Você está na página 1de 4

Aquaponia: interação entre alface hidropônica e criação superintensiva

de Tilápias.
Hercules Nogueira Filho1; Osmar Santos1; Elis Borcioni1; Sílvia Sinchak1; Roberta
Puntel1
1
UFSM - CCR - Departamento de Fitotecnia, 97015-900, Santa Maria- RS. e-mail: nogueira@infoway.com.br

RESUMO
Realizou-se um experimento na Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria –
RS) com o objetivo de avaliar o desenvolvimento da alface cultivada em sistema hidropônico
NFT, com a utilização da água residual da criação de Tilápias em sistema superintensivo
fechado. As plantas cultivadas somente com água residual apresentaram menor produção
de massa fresca e menor concentração de nutrientes no tecido, exceto para Ca, Mg, B e Fe,
enquanto que as cultivadas com água residual adicionada de 25% da solução Castellane &
Araújo (1995) apresentaram produção de massa fresca equivalente ao da solução padrão, o
que demonstra a viabilidade da integração entre o cultivo hidropônico e a criação de peixes
em sistema fechado, com complementação de alguns nutrientes.
Palavras-chave: Lactuca sativa, Hidroponia, Aquaponia.

ABSTRACT
Aquaponics: interaction between hidroponic lettuce and superintensive tilapia
growth.

An experiment intending to evaluate the development of lettuce grown in NFT


hydroponics system using residual water from the growth of tilapia in a superintensive closed
system, was carried out at Federal University of Santa Maria UFSM (Santa Maria- RS). The
plants cultivated only with residual water presented less fresh matter and less concentration
of nutrients in the tissue, except Ca, Mg, B and Fe. However the ones grown with residual
water added with 25% of Castellane & Araujo (1995) solution presented production of fresh
matter equivalent to the standard solution, which shows the viability of integration between
hydroponic cultivation and fish growth in closed system with the supplement of some
nutrients
Key words: Lactuca sativa, Hydroponics, Aquaponics

O cultivo de alface na técnica do fluxo laminar de nutrientes é uma prática bem


difundida e com ótima produtividade, bem como a criação de peixes em cativeiro, ou seja, a
aquicultura. Já o sistema aquapônico que integra a criação de peixes em ambiente artificial
com a hidroponia, visando o aproveitamento dos resíduos eliminados pelos peixes para a
nutrição das plantas e, com isto, a purificação da água, permitindo sua reutilização na
criação de peixes, é um sistema bastante complexo, pois busca a integração entre duas
biomassas totalmente antagônicas. A biomassa constituída pelos peixes, essencialmente
aquática, e a biomassa constituída pelas plantas. Estudos realizados por Rakocy et al.
(1993); Quilleré et al. (1995); Seawright et al. (1998) indicam a possibilidade desta
associação. No entanto, em estudos preliminares, Rakocy et al. (1993) indicaram a
ocorrência de algumas desordens nutricionais devido à deficiência de alguns nutrientes.
O presente trabalho teve como objetivo avaliar a produção de alface em cultivo
hidropônico com a utilização da água residual da criação de Tilápias.

MATERIAL E MÉTODOS
O experimento foi conduzido em casa de vegetação no Núcleo de Pesquisa em
Ecofissiologia e Hidroponia (NUPECH), do Departamento de Fitotecnia da Universidade
Federal de Santa Maria (UFSM), RS.
Para a produção de peixes, foram construídos dois reservatórios de 4 x 2 x 0,95m
com volume útil de 5 mil litros e um biofiltro composto de caixa de fibra de vidro e pedra
britada n0 1. Num reservatório foram colocados os alevinos de Tilápia, com peso médio de
10g, na razão de 100 alevinos para cada mil litros, onde permaneceram até atingirem o
peso médio de 500g. O outro reservatório serviu como tanque de decantação.
Para a produção hidropônica foram construídas bancadas com perfil hidropônico de
polipropileno com 5cm de profundidade e 6m de comprimento, com seis perfis por bancada
e 24 plantas por perfil, sendo instalados os sistema de irrigação compostos por reservatório
de 1000 litros e moto-bomba para cada bancada.
Foi utilizado o delineamento experimental blocos ao acaso com cinco soluções
nutritivas. As cinco soluções testadas foram as seguintes: (T1)Castellane & Araújo (1995) a
100%, utilizada como padrão; (T2)Água residual + Castellane & Araújo a 25%; (T3)Água
residual + Castellane & Araújo a 50%; (T4)Água residual + Castellane & Araújo a 75% e
(T5)Água residual apenas. Foi utilizada a cultivar Vera (tipo crespa).
As mudas foram produzidas em cubos de espuma fenólica (GREEN-UP). Aos 15 dias
após a emergência, as mudas foram transplantadas para as bancadas de produção. As
plantas foram colhidas 25 dias pós-transplante, momento em que foram avaliados a
produção de massa fresca (MF), massa seca (MS) e número de folhas (NF). Posteriormente
foi determinada a concentração de nutrientes na parte aérea.
RESULTADOS E DISCUSSÃO

O gráfico 1 apresenta os valores de massa fresca de parte aérea para os cinco


tratamentos, onde se observa que o tratamento T2 apresentou 219,2g/planta valor este
superior aos valores determinados por Vaz & Junqueira (1998), que cultivando alface em
NFT, obtiveram valores médios de 183,4g em plantas colhidas aos 25 dias pós-transplante.
Comparando-se ainda o valor de 219,2g do tratamento T2 com os valores de T1 (204,4g),
T3 (194,3g), T4 (210,7g) e T5(121,2g), verifica-se seu desempenho superior não só em
função da MF, mas também porque permitiu redução de 75% na quantidade de nutrientes
utilizada na solução padrão, o que representa menor custo de produção.

GRÁFICO 1 - Massa fresca (g/planta) da parte aérea de plantas de alface cultivadas em


Aquaponia, com cinco soluções nutritivas, 25 dias pós-transplante.
Universidade Federal de Santa Maria, primavera de 2002.

250

200

150

100

50

0
Trat 1 Trat 2 Trat 3 Trat 4 Trat 5
MF Total 204,443 219,233 194,27 210,669 121,182

A tabela 1 apresenta a concentração de nutrientes na massa seca de plantas de


alface produzidas em Aquapônia, onde comparando-se os valores do tratamento T1, solução
padrão Castellane & Araújo (1995) a 100%, com os valores do tratamento T5, observa-se
que os elementos potássio e nitrogênio, são os que aparecem com menores valores, o que
indica a deficiência destes elementos na água residual. Já Cortez et al. (2000) encontram
deficiência de potássio e magnésio.
TABELA 1 - Concentração de nutrientes na massa seca da parte aérea de alface,
produzida em Aquaponia. Universidade Federal de Santa Maria, primavera de
2002.

Elementos
Tratament N P K Ca Mg S B Cu Fe Mn Zn
os -1 -1
(g/kg ) (mg/ kg )
1 40.25 4.12 91.1 10.4 2.4 3.12 42.76 8.5 146 158 54.8
2 42.71 5.94 60.3 13.6 4.1 3.12 44.58 7.4 135 73.3 64.3
3 41.58 5.32 83.3 12.4 2.9 3.39 44.58 8.6 208 100 43.3
4 41.20 4.49 91.1 13.1 3.1 3.49 44.03 13.5 236 137 52.7
5 34.02 4.16 26.5 18.3 5.6 2.71 52.13 9.8 894 80 48.5
o
OBS: Resultados expressos no material seco a 75 C.

LITERATURA CITADA

CASTELLANE, P.D.; ARAÚJO, J.A.C. Cultivo sem solo – hidroponia. 3-a ed. Jaboticabal:
FUNEP, 1995.43p.
CORTEZ, G.P.; ARAÚJO, J.A.C. ; BELLINGIE RI, P. A. Cultivo de Alface em hidroponia
associada à criação de peixes. I. qualidade da água. Horticultura Brasileira, Brasília,v.18,
p.192-193, 2000, suplemento Julho.
QUILLERÉ, I.; ROUX, L.; MARIE, D.; ROUX, Y.; GOSSE, F.; MOROT-GAUDRY, J.F. An
artificial productive ecosystem based on a fish/bacteria/plant association. 2. Performance.
Agriculture. Ecosystems and Environment. v.53, p.19-30,1995.
RAKOCY, J.E.; LOSORDO, T.M.; MASSER, P. Recirculating Aquaculture Tank Production
Systems, SRAC publication N0 454 , 1993.
SEAWRIGHT, D.E.; STICKNEY, R.R.; WALKER, R.B. Nutrient dynamics in integrated
aquaculture-hydroponics systems. Aquaculture, v.160, p215-237, 1998.
VAZ, R.M.R.; JUNQUEIRA, A.M.R. Desempenho de três cultivares de alface sob cultivo
hidropônico. Horticultura Brasileira, Brasília, v.16, n.2, p.178-180, 1998.