, desde que entre elas haja identidade de causa de pedir, pedido, de ocupante do pólo passivo e de
titulares do direito material tutelado(apesar da legitimidade ativa extraordinária ser diferente).

26- Há a possibilidade do Ministério Público transigir no âmbito da ação civil pública ? Quais são os limites da
transação do Ministério Público no âmbito da ação civil pública ?

Em regra, não cabe a transação por parte do MP em ação civil pública, devido ao direito discutido(em
regra, difuso lato sensu e indisponível), a exemplo do disposto do Art. 17, par.1º, da Lei de improbidade
administrativa(“É vedada a transação ou acordo nas ações propostas pelo MP ou pela pessoa jurídica
interessada”). É o que prevê o Art. 841, do Código Civil: “Somente quanto aos direitos patrimoniais de caráter
privado admite-se à transação”. Ademais, por ser o Ministério Público um legitimado extraordinário, não
caberia ao mesmo dispor de direitos dos titulares do direito material. Porém, para Pedro Lenza,
excepcionalmente caberia a transação se no caso concreto o acordo imediato for mais eficaz para a proteção do
bem do que a continuidade da demanda(exemplo: dilação do prazo para a indústria instalar filtros).

27- O Ministério Público poderá entrar com ação civil pública para a defesa de interesse de várias crianças?

Sim, pois ao MP a CF lhe incumbe a defesa dos interesses sociais e individuais indisponíveis.

28- Admite-se perempção em ação civil pública ou coletiva, se o autor der causa à extinção da ação por 3X,em razão
de sucessivas desistências?

Não se aplica o instituto da perempção às ações coletivas, pois em caso de desistência infundada ou
abandono da ação por associação legitimada, o Ministério Público ou outro legitimado assumirá a titularidade
27
ativa. Ademais, o legitimado ativo é extraordinário, não podendo este prejudicar o substituído, titular do direito
material discutido.

29- Quem possui legitimidade para propor ação civil pública por ato de improbidade?

O Ministério público ou a pessoa jurídica interessada(Art. 17, da LIA).

30- Na ação civil pública a sentença fará coisa julgada ERGA OMNES?

Art. 16, da lei 7.347/85: A sentença fará coisa julgada erga omnes, salvo se improcedente por
insuficiência de provas, caso em que qualquer legitimado poderá intentar outra ação, valendo-se de prova nova.

ECA

1- Qual a teoria que adotou o ECA em relação a criança e o adolescente?

Teoria da proteção integral.

2-Fale sobre o princípio da proteção integral.

O princípio da proteção integral é o modelo de tratamento da criança e do adolescente adotado pelo


Brasil, que tem como fonte normativa a Constituição Federal, a Convenção da ONU sobre direitos das crianças e
dos adolescentes e o ECA.
Por esse modelo, a pessoa menor de dezoito anos deixou de ser objeto de proteção(como era na
vigência do antigo Código de Menores, onde era adotado o modelo da situação irregular), passando a ser sujeito
de direitos tutelados. Esse modelo leva em consideração a condição peculiar dessas pessoas em
desenvolvimento, que leva a um desequilíbrio que é corrigido com a previsão de direitos especiais a essas
pessoas.

3-Qual o conceito de criança e adolescente?

Criança é a pessoa até os 12 anos incompletos. Adolescente é a pessoa dos 12 anos completos até os 18
anos incompletos.

O ECA pode ser aplicado aos maiores de 18 anos?

Excepcionalmente sim, àqueles que possuem de 18 aos 21 anos de idade, porém que praticaram ato
infracional quando adolescente.
Outra hipótese é na adoção de pessoas maiores de18 anos, em que será aplicado as regras gerais do ECA, no
que couber(Art. 1619, do Código Civil).

PENAL/PROCESSO PENAL

Quais os Princípios constitucionais que regem o processo penal?

Resposta: Devido Processo Legal, Ampla defesa (5º, LV, CRFB); Contraditório (5º, LV, CRFB); Motivação ou
fundamentação das decisões (93, IX, CRFB); Juízo natural; Inadmissibilidade das provas obtidas por meios ilícitos
(5º, LVI, CRFB); Presunção de inocência (5º, LVII); Razoável duração do processo (5º, LXXVIII, CRFB). 5; Soberania
dos Veredictos nos processos perante o Tribunal do Júri.

Qual Princípio é violado quando se configura excesso de prazo?

5
Após mencionar cada Princípio, seria interessante uma breve explicação sobre o conteúdo de cada um, penso eu.
28
Resposta: Razoável duração do processo 6, expressamente positivado no artigo 5º, LXXVIII, da CRFB, trazido com
a Emenda Constitucional n. 45/2004, e já previsto na Convenção Americana de Direitos Humanos, nos artigos
8º, I, e 25, I.
Obs: Há também violação aos Princípios do devido processo legal e da Presunção de inocência, de forma reflexa,
porém.

Em que consiste a duração razoável do processo?

Resposta: É o tempo necessário para que todas as fases do procedimento se desenvolvam de forma regular,
sem demora injustificada, e sem pressa também, uma vez que tanto o processo tardio não faz justiça, porque
impõe ao acusado uma espera pelo julgamento que tende a causar evidente constrangimento, quanto o
processo célere em demasia pode implicar cerceamento de defesa, permitindo que a instrução probatória seja
defeituosa. O processo tem o seu tempo, no qual deve chegar a bom termo.

Pedido de suspensão condicional do processo em processo de violência doméstica. Como decidiria?

Resposta: O artigo 41 da Lei n. 11.340/06 afasta expressamente a aplicação da Lei n. 9.099/95 em relação aos
crimes cometidos no âmbito da violência doméstica por ela regulada, independentemente da pena prevista. O
artigo 89 da Lei n. 9.099/95 instituiu a suspensão condicional do processo para os delitos cuja pena mínima in
abstrato fosse igual ou inferior a um ano. Após algum período de dissonância jurisprudencial, o Supremo
Tribunal Federal, na ADI 4424, afastou por completo, em 2012, a aplicação dos institutos despenalizadores da
Lei 9.099/95 aos delitos no âmbito da Lei Maria da Penha, declarando a constitucionalidade do referido artigo
41 da Lei n. 11.340/06. Dessa forma, seria de rigor o indeferimento do pedido de suspensão condicional do
processo, se sujeito aos ditames da Lei n. 11.340/06, sendo possível, todavia, seu acolhimento, se a violência
doméstica fosse abrangida pelo Código Penal, afastada a motivação de gênero prevista na norma protetiva
especial.

Sabe enumerar as inovações trazidas pela Lei Maria da Penha?

Resposta:
Estabelece as formas da violência doméstica contra a mulher como física, psicológica, sexual, patrimonial e
moral;
Determina que a violência doméstica contra a mulher independe de sua orientação sexual;
Determina que a mulher somente poderá renunciar à representação perante o juiz, em audiência especialmente
para isso designada;
Proíbe as penas pecuniárias (pagamento de multas ou cestas básicas);
Retira dos juizados especiais criminais (Lei 9.099/95) a competência para julgar os crimes de violência doméstica
contra a mulher, instituindo os Juizados Especiais da Violência Doméstica contra a mulher;
Altera o Código de Processo Penal para possibilitar ao juiz a decretação da prisão preventiva quando houver
riscos à integridade física ou psicológica da mulher;.
Altera a lei de execuções penais para permitir ao juiz que determine o comparecimento obrigatório do agressor
a programas de recuperação e reeducação;
Determina a criação de juizados especiais de violência doméstica e familiar contra a mulher com competência
cível e criminal para abranger as questões de família decorrentes da violência contra a mulher;

6
“HABEAS CORPUS(...). EXCESSO DE PRAZO NA FORMAÇÃO DA CULPA. PRISÃO HÁ MAIS DE 6 (SEIS) ANOS.
RÉU PRONUNCIADO HÁ MAIS DE 5 (CINCO) ANOS. SÚMULA 21/STJ. AFASTAMENTO. CONSTRANGIMENTO
ILEGAL EVIDENCIADO. 1. Segundo pacífico entendimento doutrinário e jurisprudencial, a configuração de excesso de
prazo na instrução não decorre de soma aritmética de prazos legais. A questão deve ser aferida segundo critérios de
razoabilidade, tendo em vista as peculiaridades do caso. Assim, a complexidade do feito, o grande número de acusados,
a necessidade de expedição de precatórias podem justificar maior delonga processual. (...) 3. Mesmo considerando
todas essas circunstâncias, não há como fugir da constatação da existência de constrangimento ilegal, decorrente de
violação ao preceito constitucional da duração razoável do processo. De se ver que, na espécie, a prisão cautelar
perdura há mais de 6 (seis) anos. 4. Conquanto já haja pronúncia, não deve ser aplicada a Súmula 21 desta Corte, pois
esta decisão foi proferida há mais de 5 (cinco) anos e, pelas informações obtidas junto à Vara de origem, não existe
previsão de data para a realização do julgamento.(...). (STJ. HC 74852 / PE. Relator(a) Ministro OG FERNANDES (1139)
Órgão Julgador T6 - SEXTA TURMA Data do Julgamento 05/10/2010 Data da Publicação/Fonte DJe 25/10/2010).”

29
Prevê o aumento de 1/3 da pena, caso a violência doméstica seja cometida contra mulher com deficiência;
Elenca medidas protetivas de urgência, a serem concedidas tanto pela autoridade policial, quanto pela judicial.

Qual foi a decisão do STF quanto à natureza da ação em relação à lesão no âmbito da violência doméstica?

Resposta: O Supremo decidiu que o artigo 41 da Lei Maria da Penha é constitucional, não se aplicando a Lei
9.099/95 aos procedimentos da Lei em questão, e que, em vista da norma protetiva da parte mais frágil que é
veiculada pela Lei n. 11.340/06, não deve prevalecer a disposição do artigo 88 da Lei 9.099/95 em relação ao
crime de lesão corporal, mesmo de natureza leve, no âmbito da violência doméstica contra a mulher, sendo a
ação penal pública incondicionada.
É que quando o artigo 41 da LMP afasta a aplicação da Lei 9.099/95, afasta também a previsão do
artigo 88. Dessa forma, com a atual posição da Suprema Corte tomada na ADI 4424, a ação penal é pública
incondicionada.

O homem pode ser vítima da violência doméstica e familiar previsto na Lei Maria da Penha?

Sobre o tema, há controvérsia. Contudo, o entendimento majoritário se dá no sentido de que somente a mulher
pode ser vítima da violência doméstica prevista na Lei Maria da Penha. Há entendimento minoritário, todavia,
inclusive com julgados do próprio TJRJ, que defende ser possível a aplicação da lei a casais homoafetivos do sexo
masculino.

A ação penal, de acordo com a Lei Maria da Penha, é pública condicionada ou incondicionada? Aplica-se a transação
e a suspensão condicional do processo?

A ação penal, de acordo com a Lei Maria da Penha, para os crimes de lesão corporal é pública incondicionada,
nos termos do art. 41 da lei que afasta a aplicação da Lei 9.099/95, cuja constitucionalidade já foi declarada pelo
STF:

ADI 4424

Entendeu-se não ser aplicável aos crimes glosados pela lei discutida o que disposto na Lei 9.099/95, de maneira
que, em se tratando de lesões corporais, mesmo que de natureza leve ou culposa, praticadas contra a mulher
em âmbito doméstico, a ação penal cabível seria pública incondicionada. Acentuou-se, entretanto, permanecer
a necessidade de representação para crimes dispostos em leis diversas da 9.099/95, como o de ameaça e os
cometidos contra a dignidade sexual. Consignou-se que o Tribunal, ao julgar o HC 106212/MS (DJe de
13.6.2011), declarara, em processo subjetivo, aconstitucionalidade do art. 41 da Lei 11.340/2006, no que
afastaria a aplicação da Lei dos Juizados Especiais relativamente aos crimes cometidos com violência doméstica
e familiar contra a mulher, independentemente da pena prevista. ADI 4424/DF, rel. Min. Marco Aurélio,
9.2.2012. (ADI-4424)

Da mesma forma, assim, incabíveis os institutos despenalizadores da Lei 9.099 no âmbito da violência
doméstica.

No caso de ameaça, quando da incidência da Lei Maria da Penha, apenas a palavra da mulher é suficiente para
condenar o homem?

A resposta, acredito, é casuística e deve ser analisado o caso concreto. Tão somente a palavra da vítima
destoada de outros elementos probatórios não é capaz de impor o juízo condenatório.

2) Fale sobre o princípio da razoável duração do processo: (PONTO 2)

R: O princípio da razoável duração do processo foi consagrado pela EC 45/04, porém este já encontrava
fundamento no princípio do devido processo legal e no pacto de São José da Costa Rica. Por esse princípio deve-
se buscar os melhores resultados possíveis, com a maior economia de esforços, despesas e tempo. Há forte
ligação com o princípio da efetividade, pois a efetividade surge de uma duração razoável do processo.
30
3) Cabe suspensão condicional do processo no caso de violência doméstica? (PONTO 2)

R: De acordo com a lei 11.340/06 não é aplicável a lei 9.099/95 aos casos de violência doméstica. O STF já
declarou a constitucionalidade deste artigo, dessa forma a suspensão condicional do processo não é cabível nos
casos de violência doméstica.

4) Enumerar inovações trazidas pela Lei Maria da Penha. (PONTO 2)

R: A lei Maria da penha definiu várias formas de violência doméstica e familiar, criou mecânicos de proteção à
mulher vítima de violência doméstica e familiar, proibição de penas pecuniárias, criação de juizados especiais de
violência doméstica e familiar, dentre outras inovações.

5) Qual foi a decisão do STF quanto à natureza de ação penal praticada no âmbito de violência doméstica? (PONTO 2)

R: O STF decidiu que nos casos de lesões corporais a ação penal é pública incondicionada, pois não é aplicável a
lei 9.099/95. Por outro lado, o STF ressalvou que os demais crimes que dependem de representação, a exemplo
da ameaça, continuam a ser de ação penal pública condicionada.

6) Crime de responsabilidade do governador é julgado por quem? A resposta está na Constituição do Estado do RJ.
(PONTO 2)

R: De acordo com o art. 99, XIII da CE-RJ cabe privativamente à Assembleia Legislativa, em razão do princípio da
simetria, processar e julgar o governador nos crimes de responsabilidade.

7) Com base em qual diploma legal este governador será processado? (PONTO 2)

R: A lei 1079/50 define os crimes de responsabilidade dos governadores e regula o processo de julgamento.

8) Pode a constituição estadual estabelecer normas sobre crimes de responsabilidade do governador? (PONTO 2)

R: Tendo em vista a competência exclusiva da União para legislar sobre direito penal, não é possível que a
constituição estadual estabeleça crimes de responsabilidade do governador.

9) A Constituição do Estado pode estender ao chefe do executivo estadual as garantias processuais do presidente?
(PONTO 2)

R: De acordo com o STF não é possível que a Constituição Estadual estenda ao governador as garantias
processuais do presidente, pois isto violaria a competência exclusiva da União para legislar sobre direito
processual.
1- Qual é a base do princípio do contraditório na expressão latina: AUDIATUR ET ALTERA PARTE?

Podemos fundamentar o Princípio do Contraditório na expressão audiatur et altera pars (ouça-se a


parte contrária), expressão essa que visa garantir a ciência bilateral de todos os atos e termos processuais de tal
sorte que tem como objetivo garantir a efetivação do binômio INFORMAÇÃO e REAÇÃO.

2- Ao disciplinar que a sentença é de responsabilidade do juiz que presidiu a instrução, qual foi o princípio
adotado pelo Código de Processo Penal?

Princípio da identidade física do juiz. OBS: Não há violação a esse princípio se não houve colheita de
prova oral em audiência. TJRJ: “Doutrina e jurisprudência pacífica no sentido de que só há vinculação, em razão
do princípio da identidade física do juiz, quando o magistrado preside a audiência e nela colhe provas orais”.

3- Quais são os princípios da jurisdição?


 Investidura (a jurisdição só pode ser exercida por quem tenha sido regularmente investido no cargo e esteja em
exercício);

31
 indelegabilidade (é vedado ao juiz, que exerce atividade pública, delegar as suas funções a outra pessoa ou
mesmo a outro Poder estatal;);
 inevitabilidade ou irrecusabilidade (as partes não podem escolher o órgão jurisdicional de sua preferência ,
nem recusar o juiz, salvos nos casos de impedimento, suspeição e incompetência);
 inafastabilidade/princípio do controle jurisdicional/acesso à justiça (a lei não pode excluir do Poder Judiciário
qualquer lesão ou ameaça a direito, nem pode o juiz, a pretexto de lacuna ou obscuridade da lei, escusar-se de
proferir decisão – art. 5º, XXXV, CF);
 Juiz natural (ninguém pode ser processado ou julgado senão pela autoridade competente, não sendo admitido
tribunal de exceção ( art. 5º, LIII, CF);
 Aderência ao território(os magistrados somente têm autoridade nos limites territoriais do Estado);
 Inércia(em regra, as partes têm que tomar a iniciativa de pleitear a tutela jurisdicional).

4- Quais são os princípios gerais informadores do processo?

Imparcialidade do juiz; igualdade de todos perante a lei; contraditório; ampla defesa; da ação ou
demanda; da disponibilidade e da indisponibilidade; oficialidade; oficiosidade; da verdade formal ou dispositivo;
da verdade material ou da livre investigação das provas( juiz tem o dever de ir além da iniciativa das partes na
colheita das provas, esgotando todas as possibilidades para alcançar a verdade real dos fatos para fundamentar
a sentença); do impulso oficial; da oralidade; da persuasão racional do juiz; da motivação das decisões judiciais;
publicidade; lealdade processual; economia processual; celeridade processual; duplo grau de jurisdição(consiste
na possibilidade de revisão, por via de recurso, das causas já julgadas pelo juiz de primeiro grau. Não é tratado
de forma expressa na Constituição Federal. O duplo grau de jurisdição decorre da própria estrutura atribuída ao
Poder Judiciário pela Carta Magna. Há casos em que não há duplo grau de jurisdição, como, por exemplo, as
hipóteses de competência originária do Supremo Tribunal Federal (artigo 102, inciso I, da Constituição Federal).

5- E os princípios do processo penal?

Verdade real; legalidade; oficialidade (a atividade persecutória será exercida necessariamente pelos
órgãos OFICIAIS dos Estado); oficiosidade (os encarregados da persecução penal devem agir de OFÍCIO, sem
necessidade de provocação – vigora na ação penal pública incondicionada); autoritariedade (órgãos penais
devem ser autoridade públicas); indisponibilidade (MP não pode desistir da ação penal e do recurso interposto);
publicidade; contraditório; princípio da iniciativa das partes; princípio da correlação entre acusação e sentença(a
emendatio libelli e a mutatio libelli não afrontam esse princípio); do devido processo legal; da inadmissibilidade
das provas obtidas por meio ilícito; do estado de inocência; do promotor natural.

CONSTITUCIONAL

Quais as partes e procedimento do Mandado de Injunção?

Resposta: São partes do mandado de injunção, no polo ativo, como Impetrantes, as pessoas físicas ou jurídicas,
de direito público ou privado, e no polo passivo, como Impetrada, a Pessoa/órgão responsável pela edição da
norma regulamentadora de direitos e liberdades constitucionais ou de direito atinente à cidadania,
nacionalidade e soberania, omissa quanto a essa regulamentação. A intimação para atuação do Ministério
Público é obrigatória.
A competência recai sobre o STF e o STJ, de acordo com a autoridade responsável pela
regulamentação do direito constitucional, nos termos do que dispõe os artigos 102 e 105 da CRFB. As
constituições estaduais podem prever a competência dos Tribunais de Justiça para o mandado de injunção na
esfera estadual e municipal.
Pela ausência de Legislação própria acerca do rito a ser adotado, utiliza-se, no que não for
conflitante, o procedimento do mandado de segurança, disciplinado na Lei n. 12.016/09, de acordo com o

32
entendimento do C. STF. A Suprema Corte entende que não é cabível a concessão de liminar em mandado de
segurança.
As teorias acerca da eficácia da decisão no mandado de injunção são: não concretista, já
abandonada pelo STF, que limitava o alcance do julgado à declaração da omissão do órgão Impetrado; Teoria
concretista geral, já adotada no Supremo, segundo a qual o Judiciário declararia a omissão e implantaria o
direito pleiteado tanto para o Impetrante, quanto para a coletividade em geral; Teoria concretista individual,
quando o Judiciário declara a omissão e implanta o direito somente para o Impetrante, e que também já foi
observada no âmbito do STF e por fim, a concretista intermediária, segundo a qual o órgão julgador declararia a
omissão e concederia prazo para que o Impetrado regulamentasse o direito em questão, e somente na inércia,
implantaria o direito para o Impetrante, apenas.

Cabe condenação em honorários e sucumbência ao réu na ACP quanto interposta pelo MP?

Resposta: Se o sucumbente for o próprio Ente de que faça parte o MP, não será cabível a condenação nos ônus
de sucumbência, como vem entendendo os Tribunais, notadamente o C. STJ. É possível a condenação no caso
em que o Réu não seja entidade do mesmo Ente, a contrário sensu. 7

No caso de crime de responsabilidade do governador, este será julgado com base em qual diploma legal? Por quem
será julgado? Qual procedimento?

Resposta: Lei de 1.079/50, cujo artigo 78 remete à respectiva Constituição Estadual do RJ, que em seu artigo 147
prevê que o Governador será processado e julgado pela Assembleia Legislativa nos crimes de responsabilidade.
O procedimento é o da Lei n. 1.079/50, artigos 74 a 79, conforme dispõe o artigo 146, parágrafo único, da
Constituição do Estado do Rio de Janeiro.

Pode a Constituição Estadual estabelecer hipóteses de crimes de responsabilidade pelo Governador?

Resposta: Segundo o entendimento do Supremo Tribunal Federal na ADI 2220, a fixação de hipóteses de crimes
de responsabilidade do Governador na Constituição Estadual viola a competência privativa da União para
legislar sobre direito penal. Na ocasião, o STF declarou inconstitucionais dispositivos da CE Paulista que criavam
crimes de responsabilidade. Logo, não é possível.

A constituição Estadual pode estender ao Governador as imunidades do Presidente da República na CF?

Resposta: Segundo entendimento do STF, as imunidades deferidas pela CRFB ao Presidente da República visam
proteger a atuação deste como Chefe de Estado, função não exercida pelos Governadores de Estado, que tão
somente chefiam o governo estadual. Tanto que várias disposições de Constituições Estaduais atribuindo essa
extensão foram declaradas inconstitucionais pelo STF. Logo, não é possível estender a imunidade de prisão aos
Governadores. Outrossim, a prerrogativa de somente ter processo instaurado contra si com aprovação do Poder
Legislativo, é extensível aos Estados membros.

Qual é a competência legislativa dos Municípios ? Qual é a natureza dessa competência ?

Nos termos do art. 30 da Constituição Federal, os Municípios têm competência legislativa para tratar dos
assuntos de interesse local e suplementar as legislações federais e estaduais no que couber. Trata-se de uma
competência suplementar.

O que é competência material ? E a competência comum ? No que se assenta a competência comum dos Municípios
?

A competência dos Municípios pode ser:


a) não legislativa (administrativa ou material): regulamenta o campo do exercício das funções governamentais,
podendo tanto ser:
a.1) comum (cumulativa, concorrente): art. 23 da CF/88, aos quatro entes federativos; e
a.2) privativa: art. 30, III a IX.

7
REsp 1401848 / PR Ministra ELIANA CALMON 24/09/2013

33
3- . O Senhor sabe qual é o tipo de federalismo adotado pela CF ? O Senhor sabe quais são as espécies de
federalismo ?

É indiscutível que a maneira pela qual o Estado organiza o seu território e estrutura o seu poder político
depende da natureza e da história de cada país. A forma de organização do Estado – se unitário, federado ou
confederado – reflete a repartição de competências, que leva em consideração a composição geral do país, a
estrutura do poder, sua unidade, distribuição e competências no respectivo território.
No caso específico do federalismo, identificam-se dois tipos básicos. O primeiro é o federalismo por agregação
que tem por característica a maior descentralização do Estado, no qual os entes regionais possuem
competências mais amplas, como ocorre nos Estados Unidos da América do Norte (EUA). O segundo, é o
federalismo por desagregação, onde a centralização é maior. O ente central recebe a maior parcela de poderes,
como é o caso da federação brasileira.

Leia mais: http://jus.com.br/artigos/17486/a-origem-do-federalismo-brasileiro#ixzz3HAwFLBIF

4- Como se viabiliza a vontade do Estado Membro no Estado Federal ?

A vontade do Estado membro no Estado Federal pode se dar de quatro formas:


a) Representação no Senado Federal;
b) Emenda à Constituição, por proposta de mais da metade das Assembleias Legislativas;
c) Poder Judiciário e Poder Legislativo próprios;
d) Auto-organização e auto-administração.

5- No campo da competência legislativa concorrente e limitada, a União pode ingressar no espaço das normas
específicas ou deve se limitar as normas gerais ? Em contrapartida os Estados podem expedir normas gerais ?

Trata-se do disposto nos parágrafos do art. 24 da Constituição, que enumera as competências privativas da
União. Nos termos do parágrafo 1º, a União deve se limitar a editar normas gerais, de forma que os Estados
poderão suplementá-las (parágrafo 2º). Não havendo a edição da lei de caráter geral pela União, os Estados
membros terão competência legislativa plena. Sobrevindo a legislação federal, há a suspensão da eficácia das
normas gerais editadas pelos estados.

6- . Uma lei federal vedando reajuste de preços de serviços em geral, abrange também as tarifas referentes aos
serviços públicos municipais ?

Não seria possível, sob pena de usurpação de competência dos municípios.

ELEITORAL

Qual a natureza jurídica dos partidos políticos?

Resposta: Pessoa jurídica de direito privado. 8

O registro do estatuto no TSE tem qual finalidade?

Resposta: habilitar o partido a concorrer nas eleições; participar da distribuição das quotas do fundo partidário;
ter acesso gratuito ao rádio e televisão; poder usar exclusivamente sua sigla, denominação e símbolos 9.

O partido tem obrigação de prestar contas a quem?

8
Artigo 44, V, do Código Civil.
9
Artigo 7º, §3º, Lei 9.096/95.
34
À Justiça Eleitoral10. O Diretório Nacional presta contas ao TSE. O Regional ao TRE e o Municipal ao Juiz Eleitoral.

Se quiser fundar um partido para ter vida somente no Rio de Janeiro, é possível?

Resposta: Não. O partido tem que ter caráter nacional, na forma da Lei 11.

1- Além da livre criação dos partidos políticos, o que mais a Constituição Federal assegura?

Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resguardados a soberania
nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana e observados
os seguintes preceitos: Regulamento
I - caráter nacional;
II - proibição de recebimento de recursos financeiros de entidade ou governo estrangeiros ou de subordinação a
estes;
III - prestação de contas à Justiça Eleitoral;
IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei.

§ 1º É assegurada aos partidos políticos autonomia para definir sua estrutura interna, organização e
funcionamento e para adotar os critérios de escolha e o regime de suas coligações eleitorais, sem
obrigatoriedade de vinculação entre as candidaturas em âmbito nacional, estadual, distrital ou municipal,
devendo seus estatutos estabelecer normas de disciplina e fidelidade partidária.

§ 3º - Os partidos políticos têm direito a recursos do fundo partidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na
forma da lei.

2- Quanto a fidelidade partidária quem estabelecerá norma de disciplina ?

Sobre a fidelidade partidária, o procedimento de desfiliação justificada e a perda do mandato eletivo por
infidelidade partidária, o Tribunal Superior Eleitoral editou a Resolução 22.610/2007 sobre o tema.

1) Qual a natureza jurídica dos partidos políticos? (PONTO 2)

R: Os partidos políticos são pessoas jurídicas de direito privado.

2) O registro dos estatutos do partido político no TSE possui qual finalidade? (PONTO 2)

R: O registro do estatuto de partido político no TSE é ato administrativo destinado a verificar a obediência ou
não da agremiação partidária aos requisitos constitucionais e legais.

3) O partido político tem obrigação de prestar contas a quem? (PONTO 2)

R: Os partidos políticos devem prestar contas à Justiça Eleitoral, sendo que a falta dessa prestação pode implicar
na suspensão de cotas do fundo partidário (art. 30 L. 9096/95).

4) É possível um partido político estadual? (PONTO 2)

R: A Constituição Federal é expressa em afirmar que os partidos políticos devem ter caráter nacional (art. 17, I).
Dessa forma, é vedada a criação de partidos políticos estaduais.

TRIBUTÁRIO

1) Medida cautelar com antecipação de garantia manejada pelo contribuinte: é possível? (PONTO 2)

R: É possível, tendo em vista que entre a inscrição da dívida e o ajuizamento da ação há um lapso temporal,
sendo que nesse período pode o contribuinte necessitar de certidão negativa para exercer direitos. Dessa

10
Artigo 17, CRFB.
11
Artigo 7º, §1º, Lei 9.096/95.
35
forma, a referida ação serviria para a obtenção da certidão positiva com efeitos de negativa, pois com a garantia
o crédito fica suspenso.

2) A cautelar suspende a exigibilidade do crédito tributário? (PONTO 2)

R: Conforme afirmado a cautelar com a garantia suspende o crédito

3) Tributos sujeitos à homologação tácita – Fisco pode inscrever em dívida ativa ou precisa constituir crédito? (PONTO
2)

R: A súmula 436 do STJ afirma que a entrega da declaração pelo contribuinte constitui o crédito tributário. Dessa
forma, pode o fisco inscrever o débito diretamente em dívida ativa.

4) Qual a relação entre inscrição em dívida ativa e prescrição? Houve alteração legislativa nesta seara que mudou esta
relação? (PONTO 2)

R: A lei de execução fiscal prevê que a inscrição em dívida ativa suspende a prescrição por 180 dias ou até a
distribuição da execução fiscal. Essa suspensão só é aplicável às dívidas não tributárias, pois o STJ entende que
prescrição tributária só pode ser regulada por lei complementar, sendo a lei de execução fiscal uma lei ordinária.
Dessa forma, a mudança que ocorreu foi jurisprudencial.

ADMINISTRATIVO

- PERGUNTA: Qual é a diferença do poder regulamentar e poder regulamentar autônomo? O nosso ordenamento
adota?

RESPOSTA:
Poder regulamentar é a prerrogativa conferida ao chefe do poder executivo de editar atos gerais e abstratos
para complementar as leis e possibilitar sua fiel execução, sem que se inove a ordem jurídica ou se criem
direitos ou orbigações não previstos na lei regulamentada.
O poder regulamentar autônomo, por sua vez, é o poder o chefe do poder executivo de editar atos que retiram
seu sua validade diretamente da Constituição, não se prestando a meramente regulamentar uma lei, mas a
inovar na ordem jurídica, criando, por força própria, direitos e obrigações.
Apesar da existência de constrovérsia acerca da existência da figura do poder regulamentar autônomo no Brasil,
prevalece que a partir da EC 32/2001 ele passou a ser previsto no art. 84, VI da CF.

- PERGUNTA: Há alguma expressão norma secundária ou norma primária utilizada quando tratamos de poder
regulamentar?

RESPOSTA:
As normas primarias são aquelas que retiram seu fundamento de validade diretamente da constituição (as leis,
por ex.). Normas secundárias são aquelas que retiram seu fundamento de validade diretamente das normas
secundárias, e apenas mediatamente da Constituição (os decretos regulamentares, por ex.). Existem também as
regulamentações de primeiro e segundo grau. Os decretos são considerados atos de regulamentação de
primeiro grau; os outros atos que a ele se subordinem e que, por sua vez, os regulamentem, evidentemente
com maior detalhamento, podem ser qualificados como atos de regulamentação de segundo grau e assim por
diante.

- PERGUNTA: o regulamento executório seria norma primária ou secundária?

RESPOSTA:
O regulamento executório (ou decreto executório) é usado para dar fiel execução a uma lei (norma primária),
sendo classificado como norma secundária.

36
- PERGUNTA: O candidato afirmou que de acordo com a CF desde 88 não poderíamos em regra ter o regulamento
autônomo que seria uma espécie de norma primária e que depois tivemos emenda que alterou o art. 84, VI que
trouxe perspectiva de termos regulamento autônomo na parte organizacional. Como ficaríamos em relação ao art.
102, I, a, que trata da ação direta de inconstitucionalidade? Se for sempre norma secundária o problema seria de
legalidade e não de constitucionalidade. Para ter controle pela via direta teria que ser norma primária. Como fica?

RESPOSTA:
No que se refere ao controle judicial, há que se distinguir a natureza do conteúdo do ato regulamentar.
Tratando-se de ato regulamentar contra legem, ou seja, aquele que extrapole os limites da lei, viável apenas
será o controle de legalidade resultante do confronto do ato com a lei. Assim, incompatível, no caso, o uso da
ação direta de inconstitucionalidade.
Se o ato, todavia, ofender diretamente a Constituição, sem que haja lei a que deva subordinar-se, terá a
qualificação de um ato autônomo e, nessa hipótese, poderá sofrer controle de constitucionalidade pela via
direta, ou seja, através da ação direta de inconstitucionalidade, medida a que possibilita a impugnação de leis
ou atos normativos que contrariem a Constituição.
Atualmente, entretanto, é cabível a impugnação direta de atos regulamentares pela arguição de
descumprimento de preceito fundamental (ADPF), prevista no art. 102, § 1°, da CF, e regulamentada pela Lei
9.882/99, porque aqui o controle concentrado é mais amplo, abrangendo a inconstitucionalidade direita e a
indireta, atos normativos autônomos e subordinados e até mesmo atos administrativos concretos. A ADPF é
uma ação subsidiária, ou seja, somente pode ser utilizada nos casos em que não houver outra medida judicial
para sanar a ilegalidade ou inconstitucionalidade do ato.

- PERGUNTA: o art. 237 da CF diz que fiscaliacao e controle sobre comercio exterior serão exercidos pelo ministério da
fazenda. Com base no art. 237 o ministerior baixou portaria sobre exportação de certos produtos. Essa questão foi
levada ao STF com base na afronta no principio da legalidade ao argumento que ali teríamos ato normativo
autônomo estabelecendo restrições e por forca da legalidade nnguem estaria obrigado a fazer nada senão em virtude
d elei. O STF decidiu que esta portaria era válida e deu os seus argumentos. Nós temos no âmbito da doutrina autores
que defendiam a perspectiva da subsistência dos regulamentos autônomos. O candadto defende a tese da não
subsistência. O candidato sabe qual argumento da doutrina minoritária e que chancelou o fundamento do STF? Qual
seria o argumento adotado desses autores que serviram de base para o julgamento do STF? Quando poderíamos ter
segundo esses autores decretos ou regulamentos autônomos? Estaríamos criando restrições ao particular, teria
algum fundamento?

RESPOSTA:
A corrente minoritária o faz dizendo que a regra geral é a lei criando restrições. Excepcionalmente, quando de
forma expressa ou implicita um dispositivo da CF autorizar um regulamento teríamos essa perspectiva. Foi com
base nesse fundamento que o STF chancelou a portaria do ministério da fazenda. O STF entende que a
competência conferida pelo art. 237 da Constituição, para fiscalizar e controlar o comércio exterior, seria,
também, uma competência para vedar importações. Ou, genericamente: embora integrante do “poder de
polícia”, a competência administrativa do Ministério da Fazenda, de acordo com o art. 237 da Constituição,
envolveria a legitimidade jurídica para proibir condutas relacionadas ao comércio exterior.

- PERGUNTA: Desapropriação. O juiz está na comarca do interior. É ajuizada ação de desapropriação. Nós temos que
o município que está desapropriando determinado bem bota na sua inicial determinado valor, a parte ré inicialmente
não tinha aceito o valor, em juízo atravessa petição concordando com o valor. O juiz dá causa tem alguma duvida,
entendendo que o valor estaria acima do que devido, e determina pericia. Esse juiz sai da comarca e o candidato
ingressa como novo juiz ali. A parte requer que seja decidida a demanda dando como justo o valor ofertado pela
Adm. O processo vai ao MP que menciona não ter interesse. O processo volta para o novo juiz ali. Deve ter a perícia?

RESPOSTA:
Quando a ré concorda com o valor oferecido judicialmente não é necessária perícia, até porque a
desapropriação poderia ter se dado extrajudicialmente, devendo o juiz apenas homologar esse acordo feito em
juízo (art. 22 e 23 do Decreto-lei 3.365/41) salvo se perceber indício de conluio entre as partes, como
oferecimento de valor manifestamente superior ao preço do bem (CPC art. 129), quando então deverá o ser
determinada a perícia para aferir o valor justo do bem, não obstante a aceitação do preço pelo réu (REsp
886.672/RO).

37
- PERGUNTA: ainda quanto ao tema, digamos agora que a ADm oferta determinado valor, por exemplo, 2 X. o réu
contesta dizendo q o valor justo seria de 4X. é realizada pericia e constata que o justo valor seria de 1X. a Adm
postula o valor de 500 mi. O réu entende que seria 1 milhão. O perito entende que seria 250 mil. O juiz neste caso
poderia julgar aquém do pedido e dar como justo o valor de 250 mil ou estaria vinculado ao valor oferecido pela
Administração? Como se aplica o princípio da correlação ao caso?

RESPOSTA:
Na desaprorpiação deve-se buscar o valor justo, podendo ele até mesmo ser inferior ao ofertado incialmemente
pelo poder público. O pedido nessas ações é para a desapropriação mediante o pagamento do justo valor. A
fixação do valor indenizatório em montante inferior à oferta inicial não constitui julgamento extra petita (Resp.
886258⁄DF). O art. 19 da LC 76/93 é expresso em afirmar a possibilidade de condenação em valor menor que a
oferta.

- PERGUNTA: o que se discute em ação de desapropriação? Na lei temos o art. 9º e art. 20 que fala sobre o tema da
contestação. O que o réu debate em uma ação de desapropriação?

RESPOSTA:
Na ação de desapropriação se discute apenas se o valor ofertado pelo poder público é justo ou não e a
existência de eventuais vícios no próprio processo judicial. Qualquer outro assunto deve ser discutido no bojo
de outra ação.

- PERGUNTA: o réu debate o preço. Para o réu debater o preço o autor não precisa falar de preço na inicial?

RESPOSTA:
O autor deve, necessariamente, indicar a oferta de preço na inicial, nos termso do art. 13 do Decreto-lei
3.365/41 (Art. 13. A petição inicial, alem dos requisitos previstos no Código de Processo Civil, conterá a oferta
do preço e será instruida com um exemplar do contrato, ou do jornal oficial que houver publicado o decreto de
desapropriação, ou cópia autenticada dos mesmos, e a planta ou descrição dos bens e suas confrontações.)

- PERGUNTA: a sentença na desapropriação é declaratória ou constitutiva? O juiz quando dá o provimento ele declara
o que ou ele constitui? Seria a sentença que confere a propriedade? Como fica se a administração faz acordo?

RESPOSTA:
O entendimento majoritário é de que mesmo que amigavelmente temos aquisição originária da propriedade.
A natureza da sentença é declaratória, mas existe um autor que entende que é constitutiva (Pontes de Miranda)
pois ele entende que ela é forma derivada de aquisição da propriedade. Esse entendimento é superado hoje.
Sobre o momento da transferência da propriedade temos várias correntes: a) Pelo decreto declaratório da
utilidade pública; b) Com a expedição do mandado de imissão na posse; c) Pela sentença; d) Com o registro da
sentença no Cartório de Imóveis; e) Com o pagamento da indenização.
Atualmente prevalece a indicada no item “e” (pagamento da indenização), salvo no caso da desapropriação
confiscatória (art. 243 da CF) que ocorre com o transito em julgado, pois não há pagamento de indenização(art.
15 da Lei 8.257/91).

- PERGUNTA: a administração deseja imóvel X para construir hospital. Ela procura o titular do bem. Estamos diante de
situação de utilidade pública. A Administração oferta justo valor. O titular não quer vender, não quer transferir a
propriedade. Ele pode impedir a Administração de expropriar seu bem?

RESPOSTA:
Estando formalmente em ordem a desapropriação é compulsória, devendo o particular se sujeitar ao poder
de império estatal e podendo apenas discutir se o valor da indenização é justo ou não.

1- O que é poder disciplinar?

O poder disciplinar é a prerrogativa reconhecida à Administração para investigar e punir, após o contraditório e
a ampla defesa, os agentes públicos, na hipótese de infração funcional, e os demais administrados sujeitos à

38
disciplina especial administrativa. O poder disciplinar é exercido por meio do Processo Administrativo Disciplinar
(PAD).

Fundado, normalmente, na hierarquia administrativa, o poder disciplinar relaciona-se com as relações jurídicas
especiais administrativas, englobando duas situações:
a) relações funcionais travadas com agentes públicos, independentemente da natureza do respectivo vínculo
jurídico – legal ou negocial (ex.: demissão do servidor público); e
b) particulares inseridos em relações jurídicas especiais com a Administração, mas que não são considerados
agentes públicos (ex.: aplicação de multa contratual à empresa contratada pela Administração, sanções
aplicadas aos alunos de escola pública e aos usuários de biblioteca pública etc.).

Ao contrário do poder de polícia, exercido no âmbito de relações jurídicas genéricas entre Estado e cidadão, o
poder disciplinar refere-se às relações jurídicas especiais, decorrentes de vínculos jurídicos específicos
existentes entre o Estado e o particular (Administração – agente público, Administração – contratado,
Administração –usuário de serviços públicos etc.).

2- Quais as faculdades que do poder hierárquico decorrem para o superior?

O poder hierárquico confere uma série de prerrogativas aos agentes públicos hierarquicamente superiores em
relação aos seus respectivos subordinados, a saber:
a) ordens: expedição de ordens, nos estritos termos da lei, que devem ser cumpridas pelos subordinados, salvo
as ordens manifestamente ilegais;
b) controle ou fiscalização: verificação do cumprimento por parte dos subordinados das ordens administrativas
e das normas vigentes;
c) alteração de competências: nos limites permitidos pela legislação, a autoridade superior pode alterar
competências, notadamente por meio da delegação e da avocação;
d) revisional: possibilidade de rever os atos praticados pelos subordinados para anulá-los, quando ilegais, ou
revogá-los por conveniência e oportunidade, nos termos da respectiva legislação;
e) resolução de conflitos de atribuições: prerrogativa de resolver, na esfera administrativa, conflitos positivos ou
negativos de atribuições dos órgãos e agentes subordinados; e
f) disciplinar: apurada eventual irregularidade na atuação funcional do subordinado, a autoridade superior, após
o devido processo legal, garantindo a ampla defesa e o contraditório, deverá aplicar as sanções disciplinares
tipificadas na legislação.

As prerrogativas da autoridade superior acarretam o dever de obediência por parte dos agentes públicos
hierarquicamente inferiores. A insubordinação do agente público, caracterizada pelo descumprimento das
determinações superiores, configura infração funcional, punível com a sanção disciplinar de demissão.

3- Qual é o princípio que lhe permite apurar quem é competente para a prática de atos de poder de polícia?

A competência para exercer o poder de polícia é, em princípio, da pessoa federativa à qual a Constituição
Federal conferiu a competência para regular a matéria. Caso não haja previsão expressa, deve ser utilizado o
critério da predominância do interesse, segundo o qual os assuntos de interesse nacional estão sujeitos ao
policiamento da União; os assuntos de interesse regional sujeitam-se à polícia estadual; e os assuntos de
interesse locais são tratados pela polícia municipal.

4- Quando é que se transfere a propriedade na desapropriação?

Discute-se na doutrina o momento exato da consumação da transferência da propriedade na ação de


desapropriação.

Primeira posição: a transferência da propriedade ocorre com a inscrição da sentença judicial no RGI. Nesse
sentido: Pontes de Miranda e Eurico Sodré.
39
Segunda posição (majoritária): a consumação da desapropriação, com a transferência da propriedade, é
efetivada com o pagamento da indenização. Nesse sentido: José Carlos de Moraes Salles, Diógenes Gasparini,
José dos Santos Carvalho Filho, Marçal Justen Filho e Celso Antônio Bandeira de Mello.

No momento em que o Poder Público deposita o preço, ocorre a transferência da propriedade, pois a
desapropriação configura-se forma de aquisição originária da propriedade e o art. 5.o , XXIV, da CRFB condiciona
a sua efetivação ao pagamento da indenização prévia.

5- O que é desapropriação indireta? Há aquisição da propriedade por parte do Poder Público, nesse caso? Qual e a
ação cabível por parte do particular nesse caso e qual é o prazo prescricional?

A desapropriação indireta é a desapropriação que não observa o devido processo legal.

O fundamento legal da desapropriação indireta é o art. 35 do Decreto-lei 3.365/1941 que prevê: “Os bens
expropriados, uma vez incorporados à Fazenda Pública, não podem ser objeto de reivindicação, ainda que
fundada em nulidade do processo de desapropriação. Qualquer ação, julgada procedente, resolver-se-á em
perdas e danos”.

Em determinadas hipóteses, o Poder Público esbulha o bem privado, utilizando-o, em seguida, para satisfação
do interesse público. Não obstante a ilicitude da ação estatal, a legislação e a jurisprudência reconhecem a
impossibilidade de devolução do bem ao particular, tendo em vista a sua afetação ao interesse público,
restando ao esbulhado o direito de ser indenizado.

Em outros casos, a desapropriação indireta não depende da posse do bem pelo Poder Público. É possível a
ocorrência da desapropriação indireta quando determinados atos estatais lícitos geram para um ou alguns
particulares restrições substanciais que impedem o uso normal da propriedade.

A desapropriação indireta, portanto, pode advir do apossamento administrativo ilícito do bem ou de atos
estatais lícitos que retiram os poderes inerentes à propriedade particular. Por outro lado, o apossamento
administrativo ilícito de determinado bem pode não acarretar necessariamente a desapropriação indireta. Ex.:
apossamento administrativo de bem público federal por determinado Município. De acordo com o
entendimento majoritário, o Ente federado “menor” não pode desapropriar bem do Ente federado “maior”.

“Não obstante considerarmos a ação de desapropriação indireta como ação pessoal, por se tratar de ação
indenizatória, a jurisprudência do STF1157 e a do STJ1158 consolidaram o entendimento que se trata de ação
real, pois a indenização teria íntima ligação com a perda da propriedade”. (Rafael Carvalho Rezende Oliveira,
Curso de Direito Administrativo).

Em virtude do caráter real da ação de desapropriação indireta, devem ser destacadas três características
importantes desta ação indenizatória:

Legitimidade ativa > caso o proprietário, autor da ação, seja casado, deverá o seu cônjuge comparecer em juízo,
sob pena de extinção/invalidação do processo (arts. 10 e 11 do CPC). Não obstante a regra de que apenas o
proprietário pode propor ação de desapropriação indireta, o STJ já admitiu a sua propositura pelo possuidor;
Foro processual: a ação deve ser proposta no foro da situação da coisa (forum rei sitae), na forma do art. 95 do
CPC.
Prescrição: a pretensão prescreve com o decurso do tempo necessário para consumação do usucapião
extraordinário (sem justo título e sem boa-fé), pois o bem somente será adquirido formalmente pelo Poder
Público com o pagamento (compra e venda) ou com a consumação do usucapião. Por essa razão, o STJ, à época
do Código Civil de 1916, editou a Súmula 119 que dispõe: “A ação de desapropriação indireta prescreve em
vinte anos”. No entanto, o texto da súmula deve ser atualizado em razão do Código Civil de 2002 que estabelece
o prazo de 15 anos para o usucapião extraordinário (art. 1.238 do CC).

40
6- A CF fala em três modalidades de desapropriação. Explique cada uma delas.

O art. 5.o , XXIV, da CRFB consagra a desapropriação por utilidade pública, necessidade pública ou interesse
social. Enquanto as desapropriações por utilidade e necessidade pública estão previstas no Decreto-lei
3.365/1941, a desapropriação por interesse social é regulada pela Lei 4.132/1962.
Necessidade pública - tem por principal característica uma situação de urgência, cuja melhor solução será a
transferência de bens particulares para o domínio do Poder Público.

Utilidade pública - se traduz na transferência conveniente da propriedade privada para a Administração. Não há
o caráter imprescindível nessa transferência, pois é apenas oportuna e vantajosa para o interesse coletivo. O
Decreto-lei 3.365/41 prevê no artigo 5º as hipóteses de necessidade e utilidade pública sem diferenciá-los, o
que somente poderá ser feito segundo o critério da situação de urgência.

Interesse social - é uma hipótese de transferência da propriedade que visa melhorar a vida em sociedade, na
busca da redução das desigualdades. Segundo Hely Lopes "o interesse social ocorre quando as circunstâncias
impõem a distribuição ou o condicionamento da propriedade para seu melhor aproveitamento, utilização ou
produtividade em benefício da coletividade ou de categorias sociais merecedoras de amparo específico do
Poder Público. Esse interesse social justificativo de desapropriação está indicado na norma própria (Lei 4.132
/62) e em dispositivos esparsos de outros diplomas legais. O que convém assinalar, desde logo, é que os bens
desapropriados por interesse social não se destinam à Administração ou a seus delegados, mas sim à
coletividade ou, mesmo, a certos beneficiários que a lei credencia para recebe-los e utiliza-los
convenientemente".

7- O Juiz pode apreciar a legalidade da desapropriação ?

Na ação de desapropriação o controle jurisdicional esta condicionado aos seguintes pontos: a) fixação do valor
justo; b) nulidade processual; c) verificação se o expropriante fundou a ação expropriatória numa das hipóteses
legais permitidas.

O controle da declaração de utilidade somente pode ser feito com base na legalidade do ato, e não do mérito
administrativo.

EMPRESARIAL

1- O que é Sociedade Cooperativa?

As sociedades cooperativas em geral estão reguladas pela Lei nº 5.764, de 1971 que definiu a Política Nacional
de Cooperativismo e instituiu o regime jurídico das cooperativas.
São sociedades de pessoas de natureza civil, com forma jurídica própria, constituídas para prestar serviços aos
associados e que se distinguem das demais sociedades pelas seguintes características:
a) adesão voluntária, com número ilimitado de associados, salvo impossibilidade técnica de prestação de
serviços;
b) variabilidade do capital social, representado por cotas-partes;
c) limitação do número de cotas-partes para cada associado, facultado, porém, o estabelecimento de critérios
de proporcionalidade;
d) inacessibilidade das quotas partes do capital à terceiros, estranhos à sociedade;
e) retorno das sobras liquidas do exercício, proporcionalmente às operações realizadas pelo associado, salvo
deliberação em contrário da assembléia geral;
f) quorum para o funcionamento e deliberação da assembléia geral baseado no número de associados e não no
capital;
g) indivisibilidade do fundos de reserva e de assistência técnica educacional e social;
h) neutralidade política e indiscriminação religiosa, racial e social;
i) prestação de assistência aos associados, e, quando previsto nos estatutos, ao empregados da cooperativa;

41
j) área de admissão de associados limitada às possibilidades de reunião, controle, operações e prestação de
serviços.
Alerte-se que os arts. 1.094 e 1095 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, Código Civil, dispõem também
sobre características das sociedades cooperativas.
Importante ressaltar que nos termos do art. 982, parágrafo único do CC, as sociedade cooperativas são sempre
sociedades simples, independente do objeto social.

5- O pagamento feito pelo aceitante de uma letra de câmbio, a quem desonera?

O art. 24 do Decreto 2044 trata da matéria, a ver:


Art. 24. O pagamento feito pelo aceitante ou pelos respectivos avalistas desonera da responsabilidade
cambial todos os coobrigados.
O pagamento feito pelo sacador, pelos endossadores ou respectivos avalistas desonera da responsabilidade
cambial os coobrigados posteriores.
Parágrafo único. O endossador ou o avalista, que paga ao endossatário ou ao avalista posterior, pede riscar
o próprio endosso ou aval e os dos endossadores ou avalistas posteriores.

Quem é o devedor principal de uma letra de câmbio ou de uma duplicata ?

Na letra de câmbio, o devedor principal é o sacador. Após o aceite, o aceitante torna-se o principal devedor. Na
duplicata, o principal devedor é o destinatário das mercadorias ou beneficiário dos serviços.

6- O que vem a ser a abstração nos títulos de crédito ? É característica essencial dos títulos de crédito ? Como se
chamam esses títulos que não tem por característica a abstração ?

O princípio da abstração é intimamente ligado ao da autonomia e significa que, após circular, ou seja, após o
primeiro endosso, o título de crédito desvincula-se da causa que lhe deu origem, ficando afastada qualquer
possibilidade de alegação de vício ou impedimento decorrente da causa originária. É o chamado efeito
purificador do título de crédito.
Os títulos que não têm por característica a abstração são os títulos impróprios. Os títulos próprios documentam
operações de crédito propriamente ditas e têm a peculiaridade de serem autônomos em relação à relação
jurídica que lhes deu causa. Com base nesta definição, inclusive, alguns autores sustentam que seriam próprios
apenas a letra de câmbio e a nota promissória, já que a duplicata é documento vinculado à causa (compra e
venda mercantil ou prestação de serviço) e o cheque não retrataria operação de crédito já que tem vencimento à
vista. No entanto, a doutrina majoritária admite a duplicata e o cheque como títulos próprios.

7-O que é o "warrant" e o conhecimento de deposito ? Qual é a diferença entre eles ?

A finalidade de conhecimento de depósito é atestar a propriedade das mercadorias, representando-as; a sua


transferência equivale à transferência das mercadorias depositadas, o que dará ao endossatário do
conhecimento, que é o seu novo proprietário, a disponibilidade das mesmas mercadorias, inclusive a faculdade
de retirá-las dos armazéns gerais, como seu dono.
Para que tal aconteça, entretanto - para a retirada das mercadorias dos armazéns - é necessário que, neste ato,
sejam apresentados à empresa de armazéns gerais o conhecimento de depósito e o warrant. Este, como se
disse, é um título que, emitido pelos armazéns gerais juntamente com o conhecimento de depósito, pode deste
ser separado porque tem uma finalidade própria, que é a de, com sua transferência, constituir penhor sobre as
mercadorias depositadas. Assim, quando o depositante possui os dois títulos, conhecimento de depósito e
warrant, tem a plena disponibilidade das mercadorias. Transferindo, pelo endosso, apenas o warrant, faz ele um
penhor sobre as mercadorias, mas a propriedade dessas lhe pertence, sendo atestada pelo conhecimento de
depósito

8- O Senhor sabe qual é a finalidade do cruzamento do cheque ? Ele visa proteger o titular, protegendo o quê ? No
cheque cruzado com o nome do banco nas linhas paralelas, o pagamento ao portador seria válido ?

42
A finalidade do cruzamento do cheque é evitar que ele circule interminavelmente, devendo ser pago através de
depósito em conta, evitando-se, assim, uma cadeia ininterrupta de endossos.
Art . 44 O emitente ou o portador podem cruzar o cheque, mediante a aposição de dois traços paralelos
no anverso do título.
§ 1º O cruzamento é geral se entre os dois traços não houver nenhuma indicação ou existir apenas a
indicação ‘’banco’’, ou outra equivalente. O cruzamento é especial se entre os dois traços existir a
indicação do nome do banco.
§ 2º O cruzamento geral pode ser convertida em especial, mas este não pode converter-se naquele.
§ 3º A inutilização do cruzamento ou a do nome do banco é reputada como não existente.
Art . 45 O cheque com cruzamento geral só pode ser pago pelo sacado a banco ou a cliente do sacado,
mediante crédito em conta. O cheque com cruzamento especial só pode ser pago pelo sacado ao banco
indicado, ou, se este for o sacado, a cliente seu, mediante crédito em conta. Pode, entretanto, o banco
designado incumbir outro da cobrança.
§ 1º O banco só pode adquirir cheque cruzado de cliente seu ou de outro banco. Só pode cobrá-lo por
conta de tais pessoas.
§ 2º O cheque com vários cruzamentos especiais só pode ser pago pelo sacado no caso de dois
cruzamentos, um dos quais para cobrança por câmara de compensação.
§ 3º Responde pelo dano, até a concorrência do montante do cheque, o sacado ou o banco portador
que não observar as disposições precedentes.

9- Há nota promissória ao portador?

O nome do beneficiário é requisito da nota promissória (art. 75 da Lei Uniforme), o que, a princípio, impede que
o título emitido ao portador seja considerado nota promissória e, consequentemente, tenha força executiva.

No entanto, a nota pode ser emitida em branco, e o credor de boa-fé pode completa-la antes da cobrança ou
protesto. Súmula 387 STF - A cambial emitida ou aceita com omissões, ou em branco, pode ser completada pelo
credor de boa-fé antes da cobrança ou do protesto.

10- O que é contrato de abertura de crédito em conta corrente? O contrato de abertura de crédito em conta corrente
é título executivo? A nota promissória emitida em garantia do contrato de abertura de crédito em conta corrente,
pode ser cobrada integralmente por via de execução?

Trata-se de contrato em que a instituição financeira se compromete a disponibilizar, eventualmente, crédito ao


consumidor. O valor dependerá da utilização ou não do crédito disponibilizado. O STJ entende que não é título
executivo, por não haver a liquidez.

No caso de crédito fixo, há decisões do STJ que conferem executividade ao contrato de abertura de crédito:
“Processo civil. Contrato bancário. Mútuo. Originário de débito em conta-corrente. Título executivo. O contrato
de abertura de crédito fixo, é título executivo, nos termos do Art. 585, II, do CPC, ainda que oriundo de débito
em conta-corrente (AgRg no REsp 623.809/MT)”.

Observe-se que ainda que o contrato seja acompanhado do extrato da conta-corrente, não haverá executividade
(Súmula 233 STJ), mas é título hábil para o ajuizamento de ação monitória (Súmula 247 STJ).

A alternativa dos bancos foi atrelar ao contrato bancário a uma nota promissória. O STJ, mais uma vez, firmou
entendimento que “a nota promissória vinculada a contrato de abertura de crédito não goza de autonomia em
razão da iliquidez do título que a originou”.

Assim, apesar de ser possível a emissão de nota promissória como garantia de contrato, no caso de contratos
bancários, em razão da ausência de liquidez, não há executividade.

11. Cabe execução de cheque apresentado fora do prazo legal? Há necessidade de protesto nesse caso?

43
Deve-se diferenciar prazo de apresentação e prescrição. O prazo de apresentação é de 30 ou 60 dias, conforme a
praça de emissão (art. 33 Lei do Cheque). O prazo prescricional, por outro lado, é de seis meses, e conta a partir
do fim do prazo de apresentação (art. 59 Lei do Cheque).

Assim, é possível a execução do título, desde que não tenha havido prescrição. A interpretação do art. 47, I e II
da Lei do Cheque revela que a observância do prazo legal de apresentação não é obrigatória para a execução do
devedor principal (emitente e seu avalista), somente sendo obrigatória para execução contra coobrigados
indiretos (endossante e seu avalista). Desse modo, a resposta a primeira questão é positiva, sendo possível a
execução mesmo quando o cheque é apresentado fora do prazo legal, desde que dentro do prazo prescricional.

Não há necessidade de protesto, em regra, já que o inadimplemento pode ser comprovado pela declaração do
sacado (carimbo do banco), ou da câmara de compensação. O protesto é uma das formas de comprovar o
inadimplemento do título, não sendo, portanto, obrigatório [exceto para fins de falência].

12- Quando é que na nota promissória se admite a discussão da "causa debenti"? E quando ela nao estiver vinculada
ao contrato?

A causa debendi pode ser discutida quando a nota promissória não circula, e também quando está vinculada a
um contrato, e essa informação consta no próprio título.

13- O cheque admite aceite? Por quê? O cheque admite aval?

O cheque não admite aceite (art. 6º da Lei do Cheque). Como é uma ordem de pagamento à vista, vincula
somente o emitente, jamais o sacado. Não é possível confundir o “cheque visado” (art. 7º) com o aceite, já que,
nesse caso, o sacado não assume nenhuma obrigação cambial, apenas se compromete a reservar a quantia
constante do cheque durante o período de apresentação.

Sim, nos termos do art. 29 da Lei do Cheque, é possível aval.

14- Qual é a diferença entre cheque administrativo e cheque visado? O que significa esse visto?

O cheque visado (art. 7º da Lei do Cheque) é aquele em que o sacado vista o título, e reserva a quantia em
benefício do portador legitimado, durante o prazo de apresentação. Não há exoneração do emitente,
endossante e demais coobrigados, ou seja, o sacado não assume qualquer responsabilidade cambiária, apenas
reserva o valor para o pagamento.

O cheque administrativo (Art. 9, III da Lei do Cheque) é aquele emitido por um banco contra ele mesmo,
confundindo-se a figura do emitente e sacado na mesma pessoa.

15- Debênture é titulo de crédito? O que vem a ser debênture? O que é título de crédito? Quais são as
características do título de crédito?

Segundo o art. 52 da LSA, “a companhia poderá emitir debêntures que conferirão aos seus titulares direito de
crédito contra ela, nas condições constantes da escritura de emissão e, se houver, do certificado”. Destaque-se
ainda que, segundo a legislação processual, a debênture é considerada título executivo extrajudicial, nos termos
do art. 585, inciso I, do Código de Processo Civil.

A doutrina tradicional costuma afirmar que as debêntures representam, grosso modo, um contrato de
mútuo/empréstimo que a companhia faz com os investidores adquirentes. Assim, diz-se que aquele que
subscreve a debênture está emprestando à sociedade anônima o valor investido na sua subscrição, e esta, a
partir do momento em que emite a debênture para o investidor que a subscreveu, assume o dever de pagar

44
posteriormente a este o valor respectivo, na forma prescrita no seu certificado ou na escritura de emissão,
conforme o caso.

O conceito de título de crédito unanimemente aceito pelos doutrinadores é o que foi dado por Cesare Vivante.
O grande jurista italiano definiu título de crédito como o documento necessário ao exercício do direito, literal e
autônomo, nele mencionado. Tal conceito foi adotado pelo Código Civil, que em seu art. 887 dispõe que “o
título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele contido, somente produz
efeito quando preencha os requisitos da lei”.

O conceito de Vivante é o ideal porque nos remete, por intermédio das expressões “necessário”, “literal” e
“autônomo”, aos três princípios informadores do regime jurídico cambial: a) cartularidade; b) literalidade; c)
autonomia. Alguns autores ainda apontam outros princípios, como a independência/substantividade e a
legalidade/tipicidade. Independentes seriam os títulos autossuficientes, ou seja, que não dependem de nenhum
outro documento para completá-los (por exemplo: letra de câmbio, nota promissória, cheque e duplicata). Já o
princípio da legalidade significa que os títulos de crédito são tipos legais, ou seja, só receberiam a qualificação
de título de crédito aqueles documentos assim definidos em lei.

16. Se o beneficiário de um título de crédito endossa a um terceiro um título, eu tenho aí que tipo de endosso? Qual é
a função do endosso?

O endosso é o ato cambiário mediante o qual o credor do título de crédito (endossante) transmite seus direitos
a outrem (endossatário). É ato cambiário, pois, que põe o título em circulação. Os títulos “não à ordem”, são
transmitidos mediante cessão civil de crédito.

O endosso produz dois efeitos, basicamente: a) transfere a titularidade do crédito; e b) responsabiliza o


endossante, passando este a ser codevedor do título (se o devedor principal não pagar, o endossatário poderá
cobrar do endossante).

O endosso, quando há identificação do terceiro (endossatário) é chamado de endosso em preto. Quando não há
identificação do endossatário, há o endosso em branco.

17- . O que é sociedade em conta de paticipação ?

Trata-se de sociedade não personificada. A doutrina a chama de “sociedade secreta”, havendo duas categorias
de sócios: o ostensivo, que exerce a atividade constitutiva do objeto social, em seu nome e sob sua
responsabilidade exclusiva, e o sócio participante (oculto), que participa do resultado, sem obrigar-se perante
terceiros. (art. 991, pu do CC).

As sociedades em conta de participação são bastante informais, razão pela qual a sua constituição, de acordo
com o art. 992 do Código Civil, “independe de qualquer formalidade e pode provar-se por todos os meios de
direito”. Isso, todavia, não significa que conta de participação não possua um contrato. Este existe, sim, mas não
precisa sequer ser escrito. Ademais, a conta de participação, como já frisado, não tem personalidade jurídica,
mesmo que seu contrato seja escrito e inscrito em algum órgão de registro, conforme prevê o art. 993 do
Código Civil: “o contrato social produz efeito somente entre os sócios, e a eventual inscrição de seu instrumento
em qualquer registro não confere personalidade jurídica à sociedade”. Geralmente os contratos de sociedade
em conta de participação são registrados no cartório civil de títulos e documentos, mas esse registro, repita-se,
não confere personalidade jurídica à sociedade.

AMBIENTAL

1) Qual a competência para conclusão de licença ambiental, fiscalização e sanções? (PONTO 2)

R: A competência para o licenciamento ambiental, bem como finalização e aplicação de sanções deve observar o
critério da predominância do interesse, pois a competência é comum para a proteção do meio ambiente. Dessa
45
forma, sendo o interesse de âmbito nacional o responsável é a União, interesse regional o responsável é o
Estado-membro e interesse local o responsável é o Município.

HUMANÍSTICA

1-Comente sobre dois princípios da sociologia jurídica.

Obs. Nos manuais que pesquisei, não encontrei um capítulo específico sobre os princípios da sociologia jurídica.

Princípio da análise empírica da eficácia da norma jurídica - a Sociologia Jurídica é empírica – vocábulo
proveniente do grego empeiria, que significa experiência –, porque procura estudar o fenômeno jurídico como
um fato social, inserido no mundo do ser, e não no mundo do dever-ser, realidade concreta das interações
comportamentais, afastando--se de uma abordagem idealista ou metafísica.

Os pesquisadores da Sociologia do Direito trabalham de modo empírico para construir o seu conhecimento,
pois, sem pesquisar a realidade social nas suas relações com o direito e sem experimentar diferentes caminhos
de explicação, não se torna possível construir um saber teórico válido.

Princípio da causalidade - A seu turno, a Sociologia Jurídica é causal, porque se vale da causalidade (lógica do ser
– Dado A, é B) para o estabelecimento dos liames entre o fenômeno jurídico e a realidade social e posterior
formulação de seus modelos teóricos, porém sem o rigor determinístico que a causalidade apresenta no terreno
das Ciências Naturais.

Considerando a imprevisibilidade e o ineditismo decorrentes da liberdade ontológica do ser humano, pode--se


afirmar que a causalidade empregada pela Sociologia do Direito apresenta uma natureza tendencial ou
probabilística, ao enunciar tendência ou alta probabilidade de realização de determinadas condutas no mundo
social e jurídico.

Os métodos das ciências humanas caracterizam--se por uma geral insegurança e as suas “leis” indicam
tendências, e não uma relação absoluta entre causa e efeito. As ciências humanas trabalham com
probabilidades e, muitas vezes, as suas leis revelam--se falsas. A afirmação do pesquisador de que o sistema
penal é seletivo indica somente uma tendência, que pode mudar com o tempo e que, em todo caso, não
oferece garantias absolutas de verdade e segurança na previsão (SABADELL, 2002, p. 163).

Quando se afirma, e.g., que a pobreza influencia a criminalidade, não se pode considerar que todas as pessoas
de baixa renda pratiquem delitos e que classes mais abastadas deixem de realizar crimes.

PONTO 3

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

- Adoção de maiores. É necessária autorização dos pais biológicos? E quando o adotando não tem vinculo com seus
pais biológicos?

R.: A jurisprudência entende dispensável o consentimento dos pais biológicos, no caso de adoção de maiores.
Isso porque, com a maioridade, cessa o poder familiar, sendo que tal autorização se destina a preservar o
referido poder. Portanto, na hipótese de inexistência de relação entre o adotando e os pais biológicos, a
dispensa da autorização é a regra. Contudo, há precedentes no sentido de que a existência de vínculo afetivo
entre o adotando e seus genitores impediria a constituição do vínculo adotivo, sem justificativa plausível. O pai
biológico que não faltou ao cumprimento dos deveres decorrentes do poder familiar tem direito próprio à
manutenção do vínculo paterno filiar.

- Classifique os negócios jurídicos no plano da validade.


46
R.: A Ordem Jurídica reconhece três planos relativos aos negócios jurídicos, quais sejam, Existência, Validade e
Eficácia. O primeiro se refere aos elementos essenciais (pressupostos de existência) do negócio; o segundo diz
respeito a requisitos legais relacionados aos pressupostos de existência cuja presença é necessária paraa
conformidade do negócio com o ordenamento; e os terceiros dizem respeito a elementos acidentais que afetam
os efeitos do negócio.
Em relação ao plano da validade, os negócios se dividem em válidos e inválidos, sendo que os últimos podem ser
nulos e anuláveis.
Os negócios válidos são os que observam os requisitos legais de conformidade.
Os negócios nulos são os que não preenchem os requisitos legais ligados ao interesse público (formação do ato
ou expressa disposição de lei). Há quem subdivida essa classificação em nulidade absoluta (pode ser alegada por
qualquer pessoa) e nulidade relativa (só pode ser alegada por determinados interessados - art. 497, CC).
Os anuláveis, por sua vez, são os que afetam interesses particulares e se caracterizam pelo descumprimento de
requisitos legais ligados a incapacidade relativa ou vício do consentimento.

- Discorra sobre eficácia do negocio jurídico.

R.: Eficácia do negócio jurídico é tratada no terceiro plano reconhecido pela ordem jurídica, após os planos da
existência e da validade. Assim, realizado o negócio com a presença de seus elementos essenciais (pressupostos
de existência) e observados os requisitos de conformidade com a lei, o negócio passa a ser apto a produzir os
efeitos jurídicos normalmente esperados no sentido de constituir, modificar ou extinguir direitos.
A eficácia é, portanto, a aptidão reconhecida ao negócio jurídico existente e válido de produzir efeitos na órbita
jurídica.
A eficácia pode decorrer imediatamente da prática de um negócio válido ou estar submetida a elementos
acidentais, que dependem exclusivamente da vontade das partes. Os elementos acidentais podem ser a
condição, o termo e o encargo.
A condição é o evento futuro e incerto que subordina a eficácia do negócio. Pode ser suspensiva, quando o
negócio só passa a produzir efeitos com o seu implemento, ou resolutiva, quando os efeitos imediatos do
negócio cessam com a sua ocorrência. Vale registrar que, no caso de condição suspensiva, enquanto esta não se
operar, não se reputa adquirido o direito que decorre do negócio. O contrário ocorre na hipótese de condição
resolutiva, já que o direito decorrente do negócio já pode ser exercido desde a conclusão do negócio.
O termo é o evento futuro e certo que modula os efeitos do negócio. Pode ser inicial, ocasião em que a eficácia
do negócio depende do seu implemento, ou final, quando se estabelece o momento no qual o negócio passará a
ser ineficaz.
O encargo, por sua vez, é a imposição de um ônus a ser cumprido em prol de benefício maior. O direito que
decorre do negócio pode ser exercido desde a sua conclusão, a menos que o encargo tenha sido previsto como
condição suspensiva. Vale registrar que o encargo impossível ou ilícito reputa-se não escrito, reputando-se puro
o negócio realizado.
Pontue-se, por fim, que, excepcionalmente, atos nulos ou anuláveis são capazes de gerar efeitos.
Primeiramente, enquanto não declarada a invalidade por sentença judicial, os efeitos se produzem
normalmente. Fora esta hipótese, os efeitos do negócio inválido são produzidos quando se visa privilegiar
interesses ou princípios reconhecidos pela ordem jurídica, como a boa-fé, por exemplo. Em tal hipótese, os
efeitos que decorrem do negócio jurídico não são os visados pelos negociantes – estes pressupõem a
conformidade do negócio com o modelo predeterminado pela ordem jurídica –, mas apenas os necessários a
preservar as legítimas expectativas de terceiros ou do negociante que não deu causa à invalidade.

CIVIL, PROCESSO CIVIL, CONSUMIDOR e ECA: Des. Camilo Ruliere

- Quais as modalidades de intervenção de terceiros no CPC? E as que ele não reconhece dentro do capitulo de
intervenção?

R.: O CPC contempla, como modalidades de intervenção de terceiros, a oposição, a denunciação da lide, a
nomeação à autoria e o chamamento ao processo. Fora do capítulo próprio de intervenção, a doutrina
considera, ainda, como modalidades de intervenção, a assistência e o recurso de terceiro prejudicado.

- No chamamento ao processo, o devedor chama o fiador? E o fiador pode chamar o devedor?


47
R.: O devedor não pode chamar o fiador. O CPC prevê o chamamento ao processo dos demais devedores
solidários, quando apenas um for acionado, e também do devedor principal, quando for acionado o fiador. Não
há previsão legal de chamamento ao processo do fiador pelo devedor principal, já que este, pagando o débito,
não tem direito de crédito contra àquele.

Quando é cabível a denunciação da lide?

R.: A denunciação da lide é uma ação regressiva incidental cabível nas seguintes hipóteses: no caso de evicção,
devendo o adquirente denunciar o alienante; no caso de desdobramento da posse, devendo o possuidor direto
denunciar o indireto ou proprietário, para se ressarcir de eventual impossibilidade de manutenção de sua posse
direta; e no caso de a lei ou o contrato prever o dever de o denunciado indenizar o denunciante.

- Explane sobre garantia própria e imprópria na denunciação?

R.: Entende-se por garantia própria (ou formal) aquela que decorre da transmissão de um direito, caso em que o
alienante deve garantir ao adquirente a existência do direito transmitido, sob pena de indenizá-lo.
Garantia imprópria (ou simples), ao contrário, abrangeria os casos de responsabilidade civil, em que não há
transmissão de qualquer direito, mas simples direito de regresso decorrente da lei ou do contrato.
A doutrina que distingue ambas as espécies, afirma que a denunciação da lide seria obrigatória nos casos de
garantia própria (art. 70, I e II, do CPC), e facultativa, no caso de garantia imprópria (art. 70, III, do CPC).
Não obstante essa distinção, prevalece o entendimento de que a denunciação da lide seria obrigatória apenas
na hipótese do art. 70, I, do CPC. Assim, não realizada a denunciação da lide neste caso, perderia o evicto o
direito que da evicção lhe resulta, embora o STJ lhe reconheça o direito de recobrar ao menos o preço pago pela
coisa (Resp nº 1.332.112).

- Na transmissão de direito, seria caso de garantia própria?

Como visto, a garantia própria é exatamente o caso de transmissão de direito, em que o transmitente deve
assegurar ao adquirente a existência e a regularidade da transmissão.

- Poderia parte na execução executar diretamente o denunciado se o denunciante não tivesse condições de arcar?

R.: Em regra, não é admissível a execução direta do exequente em face do litisdenunciado. Isto porque não há
relação entre eles, devendo o exequente exigir seu crédito do executado, e este, após realizado o pagamento,
exercer o direito de regresso em face do litisdenunciado.
Todavia, é preciso registrar que a jurisprudência do STJ, em sede de recursos repetitivos,já decidiu que, em
casos de seguro de responsabilidade civil, a seguradora litisdenunciada pode ser condenada direta e
solidariamente com o segurado, podendo ser executada diretamente pela vítima do dano. A jurisprudência leva
em conta a função social do contrato, já que muitas vezes o segurado não tem condições de arcar com a
indenização, de modo que impedir a execução direta da seguradora representaria deixar a vítima irressarcida.

- Quando cabe oposição? Em que situações? Na oposição é formado litisconsórcio? Qual modalidade de
litisconsórcio?

R.: A oposição cabe quando o opoente se afirma titular do direito ou do bem jurídico sobre o qual litigam os
sujeitos da relação jurídica principal. É espécie de intervenção de terceiros que visa a antecipar a pacificação de
um conflito, com o ingresso de demanda incidente por parte de quem (opoente) poderia ter se valido de ação
autônoma.
Proposta a oposição, forma-se um litisconsórcio passivo, necessário, simples e ulterior entre as partes da
demanda originária. Vale frisar que o litisconsórcio é necessário porque, por força de lei (art. 56 do CPC), a
oposição deve-se dirigir contra ambas as partes.

- Em que situações o MP é chamado a atuar como fiscal da lei? No curso da demanda, se o incapaz for emancipado, o
MP continua atuando?

R.: A atuação do MP como custos legis se dá nos casos em que houver interesse público consubstanciado pela
natureza da lide ou pela qualidade da parte. No primeiro caso, basicamente, é a própria lei que reconhece o

48
interesse público (usucapião, disputa de posse coletiva, mandado de segurança etc.). Em relação à qualidade da
parte, a intervenção do MP se dá nas hipóteses em que o ordenamento reconhece a necessidade de tutela
especial em relação a determinadas pessoas (idosos em situação de risco, incapazes etc.)
Vale ressaltar que a simples presença da Fazenda Pública no processo não exige a intervenção do MP, sendo
esta necessária apenas quando houver alguma repercussão social na demanda, o que não se confunde com
interesse meramente patrimonial ou econômico da Fazenda.
No caso de emancipação do menor no curso da demanda, cessa a causa que determinou a intervenção do MP.
Isto porque a emancipação é uma antecipação dos efeitos da maioridade, de modo que o menor não faz mais
jus a tutela especial reonhecida pelo ordenamento.

Qual a diferença entre silêncio, vontade tácita e vontade presumida?

Embora haja divergência na doutrina acerca do real alcance dos termos, pode-se dizer que o silêncio é a
ausência completa de manifestação de vontade, que somente produz efeitos na medida em que estes sejam
reconhecidos pela lei.
A vontade tácita, por sua vez, ocorre em situações nas quais há manifestação de vontade, mas esta não se dá
pela forma escrita, embora se possa efetivamente perceber a real intenção do agente. É o caso, por exemplo, do
agente que cumpre um contrato mesmo sabendo que sobre ele pende vício de anulabilidade, razão pela qual
manifesta sua tácita vontade de não questionar a validade da avença.
Já a vontade presumida, conceito bastante próximo do anterior, representa situação em que a lei atribui a
determinado comportamento um específico significado de um declaração de vontade negocial. É o caso da
devolução da coisa empenhada, que presume a remissão do penhor.

Há produção de efeitos em negócio inexistente e negócio inválido?

Segundo Francisco Amaral, “ato inexistente é aquele a que falta um elemento essencial à sua formação, não
chegando a constituir-se. É puro fato, sem existência legal. É concepção teórica positivada em alguns códigos,
como o francês e o português. Não incluída no Código Civil brasileiro, tem sua utilidade na distinção, com rigor
lógico, do ato nulo. O ato inexistente não produz efeitos, enquanto o nulo pode produzir alguns, embora
diversos do que especificamente a lei lhe atribui. Além disso, a invalidade é posterior à existência, pois só é
válido ou inválido o que existe.

A venda nula, por exemplo, não acarreta a transferência do domínio, mas vale como causa justificativa da posse
de boa-fé.

Em alguma hipótese o ato absolutamente nulo pode subsistir?

O art. 169 do novo Código Civil, que não constava do anterior, proclama que “o negócio jurídico nulo não é
suscetível de confirmação, nem convalesce pelo decurso do tempo”. Mas admite-se a sua conversão, por força
do também novo art. 170, que prescreve: “Se, porém, o negócio jurídico nulo contiver os requisitos de outro,
subsistirá este quando o fim a que visavam as partes permitir supor que o teriam querido, se houvessem
previsto a nulidade”.

Introduz-se, assim, a conversão do negócio nulo em um outro, de natureza diversa, desde que se possa inferir
que a vontade das partes era realizar o negócio subjacente.

O que é Fato Jurídico?

Nem todo acontecimento constitui fato jurídico. Alguns são simplesmente fatos, irrelevantes para o direito.
Somente o acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito, pode ser considerado
fato jurídico.

49
Fato jurídico em sentido amplo é, portanto, todo acontecimento da vida que o ordenamento jurídico considera
relevante no campo do direito.

Os fatos jurídicos em sentido amplo podem ser classificados em: a) fatos naturais ou fatos jurídicos stricto
sensu; e b) fatos humanos ou atos jurídicos lato sensu. Os primeiros decorrem de simples manifestação da
natureza e os segundos da atividade humana.

O que é Ato-fato?

No ato-fato jurídico ressalta-se a consequência do ato, o fato resultante, sem se levar em consideração a
vontade de praticá-lo. Muitas vezes o efeito do ato não é buscado nem imaginado pelo agente, mas decorre de
uma conduta e é sancionado pela lei, como no caso da pessoa que acha, casualmente, um tesouro. A conduta
do agente não tinha por fim imediato adquirir-lhe a metade, mas tal acaba ocorrendo, por força do disposto no
art. 1.264 do Código Civil, ainda que se trate de um absolutamente incapaz.

É que há certas ações humanas que a lei encara como fatos, sem levar em consideração a vontade, a intenção
ou a consciência do agente, demandando apenas o ato material de achar. Assim, o louco, pelo simples achado
do tesouro, torna-se proprietário de parte dele. Essas ações são denominadas pela doutrina atos-fatos jurídicos,
expressão divulgada por Pontes de Miranda.

O que é ato-jurídico strictu sensu? Exemplifique.

No ato jurídico em sentido estrito, o efeito da manifestação da vontade está predeterminado na lei, como
ocorre com a notificação, que constitui em mora o devedor, o reconhecimento de filho, a tradição, a percepção
dos frutos, a ocupação, o uso de uma coisa etc., não havendo, por isso, qualquer dose de escolha da categoria
jurídica. A ação humana se baseia não numa vontade qualificada, mas em simples intenção, como quando
alguém fisga um peixe, dele se tornando proprietário graças ao instituto da ocupação.

Existe distinção entre ato inexistente, ato nulo e ato anulável?

No plano da existência não se indaga da invalidade ou eficácia do negócio jurídico, importando apenas a
realidade da existência. Tal ocorre quando este sofre a incidência da norma jurídica, desde que presentes todos
os seus elementos estruturais. Se faltar, no suporte fático, um desses elementos, o fato não ingressa no mundo
jurídico: é inexistente. Nele podem, porém, ingressar todos os fatos jurídicos, lícitos ou ilícitos.

O casamento celebrado por autoridade incompetente ratione materiae, como um delegado de polícia, por
exemplo, é considerado inexistente. Por essa razão, não se indaga se é nulo ou ineficaz, nem se exige a
desconstituição judicial, por se tratar de um nada jurídico.

O plano da existência é dos elementos, posto que elemento é tudo o que integra a essência de alguma coisa.

O plano da validade é o dos requisitos do negócio jurídico, porque estes são condição necessária para o alcance
de certo fim.

Pode, também, o negócio jurídico existir, ser válido, mas não ter eficácia, por não ter ocorrido ainda, por
exemplo, o implemento de uma condição imposta. O plano da eficácia é onde os fatos jurídicos produzem os
seus efeitos, pressupondo a passagem pelo plano da existência, não, todavia, essencialmente, pelo plano da
validade.

O que são e quais são os elementos acidentais do negócio jurídico?

50
São três os elementos acidentais do negócio jurídico no direito brasileiro: a condição, o termo e o encargo ou
modo. Essas convenções acessórias constituem autolimitações da vontade e são admitidas nos atos de natureza
patrimonial em geral (com algumas exceções, como na aceitação e renúncia da herança), mas não podem
integrar os de caráter eminentemente pessoal, como os direitos de família puros e os direitos personalíssimos.
Elementos acidentais são, assim, os que se acrescentam à figura típica do ato para mudar-lhe os respectivos
efeitos. São cláusulas que, apostas a negócios jurídicos por declaração unilateral ou pela vontade das partes,
acarretam modificações em sua eficácia ou em sua abrangência.

Diferencie condições simplesmente potestativas das puramente potestativas.

As condições potestativas dividem-se em puramente potestativas e simplesmente potestativas. Somente as


primeiras são consideradas ilícitas pelo art. 122 do Código Civil, que as inclui entre as “condições defesas” por
sujeitarem todo o efeito do ato “ao puro arbítrio de uma das partes”, sem a influência de qualquer fator
externo. É a cláusula si voluero (se me aprouver), muitas vezes sob a forma de “se eu quiser”, “se eu levantar o
braço” e outras, que dependem de mero capricho.

As simplesmente ou meramente potestativas são admitidas por dependerem não só da manifestação de


vontade de uma das partes como também de algum acontecimento ou circunstância exterior que escapa ao seu
controle. Por exemplo: “dar-te-ei este bem se fores a Roma”. Tal viagem não depende somente da vontade, mas
também da obtenção de tempo e dinheiro.

Tem-se entendido que a cláusula “pagarei quando puder” ou “quando possível” não constitui arbítrio
condenável. São exemplos de condições simplesmente potestativas as previstas no Código Civil, art. 420, que
permite às partes estipular o direito de se arrepender; art. 505, que trata da retrovenda; art. 509, concernente à
venda a contento; e art. 513, que regula o direito de preempção ou preferência

Diferencie nulidade de anulabilidade.

a) A anulabilidade é decretada no interesse privado da pessoa prejudicada. Nela não se vislumbra o interesse
público, mas a mera conveniência das partes. A nulidade é de ordem pública e decretada no interesse da
própria coletividade.
b) A anulabilidade pode ser suprida pelo juiz, a requerimento das partes (CC, art. 168, parágrafo único, a
contrario sensu), ou sanada, expressa ou tacitamente, pela confirmação (art. 172). Quando a anulabilidade do
ato resultar da falta de autorização de terceiro, será validado se este a der posteriormente (art. 176). A nulidade
não pode ser sanada pela confirmação, nem suprida pelo juiz. O Código Civil atual, para atender à melhor
técnica, substituiu o termo “ratificação” por “confirmação”.

c) A anulabilidade não pode ser pronunciada de ofício. Depende de provocação dos interessados (CC, art. 177) e
não opera antes de julgada por sentença. O efeito de seu reconhecimento é, portanto, ex nunc. A nulidade, ao
contrário, deve ser pronunciada de ofício pelo juiz (CC, art. 168, parágrafo único) e seu efeito é ex tunc, pois
retroage à data do negócio, para lhe negar efeitos. A manifestação judicial neste caso é, então, de natureza
meramente declaratória.

d) A anulabilidade só pode ser alegada pelos interessados, isto é, pelos prejudicados (o relativamente incapaz e
o que manifestou vontade viciada), sendo que os seus efeitos aproveitam apenas aos que a alegaram, salvo o
caso de solidariedade, ou indivisibilidade (CC, art. 177). A nulidade pode ser alegada por qualquer interessado,
em nome próprio, ou pelo Ministério Público, quando lhe couber intervir, em nome da sociedade que
representa (CC, art. 168, caput).

e) Ocorre a decadência da anulabilidade em prazos mais ou menos curtos. Quando a lei dispuser que
determinado ato é anulável, sem estabelecer prazo para pleitear-se a anulação, será este de dois anos, a contar
da data da conclusão do ato (CC, art. 179). Negócio nulo não se valida com o decurso do tempo, nem é
suscetível de confirmação (CC, art. 169). Mas a alegação do direito pode esbarrar na usucapião consumada em
favor do terceiro.

51
f) O negócio anulável produz efeitos até o momento em que é decretada a sua invalidade. O efeito dessa
decretação é, pois, ex nunc (natureza desconstitutiva). O ato nulo não produz nenhum efeito (quod nullum est
nullum producit effectum). O pronunciamento judicial de nulidade produz efeitos ex tunc, isto é, desde o
momento da emissão da vontade (natureza declaratória).

Deve-se ponderar, porém, que a afirmação de que o ato nulo não produz nenhum efeito não tem um sentido
absoluto e significa, na verdade, que é destituído dos efeitos que normalmente lhe pertencem. Isto porque,
algumas vezes, determinadas consequências emanam do ato nulo, como ocorre no casamento putativo. Outras
vezes, a venda nula não acarreta a transferência do domínio, mas vale como causa justificativa da posse de boa-
fé. No direito processual, a citação nula por incompetência do juiz interrompe a prescrição e constitui o devedor
em mora (CPC, art. 219).

Toda simulação é invalidante, de acordo com o Código Civil de 2002? O código diferencia a simulação relativa da
absoluta?

Simulação é uma declaração falsa, enganosa, da vontade, visando aparentar negócio diverso do efetivamente
desejado. É uma declaração enganosa da vontade, visando produzir efeito diverso do ostensivamente indicado.

Na simulação absoluta as partes na realidade não realizam nenhum negócio. Apenas fingem, para criar uma
aparência, uma ilusão externa, sem que na verdade desejem o ato. Diz-se absoluta porque a declaração de
vontade se destina a não produzir resultado, ou seja, deveria ela produzir um resultado, mas o agente não
pretende resultado nenhum.

Na simulação relativa, as partes pretendem realizar determinado negócio, prejudicial a terceiro ou em fraude à
lei. Para escondê-lo, ou dar-lhe aparência diversa, realizam outro negócio. Compõe-se, pois, de dois negócios:
um deles é o simulado, aparente, destinado a enganar; o outro é o dissimulado, oculto, mas verdadeiramente
desejado. O negócio aparente, simulado, serve apenas para ocultar a efetiva intenção dos contratantes, ou seja,
o negócio real.

No regime atual, a simulação, seja a relativa, seja a absoluta, acarreta a nulidade do negócio simulado. Se
relativa, subsistirá o negócio dissimulado, se válido for na substância e na forma.

“Art. 167. É nulo o negócio jurídico simulado, mas subsistirá o que se dissimulou, se válido for na substância e na
forma”.

A segunda parte do dispositivo refere-se à simulação relativa, também chamada de dissimulação; a primeira, à
simulação absoluta. Assim, no exemplo da escritura pública lavrada por valor inferior ao real, anulado o valor
aparente, subsistirá o real, dissimulado, porém lícito. Ressalvam-se, porém, “os direitos de terceiros de boa-fé
em face dos contraentes do negócio jurídico simulado” (art. 167, § 2º).

O que é simulação inocente?

Não mais se distingue a simulação inocente da fraudulenta ou maliciosa. O art. 103 do Código Civil revogado
considerava inocente a simulação quando não houvesse intenção de prejudicar a terceiros, ou de violar
disposição de lei. Seria fraudulenta, e defeito do negócio jurídico, quando houvesse essa intenção (art. 104). No
primeiro caso, não constituía defeito do negócio jurídico (hipótese, p. ex., de doação feita pelo homem solteiro
à sua concubina, mas sob a forma de venda). Como não havia nenhum impedimento legal para essa doação, a
concretização do ato sob a forma de venda era considerada simulação inocente, por não objetivar a fraude à lei.
Se inocente o fingimento, o negócio simulado prevalecia ainda que revelada a simulação.

Já observava Silvio Rodrigues que “tal orientação era contra a opinião de toda a doutrina e colide com a
legislação dos demais países. Uma e outra entendem que, no caso de simulação inocente, esta pode ser
declarada a pedido de qualquer das partes, a fim de tornar sem efeito o ato simulado”.

52
Ao disciplinar a simulação, apartou-se o novo Código inteiramente do sistema observado pelo diploma de 1916.
Assevera Moreira Alves, a propósito: “Não mais se distingue a simulação inocente da fraudulenta; ambas
conduzem ao mesmo resultado: nulidade do negócio simulado, e subsistência do dissimulado, se for o caso”.

DIREITO CIVIL

(PONTO 3)

Qual a diferença entre confirmação, convalidação e ratificação?

R: Inicialmente, convém destacar que as três constituem medidas sanatórias do ato jurídico anulável, isto é,
instrumentos jurídicos destinados a expurgar o vício que macula o ato. No que tange às diferenças, apesar de
algumas controvérsias na doutrina, pode-se dizer que a confirmação é medida sanatória voluntária, decorrente
de ato praticado pela própria parte, e que objetiva reafirmar os termos do negócio jurídico, renunciando, por
conseguinte, ao direito de anulá-lo. Essa confirmação pode ser expressa (CC, art. 173) ou tácita (CC, art. 174). A
convalidação, por sua vez, é medida sanatória involuntária, que deflui do decurso de lapso temporal previsto em
lei (ex. decadência). Já a ratificação é medida sanatória voluntária praticada por terceiro cuja autorização é
imprescindível para a validade do ato e que, até então, não havia sido manifestada (CC, art. 176).

(PONTO 3)

Diferencie a Lesão do Estado de Perigo.

R: Há estado de perigo quando alguém que se encontra em situação de perigo, conhecida da parte contrária, e
para salvar-se ou a pessoa de sua família, assume uma obrigação excessivamente onerosa (elementos: situação
de perigo conhecida da outra parte + onerosidade excessiva). Como no exemplo do indivíduo prestes a se afogar
que promete a quem lhe salvar toda a sua fortuna. A lesão, de seu turno, também se caracteriza pela contração
de prestação excessiva, manifestamente desproporcional ao valor da prestação oposta, porém, nesta, a razão
da contratação é a premente necessidade ou a inexperiência (elementos: premente necessidade ou
inexperiência + onerosidade excessiva). Alem disso, vê-se que, no estado de perigo, a parte contrária deve ter
ciência da situação de urgência, o que é dispensado na lesão.

(PONTO 3)

Diferencie a Fraude contra credores da Fraude contra Execução.

R: Primeiramente, fraude contra credores é espécie de defeito do negócio jurídico, instituto de Direito Civil,
regido por normas de direito privado, ao passo que a fraude à execução é incidente processual, instituto de
Direito Processual Civil, orquestrado por normas de direito público. Naquela, o devedor antecipa-se, alienando
ou onerando bens em detrimento dos seus credores, antes que estes intentem qualquer espécie de ação. Nesta,
o devedor já tem contra si processo judicial em curso capaz de reduzi-lo a insolvência e, ainda assim, atua
ilicitamente, alienando ou onerando o seu patrimônio, visando frustrar a execução, o que revela desrespeito
não apenas aos seus credores, mas à Justiça. Distinguem-se também na forma colocada à disposição dos
credores para afastar a ação sorrateira. Na fraude contra credores, deve-se propor ação pauliana ou
revocatória; na fraude à execução basta simples petição no processo. Diferem-se, ainda, quanto aos efeitos da
decisão judicial. Na fraude contra credores, a sentença é de natureza constitutiva negativa, anulando o negócio
jurídico celebrado, ao passo que, na fraude à execução, a decisão é meramente declaratória e torna ineficaz em
face do exeqüente o ato praticado.

(PONTO 3)

O abuso de direito é reconhecido como ato ilícito?

53
R: Sim. De acordo com o art. 187 do CC, comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede
manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.
Trata-se, segundo Limongi França, de ato jurídico de objeto lícito, mas que o modo (abusivo) de seu exercício
acarreta um resultado ilícito.

(PONTO 3)

O que são atos emulativos?

R: São atos praticados no exercício abusivo de um direito. Vale dizer, o ato é originalmente lícito, mas é exercido
fora dos limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé objetiva ou pelos bons costumes.

(PONTO 3)

O abuso de direito pode ser suscitado pelo magistrado de ofício?

R: Sim, pois trata-se de violação à boa-fé objetiva, preceito de ordem pública (CC, art. 2.035, parágrafo único),
que autoriza o seu conhecimento ex officio pelo magistrado.

(PONTO 3)

É possível a aplicação da Teoria do Abuso de Direito aos direito potestativos?

R: Sim. E talvez o campo dos direitos potestativos seja o mais fértil para a aplicação de tal princípio, em virtude
da relação de sujeição que há entre as partes, o que tende a atuações abusivas, em franco desrespeito à boa-fé
objetiva e à função social do contrato.

Diferencie prescrição de decadência.

R: A prescrição incide sobre direitos subjetivos e extingue a pretensão, isto é, o poder que o credor tem de exigir
uma prestação do devedor, em virtude do seu não exercício no prazo fixado em lei. Extingue, assim, o direito de
ação e, reflexamente, o direito em si, pois torna-o
desprovido exigibilidade jurídica. Já a decadência incide sobre direitos potestativos e gera a perda do direito em
si pelo não exercício no prazo fixado em lei, mas, indiretamente, causa a perda o direito de ação que o
assegurava.

(PONTO 3)

A prescrição intercorrente é admitida no direito civil?

R: De início, convém esclarecer que prescrição intercorrente verifica-se quando o credor propõe dentro do
prazo previsto em lei, entretanto, no curso da ação, permanece inerte, de forma voluntária, contínua e
ininterrupta, por prazo superior ao prazo prescricional. Ressalva a divergência de parcela minoritária da
doutrina (por exemplo, Flávio Tartuce), entende-se que se trata de instituto admitido em direito civil, pois
estaria implicitamente prevista no art. 202, parágrafo único, do CC, segundo o qual “a prescrição interrompida
recomeça a correr da data do ato em que a interrompeu, ou do último ato do processo para a interromper”.
Logo, se após a citação (marca interruptivo), o credor permanecer inerte por tempo superior ao previsto em lei,
ocorrerá a prescrição intercorrente.

(PONTO 3)

Quais são as espécies probatórias admitidas pelo Código Civil?

R: Confissão, documento, testemunha, perícia e presunção (CC, art. 212).

54
(PONTO 3)

A confissão é revogável?

R: Não, a confissão é irrevogável, no entanto pode ser anulada se decorreu de erro de fato ou coação (CC, art.
214).

(PONTO 3)

A prova exclusivamente testemunhal é admitida?

R: É admitida, mas apenas nos negócios jurídicos cujo valor não ultrapasse o décuplo do maior salário mínimo
vigente no País ao tempo em que foram celebrados. Afora tal restrição, a prova testemunhal é admissível como
subsidiária ou complementar da prova por escrito qualquer que seja o valor do negócio jurídico (CC, art. 227).

PROCESSO CIVIL

Como é adquirida a qualidade de parte?

R: A qualidade de parte pode ser adquirida de quatro formas: a) propondo uma ação; b) sendo citado dos
termos de uma ação; c) intervindo na condição de terceiro; ou d) intervindo na condição de sucessor de uma
parte, nos casos previstos em lei.

(PONTO 3)

O que é terceiro?

R: O conceito de terceiro determina-se por exclusão em confronto com o de parte. Assim, é terceiro todo aquele
que não figura como parte no processo.

(PONTO 3)

Quais são os efeitos da sentença proferida quando ausente um dos litisconsortes passivo necessário?

R: A falta de citação de litisconsorte necessário ocasiona a nulidade da sentença em relação aos que
participaram da ação e a sua ineficácia perante o litisconsorte que não foi citado.

(PONTO 3)

Há litisconsórcio necessário ativo?

R: Embora haja na doutrina quem sustente a inexistência de litisconsórcio necessário ativo, com é o caso de
Fredie Didier Jr., para quem o direito fundamental de acesso à justiça não pode depender da vontade de
outrem, o fato é que realmente há situações, excepcionais, é verdade, em que os colegitimados não podem
ingressar em juízo isoladamente. É o caso, por exemplo, de duas pessoas que adquirem bem em condomínio e
uma delas visa propor ação para anular o negócio jurídico. É evidente que a sentença repercutirá na esfera
jurídica do coproprietário, o que induz ao reconhecimento de que há litisconsórcio necessário. Neste caso, o STJ
afirma que o juiz, com arrimo no parágrafo único do art. 47 do CPC, deve determinar ao autor que possibilite o
chamamento dos demais litisconsortes, com a devida intimação, a fim de que seja cientificado da existência da
ação e, querendo, venha a integrar o seu polo ativo (REsp 1107977/RS. Rel. Min. Raul Araújo, j. 19/11/2013).

(PONTO 3)

55
É possível intervenção de terceiro no rito sumário?

R: É possível, mas apenas na forma de assistência, de recurso de terceiro e de intervenção fundada em contrato
de seguro (denunciação da lide ou chamamento ao processo).

(PONTO 3)

Distinga litisconsórcio necessário de unitário?

R: Litisconsórcio necessário é aquele cuja formação é obrigatória, seja por disposição legal (ação de usucapião,
por exemplo), seja pela natureza da relação jurídica versada (exemplo, ação declaratória de nulidade de negócio
jurídica proposta por terceiro interessado impõe que as partes contratantes sejam incluídas no polo passivo). De
outra banda, o litisconsórcio unitário caracteriza-se pela necessidade de que a solução do litígio seja igual para
todos os litisconsortes, o que pode ocorrer tanto nos casos de litisconsórcio necessário (o que é mais comum)
como nos casos de litisconsórcio facultativo.

(PONTO 3)

O que é assistência litisconsorcial?

R: Trata-se de hipótese de litisconsórcio unitário facultativo ulterior, por intermédio da qual o titular do direito
material versado no processo, que até então não participava do processo, intervém para auxiliar a parte que
está defendendo os seus interesses na ação.

(PONTO 3)

Faça a distinção entre legitimidade ad causam e legitimidade ad processum.

R: Legitimidade ad causam é condição da ação e traduz o vínculo de pertinência subjetiva necessário entre os
envolvidos na relação jurídica subjacente e os que figuram como partes na relação jurídico-processual
sobrejacente (legitimidade ordinária) ou a autorização legal para se atue em juízo, em nome próprio, mas na
defesa de direito alheio (legitimidade extraordinária). Noutro vértice, a legitimidade ad processum, que é
pressuposto processual de validade, diz respeito à capacidade de figurar como parte no processo sem precisar
estar representado ou assistido.

(PONTO 3)

Quando é cabível o chamamento ao processo?

R: É cabível quando houver obrigação de pagar solidária e a demanda for proposta somente contra um dos
devedores solidários, permitindo-se a este que chame a integrar a lide os demais codevedores.

(PONTO 3)

É possível a denunciação da lide pelo Estado ao servidor nos casos de responsabilidade civil daquele? Qual o
entendimento dos Tribunais Superiores sobre a matéria?

R: É possível, vez que os arts. 37, § 6º, da CF e 43 do CC asseguram o direito de regresso contra o agente
causador do dano. Entretanto, a jurisprudência dos tribunais superiores orienta que, por ser facultativa (visto
que o direito de regresso estatal estará resguardado, ainda que o agente causador do dano não seja chamado a
integrar o feito), a denunciação da lide somente deve ser deferida se o ingresso do terceiro não ocasionar
prejuízo à rápida solução do litígio. Assim, entendendo o magistrado que o exercício do direito de regresso no
bojo da ação indenizatória retardará a resolução da lide, em prejuízo ao interesse do autor da ação, deverá
indeferir a denunciação (STJ. REsp 975.799/DF. Rel. Min. Castro Meira, j. 14/10/2008).
56
(PONTO 3)

O que se entende por denunciação da lide sucessiva?

R: Entende-se por denunciação da lide sucessiva a faculdade conferida ao denunciado de também denunciar um
terceiro e assim sucessivamente, como previsto no art. 73 do CPC.

(PONTO 3)

Existe denunciação da lide per saltum?

R: Sim. Trata-se de novidade introduzida pelo art. 456 do CC, que trata da evicção, e, por essa norma, pode o
adquirente denunciar a lide ao alienante imediato (a pessoa de quem ele adquiriu o bem) ou a qualquer outro
alienante que conste da cadeia de transmissão do bem, ainda que com eles não mantenha relação jurídica
direta.

(PONTO 3)

É possível intervenção de terceiro no âmbito do CDC?

R: A rigor, é inadmissível a intervenção de terceiros nas ações submetidas ao regime jurídico do CDC, a fim de
evitar que a tutela do consumidor seja retardada. A exceção fica por conta do chamamento ao processo do
segurador, na forma do art. 101, II, do CDC, que é facultada ao réu, porquanto amplia as garantias do
consumidor (Súmula 208 do TJRJ).

(PONTO 3)

A denunciação da lide é obrigatória?

R: A despeito da redação do art. 70 do CPC, tanto a doutrina quanto a jurisprudência são pacíficas ao afirmarem
que a denunciação da lide não é obrigatória. Assim, mesmo que não exercida, restará intacto o direito de
regresso, que poderá ser objeto de ação futura própria.

(PONTO 3)

O que se entende por intervenção iussu iudicis?

R: É o ingresso de terceiro em processo pendente por ordem do juiz. Trata-se de instituto de que tinha previsão
expressa no art. 91 do CPC/1939 e que, de acordo com ampla parcela da doutrina (Nelson Nery Junior e Rosa
Maria Andrade Nery, Fredie Didier Jr., Vicente Greco Filho etc.), permanece em nosso ordenamento jurídico,
repousando a disposição contida no parágrafo único do art. 47 do CPC, que permite ao juiz provocar o autor da
ação para que promova a integração de litisconsorte necessário.

(PONTO 3)

O Ministério Público Estadual tem legitimidade para atuar perante o STF?

R: Sim. Revendo o posicionamento anteriormente adotado, o STF reconhece atualmente a legitimidade do


Ministério Público Estadual, por intermédio do Procurador-Geral de Justiça ou de membro por ele designado,
para atuar na Corte Suprema e também no STJ de forma autônoma, vale dizer, sem a necessidade de ser
representado pelo Procurador-Geral da República, como se entendia até então.

(PONTO 3)

57
É possível a tutela de direito individual pelo Ministério Público?

R: Sim, desde que direito a ser tutelado seja indisponível.

(PONTO 3)

É possível a condenação em honorários advocatícios em favor do MP em caso de condenação proferida em ação civil
pública? Qual o entendimento do STJ sobre o assunto?

R: Não. De acordo com o entendimento firmado pelo STJ, por critério de absoluta simetria (já que o MP, se
derrotado na ACP, não pode ser condenado ao pagamento de honorários advocatícios), não é cabível a
condenação da parte vencida ao pagamento de honorários advocatícios em favor do Ministério Público. Além
disso, afirma-se que a questão relativa à verba honorária foge inteiramente às regras do CPC, sendo disciplinada
Lei n. 7.347/85, a qual não prevê tal condenação.

(PONTO 3)

O Ministério Público está obrigado a adiantar as despesas referentes aos honorários do expert nas perícias que
requerer?

R: Não. Segundo tese firmada pelo Superior Tribunal de Justiça, sob o rito do art. 543-C do CPC, descabe
adiantamento dos honorários periciais pelo autor em ação civil pública, nos termos do art. 18 da Lei n. 7.347/85.
Diante disso, como também não se pode transferir ao réu o encargo custear prova que possa vir a ser usado em
seu desfavor, tampouco obrigar o perito a exercer o seu ofício gratuitamente, entende o STJ que, por analogia à
Súmula 232 (“A Fazenda Pública, quando parte no processo, fica sujeita à exigência do depósito prévio dos
honorários do perito”), deve-se determinar que a Fazenda Pública a qual se vincula o Ministério Público arque
com tais despesas (REsp n. 1.253.844/SC).

(PONTO 3)

O que se entende pelo chamado Princípio do Promotor Natural? Há previsão em nosso ordenamento jurídico?

R: O princípio do promotor natural apregoa que, tal como ocorre com o juiz, a escolha do promotor para a
atuação em determinada caso deve de ser feita de acordo com as regras previamente estabelecidas para a
distribuição dos serviços naquele órgão, impedindo, com isso, a designação de promotor ad hoc, também
denominado promotor de exceção. Embora careça de previsão expressa, o STF entende que se trata de garantia
de ordem jurídica, destinada tanto a proteger o membro do Ministério Público, na medida em que lhe assegura
o exercício pleno e independente do seu ofício, quanto a tutelar a própria coletividade, vez que se fixa sua
competência previamente, a partir de critérios abstratos e pré-determinados (HC 103038. Rel. Min. Joaquim
Barbosa, j. 11/10/2011).

(PONTO 3)

É possível a ocorrência de opiniões colidentes manifestadas, em momentos sucessivos, por procuradores de justiça
oficiantes no mesmo procedimento recursal?

R: Sim. Para o STJ, os princípios da unidade e da indivisibilidade do Ministério Público não implicam vinculação
de pronunciamentos de seus agentes no processo, de modo a obrigar que um promotor que substitui outro
observe obrigatoriamente a linha de pensamento do seu antecessor. Assim, no caso concreto, entendeu o STJ
que o fato de ter o Promotor de Justiça, com atuação no processo, pedido, na fase de alegações finais, a
impronúncia do paciente, não impede que outro Promotor de Justiça, que lhe tenha substituído, interponha
recurso em sentido estrito impugnando a decisão, a fim de preservar a denúncia (HC 93.439/RJ. Rel. Min.
Arnaldo Esteves Lima, j. 01/09/2009).

58
ECA

Quais são as modalidades de colocação em família substituta?

R: Guarda, tutela e adoção (ECA, art. 28, caput).

(PONTO 3)

O que se entende por família extensa ou ampliada? É sinônimo de família natural?

R: Família extensa ou ampliada é aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do
casal, abrangendo parentes próximos com os quais a criança ou adolescente, abrangendo parentes próximos
com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade. Não é sinônimo de
família natural. Família natural é conceito mais restrito, que compreende apenas a comunidade formada pelos
pais ou qualquer deles (neste caso, denominada família monoparental) e seus descendentes (ECA, art. 25).

(PONTO 3)

Quais as hipóteses em que se admite a colocação da criança ou adolescente em família substituta?

R: As hipóteses são as mais variadas possíveis. A criança ou adolescente pode ser colocada em família substituta
porque seus pais faleceram ou perderam o poder familiar (na forma de tutela ou adoção) ou porque estes
encontram-se temporariamente impedidos de exercerem os deveres decorrentes do poder familiar (situação
muito comum com pais que estão presos ou que são usuários de drogas e deixam seus filhos sob a guarda de
algum parente). Vale dizer, em situações em que não se mostre possível a permanência do infante em sua
família de origem.

(PONTO 3)

É necessária a oitiva da criança ou adolescente para sua colocação em família substituta?

R: Tratando-se de adolescente, o ECA impõe não apenas a sua oitiva, mas também o seu consentimento, a ser
colhido em audiência. De outro lado, em se tratando de criança, o ECA dispõe que, sempre que possível, ela
deverá ser previamente ouvida por equipe interprofis-sional, respeitado o seu estágio de desenvolvimento e
grau de compreensão sobre as impli-cações da medida, e terá sua opinião devidamente considerada (ECA, art.
28).

(PONTO 3)

Na tutela há perda do poder familiar?

R: Sim. A colocação de criança ou adolescente em família substituta na modalidade tutela pressupõe a prévia
decretação da perda ou suspensão do poder familiar (ECA, art. 36).

(PONTO 3)

É possível a concessão da guarda no curso do processo de tutela?

R: Sim, como medida liminar ou incidental (ECA, art. 33).

(PONTO 3)

A tutela é revogável?

59
R: Sim. Tanto do CC quanto o ECA preveem a possibilidade de destituição do tutor em caso de descumprimento
dos deveres inerentes ao instituto. De acordo a com a legislação civil, o tutor será destituído quando negligente,
prevaricador ou se incurso em incapacidade (art. 1.766). O ECA, por sua vez, preceitua que se aplica à tutela o
disposto no seu art. 24, dispositivo que trata do descumprimento injustificado dos deveres e obrigações
inerentes ao poder familiar (basicamente, sustento, guarda e educação). Logo, verificado que o tutor não tem
cumprido com o dever de zelar pelos direitos de seu pupilo, é cabível a revogação ou destituição, como quer a
lei, da tutela, por meio do devido processos legal, garantindo-se ao tutor o exercício do contraditório e da ampla
defesa.

(PONTO 3)

Quais são as espécies de guarda?

R: São três as espécies de guarda. A primeira é a guarda provisória, que poderá ser deferida de forma liminar ou
incidental nas ações de tutela e adoção (ECA, art. 33, § 1º). A segunda é a guarda permanente (que, na verdade,
é medida transitória), que poderá ser deferida para atender situações peculiares ou suprir a falta eventual dos
pais ou responsável (§ 2º). Já a terceira é a guarda peculiar, concedida para a representação do infante em atos
determina-dos (§ 2º, in fine) (Válter Kenji Ishida e Josiane Rose Petry Veronese).

(PONTO 3)

O que é “adoção à brasileira”?

R: A chamada adoção à brasileira consiste em registrar como seu o filho de outrem, conduta tipificada como
crime pelo art. 242 do CP. Infelizmente, ainda é uma prática muito comum e que manifesta o “jeitinho
brasileiro” de se esquivar do processo regular de adoção.

(PONTO 3)

A adoção intuitu personae é admitida em nosso ordenamento?

R: Chama-se adoção intuitu personae o desejo dos pais biológicos de entregaram o filho a determinada pessoa
ou casal, ou seja, de escolherem as pessoas de sua preferência para adotar o seu filho, e também a disposição
de alguém em adotar uma certa criança. A partir da criação dos cadastros de adoção (são dois cadastros: um de
crianças e adolescentes em condições de serem adotados e outro de pessoas interessadas em adotar), o ECA
objetivou coibir essa prática, porém ciente de que as situações de fato são inúmeras e imprevisíveis, bem como
que o interesse maior a ser tutela é o da criança ou adolescente, não vedou completamente a possibilidade de
deferimento da adoção em favor de casal não cadastrado previamente. Assim, o art. 50, § 13, permite a
concessão da adoção em favor de pessoas domiciliadas no Brasil e que não estejam cadastradas previamente,
quando: a) se tratar de adoção unilateral (pessoa que adota filho de seu cônjuge ou companheiro); b) o pedido
for feito por parente com o qual o infante mantenha vínculos de afinidade e afetividade e; c) a adoção for
formulada por quem detém a tutela ou guarda legal de criança maior de 3 anos ou adolescente, desde que o
lapso de tempo de convivência comprove a fixação de laços de afinidade e afetividade, e não seja constatada a
ocorrência de má-fé ou crime. Porém, ainda neste caso, o pretendente à adoção deverá comprovar que
preenche os requisitos legais necessários à adoção (art. 50, § 14).

(PONTO 3)

É possível a adoção por casais homoafetivos?

R: Preenchidos os requisitos legais, sobretudo a demonstração de que a medida apresenta reais vantagens para
o adotante e que se funda em motivos legítimos, não existe qualquer obstáculo ao deferimento da adoção a
casal homoafetivo.

60
(PONTO 3)

O que se entende por adoção póstuma? É admitida em nosso ordenamento?

R: Entende-se por adoção póstuma, também denominada post mortem, aquela em que o adotante, após
inequívoca manifestação da vontade de adotar, vem a falecer no curso da ação, antes da prolação da sentença.
É permitida em nosso ordenamento, a teor do art. 42, § 6º, do ECA. Convém destacar que é o único caso em que
a sentença constitutiva de adoção produz efeitos não a partir do seu trânsito em julgado, mas, sim, a partir da
data do óbito do adotante, visando, com isso, a preservar os direitos sucessórios do adotado (ECA, art. 47, § 7º).

(PONTO 3)

É possível a retratação do consentimento para adoção?

R: É possível, desde que manifestado até a data da publicação da sentença constitutiva de adoção (ECA, art. 166,
§ 5º).

(PONTO 3)

É possível adoção internacional por brasileiros?

R: Sim. Deve-se esclarecer que o que caracteriza a adoção internacional é a saída de uma criança ou adolescente
do país onde reside (país de origem) para outro (país de acolhida), independentemente da sua nacionalidade ou
da nacionalidade dos adotantes. Desse modo, classifica-se como internacional a adoção feita por casal brasileiro
residente no exterior, o que não apenas é possível, como tem preferência em relação à adoção internacional
por pessoa ou casal estrangeiro (ECA, art. 51, caput e § 2º).

(PONTO 3)

É possível adoção por procuração?

R: Não, o art. 39, § 2º, do ECA veda expressamente a adoção por procuração, instituindo-a como ato
personalíssimo. O sentido da norma é, além de evitar a ação de intermediários, permitir a análise de certos
requisitos indispensáveis ao sucesso da adoção, como o estabelecimento de uma relação de afinidade e
afetividade entre adotante e adotando e a adaptação deste ao novo contexto familiar, verificações que tornam
indispensáveis o prévio contato entre eles.

(PONTO 3)

É possível dispensar o consentimento dos pais na adoção?

R: Sim, nas hipóteses em que os pais forem desconhecidos ou tenham sido destituídos do poder familiar (ECA,
art. 45, § 1º).

(PONTO 3)

É possível a colocação de criança ou adolescente indígena em família substituta?

R: Sim, é possível a colocação de criança ou adolescente indígena em família substituta. No entanto, há


formalidades essenciais a serem observadas, que são: a) respeito à identidade social e cultural da criança ou
adolescente, os seus costumes e tradições, bem como suas instituições, desde que não sejam incompatíveis
com os direitos fundamentais reconhecidos pela CF e pelo ECA; b) colocação familiar prioritariamente no seio de
sua comunidade ou junto a membros da mesma etnia e; c) intervenção e oitiva de representantes do órgão

61
federal responsável pela política indigenista (isto é, a FUNAI) e de antropólogos perante a equipe
interprofissional ou multidisciplinar que acompanhará o caso.

(PONTO 3)

É possível a colocação em família substituta estrangeira?

R: Sim, contudo trata-se de medida excepcional, admissível apenas na modalidade adoção (ECA, art. 31).

(PONTO 3)

Admite-se a adoção conjunta?

R: Sim, é admissível. De início, convém esclarecer que adoção conjunta é aquela feita por um casal e que
ocasiona o rompimento do vínculo de filiação do adotando com seu pai e com sua mãe. Segundo o ECA, para a
adoção conjunta é indispensável que os adotantes sejam casados civilmente ou mantenham união estável,
comprovada, em ambos os casos, a estabilidade da família (art. 42, § 2º). Não obstante, o Estatuto autoriza a
adoção conjunta por casais divorciados ou judicialmente separados, bem como por ex-companheiros, desde
que: a) acordem sobre a guarda e o regime de visitas; b) que o estágio de convivência tenha sido iniciado na
constância do período de convivência e; c) seja comprovada a existência de vínculos de afinidade e afetividade
com aquele que não deterá a guarda, a justificar a excepcionalidade da concessão (art. 42, § 3º).

(PONTO 3)

Quais são os efeitos da sentença de adoção?

R: A sentença que defere a adoção é de natureza constitutiva e tem por efeitos criar e extinguir relações
jurídicas, ao mesmo tempo. Isso porque ela atribui a condição de filho ao adotado, criando entre este e os
adotantes uma relação de filiação, e extingue o vínculo de parentesco anterior, ressalvados os impedimentos
matrimoniais (ECA, arts. 41 e 47).

(PONTO 3)

A partir de que momento a adoção produz efeitos?

R: A regra é que a sentença de adoção produza efeitos a partir do seu trânsito em julgado. A exceção fica por
conta da adoção póstuma ou post mortem, hipótese em que os efeitos da sentença retroagem à data do óbito
do adotante, a fim de resguardar os direitos sucessórios do adotando (ECA, art. 47, § 7º).

(PONTO 3)

A partir de que momento é admitida a saída do adotando do território nacional nos casos de adoção internacional?

R: A partir do trânsito em julgado da sentença que concedeu a adoção (ECA, art. 52, § 8º).

PENAL/PROCESSO PENAL

- Disserte sobre a tipicidade conglobante.

R.: A tipicidade conglobante reune em seu conceito as ideias de tipicidade material, antinormatividade e
ausência de fomento da conduta, considerada a ordem jurídica como um todo (todos os ramos do direito). Pela
referida teoria, uma conduta só preencheria o elemento tipicidade, pertencente ao fato típico, se violasse de
forma relevante o bem jurídico tutelado (excluem-se, assim, as lesões insignificantes); fosse proibida não apenas
pelo direito penal, mas por todos os ramos do direito; e não fosse incentivada pelo ordenamento.
62
A tipicidade conglobante analisa no fato típico algumas hipóteses de excludentes da ilicitude, tais como o estrito
cumprimento do dever legal e o exercício regular de um direito. Segundo ela, não faria sentido tratar como
causa de justificação uma situação que seria imposta ou permitida pelo direito, de forma que a própria
tipicidade da conduta deveria ser afastada.

- Utilizando as teorias do Direito penal, como identificar a conduta preterdolosa e a tentativa?

R.: A tentativa se configura quando, iniciados os atos de execução, o crime não se consuma por circunstâncias
alheias à vontade do agente. Segundo a doutrina majoritária, o início dos atos de execução é explicado pela
teoria objetiva-formal, segundo a qual se exige que o agente inicie a realização do verbo contido no tipo penal.
Há, ainda, a teoria subjetiva (a mera intenção criminosa do agente, sem qualquer ato de exteriorização já
justifica a sua punição), a teoria objetiva-material (início da realização do verbgo do tipo e dos atos
imediatamente anteriores, segundo a visão de um terceiro observador) e a teoria objetiva-individual (início da
realização do verbo do tipo e dos atos imediatamente anteriores, segundo o plano concreto do autor).
A conduta preterdolosa, por sua vez, é aquela que se caracteriza pela realização de um fato-base doloso e um
resultado agravador culposo. É caso de resultado diverso do pretendido, pois a vontade do agente é dirigida a
uma finalidade, diferente do resultado mais grave que vem a ocorrer de forma culposa.

- Como definir crime omissivo? Admite tentativa nas duas modalidades?

R.: Crime omissivo pode ser próprio ou impróprio. No primeiro caso, o crime se caracteriza pela mera inação do
agente, que importa em violação de uma norma que impõe um fazer. Já o crime omissivo impróprio, ou
comissivo por omissão, o agente, conhecido como garante, tem o dever jurídico de evitar o resultado, mas, em
virtude de sua omissão, aquele vem a ocorrer.
O crime omissivo próprio não admite tentativa, pois, além de o iter criminis não se fracionar, não há resultado
naturalístico previsto no tipo.
No caso do crime omissivo impróprio, admite-se a tentativa, quando a omissão for dolosa e o resultado que
deveria ser evitado pelo garante não se concretiza por circunstâncias alheias à sua vontade.

- Qual o momento da consumação do crime omissivo?

R.: No caso do crime omissivo próprio, a consumação ocorre com a simples inação do sujeito ativo. Já no crime
omissivo impróprio, como o garante tem o dever de evitar o resultado previsto no tipo, a consumação só se
aperfeiçoa com a realização do resultado.

- Não sendo possível citação pessoal no JECRIM, o que o juiz deve fazer?

R.: Nos termos do art. 66, parágrafo único, e art. 77, ambos da Lei nº 9.099/95, a impossibilidade de citação
pessoal no JECRIM deve ensejar o declínio de competência do processo em favor do juízo comum.

- O que é um delito de menor potencial ofensivo?

R.: São as contravenções penais, os crimes para os quais se preveja pena privativa de liberdade máxima não
superior a 2 anos, bem como os crimes para os quais seja cominada, isolada ou alternativamente, pena de
multa.

Pergunta: Quais as principais Teorias acerca do conceito de dolo e qual a adotada pelo Código Penal? PONTO 3.

R: Existem, basicamente, quatro teorias: (1) Teoria da vontade, adotada em relação ao dolo direto; (2) Teoria do
consentimento (ou assentimento), adotada em relação ao dolo eventual; (3) Teoria da representação; (4) e
Teoria da probabilidade.
- Teoria da vontade: segundo esta teoria, dolo seria tão-somente a vontade livre e consciente de querer praticar
a infração penal, isto é, de querer levar a efeito a conduta prevista no tipo penal. Dolo seria uma vontade
dirigida a produção de um resultado. Há dolo quando há vontade consciente de querer praticar a infração penal.
A consciência é considerada um elemento cognitivo, ao passo que a vontade é considerada como um elemento
volitivo. Essa teoria foi adotada pelo art.18, I, primeira parte, do CP.

63
- Teoria do consentimento (assentimento): segunda esta teoria, atua com dolo aquele que, antevendo como
possível resultado lesivo com a prática de sua conduta, mesmo não o querendo de forma direta, não se importa
com a sua ocorrência, assumindo o risco de vir a produzi-lo. O agente não quer o resultado diretamente, mas o
entende como possível e o aceita. Essa foi a teoria adotada em relação ao dolo eventual (art.18, II, segunda
parte, do CP).
- Teoria da representação: haverá dolo toda vez que o agente tiver a previsão do resultado como possível de
acontecer e, ainda assim, decidir pela continuidade da conduta. Não se deve perquirir se o agente havia
assumido o risco de produzir o resultado ou se, mesmo o prevendo como possível, acreditava sinceramente na
sua não ocorrência. Segundo esta teoria, não há distinção entre dolo eventual e culpa consciente, pois que a
antevisão do resultado leva à responsabilização do agente a título de dolo.
- Teoria da probabilidade: é uma teoria que se aplica ao dolo eventual, mas que não é adotada pelo Brasil. É
uma teoria que trabalha com dados estatísticos, é dizer, se de acordo com determinado comportamento
praticado pelo agente houvesse, estaticamente, grande probabilidade de ocorrência do resultado, estaríamos
diante do dolo eventual.

Pergunta: Quais são as espécies de dolo? O que se entende por dolo indireto? O que se entende por dolo alternativo?
O que se entende por dolo direito de segundo grau? PONTO 3.

R: Costuma-se distinguir o dolo em direto e indireto. O dolo direto (ou determinado), por sua vez, se subdivide
em dolo direto de primeiro grau e dolo direto de segundo grau. O dolo indireto (ou indeterminado), a seu turno,
pode ser dividido em dolo eventual e dolo alternativo.
- Dolo direto: é o dolo previsto na primeira parte do art.18, I, do CP. Nesta modalidade, o agente pratica sua
conduta dirigindo-a finalisticamente à produção de um resultado por ele incialmente pretendido. O dolo direto
em relação ao fim proposto e aos meios escolhidos é classificado como de primeiro grau, ao passo que em
relação aos efeitos colaterais representados como necessários, é classificado como segundo grau. Ex.: o agente
coloca uma bomba no avião no assento de “B”, visando mata-lo. Em relação a “B”, seu dolo será direto, mas em
relação aos demais passageiros, que também morrerão com a explosão da bomba, diz-se que o dolo do agente
foi de segundo grau. Neste exemplo, a certeza da morte dos demais passageiros (efeitos colaterais ou
concomitantes) faz com que o dolo do agente seja tido como direto e de segundo grau.
O dolo direto de primeiro grau é também chamado de dolo imediato, ao passo que o dolo direto de segundo
grau é também conhecido como dolo mediato ou dolo de consequências necessárias.
- Dolo indireto: o agente, com a sua conduta, não busca resultado certo e determinado. O dolo indireto pode ser
alternativo ou eventual.
O dolo indireto alternativo apresenta-se quando o aspecto volitivo do agente se encontra direcionado de
maneira alternativa, seja em relação ao resultado ou em relação à pessoa contra o qual o crime é cometido. O
agente prevê dois resultados, mas se satisfaz com um ou outro. Quando a alternatividade disser respeito ao
resultado, fala-se em alternatividade objetiva; quando estiver ligada à pessoa, fala-se em alternatividade
subjetiva. Ex.: o agente efetua disparos conta a vítima querendo matá-la ou feri-la (alternatividade objetiva).
Ex2.: agente que efetua disparos contra duas pessoas, querendo matar uma ou outra (alternatividade subjetiva).
Dolo indireto eventual: fala-se em dolo eventual quando o agente, embora não querendo diretamente praticar a
infração penal, não se abstém de agir e, com isso, assume o risco de produzir o resultado que por ele já havia
sido previsto e aceito. O dolo eventual significa que o autor considera seriamente como possível a realização do
resultado e se conforma com ela.

Pergunta: Explique o dolo geral. PONTO 3.

R: Fala-se em dolo geral quando o autor acredita já haver consumado o delito, sendo certo que, na realidade, o
resultado somente se produz por uma ação posterior, com a qual o agente buscava encobrir os fatos. Em outras
palavras, fala-se em dolo geral quando o agente, julgando ter obtido o resultado intencionado, pratica segunda
ação com diverso propósito e só então é que efetivamente o dito resultado se produz.
Ex.: agente que, agindo com dolo de matar, desfere tiros na vítima. Achando que a vítima já está morta, o
agente joga seu corpo no mar, vindo a vítima, em realidade, morrer por afogamento.
A principal questão está em saber se o agente praticou duas condutas, devendo responder por dois resultados
(no exemplo acima, tentativa de homicídio e homicídio culposo) ou se responderia apenas por uma conduta e
um resultado (no caso, homicídio doloso). Segundo Welzel, existira apenas uma conduta e um resultado, já que

64
o agente teria atuado com aquilo que se denomina de dolo geral, que acompanhou a ação do indivíduo em
todos os instantes, até a efetivação do resultado desejado ab initio.
O dolo geral é uma hipótese de erro de tipo acidental, no qual a falsa noção da realidade recai sobre dados não
essenciais do tipo penal. O agente deseja praticar um crime, mas nem tudo ocorre conforme o planejado.
Dentro das diversas espécies de erro de acidental, o dolo geral seria um erro sobre o nexo de causalidade,
também chamado de aberratio causae.
No erro sobre o nexo de causalidade (aberratio causae), o sujeito deseja praticar um crime por meio de um nexo
de causalidade, mas, na verdade, acaba praticando esse crime por outro nexo de causalidade. Ex: o agente
deseja matar seu inimigo no lago por afogamento. Depois, por meio de perícia, constata-se que a vítima morreu
por bater a cabeça na pedra que tinha no lago. O agente será responsabilizado do jeito que os fatos realmente
aconteceu. Aqui é que reside o dolo geral.

Pergunta: Quais as espécies de dolo adotado pelo finalismo? PONTO 3.

R: O finalismo admite o dolo direto, subdividido em dolo direto de primeiro grau e de segundo grau. Admite,
ainda, o dolo indireto, que se divide em dolo eventual e dolo alternativo. Admite, também, o dolo geral. Todos
explicados acima.
O finalismo, como teoria que sucedeu a teoria neoclássica, abandonou o conceito de dolo normativo. O dolo
normativo é adotado pela teoria psicológica normativa da culpabilidade (de base neokantista), sendo um
elemento integrante da culpabilidade, e tem como requisitos a consciência, a vontade e a consciência atual da
ilicitude (que é o elemento normativo do dolo).

Pergunta: Homicídio praticado na direção de veículo automotor por motorista sob os efeitos de álcool é considerado
homicídio doloso ou culposo? Explique. Qual o posicionamento dos Tribunais Superiores? PONTO 3.

R: O tema é controvertido. Para parte da doutrina, a hipótese sempre configuraria dolo eventual, porque aquele
que se embriaga assume o risco da produção do resultado lesivo. Outro entendimento entende que deve ser
analisada as circunstâncias e peculiaridades do caso concreto, sendo possível concluir tanto pelo dolo eventual
como pela culpa consciente.
De acordo com STF (decisão de 2011), o homicídio na forma culposa na direção de veículo automotor prevalece
se a capitulação atribuída ao fato como homicídio doloso decorre de mera presunção perante a embriaguez
alcoólica eventual. A responsabilização dolosa pela morte em direção de veículo automotor, estando o condutor
embriagado, pressupõe que a pessoa tenha se embriagado com o intuito de praticar o crime.
Ementa: PENAL. HABEAS CORPUS. TRIBUNAL DO JÚRI. PRONÚNCIA POR HOMICÍDIO QUALIFICADO A TÍTULO DE
DOLO EVENTUAL. DESCLASSIFICAÇÃO PARA HOMICÍDIO CULPOSO NA DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR.
EMBRIAGUEZ ALCOÓLICA. ACTIO LIBERA IN CAUSA. AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DO ELEMENTO VOLITIVO.
REVALORAÇÃO DOS FATOS QUE NÃO SE CONFUNDE COM REVOLVIMENTO DO CONJUNTO FÁTICO-
PROBATÓRIO. ORDEM CONCEDIDA. 1. A classificação do delito como doloso, implicando pena sobremodo
onerosa e influindo na liberdade de ir e vir, mercê de alterar o procedimento da persecução penal em lesão à
cláusula do due process of law, é reformável pela via do habeas corpus. 2. O homicídio na forma culposa na
direção de veículo automotor (art. 302, caput, do CTB) prevalece se a capitulação atribuída ao fato como
homicídio doloso decorre de mera presunção ante a embriaguez alcoólica eventual. 3. A embriaguez alcoólica
que conduz à responsabilização a título doloso é apenas a preordenada, comprovando-se que o agente se
embebedou para praticar o ilícito ou assumir o risco de produzi-lo. 4. In casu, do exame da descrição dos fatos
empregada nas razões de decidir da sentença e do acórdão do TJ/SP, não restou demonstrado que o paciente
tenha ingerido bebidas alcoólicas no afã de produzir o resultado morte. 5. A doutrina clássica revela a virtude da
sua justeza ao asseverar que “O anteprojeto Hungria e os modelos em que se inspirava resolviam muito melhor
o assunto. O art. 31 e §§ 1º e 2º estabeleciam: 'A embriaguez pelo álcool ou substância de efeitos análogos,
ainda quando completa, não exclui a responsabilidade, salvo quando fortuita ou involuntária. § 1º. Se a
embriaguez foi intencionalmente procurada para a prática do crime, o agente é punível a título de dolo; § 2º. Se,
embora não preordenada, a embriaguez é voluntária e completa e o agente previu e podia prever que, em tal
estado, poderia vir a cometer crime, a pena é aplicável a título de culpa, se a este título é punível o fato”.
(Guilherme Souza Nucci, Código Penal Comentado, 5. ed. rev. atual. e ampl. - São Paulo: RT, 2005, p. 243). (HC
107801, Relator(a): Min. CÁRMEN LÚCIA, Relator(a) p/ Acórdão: Min. LUIZ FUX, Primeira Turma, julgado em
06/09/2011, PROCESSO ELETRÔNICO DJe-196 DIVULG 11-10-2011 PUBLIC 13-10-2011 RJTJRS v. 47, n. 283, 2012,
p. 29-44)
STJ:

65
AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. PENAL. CRIME DE HOMICÍDIO QUALIFICADO. CONDUÇÃO DE
VEÍCULO AUTOMOTOR SOB A INFLUÊNCIA DE ÁLCOOL E ACIMA DA VELOCIDADE PERMITIDA. PLEITO DE
EXCLUSÃO DO DOLO EVENTUAL. PRETENSÃO QUE DEMANDA ANÁLISE DO CONJUNTO FÁTICO-PROBATÓRIO.
IMPOSSIBILIDADE. COMPATIBILIDADE ENTRE TENTATIVA E DOLO EVENTUAL. AGRAVO REGIMENTAL
DESPROVIDO. 1. As circunstâncias delineadas na pronúncia podem caracterizar o dolo eventual, já que é
possível que o agente tenha assumido o risco de produzir o resultado morte, ainda que sem intenção de
provocar o dano, mas com ele consentindo. 2. Nesse contexto, mostra-se inviável examinar o conjunto fático-
probatório dos autos para avaliar se o elemento subjetivo caracterizador do dolo eventual estaria presente na
conduta do agente. Incidência do óbice da Súmula n.º 7 do Superior Tribunal de Justiça. 3. Esta Corte Superior
de Justiça já se posicionou no sentido da compatibilidade entre o dolo eventual e o crime tentado. Precedentes.
4. Decisão agravada que se mantém pelos seus próprios fundamentos. 5. Agravo regimental desprovido. (AgRg
no REsp 1199947/DF, Rel. Ministra LAURITA VAZ, QUINTA TURMA, julgado em 11/12/2012, DJe 17/12/2012)

Pergunta: Quais os requisitos para a configuração de um crime culposo? PONTO 3.

R: Elementos do crime culposo:


(1) Inobservância do dever objetivo de cuidado (negligência, imperícia e imprudência);
(2) Existência de um resultado naturalístico, que é chamado de componente de azar. Exceções: art. 63, §2º, do
CDC e art.38 da Lei 11.343/06 – são crimes culposos que dispensam a existência de um resultado naturalístico.
(3) Previsibilidade objetiva (segundo o entendimento majoritário, a previsibilidade subjetiva deve ser valorada
na culpabilidade);
(4) Nexo de causalidade entre conduta e resultado;
(5) Além do nexo causal, existe outro tipo de nexo, que é o nexo de determinação, que significa dizer que a
culpa do agente deve ter sido determinante na produção do resultado. Se, mesmo agindo com culpa, o
resultado fosse inevitável, isto significa dizer que a culpa não foi determinante na produção do resultado. Esse
elemento também é chamado de evitabilidade.

Pergunta: O que se entende por culpa imprópria? PONTO 3.

R: Fala-se em culpa imprópria nas hipóteses das chamadas discriminantes putativas em que o agente, em
virtude de erro evitável pelas circunstâncias, dá causa dolosamente a um resultado, mas responde como se
tivesse praticado um delito culposo. A culpa imprópria está positiva na parte final do §1º do art.20 do CP.

Pergunta: É possível coautoria em crimes culposos? PONTO 3.

R: O tema é controvertido. Duas correntes: (1) No crime culposo não há concurso de pessoas, pois liame
subjetivo só existe em crimes dolosos. Concurso de pessoas são duas pessoas unidas pelo mesmo fim,
praticando a mesma conduta. Assim, cada um responderia pela violação do próprio dever de cuidado,
lembrando os crimes omissivos. Ex.: duas pessoas carregam uma viga sem os devidos cuidados, sendo que a viga
cai sobre uma pessoa e mata ela. Cada um violou seu próprio dever de cuidado, produzindo um resultado
culposo. (2) É possível coautoria em crime culposo. Sempre que existir uma divisão de tarefas entre os agentes e
o resultado naturalístico for a soma da inobservância de dois deveres de cuidado, haverá coautoria. Nesta
hipótese, haveria liame subjetivo na inobservância do dever de cuidado. Assim, seria possível coautoria em
crimes culposos. Essa segunda corrente é a majoritária no Brasil.

Pergunta: É possível participação em crimes culposos? PONTO 3.

R: De forma bastante majoritária, não se admite participação em crime culposo. Havendo a violação de um
dever objetivo de cuidado, esse comportamento será considerado uma conduta típica. Assim, esse agente será
coautor ou autor de um crime culposo, a depender da corrente que se adote (as duas correntes acima). Os
crimes culposos são abertos, pois não existe uma forma única de violar um dever objetivo de cuidado. Ex.: “A”
instiga uma pessoa a dirigir culposamente, o que gera o atropelamento de um pedestre. Os dois (instigador e
motorista) responderão pelo homicídio culposo. A principal questão está em saber se eles serão coautores ou se
cada um cometeu um crime culposo próprio.
Alguns autores falam ainda em participação dolosa em crime culposo. Essa forma de participação também não é
admitida pela doutrina brasileira. A doutrina entende que essa hipótese seria de erro determinado por terceiro
(art.20, §2º, do CP). O terceiro, que “participou” dolosamente, responderia por crime doloso, ao passo que o
agente que praticou a conduta responderia por crime culposo. Ex.: “A”, desejando matar “C”, entrega a “B” uma

66
arma, fazendo-o supor que ela está descarregada e induzindo-o a acionar o gatilho na direção de “C”. “B”, de
forma imprudente, aciona o gatilho e mata “C”.

Pergunta: É possível participação em crime omissivo? PONTO 3.

R: Primeiramente, é importante citar a posição de Juarez Tavares, para quem não há possibilidade de concurso
de pessoas em nenhuma espécie de crime omissivo, seja ele próprio ou impróprio. Segundo este autor, todo o
preenchimento do dever de agir é pessoal. Ocorre que a doutrina majoritária admite a participação em crimes
omissivos. Essa participação seria uma forma de instigar o agente a não fazer algo que ele estava obrigado a
fazer (podia e devia agir). Sobre esse instigador não poderá recair o dever e a possibilidade de agir, pois, se
assim for, ele será responsabilizado, a depender da corrente que se adote, como autor do seu próprio crime
omissivo ou como coautor do crime omissivo.
Em relação aos crimes omissivos impróprios, Cezar Roberto Bittencourt, por exemplo, admite a participação
nessa espécie de crime omissivo.

Pergunta: O que se entende por delito putativo? PONTO 3.

R: Também chamado de crime putativo, é verificado quando o agente acredita que a conduta por ele praticada
constitui crime, porém, na verdade, é um fato atípico, não havendo qualquer consequência jurídica.

Pergunta: O que se entende por erro de tipo? PONTO 3.

R: Entende-se por erro de tipo aquele que recai sobre as elementares (erro de tipo essencial), circunstâncias ou
qualquer dado que se agregue a determinada figura típica (erro de tipo acidental), ou, ainda, incidente sobre os
pressupostos de fato de uma causa de justificação (erro de tipo permissivo).
O erro de tipo essencial está previsto no art.20, caput, do CP. Em outras palavras, ele seria conceituado como a
falsa representação da realidade, falsa representação sobre uma elementar do tipo penal. Existe uma
incompatibilidade entre aquilo que o agente representa e aquilo que realmente acontece no mundo dos fatos.
O erro de tipo permissivo está previsto no art.20, §1º, do CP, sendo um erro que recai sobre uma causa
excludente da ilicitude. O agente pressupõe existir uma situação de fato que não existe, mas se existisse
tornaria sua ação legítima.

Pergunta: Qual a consequência do reconhecimento do erro de tipo? PONTO 3.

R: De acordo com o art.20, caput, do CP (erro de tipo essencial), tratando-se de erro de tipo invencível, a
consequência será a exclusão do dolo e da culpa e a conduta deixará de ser típica. Sendo vencível, o erro de tipo
excluirá apenas o dolo, permitindo a punição do crime a título de culpa, se for o caso.
Tratando-se de erro de tipo permissivo, aplica-se o art20, §1º, do CP: “É isento de pena quem, por erro
plenamente justificado pelas circunstâncias, supõe situação de fato que, se existisse, tornaria a ação legítima.
Não há isenção de pena quando o erro deriva de culpa e o fato é punível como crime culposo”. (Redação dada
pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

Pergunta: Configura hipótese de crime doloso ou culposo o homicídio praticado durante competição automobilística
não autorizada racha? Qual o entendimento dos tribunais superiores? PONTO 3.

R: Pergunta repetida. É a mesma resposta da 13ª pergunta de Direito Penal.

Pergunta: É admitida tentativa nos crimes culposos? PONTO 3.

R: Em regra não. Mas há a exceção da culpa imprópria.


Basicamente, o crime é culposo quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou
imperícia. Em outras palavras, distingue-se do crime doloso, pois, em regra, não há vontade do agente na
causação do resultado. Nesta modalidade de culpa própria, não há que se falar em tentativa, já que a tentativa
pressupõe que o crime não se consume por circunstâncias alheias à vontade do agente (se não há vontade do
agente, não há tentativa).
Por outro lado, existe a culpa imprópria que se verifica quando o sujeito prevê e quer o resultado, mas atua em
erro vencível. Exemplificando: o agente à noite, ao ouvir barulho em casa, supôs tratar-se de ladrão, dispara
contra o vulto, quando descobre ser um guarda noturno; o guarda não morre. Nesta hipótese, o agente

67
responde por tentativa em crime culposo e isto é possível porque, na verdade, o agente atua com dolo, mas por
questões de política criminal ele é punido a título de culpa. O juiz nesse caso deve aplicar a pena do crime
culposo diminuída de 1/3 a 2/3.

Pergunta: É possível concurso de pessoas nos crimes comissivos por comissão? PONTO 3.

R: O tema é controvertido. O concurso de pessoas se divide em coautoria e participação. Juarez Tavares, por
exemplo, não admite concurso de pessoas (coautoria e participação) em nenhuma espécie de crime omissivo,
seja ele próprio ou impróprio. Cada pessoa violaria o seu próprio dever de agir, de forma que não seria possível
falar em concurso de pessoas. Em relação à coautoria em crimes omissivos, Nilo Batista afirma que ela não é
cabível nos crimes omissivos, próprios ou impróprios, já que o dever de agir é indecomponível e intransferível.
Para Cezar Roberto Bitencourt seria possível o concurso de pessoas (tanto a participação como a autoria) nos
crimes omissivos, sejam eles próprios ou impróprios. Segundo este autor, sempre que for possível a atuação
com vínculo subjetivos será possível falar em concurso de pessoas.

Pergunta: O que se entende por aberratio ictus? PONTO 3.

R: A aberratio ictus, também chamada de erro na execução, está prevista no art.73 do Código Penal: “Art. 73 -
Quando, por acidente ou erro no uso dos meios de execução, o agente, ao invés de atingir a pessoa que
pretendia ofender, atinge pessoa diversa, responde como se tivesse praticado o crime contra aquela,
atendendo-se ao disposto no § 3º do art. 20 deste Código. No caso de ser também atingida a pessoa que o
agente pretendia ofender, aplica-se a regra do art. 70 deste Código”. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de
11.7.1984)

Pergunta: Como compatibilizar o dolo nos crimes de perigo? PONTO 3.

R: Em relação à ofensa ao bem jurídico, os crimes podem ser classificados em crimes de dano ou crimes de
perigo. Os crimes de perigo se dividem em crimes de perigo abstrato (ou de perigo presumido) e crimes de
perigo concreto. Nos crimes de perigo abstrato, o perigo é visualizado pelo legislador ex ante, ou seja, o
legislador comina uma pena à conduta pelo mero fato de considerá-la perigosa, independente da existência de
perigo real no caso concreto. Já nos casos de perigo concreto, a análise do perigo é feita ex post, ou seja, cabe a
verificação se a conduta gerou ou não um perigo de dano no caso concreto. Nos crimes de perigo abstrato, o
dolo se perfaz com a mera vontade e consciência sobre a realização dos elementos do tipo penal. Já nos crimes
de perigo concreto, o dolo é preenchido com a vontade e consciência de, além da prática dos elementos do tipo
penal, efetivamente colocar o bem jurídico em risco.

Pergunta: O Direito Penal admite a concorrência de culpa? PONTO 3.

R: Existem dois institutos que se diferenciam: a compensação e a concorrência de culpas. A compensação de


culpa não é admitida pelo direito penal brasileiro. Se dois agente, dirigindo de forma imprudente, colidem entre
si e causam lesões corporais um no outro, os dois responderão por lesão corporal culposa. A culpa de um não se
compensa com a culpa do outro. Por outro lado, autores como Rogério Greco admitem a concorrência de culpa
como um critério de valoração de quantidade de pena a ser aplicada. No exemplo do acidente de carro, o
comportamento do agente/vítima poderá ser levando em consideração quando da análise das circunstancias
judicias, previstas no art.59 do CP. Trata-se da análise do comportamento da vítima que, de forma culposa,
concorreu para o resultado.

CONSTITUCIONAL

- Mecanismos de participação do cidadão são sempre de forma direta?

R.: Não. A participação do cidadão pode ocorrer de forma direta ou indireta. O primeiro caso contempla as
hipóteses de plebiscito, referendo, iniciativa popular de lei, direito de petição ou ação popular, hipóteses em
que o cidadão diretamente participa dos rumos políticos do Estado. No caso de participação indireta, tem-se a
hipótese do sufrágio, exercido pelo voto, em que o cidadão elege representantes para que estes ditem os rumos
68
políticos do Estado. Em outras palavras, o cidadão não participa diretamente da formação da vontade política,
mas por meio de representantes eleitos.

- A desobediência civil é um modo de participação?

R.: (OBS: NÃO ACHEI NADA TRATANDO DESSE ASSUNTO. RESPOSTA QUE EU DARIA) Entendo que não. A
desobediência civil invariavelmente se caracteriza pelo descumprimento de uma norma imperativa. O equilíbrio
social num Estado Democrático de Direito depende da obediência dos cidadãos aos ditames legais criados por
vontade do próprio povo, por meio de seus representantes decomacraticamente eleitos. Entender a
desobediência civil como uma forma de participação é chancelar o descumprimento das regras sociais eleitas
como essenciais ao convívio harmônico em sociedade.
Sem prejuízo disso, entendo que a desobediência civil pode ser enquadrada como uma forma de expressão, mas
se exercida em contrariedade à lei deve o responsável pelo ato sofrer as consequências pertinentes.

- As atuais manifestações são uma forma de participação popular no governo?

R.: (OBS: NÃO ACHEI NADA TRATANDO DESSE ASSUNTO. RESPOSTA QUE EU DARIA) Entendo que não. As
manifestações populares são uma forma de exercício legítimo do direito de expressão. Contudo, vivemos em
um Estado Democrático de Direito, cuja Constituição, como lei fundamental da sociedade e do Estado, vincula a
todos, poder público e particulares. Dessa forma, para que o povo participe da formação da vontade estatal é
necessário que sejam utilizados os instrumentos que a própria Constituição prevê como legítimos ao exercício
desse poder, sob pena de instaurar o caos e a desordem.

Pergunta: Defina Democracia e Estado de Direito no Brasil (prova passada). PONTO 3.

R: A Democracia se insere dentro de um gênero chamado de Regime Político. O Regime Político é conceituado
como um conjunto de normas, processos e práticas, segundo os quais, em determinado território, os homens
são governados. O Regime Político indica o grau de participação popular na formação da vontade política do
Estado. O Regime Político (gênero) abarca diversas espécies, dentre as quais se destacam a Democracia e a
Ditadura.
A Democracia (do grego: demo – povo; cracia – poder) é o regime político no qual todo o poder político emana
do povo, que o exerce por meios de seus representantes (democracia representativa) ou diretamente
(democracia direta). Assim, o grau de participação popular é a máxima possível. Em célebre frase proferida pelo
ex-presidente norte-americano Abraham Lincoln, a democracia foi definida como “o governo do povo, pelo povo
e para o povo”.
A Democracia é classifica em:
Democracia direta: o povo exerce diretamente os poderes governamentais (o povo legisla, julga e administra).
Era um regime que predominava na Antiguidade, principalmente em Atenas. Na atualidade, a doutrina
constitucionalista costuma apontar como exemplo de democracia direta os Cantões da Suíça.

Democracia representativa (indireta): o povo exerce os poderes governamentais através de representantes por
ele escolhidos.

Democracia semidireta: é uma mistura de democracia direta com a democracia representativa. O poder político
é exercido pelos representantes do povo, mas, em diversas situações, o povo participa diretamente na tomada
de decisões. É o caso do Brasil. Exemplos de manifestação direta do povo: plebiscito, referendo, iniciativa
legislativa popular e ação popular. Existem outras duas formas de participação direta do povo, embora não
existam no sistema brasileiro: o recall (que é a revogação do mandato eletivo) e o veto popular (faculdade
conferida ao povo de recusar uma lei já promulgada).

Conceito de Ditadura: é o regime político no qual o poder político é concentrado nas mãos de uma única pessoa
ou de um grupo social, sem que haja participação do povo nas escolhas políticas.
A origem do Estado de Direito remonta à Revolução Francesa (1789), na qual o “Terceiro Estado” (calasse
formada pela burguesia) reivindica, frente ao “Primeiro Estado” (classe formada pelo Clero) e ao “Segundo
Estado” (classe formada pela Nobreza), melhores condições de vida e uma participação politica mais ativa nas
69
decisões politicas do Estado. Como essas reivindicações não foram atendidas, o Terceiro Estado deu início à
Revolução Francesa e declarou-se em Assembleia Constituinte, promulgando a Declaração de Direitos do
Homem e do Cidadão e, posteriormente, a própria Constituição Francesa. Esses dois diplomas normativos
visavam, principalmente, limitar o poder político dos governantes, garantindo uma série de direitos e garantias
fundamentais aos cidadãos, o que veio a ser o início daquilo que se denomina de Estado de Direito, no qual o
próprio Estado está submetido aos limites estabelecidos pelo ordenamento jurídico, principalmente pelas
normas constitucionais.
O Estado de Direito possui as seguintes características: (1) asseguramento de direitos e garantias fundamentais
a todos os cidadãos na sociedade, sem distinção de classe ou sem concessão de benefícios a determinados
grupos; (2) necessidade de uma Constituição, que será a espécie normativa adequada onde deverão estar
previstos os direitos e garantias fundamentais; (3) separação dos poderes, que é uma técnica utilizada para
evitar a concentração de poderes em um único governante; (4) o povo passa a ser o titular do poder, o que se
denomina de soberania popular.

Pergunta: Fale sobre a Teoria da Separação dos Poderes (prova passada). PONTO 3.

R: A Separação de Poderes é uma técnica de desconcentração do poder político, que tem como finalidade evitar
que ele seja exercido por um único governante, o que era próprio de Estados Absolutos. Na verdade, o poder
político é uno, sendo mais correto falar em separação de funções, que devem ser exercidas de forma autônoma
e harmônicas, quais sejam: legislativa, administrativa e jurisdicional (art.2º da CF/88). A Separação de Poderes é
uma das características dos Estados de Direito, nos quais se busca limitar o exercício do poder político e garantir
direitos fundamentais aos cidadãos. No Brasil, a Separação de Poderes é uma cláusula pétrea, prevista no art.60,
§4º, III, da CRFB. Outro instituto ligado à Separação de Poderes é o sistema de freios e contrapesos (checks and
balances), no qual a própria Constituição Federal prevê mecanismos de controle de uma função sobre a outra,
como é o caso do controle externo exercido pelos Tribunais de Contas.

Pergunta: O que são direitos políticos? PONTO 3.

R: Os direitos políticos são direitos fundamentais próprios do homem-cidadão, porque titularizados e exercidos
por pessoas que participam da vida política e da organização governamental e administrativa do Estado
Democrático. Os direitos políticos nada mais são que instrumentos por meios dos quais a Constituição Federal
garante o exercício da soberania popular, atribuindo poderes aos cidadãos para interferirem na condução da
coisa pública, seja direta, seja indiretamente.

Pergunta: Os direitos políticos são contemplados na legislação e na doutrina? PONTO 3.

R: Sim. Na legislação é possível citar os seguintes diplomas normativos: a CF/88, o Código Eleitoral e as Leis
9504/97 e a lei 9096/90. A doutrina também contempla dos direitos políticos, fazendo uma distinção entre
direitos políticos positivos e negativos. Os direitos políticos positivos são aqueles referentes à capacidade de
votar e ser votado, tendo como núcleo o sufrágio, que é o instrumento de participação popular na organização
da atividade estatal. Os direitos políticos negativos, como ressalta Pedro Lenza, “individualizam-se ao definirem
formulações constitucionais restritivas e impeditivas das atividades político-partidárias, privando o cidadão do
exercício de seus direitos políticos”. São as chamadas inelegibilidades, bem como as situações em que há
privação dos direitos políticos (perda e suspensão dos direitos políticos).
Utilizando a classificação estabelecida por Uadi Lammêgo Bulos, temos a seguinte divisão dos direitos políticos:
a) quanto à modalidade de exercício em: (1) direitos políticos ativos: ligados à capacidade eleitoral ativa, tais
direitos se exteriorizam por meio do voto; (2) direitos políticos passivos: ligados à capacidade eleitoral passiva,
esses direitos traduzem o direito eleitoral de ser votado.
b) quanto ao modo de participação no processo político eleitoral: (1) direitos políticos positivos: denominação
doutrinária ampla que envolve elementos das categorias supra estudadas (direito de votar e ser votado); (2)
direitos políticos negativos: é a perda definitiva ou temporária dos direitos políticos.

Pergunta: O que se entende por democracia participativa? PONTO 3.

70
R: Democracia participativa é sinônima de democracia semidireta ou mista. Democracia participativa é a junção
de democracia direta com a democracia representativa. O poder político é exercido pelos representantes do
povo, mas, em diversas situações, o povo participa diretamente na tomada de decisões. É o caso do Brasil.
Exemplos de manifestação direta do povo: plebiscito, referendo, iniciativa legislativa popular e ação popular.

Pergunta: Existe hipótese de perda ou cassação de direitos políticos no Brasil? PONTO 3.

R: Art.15 da CRFB. É vedada a cassação de direitos políticos, que consiste na perda definitiva desses direitos,
sem possibilidade de readquiri-los. A perda, por sua vez, é autorizada expressamente pela Constituição Federal
e consiste na privação temporária dos direitos políticos, que poderão, no futuro, ser readquiridos através de
processo próprio e por provocação do interessado, ou seja, sua reaquisição não é automática. A CF/88 não
indica com precisão quais seriam as hipóteses de perda e quais seriam as hipóteses de suspensão. Existem duas
correntes sobre o tema: (1) A perda somente está prevista no inciso I e as demais seriam hipóteses de
suspensão de direitos políticos. (2) As hipóteses de perda são aquelas previstas nos incisos I e IV, sendo as
demais hipóteses de suspensão.

Pergunta: É possível a reaquisição de direitos políticos? PONTO 3.

R: Sim. A Constituição Federal vedou apenas a cassação dos direitos políticos, que consiste em sua perda
definitiva, sem possibilidade de readquiri-los no futuro. Por outro lado, a norma constitucional permitiu a perda
e a suspensão dos direitos políticos, que são restrições temporárias ao exercício desses direitos. Sendo
restrições temporárias, torna-se possível sua reaquisição no futuro.
Primeiramente, a perda ocorre por prazo indeterminado (o que não quer dizer definitivo), ao passo que a
suspensão pode ocorrer por prazo determinado ou indeterminado. Por outro lado, a perda permite, sim, a
reaquisição dos direitos políticos, mas essa reaquisição não se dá de forma automática (é preciso se alistar
novamente como eleitor). Ao revés, a suspensão permite a reaquisição automática dos direitos políticos. Por
exemplo: a condenação criminal transitada em julgado é causa de suspensão, pois, uma vez cessada a
condenação, a pessoa readquire automaticamente os direitos políticos. Já no caso do cancelamento da
naturalização (hipótese de perda), mesmo que a pessoa consiga anular o cancelamento da naturalização, será
necessário alistar-se novamente como eleitor (pois a reaquisição dos direitos não é automática.

Pergunta: Distinga sufrágio, voto e escrutínio. PONTO 3.

R: O sufrágio é o direito público subjetivo político que permite ao cidadão participar da formação da vontade
nacional. É a essência dos direitos políticos e não se esgota no direito de votar e de ser votado. O voto é apenas
uma das formas pelas quais o sufrágio é exercido. O sufrágio já foi censitário, quando as pessoas eram
discriminadas em razão da sua renda e, durante a Carta Imperial e a CF Republicana de 1891, os mendigos
foram excluídos da vida política. Já o sufrágio capacitário exige a capacidade intelectual para que haja a
participação política. Os analfabetos só conquistaram o direito ao voto em 1985 e as mulheres só passaram a
votar em sede constitucional em 1934. Em 1988, o sufrágio se tornou universal, banindo o preconceito na vida
política do Estado. Entretanto, as discriminações positivas são permitidas, pois a vida política também exige
amadurecimento. Daí o porquê de ser possível votar aos 16 anos, ao passo que não se permite que nessa idade
o indivíduo se candidate a qualquer cargo eletivo. O escrutínio é a forma do voto, que pode ser direto, indireto,
aberto, secreto etc. No Brasil, o voto é direto, secreto, universal e periódico (art.60, §4º, II, da CRFB).

Pergunta: O que se entende por nacionalidade? Qual o critério adotado pelo Brasil para atribuição da nacionalidade
brasileira? PONTO 3.

R: Nacionalidade é um status do indivíduo perante o Estado. É o vínculo que liga uma pessoa a determinado
Estado. Segundo Pontes de Miranda, “é o vinculo de natureza jurídico política permanente que torna uma
pessoa parte integrante da dimensão pessoal do Estado por ser nato ou naturalizado”. Para Nelson Oscar de
Souza: “nacionalidade constitui o laço jurídico que liga as pessoas a uma determinada sociedade política”. É
direito fundamental que une o indivíduo a um determinado Estado. Sob essa ótica, a pessoa é nacional ou
estrangeira (Roberto Moreira de Almeida).
Doutrinariamente, a nacionalidade brasileira é dividida em: primária (ou originária) e secundária ou adquirida.

71
A nacionalidade primária, também conhecida como originária, é inerente ao brasileiro nato, resultante do
nascimento, e é estabelecida através de critérios sanguíneos, territoriais ou ambos.
O Estado brasileiro adota dois critérios para a atribuição de nacionalidade originária, sendo eles o (a) ius
sanguinis, que atribui a nacionalidade brasileira a todo descendente de brasileiro, independente do local do
nascimento, desde que respeitados os critérios preestabelecidos na Constituição Federal e (b) ius solis, que
atribui a nacionalidade brasileira àqueles que nascerem no território brasileiro, independente da nacionalidade
de seus ascendentes.
Já a nacionalidade secundária ou adquirida é típica dos brasileiros naturalizados, que a adquirem por vontade
própria, após o nascimento. Para que ela seja concedida, é necessária a observância de determinadas condições,
tais como exercício de profissão ou posse de bens suficientes à manutenção própria e da família, ser registrado
como permanente no Brasil, ler e escrever a língua portuguesa, dentre outras.
As formas de aquisição da nacionalidade brasileira, nato ou naturalizado, estão previstas no art.12 da CRFB.
Art. 12. São brasileiros:
I - natos:
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde que estes não estejam a
serviço de seu país;
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que qualquer deles esteja a serviço da
República Federativa do Brasil;
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em repartição
brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo,
depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
54, de 2007)
II - naturalizados:
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de países de língua
portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral;
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do Brasil há mais de quinze
anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasileira. (Redação dada
pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)

Pergunta: Povo e população são sinônimos? PONTO 3.

R: O povo consiste na totalidade de nacionais de um Estado.


Já a população é o conjunto de indivíduos que habitam um determinado país, estado-membro, município ou
região. É conceito mais amplo que povo. A população abrange os nacionais e estrangeiros que habitam
determinado território.

Pergunta: Qual a natureza jurídica do voto? PONTO 3.

R: O voto é uma das formas de exercício dos direitos políticos (sufrágio). Além disso, no Brasil, para aqueles que
obrigatoriamente devem votar, o voto é entendido também como um dever jurídico.

Pergunta: O que se entende por voto censitário? PONTO 3.

R: O Voto censitário era a concessão do direito do voto apenas àqueles cidadãos que possuíam certos critérios
que comprovassem uma situação financeira satisfatória. Hoje, no Brasil, o direito de voto é universal,
independente de renda, raça ou religião, o que é mais democrático, havendo apenas a fixação de idade mínima
para votar, que é de 16 anos.

Pergunta: A obrigatoriedade do voto é cláusula pétrea? PONTO 3.

R: Devemos encontrar a resposta para o questionamento no art. 60, §4º, CF, que enumera as cláusulas pétreas
da Constituição. Diz o supracitado artigo que a proposta de emenda tendente a abolir o voto direto, secreto,
universal e periódico não será objeto de deliberação (inciso II). Como se pode concluir da leitura do referido
inciso, a obrigatoriedade do voto não constitui cláusula pétrea.

Pergunta: Distinga plebiscito e referendo. PONTO 3.

72
R: Plebiscito e referendo são consultas ao povo para decidir sobre matéria de relevância para a nação em
questões de natureza constitucional, legislativa ou administrativa. A principal distinção entre eles é a de que o
plebiscito é convocado previamente à criação do ato legislativo ou administrativo que trate do assunto em
pauta, e o referendo é convocado posteriormente, cabendo ao povo ratificar ou rejeitar a proposta. Ambos
estão previstos no art. 14 da Constituição Federal e regulamentados pela Lei nº 9.709, de 18 de novembro de
1998.

Pergunta: O Ministério Público pode ser titular da ação popular? PONTO 3.

R: Inicialmente a ação popular somente poderá ser ajuizada por quem é cidadão, que é o nacional que não está
com seus direitos políticos perdidos ou suspensos. Porém, deve-se tomar cuidado com o art. 9º da Lei 4717/65:
“Se o autor desistir da ação ou der motiva à absolvição da instância, serão publicados editais nos prazos e
condições previstos no art. 7º, inciso II, ficando assegurado a qualquer cidadão, bem como ao representante do
Ministério Público, dentro do prazo de 90 (noventa) dias da última publicação feita, promover o prosseguimento
da ação”.

Pergunta: Qual o objeto da ação popular? PONTO 3.

R: O objeto da ação popular são os atos ilegais ou imorais lesivos ao patrimônio público (art.5º, LXXIII, da CRFB).
O patrimônio público a ser protegido na ação popular pode ser tanto o patrimônio material como o patrimônio
imaterial. Os atos administrativos objetos da ação popular podem ser tanto atos administrativos vinculados ou
discricionários. Não cabe ação popular contra: a) atos normativos em tese, a teor da súmula 266 do STJ, que
pode ser aplicada também para a ação popular; b) atos jurisdicionais (STF, Pet 2018 AgR / SP), salvo se for ato
judicial homologatório (STJ, Resp 536762/RS); atos políticos como, por exemplo, o veto do Poder Executivo a um
projeto de lei.

Pergunta: É possível legitimação passiva ulterior na ação popular? Poderia configurar hipótese de mitigação do
princípio da estabilização da demanda? PONTO 3.

R: O princípio da estabilização da demanda é previsto no art. 264 do CPC, que possui a seguinte redação:
“Art. 264. Feita a citação, é defeso ao autor modificar o pedido ou a causa de pedir, sem o consentimento do réu,
mantendo-se as mesmas partes, salvo as substituições permitidas por lei. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de
1º.10.1973)
Parágrafo único. A alteração do pedido ou da causa de pedir em nenhuma hipótese será permitida após o
saneamento do processo. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)”
O polo passivo da ação popular é regulado pelo art.6º da lei 4717/65:
Art. 6º A ação será proposta contra as pessoas públicas ou privadas e as entidades referidas no art. 1º, contra as
autoridades, funcionários ou administradores que houverem autorizado, aprovado, ratificado ou praticado o ato
impugnado, ou que, por omissão, tiverem dado oportunidade à lesão, e contra os beneficiários diretos do
mesmo.
§ 1º Se não houver benefício direto do ato lesivo, ou se for ele indeterminado ou desconhecido, a ação será
proposta somente contra as outras pessoas indicadas neste artigo.
§ 2º No caso de que trata o inciso II, item "b", do art. 4º, quando o valor real do bem for inferior ao da
avaliação, citar-se-ão como réus, além das pessoas públicas ou privadas e entidades referidas no art. 1º, apenas
os responsáveis pela avaliação inexata e os beneficiários da mesma.
§ 3º A pessoa jurídica de direito público ou de direito privado, cujo ato seja objeto de impugnação, poderá
abster-se de contestar o pedido, ou poderá atuar ao lado do autor, desde que isso se afigure útil ao interesse
público, a juízo do respectivo representante legal ou dirigente.
§ 4º O Ministério Público acompanhará a ação, cabendo-lhe apressar a produção da prova e promover a
responsabilidade, civil ou criminal, dos que nela incidirem, sendo-lhe vedado, em qualquer hipótese, assumir a
defesa do ato impugnado ou dos seus autores.
§ 5º É facultado a qualquer cidadão habilitar-se como litisconsorte ou assistente do autor da ação popular.

Em relação à legitimidade passiva ulterior, é possível citar art.7º, §2º, III: “Qualquer pessoa, beneficiada ou
responsável pelo ato impugnado, cuja existência ou identidade se torne conhecida no curso do processo e antes
de proferida a sentença final de primeira instância, deverá ser citada para a integração do contraditório, sendo-

73
lhe restituído o prazo para contestação e produção de provas, salvo, quanto a beneficiário, se a citação se
houver feito na forma do inciso anterior”.
Em relação às partes, a estabilização da demanda ocorre com a citação, salvo nas hipóteses previstas em lei. O
caso é justamente uma dessas hipóteses excepcionadas pela legislação.

Pergunta: O Ministério Público tem legitimidade para juntar documentos à ação popular? PONTO 3.

R: De acordo com o art.83, II, do CPC: “Intervindo como fiscal da lei, o Ministério Público: (...) II - poderá juntar
documentos e certidões, produzir prova em audiência e requerer medidas ou diligências necessárias ao
descobrimento da verdade”.

Pergunta: Como se define a competência para o julgamento da ação popular? PONTO 3.

R: De acordo com o artigo 5º da Lei 4.717/65, que regula a ação popular, a competência para julgamento da
ação popular é determinada pela origem do ato lesivo a ser anulado, via de regra, do juízo competente de
primeiro grau, conforme as normas de organização judiciária.
O STJ, no julgamento do CC 47.950/DF, afirmou que a lei 4717/65 não especifica qual é o foro em que a ação
popular deverá ser ajuizada. No caso, em atenção ao princípio do acesso à justiça, o STJ resolveu por fixar a
competência tendo como critério o foro do domicílio do autor.

Pergunta: Existe reexame necessário da sentença proferida em ação popular? PONTO 3.

R: Sim. Art. 19, caput, da Lei 4717/65: “A sentença que concluir pela carência ou pela improcedência da ação
está sujeita ao duplo grau de jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo tribunal; da
que julgar a ação procedente caberá apelação, com efeito suspensivo”. (Redação dada pela Lei nº 6.014, de
1973).

Pergunta: Existe diferença entre consultas públicas e audiências públicas? PONTO 3.

R: A principal diferença entre consulta pública e audiência pública se dá quanto à forma de participação. Na
consulta pública, o cidadão tem acesso aos documentos de interesse público. Na audiência pública a
participação popular é feita de forma oral. A consulta é formal (acesso a documentos) e a audiência é oral.
Exemplo de consulta pública: nas atividades potencialmente causadoras de significativa degradação ambiental,
a Constituição Federal exige a realização do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do Relatório de Impacto
Ambiental (RIMA). O RIMA, que é um resumo do EIA e deve ser elaborada em linguagem clara e simples (Art. 9º
da Res. 1/86 do CONAMA), deverá ficar disponível, no órgão licenciador competente, para a consulta da
população interessada. É uma forma, portanto, de consulta pública.
Exemplo de audiência pública: No mesmo exemplo acima, o Poder Pública deverá realizar uma audiência
pública, de forma oral, para a discussão do RIMA, conforme o art.11, §2º, da Res.1/86.
“Artigo 11 - Respeitado o sigilo industrial, assim solicitando e demonstrando pelo interessado o RIMA será
acessível ao público. Suas cópias permanecerão à disposição dos interessados, nos centros de documentação ou
bibliotecas da SEMA e do estadual de controle ambiental correspondente, inclusive o período de análise técnica,
§ 1º - Os órgãos públicos que manifestarem interesse, ou tiverem relação direta com o projeto, receberão cópia
do RIMA, para conhecimento e manifestação,
§ 2º - Ao determinar a execução do estudo de impacto ambiental e apresentação do RIMA, o estadual
competente ou o IBAMA ou, quando couber o Município, determinará o prazo para recebimento dos
comentários a serem feitos pelos órgãos públicos e demais interessados e, sempre que julgar necessário,
promoverá a realização de audiência pública para informação sobre o projeto e seus impactos ambientais e
discussão do RIMA”.

Pergunta: O que se entende por Conselho Consultivo? PONTO 3.

R: Conselhos Consultivos são órgãos de consulta e assessoramento que, como regra, são especializados em
determinados assuntos, destinando-se, por exemplo, a opinar e propor soluções sob os assuntos que lhes forem

74
submetidos. É possível citar dois exemplos de órgãos consultivos previstos na Constituição Federal de 1988: o
Conselho da República (regulado pela lei 8041/90) e o Conselho de Defesa Nacional (regulado pela lei 8183/91).
Art. 89. O Conselho da República é órgão superior de consulta do Presidente da República, e dele participam:
I - o Vice-Presidente da República;
II - o Presidente da Câmara dos Deputados;
III - o Presidente do Senado Federal;
IV - os líderes da maioria e da minoria na Câmara dos Deputados;
V - os líderes da maioria e da minoria no Senado Federal;
VI - o Ministro da Justiça;
VII - seis cidadãos brasileiros natos, com mais de trinta e cinco anos de idade, sendo dois nomeados pelo
Presidente da República, dois eleitos pelo Senado Federal e dois eleitos pela Câmara dos Deputados, todos com
mandato de três anos, vedada a recondução.

Art. 91. O Conselho de Defesa Nacional é órgão de consulta do Presidente da República nos assuntos
relacionados com a soberania nacional e a defesa do Estado democrático, e dele participam como membros
natos:
I - o Vice-Presidente da República;
II - o Presidente da Câmara dos Deputados;
III - o Presidente do Senado Federal;
IV - o Ministro da Justiça;
V - o Ministro de Estado da Defesa; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 1999)
VI - o Ministro das Relações Exteriores;
VII - o Ministro do Planejamento.
VIII - os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 23, de
1999)
§ 1º - Compete ao Conselho de Defesa Nacional:
I - opinar nas hipóteses de declaração de guerra e de celebração da paz, nos termos desta Constituição;
II - opinar sobre a decretação do estado de defesa, do estado de sítio e da intervenção federal;
III - propor os critérios e condições de utilização de áreas indispensáveis à segurança do território nacional e
opinar sobre seu efetivo uso, especialmente na faixa de fronteira e nas relacionadas com a preservação e a
exploração dos recursos naturais de qualquer tipo;
IV - estudar, propor e acompanhar o desenvolvimento de iniciativas necessárias a garantir a independência
nacional e a defesa do Estado democrático.
§ 2º - A lei regulará a organização e o funcionamento do Conselho de Defesa Nacional.

ELEITORAL

- Quais são as condições de elegibilidade?

R.: As condições de elegibilidade são requisitos de ordem positiva que precisam ser preenchidos pelo indíviduo
que deseja se candidatar a cargo público eletivo. Estão previstos na CF, art. 14, §3º, sendo: nacionalidade
brasileira; gozo dos direitos políticos; alistamento eleitoral, domicílio eleitoral na circunscrição; filiação
partidária; e idade mínima, conforme o cargo.

- Somente brasileiro nato pode ser candidato a cargo eletivo. Certo ou errado?

R.: Errado. O brasileiro naturalizado também pode concorrer a cargo eletivo, desde que não seja de Presidente
da República ou de cargos que possam levá-lo a ocupar o cargo de Presidente. O português cuja situação esteja
abrangida pelo estatuto da reciprocidade também pode concorrer a cargos eletivos nas mesmas hipóteses do
brasileiro naturalizado.

Pergunta: Quais são as condições de elegibilidade? Onde estão previstas? PONTO 3.

R: As condições de elegibilidade estão todas previstas no §3º do art.14 da CRFB.


§ 3º - São condições de elegibilidade, na forma da lei:
75
I - a nacionalidade brasileira;
II - o pleno exercício dos direitos políticos;
III - o alistamento eleitoral;
IV - o domicílio eleitoral na circunscrição;
V - a filiação partidária;
VI - a idade mínima de:
a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Senador;
b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal;
c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;
d) dezoito anos para Vereador.

Pergunta: É possível a criação de condição de elegibilidade por ato infraconstitucional? PONTO 3.

R: Não. As condições de elegibilidade estão previstas, de forma taxativa, no art. 14, §3º, da CRFB. São condições
que restringem a cidadania passiva (direito de ser votado) e, como tal, não podem se ampliadas por legislação
infraconstitucional. No que se refere às causas de inelegibilidade, a própria Constituição Federal autorizou, de
forma expressa, que outras fossem criadas por meio de lei complementar (art.14, §9º).

Pergunta: A outorga a brasileiros do gozo dos direitos políticos em Portugal, devidamente comunicada ao TSE,
impostará suspensão desses mesmos direitos no Brasil? PONTO 3.

OBS: NÃO TENHO CERTEZA DA RESPOSTA, MAS PROCUREI OUTRAS FONTES E NÃO ACHEI NADA EM CONTRÁRIO.
R: Sim, conforme o art.17 do Decreto 3927/2001.
DECRETO Nº 3.927, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001: Promulga o Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta,
entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa, celebrado em Porto Seguro em 22 de abril de
2000.
“Artigo 17
1. O gozo de direitos políticos por brasileiros em Portugal e por portugueses no Brasil só será reconhecido aos
que tiverem três anos de residência habitual e depende de requerimento à autoridade competente.
2. A igualdade quanto aos direitos políticos não abrange as pessoas que, no Estado da nacionalidade, houverem
sido privadas de direitos equivalentes.
3. O gozo de direitos políticos no Estado de residência importa na suspensão do exercício dos mesmos direitos no
Estado da nacionalidade”.

Pergunta: Quais são os cargos privativos de brasileiros natos? PONTO 3.

R: Os cargos privativos de brasileiros natos estão previstos no art. 12, §3º, da CRFB.
§ 3º - São privativos de brasileiro nato os cargos:
I - de Presidente e Vice-Presidente da República;
II - de Presidente da Câmara dos Deputados;
III - de Presidente do Senado Federal;
IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;
V - da carreira diplomática;
VI - de oficial das Forças Armadas.
VII - de Ministro de Estado da Defesa (Incluído pela Emenda Constitucional nº 23, de 1999)

Pergunta: O que se entende por domicílio eleitoral? PONTO 3.

R: De acordo com o parágrafo único do art.42 do Código Eleitoral, o domicílio eleitoral é “o lugar de residência
ou moradia do requerente e, verificado ter o alistado mais de uma, considerar-se-á domicílio qualquer delas”.
O TSE entende que o domicílio eleitoral não se confunde com o domicílio civil.
Domicílio eleitoral. O domicílio eleitoral não se confunde, necessariamente, com o domicílio civil. A
circunstância de o eleitor residir em determinado município não constitui obstáculo a que se candidate em
outra localidade onde é inscrito e com a qual mantém vínculos (negócios, propriedades, atividades políticas).
(AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO ESPECIAL ELEITORAL nº 18124, Acórdão nº 18124 de 16/11/2000,
Relator(a) Min. JACY GARCIA VIEIRA, Publicação: PSESS - Publicado em Sessão, Data 16/11/2000 RJTSE - Revista
de Jurisprudência do TSE, Volume 12, Tomo 3, Página 285)

76
Assim, com base no julgado acima, existe doutrina que entende que o domicílio eleitoral é o local onde pode ser
manifestado um de três vínculos: patrimonial (pessoa tem patrimônio naquele local); laborativo (presta serviços
naquele local); social (mantém relações sociais naquele local). Basta um desses três vínculos. O conceito de
domicílio civil é muito mais rigoroso do que o conceito eleitoral.
Segundo entendimento do TSE, o conceito de domicílio eleitoral, por ser mais abrangente que o de domicílio
civil, engloba também o vínculo familiar, afetivo, profissional, patrimonial ou comunitário do eleitor com a
localidade onde pretende exercer o direito de voto (RESPE n° 18803/SP, de 22/02/2002; RESPE n° 16397/Al, de
09/03/2001).
Diferentemente do CC, é mais flexível o TSE na sua definição, leva em conta vínculos políticos e sociais,
permitindo sua fixação onde o eleitor apresente ligação material ou afetiva com a circunscrição, sejam vínculos
políticos, comerciais, profissionais, patrimoniais, comunitários ou laços familiares (MENDES, Gilmar Ferreira.
Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2008).

Pergunta: O estatuto do partido pode prever um prazo maior para filiação partidária? PONTO 3.

R: Sim. A doutrina entende que o prazo legal de um ano é um prazo mínimo, mas nada impede que o partido
político exija um prazo de filiação maior.
Art. 9º da Lei 9504/97:
“Art. 9º Para concorrer às eleições, o candidato deverá possuir domicílio eleitoral na respectiva circunscrição
pelo prazo de, pelo menos, um ano antes do pleito e estar com a filiação deferida pelo partido no mesmo prazo.
Parágrafo único. Havendo fusão ou incorporação de partidos após o prazo estipulado no caput, será
considerada, para efeito de filiação partidária, a data de filiação do candidato ao partido de origem”.
Art.18 da Lei 9096/99: “Para concorrer a cargo eletivo, o eleitor deverá estar filiado ao respectivo partido pelo
menos um ano antes da data fixada para as eleições, majoritárias ou proporcionais”.

Pergunta: O que caracteriza a infidelidade partidária? Admite exceção? PONTO 3.

R: A infidelidade partidária é a desfiliação do candidato de um partido político, com a filiação ou não a algum
outro partido político, sem justa causa para essa mudança. Com justa causa, afasta-se a infidelidade partidária.
As hipóteses de justa causa, aptas a afastar a perda do mandato eletivo, estão previstas no art.1º, §1º, da Res.
22.610/07 do TSE.
Art. 1º - O partido político interessado pode pedir, perante a Justiça Eleitoral, a decretação da perda de cargo
eletivo em decorrência de desfiliação partidária sem justa causa.
§ 1º - Considera-se justa causa:
I) incorporação ou fusão do partido;
II) criação de novo partido;
III) mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário;
IV) grave discriminação pessoal.

Pergunta: O militar é elegível? PONTO 3.

R: O militar é elegível, com algumas ressalvas.


O art.14, §3º, V, da CRFB, estabelece como condição de elegibilidade a filiação partidária. Porém, o art. 142, §3º,
V, da CRFB, estabelece que “o militar, enquanto em serviço ativo, não pode estar filiado a partidos políticos”.
Devem ser estabelecidos três marcos divisórios. (1) Registro da candidatura. (2) Início da propaganda eleitoral.
(3) Resultado da eleição. Antes do registro, aplica-se o art. 142, §3º, V, CF. Com o registro, o militar se afasta do
serviço militar, podendo se filiar a partido politico, aplicando-se o art. 14, §8º, CF. O afastamento do serviço vem
com o registro. Se o militar contar com menos de 10 anos de serviço efetivo, rompe-se o vínculo com as Forças
Armadas de forma definitiva. Caso conte com mais de 10 anos de serviço, aplica-se o inciso II, §8º, art. 14, CF.
Nesta última hipótese, com o resultado da diplomação, o militar poderá ser agregado pela autoridade superior
ou, se eleito, passará automaticamente para a inatividade.

“EMENTA: SERVIDOR PÚBLICO. Militar alistável. Elegibilidade. Policial da Brigada Militar do Rio Grande do Sul,
com menos de 10 (dez) anos de serviço. Candidatura a mandato eletivo. Demissão oficial por conveniência do
serviço. Necessidade de afastamento definitivo, ou exclusão do serviço ativo. Pretensão de reintegração no
posto de que foi exonerado. Inadmissibilidade. Situação diversa daquela ostentada por militar com mais de 10
(dez) anos de efetivo exercício. Mandado de segurança indeferido. Recurso extraordinário provido para esse
77
fim. Interpretação das disposições do art. 14, § 8º, incs. I e II, da CF. Voto vencido. Diversamente do que sucede
ao militar com mais de dez anos de serviço, deve afastar-se definitivamente da atividade, o servidor militar que,
contando menos de dez anos de serviço, pretenda candidatar-se a cargo eletivo. (RE 279469, Relator(a): Min.
MAURÍCIO CORRÊA, Relator(a) p/ Acórdão: Min. CEZAR PELUSO, Tribunal Pleno, julgado em 16/03/2011, DJe-
117 DIVULG 17-06-2011 PUBLIC 20-06-2011 EMENT VOL-02547-01 PP-00045 RTJ VOL-00218- PP-00443)”.

Pergunta: O magistrado é elegível? PONTO 3.

R: O magistrado é elegível, desde que cumpra os prazos mínimos de desincompatibilização previstos na LC


64/90 e se afaste de forma definitiva de seu cargo. Para se candidatar ao cargo de Prefeito e Vice-Prefeito, o
referido prazo é de 4 meses (art.1º, IV, a, LC 64/90). Em relação aos demais cargos eletivos, o prazo será de 6
meses. O prazo é contado a partir do afastamento definitivo da função.

Pergunta: A reelegibilidade é prevista em nosso ordenamento jurídico? PONTO 3.

R: Sim. Em relação aos cargos do Poder Legislativo, não há qualquer limitação. Em relação aos cargos de Chefe
do Poder Executivo, incide o art. 14, §5º, da CRFB: “O Presidente da República, os Governadores de Estado e do
Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou substituído no curso dos mandatos poderão ser
reeleitos para um único período subsequente (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 1997)”.
Pelo art. 14, §5º, da CF, o candidato se torna não elegível para um terceiro mandato subsequente para o mesmo
cargo. É uma norma derivada (EC 16/97), sendo um caso de ponderação expressa feita pelo poder constituinte
derivado. De um lado, existe o princípio republicano, em que os mandatos devem ser temporários, e de outro
lado existe o princípio da eficiência administrativa, a favor de uma sequência administrativa temporal mínima,
para a consecução de projetos de longo e médio prazo. Torna-se o poder político temporário, pois uma terceira
eleição revelaria uma tendência em tornar o poder politico permanente, o que é típico de Monarquias. Também
satisfaz o princípio da eficiência administrativa, pois 8 anos é um intervalo de tempo razoável para que
programas de longo e médio prazo possam ser realizados. No Brasil, o que se proíbe são três mandatos
subsequentes. É possível três mandatos, desde que no máximo dois mandatos sejam subsequentes. Nos EUA,
por exemplo, permite-se também uma reeleição subsequente, mas, depois disso, o candidato se torna
inelegível, para sempre, para esse mesmo cargo.

TRIBUTÁRIO

Pergunta: O princípio constitucional da vedação ao confisco se aplica a tributos extrafiscais? PONTO 3.

R: Nos tributos extrafiscais a finalidade da exação não é arrecadatória. É, na verdade, uma forma de intervenção
e regulação do estado na ordem econômica, impedindo (elevação das alíquotas) ou estimulando (reduzindo as
alíquotas) a ocorrência de fatos geradores. A Constituição Federal não traz nenhuma exceção ao princípio da
vedação ao confisco (150, IV, da CRFB), muito embora sua aplicação aos tributos extrafiscais retiraria a própria
essência desses tributos. O princípio da vedação ao confisco visa proteger o patrimônio do contribuinte, sendo
certo que, nos tributos extrafiscais, quando se aumenta a alíquota, o que se pretende é justamente evitar a
ocorrência do fato gerador, ou seja, não há intenção de atingir o patrimônio do contribuinte.

Pergunta: Qual a diferenciação tópica entre a anterioridade e anualidade? PONTO 3.

R: O princípio da anterioridade, previsto no art.150, III, ‘b’, da CRFB, informa que um tributo somente pode ser
cobrado no exercício financeiro seguinte ao da publicação da lei que o majorou ou instituiu, salvo as exceções
previstas na própria Constituição Federal. O princípio da anualidade tributária subordina a cobrança de um
tributo à prévia autorização orçamentária. Para a maioria da doutrina e da jurisprudência, a Constituição atual
não consagrou o princípio da anualidade tributária, prevendo apenas no art. 150, III, ‘b’, o princípio da
anterioridade.

Pergunta: Distinção básica entre proporcionalidade e progressividade? PONTO 3.

78
R: Progressividade é uma técnica de tributação que tem como objetivo fazer com que os tributos atendam à
capacidade contributiva. A progressividade funciona da seguinte forma: a lei prevê alíquotas variadas para o
imposto e o aumento dessas alíquotas ocorre na medida em que se aumenta a base de cálculo. Assim, na
progressividade, quanto maior a base de cálculo, maior será a alíquota. No IR, quanto maior for a renda (base de
cálculo), maior será o percentual (alíquota) do imposto. Na proporcionalidade as alíquotas são fixas e o que
varia é a base de cálculo.

Pergunta: Norma legal que altera prazo de recolhimento de tributo se sujeita ao princípio da anterioridade? PONTO
3.

R: NÃO. A antecipação do prazo para pagamento do tributo, segundo o STF, não agrava a situação do
contribuinte nem se equipara a aumento do tributo, não se sujeitando ao princípio da anterioridade do
exercício.

Pergunta: Princípio da Legalidade Relativa é cabível no direito tributário? PONTO 3.

R: O princípio da legalidade relativa informa que a expressão “Lei” deve ser entendida em sentido material, e
não em sentido formal. Assim, segundo o princípio da legalidade relativa, a expressão “Lei” abarcaria todas as
espécies normativas previstas no art.59 da CRFB, e não somente lei em sentido formal. No direito tributário, é
possível, por exemplo, que um tributo seja criado ou majorado por Medida Provisória (art.62, §2º, da CRFB), o
que confirma que o princípio da legalidade relativa é aplicável ao direito tributário. Nas hipóteses em que
determinada matéria somente possa ser regulada por lei em sentido formal, parcela da doutrina costuma usar a
expressão “reserva de lei”. Vale lembrar que é vedada a edição de Medida Provisória para aquelas matérias que
devem ser tratadas por Lei Complementar.

Pergunta: Haveria a incidência do princípio da eticidade na área tributária? PONTO 3.

R: Sim. O princípio da boa-fé no direito tributário possui incidência direta na relação jurídico -tributária gerando
direitos e obrigações tanto para o fisco como para o contribuinte. O referido princípio é um importante
mecanismo para evitar arbítrios e ilegalidades cometidas pelo fisco em detrimento do contribuinte. Em relações
de direito público, é mais comum falar em princípio da moralidade (art.37, caput, da CRFB), que teria o mesmo
significado de boa-fé.
PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. OMISSÃO INEXISTENTE. REFIS. EXCLUSÃO DO PROGRAMA.
OBSERVÂNCIA DA FINALIDADE DA NORMA. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE.
CABIMENTO. PRECEDENTES. AUSÊNCIA DE PREJUÍZO. BOA-FÉ DO CONTRIBUINTE. ERRO FORMAL.
SÚMULA 7/STJ. 2. O STJ reconhece a viabilidade de incidir os princípios da razoabilidade e
proporcionalidade no âmbito dos parcelamentos tributários, quando tal procedência visa evitar práticas
contrárias à própria teleologia da norma instituidora do benefício fiscal, mormente se verificada a boa-fé
do contribuinte e a ausência de prejuízo do Erário. 3. Se a conclusão da Corte de origem, firmada em
decorrência da análise dos autos, é no sentido de que a exclusão do contribuinte do REFIS mostra-se
desarrazoável e desproporcional, porquanto contrária à finalidade do programa de parcelamento, pois
nenhum prejuízo causou ao erário - bem ao contrário, lhe é favorável, destaca o acórdão -, estando
comprovadas a boa-fé da empresa e a mera ocorrência de erro formal, a modificação do julgado esbarra
no óbice da Súmula 7/STJ. (AgRg no AREsp 482.112/SC, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA
TURMA, julgado em 22/04/2014, DJe 29/04/2014)
Súmula 509 do STJ: “É lícito ao comerciante de boa-fé aproveitar os créditos de ICMS decorrentes de
nota fiscal posteriormente declarada inidônea, quando demonstrada a veracidade da compra e venda”.

Pergunta: Mudança de interpretação acarreta em novo fato gerador? PONTO 3.

R: Art.146 do CTN: “A modificação introduzida, de ofício ou em consequência de decisão administrativa ou


judicial, nos critérios jurídicos adotados pela autoridade administrativa no exercício do lançamento somente
pode ser efetivada, em relação a um mesmo sujeito passivo, quanto a fato gerador ocorrido posteriormente à
sua introdução”.

79
A mudança de interpretação possui eficácia ex nunc, mas nunca poderá retroagir para atingir fatos pretéritos. A
mudança de interpretação também é chamada por “erro de direito”. A referida norma visa a proteger o
princípio da segurança jurídica e o valor da não surpresa, de forma a garantir que as mudanças nos critérios
jurídicos adotados pela Administração Tributária, no exercício do lançamento, só terão efeitos ex nunc, sendo
aplicáveis somente aos casos futuros.
OBS: Erro de fato. A expressão erro de fato se refere ao incorreto enquadramento das circunstâncias objetivas
que não dependem de intepretação normativa para sua verificação. Assim, se houve importação de dez
toneladas de trigo e o lançamento foi feito como se houvessem sido importadas apenas oito toneladas, está
configurado o erro de fato, de forma que o lançamento deve ser revisto, com a observância do prazo
decadencial (art.173 do CTN).

Pergunta: Diferença entre princípios tributários e pressupostos? PONTO 3.

R: Os princípios do Direito Tributário são normas constitucionais que limitam e regulam o exercício da
competência tributária. Os princípios constitucionais do direito tributário são verdadeiras cláusulas pétreas. Essa
nomenclatura é criticada por alguns autores, já que alguns dos “princípios” tributários não seriam
exclusivamente princípios. Ex.: o princípio da anterioridade é, ao mesmo tempo, um princípio e uma regra. É um
princípio porque tem como finalidade proteger o valor da não surpresa; mas, ao mesmo tempo, é possível
extrair dele uma regra, que não pode ser ponderada, qual seja: o estado não pode cobrar tributos no mesmo
exercício financeiro que o tenha aumento ou instituído.
OBS: Não achei nada que se referisse a pressuposto tributário. O comentário a seguir é uma mera opinião. A
palavra pressuposto, em regra, é usada para se referir aos elementos de existência de um determinado instituto
jurídico. No direito tributário, o pressuposto poderia se referir aos elementos de existência da relação jurídica
de direito tributário. Em outras palavras, são os elementos que integram o fato gerador. Uma vez reunidos
todos esses elementos no mundo dos fatos, um fato gerador seria praticado e surgiria, como consequência, uma
obrigação tributária. Existindo todos esses elementos, passariam a incidir os princípios de direito tributário, que
regulariam essa relação jurídica entre o fisco e o contribuinte.
O fato gerador é composto pelos seguintes elementos: (1) Núcleo ou materialidade: é a ação ou situação
material descrita pelo legislador que, quando realizada no mundo dos fatos, faz nascer a obrigação tributária;
(2) Aspectos subjetivos: sujeito passivo – é a pessoa que é credora da obrigação tributária; sujeito passivo – é a
pessoa a quem a lei impuser o dever de recolher o tributo; (3) Alíquota; (4) Base de cálculo; (5) Demais aspectos
temporais e territoriais.

Pergunta: Diferença entre o princípio da irretroatividade e da intangibilidade. PONTO 3.

R: O princípio da irretroatividade está previsto no art.150, III, a, da CF, segundo o qual: “Sem prejuízo de outras
garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: (...)
III - cobrar tributos: a) em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da lei que os houver
instituído ou aumentado”.
O princípio da intangibilidade está previsto no art.5º, XXXVI, da CRFB, segundo o qual: “Todos são iguais perante
a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
(...) XXXVI - XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada”.

Pergunta: O somatório da anterioridade com a anterioridade nonagesimal levou a uma classificação. Qual seria?
(anterioridade máxima, média e mínima) PONTO 3.

R: Anterioridade máxima.
OBS:
Anterioridade máxima (ou cheia): quando está sujeito tanto à anterioridade quanto à noventena;
Anterioridade média: quando está sujeito apenas à anterioridade do exercício;
Anterioridade mínima: quando o tributo está sujeito apenas à anterioridade nonagesimal (ou noventena).

Pergunta: Há diferença entre o princípio da noventena e o princípio da anterioridade nonagesimal? PONTO 3.

R: O princípio da noventena está previsto no art. 150, III, c, da CRFB, sendo, em regra, aplicado juntamente com
o princípio da anterioridade, previsto no art.150, III, b, da CRFB.

80
Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao
Distrito Federal e aos Municípios:
III - cobrar tributos:
a) em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da lei que os houver instituído ou
aumentado;
b) no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou;
c) antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou,
observado o disposto na alínea b; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

O princípio da anterioridade nonagesimal encontra previsão constitucional no art. 195, §6º, da CRFB, sendo que
sua aplicação nunca será acompanhada do princípio da anterioridade.
Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei,
mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e
das seguintes contribuições sociais: (...) § 6º - As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser
exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não
se lhes aplicando o disposto no art. 150, III, "b".

Pergunta: No que diz respeito ao princípio do “in dubio pro contribuinte”, é aplicável às infrações tributárias? PONTO
3.

R: Sim, conforme previsto no art.112 do CTN. Segundo o STJ, a interpretação mais favorável ao contribuinte
somente será aplicável na hipótese em que existir dúvida. Sem essa dúvida, não se fala em interpretação “pro
contribuinte”. Além disso, essa interpretação benigna, prevista no art.112, aplica-se exclusivamente à lei que
defina ou comine infrações. Se a lei se referir a um tributo, o que deve ser feito é dirimir a dúvida, e não uma
intepretação favorável. O Julgado abaixo se refere a um julgamento do STJ, no qual se decidiu que a expressão
“falência” não pode ser interpretada extensivamente para abarcar a concordata. Não havia dúvidas quanto ao
alcance da expressão “falência”.
Art. 112. A lei tributária que define infrações, ou lhe comina penalidades, interpreta-se da maneira mais
favorável ao acusado, em caso de dúvida quanto:
I - à capitulação legal do fato;
II - à natureza ou às circunstâncias materiais do fato, ou à natureza ou extensão dos seus efeitos;
III - à autoria, imputabilidade, ou punibilidade;
IV - à natureza da penalidade aplicável, ou à sua graduação.

“TRIBUTARIO. MULTA FISCAL. CONCORDATA. O MOTIVO QUE INSPIROU O ARTIGO 23, INCISO III, DO DECRETO
LEI NR. 7.661/45, EXCLUINDO AS MULTAS FISCAIS DO PROCESSO DE FALENCIA, FOI O DE EVITAR QUE ESSAS
PENALIDADES FOSSEM SUPORTADAS POR TERCEIROS ALHEIOS A INFRAÇÃO; ESSE TRATAMENTO NÃO SE
JUSTIFICA NO PROCESSO DE CONCORDATA, PORQUE IMPLICARIA FAVORECER O PROPRIO INFRATOR. RECURSO
ESPECIAL NÃO CONHECIDO”. (REsp 9.571/RJ, Rel. Ministro ARI PARGENDLER, SEGUNDA TURMA, julgado em
25/10/1995, DJ 20/11/1995, p. 39572)

Pergunta: Existem exceções à regra da irretroatividade tributária? PONTO 3.

R: O princípio da irretroatividade tributária, previsto no art.150, III, a, da CRFB, não encontra exceção no
ordenamento jurídico. Assim, não é possível cobrar tributos por fatos geradores ocorridos antes da lei que o
instituiu. Não será possível também cobrar a diferença de valor em relação aos fatos geradores ocorridos antes
da lei que majorou o tributo.
Porém, de acordo com o art.106 do CTN, existem hipóteses em que a legislação tributária poderá retroagir. São
elas:
Art. 106. A lei aplica-se a ato ou fato pretérito:
I - em qualquer caso, quando seja expressamente interpretativa, excluída a aplicação de penalidade à infração
dos dispositivos interpretados;
II - tratando-se de ato não definitivamente julgado:
a) quando deixe de defini-lo como infração;
b) quando deixe de tratá-lo como contrário a qualquer exigência de ação ou omissão, desde que não tenha sido
fraudulento e não tenha implicado em falta de pagamento de tributo;

81
c) quando lhe comine penalidade menos severa que a prevista na lei vigente ao tempo da sua prática.

Pergunta: O princípio da capacidade tributária só existe com relação aos impostos ou também existe em relação aos
outros tributos? PONTO 3.

R: A Constituição Federal, em seu art. 145, §1º, ao estabelecer o princípio da capacidade contributiva, somente
fez menção aos impostos. O STF, entretanto, já se manifestou pela possibilidade de aplicação do referido
princípio para outras espécies tributárias, como é o caso da taxa.
EMENTA: CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. TAXA DE COLETA DE LIXO: BASE DE CÁLCULO. IPTU. MUNICÍPIO DE
SÃO CARLOS, S.P. I. - O fato de um dos elementos utilizados na fixação da base de cálculo do IPTU - a metragem
da área construída do imóvel - que é o valor do imóvel (CTN, art. 33), ser tomado em linha de conta na
determinação da alíquota da taxa de coleta de lixo, não quer dizer que teria essa taxa base de cálculo igual à do
IPTU: o custo do serviço constitui a base imponível da taxa. Todavia, para o fim de aferir, em cada caso concreto,
a alíquota, utiliza-se a metragem da área construída do imóvel, certo que a alíquota não se confunde com a base
imponível do tributo. Tem-se, com isto, também, forma de realização da isonomia tributária e do princípio da
capacidade contributiva: C.F., artigos 150, II, 145, § 1º. II. - R.E. não conhecido. (RE 232393, Relator(a): Min.
CARLOS VELLOSO, Tribunal Pleno, julgado em 12/08/1999, DJ 05-04-2002 PP-00055 EMENT VOL-02063-03 PP-
00470)

Pergunta: Há diferença entre processo e procedimento tributário? PONTO 3.

R: No campo do direito tributário, percebe-se um desencontro doutrinário no emprego da expressão


procedimento administrativo fiscal. Para alguns autores, a terminologia deve ser utilizada para indicar apenas e
tão somente o lançamento (por qualquer de suas modalidades) não impugnado pelo sujeito passivo, exaurindo-
se com o pagamento do montante do tributo e seus acréscimos legais. Para outra corrente, procedimento
administrativo fiscal é todo e qualquer conjunto de atos que precede à fase contenciosa da cobrança de tributo
ou multa. Nesta esteira, a consulta tributária (procedimento pelo qual o contribuinte indaga ao fisco sobre sua
situação legal diante de determinado fato, de duvidoso entendimento) e a denúncia espontânea (prevista no
art. 138 do CTN) se enquadrariam como procedimento administrativo fiscal de natureza preventiva. Já a
restituição, a compensação e o ressarcimento de tributos consubstanciariam em procedimentos administrativos
de natureza voluntária.
Já no que atine ao processo administrativo fiscal subsiste consenso doutrinário de que é aquele que se instaura
no exato momento em que o lançamento é impugnado pelo sujeito passivo.

Quais elementos da regra matriz de incidência devem estar presentes na lei?

Há os elementos antecedentes da norma ou hipótese de incidência, caracterizado pelo aspecto material


(comportamento), aspecto temporal (quando surge o dever de pagar o tributo) e aspecto espacial (local que o
fato deve ocorrer); e os elementos consequentes da norma, que dizem respeito à relação jurídica decorrente da
conduta praticada em determinado tempo e local, caracterizado pelo aspecto subjetivo (sujeito ativo e sujeito
passivo) e aspecto quantitativo (base de cálculo e alíquota).

(PONTO 3)

A data do pagamento do tributo pode ser fixada por decreto?

Sim, é uma hipótese de exceção ao princípio da legalidade, já que não está prevista no art. 97 do CTN. Assim
entende o STF. Ademais, vale lembrar que a atualização do valor monetário da base de cálculo do tributo
também é uma exceção ao princípio da legalidade, só que em relação a este há previsão expressa (art. 97,
parag. 2º do CTN).

As contribuições devem observar o princípio da capacidade contributiva?

Sim, há entendimento do STF neste sentido entendendo que sua aplicação se estende às outras espécies
tributárias.

82
(PONTO 3)

Discorra sobre a legalidade no Direito Tributário e aponte as suas exceções.

O princípio da legalidade no Direito Tributário está previsto no art. 150, I da C, assim como no art. 3º e 97 do
CTN, prevendo em linhas gerais que só pode ser criado, aumentado, extinto e reduzido tributo por meio de lei,
seja por lei ordinária, seja por medida provisória, seja por lei complementar (nos casos de empréstimos
compulsórios, do Imposto sobre grandes fortunas – IGF, e dos impostos ou contribuições residuais). Ademais,
somente por meio de lei pode-se conceder benefícios fiscais, nos termos do art. 150, parag. 6º da CF.
Todavia, há exceções ao aludido princípio, tais como a atualização do valor monetário da base de cálculo (art.
97, parag 2º do CTN) e a fixação de prazo para recolhimento (jurisprudência do STF). Assim como há exceções a
este princípio em relação à majoração de alíquotas, do II, IE, IPI, IOF (art. 153, parag 1º da CF), CIDE-
combustíveis (art. 177, parag. 4º, I, b da CF) e ICMS-monofásico incidente sobre combustíveis definidos em lei
complementar (art. 155, parag 4º, IV da CF).

(PONTO 3)

Trate também do princípio da tipicidade cerrada.

Princípio da tipicade cerrada ou fechada é aquele que diz que a lei não pode definir genericamente os aspectos
típicos do tributo, de forma que se possa tentar dar uma interpretação extensiva e diferenciada, tentando
adaptar o fato descrito ao caso concreto, pois esta prerrogativa dada ao administrador, ao magistrado, ou
intérprete, seria uma forma de burlar a lei e gerar uma insegurança jurídica. Assim, a tipicidade tributária
deveria ser descrita de forma precisa, taxativa, que não permita dúvidas ou interpretações ampliativas. Ou
melhor, o FG deve ser interpretado estritamente, não podendo se valer de analogia.

(PONTO 3)

Faça a distinção entre seletividade e progressividade.

A progressividade se liga ao princípio da capacidade contributiva. Assim, quanto maior capacidade financeira
possui o sujeito passivo, maior será o valor do tributo a ser pago. Visa com isto estabelecer uma igualdade
material no âmbito tributário. Já a seletividade se aplica no âmbito extrafiscal, fazendo com as alíquotas sejam
maiores ou menores de acordo com a essencialidade do produto ou mercadorias, tendo como exemplo o IPI
(que é necessariamente seletivo) e o ICMS (que poderá ser seletivo). No entanto, os mesmos se interligam, visto
que a seletividade busca de maneira indireta graduar a carga tributária do imposto de acordo com a capacidade
contributiva dos consumidores. Assim, produtos essenciais são adquiridos por grande parte da sociedade e por
isto devem ser menos onerados, já os supérfluos são adquiridos pela classes mais altas da sociedade e por esta
razão devem ser mais oneradas.

ADMINISTRATIVO

- O que se entende por caducidade da concessão?

R.: A caducidade é uma forma de extinção do contrato de concessão de serviços públicos, que possui natureza
sancionatória, devendo, portanto, ser assegurado o direito de defesa, e que decorre de descumprimento de
obrigações contratuais pelo concessionário, o qual não faz jus a indenização (art. 38 da Lei nº 8.987/95).

- Extinção do contrato pelo concessionário pode se dar administrativamente?

R.: O concessionário não pode extinguir unilateralmente a concessão, sob pena de violação do princípio da
continuidade do serviço público, sendo inaplicável, portanto, a exceção do contrato não cumprido por parte do
concessionário. A única hipótese em que é permitida a extinção administrativa da concessão por iniciativa do
concessionário é o caso de acordo com o Concedente.

- No caso de descumprimento do contrato pela Administração, o concessionário tem que ajuizar demanda?

83
R.: Sim. Caso haja o descumprimento de obrigações contratuais pelo Estado, deve o concessionário pleitear
judicialmente a rescisão do contrato, conforme art. 39 da Lei nº 8.987/95. Em que pese a literalidade do
dispositivo transcrito, admite-se a invocação de eventual tutela de urgência, se a demora do provimento judicial
definitivo puder colocar em risco a sobrevida ou a saúde econômica do concessionário.

- Candidato aprovado para juiz vê que a nomeação se dará em 90 dias. O candidato decide viajar enquanto aguada a
nomeação. No aeroporto, o candidato acaba sendo preso em flagrante com mais duas pessoas por trafico. 6 meses
depois, ele foi absolvido, mas, por conta disso, não pode tomar posse. Candidato processa o Estado pela prisão, mas
não houve erro e nem excesso de prazo, pois a prisão se deu legalmente, apesar de ele ser inocente. Como decidiria?

R.: É preciso considerar, inicialmente, que a responsabilidade civil do Estado por atos judiciais é regulada por
norma especial prevista na CF, no art. 5º, LXXV, que a condiciona à existência de erro judiciário.
De qualquer forma, a doutrina se divide no caso de prisão processual legal com posterior absolvição.
Nesse sentido, Cavalieri, Cahali e Rui Stoco entendem que a prisão cautelar legal, independentemente do
resultado do processo, não configura erro judiciário e, portanto, não se insere no conceito de erro judiciário,
inexistindo pressuposto constitucional para configurar a responsabilidade civil estatal.
Por outro lado, Diogo de Figueiredo e Ruy Rosado de Aguiar admitem a indenização em tal hipótese,
notadamente em razão do princípio da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, da CF).
Penso, contudo, que a razão está com a primeira corrente, já que a natureza da função jurisdicional é ímpar,
decorrendo da própria soberania estatal, e concluir pela responsabilidade em caso de prisão legal, é criar
obstáculo ao exercício dessa soberania.

- O senhor esta dizendo que a propriedade é um bem maior que a liberdade? Porque se eu exproprio um bem de
forma lícita, tenho que indenizar. Se eu tiro a liberdade de alguém de forma licita, e depois reconheço sua inocência,
não tenho que indenizar. Como ficaria esse paradoxo? Pela idéia de repartição dos ônus, não deveríamos repartir os
ônus nesse caso?

R.: A solução não estaria na regra geral de responsabilidade estatal por atos lícitos, com base na teoria da
repartição dos ônus, segundo a qual os ônus decorrentes da atividade estatal devem ser repartidos entre toda a
sociedade, visto que esta é a beneficiária daquela atividade. No caso, existe regra constitucional específica
regulando a responsabilidade por ato judicial. Assim, inexistindo erro judiciário, penso que não caberia a
responsabilização do Estado.
A diferença de tratamento tem a ver com a própria natureza especial da função jurisdicional, que não pode
simplesmente ser inibida em tais casos.

- Atividade lícita do Estado só gera a ele o dever de indenizar se houver previsão legal? Cite exemplo de ato licito que
gera dever de indenizar.

R.: Não. A doutrina entende que, além de expressa previsão legal (ex.: responsabilidade da União por atos
terroristas praticados em aeronaves brasileiras, Lei nº 10.744/2003), o Estado pode ser responsabilizado por
atos ilícitos quando estes importarem danos desproporcionais ao administrado (ex.: fechamento de uma rua na
qual há um estacionamento explorado por particular). Nesta última hipótese, a doutrina afirma que, apesar de
ato lícito, o dano seria ilícito, exatamente pela desproporcionalidade em relação a todos os administrados.
Outras hipóteses de responsabilidade civil por ato lícito seriam os danos causados em legítima defesa e estado
de necessidade.

- O que é nexo causal cortado?

R.: Entende-se por nexo causal cortado a hipótese em que o nexo causal inicial entre uma conduta e o dano é
interrompido por uma causa superveniente relativamente independente que faz surgir uma nova cadeia causal
apta a excluir a responsabilidade daquele que praticou a primeira conduta.

Cabe arbitragem em matéria de concessão de serviço público?

84
Sim, é cabível e há previsão legal, no art. 23-A da lei 8.987/95.
Art. 23-A. O contrato de concessão poderá prever o emprego de mecanismos privados para resolução de
disputas decorrentes ou relacionadas ao contrato, inclusive a arbitragem, a ser realizada no Brasil e em língua
portuguesa, nos termos da Lei no 9.307, de 23 de setembro de 1996.

Dentre as novas formas de concessão de serviço público, há destaque para o arrendamento e franquia de serviços
públicos, nova figura elencada pela doutrina, dê um exemplo destes dois? Portos organizados, por exemplo?

A delegação de serviços públicos no setor de serviços portuários seria um exemplo de arrendamento, e agência
dos correios seria um exemplo de franquia.

Agência dos Correios seria um exemplo de franquia?

Sim

Como se trata juridicamente a greve na questão do serviço público essencial?

Aplica-se no caso o art. 11 da lei de greve (lei 7.783/89) que diz:


Art. 11. Nos serviços ou atividades essenciais, os sindicatos, os empregadores e os trabalhadores ficam
obrigados, de comum acordo, a garantir, durante a greve, a prestação dos serviços indispensáveis ao
atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.
Parágrafo único. São necessidades inadiáveis, da comunidade aquelas que, não atendidas, coloquem em perigo
iminente a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população.

Conceitue encampação.

A encampação é hipótese de extinção do contrato de concessão de serviço público e está prevista no art.37 da
lei 8.987/95, e ocorre quando o Poder Concedente, por motivo de interesse público, resolve retomar o serviço.
Todavia, para tal mister deve haver indenização prévia e lei autorizativa específica.

Arrole um dever de usuário do serviço público, e não de um direito?

Contribuir para a permanência das boas condições dos bens públicos através dos quais lhes são prestados os
serviços, dentro outros previstos no art. 7º da lei 8.987/95.

Como se remunera uma concessionária de serviço público?

Por meio de tarifa ou meio de tarifa e outras fontes provenientes de receitas alternativas, complementares,
acessórias ou de projetos associados, nos termos do art. 11 da lei 8.987/95. Fernanda Marinela aponta ainda os
recursos públicos, mas facultativamente, para reduzir o valor da tarifa.

Arrendamento é uma forma de permissão de serviço público?

Para Alexandre Aragão seria uma forma de concessão de serviço público.

É possível a suspensão do serviço público por inadimplemento quando o usuário for o Poder Público?

Há divergência sobre o tema, mas prevalece que no que tange aos serviços essenciais não é possível a
suspensão do serviço público, pois acabaria que o maior prejudicado seria a própria população.

Quais as situações que permitem a interrupção do serviço público?

O art. 6º, parag 3º da lei 8.987/95 prevê três hipóteses em que se afigura possível a interrupção do serviço
público, quais sejam, quando há uma situação de emergência, quando há a inadimplência do usuário, e quando
há razões de ordem técnica ou de segurança das instalações, sendo que nestas duas últimas a lei exige que o
usuário seja notificado previamente

O que é a descentralização do serviço público? Quais as espécies?

85
É a transferência da titularidade e da execução do serviço público ou tão somente da execução do serviço
público para pessoas que se encontram fora da Administração Direta. As espécies são: outorga ou delegação.
Sendo que na outorga transfere-se a titularidade e a execução do serviço público, só se dá por meio de lei e só
pode ser transferida à Administração Pública Indireta de direito público. Já a delegação ela pode ser legal (feita à
Administração Pública de Direito Privado), contratual (concessão ou permissão de serviço público) ou por ato
administrativo (autorização de serviço público).

É possível aplicação das normas do CDC aos serviços públicos?

Sim, há previsão expressa quanto a isto, tanto no art. 4º, inciso VII como no art. 22 do CDC.

Quais são as hipóteses de extinção da concessão de serviço público?

Advento do termo contratual, falência da sociedade empresária, falecimento ou incapacidade do titular no caso
de empresa individual, caducidade, encampação, rescisão e anulação.

Quais são as modalidades de concessão?

Concessão comum, prevista na lei 8.987/95 que pode ser de serviço público ou de serviço público precedida da
execução de obra pública. E concessão especial (PPP), prevista na lei 11.079/04 que pode ser patrocinada ou
administrativa.

Concessão e permissão hoje são expressões sinônimas?

Não. Apresentam a semelhança de deverem se formalizar por meio de contrato administrativo. Todavia, há
diferenças, quais sejam, a concessão só pode se dar à pessoa jurídica ou consórcio de empresas. Já a permissão
pode se dar à pessoa física ou jurídica. E na permissão a delegação se dá a título precário, ao contrário da
concessão, e a lei ainda prevê no art. 40 que é possível a revogabilidade unilateral do contrato de permissão
pelo Poder Concedente.

É possível autorização de serviço público?

Sim. É ato unilateral, discricionário e precário, e a Administração Pública pode retomar a qualquer tempo, sem
dever de indenizar. Só se admite em dois casos: pequenos serviços e serviços urgentes. Ex. Taxi e despachante.

Fale sobre a evolução das Teorias acerca da Responsabilidade Civil do Estado e se posicione sobre a adotada
atualmente.

Fase da irresponsabilidade
Fase civilista – Estado só respondia se o dano tivesse sido causado por culpa ou dolo de um funcionário estatal.
Fase publicista – que se divide em culpa administrativa (ou culpa anônima do serviço), na qual o Estado passou a
responder quando o dano sobreviesse de um serviço defeituoso, e em risco administrativo, na qual o Estado
responde objetivamente pelos danos que causar, pouco importando se há culpa do funcionário ou culpa do
serviço. (valendo ressaltar que hipóteses excepcionais é aplicável a teoria do risco integral, isto é, não admitindo
qualquer excludente, mormente nos casos de danos nucleares ou danos ambientais).

Qual o fundamento para adoção da Teoria da Responsabilidade objetiva do Estado?

O art. 37, parag 6º da Constituição Federal.

Há responsabilidade civil do Estado por omissão?

Sim, e prevalece que ela é subjetiva. Sérgio Cavalieri Filho possui entendimento que nos casos em que a omissão
for específica a responsabilidade será objetiva e não subjetiva.

Há responsabilidade das pessoas jurídicas de direito privado prestadoras de serviços públicos em relação a terceiros
não usuários? Qual o fundamento?

Sim. O fundamento é o próprio art. 37, parag 6º da CF, assim como pode-se se utilizar como argumento de
reforço o art. 17 c/c art. 22 do CDC. Ademais, o STF julgou esta causa estendendo a responsabilidade das
concessionárias para os terceiros não usuários.

86
Qual a responsabilidade dos tabeliães?

É direta e objetiva, pois responde pela delegação por sua conta e risco, nos termos do art. 22 da lei 8.935/94,
tendo a Administração Pública responsabilidade apenas subsidiária caso o tabelião se torne insolvente.

O CDC é aplicável à atividade notarial?

Há intensa controvérsia sobre o tema. O primeiro entendimento afirma que, como são delegações do Poder
Público a particulares, se aplica a mesma interpretação em relação as concessões e permissões de serviço
público que também são delegações de serviço público, razão pela qual seria aplicável o art. 22 do CDC, em
virtude do seu enquadramento como fornecedor, nos termos do art. 3º caput e parag. 2º. Já o segundo
entendimento afirma que não se aplica, visto que o tabelião é remunerado em razão do pagamento de
emolumentos que possui natureza jurídica de taxa, portanto, tributo, não havendo usuário do serviço mas sim
contribuinte. Além disso, entende que não há serviço fornecido no mercado de consumo, visto que trata-se de
atividade fiscalizada pelo Poder Judiciário e que possui regras próprias estabelecidas no art. 236 da CRFB e na lei
8.984/94, não havendo liberdade de concorrência e iniciativa própria. (REsp 625144 de 2006). (Todavia, vale
mencionar que o REsp 1163652 de 2010 decidiu que aplica-se o CDC nas atividades notariais, só que não há
fundamentação alguma no julgado, só menção quanto a isso na ementa).

Existe responsabilidade civil do Estado por atos legislativos?

Em regra não. Todavia, haverá responsabilidade quando uma lei inconstitucional causar danos ao particular, ou
no caso de lei de efeitos concretos que cause danos ao particular.

Existe responsabilidade do Estado por atos jurisdicionais?

Também em regra não. Entretanto, haverá responsabilidade nos casos de erro judiciário, reconhecido em
revisão criminal ou o decorrente de prisão de alguém além do tempo permitido, nos casos em que o juiz
responde pessoalmente por dolo, fraude, recusa, omissão ou retardamento injustificado de providências de seu
ofício, nos termos do art. 133 do CPC, e por fim, nos casos de erro grave (ex: prisão de alguém sem qualquer
envolvimento com o fato criminoso.

As empresas públicas podem gozar de privilégios fiscais?

As empresas públicas se dividem em empresas públicas que realizam atividade econômica e empresas públicas
que prestam serviço público. Em relação às primeiras, aplica-se o previsto no art. 173, parágrafo 2º da CF, ou
seja, elas não podem gozar de privilégios fiscais não extensivos às do setor privado. Já em relação às segundas,
aplica-se o previsto no art. 150, parag 3º da CF, ou seja, a empresa pagará tributo nos casos em que a carga
tributária for repassada ao usuário. Todavia, há uma peculiaridade em relação à ECT, pois a ela aplica-se o
mesmo tratamento dado à Fazenda Pública, razão pela qual, aplica-se o art. 150, parag 2º da CF.

EMPRESARIAL

- Cia aberta delibera em assembléia pela cisão ou incorporação. Qual providencia imediata que o administrador tem
que fazer após essa assembléia?

A cisão e a incorporação de companhias abertas resultam na criação de outras companhias abertas, que devem,
conforme o caso, proceder ao registro e obterem autorização da Comissão de Valores Mobiliários, no prazo de
120 dias da deliberação assemblear, para negociação de ações no mercado secundário, conforme art. 233, §3º,
da Lei nº 6.404/74.

- A responsabilidade do acionista é limitada? Ações podem ser cedidas livremente? Em algum caso elas podem
depender de autorização da assembléia para serem cedidas?

R.: Sim. Falar em responsabilidade limitada corresponde a dizer que o sócio não responde pelas dívidas sociais.
No caso do acionista, integralizadas as ações subscritas ou adquiridas, cessa a sua responsabilidade pelas dívidas
da sociedade. É preciso destacar, contudo, que, sendo diretor da CIA. e agindo com culpa ou dolo,

87
contrariamente à lei ou ao estatuto (art. 158, LSA), tal qual ocorre na dissolução irregular da sociedade, o
acionista responde pelas dívidas decorrentes desses atos, de forma solidária e ilimitada.
Em regra, as ações podem ser livremente cedidas pelo seu titular, sem anuência dos órgãos administrativos da
CIA ou da maioria dos acionistas. Contudo, no caso de CIAs fechadas, é possível a limitação do à circulação das
ações, submetendo-a à autorização da assembleia. Tal pode ocorrer porque, nesta espécie de Cia., as ações
estão distribuídas entre pequeno grupo, não sendo muitos desejável o ingresso de pessoas estranhas. Nos
termos do art. 36 da LSA, essa restrição pode ser imposta quando da constituição da sociedade ou por meio de
alteração do estatuto, sendo que, neste caso, a restrição vai depender da concordância do acionista.

- Quais os efeitos da sentença declaratória de falência?

R.: A sentença de falência produz efeitos em relação à pessoa do falido, em relação aos seus bens, às suas
obrigações, e em relação aos credores. Basicamente, no que diz respeito ao falido, fica ele impedido de exercer
atividade empresarial, até a extinção de suas obrigações, e privado da administração de seus bens. Os bens do
falido passam a constituir a massa falida objetiva, entidade sem personalidade jurídica que será representada
pelo administrador judicial. As obrigações do falido incorrem em vencimento antecipado, não incidindo juros de
mora. Os credores do falido, por fim, passam a compor a massa falida subjetiva, devendo exercer seus direitos,
em regra, diretamente no processo falimentar.

- Quando ocorre a extinção das obrigações do falido?

R.: As obrigações do falido reputam-se extintas com o pagamento integral; o pagamento de 50% dos créditos
quirografários após realizado todo o ativo; o decurso do prazo de cinco anos a contar do encerramento da
falência; e, por fim, com o decurso do prazo de dez anos a contar do encerramento da falência, quando o falido
houver sido condenado pela prática de crime falimentar.

AMBIENTAL

Qual o conceito de meio ambiente e qual as suas espécies?

É o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica que permite, abriga
e rege a vida em todas as suas formas. (art. 3º, I da lei 6.938/81). Suas espécies são: meio ambiental natural,
meio ambiente artificial, meio ambiente cultural e meio ambiente do trabalho.

Distinga princípio da Precaução de Princípio da Prevenção?

O princípio da prevenção incide naquelas hipóteses em que se tem certeza de que dada conduta causará um
dano ambiental, razão pela qual são exigidos licenciamentos, estudos de impacto ambiental etc. Já o princípio
da precaução incide nas hipóteses de incerteza científica sobre se dada conduta pode ou não causar um dano ao
meio ambiente, impondo-se que na dúvida, deve-se ficar com o interesse da coletividade, e não dos
empreendedores (in dubio pro societate)(há inversão do ônus da prova).

O que é o Princípio do Desenvolvimento Sustentável?

É aquele que determina a harmonização entre o desenvolvimento econômico e social e a garantia da


perenidade dos recursos ambientais. Encontra previsão no art. 170 da CF e no art. 4º, I da lei 6.938/81.

Quando o desenvolvimento sustentável ganhou força?

O antecedente deste princípio é a Carta de Estocolmo. Todavia, foi com a CF/88 que o princípio ganhou força,
assim como com a ECO-92, que formulou a Declaração do Rio.

O princípio da Precaução e da prevenção se encontram positivados em nosso ordenamento?

O princípio da prevenção encontra-se positivado na Declaração de Estocolmo de 1972, na Lei 6.938/81 e no art.
225, IV da CF. Já o princípio da precaução encontra-se positivado na ECO 92 (decreto legislativo 1/04) e na lei
11.105/05 (sobre OGMs)

88
Fale sobre o princípio da ubiquidade.

É aquele pelo qual as questões ambientais devem ser consideradas em todas as atividades humanas. O meio
ambiente está em todos os lugares, de modo que qualquer atividade deve ser feita com respeito a sua proteção
e promoção.

Fale sobre o Princípio da correção na fonte.

É aquele pelo qual deve-se buscar o desenvolvimento de ações preventivas no sentido de corrigir na origem,
tanto quanto possível, os fatos geradores de degradação ambiental.

O que é a função sócio-ambiental da propriedade? Tem previsão em nosso ordenamento?

É aquele pelo qual a propriedade deve ser utilizada de modo sustentável, com vistas não só ao bem-estar do
proprietário, mas também da coletividade como um todo. Este princípio tem previsão no art. 5º, XXIII, art. 170,
III e 186 da CF. No plano infraconstitucional, tem previsão no art. 1228 do CC e no art. 6º da lei 11.428/2006.

O que é o princípio da participação comunitária?

É aquele que estipula que as pessoas têm direito de participar ativamente das decisões políticas ambientais,
uma vez que os danos ambientais são transindividuais. Por exemplo: medida legislativa – iniciativa popular,
plebiscito, referendo. Medida administrativa – direito de obter informações, direito de petição e estudo prévio
de impacto ambiental. Medida judicial – ação popular e ação civil pública.

É possível a inversão do ônus da prova em matéria ambiental?

Sim, trata-se de aplicação do princípio da precaução, na qual deve o empreender provar que sua atividade não
causará danos ao meio ambiente, nos casos de incerteza científica.

É possível aceitar o direito ambiental como direito econômico?

Sim, pois um dos princípios gerais da atividade econômica, previsto no art. 170, VI da CF, é a defesa do meio
ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e
de seus processos de elaboração e prestação.

Princípio da Eticidade objetivo e subjetivo no direito ambiental, discorra. Relacione tal princípio com a moral.

A eticidade remete à ética, lealdade, sinceridade e, sobretudo, equidade. E se liga ao princípio da equidade
geracional, que é aquele pelo qual as presentes e futuras gerações têm os mesmos direitos quanto ao meio
ambiente ecologicamente equilibrado. Busca-se, com a ética ambiental, criar-se uma nova ordem mundial, onde
o Homem não mais satisfaz apenas seus desejos imediatos mas, ao agir, busca atender seus desejos, limitados
pelas necessidades de outros seres vivos, bem como os desejos de gerações futuras.
A moralidade exige que a conduta praticada pelo administrador seja pautada de acordo com a ética, com o bom
senso, bons costumes e principalmente com a honestidade.

Cabe MS coletivo para proteção do meio ambiente em juízo?

O direito de proteção ao meio ambiente é um direito difuso. Ocorre que apesar de o art. 21, parágrafo único da
lei 12.016/09 não elencar o direito difuso como direito que pode ser protegido por meio do mandado de
segurança coletivo, certo é que a Constituição Federal no art. 5º, LXIX não impôs esta limitação. Desse modo,
não poderia uma lei infraconstitucional limitar uma garantia prevista no rol dos direitos fundamentais.
Fala-se em preservacionismo (corrente doutrinária mais clássica), de um lado, e ambientalismo social, de outro.
Como se pode conceituar o direito ambiental nesse contexto
O preservacionismo, considerado como uma das formas de se interpretar o princípio da equidade
intergeracional, defende que a geração atual não destrua ou reduza os recursos naturais existentes. Levando ao
extremo, esse modelo conduz à estabilização do status quo.
Já o ambientalismo social defende que deveria haver um uso sustentável do meio ambiente, respeitando
princípios tais como o princípio do desenvolvimento sustentável e o princípio da função sócio-ambiental da
propriedade. Assim, quem deseja ter uma atividade econômica poderá fazê-lo, desde que não degrade o meio
ambiente , seja evitando práticas lesivas, seja garantindo a constante renovação dos recursos naturais. Assim,
pode-se conceituar o direito ambiental como o direito a um meio ambiente equilibrado que está intimamente
89
ligado ao direito fundamental à vida e à proteção da dignidade da vida humana, garantindo, sobretudo,
condições adequadas de qualidade de vida, protegendo a todos contra os abusos ambientais de qualquer
natureza.

HUMANÍSTICA

- Diferencie psicologia, psicanálise e psiquiatria.

R.: A psiquiatria é uma especialidade médica, devendo seu exercício ser desempenhado exclusivamente por
profissional médico, podendo, portanto, prescrever medicamentos.
A psicologia é a ciência que estuda os aspectos emocionais, cognitivos e comportamentais do ser humano. O
profissional que a desempenha tem formação superior em psicologia, que não constitui uma especialidade
médica.
A psicanálise é uma formação profissional que consiste em um método terapêutico criado por Freud que se
preocupa mais com o inconsciente das pessoas do que com o comportamento em si. A psicanálise não constitui
curso superior específico, podendo ser exercida por qualquer profissional com formação superior.

- A psiquiatria é dirigida apenas aos doentes mentais?

R.: Não. Doente mental é o indíviduo que não tem consciência de seus atos ou que tem essa consciência
reduzida. A psiquiatria, apesar de tratar dos doentes mentais, vai além, tratando de pessoas dotadas de plena
capacidade, muito embora possam ter problemas de ansiedade exagerada, síndrome do pânico, depressão etc.

- Conceito de Eros (erótico) e tânato (morte). Excesso de pulsão da pessoa pode levar à morte?

R.: Tanato é a personificação da morte. Eros, por sua vez, é o deus grego do amor. As referidas figuras se
opõem, sendo que a literatura que trata do assunto utiliza os conceitos para interpretar o eterno conflito da
construção e da destruição, da vida e da morte, do ódio e do amor, da satisfação e da insatisfação.
Pulsão designa, em psicologia, um impulso energético interno, decorrente do inconsciente, que direciona o
comportamento do indíviduo. O excesso de pulsão pode, sim, levar à morte, considerando que a pessoa pode
tomar atitudes impulsivas que criem risco de morte.

- É possível que o juiz, no subconsciente, tenha preconceito?

R.: O juiz é uma pessoa natural, com formação, educação, experiências, características e paixões próprias.
Assim, é impossível eliminar preconceitos do subconsciente do juiz, já que esta é uma característica inerente à
condição humana. Reconhecida a natureza humana do juiz, afasta-se a ideia do juiz neutro, desprovido de
sentimentos e de emoções.
Contudo, o que se reputa vedada é a parcialidade do juiz, quando ele passa a decidir não com base na técnica
jurídica, pautada nos princípios e regras consagrados pelo direito, mas nos seus preconceitos e convicções
subjetivas.

- A CF trata de preconceito? Em algum dispositivo utiliza expressamente a palavra preconceito?

R.: Sim. A Constituição Federal trata, no preâmbulo, da sociedade almejada para o Brasil, caracterizada pela
fraternidade, pluralismo e ausência de preconceitos. Além do preâmbulo, a CF consagra como um dos objetivos
da República Federativa do Brasil a promoção do bem de todos, sem qualquer tipo de preconceitos, conforme
art. 3º, inc. IV.

- O Sr é juiz criminal e quer saber se a vitima reconhece o ladrão. O Sr tomaria algum cuidado especial quanto a isso
ou só perguntaria se ela o reconhece?

R.: O reconhecimento de pessoas, como ato judicial, deve ser cercado de toda a cautela necessária,
especialmente no processo penal, em que as consequências de um erro judicial pode privar a pessoa do direito
à liberdade.
Assim, deve-se seguir o disposto no art. 226 do CPP, que prevê uma série de formalidades para reduzir ao
máximo possível o risco de equívoco por parte daquele a quem cabe realizar o reconhecimento.

90
O que é Sociologia Jurídica?

A sociologia do direito é a ciência que estuda a influência que a sociedade exerce sobre a ordem jurídica, assim
como a influência que a ordem jurídica exerce sobre a sociedade.
Vale lembrar que a sociologia do direito cumpre um papel importantíssimo dentro do conhecimento jurídico
porque quebra o dogmatismo puro, a redução normativista do conhecimento jurídico, e permite assim um
estudo mais crítico do direito, um estudo mais especulativo do direito, buscando valorizar a dimensão de
efetividade, e portanto, buscando enfatizar as conexões das normas jurídicas com os fatos sociais, e a partir do
diagnóstico da perda da efetividade e da eficácia social, torna-se possível, através dos estudos sociológicos, a
formulação de novas normas, a formulação de e de novas interpretações e aplicações normativas do direito.

Qual a relação entre a Sociologia Jurídica e a Psicologia?

O objeto de estudo da Sociologia, são essas regras e normas coletivas que orientam e determinam a vida dos
homens em sociedade. Ou seja, o objeto de estudo tem origem na sociedade. Já na psicologia o objeto de
estudo tem origem no indivíduo, isto é, a Psicologia tenta compreender as reações biológicas, comportamentais
e de processos mentais e tem sua importância pois muitas das vezes os problemas jurídicos se iniciam no
emocional e no psicológico do ser humano. Vale dizer, enquanto a sociologia apresenta uma análise mais
coletiva de interdependência do fato social com o direito, a psicologia apresenta uma análise mais individual de
interdependência da pessoa com o direito. Ou melhor, a psicologia estuda comportamentos psíquicos que
podem influenciar positiva ou negativamente a sociedade, auxiliando, assim, na resolução pacífica dos conflitos
sociais.

O que se entende por conflito?

um conflito é aquele que surge sempre que um desejo é limitado pela resistência de outrem ou pelo veto
jurídico à satisfação voluntária.

O conflito é o normal ou é um fenômeno anômalo?

O conflito é o normal, já que é inerente à vida em sociedade.

Seria uma falácia dizer-se que o Poder Judiciário seria um instrumento para resolução de conflito?

Não. Houve uma evolução histórica quanto a isso, indo desde a chamada autotutela com o vigor da Lei das XII
Tábuas, depois com a autocomposição, quando a vítima era ressarcida por meio de uma indenização
estabelecida por um árbitro, até o presente momento quando as soluções dos conflitos se realizam às custas da
intervenção estatal materializada na decisão judicial, dotada de coerção típica da atuação soberana do Estado,
ou à margem de qualquer atividade estatal como ocorre nos meios alternativos de solução de conflitos.

Qual a diferença entre coerção e coação?

Enquanto a coação é a força em ato, a coercibilidade é em potência. Tal distinção é básica, pois se a coação se
manifesta apenas eventualmente, a coercibilidade é um estado permanente da ordem jurídica. [...] Uma parte
do ordenamento jurídico, além de definir a conduta exigida, prevê sanções de diferentes tipos aos seus
infratores. A sanção jurídica não se confunde com a coação. Esta é força, enquanto aquela é apenas
determinação de penalidade, que pode ser aceita espontaneamente ou não pelos destinatários. Ocorrendo esta
última circunstância, o aparato coativo do estado deverá ser acionado”. Assim, o direito é fato social coercitivo
(obrigatório) que pode se valer da coação (força) para se afirmar.

A expressão “democrático de direito” significaria o que?

A noção de Estado Democrático de Direito reúne os princípios do Estado Democrático e do Estado de Direito,
aliados a um componente revolucionário de transformação social, de mudança do status quo, de promoção da
justiça social. A idéia de Estado de Direito implicaria na submissão de todos ao império da lei, na previsão da
separação de poderes e na consagração de direitos e garantias individuais. O Estado Democrático agregaria o
princípio da soberania popular, com a efetiva participação do povo na gestão da coisa pública. O componente
revolucionário, de sua vez, traria a vontade de transformação social.

Qual o conceito moderno de democracia?

91
É o regime político baseado na vontade popular, expressa nas urnas, com uma técnica de liberdade e igualdade,
variável segundo a história, assegurando o respeito às minorias.

Democracia é forma de estado, é forma de governo, sistema de governo ou é outra coisa?

É considerado regime de governo.

O que seria a fraternidade?

A fraternidade é um conceito filosófico profundamente ligado às ideias de Liberdade e Igualdade e com os quais
forma o tripé que caracterizou grande parte do pensamento revolucionário francês. A ideia de fraternidade
estabelece que o homem, como animal político, fez uma escolha consciente pela vida em sociedade e para tal
estabelece com seus semelhantes uma relação de igualdade, visto que em essência não há nada que
hierarquicamente os diferencie: são como irmãos (fraternos). Este conceito é a peça-chave para a plena
configuração da cidadania entre os homens, pois, por princípio, todos os homens são iguais. De uma certa
forma, a fraternidade não é independente da liberdade e da igualdade, pois para que cada uma efetivamente se
manifeste é preciso que as demais sejam válidas. Ademais, podem ser conceituadas também como os direitos
do povo, direitos transindividuais e coletivos e direitos da solidariedade, ou seja, direitos de 3ª geração, tais
como a paz, o direito a um meio ambiente equilibrado, o patrimônio histórico e cultural e a biodiversidade.

O que seria uma sociedade plúrima?

É uma sociedade em que há uma miscegenação de costumes e valores.

Isso significa várias sociedades? Unidades na pluralidade?

Não. Como exemplo, a sociedade brasileira é uma sociedade plúrima.

O que é justiça?

Justiça é dar a cada um o que é seu. Além disso, é tratar os iguais igualmente e os desiguais desigualmente na
medida de sua desigualdade, buscando assim estabelecer não só uma justiça formal, mas também uma justiça
material.

Qual a diferença entre o isolamento e contato?

O isolamento é uma forma de exclusão que pode se dar de diversas formas, tais como socialmente, seja por
preconceitos ou projetos de ocupação e desenvolvimento dos espaços urbanos de diversas cidades, como
psicologicamente , seja por falta de tempo, seja por traumas pessoais e/ou a imposição de rígidos padrões de
comportamento. Já o contato é representado pelas diversas formas de relacionamento dos indivíduos dentro de
uma sociedade.

Cite a diferença entre grupo social, comunidade e sociedade como junção humana.

Os grupos sociais são formados a partir de relações estáveis entre indivíduos que possuem interesses e
objetivos em comum.
Uma comunidade é um grupo social unido por laços afetivos. É um grupo de pessoas que se organizam sob o
mesmo conjunto de normas e regras e que vive junto, de modo íntimo e privado.
Uma sociedade humana é um coletivo de cidadãos de um país, sujeitos à mesma autoridade política, às mesmas
leis e normas de conduta, organizados socialmente e governados por entidades que zelam pelo bem-estar desse
grupo.
A família é uma comunidade ou um grupo social? E as relações são mais ou menos estritas?
Família compreende a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por
laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa. As relações são mais estritas.

Qual a diferença entre a regra moral, regra de trato social e regra jurídica?

Regra moral: orienta a consciência humana em suas atitudes. É unilateral, autônoma, interior, incoercível,
sanção difusa;

92
Regra de trato social: padrões de conduta social ditados pela própria sociedade, com o propósito de tornar mais
agradável o ambiente social. São seguidas por força do costume, de hábitos consagrados. De acordo com
Radbruch e Del Vecchio, as regras de trato social encontram-se entre a Moral e o Direito. Ex: cortesia, etiqueta.
Quem desatende a essa categoria de regras sofre uma sanção social, tal como a censura ou o desprezo público,
mas não pode ser coagido (legitimamente) a praticá-las. É unilateral, heterônomo, exterior, incoercível, sanção
difusa;
Regra jurídica: é bilateral, heterônomo, exterior, coercível, sanção prefixada.

Distinção entre imperativo categórico de Kant e norma fundamental de Kelsen.

Imperativo categórico é o critério objetivo da moralidade e se articula, em quatro formulações, todas dirigidas à
vontade do agente, tais como: 1ª. Formulação - “age unicamente de acordo com a máxima que possa se tornar
universal”; 2ª formulação – “age como se a máxima da tua ação se devesse tornar por tua vontade uma Lei
Universal da Natureza’”; 3ª formulação – “age de tal forma que trates a humanidade, tanto na tua pessoa, como
na pessoa de qualquer outro, sempre e simultaneamente como fim e jamais como meio”. 4ª formulação – “age
segundo máximas que contenha simultaneamente em si a sua própria validade universal para todo o ser
racional”. Ou seja, em resumo, os imperativos categóricos seriam a moral, chamados de normas éticas, por
Kant. Já o direito estaria nos imperativos hipotéticos.
Kelsen não admitiu o imperativo categórico e a causalidade que rege o mundo do ser, cujo teor seria
incompatível com sua teoria pura. De fato, o purismo kelseniano tentou demonstrar que o direito não se
ampara na natureza nem na causalidade. Para Kelsen o direito era hipotético e coativo, pois sempre partia da
ilicitude e sua expressão se dava somente por meio da norma jurídica estatal. O direito era personificado no
Estado e fundamentado numa norma hipotética. Isto é, para Kelsen, o direito não poderia ser misturado com a
sociologia, com a antropologia, com a filosofia, dentre outros ramos do conhecimento, visto que o direito se
confunde apenas com a norma e com os atos do Estado, Assim, a constituição, que é norma componente do
ordenamento jurídico, localizada no ápice da pirâmide, é elaborada por seres humanos, e seu fundamento está
em outra norma, a norma fundamental hipotética.
Desta forma, vê-se que o ponto discordante entre as duas teorias reside em que a teoria pura do direito de
Kelsen não admitia as leis naturais como fundamento do direito, pois negava o imperativo categórico originado
de uma lei universal.

O que Carlos Cóssio quis dizer com a definição do direito como cultura?

Para Carlos Cóssio, o Direito deveria ser compreendido e interpretado mediante uma teoria do conhecimento,
relativa ao respeito da conduta humana em interferência intersubjetiva. Já não se tratava de sujeitos jurídicos
ideais (normativismo mecânico), mas sim de pessoas, de seres humanos reais. Era o direito como conduta
humana. Cossio prova que "o juiz vê o Direito não como algo conclusivo e já feito, mas sim como algo que se faz
constantemente em seu caráter de vida humana vivente.”

E a teoria tridimensional com o fenômeno cultural de Miguel Reale?

Para Teoria Tridimensional do Direito de Miguel Reale, Direito é, ao mesmo tempo, fato, valor e norma,
elementos que coexistem numa unidade concreta. Sobre um mesmo fato incidem vários valores, e desses
valores podem surgir muitas normas. Todavia, o centro de poder é que será o elemento para a escolha de qual
norma será aplicada ao fato, elegendo um valor.

O que quer dizer a afirmação doutrinária de que os direitos humanos trabalham com a idéia de uma revolução
kantiana?

O pensamento de Immanuel Kant foi fundamental para o progresso da filosofia e do direito internacional,
particularmente no tocante a concretização do fundamento deontológico que celebrou o legado das principais
fontes filosóficas de criação das instituições internacionais. Além disso, a deontologia kantiana influenciou e
continua a proporcionar diretrizes éticas às instituições, como a ONU, que busca a consecução dos direitos
humanos no contexto global.

93
Ademais, os direitos humanos são naturais, isto é, são essenciais à pessoa humana, mesmo na ausência de
legislação especifica, coadunando-se com a filosofia kantiana, já que o direito deve encontrar seu fundamento
de validade não só nas leis, mas nos princípios, nos valores morais e na essência da pessoa.

PONTO 4

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

PENAL/PROCESSO PENAL

6 – Denúncia lastreada única e exclusivamente por peças de informação do Ministério Público; não houve nenhum
procedimento policial. Pode ser aceita?

R: sim, o inquérito policial é dispensável se o MP já tiver elementos suficientes para a propositura da ação.
Artigo 39,§5º do CPP.

7 – O Ministério Público oferece denúncia por tráfico e associação para o tráfico, crimes autônomos. Para o acusado,
há previsão de aplicação de causa especial de aumento de pena pelo uso de arma de fogo (lei n. 11.343/06). Aplica-se
esta causa de aumento aos dois crimes?

R: sim. O crime de tráfico está previsto no artigo 33 da lei de drogas e o crime de associação para o tráfico no
artigo 35 da referida lei. O artigo 40 da lei de drogas prevê que as penas previstas nos artigos 33 a 37 da lei
serão aumentadas nos casos nele previstos. Portanto, em sendo a arma utilizada para a prática de ambos os
crimes, não há óbice à aplicação da causa de aumento de pena nos dois.

8 – Para a aplicação do §4º, artigo 33 da Lei n. 11.343/06, nossa ordem jurídica define o que seja “organização
criminosa”?

R: atualmente, o conceito de organização criminosa está previsto no artigo 1º,§1º da lei 12.850/13. “considera-
se organização criminosa a associação de 4 ou mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada pela
divisão de tarefas, ainda que informalmente, com objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de
qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 anos ou
que sejam de caráter transnacional.”

9 – Se o apenado está em regime fechado e comete falta grave, qual a medida aplicada? Posição do STF e se há
divergência quanto a esta.

R: perda dos dias remidos; reinicio da contagem dos prazos para futuros benefícios, inclusive a progressão de
regime.

10 – Se o disposto no §2º, artigo 201 do CPP não for cumprido – o juízo deixar de comunicar ao ofendido qualquer ato
processual referente ao acusado – essa irregularidade produz alguma consequência?

R: O CPP não traz nenhuma previsão sobre eventuais consequências advindas do não atendimento do comando
normativo. Acredito que seja mera irregularidade.

CONSTITUCIONAL

Pretensão de controle de constitucionalidade sobre atos materiais do Governador do RJ, é possível por ADI ou ADC ou
outra forma? (Ponto 4)

Atos materiais são aqueles atos de atuação concreta da Administração Pública, que não são dotados de
generalidade e abstração. São tos de individualização do direito, que repercutem limitadamente na esfera
94
jurídica das partes interessadas. Assim, por não possuírem o caráter normativo, não se sujeitam ao controle de
constitucioanalidade por meio de ADI ou ADC, uma vez que tais ações destinam-se ao controle de atos
normativos primários, que buscam fundamento diretamente na Constituição. Os atos materiais são impugnáveis
por ações subjetivas, como mandado de segurança, ação popular, etc.
No entanto, segundo Luís Roberto Barroso, há atos administrativos que apresentam alcance mais amplo
e até de repercussão geral, como editais de licitação, contratos administrativos e concursos públicos. Nessas
hipóteses é possível supor que, em determinadas situações de descumprimento de preceito fundamental e de
relevância do fundamento da controvérsia constitucional que venha a se instalar, seja possivel o controle por
meio de ADPF.

Lei estadual exige prévia autorização do Legislativo para que o Executivo Estadual celebre convênio, isso é
constitucional? (Ponto 4)

Neste tema deve ser feita uma distinção, com amparo na jurisprudência do STF. Em 2003 o STF já havia se
manifestado a respeito do tema, proferindo uma decisão em ADI, declarando a inconstitucionalidade de
dispositivos da Constituição do Estado do Paraná que previam ser da competência da Assembleia Legislativa
autorizar convênios a serem celebrados pelo Governo do Estado. Afirmou o STF que a exigência afronta o
Princípio Constitucional da Separação e Independência dos Poderes (ADI 342 e ADI 1857).
No entanto, em 2013 o STF novamente se manifestou sobre o tema. Foi proposta uma ADI em face de norma da
Constituição do Estado da Paraíba que previa a necessidade de autorização sobre convênios que acarretem
encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio estadual. Nessa ocasião o STF julgou improcedente a ADI.
Alegou-se ofensa ao Princípio da Simetria porquanto o artigo 49, inciso I da CF prevê apenas que o Congresso irá
resolver sobre tratados, sem incluir a autorização, que seria prévia. O STF afirmou que o Princípio da Simetria,
extraído dos artigos 25 da CF e 11 do ADCT não significa que o poder constituinte decorrente deva copiar as
normas federais, mas apenas observar os seus princípios. Considerou que a inovação ali prevista não atenta
contra os marcos fundamentais da CF. Afirmou que, em se tratando de convênios que acarretem encargos ou
compromissos gravosos ao patrimônio estadual, eles podem ser submetidos à autorização do legislativo local,
sem incorrer em inconstitucionalidade por ofensa ao Princípio da Separação dos Poderes. Ponderou que, em
verdade, a previsão da Constituição estadual representa o fortalecimento do Sistema de Freios e Contrapesos.
(ADI 331, julgada em 03/04/2014).
Ação direta de inconstitucionalidade. Inciso XXII do art. 54 da Constituição do Estado da Paraíba. Competência
privativa da Assembleia Legislativa para autorizar e resolver definitivamente acordos e convênios. Alegada
ofensa ao princípio da simetria. Acordos ou convênios que podem gerar encargos ou compromissos gravosos ao
patrimônio estadual podem ser submetidos à autorização do legislativo local, sem violar o princípio da
separação dos poderes. Ação direta julgada improcedente. (ADI 331, Relator(a): Min. GILMAR MENDES,
Tribunal Pleno, julgado em 03/04/2014, DJe-082 DIVULG 30-04-2014 PUBLIC 02-05-2014 EMENT VOL-02728-01
PP-00001)

ELEITORAL

TRIBUTÁRIO

7) Existe exceção para a retroatividade no CTN?

R: Na verdade, a retroatividade é que constitui exceção no CTN. Como ensina Mauro Luís Rocha Lopes, a
legislação tributária tem, como regra, aplicação prospectiva. Desse modo, pode-se dizer que, em termos gerais,
que a novel lei tributária não será aplicada a ato ou fato pretérito quando importar em agravamento da situação
do contribuinte, como, por exemplo, criar ou agravar penalidades.

Existem exceções à regra da irretroatividade tributária?

O princípio da irretroatividade tributária, previsto no art. 150, III, a, da CF não possui qualquer exceção. Todavia,
esta previsão não exclui e nem é incompatível com a possibilidade da existência de leis com efeito retroativo,
tais como as expressamente interpretativas e as que versem sobre infrações e sejam melhores para os
infratores, previstas no art. 106 do CTN.
95
Ponto 4

Há diferença entre processo e procedimento tributário?

Sim, a diferença está no momento, isto é, o procedimento tributário é o conjunto de atos realizados pela
Administração Pública Tributária para formalização do crédito tributário e que ocorre antes da notificação do
contribuinte para apresentar impugnação quanto ao lançamento, assim como atos praticados antes do
lançamento e da notificação do sujeito passivo, podendo ser citados como exemplos a consulta tributária e a
denúncia espontânea (prevista no art. 138 do CTN), que se enquadrariam como procedimento administrativo
fiscal de natureza preventiva, e a restituição, a compensação e o ressarcimento de tributos que se
consubstanciariam em procedimentos administrativos de natureza voluntária.
Já o processo administrativo tributário é aquele que se instaura no momento em que o sujeito passivo impugna
o lançamento, e o processo judicial tributário é aquele que se instaura quando há ajuizamento de ação de
execução fiscal pelo Fisco, sendo que, em ambos, o princípio do contraditório e ampla defesa previsto no art. 5º,
LV da CF é aplicável.

ADMINISTRATIVO

EMPRESARIAL

AMBIENTAL

HUMANÍSTICA

PONTO 5

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

PONTO 05 Distinga cessão de crédito, assunção de dívida e cessão da posição contratual (cessão de contratos).

Cessão de crédito é um negócio jurídico de feição contratual, em que o credor transfere seu
direito a um terceiro. Segundo o mandamento do art. 286 do CC, é permitida a cessão de direito em geral, de
forma intacta, assim como fora contraído pelas partes originais da relação jurídica negocial, havendo tão
somente modificação do sujeito ativo da relação, e ficando obstada a cessão de créditos inalienáveis por
natureza, por lei ou por convenção com o devedor.
A chamada assunção de dívida, denominada por alguns doutrinadores como Cessão de Débito,
não poderá ocorrer sem a concordância do credor. Isso porque a garantia do adimplemento da obrigação para o
credor resulta do patrimônio do devedor. Assim, é importantíssima a figura do devedor para o destinatário do
crédito. Ademais, o credor não é obrigado a receber coisa diversa do objeto da obrigação, ainda que mais
valiosa, não sendo, portanto obrigado a aceitar outro devedor, ainda que mais abastado. Ou seja, não pode ser
imposto ao credor um novo devedor.
Diferentemente da Cessão de Crédito, na Assunção de Débito, as garantias ditas especiais, quais
sejam, aquelas conferidas em razão da pessoa, ditas pessoais não subsistirão com a cessão do débito, salvo se
houver menção expressa neste sentido, uma vez que são garantias inseparáveis da pessoa a quem conferidas,
como por exemplo, a fiança, em que não poderia se obrigar o fiador a garantir o crédito de um devedor que
desconhece. Desse modo, transferida a dívida, salvo manifestação expressa dos garantidores primitivos,
exoneram-se o fiador e o terceiro hipotecante. A exemplo da Cessão de Crédito, o negócio bilateral obedecerá a
mesma forma do negócio original. Trata-se ao mesmo tempo de ato de aquisição e de disposição, sujeitando-se
ao regime de nulidade e anulabilidade dos atos jurídicos em geral, bem como obedecendo às regras de
capacidade e legitimação própria da existência dos mesmos.
Diz-se cessão de posição contratual, ou como denominado por Silvio Rodrigues, cessão de
situações contratuais, porque não é o contrato que é cedido, e sim os direitos e deveres oriundos da posição de
contratante. Quem transfere sua posição contratual a um terceiro não transfere unicamente o bem de vida
96
almejado em referido contrato, mas transfere também toda aquela gama de esforços iniciais, as marchas e
contramarchas das primeiras negociações e, por vezes, um verdadeiro know-how que aquele contrato custou.
Por isso, vemos na transferência da posição contratual um plus em relação ao próprio objeto do contrato, um
valor agregado; e até, certo privilégio pelo acesso a determinado bem, que só a posição do contratante, em
determinada situação, pode conferir.
É indiscutível que a cessão de posição contratual é negócio jurídico com características de
contrato, entrando para o campo dos contratos atípicos e, situa-se no direito dispositivo das partes, sendo lícito
segundo a legislação brasileira, desde que observado as normas gerais por ela fixada (art. 425 do CC). Nesse
negócio, tem-se que uma das partes (cedente), com o consentimento do outro contratante (cedido), transfere
sua posição contratual a um terceiro (cessionário). Denomina-se o contato cuja posição é cedida de contrato-
base, e de terceiro o estranho ao contrato-base que assim ingressa, em toda a titularidade do complexo de
relações que envolvia a posição do cedente no citado contrato. É imprescindível para a atuação desse negócio o
consentimento do outro contratante, ou seja, do cedido. Isso porque quem contrata tem em mira não apenas a
pessoa do contrato, mas também os fatores, sendo o principal deles a situação patrimonial da parte. O
consentimento é provocado via notificação extrajudicial. Para o instituto, há necessariamente o concurso de
três vontades, salvo exceções expressamente autorizadas no contrato ou na lei. A falta de consentimento do
cedido impede o aperfeiçoamento da cessão e o relacionamento entre cedente e cessionário fica no campo da
responsabilidade pré-contratual. E se tratar de um contrato inominado, sua forma obedecerá, em regra, à do
contrato cedido.

PONTO 05 Quando se trata de obrigação personalíssima, como se resolve a questão quando do não cumprimento
pelo devedor? E quando a obrigação é não personalíssima?

Conforme artigo 247 do Código Civil, “incorre na obrigação de indenizar perdas e danos o
devedor que recusar a prestação a ele só imposta, ou só por ele exequível”. Por seu turno, o artigo 249
estabelece que “se o fato puder ser executado por terceiro, será livre ao credor mandá-lo executar à custa do
devedor, havendo recusa ou mora deste, sem prejuízo da indenização cabível”. Por outro lado, “em caso de
urgência, pode o credor, independentemente de autorização judicial, executar ou mandar executar o fato,
sendo depois ressarcido” (parágrafo únco).
Vale destacar, ainda, o disposto no CPC: “Art. 461. Na ação que tenha por objeto o cumprimento
de obrigação de fazer ou não fazer, o juiz concederá a tutela específica da obrigação ou, se procedente o
pedido, determinará providências que assegurem o resultado prático equivalente ao do adimplemento. § 1o A
obrigação somente se converterá em perdas e danos se o autor o requerer ou se impossível a tutela específica
ou a obtenção do resultado prático correspondente”.

PONTO 05 Diferencie assunção de dívida liberatória e assunção de dívida cumulativa.

A primeira está disciplinada entre os artigos 299 a 303 do Código Civil, e recebe esse nome em
decorrência do fato de que a transmissão libera o devedor originário, mantendo-se o vínculo inicial na sua forma
original.
A outra espécie de assunção de dívida não está prevista na legislação pátria, todavia, com
fundamento na autonomia da vontade, é possível existir, e ocorre quando o novo devedor assume o débito em
conjunto com o devedor originário. Portanto, diferentemente do primeiro caso, em que há efetivamente há
uma liberação do devedor antigo em relação à obrigação contraída.

PONTO 05 Nulidades absolutas são preclusíveis?

Em regra, as nulidades absolutas, por decorrerem de matérias de ordem pública, podem ser
alegadas a qualquer tempo e em qualquer grau de jurisdição, independentemente de exceção processual,
podendo, até, ser conhecidas de ofício.
Ressalte-se que, em determinadas situações, até mesmo depois de encerrado o processo, a
decretação de nulidade continua a ser possível por meio de ação rescisória. Nessas hipóteses, a nulidade

97
absoluta transforma-se em vício de rescindibilidade, uma vez que o trânsito em julgado é a sanatória geral das
nulidades, inclusive as absolutas.
Não obstante, à luz do princípio da boa-fé objetiva processual, o STF e STJ, em alguns casos,
admitem a preclusão da alegação de nulidade absoluta, inclusive no âmbito penal. Eis alguns julgados:
“Habeas Corpus. 2. Alegação de nulidade decorrente da falta de intimação pessoal do Defensor Público para a
sessão de julgamento da apelação. Não ocorrência. 3. Inércia da defesa. Nulidade arguida somente após o
julgamento do segundo Júri, transcorrido 1 ano e 6 meses do julgamento da apelação. Precedentes. 4. Ordem
denegada. (STF – 2a Turma - HC 105.041/SP – 2011)”

“HABEAS CORPUS. PROCESSUAL PENAL. TRÁFICO. CONDENAÇÃO. JULGAMENTO DO RECURSO DE APELAÇÃO.


FALTA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DO DEFENSOR DATIVO. NULIDADE. PRECLUSÃO. PRECEDENTES. ORDEM
DENEGADA.
1. A intimação pessoal do defensor público ou dativo está assegurada na legislação pátria (arts. 5.º, § 5.º, da Lei
1.060/50, 370, § 4º, do CPP, 44, I, e 128, inciso I, da Lei Complementar n.º 80/94) e sua falta é causa de nulidade
absoluta por cerceamento de defesa. 2. Mas não deve ser reconhecida referida nulidade quando arguida depois
de decorridos mais de quatorze anos, pois já preclusa a matéria. Precedentes. 3. Ordem denegada. (HC
225.727/SP, Rel. Ministra ALDERITA RAMOS DE OLIVEIRA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/PE), SEXTA
TURMA, julgado em 02/10/2012, DJe 11/10/2012)”

PONTO 05 Quais os efeitos da citação válida?

A doutrina aponta que o principal efeito da citação válida é completar a estrutura tríplice da
relação jurídica processual, posto que somente com a prática do ato citatório estará definitivamente formada a
relação autor-juiz-réu.
Por seu turno, o artigo 219 do CPC prevê que “a citação válida torna prevento o juízo, induz
litispendência e faz litigiosa a coisa; e, ainda quando ordenada por juiz incompetente, constitui em mora o
devedor e interrompe a prescrição”.
Assim, o artigo 219 do CPC prevê efeitos processuais (induzir litispendência e tornar prevento o
juízo) e materiais (tornar a coisa litigiosa, constituir o devedor em mora e interromper a prescrição).

PONTO 05 Fale sobre formação, extinção e suspensão do processo.

A formação do processo é tratada nos artigos 262 a 264 do CPC. O processo civil se inicia pela
iniciativa da parte interessada, vez que pelo princípio da inércia da jurisdição, o juiz não pode dar início ao
processo sem que seja provocado. Uma vez provocado, o processo se desenvolve pelo impulso oficial do
magistrado. A ação é considerada proposta desde que seja despachada a petição inicial, ou que seja
simplesmente distribuída, onde houver mais de uma vara. Quanto ao réu, no entanto, a propositura da ação
somente produz efeitos depois de validamente citado. Uma vez citado o réu, é proibido ao autor modificar o
pedido ou a causa de pedir, sem o consentimento da parte adversária. Veda-se também a modificação das
partes, salvo o permitido em lei.
A suspensão do processo é tratada nos artigos 265 e 266 do CPC. O processo é suspenso,
conforme o disposto no CPC: 1. pela morte ou perda da capacidade processual de qualquer das partes, do
representante legal ou de seu procurador (ressalte-se que deve se comunicar ao juiz o evento); 2. por
convenção das partes, que nunca pode exceder seis meses; 3. quando for oposta exceção de incompetência do
juiz, câmara ou tribunal, bem como de suspeição ou impedimento do magistrado; 4. quando a sentença de
mérito depender do julgamento de outra causa, da declaração da existência ou inexistência de relação jurídica;
não puder ser proferida senão depois de verificado determinado fato ou de produzida certa prova requisitada a
outro juízo; ou tiver pressuposto o julgamento de questão de estado, requerido como declaração incidente; 5.
por motivo de força maior, como uma greve dos serventuários, por exemplo; 6. nos demais casos regulados,
como, por exemplo, nas férias forenses. Ressalte-se que, mesmo durante o prazo em que o feito estiver
suspenso, o juiz pode determinar a prática de atos urgentes, a fim de evitar danos irreparáveis que tornassem
ineficaz a prestação jurisdicional final.

98
A extinção do processo é regulada nos artigos 267 a 269 do CPC. O processo se extingue através
da sentença, que pode ou não ingressar no mérito. Sem julgamento do mérito, o processo se extingue: 1.
quando o juiz indefere a inicial (art. 295);
2. quando ficar parado por mais de um ano, por negligência das partes; 3. quando o autor, ao não promover os
atos e diligências que lhe competem, abandonar a causa por mais de 30 dias; 4. quando estiverem ausentes os
pressupostos de constituição e de desenvolvimento do processo (como p. ex., capacidade das partes,
representação por advogado, forma adequada, etc.); 5. quando for acolhida a alegação de perempção,
litispendência ou coisa julgada; 6. quando estiver ausente uma ou mais das condições da ação (legitimidade,
possibilidade jurídica e interesse); 7. por convenção de arbitragem; 8. quando houver desistência; 9. quando a
ação for intransmissível por disposição legal (como no caso da ação de divórcio); 10. quando ocorrer confusão
entre autor e réu; 11. demais casos previstos no CPC, p. ex., quando o juiz ordena e o autor deixa de promover a
citação dos litisconsortes necessários. Quando se tratar de processo parado mais de um ano, ou abandono do
autor por mais de 30 dias, o juiz ordena o arquivamento se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta
em 48 horas. Em se tratando de ausência dos pressupostos de constituição e desenvolvimento, perempção,
litispendência e coisa julgada e ausência das condições da ação, o juiz pode conhecer a qualquer tempo e grau,
enquanto não proferida sentença de mérito. O réu que não alegar na primeira oportunidade responde,
entretanto, pelo retardamento. Quanto à desistência, uma vez decorrido o prazo para resposta, a parte autora
não pode mais desistir do pedido, sem o consentimento do réu. Com exceção do acolhimento de perempção,
litispendência ou coisa julgada, nada obsta que nas outras hipóteses o autor ingresse novamente com a ação,
pois não houve coisa julgada material. Com julgamento do mérito, o processo se extingue: 1. quando o juiz
acolher ou rejeitar o pedido; 2. quando o réu reconhece a procedência do pedido; 3. quando há transação; 4.
quando o juiz pronunciar a decadência ou a prescrição; 5. quando o autor renunciar ao direito sobre que se
funda a ação.

PONTO 05 Distinga publicidade enganosa e publicidade abusiva.

Consoante artigo 37, § 1° do CDC, “é enganosa qualquer modalidade de informação ou


comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por
omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade,
propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços”. Por seu turno, dispõe o § 3°
que “para os efeitos deste código, a publicidade é enganosa por omissão quando deixar de informar sobre dado
essencial do produto ou serviço”.
Na forma do artigo 37, § 2° do CDC, “é abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de
qualquer natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de
julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor
a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança”.

PONTO 05 O que seria publicidade clandestina?

A publicidade é disciplinada basicamente pelo disposto nos artigos 36 a 38 do Código de Defesa


do Consumidor. Seus princípios fundamentais são o da identificação e o da veracidade, para que o consumidor
tenha a informação mais completa possível sobre os produtos e serviços colocados à disposição no mercado de
consumo. O princípio da identificação diz respeito à forma de inserção da mensagem publicitária no veículo de
divulgação. Dispõe o caput do artigo 36 do Código de Defesa do Consumidor: “a publicidade deve ser veiculada
de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como tal”.
Uma das formas de infração ao princípio da identificação é a publicidade clandestina, conhecida
como merchandising, frequentemente utilizada na televisão e cinema, cuja ocorrência se dá de maneira não
ostensiva, inserida no contexto do programa. Nela, há a inserção no roteiro de um produto audiovisual de uma
situação de uso ou consumo de um produto ou serviço, de forma a induzir a identificação do expectador com
determinadas marcas ou estilos de vida. Assim, a publicidade é feita de modo sutil ao telespectador, que associa
o produto às situações/circunstâncias positivas transmitidas.

PONTO 05 As nulidades previstas no CDC são de ordem pública?

99
Sim. Nos termos do artigo 1° do CDC, “o presente código estabelece normas de proteção e
defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5°, inciso XXXII, 170, inciso V,
da Constituição Federal e art. 48 de suas Disposições Transitórias”.
Assim, as regras da Lei 8.078/1990 não podem ser afastadas por convenção entre as partes, sob
pena de nulidade absoluta. Como fundamento para essa conclusão, pode ser citada a previsão do art. 51, inc.
XV, do próprio CDC, segundo o qual são nulas de pleno direito as cláusulas abusivas que estejam em desacordo
com o sistema de proteção do consumidor.

PENAL/PROCESSO PENAL

PONTO 05 Quais pessoas que integram a relação de direito processual penal?

São as diversas pessoas que intervêm, direta ou indiretamente, no curso do processo, visando à
prática de determinados atos. Classificam-se em duas ordens: a) Sujeitos principais ou essenciais: são aqueles
cuja existência é fundamental para que se tenha uma relação jurídica processual regularmente instaurada.
Consistem nas figuras do juiz, do acusador (Ministério Público ou querelante) e do acusado. b) Sujeitos
secundários, acessórios ou colaterais: são os que, embora não imprescindíveis à formação do processo, nele
poderão intervir a título eventual com o objetivo de deduzir uma determinada pretensão. É o caso do assistente
de acusação e do terceiro interessado.
Além dos sujeitos do processo em sentido estrito, há, também, uma categoria de pessoas que,
embora não integrem propriamente a relação processual penal, nela intervêm mediante a prática de atos que
permitem o desenvolvimento regular do processo. São os auxiliares da justiça, peritos, terceiros não
interessados etc.

PONTO 05 Quais seriam as questões incidentes? Exemplifique.

Questão incidente é o fato que pode acontecer no curso do processo (procedimento) e que deve
ser decidido pelo juiz antes de adentrar no mérito da causa principal. É o caso das questões prejudiciais,
tratadas nos artigos 92 a 94 do CPP.

PONTO 05 E quais seriam os processos incidentes?

Os processos incidentes são os interpostos ao longo da causa principal, que demandam solução
pelo próprio juiz criminal, antes que o mérito seja conhecido e decidido. Correm ao largo do procedimento
principal para não tumultuá-lo, embora com ele tenham íntima ligação. Os processos incidentes são: exceções,
incompatibilidades e impedimentos, conflitos de jurisdição, restituição de coisas apreendidas, medidas
assecuratórias, incidente de falsidade e incidente de insanidade mental. Há, igualmente, procedimentos
incidentes previstos em leis especiais. Exemplificando: a discussão sobre a destruição do material coletado
durante o procedimento de interceptação telefônica, conforme previsto no art. 9º da Lei 9.296/96.

PONTO 05 Permite-se a restituição do que foi apreendido antes de findo o processo?

Conforme artigo 118 do CPP, “antes de transitar em julgado a sentença final, as coisas
apreendidas não poderão ser restituídas enquanto interessarem ao processo”.
Coisas apreendidas são aquelas que, de algum modo, interessam à elucidação do crime e de sua
autoria, podendo configurar tanto elementos de prova, quanto elementos sujeitos a futuro confisco, pois coisas
de fabrico, alienação, uso, porte ou detenção ilícita, bem como as obtidas pela prática do delito.
Ressalte-se que, inexistindo interesse ao processo, cabe a restituição imediatamente após a
apreensão ou realização de perícia.

100
PONTO 05 Quais as exceções no processo penal?

Dispõe o CPP: “Art. 95. Poderão ser opostas as exceções de: I – suspeição; II - incompetência de
juízo; III – litispendência; IV - ilegitimidade de parte; V - coisa julgada”.

PONTO 05 Incidente de insanidade mental pode ser de iniciativa do juízo?

Sim. Estabelece o artigo 149 do CPP que, “quando houver dúvida sobre a integridade mental do
acusado, o juiz ordenará, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, do defensor, do curador, do
ascendente, descendente, irmão ou cônjuge do acusado, seja este submetido a exame médico-legal”.

PONTO 05 Qual a consequência da instituição de incidente?

Prevê o § 2º do artigo 149 do CPP que “o juiz nomeará curador ao acusado, quando determinar
o exame, ficando suspenso o processo, se já iniciada a ação penal, salvo quanto às diligências que possam ser
prejudicadas pelo adiamento”.

PONTO 05 Que cuidado teria o juízo quando percebe que o processo não tem prosseguimento, estando este
sobrestado por incidente (demora na apresentação do laudo)? (busca e apreensão)

Conforme § 2º do artigo 150 do CPP, “se não houver prejuízo para a marcha do processo, o juiz
poderá autorizar sejam os autos entregues aos peritos, para facilitar o exame”. Dessa forma, havendo demora
na resolução da questão, é cabível busca e apreensão dos autos entregues aos peritos.

CONSTITUCIONAL

ELEITORAL

TRIBUTÁRIO

ADMINISTRATIVO

Qual o procedimento usado para estabelecer a servidão administrativa? (Ponto 5)

O artigo 40 do DL 3365/41, que contempla a servidão administrativa, expressamente prevê a aplicação das
regras relativas à desapropriação. Destaca-se que tais normas são aplicáveis naquilo que forem compatíveis.
Partindo dessa premissa, uma vez reconhecida a utilidade pública, deve ser expedido o Decreto pelo Chefe do
Executivo, na forma do artigo 2º do DL 3365/41. Essa é a fase declaratória.
Na fase executória, pode haver acordo entre a Administração Pública e o particular, hipótese na qual a servidão
se constitui por meio do registro do contrato no RGI. Não havendo acordo, a Administração Pública deve ajuizar
a respectiva ação para instituir a servidão por meio de sentença judicial. Como o dever de indenizar existe
apenas no caso de dano, em regra não haverá condenação da Administração Pública ao pagamento de
indenização.

Distinga servidão administrativa de servidão civil. (Ponto 5)

A servidão administrativa consiste em instituto do direito público que representa a intervenção do Estado na
propriedade alheia, de forma não supressiva. Encontra previsão no art. 40 do DL 3365/41. Constitui-se por meio
de lei, acordo ou sentença judicial. Segundo Di Pietro: é o direito real de gozo, de natureza pública, instituído
sobre imóvel de propriedade alheia, com base em lei, por entidade pública ou por seus delegados, em face de
um serviço público ou de um bem afetado a fim de utilidade pública.
Por sua vez, a servidão civil consiste em instituto do direito privado, de natureza consensual, que representa um
direito real sobre a propriedade alheia, com amparo no artigo 1378 do Código Civil. Também pode ser
101
reconhecido diante do exercício contínuo e incontestado de uma servidão aparente. Institui-se por meio de
acordo entre os proprietários ou testamento e subsequente registro no RGI.
Diferentemente da servidão de Direito Civil, a servidão administrativa atende ao interesse público, já que a coisa
é afetada por interesse público, razão pela qual, é regida por normas de direito público.

Existe dever de indenizar sem existir dano na servidão administrativa? (Ponto 5)

O tema é divergente na doutrina, em razão da previsão do artigo 40 do DL 3365/41. Entretanto, segundo a


maioria dos doutrinadores, a exemplo de Hely Lopes Meirelles, não há direito à indenização na servidão
administrativa se não houver dano. Segundo o autor, só há indenização dos prejuízos efetivamente suportados
pelo proprietário.
Segundo Hely, a servidão não se confunde a servidão administrativa com a desapropriação, porque esta retira a
propriedade do particular, ao passo que aquela conserva a propriedade com o particular, mas lhe impõe o ônus
de suportar um uso público. Na servidão administrativa mantém-se a propriedade com o particular, mas onera-
se essa propriedade com um uso público e por esta razão indeniza-se o prejuízo (não a propriedade)
eventualmente causado. Se este uso público acarretar dano à propriedade serviente, indeniza-se este dano; se
não acarretar, nada há que indenizar. Vê-se, portanto, que na desapropriação, indeniza-se sempre; na servidão
administrativa, nem sempre.

Fale sobre requisição administrativa (Ponto 5)

Segundo José Carvalho dos Santos Filho, Requisição Administrativa é a modalidade de intervenção estatal na
propriedade através da qual o Estado utiliza bens móveis, imóveis e serviços particulares em caso de situação de
perigo público iminente. Possui fundamento no artigo 50, inciso XXIII da CF e artigo 170, inciso III da CF. Pode ser
usada para fins civis (requisição civil) ou militares (requisição militar).
Podem ser objeto de requisição: bens móveis, imóveis e serviços particulares.
Por ter fundamento em iminente perigo público ou risco de guerra, a decisão de requisitar um bem compete
apenas à Administração Pública (sem a intervenção do Judiciário) e a indenização é paga posteriormente,
somente se houver dano. É um direito transitório.

Agências reguladoras podem editar normas. Qual o limite ao seu poder normativo? (Ponto 5)

Segundo Carvalhinho, as agências reguladoras podem editar normas limitadas à regulamentação de matérias de
alta complexidade técnica. Essa delegação não é completa e integral, limitando-se à discricionariedade técnica,
com observância dos parâmetros previamente estabelecidos na lei. Trata-se do fenômeno da delegação com
parâmetros, caso em que permite-se às agências reguladoras criar normas, mas apenas aquelas normas técnicas
não contidas na lei, relativas aos seus objetivos institucionais.

EMPRESARIAL

AMBIENTAL

HUMANÍSTICA

PONTO 6

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

Processo e procedimento são sinônimos?

R: Não. Conquanto existam divergências na doutrina quanto a essas definições, comungo do entendimento de
que processo refere-se ao instrumento da jurisdição, que se apresenta numa sequência ordenada de atos
através da qual o Estado exerce o poder jurisdicional. Já o procedimento é o aspecto formal do processo, ou
seja, o modo como os atos processuais são ordenados e coordenados sucessivamente no processo.

102
- Discorra sobre a inversão do ônus da prova no CDC e CPC.

R.: A regra no que se refere ao ônus probatório no processo civil brasileiro é a prevista no artigo 333 do CPC,
que consagra a teoria estática da distribuição do ônus, segundo a qual ela é distribuída prévia e abstratamente,
desconsiderando as peculiaridades do caso concreto. Dessa forma, cabe ao autor provar o fato constitutivo do
seu direito e ao réu, os fatos impeditivos, modificativos ou extintivos do direito do autor.
O CPC reconhece expressamente a possibilidade de inversão desse ônus por convenção das partes, desde que
não se refira a direito indisponível ou que torne excessivamente difícil a defesa do direito de uma das partes.
Além da inversão convencional, a doutrina e a jurisprudência tem admitido a inversão judicial do ônus
probatório, com base na teoria dinâmica de distribuição desse ônus. Nessa hipótese, levando-se em
consideração as peculiaridades do caso concreto e a maior ou menor facilidade na realização das provas de
determinados fatos por uma ou outra parte, o juiz inverte o ônus probatório previsto como regra no CPC.
No caso do CDC, a inversão do ônus probatório pode ser ope legis ou opejudicis. O primeiro caso contempla, por
exemplo, as hipóteses de responsabilidade presumida pelo fato do produto ou serviço, em que cabe ao
fornecedor comprovar a inexistência da responsabilidade, seja por não ter colocado o produto ou serviço no
mercado, seja porque eles não são defeituosos, seja pela ocorrência de fato exclusivo da vítima ou de terceiro,
ou, ainda, por caso fortuito ou força maior, conforme entende a jurisprudência. o nexo causal entre a colocação.
Por outro lado, o CDC prevê também, como direito básico do consumidor, previsto no art. 6º, VIII,do CDC, a
inversão do ônus da prova opejudicis, aplicável nos casos em que a responsabilidade do fornecedor não é
presumida. Nesta hipótese, para que seja deferida a inversão é preciso reconhecer, alternativamente, a
hipossuficiência do consumidor ou verossimilhança de suas alegações.

- A hipossuficiência no CDC é técnica ou financeira?

R.: A doutrina e a jurisprudência reconhecem que satisfaz o requisito para inversão do ônus da prova tanto a
hipossuficiência técnica quanto a financeira. No primeiro caso, o consumidor não possui conhecimentos técnico-
científicos acerca do produto ou serviço que lhe permitam realizar a prova de seu direito. Já no caso da
hipossuficiência financeira, há impossibilidade do consumidor de arcar com os custos da realização da prova.
Vale registrar que hipossuficiência financeira não se confunde com pobreza, porque, mesmo não sendo pobre,
os custos para realização de uma prova podem ser tão elevados que o consumidor não poderia suportar esse
ônus e, consequentemente, defender seu direito.

- Quais os elementos da responsabilidade civil?

R.: A responsabilidade civil possui os seguintes elementos: conduta, dano e nexo causal. A depender da natureza
da responsabilidade, se objetiva ou subjetiva, a conduta deverá ser dolosa ou culposa (subjetiva), ou dispensa-
se estes elementos subjetivos para configuração da responsabilidade (objetiva), já que esta estaria amparada na
teoria do risco, em qualquer de suas modalidades.

- Chega em sua comarca um processo de alguém que perdeu os documentos, registrou o B.O. e verificou que seu
nome foi negativado indevidamente, em razão do uso indevido de seus documentos. Não houve relação do autor
com a pessoa que o negativou. Considera, nesse caso, uma relação consumerista?

R.: Sim. O CDC, segundo a doutrina, superou a dicotomia existente entre responsabilidade contratual e
extracontratual. No caso, o que se perquire é a existência de uma relação de consumo, sendo que, para que esta
se repute presente, não é necessário que o consumidor trave uma relação jurídica contratual com o fornecedor,
em especial nos casos de responsabilidade pelo fato do produto ou serviço, já que, mesmo terceiros estranhos a
qualquer contrato, podem ser vítimas de acidentes de consumo.

CIVIL, PROCESSO CIVIL, CONSUMIDOR e ECA: Des. Antônio Iloísio Barros Bastos

- Quais os princípios que regem a aplicação das medidas de proteção do Eca?

R.: Previstos no art. 100, parágrafo único, da Lei nº 8.069/90, são princípios reitores da aplicação das medidas
sócio-educativas o do reconhecimento da condição da criança e adolescente como sujeito de direitos, proteção
103
integral e prioritária, responsabilidade primária e solidária do poder público, interesse superior da criança e do
adolescente, privacidade, intervenção precoce, intervenção mínima, proporcionalidade e atualidade,
responsabilidade parental, prevalência da família, obrigatoriedade da informação, oitiva obrigatória e
participação.

- O que é o princípio da intervenção precoce?

R.: É o princípio segundo o qual a intervenção das autoridades competentes deve se dar da forma mais rápida,
tão-logo se identifique a situação de risco da criança ou do adolescente, conforme art. 100, parágrafo único, inc.
VI, da Lei nº 8.069/90.

- Discorra sobre a teoria do risco proveito que embasa a teoria objetiva.

R.: A teoria do risco proveito é uma das vertentes da teoria do risco, que serve de fundamento à
responsabilidade objetiva. Segundo a teoria do risco proveito, a pessoa que desenvolve uma atividade que lhe
traga algum benefício, seja de que ordem for (econômico ou não), deve responder pelos danos decorrentes
dessa atividade, independentemente da existência de culpa. A teoria do risco proveito se baseia na ideia de que
quem aufere os bônus, deve também suportar os ônus (Ubi emolumentum, ibi et onus esse debet)

- O CC adotou a teoria do risco integral?

R.: Não. Basicamente, a teoria do risco integral preconiza que a responsabilidade civil deve ser imputada a quem
realizou a conduta relacionada ao dano, sem a possibilidade de prova da inexistência do nexo de causalidade,
inclusive o caso fortuito ou a força maior. A doutrina, com amaparo na jurisprudência, reconhece que a
responsabilidade objetiva fundamentada na teoria do risco integral ocorre nas hipóteses de dano ambiental,
seguro obrigatório de acidente de trânsito (seguro DPVAT) e danos decorrentes de atividade nuclear.
O CC, segundo a doutrina, não adotou referida teoria, já que, em todas as hipóteses de responsabilidade civil
objetiva, faculta-se ao agente comprovar a ausência de causalidade entre sua conduta e o dano.

- Explique os elementos da responsabilidade civil.

R: os elementos essenciais da responsabilidade civil são: conduta, dano e nexo causal.

Conduta é a ação ou omissão humana voluntária.

Dano consiste em lesão ao patrimônio (dano material), a direito da personalidade (dano moral), ao corpo
humano (dano estético) ou a uma oportunidade real e séria (dano por perda da chance).

Nexo causal é a relação lógica de causa e efeito entre a conduta e o dano, em que este só existe em razão
daquela.

Em caso de responsabilidade subjetiva existe ainda o elemento culpa lato sensu, que se divide em dolo e culpa
stricto sensu.

O dolo é a intenção de gerar o resultado danoso, enquanto a culpa em sentido estrito consiste em resultado
danoso involuntário causado por imprudência, negligência ou imperícia.

- Responsabilidade perante usuários do serviço público e não usuários.

R: Havia um entendimento antigo do STF no sentido de que as concessionárias de serviços públicos somente
responderiam pelos danos causados aos usuários. Desde 2009, contudo, o STF entende que a responsabilização
objetiva das concessionárias abrange os usuários e não usuários.

104
- Fale sobre a responsabilidade por omissão estatal.

R: A responsabilidade por omissão estatal pode ser específica ou genérica.

Na omissão específica o Estado assume o dever de garante. Neste caso, aplica-se a teoria do risco
administrativo, sendo hipótese de responsabilidade objetiva (Ex.: suicídio de detento).

Por outro lado, na omissão genérica, a regra é de que a responsabilidade é subjetiva, aplicando-se a teoria da
culpa administrativa (ou culpa anônima do serviço). O dano decorre da falta do serviço, que (1) não funcionou,
(2) funcionou mal ou (3) funcionou tardiamente. Excepcionalmente, a omissão genérica gerará responsabilidade
objetiva do Estado, quando houver dever de ação estatal imposto pela CF, como, por exemplo, na tutela do
meio ambiente ou da saúde pública.

- Fale sobre a inversão do ônus da prova.

Consiste na distribuição do encargo de provar os fatos de forma inversa da regra estabelecida no artigo 333 do
CPC, ou seja, a parte que não alega é que assume o ônus de provar.
A inversão pode ser convencional, legal ou judicial.

A convencional decorre da vontade das partes. A legal consiste em presunção relativa de veracidade dos fatos,
como no caso do réu que se recusa a realizar o exame de DNA e por isso é presumidamente considerado pai em
ação de investigação de paternidade. A judicial ocorre por decisão do juiz, em especial nas relações de consumo,
desde que presente um dos requisitos: verossimilhança da alegação ou hipossuficiência do consumidor.

- É possível o juiz inverter o ônus da prova no momento da sentença?

R: prevalece que não, para não causar surpresa à parte e não violar o contraditório. Deve ocorrer no
saneamento ou na instrução.

- Em que consiste a teoria da carga dinâmica da prova?

R: Consiste em atribuir o ônus da prova à parte que tiver as melhores condições de produzi-la,
independentemente de ter ou não alegado os fatos a serem provados. Visa evitar o que a doutrina chama de
prova diabólica, aquela que a parte não consegue provar, e que gera a ausência da tutela jurisdicional, apesar da
parte contrária ter condições de produzir a prova, numa interpretação fria e literal do art. 333 do CPC.

- Quais as medidas que podem ser aplicadas aos pais e responsáveis?

R: A previsão está no art. 129 do ECA:


-encaminhamento a programa oficial ou comunitário de proteção à família;
-inclusão em programa oficial ou comunitário auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos;
-encaminhamento a tratamento psicológico ou psiquiátrico; encaminhamento a cursos ou programas de
orientação;
-obrigação de matricular o filho ou pupilo e acompanhar sua frequência e aproveitamento escolar;
-obrigação de encaminhara criança ou adolescente a tratamento especializado;
-advertência;
-perda da guarda;
-destituição da tutela;
-suspensão ou destituição do poder familiar.

105
- Quais os princípios que orientam a aplicação de medidas de proteção e prevenção?

R: A previsão está no art. 100 do ECA:


-condição da criança e adolescente como sujeito de direitos;
-proteção integral e prioritária;
-responsabilidade primária e solidária do poder público;
-interesse superior da criança e do adolescente;
-privacidade;
-intervenção precoce;
-intervenção mínima;
-proporcionalidade e atualidade;
-responsabilidade parental;
-prevalência da família;
-obrigatoriedade da informação;
-oitiva obrigatória e participação.

- Há espaço para responsabilidade subjetiva do Estado?

R: Sim. A responsabilidade civil do Estado por omissão genérica é subjetiva, em regra. É diferente, contudo, da
responsabilidade subjetiva de direito privado. Na responsabilidade subjetiva do Estado não se apura culpa, mas
sim a falta do serviço. Haverá responsabilização estatal se o serviço não funcionar, funcionar mal ou funcionar
tardiamente.

- Como o Sr entende a responsabilidade pré-contratual? Ela existe?

R: A responsabilidade pré-contratual existe. É uma decorrência do princípio da boa-fé objetiva. Nas relações
contratuais as partes assumem deveres implícitos, denominados deveres anexos (ou laterais) de conduta, tais
como dever de informação, de lealdade e de cuidado. Esses deveres estão presentes também na fase pré-
contratual, e sua violação gera o que se denomina violação positiva do contrato, podendo resultar em perdas e
danos. Exemplos: propaganda enganosa ou omissão sobre os riscos do negócio.

PENAL/PROCESSO PENAL

- Pela nova redação do artigo 213 CP, quem pode ser vítima de estupro?

R: Qualquer pessoa, inclusive homens.

- Qual a relevância da palavra da vítima nos crimes sexuais?

R: alta relevância, tendo em vista que estes crimes costumam ocorrer a portas fechadas, na clandestinidade.

- É correto imputação cumulativa de estupro com vias de fato ou lesão leve?

R: Não. As vias de fato ou lesão leve ficam absorvidas, devendo ser levadas em conta na fixação da pena base.

- Beijo com constrangimento caracteriza crime contra a liberdade sexual?

106
R: Depende. Deve ser analisado o caso concreto. O beijo lascivo é ato libidinoso e configura o crime de estupro,
conforme entendimento do STJ. Por outro lado, se o beijo não for lascivo (por exemplo, um simples beijo no
rosto), caracteriza contravenção de importunação ofensiva ao pudor.

CONSTITUCIONAL

- Na função de magistrado, a independência funcional prevalecerá sempre ou existem alguns tipos de decisões que
vinculam a atuação do juiz?

R – A independência funcional do juiz não prevalece sempre. Há decisões que vinculam sua atuação:

1) Decisões do STF em controle concentrado de constitucionalidade, proferidas em sede de ADI / ADC / ADPF
(impugnação em face da CF/88);

2) Decisões do TJ Estadual em controle concentrado de constitucionalidade, proferidas em sede de ADI estadual


(impugnação em face da Constituição Estadual);

3) Decisões do Órgão Especial do TJRJ em controle difuso de constitucionalidade, proferidas em sede de


arguição de inconstitucionalidade, quando proferidas por 17 ou mais votos, ou reiteradas em mais duas sessões,
por força do art. 103 do Regimento Interno do TJRJ12.

- Críticas de argüição de inconstitucionalidade x artigo 97 CF. Qual a sua opinião?

R: Parte da doutrina critica a cláusula de reserva de plenário, especialmente nos TJs que possuem Órgão
Especial, tendo em vista que a maioria dos votos do Órgão Especial não representa, necessariamente, a vontade
da maioria dos Desembargadores do pleno. O TJRJ, por exemplo, possui 180 Desembargadores. É possível, em
tese, que uma arguição de inconstitucionalidade seja julgada procedente pelo voto de 13 Desembargadores,
ainda que hipoteticamente os outros 167 Desembargadores pensem de forma diversa.

ELEITORAL

- Qual o sistema adotado no Brasil para financiamento de campanha?

R: Sistema misto. Isso porque se admite a utilização de recursos públicos e privados.

- Como se dá a participação da pessoa física no financiamento de campanha? A doação é em dinheiro ou em bens?

R: A pessoa física pode efetuar doações em dinheiro ou estimáveis em dinheiro (art. 23, caput, da Lei 9.504/97).
A doação estimável em dinheiro pode ser por meio de bens ou serviços.
Há um limite a ser observado: a pessoa física pode doar até 10% dos rendimentos brutos auferidos no ano
anterior ao das eleições (art. 23, §1º, I, Lei 9.504/97). Esse limite, contudo, não se aplica a doações estimáveis
em dinheiro relativas à utilização de bens móveis ou imóveis de propriedade do doador, desde que o valor da
doação não ultrapasse R$ 50.000,00 (§ 7º).

- Qual o sistema de financiamento de campanha?

R: Sistema misto. Isso porque se admite a utilização de recursos públicos e privados.

- O próprio candidato pode investir na sua campanha? Nesse caso, é preciso que haja documentação para prestar
contas?

12
Art. 103 - A decisão que declarar a inconstitucionalidade ou rejeitar a argüição, se for proferida por 17 (dezessete) ou mais votos,
ou reiterada em mais 02 (duas) sessões, será de aplicação obrigatória para todos os Órgãos do Tribunal.
107
R: Sim, o candidato pode investir em sua própria campanha, até o limite de gastos estabelecido pelo partido
(arts. 20 e 23, §1º, II, da Lei 9.504/97). É preciso que haja documentação para prestar contas (recibo eleitoral 13),
até mesmo para comprovação de que não foi ultrapassado o limite máximo.

- A quem compete a administração do comitê eleitoral?

R: Ao próprio candidato ou a terceiro por ele designado (art. 20, Lei 9.504/97)

- É possível que o candidato delegue essa administração a alguém?

R: Sim, é possível (art. 20).

TRIBUTÁRIO

- Faça um resumo sobre os subprincípios da igualdade tributária.

O princípio da igualdade se concretiza, no âmbito tributário, por meio do princípio da capacidade contributiva.
Este se divide nos seguintes subprincípios:

- Personalização (ou personificação): determina que, sempre que possível 14 , o legislador deve levar em
consideração dados pessoais relativos ao contribuinte, tais como sua renda, patrimônio e atividade econômica
exercida, a fim de mensurar a tributação de acordo com a real condição de cada pessoa ou grupo.

- Proporcionalidade: é a variação da tributação em razão da diferença da base de cálculo, mantendo-se fixa a


alíquota15.

- Progressividade: consiste na elevação da alíquota de forma progressiva na medida em que é aumentada a base
de cálculo. Dessa forma, quanto maior for a riqueza do contribuinte, maior será a intensidade da tributação 16.

- Seletividade: materializa-se pela variação da alíquota em razão da essencialidade do produto ou da


mercadoria. Tem aplicação voltada aos impostos indiretos. Afere o índice de riqueza do contribuinte de fato, a
partir do grau de indispensabilidade do bem (bens essenciais têm alíquotas baixas, enquanto os bens supérfluos
possuem alíquotas mais altas). Sua observância é obrigatória no IPI e facultativa no ICMS.

- Determinado ente editou norma para parcelamento dos débitos de SEM em até 240x e para os demais contribuintes
em até 60x. Muitos contribuintes ajuizaram ação pleiteando a extensão do benefício. Como decidiria? Pode um juiz
estender esse benefício? Estaria ele atuando como legislador positivo?

13
Art. 10 da Resolução 23.406/2014 do TSE: Deverá ser emitido recibo eleitoral de toda e qualquer arrecadação de recursos para a
campanha eleitoral, financeiros ou estimáveis em dinheiro, inclusive quando se tratar de recursos próprios.
14
Segundo a doutrina, a expressão “sempre que possível” do art. 145, §1º, da CF indica que a personalização teria aplicabilidade
plena apenas em relação aos impostos pessoais (que tributam a renda), mas não em relação aos impostos reais (que tributam o
patrimônio). No entanto, atualmente há uma tendência à pessoalidade também aos impostos reais (ex.: isenção de IPTU para
aposentados que percebam até determinada renda).
15
O fundamento da proporcionalidade é a teoria do benefício, pela qual há uma presunção de que as pessoas se beneficiam das
prestações estatais na proporção de suas riquezas.
16
O fundamento da progressividade é a teoria do igual sacrifício, derivada da teoria da utilidade marginal do capital, segundo a qual
a utilidade do capital para o seu possuidor diminui na medida do seu crescimento, legitimando a apropriação de parcela maior desse
capital por parte do Estado. Atualmente, a progressividade é considerada um importante mecanismo de distribuição de renda.
108
R: não pode estender. Normas tributárias que disponham sobre benefícios fiscais interpretam-se literalmente,
por força do art. 111 do CTN.

- O Sr. Entende que a exigência de certidão negativa constitui uma sanção política?

R: Depende. A lei de licitações, por exemplo, exige a regularidade fiscal e, neste caso, entendo que não se
configura a sanção política vedada pelo STF, pois a finalidade da norma é a proteção do interesse público, no
sentido de evitar que uma empresa com muitos débitos tributários enfrente problemas financeiros e não
consiga cumprir o contrato. Além disso, a exigência também efetiva a isonomia, na medida em que a empresa
inadimplente e de má-fé pode apresentar melhores propostas do que aquela que age licitamente e paga seus
tributos regularmente, justamente por ter um gasto menor.

Por outro lado, é possível que a exigência não tenha por fim preservar o interesse público, mas seja uma forma
de cobrança indireta do tributo e termine por impedir o exercício de uma atividade profissional ou econômica
lícita. Neste caso, trata-se de sanção política. Por exemplo, a Lei 7.711/88 exigia a certidão negativa, dentre
outras hipóteses, como requisito para alteração do contrato social e para transferência do domicílio para o
exterior. O STF considerou essa exigência desproporcional e, portanto, inconstitucional (ADI 173/DF, j.
25/09/2008).

- A exigência de certidão negativa é sanção política?

Já respondido. Ver acima.

- Determinado ente editou norma para parcelamento dos débitos de SEM em até 240x e para os demais contribuintes
em até 60x. Muitos contribuintes ajuizaram ação pleiteando a extensão do benefício. Como decidiria? Pode um juiz
estender esse benefício? Estaria ele atuando como legislador positivo?

R: não pode estender. Normas tributárias que disponham sobre benefícios fiscais interpretam-se literalmente,
por força do art. 111 do CTN.

ADMINISTRATIVO

- Judiciário pode proceder a controle do mérito administrativo?

R: Não, salvo quando exerce função atípica.

- Digamos que o Município esteja promovendo obras para conter encostas para proteger da chuva. MP entende que a
forma como o Município está atuando é inadequada e vem a juízo. O juiz vendo que, pelo menos o Município está
efetivamente atuando, acolheria o pleito?

R: Não acolheria o pleito, exceto se o MP demonstrasse um vício de legalidade que determinasse a anulação do
ato administrativo.

EMPRESARIAL

- Recebe ação que determinada empresa está plagiando produto de outro. Empresa de grande porte, com muitos
consumidores no mercado. Qual o critério pra analisar se há cópia e desvio de clientela?

109
R: Critério visual. Se o produto é visualmente semelhante, imitando a identidade do original, é capaz de induzir
os consumidores em erro, caracterizando o desvio de clientela e a concorrência desleal.

- Olha a foto e está convencido de que há cópia do produto. Tiraria o produto do mercado por liminar?

R: Sim, pois a decisão é capaz de evitar prejuízos ao autor, além de ser reversível. Se, posteriormente, em
cognição exauriente, ficar convencido do contrário, é possível que o produto volte ao mercado.

AMBIENTAL

HUMANÍSTICA

- Juiz pode exercer duas funções de magistério, sendo uma pública e uma privada? Tem diferença entre atividade
pública e particular?

R da banca: somente uma atividade, até mesmo para o juiz ter tempo para o seu trabalho.

- Juiz pode participar de ONG?

R da banca: não!

- Juiz pode proferir palestra sobre situação político partidária no Brasil? O Sr daria essa palestra?

R: Pode. Não há qualquer problema em proferir palestra sobre política, do ponto de vista jurídico ou social. O
que o juiz não pode é exercer atividade político-partidária.

- Juiz discorda do posicionamento da Câmara, pois acha que o processo não deve prosseguir e a Câmara entende que
sim. Julgaria o mérito desse processo, mesmo entendendo que não deveria prosseguir? Haveria algum meio de o Sr
preservar sua independência?

R da banca: em casos excepcionais, que o juiz discordasse da Câmara, poderia se dar como suspeito por foro
íntimo.

- O Sr é convidado para participar de um churrasco na sua comarca. Iria?

R: Sim, iria. (Banca sempre entende pela socialização do juiz. Ele considera que um juiz jamais pode se isolar e
não há motivo pra recusar esse tipo de convite).

- O Sr tem que alimentar os jurados do Tribunal do Juri e a verba do Tribunal não chega. Sr pediria ajuda ao prefeito?

R: Não, pois isso poderia afetar a independência do Magistrado em futura e eventual demanda que envolvesse o
prefeito ou o Município. Tentaria resolver de outra forma, utilizando recursos destinados a atividades menos
prioritárias.

PONTO 7

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

O que é supressio?
110
R: Significa a supressão, por renúncia tácita, de um direito ou de uma posição contratual, em razão do seu não
exercício durante certo período de tempo.

(PONTO 7)

O que é surrectio?

R: É a outra face da supressio, se, de um lado, o credor perde um direito por não exercê-lo, de outro, surge em
favor do devedor, por meio da surrectio, direito que até não existia, o que se faz em homenagem da confiança,
consectário da boa-fé objetiva.

(PONTO 7)

O que é tu quoque?

R: O termo tu quoque significa que um contratante que violou uma norma jurídica não poderá aproveitar-se
dessa situação. É o caso, por exemplo, do menor entre 16 e 18 anos que oculta dolosamente a sua idade e, sem
seguida, invoca sua menoridade para eximir-se de uma obrigação assumida (CC, art. 180).

(PONTO 7)

O que se entende por violação positiva do contrato? É aplicável em nosso ordenamento?

R: Sabe-se que o princípio da boa-fé objetiva exerce, dentre outras, uma função criadora, que impõe a
observância de deveres anexos, como os deveres de lealdade, de confiança, de informação e cooperação. Pois
bem. Diz-se que há violação positiva do contrato quando ocorre o descumprimento de algum desses deveres
anexos. Trata-se de uma construção da
doutrina que foi amplamente acolhida pela jurisprudência, sendo perfeitamente aplicável em nosso
ordenamento (sobre o assunto, ver: Enunciados 24 e 363 das Jornadas de Direito Civil, que submetem tal
espécie inadimplemento contratual ao regime da responsabilidade civil objetiva).

- É possível exigir o cumprimento da obrigação na promessa de doação não cumprida? Doação pura? E a doação
onerosa? A doação onerosa por encargo suspende a aquisição de direito pelo donatário? Da doação

. Promessa de doação (pura) não cumprida – 4 correntes:

Doutrina  Nega em qualquer hipótese efeitos a promessa de doação.

Argumento  Caso fosse admitido efeitos vinculantes ao contrato de doação, o PJ estaria vinculando, coagindo
alguém a pratica de liberalidade. E ninguém pode ser constrangido a pratica de uma liberalidade.

Jurisprudência brasileira  Repudia, quase sempre, efeitos a promessa de doação.

Argumento  Ninguém pode ser compelido a um ato de liberalidade.

Exceção  Partilha de bens no direito de família  É muito comum em divórcios promessa de doação para um
conjugue ou promessa de doação para um dos filhos.
Neste caso, a promessa ade doação tem efeitos vinculantes.

111
Justificativa  A promessa de doação, neste caso, eh verdadeira transação, não tendo efetiva natureza de
liberalidade (e, portanto, de doação).

Silvio Venoza e Pontes de Miranda  Admite perda e danos (não caberia tutela especifica).

Washinton de Barros Monteiro, Arnaldo Rizzardo, Arnold Wald, Maria Celina Bodin de Moraes, Tepedino
(minoritários)  Cabimento de tutela especifica.

Argumentos:
Dificilmente o promitente doador não tem algum interesse na promessa de doação.

Para que o promitente doador afaste qualquer efeito vinculante a promessa de doação, basta que que o
promitente doador venha a inserir no contrato preliminar clausula de arrependimento  A não inserção de
clausula de arrependimento traz por consequência efeitos vinculantes.

Tutela da legitima expectativa do promitente donatário  Pela boa-fé objetiva, a preocupação central do
ordenamento jurídico se desloca do declarante para o declaratório.

Esse deslocamento traria uma ênfase na proteção da legitima expectativa de terceiros, e, portanto, da legitima
expectativa do promitente donatário.

Isto justificaria o cabimento de tutela especifica, como projeção do principio da boa-fé objetiva.

. Promessa de doação (onerosa, modal, com encargo ou gravada) não cumprida  A doação com encargo,
apesar de não constituir uma contraprestação por parte do donatário, no sentido contratual do termo, acaba
por munir o doador de mecanismos para constranger o donatário ao seu cumprimento.
Isto porque o encargo imposto ao donatário estabelece um dever exigível do doador (e, portanto, deveria haver
uma espécie de reciprocidade), legitimando aquele a reclamar o cumprimento da liberalidade que o causou, e,
portanto, neste campo restrito, é jurídica e moralmente defensável e promessa de doar.

. A doação onerosa por encargo não suspende a aquisição do direito pelo donatário, já que o encargo não
suspende a eficácia do negocio jurídico. O NJ possui efeitos imediatamente.

- Corretagem: o que justifica a comissão? Basta a aproximação das partes ou precisa necessariamente concretizar o
negocio? Da corretagem

. A comissão é uma obrigação do comitente, que tem por fundamento o cumprimento da prestação do corretor,
consistente na aproximação e mediação das partes com vistas a realização do negócio. Trata-se, portanto, de
uma contraprestação (contrato bilateral, conforme entende doutrina majoritária).
Não é necessário a execução do contrato ou o recebimento do preço, já que a obrigação do corretor é
meramente de aproximação das partes. Daí que o recebimento da comissão basta a sua estipulação.

. As obrigações do corretor giram em torno apenas da aproximação e mediação das partes com vistas a
realização do negócio; o corretor não garante o contrato. Contanto que a comissão não depende do
recebimento integral do preço ou da execução do contrato, basta que tenha sido estipulada.

- Diferencie fiança e aval. Da fiança

Aval:
a). É uma garantia cambiaria. Por conseguinte, eh informado pelos princípios cambiários, como o da autonomia,
literalidade.

b). É uma declaração cambiaria, uma declaração que se faz no titulo, com simples assinatura no anverso.

112
Por ser declaração cambiaria, ele eh uma declaraçao unilateral de vontade.

c). O aval deve ser no próprio titulo, por conta do principio da literalidade.

d). É uma garantia cambiaria autônoma (princípio da autonomia).


A obrigação do avalista eh autônoma em relação a obrigação do avalizado. Assim, ainda que nula a obrigação do
avalizado, nula não será a obrigação do avalista.
Ademais, o avalista não pode alegar as exceções pessoais do avalizado e vice-versa.
Todavia, o avalista, se executado, poderá alegar :Condições da ação, pressupostos processuais, prescrição,
matérias comuns, e matérias do avalista.

e). Há uma solidariedade cambiária, decorrente da lei.

f). No momento que em que se avaliza o título de crédito, o valor deve estar líquido, o valor deve estar
determinado.

Fiança:
a). Eh uma garantia contratual, ou seja, se aplica aos contratos.

b). Como é garantia contratual, existe um acordo de vontades. Ou seja, é uma declaração bilateral de vontade.

c). A fiança pode ser no contrato principal ou em separado, já que não obedece aos princípios cambiários
(princípio da literalidade, no caso).

d). Eh uma garantia acessória.


Assim nula a obrigação do afiançado, nula será a obrigação do fiador. Assim, o fiador pode alegar a nulidade da
obrigação do afiançado, caso seja executado.

e). Em regra, existe o beneficio de ordem (ou beneficio de excussão, ou, responsabilidade subsidiaria).
Assim, em regra, não pode executar o fiador sem tentar executar primeiro o afiançado.
Exceção: Se o próprio fiador expressamente afastar o beneficio de ordem. Neste caso, há uma responsabilidade
solidaria entre fiador e afiançado.

f). No momento em que se afiança, o valor pode estar ilíquido. Mas no momento de execução do fiador, a
obrigação deve estar liquida.

CIVIL, PROCESSO CIVIL, CONSUMIDOR e ECA: Des. Camilo Ruliere

- Defina coisa julgada (Da sentença e da Coisa Julgada)

 A coisa julgada nada mais é do que uma garantia constitucional (artigo 5º, inciso XXXVI da Constituição
Federal vigente), que tem como mote principal a obtenção de segurança jurídica, impedindo que haja novo
pronunciamento judicial sobre litígio já definitivamente julgado.
Pode ser:

a). Formal Impossibilidade de modificação da decisão por qualquer meio processual dentro do processo em
que foi proferida  Trata-se de fenômeno endoprocessual.
Ocorrerá nas sentenças terminativas (Art. 267 CPC) e nas sentenças de mérito desde que proferidas mediante
cognição sumária, como ocorre para a maioria na doutrina na sentença cautelar (Marinoni).

b). Material  Além de ser impossível a modificação da decisão por qualquer meio processual dentro do
processo em que foi proferida, a referida decisão também torna-se imutável e indiscutível para além dos limites
do processo em que foi proferida (isto é, a decisão não poderá mais ser desconsiderada ou alterada em outros
processos).

113
É a imutabilidade da sentença, no mesmo processo ou em qualquer outro, entre as mesmas partes. Em virtude
dela, nem o juiz pode voltar a julgar, nem as partes a litigar, nem o legislador a regular diferentemente a relação
jurídica.
Atinge tão somente as sentenças de mérito proferidas mediante cognição exauriente.

- Quais os limites objetivos e subjetivos da coisa julgada? Da sentença e da Coisa Julgada. Limites subjetivos e
objetivos.

. Limites subjetivos da coisa julgada  472 do CPC  Eficácia interpartes da CJ  A CJ vincula apenas vincula as
partes do processo, ou seja, o autor, o réu, e terceiros intervenientes, a exceção do assistente simples, que
suporta a eficácia da intervenção prevista no art. 55 CPC.

. Limites objetivos da CJ  Somente o dispositivo da sentença de mérito torna-se imutável e indiscutível,


admitindo-se que os fundamentos da decisão possam voltar a ser discutidos em outro processo. Ver: Art. 469 do
CPC.

Exceções  Teoria da transcendência dos motivos determinantes, Instituto da eficácia da intervenção (Art. 55
CPC).

- Litisconsórcio facultativo unitário que não foi formado. Quem não participou da demanda será também atingido
pela coisa julgada? Da sentença e da Coisa Julgada. Eficácia natural da sentença e autoridade da coisa julgada.
Limites subjetivos e objetivos. Eficácia preclusiva da coisa julgada.

Ver: Questão abaixo.

- Um dos condôminos ajuíza ação e não teve sucesso. Outro condômino pode ajuizar outra demanda com o mesmo
pedido e causa de pedir ou ele será alcançado pela coisa julgada? Da sentença e da Coisa Julgada. Eficácia natural da
sentença e autoridade da coisa julgada. Limites subjetivos e objetivos. Eficácia preclusiva da coisa julgada.

A questão, pelo o que parece, trata de litisconsórcio facultativo unitário ativo, que não foi formado. Neste caso,
há diversas correntes:

a). Arruda Alvim, Barbosa Moreira, Ada  Haja ou não intervenção do terceiro colegitimado, a sentença, ainda
que proferida inter alius, o
atinge em face do regime da unitariedade. (1998).

Justificativa  Princípio da segurança jurídica (não se pode admitir sentenças contraditórias).

Justificativa  Nos casos de litisconsórcio facultativo unitário, há legitimação extraordinária (Ex: Hipótese do
condômino, no qual o condômino possui legitimidade ordinária e extraordinária para a defesa do interesses dos
outros condôminos). Conforme autorizada e clássica doutrina (Chiovenda), a coisa julgada produzida em
processo conduzido por legitimado extraordinário estende-se ao substituído, salvo se houver expressa previsão
em sentido contrário. Havendo legitimação extraordinária, inverte-se a regra do art. 472doCPC: a coisa julgada
se estende ao substituído, atinge terceiro, salvo exceção (por exemplo: art. 271do CC).

b). Eduardo Talamini  Não é possível o ajuizamento de outra demanda, devido a incidência da regra do art.
472 do CPC (limites subjetivos da coisa julgada).
Tal dispositivo é decorrência do princípio do devido processo legal, ampla defesa e contraditório.
Ademais, há que se considerar que somente há coisa julgada entre as mesmas partes.

c). Nelson Nery Junior  Admitir a propositura de outra demanda por parte de colegitimado que não ingressou
no processo propiciaria o surgimento de decisões contraditórias, ferindo o princípio da segurança jurídica.

114
Por outro lado, admitir que a coisa julgada afetasse terceiros que não participaram do processo implicaria em
violação do art. 472 do CPC, e, consequentemente, dos princípios do contraditório, ampla defesa e devido
processo legal.

Portanto, a solução é seria interpretar de forma literal o artigo 47 CPC para imprimir aos co-legitimados, o
regime obrigatório do litisconsórcio unitário, ou seja, só seria possível demandar se todos os co-legitimados
concordassem em ingressar na demanda. Isto é, para evitar possíveis decisões conflitantes haveriade se impor
no processo a presença de todos. Deste modo, no caso de recusa do co-legitimado em ingressar no processo,
que o mesmo fosse de forma imperativa, incluído na relação jurídica processual.

Crítica  As soluções acima propostas afrontam nosso regime constitucional, a primeira porque restringiria o
direito de ação, a segunda porque violaria o principio no qual ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer algo
se não em virtude de lei, e como não há lei expressa nesse sentido, não poderiam os co-legitimados serem
obrigados a demandar.

d). Solução de alguns autores  Duas situações deverão ser tratadas:

d.1). Se a sentença relativa a primeira demanda ajuizada for de procedência, isto é, for favorável, deve-se
estender ao possível litisconsorte unitário.
Justificativa  Entendimento diverso isso permitiria que o réu, inicialmente vencedor, fosse demandado tantas
vezes quantos fossem os possíveis litisconsortes, em ofensa ao princípio da igualdade.

d.2). Se a sentença relativa a primeira demanda ajuizada for de improcedência, isto é, desfavorável, esta não se
estende aos demais colegitimados que não interviram no processo. Neste caso, eles poderão ajuizar nova
demanda.
Nesta segunda demanda, todavia, se for julgada procedente a pretensão autoral, a fim de evitar decisões
contraditórias, deve-se realizar a distinção entre dois termos: Coisa julgada e efeitos da sentença.
Em outras palavras, no caso de um co-legitimado propor ação e não obter pronunciamento que lhe seja
favorável, os efeitos desse pronunciamento atingirão tanto ele quanto os demais legitimados, muito embora
somente ele seja atingido pela autoridade da coisa julgada.
Por outro lado, esses outros co-legitimados, ingressando em juízo posteriormente e obtendo sentença de
procedência, passariam agora a sofrer a eficácia constitutiva daquela decisão, bem como da coisa julgada,
enquanto que aquele primeiro demandante, inobstante não seja atingido pela coisa julgada que nasceu desse
último processo, passaria a sofrer os efeitos da sentença de procedência. Em virtude desse segundo decisum,
aquele primeiro perderia seus efeitos.
Portanto, a coisa julgada permanece intacta. O que se alteram são os efeitos da sentença e, aí sim, teremos
decisões de eficácia homogênea para todos aqueles que detinham legitimidade concorrente para serem
litisconsortes unitários.

- Diferencie coisa julgada formal e material. Da sentença e da Coisa Julgada. Eficácia natural da sentença e autoridade
da coisa julgada. Limites subjetivos e objetivos. Eficácia preclusiva da coisa julgada.

Ver: Tópico de Coisa Julgada acima.

- Sentença que decide ação popular. Há sempre coisa julgada? Da sentença e da Coisa Julgada. Eficácia natural da
sentença e autoridade da coisa julgada. Limites subjetivos e objetivos. Eficácia preclusiva da coisa julgada.

Art. 18. A sentença terá eficácia de coisa julgada oponível "erga omnes", exceto no caso de haver sido a ação
julgada improcedente por deficiência de prova; neste caso, qualquer cidadão poderá intentar outra ação com
idêntico fundamento, valendo-se de nova prova.

Sentença de procedência  Há coisa julgada material e formal  Logo, a demanda não pode ser renovada se
idêntica.

Sentença de Improcedência “pura”  Eh aquela lastreada em instrução probatória suficiente  Coisa julgada
formal e material.

115
Sentença de improcedência por insuficiência de provas  Somente Coisa julgada formal  Nesta hipótese, será
possível a renovação da demanda, desde que satisfeita a seguinte condição de procedibilidade: o autor terá que
coligir novas provas.

- No procedimento de jurisdição voluntária, a sentença faz coisa julgada material? Da sentença e da Coisa Julgada.
Eficácia natural da sentença e autoridade da coisa julgada. Limites subjetivos e objetivos. Eficácia preclusiva da coisa
julgada.

Teoria administrativista  Não há coisa julgada na jurisdição voluntária, porque não há lide, no sentido de
interesses contrapostos, mas um interesse único a considerar (vontades convergentes) e, por isso mesmo, não
há aplicação do direito ao caso concreto (a sentença proferida pelo juiz apenas integra juridicamente o acordo
de vontades). Aliás, por isso mesmo, o Código nem sequer usa as expressões “partes, autor, réu”, valendo-se da
expressão “interessados”. Isto é ratificado pelo art. 1.111 do CPC.

Teoria revisionista  A técnica utilizada pelo legislador no art. 1.111 CPC foi a mesma usada no art. 471, inciso I,
do CPC  Neste caso, a melhor doutrina entende que existe coisa julgada material. Isto porque a modificação
superveniente, prevista em lei, cria uma nova causa de pedir (fatos e fundamentos jurídicos do pedido), de
modo que a eventual mudança da sentença não violaria a coisa julgada material. Com uma nova causa de pedir,
desaparece a tríplice identidade da coisa julgada, e, consequentemente os efeitos negativos da coisa julgada
material (impedimento de novo julgamento de mérito).

PENAL/PROCESSO PENAL

- O que é indiciado? E querelado? Estatuto jurídico dos sujeitos processuais

. Conceito de indiciamento  Ato policial pelo qual o presidente do inquérito conclui haver suficientes indícios
de autoria e materialidade do suposto crime.

O indiciamento ocorre de duas formas, conforme Aury Lopes Junior:


a). Decretação da prisão preventiva, temporária ou flagrante.
b). Lavratura do auto de qualificação e interrogatório, na hipótese de o indivíduo não ter sido preso durante o
inquérito policial.

Portanto, indiciado é aquele que, na fase, do inquérito policial é considerado suposto autor do crime, já que
todas as diligências realizadas, nesta fase, apontam para ele como autor do fato.

. Conceito de querelado  Pessoa é objeto de uma querela, isto é, contra quem se move ação penal.
No processo Penal, querelado é o réu nas chamadas ações penais privadas.

- Qual o prazo para revisão criminal? DA COISA JULGADA

Como a revisão criminal é instituto destinado a corrigir erro judiciário não está ela subordinada a prazo,
podendo ser requerida a qualquer momento após o trânsito em julgado da decisão, como se lê do artigo 622 do
Código de Processo Penal.

- Como fica a relativização da coisa julgada em âmbito criminal? DA COISA JULGADA

A relativização da coisa julgada, no âmbito criminal, é permitida através do instrumento da revisão criminal (Art.
621 do CPP), o qual somente deverá ser utilizado em favor do réu, isto é, para as hipóteses de sentenças
condenatórias.
Neste caso, entende-se que a sentença condenatória poderá ser rescindida a qualquer momento, já que não há
qualquer justificativa de ordem ética, política, filosófica ou do que seja, para se manter uma condenação
116
injusta, seja porque lastreada em material probatório insuficiente ou falso, seja porque contrária a aplicação do
direito em qualquer momento de nossa realidade histórica.

No que toca as sentenças absolutórias, não admite-se, de modo algum, a revisão pro-societate. Isto porque:
a). Incide, no presente caso, o princípio da segurança jurídica.
b). Incidência do princípio da dignidade da pessoa humana  É necessário se exercer um rígido controle da
atividade estatal persecutória diante das graves consequências que normalmente derivam da só existência de
uma imputação formalizada da prática de uma conduta delituosa, no âmbito dos interesses inerentes à
dignidade da pessoa humana.

Exceção  STF  Decisão declaratória de extinção da punibilidade baseada em certidão de óbito falsa  Neste
caso, não incide o princípio da vedação da revisão pro-societate, já que não há sequer coisa julgada material.
Em outras palavras, conforme o STF, o fato morte não ocorreu, sendo, portanto, juridicamente inexistente,
razão pela qual a decisão que reconheceu a extinção da punibilidade não poderia produzir efeitos, não havendo
que se falar em coisa julgada material.

- É possível a internação do adolescente por ato infracional análogo ao crime de trafico? Utilizando o princípio da
proteção integral, num primeiro momento, não seria possível a internação do adolescente nesta hipótese? Medidas
socioeducativas

A mera prática do ato infracional análogo ao tráfico de drogas, conforme o STJ, não permite, por si só, a
imposição da internação (súmula 492 do STJ). Isto porque a referida medida excepcional (em razão do próprio
princípio da proteção integral), só podendo ser decretada nas hipóteses do art. 122, incisos I e II do ECA.
Deste modo, como o tráfico de drogas não atrai a incidência do art. 122, inciso I (por não ter como elemento
típico a grave ameaça ou violência), apenas seria possível a decretação da internação na hipótese do art. 122,
inciso II do ECA, quando houver reiteração de atos infracionais.

Flávia Ferrer e outros  É possível a internação do adolescente na hipótese de ato infracional análogo ao tráfico
de drogas nas hipóteses dos arts:
Art. 122, inciso I, do ECA  O Art. 122, inciso I, do ECA deve ser lido em consonância com o art. 5 XLIII, que
prevê o tráfico de drogas como crime equiparado a hediondo.
Desta forma, deve-se considerar que o crime de trafico de drogas ameaça a sociedade, destrói famílias inteiras,
além de por em risco o direito a vida e a saúde do adolescente, razão pela qual, apesar de não previsto
expressamente no art. 33 da lei 11.343, há se considerar a violência e a grave ameaça como ínsitas ao referido
delito.

122, inciso II, do ECA  O delito de tráfico de drogas, não só pelas consequências que produz, mas também
pelo fato de ser previsto pela CF de 1988 como crime equiparado ao hediondo (Art. 5 XLIII), deve ser
considerado como grave, de modo que tendo o adolescente antecedentes infracionais, é possível a sua
internação.

- Crimes omissivos admitem tentativa? Tentativa e consumação

3 correntes:

Zaffaroni e Pierangelli  Os crimes omissivos, sejam eles próprios ou impróprios, admitem a tentativa.
Esta ficara caracterizada no momento anterior ao da ocorrência do resultado que eh necessário para a
consumação do delito.

Zaffaroni admite a tentativa de crime omissivo próprio dando como exemplo a omissão de socorro.
Enquanto não ocorrer o resultado de perigo que é necessário para consumar o delito, aquele que se omite fica
na esfera da tentativa.

Ex: Delito de omissão de socorro  Como o delito de omissão se socorro está no capitulo de periclitação da
saúde, este crime só vai se consumar quando houver o perigo a saúde.
Se a criança estiver no poço sem perigo qualquer, e você não a salva, e alguém passa a salva, você cometeu
tentativa.

117
Doutrina majoritária (Damásio)  Crimes omissivos próprios não admitem fracionamento do iter (crimes
unissubsistentes), ou ele se omite e consuma, ou não atua e não tem relevância.
Já, os crimes omissivos impróprios admitem tentativa porque são crimes materiais.

Crimes omissivos impróprios  Há a posição de garantidor. Ha como regra, um sujeito que deve evitar o
resultado. Se ocorrer o resultado, o garante responde por
este resultado. Se o resultado não ocorrer, porquw alguém
salvou, o garante responde por tentativa.

Juarez Sirino  Não admite tentativa para nenhum crime omissivo.

Omissivos próprios  São crimes unissubsistentes.

Omissivos improprios Não é possível identificar o momento inicial para a execução, inviabilizando que se fale
em tentativa.

- É possível reconhecer a qualificadora num furto qualificado sem o laudo? Dos crimes contra o patrimônio.

Sim, desde que a ocorrência da materialidade seja comprovada de outro modo, como, por exemplo, prova
testemunhal.
Isto porque, conforme entende o próprio STF, o laudo pericial somente é essencial nos crimes previstos na lei de
drogas e nos crimes contra a propriedade imaterial, crimes estes nos quais o exame pericial tem natureza
jurídica de condição de procedibilidade.

- Diferencie crime consumado e crime exaurido. Tentativa e consumação

. Crime consumado  É aquele descrito no art. 14, inciso I do Código Penal:


“I- Consumado , quando nele se reúnem todos os elementos de sua definição legal.

Portanto, para fins de consumação, a lei exige a presença de todos os elementos de sua definição legal, não se
contentando com a presença de apenas alguns.

. Crime exaurido  Considera-se exaurido o crime quando há um esgotamento completo da figura típica.
Em outras palavras, o iter criminis, a ser percorrido pelo agente a fim de que possa ser responsabilizado
criminalmente, é composto pelas seguintes fases: cogitação, preparação, execução, consumação e exaurimento.
O exaurimento ocorre após a consumação, sendo visto por Maurach como o ponto final, já que esgota
completamente o delito.

- Admite-se que no concurso de agentes um delito possa ser consumado para um e tentado para o outro? Tentativa e
consumação

Não, pois tal fato implicaria na violação da teoria monista que prevê que todos aqueles que contribuem para o
crime incidem nas (mesmas) penas a ele cominadas. A teoria monista, neste sentido, nada mais é do que
corolário do princípio da igualdade.

Neste sentido:
Informativo do STF, nº 554. Segunda Turma: Concurso de Pessoas: Teoria Monista e Fixação de Reprimenda
mais Grave a um dos Co-réus. Por reputar não observada a teoria monista adotada pelo ordenamento pátrio
(CP, art. 29) — segundo a qual, havendo pluralidade de agentes e convergência de vontades para a prática da
mesma infração penal, todos aqueles que contribuem para o crime incidem nas penas a ele cominadas,
118
ressalvadas as exceções legais —, a Turma deferiu habeas corpus cassar decisão do STJ que condenara o
paciente pela prática de roubo consumado. No caso, tanto a sentença condenatória quanto o acórdão proferido
pelo tribunal local condenaram o paciente e o co-réu por roubo em sua forma tentada (CP, art. 157, § 2º, I e II,
c/c o art. 14, II). Contra esta decisão, o Ministério Público interpusera recurso especial, apenas contra o
paciente, tendo transitado em julgado o acórdão da Corte estadual relativamente ao co-réu. Assentou-se que o
acórdão impugnado, ao prover o recurso especial, para reconhecer que o paciente cometera o crime de roubo
consumado, provocara a inadmissível situação consistente no fato de se condenar, em modalidades delitivas
distintas quanto à consumação, os co-réus que perpetraram a mesma infração penal. Destarte, considerando
que os co-réus atuaram em acordo de vontades, com unidade de desígnios e suas condutas possuíram
relevância causal para a produção do resultado decorrente da prática do delito perpetrado, observou-se ser
imperioso o reconhecimento uniforme da forma do delito cometido. Assim, restabeleceu-se a reprimenda
anteriormente fixada para o paciente pelo tribunal local. HC 97652/RS, rel. Min. Joaquim Barbosa, 4.8.2009.

CONSTITUCIONAL

- Tramitação de emenda à constituição estadual. Seria cabível MS pra trancar esse andamento? Processo legislativo e
espécies normativas.

Sim, em hipóteses nas quais resta evidente que a emenda constitucional estadual viole cláusulas pétreas
previstas na CF/88, ou, normas relativas ao processo de reforma previsto na CF de 1988.

"Processo de reforma da Constituição estadual – Necessária observância dos requisitos estabelecidos na CF (art.
60, § 1º a § 5º) – Impossibilidade constitucional de o Estado-membro, em divergência com o modelo inscrito na
Lei Fundamental da República, condicionar a reforma da Constituição estadual à aprovação da respectiva
proposta por 4/5 da totalidade dos membros integrantes da Assembleia Legislativa – Exigência que
virtualmente esteriliza o exercício da função reformadora pelo Poder Legislativo local – A questão da autonomia
dos Estados-membros (CF, art. 25) – Subordinação jurídica do poder constituinte decorrente às limitações que o
órgão investido de funções constituintes primárias ou originárias estabeleceu no texto da Constituição da
República (...)." (ADI 486, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 3-4-1997, Plenário, DJ de 10-11-2006.)

- Processo legislativo municipal. Estão contestando o vício de iniciativa do processo legislativo para desconstituir o
projeto de lei, pois a sanção do prefeito não poderia suprir o vício. Como se posiciona? Processo legislativo e espécies
normativas.

"A sanção do projeto de lei não convalida o vício de inconstitucionalidade resultante da usurpação do poder de
iniciativa. A ulterior aquiescência do chefe do Poder Executivo, mediante sanção do projeto de lei, ainda quando
dele seja a prerrogativa usurpada, não tem o condão de sanar o vício radical da inconstitucionalidade.
Insubsistência da Súmula 5/STF. Doutrina. Precedentes." (ADI 2.867, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 3-
12-2003, Plenário, DJ de 9-2-2007.) No mesmo sentido: AI 348.800, Rel. Min. Celso de Mello, decisão
monocrática, julgamento em 5-10-2009, DJE de 20-10-2009; ADI 2.113, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgamento em
4-3-2009, Plenário, DJE de 21-8-2009; ADI 1.963-MC, Rel. Min. Maurício Corrêa, julgamento em 18-3-
1999, Plenário, DJ de 7-5-1999; ADI 1.070, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento em 29-3-2001, Plenário, DJ
de 25-5-2001.

Justificativa  Sanção é ato de natureza política, diversa do ato de iniciativa de lei, não podendo convalidar
vício constitucional absoluto, de ordem pública, insanável.

1) Há possibilidade de regulamentação de artigo da Constituição Federal através de medida provisória? (PONTO 7)

R: É possível a regulamentação de artigo da Constituição Federal através de Medida Provisória, porém o art.246
da CF veda a edição de MP para regulamentar artigo cuja redação tenha sido alterada entre 01/01/1995 até a

119
edição da EC 32/2001. Além dessa limitação há aquela em que há vedação expressa para edição de MP, a
exemplo de artigos que necessitam de lei complementar para serem regulamentados.

2) Rejeição do veto – Como ocorre? (PONTO 7)

R: A partir do momento em que há o veto, este deverá ser apreciado em sessão conjunta, em 30 dias, só
podendo ser rejeitado pelo voto da maioria absoluta dos deputados e senadores.

3) Alteração legislativa: cabe uso de MS para trancar a tramitação de emenda constitucional estadual? (PONTO 7)

R: Em razão do princípio da simetria é possível a utilização de MS para trancar a tramitação de emenda


constitucional estadual, desde que este seja impetrado por parlamentar com objetivo de participar de um
processo legislativo juridicamente hígido. Não sendo extensível a terceiros, sob pena de transformação em
controle preventivo de constitucionalidade em abstrato.

ELEITORAL

- Qual a propaganda feita na quinzena anterior à escolha do candidato pelo partido? Propaganda política eleitoral

Trata-se de propaganda intrapartidária  É aquele realizada por pessoas que desejam ser escolhidas pelos
partidos políticos como pre-candidatos.
Portanto, a sua divulgação é restrita apenas ao público interno dos respectivos partidos políticos aos quais são
filiados.

É regulada no art. 36 parágrafo primeiro da lei 9504/97:


§ 1º Ao postulante a candidatura a cargo eletivo é permitida a realização, na quinzena anterior à escolha pelo
partido, de propaganda intrapartidária com vista à indicação de seu nome, vedado o uso de rádio, televisão e
outdoor.

- Diferencia propaganda intrapartidária de propaganda institucional. Propaganda política eleitoral

. Propaganda intrapartidária  Ver conceito acima.

. Propaganda Institucional  Tem como função divulgar os atos, programas, obras e serviços realizados ou
patrocinados pela Administração Pública, de maneira íntegra, transparente e objetiva. Tem, portanto, natureza
informativa.

A Lei 9.504/97, em seu artigo 73, estabeleceu vedações à publicidade institucional:


"Art. 73. São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar
a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais:
(...)VI - nos três meses que antecedem o pleito: (...)
b) com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar
publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais,
estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave
e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral. (...)
Esta determinação legal tenta coibir o abuso do poder político, visando assegurar a igualdade de
oportunidades entre candidatos e, por conseguinte, a normalidade, a lisura e a legitimidade dos pleitos
eleitorais.

É permitida a propaganda institucional, impessoal, em consonância com o § 1º do art. 37 da CRFB/88, antes de


06 de julho; mas, a partir do registro da candidatura, 3 meses antes do pleito, o candidato incorrerá na
propaganda institucional irregular, por violação do art. 73, VI, b da Lei 9.504/97; Se a propaganda institucional
não for impessoal, ou seja, violar o art. 37, § 1º da CRFB/88, por enaltecer em particular e em especial as obras
ou serviços da atual Prefeitura, Governo de Estado ou Presidência da República, e, se for veiculada antes do
registro da candidatura, incorrerá o pré-candidato em abuso de autoridade. Diz-se impessoal, a propaganda
120
que “não contenha expressões que possam identificar autoridades, servidores ou administrações cujos
dirigentes estejam em campanha eleitoral” (AC-TSE, de 14.4.2009, no Resp n. 26.448; AC-TSE n 24722/2004 e
19323/01), portanto, quando se possa aferir, segundo as circunstâncias de cada caso, que um dirigente se posta
candidato à reeleição.

Conclusão:
Propaganda intrapartidária  É voltada a escolha dos chamados pre-candidatos.

Propaganda institucional  Exposição nos meios de comunicação de atos de governo ou serviços públicos
absolutamente impessoais, ou seja, em respeito ao disposto no § 1º do art. 37 da Constituição da República.

- O que tem a dizer sobre propaganda na internet? Propaganda política eleitoral

Encontra-se regulada no art. 57-A e seguintes da Lei 9504:


Art. 57-A. É permitida a propaganda eleitoral na internet, nos termos desta Lei, após o dia 5 de julho do ano da
eleição. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
Art. 57-B. A propaganda eleitoral na internet poderá ser realizada nas seguintes formas: (Incluído pela Lei nº
12.034, de 2009) (Vide Lei nº 12.034, de 2009)
I - em sítio do candidato, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou
indiretamente, em provedor de serviço de internet estabelecido no País; (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
II - em sítio do partido ou da coligação, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado,
direta ou indiretamente, em provedor de serviço de internet estabelecido no País; (Incluído pela Lei nº 12.034, de
2009)
III - por meio de mensagem eletrônica para endereços cadastrados gratuitamente pelo candidato, partido ou
coligação; (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
IV - por meio de blogs, redes sociais, sítios de mensagens instantâneas e assemelhados, cujo conteúdo seja
gerado ou editado por candidatos, partidos ou coligações ou de iniciativa de qualquer pessoa natural. (Incluído
pela Lei nº 12.034, de 2009)
Art. 57-C. Na internet, é vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga. (Incluído pela Lei
nº 12.034, de 2009)
§ 1o É vedada, ainda que gratuitamente, a veiculação de propaganda eleitoral na internet, em
sítios: (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
I - de pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos; (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
II - oficiais ou hospedados por órgãos ou entidades da administração pública direta ou indireta da União, dos
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
§ 2o A violação do disposto neste artigo sujeita o responsável pela divulgação da propaganda e, quando
comprovado seu prévio conhecimento, o beneficiário à multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$
30.000,00 (trinta mil reais). (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
Art. 57-D. É livre a manifestação do pensamento, vedado o anonimato durante a campanha eleitoral, por meio da
rede mundial de computadores - internet, assegurado o direito de resposta, nos termos das alíneas a, b e c do
inciso IV do § 3o do art. 58 e do 58-A, e por outros meios de comunicação interpessoal mediante mensagem
eletrônica. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
§ 1o (VETADO) (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
§ 2o A violação do disposto neste artigo sujeitará o responsável pela divulgação da propaganda e, quando
comprovado seu prévio conhecimento, o beneficiário à multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$
30.000,00 (trinta mil reais). (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
o
§ 3 Sem prejuízo das sanções civis e criminais aplicáveis ao responsável, a Justiça Eleitoral poderá determinar, por
solicitação do ofendido, a retirada de publicações que contenham agressões ou ataques a candidatos em sítios da
internet, inclusive redes sociais. (Incluído pela Lei nº 12.891, de 2013)
Art. 57-E. São vedadas às pessoas relacionadas no art. 24 a utilização, doação ou cessão de cadastro eletrônico de
seus clientes, em favor de candidatos, partidos ou coligações. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
§ 1o É proibida a venda de cadastro de endereços eletrônicos. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
§ 2o A violação do disposto neste artigo sujeita o responsável pela divulgação da propaganda e, quando
comprovado seu prévio conhecimento, o beneficiário à multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$
30.000,00 (trinta mil reais). (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
Art. 57-F. Aplicam-se ao provedor de conteúdo e de serviços multimídia que hospeda a divulgação da propaganda
eleitoral de candidato, de partido ou de coligação as penalidades previstas nesta Lei, se, no prazo determinado
pela Justiça Eleitoral, contado a partir da notificação de decisão sobre a existência de propaganda irregular, não
tomar providências para a cessação dessa divulgação. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)

121
Parágrafo único. O provedor de conteúdo ou de serviços multimídia só será considerado responsável pela
divulgação da propaganda se a publicação do material for comprovadamente de seu prévio
conhecimento. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
Art. 57-G. As mensagens eletrônicas enviadas por candidato, partido ou coligação, por qualquer meio, deverão
dispor de mecanismo que permita seu descadastramento pelo destinatário, obrigado o remetente a providenciá-lo
no prazo de quarenta e oito horas. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
Parágrafo único. Mensagens eletrônicas enviadas após o término do prazo previsto no caput sujeitam os
responsáveis ao pagamento de multa no valor de R$ 100,00 (cem reais), por mensagem. (Incluído pela Lei nº
12.034, de 2009)
Art. 57-H. Sem prejuízo das demais sanções legais cabíveis, será punido, com multa de R$ 5.000,00 (cinco mil
reais) a R$ 30.000,00 (trinta mil reais), quem realizar propaganda eleitoral na internet, atribuindo indevidamente
sua autoria a terceiro, inclusive a candidato, partido ou coligação. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
§ 1o Constitui crime a contratação direta ou indireta de grupo de pessoas com a finalidade específica de emitir
mensagens ou comentários na internet para ofender a honra ou denegrir a imagem de candidato, partido ou
coligação, punível com detenção de 2 (dois) a 4 (quatro) anos e multa de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) a R$
50.000,00 (cinquenta mil reais). (Incluído pela Lei nº 12.891, de 2013)
§ 2o Igualmente incorrem em crime, punível com detenção de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, com alternativa de
prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 30.000,00
(trinta mil reais), as pessoas contratadas na forma do § 1o. (Incluído pela Lei nº 12.891, de 2013)
Art. 57-I. A requerimento de candidato, partido ou coligação, observado o rito previsto no art. 96, a Justiça
Eleitoral poderá determinar a suspensão, por vinte e quatro horas, do acesso a todo conteúdo informativo dos
sítios da internet que deixarem de cumprir as disposições desta Lei. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
§ 1o A cada reiteração de conduta, será duplicado o período de suspensão. (Incluído pela Lei nº 12.034,
de 2009)
o
§ 2 No período de suspensão a que se refere este artigo, a empresa informará, a todos os usuários que
tentarem acessar seus serviços, que se encontra temporariamente inoperante por desobediência à legislação
eleitoral. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
Art. 58-A. Os pedidos de direito de resposta e as representações por propaganda eleitoral irregular em rádio,
televisão e internet tramitarão preferencialmente em relação aos demais processos em curso na Justiça Eleitoral.”

Observação  Incisos III e IV do artigo 57-B  Termos “por meio de mensagem eletrônica” e “sítios de
mensagens instantâneas e assemelhados”:
Parte da doutrina  A legislação permitiu, com o uso destas expressões, a utilização de propaganda por meio
de SMS, vulgarmente conhecido como “torpedo”.
Parte da doutrina  Mensagens eletrônicas para a lei são aquelas remetidas e recebidas por e-mails e somente
por meio desses. Tanto é assim que é necessário que o candidato, partido ou coligação, segundo o artigo 57-G,
disponha de mecanismo de descadastramento para que o eleitor possa deixar de receber a propaganda não
querida. Esse expediente não é próprio de SMS. O envio de SMS pelo eleitor para solicitar descadastramento
imporia custo econômico a esse. Não se pode afirmar, ademais, que a expressão “sítio de mensagens
instantâneas e assemelhados” poderia sustentar a tese. É que as mensagens instantâneas são enviadas por
meio de programas de informática que demandam autorização e/ou bloqueio dos participantes, a exemplo do
programa denominado MSN Messenger. Para o estabelecimento de conversa eletrônica se faz necessária a
vontade dos utilizadores do programa. Não é o caso do SMS, em que o usuário do telefone não pode bloquear o
recebimento de forma genérica de mensagens sem ter a função de seu telefone prejudicada.

- O que seria propaganda subliminar? E propaganda extemporânea? Propaganda político eleitoral

. Propaganda subliminar  Todo e qualquer estímulo não percebido conscientemente pelo receptor. A não
percepção, aliás, pode decorrer de dissimulação pelo emissor, grande excitação por parte do receptor,
desconhecimento dos códigos expressivos por parte do receptor ou ainda pelo excesso de informações na
mensagem.
No que toca a propaganda eleitoral, relevante ressaltar que esta pode ser explícita ou subliminar. Na explícita, o
pedido de voto é expresso, ao passo que a subliminar se faz com o objetivo de burlar a legislação eleitoral, que
proíbe a sua realização antes do dia 5 de julho de cada ano eleitoral. Trata-se, neste último caso, de pedido
implícito de voto.
Ex: Alguns Tribunais têm definido como subliminar toda propaganda eleitoral que, mesmo sem pedido expresso
de voto, revele a intenção de divulgar qualidades e realizações, a ponto de, eventualmente, vir a convencer o
eleitor.

122
. Propaganda extemporânea  Refere-se à propaganda eleitoral (e não à propaganda partidária), feita
anteriormente ao prazo previsto em lei (dia 6 de julho do ano eleição) – Art. 36 da lei 9504.

- Fale sobre o direito de resposta. Propaganda político eleitoral

. Direito de resposta  “Uma garantia ao desagravo, assim que determinada pessoa seja ofendida por outrem e
tutela, em última análise, os chamados direitos da personalidade do indivíduo”.

. Previsão:
Ver: Art. 5, X, da CF  “É assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por
dano material, moral ou à imagem”.
Ver: Código Eleitoral – art. 243, § 3º  “a quem for injuriado, difamado ou caluniado através da imprensa,
rádio, televisão, ou alto-falante, aplicando-se, no que couberem, os arts. 90 e 96 da Lei n. 4.117, de 27 de agosto
de 1962”.
Ver: art. 58, Lei 9504/97  Art. 58. A partir da escolha de candidatos em convenção, é assegurado o direito de
resposta a candidato, partido ou coligação atingidos, ainda que de forma indireta, por conceito, imagem ou
afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou sabidamente inverídica, difundidos por qualquer veículo de
comunicação social.

. Marco inicial para o exercício do direito de resposta  A partir da escolha de candidatos em convenção, é
assegurado o direito de resposta a candidato, partido ou coligação (Art. 58 da lei 9504/97).
Antes desse período, a competência é da Justiça Comum.

. Marco final  Não existe previsão legal.


Solução: Encerrado o período eleitoral, todas as representações que tratam do assunto perderiam o objeto.
Porém somente se admite essa hipótese nos casos em que a transgressão à norma ocorreu no programa
eleitoral gratuito.
Quando a ofensa ou a inverdade ocorreu na programação normal de rádio ou televisão, na imprensa escrita ou
até mesmo em sítios da internet, é possível a veiculação da resposta após o período eleitoral.
Ver: Direito de resposta. Art. 58 da Lei n. 9.504/97. Alegação de inverdades – Entrevista – Emissora de televisão
– Programação normal – Término da propaganda eleitoral gratuita – Preliminar de prejudicialidade – Rejeição –
Defesa da honra – Interesse de agir – Subsistência – Possibilidade de veiculação após a realização do pleito
eletivo. Divulgação da resposta – Custo – Responsabilidade – Autor da afirmação. Diferente do que ocorre
quando se trata de programa eleitoral gratuito, na situação em que a acusação, ou a inverdade, foram
veiculadas pela imprensa escrita ou no curso da programação normal do rádio ou da televisão, quando o custo
da veiculação da resposta será suportado pelo responsável da afirmação que gerou a resposta, é possível sua
veiculação após as eleições. Ausência de violação do preceito legal. Entrevista que não contém afirmação
caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica. Recurso não conhecido. [TSE. Ac. n. 18.359, de 24.4.2001. Rel.
Min. Fernando Neves da Silva.]
. Prazos para o exercício do direito de resposta Art. 58 parágrafo primeiro da lei 9504:
Vinte e quatro horas  Quando se tratar de horário eleitoral gratuito. Quarenta e oito horas  Quando se
tratar da programação normal das emissoras de rádio ou televisão.
Setenta e duas horas  quando se tratar de órgão da imprensa escrita.
ATENÇAO: Prazos decadenciais, de forma que, se ultrapassados, esgota-se o direito.
. Legitimidade  Candidato, partido ou coligação.
Possibilidade da concessão do direito de resposta a terceiros, que não candidatos, partidos ou coligações 
Doutrina majoritária (Pedro Roberto Decomain)  Possibilidade de inclusão de terceiros ofendidos
Justificativa  A legitimidade para o exercício do direito de resposta deve efetivamente ser ampla, sob pena de
deixar-se sem possibilidade de defesa imediata aqueles que, não sendo candidato, partido ou coligação, foram,
mesmo assim, ofendidos em sua dignidade em peça de propaganda.
Se o terceiro atingido fosse buscar abrigo na Justiça Comum, certamente um possível resultado positivo na sua
demanda seria tardio e, por conseqüência, ineficaz, de forma que o caminho mais correto a ser traçado é
possibilitar o seu ingresso na Justiça Eleitoral como parte legítima para propor a respectiva representação.

123
. Hipóteses  Apesar de a redação da norma eleitoral deixar transparecer que o direito de resposta estaria
limitado às ofensas ou inverdades transmitidas pela televisão, rádio ou imprensa escrita, entende-se que
aquelas veiculadas em outros locais, como em carros de som, outdoors ou internet, também podem ser
analisadas, ainda mesmo que por analogia aos dispositivos legais vigentes, sendo deferido o pedido quando for
pertinente [TSE, REspe n. 12.937, 2000.].

Afirmação caluniosa, difamatória ou injuriosa  Ofensa indevida.


ATENÇÃO: Não constitui ofensa a simples crítica eleitoral, a crítica a programa de partido, à realização de ato, à
atitude administrativa do ofendido. [...] O homem público, principalmente o que está no exercício do poder de
administração, ou aquele que se submete ao crivo de uma eleição, fica sujeito a críticas mais acerbas e mais
generalizadas. Muitas vezes, essa crítica é injusta, mas não chega a caracterizar injúria ou difamação.
Sendo assim, como o instituto do direito de resposta visa a garantir a integridade da honra, somente o ataque
pessoal, que pretenda desqualificar o indivíduo, comporta a aplicação do art. 58 da Lei das Eleições.
Ressalta-se ainda, conforme se extrai do caput do art. 58 da Lei n. 9.504/1997, que, mesmo quando a ofensa à
honra for veiculada de forma indireta, deve-se conceder ao ofendido o direito de resposta.

Afirmação sabidamente inverídica  A afirmação sabidamente inverídica, desde que prejudicial ao interessado,
pode ensejar direito de resposta mesmo quando desacompanhada de conteúdo calunioso, difamatório ou
injurioso.

. Procedimento  Para requerer o direito de resposta à Justiça Eleitoral, aquele que se sentiu ofendido ou
prejudicado deve propor a representação prevista no art. 96 da Lei das Eleições.
Art. 58 da mesma lei  o procedimento para obtenção da resposta depende de se a ofensa ou inverdade foi
veiculada na imprensa escrita, na programação normal de rádio ou televisão ou durante o horário eleitoral
gratuito:
1). Imprensa escrita  A representação deve ser proposta no prazo de até setenta e duas horas após a
veiculação da ofensa ou inverdade.
Deverão ser observadas as seguintes normas:
a) o pedido deverá ser instruído com um exemplar da publicação e o texto para resposta;
b) deferido o pedido, a divulgação da resposta dar-se-á no mesmo veículo, espaço, local, página, tamanho,
caracteres e outros elementos de realce usados na ofensa, em até quarenta e oito horas após a decisão ou,
tratando-se de veículo com periodicidade de circulação maior que quarenta e oito horas, na primeira vez em
que circular;
c) por solicitação do ofendido, a divulgação da resposta será feita no mesmo dia da semana em que a ofensa foi
divulgada, ainda que fora do prazo de quarenta e oito horas;
d) se a ofensa for produzida em dia e hora que inviabilizem sua reparação dentro dos prazos estabelecidos nas
alíneas anteriores, a Justiça Eleitoral determinará a imediata divulgação da resposta;
e) o ofensor deverá comprovar nos autos o cumprimento da decisão, mediante dados sobre a regular
distribuição dos exemplares, a quantidade impressa e o raio de abrangência na distribuição;

2). Programação normal de rádio ou televisão  O prazo para o ajuizamento da respectiva representação será
de até quarenta e oito horas após a veiculação da ofensa ou inverdade.
Regras:
a) a Justiça Eleitoral, à vista do pedido, deverá notificar imediatamente o responsável pela emissora que realizou
o programa para que entregue em vinte e quatro horas, sob as penas do art. 347 da Lei nº 4.737, de 15 de julho
de 1965 - Código Eleitoral, cópia da fita da transmissão, que será devolvida após a decisão;
b) o responsável pela emissora, ao ser notificado pela Justiça Eleitoral ou informado pelo reclamante ou
representante, por cópia protocolada do pedido de resposta, preservará a gravação até a decisão final do
processo;
c) deferido o pedido, a resposta será dada em até quarenta e oito horas após a decisão, em tempo igual ao da
ofensa, porém nunca inferior a um minuto;

3). Horário eleitoral gratuito  O ofendido terá o prazo de até vinte e quatro horas após a veiculação do
programa combatido para propor a representação.
Regras:
a) o ofendido usará, para a resposta, tempo igual ao da ofensa, nunca inferior, porém, a um minuto;

124
b) a resposta será veiculada no horário destinado ao partido ou coligação responsável pela ofensa, devendo
necessariamente dirigir-se aos fatos nela veiculados;
c) se o tempo reservado ao partido ou coligação responsável pela ofensa for inferior a um minuto, a resposta
será levada ao ar tantas vezes quantas sejam necessárias para a sua complementação;
d) deferido o pedido para resposta, a emissora geradora e o partido ou coligação atingidos deverão ser
notificados imediatamente da decisão, na qual deverão estar indicados quais os períodos, diurno ou noturno,
para a veiculação da resposta, que deverá ter lugar no início do programa do partido ou coligação;
e) o meio magnético com a resposta deverá ser entregue à emissora geradora, até trinta e seis horas após a
ciência da decisão, para veiculação no programa subseqüente do partido ou coligação em cujo horário se
praticou a ofensa;
f) se o ofendido for candidato, partido ou coligação que tenha usado o tempo concedido sem responder aos
fatos veiculados na ofensa, terá subtraído tempo idêntico do respectivo programa eleitoral; tratando-se de
terceiros, ficarão sujeitos à suspensão de igual tempo em eventuais novos pedidos de resposta e à multa no
valor de duas mil a cinco mil UFIR.

Salienta-se que em todas as situações expostas acima, o suposto ofensor será notificado para apresentar defesa
no prazo de vinte e quatro horas, e a decisão deverá ser prolatada no prazo máximo de setenta e duas horas da
data da formulação do pedido (Parágrafo segundo).
Da mesma forma, o Ministério Público Eleitoral, como fiscal da lei, deverá sempre emitir o seu parecer antes do
julgamento do processo, tanto na primeira instância como no caso de eventual recurso.

. Resposta  No caso da procedência da representação que busca a concessão do direito de resposta, aquele
que foi considerado ofendido ou prejudicado por afirmação inverídica terá para veiculação da resposta, como
regra básica, o mesmo tempo ou espaço indevidamente utilizado para atingi-lo.
Tratando-se, contudo, de propaganda eleitoral gratuita, o tempo mínimo para a reposição da verdade é de
sessenta segundos, utilizados no programa do partido ou coligação que usou indevidamente o seu espaço, até
que se cumpra o tempo determinado na respectiva decisão.
O conteúdo da resposta deve restringir-se ao fato considerado pelo julgador como ofensivo ou falso, de forma
que a verdade seja restabelecida ou a ofensa reparada.
Caso o espaço destinado à resposta seja utilizado indevidamente, o ofendido receberá como sanção a subtração
de tempo idêntico do seu programa eleitoral, ou, em se tratando de terceiro, ficará sujeito à incidência da multa
prevista no art. 58 da Lei n. 9.504/1997, bem como ficará sujeito à subtração de igual tempo em eventuais
novos pedidos de resposta.
Também com base no mesmo dispositivo legal, quem não cumprir a decisão sobre o direito de resposta sofrerá
pena administrativa – multa – e responderá pelo crime de desobediência previsto no art. 347 do Código
Eleitoral.

. Cumulação, na representação eleitoral, do pedido de direito de resposta com as demais penalidades previstas
em lei  Além do instituto do direito de resposta, a Lei das Eleições, em seus arts. 53, § 1º, e 55, parágrafo
único, também prevê a possibilidade da perda da propaganda eleitoral subseqüente àquela que degrada ou
ridiculariza candidato, bem como a perda em dobro do tempo da ofensa, quando a degradação ou a
ridicularização atingirem candidato, partido ou coligação.
Jurisprudência:
Existem decisões que defendem a impossibilidade da cumulação de pedidos, tendo em vista a diferença
principalmente dos prazos. Cita-se como exemplo o prazo estipulado para a apresentação da defesa na
representação eleitoral que postula o direito de resposta, que é de vinte e quatro horas, enquanto na
representação pautada nos arts. 53, § 1º, e 55, parágrafo único, da Lei das Eleições o prazo da defesa é de
quarenta e oito horas.

Crítica  Caso se venha a orientar o candidato, partido ou coligação a propor uma só representação, baseada
no mesmo fato, para cada penalidade prevista em lei, corre-se o risco da cumulação das penas, já que,
principalmente nas eleições estaduais, as respectivas ações poderão ser julgadas por mais de um juiz eleitoral,
ocasionando a cumulação das penalidades despropositadamente.

b). Cumulação de pedidos, proporcionando ao representado o prazo mais elástico para a apresentação da
defesa – no caso, quarenta e oito horas –, a fim de não causar o cerceamento de defesa ou eventual prejuízo à
parte.

125
ATENÇÃO: Ressalva-se, porém, que pode ser aplicada, quando for conveniente, a cumulação da concessão do
direito de resposta com a multa prevista no § 2º do art. 45 da Lei das Eleições, consoante já decidiu o Tribunal
Superior Eleitoral. [TSE. Respe n. 15.712, 1967.]
. Recurso  De decisão sobre direito de resposta cabe recurso.
Normalmente, o recurso é recebido apenas no efeito devolutivo. Porém, tornou-se prática habitual o
ajuizamento de mandado de segurança ou de medida cautelar com pedido liminar a fim de impedir a veiculação
da resposta até o julgamento do recurso.

. Direito de resposta em propaganda eleitoral na Internet:


a) deferido o pedido, a divulgação da resposta dar-se-á no mesmo veículo, espaço, local, horário, página
eletrônica, tamanho, caracteres e outros elementos de realce usados na ofensa, em até quarenta e oito horas
após a entrega da mídia física com a resposta do ofendido; (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
b) a resposta ficará disponível para acesso pelos usuários do serviço de internet por tempo não inferior ao dobro
em que esteve disponível a mensagem considerada ofensiva; (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)
c) os custos de veiculação da resposta correrão por conta do responsável pela propaganda original. (Incluído
pela Lei nº 12.034, de 2009)

1) Qual é a propaganda que pode ser realizada até 15 dias antes das eleições(CONVENÇÕES)? (PONTO 7)

R: – Propaganda intrapartidária.

2) Qual a diferença entre propaganda institucional e intrapartidária? (PONTO 7)

R: Propaganda Institucional – É a propaganda que veicula os atos, programas, obras e serviços dos órgãos
públicos, devendo ter caráter educativo e informativo, vedada a promoção de servidores públicos e autoridades,
sendo realizada pela própria Administração.
Propaganda Intrapartidária – É a realizada no âmbito interno dos partidos pelo postulante a candidatura a cargo
eletivo, quinze dias antes da realização das convenções, sendo esta realizada pelo postulante a candidato.

3) O que você pode dizer sobre propaganda na internet? (PONTO 7)

R: A propaganda na internet é permitida, porém a lei das eleições prevê restrições ao uso da internet, a exemplo
ela veda a propaganda eleitoral em sítios de pessoas jurídicas, a venda de cadastros de endereços eletrônicos,
veiculação de propaganda paga, entre outras proibições.

TRIBUTÁRIO

- Quando não seria aplicável a capacidade contributiva? Ela é cabível em todos os impostos? Princípio da capacidade
contributiva e seus corolários.

. Princípio da capacidade contributiva  Principio que exterioriza a efetiva possibilidade que tem o particular de
arcar com o peso da tributação. Trata-se do aspecto subjetivo da capacidade econômica, isto é, a lei cria uma
presunção relativa que pode ser confirmada ou não no exame do caso concreto.

. Âmbito de aplicação  A doutrina tradicional afirma que a capacidade contributiva apenas incide sobre os
impostos, e mais especificamente sobre os impostos de caráter pessoal (Art. 145, parágrafo primeiro da CF de
1988).

As taxas e contribuições de melhoria não se submetem ao referido princípio, já que possuem estrutura
incompatível com o mesmo:

Taxas  São calculadas em função da relação custo da atividade estatal/valor da remuneração.


Contribuições de melhoria  São calculadas em função da relação custo total da obra e da valorização
individual.

126
Doutrina moderna  O princípio da capacidade contributiva se aplica a todos os tributos.
Ex: Taxa  Taxa Judiciária  A taxa judiciária leva em conta o valor da causa.
Ex: Contribuição de Melhoria  Obras realizadas em comunidades carentes, por mais que haja valorização
imobiliária, não são cobradas, por meio de contribuição de melhoria, pelo poder público.

- Dê um exemplo concreto de quando não será possível aplicar a capacidade contributiva. Qual imposto específico
não se aplica? Princípio da capacidade contributiva e seus corolários.

IPTU  STF  O IPTU incide sobre aquele que detém a posse, propriedade ou domínio útil do bem (Art. 32
CTN). Deste modo, pouco importa se o contribuinte efetivamente detém capacidade para arcar com o peso da
tributação; o tributo incidirá da mesma forma.

- Qual é o fato gerador do ICMS? Circulação a titulo oneroso? ICMS

São dois os fatos geradores do ICMS:


a). Circulação a título oneroso de mercadorias (entendido como bens corpóreos e incorpóreos, conforme o STF),
desde que haja a efetiva transferência jurídica do bem (não basta a mera circulação econômica, deve haver
transferência de propriedade). Exige-se a finalidade comercial e habitualidade (Art. 4 da LC 87/96).
A circulação gratuita de bens deve ser tributada por meio do ITCMD.

Atenção: Art. 155, parágrafo segundo, IX, a, da CF.

b). Prestação de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação.


Atenção: Súmula 350 do STJ  Atividades intermediárias não estão sujeitas a incidência do ICMS.

- Fundo de Combate à erradicação da pobreza. Estados criaram adicionais para a criação desse fundo. Tem alguma
opinião sobre a constitucionalidade dele? Princípio da não vinculação (Art. 167, inciso IV, CF)  NÃO HÁ NO PONTO
7.

“APELAÇÃO CÍVEL. Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza. Lei Estadual n. 4.056/02,
regulamentada pelo Decreto n. 32.646/03. Instituição do adicional de 1% sobre a alíquota do ICMS incidente
sobre produtos e serviços supérfluos. Inaplicabilidade do Princípio da não-vinculação da receita de impostos.
Caráter especial e temporário das normas constantes do ADCT. Exceção ao princípio geral tributário insculpido
no artigo 167, IV da Lei Maior, inserida pelo próprio constituinte reformador. Vinculação extraordinária que visa
a atender ao princípio da solidariedade e ao postulado da dignidade da pessoa humana através da erradicação
da pobreza e da redução das desigualdades sociais, estas reconhecidas como objetivos fundamentais da
República pela Lex Matter. Vício de iniciativa. Inexistência. Aplicação do disposto no artigo 61, § 1º, II, da
Constituição restrita aos territórios federias. Princípio da legalidade. Preservação. Instituição do adicional
tributário materializado por meio de lei em sentido formal. Desatenção aos ditames dos artigos 82 e 83 do
ADCT, os quais delegaram à lei federal a competência para definição de bens e serviços supérfluos e
submeteram a matéria à reserva de lei complementar. Superveniência da Emenda Constitucional n. 42/03.
Convalidação dos diplomas regionais anteriormente editados. Constitucionalidade. Precedentes do STF e do
Órgão Especial deste Tribunal. Recurso desprovido” (fl. 498).

“AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. ICMS. ADICIONAL. LEI ESTADUAL N. 4.056/02. FUNDO
ESTADUAL DE COMBATE À POBREZA. CONTROVÉRSIA APÓS A EC 42/03. O Supremo Tribunal Federal, na decisão
proferida na ADI n. 2.869, Relator o Ministro Carlos Britto, DJ de 13.5.04, fixou que 'o art. 4º da Emenda
Constitucional nº 42/2003 validou os adicionais criados pelos Estados e pelo Distrito Federal, ainda que estes
estivessem em desacordo com o previsto na Emenda Constitucional nº 31/2000. Sendo assim, se pairavam
dúvidas acerca da constitucionalidade dos diplomas normativos ora adversados, estas foram expressamente
enxotadas pelo mencionado art. 4º'. Agravo regimental a que se nega provimento” (RE 570.016-AgR, Rel. Min.
Eros Grau, Segunda Turma, DJe 12.9.2008).

127
1) Quando não será possível aplicar o princípio da capacidade contributiva? (PONTO 7)

R: O princípio da capacidade contributiva tem sua aplicação dificultada nos impostos indiretos, a exemplo do
ICMS, pois quem compra uma mercadoria paga o mesmo imposto, independentemente de sua capacidade
constitutiva.

2)A circulação de mercadoria para feira é fato gerador de ICMS? (PONTO 7)

R: A circulação que realiza o fato gerador do ICMS é a circulação jurídica, ou seja, a mudança de titularidade do
bem. Dessa forma, a circulação de mercadoria para a feira (mero transporte) não é fato gerador de ICMS.

3) Qual a natureza do adicional de alíquota para o Fundo de Combate à Pobreza? (PONTO 7)

R: O adicional de alíquota para o fundo de combate à pobreza tem natureza de contribuição, tendo em vista que
este tem destinação específica.

O princípio da capacidade tributária só existe com relação aos impostos ou também existe com relação aos outros
tributos?

Apesar de o art. 145, parag 1º da CF, que prevê o princípio da capacidade contributiva, mencionar somente
impostos, a jurisprudência do STF entende que sua aplicação se estende às outras espécies tributárias.

ADMINISTRATIVO

- Defina o instrumento de Habeas data (Garantias dos administrados: mandado de segurança, ação popular, habeas
data e mandado de injunção)

 É o instrumento constitucional colocado a disposição das pessoas físicas ou jurídicas, brasileiras e


estrangeiras, para que solicitem ao Poder Judiciário a exibição ou a retificação de dados constantes em registros
públicos ou privados (desde que se trate, neste último caso, de registros ou bancos de dados de caráter público.
Ver: Art. 1º parágrafo único, parágrafo único, da lei 9507/97).
Ver: Art. 5º, LXXII, da CF.

- Impetração de Habeas data para conhecer dados de um paciente no hospital. Paciente foi internado e gostaria dos
dados sobre seu tratamento. Impetra HD. Como o Sr decidiria? Garantias dos administrados: mandado de segurança,
ação popular, habeas data e mandado de injunção

É possível a impetração do Habeas Datas para o conhecimento de dados pessoais do paciente. Isto tanto sendo
o hospital público, quando sendo privado (nesta última hipótese, há de considerar que os hospitais privados
geralmente possuem bancos de dados de caráter público).
Todavia, importante ressaltar que há julgados entendendo que a medida mais adequada ao caso é a cautelar de
exibição de documentos.

- MI. Controvérsia sobre Judiciário comunicar o Legislativo para legislar. Qual a sua opinião? Garantias dos
administrados: mandado de segurança, ação popular, habeas data e mandado de injunção

Teses:
a).Tese não concretista  A sentença apenas reconhece formalmente a existência da mora legislativa. Cabe ao
Poder Judiciário apenas comunicar a mora legislativa ao Poder legislativa.

b). Tese concretista individual direta  O próprio Poder Judiciário implementa a eficácia da norma
constitucional no julgamento do MI. Todavia, a decisão do Poder Judiciário apenas produz efeitos entre as
partes.

c). Tese concretista Individual intermediária Julgado procedente o MI, o Poder Judiciário estabelece prazo
para o Poder Legislativo elaborar a norma regulamentadora. Se, após o término desse prazo, o Legislativo não
tomar nenhuma providência, o impetratante do Writ passa a ter assegurado o seu direito.
128
d). Tese concretista geral  A sentença proferida na injunção é erga omnes, isto é, tem eficácia ampla,
abrangendo a todos, pois o Poder Judiciário implementa o exercício do direito, que vigorará até o dia que o
Poder Legislativo sanar a inércia constitucional. Neste caso, o Poder Judiciário legisla no caso concreto.

Posição atual STF, MI 164, MI 670, MI 708, MI 712, MI 758  Tese concretista geral  O MI desempenha o
relevante papel de superar, de modo concreto, os efeitos lesivo das inércia do Poder Legislativo  Aguardar o
Legislativo regulamentar a matéria constitucional seria o mesmo que admitir, em muitos casos, a inefetividade
de direitos fundamentais, o que viola diretamente o art. 5, P1, da CF.

- Há prazo para a propositura da ação popular? Art. 21 da lei 4717

 5 anos (prazo prescricional).

1) Defina Habeas Data: (PONTO 7)

R: É uma Ação Constitucional (remédio constitucional) que tem por objetivo permitir o direito de acesso a
informações, constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público,
para o conhecimento ou retificação, dos dados pessoais do impetrante.

2) É possível a impetração de HD para conhecer dados de prontuário de paciente em hospital público? (PONTO 7)

R: Tendo em vista o conceito de habeas data é possível a sua impetração para o conhecimento dos dados de
prontuário de paciente em hospital público, desde que isso seja feito pelo próprio paciente. (AP. cível –
0011028-39 2009.8.19.0003 - TJRJ).

3) Qual o objeto do mandado de injunção? O judiciário pode estabelecer norma para caso concreto? Qual é a recente
orientação do STF? (PONTO 7)

R: O mandado de injunção é cabível toda vez que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício
dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à
cidadania. A depender da teoria adotada o judiciário pode estabelecer norma para o caso concreto.
Recentemente o STF vem adotando a teoria concretista, isto é, vem possibilitando a efetivação do direito em
razão da omissão do legislativo.

4) Qual teoria concretista o candidato adotaria? (PONTO 7)

R: Adotaria, em regra, a teoria concretista individual. Porém, depende também do caso concreto.

5) Qual é o prazo para a propositura de ação popular? (PONTO 7)

R: De acordo com o art. 21 da lei 4717/65 a ação popular prescreve em 5 anos.

EMPRESARIAL

AMBIENTAL

HUMANÍSTICA

- Qual a diferença entre impedimento e suspeição? Imparcialidade do Juiz

. Impedimento  Definida por elementos objetivos  Basta a ocorrência de uma das causas previstas no art.
134 do CPC para que juiz seja afastado do processo.

. Suspeição  Definida por elementos subjetivos  Não basta a mera alegação de uma das causas previstas no
art. 135 do CPC, sendo indispensável que se demonstre a ocorrência dessa causa que gerou efetivamente a
parcialidade do juiz no caso concreto.
129
- Parentesco em relação ao impedimento do juiz. Juiz x companheira. Entende que é impedimento ou
suspeição? Imparcialidade do Juiz
Impedimento  Impedimento, já que trata-se de questão objetiva, não sendo necessário apurar e investigar e
provar efetivamente a ocorrência dessa causa.

- O senhor poderia dizer alguma norma legal em que é permitida a parcialidade do juiz? Imparcialidade do Juiz

a). Normas consumeristas  Inversão do ônus da prova (Art. 6, VIII, do CDC).


b). Concretização das políticas públicas pelo Poder Judiciário.

Justificativa  Parcialidade positiva  É um princípio consubstanciado na ética material, isto é, no sentido de


que o juiz, durante a relação jurídica processual, reconheça as diferenças sociais, econômicas e culturais das
partes e paute sua decisão com base nessas diferenças, humanizando o processo civil ou penal.
Implica em uma atitude proativa do magistrado, com o objetivo de solver graves distorções advindas de fatores
socioeconômicos e culturais.
Decorre da função do Poder Judiciário como defensor da Constituição Federal e, ao mesmo tempo, defensor do
ordenamento jurídico em benefício de toda a sociedade.
No entanto, é importante destacar que, para atuar conforme a parcialidade positiva, o juiz deverá levar em
consideração tão somente aspectos de ordem objetiva cuja racionalidade e juridicidade possam ser validamente
justificadas (Os aspectos de ordem objetiva são os que direcionam a análise para os aspectos processuais,
jurídicos. Dizem respeito à realização dos princípios do devido processo legal e do acesso à justiça.). É dizer,
portanto, não estar autorizada a quebra da imparcialidade por razões de ordem subjetiva.

13 - “Oração aos Moços”, de Rui Barbosa - “A regra da igualdade (…) tratar desigualmente os desiguais na medida em
que se desigualam”. Exemplifique a aplicação deste princípio. (PONTO 7)

R: A frase de Rui Barbosa representa o princípio da isonomia material. Esse princípio permite que sejam feitas
descriminações positivas, ou seja, as diferenças são levadas em consideração para a feitura de leis, aplicação do
direito e sua efetivação, como exemplo pode ser citado o ECA, o estatuto do idoso e a lei Maria da penha.

14 – No caso de ameaça, quando da incidência da Lei Maria da Penha, apenas a palavra da mulher é suficiente para
condenar o homem? (PONTO 7)

R: Nos crimes de violência doméstica, a palavra da vítima tem especial relevo, pois, geralmente, esses crimes
são cometidos sem a presença de testemunhas. Dessa forma, a produção de provas é dificultada. Por isso, nos
casos de ameaça, sob incidência da lei Maria da penha, é possível a condenação do homem com base na palavra
da mulher.

15 – Juiz tem um parente candidato a cargo eletivo. Pode colocar um adesivo deste em seu carro particular? (PONTO
7)

R: A Constituição Federal veda ao magistrado exercer atividade político-partidária, isto é, a Constituição veda a
relação próxima de um magistrado com um partido político, tendo por objetivo manter sua imparcialidade. Em
que pese a vedação, o juiz também é um cidadão e como tal pode colocar um adesivo de um parente candidato
a cargo eletivo em seu carro particular.

16 – Se o prefeito da comarca oferecer um carro para o juiz se locomover? (PONTO 7)

R: Os juízes devem buscar manter a imparcialidade. Além disso, a Constituição Federal veda (art. 95, IV) o
recebimento, a qualquer título ou pretexto, de auxílios ou contribuições de pessoas físicas, entidades públicas
ou privadas. Dessa forma, deve o juiz recusar a oferta do prefeito da comarca.

17 – No Tribunal do Júri, as prefeituras oferecem alimentação para os jurados. Se a única forma deles comerem for o
alimento da prefeitura, o que o juiz deve fazer? (PONTO 7)

130
R: Como a única forma dos jurados comerem é o alimento da prefeitura, o juiz deve autorizar a alimentação,
pois preservaria a dignidade dos jurados. Após isso, deveria diligenciar junto ao Tribunal de Justiça para ver a
possibilidade deste em fornecer a alimentação, evitando-se uma dependência do Poder Executivo.

18 – Juiz de processo de execução, leilão em hasta pública. Supõe-se que o arrematante seja um parente do juiz ou
um juiz de outra comarca ou pessoa de qualquer maneira ligada à Justiça. Aceitaria ou não o lanço? (PONTO 7)

R: Tendo em vista que a Administração Pública deve ser regida pelos princípios da transparência,
impessoalidade, moralidade e lisura das hastas públicas, não aceitaria o lanço nas hipóteses elencadas. Nesses
casos, poderia haver contestação em razão da vinculação dessas pessoas com o processo e com a pessoa do juiz,
o que colocaria em dúvida a lisura da hasta pública.
Consulta nº. 001363-95.2013.2.00.000 (e-CNJ)

19 – Juiz tem um carro oficial. Pessoa necessita ser atendida em outra comarca, hipótese de risco de morte e sabe
que só tem o carro do juiz na área. O que vc, juiz, faria? (PONTO 7)

R: Emprestaria o veículo, pois a questão é emergencial e envolve o direito à saúde, ou seja, como só há aquele
veículo na área e há o risco de morte, não ocorre violação às regras administrativas em virtude da ponderação
entre os princípios envolvidos, podendo, se for o caso, a Administração ser ressarcida de eventuais prejuízos
materiais.

1) Qual é a diferença entre impedimento e suspeição? (PONTO 7)

R: O impedimento tem caráter objetivo, já a suspeição tem relação com o subjetivismo do juiz. No impedimento
há presunção absoluta de parcialidade do juiz, já na suspeição essa presunção é relativa.

2) O parentesco em relação ao impedimento do juiz abrange a companheira? (PONTO 7)

R: As causas de impedimento são consideradas taxativas. Por isso, não é possível utilizar interpretação
ampliativa para aumentar o rol dos impedimentos. Por outro lado, nada impede que se alegue a suspeição do
magistrado baseada na íntima relação do magistrado com sua companheira.

3) Existe norma legal que permite a parcialidade do juiz? (PONTO 7)

R: O Código de Defesa do Consumidor permite a inversão do ônus da prova, a favor do consumidor, no processo
civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras
ordinárias de experiências. Dessa forma, a parcialidade do juiz é positiva tendo por objetivo reequilibrar as
partes da relação jurídica.

PONTO 8

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

- Em que consiste a querela nulitatis? Ação Rescisória e querela nullitatis

Consiste em uma ação declaratória de inexistência jurídica, tendo por objetivo impugnar sentenças
juridicamente inexistentes.
Portanto, a referida ação busca declarar a inexistência de decisão que nem mesmo força tem para transitar em
julgado, não fazendo, assim, coisa julgada. Neste sentido, Nelson Nery Junior:

“A sentença de mérito transitada em julgado faz coisa julgada material e, portanto, só pode deixar de produzir
efeitos depois de rescindida por ação rescisória, quando estiver viviada por falta de pressuposto processual de
validade ou por falta de condição da ação. O único dos requisitos do processo e da ação que enseja a
inexistência da sentença e, por consequência, a inexistência da coisa julgada, dispensando o ajuizamento de
ação é a sentença proferia do processo no qual falte pressuposto processual de existência. (...).”

131
- Diferença entre querela e ação rescisória. Ação Rescisória e querela nullitatis

a). Processo transitado em julgado com vicio de nulidade absoluta  Possibilidade de rescisão pela ação
rescisória (Não rescinde o processo, rescinde a coisa julgada, e anula o processo).
Isto pode ocorrer nas hipóteses do art. 485 do CPC (tem exemplos de nulidades absolutas). As hipóteses do art.
485 do CPC são taxativas.
O prazo para a rescisória é de 2 anos (art. 495 do CPC). Passados estes dois anos, faz com que incide coisa
soberanamente julgada.

b). Os processos contaminados com inexistência jurídica  Não cabe rescisória.


Justificativa  Se o processo é considerado juridicamente inexistente, não há coisa julgada, e portanto, não
cabe rescisória (A ação rescisória pressupõe a existência da coisa julgada material – decisão de mérito com
trânsito em julgado-, já que ela visa desconstituir a coisa julgada material.).
A ação cabível é a querella nullitatis (ação declaratória de inexistência juridica ou de nulidade pleno iure).
Esta ação é imprescritível.
Suas hipóteses de cabimento não estão previstas em lei, todavia, o STJ já enunciou como hipóteses de
cabimento da mesma:
Litisconsórcio necessário não formado (não integrou o polo passivo)

Falta ou nulidade de citação + Revelia  Trata-se de sentença juridicamente inexistente, e, portanto, incapaz
de formar CJ, já que não se formou a relação jurídica apta ao desenvolvimento do processo.

Isto é ratificado pelo art. 475 L I do CPC  Não se pode ser alegado pelo réu, no cumprimento de sentença,
matérias relativas a fase de conhecimento porque houve coisa julgada.
A exceção a isto é o inciso I, o que demonstra que não há CJ, visto que mesmo passado mais de 2 anos da
sentença, o credor pode promover a execução e o executado alegar a matéria do inciso I.

Sentença sem dispositivo  Sua falta gera inexistência jurídica.

Sentença sem assinatura  A assinatura eh obrigatória (art. 164 do CPC), sendo que a mesma confere
existência a sentença.

- Qual a natureza jurídica da ação rescisória? Ação Rescisória e querela nullitatis

Tem natureza jurídica de ação, sendo uma espécie de sucedâneo recursal externo, isto é, meio de impugnação
de decisão judicial que se desenvolve em processo distinto daquele no qual a decisão impugnada foi proferida
 Trata-se de ação autônoma de impugnação, que busca desconstituir decisões judiciais que tenham gerado
coisa julgada material.
Possui natureza constitutiva negativa quanto ao juízo rescindendo, dando ensejo à instauração de outra relação
processual distinta daquela em que foi proferida a decisão rescindenda.

- Exemplos que possibilitariam a querela. Ação Rescisória e querela nullitatis

Ver: Acima.

- Qual a diferença entre pedido rescindente e pedido rescisório? Ação Rescisória e querela nullitatis

. Pedido rescindente  Pedido de rescisão do julgamento impugnado.


. Pedido rescisório  Pedido de novo julgamento.

Ambos os pedidos deverão ser formulados na ação rescisória, tratando-se de cumulação sucessiva de pedidos.

132
- É possível inversão do ônus na sentença? Defesa do consumidor em juízo. Prova. Inversão do ônus probatório

Não.
Justificativa  A inversão do ônus da prova é regra de procedimento, que, como tal, deve ser determinada pelo
juiz durante a instrução do feito e mediante decisão que examine fundamentadamente os requisitos exigidos
em lei, de forma a propiciar a produção da prova à parte a quem foi dirigida a ordem judicial e que irá suportar
as consequências processuais de sua eventual não produção.
A inversão do ônus da prova na sentença importaria, neste sentido, em violação aos princípios do contraditório
e da ampla sentença.
Ver: Súmula 91 TJRJ.

- Credor não encontra bens de sociedade ltda e pede a desconsideração. O Sr deferiria? Desconsideração da
personalidade jurídica

Depende:
a). Se a questão fosse abordada a partir de uma relação de consumo, cabível seria a desconsideração da
personalidade jurídica, já que adotado, neste caso, a teoria menor (art. 28 do CDC), que dispõe que a mera
dificuldade do credor em receber o que lhe eh devido autoriza a desconsideração.

b). Se a questão fosse abordada a partir de uma relação comercial ou mesmo civil, não seria cabível a
desconsideração da personalidade jurídica, já que, neste caso, incide a teoria da desconsideração maior (Art. 50
do CC), que dispõe que a mera dificuldade do credor em receber o que lhe eh devido não autoriza a
desconsideração, necessitando-se de outros elementos.

Relevante ressaltar:
Fabio Konder Comparato  A desconsideraçao tem maior relevância pratica quando a autonomia patrimonial é
mais expressiva.
Ex: SAs  Não há neste caso responsabilidade subsidiaria dos acionistas.
Ex: Em sociedades em que há responsabilidade subsidiária dos sócios, a relevância da desconsideração é menor.

Enunciado 281 do CJF  A desconsideração não pressupõe a demonstração da insolvência da pessoa jurídica,
enquanto a responsabilidade subsidiaria pressupõe a demonstração da insolvência da PJ.

CIVIL, PROCESSO CIVIL, CONSUMIDOR e ECA: Des. Antônio Iloísio Barros Bastos

- Quando se deve utilizar ação anulatória e ação rescisória? Ação Anulatória, Ação Rescisória

. Ação anulatória (Art. 486 do CPC):

Ajuizamento: em primeira instância — de forma incidental ou autônoma;

Objetivo: Contra sentença meramente homologatória, atos praticados em um processo, nulos nos termos do
direito material, e atos jurídicos em geral Portanto, visa a declaração de nulidade de ato jurídico praticado
pelas partes no âmbito de um processo, com fundamento na legislação de quaisquer dos ramos de direito
material, independentemente de haver ou não uma sentença homologatória quanto ao referido ato.

Ressalta-se que:
a). Quanto ao ato jurídico  Objeto da anulação é um ato jurídico que não necessitou de manifestação do juiz
para a produção dos seus efeitos, porquanto não haverá sentença, o que afasta a ideia de ajuizamento de ação
rescisória como meio de impugnação do referido ato, pois, como já visto, esta depende necessariamente da
existência de uma sentença com trânsito em julgado e, por conseguinte, a presença da coisa julgada material.

133
b). Quanto à sentença homologatória  Embora o ato jurídico praticado pelas partes possua um invólucro
sentencial, não há óbice à sua impugnação de forma direta, sem que haja a necessidade de rescisão da sentença
prolatada. É importante mencionar que não é a ‘sentença’, mas o ‘ato homologado’, que constitui objeto do
pedido de anulação.

Procedimento: segue o procedimento ordinário, se autônoma, ou outro procedimento desde que seja ajuizada
incidentalmente;

Efeitos: atingem somente o ato impugnado, anulando os atos subsequentes, não atingindo, ao menos
diretamente, a sentença, mas sim ato eivado de nulidade anterior à prolação da sentença;

Prazo prescricional: para ajuizamento da ação anulatória é aquele concernente ao direito invocado, isto é, ao
direito sub judice, dependendo, assim, do caso em questão.

A ação rescisória, conforme artigo 485 do CPC:

Ajuizamento: em segunda Instância;

Objetivo: contra sentença de mérito eivada das nulidades previstas na lei processual (incisos do art. 485) e
seguindo-se procedimento especial também previsto minuciosamente em lei processual;

Procedimento: especial, previsto nos artigos 485 e seguintes do CPC.

Efeitos: atinge diretamente a sentença atacada, rescindindo-a por completo, tornando-a nula, aniquilando seus
efeitos enquanto decisão judicial, mesmo transitada em julgado.

Prazo prescricional: somente pode ser ajuizada até dois anos após o trânsito em julgado da sentença de mérito,
no que difere, portanto, da ação anulatória, que não tem prazo prescricional determinado.

- Diferencie teoria menor da teoria maior da desconsideração da personalidade jurídica. Desconsideração da


personalidade jurídica

a). Teoria maior  A mera dificuldade do credor em receber o que lhe é devido não autoriza a desconsideração
 Exige-se outros elementos para a desconsideração.

b).Teoria menor  A mera dificuldade do credor em receber o que lhe é devido autoriza a desconsideração.

- Discorra sobre a legitimação para ações coletivas e o alcance territorial das mesmas. Ações Coletivas.

. Natureza jurídica da legitimação coletiva:

1. Tese minoritária  A legitimação coletiva é ordinária.


Argumentos  A lei conferiu legitimação a determinados órgãos ou pessoas jurídicas para a defesa dos
interesses transindividuais, e, isso lhe confere a característica de ordinária.

2.Tese dominante  A legitimação coletiva é uma legitimação extraordinária. Ou seja, não existe coincidência
entre a parte material e a parte formal (aquele que está em juízo defendendo o interesse não titulariza o direito
material deduzido).

3. Nelson Nery Junior (vem ganhando muitos adeptos)  A legitimação coletiva é uma legitimação autônoma.

134
*Legitimação autônoma  É a legitimação para a condução do processo.
Ou seja, o legitimado ativo tem total e completa autonomia para conduzir o processo, independentemente de
quem seja o titular do direito ou da vontade deste.

Nos interesses transindividuais, como regra, não há individualização dos titulares do interesse . Se não consegue
identificar quem são os titulares do direito material, não se pode utilizar as fórmulas da legitimação ordinária e
extraordinária. Isto porque elas partem da premissa de que você sabe quem é a parte material.

. Alcance territorial  Art. 16. A sentença civil fará coisa julgada erga omnes, nos limites da competência
territorial do órgão prolator, exceto se o pedido for julgado improcedente por insuficiência de provas, hipótese
em que qualquer legitimado poderá intentar outra ação com idêntico fundamento, valendo-se de nova prova.
(Redação dada pela Lei nº 9.494, de 10.9.1997)  STJ, Resp 411529 e Resp 1243887 (corte especial)  Este
artigo apenas incide nas açoes acidentalmente coletivas.

Art. 16 da lei 7347/85 X Art. 2 parágrafo único da Lei 7347/85:


Ex: Dano ambiental no âmbito da região sudeste, dano que atingiu os 4 Estados da região na seguinte ordem de
preferencia: RJ, MG, ES, SP. Deve-se ter em vista que cada um destes Estados é
competente para o processamento da demanda (Forum shopping  Art. 2 da LACP). Se é ajuizada a
demanda no TJ-RJ, o que ocorre?
Art. 16 da LACP  O resultado desta ACP so repercutira nos limites territoriais do Estado do RJ. Isto força a
propositura de ACP pelos demais Estados. No mínimo, estas demais ACPS vão sustentar relação de conexão com
a ACP proposta no TJRJ. Se existe conexão, aplicar-se-a a regra do art. 2 paragrafo único da LACP combinado
com art. 253 I do CPC, ou seja, estas ações serão todas distribuídas ao TJ-RJ. Se
as três ACPs posteriores serão remetidas ao TJ-RJ, cai a limitação territorial do art. 16 da LACP, ou seja, não faz
mais sentido aplicar esta limitação territorial.
Dai que parte da doutrina fala que o art. 2 paragrafo único da LACP derrogou (a parte relacionada a limitação
territorial) o art. 16 da mesma lei., tendo em vista que o art. 2 paragrafo único da LACP não é original da LACP
(ele adveio por meio da MP 2180-35/01, ou seja, é uma norma jurídica posterior).

- O que é querela nulitatis? (PONTO 8)

Segundo a corrente que se adote, a querela nullitatis pode ser considerada como uma ação declaratória de
inexistência ou como uma ação desconstitutiva de decisão judicial contaminada por vício transrescisório.

- É possível querela se faltar uma das condições da ação? (PONTO 8)

Sim. É hipótese aventada pela moderna doutrina. Neste sentido:


PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO AO ART. 535 DO CPC. QUERELA NULLITATIS
INSANABILIS. DESCABIMENTO.
IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. RECURSO IMPROVIDO.
2. O cabimento da querela nullitatis insanabilis é indiscutivelmente reconhecido em caso de defeito ou ausência
de citação, se o processo correu à revelia (v.g., CPC, arts. 475-L, I, e 741, I). Todavia, a moderna doutrina e
jurisprudência, considerando a possibilidade de relativização da coisa julgada quando o decisum transitado em
julgado estiver eivado de vício insanável, capaz de torná-lo juridicamente inexistente, tem ampliado o rol de
cabimento da querela nullitatis insanabilis. Assim, em hipóteses excepcionais vem sendo reconhecida a
viabilidade de ajuizamento dessa ação, para além da tradicional ausência ou defeito de citação, por exemplo: (i)
quando é proferida sentença de mérito a despeito de faltar condições da ação; (ii) a sentença de mérito é
proferida em desconformidade com a coisa julgada anterior; (iii) a decisão está embasada em lei
posteriormente declarada inconstitucional pelo eg. Supremo Tribunal Federal.
(REsp 1252902/SP, Rel. Ministro RAUL ARAÚJO, QUARTA TURMA, julgado em 04/10/2011, DJe 24/10/2011)

- Diferencie querela de ação rescisória. (PONTO 8)

A querela diferencia-se da ação rescisória tanto em face das hipóteses de cabimento, quanto em face do prazo
para ajuizamento, e também em face da competência para julgamento.

135
- Ação rescisória contra lei em tese. O que tem a dizer sobre isso? (PONTO 8)

(se for ação rescisória contra lei em tese, literalmente, não entendi a pergunta. Estou presumindo que foi
perguntado sobre a hipótese de violação à literal dispositivo de lei).
Dentre os casos que rendem ensejo à ação rescisória, destaca-se o inciso V do art. 485 do CPC, qual seja, quando
a sentença de mérito transita em julgado violar literal disposição de lei. É ponto incontroverso na doutrina e na
jurisprudência que lei constitui expressão ampla. O termo literal, segundo Fredie Didier, está empregado ali no
sentido de expresso, revelado, sendo cabível a ação rescisória quando o juiz tiver violado o direito expresso ou
revelado no caso concreto. Pretende-se proteger o ordenamento jurídico como um todo, ai incluídas todas as
modalidades de veículos normativos, escritas ou não, explicitas ou implícitas.

- Existe prazo pra querela? E pra rescisória? (PONTO 8)

Não existe prazo para o ajuizamento da querela nullitatis. Para a ação rescisória, entretanto, o prazo é de dois
anos a contar do trânsito em julgado.

- Fale sobre a inversão do ônus da prova no CPC e CDC. (PONTO 8)

O CDC adotou a regra da distribuição dinâmica do ônus da prova, uma vez que o magistrado tem o poder de
redistribuição (inversão) do ônus probatório, caso verificada a verossimilhança da alegação ou hipossuficiência
do consumidor. O CPC, ao contrário, adotou a regra da distribuição estática do ônus da prova, distribuindo
prévia e abstratamente o encargo probatório através do art. 333 do CPC.

- A hipossuficiência que aduz o CDC é de que tipo? (PONTO 8)

Técnica, jurídica, econômica e informacional.

- O Sr inverteria o ônus da prova na sentença? (PONTO 8)

Não. O STJ já pacificou entendimento no sentido de que a inversão do ônus da prova é regra de instrução e não
de julgamento.

CIVIL, PROCESSO CIVIL, CONSUMIDOR e ECA: Des. Camilo Ruliere

- Quando é cabível querela nulitatis? (PONTO 8)

De forma geral, entende-se que é cabível a querela nullitatis contra sentença proferida em desfavor do réu, em
que o processo correu em revelia, seja porque não houve citação ou então porque esta foi defeituosa. Doutrina
moderna aponta, ainda, outras hipóteses como: (i) quando é proferida sentença de mérito a despeito de faltar
condições da ação; (ii) a sentença de mérito é proferida em desconformidade com a coisa julgada anterior; (iii) a
decisão está embasada em lei posteriormente declarada inconstitucional pelo eg. Supremo Tribunal Federal.

- Quem é competente para querela? (PONTO 8)

R: Juízo que proferiu decisão nula. Pode ser tanto o juiz de 1º grau quanto o tribunal.

- O que é ação anulatória? Finalidade? Prazo? (PONTO 8)

Segundo estabelece o art. 486 do CPC, os atos judiciais, que não dependem de sentença, ou em que esta for
meramente homologatória, podem ser rescindidos, com os atos jurídicos em geral, nos termos da lei civil. Esses
atos, se viciados, não serão impugnados pela via da ação rescisória, mas sim pelos caminhos tradicionais da ação
anulatória ou da ação declaratória de nulidade, em consonância com qualquer outro ato jurídico no sistema
brasileiro. Porque não operam coisa julgada material, essas sentenças homologatórias não podem ser

136
rescindidas. O que pode ocorrer, isso sim, é a anulação do ato jurídico que lhe é subjacente, por meio da ação
anulatória competente. Os prazos são aqueles previstos no CC.

- CC dá prazo para anulação: 2 anos e 4 anos. Pra que cada prazo? (PONTO 8)

Quatro anos estão previstos para a hipótese de coação, erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo,
lesão e atos dos incapazes. O prazo de dois anos, por sua vez, é o prazo geral de anulação, previsto no art. 179
do CC.

- Quem é competente para anulatória? (PONTO 8)

Juiz de primeiro grau perante o qual se praticou o ato que se pretende anular.

- Qual a competência para rescisória? (PONTO 8)

A competência para examinar a ação rescisória será sempre de tribunal.

- Dentro do prazo da rescisória poderia optar pela rescisória em vez de querela, no caso de falta de citação?

- Tecnicamente o CPC esta correto no artigo 485, VIII? (PONTO 8)

Não. Em primeiro lugar, a “desistência” ali referida deve ser interpretada como renúncia ao direito sobre o qual
se funda a ação. Em relação à confissão, recorda Fredie Didier que o art. 352 do CPC estabelece que, se
pendente o processo em que foi feita, cabe ação anulatória. Se, todavia, já transita em julgado a sentença, cabe
a rescisória. No que se refere à transação, Didier defende a mesma concepção: cabe a ação rescisória contra a
sentença homologatória de transação após o trânsito em julgado; enquanto não transitada em julgado, a
transação deve ser desconstituída pela ação anulatória.

- Sentença fundada em confissão da parte. Qual caminho pra desconstituir essa decisão? (PONTO 8)

R: artigo 352 do CPC – anulatória até o transito em julgado. Após o transito, rescisória.

- Em que momento o juiz pode desconsiderar a personalidade jurídica? Qual fundamento? No CDC há previsão da
desconsideração? (PONTO 8)

A jurisprudência entende que não há prazo para a desconsideração da personalidade jurídica. O requerimento
de desconsideração seria um direito potestativo da vítima, ao qual não foi previsto prazo (decadencial). No CDC
há previsão de desconsideração toda vez que ela for empecilho ao ressarcimento dos danos.

1 – No que consiste a responsabilidade civil?

A responsabilidade civil consiste na transgressão de uma norma civil preexistente, impondo-se ao causador do
dano o dever de indenizar.

2 – Comente sobre a responsabilidade civil aquiliana.

Trata-se da responsabilidade extracontratual. Assim, haverá esta responsabilidade quando um indivíduo violar
uma norma civil preexistente de natureza legal.

3 – Quais são os elementos da responsabilidade civil?

Conduta, nexo causal, dano e culpa (quando a responsabilidade for subjetiva).

4 – Qual foi a teoria adotada pelo ordenamento pátrio quanto ao nexo causal na seara da responsabilidade civil

137
Há divergência na doutrina quanto ao tema. Uma parte, capitaneada por Cavalieri Filho entende que a teoria
adotada foi a teoria da causalidade adequada, ou seja, para esta teoria, causa seria apenas o antecedente que,
segundo um juízo abstrato de probabilidade, seja apto ou idôneo a determinar o resultado danoso. Já a outra
parte, capitaneada por Gustavo Tepedino, a teoria a ser adotada seria a teoria da causalidade direta e imediata,
ou seja, causa seria o antecedente que determina o resultado danoso, como consequencia sua direta e
imediata. Afirma esta corrente que o Código Civil previu esta teoria no art. 403.

5 – É possível a cumulação entre dano moral e estético? 6 – Qual a posição do STJ sobre o tema?

Sim, há súmula do STJ admitindo esta hipótese. (súmula 387 do STJ)

Perguntas ponto 8 (Págs 31 e 32)

Direito Civil – RESPONSABILIDADE CIVIL

8 – O candidato vislumbra a aplicação da responsabilidade objetiva em leis especiais? Se sim, tem como apresentar
um exemplo.

Sim, existem diversas leis especiais que trazem a responsabilidade objetiva, como por exemplo: a Lei
6938/81 que trata da Política Nacional do Meio Ambiente (art. 14, §1º - Responsabilidade fundada no risco
integral); o Código Brasileiro de Aeronáutica (arts. 268 e 269), que trata da responsabilidade por danos causados
a terceiros na superfície; o Código de Defesa do Consumidor (arts. 12, 14, 18, 19, 20), o qual estabelece a
responsabilidade objetiva do fornecedor de produtos e serviços pelo fato ou pelo vício do produto ou serviço,
entre outros (Consulta – Filho, Sergio Cavalieri, Programa de Responsabilidade Civil, 8 ed, São Paulo: Atlas, 2009,
p. 144 – 146).

9 – O que seria a teoria do risco?

A teoria do risco surgiu no final do século XIX, quando o desenvolvimento industrial agitava o problema
da reparação dos acidentes de trabalho. Risco é perigo, é probabilidade de dano, importando dizer que aquele
que exerce uma atividade perigosa deve-lhe assumir os riscos e reparar o dano dela decorrente (Consulta –
Filho, Sergio Cavalieri, Programa de Responsabilidade Civil, 8 ed, São Paulo: Atlas, 2009, p. 136).

10 – Fale sobre o dano moral.

Segundo Sergio Cavalieri, o dano moral deve ser visto sob a ótica constitucional, isso porque, a
Constituição, em seu artigo 1º, III, estabelece como um dos fundamentos da república a Dignidade da Pessoa
Humana. Assim, o dano moral corresponderia a uma violação a um dos direitos da personalidade,
independentemente da prova de constrangimento, vexame, entre outros. Configurado o dano moral, não é
possível o retorno ao estado anterior, como acontece nos danos patrimoniais, razão pela qual a vítima fará jus
apena a uma indenização ou compensação de forma a amenizar os efeitos decorrentes da violação de seu
direito da personalidade (Consulta – Filho, Sergio Cavalieri, Programa de Responsabilidade Civil, 8 ed, São Paulo:
Atlas, 2009, p. 79-104).
Para a fixação do valor da indenização o magistrado deve levar em consideração o patrimônio da vítima, do
ofensor, bem como a proporcionalidade entre a lesão provocada e o valor a ser fixado, não se olvidando o
caráter punitivo e pedagógico que os danos morais possuem (DES. RICARDO RODRIGUES CARDOZO).

11 – Discorra sobre a existência do dano moral quando o tema é atrelado a inclusão do nome em cadastros
restritivos, apontando, se possível, eventual matéria sumulada pelo STJ sobre a questão.

O Código de Defesa do Consumidor permite que o fornecedor de produtos ou serviços inscreva o nome
do consumidor inadimplente em cadastros restritivos ao crédito. Para tanto, exige que seja feita comunicação
prévia por escrito, por parte do órgão mantenedor do cadastro (art. 43, §2º e Súmula 359, STJ).

138
Havendo a devida comunicação prévia, não há qualquer dano moral pelo simples fato da inscrição, tratando-se
de exercício regular do direito do fornecedor. Da mesma forma, mesmo que indevida a anotação, seja por
ausência de comunicação prévia, seja por inexistência da dívida, não há que se falar em dano moral quando
preexistente inscrição legítima, ressalvado o direito ao cancelamento (súmula 385, STJ).
Todavia, se a inscrição for a única indevida, tal fato, por si só, configura dano moral, sendo dispensável a prova
do dano moral, o qual é in re ipsa, conforme se extrai da súmula 89 do TJ/RJ.

12 – Quais são as hipóteses excludentes da responsabilidade civil?

As hipóteses de excludentes de responsabilidade civil são o fato exclusivo da vítima, o fato exclusivo de
terceiro, o caso fortuito e a força maior.

13 – Como o candidato avalia a questão das portas giratórias em bancos?

Não obstante o possível constrangimento ocasionado pelo travamento da porta giratória, entendo que
se trata de fato normal do cotidiano relacionado à própria proteção dos clientes do banco. Assim, o simples
travamento da porta giratória não seria suficiente para gerar o direito à indenização por dano mora, devendo
ser analisado no caso concreto um fato que tenha extrapolado o exercício regular de um direito (0305906-
41.2010.8.19.0001 – APELACAO - DES. RICARDO RODRIGUES CARDOZO).

14 – O que seria fortuito interno e externo?

Fortuito interno é o fato imprevisível, e por isso, inevitável, que se liga à organização da empresa, que se
relaciona com os riscos da atividade desenvolvida pelo transportador. O estouro do pneu do ônibus, o incêndio
do veículo, o mal súbito do motorista etc., são exemplos de fortuito interno.
Fortuito externo é também fato imprevisível e inevitável, mas estranho à organização do negócio, como
fenômenos da natureza.
Somente o fortuito externo afasta a responsabilidade civil do transportador. (Consulta – Filho, Sergio
Cavalieri, Programa de Responsabilidade Civil, 8 ed, São Paulo: Atlas, 2009, p. 302).

15 – Qual a consequência do fortuito interno e externo no âmbito da responsabilidade civil?

O fortuito interno, como o próprio nome diz, está relacionado à própria atividade, razão pela qual não
são aptos a afastar a responsabilidade civil. Assim, por exemplo, as instituições financeiras respondem
objetivamente pelos danos gerados por fortuito interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros no
âmbito de operações bancárias (Súmula 479, STJ).
Por outro lado, o fortuito externo, estranho à organização do negócio, afasta a responsabilidade
objetiva do sujeito, visto haver completo rompimento do nexo causal. Assim, por exemplo, se a empresa de
ônibus responde pelo fortuito de ter um pneu estourado e causado danos a seus passageiros, não responderá,
entretanto, se o dano provier de bala perdida que atinja algum passageiro, uma vez que não está dentro da
margem de previsibilidade e de risco da atividade de transporte o óbito de passageiro vitimado por disparos de
arma de fogo praticados por terceiro (bala perdida).

16 – O candidato saberia apontar do que se trata a teoria do corpo neutro?

A teoria referida defende uma especial aplicação do fato de terceiro nos acidentes de trânsito no qual o
agente físico atingido, desprovido de atuação voluntária, macula direito de terceiro inocente, ou seja, o
automóvel ao ser atingido pelo causador do acidente, é arremessado sobre outro veículo, causando-lhe
prejuízos.

139
Por exemplo, se o veículo “A” atinge o veículo “B” em sua parte traseira, lançando-o sobre o veículo “C” à sua
frente, causando danos a este último, dever-se-á considerar como agente físico atingido sem atuação voluntária
e desprovido de responsabilidade o veículo “B”.
No exemplo acima apontado, o proprietário do veículo “C” deverá buscar reparação de danos em face do
proprietário do automóvel “A”, primeiro agente causador do acidente.
Através da Teoria do Corpo Neutro, sedimentada pelo Resp nº. 54.444/SP de 18/10/1994, não há nexo de
causalidade entre o dano ocorrido e o agir do condutor do veículo “B”, sendo que este somente figurou como
instrumento da ação culposa de terceiro, condutor do veículo “A”.

17 – Como que a jurisprudência se posiciona com as cláusulas de não indenizar existentes em estacionamentos de
shoppings e supermercados?

A jurisprudência tem entendido pela invalidade da cláusula de não indenizar existente em


estacionamentos de shoppings e supermercados. Efetivamente, o artigo 51, inciso I do CDC aduz que são nulas
de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais que exonerem ou atenuem a responsabilidade do
fornecedor ou que impliquem em renúncia ou disposição de direitos. No mesmo sentido, o artigo 25 é expresso
ao dizer que é vedada a clausula que impossibilite, exonere ou atenue a obrigação de indenizar. Sendo assim, as
cláusulas apostas pelos estacionamentos de shoppings e supermercados são inválidas. Vide súmula 130 do STJ.

18 – E no caso de vaga certa de responsabilidade do Município?

O pagamento efetuado pelo cidadão em casos tais, para o estacionamento de veículos em via pública,
não configura contrato de depósito, tal qual definido no artigo 627 do Diploma Civilista, inexistindo, portanto,
dever de guarda e vigilância sobre os veículos a justificar eventual indenização em razão do sinistro ocorrido.
Com efeito, a existência de remuneração, por si só, não tem o condão de alçar os apelados à condição de
depositários dos bens, haja vista as peculiaridades da relação jurídica em debate. Nesse sentido, cuida-se de
contraprestação derivada do exercício do poder de Polícia, destinada à mera ordenação do espaço público,
através da utilização rotativa e racionalizada das vagas administradas pelos apelados. Incide, neste ponto, a
disciplina normativa prevista no Decreto Municipal n.º 16.393/1997, cujo artigo 3.º e parágrafo único. Ademais,
o valor cobrado em tais circunstâncias pelos guardadores constitui remuneração paga pela utilização de espaço
cuja natureza jurídica é de bem público de uso comum do povo, afastando-se, portanto, a incidência do artigo
37 § 6.º da Constituição Federal. Assim, na hipótese de estacionamento rotativo aberto, o explorador da
atividade não assume a responsabilidade pelos danos causados ao patrimônio dos usuários, incumbido ao
Estado prover a segurança pública da sociedade, nos termos do artigo 144 da CRFB/88. Com efeito, não há
como imputar aos apelados a responsabilidade pelos fatos narrados na inicial. Neste sentido, consoante
jurisprudência sedimentada deste Tribunal de Justiça, o furto de automóvel estacionado em logradouro público,
em local denominado "vaga-certa", não induz à responsabilidade civil da CET-RIO ou do Município do Rio de
Janeiro. Precedentes do TJERJ.

19 – A culpa concorrente exclui a responsabilidade civil?

A culpa concorrente não exclui a responsabilidade civil, entretanto, sua indenização será fixada tendo-se
em conta a gravidade de sua culpa em confronto com a do autor do dano, nos termos do artigo 945 do Código
Civil.
Assim, por exemplo, incorre em culpa concorrente, pela morte de passageiro, a companhia de transporte
ferroviário, quando deixa de tomar as medidas necessárias para a retirada de passageiro que viaja em local
indevido (AgRg no REsp 1324423 / SP).

20 – Há no ordenamento hipótese de responsabilidade integral?

Sim. A Constituição, em seu artigo 225, §3º, afirma que as condutas e atividades consideradas lesivas ao
meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas,

140
independentemente da obrigação de reparar os danos causados. No mesmo sentido, preceitua o artigo 14, §1º
da Lei 6938/81 que “sem obstar a aplicação das penalidades previstas neste artigo, é o poluidor obrigado,
independentemente da existência de culpa, a indenizar ou reparar os danos causados ao meio ambiente e a
terceiros, afetados por sua atividade”. Extrai-se dos dispositivos mencionados, em seu sentido teleológico, que a
responsabilidade civil por dano ambiente é baseada no risco integral. Se fosse possível invocar o caso fortuito e
a força maior nestes casos, ficaria fora da incidência da lei, a maior parte dos casos de poluição ambiental, visto
que a maioria é decorrente de avarias de navios provocadas por tempestades marítimas.
Da mesma forma, a Constituição, em seu artigo 21, inciso XXIII, d afirma que a responsabilidade civil por
danos nucleares independe de culpa, entendendo a doutrina e jurisprudência majoritárias tratar-se de
responsabilidade objetiva baseada no risco integral.

Qual a natureza do rol do artigo 485 do CPC?

O rol do art. 485 CPC é taxativo, conforme precedentes do STJ e TJRJ. Trecho de acórdão da lavra da Des. Letícia
Sardas:
. 5. Este último requisito justifica-se porque o rol de possibilidades de cabimento da rescisória é taxativo e a
espécie de ação constitui demanda de natureza excepcional, de sorte que seus pressupostos devem ser
observados com rigor, sob pena de ser transformada em recurso com prazo dilatado.

Trecho do acórdão da Des. Renata Cotta:

Além disso, tais decisões devem possuir um dos vícios elencados nos incisos do art. 485, que compõem
um rol taxativo. Do contrário, não será possível o ajuizamento da ação rescisória. Tal limitação ocorre porque a
ação rescisória não se presta ao mero reexame da matéria, como se recurso fosse, sob pena de desrespeito à
autoridade da coisa julgada, que somente pode ser quebrada em casos gravíssimos e evidentes

Qual a diferença entre a ação rescisória e a ação anulatória?

A ação anulatória está prevista no art. 486 do CPC. Não atinge diretamente a sentença mas sim o ato cuja
invalidação se busca. Já a rescisória visa rescindir uma decisão de mérito transitada em julgado, nas hipóteses
do art. 485 do CPC. Em outras palavras, rescisória “É a ação autônoma de impugnação que tem por objetivo
rescindir decisão judicial transitada em julgado e, eventualmente, proceder a um novo julgamento da causa.”

Art. 486. Os atos judiciais, que não dependem de sentença, ou em que esta for meramente homologatória,
podem ser rescindidos, como os atos jurídicos em geral, nos termos da lei civil.

Outros dispositivos:
Art. 1.029. A partilha amigável, lavrada em instrumento público, reduzida a termo nos autos do inventário ou
constante de escrito particular homologado pelo juiz, pode ser anulada, por dolo, coação, erro essencial ou
intervenção de incapaz. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)
Parágrafo único. O direito de propor ação anulatória de partilha amigável prescreve em 1 (um) ano, contado
este prazo: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)
I - no caso de coação, do dia em que ela cessou; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)
II - no de erro ou dolo, do dia em que se realizou o ato; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)
III - quanto ao incapaz, do dia em que cessar a incapacidade. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)
Art. 352. A confissão, quando emanar de erro, dolo ou coação, pode ser revogada:
I - por ação anulatória, se pendente o processo em que foi feita;
II - por ação rescisória, depois de transitada em julgado a sentença, da qual constituir o único fundamento.
Parágrafo único. Cabe ao confitente o direito de propor a ação, nos casos de que trata este artigo; mas, uma vez
iniciada, passa aos seus herdeiros.

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. SENTENÇA QUE HOMOLOGA ACORDO EM
AÇÃO DE SEPARAÇÃO JUDICIAL. ATO MERAMENTE HOMOLOGATÓRIO. AÇÃO RESCISÓRIA. DESCABIMENTO. ATO
PASSÍVEL DE DESCONSTITUIÇÃO POR AÇÃO ANULATÓRIA. CPC, ART. 486. DECISÃO MANTIDA.

141
1. A sentença judicial que, sem adentrar o mérito do acordo entabulado entre as partes, limita-se a aferir a
regularidade formal da avença e a homologá-la, caracteriza-se como ato meramente homologatório e, nessas
condições, deve ser desconstituída por meio da ação anulatória prevista no art. 486 do CPC, sendo descabida a
Ação Rescisória para tal fim.
2. Agravo regimental improvido.
(AgRg no REsp 1440037/RN, Rel. Ministro ANTONIO CARLOS FERREIRA, QUARTA TURMA, julgado em
09/09/2014, DJe 18/09/2014)

Quais as hipóteses de cabimento da querela nullitatis?

“No direito processual brasileiro há duas hipóteses em que uma decisão judicial existente pode ser invalidada
após o prazo da ação rescisória. É o caso da decisão proferida em desfavor do réu, em processo que correu à
sua revelia, quer porque não foi citado, quer porque o foi de maneira defeituosa (art. 475-L e art. 741, I, do
CPC). Nesses casos, a decisão judicial está contaminada por vícios transrescisórios.
A ação de nulidade querela nullitatis é o meio de impugnação previsto para tais decisões e
difere da rescisória pela hipótese de cabimento mais restrita bem como por ser imprescritível e dever ser
proposta perante o juízo que proferiu a decisão. Ambas, porém, são ações constitutivas.”

Quais os pressupostos da ação rescisória?

Existência de uma decisão rescindível (de mérito transitada em julgado); ajuizamento no prazo dos 2 anos do
trânsito em julgado; fundamentação típica (tem que enquadrar em uma das hipóteses do art. 485 do CPC).

Pode ocorrer a revelia na ação rescisória? E seus efeitos?

Pode ocorrer, mas ela não gera seus efeitos. Não há presunção de veracidade dos fatos alegados pela parte
autora. Nesse sentido:

PROCESSUAL CIVIL E PREVIDENCIÁRIO. AÇÃO RESCISÓRIA. VIOLAÇÃO A LITERAL DISPOSIÇÃO DE LEI. NÃO
CABIMENTO. ERRO DE FATO.
NÃO-OCORRÊNCIA. AÇÃO RESCISÓRIA JULGADA IMPROCEDENTE.
I. Inaplicável os efeitos da revelia, previstos no art. 319 do Código de Processo Civil, uma vez que esses não
alcançam a demanda rescisória, pois a coisa julgada envolve direito indisponível, o que impede a presunção de
veracidade dos fatos alegados pela parte autora.
II. Na ação rescisória, fundada no inciso V do art. 485 do CPC, a violação de lei deve ser literal e direta, não
admitindo inovação argumentativa, sob pena de se aceitar o uso dessa ação de natureza desconstitutiva
negativa unicamente com o fim de se permitir novo julgamento à luz de outro enfoque. (Precedentes).
III. O fato de o julgado haver adotado a interpretação menos favorável à parte, ou mesmo a pior dentre as
possíveis, não justifica o manejo da rescisória, na medida em que não se cuida de via recursal com prazo de dois
anos.
IV. A ocorrência de erro de fato, apto a autorizar a procedência da ação, demanda a demonstração de ter o
julgado rescindendo incorrido em erro ao "admitir um fato inexistente" ou "considerar inexistente um fato
efetivamente ocorrido" (art. 485, § 1º, CPC) V. Tendo a decisão rescindenda se atrelado aos elementos fáticos e
jurídicos colacionados aos autos, a reforma do julgamento, pautado em erro de fato ou violação literal a
dispositivo legal, nos termos do art. 485, incisos V e IX, do Código de Processo Civil, não se revela aplicável, à
espécie.
VI. Ação rescisória julgada improcedente.
(AR 4.309/SP, Rel. Ministro GILSON DIPP, TERCEIRA SEÇÃO, julgado em 11/04/2012, DJe 08/08/2012)

Cabe ação rescisória de julgamento proferido em ação rescisória?

142
Sim! Segundo Didier, Se o Tribunal julgou a rescisória e a decisão se enquadrar em qualquer das hipóteses do
art. 485, cabe rescisória de rescisória.

DIREITO DO CONSUMIDOR

1 – A denunciação da lide incide numa relação de consumo?

O artigo 88 do CDC afirma que, “na hipótese do art. 13, parágrafo único deste código, a ação de regresso
poderá ser ajuizada em processo autônomo, facultada a possibilidade de prosseguir-se nos mesmos autos,
vedada a denunciação da lide”. Interpretando-se de maneira restritiva este dispositivo, poder-se-ia afirmar a
possibilidade de denunciação da lide nas hipóteses de fato do serviço (artigo 14), bem como nos casos de vício
do produto ou serviço (artigos 18 a 20).
No entanto, a jurisprudência vem entendendo que "a vedação à denunciação da lide prevista no art. 88 do CDC
não se restringe à responsabilidade de comerciante por fato do produto (art. 13 do CDC), sendo aplicável
também nas demais hipóteses de responsabilidade civil por acidentes de consumo (arts. 12 e 14 do CDC).” (EDcl
no Ag 1249523 / RJ). Ou melhor, a jurisprudência do STJ possui entendimento pacífico sobre o não cabimento da
denunciação da lide quando se tratar de relação regida pelo Código de defesa do Consumidor (AgRg no AREsp
546098 / RN).
No mesmo sentido, vide súmula 92 do TJ/RJ.

2 – Se sim, em qual hipótese?

Conforme dito acima, a denunciação da lide é vedada nos processos que tratem de relação de consumo
(Súmula 92, TJ/RJ). No entanto, o CDC permite o chamamento ao processo da seguradora, na forma do artigo
101, II (Súmula 208, TJ/RJ), visto que a norma tem por objetivo a proteção do consumidor, aumentando as
possibilidades de execução.

3 – Fale sobre a inversão do ônus da prova no âmbito do CDC.

A inversão do ônus da prova no âmbito do CDC está prevista no seu artigo 6º, inciso VIII, o qual estipula
como um dos direitos básicos do consumidor “a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão
do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando
for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências”.
A regra tem por objetivo equilibrar a desigualdade existente entre os sujeitos de uma relação jurídica de
consumo, em razão da vulnerabilidade processual que também caracteriza o consumidor. Para tanto, exige-se a
verossimilhança das alegações OU a hipossuficiência do consumidor.

4 – Pode-se inverter o ônus probatório em prol do fornecedor numa relação em que a prestação deste se torna
onerosa?

O artigo 6º, VIII, ao tratar sobre a possibilidade de inversão do ônus da prova está inserido no capítulo
“Dos Direitos Básicos do Consumidor”, razão pela qual não faria sentido a inversão do ônus da prova em favor
do fornecedor.
Neste sentido,para o jurista Luiz Paulo da Silva Araújo Filho “A inversão do ônus da prova, ademais,
como reza expressamente o inciso sob comento, só é admitida a favor do consumidor, sendo incabível em prol
do fornecedor” (FILHO, 2009, p. 6).

5 – Qual o momento oportuno para se analisar o pedido de inversão do ônus pelo consumidor?

143
Muito se discutiu na doutrina e na jurisprudência sobre o momento da inversão do ônus da prova.
Alguns entendiam que se tratava de regra de julgamento, de forma que a inversão ocorreria no momento da
sentença, orientando o juiz, quando há um nom liquet em matéria de fato, a respeito da solução a ser dada à
causa.
No entanto, o STJ vem entendendo que a inversão do ônus da prova prevista no art. 6º, VIII, do CDC, é
regra de instrução e não regra de julgamento, sendo que a decisão que a determinar deve - preferencialmente -
ocorrer durante o saneamento do processo ou - quando proferida em momento posterior - garantir a parte a
quem incumbia esse ônus a oportunidade de apresentar suas provas (AgRg no REsp 1450473 / SC).

6 – A desconsideração da personalidade jurídica no CDC tem o mesmo viés no Código Civil?

Não. A desconsideração do Código Civil possui um viés diferente da do Código de Defesa do


Consumidor.
Segundo o artigo 50 do Código Civil, “em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de
finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público
quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam
estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica”. Observe-se que, nos termos
do Código Civil, para que haja desconsideração da personalidade jurídica é indispensável o abuso da
personalidade jurídica, que pode ser evidenciado tanto pelo desvio de finalidade quanto pela confusão
patrimonial. Adotou o Código Civil a teoria maior da desconsideração, pois para que ocorra são necessários
“maiores requisitos”.
O Código de Defesa do Consumidor, por sua vez, em que pese parecer ter adotado a teoria maior no caput do
artigo 28, adotou na verdade a teoria menor da desconsideração da personalidade jurídica, tendo em vista que
para sua ocorrência são necessários “menores requisitos”, isto é, em sede de relações de consumo, “também
poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao
ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores”.
Ou seja, no âmbito do CDC, basta a insuficiência patrimonial da empresa para que ocorra a desconsideração.

7 – Caso o tratamento da desconsideração seja distinto, qual a teoria adotada no CDC e o que a diferencia da diretriz
traçada no CC quanto ao tema?

Segundo o artigo 50 do Código Civil, “em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de
finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público
quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam
estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica”. Observe-se que, nos termos
do Código Civil, para que haja desconsideração da personalidade jurídica é indispensável o abuso da
personalidade jurídica, que pode ser evidenciado tanto pelo desvio de finalidade quanto pela confusão
patrimonial. Adotou o Código Civil a teoria maior da desconsideração, pois para que ocorra são necessários
“maiores requisitos”.
O Código de Defesa do Consumidor, por sua vez, em que pese parecer ter adotado a teoria maior no caput do
artigo 28, adotou na verdade a teoria menor da desconsideração da personalidade jurídica, tendo em vista que
para sua ocorrência são necessários “menores requisitos”, isto é, em sede de relações de consumo, “também
poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao
ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores”.
Ou seja, no âmbito do CDC, basta a insuficiência patrimonial da empresa para que ocorra a desconsideração.

8 – A desconsideração pode ser de ofício?

Para que seja desconsiderada a personalidade jurídica, faz-se necessário o atendimento dos pressupostos do
art. 50 do CC/2002 ou do artigo 28 do CDC:
Art. 50. Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão
patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público quando lhe couber intervir
no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens
particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica.
Art. 28. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando, em detrimento do
consumidor, houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos
144
estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de
insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração.
Logo, como se verifica da leitura dos dispositivos supramencionados, para a desconsideração prevista Código
Civil , o juiz não pode agir de ofício, sendo necessário o requerimento da parte ou do Ministério Público.
Contudo, para a desconsideração do Código de Defesa do Consumidor , o juiz pode agir, sim, de ofício.

9 – Depende de demanda autônoma?

Não, segundo a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, a desconsideração da personalidade


jurídica não depende de ação autônoma, podendo ser decretada no curso do processo e até mesmo em sede de
execução (REsp 476452 / GO).

10 – O que seria desconsideração inversa?

A desconsideração inversa é uma hipótese de afastamento da personalidade jurídica de um sócio de


determinada sociedade, para que sejam atingidos os bens desta. A desconsideração inversa da personalidade
ocorre quando um sócio transfere os seus bens particulares para o patrimônio da sociedade, no intuito de se
furtar ao cumprimento de determinada obrigação perante seus credores particulares. Nesta situação, o juiz
pode determinar que os bens “da sociedade” sejam atingidos para saldar a dívida (REsp 1236916 / RS).

11 – Quais são as características da tutela coletiva?

A tutela coletiva apresenta características distintas da tutela individual. Inicialmente, cumpre frisar que
a tutela coletiva tem sua origem mais próxima nas class actions americanas, e decorrem da necessidade de se
assegurar direitos que não são essencialmente individuais, como os direitos de determinados grupos de pessoas
ou o direito ao meio ambiente.
Por tal razão, tem como característica inicial a legitimação extraordinária para a defesa dos direitos, na
forma do artigo 6º do Código de Processo Civil, visto que as leis que tratam da tutela coletiva trazem como
legitimados ativos determinados grupos de instituições que não tem relação jurídica com o direito violado.
Outrossim, a formação da coisa julgada não é sempre pro et contra, variando conforme a natureza do
direito envolvido, bem como as provas produzidas nos autos.
Incide, via de regra, a indisponibilidade da tutela coletiva, visto que se está diante de interesses
eminentemente públicos.
Portanto, pode-se se citar como características da tutela coletiva a indeterminabilidade dos titulares dos
direitos envolvidos, a variabilidade da coisa julgada, a indisponibilidade da tutela coletiva, entre outros.

12 – Diferencie os interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos.

Interesses ou direitos difusos são aqueles transindividuais, de natureza indivisível, de que sejam titulares
pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato.
Interesses ou direitos coletivos são os transindividuais, de natureza indivisível de que seja titular grupo,
categoria ou classe de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica base.
Observe-se que nestas duas espécies de direitos, não há individualização dos titulares dos direitos, mas sim uma
indeterminabilidade. Entretanto, frise-se que nos direitos coletivos, em que pese a indeterminabilidade inicial,
há a possibilidade dos seus titulares serem determináveis.
Enquanto nos direitos difusos os titulares se ligam por uma circunstância de fato (Exemplo classicamente dado
de direito difuso aplicável ao direito consumerista é o da propaganda enganosa), nos direitos coletivos os
titulares se ligam entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica base (Ex: Grupo de trabalhadores de
determinada empresa que trabalha sobre condições impróprias).
Já os interesses ou direitos individuais homogêneos são os decorrentes de origem comum. Os direitos
individuais homogêneos, ao contrário dos direitos coletivos em sentido amplo, são acidentalmente coletivos,
uma vez que, na verdade, pertencem pessoas singularizadas, só havendo sua proteção pelas normas da tutela
coletiva em virtude de previsão legal, que tem por objetivo proteger pessoas que se encontrem em situações
semelhantes.

145
13 – Existe a possibilidade de se tutelar dano moral coletivo?

Sim, é possível o dano moral coletivo. É certo, entretanto, que até o presente momento existem
doutrinadores que não reconhecem a possibilidade de dano moral coletivo, tendo em vista a
indeterminabilidade do titular do direito material, bem como a impossibilidade de se aferir a dor ou sentimento
de angústia do ente coletivo.
No entanto, é certo que as próprias leis que tutelam os direitos coletivos preveem a possibilidade de
reparação integral do dano, seja ele individual ou coletivo.
No que se refere ao dano ambiental, o nosso sistema jurídico o princípio da reparação integral do dano
ambiental, de modo que o infrator deverá ser responsabilizado por todos os efeitos decorrentes da conduta
lesiva, permitindo-se que haja a cumulação de obrigações de fazer, de não fazer e de indenizar. O art. 3º da Lei
n.° 7.347/85 afirma que a ACP “poderá ter por objeto a condenação em dinheiro ou o cumprimento de
obrigação de fazer ou não fazer”.
Para o STJ, essa conjunção “ou” – contida no citado artigo, tem um sentido de adição (soma), não
representando uma alternativa excludente. Em outras palavras, será possível a condenação em dinheiro e
também ao cumprimento de obrigação de fazer/não fazer.
Veja precedente nesse sentido:
(...) Segundo a jurisprudência do STJ, a logicidade hermenêutica do art. 3º da Lei 7.347/1985 permite a
cumulação das condenações em obrigações de fazer ou não fazer e indenização pecuniária em sede de ação civil
pública, a fim de possibilitar a concreta e cabal reparação do dano ambiental pretérito, já consumado.
Microssistema de tutela coletiva.
(...)
4. O dano moral coletivo ambiental atinge direitos de personalidade do grupo massificado, sendo desnecessária
a demonstração de que a coletividade sinta a dor, a repulsa, a indignação, tal qual fosse um indivíduo isolado.
(...)
(REsp 1269494/MG, Rel. Min. Eliana Calmon, Segunda Turma, julgado em 24/09/2013)
No que tange ao direito do consumidor, a 3ª Turma do STJ decidiu o seguinte:
O banco pode ser condenado a pagar reparação por dano moral coletivo, em ação civil pública, pelo fato de
oferecer, em sua agência, atendimento inadequado aos consumidores idosos, deficientes físicos e com
dificuldade de locomoção. No caso concreto, o atendimento desses clientes era realizado somente no segundo
andar da agência bancária, cujo acesso se dava por três lances de escada. STJ. 3ª Turma. REsp 1.221.756-RJ, rel.
Min. Massami Uyeda, julgado em 02/02/2012.
O CDC autoriza expressamente a indenização por danos morais coletivos dos consumidores, nos termos do seu
artigo 6º, VI (São direitos básicos do consumidor; a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e
morais, individuais, coletivos e difusos).

14 – O que o STJ decidiu a respeito?

O STJ vem admitindo a condenação em dano moral coletivo:

REsp 1269494 / MG
RECURSO ESPECIAL 2011/0124011-9
Relator(a) Ministra ELIANA CALMON (1114)
Órgão Julgador T2 - SEGUNDA TURMA
Data do Julgamento 24/09/2013
Data da Publicação/Fonte DJe 01/10/2013
Ementa
AMBIENTAL, ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO
AMBIENTE. COMPLEXO PARQUE DO SABIÁ. OFENSA AO ART. 535, II, DO CPC NÃO CONFIGURADA. CUMULAÇÃO
DE OBRIGAÇÕES DE FAZER COM INDENIZAÇÃO PECUNIÁRIA. ART. 3º DA LEI 7.347/1985. POSSIBILIDADE. DANOS
MORAIS COLETIVOS. CABIMENTO.
1. Não ocorre ofensa ao art. 535 do CPC, se o Tribunal de origem decide, fundamentadamente, as questões
essenciais ao julgamento da lide.
2. Segundo a jurisprudência do STJ, a logicidade hermenêutica do art. 3º da Lei 7.347/1985 permite a cumulação
das condenações em obrigações de fazer ou não fazer e indenização pecuniária em sede de ação civil pública, a
fim de possibilitar a concreta e cabal reparação do dano ambiental pretérito, já consumado. Microssistema de
tutela coletiva.
146
3. O dano ao meio ambiente, por ser bem público, gera repercussão geral, impondo conscientização coletiva à
sua reparação, a fim de resguardar o direito das futuras gerações a um meio ambiente ecologicamente
equilibrado.
4. O dano moral coletivo ambiental atinge direitos de personalidade do grupo massificado, sendo desnecessária
a demonstração de que a coletividade sinta a dor, a repulsa, a indignação, tal qual fosse um indivíduo isolado.

15 – Como conciliar a atuação do Ministério Público, na qualidade de autor de uma ação coletiva, com interesses
individuais?

A Constituição prevê em seu artigo 129, III, como função institucional do MP, a ação civil pública para a
proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos. Por sua
vez, no artigo 127, caput, aduz que ao Ministério Público incumbe a defesa dos direitos sociais e individuais
indisponíveis.
Sendo assim, a regra é que os MP só poderá ajuizar ação coletiva para tutelar direitos individuais se
estes forem indisponíveis. No entanto, se os direitos individuais homogêneos gozarem de relevância social, o
MP será legítimo, tendo em vista a redação do artigo 127 da Constituição.
Neste sentido, vide REsp 1033274 / MS.

16 – A Defensoria Pública pode ingressar com ação coletiva na defesa de qualquer tema ou apenas nos voltados aos
interesses de hipossuficientes?

A Defensoria Pública, nos termos do art. 134 da CF, "é instituição essencial à função jurisdicional do
Estado, incumbindo-lhe a orientação jurídica e a defesa, em todos os graus, dos necessitados, na forma do art.
5º, LXXIV". É, portanto, vocacionada pelo Estado a prestar assistência jurídica integral e gratuita aos que
"comprovarem insuficiência de recursos" (CF, art. 5°, LXXIV), dando concretude a esse direito fundamental.
Diante das funções institucionais da Defensoria Pública, há, sob o aspecto subjetivo, limitador constitucional ao
exercício de sua finalidade específica - "a defesa dos necessitados" (CF, art. 134) -, devendo os demais
normativos serem interpretados à luz desse parâmetro.
A Defensoria Pública tem pertinência subjetiva para ajuizar ações coletivas em defesa de interesses difusos,
coletivos ou individuais homogêneos, sendo que no tocante aos difusos, sua legitimidade será ampla (basta que
possa beneficiar grupo de pessoas necessitadas), haja vista que o direito tutelado é pertencente a pessoas
indeterminadas. No entanto, em se tratando de interesses coletivos em sentido estrito ou individuais
homogêneos, diante de grupos determinados de lesados, a legitimação deverá ser restrita às pessoas
notadamente necessitadas.
Neste sentido, vide REsp 1192577 / RS.

17 – O Ministério Público pode desistir da ação coletiva?

Na ação coletiva, ao contrário das demandas individuais, vigora o princípio da indisponibilidade da


demanda coletiva, tendo em vista que o processo coletivo vem contaminado pela ideia de indisponibilidade de
interesse público.
Essa obrigatoriedade, entretanto, não é absoluta, podendo o MP fazer um juízo de conveniência e
oportunidade para não ajuizar ou desistir da demanda, desde que o faça motivadamente. É certo assim, que não
há razões para que o MP continue com uma demanda infundada.
No entanto, a doutrina majoritária entende que deve haver um controle jurisdicional sobre a desistência
da ação, entendendo alguns que o órgão do Mp deverá obter concordância do Conselho Superior, na forma do
artigo 9º, §4º da Lei 7347/85, enquanto outros entendem que deverá ser aplicado, por analogia, o artigo 28 do
CPP.

18 – Discorra sobre o inquérito civil.

Desde o advento da Lei Maior em 1988 é função institucional do Ministério Público promover o
inquérito civil e a ação civil pública para a proteção dos interesses difusos e coletivos (art. 129, III, CF/88). Em
1985, no entanto, esta incumbência já lhe tinha sido atribuída pela Lei 7.347/85, que também disciplina a ação

147
civil pública. De acordo com Hugo Nigro Mazzilli, a mencionada Lei ao tratar do inquérito civil disponibilizou ao
Ministério Público um poderoso instrumento investigatório de caráter pré-processual (art. 8º, §1, Lei 7347/85).
Trata-se de um procedimento administrativo de caráter investigativo e informativo, sendo privativo do
Ministério Público. Em razão do seu caráter administrativo não tem qualquer poder sancionatório ou de
reconhecimento de responsabilidade, mas objetiva apenas formar a opinio delicti do órgão ministerial para
possível propositura de ação civil pública. Não se sujeita a qualquer tipo de homologação ou pedido de dilação
de prazo para o Judiciário, devendo o promotor remeter o inquérito arquivado apenas ao Conselho Superior do
Ministério Público (art. 9º, 1º, Lei 7.347/85).

19 – Como se materializa a coisa julgada coletiva?

A coisa julgada nas ações coletivas varia conforme a natureza do direito envolvido, bem como em razão
das provas aferidas no processo.
Assim, a coisa julgada será erga omnes, exceto se o pedido for julgado improcedente por insuficiência
de provas, hipótese em que qualquer legitimado poderá intentar outra ação, com idêntico fundamento valendo-
se de nova prova, quando estivermos diante de direitos difusos (art. 103, I, CDC).
Será ultra partes, mas limitadamente ao grupo, categoria ou classe, salvo improcedência por
insuficiência de provas, nos termos do inciso anterior, quando se tratar de direitos coletivos em sentido estrito
(art. 103, II do CDC).
Por fim, a coisa julgada será erga omnes, apenas no caso de procedência do pedido, para beneficiar
todas as vítimas e seus sucessores, na hipótese de direitos individuais homogêneos (art. 103, III do CDC).

20 – Qual a relação entre a liquidação da sentença de uma ação coletiva e uma ação individual?

As ações coletivas, previstas nos incisos I e II e do parágrafo único do art. 81, não induzem litispendência
para as ações individuais, mas os efeitos da coisa julgada erga omnes ou ultra partes a que aludem os incisos II e
III do artigo anterior não beneficiarão os autores das ações individuais, se não for requerida sua suspensão no
prazo de trinta dias, a contar da ciência nos autos do ajuizamento da ação coletiva.
Assim, em sede de liquidação, os autores das ações individuais que não requereram sua suspensão não
poderão se beneficiar dos efeitos da sentença proferida sede de ação coletiva.
Por outro lado, cumpre frisar que a liquidação da sentença de uma ação coletiva assemelha-se à ação
individual em um ponto. É que a sentença nas ações coletivas é sempre genérica (artigo 95, CDC), servindo a
liquidação da sentença individual para provar o verdadeiro prejudicado, devendo o interessado requerer a
liquidação, comprovando sua relação jurídica com o dano.
Assemelha-se, portanto, às ações individuais, nas quais, em sua fase de conhecimento, há discussão
sobre o titular do direito material, isto é, sobre aquele que sofrera o dano.

PENAL/PROCESSO PENAL

1 - Qual a função do direito penal consumerista?

R: O Direito Penal do Consumidor surge como consequência dos direitos fundamentais reconhecidos aos
consumidores: direito à segurança, à informação, de escolha, de ser ouvido, e ser consultado. Em outros termos,
decorre da proteção ao consumidor, que não encontrava respaldo no Direito Penal tradicional. Muito mais do
que garantir a harmonia das relações de consumo, a previsão criminal no CDC se encarrega de garantir toda
esfera dos direitos do consumidor, além de proteger sua saúde, segurança e até mesmo sua vida. Acima de
tudo, a previsão de Crimes Contra as Relações de Consumo tem o condão de promover a defesa dos
consumidores frente às obrigações dispostas na própria lei 8078/90. A norma penal, em grande parte, detém
um caráter preventivo, posto que, frente ao receio de uma possível sujeição a uma sanção penal, o fornecedor
mal intencionado resista à conduta criminosa.

2 - Em relação à pena, em se tratando de crime doloso contra o consumidor, observa-se a cumulatividade. Está
correto?

148
R: sim excelência, o artigo 78 do CDC trouxe uma exceção às características da autonomia e da substitutividade
das penas restritivas de direito, prevendo a possibilidade das referidas penas serem aplicadas cumulativamente
às penas privativa de liberdade e de multa.

3 - Qual objeto jurídico do crime ambiental?

R: excelência, objeto jurídico do crime é o interesse tutelado pela norma penal. Quanto aos crimes ambientais, o
objeto jurídico dos mesmos é a proteção aos recursos ambientais destinados ao bem estar de todos os seres
humanos, mesmo aqueles que vierem depois de nós, ou seja, é a proteção ao meio ambiente ecologicamente
equilibrado, que segundo o artigo 225 da CF, trata-se de um bem de uso comum do povo, essencial à sadia
qualidade de vida.

4 - Qual objeto material do crime ambiental?

R: o objeto material do crime é a pessoa ou a coisa sobre a qual recai a conduta criminosa do agente. Portanto,
o objeto material dos crimes ambientais seriam a flora, a fauna, entre outros.

5- Como são supridas as lacunas da lei no caso dos crimes ambientais?

R: uma das características das normas ambientais criminais é que se tratam de normas penais em branco. Nesse
caso, as lacunas da lei serão supridas por outras normas. Ressalte-se que o artigo 79 da lei 9.605/98 prevê a
possibilidade de aplicação subsidiária do CP e do CPP.

6 - É possível a responsabilidade penal da pessoa jurídica em crimes ambientais?

R: Sim excelência. Segundo o artigo 3º da lei 9605/98, a pessoa jurídica pode ser responsabilizada penalmente
nos crimes ambientais, desde que a conduta seja praticada por decisão de seu representante legal ou contratual
ou de seu órgão colegiado, no interesse ou benefício da pessoa jurídica. É o que a doutrina e a jurisprudência
denominam como responsabilidade penal social.

- Qual a função do direito penal do consumidor? (PONTO 8)

Visa garantir o respeito aos direitos e deveres decorrentes do regramento civil e administrativo que orienta as
relações entre fornecedores e consumidores.

- Quem é o sujeito ativo dos crimes x consumidor? E passivo? (PONTO 8)

Sujeito ativo é o fornecedor e o sujeito passivo é o consumidor, observados os conceitos constantes nos artigos
2º e 3º do CDC.

- Em relação à pena no caso de crime doloso contra o consumidor, observa-se a cumulatividade? O que quer dizer
isso? (PONTO 8)

A cumulatividade da pena representa situação em que o legislador prevê, no preceito secundário, a aplicação
conjunta de duas espécies de sanção, como, por exemplo, prisão e multa. É prevista a cumulatividade nos
crimes estabelecidos pelo CDC, como por exemplo, ao art. 63.
Quanto ao ponto, ainda, o seguinte julgado:
RESP - PENAL - PENA CUMULATIVA - PENA PRIVATIVA DO EXERCICIO DO DIREITO DE LIBERDADE POR MULTA -
AS NORMAS INTEGRAM-SE LOGICAMENTE. NÃO OCORRE MERA SOMA ARITMETICA. EM CONSEQUENCIA,
CUMPRE LEVAR EM CONTA O SIGNIFICADO DE CADA UMA. NO TOCANTE AS PENAS, PODE OCORRER
COMINAÇÃO: A) ISOLADA; B) CUMULATIVA; C) ALTERNATIVA.TELEOLOGICAMENTE NÃO SE CONFUNDEM.
COMINAÇÃO CUMULATIVA TEM, COMO ANTECEDENTE, SITUAÇÃO NORMATIVA DIFERENTE DA COMINAÇÃO
ISOLADA, OU ALTERNATIVA. RESPONDE A CONDUTA MAIS GRAVE, COLOCANDO-SE EM POSIÇÃO OPOSTA A
COMINAÇÃO ISOLADA, PONDO-SE, NO MEIO-TERMO, A COMINAÇÃO ALTERNATIVA. O JUIZ NÃO PODE
TRANSFORMAR A CUMULAÇÃO (CUMULAÇÃO DE ESPECIES) EM IDENTIDADE DE ESPECIES (AINDA QUE
CUMULADAS). NÃO ESTARIA APLICANDO A PENA DENTRO DA COMINAÇÃO LEGAL, EM FRONTAL OPOSIÇÃO AO
PRINCIPIO CONSTITUCIONAL DA "PREVIA DEFINIÇÃO LEGAL". CUMPRE MANTER O SIGNIFICADO DE CADA
CATEGORIA NORMATIVA. (REsp 130.780/SP, Rel. Ministro LUIZ VICENTE CERNICCHIARO, SEXTA TURMA, julgado
em 05/03/1998, DJ 27/04/1998, p. 225)
149
- Qual objeto jurídico do crime ambiental? (PONTO 8)

A lei ambiental está tutelando penalmente o meio ambiente em sua acepção ampla: tutela o meio ambiente
natural (fauna, flora, poluição), o meio ambiente artificial (edificações construídas pelo homem) e o meio
ambiente cultural e histórico.

- A lei 9605 prevê sanções de que natureza? Como supre as lacunas dessa lei? (PONTO 8)

R: A lei 9.605 prevê sanções penais e administrativas. Nos termos do art. 79 da Lei 9.605, aplicam-se
subsidiariamente o Código Penal e o Código de Processo Penal.

- É possível a responsabilidade penal das pessoas jurídicas? (PONTO 8)

Sim, a legislação brasileira prevê tal possibilidade nos crimes contra o meio ambiente. Entretanto, em âmbito
doutrinário, há divergência quanto à possibilidade de responsabilização das pessoas jurídicas. São três as
correntes que se digladiam sobre o assunto:
1ª) A primeira corrente sustenta que a CR/88 não prevê a responsabilidade penal da pessoa jurídica. Não houve
a criação da responsabilidade penal da pessoa jurídica. Sequer há a discussão de que a pessoa jurídica possa
cometer crimes. 2ª) Uma segunda corrente sustenta que a pessoa jurídica não pode cometer crimes (societas
delinquere non potest). Esta corrente tem seu ponto forte de argumentação na teoria da ficção jurídica de
Savigny e Feuerbarch. Essa teoria sustenta que as pessoas jurídicas são entes fictícios irreais, puras abstrações
jurídicas, desprovidas de consciência e vontade próprias. Logo, não podem cometer atos tipicamente humanos,
como condutas criminosas. 3ª) Já a terceira corrente afirma que as pessoas jurídicas cometem crimes (societas
deliquere potest). Tem seu ponto forte de argumentação da Teoria da Realidade ou da Personalidade Real, de
Otto Gierke. Essa teoria, também civilista, se opõe à Teoria da Ficção Jurídica de Savigny. Por esta teoria as
pessoas jurídicas são entes reais com capacidade e vontade próprias, distintas das pessoas físicas que as
compõem. As pessoas jurídicas não seriam meras ficções jurídicas ou abstrações legais. Logo, elas podem
cometer crimes e sofrer penas. Quanto à culpabilidade, essas pessoas sofrem o que o STJ chama de
“Culpabilidade Social”.
Culpabilidade social é o mesmo que culpa coletiva. Parte da idéia de que a empresa é um centro autônomo de
emanação de decisões, podendo sofrer responsabilidade penal.

Existe exceção ao principio da comunhão da prova?

Uma vez produzida, a prova é comum, não pertencendo a nenhuma das partes que a introduziu no processo.
Pode ser utilizada por qualquer das partes. No entanto, só há falar-se em comunhão da prova após sua
produção. Ou seja, enquanto a prova não foi produzida, a parte pode desistir de sua produção. Portanto, no
curso de uma audiência, caso a parte não tenha interesse em ouvir testemunha por ela arrolada, que ainda não
foi ouvida, poderá livremente desistir de sua oitiva, independentemente da concordância da parte contrária.

Quais são as limitações da prova?

O direito à prova, como todo e qualquer direito fundamental, não tem natureza absoluta. Está sujeito a
limitações porque coexiste com outros direitos igualmente protegidos pelo ordenamento. Segundo art. 5°,
inciso LVI da Constituição, são inadmissíveis as provas obtidas por meios ilícitos.
São inadmissíveis as provas ilícitas ( obtidas através da violação de regra de direito material) e as ilegítimas
(obtida com violação à norma de direito processual).

Qual a natureza jurídica da prova emprestada?

150
É um meio de prova que possui o mesmo valor da prova originalmente produzida. Porém, se a prova foi
produzida em processo no qual o acusado não teve participação, não há falar em prova emprestada, e sim em
mera prova documental.

O que e prova irritual?

É a prova típica colhida sem a observância do modelo previsto em lei. Como é produzida sem a observância ao
modelo legal, trata-se de prova ilegítima, passível de declaração de nulidade.

Qual a diferença entre a teoria da fonte independente, da descoberta inevitável da mancha diluída e do encontro
fortuito de provas:.

A teoria da descoberta inevitável (ou exceção da fonte hipotética independente) significa que caso se
demonstre que a prova derivada da ilícita seria produzida de qualquer modo, independentemente da prova
ilícita originária, tal prova deve ser considerada válida. Para parte da doutrina, tal teoria teria passado a constar
expressamente do CPP, a partir das alterações trazidas pela lei 11690/08. O STJ já acolheu a teoria. Sua
definição vem no art. 157 § 2° do CPP, muito embora o dispositivo fale em fonte independente.

A teoria da fonte independente significa que se o órgão acusatório demonstrar que obteve, legitimamente,
novos elementos de informação a partir de uma fonte autônoma de prova, que não guarde qualquer relação de
dependência, nem decorra da prova originariamente ilícita, com esta não mantendo vínculo causal, tais dados
probatórios são admissíveis, porque não contaminados pela mácula da ilicitude originária.

Já a teoria da mancha purgada (vícios sanados ou tinta diluída) também significa uma limitação à teoria da prova
ilícita por derivação se o nexo causal entre a prova primária e a secundária for atenuado em virtude do decurso
do tempo, de circunstâncias supervenientes na cadeia probatória, da menor relevância da ilegalidade ou da
vontade de um dos envolvidos em colaborar com a persecução penal.

Por fim, o encontro fortuito de provas é utilizada nos casos em que, no cumprimento de uma diligência relativa
a um delito, a autoridade policial casualmente encontra provas pertinentes à outra infração penal, que não
estavam na linha de desdobramento natural da investigação.;

DIREITO PROCESSUAL PENAL. DESCOBERTA FORTUITA DE DELITOS QUE NÃO SÃO OBJETO DE
INVESTIGAÇÃO.
O fato de elementos indiciários acerca da prática de crime surgirem no decorrer da execução de medida de
quebra de sigilo bancário e fiscal determinada para apuração de outros crimes não impede, por si só, que os
dados colhidos sejam utilizados para a averiguação da suposta prática daquele delito. Com efeito, pode ocorrer
o que se chama de fenômeno da serendipidade, que consiste na descoberta fortuita de delitos que não são
objeto da investigação. Precedentes citados: HC 187.189-SP, Sexta Turma, DJe 23/8/2013; e RHC 28.794-RJ,
Quinta Turma, DJe 13/12/2012. HC 282.096-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 24/4/2014.

O que e teoria da cegueira deliberada?

FONTE - http://atualidadesdodireito.com.br/franciscosannini/2013/10/03/teoria-da-cegueira-deliberada-e-o-
crime-de-receptacao/

“A teoria da cegueira deliberada (willful blinedness), objeto do presente estudo, também é conhecida no meio
doutrinário como teoria das instruções da avestruz (Ostrich Instructions), justamente devido ao fato de que o
mencionado animal tem o costume de enterrar sua cabeça para não ver e ouvir as coisas que se passam a sua
volta.
Destaque-se, de princípio, que esta teoria teve sua origem na Suprema Corte dos Estados Unidos, (...)
151
Em linhas gerais, a teoria da cegueira deliberada pode ser aplicada em determinadas situações em que o agente
finge não perceber a origem ilícita dos bens adquiridos por ele com o intuito de auferir vantagens. Em outras
palavras, ele se faz de bobo visando não tomar ciência da extensão da gravidade da situação em que ele está
envolvido.
Contudo, para que a teoria possa ser aplicada, é necessário que fique demonstrado que o agente tinha ciência
da elevada possibilidade do objeto material do crime ser de origem ilícita. Trata-se, na maioria dos casos, de
uma clara situação de dolo eventual, onde o sujeito ativo vislumbra a possibilidade do resultado lesivo
proveniente de sua conduta, mas pouco se importa com a sua ocorrência.”

Existe alguma pericia que somente o juiz pode determinar?

Sim, o exame de sanidade mental, conforme dispõe o CPP:

Art. 149. Quando houver dúvida sobre a integridade mental do acusado, o juiz ordenará, de ofício ou a
requerimento do Ministério Público, do defensor, do curador, do ascendente, descendente, irmão ou cônjuge
do acusado, seja este submetido a exame médico-legal.

Existe alguma hipótese de nomeação de curadoria especial do processo penal?

Havia a nomeação caso o acusado fosse menor de 21 anos. Com o advento do CC/02, entendeu-se pela não
nomeação. O dispositivo foi revogado.
Subsiste hipótese de nomeação de curador especial para o índio não civilizado. Também, o art. 151 do CPP
prevê hipótese de nomeação caso peritos concluam que o acusado era, ao tempo da infração, inimputável, nos
termos do art. 26 caput do CP.

O que significa dizer que a confissão e retratável e divisível?

É perfeitamente possível que o acusado, após confessar o fato delituoso, resolva se retratar.
O ato é divisível, pois o acusado pode confessar a prática de um fato delituoso e negar o cometimento de outro,
como também pode confessar todos os fatos delituosos que lhe são atribuídos.

Como se aplica a pena de multa no CDC?

NO CDC:
Art. 77. A pena pecuniária prevista nesta Seção será fixada em dias-multa, correspondente ao mínimo e ao
máximo de dias de duração da pena privativa da liberdade cominada ao crime. Na individualização desta multa,
o juiz observará o disposto no art. 60, §1° do Código Penal.

Qual a diferença entre denúncia geral e genérica?

Diferenciação de Pacelli, acolhida pelo STJ. A acusação geral ocorre quando o órgão de acusação imputa a todos,
indistintamente, o mesmo fato delituoso, independentemente das funções exercidas pelos denunciados na
sociedade. O fato é certo e induvidoso. A denúncia não é inepta. A comprovação da conduta de cada um dos
agentes é matéria de prova.
Já a denúncia genérica ocorre quando a acusação imputa a existência de vários fatos típicos, genericamente, a
todos os integrantes da sociedade, sem que se possa saber, efetivamente, quem teria agido de tal ou qual
maneira. Não há correspondência concreta entre conduta e agente. Nesse caso, a denúncia é inepta, por
dificultar a ampla defesa, não especificando a autoria.

152
Pode-se aplicar a desconsideração da responsabilidade da pessoa jurídica para se efeitos de responsabilidade penal?

Conforme discutimos no grupo – não, por falta de previsão legal.

Art. 4º Poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for obstáculo ao
ressarcimento de prejuízos causados à qualidade do meio ambiente

Se o infrator do dano repara o dano antes do recebimento da denúncia será aplicado o art. 16, CP ou art. 14, II, LCA?

Pelo princípio da especialidade, aplica-se o art. 14, inciso II da lei 9605.

Como se verifica a reincidência na hipótese de pratica de crime ambiental?

Apenas quando o segundo crime é de natureza ambiental, conforme art. 15, inciso I da lei 9605:
Art. 15. São circunstâncias que agravam a pena, quando não constituem ou qualificam o crime:
I - reincidência nos crimes de natureza ambiental;

É possível aplicar o Princípio da Insignificância nos crimes ambientais?

A questão é controversa. STF e STJ têm julgados admitindo:

EMENTA: AÇÃO PENAL. Crime ambiental. Pescador flagrado com doze camarões e rede de pesca, em desacordo
com a Portaria 84/02, do IBAMA. Art. 34, parágrafo único, II, da Lei nº 9.605/98. Rei furtivae de valor
insignificante. Periculosidade não considerável do agente. Crime de bagatela. Caracterização. Aplicação do
princípio da insignificância. Atipicidade reconhecida. Absolvição decretada. HC concedido para esse fim. Voto
vencido. Verificada a objetiva insignificância jurídica do ato tido por delituoso, à luz das suas circunstâncias,
deve o réu, em recurso ou habeas corpus, ser absolvido por atipicidade do comportamento.

(HC 112563, Relator(a): Min. RICARDO LEWANDOWSKI, Relator(a) p/ Acórdão: Min. CEZAR PELUSO, Segunda
Turma, julgado em 21/08/2012, PROCESSO ELETRÔNICO DJe-241 DIVULG 07-12-2012 PUBLIC 10-12-2012)

AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO ESPECIAL. CRIME CONTRA O MEIO AMBIENTE.


ART. 34 DA LEI N. 9.605/1998. PESCA EM PERÍODO PROIBIDO.
ATIPICIDADE MATERIAL. AUSÊNCIA DE EFETIVA LESÃO AO BEM PROTEGIDO PELA NORMA.
IRRELEVÂNCIA PENAL DA CONDUTA. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA.
APLICAÇÃO.
1. Esta Corte Superior, em precedentes de ambas as Turmas que compõem a sua Terceira Seção, tem admitido a
aplicação do princípio da insignificância quando demonstrada, a partir do exame do caso concreto, a ínfima
lesividade ao bem ambiental tutelado pela norma.
Precedentes.
2. Muito embora a tutela penal ambiental objetive proteger bem jurídico de indiscutível valor social, sabido que
toda intervenção estatal deverá ocorrer com estrita observância dos postulados fundamentais do Direito Penal,
notadamente dos princípios da fragmentariedade e da intervenção mínima.
3. A aplicação do princípio da insignificância (ou a admissão da ocorrência de um crime de bagatela) reflete o
entendimento de que o Direito Penal deve intervir somente nos casos em que a conduta ocasionar lesão jurídica
de certa gravidade, permitindo a afirmação da atipicidade material nos casos de perturbações jurídicas mínimas
ou leves, consideradas também em razão do grau de afetação da ordem social que ocasionem.
4. Na espécie, ainda que a conduta do apenado atenda tanto à tipicidade formal (pois constatada a subsunção
do fato à norma incriminadora) quanto à subjetiva, haja vista que comprovado o dolo do agente, não há como
reconhecer presente a tipicidade material, na medida em que o comportamento atribuído não se mostrou
suficiente para desestabilizar o ecossistema.
153
5. Agravo regimental a que se nega provimento.
(AgRg no REsp 1263800/SC, Rel. Ministro JORGE MUSSI, QUINTA TURMA, julgado em 12/08/2014, DJe
21/08/2014)

Achei um julgado do TJRJ não admitindo

0000066-21.2010.8.19.0035 - APELACAO

DES. CLAUDIO TAVARES DE O. JUNIOR - Julgamento: 21/02/2013 - OITAVA CAMARA CRIMINAL


APELAÇÃO. CRIMES CONTRA A FLORA. ARTIGOS 39 E 51 DA LEI Nº 9.605/98. IRRESIGNAÇÃO DEFENSIVA, EM
QUE SE REQUER A ABSOLVIÇÃO DO ACUSADO E, SUBSIDIARIAMENTE, A REDUÇÃO DA PENA, BEM COMO A
APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSUNÇÃO. PREQUESTIONAMENTO A DIVERSOS DISPOSITIVOS LEGAIS.
RECURSO A QUE SE NEGA PROVIMENTO. Acusado que cortou 03 (três) árvores de médio porte do tipo
¿quaresminha¿, ¿gambazeiro¿ e ¿sanandu¿, em lugar de preservação permanente, mediante o emprego da
motosserra ¿Husqvarna¿, modelo 272XP, número de série 073710398, sem permissão da autoridade
competente. Do pleito absolutório. A materialidade e a autoria delitiva restaram absolutamente comprovadas
na hipótese dos autos, notadamente pela confissão do acusado e pelos depoimentos das testemunhas
inquiridas em Juízo, aos quais corroboram as demais provas do processo ¿ auto de apreensão, termos de
declaração e laudo de exame de constatação, que não deixam a menor dúvida acerca da procedência da
pretensão punitiva estatal. Do erro de tipo. Não se afigura cabível a aplicação do artigo 20 do Código Penal,
diante do laudo de constatação e dos depoimentos prestados em Juízo, que evidenciam que o acusado tinha
todas as condições de saber de que a área sobre a qual se deram os cortes das árvores localizava-se no início de
mata nativa, em área de preservação permanente, que exige permissão da autoridade competente. Ademais, o
acusado não se desincumbiu de seu ônus probatório, na medida em que não apresentou nenhuma prova que
demonstrasse a sua dificuldade ou impossibilidade de saber sobre a proibição do corte de árvores no local onde
se deram os fatos. Do erro de proibição. Incabível ainda a absolvição ou a diminuição de pena com base no
artigo 21 do Código Penal, para cuja aplicação impõe-se o desconhecimento da ilicitude, ou seja, da
contrariedade do fato em relação à lei, o que não restou comprovado na hipótese dos autos. O conhecimento
do acusado sobre a ilicitude do delito previsto no artigo 51 da Lei nº 9.605/98 deflui, inclusive, do certificado de
garantia da motosserra apreendida, no qual consta advertência expressa sobre a obrigação de se proceder ao
registro do produto no IBAMA (e-doc 10). Do princípio da insignificância. Em que pese a conduta do acusado
não ter gerado grande prejuízo à mata nativa, o acolhimento da tese formulada pela defesa implicaria total
desamparo às áreas de proteção permanente, em verdadeiro estímulo aos pequenos devastadores, o que
ensejaria um inevitável aumento da degradação de nossas florestas. Além disso, a relevância do bem jurídico
tutelado já foi previamente valorada pelo legislador, a quem compete determinar os limites do desvalor da ação
e do resultado, bem como as consequências jurídico-penais de violação da norma. A importância do bem
jurídico na hipótese afigura-se inquestionável, sobretudo porque sua preservação torna-se imperiosa ao
desenvolvimento sustentável de nosso país. Do princípio da consunção. Não há que se falar, outrossim, em
princípio da consunção, porquanto o artigo 39 da Lei Ambiental não abrange e, por conseguinte, não exclui a
aplicação do delito previsto no artigo 51 do mesmo diploma legal. Da dosimetria. A eminente Magistrada fixou a
pena no mínimo legal e ainda aplicou o artigo 44 do Código Penal, em perfeita harmonia com os princípios da
razoabilidade e proporcionalidade. Do prequestionamento. Não basta a simples alusão a dispositivos legais ou
constitucionais para fins de prequestionamento, devendo a defesa motivar sua irresignação, a fim de possibilitar
a discussão sobre as questões impugnadas. RECURSO A QUE SE NEGA PROVIMENTO.

CONSTITUCIONAL

1- É válido dizer que direitos humanos e direitos fundamentais são facetas de uma mesma abordagem?

R: sim excelência. Tanto os direitos fundamentais, quanto os direitos humanos surgiram com a finalidade de
proteger o valor constitucional supremo, qual seja, a dignidade da pessoa humana, prevista no artigo 1º, III da
CF. cabe dizer, que os direitos fundamentais foram sendo reconhecidos de forma gradual, ao passo que os
direitos humanos foram reconhecidos num mesmo momento, conforme a doutrina.

2 - Direitos de 1ª, 2ª e 3ª geração. Onde o Sr inseriria os direitos humanos?

154
R: excelência, as chamadas gerações ou dimensões dos direitos fundamentais, segundo a doutrina, não se
aplicaria aos direitos humanos, pois os referidos direitos teriam sido reconhecidos num mesmo momento.

3 - A defesa dos direitos humanos se dá em nível municipal ou estadual?

R: sim, inclusive, há a possibilidade de criação de conselhos de direitos humanos municipais e estaduais. a sua
origem precisa ser um ato proposto pelo Poder Executivo e legitimado, na forma de lei, pelo Poder Legislativo.
Desse modo será instituído um conselho na estrutura do Estado, o qual não ficará, de forma alguma, submetido
a influências partidárias. A defesa dos direitos humanos é algo maior, com sentido de liberdade e de cidadania.
Uma vez transformado em lei estadual ou municipal, o conselho de direitos delibera sobre o seu regimento
interno – as normas de funcionamento, onde são previstas as situações ordinárias e as responsabilidades da
estrutura diretora, das comissões, as eleições, o afastamento e a entrada de novos membros, dentre outras
questões atinentes ao seu funcionamento e as suas prerrogativas.

- Há semelhança entre a expressão direitos humanos e direitos fundamentais? (PONTO 8)

Direitos humanos são aqueles ligados a liberdade e a igualdade que estão positivados no plano internacional. Já
os direitos fundamentais são os direitos humanos positivados na Constituição Federal . Assim, o conteúdo dos
dois é essencialmente o mesmo, o que difere é o plano em que estão consagrados.

- Estrangeiro de passagem no Brasil só goza de direitos humanos ou tb de direitos fundamentais? (PONTO 8)

Apesar de o caput do art. 5º da Constituição Federal mencionar os estrangeiros residentes no país, a doutrina
entende que os direitos fundamentais são assegurados a todos que se encontrarem em território brasileiro.
Assim, o estrangeiro de passagem goza de direitos fundamentais.

- Artigo 5º, parágrafo 2º, CF: os direitos e garantias expressos nesse parágrafo são taxativos? (PONTO 8)

O §2º do art. 5º expressamente menciona que o rol de direitos e garantias expressos em seus incisos não é
taxativo. Além disso, o §3º do art. 5º estabelece que os tratados sobre direitos humanos, aprovados em dois
turnos por três quintos dos votos, serão equivalentes às emendas constitucionais, o que demonstra, igualmente,
a abertura do sistema.

- Deslocamento de competência do artigo 109, parágrafo 5º, CF: o que é? Guarda relação com os direitos humanos?
(PONTO 8)

O incidente de deslocamento de competência, previsto no art. 109, §5º, da CF destina-se a situações de grave
violação de direitos humanos. Mais especificamente, prevê-se que o Procurador-Geral da República, com a
finalidade de assegurar o cumprimento de obrigações decorrentes de tratados internacionais de direitos
humanos dos quais o brasil seja parte, poderá suscitar, perante o superior tribunal de justiça, em qualquer fase
do inquérito ou processo, incidente de deslocamento de competência para a justiça federal.

- A Convenção Americana de Direitos Humanos garante que todo preso seja conduzido a um juiz. Nesse caso, a lei que
criou a videoconferência seria atentatória aos direitos humanos? Qual a sua opinião? (PONTO 8)

Entendo que referida lei não é atentatória aos direitos humanos, pois foi garantido o contato com o juiz do caso.
Assim, a lei tão somente atualizou e facilitou a realização de audiências. Ademais, a sua utilização deve ser
excepcional e justificada, de modo que não há violação aos direitos fundamentais do preso.

1 – Qual a diferença entre direitos humanos e direitos fundamentais?

Direitos humanos são aqueles ligados a liberdade e a igualdade que estão positivados no plano internacional. Já
os direitos fundamentais são os direitos humanos positivados na Constituição Federal. Assim, o conteúdo dos
dois é essencialmente o mesmo, o que difere é o plano em que estão consagrados.

155
2 – Fale sobre a evolução dos direitos humanos, citando suas gerações.

A teoria das gerações dos direitos humanos foi lançada pelo jurista francês de origem checa, Karel Vasak, que,
em Conferência proferida no Instituto Internacional de Direitos Humanos de Estrasburgo (França), no ano de
1979, classificou os direitos humanos em três gerações. Posteriormente, determinados autores defenderam a
ampliação da classificação de Vasak para quatro ou até cinco gerações.
Cada geração foi associada, na Conferência proferida por Vasak, a um dos componentes dodístico da Revolução
Francesa: “liberté, egalité et fraternité” (liberdade, igualdade e fraternidade). Assim, a primeira geração seria
composta por direitos referentes à “liberdade”; a segunda geração retrataria os direitos que apontam para a
“igualdade”; finalmente, a terceira geração seria composta por direitos atinentes à solidariedade social
(“fraternidade”).
A primeira geração engloba os chamados direitos de liberdade, que são direitos às prestações negativas, nas
quais o Estado deve proteger a esfera de autonomia do indivíduo. São denominados também “direitos de
defesa”, pois protegem o indivíduo contra intervenções indevidas do Estado, possuindo caráter de distribuição
de competências (limitação) entre o Estado e o ser humano.
Por regrar a atuação do indivíduo, delimitando o seu espaço de liberdade e, ao mesmo tempo, estruturando o
modo de organização do Estado e do seu poder, são os direitos de primeira geração compostos por direitos civis
e políticos. Por isso, são conhecidos como direitos (ou liberdades) individuais, tendo como marco as revoluções
liberais do século XVIII na Europa e Estados Unidos. Essas revoluções visavam restringir o poder absoluto do
monarca, impingindo limites à ação estatal. São, entre outros, o direito à liberdade, igualdade perante a lei,
propriedade, intimidade e segurança, traduzindo o valor de liberdade. O papel do Estado na defesa dos direitos
de primeira geração é tanto o tradicional papel passivo (abstenção em violar os direitos humanos, ou seja, as
prestações negativas) quanto ativo, pois há de se exigir ações do Estado para garantia da segurança pública,
administração da justiça, entre outras.
A segunda geração de direitos humanos representa a modificação do papel do Estado, exigindo-lhe um vigoroso
papel ativo, além do mero fiscal das regras jurídicas. Esse papel ativo, embora indispensável para proteger os
direitos de primeira geração, era visto anteriormente com desconfiança, por ser considerado uma ameaça aos
direitos do indivíduo. Contudo, sob a influência das doutrinas socialistas, constatou-se que a inserção formal de
liberdade e igualdade em declarações de direitos não garantiam a sua efetiva concretização, o que gerou
movimentos sociais de reivindicação de um papel ativo do Estado para assegurar uma condição material mínima
de sobrevivência. Os direitos sociais são também titularizados pelo indivíduo e oponíveis ao Estado. São
reconhecidos o direito à saúde, educação, previdência social, habitação, entre outros, que demandam
prestações positivas do Estado para seu atendimento e são denominados direitos de igualdade por garantirem,
justamente às camadas mais miseráveis da sociedade, a concretização das liberdades abstratas reconhecidas
nas primeiras declarações de direitos. Os direitos humanos de segunda geração são frutos das chamadas lutas
sociais na Europa e Américas, sendo seus marcos a Constituição mexicana de 1917 (que regulou o direito ao
trabalho e à previdência social), a Constituição alemã de Weimar de 1919 (que, em sua Parte II, estabeleceu os
deveres do Estado na proteção dos direitos sociais) e, no Direito Internacional, o Tratado de Versailles, que criou
a Organização Internacional do Trabalho, reconhecendo direitos dos trabalhadores.
Já os direitos de terceira geração são aqueles de titularidade da comunidade, como o direito ao
desenvolvimento, direito à paz, direito à autodeterminação e, em especial, o direito ao meio ambiente
equilibrado. São chamados de direitos de solidariedade. São oriundos da constatação da vinculação do homem
ao planeta Terra, com recursos finitos, divisão absolutamente desigual de riquezas em verdadeiros círculos
viciosos de miséria e ameaças cada vez mais concretas à sobrevivência da espécie humana.
Posteriormente, no final do século XX, há aqueles, como Paulo Bonavides, que defendem o nascimento da
quarta geração de direitos humanos, resultante da globalização dos direitos humanos, correspondendo aos
direitos de participação democrática (democracia direta), direito ao pluralismo, bioética e limites à manipulação
genética, fundados na defesa da dignidade da pessoa humana contra intervenções abusivas de particulares ou
do Estado. Bonavides agrega ainda uma quinta geração, que seria composta pelo direito à paz em toda a
humanidade (anteriormente classificado por Vasak como sendo de terceira geração). Parte da doutrina critica a
criação de novas gerações (qual seria o limite?), apontando falhas na diferenciação entre as novas gerações e as
anteriores, além da dificuldade em se precisar o conteúdo e efetividade dos “novos” direitos.
O STF utiliza a teoria geracional, com a seguinte síntese: “os direitos de primeira geração (direitos civis e
políticos) – que compreendem as liberdades clássicas, negativas ou formais – realçam o princípio da liberdade e
os direitos de segunda geração (direitos econômicos, sociais e culturais) – que se identifica com as liberdades
positivas, reais ou concretas – acentuam o princípio da igualdade, os direitos de terceira geração, que
materializam poderes de titularidade coletiva atribuídos genericamente a todas as formações sociais,

156
consagram o princípio da solidariedade e constituem um momento importante no processo de
desenvolvimento, expansão e reconhecimento dos direitos humanos, caracterizados, enquanto valores
fundamentais indisponíveis, pela nota de uma essencial inexauribilidade” (MS 22.164, Rel. Min. Celso de Mello,
julgamento em 30-10-1995).

3 – Cite e explique três características dos direitos humanos.

(1) Historicidade. São históricos como qualquer direito. Nascem, modificam-se e desaparecem. Eles apareceram
com a revolução burguesa e evoluem, ampliam-se, com o correr dos tempos;
(2) Inalienabilidade. São direitos intransferíveis, inegociáveis, porque não são de conteúdo econômico-
patrimonial. Se a ordem constitucional os confere a todos, deles não se pode desfazer, porque são indisponíveis;
(3) Imprescritibilidade. O exercício de boa parte dos direitos fundamentais ocorre só no fato de existirem
reconhecidos na ordem jurídica. Se são sempre exercíveis e exercidos, não há intercorrência temporal de não
exercício que fundamente a perda da exigibilidade pela prescrição;
(4) Irrenunciabilidade. Não se renunciam direitos fundamentais. Alguns deles podem até não ser exercidos,
pode-se deixar de exercê-los, mas não se admite sejam renunciados.”

4 – O que seria o princípio da vedação ao retrocesso?

Os direitos humanos caracterizam-se pela existência da proibição do retrocesso, também chamada de “efeito
cliquet” ou princípio do não retorno da concretização, que consiste na vedação da eliminação da concretização
já alcançada na proteção de algum direito, admitindo-se somente de aprimoramentos e acréscimos.
Há diferença entre a proibição do retrocesso e a proteção contra efeitos retroativos: este é proibido por ofensa
ao ato jurídico perfeito, da coisa julgada e do direito adquirido. A vedação do retrocesso é distinta: proíbe as
medidas de efeitos retrocessivos, que são aquelas que objetivam a supressão ou diminuição da satisfação de um
dos direitos humanos. Abrange não somente os direitos sociais (a chamada proibição do retrocesso social), mas
todos os direitos humanos, que, como vimos, são indivisíveis.
No Brasil, a proibição do retrocesso é fruto dos seguintes dispositivos constitucionais: 1) Estado democrático de
Direito (art. 1º, caput); 2) dignidade da pessoa humana (art. 1º, III); 3) aplicabilidade imediata das normas
definidoras de direitos fundamentais (art. 5º, § 1º); 4) proteção da confiança e segurança jurídica (art. 1º, caput,
e ainda art. 5º, XXXVI – a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada); e 5)
cláusula pétrea prevista no art. 60, § 4º, IV (vide item 2.4 da Parte III).

5 – Faça uma relação entre tratados de direitos humanos e EC 45/04.

Inicialmente, cumpre frisar que existem duas teorias sobre a força jurídica dos tratados internacionais
no que tange a ordem interna. A teoria monista entende que as normas de tratados internacionais e as normas
internas fazem parte de um único ordenamento jurídico. A teoria monista internacionalista afirma a
preponderância dos tratados internacionais sobre as normas internas.
No entanto, o ordenamento jurídico pátrio adota a teoria dualista, segundo a qual as normas de tratados
internacionais devem ser internalizadas para que tenham eficácia dentro do país.
Após serem internalizados, os tratados internacionais passam a ter a mesma eficácia das normas
jurídicas interna, como diversas vezes ressaltado pelo STF.
Ocorre que, com relação aos tratados de direitos humanos, o §2º do artigo 5º da CRFB altera um pouco
esta concepção, isso porque o referido dispositivo afirma expressamente que os direitos e garantias expressos
nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos
tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte.
Trata-se de uma cláusula aberta, que levou a grande discussão doutrinária. Uma corrente passou a
entender que, em razão do §2º do artigo 5º, os tratados de direitos humanos teriam força de norma
constitucional. Por outro lado, a teoria adotada pelo STF foi a de que os tratados em geral continuam a ter força
de leis ordinárias, mas os tratados de direitos humanos, em face do referido dispositivo, possuem força de
norma supralegal. Isto é, estão abaixo da Constituição, mas acima das leis ordinárias.
Com o advento da Emenda 45/04, a qual incluiu o §3º do artigo 5º, a questão se modificou ainda mais.
Prevê o §3º do artigo 5º que os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem
aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos
membros, serão equivalentes às emendas constitucionais.
157
A partir desta Emenda, passamos a ter 3 possibilidades quanto a força jurídica dos tratados. Se o tratado
não for de direitos humanos, será internalizado como lei ordinária. Se o tratado for de direitos humanos, será
internalizado como norma supralegal, como regra. Mas o tratado de direitos humanos obedecer o regramento o
§3º do artigo 5º terá força de Emenda à Constituição.

6 – O que seria o incidente de deslocamento de competência?

A Emenda Constitucional n. 45/2004 introduziu um novo § 5º no art. 109, estabelecendo que, nas hipóteses de
grave violação de direitos humanos, o Procurador-Geral da República, com a finalidade de assegurar o
cumprimento de obrigações decorrentes de tratados internacionais de direitos humanos dos quais o Brasil seja
parte, poderá suscitar, perante o STJ, em qualquer fase do inquérito ou processo, incidente de deslocamento de
competência para a Justiça Federal. Simultaneamente, foi introduzido o novo inciso V-A no art. 109, que
determina que compete aos juízes federais julgar “as causas relativas a direitos humanos a que se refere o § 5º
deste artigo”.

7 – O candidato conhece algum caso em que o incidente tenha sido apreciado pelo Superior Tribunal de Justiça?

Apesar de ter sido julgado improcedente, o primeiro Incidente de Deslocamento de Competência (IDC)
requerido pela Procuradoria-Geral da República, o IDC 01 referente ao homicídio de Dorothy Stang, é fonte
preciosa para análise do novel instituto. Em primeiro lugar, o STJ conheceu o pedido e assim confirmou sua
constitucionalidade. Citando expressamente a Convenção Americana de Direitos Humanos, decidiu o STJ que
“todo homicídio doloso, independentemente da condição pessoal da vítima e/ou da repercussão do fato no
cenário nacional ou internacional, representa grave violação ao maior e mais importante de todos os direitos do
ser humano, que é o direito à vida, previsto no art. 4º, n. 1, da Convenção Americana sobre Direitos Humanos,
da qual o Brasil é signatário” (Incidente de Deslocamento de Competência n. 1/PA, Rel. Min. Arnaldo Esteves,
Brasília, 8-6-2005, publicado em 10-10-2005).
Ainda neste mesmo caso decidiu-se que o deslocamento de competência exige “demonstração concreta de
risco de descumprimento de obrigações decorrentes de tratados internacionais firmados pelo Brasil, resultante
da inércia, negligência, falta de vontade política ou de condições reais do Estado-membro, por suas instituições,
em proceder à devida persecução penal”.
Em 2010, o STJ concedeu a primeira federalização de grave violação de direitos humanos relacionada ao
homicídio do defensor de direitos humanos Manoel Mattos, assassinado em janeiro de 2009, após ter
incessantemente noticiado a atuação de grupos de extermínio na fronteira de Pernambuco e Paraíba. A
Procuradoria Geral da República requereu ao STJ a federalização do caso (IDC), tendo o STJ, por maioria (Rel.
Min. Laurita Vaz), acatado o pleito.

8 – O que seria a eficácia horizontal dos direitos humanos?

Na Eficácia Horizontal dos Direitos Fundamentais os destinatários dos preceitos constitucionais são os
particulares (pessoas físicas ou jurídicas). O tema foi desenvolvido principalmente na doutrina e jurisprudência
alemã da segunda metade do século XX, tendo, posteriormente, ganhado corpo através da contribuição da
doutrina de toda a Europa. Como coloca o Ministro Gilmar Ferreira Mendes, há uma evolução da posição do
Estado, antes como adversário, para guardião dos direitos fundamentais.

9 – O candidato tem como exemplificar a aplicação da referida eficácia horizontal em algum caso prático?

No Brasil, o Supremo Tribunal Federal tem adotado, de forma sistemática, a teoria da Eficácia Horizontal dos
Direitos Fundamentais.
“SOCIEDADE CIVIL SEM FINS LUCRATIVOS. UNIÃO BRASILEIRA DE COMPOSITORES. EXCLUSÃO DE SÓCIO SEM
GARANTIA DA AMPLA DEFESA E DO CONTRADITÓRIO. EFICÁCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS RELAÇÕES
PRIVADAS. RECURSO DESPROVIDO. I. EFICÁCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS RELAÇÕES PRIVADAS. As
violações a direitos fundamentais não ocorrem somente no âmbito das relações entre o cidadão e o Estado, mas
igualmente nas relações travadas entre pessoas físicas e jurídicas de direito privado. Assim, os direitos
fundamentais assegurados pela Constituição vinculam diretamente não apenas os poderes públicos, estando
direcionados também à proteção dos particulares em face dos poderes privados. II. OS PRINCÍPIOS

158
CONSTITUCIONAIS COMO LIMITES À AUTONOMIA PRIVADA DAS ASSOCIAÇÕES. A ordem jurídico-constitucional
brasileira não conferiu a qualquer associação civil a possibilidade de agir à revelia dos princípios inscritos nas leis
e, em especial, dos postulados que têm por fundamento direto o próprio texto da Constituição da República,
notadamente em tema de proteção às liberdades e garantias fundamentais. O espaço de autonomia privada
garantido pela Constituição às associações não está imune à incidência dos princípios constitucionais que
asseguram o respeito aos direitos fundamentais de seus associados. A autonomia privada, que encontra claras
limitações de ordem jurídica, não pode ser exercida em detrimento ou com desrespeito aos direitos e garantias
de terceiros, especialmente aqueles positivados em sede constitucional, pois a autonomia da vontade não
confere aos particulares, no domínio de sua incidência e atuação, o poder de transgredir ou de ignorar as
restrições postas e definidas pela própria Constituição, cuja eficácia e força normativa também se impõem, aos
particulares, no âmbito de suas relações privadas, em tema de liberdades fundamentais. III. SOCIEDADE CIVIL
SEM FINS LUCR ATIVOS. ENTIDADE QUE INTEGRA ESPAÇO PÚBLICO, AINDA QUE NÃO-ESTATAL. ATIVIDADE DE
CARÁTER PÚBLICO. EXCLUSÃO DE SÓCIO SEM GARANTIA DO DEVIDO PROCESSO LEGAL. APLICAÇÃO DIRETA DOS
DIREITOS FUNDAMENTAIS À AMPLA DEFESA E AO CONTRADITÓRIO. As associações privadas que exercem
função predominante em determinado âmbito econômico e/ou social, mantendo seus associados em relações
de dependência econômica e/ou social, integram o que se pode denominar de espaço público, ainda que não-
estatal. A União Brasileira de Compositores - UBC, sociedade civil sem fins lucrativos, integra a estrutura do
ECAD e, portanto, assume posição privilegiada para determinar a extensão do gozo e fruição dos direitos
autorais de seus associados. A exclusão de sócio do quadro social da UBC, sem qualquer garantia de ampla
defesa, do contraditório, ou do devido processo constitucional, onera consideravelmente o recorrido, o qual fica
impossibilitado de perceber os direitos autorais relativos à execução de suas obras. A vedação das garantias
constitucionais do devido processo legal acaba por restringir a própria liberdade de exercício profissional do
sócio. O caráter público da atividade exercida pela sociedade e a dependência do vínculo associativo para o
exercício profissional de seus sócios legitimam, no caso concreto, a aplicação direta dos direitos fundamentais
concernentes ao devido processo legal, ao contraditório e à ampla defesa (art. 5º, LIV e LV, CF/88). IV. RECURSO
EXTRAORDINÁRIO DESPROVIDO”

10 – Os direitos humanos podem ser mitigados?

Sim, não existem direitos absolutos. Não obstante a supremacia dos direitos humanos perante a ordem
constitucional pátria (artigo 1º, III), pode acontecer de dois direitos humanos entrarem em conflito. Nestas
hipóteses, é mais que natural que haja a prevalência de um direito sobre o outro.
No entanto, não se trata da aplicação do “tudo ou nada”, como se dá quando duas regras entram em
conflito, mas deve haver sim uma Ponderação de Interesses.
No caso concreto, deve o magistrado analisar qual direito humano deve prevalecer sobre o outro.

ELEITORAL

- Qual a natureza jurídica do recurso contra expedição do diploma? (PONTO 8)

R: ação autônoma de impugnação. Ação constitutiva negativa do ato de diplomação.

- Quais os legitimados ativos? E passivos? (PONTO 8)

Os legitimados ativos são: candidato, partido, coligação e ministério público eleitoral. Os legitimados passivos
são o candidato e o vice ou suplente.

- Quais são os ilícitos apuráveis por essa via? (PONTO 8)

A fata de condições de elegibilidade ou então a incidência em causas de inelegibilidade constitucional ou


supervenientes.

Qual a natureza jurídica do RCED?

Art. 262. O recurso contra expedição de diploma caberá somente nos casos de inelegibilidade superveniente ou
de natureza constitucional e de falta de condição de elegibilidade. (Redação dada pela Lei nº 12.891, de 2013)
159
A matéria é controvertida. Segundo José Jairo Gomes, a natureza jurídica é de ação constitutiva negativa do ato
administrativo da diplomação. Isso porque, a RCED admite ampla produção de provas e não questiona decisão
judicial. Para boa parte da doutrina a diplomação é ato administrativo , por meio do qual é certificado
oficialmente o resultado final do processo eleitoral.

É possível a dilação probatória no RCED?

Sim! Sublinhei parte de um julgado do presidente da banca. José Jairo Gomes também admite. O doutrinador
menciona o art.270 do Código eleitoral e sustenta a aplicabilidade do procedimento da AIRC (considerado “
ordinário” no sistema processual eleitoral), arts 2º a 16 da LC 64/90. O TSE entende pela possibilidade,
também.

RCED. Cinco causas de pedir. Eleições 2008. Preliminares: 1) Ausência de prova pré-constituída e inadequação
da via eleita para apreciação do ilícito previsto no art. 30-A da Lei 9.504/97. O RCED ostenta a natureza jurídica
de ação, razão pela qual há de ser ampla a admissibilidade probatória. O julgamento das contas de campanha
não tem direta repercussão na apreciação de suposta ofensa ao art. 30-A da Lei das Eleições, especialmente se
considerado que à época dos fatos tal exame se dava sob os auspícios de um processo administrativo. Perfeita
adequação da via processual eleita. A captação e o dispêndio ilícito de recursos de campanha imputados aos
réus não serão aqui conhecidos sob os contornos do art. 30-A da Lei 9.504/97, e sim na perspectiva do abuso
econômico (arts. 262, IV c/c 237, §2º, do CE). Precedentes do TSE.
.(...)
(RECURSO CONTRA EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA nº 122, Acórdão nº 56.273 de 26/10/2011, Relator(a) SERGIO
LUCIO DE OLIVEIRA E CRUZ, Publicação: DJERJ - Diário da Justiça Eletrônico do TRE-RJ, Tomo 170, Data
03/11/2011, Página 9/11 )

A ausência de contrarrazões no RCED implica em que efeito?

Se o RCED tem natureza jurídica de ação, as contrarrazões só podem ter natureza jurídica de contestação. A
consequência que daí deriva é a de que a falta ou deficiência de resposta ao RCED implica, automaticamente,
presunção de veracidade dos fatos articulados pelo impugnante do diploma.

Admite-se desistência do RCED?

Diante do caráter público da matéria, há precedente do TSE inadmitindo a desistência. Há precedente, inclusive,
facultando ao MP assumir o polo ativo da relação jurídica caso o autor manifeste seu desejo de desistir.

As condições de elegibilidade infraconstititucionais podem dar ensejo a RCED?

Apenas se forem supervenientes ao registro de candidatura. É a letra de lei e interpretação do TSE:

ELEIÇÕES 2012. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. DECISÃO MONOCRÁTICA. RECEBIMENTO. AGRAVO REGIMENTAL.


AGRAVO. RECURSO CONTRA EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA. REJEIÇÃO DE CONTAS. INELEGIBILIDADE.
INFRACONSTITUCIONAL E ANTERIOR AO PEDIDO DE REGISTRO. DESPROVIMENTO.
1. "A inelegibilidade apta a embasar o Recurso Contra Expedição de Diploma (RCED), art. 262, I, do Código
Eleitoral, é, tão somente, aquela de índole constitucional ou, se infraconstitucional, superveniente ao registro
de candidatura. Precedentes". (AgRAl nº 116-07/MG, Rel. Min. Aldir Passarinho Junior, DJe 18.6.2010).
2. Na hipótese dos autos, a inelegibilidade em questão, além de ser de natureza infraconstitucional, porquanto
decorrente da rejeição de contas do agravado art. 1º, I, g, da Lei Complementar nº 64/90, é preexistente ao
registro, tanto que serviu de fundamento para a impugnação do registro de candidatura dos agravados.

160
3. Embargos de declaração recebidos como agravo regimental. Desprovimento do recurso.
(Embargos de Declaração em Agravo de Instrumento nº 146, Acórdão de 24/06/2014, Relator(a) Min. LUCIANA
CHRISTINA GUIMARÃES LÓSSIO, Publicação: DJE - Diário de justiça eletrônico, Volume -, Tomo 142, Data
04/08/2014, Página 51 )

O recurso pode ser interposto por coligações?

Creio que se trata de tema controverso. Não sei qual corrente majoritária. José Jairo Gomes diz que não pode,
pois a coligação é um consórcio de partidos que extingue-se com o fim das eleições para as quais foi formado
(diplomação). O RCED só pode ser ajuizado nos 3 dias posteriores à diplomação. Assim, a princípio, a coligação
não ostenta legitimidade para o ingresso com a ação. Entretanto, achei precedentes do TSE admitindo.
Acredito que a possibilidade seja a corrente majoritária:

“[...] Partido político que disputou a eleição em coligação. Legitimação para as ações pertinentes, após as
eleições. [...]” NE: “[...] com o resultado das eleições, tanto os partidos políticos que as disputaram em coligação
como as próprias coligações têm legitimação ativa para as ações correspondentes – recurso contra a expedição
de diploma, ação de impugnação de mandato eletivo e representação com fundamento no art. 41-A da Lei
nº 9.504/97. [...]”
(Ac. nº 19.759, de 10.12.2002, rel. Min. Luiz Carlos Madeira.)

“Recurso contra expedição de diploma. Art. 262, I, do Código Eleitoral. [...] 2. A coligação partidária tem
legitimidade concorrente com os partidos políticos e candidatos para a interposição de recurso contra
expedição de diploma. [...]”
(Ac. nº 647, de 16.3.2004, rel. Min. Fernando Neves

TRIBUTÁRIO

ADMINISTRATIVO

1 – Quais são os efeitos da responsabilidade decorrentes da ação de improbidade administrativa?

Para todos os atos, as penas podem ser aplicadas isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do
fato.
• Atos de Improbidade Administrativa que importam enriquecimento Ilícito (art. 12, I, da LIA):
a) perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio;
b) ressarcimento integral do dano, quando houver (imprescritível);
c) perda da função pública;
d) suspensão dos direitos políticos de 8 a 10 anos;
e) pagamento de multa civil de até 3 vezes o valor do acréscimo patrimonial; e
f) proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou
indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10
anos.
• Atos de improbidade administrativa que causam prejuízo ao erário (art. 12, II, da LIA):
Exige-se para caracterizar a prática de improbidade nesses casos a comprovação efetiva de dano ao erário (STJ:
Resp 1.127.143), diante da impossibilidade de condenação ao ressarcimento por dano hipotético ou presumido
(STJ: Resp 1.038.777).
a) ressarcimento integral do dano;
b) perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância;
c) perda da função pública;
d) suspensão dos direitos políticos de 5 a 8 anos;
e) pagamento de multa civil de até 2 vezes o valor do dano; e
f) proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou
indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos.
• Atos de improbidade que atentam contra os princípios da administração pública (art. 12, III, da LIA)
a) ressarcimento integral do dano, se houver;

161
b) perda da função pública;
c) suspensão dos direitos políticos de 3 a 5 anos;
d) pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor da remuneração percebida pelo agente; e
e) proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta
ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 3
anos.

2 – Qual a competência para o julgamento da ação de improbidade administrativa? Existe alguma previsão de foro
especial?

A efetiva aplicação das sanções previstas na LIA é de competência privativa do Poder Judiciário, não podendo
ser realizada pela Administração Pública (STF, RTJ, 195/73).
É cabível a propositura de ação civil pública por ato de improbidade administrativa, diante da natureza difusa do
interesse tutelado.
A ação de improbidade administrativa deve ser proposta na primeira instância e sua tramitação segue o rito
ordinário, aplicando¬-se subsidiariamente as regras da Lei de Ação Civil Pública (Lei n. 7.347/85). Não há foro
determinado por prerrogativa de função na ação de improbidade (STF, ADI 2.860).
Isso porque o rol das matérias de competência originária dos tribunais é constitucionalmente fixado, tendo
natureza taxativa.
Importante exceção reconhecida pela jurisprudência do STJ a essa regra ocorre na hipótese de ato de
improbidade praticado por juiz integrante de tribunal, pois, nesse caso, seria uma subversão da estrutura
organizacional escalonada do Poder Judiciário entregar o julgamento da demanda a um juiz de primeiro grau
(AgRg na Sd 208/AM). Aqui, tem-se caso de competência originária do tribunal posicionado imediatamente
acima daquele ao qual o acusado se encontra vinculado. Porém, havendo cessação da atividade do magistrado
por aposentadoria desaparece o “foro privilegiado”.
Nessa mesma esteira, o STF decidiu que tem competência para o julgamento de ação de improbidade contra um
de seus membros (Pet. 3211/DF).
Em outra oportunidade, o STJ entendeu também que, por simetria com o que ocorre em relação aos crimes
comuns, há, na ação de improbidade administrativa, com possível aplicação da pena de perda do cargo, ajuizada
contra governador do Estado, competência implícita do STJ para julgar originariamente a demanda (Rcl 2790).
Para melhor compreensão sobre o assunto, vide explicação no site dizer o direito:
http://www.dizerodireito.com.br/2013/11/existe-foro-por-prerrogativa-de-funcao.html

3 – Exige-se dolo para caracterização do ato ímprobo?

Existe grande controvérsia acerca da necessidade de comprovação de dolo na caracterização dos atos de
improbidade administrativa.
É ponto pacificado na doutrina e jurisprudência que não há responsabilidade objetiva na Lei de Improbidade
(STJ: Resp 414.697).
O art. 10 prescreve que “constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação
ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou
dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º”. A referência à modalidade culposa de ato
de improbidade no art. 10, inexistente nos arts. 9º e 11.
Atos de improbidade que importam enriquecimento do agente (art. 9º) e os que atentam contra princípios da
Administração (art. 11) só podem ocorrer diante de condutas dolosas.
Porém, os atos de improbidade que causam lesão ao erário (art. 10) admitem forma culposa ou dolosa.
Convém frisar que a comprovação de que o agente adotou todas as cautelas exigíveis antes da prática da
conduta exclui a ocorrência de culpa ou dolo, descaracterizando o ato como ímprobo.
Portanto, se a conduta do agente não foi maliciosa, intencional ou de má-fé, falta-lhe o elemento subjetivo
imprescindível para caracterização da improbidade que causa enriquecimento ilícito (art. 9º) ou atentatória
contra princípios da Administração (art. 11).
Nos casos do art. 11 da LIA, a Primeira Seção do STJ pacificou o entendimento de que o elemento subjetivo
necessário para caracterizar a improbidade é o dolo genérico (vontade de realizar ato que atente contra os
princípios da administração pública), sendo desnecessária a presença do dolo específico consistente na
comprovação da intenção do agente (Resp 951.389).

162
4 – Como o STJ entende sobre a prescrição na ação de improbidade administrativa?

O art. 23, I da Lei n. 8.429 estabelece o prazo de 5 anos após o término do exercício de mandato, de cargo em
comissão ou de função de confiança. O prazo, assim, para políticos e comissionados não começa a fluir do ato
em si. Havendo reeleição, o prazo se inicia a partir do encerramento do último mandato (STJ: Resp 1.107.833).
Exercendo cumulativamente cargo efetivo e cargo comissionado, ao tempo do ato reputado ímprobo, há de
prevalecer o primeiro, para fins de contagem prescricional, pelo simples fato de o vínculo entre agente e
Administração pública não cessar com a exoneração do cargo em comissão, por ser temporário (STJ: Resp.
1.060.529).
Já o inciso II do mesmo artigo estabelece que a prescrição ocorrerá dentro do prazo prescricional previsto em lei
específica para faltas disciplinares puníveis com demissão a bem do serviço público, nos casos de exercício de
cargo efetivo ou emprego. Em regra, tal prazo também é de 5 anos. Nesse caso, o prazo corre a partir da data
em que foi praticado o ato de improbidade.
Quando um terceiro, não servidor, pratica ato de improbidade administrativa, se lhe aplicam os prazos
prescricionais incidentes aos demais demandados ocupantes de cargos públicos (STJ: Resp. 1.087.855).
Entretanto, em atenção ao disposto no art. 37, § 5º, da Constituição Federal, na hipótese de o ato causar
prejuízo ao erário, a ação de improbidade administrativa é imprescritível para fins exclusivos de aplicação da
pena de ressarcimento (quanto às demais penas, prescreve normalmente). Enuncia a citada norma: “a lei
estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos praticados por qualquer agente, servidor ou não, que causem
prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de ressarcimento”.

5 – É possível a intervenção de terceiros em ação civil pública?

No tocante ao processo coletivo comum, não existe qualquer previsão expressa que impeça a intervenção de
terceiros, sendo exigida uma análise de seu cabimento à luz das diferentes espécies de intervenção:
a)Assistência: Parece não haver qualquer empecilho à assistência simples do réu na ação coletiva. É possível que
o réu mantenha com o terceiro uma relação jurídica não controvertida que possa ser afetada pelo resultado do
processo coletivo. Havendo o interesse jurídico, conforme exigido pelo art. 50 do CPC, nada impede essa forma
de intervenção no polo passivo da demanda.
O STJ admite essa forma de intervenção, apenas exigindo o efetivo interesse jurídico no caso concreto.
No tocante ao polo ativo, entretanto, a situação muda consideravelmente de figura. Seja porque não há relação
do interessado com a pessoa a quem assiste, seja porque a coisa julgada só vincula o particular in utilibus, não
se consegue imaginar hipótese na qual o terceiro tenha o indispensável interesse jurídico para ser admitido
como assistente do autor, salvo em uma hipótese bastante específica.
Nos termos da Lei 12.529/2011, que passou a cuidar da matéria e tem por correspondente ao dispositivo
mencionado o seu art. 118, em processos judiciais em que se discutam a prevenção e a repressão às infrações
contra a ordem econômica, o CADE deverá ser intimado para, querendo, intervir no feito na qualidade de
assistente. Sendo esse processo judicial coletivo, parece que o CADE poderá ingressar como assistente simples
do autor, conforme já expressamente permitido pelo STJ. Pessoalmente, prefiro o entendimento de que a
participação do CADE nesse caso seria como amicus curiae, mas o STJ já teve a oportunidade de confirmar a
qualidade de assistente, nos termos do art. 118 da Lei 12.529/2011
b)Oposição: Incompatível tal instituto com as Ações Coletivas. Primeiro, porque o eventual direito objeto de
proteção é obviamente, coletivo, ou seja, pertence a uma coletividade de pessoas, individualizáveis ou não,
inexistindo interessado ou entidade que seja seu titular exclusivo, até sob pena de perder sua natureza coletiva.
Segundo, porque o ente legitimado não defende, em regra direito próprio, o que também justificaria a
impossibilidade de oposição”.
A própria natureza jurídica do bem da vida dessas espécies de ação é suficiente para afastar o cabimento da
oposição, considerando-se que os titulares do bem da vida não são as partes em litígio, mas sim a coletividade
ou um grupo, classe ou categoria de pessoas

c)Nomeação a autoria: Não há qualquer impedimento para a nomeação à autoria nas ações coletivas, em
especial na hipótese de cabimento prevista pelo art. 63 do CPC. Sendo extremamente comum em ações
coletivas o pedido de reparação de danos em razão da prática de ato ilícito, a nomeação à autoria não só é
cabível, como extremamente importante, fazendo valer concretamente o princípio do interesse no julgamento
do mérito do processo coletivo. Cabe apenas uma importante observação. É essencial para que haja nomeação
à autoria a ilegitimidade passiva do réu, pois só será cabível essa forma de intervenção se o mandatário não
responder pelos danos causados à vítima do ato ilícito. Se existir responsabilidade solidária entre mandante e
163
mandatário, não haverá o indispensável vício da ilegitimidade passiva, não sendo cabível, portanto, a nomeação
à autoria. Nesse caso, o eventual pedido de nomeação à autoria deve ser recebido como pedido de
chamamento ao processo, de modo a se instaurar um litisconsórcio passivo ulterior entre o mandatário e o
mandante, e não a extromissão de parte.

d) Denunciação da Lide: Eventual vedação com o fundamento de que a inclusão do terceiro tornaria mais
complexa a relação jurídica processual e, consequentemente, mais moroso o andamento do processo, em
prejuízo do autor coletivo, não se mantém diante do aspecto macroscópico do princípio da economia
processual.
Naturalmente, haverá uma maior demora, se o número de sujeitos processuais for maior, mas essa demora do
processo coletivo favorece o sistema como um todo, evitando a existência de outros processos envolvendo
aquele que será denunciado à lide.
O STJ entende que, versando a ação sobre responsabilidade objetiva do réu, não caberá a denunciação da lide
se, nesse caso, se fizer necessária a análise da culpa, em decorrência da responsabilidade subjetiva do
denunciado. O entendimento, naturalmente, aplica-se tanto às ações individuais como às coletivas.
Segundo o art. 88 do CDC, é expressamente proibida a denunciação da lide na hipótese do art. 13, parágrafo
único, do mesmo diploma legal, sendo norma aplicável tanto às ações individuais como coletivas que envolvem
o direito consumerista. Nesse ponto, é importante destacar, como faz a melhor doutrina, que a vedação no
processo coletivo limita-se às ações consumeristas.
Para parcela da doutrina, embora em uma interpretação literal possa se dizer que a vedação não alcança
demandas consumeristas que versem sobre outro objeto que não a responsabilidade pelo fato do produto ou
do serviço, é preferível se valer da vedação para qualquer hipótese que envolva o direito do consumidor. O
entendimento é lógico, fundado nos objetivos pretendidos pelo legislador. Se a premissa da vedação é proteger
os consumidores, evitando que o autor coletivo seja obrigado a litigar contra quem não escolheu para compor o
polo passivo, não há razão para uma interpretação restritiva.
O STJ, entretanto, possuía entendimento consolidado no sentido de limitar a vedação legal nos termos da lei,
admitindo a denunciação da lide somente nas hipóteses de responsabilidade por vício do produto e do serviço.
Por esse entendimento, o STJ demonstrava não existir uma vedação plena de denunciação da lide em demandas
consumeristas, tudo a depender da matéria tratada no processo. Decisão recente da 3.ª Turma, entretanto,
reviu o posicionamento anterior e deu interpretação ampla à norma legal, proibindo a denunciação da lide em
qualquer demanda consumerista.
De qualquer maneira, mesmo nas hipóteses de vedação, uma vez tendo sido realizada a denunciação da lide e o
processo se desenvolvido com o terceiro atuando no processo, a razoabilidade impede a anulação do processo.

e)Chamamento ao processo: Não há qualquer impedimento ao chamamento ao processo no âmbito das ações
coletivas, inclusive sendo interessante que existam mais co-obrigados no polo passivo da demanda para que se
amplie o campo patrimonial de uma futura e eventual responsabilidade na satisfação do direito. A maior
demora gerada pelo ingresso de novos réus na demanda é compensada por essa garantia mais ampla de
satisfação do direito, além de atender ao princípio da economia processual em seu aspecto macroscópico.
Registre-se o entendimento pacificado dos tribunais superiores no sentido de não se admitir o chamamento ao
processo nas ações que envolvam a entrega de medicamentos, inclusive as coletivas, sendo considerada essa
forma de intervenção medida inútil e meramente protelatória. Para os tribunais superiores, além de o
chamamento ao processo, quando fundado em dívida solidária, se limitar às obrigações de pagar quantia, não
haverá direito regressivo do réu contra o chamado diante do cumprimento da obrigação em razão da sentença
judicial.
O art. 101, II, do CDC cria, pela aplicação do instituto do chamamento ao processo, uma responsabilidade
solidária entre fornecedor e segurador para o ressarcimento dos danos suportados pelo consumidor. O STJ, por
fundamentos variados, permite a condenação direta da seguradora denunciada à lide, ainda que não exista na
demanda relação de consumo, criando, jurisprudencialmente, uma responsabilidade solidária do segurado e
seguradora perante a vítima do ato ilícito.
Esse entendimento já consagrado pelo STJ afasta a aplicabilidade da parte final do art. 101, II, do CDC, que prevê
que somente na hipótese de o réu ser declarado falido o consumidor poderia ingressar com a ação de
indenização diretamente contra o segurador. Na realidade, não há qualquer necessidade de falência do
segurado, cabendo o ingresso do consumidor diretamente contra a seguradora em qualquer hipótese, tudo
dependendo de sua vontade na composição do polo passivo, que inclusive poderá contar com um litisconsórcio
formado pelo segurado e seguradora.

164
Registre-se, entretanto, recente entendimento do STJ pela inadmissão de propositura de ação somente contra a
seguradora sob o correto fundamento de ofensa ao princípio da ampla defesa. Realmente será difícil, quando
não impossível, a seguradora, que não participou do fato que gerou a demanda, se defender das alegações
fáticas contidas na petição inicial. O autor poderá, portanto, no máximo, formar um litisconsórcio passivo entre
o causador do dano e sua seguradora.

F) Amicus Curiae: Existe corrente doutrinária que entende serem inconfundíveis a figura do amicus curiae e as
hipóteses de intervenções de terceiro, devendo ser o primeiro considerado um mero auxiliar do juízo, em figura
muito mais próxima do perito do que de um terceiro interveniente. Para outros, apesar das especificidades,
trata-se de um terceiro interveniente atípico, admitido no processo como parte não para defender interesse
próprio ou alheio, mas para contribuir com a qualidade da prestação jurisdicional.
O STF, entretanto, já pacificou o entendimento de que o amicus curiae é um mero auxiliar do juízo, afastando
seu ingresso no processo das intervenções de terceiro, mesmo que atípica.
O entendimento consagrado pelo STF inadmite o recurso interposto por amicus curiae com a alegação de tratar-
se de mero colaborador informal do juízo, e não de terceiro interveniente.

6 – Quais são os limites da coisa julgada no âmbito da ação civil pública?

A Lei 9.494/1997 tem norma específica no sentido de limitação do alcance da sentença coletiva, no art. 2º-A: “A
sentença civil prolatada em ação de caráter coletivo proposta por entidade associativa, na defesa dos interesses
e direitos dos seus associados, abrangerá apenas os substituídos que tenham, na data da propositura da ação,
domicílio no âmbito da competência territorial do órgão prolator”. Teoria essa fortemente criticada.
Segundo o STJ, entretanto, o art. 16 LACP confunde institutos distintos – coisa julgada e competência territorial
–, o que pode levar à enganosa interpretação de que os efeitos da sentença podem ser limitados
territorialmente, fazendo crer que a coisa julgada seja um efeito da sentença de mérito transitada em julgado,
em tese absolutamente descartada em dias atuais.
A distinção, defendida inicialmente por Liebman, entre os conceitos de eficácia e de autoridade da sentença,
torna inóqua a limitação territorial dos efeitos da coisa julgada estabelecida pelo art. 16 da LAP. A coisa julgada
é meramente a imutabilidade dos efeitos da sentença. Mesmo limitada aquela, os efeitos da sentença
produzem-se erga omnes, para além dos limites da competência territorial do órgão julgador.
Reconhece-se que nos direitos difusos e coletivos a limitação territorial sugerida pelo art. 16 da LACP é lógica e
juridicamente inviável, considerando-se a natureza indivisível de tais direitos materiais. Reconheceu também o
absurdo da limitação sugerida no dispositivo legal, a permitir que um mesmo contrato possa ser nulo em um
Estado da Federação e válido em outro, ou mesmo duas pessoas serem divorciadas apenas no foro da ação de
divórcio, continuando casadas nos demais foros.
Valendo-se do microssistema coletivo, a interpretação do art. 16 da LACP à luz dos arts. 93 e 103 do CDC, deve
levar em conta a extensão do dano e qualidade dos direitos postos em juízo. Conclui-se que, sendo o dano de
escala local, regional ou nacional, o juízo, no comando decisório, sob pena de ser inócua a sua decisão, deve ter
capacidade para recompor ou indenizar tais danos em suas abrangências territoriais, independentemente de
qualquer limitação.

8 – Por que não se pode discutir matéria tributária em sede de ação civil púbica?

O art. 1º , parágrafo único da lei 7347 prevê:


Parágrafo único. Não será cabível ação civil pública para veicular pretensões que envolvam tributos,
contribuições previdenciárias, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS ou outros fundos de natureza
institucional cujos beneficiários podem ser individualmente determinados. (Incluído pela Medida provisória nº
2.180-35, de 2001)
A razão decorre da natureza individual do direito. Cada contribuinte tem sua própria relação com o fisco e, em
regra, o direito é disponível.
Entretanto, o STF vem reconhecendo a possibilidade de ajuizamento de ação coletiva pelo Ministério Público
quando, embora o conflito envolva direito tributário, exista interesse metaindividual. Ou seja, importa a
natureza coletiva ou não do direito.

Nesse sentido:
Legitimidade do Ministério Público: Ação Civil Pública e Anulação de TARE - 5

165
O Ministério Público tem legitimidade para propor ação civil pública com o objetivo de anular Termo de
Acordo de Regime Especial - TARE firmado entre o Distrito Federal e empresas beneficiárias de redução fiscal.
Com base nesse entendimento, o Tribunal, por maioria, proveu recurso extraordinário interposto contra
acórdão do STJ que afastara essa legitimidade — v. Informativos 510, 545 e 563. Na espécie, alegava o
Ministério Público, na ação civil pública sob exame, que a Secretaria de Fazenda do Distrito Federal, ao deixar
de observar os parâmetros fixados no próprio Decreto regulamentar, teria editado a Portaria 292/99, que
estabeleceu percentuais de crédito fixos para os produtos que enumera, tanto para as saídas internas quanto
para as interestaduais, reduzindo, com isso, o valor que deveria ser recolhido a título de ICMS. Sustentava
que, ao fim dos 12 meses de vigência do acordo, o Subsecretário da Receita do DF teria descumprido o
disposto no art. 36, § 1º, da Lei Complementar federal 87/96 e nos artigos 37 e 38 da Lei distrital 1.254/96, ao
não proceder à apuração do imposto devido, com base na escrituração regular do contribuinte, computando
eventuais diferenças positivas ou negativas, para o efeito de pagamento. Afirmava, por fim, que o TARE em
questão causara prejuízo mensal ao DF que variava entre 2,5% a 4%, nas saídas interestaduais, e entre 1% a
4,5%, nas saídas internas, do ICMS devido.
RE 576155/DF, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 12.8.2010. (RE-576155)
Legitimidade do Ministério Público: Ação Civil Pública e Anulação de TARE - 6

Entendeu-se que a ação civil pública ajuizada contra o citado TARE não estaria limitada à proteção de interesse
individual, mas abrangeria interesses metaindividuais, pois o referido acordo, ao beneficiar uma empresa
privada e garantir-lhe o regime especial de apuração do ICMS, poderia, em tese, implicar lesão ao patrimônio
público, fato que, por si só, legitimaria a atuação do parquet, tendo em conta, sobretudo, as condições nas quais
celebrado ou executado esse acordo (CF, art. 129, III). Reportou-se, em seguida, à orientação firmada pela Corte
em diversos precedentes no sentido da legitimidade do Ministério Público para ajuizar ações civis públicas em
defesa de interesses metaindividuais, do erário e do patrimônio público. Asseverou-se não ser possível aplicar,
na hipótese, o parágrafo único do art. 1º da Lei 7.347/85, que veda que o Ministério Público proponha ações
civis públicas para veicular pretensões relativas a matérias tributárias individualizáveis, visto que a citada ação
civil pública não teria sido ajuizada para proteger direito de determinado contribuinte, mas para defender o
interesse mais amplo de todos os cidadãos do Distrito Federal, no que respeita à integridade do erário e à
higidez do processo de arrecadação tributária, o qual apresenta natureza manifestamente metaindividual. No
ponto, ressaltou-se que, ao veicular, em juízo, a ilegalidade do acordo que concede regime tributário especial a
certa empresa, bem como a omissão do Subsecretário da Receita do DF no que tange à apuração do imposto
devido, a partir do exame da escrituração do contribuinte beneficiado, o parquet teria agido em defesa do
patrimônio público. Vencidos os Ministros Menezes Direito, Cármen Lúcia, Eros Grau e Gilmar Mendes que
negavam provimento ao recurso.
RE 576155/DF, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 12.8.2010. (RE-576155)
Interessante também o recente julgado do STJ:

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. LEGITIMIDADE DO MP PARA AJUIZAR ACP CUJA CAUSA DE PEDIR SEJA FUNDADA
EM CONTROVÉRSIA TRIBUTÁRIA.
O Ministério Público tem legitimidade para ajuizar ação civil pública cujo pedido seja a condenação por
improbidade administrativa de agente público que tenha cobrado taxa por valor superior ao custo do serviço
prestado, ainda que a causa de pedir envolva questões tributárias. De acordo com o parágrafo único do art.
1º da Lei 7.347/1985, não será cabível ação civil pública para veicular pretensões que envolvam tributos. Essa
restrição, entretanto, está relacionada ao pedido, o qual tem aptidão para formar coisa julgada, e não à causa
de pedir. Na hipótese em foco, a análise da questão tributária é indispensável para que se constate eventual
ato de improbidade, por ofensa ao princípio da legalidade, configurando causa de pedir em relação à
pretensão condenatória, estando, portanto, fora do alcance da vedação prevista no referido
dispositivo. REsp 1.387.960-SP, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 22/5/2014.

9 – É possível reconvenção em ação coletiva?

Considerando que a ação popular é uma espécie de ação coletiva, relevante anotar que o STJ tem julgado
inadmitindo a reconvenção. Porém, dá a entender que seria possível se preenchidos os pressupostos. Via de
regra, pelo que entendi, não seria possível pois o autor da ação coletiva demanda em nome de outrem, uma
coletividade.Daí ele não poderia ser acionado.
166
Pode-se abordar também a polêmica acerca do cabimento da ação coletiva passiva. A doutrina majoritária não a
admite (Hugo Nigri Mazzili, José Manoel de Arruda Alvim, Marcelo Abelha Rodrigues, Humberto Teodoro
Junior). O principal argumento é que faltaria autorização legislativa para tanto. Ademais, violaria o devido
processo legal e seus consectários, a ampla defesa e o contraditório.

Ada Pelegrini e Fredie Didier admitem com fulcro no art. 5§ 2º da LACP e 83 do CDC.

O STJ tem também precedente inadmitindo pedido de ação declaratória incidental manejado pelo réu em face
de sindicato-autor.

PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO POPULAR. RECONVENÇÃO.


IMPOSSIBILIDADE. DANO MORAL. AFERIÇÃO. SÚMULA 07/STJ.
1. A ação popular é um dos mais antigos meios constitucionais de participação do cidadão nos negócios
públicos, na defesa da sociedade e dos relevantes valores a que foi destinada. Admitir o uso da reconvenção
produziria efeito inibitório do manejo desse importante instrumento de cidadania, o que o constituinte
procurou arredar, quando isentou o autor das custas processuais e do ônus da sucumbência.
2. O instituto da reconvenção exige, como pressuposto de cabimento, a conexão entre a causa deduzida em
juízo e a pretensão contraposta pelo réu. A conexão de causas, por sua vez, dá-se por coincidência de objeto ou
causa de pedir.
3. Na hipótese, existe clara diversidade entre a ação popular e a reconvenção. Enquanto a primeira objetiva a
anulação de ato administrativo e tem como causa de pedir a suposta lesividade ao patrimônio público, a
segunda visa à indenização por danos morais e tem como fundamento o exercício abusivo do direito à ação
popular.
4. O pedido reconvencional pressupõe que as partes estejam litigando sobre situações jurídicas que lhes são
próprias. Na ação popular, o autor não ostenta posição jurídica própria, nem titulariza o direito discutido na
ação, que é de natureza indisponível. Defende-se, em verdade, interesses pertencentes a toda sociedade. É de
se aplicar, assim, o parágrafo único do art. 315 do CPC, que não permite ao réu, "em seu próprio nome, reconvir
ao autor, quando este demandar em nome de outrem".
5. A discussão a respeito da suposta má-fé do autor popular ao propor a demanda sem um mínimo de provas
aceitáveis resvala no óbice da Súmula n.º 07/STJ, que impede o reexame, na via especial, do suporte fático-
probatório que fundamenta a decisão recorrida.
6. Recurso especial improvido.
(REsp 72.065/RS, Rel. Ministro CASTRO MEIRA, SEGUNDA TURMA, julgado em 03/08/2004, DJ 06/09/2004, p.
185)

Processo civil. Recurso especial. Ação coletiva ajuizada por sindicato na defesa de direitos individuais
homogêneos de integrantes da categoria profissional. Apresentação, pelo réu, de pedido de declaração
incidental, em face do sindicato-autor.
Objetivo de atribuir eficácia de coisa julgada à decisão quanto à extensão dos efeitos de cláusula de quitação
contida em transação assinada com os trabalhadores. Inadmissibilidade da medida, em ações coletivas.
- Nas ações coletivas, a lei atribui a algumas entidades poderes para representar ativamente um grupo definido
ou indefinido de pessoas, na tutela de direitos difusos, coletivos ou individuais homogêneos. A disciplina quanto
à coisa julgada, em cada uma dessas hipóteses, modifica-se.
- A atribuição de legitimidade ativa não implica, automaticamente, legitimidade passiva dessas entidades para
figurarem, como rés, em ações coletivas, salvo hipóteses excepcionais.
- Todos os projetos de Códigos de Processo Civil Coletivo regulam hipóteses de ações coletivas passivas,
conferindo legitimidade a associações para representação da coletividade, como rés. Nas hipóteses de direitos
individuais homogêneos, contudo, não há consenso.
- Pelo panorama legislativo atual, a disciplina da coisa julgada nas ações coletivas é incompatível com o pedido
de declaração incidental formulado pelo réu, em face do sindicato-autor. A pretensão a que se declare a
extensão dos efeitos de cláusula contratual, com eficácia de coisa julgada, implicaria, por via transversa, burlar a
norma do art. 103, III, do CDC.
Recurso improvido.
(REsp 1051302/DF, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 23/03/2010, DJe 28/04/2010)

167
10 – Cabe reexame necessário em ação coletiva?

A lei de ação popular prevê:

Art. 19. A sentença que concluir pela carência ou pela improcedência da ação está sujeita ao duplo grau de
jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo tribunal; da que julgar a ação procedente
caberá apelação, com efeito suspensivo. (Redação dada pela Lei nº 6.014, de 1973)
§ 1º Das decisões interlocutórias cabe agravo de instrumento. (Redação dada pela Lei nº 6.014, de 1973)
§ 2º Das sentenças e decisões proferidas contra o autor da ação e suscetíveis de recurso, poderá recorrer
qualquer cidadão e também o Ministério Público. (Redação dada pela Lei nº 6.014, de 1973)
A lei de proteção às pessoas portadoras de necessidades especiais prevê:

Art. 4º A sentença terá eficácia de coisa julgada oponível erga omnes, exceto no caso de haver sido a ação
julgada improcedente por deficiência de prova, hipótese em que qualquer legitimado poderá intentar outra
ação com idêntico fundamento, valendo-se de nova prova.
§ 1º A sentença que concluir pela carência ou pela improcedência da ação fica sujeita ao duplo grau de
jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo tribunal.
§ 2º Das sentenças e decisões proferidas contra o autor da ação e suscetíveis de recurso, poderá recorrer
qualquer legitimado ativo, inclusive o Ministério Público.
O STJ tem precedente aplicando o art. 19 da lei de ação popular às demais ações coletivas, por força do
microssistema processual coletivo:

PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. REPARAÇÃO DE DANOS AO ERÁRIO.


SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA. REMESSA NECESSÁRIA. ART. 19 DA LEI Nº 4.717/64. APLICAÇÃO.
1. Por aplicação analógica da primeira parte do art. 19 da Lei nº 4.717/65, as sentenças de improcedência de
ação civil pública sujeitam-se indistintamente ao reexame necessário. Doutrina.
2. Recurso especial provido.
(REsp 1108542/SC, Rel. Ministro CASTRO MEIRA, SEGUNDA TURMA, julgado em 19/05/2009, DJe 29/05/2009)

ATENÇÃO – recentemente o STJ julgou que não há reexame necessário em ação de improbidade. O acórdão é
no sentido de que o reexame é excepcional e deve ser interpretado restritivamente. REsp 1.220.667-MG, Rel.
Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 4/9/2014.

11 – Quais são os efeitos da instauração do Inquérito Civil?

O inquérito civil é procedimento administrativo, facultativo, com finalidade investigativa e extraprocessual, sob
a presidência do órgão do Ministério Público, destinado a colher provas para instruir ação civil pública ou
celebrar um compromisso de ajustamento de conduta. O instituto facilita, pois, a conciliação extrajudicial do
conflito.

Um de seus efeitos é, portanto, coligir provas e quaisquer elementos de convicção para fundamentar a atuação
do Ministério Público, o qual poderá, inclusive, arquivar o procedimento sem ajuizar demanda nem celebrar
termo de ajustamento de conduta.

Por outro lado, segundo o art. 26 § 2°, inciso III do CDC, a instauração de inquérito civil obsta a decadência para
reclamar vícios aparentes ou de fácil constatação, até o encerramento do inquérito. A doutrina majoritária
interpreta o dispositivo como uma interrupção da decadência.

Outros efeitos: a possibilidade de expedição de requisições e notificações, bem como condução coercitiva em
caso de não comparecimento (art. 129, VI da Cf e 26, I da LOMPE); possibilidade de requisição de perícias e
informações, de entes públicos ou particulares, em prazo não inferior a dez dias; possibilidade de surgimento de
responsabilidade civil do Estado/União para indenizar o investigado, pelos prejuízos sofridos em razão da
instauração e desenvolvimento de inquérito civil que se mostrou temerário, causando prejuízo ao investigado.

168
12 – Qual a natureza jurídica do Termo de Ajustamento de Conduta?

A doutrina se divide em modalidade específica de transação e negócio jurídico bilateral sui generis. O certo é
que se trata de finalidade nitidamente conciliatória. O seu objeto é a melhor forma de efetivação dos direitos
coletivos lato sensu. É possível apenas transacionar sobre o modo, prazo, jamais sobre a matéria de fundo. É
possível exigir mais, mas nunca menos do que a lei exige. Ou seja, é possível a transação formal e não material.

13 – A Defensoria Pública pode instaurar Inquérito Civil?

Não, a instauração do inquérito civil é exclusiva do Ministério Público.

14 – Os Magistrados são agentes políticos?

A doutrina majoritária entende que tanto os magistrados quanto os membros do Ministério Público são agentes
políticos, haja vista atuarem no exercício de funções essenciais ao Estado e praticarem atos inerentes à
soberania deste. Têm independência funcional.

15 – O que seria o particular em colaboração?

São aqueles que não integram a estrutura da Administração Pública, mas exercem atividades públicas em
situações específicas. Não perdem a qualidade de particulares, mas atuam em nome do Estado em situações
excepcionais, independentemente do vínculo jurídico estabelecido. Há 4 espécies: designados (“agentes
honoríficos” de Hely Lopes Meireles) (ex- mesários e jurados); voluntários; delegados (titulares de serventias de
cartórios, agentes das concessionárias e permissionárias de serviços públicos para a doutrina majoritária).

16 – Distinga cargo efetivo de cargo vitalício?

O cargo vitalício oferece maior garantia. A vitaliciedade garante que a perda do cargo somente se dará por meio
de decisão em sentença judicial, com trânsito em julgado, não sendo possível a perda administrativa do vínculo.
Já o cargo efetivo constitui garantia menor. Após adquirida a estabilidade, a perda do cargo é possível: mediante
processo administrativo (com ampla defesa); avaliação periódica de desempenho; sentença judicial transitada
em julgado; procedimento específico para contenção de gastos.

17 – Quando o Magistrado alcança a vitaliciedade? Onde se encontra tal previsão?

Após 2 anos de exercício. Art. 95, inciso I da Constituição da República.

18 – Qual o prazo máximo da sindicância?

Não sei se o examinador se referia a magistrados ou servidores.


O decreto 2479/79 prevê prazo de 30 dias, prorrogáveis por mais 8 para os servidores públicos no estado do Rio
de Janeiro.

Art. 317 – A sindicância não poderá exceder o prazo de 30 (trinta) dias, prorrogável uma única vez até 8 (oito)
dias em caso de força maior, mediante justificativa à autoridade que houver determinado a sindicância.

169
19 – Comente sobre os agentes de fato.

Para ser agente público são necessários: desempenho de atividade estatal e regular investidura em cargo,
emprego ou função. O agente de fato atende ao requisito objetivo (desempenho de atividade estatal), mas não
ao subjetivo (regular investidura). Há duas causas possíveis para o agente de de fato: erro ou necessidade
pública.
Se o motivo for erro, o agente é chamado de agente de fato putativo. Ex – aprovado mas não nomeado em
concurso da PM aplica uma multa. O ato produz efeitos externos, mas só produz efeitos internos se for sanado.

Se a hipótese for necessidade pública, o agente é chamado de agente de fato necessário (ex – incêndio no
prédio. Sinal de trânsito não funciona por causa do incêndio, pessoa começa a atuar como guarda de trânsito).
Nesse caso, o ato é plenamente eficaz (teoria da aparência justifica), produzindo todos os efeitos internos (para
a Administração) e externos (para administrados).

20 – É correta a expressão servidor público?

Não sei o que estaria errado na expressão. Não achei nada. No livro do Matheus Carvalho ele menciona
SERVIDORES ESTATAIS como uma das espécies de agentes públicos. Os servidores estatais se dividiriam em
servidores temporários, servidores estatutários e empregados públicos.
Assim, acredito que talvez a resposta seja que o mais correto seria falar em servidores estatais.

EMPRESARIAL

1-O que é Quadro Geral de Credores?

R:Como o próprio nome indica, o Quadro Geral de Credores consiste na relação dos credores da massa falida,
constando os valores devidos a cada um e a classificação própria de cada crédito.
Esse quadro é organizado pelo administrador judicial (arts. 7 e 18 da LRF) e é formado pelos credores cujos
pedidos de habilitação tenham sido julgados procedentes, através de sentença do juiz da falência, que para
tanto ouvirá o falido, o administrador judicial, o promotor de justiça e quaisquer outros credores interessados.
O Quadro, devidamente assinado pelo juiz e pelo síndico, será publicado no órgão oficial (art. 96 § 2º).

2- A convalidação (homologação) do quadro geral de credores na falência pode ocorrer antes do julgamento dos
incidentes?PONTO 8

R: O quadro geral de credores que na falência engloba todo o passivo da massa falida somente será convalidado
após o julgamento da totalidade dos créditos que pedirem habilitação na falência e respectivas impugnações,
nos termos do caput do art. 18 da LRF, e incluíra os créditos de todas as classes habilitadas.

3-Qual a consequência da habilitação retardatária dos creditos na recuperação judicial? E na falência?

R: Segundo o ar. 10, par. 1 da LRF, os titulares de créditos retardatários na recuperação judicial, com exceção
dos titulares de creditos derivados da relação e trabalho, não terão direito a voto nas deliberações da
assembleia geral de credores.
Na falência será aplicada também essa norma, salvo se na data da realização da assembleia geral, já houver sido
homologado o quadro-geral de credores contendo o crédito retardatário (art. 10, par. 2).
Ainda, o par. 3 do art. 10 preceitua que os creditos retardatários na falência perderão o direito a rateios
eventualmente realizados e ficarão sujeitos ao pagamento de custas, não se computando os acessórios
compreendidos entre o término do prazo e a data do pedido de habilitação.

170
4- A recuperação judicial pode ser concedida às cooperativas de crédito? E às instituições financeiras? É irrelevante
ser banco publico ou privado?

R: Não, não pode ser concedida a recuperação judicial às cooperativas de crédito por expressa previsão do art.
2, inciso II da LRF que afirma não se aplicar a Lei 11.101/05 à elas.
Também não pode ser concedida às instituições financeiras a recuperação judicial, pois o art.2, inciso II afirma,
no mesmo sentido, que não se aplica a Lei de Recuperação judicial e falências às instituições financeiras, sejam
elas públicas ou privadas.
O art. 2 também afirma que não se aplica a Lei 11.101./05 às empresas públicas e sociedade de economia mista,
aos consórcios, entidade de previdência complementar, sociedade operadora de plano de assistência à saúde,
sociedade seguradora, sociedade de capitalização e outras entidades legalmente equiparadas.

TÍTULOS DE CRÉDITO-PONTO 8

5- É possível aval parcial? E endosso parcial?

AVAL:
Depende do título de crédito que se está analisando é que poderá se afirmar se é possível ou não o aval parcial.
O Decreto-Lei 57.663/56 (Lei Uniforme de Genebra) prevê a possibilidade do aval parcial para a letra de câmbio
e a nota promissória.
Já a possibilidade do aval parcial do cheque é previsto na própria Lei do cheque (Lei 7.357/85)), em seu artigo
29.

Mas, no que concerne à duplicata, como não há legislação especial/específica que regulamente este tema, pois
a Lei 5.474/68 que rege a duplicata é omissa, utiliza-se para a situação a regra geral do Código Civil que prevê
em seu art. 897, par. Único a vedação do aval parcial.
Logo, não é admissível aval parcial para a duplicata, por vedação expressa do Código Civil.

ENDOSSO

O endosso é a forma de transferência do direito ao valor constante do título, sendo acompanhado da tradição
da cártula que transfere a posse desta e a garantia do seu adimplemento.
-Em relação à possibilidade de endosso parcial, o artigo 912, par. único do CC dispõe não ser possível o endosso
parcial e qualquer escrito no título de crédito que disponha nesse sentido será considerada nula. O art. 12, II da
LUG dispõe no mesmo sentido do CC de ser nulo o endosso parcial.

6-Qual a diferença entre endosso-mandato e endosso caução? E o que é endosso póstumo?

R: -Endosso-mandato ou endosso-procuração é aquele que confere ao endossatário a possibilidade de agir


como representante do endossante, exercendo os direitos inerentes ao título como, por exemplo, a
possibilidade de cobrar o valor do título.
-Em contrapartida, o endosso-caução ou pignoratício (ou garantia) é aquele em que o título é entregue ao
endossatário como garantia de uma dívida assumida pelo endossante para com aquele.
O título, em verdade, fica empenhado em poder do credor do endossante e deverá conter a cláusula “valor em
garantia” ou “valor em penhor” (ou outra expressão que implique caução). Quando for cumprida a obrigação
garantida, o título retorna ao endossante.

-O endosso póstumo ou tardio é aquele posterior ao protesto por falta de pagamento do título ou decurso do
prazo respectivo. Nesse caso, resta caracterizado apenas uma cessão civil de crédito, em que o direito passa a
ser transferido a título derivado e não de forma autônoma. O art. 20 da LUG preceitua que nesse tipo de
endosso o endossante não garante o pagamento do título.
É necessário, entretanto, fazer uma ressalva: quando o endosso for feito após o vencimento, desde que antes
do protesto, ele tem o mesmo valor do endosso anterior.

7- É possível alegar compensação em face de terceiro que esteja com o título de crédito? O devedor pode alegar
compensação? O que poderia ser alegado em face de terceiro de boa-fé?

171
R: -Em relação ao terceiro de boa fé não é possível alegar compensação, pois um dos princípios que regem os
títulos de crédito é a inoponibilidade das exceções pessoais que se teria contra o credor originário aos terceiros
de boa fé que portem o título.
-Isto porque o portador do título exerce direito próprio e não derivado das relações anteriores e não pode ser
surpreendido por oposições relativas à relação de que não foi parte. Inclusive, a doutrina afirma que o principio
da inoponibilidade das exceções pessoais é uma extensão do princípio da autonomia previsto no art. 17 da LUG
e no art. 916 do CC.
-Em relação ao 3º de boa fé, somente pode ser alegado os vícios formais da cártula ou de seu conteúdo literal
(como exemplo a falsidade da assinatura, incapacidade do subscritor do título) ou falta de requisito necessário
ao exercício da ação (vencimento do título, prescrição, por exemplo).

1 – Quais são os efeitos da sentença de falência em relação ao falido?

Em relação à pessoa do devedor:


a)Falência dos sócios de responsabilidade limitada;
b)Apuração de eventual responsabilidade pessoal dos sócios de responsabilidade limitada
(ação prescreve em 2 anos)
c)Inabilitação empresarial;
d)Perda do direito de administração de seus bens e da disponibilidade sobre eles (formação da massa falida
objetiva);
e)Não pode ausentar-se do lugar da falência sem autorização do juiz
f)Suspensão do direito ao sigilo à correspondência e ao livre exercício da profissão
g)Dever de colaboração com a administração da falência.

Em relação às obrigações do devedor:


b)Suspensão do exercício do direito de retenção (sobre os bens sujeitos a arrecadação), de retirada ou
recebimento do valor de quotas ou ações por parte dos sócios da sociedade falida;
c)Vencimento antecipado das dívidas do devedor e dos sócios ilimitada e solidariamente responsáveis (com
abatimento proporcional aos juros de conversão de todos os créditos em moeda estrangeira para moeda do
país)
d)Limitação à compensação de dívidas do devedor até o dia da decretação da falência
e)Inexigibilidade de juros vencidos, previstos na lei ou em contrato, se o ativo apurado não bastar para o
pagamento dos seus credores subordinados;
f)Continuidade dos contratos que poderem ser cumpridos e que possam reproduzir ou evitar o aumento do
passivo

Em relação aos credores do falido:


a)formação de massa falida subjetiva (procedimento de verificação e habilitação dos créditos)

Em relação aos atos do falido:


a)Fixação do termo legal da falência (ineficácia dos atos)

2 – Há alguma especificidade em relação aos sócios de responsabilidade ilimitada?

Tratando-se de sociedade em que a responsabilidade dos sócios é ilimitada, prevê o art. 81 da LRE que a
decretação da falência da sociedade também acarreta a decretação da falência dos sócios: “a decisão que
decreta a falência da sociedade com sócios ilimitadamente responsáveis também acarreta a falência destes, que
ficam sujeitos aos mesmos efeitos jurídicos produzidos em relação à sociedade falida e, por isso, deverão ser
citados para apresentar contestação, se assim o desejarem”. Veja-se que nesse caso a repercussão da falência
da sociedade sobre a pessoa dos sócios é tão relevante que a lei determina que eles devem ser também citados
quanto aos termos da ação falimentar, para que possam se defender. O art. 81 ainda determina, em seu § 1.°,
que a regra nele prevista “aplica-se ao sócio que tenha se retirado voluntariamente ou que tenha sido excluído
da sociedade, há menos de 2 (dois) anos, quanto às dívidas existentes na data do arquivamento da alteração do
contrato, no caso de não terem sido solvidas até a data da decretação da falência”.
Os sócios de responsabilidade ilimitada são tratados da mesma forma que os sócios de responsabilidade
individual.

172
Assim, o empresário individual que vai à falência ou o sócio de responsabilidade ilimitada de uma sociedade que
tem sua falência decretada, por exemplo, ficam impedidos de exercer qualquer atividade empresarial até que
suas obrigações sejam consideradas extintas por sentença transitada em julgado.

3 – Quais são os efeitos da sentença de falência em relação aos bens do falido?

Formação da massa falida objetiva (arrecadação de todos os bens do devedor, exceto os absolutamente
impenhoráveis)
Outro efeito importante da falência é a perda do direito de administração dos seus bens e da disponibilidade
sobre eles, o que está previsto no art. 103 da LRE: “Desde a decretação da falência ou do sequestro, o devedor
perde o direito de administrar os seus bens ou deles dispor”. A lei prevê apenas que o falido “poderá, contudo,
fiscalizar a administração da falência, requerer as providências necessárias para a conservação de seus direitos
ou dos bens arrecadados e intervir nos processos em que a massa falida seja parte ou interessada, requerendo o
que for de direito e interpondo os recursos cabíveis” (parágrafo único).

4 – Quais são os efeitos da sentença de falência em relação aos credores da sociedade?

Formação de massa falida subjetiva (procedimento de verificação e habilitação dos créditos)


O principal objetivo do processo falimentar é a reunião de todos os credores do devedor e de todos os seus
bens, para que, vendidos estes, sejam pagos aqueles, na ordem de preferência dos seus respectivos créditos.
Assim, enquanto a arrecadação dos bens dá origem à chamada massa falida objetiva, a reunião dos credores,
por sua vez, forma a denominada massa falida subjetiva (corpus creditorum), que concorrerá ao produto da
venda dos bens do falido segundo a ordem de classificação estabelecida na própria lei, em obediência ao
princípio da par condicio creditorum.
Um dos efeitos da falência é, justamente, a instauração do juízo universal e a consequente suspensão do curso
de todas as ações e execuções em face do devedor, com algumas exceções.
A universalidade do juízo falimentar, todavia, não é absoluta, visto que há certas demandas judiciais,
mencionadas no próprio art. 76 da LRE, que não são atraídas para ele: “causas trabalhistas, fiscais e aquelas não
reguladas nesta Lei em que o falido figurar como autor ou litisconsorte ativo”. Devem-se acrescentar ainda as
ações que demandam quantia ilíquida (art. 6.°, § 1.°, da LRE) e as ações em que for parte União ou entidade
federal (art. 109, I, da CF/1988).
De acordo com o art. 76, parágrafo único, da LRE, todas as ações do devedor falido, inclusive as que correm fora
do juízo universal da falência, “terão prosseguimento com o administrador judicial, que deverá ser intimado
para representar a massa falida, sob pena de nulidade do processo”. O administrador judicial passa a ser, pois, o
representante legal da massa falida, atuando em juízo na defesa de seus interesses em todos os processos nos
quais a mesma seja parte ou interessada.
Portanto, ainda que o juízo universal não atraia para si todas as ações e execuções em que seja parte o falido,
estas devem ser comunicadas ao juízo falimentar assim que possível. É o que prevê o art. 6.°, § 6.°, da LRE:
“independentemente da verificação periódica perante os cartórios de distribuição, as ações que venham a ser
propostas contra o devedor deverão ser comunicadas ao juízo da falência ou da recuperação judicial: I – pelo
juiz competente, quando do recebimento da petição inicial; II – pelo devedor, imediatamente após a citação”.

5 – No que consiste a habilitação de créditos?

A habilitação de créditos é um procedimento administrativo, perante o administrador judicial, em que os


credores requererão a inclusão de seus créditos para que sejam inscritos nos quadros gerais de credores, para
que ao final da falência venham a recebê-los, conforme a ordem de preferência do artigo 83 da Lei 11101/05
(art. 7º da lei 11101/05).

6 – Quais os créditos que não se sujeitam à habilitação?

Não se sujeitam a habilitação os créditos trabalhistas até sua apuração na justiça especializada (art. 6º,
§1º, da Lei 11101/05), bem como os créditos fiscais (art. 6º, §7º, da Lei 11101/05).

173
Os créditos decorrentes de obrigações a título gratuito e os de despesas que os credores fizerem para tomar
parte na recuperação judicial ou na falência (art. 5º, II da Lei 11101/05), também não estão sujeitos à
habilitação, pois sequer podem ser cobrados no procedimento falimentar.

7 – Qual a consequência em ser um habilitado retardatário?

Art. 10. Não observado o prazo estipulado no art. 7º, §1º, desta Lei, as habilitações de crédito serão recebidas
como retardatárias.
§ 1º Na recuperação judicial, os titulares de créditos retardatários, excetuados os titulares de créditos derivados
da relação de trabalho, não terão direito a voto nas deliberações da assembléia-geral de credores.
§ 2º Aplica-se o disposto no §1º deste artigo ao processo de falência, salvo se, na data da realização da
assembleia-geral, já houver sido homologado o quadro-geral de credores contendo o crédito retardatário.
§ 3º Na falência, os créditos retardatários perderão o direito a rateios eventualmente realizados e ficarão
sujeitos ao pagamento de custas, não se computando os acessórios compreendidos entre o término do prazo e
a data do pedido de habilitação.
§ 4º Na hipótese prevista no §3º deste artigo, o credor poderá requerer a reserva de valor para satisfação de
seu crédito.
§ 5º As habilitações de crédito retardatárias, se apresentadas antes da homologação do quadro-geral de
credores, serão recebidas como impugnação e processadas na forma dos arts. 13 a 15 desta Lei.
§ 6º Após a homologação do quadro-geral de credores, aqueles que não habilitaram seu crédito poderão,
observado, no que couber, o procedimento ordinário previsto no Código de Processo Civil, requerer ao juízo da
falência ou da recuperação judicial a retificação do quadro-geral para inclusão do respectivo crédito.

8 – A Fazenda Pública pode requerer falência de um devedor?

Não obstante exista controvérsia doutrinária sobre o tema, o STJ tem diversos precedentes no sentido de que a
Fazenda Pública não tem legitimidade, nem interesse de agir, para pedir a falência do devedor. Isso porque, a
Fazenda Pública já possui um procedimento próprio para a cobrança de seus créditos e coeração dos respectivos
devedores, qual seja, a Execução Fiscal (STJ, REsp 164.389/MG, Rel. Min. Sálvio de Figueiredo Teixeira, DJ
16.08.2004, p. 130).
Frise-se, entretanto, que o STJ admite que a Fazenda Pública opte por habilitar seu crédito na falência. No
entanto, fazendo esta opção, não poderá ajuizar a Execução Fiscal posteriormente.

9 – Qual a responsabilidade do sócio que se retira da sociedade?

Via de regra, a responsabilidade do sócio é limitada ao valor de suas quotas ou ações. Eventual
responsabilidade pessoal do sócio controlador ou administrador de sociedade, cuja responsabilidade do sócio
seja limitada ao valor de suas quotas ou ações, deverá ser apurada no próprio juízo falimentar, pelo rito
ordinário, tenha ele saído ou não da sociedade (art. 82 da Lei 11.101/05).
Tratando-se de sócios ilimitadamente responsáveis que tenham se retirado da sociedade há menos de
dois anos, a falência da sociedade também implicará a falência destes, devendo responder pelas dívidas não
solvidas até o arquivamento da alteração contratual (art. 81, §1º).

10 – Essa responsabilidade se transmite aos herdeiros?

Sim, a responsabilidade pelo pagamento das dívidas transmite-se aos herdeiros, mas limitadamente ao
valor da herança recebida, na forma do artigo 1997 do Código Civil.

11 – O que seria a apuração de haveres?

A dissolução parcial da sociedade não acarretará a liquidação e a partilha, com a consequente extinção da
pessoa jurídica. Haverá apenas um procedimento de apuração de haveres, a fim de que o valor da(s) quota(s) do
sócio retirante, excluído, falecido etc. seja avaliado.

174
12 – Qual a natureza jurídica do cheque?

O cheque é uma ordem incondicional de pagamento à vista de valor determinado, formulada pelo titular de
uma conta bancária contra a instituição financeira responsável pela mesma, em razão de provisão que o
emitente possui junto ao sacado, proveniente essa de contrato de depósito bancário ou de abertura de crédito.
Este se caracteriza ainda em um instrumento de natureza e de função dúplices. Uma vez que simultaneamente
se constitui em uma ordem de pagamento e um título de crédito. Parte da doutrina mais antiga chega a negar
ao cheque a qualificação de título de crédito próprio, mas se trata de entendimento minoritário.

13 – O cheque pode ser endossado?

Em princípio, conforme veremos mais à frente, não há limite de endossos nos títulos de crédito. No cheque,
todavia, a realidade era diferente, uma vez que a legislação que instituiu a CPMF no Brasil (Lei 9.311/1996)
previa a possibilidade de um único endosso nesse título de crédito: “somente é permitido um único endosso nos
cheques pagáveis no país” (art. 17, I). Assim, enquanto os demais títulos de crédito próprios sempre puderam
receber mais de um endosso, o cheque, em obediência ao disposto na legislação tributária referente à CPMF
(art. 17, I, da mesma Lei 9.311/1996), só admitia um único endosso, com o objetivo de evitar a circulação
indefinida do cheque sem o recolhimento da referida contribuição. No entanto, com a extinção desse tributo, a
vedação deixou de existir, e hoje o cheque, assim como os demais títulos de crédito, não tem limite de número
de endossos que nele podem ser feitos.

14 – Quais os prazos para apresentação de um cheque?

Art . 33 O cheque deve ser apresentado para pagamento, a contar do dia da emissão, no prazo de 30 (trinta)
dias, quando emitido no lugar onde houver de ser pago; e de 60 (sessenta) dias, quando emitido em outro lugar
do País ou no exterior.
Parágrafo único - Quando o cheque é emitido entre lugares com calendários diferentes, considera-se
como de emissão o dia correspondente do calendário do lugar de pagamento.
O prazo de apresentação do cheque, ressalte-se, não se confunde com o seu prazo de prescrição. Na verdade,
funciona, grosso modo, como o prazo de protesto nos demais títulos, uma vez que se destina, precipuamente, a
assegurar o direito de execução contra os codevedores do título (art. 47, inciso II, da Lei do Cheque). Há um caso
excepcional, apenas, em que a perda do prazo de apresentação gera, inclusive, a perda do direito de executar o
próprio emitente, e não apenas o codevedor. Trata-se da hipótese em que o emitente prova que tinha fundos
suficientes durante o prazo de apresentação, mas deixou de tê-los por motivos alheios à sua vontade (art. 47, §
3.°, da Lei do Cheque). O transcurso do prazo de apresentação, enfim, não impede que o cheque seja levado ao
banco sacado para ser descontado, uma vez que somente depois de transcorrido o prazo prescricional é que a
instituição financeira não poderá mais receber nem processar o título, conforme disposto no art. 35, parágrafo
único, da Lei do Cheque.

15 – Existe a possibilidade de se reaver o valor do cheque, por meio de ação, acaso se perca o prazo da ação
cambiária?

O cheque prescrito, não poderá mais ser executado. Não obstante, a Lei do Cheque ainda prevê, em seu art. 61,
a possibilidade de propositura da chamada ação de enriquecimento ilícito (também chamada de ação de
locupletamento) contra o emitente ou demais coobrigados.
Essa ação específica prevista na legislação checária prescreve em 2 anos, contados a partir do término do prazo
prescricional. Destaque-se que se trata de ação cambial, ou seja, nela o cheque conserva suas características
intrínsecas de título de crédito, como a autonomia e a consequente inoponibilidade das exceções pessoais ao
terceiro de boa-fé. Segue, todavia, o rito ordinário de uma ação de conhecimento, uma vez que com a
prescrição o cheque perdeu, como dito, a sua executividade.
Ultrapassado o referido prazo de prescrição da ação de locupletamento, o cheque ainda pode ser cobrado,
desde que comprovado o seu não pagamento, mediante ação de cobrança, na qual caberá ao portador, todavia,
provar a relação causal que originou o título (art. 62 da Lei do Cheque). Veja-se, pois, que não se trata mais de
uma ação cambial, ou seja, aqui o portador do cheque não se beneficia mais dos predicados decorrentes dos
princípios que informam o regime jurídico cambial, como a autonomia da dívida checária em relação ao negócio
que originou a sua emissão, da qual decorre, logicamente, a inoponibilidade das exceções pessoais ao terceiro
175
de boa-fé. Nessa ação, portanto, o devedor do cheque poderá discutir a causa que o originou e opor quaisquer
exceções contra o autor da demanda.
Por fim, registre-se que a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça já consolidou entendimento no sentido
de que é plenamente cabível a propositura de ação monitória lastreada em cheque prescrito. Nesse sentido,
aliás, é o que dispõe o Enunciado 299 da Súmula de jurisprudência dominante do STJ: “é admissível ação
monitória fundada em cheque prescrito”.
O STJ ainda entende que na ação monitória de cheque prescrito o credor não precisa demonstrar a causa da
emissão do título, cabendo ao devedor fazer prova da eventual inexistência da dívida (STJ, 4.ª Turma, REsp
801.715/MS, Rel. Min. Jorge Scartezini, DJ 20.11.2006, p. 337).
Quanto ao prazo para a propositura da ação monitória de cheque prescrito, o STJ tem entendido que é de cinco
anos.

16 – Existem as figuras dos cheques pré-datados e pós-datados?

Embora seja uma ordem de pagamento à vista, popularizou-se bastante no Brasil a emissão de cheque para ser
pago em data futura. Nesse caso, costuma-se usar a expressão cheque “pré-datado” – expressão comum na
prática comercial, ou cheque “pós-datado”, expressão preferida por alguns doutrinadores.
Segundo a legislação (art. 32 da Lei do Cheque), o cheque será sempre uma ordem de pagamento à vista,
devendo ser considerada não escrita qualquer menção em sentido contrário eventualmente colocada na
cártula. Sendo assim, havendo saldo, um cheque pré-datado pode ser descontado ou devolvido, conforme o
emitente possua ou não fundos suficientes para o seu pagamento.
Em suma: “(...) a emissão de cheque pós-datado, popularmente conhecido como cheque pré-datado, não o
desnatura como título de crédito, e traz como única consequência a ampliação do prazo de apresentação (...)”
(STJ, REsp 612.423/DF, Rel. Min. Nancy Andrighi, DJ 26.06.2006, p. 132). Esse entendimento do STJ, ressalte-se,
está restrito ao aspecto civil/comercial, uma vez que, no aspecto criminal, conforme veremos adiante, entende
a referida Corte que a emissão de cheque “pré-datado” descaracteriza esse título como ordem de pagamento à
vista e o transforma em mera garantia de dívida.

17 – Diferencia endosso em preto de endosso em branco.

O endosso poderá ser feito em branco ou em preto. O endosso em branco é aquele que não identifica o seu
beneficiário, chamado de endossatário. Nesse caso, simplesmente o endossante assina no verso do título, sem
identificar a quem está endossando, o que acaba, na prática, permitindo que o título circule ao portador, ou
seja, pela mera tradição da cártula. O beneficiário de endosso em branco pode, então, tomar basicamente três
atitudes: (i) transformá-lo em endosso em preto, completando-o com o seu nome ou de terceiro; (ii) endossar
novamente o título, em branco ou em preto; ou (iii) transferir o título sem praticar novo endosso, ou seja, pela
mera tradição da cártula (art. 14 da Lei Uniforme e art. 913 do Código Civil).
Na segunda situação acima descrita, o endossatário, ao realizar novo endosso, passa a integrar a cadeia de
codevedores, responsabilizando-se pelo adimplemento da obrigação constante do título. Na terceira situação
descrita, todavia, o endossatário transfere o crédito sem assumir nenhuma responsabilidade pelo seu
adimplemento, já que não pratica novo endosso.
O endosso em preto, por sua vez, é aquele que identifica expressamente a quem está sendo transferida a
titularidade do crédito, ou seja, o endossatário. Assim, só poderá circular novamente por meio de um novo
endosso, que poderá ser em branco ou em preto. Nesse caso, pois, o endossatário, ao recolocar o título em
circulação, assumirá a responsabilidade pelo adimplemento da dívida, uma vez que deverá praticar novo
endosso.

18 – Qual a natureza jurídica do aval?

O aval é ato cambiário pelo qual um terceiro (o avalista) se responsabiliza pelo pagamento da obrigação
constante do título. Está regulado pelo art. 30 da Lei Uniforme (no mesmo sentido é o art. 897 do Código Civil).
O avalista, ao garantir o cumprimento da obrigação do avalizado, responde de forma equiparada a este.

19 – Qual a diferença prática entre aval e fiança?

176
O aval é garantia cambial, submetida aos princípios do regime jurídico cambial, a fiança é garantia civil, regida
pelas regras desse regime jurídico.
São duas as diferenças básicas entre aval e fiança. A primeira delas é decorrente da submissão do aval ao
princípio da autonomia, inerente aos títulos de crédito. Com efeito, o aval, por ser um instituto do regime
jurídico cambial, constitui uma obrigação autônoma em relação à dívida assumida pelo avalizado. Assim, se a
obrigação do avalizado, eventualmente, for atingida por algum vício, este não se transmite para a obrigação do
avalista. Na fiança o mesmo não ocorre: ela, como obrigação acessória, leva a mesma sorte da obrigação
principal a que está relacionada.

20 – Cite e explique dois títulos emitidos pelas sociedades anônimas?

- Ação: Representa uma fração do capital de uma sociedade; o titular da ação é acionista, não podendo exigir da
sociedade o valor desejado na sua aplicação; e, instituto corporativo e de crédito, que dá qualidade ao seu sócio
em ser titular.
- Debêntures: Não representa capital de um sociedade; o titular de uma debênture é credor debenturista da
empresa, podendo a qualquer tempo exigir a devolução com a devida correção do valor aplicado; e, é título de
crédito.
Debêntures são um título abstrato de dívida que apenas a sociedade anônima S/A e a sociedade em comandita
por ações tem a prerrogativa de criar ou emitir.
Partes beneficiárias das Ações e da Debêntures:
- Ações: Representam capital de uma sociedade anônima; São adquiridas através da subscrição das ações pelos
interessados.
Partes Beneficiárias: Não representam o capital social; São oferecidas graciosamente aos seus acionistas e ao
seus empregados.
Ambas são valores mobiliários emitidas pelas S/A e comandita por ações.
- Debêntures: Nasce de uma contraprestação ou de um empréstimo com o público; independe do sucesso ou
insucesso e reclama na data certa o valor aplicado.
Partes beneficiárias: Eventualmente eu posso emitir partes beneficiaria e depende do sucesso da ações.
Ambas são valores mobiliários emitidos pela sociedades anônimas, podem ser nas ações dependendo do
estatuto, colaborado com o aumento do capital social.

AMBIENTAL

- Discorra sobre o licenciamento ambiental. A quem compete? (PONTO 8)

R: Licenciamento ambiental é o procedimento administrativo destinado a licenciar atividades ou


empreendimentos utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob
qualquer forma, de causar degradação ambiental. A licença ambiental, por sua vez, é o ato administrativo pelo
qual o órgão ambiental estabelece as condições, restrições e medidas de controle ambiental que deverão ser
obedecidas pelo empreendedor. Quando à competência para o licenciamento, a LC 140/11 estabelece
determinados critérios para sua definição, dentre eles: domínio do bem, ente instituidor da unidade de
conservação (exceto APA), geográfico, alcance dos impactos ambientais diretos (para órgão municipal).

Qual o conceito de licenciamento ambiental?

O conceito está no art. 2º da LC 140:


Art. 2o Para os fins desta Lei Complementar, consideram-se:
I - licenciamento ambiental: o procedimento administrativo destinado a licenciar atividades ou
empreendimentos utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob
qualquer forma, de causar degradação ambiental;
Já a resolução 237 do CONAMA prevê:
I - Licenciamento Ambiental: procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a
localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos
ambientais , consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam

177
causar degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas
aplicáveis ao caso.

Qual a natureza jurídica das licenças ambientais?

A natureza jurídica é de ato administrativo, conforme a resolução 237 do CONAMA. (não vi em doutrina isso,
mas estou concluindo da redação da própria resolução).

II - Licença Ambiental: ato administrativo pelo qual o órgão ambiental competente, estabelece as condições,
restrições e medidas de controle ambiental que deverão ser obedecidas pelo empreendedor, pessoa física ou
jurídica, para localizar, instalar, ampliar e operar empreendimentos ou atividades utilizadoras dos recursos
ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou aquelas que, sob qualquer forma, possam
causar degradação ambiental.

A exigência do EIA por meio de lei, prevista no artigo 225, paragrafo1º, inciso IV, da CR/88, é reserva absoluta ou
relativa?

É relativa! Explicação do resumo dos pontos do grupo:

Pode-se ter reserva legal absoluta e reserva legal relativa. Absoluta trata dos instrumentos do artigo 59.
Relativa admite resoluções. Se fosse admitida a primeira, o EIA não poderia ser regulamentado pela
Resolução 1. Por isso, a doutrina afirma que se trata de reserva relativa, recepcionando-se a Resolução do
CONAMA formal e materialmente, a fim de não afastar a regulamentação que já havia. Materialmente
porque o conteúdo converge e formal dentro da idéia de reserva relativa (não se pode adotar tese restritiva
quando se trata de direito ambiental). O STJ tem insistido que não há nenhum problema em o CONAMA
editar tais Resoluções.

Quais os condicionantes do EIA?

Prevenção dos danos ambientais, transparência administrativa, consulta aos interessados, motivação das
decisões ambientais.

Se o EIA informar que haverá impacto ambiental negativo, o que pode ser feito pelo empreendedor?
A Lei 9985, no seu artigo 36, afirma que a obra pode até ser realizada, mas neste caso o empreendedor vai
ter que pagar: compensação ambiental. O empreendedor tem que criar uma unidade de conservação ou
financiar unidade de proteção integral.

Pode-se dizer que a audiência publica e um mecanismo de convencimento da população?

A audiência pública tem por finalidade não só convencer a população, mas também ouvir as críticas, sugestões e
colher comentários.

Nesse sentido, artigo 1º da Resolução 9 do CONAMA:


Art. 1º - A Audiência Pública referida na RESOLUÇÃO/conama/N.º 001/86, tem por finalidade expor aos
interessados o conteúdo do produto em análise e do seu referido RIMA, dirimindo dúvidas e recolhendo dos
presentes as críticas e sugestões a respeito.

O EIA/RIMA vincula o órgão ambiental?


178
Duas correntes:

1) Fiorillo afirma que se o EIA for favorável vincula o órgão ambiental, sendo exigível a licença prévia;

2) A maioria entende que não vincula o órgão ambiental de nenhuma forma. Se o EIA vinculasse o órgão
ambiental não haveria porque apreciar o estudo. O órgão também possui os seus técnicos que irão avaliar se os
estudos estão corretos. O TRF4 afirma que o órgão ambiental tem uma discricionariedade sui generis,
verificando se o estudo está correto. É claro que o EIA acaba sendo limitador da discricionariedade do próprio
órgão ambiental. É que quando o EIA é favorável, para negar o órgão deve superar as argumentações do EIA.

HUMANÍSTICA

1- Quais as sanções disciplinares aplicadas ao magistrado?

R: A resolução 135 do Conselho Nacional de Justiça em seu art. 3 elenca as sanções disciplinares aplicáveis aos
magistrados, quais sejam I - advertência;II - censura; III- remoção compulsória;IV - disponibilidade;V -
aposentadoria compulsória;VI – demissão.
Quanto a pena de demissão, a posição do STF é pela impossibilidade dessa sanção, já que a CF/88 estabelece
que o magistrado vitaliciado só pode perder o cargo por sentença transitada em julgado ou, durante o prazo do
vitaliciamento (no 1º grau), por deliberação do Tribunal a que o juiz estiver vinculado, nos termos do art. 95,
inciso II da CF.

2- O órgão especial pode remover o juiz compulsoriamente?

Existe previsão expressa na LOMAN, art. 45 que oTribunal ou seu órgão especial poderá determinar, por motivo
de interesse público, em escrutínio secreto e pelo voto de dois terços de seus membros efetivos:
I - a remoção de Juiz de instância inferior;
II - a disponibilidade de membro do próprio Tribunal ou de Juiz de instância inferior, com vencimentos
proporcionais ao tempo de serviço. Ver tópico (39 documentos)
Parágrafo único - Na determinação de quorum de decisão aplicar-se-á o disposto no parágrafo único do art. 24.

3- Qual a diferença entre advertência e censura?

Nos termos do art. 4 da Resolução 135 do CNJ, “O magistrado negligente, no cumprimento dos deveres do
cargo, está sujeito à pena de advertência. Na reiteração e nos casos de procedimento incorreto, a pena será de
censura, caso a infração não justificar punição mais grave.
No caso, pode-se verificar que a sanção de censura será aplicada quando houver a reiterada negligência do
magistrado que já tenha, inclusive, sofrido a pena de advertência.

4- Juiz pode dar entrevista?

O tema é delicado e controverso. A entrevista pode ser dada pelo magistrado, pois não há diploma normativo
que o proíba. Entretanto, sendo um agente político que exerce jurisdição e representa o poder judiciário, o juiz
deve se abster de expor as questões por ele julgadas, sob pena de ferir a imparcialidade que lhe é intrínseca.

5- Quais as hipóteses em que o Tribunal pode convocar sessões administrativas e quais serão secretas? Quando que a
sessão administrativa passou a ser publica?

Com a promulgação da CF/88, o inciso X do art. 93 da CF afirmava que as sessões administrativas do poder
judiciário deveriam ser apenas motivadas.

179
Somente com a EC 45/04 as sessões passaram a ser publicas. O art. 93, X com a reforma da supracitada emenda,
diz que as decisões administrativas dos tribunais serão motivadas e em sessão publica, sendo as disciplinares
tomadas pelo voto da maioria absoluta de seus membros.

Hipóteses de responsabilidade do magistrado.

Três planos de responsabilização: administrativa, civil e criminal. Princípio da independência das instâncias:
todos os três planos são autônomos. A condenação ou absolvição em um não significa, necessariamente, a
condenação ou absolvição em outro.
Hipótese de imunização (civil, administrativa e criminal) por atos jurisdicionais:
Art. 41, LOMAN. Salvo os casos de impropriedade ou excesso de linguagem o magistrado não pode ser punido
ou prejudicado pelas opiniões que manifestar ou pelo teor das decisões que proferir.
Responsabilidade civil (arts. 49, LOMAN, e 133, CPC – redações idênticas). A responsabilidade é subjetiva e os
magistrados respondem apenas por dolo, e não por culpa.
Art. 49 - Responderá por perdas e danos o magistrado, quando:
I - no exercício de suas funções, proceder com dolo ou fraude;
II - recusar, omitir ou retardar, sem justo motivo, providência que deva ordenar o ofício, ou a requerimento
das partes.
Parágrafo único - Reputar-se-ão verificadas as hipóteses previstas no inciso II somente depois que a parte, por
intermédio do Escrivão, requerer ao magistrado que determine a providência, e este não lhe atender o pedido
dentro de dez dias.
Segundo entendimento do STF, caso a parte sofra dano decorrente de ato judicial na forma do art. 49, LOMAN,
deverá ajuizar ação indenizatória de responsabilidade objetiva contra o Estado apenas (art. 37, 6º, CF). Este,
uma vez condenado, poderá voltar-se contra o juiz (em ação autônoma de regresso, nunca através de
denunciação da lide na própria indenizatória do particular). O magistrado, ao contrário do Estado, responderá
subjetivamente por dolo (culpa, não). No entanto, há julgado recente do STJ (informativo 532) conferindo à
parte lesada a opção de ajuizar demanda contra o Estado apenas, o servidor público apenas, ou contra ambos.

No crime, os juízes têm foro por prerrogativa de função no respectivo Tribunal ou no TRE, no caso de crimes
eleitorais.

Administrativamente, respondem perante o respectivo Tribunal ou o CNJ. Interessante trecho da seguinte


notícia do site do STF:

“Na análise de um dos dispositivos mais polêmicos (artigo 12 da Resolução 135), os ministros decidiram, por
maioria de votos, que o CNJ pode iniciar investigação contra magistrados independentemente da atuação da
corregedoria do tribunal, sem necessidade de fundamentar a decisão.”
A Corregedoria do Tribunal não fiscaliza desembargadores. Eles se submetem ao Presidente do Tribunal ou ao
CNJ. Os juízes de primeiro grau são fiscalizados pelas Corregedorias locais e pelo CNJ.
A resolução 135 do CNJ regra o procedimento disciplinar.
Sujeitos à Resolução 135 CNJ: todos os magistrados do país (inclusive dos Tribunais Superiores), exceto os
ministros do STF, cujo regime disciplinar encontra-se previsto nos arts. 52, II, e 102, I, b, CF (julgamento pelo
Senado Federal nos crimes de responsabilidade e pelo próprio STF nos crimes comuns)
A tipicidade criminal é fechada, com preceitos primários (conduta típica) e secundários (sanção) expressos. A
administrativa é aberta, isto é, os preceitos primários e secundários são genéricos, deixando ao aplicador
maior margem de liberdade para decidir.
STF: o controle judicial da aplicação administrativa de sanções disciplinares somente pode ser feito no que
tange à legalidade, jamais quanto ao mérito.
O CNJ pode fazer o controle do mérito da decisão administrativas dos Tribunais.
Penas disciplinares aplicáveis aos magistrados, em ordem crescente de gravidade: advertência (não pode ser
aplicada a desembargadores), censura (também não pode ser aplicada a desembargadores), remoção
compulsória, disponibilidade (não pode ser aplicada a juiz não vitalício), aposentadoria compulsória (pena
máxima para juízes vitalícios; não pode ser aplicada a juiz não vitalício) e demissão (pena máxima para
magistrados ainda não vitalícios).

180
PONTO 9

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

PENAL/PROCESSO PENAL

CONSTITUCIONAL

PONTO 9 - Credor de precatório bate às portas do Tribunal e não há dinheiro. Entende o credor que está havendo
malbarateamento do pagamento de precatórios. Poderia o credor ir ao CNJ? Existe atribuição do CNJ para intervir?

Resposta: O credor não pode se socorrer no CNJ, uma vez que o CNJ não possui atribuição para intervir no
pagamento dos precatórios, apenas na órbita administrativa é legítima a atuação do CNJ, em casos, por
exemplo, de padronização administrativa na sistemática de pagamento ao precatório e burla na lista de
pagamento dos precatórios.

ELEITORAL

TRIBUTÁRIO

10) Obrigação tributária de sujeição passiva: em que hipótese os sócios de personalidade jurídica podem figurar no
polo passivo das obrigações fiscais?

R: Como contribuinte, o sócio não figura no polo passivo da execução fiscal. No entanto, o sócio poderá figurar
no polo passivo como responsável tributário nos casos previstos no artigo 135 do CTN: atos praticados com
excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos.
Ressalte-se que o STJ possui entendimento sumulado no sentido de que a dissolução irregular da sociedade
configura infração à lei, a ensejar a responsabilidade dos sócios (Súmula 435 do STJ).

- Quais as hipóteses que autorizam a inclusão de administrados na execução fiscal? (PONTO 9)

(estou presumindo que a pergunta se referia à inclusão de administradores na execução fiscal)


O redirecionamento da execução fiscal para os administradores da empresa é autorizada nas hipóteses previstas
no art. 135 do CTN, quais sejam, atos praticados com excesso de poderes ou infração da lei, contrato social ou
estatuto. Em síntese, a responsabilidade tributária imposta ao administrador só se caracteriza quando há
dissolução irregular da sociedade ou se comprova infração à lei praticada pelo dirigente.
Neste sentido, o seguinte julgado do STJ:
TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. REDIRECIONAMENTO PARA O SÓCIO-GERENTE.DISSOLUÇÃO IRREGULAR.
MATÉRIA OBJETO DE RECURSO REPETITIVO. 1. A responsabilidade pessoal do sócio funda-se na regra de que o
redirecionamento da execução fiscal e seus consectários legais, para o sócio-gerente da empresa, somente é
cabível quando reste demonstrado que este agiu com excesso de poderes, infração à lei ou contra o estatuto, ou
na hipótese de dissolução irregular da empresa. (Resp 1101728/SP, sujeito ao regime previsto no art. 543-C do
CPC, Rel. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA SEÇÃO, DJe 23/03/2009)

- Embargos à execução. Tem acompanhado a discussão sobre os efeitos? (PONTO 9)

(estou presumindo que é a discussão referente aos efeitos suspensivos)


Restou pacificado pelo STJ, por meio da sistemática do art. 543-C do CPC, que aplica-se o art. 739-A à execução
fiscal. Sendo assim, os embargos à execução não tem efeito suspensivo imediato. Neste sentido:
TRIBUTÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. EMBARGOS À EXECUÇÃO
FISCAL. APLICAÇÃO DO ART. 739-A, § 1º, DO CPC. RESP 1.272.827/PE, JULGADO SOB O RITO DO ART. 543-C, CPC.
AUSÊNCIA DOS REQUISITOS ENSEJADORES DO EFEITO SUSPENSIVO PRETENDIDO. REVISÃO.SÚMULA 7/STJ.

181
1. A jurisprudência do STJ, consolidada no julgamento do Recurso Especial 1.272.827/PE, submetido ao rito do
art. 543-C do CPC, firmou entendimento no sentido de que o art. 739-A do CPC aplica-se às execuções fiscais e a
atribuição de efeito suspensivo aos Embargos do Devedor está condicionada ao cumprimento de três requisitos:
apresentação de garantia da execução; verificação, pelo juiz, da relevância da fundamentação (fumus boni iuris)
e da ocorrência de grave dano de difícil ou incerta reparação que o prosseguimento da execução possa causar
ao executado (periculum in mora).
(AgRg no REsp 1351772/RS, Rel. Ministro BENEDITO GONÇALVES, PRIMEIRA TURMA, julgado em 14/10/2014,
DJe 22/10/2014)

- No que concerne a garantia dos embargos? O que acontece com essa garantia, na linha do STJ? Qual a conseqüência
do recebimento dos embargos com esses efeitos mitigados? (PONTO 9)

Os embargos, na execução fiscal, só podem ser apresentados após a garantia do juízo. Caso não haja
requerimento e deferimento de efeitos suspensivos, a execução fiscal prossegue seu curso (?)

- A sra entende que a matéria tributária pode ser discutida em sede de pré-executividade? (PONTO 9)

Sim. A exceção de pré-executividade é cabível quando atendidos simultaneamente dois requisitos: a) é


indispensável que a matéria invocada seja suscetível de conhecimento de oficio pelo juiz; e b) é indispensável
que a decisão possa ser tomada sem necessidade de dilação probatória. No direito tributário, por exemplo, ela
pode ser utilizada para alegar a prescrição do crédito tributário ou a decadência do direito de lançamento.

ADMINISTRATIVO

EMPRESARIAL

AMBIENTAL

HUMANÍSTICA

1- Quais as sanções disciplinares aplicadas ao magistrado?

R: A resolução 135 do Conselho Nacional de Justiça em seu art. 3 elenca as sanções disciplinares aplicáveis aos
magistrados, quais sejam I - advertência;II - censura; III- remoção compulsória;IV - disponibilidade;V -
aposentadoria compulsória;VI – demissão.
Quanto a pena de demissão, a posição do STF é pela impossibilidade dessa sanção, já que a CF/88 estabelece
que o magistrado vitaliciado só pode perder o cargo por sentença transitada em julgado ou, durante o prazo do
vitaliciamento (no 1º grau), por deliberação do Tribunal a que o juiz estiver vinculado, nos termos do art. 95,
inciso II da CF.

2- O órgão especial pode remover o juiz compulsoriamente?

Existe previsão expressa na LOMAN, art. 45 que oTribunal ou seu órgão especial poderá determinar, por motivo
de interesse público, em escrutínio secreto e pelo voto de dois terços de seus membros efetivos:
I - a remoção de Juiz de instância inferior;
II - a disponibilidade de membro do próprio Tribunal ou de Juiz de instância inferior, com vencimentos
proporcionais ao tempo de serviço. Ver tópico (39 documentos)
Parágrafo único - Na determinação de quorum de decisão aplicar-se-á o disposto no parágrafo único do art. 24.

3- Qual a diferença entre advertência e censura?

Nos termos do art. 4 da Resolução 135 do CNJ, “O magistrado negligente, no cumprimento dos deveres do
cargo, está sujeito à pena de advertência. Na reiteração e nos casos de procedimento incorreto, a pena será de
censura, caso a infração não justificar punição mais grave.

182
No caso, pode-se verificar que a sanção de censura será aplicada quando houver a reiterada negligência do
magistrado que já tenha, inclusive, sofrido a pena de advertência.

4- Juiz pode dar entrevista?

O tema é delicado e controverso. A entrevista pode ser dada pelo magistrado, pois não há diploma normativo
que o proíba. Entretanto, sendo um agente político que exerce jurisdição e representa o poder judiciário, o juiz
deve se abster de expor as questões por ele julgadas, sob pena de ferir a imparcialidade que lhe é intrínseca.

5- Quais as hipóteses em que o Tribunal pode convocar sessões administrativas e quais serão secretas? Quando que a
sessão administrativa passou a ser publica?

Com a promulgação da CF/88, o inciso X do art. 93 da CF afirmava que as sessões administrativas do poder
judiciário deveriam ser apenas motivadas.
Somente com a EC 45/04 as sessões passaram a ser publicas. O art. 93, X com a reforma da supracitada emenda,
diz que as decisões administrativas dos tribunais serão motivadas e em sessão publica, sendo as disciplinares
tomadas pelo voto da maioria absoluta de seus membros.

PONTO 10

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

PENAL/PROCESSO PENAL

CONSTITUCIONAL

ELEITORAL

1 - Legitimados ativos para ajuizar ação contra gastos ilícitos?

R: segundo o artigo 30-A da lei 9504/97 qualquer partido eleitoral ou coligação poderá representar à juistiça
eleitoral. No entanto, o parágrafo primeiro do referido artigo determina a aplicação do procedimento previsto
no artigo 22 da LC 64/90, sendo certo que os legitimados do artigo 22 são partido político, coligação, candidato
ou MP eleitoral.

2- Qual o procedimento de AIJE?

R: artigo 22, LC 64.

TRIBUTÁRIO

ADMINISTRATIVO

1- Há distinção quanto ao prazo em relação aos atos nulos e anuláveis para autotutela?

R: Divergente! Sim. Os atos nulos não possuem prazo, podendo ser reconhecidos a qualquer momento. No
entanto, os atos anuláveis, conforme o artigo 54 da lei 9784/99 decaem em 5 anos, salvo comprovada má fé.

EMPRESARIAL

AMBIENTAL

HUMANÍSTICA

1 - Quais as teorias da Filosofia do Direito?

183
R: Teoria da Justiça: importância dos valores, moral, ética
Gnosiologia: modos de conhecer o Direito
Ontologia jurídica: qual é o objeto do Direito

2 - O que é a teoria jusnaturalista?

R: representa a ideia que existe uma ordem sobreposta à ordem do Direito Positivo, esta ordem dá fundamento
e legitima o direito. É uma proposta dualista para a compreensão dos fenômenos jurídicos, que aponta para
uma fundamentação metajurídica para compreender o próprio direito. Uma questão terminológica essencial é
distinção entre Jusnaturalismo e Direito Natural. Eles não se confundem, o Jusnaturalismo é especificamente
uma dentre as diversas
Escolas do Direito Natural, ou melhor, o Jusnaturalismo é o chamado Direito Natural Contratualista. Entretanto,
é permitido falar que jusnaturalismo seria todo esse movimento desde a Grécia antiga até a idade moderna que
busca fundamentar e legitimar o direito a partir de uma ordem natural.

3 - Diferença entre Direito e moral

R: (Miguel Reale: quanto mais se procura distinguir direito e moral, mais se acham semelhanças. Direito mais
preocupado com exteriorização e moral mais por foro íntimo).

4 - Quais os elementos da norma jurídica?

R:

5 - Qual o conceito ulpiano de justiça?

R: A definição de Ulpiano a respeito do tema traz em seu bojo a idéia de Justiça como virtude humana e o valor
que lhe é peculiar: dar a cada um o que é seu. Tal definição é de natureza formal, pois não define o conteúdo do
“seu” de cada um, levando a conclusão de que o “seu” de cada pessoa sofre variação de acordo com a evolução
cultural e sistemas políticos. O esquema lógico de “dar a cada um o que é seu” comporta diferentes conteúdos,
não se limitando a divisão de riquezas, quer dizer, o “seu” é algo que é próprio de cada pessoa, a exemplo do
salário que equivale ao trabalho, a penalidade proporcional ao crime. Porém, não podemos esquecer que a idéia
de Justiça não é pertinente exclusivamente ao direito, mas diz respeito também aos demais instrumentos de
controle social, a exemplo do respeito moral, um elogio, um perdão. Portanto, a justiça é a síntese dos valores
éticos, tendo em vista que a prática da justiça pressupõe o respeito à vida, a liberdade e a igualdade de
oportunidade, ou seja, é a prática do bem nas relações sociais.

PONTO 11

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

PENAL/PROCESSO PENAL

11 – A prisão domiciliar e o recolhimento domiciliar possuem a mesma natureza jurídica?

R: A prisão domiciliar e o recolhimento domiciliar podem ter natureza de medida cautelar, respectivamente no
artigo 318 e 319, V, ambos do CPP.

12 – A interceptação telefônica tem prazo ou pode ser deferida ad eternum?

R: A interceptação telefônica possui o prazo previsto em lei de 15 dias, renovada por igual tempo em caso de
comprovada necessidade. Porém, a jurisprudência vem admitindo que sejam feitas várias prorrogações
enquanto houver necessidade.

13 – O juízo que decretou a cautelar está vinculado ao processo principal? Se afirmativo, tem alguma exceção?

184
R: nesse caso, há o artigo 83 do CPP, que afirma que a competência por prevenção se verificará toda vez que,
concorrendo dois ou mais juízes competentes ou com jurisdição cumulativa, um deles tiver antecedido aos
outros na prática de algum ato do processo ou de medida a este relativa, ainda que anterior ao oferecimento da
denúncia ou da queixa. Em razão desse artigo. Entendo que o juiz que decretou a cautelar está vinculado ao
processo principal. A exceção seria o juiz que estivesse de plantão.

14 – O que é escuta ambiental?

R: é uma espécie de gravação clandestina. Escuta é a captação de comunicação por terceiro, com o
conhecimento de um dos comunicadores e desconhecimento de outro.

155 – Se houver prova ilícita acostada aos autos e for a única forma de provar a inocência do réu, pode ser admitida?

R: Sim, a jurisprudência vem admitindo a utilização da prova ilícita para beneficiar o réu. Entre o princípio da
inadmissibilidade das provas ilícitas e o direito constitucional à liberdade e o princípio da presunção de
inocência, prevalecem os segundos.

16 – A interceptação telefônica de um determinado processo pode ser usada em outro (prova emprestada)?

R: sim, a jurisprudência vem admitindo a utilização da prova emprestada desde que tenham sido observados os
critérios da lei de interceptação, que haja o consentimento do juízo responsável pela guarda das provas, e,
também, que seja garantido o contraditório e a ampla defesa.

17 – Há alguma regra específica no CP que incida no CDC em relação ao concurso de agentes? E na lei de crimes
ambientais?

R: sim, o artigo 29 do CP, que afirma que quem de qualquer modo concorre para o crime incide nas penas a este
cominadas na medida de sua culpabilidade incide no CDC – artigo 75, e na lei de crimes ambientais – artigo 2º
da lei 9.605/98.

CONSTITUCIONAL

5 – Seria correto ou não afirmar que os direitos positivos (rectius: direito político) podem ser positivos ou negativos?

R: seria correto. Direitos políticos positivos são: direito de sufrágio, direito de se alistar e de ser eleito. Já os
direitos negativos são: as inelegibilidades e a perda dos direitos políticos.

6 – Os direitos políticos são contemplados na legislação e na doutrina?

R: diria que sim. Por exemplo, o artigo 15 da CRFB dispõe sobre a perda e a suspensão dos direitos políticos, mas
não diz quais são os casos de perda e suspensão. Nesse caso, a doutrina é que supre a lacuna afirmando quais
são os casos de perda e suspensão. Fonte: Excelentíssimo SR. DR. José Maurício.

7 – Pode haver perda de direitos políticos? E sua reaquisição?

R: sim, pode haver a perda de direitos políticos quando o indivíduo perde a sua nacionalidade, seja em ação de
cancelamento da naturalização, ou seja voluntariamente. Deixando de ser brasileiro, o indivíduo fica,
evidentemente, impedido de exercer direitos políticos no Brasil, de forma definitiva. Na hipótese de
cancelamento da naturalização por sentença transitada em julgado, a reaquisição só se dará através de ação
rescisória. Se a perda se der em virtude de aquisição de outra nacionalidade, o artigo 36 da lei 818/49 prevê a
possibilidade de reaquisição por decreto presidencial, se o ex-brasileiro estiver domiciliado no Brasil.

185
8 – O deslocamento de competência do §5º, artigo 109 da CR/88; que princípio básico deve ser comprovado para que
o STJ o defira? Qual o requisito deste princípio básico?

R: O deslocamento de competência – em que a existência de crime praticado com grave violação aos direitos
humanos é pressuposto de admissibilidade do pedido – deve atender ao princípio da proporcionalidade
(adequação, necessidade e proporcionalidade em sentido estrito), compreendido na demonstração concreta de
risco de descumprimento de obrigações decorrentes de tratados internacionais firmados pelo Brasil, resultante
da inércia, negligência, falta de vontade política ou de condições reais do Estado-membro, por suas instituições,
em proceder à devida persecução penal.

ELEITORAL

TRIBUTÁRIO

8) Crédito do ICMS sobre bens de usos e consumo – jurisprudência.

R: O Supremo Tribunal Federal tem entendimento consolidado no sentido de que operações de consumo de
energia elétrica, de utilização de serviços de comunicação ou de aquisição de bens destinados ao ativo fixo e de
materiais de uso e consumo não geram direito ao crédito, porque, neste caso, o adquirente é destinatário final,
tornando sem sentido a aplicação do princípio da não cumulatividade (ARE 725544 AgR. Rel. Min. Marco
Aurélio, Primeira Turma, j. 20/08/2013).

9) Farmácias de manipulação: incide ICMS, ISS, qual o tributo que deve prevalecer?

R: Essa é uma questão a ser resolvida pelo Supremo Tribunal Federal, que, no RE 605.552RG/RS, já reconheceu
sua repercussão geral (Tema 379), destacando que o assunto vem dando margem a inúmeros conflitos por
sobreposição de âmbitos de incidência. Em razão disso, há, inclusive, decisão do TJRJ suspendendo o julgamento
de recurso de apelação para aguardar o pronunciamento do STF (Apelação Cível n. 0112624-35.2010.8.19.0002,
Des. Nagib Slaibi, Sexta Câmara Cível, j. 27/08/2014). Conquanto seja difícil apontar o caminho que trilhará a
Corte Suprema, fato é que, até então, prevalecia nos tribunais a tese de que sobre o serviço de manipulação de
medicamentos incidiria apenas ISSQN, porquanto trata-se de operação mista que agrega necessária e
substancialmente a prestação de um serviço típico, previsto na lista anexa à LC 116/03 (REsp. 881.035/RS,
Primeira Turma, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJe de 26.3.2008 e AgRg no REsp 1158069/PE, Rel. Min.
Benedito Gonçalves, Primeira Turma, DJe 03/05/2010).

ADMINISTRATIVO

EMPRESARIAL

AMBIENTAL

5) Estatuto da Cidade. Aplicação na política urbana e sua contribuição para o desenvolvimento das funções sociais da
cidade.

R: O estatuto da cidade estabelece normas de ordem pública que regula o uso da propriedade urbana em favor
da sociedade. Referida lei tem por objetivo a aplicação do princípio da função social da propriedade, ou seja, a
propriedade não pode ser vista somente do ponto de vista do proprietário, mas sim de toda sociedade, devendo
o bem gerar benefícios para toda coletividade.
Por meio do estatuto é possível o desenvolvimento das funções sociais da cidade, posto que ele prevê diversos
mecanismos que objetivam um fim social, a exemplo do plano diretor, o parcelamento do solo, o IPTU
progressivo no tempo, a usucapião especial de imóvel urbano. Esses mecanismos visam dar uma função social à
propriedade, evitando-se o caráter meramente patrimonial que existia com a legislação anterior.

186
6) Plano diretor: conteúdo, obrigatoriedade e finalidade.

R: O Plano Diretor é o instrumento básico da política de desenvolvimento e expansão urbana, devendo ser
aprovado por lei municipal. O plano diretor deve conter a delimitação de áreas urbanas onde poderá ser
aplicado o parcelamento, edificação ou utilização compulsória, deve conter também as áreas onde será possível
a utilização do direito de preempção, a outorga onerosa do direito de construir, entre outros instrumentos
previstos na lei.
O plano diretor é obrigatório para cidades é obrigatório para cidades com mais de vinte mil habitantes, bem
como regiões metropolitanas e aglomerações urbanas, áreas de especial interesse turístico e também em áreas
incluídas no cadastro nacional de municípios como suscetível à ocorrência de deslizamentos de grande impacto
e inundações bruscas, dentre outros.
A finalidade do plano diretor é o cumprimento da função social da propriedade, permitindo a qualidade de vida,
a justiça social e o desenvolvimento da atividade econômica pela sociedade urbana.

HUMANÍSTICA

Dentro do conceito de Aristóteles, o que é a régua de lesbos?

RESPOSTA: É a capacidade de aplicação da Lei de acordo com o caso concreto, como forma de atenuar os seus
rigores e adequá-la à situação que se apresenta ao controle jurisdicional. É a maleabilidade do provimento. A
régua de lesbos tinha por característica sua adequabilidade à superfície que iria medir, sendo maleável. Em
Aristóteles, a alusão à régua de Lesbos tinha ligação com a Equidade, adequando a regra à situação fática, de
acordo com a ponderação sobre o caso concreto analisado. A correção da Lei se faz pela prudência do
Magistrado.

Distinga equidade e igualdade. Exemplifique:

RESPOSTA:
A palavra equidade deriva de “equivalente”. A equidade é regra de atenuação dos rigores da Lei, ou de
supletividade de lacunas da Lei, como forma de alcançar o julgamento mais justo possível ao caso concreto, de
acordo com certos Princípios imutáveis de justiça que levariam o Julgador a pontuar com moderação e
igualdade, ainda que em detrimento do direito objetivo. Sua aplicação no nosso ordenamento jurídico é
limitada, posto que não integra a regra geral de colmatação de lacunas prevista no artigo 3º da LINDB. Possui
previsão legal de aplicabilidade, por exemplo, no disposto no artigo 1.109, do CPC, pelo qual nos procedimentos
de jurisdição voluntária, o Juiz não precisa observar a legalidade estrita.
A igualdade, por sua vez, vem de “igual”. É Princípio de justiça, e regra de tratamento entre as pessoas,
buscando igualar cada um na medida em que se encontrem em situação de igualdade, e desigualá-los enquanto
se desigualam. É mandamento constitucional que se destina tanto ao legislador na elaboração da Lei, quanto ao
julgador no seu mister de aplicação da Lei.

HUMANÍSTICA: Des. Luiz Felipe da Silva Haddad - PONTO 13

- Qual a diferença entre analogia e interpretação analógica?

A interpretação analógica é uma operação intelectual consistente em revelar o conteúdo da lei, quando esta
utiliza expressões genéricas, vinculadas a especificações. Ou seja, na interpretação analógica, o significado que
se busca é extraído do próprio dispositivo, levando-se em conta as expressões genéricas e abertas utilizadas
pelo legislador. Não há criação de norma, mas, exclusivamente, a pesquisa de sua extensão. Assim, no homicídio
qualificado por motivo torpe, o legislador, depois de mencionar expressamente uma hipótese de torpeza (paga
ou promessa de recompensa), utiliza expressão genérica, com o que fica abrangido pela norma qualquer caso
estigmatizado pela torpeza.

187
A hipótese de interpretação acima exposta não se confunde com a ANALOGIA, que é regra de INTEGRAÇÃO, e
não de interpretação. Na analogia, o recurso é diferente: não existe uma norma a ser aplicada ao caso concreto.
Portanto, a integração da norma é realizada, visualizando-se o que o legislador estipulou para outro caso similar.
Aqui, há incidência da lei a uma hipótese por ela não prevista.

Analogia legis: criação de uma nova norma a partir de outra.


Analogia juris: criação de uma nova norma a partir de todo o ordenamento jurídico.

- Dê um exemplo de analogia.

O artigo 181, inciso I, do CP prevê que é isento de pena quem comete crimes patrimoniais em prejuízo do
cônjuge, na constância da sociedade conjugal. A doutrina entende que, aplicando-se a analogia, deve essa
isenção de pena ser aplicada também para companheiros.

- Os princípios gerais do direito são limitados aos nacionais ou também abrangem os estrangeiros? Eles são
universais?

Os princípios gerais do direito são universais, aplicando-se aos nacionais e aos estrangeiros. São comandos de
otimização, servindo para resolver diretamente casos concretos quando a lei for omissa ou até mesmo
quando esta não for omissa, de acordo com o neopositivismo, conforme o qual os princípios não são apenas
meio de integração, e, sim, normas jurídicas a serem aplicadas diretamente aos casos concretos,
independentemente de omissão legal.

Ademais, é de se destacar que os princípios gerais do direito se ligam ao próprio direito, e não às pessoas a
quem esses direitos se aplicam.

- artigo 5º, caput, CF: abarca os estrangeiros não residentes no país?

Pela literalidade do dispositivo, os direitos e garantias individuais são destinados apenas aos brasileiros (natos e
naturalizados) e aos estrangeiros residentes no País.

Contudo, de acordo com o entendimento majoritário, deve ser feita uma interpretação extensiva desse
dispositivo, de forma que alguns direitos básicos sejam assegurados a todos aqueles que se encontrem no
território nacional.

Se a dignidade da pessoa humana é intrínseca a todo ser humano, independentemente de qualquer condição, e
os direitos individuais são aqueles que a protegem mais diretamente, não se pode deixar de assegurá-los a um
indivíduo simplesmente em razão da sua nacionalidade e local de residência.

Há corrente minoritária no sentido de que o estrangeiros não residentes no País devem invocar os Tratados
Internacionais de Direitos Humanos.

- É livre a locomoção em território nacional?

De acordo com o art. 5º da CF/88, é livre a locomoção no território nacional, em tempo de paz. A locomoção
abrange o direito de ir, vir e permanecer.Trata-se de um direito fundamental de primeira dimensão.

188
Além das limitações inerentes a sua própria natureza, este direito pode encontrar restrições concernentes a sua
manifestação (como as penas privativas de liberdade, a quarentena, o estado de defesa) ou impostas por
regulamentações dos poderes públicos (como é o caso da utilização de vias e logradouros públicos). Vale dizer, a
liberdade de locomoção não impede que seja disciplinada a forma de circulação das pessoas em determinados
locais, nem que sejam estabelecidas restrições justificadas por outros valores constitucionalmente consagrados.

- É possível a analogia ou interpretação extensiva em direito tributário?

A analogia pode ser aplicada no Direito Tributário. De acordo com o CTN, na ausência de disposição expressa, a
autoridade competente para aplicar a legislação tributária utilizará sucessivamente, na ordem indicada: a
analogia, os princípios gerais do Direito Tributário, os princípios gerais de Direito Público e a equidade.
É de se destacar, entretanto, queo emprego da analogia não poderá resultar na exigência de tributo não
previsto em lei ou mesmo na criação de hipóteses de suspensão, de extinção ou de exclusão do crédito
tributário, em face do princípio da legalidade tributária.
É possível, também, a interpretação extensiva em Direito Tributário. Esta modalidade de interpretação é aquela
na qual o texto da lei tem sua compreensão estendida até o limite máximo de sua expressão. Isso ocorrerá
quando o intérprete perceber que a lei, na verdade, expressa menos do que foi intencionado.No Direito
Tributário, são reconhecidas até mesmo as isenções (artigo 111 do CTN), uma vez que seriam próximas da
própria interpretação literal.

- É cabível interpretação extensiva da lista de serviços do ISS?

STJ: "A lista de serviços tributáveis pelo ISS, a despeito de taxativa, admite a interpretação extensiva intra
muros, qual seja, no interior de cada um de seus itens, permitindo a incidência da mencionada exação sobre
serviços correlatos àqueles expressamente previstos na aludida lista de serviços".
Admite-se a interpretação extensiva dos itens da lista, mas isso não autoriza a tributação de serviços diversos
dos referidos, haja vista que "para fins de incidência do ISS, o serviço deverá ser idêntico ao expressamente
previsto" na lista (trecho do voto do Ministro Mauro Campbell).

Entendem-se como "serviços idênticos" ou "congêneres" aqueles que se incluem dentro dos limites semânticos
do termo utilizado pelo legislador ou, sob outro enfoque, aqueles que se enquadram como espécie do gênero
referido na lista anexa.

PONTO 12

DIREITO CIVIL /PROCESSO CIVIL/CONSUMIDOR ECA

Diferencie direitos reais e direitos obrigacionais.

Do site revisãododireito:

Os direitos reais são dados pela lei. Os direitos pessoais são infinitos, não é possível determinar o número
máximo de obrigações possíveis.
O direito real recai geralmente sobre um objeto corpóreo. Já o direito pessoal foca nas relações humanas, no
devedor. Logo o primeiro é um direito absoluto oponível contra todos (erga omnes); mas o segundo é
relativo, a prestação só pode ser exigida ao devedor.
No direito real o poder é exercido sobre o objeto de forma imediata e direta. Mas o direito pessoal advém de
uma cooperação: de um sujeito ativo, outro passivo e a prestação.
O direito real concede a fruição de bens. O direito pessoal concede o direito a uma prestação de uma pessoa.
O direito real tem caráter permanente. O direito pessoal tem caráter temporário (ao fim da prestação se
extingue a obrigação).

189
O direito real possui o direito de sequela: o titular pode exigir o exercício do seu poder a quem estiver com a
coisa. No direito pessoal isso não é admitido, além disso o credor - se recorrer à execução forçada - terá um
garantia geral do patrimônio do devedor

Quais são as principais características dos direitos reais?

Taxatividade, oponibilidade “erga omnes”, elasticidade, seqüela e aderência.

Discorra sobre as teorias relacionadas à posse. Qual foi a teoria adotada pelo Código Civil de 2002?

Existem duas principais teorias que norteiam a definição de posse. Temos a teoria subjetiva de Savigny e a
teoria objetiva do Ihering. À luz da teoria subjetiva a posse se compõe de dois elementos: corpus e animus
domini. Corpus para Savigny significa poder físico, ou seja, contato material.
Para o Ihering a posse pressupõe corpus e affectio tenendis. Cuidado porque a expressão corpus é comum, mas
o sentido é diferente. Corpus para a teoria objetiva significa poder de fato e não poder físico como para a teoria
subjetiva. Poder de fato quer dizer destinar o bem à sua função econômico-social. Affectio tenendi representa a
ideia de que possuidor é aquele que se utiliza do bem como se proprietário fosse

Desmentindo que há hierarquia entre posse e propriedade surge a chamada teoria sociológica da posse. O que
busca essa teoria é afirmar que não há hierarquia entre posse e propriedade. A posse e propriedade são
institutos diferentes, não havendo hierarquia entre eles.

O Código Civil de 2002 adotou a teoria objetiva da posse. mas o CC também traz manifestações da teoria
sociológica. Não há contradição nisso! A teoria sociológiuca não desmente por completo a teoria objetiva, a
teoria sociológica rfefuta a teoria objetiva apenas no que tange à hierarquia entre posse e propriedade.

O que é a detenção?

A detenção ocorre quando uma pessoa exerce o poder de fato sobre uma coisa sem alcançar o status de
possuidor. Há cinco hipóteses de detenção: art. 1198 CC ( fâmulo da posse - “Considera-se detentor aquele
que, achando-se em relação de dependência para com outro, conserva a posse em nome deste e em
cumprimento de ordens ou instruções suas”); art. 1208 CC/02 (atos de mera permissão ou tolerância); art. 1208
CC/02 (atos violentos ou clandestinos enquanto não cessada a violência/clandestinidade); bens cujo o mero
poder constitui ilicitude; bens públicos; poder físico do detentor enquanto o possuidor não tem notícia do
esbulho (art. 1224 CC/02).

AS PERGUNTAS ABAIXO SERÃO RESPONDIDAS CONJUNTAMENTE

Quais as classificações em relação à posse?

Diferencie posse direta e indireta.

Diferencie posse justa e injusta, além de posse de boa-fé e de má-fé, e as respectivas consequências destas distinções
de acordo com o Código Civil de 2002.

Quais os efeitos práticos da classificação que divide posse nova e posse velha.

Posse “ad interdicta” e “ad usucapionem” – definição do site jurisway:

190
Posse ad usucapionem: Posse na qual o possuidor poderá adquirir a propriedade da coisa por meio de
usucapião, ou seja, pelo decurso de tempo e mediante alguns requisitos, analisados caso a caso.

Posse ad interdicta: Para entender essa nomenclatura, primeiramente deve-se ter em mente que toda e
qualquer posse que enseja algum tipo de proteção, independente da sua qualidade. Isso significa que mesmo
que a posse seja injusta ou de má-fé em relação ao real possuidor, ela poderá ser defendida da ação de
terceiros por meio de ações judiciais denominadas possessórias. Assim a posse adinterdicta é aquela que enseja
proteção por meio dos interditos possessórios, ou seja, ações judiciais que visam proteger a posse

Simples ou De Mão Comum


É de pouca aplicação prática, mas podem perguntar. Na Simples cada um dos compossuidores pode praticar
atos possessórios independentemente dos demais. Na composse de mão comum cada compossuidor depende
dos demais para a prática de atos possessórios

Composse Posse Pro Indiviso ou Pro Diviso


Na pro indiviso há um estado de indivisão no exercício do poder de fato, ou seja, os compossuidores exercem
em conjunto a posse sobre todo o bem. Já na composse pro diviso haveria uma divisão de fato acordada entre
os compossuidores para viabilizar a utilização pacífica do bem.

POSSE NOVA E POSSE VELHA ->


Nova é até ano e dia e velha é mais de ano e dia. Art. 924 CPC é a aplicação prática. Posse nova tem rito
especial, já a posse velha tem rito ordinário. Até algum tempo atrás todo mundo dizia que seria cabível a
liminar do 928 na posse nova. Se for posse velha não teria a liminar do 928. A diferença mais sensível era o
cabimento da liminar. Só que o entendimento consolidado é que na posse velha cabe antecipação de tutela e
não a liminar do 928. Enunciado 238 CJF
238 – Art. 1.210: Ainda que a ação possessória seja intentada além de “ano e dia” da turbação ou esbulho, e,
em razão disso, tenha seu trâmite regido pelo procedimento ordinário (CPC, art. 924), nada impede que o juiz
conceda a tutela possessória liminarmente, mediante antecipação de tutela, desde que presentes os
requisitos autorizadores do art. 273, I ou II, bem como aqueles previstos no art. 461-A e §§, todos do CPC.

POSSE DIRETA E INDIRETA -> direta – necessariamente lícita e temporária. É possuidor direto aquele que exerce
o efetivo poder e fato. Possuidor direto tem o dever de restituir. Já o indireto é , em regra, o proprietário que
entrega a outrem a coisa em virtude, por exemplo, de um contrato de locação.

POSSE JUSTA E INJUSTA - Art. 1200 que diz que é justa a posse que não for violenta, clandestina ou precária. A
contrario sensu é injusta a posse violenta, clandestina ou precária.
O entendimento predominante é no sentido de que enquanto houver atos violentos ou clandestinidade não
há posse, mas mera detenção (art. 1208, segunda parte). Quando a gente fala em posse violenta a gente quer
dizer que o exercício do poder de fato não se encontra mais violento, a origem dela é violenta. Isso se aplica à
posse clandestina. Vimos vozes isoladas, mas isso aqui é o que predomina. A posse injusta ou clandestina
pressupõe que tenha cessado a violência ou clandestinidade.
Definições do Código Civil – POSSE DE BOA E MÁ FÉ.
Art. 1.201. É de boa-fé a posse, se o possuidor ignora o vício, ou o obstáculo que impede a aquisição da coisa.
Parágrafo único. O possuidor com justo título tem por si a presunção de boa-fé, salvo prova em contrário, ou
quando a lei expressamente não admite esta presunção.
Art. 1.202. A posse de boa-fé só perde este caráter no caso e desde o momento em que as circunstâncias façam
presumir que o possuidor não ignora que possui indevidamente.
Art. 1.203. Salvo prova em contrário, entende-se manter a posse o mesmo caráter com que foi adquirida.
EFEITOS
Art. 1.216. O possuidor de má-fé responde por todos os frutos colhidos e percebidos, bem como pelos que, por
culpa sua, deixou de perceber, desde o momento em que se constituiu de má-fé; tem direito às despesas da
produção e custeio.
Art. 1.217. O possuidor de boa-fé não responde pela perda ou deterioração da coisa, a que não der causa.
Art. 1.218. O possuidor de má-fé responde pela perda, ou deterioração da coisa, ainda que acidentais, salvo se
provar que de igual modo se teriam dado, estando ela na posse do reivindicante.

191
Art. 1.219. O possuidor de boa-fé tem direito à indenização das benfeitorias necessárias e úteis, bem como,
quanto às voluptuárias, se não lhe forem pagas, a levantá-las, quando o puder sem detrimento da coisa, e
poderá exercer o direito de retenção pelo valor das benfeitorias necessárias e úteis.
Art. 1.220. Ao possuidor de má-fé serão ressarcidas somente as benfeitorias necessárias; não lhe assiste o
direito de retenção pela importância destas, nem o de levantar as voluptuárias.
Da doutrina: A posse de má-fé envolve o vício subjetivo da posse. O art. 1201 trata da boa-fé subjetiva. É
possível que a posse seja injusta e de boa-fé. Ex.: Posse precária e o possuidor precário transfere a um
terceiro de boa-fé, que terá posse injusta e de boa-fé.

Quais os efeitos da posse?

Responsabilidade pela perda/deterioração, usucapião, benfeitorias, percepção de frutos/produtos.

Quando se dá a perda da posse?

Da letra da lei:
CAPÍTULO IV
Da Perda da Posse
Art. 1.223. Perde-se a posse quando cessa, embora contra a vontade do possuidor, o poder sobre o bem, ao
qual se refere o art. 1.196.
Art. 1.224. Só se considera perdida a posse para quem não presenciou o esbulho, quando, tendo notícia dele, se
abstém de retornar a coisa, ou, tentando recuperá-la, é violentamente repelido.

Perde-se também com o abandono.


O que é a função social da propriedade? – ponto 12
A função social da propriedade passou a constar no panorama constitucional brasileiro a partir da
Constituição de 1934.
Com o advento de leis definidoras da função social da propriedade – como o Estatuto da Cidade, lei especial a
consagrar um micro sistema chamado direito social, envolvendo de um lado o Direito público e do outro o
Direito privado, predominando aquele, mas com a preocupação de estabelecer entre eles relação harmônica
– encontra-se o Poder Público na situação de impor uma atuação positiva ao proprietário, sob pena de aplicar
as penalidades previstas.
O princípio da função social tem como objetivo conceder legitimidade jurídica à propriedade privada,
tornando-a associativa e construtiva. Resguarda-se com este os fundamentos e diretrizes fundamentais
expostos nos artigos 1º e 3º da Carta Magna, bem como os demais fundamentos e diretrizes constitucionais
relacionados com a matéria.
Portanto, afasta o exercício dominial absoluto ou ilimitado, fixando-se limites à propriedade para permitir o
interesse comum e o desenvolvimento social.

Qual a natureza jurídica do instituto previsto no art. 1228, §§ 4º e 5º, do Código Civil? Quais são as principais
diferenças entre a usucapião coletiva do Estatuto da Cidade e o instituto constante do art. 1228, §§ 4º e 5º? ponto 12

O artigo cuida de um novo instituto previsto nos parágrafos 4º e 5º do artigo 1228, do Código Civil. A figura
jurídica, doutrinariamente chamada de desapropriação judicial, permite que o Poder Judiciário intervenha na
propriedade, declarando a perda do bem em favor de considerável número de pessoas que ocupam uma
extensa área por mais de cinco anos, realizando obras e serviços de interesse social e econômico relevante.
Assim, o magistrado, na sentença que determinar a desapropriação, arbitrará justa indenização devida ao
proprietário.
Apesar de alguns doutrinadores considerarem a desapropriação judicial como uma “espécie” de usucapião
(EDUARDO CAMBI é um deles), o entendimento majoritário é que este é um novo instituto. A principal
característica que os tornam institutos diferentes é o fato de haver necessidade de indenização na
desapropriação judicial, fato este que não ocorre em nenhuma espécie de usucapião – o que inclui o usucapião
coletivo.

192
Outra diferença notória entre os dois instrumentos é o fator econômico: enquanto o usucapião coletivo só pode
ser requerido por pessoas de baixa renda que não possuam outro imóvel, o mesmo não é requisito no caso da
desapropriação judicial, o que levanta várias críticas sobre o “interesse social” no caso deste último. Neste
sentido segue Anderson Ricardo Fernandes Freire:
“Assim, em razão das falhas legislativas, a desapropriação judicial não consegue cumprir a finalidade de atender
o interesse social na proteção dos possuidores que, através do seu trabalho, tornam o imóvel produtivo, mas
devido a limitações econômicas, não podem obter o título de domínio. Ou seja, na prática, a desapropriação
judicial, de forma contraditória com a idéia de justiça social que orientou a sua criação, pode beneficiar apenas
aqueles que têm recursos financeiros suficientes para pagar por um imóvel.”

Diferencie aquisição originária e derivada da propriedade e dê exemplos. ponto 12

A aquisição da propriedade pode ser originária ou derivada; é originária quando a propriedade é adquirida sem
vínculo com o dono anterior, de modo que o proprietário sempre vai adquirir propriedade plena, sem nenhuma
restrição, sem nenhum ônus (ex: acessão, usucapião e ocupação); a aquisição é derivada quando decorre do
relacionamento entre pessoas (ex: contrato registrado para imóveis, contrato com tradição para móveis,
sucessão hereditária) e o novo dono vai adquirir nas mesmas condições do anterior (ex: se compra uma casa
com hipoteca, vai responder perante o Banco; se herda um apartamento com servidão de vista, vai se beneficiar
da vantagem).

Conceitue e diga a natureza jurídica da usucapião. ponto 12

Usucapião é um modo de aquisição da propriedade e ou de qualquer direito real que se dá pela posse
prolongada da coisa, de acordo com os requisitos legais, sendo também denominada de prescrição aquisitiva.
Trata-se de uma ação meramente declaratória. O objetivo é declarar a aquisição de um direito real por
usucapião. Não se adquire o bem com ação, posto que o bem já foi adquirido pelo usucapião.
É importante perceber que a ação de usucapião é uma ação para reconhecer que o Autor é um titular de
qualquer direito real (enfiteuse, usufruto, propriedade, etc).
Trata-se de uma ação real, que pode ser mobiliária ou imobiliária, conforme o bem usucapido.

É cabível a usucapião de bens públicos? ponto 12

A negativa da usucapião em bens públicos é protegida Constitucionalmente nos artigos 183 § 3º e 191 § único;
vejamos:
Art. 183.: Aquele que possuir como sua área urbana de até duzentos e cinqüenta metros quadrados, por cinco
anos, ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o
domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural.
§ 3º.: Os imóveis públicos não serão adquiridos por usucapião.
Art. 191 - Aquele que, não sendo proprietário de imóvel rural ou urbano, possua como seu, por cinco anos
ininterruptos, sem oposição, área de terra, em zona rural, não superior a cinqüenta hectares, tornando-a
produtiva por seu trabalho ou de sua família, tendo nela sua moradia, adquirir-lhe-á a propriedade.

Parágrafo único - Os imóveis públicos não serão adquiridos por usucapião.


Exatamente no § 3º e único respectivamente dos artigos 183 e 191 consta à proibição; não somente em lei
constitucional encontramos esta proibição, como podemos ver também no art. 102 do Código Civil:
Art. 102.: Os bens públicos não estão sujeitos a usucapião.
Vejamos também o que as jurisprudências dizem a respeito:
Informativo nº 0336 do STJ
Período: 15 a 19 de outubro de 2007
Ainda que se trate de usucapião, salientou o Min. Relator que, muito embora a empresa pública possua natureza
privada, gere bens públicos pertencentes ao DF e, como tais, não são passíveis de usucapião. Precedentes
citados: REsp 337.447-SP, DJ 19/12/2003; REsp 527.137-PR, DJ 31/5/2004, e REsp 695.928-DF, DJ
21/3/2005. AgRg no Ag 636.917-DF, Rel. Min. João Otávio de Noronha, julgado em 16/10/1007.

Informativo nº 0202
Período: 15 a 19 de março de 2004.
Quarta Turma
USUCAPIÃO. DOMÍNIO ÚTIL.
Não pode ser usucapido bem público, mas o imóvel era foreiro e o Tribunal a quo concedeu o usucapião do
193
domínio útil pertencente a particular, no que a Turma confirmou. Entretanto, reconheceu que a ação não deve
ser contra a União, por ser esta parte ilegítima ad causam como ré. Logo não poderá sofrer condenação pois o
imóvel já era foreiro, sendo contra ela a ação extinta. Ressaltou-se, ainda, que apesar do pedido exordial se
referir a titularidade do imóvel e não ao domínio útil, não houve julgamento extra petita, pois o domínio útil
sendo menos do que a propriedade plena está contido no pedido. REsp 507.798-RS, Rel. Min. Aldir Passarinho
Junior, julgado em 16/3/2004

Informativo nº 0090 do STJ


Período: 26 a 30 de março de 2001.
Quarta Turma
USUCAPIÃO. ILHA MARÍTIMA. O recorrido ajuizou, ainda sob a égide da CF/67, ação de usucapião referente o
imóvel situado em ilha marítima fora da faixa de marinha. O bem foi dado em forma de sesmaria, como restou
comprovado. Prosseguindo o julgamento, apesar de não conhecer do especial, a Turma entendeu que, por não
se incluir entre os bens públicos (arts. 20, IV, e 26, II, da CF/88), esse imóvel é passível de ser adquirido por
usucapião. Precedente citado do TFR: AC 74.821-SP, DJ 16/6/1988.REsp 153.444-SP, Rel. Min. Sálvio de
Figueiredo, julgado em 27/3/2001

Estas não deixam dúvidas referentes a usucapião de bens públicos; mostrando que onde o Poder
Público exerce seu poder e domínio esta possibilidade fica fora de cogitação. Esta posição é quase unânime em
todos os sentidos, abrindo uma exceção nos dizeres seguintes:
Embora os bens dominicais não se destinem ao público em geral, nem se prestem à consecução das atividades
administrativas, devem apresentar funçãopatrimonial, propiciando a obtenção de rendas pelo Estado. Neste
caso, sendo apto a gerar rendas ao Estado - sem aventar outras utilidades possíveis - estará o bem destinado a
cumprir uma função social.
Distinguem-se os bens formalmente públicos dos bens materialmente públicos, segundo os autores Nelson
Rosenvald e Cristiano Chaves:
“Os bens públicos poderiam ser divididos em materialmente e formalmente públicos. Estes seriam aqueles
registrados em nome da pessoa jurídica de Direito Público, porém excluídos de qualquer forma de ocupação, seja
para moradia ou exercício de atividade produtiva. Já os bens materialmente públicos seriam aqueles aptos a
preencher critérios de legitimidade e merecimento, postos dotados de alguma função social.”
De acordo com o exposto, é de se defender a possibilidade de usucapião sobre os bens públicos, como
instrumento hábil a fazê-los cumprir sua função social, uma vez que a intenção do legislador constituinte, ao
tratar da imprescritibilidade, referiu-se aos bens materialmente públicos.
Igualmente preocupados com uma correta interpretação do comando constitucional, os autores Cristiano
Chaves e Nelson Rosenvald acrescentam mais dois argumentos para a defesa da incidência da usucapião sobre
alguns bens públicos. Aduzem eles a necessidade de respeito ao princípio da funçãosocial da posse e da
proporcionalidade:
”A nosso viso, a absoluta impossibilidade de usucapião sobre bens públicos é equivocada, por ofensa ao princípio
constitucional da função social da posse, em última instância, ao próprio princípio da proporcionalidade.”
Ou seja: se formalmente público, seria possível a usucapião, satisfeitos os demais requisitos; sendo
materialmente público, haveria óbice à usucapião. Esta seria a forma mais adequada de tratar a matéria, se
lembrarmos que, enquanto o bem privado "tem" função social, o bem público "é" função social.
A distinção, neste caso, é, portanto, necessária, a fim de resguardar a harmonia da Constituição, a sua unidade e
força normativa e vinculante de seus preceitos. Afinal, há hipóteses em que a vedação absoluta da usucapião
justificará situações fáticas em que o princípio da função social seja aniquilado e, conseqüentemente, o
imperativo constitucional se revele letra morta, o que não se pode admitir.

A mera ausência de registro imobiliário é bastante para tipificar um imóvel como terra devoluta e, portanto, como
integrante do domínio público, sujeito à imprescritibilidade? ponto 12

Jurisprudência do Supremo Tribunal Federal firmou-se no sentido de que não existe em favor do Estado
presunção acerca da titularidade de bens destituídos de registro

Conforme entendimento recente da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, na ausência de registro do imóvel
em cartório não pode haver presunção em favor do Estado de que o bem se inclui no rol das terras devolutas,
sendo imprescindível ao ente público provar a propriedade.

194
A decisão exarada pelo Tribunal da Cidadania é proveniente de uma ação de usucapião extraordinária proposta
perante a Vara Única da Comarca de Taipu, estado do Rio Grande do Norte, na qual o autor sustenta que
adquiriu o imóvel de uma pessoa que, por sua vez, comprara de outra em 1977, e que a posse do imóvel
preenche os requisitos para a procedência da prescrição aquisitiva.

Foram solicitadas informações pelo magistrado de primeiro grau ao Cartório de Registro de Imóveis, o qual
respondeu afirmando não existir registro do terreno. Diante da referida informação, o estado do Rio Grande do
Norte requereu a rejeição do pleito inicial, sob o fundamento de que se tratava de terra devoluta, não passível
de sofrer os efeitos da prescrição aquisitiva.

Pois bem, antes de tecermos qualquer comentário a respeito do tema, é necessário fazer algumas
considerações sobre o que seriam terras públicas e terras devolutas.

Escorando nos ensinamentos de Pontes de Miranda (Tratado de Direito Privado, p.439), podemos conceituar
terras devolutas como sendo “as terras devolvidas ao Estado (União, Estado-membro, Distrito Federal, território
ou município), se não estão ainda ocupadas, ou se estão na posse de particulares”, ou ainda, “devoluta é a terra
que, devolvida ao Estado, esse não exerce sobre ela o direito de propriedade, ou pela destinação ao uso
comum, ou especial, ou pelo conferimento de poder de uso ou posse a alguém”.

Vale enfatizar que terras devolutas, para o Decreto-lei nº 9.760, como para a Lei nº 601, são terras públicas a
que não foi dada destinação de uso público (uso comum do povo, uso especial) ou particular, embora, por sua
história, sejam públicas por devolução. Ainda mencionando as lições de Pontes de Miranda, aduz o saudoso
doutrinador: “As terras que nunca foram da União, do Estado-membro, ou do município, nem dos particulares,
são terras sem dono, terras res nullius, terras adéspotas. Podem ser objeto de posse, no sentido privatístico, ou
em via de ser usucapidas. (...) Se alguém as possui ad interdicta ou ad usucapionem e o Estado afirma que são
terras devolutas no sentido do Decreto-lei nº 9.760, tem o Estado o ônus da prova. É o Estado quem afirma a
publicidade das terras, o que não se presume, porque seria presumir-se a titularidade”.

Voltando ao caso em debate, o magistrado primeiro julgou procedente o pedido, acatando a tese da prescrição
aquisitiva e demonstrando ser improcedente a tese do Estado de que a ausência de registro demonstra que
aquele bem é público por se tratar de terra devoluta. Inconformado com a decisão, o Estado manejou recurso
próprio ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, o qual manteve a decisão de primeira instância,
argumentando que a ausência de transcrição no ofício imobiliário não induz presunção de que o imóvel se inclui
no rol de terras devolutas, cabendo ao Estado a prova da propriedade.

Levando a análise da questão ao órgão de superposição, o Estado alegou ofensa ao artigo 333, inciso 1º, do
Código de Processo Civil – que trata especificamente do ônus da prova –, sob o fundamento de que cabe ao
autor provar que se trata de propriedade particular.

Todavia, o Superior Tribunal de Justiça manteve a decisão, esclarecendo que a tese mantida pelo Estado está
superada há muito tempo e que tanto a jurisprudência do próprio órgão quanto do Supremo Tribunal Federal
firmou-se no sentido de que não existe em favor do Estado presunção acerca da titularidade de bens destituídos
de registro.

Observou, ainda, que o Estado, como qualquer outra pessoa — física ou jurídica —, pode tomar posse das terras
que não pertencem a ninguém e sobre as quais ninguém tem poder, colacionando os seguintes julgados: REsp
964223 e REsp 674558.

Finalizou esclarecendo que o terreno localizado em faixa de fronteira, por si só, não é considerado de domínio
público, conforme decisão abaixo colacionada, senão vejamos:

Ementa: recurso especial. Usucapião. Faixa de fronteira. Possibilidade. Ausência de registro acerca da
propriedade do imóvel. Inexistên