Você está na página 1de 140

1 CPF: 021.541.

271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


SUMÁRIO
DIREITO ADMINISTRATIVO .................................................................................................................................................. 5
DIREITO CONSTITUCIONAL............................................................................................................................................... 27
DIREITO CIVIL ...................................................................................................................................................................... 37
DIREITO PROCESSUAL CIVIL............................................................................................................................................. 51
DIREITO EMPRESARIAL ...................................................................................................................................................... 58
DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL .................................................................. 66
DIREITO PENAL .................................................................................................................................................................... 74
DIREITO PROCESSUAL PENAL .......................................................................................................................................... 81
LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL ......................................................................................................................................... 90
CRIMINOLOGIA .................................................................................................................................................................. 120
DIREITO PREVIDENCIÁRIO .............................................................................................................................................. 128
DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANCEIRO ............................................................................................................................ 131

2 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


RAIO X DO EDITAL

AVISO IMPORTANTE

Este material está protegido por direitos autorais (Lei nº 9.610/98), sendo
vedada a reprodução, distribuição ou comercialização de qualquer
informação ou conteúdo dele obtido, em qualquer hipótese, sem a
autorização expressa de seus idealizadores. O compartilhamento, a título
gratuito ou oneroso, leva à responsabilização civil e criminal dos envolvidos.
Todos os direitos estão reservados.

Além da proteção legal, este arquivo possui um sistema GTH anti-temper


baseado em linhas de identificação criadas a partir do CPF do usuário,
gerando um código-fonte que funciona como a identidade digital oculta do
arquivo. O código-fonte tem mecanismo autônomo de segurança e proteção
contra descriptografia, independentemente da conversão do arquivo de PDF
para os formatos doc, odt, txt entre outros.

3 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


RAIO-X
DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL 2018
Prezadxs alunxs e futurxs Delegadxs de Polícia:
O presente Raio-X do Edital tem por objetivo montar um estudo estratégico e analítico dos pontos do
edital, dando ênfase às matérias mais recorrentes nos Concursos de Delegado de Polícia Federal - Primeira Fase,
filtrando aquilo que merece um estudo mais conciso e mais voltado para a leitura da letra da lei, bem como
aquilo que merece um maio enfoque de cunho doutrinário.
Diante disso, vamos colocar marcações em amarelo a fim de demonstrar quais são os assuntos que
demandam uma maior abordagem de cunho doutrinário, já que teremos a prova de 2ª fase no mesmo dia.
Lembrando de que a Banca CESPE gosta de pedir doutrina, jurisprudência e súmulas, além de algumas questões
com a literalidade da lei.
Por isso, fizemos um raio x bem cirúrgico, sinalizando a melhor estratégia para cada um dos pontos
constantes do edital.
Com base na análise das provas anteriores de Delegado Federal, bem como usando provas de Delegado
Civil Banca CESPE, criamos o Raio-X do Edital para que vocês saibam o que priorizar nesse momento.
O estudo para concurso público é formado por 3 pilares: Foco, Determinação e Estratégia. Os dois
primeiros, não tenho dúvidas de que vocês já possuem! Mas, tão importante quanto ter determinação e foco nos
estudos, é saber o que estudar com mais vigor e o que pode ser negligenciado sem tanto risco. Lógico que o
ideal é dominar tudo e tudo muito bem, mas, como seres humanos, limitados que somos, precisamos saber na
hora “H” o que pode ser sacrificado (leia-se menos explorado)!! Estratégia é a chave do sucesso!
O erro mais comum quando nos deparamos com um edital dessa magnitude é querer batê-lo de ponta a
ponta de maneira homogênea, dando a mesma importância a pontos de extremo relevo e a outros com menor
densidade de informações e indicação para cobrança na primeira fase. O resultado disso: um estudo corrido, sem
oportunidade para revisão, pouco consolidado e ineficiente.
Note que adicionamos comentários estratégicos abaixo dos pontos constantes do edital. Alguns, inclusive,
servem como uma revisão para a prova. Façam uma leitura atenta de cada uma delas, pois facilitará o
direcionamento dos estudos, além de mencionar alguma curiosidade sobre a matéria.
Pois bem. O Raio-X do Edital Delegado Federal é organizado por legendas, sendo elas:
As informações marcadas em amarelo são sugestões de estudos doutrinários e enfoques
complementares.
Em negrito e sublinhado os assuntos com maior probabilidade de serem abordados em provas de
primeira fase de Delegado Federal e Banca CESPE, que deverão merecer uma atenção especial, na forma
explorada no próprio cronograma.

4 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Com o acréscimo do grife azul ao negrito e sublinhado, as “famosinhas” Apostas ciclos, específicas para a
prova de Delegado Federal/2018, a partir de um estudo da banca e das provas anteriores.
Para alguns pontos espinhosos vamos colocar a marcação de rosa, cujo objetivo é fazê-los dar uma
analisada “em passant”, a fim de não irem à prova sem qualquer direcionamento a respeito.
Por fim, selecionamos em verde, aqueles pontos em que é necessário um menor aprofundamento
doutrinário, pois o domínio da letra da lei, junto com a leitura dos informativos e súmulas, tem mais probabilidade
de ser cobrado na primeira fase do certame.
Prontos para o DESAFIO? Então, vamos lá!!! #QUECOMECEMOSJOGOS

DIREITO ADMINISTRATIVO1
Prezados futuros Delegados Federais!
Faremos aqui uma breve síntese dos temas de Direito Administrativo trazidos pelo Edital, levando em
consideração as últimas provas da carreira, a maior incidência de questões, bem como a maneira de abordagem
dos temas.
Cola aí!

Direito Introdução ao
Administrativo ADMINISTRATIVO Direito
Disciplinar Administrativo
7% 5%
Administração
Responsabilidade
Pública
civil do Estado
8%
7%
Bens públicos
7%
Atos
administrativos
Poderes da
13%
Agentes públicos administração
15% pública
10%
Controle da Serviço público
administração 5%
pública Licitações Intervenção no
3% Contratos 17% domínio
administrativos econômico
2% 1%

Introdução ao Direito Administrativo


Administração pública
Atos administrativos

1
Por Ana Luiza Novelli Silveira

5 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Poderes da administração pública
Serviço público
Intervenção no domínio econômico
Licitações
Contratos administrativos
Controle da administração pública
Agentes públicos
Bens Públicos
Responsabilidade civil do Estado
Direito administrativo disciplinar
Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Introdução ao direito administrativo. 1.1 Os diferentes critérios adotados para a conceituação do direito
administrativo. 1.2 Objeto do direito administrativo. 1.3 Fontes do direito administrativo. 1.4 Regime jurídico-
administrativo: princípios do direito administrativo. 1.5 Princípios da administração pública.

Galera, “Princípios” é um ponto que sempre deve ser revisitado. Vale a pena a leitura da FUC acerca do
tema (ou até mesmo uma doutrina básica), bem como os informativos do assunto.
Dicas:
• NEPOTISMO/PRINCÍPIO DA MORALIDADE: A vedação ao nepotismo não alcança cargos providos por
concurso público – STF, ADI 524/ES, 2015.
• A Súmula Vinculante 13, que trata sobre o nepotismo, não se aplica aos cargos políticos – STF, Rext
579.951/RN, informativo n. 516.
• STF: Não há nepotismo na nomeação de servidor para ocupar o cargo de assessor de controle externo
do Tribunal de Contas mesmo que seu tio (parente em linha colateral de 3º grau) já exerça o cargo de assessor-
chefe de gabinete de determinado Conselheiro, especialmente pelo fato de que o cargo do referido tio não tem
qualquer poder legal de nomeação do sobrinho. A incompatibilidade da prática enunciada na SV 13 com o art.
37 da CF/88 não decorre diretamente da existência de relação de parentesco entre pessoa designada e agente
político ou servidor público, mas de presunção de que a escolha para ocupar cargo de direção, chefia ou
assessoramento tenha sido direcionado à pessoa com relação de parentesco com quem tenha potencial de
interferir no processo de seleção. STF. 2ª Turma. Rcl 18564/SP, rel. orig. Min. Gilmar Mendes, red. p/ o acórdão
Min. Dias Toffoli, julgado em 23/2/2016 (Info 815).
Dica do mestre:
• PEDRAS DE TOQUE DO DIREITO ADMINISTRATIVO (CELSO ANTÔNIO BANDEIRA DE MELO).
São os alicerces, a base da disciplina administrativa como um todo. O interesse público, que é o
somatório dos interesses individuais, considerando os indivíduos em sociedade, desde que esse represente a
vontade da maioria, é a chave para compreensão. O interesse público pode ser primário ou secundário:

6 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


▪ Primário: que é a vontade do povo (é o interesse público propriamente dito) ou;
▪ Secundário: que é definido pelos anseios do Estado considerado como pessoa jurídica.
Obs.: Havendo divergência, prevalece o interesse público primário.
De acordo com Celso Antônio, as pedras de toque são a supremacia do interesse público e a
indisponibilidade do interesse público.
Supremacia: busca satisfazer o interesse público propriamente dito, concedendo à Administração Pública
algumas prerrogativas. Não está expresso na CF.
Indisponibilidade: O interesse público não está à livre disposição do administrador, não há liberalidade. É
um contrapeso/limitação ao princípio da supremacia do interesse público.
Vamos conferir como o tema foi tratado em provas?
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 69. A respeito da administração pública, assinale a opção correta de acordo com a CF.
a) Desde a promulgação da CF, não houve, até o presente, inovação a respeito dos princípios constitucionais da
administração pública por meio de emenda constitucional.
b) A previsão constitucional de que a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia
em concurso público decorre exclusivamente do princípio da razoabilidade administrativa.
c) Em oposição ao que diz o texto constitucional, o STF já se posicionou contrário à cobrança de contribuição
previdenciária dos servidores públicos aposentados e pensionistas. D) Caso um deputado estadual nomeie sua
tia materna como assessora de seu gabinete, não haverá violação à súmula vinculante que trata do nepotismo,
pois esta veda a nomeação de colaterais de até o segundo grau.
e) Segundo o STF, candidato aprovado em concurso público dentro do número de vagas previsto no edital e
dentro do prazo de validade do certame terá direito subjetivo à nomeação. (CERTO).
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 55. Considerando os princípios e fundamentos teóricos do direito administrativo, assinale a opção
correta.
a) As empresas públicas e as sociedades de economia mista, se constituídas como pessoa jurídica de direito
privado, não integram a administração indireta.
b) Desconcentração é a distribuição de competências de uma pessoa física ou jurídica para outra, ao passo que
descentralização é a distribuição de competências dentro de uma mesma pessoa jurídica, em razão da sua
organização hierárquica.
c) Em decorrência do princípio da legalidade, é lícito que o poder público faça tudo o que não estiver
expressamente proibido pela lei.
d) A administração pública, em sentido estrito e subjetivo, compreende as pessoas jurídicas, os órgãos e os
agentes públicos que exerçam função administrativa. (CERTO).

7 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


e) No Brasil, por não existir o modelo da dualidade de jurisdição do sistema francês, o ingresso de ação judicial
no Poder Judiciário para questionar ato do poder público é condicionado ao prévio exaurimento da instância
administrativa.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 60. Tendo como referência a jurisprudência majoritária do STF acerca dos princípios expressos e
implícitos da administração pública e do regime jurídico-administrativo, assinale a opção correta.
a) Se houver repasse de verbas federais a município, a aplicação desses recursos pelo governo municipal não
será objeto de fiscalização do órgão controlador federal, dado o princípio da autonomia dos entes federados.
b) A alteração, por meio de portaria, das atribuições de cargo público não contraria direito líquido e certo do
servidor público investido no cargo, diante da inexistência de direito adquirido a regime jurídico. (CERTO).
c) A administração pública não pode, mediante ato próprio, desconsiderar a personalidade jurídica de empresa
fiscalizada por tribunal de contas; a esse caso não se aplica a doutrina dos poderes implícitos.
d) Segundo o STF, a vedação ao nepotismo decorre diretamente de princípios constitucionais explícitos, como
os princípios da impessoalidade, da moralidade administrativa e da igualdade, não se exigindo a edição de lei
formal para coibir a sua prática.
e) De acordo com o princípio da eficiência, a administração pode revogar seus próprios atos, quando eivados
de vícios que os tornem ilegais, porque deles não se originam direitos. Também pode anulá-los, por motivo de
conveniência ou oportunidade, hipótese na qual devem ser respeitados os direitos adquiridos.
#OLHONATABELA! #SELIGANANOVIDADE!
A Lei 13.529/2017 alterou a Lei 11.079/2004 (Lei das Parcerias Público-Privadas).
Antes Agora
Era vedada a celebração de contrato de parceria É vedada a celebração de contrato de parceria
público-privada se o valor do contrato fosse inferior a público-privada se o valor do contrato for inferior a 10
20 milhões de reais. milhões de reais.

2. Administração pública. 2.1. Conceito de administração pública sob os aspectos orgânico, formal e material.
2.2. Órgão público: conceito e classificação. 2.3. Servidor: cargo e funções. 2.4 Atribuições. 2.5. Competência
administrativa: conceito e critérios de distribuição. 2.6. Avocação e delegação de competência. 2.7. Ausência de
competência: agente de fato. 2.8. Administração direta e indireta. 2.9. Autarquias. 2.10. Fundações públicas. 2.11.
Empresas públicas e privadas. 2.12 Sociedades de economia mista. 2.13. Entidades paraestatais. 2.14. Dispositivos
pertinentes contidos na Constituição Federal de 1988.

Administração Pública: são as pessoas jurídicas, os órgãos e agentes públicos


SENTIDO SUBJETIVO,
que exercem atividades administrativas. Pode ser dividida em Administração
FORMAL OU ORGÂNICO:
Direta e Indireta.
SENTIDO OBJETIVO,
administração pública: é a própria função ou atividade.
MATERIAL OU FUNCIONAL:

Galera, vamos dar uma olhada nessas dicas para facilitar a vida:

8 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


• Serviços sociais autônomos não precisam realizar concurso público (Info 759 STF); seus recursos não são
considerados recursos públicos (STF, Plenário, ACO 1953); gozam de imunidade tributária (Info 720 STF); não
gozam de prerrogativas processuais inerentes à Fazenda Pública (STF, AI 841548).
• Súmula 516 STF: O Serviço Social da Indústria (SESI) está sujeito a jurisdição da justiça estadual.
Tema de grande incidência nas provas para Delegado da Policia Civil, contudo, de conhecimento nem tão
aprofundado.
Pessoal, o conhecimento do teor do artigo 37 da Constituição Federal e dos quadros esquemáticos das
FUC´s já será suficiente para levarmos mais esse ponto.
Olhem como já foi cobrado:
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 21. Com relação à organização administrativa, julgue os itens a seguir.
I - As autarquias são pessoas jurídicas com capacidade de autodeterminação, patrimônio e receitas
próprias, criadas por lei para o desempenho de atividades típicas do Estado, subme tidas ao controle
hierárquico pela administração pública direta. (ERRADO).
II - As sociedades de economia mista e empresas públicas são entidades de direito privado integrantes da
administração indireta, criadas por autorização legal, para o desempenho de atividades gerais de caráter
econômico ou, em certas situações, prestação de serviços públicos (CERTO).
III - Por meio da contratação de consórcios públicos, poderão ser constituídas associações públicas para a
realização de objetivos de interesse comum, adquirindo tais entidades personalidade jurídica de direito
público e passando a integrar a administração indireta de todos os entes federativos consorciados.
(CERTO).
IV - Por serem entes despersonalizados, os órgãos públicos não detêm capacidade processua l para a
defesa de suas prerrogativas e competências. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPC-AP. FCC. 2017.
Questão 29. Uma autarquia municipal criada para prestação de serviços de abastecimento de água:
a) deve obrigatoriamente ter sido instituída por lei e recebido a titularidade do serviço público em questão, o
que autoriza a celebração de contrato de concessão à iniciativa privada ou a contratação de consórcio público
para delegação da execução do referido serviço. (CERTO).
#JÁCAIU. DPC-MS. CESPE. 2017.
Questão 80. Leia o texto a seguir.
O direito administrativo constitui uma seção, qualificada por seu conteúdo, da ordem jurídica total, aquela
seção que se refere à administração, que regula a administração. Se introduzirmos nesta acepção
brevíssima do conceito de direito administrativo o conceito de administração, o que significa como função
de determinados órgãos, o direito administrativo se apresenta como aquela fração da ordem jurídica que
deve ser aplicada por órgãos administrativos, isto é, órgãos executivos com co mpetência para fixar
instruções ou dever de obedecê-las. Se transpusermos a definição do orgânico ao funcional, poder-se-á
definir o direito administrativo como conjunto de normas jurídicas que regulam aquela atividade executiva

9 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


condicionável pelas instruções, ou - aceitando, por certo, que toda a atividade executiva está composta de
funções jurídicas-, o conjunto de normas jurídicas que regulam aquelas funções jurídicas determináveis
mediante as instruções. MERKL. Adolf. Teoria general dei derecho administrativo. Granada: Cornares, 2004
apud ALMEIDA, Fernando Dias Menezes de. Conceito de direito administrativo. Tomo Direito Administrativo
e Constitucional. (PUC-SP), 1. ed., p. 13, 2017. Quanto à administração pública indireta, assinale a alternativa
correta.
b) As fundações públicas de direito público devem ser criadas por lei específica. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 14. Os ministérios e as secretarias de Estado são considerados, quanto à estrutura, órgãos públicos
compostos. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 15. A sociedade de economia mista é pessoa jurídica de direito privado que pode tanto executar
atividade econômica própria da iniciativa privada quanto prestar serviço público (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 75. Entidades paraestatais são pessoas jurídicas privadas que colaboram com o Estado no
desempenho de atividades não lucrativas, mas não integram a estrutura da administração pública.
(CERTO).

3. Atos administrativos. 3.1. Conceitos, requisitos, elementos, pressupostos e classificação. 3.2. Fato e ato
administrativo. 3.3. Atos administrativos em espécie. 3.4. Parecer: responsabilidade do emissor do parecer. 3.5. O
silêncio no direito administrativo. 3.6. Cassação. 3.7. Revogação e anulação. 3.8. Processo administrativo. 3.9. Lei
no 9.784/1999 e suas alterações. 3.10. Fatos da administração pública: atos da administração pública e fatos
administrativos. 3.11. Formação do ato administrativo: elementos, procedimento administrativo. 3.12. Validade,
eficácia e autoexecutoriedade do ato administrativo. 3.13. Atos administrativos simples, complexos e compostos.
3.14. Atos administrativos unilaterais, bilaterais e multilaterais. 3.15. Atos administrativos gerais e individuais. 3.16.
Atos administrativos vinculados e discricionários. 3.17. Mérito do ato administrativo, discricionariedade. 3.18. Ato
administrativo inexistente. 3.19. Teoria das nulidades no direito administrativo. 3.20 Atos administrativos nulos e
anuláveis. 3.21. Vícios do ato administrativo. 3.22. Teoria dos motivos determinantes. 3.23. Revogação, anulação
e convalidação do ato administrativo.

Tema queridinho pelos examinadores. Vale a pena gastar um tempinho rememorando (bate o olho na
FUC que não haverá arrependimento).
Reparem que a Lei nº 9.784/99 também é cobrada no item 13 do edital, razão pela qual verifiquem seu
conteúdo com muito zelo.
Nos últimos certames da carreira, o tema foi pedido de inúmeras formas:
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.

10 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Questão 31. Em março de 2017, o governo de determinado estado da Federação declarou nulo ato que, de
boa-fé, havia concedido vantagem pecuniária indevida aos ocupantes de determinado cargo a partir de
janeiro de 2011. Nessa situação hipotética:
d) a declaração de nulidade do ato é nula de pleno direito, pois ocorreu a decadência do direito. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 22. É possível a convalidação de atos administrativos quando apresentarem defeitos relativos aos
elementos: d) competência e forma. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 23. Pedro interpôs recurso administrativo visando reverter decisão administrativa que havia
determinado a interdição de estabelecimento comercial de sua propriedade, com aplicação de multa. Nessa
situação hipotética, com base nas disposições legais concernentes aos processos administrativos:
a) se do julgamento do recurso administrativo puder decorrer gravame à situação de Pedro, este deverá ser
cientificado para apresentar nova manifestação antes da decisão. (CERTO).
b) salvo disposição legal em sentido contrário, o recurso interposto por Pedro terá efeito devolutivo e
suspensivo.
c) interposto o recurso administrativo, o acesso de Pedro ao Poder Judiciário somente poderá ocorrer após o
julgamento definitivo na esfera administrativa.
d) o recolhimento do valor da multa aplicada é condição de admissibilidade do recurso administrativo.
e) julgado improcedente o recurso administrativo e mantidas as penalidades administrativas aplicadas, não
haverá necessidade de motivação da decisão da instância superior.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 71. Após o término de estágio probatório, a administração reprovou servidor público e editou ato de
exoneração, no qual declarou que esta se dera por inassiduidade. Posteriormente, o servidor demonstrou que
nunca havia faltado ao serviço ou se atrasado para nele chegar. Nessa situação hipotética, o ato administrativo
de exoneração é:
a) nulo por ausência de finalidade.
b) anulável por ausência de objeto.
c) anulável por ausência de forma.
d) anulável por ausência de motivação.
e) nulo por ausência de motivo. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 76. Com base no disposto na Lei n.º 9.784/1999, assinale a opção correta, considerando o
entendimento dos tribunais superiores e da doutrina sobre o processo administrativo.
a) Os processos de prestação de contas são exemplo de processos administrativos de outorga, cuja finalidade é
autorizar o exercício de determinado direito individual.

11 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


b) O Supremo Tribunal Federal entende que não é necessária a observância do devido processo legal para a
anulação de ato administrativo que tenha repercutido no campo dos interesses individuais.
c) Por ser a ampla defesa um princípio do processo administrativo, a administração não poderá definir a maneira
como se realizará seu exercício, definindo, por exemplo, o local de vista aos autos.
d) A competência processante de órgão da administração pode ser delegada, em parte, a outro órgão, ainda
que não subordinado hierarquicamente ao órgão delegante, desde que haja conveniência, razão e inexista
impedimento legal. (CERTO).
e) Conforme o Supremo Tribunal Federal, é obrigatória a representação por advogado para o exercício do
direito à recorribilidade de decisão proferida em processo administrativo.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 56. Acerca dos atos do poder público, assinale a opção correta.
a) A convalidação implica o refazimento de ato, de modo válido. Em se tratando de atos nulos, os efeitos da
convalidação serão retroativos; para atos anuláveis ou inexistentes tais efeitos não poderão retroagir.
b) A teoria dos motivos determinantes não se aplica aos atos vinculados, mesmo que o gestor tenha adotado
como fundamento um fato inexistente.
c) Atos complexos resultam da manifestação de um único órgão colegiado, em que a vontade de seus membros
é heterogênea. Nesse caso, não há identidade de conteúdo nem de fins.
d) Atos gerais de caráter normativo não são passíveis de revogação, eles podem ser somente anulados.
e) Atos compostos resultam da manifestação de dois ou mais órgãos, quando a vontade de um é instrumental
em relação à do outro. Nesse caso, praticam-se dois atos: um principal e outro acessório. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 17. Quando um ministério pratica ato administrativo de competência de outro, fica configurado
vício de incompetência em razão da matéria, que pode ser convalidado por meio da ratificação . (ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 19. De acordo com a Lei n.º 9.784/1999, que regula o processo administrativo no âmbito da
administração pública federal, um órgão administrativo e seu titular poderão, se não houver impedimento legal
e quando conveniente, em razão de circunstâncias de índole técnica, social, econômica, jurídica ou territorial,
delegar parte da sua competência a outros órgãos, ainda que estes não lhe sejam hierarquicamente
subordinados. (CERTO).

4. Poderes da Administração Pública. 4.1. Hierarquia: poder hierárquico e suas manifestações. 4.2. Poder
disciplinar. 4.3. Poder de polícia. 4.4. Polícia judiciária e polícia administrativa. 4.5. Liberdades públicas e poder de
polícia. 4.6. Principais setores de atuação da polícia administrativa.

Tem recorrente, mas nada que uma tabela com palavras-chave não auxilie com os conceitos:

12 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Poder Poder Poder Poder Poder
Poder de Polícia
Hierárquico Disciplinar Normativo Vinculado Discricionário
Quando é
Prerrogativa de inexistente (ou
restringir e mínimo) o grau
Prerrogativa de Prerrogativa da Prerrogativa de
condicionar o de liberdade de Prerrogativa
dar ordens, administração editar atos
exercício de atuação do para prática de
fiscalizar, pública de normativos
direitos para agente público. atos e sua
controlar e investigar e gerais para a fiel
atender ao Obs.: Parte da revogação.
aplicar sanções. punir. execução da lei.
interesse doutrina
público. defende ser um
dever.

Vamos ver como as questões abordaram o tema nas últimas provas? #OLHAADICA!
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 24. Com relação aos poderes administrativos, a prerrogativa da administração pública de editar
atos normativos para ordenar a atuação de órgãos subordinados decorre do ex ercício do poder: e)
hierárquico.
#JÁCAIU. DPC-MS. CESPE. 2017.
Questão 79. Quanto aos poderes da Administração Pública, assinale a alternativa correta:
a) O Poder Hierárquico é pressuposto do Poder Disciplinar. (CERTO).
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 34. A administração pública de determinado município brasileiro constatou o funcionamento irregular
de um estabelecimento que comercializava refeições. Nessa hipótese:
I - se houver tentativa do proprietário para impedir o fechamento do estabelecimento, a administração poderá
utilizar-se da força pública, independentemente de decisão liminar.
II - a administração, com a utilização de seus próprios meios, poderá impedir o funcionamento do
estabelecimento.
III - a administração estará impedida de utilizar o critério da discricionariedade para impedir o funcionamento do
estabelecimento.
IV - a administração deverá utilizar a polícia judiciária para executar o ato de impedir o funcionamento do
estabelecimento. Estão certos apenas os itens
a) I e II. (CERTO).
b) I e III.
c) III e IV.
d) I, II e IV.

13 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


e) II, III e IV.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 74. De acordo com a legislação e a doutrina pertinentes, o poder de polícia administrativa:
a) pode manifestar-se com a edição de atos normativos como decretos do chefe do Poder Executivo para a fiel
regulamentação de leis.
b) é poder de natureza vinculada, uma vez que o administrador não pode valorar a oportunidade e
conveniência de sua prática, estabelecer o motivo e escolher seu conteúdo.
c) pode ser exercido por órgão que também exerça o poder de polícia judiciária. (CERTO).
d) é de natureza preventiva, não se prestando o seu exercício, portanto, à esfera repressiva.
e) é poder administrativo que consiste na possibilidade de a administração aplicar punições a agentes públicos
que cometam infrações funcionais.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 77. A respeito dos poderes e deveres da administração, assinale a opção correta, considerando o
disposto na CF.
a) A lei não pode criar instrumentos de fiscalização das finanças públicas, pois tais instrumentos são
taxativamente listados na CF.
b) A eficiência, um dever administrativo, não guarda relação com a realização de supervisão ministerial dos atos
praticados por unidades da administração indireta.
c) O abuso de poder consiste em conduta ilegítima do agente público, caracterizada pela atuação fora dos
objetivos explícitos ou implícitos estabelecidos pela lei. (CERTO).
d) A capacidade de inovar a ordem jurídica e criar obrigações caracteriza o poder regulamentar da
administração.
e) As consequências da condenação pela prática de ato de improbidade administrativa incluem a perda dos
direitos políticos e a suspensão da função pública.

5. Serviços públicos. 5.1. Concessão, permissão, autorização e delegação. 5.2. Serviços delegados. 5.3.
Convênios e consórcios. 5.4. Conceito de serviço público. 5.5. Caracteres jurídicos. 5.6. Classificação e garantias.
5.7. Usuário do serviço público. 5.8. Extinção da concessão de serviço público e reversão dos bens. 5.9.
Permissão e autorização.

Muita atenção com o principio da continuidade do serviço público, as possibilidades de corte de serviços
essenciais e a forma de extinção dos contratos de concessão de serviços públicos. A leitura da Lei 8987/95 se faz
importante.
Algumas dicas salutares:
• A inviabilidade da exceptio non adimpleticontractus nos contratos de concessão de serviço público,
decorre do princípio da continuidade. Em regra, o serviço público deverá ser prestado de forma contínua, ou

14 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


seja, sem interrupções (princípio da continuidade do serviço público). Excepcionalmente, será possível a
interrupção do serviço público nas seguintes hipóteses previstas no art. 6º, §3º da Lei n.º 8.987/95: a) Em caso
de emergência (mesmo sem aviso prévio); b) Por razões de ordem técnica ou de segurança das instalações,
desde que o usuário seja previamente avisado; c) Por causa de inadimplemento do usuário, desde que ele seja
previamente avisado. A divulgação da suspensão no fornecimento de serviço de energia elétrica por meio de
emissoras de rádio, dias antes da interrupção, satisfaz a exigência de aviso prévio, prevista no art. 6º, § 3º, da Lei
nº 8.987/95 (Info 598 do STJ). #AJUDAMARCINHO!
• Corte de serviços públicos essenciais e débitos pretéritos. Não é legítimo o corte no fornecimento de
serviços públicos essenciais quando a inadimplência do consumidor decorrer de débitos pretéritos, o débito
originar-se de suposta fraude no medidor de consumo de energia apurada unilateralmente pela concessionária
e inexistir aviso prévio ao consumidor inadimplente (Info 508 STJ). #AJUDAMARCINHO!
Pessoal, não esqueçam de revisar as principais características da encampação e da caducidade!
#DEOLHONATABELA!

LEI 8987/95
Encampação Caducidade
Art. 37. Considera-se encampação a retomada do Art. 38. A inexecução total ou parcial do contrato
serviço pelo poder concedente durante o prazo da acarretará, a critério do poder concedente, a
concessão, por motivo de interesse público, mediante declaração de caducidade da concessão ou a
lei autorizativa específica e após prévio pagamento da aplicação das sanções contratuais, respeitadas as
indenização, na forma do artigo anterior. disposições deste artigo, do art. 27, e as normas
convencionadas entre as partes.

Como o tema já foi pedido? Uma olhadinha rápida:


#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 28. É causa de extinção dos contratos administrativos de concessão de serviços públicos por
caducidade:
c) o descumprimento, pela concessionária, das cláusulas contratuais ou disposições legais concernentes à
concessão. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 25. De acordo com o entendimento do STJ, atendida a necessária prévia notificação, o
inadimplemento do usuário permite que se efetue corte no fornecimento de serviço público essencial,
ainda que tal inadimplência se refira a dívida:
a) contraída por usuário pessoa jurídica de direito público que não preste serviços indispensáveis à população.
(CERTO).
#JÁCAIU. DPC-MS. CESPE. 2017.
Questão 73. À luz da legislação em vigor e da jurisprudência dos tribunais superiores, acerca do serviço
público e dos contratos administrativos, assinale a alternativa correta:

15 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


c) A divulgação da suspensão no fornecimento de serviço de energia elétrica por meio de emissoras de rádio,
dias antes da interrupção, satisfaz a exigência de aviso prévio. (CERTO).
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 60. Tendo como referência a legislação aplicável ao regime de concessão e permissão de serviços
públicos e às parcerias público-privadas, assinale a opção correta.
a) De acordo com a Lei n.º 8.987/1995, as permissões de serviço público feitas mediante licitação não podem ser
formalizadas por contrato de adesão.
b) Em relação à parceria público-privada, entende-se por concessão administrativa o contrato de prestação de
serviços de que a administração pública seja a usuária direta ou indireta, ainda que envolva execução de obra ou
fornecimento e instalação de bens. (CERTO).
c) As agências reguladoras não podem promover licitações que tenham por objeto a concessão de serviço
público do objeto por ela regulado.
d) É vedada a celebração de contrato de parceria público-privada cujo período de prestação do serviço seja
superior a cinco anos.
e) Por meio da concessão, o poder público delega a prestação de serviço público a concessionário que
demonstre capacidade para seu desempenho, sendo esse serviço realizado por conta e risco do poder
concedente.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 18. Em se tratando de permissão de serviço público, o serviço é executado em nome do Estado por
conta e risco do permissionário, e é atribuído exclusivamente à pessoa jurídica. (ERRADO).

6. Intervenção no domínio econômico: desapropriação.

Pessoal, a forma supressiva de intervenção da Administração na propriedade particular veio trazida


de maneira separada das restritivas (item 11 do edital), o que nos chama a atenção!
#JÁCAIU. DPC-MS. CESPE. 2017.
Questão 74. Acerca do instituto Desapropriação, uma das formas de aquisição de bens pelo Poder Público,
assinale a alternativa correta:
b) É possível a desistência da desapropriação pela Administração Pública, a qualquer tempo, mesmo após o
trânsito em julgado, desde que ainda não tenha havido o pagamento integral do preço e o imóvel possa ser
devolvido sem alteração substancial que impeça que seja utilizado como antes. (CERTO).

7. Licitações. 7.1. Conceito, finalidades, princípios e objeto. 7.2 Obrigatoriedade, dispensa, inexigibilidade e
vedação. 7.3. Modalidades. 7.4. Procedimento, revogação e anulação. 7.5 Sanções penais. 7.6. Normas gerais de
licitação. 7.7. Legislação pertinente: Lei no 8.666/1993 e suas alterações; Lei no 10.520/2002, bem como demais
disposições normativas relativas ao pregão; Instrução Normativa do STN no 1/1997 e suas alterações. 7.8.
Sistema de registro de preços.

16 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


A leitura das Leis 8.666/93, 10.520/02 e 12.462/11 é suficiente para a compreensão do tema.
Vejam algumas posições dos Tribunais Superiores:
• Competência para legislar sobre normas gerais acerca do tema é da União, sendo possível que os
Municípios legislem sobre o tema de forma complementar (Info 668 do STF);
• É inconstitucional lei estadual que exige nova certidão negativa não prevista na Lei 8.666/93 (Info 838 do
STF);
• A lei de licitações não exige, para a realização da licitação, que haja disponibilidade financeira, mas
apenas a previsão dos recursos. (Info 502 STJ).
• Empresa que tiver em seu quadro de pessoal servidor de órgão responsável pela licitação não poderá
participar do certame, mesmo que o servidor esteja licenciado (Info 602 do STJ) #2017.
Como o tem foi cobrado:
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 26. Considerando que, iniciado procedimento licitatório voltado à aquisição de determinados bens de
interesse do estado do Maranhão, não tenham aparecido interessados em participar do referido certame,
assinale a opção correta de acordo com a legislação pertinente.
a) A falta de interessados no procedimento licitatório é causa de inexigibilidade de licitação, o que possibilita a
contratação direta pela administração pública, inclusive com a alteração das condições básicas anteriormente
estabelecidas.
b) A falta de interessados no procedimento licitatório é causa de dispensa de licitação, quando tal
procedimento, justificadamente, não puder ser repetido sem prejuízo para a administração pública, devendo ser
mantidas as condições preestabelecidas. (CERTO).
c) A frustração do procedimento licitatório impõe a alteração das condições preestabelecidas no instrumento
convocatório, de modo a atrair interessados em nova licitação.
d) A despeito da falta de interessados no referido certame licitatório, novo processo licitatório deverá ser
realizado, sob pena de burla à obrigatoriedade de realização de licitação para as contratações públicas.
e) Mantido o interesse na contratação, a frustração do procedimento licitatório impõe a contratação direta pela
administração pública, não havendo de se falar em burla à obrigatoriedade de realização de licitação.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 27. Para contratar empresa de serviço de vigilância para os prédios das repartições públicas municipais,
determinado município do estado do Maranhão realizou licitação na modalidade pregão.
Nessa situação hipotética,
a) é facultada à administração pública a adoção dos critérios melhor técnica e preço ou menor preço, para fins
de julgamento e classificação das propostas dos licitantes.
b) a análise dos documentos para a habilitação do licitante vencedor se dará ao término da fase de julgamento
das propostas. (CERTO).
c) o pregão não poderia ser a modalidade licitatória escolhida por se destinar exclusivamente ao âmbito federal.

17 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


d) o pregão não poderia ser a modalidade licitatória escolhida se o valor estimado da contratação superasse
aqueles previstos para as modalidades tomada de preço e concorrência.
e) é exigível, como condição para participação no certame, a garantia de proposta pelos participantes e a
aquisição do edital pelos licitantes.
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 40. Configura hipótese de inexigibilidade de licitação a:
a) prestação de serviço de natureza singular para a divulgação de campanha educacional dirigida à população.
b) aquisição de serviço de informática prestado por empresa pública que tenha sido criada para esse fim
específico.
c) aquisição de gêneros perecíveis, enquanto durar o processo licitatório correspondente, desde que realizada
com base no preço do dia.
d) aquisição de armamento de determinada marca, desde que justificada a escolha por motivos de segurança
pública.
e) contratação, por intermédio de empresário exclusivo, de cantor consagrado pela crítica especializada.
(CERTO).
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 36. O delegado de polícia de determinado município solicitou o aditamento do valor, a ampliação do
objeto e a prorrogação de contrato administrativo regulado pela Lei de Licitações e Contratos que tem por
objeto a prestação de serviços educacionais a serem executados de forma contínua: curso de língua inglesa
ministrado aos policiais lotados na sua delegacia. Nessa situação hipotética,
a) a possibilidade de prorrogação do contrato administrativo dependerá de seu tempo de vigência. (CERTO).
b) se a vigência do contrato estiver encerrada, a sua prorrogação, nos termos requeridos pelo delegado de
polícia, será considerada um novo contrato.
c) se ficar comprovada a economicidade, a ampliação do objeto poderá incluir outras línguas estrangeiras.
d) ficará dispensada a análise de condições mais vantajosas do ponto de vista econômico, por já ter sido feita
essa análise na etapa da licitação.
e) se o aditamento do valor ultrapassar o limite legal, o contrato de prestação de serviços será considerado um
novo contrato.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 73. Determinado órgão público pretende dar publicidade a um instrumento convocatório com objetivo
de comprar armas de fogo do tipo pistola, de calibre 380, usualmente vendidas no mercado brasileiro. O valor
orçado da aquisição dos produtos é de R$ 700.000. Nessa situação, a compra poderá ser efetuada mediante
licitação na modalidade:
a) tomada de preço do tipo técnica e preço.
b) concorrência do tipo melhor técnica.

18 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


c) concorrência do tipo técnica e preço.
d) pregão do tipo menor preço. (CERTO).
e) tomada de preços do tipo menor preço.

8. Contratos administrativos. 8.1. Conceito, peculiaridades e interpretação. 8.2. Formalização. 8.3. Execução,
inexecução, revisão e rescisão. 8.4. Convênios e consórcios administrativos.

A leitura da Lei de Licitações (artigo 54 e seguintes) se faz necessária.


Dicas preciosas, pessoal:
• Os contratos de Correios Franqueadas em 27 de novembro de 2007 que não sejam precedidos de
licitação possuem eficácia até que novas avenças sejam firmadas, ainda que descumprido o prazo estabelecido
pelo art. 7º, parágrafo único, da Lei 11.668/2008 (Info 616 do STJ) #2017!
• O inadimplemento dos encargos trabalhistas dos empregados do contratado não transfere
automaticamente ao Poder Publico a responsabilidade pelo seu pagamento (Info 862 do STF). Contudo, cabe
salientar que, caso o reclamante comprove que houve falha do Poder Público na fiscalização do contratado,
poderá haver responsabilização. #2017.
Outra observação importante: o tema “consórcios e convênios administrativos” é trazido aqui, bem como
no tópico 5 do edital. Vale a pena dar uma olhadinha com carinho.
Como o tema foi cobrado:
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 36. O delegado de polícia de determinado município solicitou o aditamento do valor, a ampliação do
objeto e a prorrogação de contrato administrativo regulado pela Lei de Licitações e Contratos que tem por
objeto a prestação de serviços educacionais a serem executados de forma contínua: curso de língua inglesa
ministrado aos policiais lotados na sua delegacia.
Nessa situação hipotética:
a) a possibilidade de prorrogação do contrato administrativo dependerá de seu tempo de vigência. (CERTO).
b) se a vigência do contrato estiver encerrada, a sua prorrogação, nos termos requeridos pelo delegado de
polícia, será considerada um novo contrato.
c) se ficar comprovada a economicidade, a ampliação do objeto poderá incluir outras línguas estrangeiras.
d) ficará dispensada a análise de condições mais vantajosas do ponto de vista econômico, por já ter sido feita
essa análise na etapa da licitação.
e) se o aditamento do valor ultrapassar o limite legal, o contrato de prestação de serviços será considerado um
novo contrato.

9. Controle da administração pública. 9.1. Conceito, tipos e formas de controle. 9.2. Controle interno e externo.
9.3. Controle parlamentar. 9.4. Controle pelos tribunais de contas. 9.5. Controle administrativo. 9.6. Recurso de

19 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


administração. 9.7. Reclamação. 9.8. Lei no 8.429/1992 e suas alterações. 9.9. Sistemas de controle jurisdicional
da administração pública: contencioso administrativo e sistema da jurisdição una. 9.10. Controle jurisdicional da
administração pública no direito brasileiro. 9.11. Controle da atividade financeira do Estado: espécies e sistemas.
9.12. Tribunal de Contas da União (TCU) e suas atribuições; entendimentos com caráter normativo exarados pelo
TCU. 9.13. Sistema de correição do poder executivo federal: Decreto no 5.480/2005, Decreto no 8.910/2016,
Decreto no 7.128/2010, Portaria CGU no 335/2006. 9.14. Pedido de reconsideração e recurso hierárquico próprio
e impróprio. 9.15. Prescrição administrativa. 9.16. Representação e reclamação administrativas. 9.17. Advocacia
pública consultiva. 9.18. Hipóteses de manifestação obrigatória. 9.19. Responsabilidades do parecerista e do
administrador público pelas manifestações exaradas, quando age em acordo ou em desacordo com tais
manifestações.

Olha a chuva de repetições no edital:


• A Lei de Improbidade administrativa também é trazida junto ao tópico 10 do edital;
• No que tange à responsabilidade do parecerista, o assunto foi relatado como # APOSTACICLOS no
item 3.4 do edital;
Como o tema foi cobrado:
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 37. A fiscalização exercida pelo TCU na prestação de contas de convênio celebrado entre a União e
determinado município, com o objetivo de apoiar projeto de educação sexual voltada para o adolescente,
insere-se no âmbito do controle:
a) provocado.
b) meritório.
c) subordinado.
d) prévio.
e) vinculado. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 21. O controle prévio dos atos administrativos é de competência exclusiva da própria administração
pública, ao passo que o controle dos atos administrativos após sua entrada em vigor é exercido pelos Poderes
Legislativo e Judiciário. (ERRADO).

10. Agentes públicos e servidores públicos. 10.1. Agentes públicos (servidor público e funcionário público). 10.2.
Natureza jurídica da relação de emprego público. 10.3. Preceitos constitucionais. 10.4. Servidor efetivo e vitalício:
garantias. 10.5. Estágio probatório. 10.6. Servidor ocupante de cargo em comissão. 10.7. Direitos, deveres e
responsabilidades dos servidores públicos civis. 10.8. Lei no 8.112/1990 e suas alterações. 10.9. Lei no 4.878/1965
e suas alterações (Regime jurídico peculiar dos funcionários policiais civis da União e do Distrito Federal). 10.10.
Regime disciplinar e processo administrativo-disciplinar. 10.11. Improbidade administrativa. 10.12. Lei no
8.429/1992 e suas alterações. 10.13. Lei Complementar no 101/2000 e suas alterações (Lei de Responsabilidade

20 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Fiscal). 10.14. Formas de provimento e vacância dos cargos públicos. 10.15. Exigência constitucional de concurso
público para investidura em cargo ou emprego público.

Tema que se repete em outros tópicos do edital: Improbidade administrativa também é tratada no item
9.8 (#leiseca + jurisprudência);
Ademais, a cobrança dos demais assuntos aqui elencados costuma ser feita através do conhecimento da
lei seca e da jurisprudência.
Dica rápida:
• A competência para julgar greve de servidor público é da Justiça Comum (e não da Justiça do Trabalho).
A justiça comum, federal ou estadual, é competente para julgar a abusividade de greve de servidores públicos
celetistas da Administração pública direta, autarquias e fundações públicas (Info 871 do STF).
Para dar um norte, seguem as últimas cobranças em prova:
#JÁCAIU. DPC-MS. CESPE. 2017.
Questão 77. A Lei nº 8.429/1992, que dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de
enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração pública direta,
indireta ou fundacional, apregoa, mais especificamente, no artigo 2o, que: "Reputa-se agente público, para os
efeitos desta lei, todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição,
nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo,
emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo l 9". Destarte, quanto aos agentes públicos, assinale a
alternativa correta.
a) O servidor público efetivo adquirirá estabilidade após três apos de efetivo exercício, independentemente da
aprovação em avaliação de desempenho.
b) O candidato aprovado em concurso público para provimento de cargo efetivo, preterido na ordem de
nomeação, tem direito subjetivo à nomeação. (CERTO).
c) Os cargos públicos são acessíveis aos brasileiros e aos estrangeiros, na forma da lei complementar. d)
Delegados dê Polícia são agentes políticos.
e) As funções de confiança destinam-se apenas às atribuições de direção e chefia.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 30. É correto afirmar que a ação de ressarcimento ao erário decorrente da prática de ato de
improbidade administrativa:
a) prescreve em três anos, a contar do conhecimento do prejuízo causado ao erário.
b) prescreve no mesmo prazo que o previsto para o ajuizamento da respectiva ação civil de improbidade
administrativa.
c) prescreve em três anos, a contar do trânsito em julgado da ação civil de improbidade administrativa.
d) prescreve em cinco anos, a contar do trânsito em julgado da ação civil de improbidade administrativa.
e) é imprescritível. (CERTO).

21 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 33. De acordo com o entendimento do STJ, no curso da ação de improbidade administrativa, a
decretação da indisponibilidade de bens do réu dependerá da:
a) constatação da inexistência de meios de prestação de caução.
b) presença de fortes indícios da prática do ato imputado. (CERTO).
c) prova de dilapidação do patrimônio.
d) presença do periculum in mora concreto.
e) prova da impossibilidade de recuperação do patrimônio público.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 79. Em relação à improbidade administrativa, assinale a opção correta.
a) A ação de improbidade administrativa apresenta prazo de proposição decenal, qualquer que seja a tipicidade
do ilícito praticado pelo agente público.
b) Se servidor público estável for condenado em ação de improbidade administrativa por uso de maquinário da
administração em seu sítio particular, poderá ser-lhe aplicada pena de suspensão dos direitos políticos por
período de cinco a oito anos.
c) O particular que praticar ato que enseje desvio de verbas públicas, sozinho ou em conluio com agente
público, responderá, nos termos da Lei de Improbidade Administrativa, desde que tenha obtido alguma
vantagem pessoal.
d) Enriquecimento ilícito configura ato de improbidade administrativa se o autor auferir vantagem patrimonial
indevida em razão do cargo, mandato, função, emprego ou atividade, mesmo que de forma culposa.
e) Caso um servidor público federal estável, de forma deliberada, sem justificativa e reiterada, deixar de praticar
ato de ofício, poderá ser-lhe aplicada multa civil de até cem vezes o valor da sua remuneração, conforme a
gravidade do fato. (CERTO).
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 59. Assinale a opção correta a respeito de servidor público, agente público, empregado público e das
normas do regime estatutário e legislação correlata.
a) O processo administrativo disciplinar somente pode ser instaurado por autoridade detentora de poder de
polícia.
b) Nomeação, promoção e ascensão funcional são formas válidas de provimento de cargo público.
c) Empregado público é o agente estatal, integrante da administração indireta, que se submete ao regime
estatutário.
d) A vacância de cargo público pode decorrer da exoneração de ofício de servidor, quando não satisfeitas as
condições do estágio probatório. (CERTO).
e) Para os efeitos de configuração de ato de improbidade administrativa, não se considera agente público o
empregado de empresa incorporada ao patrimônio público municipal que não seja servidor público.

22 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
No que se refere à classificação do órgão público e à atuação do servidor, julgue o item seguinte.
Questão 13. O dispositivo constitucional que admite o afastamento do servidor do cargo, do emprego ou da
função para o exercício de mandato é aplicável ao servidor contratado para atender a necessidade temporária
de excepcional interesse público, já que exerce função pública. (ERRADO).

11. Bens públicos. 11.1. Classificação e caracteres jurídicos. 11.2. Natureza jurídica do domínio público. 11.3.
Domínio público terrestre: evolução do regime jurídico das terras públicas (urbanas e rurais) no Brasil. 11.4. Terras
devolutas. 11.5. Vias públicas, cemitérios públicos e portos. 11.6. Utilização dos bens públicos: autorização,
permissão e concessão de uso, ocupação, aforamento, concessão de domínio pleno. 11.7. Limitações
administrativas. 11.8. Zoneamento. 11.9. Polícia edilícia. 11.10. Zonas fortificadas e de fronteira. 11.11. Florestas. 11.12.
Tombamento. 11.13. Servidões administrativas. 11.14. Requisição da propriedade privada. 11.15. Ocupação
temporária.

Leitura dos artigos 98 a 103 do Código Civil se faz imprescindível.


Dica interessante:

Afetação Desafetação
Transformação do bem de dominical em uso comum Transformação do bem de uso comum/ especial em
ou especial bem dominical.
Não é desafetado pelo simples não uso. Tem que
Pode ser feita de qualquer maneira: lei, ato ou simples haver lei ou ato administrativo autorizado por lei.
uso. Obs. Pode ser também desafetado por um evento da
natureza. Ex. chuva que derruba a escola.

Como o tema foi cobrado:


#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 35. O prédio onde funciona a delegacia de polícia de determinado município é de propriedade
do respectivo estado da Federação. Nessa situação hipotética:
a) a desafetação do prédio resultará em sua reversão para bem de uso comum.
b) se for abandonado, o prédio poderá ser objeto de usucapião, desde que pro misero.
c) o prédio poderá ser adquirido por terceiros. (CERTO).
d) o prédio poderá ser objeto de hipoteca legal.
e) o prédio está na categoria de bem dominical.
#JÁCAIU. DPC-MS. CESPE. 2017.
Questão 78. O artigo 98, do Código Civil em vigor, dispõe que "são públicos os bens do domínio nacional
pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares, seja qual for
a pessoa a que pertencerem". No que se refere a bens públicos, assinale a alternativa correta .

23 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


a) Os bens dominicais são disponíveis. (CERTO).
b) Os bens de uso especial do povo encontram-se à disposição da coletividade, desnecessária a
autorização para seu uso.
c) Os bens públicos podem ser adquiridos por _ usucapião.
d) A permissão de uso de bem público é ato bilateral, discricionário e precário.
e) Os bens públicos podem ser hipotecados.
Nos últimos certames elaborados pela CESPE, foi cobrado o conceito de cada forma de intervenção
do Estado na propriedade, por meio de casos concretos. Vejamos:
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 31. A seguir são apresentadas ações realizadas pelo Estado.
I - Alocação provisória de determinadas máquinas e equipamentos utilizados em execução de obra pública
em propriedade privada desocupada.
II - Instalação de redes elétricas em determinada propriedade privada para fins de execução de serviço
público.
III - Determinação de ordem urbanística de proibição de construção além de determinada altura em região
do município.
As hipóteses apresentadas correspondem, respectivamente, às seguintes modalidades de intervenção d o
Estado na propriedade:
a) ocupação temporária, servidão administrativa e limitação administrativa. (CERTO).
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 39. Enquanto uma rodovia municipal era reformada, o município responsável utilizou, como meio
de apoio à execução das obras, parte de um terreno de particular. Nessa hipótese, houve o que se
denomina: d) ocupação temporária. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 72. Um policial andava pela rua quando presenciou um assalto. Ao ver o assaltante fugir, o policial
parou um carro, identificou-se ao motorista, entrou no carro e pediu que ele perseguisse o criminoso.
Nessa situação, conforme a CF e a doutrina pertinente, tem-se um exemplo típico da modalidade de
intervenção do Estado na propriedade privada denominada:
a) limitação administrativa, cabendo indenização ao proprietário, se houver dano ao bem deste.
b) requisição administrativa, cabendo indenização ao proprietário, se houver dano ao bem deste. (CERTO).
c) desapropriação, não cabendo indenização ao proprietário, independentemente de dano ao bem deste.
d) servidão administrativa, não cabendo indenização ao proprietário, independentemente de dano ao bem
deste.
e) ocupação temporária, não cabendo indenização ao proprietário, mesmo que haja dano ao bem deste.

24 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


12. Responsabilidade civil do Estado. 12.1. Responsabilidade patrimonial do Estado por atos da administração
pública: evolução histórica e fundamentos jurídicos. 12.2. Teorias subjetivas e objetivas da responsabilidade
patrimonial do Estado. 12.3. Responsabilidade patrimonial do Estado por atos da administração pública no
direito brasileiro.

Tema da moda em grande parte dos certames desse nosso Brasil! Muita atenção à jurisprudência do
tema.
• A vítima não poderá propor ação diretamente contra o servidor causador do dano – TEORIA DA DUPLA
GARANTIA (STF, 1ª Turma, RE 593525, Min. Barroso, 09/08/2016) – Observação importante: existe julgado do STJ
em sentido contrário, mas é posição minoritária (Info 532).
• Estado deve indenizar preso que se encontre em situação degradante (Info 854 do STF – 16/02/2017).
Não se desesperem, teremos Fica a Dica do assunto, recheada de informativos (#Marcinho), galera!
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 32. Com relação à responsabilidade civil do Estado, julgue os itens tribunais superiores.
I - Em razão do dever estatal de proteção à incolumidade física do preso, a responsabilização civil do Estado em
caso de morte no interior de estabelecimento prisional ocorrerá ainda que seja demonstrada a impossibilidade
do ente de agir para evitar a morte do detento.
II - De acordo com o princípio da reserva do possível, reiterado descumprimento do dever estatal de assegurar
a integridade física e moral do preso não impõe a responsabilização civil do Estado por danos gerados pela falta
ou insuficiência das condições legais de encarceramento.
III - A responsabilidade civil das pessoas jurídicas concessionárias de serviço público é objetiva em relação aos
danos causados aos terceiros usuários e não usuários do serviço público.
Assinale a opção correta.
a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas o item III está certo. (CERTO).
d) Apenas os itens I e II estão certos.
e) Apenas os itens II e III estão certos.
#JÁCAIU DELEGADO DO MATO GROSSO (2017):
Questão 38. Um delegado de polícia, ao tentar evitar ato de violência contra um idoso, disparou, contra o
ofensor, vários tiros com revólver de propriedade da polícia. Por erro de mira, o delegado causou a morte de
um transeunte. Nessa situação hipotética, a responsabilidade civil do Estado:
a) dependerá da prova de culpa in eligendo.
b) dependerá de o delegado estar, no momento da ocorrência, de serviço.
c) dependerá da prova de ter havido excesso por parte do delegado.

25 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


d) existirá se ficar provado o nexo de causalidade entre o dano e a ação. (CERTO).
e) será excluída se o idoso tiver dado causa ao crime.

13. Direito administrativo disciplinar. 13.1. Fontes; princípios; ilícito de direito administrativo disciplinar;
procedimentos disciplinares da administração pública. 13.2. Lei no 8.112/1990 e suas alterações: regime
disciplinar. 13.3. Lei no 9.784/1999 e suas alterações. 13.4. Decreto no 59.310/1966. 13.5. Lei no 9.266/1996 e suas
alterações. 13.6. Lei no 11.358/2006 e suas alterações.

Tema que exige o conhecimento dos Informativos e das recentes súmulas aprovadas! Atenção! Algumas
dicas para facilitar os estudos:
• É possível a instauração de processo administrativo com base em denúncia anônima (AgRg no REsp
1307503/RR STJ + Súmula 611 do STJ de maio/2018).
• Súmula 343 do STJ: É obrigatória a presença de advogado em todas as fases do processo administrativo
disciplinar. (Súmula 343, TERCEIRA SEÇÃO, julgado em 12/09/2007, DJ 21/09/2007 p. 334)
• Súmula 591 do STJ: É permitida a prova emprestada no processo administrativo disciplinar, desde que
devidamente autorizada pelo juízo competente e respeitados o contraditório e a ampla defesa. (Súmula 591,
PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 13/09/2017, DJe 18/09/2017).
• Súmula 592 do STJ: O excesso de prazo para a conclusão do processo administrativo disciplinar só causa
nulidade se houver demonstração de prejuízo à defesa. (Súmula 592, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 13/09/2017,
DJe 18/09/2017).
• Súmula 611 do STJ: Desde que devidamente motivada e com amparo em investigação ou sindicância, é
permitida a instauração de processo administrativo disciplinar com base em denúncia anônima, em face do
poder-dever de autotutela imposto à Administração. (Súmula 611, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 09/05/2018,
DJe 14/05/2018) #2018.
• Súmula 18 do STF: Pela falta residual, não compreendida na absolvição pelo juízo criminal, é admissível a
punição administrativa do servidor público.
Mais dicas que despencam nas provas:
• Súmula 373 STJ - É ilegítima a exigência de depósito prévio para admissibilidade de recurso
administrativo. (Súmula 373, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 11/03/2009, DJe 30/03/2009)
• Súmula 467 STJ - Prescreve em cinco anos, contados do término do processo administrativo, a pretensão
da Administração Pública de promover a execução da multa por infração ambiental. (Súmula 467, PRIMEIRA
SEÇÃO, julgado em 13/10/2010, DJe 25/10/2010)

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


Questão 78. No que se refere ao processo administrativo disciplinar (PAD), assinale a opção correta.
a) A CF recepcionou o instituto da verdade sabida, viabilizando a sua aplicação no PAD.

26 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


b) O Supremo Tribunal Federal entende ser ilegal a instauração de sindicância para apurar a ocorrência de
irregularidade no serviço público a partir de delação anônima.
c) Conforme o Supremo Tribunal Federal, militar, ainda que reformado, submete-se à hierarquia e à disciplina,
estando, consequentemente, sujeito à pena disciplinar.
d) Os princípios da ampla defesa e do contraditório no PAD não são absolutos, podendo haver indeferimento
de pedidos impertinentes ou protelatórios. (CERTO).
e) Uma sindicância preparatória só pode servir de subsídio para uma sindicância contraditória, mas não para um
PAD.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 29. Pela suposta prática de falta funcional, foi instaurado procedimento administrativo disciplinar contra
Luiz, servidor público estadual. Luiz respondeu, relativamente aos mesmos fatos, a ação penal ajuizada pelo MP
local. À luz da disciplina da responsabilização dos servidores públicos, é correto afirmar que, nessa situação
hipotética,
a) eventual sentença absolutória criminal fundamentada no fato de a conduta do servidor público não constituir
infração penal não impede a aplicação de penalidade em âmbito administrativo, com base na chamada falta
residual. (CERTO).
b) em razão da independência entre as instâncias administrativa e penal, eventual sentença absolutória criminal
não repercutirá na esfera administrativa.
c) eventual sentença absolutória criminal fundamentada na falta de provas implicará absolvição na esfera
administrativa.
d) em razão da possível influência da sentença criminal na instância administrativa, o procedimento
administrativo disciplinar deverá permanecer suspenso até o término da ação penal.
e) eventual sentença extintiva da punibilidade do crime, independentemente de seu fundamento, implicará no
arquivamento do procedimento administrativo disciplinar.

DIREITO CONSTITUCIONAL2
Prezados alunos e futuros Delegados Federais!
O presente Raio-X do Edital tem por objetivo montar um estudo estratégico e analítico dos pontos do
edital, dando ênfase às matérias mais recorrentes nos Concursos de Delegado de Polícia – Primeira Fase,
organizados pelo Cespe, filtrando aquilo que merece um estudo mais aprofundado em doutrina ou mais conciso
e voltado para a leitura da letra da lei.
A banca é nossa velha conhecida, tendo tradição em concursos da área policial, em especial na
organização dos concursos da Polícia Federal. Com base nas últimas provas aplicadas, vamos aos pontos certos e,
com certeza, iremos gabaritar Constitucional.

2
Por Tiago Pozza.

27 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Natureza, conceito
CONSTITUCIONAL e objeto
Atribuições 2%
constitucionais da Constituição
PF 6%
2% Ordem Poder constituinte
social 7%
Defesa do Estado e
8%
das instituições
6%
Controle de
Poder Judiciário constitucionalidad
8% e
13%

Poder Executivo Fundamentos


4% constitucionais
Poder
Legislativo 21%
Processo legislativo
8% 15%

Natureza, conceito e objeto


Constituição
Poder constituinte
Controle de constitucionalidade

Fundamentos constitucionais

Poder Legislativo
Processo legislativo
Poder Executivo
Poder Judiciário
Defesa do Estado e das instituições
Atribuições constitucionais da PF
Ordem social
Legenda:
Texto constitucional
Doutrina
Jurisprudência

1. Direito constitucional. 1.1. Natureza, conceito e objeto. 1.2. Perspectiva sociológica. 1.3. Perspectiva política. 1.4.
Perspectiva jurídica. 1.5 Fontes formais. 1.6. Concepção positiva.

28 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#DICA CICLOS: Ponto de maior destaque são as Fontes Formais da Constituição, que podem ser a própria
Constituição, as Emendas Constitucionais e os Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos. Este último
consiste em um tema em que deve ser dada maior atenção, em especial na condição em que ingressam em
nosso ordenamento, além dos requisitos exigidos.
OBS 1: A Concepção Positiva, incorporada pela doutrina mais avançada do constitucionalismo
contemporâneo, apresenta a Constituição como um sistema aberto de normas jurídicas, constituídas por regras e
princípios, com eficácia plena e com a capacidade de contribuir para transformação da realidade, buscando
condições de vida digna para todas as pessoas, respeitando não só o regramento formal por ela própria
instituído, em relação à sua própria mudança e à produção normativa do Direito, mas também resguardando um
conteúdo proveniente dos principais valores sociais aceitos em determinado momento histórico, delineando, no
mínimo, a forma de Estado, o sistema de governo, a organização do poder e os direitos fundamentais.

2. Constituição. 2.1. Sentidos sociológico, político e jurídico; conceito, objetos e elementos. 2.2. Classificações das
constituições. 2.2.1. Constituição material e constituição formal. 2.2.2. Constituição-garantia e constituição-
dirigente. 2.3 Normas constitucionais.

(1) Caiu em GO entendimento doutrinário sobre a classificação da constituição quanto à extensão,


estabilidade, à origem e ao modo de elaboração.
#DICACICLOS: Atenção especial quanto às classificações das constituições e aplicabilidade das normas
constitucionais, segundo a classificação de José Afonso da Silva.
OBS1: Quanto aos sentidos sociológicos, político e jurídico, embora o tema pareça ser complicado, uma
simples leitura de poucas páginas de doutrina é suficiente para entender o tema, sempre associando os
exponentes de cada visão, sendo Ferdinand Lassale, Carl Schmitt e Hans Kelsen os grandes nomes na sequência
do nosso edital.

3. Poder constituinte: fundamentos do poder constituinte; poder constituinte originário e derivado; reforma e
revisão constitucionais; limitação do poder de revisão; emendas à Constituição.

Pessoal, vamos ficar atentos!


(1) Caiu em GO entendimento doutrinário sobre o instituto da mutação constitucional.
(2) Caiu em GO o entendimento doutrinário sobre o conceito do poder de reforma e o poder decorrente.
#DICACICLOS: Tema eminentemente doutrinário, merecendo atenção especial na leitura da FUC sobre
poder constituinte originário, derivado e decorrente (focando na natureza dos poderes e em suas características),
assim como nas limitações do poder de revisão (lembrando que há limitações expressas e implícitas!). Não deixar
de estudar o instituto da mutação constitucional, tendo em vista as recentes decisões do STF sobre o tema.

4. Controle de constitucionalidade. 4.1. Conceito e sistemas de controle de constitucionalidade. 4.2.


Inconstitucionalidade: por ação e por omissão. 4.3. Sistema brasileiro de controle de constitucionalidade.

29 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


É provável que tenham questões sobre controle de constitucionalidade em nossa prova, pois o assunto
está em alta devido à recente mudança de posicionamento do STF (Novembro de 2017) sobre a adoção da teoria
da transcendência dos motivos determinantes e abstrativização do controle difuso (foi nessa decisão que houve
mutação constitucional do art. 52, X, da CF/88). Assim, a leitura do Informativo 866 STF é obrigatória, além da
leitura da lei seca, jurisprudência e doutrina sobre o tema.
#COLANARETINA! #AJUDAMARCINHO!
Se uma lei ou ato normativo é declarado inconstitucional pelo STF, incidentalmente, ou seja, em sede de
controle difuso, essa decisão, assim como acontece no controle abstrato, também produz eficácia erga omnes e
efeitos vinculantes. O STF passou a acolher a teoria da abstrativização do controle difuso. Assim, se o Plenário
do STF decidir a constitucionalidade ou inconstitucionalidade de uma lei ou ato normativo, ainda que em
controle difuso, essa decisão terá os mesmos efeitos do controle concentrado, ou seja, eficácia erga omnes e
vinculante. Houve mutação constitucional do art. 52, X, da CF/88. A nova interpretação deve ser a seguinte:
quando o STF declara uma lei inconstitucional, mesmo em sede de controle difuso, a decisão já tem efeito
vinculante e erga omnes e o STF apenas comunica ao Senado com o objetivo de que a referida Casa Legislativa
dê publicidade daquilo que foi decidido. STF. Plenário. ADI 3406/RJ e ADI 3470/RJ, Rel. Min. Rosa Weber,
julgados em 29/11/2017 (Info 886).
Pessoal, vamos ficar atentos às seguintes considerações:
(1) caiu no MT entendimento jurisprudencial sobre a legitimidade do controle repressivo de
constitucionalidade durante o processo legislativo.
(2) caiu em GO entendimento doutrinário sobre o sistema de controle adotado no Brasil.
(3) caiu em GO entendimento jurisprudencial sobre o cabimento da ADPF ter como objeto atos de efeitos
concretos como decisões judiciais.
#DICACICLOS: Focar no controle por ação e omissão. Leiam a FUC para compreender bem a diferença
entre controle difuso X concentrado e abstrato X concreto. Pessoal, leiam a letra da lei no que tange aos
legitimados para a propositura das ações. Ainda, leiam a FUC e jurisprudências no que tange à participação do
amicus curiae, assim como os requisitos e efeitos da concessão da liminar e da decisão definitiva. Por fim,
identificar a diferença entre os institutos da declaração parcial de inconstitucionalidade sem redução de texto e do
instituto da interpretação conforme a constituição.
OBS1: Atenção para a jurisprudência: o que acontece se a lei impugnada por meio de ADI é alterada antes do
julgamento da ação? Neste caso, o autor da ADI deverá aditar a petição inicial demonstrando que a nova
redação do dispositivo impugnado apresenta o mesmo vício de inconstitucionalidade que existia na redação
original. A revogação, ou substancial alteração, do complexo normativo impõe ao autor o ônus de apresentar
eventual pedido de aditamento, caso considere subsistir a inconstitucionalidade na norma que promoveu a
alteração ou revogação. Se o autor não fizer isso, o STF não irá conhecer da ADI, julgando prejudicado o pedido
em razão da perda superveniente do objeto.
OBS2: #AJUDAMARCINHO! É possível que seja celebrado um acordo no bojo de uma arguição de
descumprimento de preceito fundamental (ADPF)? SIM. É possível a celebração de acordo num processo de
índole objetiva, como a ADPF, desde que fique demonstrado que há no feito um conflito intersubjetivo
subjacente (implícito), que comporta solução por meio de autocomposição. Vale ressaltar que, na homologação

30 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


deste acordo, o STF não irá chancelar ou legitimar nenhuma das teses jurídicas defendidas pelas partes no
processo. O STF irá apenas homologar as disposições patrimoniais que forem combinadas e que estiverem
dentro do âmbito da disponibilidade das partes. A homologação estará apenas resolvendo um incidente
processual, com vistas a conferir maior efetividade à prestação jurisdicional. (Info 892). #2018!

5. Fundamentos constitucionais dos direitos e deveres fundamentais. 5.1. Direitos e deveres individuais e
coletivos. 5.2. Direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. 5.3. Direitos sociais,
nacionalidade, cidadania e direitos políticos. 5.4. Partidos políticos. 5.5. Garantias constitucionais individuais. 5.6.
Garantias dos direitos coletivos, sociais e políticos. 5.7. Remédios do direito constitucional.

Pessoal, fiquem atentos às seguintes dicas:


(1) caiu no MT o entendimento doutrinário sobre a nacionalidade decorrente do critério ius sollium.
(2) caiu em GO o entendimento doutrinário sobre os elementos que caracterizam a “casa” para fins de
inviolabilidade domiciliar.
(3) caiu em GO o entendimento doutrinário sobre a função social da propriedade.
(4) caiu no MT o entendimento jurisprudencial quanto às hipóteses de cabimento de HC.
(5) caiu em MT o entendimento jurisprudencial sobre a legitimidade de parlamentar federal impetrar
mandado de segurança na defesa do seu direito líquido e certo ao processo legislativo hígido.
(6) caiu em GO o entendimento doutrinário sobre a aplicação de conceitos e pressupostos do mandando
de segurança individual ao mandado de segurança coletivo.
(7) caiu em GO o entendimento jurisprudencial sobre a inadmissibilidade da alegação, em habeas corpus,
do princípio da insignificância em caso de lesão corporal cometida em âmbito de violência doméstica contra a
mulher.
#DICACICLOS: Assunto muito recorrente nas últimas provas! Temos muitas questões sobre remédios
constitucionais. Na parte doutrinária e legal, devemos ficar atentos aos legitimados, requisitos, à possibilidade de
concessão de liminar e ao objetivo das ações constitucionais de HC, HD, MS, MI e Ação Popular. Vamos ficar
ligados na atualização jurisprudencial relativa a esse tema.
OBS1: Atualização jurisprudencial: é cabível Habeas Corpus para impugnar medidas cautelares diversas da
prisão, vez que, se descumpridas, podem ser convertidas em prisão processual.
OBS 2: Atualização jurisprudencial: possibilidade de impetração de habeas corpus coletivo. Para o STF, apesar de
não haver uma previsão expressa no ordenamento jurídico, existem dois dispositivos legais que, indiretamente,
revelam a possibilidade de habeas corpus coletivo. Trata-se do art. 654, § 2º e do art. 580, ambos do CPP. O HC
coletivo foi verificado em um caso concreto, em que advogados de um movimento chamado “Coletivo de
Advogados em Direitos Humanos” (CADHu) impetraram habeas corpus coletivo no STF pedindo que a Corte
reconhecesse, de forma ampla e geral, que as presas grávidas ou com filhos menores de 12 anos possuem
direito à prisão domiciliar.
#AJUDAMARCINHO:

31 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


O STF reconheceu a existência de inúmeras mulheres grávidas e mães de crianças que estavam cumprindo
prisão preventiva em situação degradante, privadas de cuidados médicos pré-natais e pós-parto. Além disso,
não havia berçários e creches para seus filhos. Também se reconheceu a existência, no Poder Judiciário, de uma
“cultura do encarceramento”, que significa a imposição exagerada e irrazoável de prisões provisórias a mulheres
pobres e vulneráveis, em decorrência de excessos na interpretação e aplicação da lei penal e processual penal,
mesmo diante da existência de outras soluções, de caráter humanitário, abrigadas no ordenamento jurídico
vigente. A Corte admitiu que o Estado brasileiro não tem condições de garantir cuidados mínimos relativos à
maternidade, até mesmo às mulheres que não estão em situação prisional. Diversos documentos internacionais
preveem que devem ser adotadas alternativas penais ao encarceramento, principalmente para as hipóteses em
que ainda não haja decisão condenatória transitada em julgado. É o caso, por exemplo, das Regras de Bangkok.
Os cuidados com a mulher presa não se direcionam apenas a ela, mas igualmente aos seus filhos, os quais
sofrem injustamente as consequências da prisão, em flagrante contrariedade ao art. 227 da Constituição, cujo
teor determina que se dê prioridade absoluta à concretização dos direitos das crianças e adolescentes. Diante
da existência desse quadro, deve-se dar estrito cumprimento do Estatuto da Primeira Infância (Lei 13.257/2016),
em especial da nova redação por ele conferida ao art. 318, IV e V, do CPP, que prevê: Art. 318. Poderá o juiz
substituir a prisão preventiva pela domiciliar quando o agente for: IV - gestante; V - mulher com filho de até 12
(doze) anos de idade incompletos; Os critérios para a substituição de que tratam esses incisos devem ser os
seguintes: REGRA. Em regra, deve ser concedida prisão domiciliar para todas as mulheres presas que sejam -
gestantes - puérperas (que deram à luz há pouco tempo) - mães de crianças (isto é, mães de menores até 12
anos incompletos) ou - mães de pessoas com deficiência. EXCEÇÕES: Não deve ser autorizada a prisão
domiciliar se: 1) a mulher tiver praticado crime mediante violência ou grave ameaça; 2) a mulher tiver praticado
crime contra seus descendentes (filhos e/ou netos); 3) em outras situações excepcionalíssimas, as quais deverão
ser devidamente fundamentadas pelos juízes que denegarem o benefício. Obs1: o raciocínio acima explicado
vale também para adolescentes que tenham praticado atos infracionais. Obs2: a regra e as exceções acima
explicadas também valem para a reincidente. O simples fato de que a mulher ser reincidente não faz com que
ela perca o direito à prisão domiciliar. STF. 2ª Turma.HC 143641/SP. Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado em
20/2/2018 (Info 891).
O STF admitiu a possibilidade de habeas corpus coletivo. O habeas corpus se presta a salvaguardar a liberdade.
Assim, se o bem jurídico ofendido é o direito de ir e vir, quer pessoal, quer de um grupo determinado de
pessoas, o instrumento processual para resgatá-lo é o habeas corpus, individual ou coletivo. A ideia de admitir a
existência de habeas corpus coletivo está de acordo com a tradição jurídica nacional de conferir a maior
amplitude possível ao remédio heroico (doutrina brasileira do habeas corpus). Apesar de não haver uma
previsão expressa no ordenamento jurídico, existem dois dispositivos legais que, indiretamente, revelam a
possibilidade de habeas corpus coletivo. Trata-se do art. 654, § 2º e do art. 580, ambos do CPP. O art. 654, § 2º
estabelece que compete aos juízes e tribunais expedir ordem de habeas corpus de ofício. O art. 580 do CPP, por
sua vez, permite que a ordem concedida em determinado habeas corpus seja estendida para todos que se
encontram na mesma situação. Assim, conclui-se que os juízes ou Tribunais podem estender para todos que se
encontrem na mesma situação a ordem de habeas corpus concedida individualmente em favor de uma pessoa.
Existem mais de 100 milhões de processos no Poder Judiciário, a cargo de pouco mais de 16 mil juízes, exigindo
do STF que prestigie remédios processuais de natureza coletiva com o objetivo de emprestar a máxima eficácia
ao mandamento constitucional da razoável duração do processo e ao princípio universal da efetividade da
prestação jurisdicional. Diante da inexistência de regramento legal, o STF entendeu que se deve aplicar, por
analogia, o art. 12 da Lei nº 13.300/2016, que trata sobre os legitimados para propor mandado de injunção

32 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


coletivo. Assim, possuem legitimidade para impetrar habeas corpus coletivo: 1) o Ministério Público; 2) o partido
político com representação no Congresso Nacional; 3) a organização sindical, entidade de classe ou associação
legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos 1 (um) ano; 4) a Defensoria Pública. STF. 2ª
Turma.HC 143641/SP. Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado em 20/2/2018 (Info 891).
OBS3: Atualização jurisprudencial: Destaque para o tema “perda da nacionalidade”, pois, recentemente, houve
importante julgado do STF nessa seara. A Corte Superior decidiu que se um brasileiro nato que mora nos EUA e
possui o “green card” decidir adquirir a nacionalidade norte-americana, ele irá perder a nacionalidade brasileira.
Tal situação não se enquadra na exceção prevista na alínea “b” do inciso II do § 4º do art. 12 da CF/88, pois,
como já tinha o “green card”, não havia necessidade de ter adquirido a nacionalidade norte-americana como
condição para permanência ou para o exercício de direitos civis. Perdendo a nacionalidade, ele perde os direitos
e garantias inerentes ao brasileiro nato. Desse modo, caso cometa um crime nos EUA e fuja para o Brasil,
poderá ser extraditado (Info 859).
OBS4: O STF tem sido mais flexível na admissão de reclamação em matéria de liberdade de expressão, em razão
da persistente vulneração desse direito na cultura brasileira, inclusive por via judicial. No julgamento da ADPF
130, o STF proibiu enfaticamente a censura de publicações jornalísticas, bem como tornou excepcional qualquer
tipo de intervenção estatal na divulgação de notícias e de opiniões. A liberdade de expressão desfruta de uma
posição preferencial no Estado democrático brasileiro, por ser uma pré-condição para o exercício esclarecido
dos demais direitos e liberdades. A retirada de matéria de circulação configura censura em qualquer hipótese, o
que se admite apenas em situações extremas. Assim, em regra, a colisão da liberdade de expressão com os
direitos da personalidade deve ser resolvida pela retificação, pelo direito de resposta ou pela reparação civil.
Diante disso, se uma decisão judicial determina que se retire do site de uma revista determinada matéria
jornalística, esta decisão viola a orientação do STF, cabendo reclamação.
OBS5: A incitação ao ódio público contra quaisquer denominações religiosas e seus seguidores não está
protegida pela cláusula constitucional que assegura a liberdade de expressão. (Info 893). #ATENÇÃO! Cuidado
para não confundir com o RHC 134682/BA, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 29/11/2016 (Info 849), em que o
STF decidiu que “Pregar um discurso de que as religiões são desiguais e de que uma é inferior à outra não
configura, por si, o elemento típico do art. 20 da Lei nº 7.716/89. Para haver o crime, seria indispensável que
tivesse ficado demonstrado o especial fim de supressão ou redução da dignidade do diferente, elemento que
confere sentido à discriminação que atua como verbo núcleo do tipo”. Entendeu que “a prática do proselitismo,
ainda que feita por meio de comparações entre as religiões (dizendo que uma é melhor que a outra) não
configura, por si só, crime de racismo”. #AJUDAMARCINHO!
OBS6: É constitucional o ressarcimento previsto no art. 32 da Lei nº 9.656/98, o qual é aplicável aos
procedimentos médicos, hospitalares ou ambulatoriais custeados pelo SUS e posteriores a 4.6.1998, assegurados
o contraditório e a ampla defesa, no âmbito administrativo, em todos os marcos jurídicos. O art. 32 da Lei nº
9.656/98 prevê que, se um cliente do plano de saúde utilizar-se dos serviços do SUS, o Poder Público poderá
cobrar do referido plano o ressarcimento que ele teve com essas despesas. Assim, o chamado “ressarcimento ao
SUS”, criado pelo art. 32, é uma obrigação legal das operadoras de planos privados de assistência à saúde de
restituir as despesas que o SUS teve ao atender uma pessoa que seja cliente e que esteja coberta por esses
planos.

33 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


6. Poder Legislativo: fundamento, atribuições e garantias de independência.

Futuros Delegados e Futuras Delegadas Federais, sobre esse tópico, percebam que:
(1) caiu em GO a letra de lei sobre o período de 4 anos que constitui uma legislatura.
(2) caiu no MT o entendimento jurisprudencial sobre a perda do mandato de parlamentar federal em caso
de condenação criminal.
(3) caiu no MT o entendimento jurisprudencial sobre a perda de mandato de parlamentar federal em caso
de condenação criminal.
Não deixem de ir para a prova sem revisar os pontos enumerados acima!
#DICACICLOS: Atenção: Há diferença entre sessão legislativa ordinária, extraordinária e legislatura,
informações que podem ser extraídas da leitura da FUC na parte referente às imunidades dos congressistas
(lembrando que há imunidade material e formal). Foro por prerrogativa de função e as hipóteses de perda de
mandato são temas em destaque, ainda mais com a iminência das eleições, não deixemos esses temas de lado!
OBS1: Atualização jurisprudencial: As normas da Constituição de 1988 que estabelecem as hipóteses de foro por
prerrogativa de função devem ser interpretadas restritivamente, aplicando-se apenas aos crimes que tenham
sido praticados durante o exercício do cargo e em razão dele. Assim, por exemplo, se o crime foi praticado
antes de o indivíduo ser diplomado como Deputado Federal, não se justifica a competência do STF, devendo ele
ser julgado pela 1ª instância mesmo ocupando o cargo de parlamentar federal. Além disso, mesmo que o crime
tenha sido cometido após a investidura no mandato, se o delito não apresentar relação direta com as funções
exercidas, também não haverá foro privilegiado. Foi fixada, portanto, a seguinte tese: o foro por prerrogativa de
função aplica-se apenas aos crimes cometidos durante o exercício do cargo e relacionados às funções
desempenhadas. STF. Plenário. AP 937 QO/RJ, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 03/05/2018.
#AJUDAMARCINHO! Reparem que se trata de um julgado bem recente!! #ATENÇÃO!
OBS 2: Atualização jurisprudencial: O Poder Judiciário possui competência para impor aos parlamentares, por
autoridade própria, as medidas cautelares previstas no art. 319 do CPP, seja em substituição de prisão em
flagrante delito por crime inafiançável, por constituírem medidas individuais e específicas menos gravosas; seja
autonomamente, em circunstâncias de excepcional gravidade. Obs: no caso de Deputados Federais e
Senadores, a competência para impor tais medidas cautelares é do STF (art. 102, I, “b”, da CF/88). Importante,
contudo, fazer uma ressalva: se a medida cautelar imposta pelo STF impossibilitar, direta ou indiretamente, que o
Deputado Federal ou Senador exerça o seu mandato, então, neste caso, o Supremo deverá encaminhar a sua
decisão, no prazo de 24 horas, à Câmara dos Deputados ou ao Senado Federal para que a respectiva Casa
delibere se a medida cautelar imposta pela Corte deverá ou não ser mantida.
OBS3: Investigação criminal envolvendo Senadores e Deputados Federais, conforme entendimento exarado pelo
STF na AP 937 QO:

SITUAÇÃO ATRIBUIÇÃO PARA INVESTIGAR


Se o crime foi praticado antes da diplomação Polícia (Civil ou Federal) ou MP.
Se o crime foi praticado depois da diplomação Não há necessidade de autorização do STF
(durante o exercício do cargo), mas o delito não tem Medidas cautelares são deferidas pelo juízo de 1ª
relação com as funções desempenhadas. Ex. instância (ex. quebra de sigilo)

34 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


homicídio culposo do trânsito.
Se o crime foi praticado (durante o exercício do cargo) Polícia Federal e Procuradoria Geral da República, com
e o delito está relacionado com as funções supervisão judicial do STF.
desempenhadas. Ex. corrupção passiva, Há necessidade de autorização do STF para início das
investigações.

7. Processo legislativo: fundamento e garantias de independência, conceito, objetos, atos e procedimentos.


#DICACICLOS: Merece atenção especial o processo legislativo ordinário (estudar as fases do processo) e
medidas provisórias (possibilidade de emendar parlamentar em MP, pressupostos legitimadores da MP, limites
materiais à edição da MP – sendo aqui um estudo mais de letra de lei – rejeição e conversão da MP em lei).
OBS1: Destaque para o recente julgado do STF: MEDIDA PROVISÓRIA. TRANCAMENTO DE PAUTA. O art. 62, §6º
da CF estabelece o regime de urgência da Medida Provisória. Apesar de o dispositivo falar em sobrestamento de
“todas as demais deliberações”, o STF, ao interpretar esse §6º, afirmou que ficarão sobrestadas apenas as
votações de projetos de leis ordinárias que versem sobre temas que possam ser tratados por medida provisória.
(Info 870).
OBS 2: Vale a pena revisar lei seca e jurisprudência sobre Comissão Parlamentar de Inquérito.

8. Poder Executivo. 8.1. Forma e sistema de governo. 8.2. Chefia de Estado e chefia de governo. 8.3. Atribuições
e responsabilidades do presidente da República.

(1) caiu em GO o entendimento doutrinário sobre a classificação do poder Executivo, como sendo
monocrático e dual.
#DICACICLOS: Considerando que estamos em ano eleitoral para a escolha da Chefia do Poder Executivo,
com todo o histórico envolvendo investigações criminais e crimes de responsabilidade pelos chefes deste poder
no último mandato, melhor darmos uma atenção aos sistemas eleitorais e às hipóteses de impedimento e
vacância do cargo de Presidente da República. No que tange às atribuições do Presidente, vamos fazer um
estudo de letra de lei. Quanto às imunidades do Presidente e responsabilidade da chefia do executivo, vamos dar
uma olhada na FUC, lembrando de observar quando há casos de norma de repetição obrigatória aos
Governadores e Prefeitos, tema sempre lembrado pela Cespe!
OBS1: Atualização jurisprudencial: Imagine que foi formulada denúncia contra o Presidente da República por
infrações penais comuns. O STF deverá encaminhar esta denúncia para a Câmara dos Deputados exercer o seu
juízo político. É possível que, antes desse envio, o STF analise questões jurídicas a respeito desta denúncia, como
a validade dos elementos informativos (“provas”) que a embasaram? NÃO. Não há possibilidade de o STF
conhecer e julgar qualquer questão ou matéria defensiva suscitada pelo Presidente antes que a matéria seja
examinada pela Câmara dos Deputados. O juízo político de admissibilidade exercido pela Câmara dos
Deputados precede a análise jurídica pelo STF para conhecer e julgar qualquer questão ou matéria defensiva
suscitada pelo denunciado. A discussão sobre o valor probatório dos elementos de convicção (“provas”), ou
mesmo a respeito da validade desses elementos que eventualmente embasarem a denúncia, constitui matéria
relacionada com a chamada “justa causa”, uma das condições da ação penal, cuja constatação ou não se dará
por ocasião do juízo de admissibilidade, a ser levado a efeito pelo Plenário do STF após eventual autorização da

35 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Câmara dos Deputados. STF. Plenário.Inq 4483 QO/DF, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 20 e 21/9/2017 (Info
878). #AJUDAMARCINHO.
OBS2: A imunidade formal prevista no art. 51, I, e no art. 86, caput, da CF/88 não se estende para os
codenunciados que não se encontrem investidos nos cargos de Presidente da República, Vice-Presidente da
República e Ministro de Estado. A finalidade dessa imunidade é proteger o exercício regular desses cargos, razão
pela qual não é extensível a codenunciados que não se encontrem ocupando tais funções. STF. Plenário. Inq
4483 AgR-segundo/DF e Inq 4327 AgR-segundo/DF, rel. Min. Edson Fachin, julgados em 14 e 19/12/2017 (Info
888).

9. Poder Judiciário. 9.1. Disposições gerais. 9.2. Supremo Tribunal Federal. 9.3. Superior Tribunal de Justiça 9.4.
Tribunais regionais federais e juízes federais. 9.5. Tribunais e juízes dos estados. 9.6. Funções essenciais à justiça.

(1) caiu em GO o entendimento doutrinário do momento histórico em que o Ministério Público passou a
ser considerado função essencial à justiça, que foi com o advento da CF/88.
#DICACICLOS: Aqui, o essencial é a leitura da CF/88, em especial os artigos que tratam das competências
do STF e do STJ.
OBS1: Súmulas Vinculantes: atenção ao conhecimento do rol de legitimados para pleitear a aprovação, revisão
ou cancelamento de súmula vinculante. Atente-se para o rol previsto na Lei 11.417/2006:
#COLANARETINA:
Art. 3o. São legitimados a propor a edição, a revisão ou o cancelamento de enunciado de súmula vinculante: I -
o Presidente da República; II - a Mesa do Senado Federal; III – a Mesa da Câmara dos Deputados; IV – o
Procurador-Geral da República; V - o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; VI - o Defensor
Público-Geral da União; VII – partido político com representação no Congresso Nacional; VIII – confederação
sindical ou entidade de classe de âmbito nacional; IX – a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara
Legislativa do Distrito Federal; X - o Governador de Estado ou do Distrito Federal; XI - os Tribunais Superiores, os
Tribunais de Justiça de Estados ou do Distrito Federal e Territórios, os Tribunais Regionais Federais, os Tribunais
Regionais do Trabalho, os Tribunais Regionais Eleitorais e os Tribunais Militares.

10. Defesa do Estado e das instituições democráticas. 10.1. Segurança pública. 10.2. Organização da segurança
pública.

(1) caiu em GO a letra da lei sobre a possibilidade de controle e acompanhamento das medidas adotadas
durante o estado de sítio, assim como a responsabilização pelos ilícitos praticados durante esse período.
#DICACICLOS: Quanto ao Estado de Defesa e ao Estado de Sítio, melhor dar uma atenção à letra da lei,
principalmente em hipóteses que ensejam a decretação, seus requisitos e prazos! No que tange à segurança
pública, dar uma olhada na FUC e na letra da lei quanto às competências da Polícia Federal, elencadas no artigo
144 da Constituição.
OBS: Atualização jurisprudencial: O exercício do direito de greve, sob qualquer forma ou modalidade, é vedado
aos policiais civis e a todos os servidores públicos que atuem diretamente na área de segurança pública.

36 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


11. Atribuições constitucionais da Polícia Federal.

#DICACICLOS: Tema que certamente será cobrado em nossa prova, sendo a leitura da Lei 10.446/2002
obrigatória.
OBS1: No ano de 2018 houve a inclusão do inciso VII ao artigo 1°, através da Lei 13.642, acrescentando,
como atribuição da Polícia Federal, proceder à investigação de quaisquer crimes praticados por meio da rede
mundial de computadores que difundam conteúdo misógino, definidos como aqueles que propagam o ódio ou a
aversão às mulheres. #VergonhaBrasileiranaCopa.

12. Ordem social. 12.1 Base e objetivos da ordem social. 12.2 Seguridade social. 12.3 Educação, cultura e
desporto. 12.4 Ciência e tecnologia. 12.5 Comunicação social. 12.6 Meio ambiente. 12.7 Família, criança,
adolescente e idoso. 12.8 Índios.

#DICACICLOS: Tema pouco cobrado nas provas, sendo que a letra da lei é suficiente para a resolução das
questões.
OBS1: O Meio Ambiente, em razão de sua importância mundial, e pela ausência de Direito Ambiental em
nosso edital, deve ser cobrado. Assim, #ATENÇÃO às competências e propriedades elencadas na Constituição
Federal. #COLAOART.225NARETINA!
Pessoal, não deixem de ler e reler o §7º do art. 225, CF, que foi incluído recentemente, em 2017!
Art. 225. (...) § 7º Para fins do disposto na parte final do inciso VII do § 1º deste artigo, não se consideram cruéis
as práticas desportivas que utilizem animais, desde que sejam manifestações culturais, conforme o § 1º do art.
215 desta Constituição Federal, registradas como bem de natureza imaterial integrante do patrimônio cultural
brasileiro, devendo ser regulamentadas por lei específica que assegure o bem-estar dos animais envolvidos.
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 96, de 2017).
Bons estudos!!!

DIREITO CIVIL3
Prezados futuros Delegados Federais!
Sintetizamos as maiores exigências e dificuldades do edital acerca da matéria.
Vamos garantir mais alguns pontos!

3
Por Ana Luiza Novelli Silveira

37 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Títulos de crédito
CIVIL
5%

LINDB
Posse Personalidade
15%
10% 10%

Direito Real
10%

Responsabilidade Negócio Jurídico


civil 20%
20%

Prescrição
10%

CIVIL

LINDB
Personalidade
Negócio Jurídico
Prescrição
Responsabilidade civil
Direito Real
Posse
Títulos de crédito
Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro, pessoa natural, pessoa jurídica, personalidade, domicílio,
residência, bens, diferentes cargos de bens, fatos jurídicos, prescrição e decadência, negócios jurídicos.

Atenção! A LINDB foi recentemente alterada pela Lei 13.655/2018.


Para facilitar a vida, segue a íntegra da alteração, minha gente!
Art. 20. Nas esferas administrativa, controladora e judicial, não se decidirá com base em valores jurídicos
abstratos sem que sejam consideradas as consequências práticas da decisão. (Incluído pela Lei nº 13.655, de
2018)

38 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Parágrafo único. A motivação demonstrará a necessidade e a adequação da medida imposta ou da invalidação
de ato, contrato, ajuste, processo ou norma administrativa, inclusive em face das possíveis alternativas. (Incluído
pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 21. A decisão que, nas esferas administrativa, controladora ou judicial, decretar a invalidação de ato,
contrato, ajuste, processo ou norma administrativa deverá indicar de modo expresso suas consequências
jurídicas e administrativas. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Parágrafo único. A decisão a que se refere o caput deste artigo deverá, quando for o caso, indicar as condições
para que a regularização ocorra de modo proporcional e equânime e sem prejuízo aos interesses gerais, não se
podendo impor aos sujeitos atingidos ônus ou perdas que, em função das peculiaridades do caso, sejam
anormais ou excessivos. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 22. Na interpretação de normas sobre gestão pública, serão considerados os obstáculos e as dificuldades
reais do gestor e as exigências das políticas públicas a seu cargo, sem prejuízo dos direitos dos administrados.
§ 1º Em decisão sobre regularidade de conduta ou validade de ato, contrato, ajuste, processo ou norma
administrativa, serão consideradas as circunstâncias práticas que houverem imposto, limitado ou condicionado a
ação do agente. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
§ 2º Na aplicação de sanções, serão consideradas a natureza e a gravidade da infração cometida, os danos que
dela provierem para a administração pública, as circunstâncias agravantes ou atenuantes e os antecedentes do
agente. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
§ 3º As sanções aplicadas ao agente serão levadas em conta na dosimetria das demais sanções de mesma
natureza e relativas ao mesmo fato. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 23. A decisão administrativa, controladora ou judicial que estabelecer interpretação ou orientação nova
sobre norma de conteúdo indeterminado, impondo novo dever ou novo condicionamento de direito, deverá
prever regime de transição quando indispensável para que o novo dever ou condicionamento de direito seja
cumprido de modo proporcional, equânime e eficiente e sem prejuízo aos interesses gerais.
Parágrafo único. (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 24. A revisão, nas esferas administrativa, controladora ou judicial, quanto à validade de ato, contrato, ajuste,
processo ou norma administrativa cuja produção já se houver completado levará em conta as orientações gerais
da época, sendo vedado que, com base em mudança posterior de orientação geral, se declarem inválidas
situações plenamente constituídas. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Parágrafo único. Consideram-se orientações gerais as interpretações e especificações contidas em atos públicos
de caráter geral ou em jurisprudência judicial ou administrativa majoritária, e ainda as adotadas por prática
administrativa reiterada e de amplo conhecimento público. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 25. (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 26. Para eliminar irregularidade, incerteza jurídica ou situação contenciosa na aplicação do direito público,
inclusive no caso de expedição de licença, a autoridade administrativa poderá, após oitiva do órgão jurídico e,
quando for o caso, após realização de consulta pública, e presentes razões de relevante interesse geral, celebrar
compromisso com os interessados, observada a legislação aplicável, o qual só produzirá efeitos a partir de sua
publicação oficial. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)

39 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


§ 1º O compromisso referido no caput deste artigo: (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
I - buscará solução jurídica proporcional, equânime, eficiente e compatível com os interesses gerais; (Incluído
pela Lei nº 13.655, de 2018)
II – (VETADO); (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
III - não poderá conferir desoneração permanente de dever ou condicionamento de direito reconhecidos por
orientação geral; (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
IV - deverá prever com clareza as obrigações das partes, o prazo para seu cumprimento e as sanções aplicáveis
em caso de descumprimento. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
§ 2º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 27. A decisão do processo, nas esferas administrativa, controladora ou judicial, poderá impor compensação
por benefícios indevidos ou prejuízos anormais ou injustos resultantes do processo ou da conduta dos
envolvidos. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
§ 1º A decisão sobre a compensação será motivada, ouvidas previamente as partes sobre seu cabimento, sua
forma e, se for o caso, seu valor. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
§ 2º Para prevenir ou regular a compensação, poderá ser celebrado compromisso processual entre os
envolvidos. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 28. O agente público responderá pessoalmente por suas decisões ou opiniões técnicas em caso de dolo ou
erro grosseiro. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
§ 1º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
§ 2º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
§ 3º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Art. 29. Vide Lei nº 13.655, de 2018
Art. 30. As autoridades públicas devem atuar para aumentar a segurança jurídica na aplicação das normas,
inclusive por meio de regulamentos, súmulas administrativas e respostas a consultas. (Incluído pela Lei nº
13.655, de 2018)
Parágrafo único. Os instrumentos previstos no caput deste artigo terão caráter vinculante em relação ao órgão
ou entidade a que se destinam, até ulterior revisão. (Incluído pela Lei nº 13.655, de 2018)
Fora essa atenção especial citada acima, o tema não exige maiores esforços, tendo sido cobrado apenas
o conhecimento dos artigos de forma expressa.
Como foi cobrado:
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 8. De acordo com a LINDB, no tocante ao fenômeno da repristinação, salvo disposição em contrário, a
lei:
a) nova que estabeleça disposições gerais a respeito de outras já existentes não revogará leis anteriores.

40 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


b) revogada voltará a vigorar se a lei que a revogou for declarada inconstitucional em controle difuso. c)
revogada não se restaurará se a lei revogadora perder a vigência. (CERTO).
d) nova que estabeleça disposições especiais a respeito de outras já existentes não revogará leis anteriores.
e) nova revogará a anterior se regular inteiramente a mesma matéria.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 83. A Lei n.º XX/XXXX, composta por quinze artigos, elaborada pelo Congresso Nacional, foi
sancionada, promulgada e publicada. A respeito dessa situação, assinale a opção correta, de acordo com a Lei
de Introdução às Normas do Direito Brasileiro.
a) Se algum dos artigos da lei sofrer alteração antes de ela entrar em vigor, será contado um novo período de
vacância para o dispositivo alterado. (CERTO).
b) Caso essa lei tenha revogado dispositivo da legislação anterior, automaticamente ocorrerá o efeito
repristinatório se nela não houver disposição em contrário.
c) A lei irá revogar a legislação anterior caso estabeleça disposições gerais sobre assunto tratado nessa
legislação.
d) Não havendo referência ao período de vacância, a nova lei entra em vigor imediatamente, sendo eventuais
correções em seu texto consideradas nova lei.
e) Não havendo referência ao período de vacância, a lei entrará em vigor, em todo o território nacional, três
meses após sua publicação.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Com base na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, julgue o item a seguir.
Questão 86. A revogação de uma norma pela superveniência de outra que disponha sobre a mesma matéria
poderá atingir as situações já consumadas sob a égide da lei antiga, afetando os efeitos pretéritos produzidos
ou incidindo sobre os efeitos presentes ou futuros de situações passadas ocorridas na vigência da norma
revogada (CERTO).

PESSOA NATURAL.
Importante alteração foi causada ao tema pelo Estatuto do Deficiente, o qual trouxe uma cisão
paradigmática acerca da capacidade. Houve uma evolução humanista, saindo-se do viés da dignidade-
vulnerabilidade para o da dignidade-liberdade, com amparo na tríade axiológica trazida pelo fenômeno do
neoconstitucionalismo: igualdade, dignidade humana e solidariedade.

Antes da Lei 13.146/2015 Depois da Lei 13.146/2015


Art. 3º: São absolutamente incapazes de exercer
pessoalmente os atos da vida civil:
Art. 3º. São absolutamente incapazes de exercer
I - os menores de dezesseis anos;
pessoalmente os atos da vida civil os menores de 16
II - os que, por enfermidade ou deficiência mental,
(dezesseis) anos.
não tiverem o necessário discernimento para a prática
desses atos;

41 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


III - os que, mesmo por causa transitória, não
puderem exprimir sua vontade.
Art. 4o São incapazes, relativamente a certos atos ou
Art. 4º São incapazes, relativamente a certos atos, ou
à maneira de os exercer: (Redação dada pela Lei
à maneira de os exercer:
nº 13.146, de 2015) (Vigência)
I - os maiores de dezesseis e menores de dezoito
I - os maiores de dezesseis e menores de dezoito
anos;
anos;
II – os ébrios habituais, os viciados em tóxicos, e os
II - os ébrios habituais e os viciados em
que, por deficiência mental, tenham o discernimento
tóxico; (Redação dada pela Lei nº 13.146, de 2015)
reduzido;
(Vigência).
III - os excepcionais, sem desenvolvimento mental
III - aqueles que, por causa transitória ou permanente,
completo;
não puderem exprimir sua vontade; (Redação dada
IV - os pródigos.
pela Lei nº 13.146, de 2015) (Vigência).
Parágrafo único. A capacidade dos índios será
IV - os pródigos.
regulada por legislação especial.

Vejam como o tema já foi exigido:


#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 64. Com base nas disposições do Código Civil, assinale a opção correta a respeito da capacidade civil.
a) Os pródigos, outrora considerados relativamente incapazes, não possuem restrições à capacidade civil, de
acordo com a atual redação do código em questão.
b) Indivíduo que, por deficiência mental, tenha o discernimento reduzido é considerado relativamente incapaz.
c) O indivíduo que não consegue exprimir sua vontade é considerado absolutamente incapaz.
d) Indivíduos que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para a prática
dos atos da vida civil são considerados absolutamente incapazes.
e) Somente os menores de dezesseis anos de idade são considerados absolutamente incapazes pela lei civil.
(CERTO).

PESSOA JURÍDICA.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 7. O início da personalidade civil das pessoas físicas e das pessoas jurídicas de direito privado ocorre,
respectivamente, com:
a) o nascimento com vida e com a inscrição do ato constitutivo no respectivo registro, precedida de autorização
ou aprovação do Poder Executivo, quando necessária. (CERTO).
b) o registro civil do nascido com vida e com a inscrição do ato constitutivo no respectivo registro, precedida de
autorização ou aprovação do Poder Executivo, quando necessária.
c) a concepção do nascituro e com a autorização ou aprovação do Poder Executivo, quando necessária.

42 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


d) o registro civil do nascido com vida e com a autorização ou aprovação do Poder Executivo.
e) a concepção do nascituro e com a inscrição do ato constitutivo no respectivo registro, precedida de
autorização ou aprovação do Poder Executivo, quando necessária.

PERSONALIDADE.
Sobre o tema, sempre importante recordar:

TEORIA DA PERSONALIDADE
TEORIA NATALISTA TEORIA CONCEPCIONISTA
CONDICIONAL
A personalidade jurídica se inicia
com a concepção, muito embora
A personalidade jurídica só se inicia A personalidade civil começa com
alguns direitos só possam ser
com o nascimento. O nascituro o nascimento com vida, mas o
plenamente exercitáveis com o
não pode ser considerado pessoa. nascituro titulariza direitos
nascimento. O nascituro é pessoa
Só será pessoa quando nascer com submetidos à condição suspensiva
desde o momento em que ele é
vida. (ou direitos eventuais).
concebido (o nascituro é um
sujeito de direitos).
O nascituro tem apenas O nascituro possui direitos sob
O nascituro possui direitos.
expectativas de direitos. condição suspensiva
Sílvio Rodrigues, Caio Mário, Sílvio Washington de Barros Monteiro, Silmara Chinellato e a grande
Venosa. Arnaldo Rizzardo maioria da doutrina

Olhem as dicas que acabaram de sair do forno:


• A Súmula 403 do STJ é inaplicável para representação de imagem de pessoa como coadjuvante em
documentário que tem por objeto a história profissional de terceiro (Info 893 do STF) # 2018.
• Transgênero pode alterar seu prenome e gênero no registro civil mesmo sem fazer cirurgia de
transgenitalização e mesmo sem autorização judicial (Info 892 do STF) # 2018!

NEGÓCIO JURÍDICO.
A exigência do tema paira em torno da letra expressa de lei, contudo, muita atenção aos trocadilhos.
Vejam só:
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 10. Em geral, todas as condições do negócio jurídico que não sejam contrárias à lei, à ordem pública e
aos bons costumes são lícitas. Entretanto, condição física ou juridicamente impossível imposta por uma das
partes do negócio à outra uma:
a) invalidará o negócio jurídico, se for resolutiva.
b) invalidará o negócio jurídico, caso seja suspensiva. (CERTO).
c) será considerada inexistente, seja ela suspensiva ou resolutiva.

43 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


d) será considerada anulável, se for resolutiva.
e) será considerada inexistente, caso seja suspensiva.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 65. A respeito dos elementos acidentais do negócio jurídico, assinale a opção correta.
a) Situação hipotética: Maria celebrou contrato de doação de bem imóvel a João. Na negociação, ficou
estipulado que a transferência do bem somente se aperfeiçoará quando da morte da doadora. Assertiva: Nessa
situação, o evento morte funciona como condição.
b) O encargo é elemento acidental característico dos negócios jurídicos que envolvam liberalidade. Em caso de
inexecução do encargo pelo beneficiado, não há previsão de mecanismos de coerção direta ou indireta por
parte do disponente.
c) O termo não essencial é aquele que não admite o cumprimento do objeto do negócio jurídico após o seu
vencimento.
d) Denomina-se condição a cláusula acessória pela qual as partes subordinam a eficácia do negócio a
acontecimento futuro e incerto. (CERTO).
e) Em caso de nulidade do negócio jurídico, a condição voluntariamente declarada pelas partes não será
alcançada, permanecendo válida.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 66. Assinale a opção correta a respeito dos defeitos dos negócios jurídicos.
a) Na lesão, os valores vigentes no momento da celebração do negócio jurídico deverão servir como parâmetro
para se aferir a proporcionalidade das prestações. (CERTO).
b) Os negócios jurídicos eivados pelo dolo são nulos.
c) A coação exercida por terceiro estranho ao negócio jurídico torna-o nulo.
d) Age em estado de perigo o indivíduo que toma parte de um negócio jurídico sob premente necessidade ou
por inexperiência, assumindo obrigação manifestamente desproporcional ao valor da prestação oposta ferindo
o caráter sinalagmático do contrato.
e) Se em um negócio jurídico, ambas as partes agem com dolo, ainda assim podem invocar o dolo da outra
parte para pleitear a anulação da avença.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 88. Se o beneficiário de ato jurídico praticado por incapaz provar ter agido de boa-fé, o ato será
anulado somente em caso de o incapaz ser interditado por ocasião de sua prática (ERRADO).

PRESCRIÇÃO.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 67. Acerca de prescrição e decadência no direito civil, assinale a opção correta.
a) A prescrição não pode ser arguida em grau recursal.

44 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


b) Desde que haja consenso entre os envolvidos, é possível a renúncia prévia da decadência determinada por
lei.
c) A prescrição não corre na pendência de condição suspensiva. (CERTO).
d) Ao celebrarem negócio jurídico, as partes, em livre manifestação de vontade, podem alterar a prescrição
prevista em lei.
e) É válida a renúncia da prescrição, desde que determinada expressamente antes da sua consumação.
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 86. Considere que Lucas, Pedro e Marcos sejam credores solidários de Márcia pela quantia de R$
20.000,00. Nessa situação hipotética, se Marcos ajuizar ação contra Márcia, e a ação constituí-la em mora pelo
ato judicial, a prescrição estará interrompida e aproveitará a Lucas e a Pedro (CERTO).

2. Posse. 2.1. Classificação, aquisição, efeitos e perda. 2.2. Propriedade: aquisição e perda da propriedade, direito
real sobre coisa alheia, responsabilidade civil, teoria da culpa e do risco. 2.3. Lei no 8.866/1994 (Depositário
infiel).

Mais uma vez, a leitura do Código Civil é obrigatória. A maioria das questões atinentes ao tema cobraram
exatamente o que consta na lei. E o tema caiu, como caiu!
Para dar aquela facilitada, seguem algumas dicas preciosas:

DETENÇÃO:
Art. 1.198. Considera-se detentor aquele que, achando-se em relação de dependência para com outro,
CONSERVA A POSSE EM NOME DESTE e em cumprimento de ordens ou instruções suas.
Parágrafo único. Aquele que começou a comportar-se do modo como prescreve este artigo, em relação ao
bem e à outra pessoa, presume-se detentor, até que prove o contrário.
#COLANARETINA:
• Enunciado 493 da V Jornada de Direito Civil: O detentor (art. 1.198) pode, no interesse do possuidor,
exercer a autodefesa do bem sob seu poder.
• Enunciado 301 da IV Jornada de Direito Civil: É possível a conversão da detenção em posse, desde que
rompida a subordinação, na hipótese de exercício em nome próprio dos atos possessórios.
• Info 616 STJ. Ao propor uma ação de usucapião, o autor deverá requerer a citação dos confinantes, ou
seja, dos vizinhos que fazem fronteira com o imóvel que ele almeja. E o que acontece caso não haja a citação
dos confinantes? Haverá nulidade absoluta do processo? Não. Apesar de amplamente recomendável, a falta de
citação dos confinantes não acarretará, por si, ou seja, obrigatoriamente, a nulidade da sentença que declara a
usucapião. Não há que se falar em nulidade absoluta, no caso. A ausência de citação dos confinantes e
respectivos cônjuges na ação de usucapião é considerada hipótese de nulidade relativa, somente gerando a
nulidade do processo caso se constate o efetivo prejuízo. #2017.
• Info 619 STJ. O terreno do proprietário foi invadido por inúmeras pessoas de baixa renda. O proprietário
ingressou com ação de reintegração de posse, tendo sido concedida a medida liminar, mas nunca cumprida

45 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


mesmo após vários anos. Vale ressaltar que o Município e o Estado fizeram toda a infraestrutura para a
permanência das pessoas no local. Diante disso, o juiz, de ofício, converteu a ação reintegratória em
indenizatória (desapropriação indireta), determinando a emenda da inicial, a fim de promover a citação do
Município e do Estado para apresentar contestação e, em consequência, incluí-los no polo passivo da demanda.
O STJ afirmou que isso estava correto e que a ação possessória pode ser convertida em indenizatória
(desapropriação indireta) - ainda que ausente pedido explícito nesse sentido - a fim de assegurar tutela
alternativa equivalente (indenização) ao particular que teve suas térreas invadidas. #2017.
• Info 594 STJ. É possível o manejo de interditos possessórios em litígio entre particulares sobre bem
público dominical. #2016.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


Questão 85. Em cada uma das opções seguintes, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma
assertiva a ser julgada, a respeito de posse, propriedade e direitos reais sobre coisa alheia. Assinale a opção que
apresenta assertiva correta conforme a legislação e a doutrina pertinentes.
a) Durante o prazo de vigência de contrato de locação de imóvel urbano, o locatário viajou e, ao retornar,
percebeu que o imóvel havia sido invadido pelo próprio proprietário. Nesse caso, o locatário não pode defender
sua posse, uma vez que o possuidor direto não tem proteção possessória em face do indireto.
b) Determinado indivíduo realizou, de boa-fé, construção em terreno que pertencia a seu vizinho. O valor da
construção excede consideravelmente o valor do terreno. Nessa situação, não havendo acordo, o indivíduo que
realizou a construção adquirirá a propriedade do solo mediante pagamento da indenização fixada pelo juiz.
(CERTO).
c) Caio realizou a doação de um bem para Fernando. No contrato celebrado entre ambos, consta cláusula que
determina que o bem doado volte para o patrimônio do doador se ele sobreviver ao donatário. Nessa situação,
a cláusula é nula, pois o direito brasileiro não admite a denominada propriedade resolúvel.
d) Roberto possui direito real de superfície de bem imóvel e deseja hipotecar esse direito pelo prazo de vigência
do direito real. Nesse caso, a estipulação de direito real de garantia é ilegal porque a hipoteca somente pode ser
constituída pelo proprietário do bem.
e) Determinado empregador cedeu bem imóvel de sua propriedade a seu empregado, em razão de relação de
confiança decorrente de contrato de trabalho. Nesse caso, ainda que desfeito o vínculo trabalhista, é
juridicamente impossível a conversão da detenção do empregado em posse.
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 88. Considere que Ana e João tenham vivido como companheiros em determinado imóvel urbano de
100 m2, cuja propriedade era dividida pelo casal e que João tenha abandonado o lar há dois anos. Nessa
situação hipotética, Ana poderá adquirir a propriedade do imóvel mediante usucapião, desde que tenha
exercido a posse direta sobre o bem ininterruptamente e sem oposição e não seja proprietária de imóvel rural
superior a 50 hectares (ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.

46 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Questão 87. Como causa de perda de propriedade de bem móvel, o abandono pode ser presumido, desde que
presente a intenção do proprietário; como causa de perda de propriedade de imóvel, será o abandono
absolutamente presumido ante o inadimplemento de ônus fiscais, depois de cessados os atos de posse (CERTO).

RESPONSABILIDADE CIVIL. TEORIA DA CULPA E DO RISCO.


Prezados, tema caro para as bancas desse meu Brasil.
Além dos artigos 927 a 965 do Código Civil, as últimas provas têm exigido o conhecimento dos julgados
dos Tribunais Superiores.
Por isso, vale a pena abrir o Código Civil e solicitar a ajuda de nosso amigo Marcinho.
Só para adiantar os trabalhos, algumas dicas:
• Teoria da perda de uma chance: De origem francesa, defende que aquele que, por ato ilícito, faz com
que outrem perca a chance de adquirir uma vantagem ou de livrar-se de um prejuízo, terá o dever de indenizar.
Contudo, a indenização não se pauta no dano causado, mas sim na chance perdida.
• Em caso de inobservância de seu dever específico de proteção previsto no artigo 5º, XLIX da CF, o Estado
é responsável pela morte do detento (Exceção: o Estado poderá ser dispensado de indenizar se ele conseguir
provar que a morte do detento não podia ser evitada. Neste caso, rompe-se o nexo de causalidade entre o
resultado morte e a omissão estatal. Info 819 do STF) # 2017.

Responsabilidade dos pais segundo o STJ Responsabilidade dos filhos segundo o STJ
Substitutiva, exclusiva e não solidária. Subsidiária, condicional, mitigada e equitativa.
#ATENÇÃOMÁXIMA.
Não há como afastar a responsabilização do pai do filho menor simplesmente pelo fato de que ele não estava
fisicamente ao lado de seu filho no momento da conduta O art. 932 do CC prevê que os pais são responsáveis
pela reparação civil em relação aos atos praticados por seus filhos menores que estiverem sob sua autoridade
e em sua companhia. O art. 932, I do CC, ao se referir à autoridade e companhia dos pais em relação aos
filhos, quis explicitar o poder familiar (a autoridade parental não se esgota na guarda), compreendendo um
plexo de deveres, como proteção, cuidado, educação, informação, afeto, dentre outros, independentemente
da vigilância investigativa e diária, sendo irrelevante a proximidade física no momento em que os menores
venham a causar danos. Em outras palavras, não há como afastar a responsabilização do pai do filho menor
simplesmente pelo fato de que ele não estava fisicamente ao lado de seu filho no momento da conduta. STJ. 4ª
Turma. REsp 1.436.401-MG, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 2/2/2017 (Info 599).
A responsabilidade dos pais por filho menor (responsabilidade por ato ou fato de terceiro) é objetiva, nos
termos do art. 932, I, do CC, devendo-se comprovar apenas a culpa na prática do ato ilícito daquele pelo qual
são os pais responsáveis legalmente (ou seja, é necessário provar apenas a culpa do filho). Contudo, há uma
exceção: os pais só respondem pelo filho incapaz que esteja sob sua autoridade e em sua companhia; assim,
os pais, ou responsável, que não exercem autoridade de fato sobre o filho, embora ainda detenham o poder
familiar, não respondem por ele. Desse modo, a mãe que, à época de acidente provocado por seu filho menor
de idade, residia permanentemente em local distinto daquele no qual morava o menor - sobre quem apenas o
pai exercia autoridade de fato - não pode ser responsabilizada pela reparação civil advinda do ato ilícito,
mesmo considerando que ela não deixou de deter o poder familiar sobre o filho. STJ. 3ª Turma. REsp 1.232.011-
SC, Rel. Min. João Otávio de Noronha, julgado em 17/12/2015 (Info 575)

47 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 6. De acordo com o Código Civil, responderá, em caso de reparação civil, o:
a) agente público, objetivamente, se nessa qualidade causar acidente fatal.
b) indivíduo que, gratuitamente, participar nos produtos do crime, até o valor concorrente. (CERTO).
c) patrão por ato de seu empregado, desde que fique provada a culpa in vigilando ou in eligendo.
d) pai, objetivamente, pelos danos que forem causados pelo filho menor, ressalvado o direito de ação regressiva
daquele contra este.
e) hospital, objetivamente, pela morte de paciente aos cuidados de médico-empregado, independentemente de
culpa deste.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 84. No que concerne à pessoa natural, à pessoa jurídica e ao domicílio, assinale a opção correta.
a) Sendo o domicílio o local em que a pessoa permanece com ânimo definitivo ou o decorrente de imposição
normativa, como ocorre com os militares, o domicílio contratual é incompatível com a ordem jurídica brasileira.
b) Conforme a teoria natalista, o nascituro é pessoa humana titular de direitos, de modo que mesmo o
natimorto possui proteção no que concerne aos direitos da personalidade.
c) De acordo com o Código Civil, deve ser considerado absolutamente incapaz aquele que, por enfermidade ou
deficiência mental, não possuir discernimento para a prática de seus atos.
d) A ocorrência de grave e injusta ofensa à dignidade da pessoa humana configura o dano moral, sendo
desnecessária a comprovação de dor e sofrimento para o recebimento de indenização por esse tipo de dano.
(CERTO).
e) Na hipótese de desaparecimento do corpo de pessoa em situação de grave risco de morte, como, por
exemplo, no caso de desastre marítimo, o reconhecimento do óbito depende de prévia declaração de ausência.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 86. Um oficial do corpo de bombeiros arrombou a porta de determinada residência para ingressar no
imóvel vizinho e salvar uma criança que corria grave perigo em razão de um incêndio. A respeito dessa situação
hipotética e conforme a doutrina dominante e o Código Civil, assinale a opção correta.
a) O oficial tem o dever de indenizar o proprietário do imóvel danificado, devendo o valor da indenização ser
mitigado em razão da presença de culpa concorrente.
b) O ato praticado pelo oficial é ilícito porque causou prejuízo ao dono do imóvel, inexistindo, entretanto, o
dever de indenizar, dada a ausência de nexo causal.
c) Não se aplica ao referido oficial a regra do Código Civil segundo a qual o agente que atua para remover
perigo iminente pode ser chamado a indenizar terceiro inocente. (CERTO).
d) Conforme disposição do Código Civil, o oficial teria o dever de indenizar o dono do imóvel no valor integral
dos prejuízos existentes, tendo direito de regresso contra o responsável pelo incêndio.

48 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


e) Não se pode falar em responsabilidade civil nesse caso, pois, na hipótese de estado de necessidade, o agente
causador do dano nunca terá o dever de indenizar.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 68. João, menor impúbere, de sete anos de idade, jogou voluntariamente um carrinho de brinquedo
do alto do 14.º andar do prédio onde mora com a mãe Joana. Ao cair, o carrinho danificou o veículo de Arthur,
que estava estacionado em local apropriado. Tendo como referência essa situação hipotética, assinale a opção
correta, considerando as disposições vigentes a respeito de responsabilidade civil no Código Civil.
a) O dever de reparar o dano provocado por João não alcança Joana, já que não há como provar sua culpa em
relação à atitude do filho.
b) Embora a responsabilidade de Joana seja objetiva, seu patrimônio somente será atingido se João não tiver
patrimônio próprio ou se este for insuficiente para reparar o prejuízo causado a Arthur.
c) Caso seja provada a culpa de João, a mãe, Joana, responderá objetivamente pelos danos causados pelo filho.
(CERTO).
d) A responsabilidade civil de João é objetiva.
e) A mãe de João tem responsabilidade subjetiva em relação ao dano causado no veículo de Arthur.

DIREITO REAL.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 9. Determinado indivíduo tinha direito de usufruto de uma casa. Tal direito era transmissível a seus
sucessores que com ele habitassem à época de sua morte. Além disso, ele era proprietário de um pequeno
barco. Quando de seu falecimento, foi aberta a sucessão. De acordo com o Código Civil, os referidos bens —
direito real de usufruto; direito real sobre o barco; direito à sucessão aberta — são classificados,
respectivamente, como bens:
a) imóvel, móvel e imóvel. (CERTO).
b) móvel, imóvel e móvel.
c) imóvel, imóvel e imóvel.
d) móvel, móvel e móvel.
e) imóvel, móvel e móvel.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 69. O direito real, que se notabiliza por autorizar que seu titular retire de coisa alheia os frutos e as
utilidades que dela advierem, denomina-se
a) usufruto. (CERTO).
b) uso.
c) habitação.
d) propriedade.

49 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


e) servidão.

LEI 8.666/94:
Atenção aqui pessoal! Referida lei foi tida por inconstitucional no julgamento da ADI 1055 (artigo 4, §2º e
§3º; artigo 7º e seu parágrafo único).
#CADH #INCONVENCIONALIDADE #EFEITO PARALISANTE.
Segue a ementa.
Ação direta de inconstitucionalidade. 2. Medida Provisória 427, de11.02.1994, reeditada pela Medida Provisória
449, de 17.03.1994, convertida na Lei 8.866, de 11.04.1994. Depositário infiel de valor pertencente à Fazenda
Pública. 3. Inconstitucionalidade. Matéria pacificada no julgamento do RE 466.343, Rel. Min. Cezar Peluso. 4.
Ação de depósito fiscal. Pagamento apenas em dinheiro. Violação aos princípios da proporcionalidade, do
devido processo legal e do contraditório e da ampla defesa 5. Ação direta de inconstitucionalidade julgada
procedente (Acórdão, DJ 01.08.2017)

3. Comerciante ou empresário comercial. 3.1 Condições para o exercício da atividade comercial. 3.2 Obrigação e
privilégios dos comerciantes. 3.3 Sociedades comerciais: noções gerais, personalidade jurídica, dissolução e
liquidação. 3.4 Sociedade por quotas de responsabilidade limitada. 3.5 Sociedades por ações: características
gerais; responsabilidade dos sócios.

O tema será tratado na disciplina de Direito Empresarial.

4. Títulos de crédito: atributos gerais; integração das leis uniformes de Genebra no direito brasileiro; nota
promissória; duplicata; cheque.

Pessoal, títulos de crédito é uma matéria que sempre é pedido, possuindo detalhes que normalmente
fogem de nossa memória.
A Fuc nº 09 de Direito Empresarial tem tudo que precisamos saber.
Além do mais, muita atenção, pois o mesmo tema foi trazido em Direito Empresarial pelo edital de nosso
certame.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Com relação aos títulos de crédito, julgue o item abaixo.
Questão 90. O devedor que, como forma de pagamento de um negócio celebrado, transfere ao credor, por
simples tradição, títulos de crédito emitidos por terceiros, sem endossá-los, não possui responsabilidade solidária
pelo pagamento da cártula (CERTO).

50 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


DIREITO PROCESSUAL CIVIL4
Prezados alunos e futuros Delegados da Polícia Federal.
O Raio-X do Edital, ora em comento, tem por objetivo montar um estudo estratégico e analítico dos
pontos do edital, dando ênfase às matérias mais recorrentes nos Concursos de Delegado da Polícia Federal -
Primeira Fase, filtrando aquilo que merece um estudo mais aprofundado em doutrina ou mais conciso e voltado
para a leitura da letra da lei.
A banca é a CESPE. Tendo em vista a vigência do novo CPC, as questões de processo civil em provas
anteriores da Polícia Federal estão desatualizadas. Esta matéria também não é muito cobrada em provas da
Polícia Civil, razão pela qual serão expostas, neste Raio-X, questões de outros cargos, todas aplicadas pela banca
CESPE.
Diante disso, preparei um Raio-X com os principais pontos dentro de cada tema exigido.
#REVISÃOGARANTIDA.
Gostaria de combinar com vocês de estudar sempre ao lado do Raio-X, começando por ele, até mesmo
como uma espécie de conhecimento “en passant” sobre a matéria. Depois, sigam para as indicações realizadas
(FUC, lei, jurisprudência/súmulas e/ou doutrina), a depender da indicação constante da legenda. #COMBINADO?

PROCESSO CIVIL

Tutela
cautelar Jurisdição
12% 17%

Tutela antecipada
18% Princípios
Tutela de urgência 17%
e evidência
6%
Ação
Popular
Ação Civil Pública Mandado de
12%
6% Segurança
12%

Jurisdição
Princípios
Mandado de Segurança
Ação Popular

4
Caroline Roveri.

51 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Ação Civil Pública
Tutela de urgência e evidência
Tutela antecipada
Tutela cautelar
Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Jurisdição: natureza; conceito; características (1); espécies; problemática da jurisdição voluntária (2); princípios
(3) (4); estrutura constitucional (poder judiciário, organização judiciária, atividade jurisdicional, atividades
essenciais à justiça); equivalentes jurisdicionais (autotutela, autocomposição, mediação conciliação, arbitragem e
dispute board).

(1) Caiu na prova para servidores do STJ a literalidade do art. 10º, CPC.
#JÁCAIU! ANALISTA JUDICIÁRIO DO STJ. 2018 - Com referência às normas fundamentais do processo civil,
julgue o item a seguir.
Questão 75. Ainda que detenha competência para decidir de ofício determinado assunto, o juiz só poderá
fazê-lo se permitir às partes a manifestação expressa sobre a matéria. (CERTO).
(2) Caiu na prova para servidores do TRF1 – 2017 – entendimento doutrinário sobre características da
jurisdição voluntária.
#JÁCAIU! TECNICO JUDICIÁRIO. TRF1. 2017. A respeito de jurisdição, julgue o item a seguir. Na jurisdição
voluntária não há lide: trata-se de uma forma de a administração pública participar de interesses privados.
(CERTO).
(3) Caiu na prova para servidores do STJ – 2018 – entendimento doutrinário sobre o princípio da
territorialidade e investidura.
#JÁCAIU! TÉCNICO JUDICIÁRIO DO STJ. 2018. A respeito da jurisdição, julgue o item que se segue.
Questão 64. Entre os princípios que regem a jurisdição, o da investidura é aquele que determina que o juiz
exerça a atividade judicante dentro de um limite espacial sujeito à soberania do E stado. (ERRADO).
(4) Caiu na prova para servidores do STJ – 2018 – entendimento doutrinário sobre o princípio do juiz
natural.
#JÁCAIU! TÉCNICO JUDICIÁRIO DO STJ. 2018. A respeito da jurisdição, julgue o item que se segue.
Questão 65. O princípio do juiz natural, ao impedir que alguém seja processado ou sentenciado por outra
que não a autoridade competente, visa coibir a criação de tribunais de exceção. (CERTO).

52 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


2. Jurisdição constitucional das liberdades e seus principais mecanismos: habeas corpus no processo civil;
mandado de segurança individual e coletivo (1) (2); habeas data; ação popular (3) (4); ação civil pública (5);
natureza, conceitos, hipóteses de cabimento e detalhes procedimentais de cada modalidade.

(1) Caiu na prova de Analista Judiciário do STJ - 2018 - uma hipótese legal de suspensão da apelação em
mandado de segurança.
#JÁCAIU! STJ. CESPE. 2018. A respeito de recursos nos tribunais, meios de impugnação das decisões judiciais,
processo de execução e mandado de segurança, julgue o item a seguir.
Questão 76. Situação hipotética: Uma sociedade empresária impetrou mandado de segurança objetivando
a compensação de créditos tributários. Ao sentenciar, o magistrado da vara de fazenda pública concedeu a
segurança pleiteada. Assertiva: Nessa situação, se a fazenda pública apelar da sentença, o recurso terá
efeito suspensivo. (CERTO).
(2) Caiu na prova de Analista Judiciário do STM – 2018 – a literalidade do art. 8º, Lei de Mandado de
Segurança.
#JÁCAIU! ANALISTA JUDICIÁRIO - STM. CESPE. 2018. A respeito da repercussão geral da questão
constitucional e do mandado de segurança, julgue o item que se segue.
Situação hipotética: Ao verificar que o impetrante criou obstáculos ao normal andamento do processo, o
juiz decretou, de ofício, a perempção da liminar concedida. Assertiva: Nessa situação, agiu erroneamente o
juiz, que violou direito garantido constitucionalmente. (ERRADO).
(3) Caiu na prova de Auditor Estadual de Controle Externo – TCM BA – 2018 – caiu a literalidade do art. 18
da lei que regula a Ação Popular.
#JÁCAIU! AUDITOR ESTADUAL DE CONTROLE EXTERNO. TCM-BA. 2018 - A hipótese que indica conteúdo
de sentença de mérito proferida em ação popular, mas sem eficácia de coisa julgada oponível erga
omnes é
a) a carência de ação em razão da ilegitimidade do autor.
b) o reconhecimento da existência de litispendência.
c) o julgamento de improcedência por deficiência de prova. (CERTO).
d) a determinação de obrigação à fazenda pública decorrente de controle judicial de ato administrativo.
e) a condenação do réu em sede de julgamento antecipado da lide.
(4) Caiu na prova de Analista Judiciário– TRF 1ª – 2017 – sobre o momento da citação do MP em ação
pública.
#JÁCAIU! ANALISTA JUDICIÁRIO. TRF1. 2017.
A respeito de mandado de segurança, ação popular, ação civil pública e ação de improbidade
administrativa, julgue o item a seguir.
Questão 87. Na ação popular, o juiz determina a intimação do Ministério Público somente após a
apresentação da defesa do réu (ERRADO).

53 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


(5) Caiu na prova de Analista Judiciário – TRF 1ª – 2017 – entendimento jurisprudencial sobre a
possibilidade de a Defensoria Pública assumir o polo ativo em ação civil pública.
#JÁCAIU! ANALISTA JUDICIÁRIO. TRF1. 2017.
Questão 88. A respeito de mandado de segurança, ação popular, ação civil pública e ação de improbidade
administrativa, julgue o item a seguir.
Na hipótese de abandono de ação civil pública proposta por associação, poderá a Defensoria Pública
assumir a titularidade ativa. (CERTO).

3. Competência. 3.1 Conceito, critérios de distribuição, espécies. 3.2 Identificação do foro competente. 3.3
Modificações (conexão, continência, prevenção) (1), perpetuatio jurisdictionis, conflitos positivos e negativos (2).
3.4. Competência interna e internacional (concorrente e exclusiva) (3), homologação de sentença estrangeira.
3.5. Competência da justiça federal.

(1) Caiu em Delegado PC/MA 2018 a literalidade do art. 17 da Lei de Improbidade Administrativa.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 11. O MP de determinado estado da Federação ajuizou uma ação civil pública por improbidade
administrativa contra determinado servidor estadual. Nessa situação hipotética, a ação civil pública
a) irá tornar prevento o juízo para todas as ações posteriores intentadas que possuam a mesma causa de pedir
ou o mesmo objeto. (CERTO).
b) poderá requerer a condenação pecuniária do servidor para a reparação de dano, mas não formular pedido
de cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer de qualquer natureza.
c) dependerá do pagamento adiantado de custas, emolumentos, honorários periciais e outras despesas.
d) será integrada pelo MP na qualidade de custos legis.
e) deverá observar integralmente a regulamentação específica, não sendo possível a aplicação subsidiária do
CPC.
(2) Caiu em PC/MA 2018 a literalidade do art. 65 Código de Processo Civil.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 12. De acordo com o CPC, a incompetência relativa:
a) é vício que não pode ser superado por acordo entre as partes.
b) deve ser alegada mediante exceção de incompetência relativa.
c) não pode ser alegada pelo MP.
d) pode ser declarada de ofício pelo juiz.
e) será prorrogada se o réu não a alegar na contestação. (CERTO).
(3) Caiu na prova de Analista Judiciário do STJ a literalidade do art. 23, I, CPC.

54 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! ANALISTA JUDICIÁRIO DO STJ. 2018.
À luz das disposições do Código de Processo Civil (CPC), julgue o próximo item.
Questão 74. Ao tratar dos limites da jurisdição nacional, o CPC determina que a justiça brasilei ra possui
competência concorrente para conhecer de ações relativas a imóveis situados no Brasil. (ERRADO).
#DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA:
Compete à Justiça Comum (e não à Justiça do Trabalho) julgar as ações propostas por ferroviários pensionistas e
aposentados das antigas ferrovias do Estado de São Paulo, que foram absorvidas pela Ferrovia Paulista S/A,
sucedida pela extinta Rede Ferroviária Federal, com vistas à complementação de suas pensões e aposentadorias
em face da União. O STF entendeu que esta é uma causa oriunda de uma relação estatutária. Assim, não há
relação de trabalho que justifique a competência da Justiça laboral. STF. 1ª Turma. Rcl 24990 AgR/SP, rel. orig.
Min. Marco Aurélio, red. p/ o acórdão Min. Roberto Barroso, julgado em 20/3/2018 (Info 895).
#DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA:
Compete à Justiça Comum Estadual o exame e o julgamento de feito que discute direitos de exempregado
aposentado ou demitido sem justa causa de permanecer em plano de saúde coletivo oferecido pela própria
empresa empregadora aos trabalhadores ativos, na modalidade de autogestão. STJ. 3ª Turma. REsp 1.695.986-SP,
Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em 27/02/2018 (Info 620).

4. Tutela. 4.1 Tutelas jurídica e jurisdicional; tutelas processual e satisfativa; tutelas inicial e final. 4.2 Tutelas de
urgência e da evidência (1): conceito, espécies, extensão, profundidade. 4.3 Antecipação dos efeitos da tutela:
natureza, conceito, características (2), limites e estabilização da tutela provisória (3). 4.4 Tutela cautelar: natureza
(4) e conceito; distinção em relação à antecipação de tutela. 4.5 Poder geral de cautela.

(1) Caiu na prova de procurador do Município da PGM – AM – 2018 a literalidade do art. 300 e 311 do
CPC.
#JÁCAIU! PGM-AM. CESPE. 2018.
À luz das disposições do CPC relativas aos atos processuais, julgue o item subsequente.
Questão 53. Para a concessão da tutela de evidência, o juiz deverá verificar, além da probabilidade de
direito, o perigo de dano ou de risco ao resultado útil do processo. (ERRADO).
(2) Caiu em PC/MA 2018 - a literalidade do art. 303, §1º, I, e §6º, Código de Processo Civil.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 13. Julgue os itens a seguir, a respeito do procedimento da tutela antecipada requerida em caráter
antecedente.
I - Concedida a tutela antecipada, o autor deverá aditar a petição inicial com a complementação de
argumentação e confirmação do pedido de tutela final e, se for o caso, com a juntada de novos
documentos.
II - O aditamento da petição inicial deverá ocorrer nos mesmos autos, no prazo de quinze dias, mediante
o pagamento de novas custas processuais.

55 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


III - O processo será extinto sem resolução do mérito quando não for realizado o aditamento à petição
inicial.
Assinale a opção correta.
a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas os itens I e III estão certos. (CERTO).
d) Apenas os itens II e III estão certos.
e) Todos os itens estão certos.
(3) Caiu na prova de Analista Judiciário do TRF 1ª REGIÃO (2017) a literalidade do art. 311, CPC.
#JÁCAIU. TRF1. CESPE. 2017.
A respeito da petição inicial, da tutela provisória, da suspensão do processo e das nulidades, julgue o
próximo item à luz do Código de Processo Civil vigente.
Questão 96. Para a concessão da tutela de evidência, é exigido que a parte demonstre o perigo de dano ao
direito alegado. ERRADO.
(4) Caiu na prova de Técnico Judiciário do STJ (2018) a literalidade do art. 294, parágrafo único, CPC.
#JÁCAIU. STJ. CESPE. 2018.
Julgue o item a seguir, a respeito das ações no processo civil.
Questão 69. A tutela provisória pode ser concedida em caráter antecedente à propositura da ação ou em
caráter incidental, quando proposta no curso da ação principal. (CERTO).

5. Da formação, da suspensão (1) (2) e da extinção do processo (3) (4).

(1) Caiu na prova de Analista Judiciário do STJ (2018) a literalidade do art. 1.012, CPC.
#JÁCAIU. STJ. CESPE. 2018. A respeito de recursos nos tribunais, meios de impugnação das decisões
judiciais, processo de execução e mandado de segurança, julgue o item a seguir.
Questão 76. Situação hipotética: Uma sociedade empresária impetrou mandado de segurança objetivando
a compensação de créditos tributários. Ao sentenciar, o magistrado da vara de fazenda pública concede u
a segurança pleiteada. Assertiva: Nessa situação, se a fazenda pública apelar da sentença, o recurso terá
efeito suspensivo. (CERTO).
(2) Caiu na prova de Analista Judiciário do TRF 1ª região (2017) a literalidade do art. 315, CPC.
#JÁCAIU. TRF1. CESPE. 2017.
A respeito da petição inicial, da tutela provisória, da suspensão do processo e das nulidades, julgue o
próximo item à luz do Código de Processo Civil vigente.

56 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Questão 94. Se a decisão de mérito depender da verificação da existência de fato delituoso, o juiz poderá
determinar a suspensão do processo até o pronunciamento da justiça criminal. (CERTO).
(3) Caiu na prova de auditor de controle externo do TCE – PA (2016) a literalidade do art. 316, CPC.
#JÁCAIU. TCE-PA. CESPE. 2016.
Acerca da formação, da suspensão e da extinção do processo, julgue o item a seguir.
Questão 67. Quando da extinção do processo, o pronunciamento judicial se dará por sentença. (CERTO).
(4) Caiu da prova de auditor do controle externo do TCE – PA (2016) a literalidade dos artigos 321, 352 e
932, parágrafo único, todos do CPC.
#JÁCAIU. TCE-PA. CESPE. 2016.
Acerca da formação, da suspensão e da extinção do processo, julgue o item a seguir.
Questão 69. O juiz deverá conceder à parte oportunidade para corrigir vício que possa resultar na extinção
do processo sem resolução do mérito. (CERTO).
Bons estudos!!!

57 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


DIREITO EMPRESARIAL5

EMPRESARIAL
Evolução histórica
6%

Falência e
Empresário
recuperação
12%
judicial
23%

Títulos de crédito
18%
Teoria Geral
29%

Responsabilidade
dos sócios
12%

Evolução histórica
Empresário
Títulos de crédito
Responsabilidade dos sócios
Teoria Geral
Falência e recuperação judicial
Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Direito comercial. 1.1 Origem; evolução histórica; autonomia; fontes; características. 1.2 Empresário:
caracterização; inscrição; capacidade; teoria da empresa e seus perfis.

#OLHONATABELA:

CÓDIGO COMERCIAL DE 1850 E A TEORIA DOS ATOS CÓDIGO COMERCIAL DE 1850 E A TEORIA DOS ATOS
DE COMÉRCIO DE COMÉRCIO
O Código Comercial de 1850 era dividido em três O Código Civil de 2002 passou a adotar a teoria da

5
Por Ana Luiza Novelli Silveira.

58 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


partes: I – Do comércio em geral; II – Do Comércio empresa, de matriz italiana. Trouxe, com isso, novos
marítimo; III – Das quebras. Esta última parte já havia conceitos, quais sejam o de empresário e de empresa.
sido revogada pelo Decreto-Lei 7.661/45, que, Deste modo, houve a revogação da parte I, do Código
posteriormente, foi revogado pela nova Lei de Comercial de 1850 (art. 2.045, do CC). Isso significa que
Falências – Lei 11.101/05. a parte II, que trata do comércio marítimo, ainda está
A primeira parte do Código – Do comércio em geral- em vigor. Critério material.
adotou a teoria dos atos de comércio, que tem origem O CC manteve a separação das obrigações do
na França, e, para ela, existem as figuras do empresário das do não empresário, unindo, apenas,
comerciante (pessoa física) e da sociedade comercial todas em um único diploma.
(pessoa jurídica). Para serem classificados como tal,
necessária seria a prática de atos de comércio. O
conceito de empresário estaria ligado a essas práticas.
O Regulamento 737/1850 era o responsável por arrolar
os atos de comércio: a) compra e venda de bens
móveis; b) atividade de seguro; c)atividade bancária; d)
atividade de frete marítimo; dentre outros.
É de se observar que a prestação de serviços não
estava elencada no regulamento, bem como a
atividade imobiliária (construtoras, imobiliárias, etc.).
Isso ocasionava grandes problemas, na medida em que
as regras do direito comercial não incidiam sobre essas
atividades.

#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.


Questão 117. Apesar de os gregos e os fenícios serem historicamente associados a atividades de compra e troca,
o surgimento do direito comercial de forma organizada corresponde à ascensão da classe burguesa na Idade
Média. À medida que artesãos e comerciantes europeus se reuniam em corporações de ofícios, surgiam normas
destinadas a disciplinar os usos e costumes comerciais da época (CERTO).
Quanto ao conceito de empresário e suas características, importante realizer a leitura do Código Civil
acerca de suas nuances (artigo 966 e seguintes):
#OLHAADICA!
O conceito de empresário é aplicável tanto à pessoa física como à pessoa jurídica.
Entretanto, a pessoa física, inserida no contexto de empresário, será chamada de empresário de individual,
enquanto a pessoa jurídica será uma pessoa empresária (sociedade empresária) ou uma EIRELI (empresa
individual de responsabilidade limitada).

2. Teoria geral dos títulos de créditos. 2.1. Títulos de créditos: letra de câmbio; cheque; nota promissória;
duplicata. 2.2 Aceite; aval; endosso; protesto; prescrição. 2.3 Ações cambiais.

Como já salientado no Raio-X de Direito Civil, o mesmo tópico é abordado nas duas disciplinas. Trata-se

59 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


de um tema simples, contudo, passível de muitos erros bobos por falta de revisão do tema. Aqui, tanto a leitura
da legislação como aquela olhadinha na FUC nº 9 de Direito Empresarial se faz importante.

#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.


Questão 71. Com referência às disposições do Código Civil acerca de endosso e aval, assinale a opção correta.
a) É válido o aval parcial de títulos de crédito.
b) O Código Civil veda o aval parcial e, por se tratar de norma posterior, revogou o dispositivo da Lei Uniforme
de Genebra que permite o aval parcial em notas promissórias.
c) O Código Civil veda tanto o aval parcial quanto o endosso parcial. (CERTO).
d) Dado o princípio da autonomia, caso o avalista pague o título, não haverá possibilidade de ação de regresso
contra os demais coobrigados.
e) É válido o endosso parcial de títulos de crédito.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Com relação aos títulos de crédito, julgue o item abaixo.
Questão 90. O devedor que, como forma de pagamento de um negócio celebrado, transfere ao credor, por
simples tradição, títulos de crédito emitidos por terceiros, sem endossá-los, não possui responsabilidade solidária
pelo pagamento da cártula (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 119. O denominado cheque pré-datado, apesar de usual no comércio brasileiro, não está previsto na
legislação, segundo a qual o cheque é uma ordem de pagamento à vista, estando a instituição bancária
obrigada a pagá-lo no ato de sua apresentação, de modo que a instituição não pode ser responsabilizada pelo
pagamento imediato de cheques datados com lembrete de desconto para data futura (CERTO).

3. Espécies de empresa. 3.1 Responsabilidade dos sócios. 3.2 Distribuição de lucros. 3.3 Sócio oculto. 3.4 Segredo
comercial.

Importante salientar que, sobre esse tópico, as provas costumam cobrar a lei seca. Contudo, o
aprendizado do tema fica mais esquematizado e sistematizado com a leitura da Fuc nº 5 de Direito empresarial
(são vários artigos um pouco espalhados, razão pela qual há a indicação da leitura da FUC).
#FICAADICA. A responsabilidade da própria sociedade, independentemente do tipo societário adotado, é
sempre ilimitada e direta. Só é possível a limitação da responsabilidade subsidiária dos sócios.

SOCIEDADE EM COMANDITA POR AÇÕES Responsabilidade mista


SOCIEDADE ANÔNIMA Responsabilidade limitada
SOCIEDADE EM NOME COLETIVO Responsabilidade ILIMITADA
SOCIEDADE EM COMANDITA SIMPLES Responsabilidade mista

60 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


SOCIEDADE LIMITADA (há solidariedade) Responsabilidade limitada
Pode ser pactuado no contrato: nenhuma ou
SOCIEDADE SIMPLES
ILIMITADA.

#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.


Questão 73. Considerando a legislação em vigor a respeito da responsabilidade dos sócios nos diversos tipos
societários, assinale a opção correta.
a) Nas sociedades cooperativas, o contrato social deverá prever, necessariamente, a responsabilidade ilimitada
aos sócios.
b) O acionista responde ilimitadamente com o próprio patrimônio no que se refere às obrigações assumidas
pela sociedade anônima.
c) Nas sociedades anônimas, os acionistas respondem solidariamente pela integralização do capital social.
d) Nas sociedades limitadas, os sócios respondem solidariamente pela integralização do capital social. (CERTO).
e) Na sociedade comandita por ações, todos os sócios respondem ilimitadamente pelos débitos societários.

4. Teoria geral do direito societário. 4.1 Conceito de sociedade; personalização da sociedade. 4.2 Classificação
das sociedades: sociedades não personificadas; sociedades personificadas; sociedade simples; sociedade em
nome coletivo; sociedade em comandita simples; sociedade em comandita por ações; sociedade cooperada;
sociedades coligadas. 4.3 Liquidação; transformação; incorporação; fusão; cisão; sociedades dependentes de
autorização. 4.4 Sociedade limitada; sociedade anônima. 4.5 Estabelecimento empresarial. 4.6 Recuperação
judicial; recuperação extrajudicial; falência do empresário e da sociedade empresária. 4.7 Institutos
complementares do direito empresarial: registro; nome; prepostos; escrituração; propriedade industrial.

Tema cobrado, com certa regularidade, através do conhecimento da legislação correlata.


#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 81. Assinale a opção correta no que se refere ao direito societário.
a) Compete ao poder público municipal do local da sede autorizar o funcionamento de sociedades cujo
funcionamento dependa de autorização do Poder Executivo.
b) É nulo todo o contrato social de sociedade limitada que contenha cláusula que exclua qualquer sócio da
participação nos lucros e nas perdas.
c) A sociedade em comum e a sociedade de fato ou irregular são não personificadas, conforme classificação do
Código Civil.
d) O sócio remisso pode ser excluído da sociedade pelos demais, caso em que deve ser-lhe devolvido, com os
abatimentos cabíveis, o montante com o qual tenha contribuído para o capital social. (CERTO).
e) Os tipos societários previstos no Código Civil são exemplificativos, podendo as sociedades organizar-se de
formas distintas das expressamente listadas.

61 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 72. Assinale a opção que apresenta, respectivamente, as espécies societárias que somente podem ser
consideradas, a primeira, como sociedade empresária e, a segunda, como sociedade simples, em razão de
expressa imposição legal.
a) sociedade comandita por ações / sociedade comandita simples.
b) sociedade anônima / sociedade cooperativa. (CERTO).
c) sociedades estatais / associações.
d) sociedade anônima / sociedade limitada.
e) sociedade em nome coletivo / sociedade limitada.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 118. Uma sociedade estrangeira não pode funcionar no Brasil sem autorização do governo do estado
onde será instalada e sem certidão de nada consta emitida pela Polícia Federal, por meio de sua
superintendência local (ERRADO).
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 80. Depende do consentimento de todos os sócios ou acionistas — salvo em caso de previsão no ato
constitutivo, hipótese em que o dissidente poderá retirar-se da sociedade — a operação societária denominada:
a) incorporação.
b) fusão.
c) cisão.
d) liquidação.
e) transformação. (CERTO).
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 70. A respeito de estabelecimento empresarial, aviamento e clientela, assinale a opção correta.
a) Estabelecimento empresarial corresponde a um complexo de bens corpóreos organizados ao exercício de
determinada empresa.
b) O estabelecimento empresarial não é suscetível de avaliação econômica e, por consequência, não pode ser
alienado.
c) Aviamento refere-se à aptidão que determinado estabelecimento empresarial possui para gerar lucros.
(CERTO).
d) De acordo com a doutrina, aviamento e clientela são sinônimos.
e) Na legislação vigente, não há mecanismos de proteção legal à clientela.
Da mesma forma, quanto ao tema de falência e recuperação judicial – como se depreende das questões
colacionadas - impera o conhecimento do teor da legislação nesse tema.

62 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Muita atenção com os temas:
• Quem pode requerer a falência.
• Quem pode requerer a recuperação judicial.
• Quem pode requerer a recuperação extrajudicial.
• Crimes falimentares
Bate o olho aqui:

Art. 1o Esta Lei disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial e a falência do


empresário e da sociedade empresária, doravante referidos simplesmente como devedor.
Art. 2o Esta Lei não se aplica a:
I – empresa pública e sociedade de economia mista;
II – instituição financeira pública ou privada, cooperativa de crédito, consórcio, entidade de
Detalhes
previdência complementar, sociedade operadora de plano de assistência à saúde, sociedade
importantes
seguradora, sociedade de capitalização e outras entidades legalmente equiparadas às
anteriores.
Art. 3o É competente para homologar o plano de recuperação extrajudicial, deferir a
recuperação judicial ou decretar a falência o juízo do local do principal estabelecimento do
devedor ou da filial de empresa que tenha sede fora do Brasil.
Art. 47. A recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise
econômico-financeira do devedor, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do
emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a
preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica.
Art. 48. Poderá requerer recuperação judicial o devedor que, no momento do pedido,
exerça regularmente suas atividades há mais de 2 (dois) anos e que atenda aos seguintes
requisitos, cumulativamente:
I – não ser falido e, se o foi, estejam declaradas extintas, por sentença transitada em julgado,
Recuperação as responsabilidades daí decorrentes;
judicial II – não ter, há menos de 5 (cinco) anos, obtido concessão de recuperação judicial;
III - não ter, há menos de 5 (cinco) anos, obtido concessão de recuperação judicial com base
no plano especial de que trata a Seção V deste Capítulo; (Redação dada pela Lei
Complementar nº 147, de 2014)
IV – não ter sido condenado ou não ter, como administrador ou sócio controlador, pessoa
condenada por qualquer dos crimes previstos nesta Lei.
§1o A recuperação judicial também poderá ser requerida pelo cônjuge sobrevivente,
herdeiros do devedor, inventariante ou sócio remanescente.
Art. 183. Compete ao juiz criminal da jurisdição onde tenha sido decretada a falência,
concedida a recuperação judicial ou homologado o plano de recuperação extrajudicial,
conhecer da ação penal pelos crimes previstos nesta Lei.
Procedimento
Art. 184. Os crimes previstos nesta Lei são de ação penal pública incondicionada.
Penal
Parágrafo único. Decorrido o prazo a que se refere o art. 187, § 1o, sem que o representante
do Ministério Público ofereça denúncia, qualquer credor habilitado ou o administrador

63 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


judicial poderá oferecer ação penal privada subsidiária da pública, observado o prazo
decadencial de 6 (seis) meses.
Art. 185. Recebida a denúncia ou a queixa, observar-se-á o rito previsto nos arts. 531 a 540
do Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal.
Art. 186. No relatório previsto na alínea e do inciso III do caput do art. 22 desta Lei, o
administrador judicial apresentará ao juiz da falência exposição circunstanciada,
considerando as causas da falência, o procedimento do devedor, antes e depois da
sentença, e outras informações detalhadas a respeito da conduta do devedor e de outros
responsáveis, se houver, por atos que possam constituir crime relacionado com a
recuperação judicial ou com a falência, ou outro delito conexo a estes.
Parágrafo único. A exposição circunstanciada será instruída com laudo do contador
encarregado do exame da escrituração do devedor.
Art. 187. Intimado da sentença que decreta a falência ou concede a recuperação judicial, o
Ministério Público, verificando a ocorrência de qualquer crime previsto nesta Lei, promoverá
imediatamente a competente ação penal ou, se entender necessário, requisitará a abertura
de inquérito policial.
§1o O prazo para oferecimento da denúncia regula-se pelo art. 46 do Decreto-Lei no 3.689,
de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal, salvo se o Ministério Público, estando
o réu solto ou afiançado, decidir aguardar a apresentação da exposição circunstanciada de
que trata o art. 186 desta Lei, devendo, em seguida, oferecer a denúncia em 15 (quinze) dias.
§2o Em qualquer fase processual, surgindo indícios da prática dos crimes previstos nesta Lei,
o juiz da falência ou da recuperação judicial ou da recuperação extrajudicial cientificará o
Ministério Público.
Art. 188. Aplicam-se subsidiariamente as disposições do Código de Processo Penal, no que
não forem incompatíveis com esta Lei.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


Questão 81. Assinale a opção correta no que se refere ao direito societário.
a) Compete ao poder público municipal do local da sede autorizar o funcionamento de sociedades cujo
funcionamento dependa de autorização do Poder Executivo.
b) É nulo todo o contrato social de sociedade limitada que contenha cláusula que exclua qualquer sócio da
participação nos lucros e nas perdas.
c) A sociedade em comum e a sociedade de fato ou irregular são não personificadas, conforme classificação do
Código Civil.
d) O sócio remisso pode ser excluído da sociedade pelos demais, caso em que deve ser-lhe devolvido, com os
abatimentos cabíveis, o montante com o qual tenha contribuído para o capital social. (CERTO).
e) Os tipos societários previstos no Código Civil são exemplificativos, podendo as sociedades organizar-se de
formas distintas das expressamente listadas.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.

64 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Questão 18. Considere que determinada sociedade limitada constituída por três sócios, sendo um deles o
sócio administrador, ainda não esteja com seu capital social totalmente int egralizado. Nessa situação, a
responsabilização:
a) deverá recair primeiramente sobre os sócios que ainda não tiverem integralizado suas quotas de capital
social.
b) dos sócios restringir-se-á aos valores de suas quotas de capital.
c) dos sócios será subsidiária, devendo o sócio administrador ser responsabilizado em primeiro lugar.
d) será do sócio administrador, em razão de suas atribuições sociais.
e) será solidária em face da não integralização total do capital social. CERTO.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 20. Acerca do procedimento penal estabelecido na Lei n.º 11.101/2005, que dispõe sobre a
recuperação judicial e extrajudicial e sobre a falência do empresário e da sociedade empresá ria, assinale a
opção correta:
a) Por se tratar de legislação especial, as disposições do CPP não são aplicadas subsidiariamente nas
hipóteses de procedimento penal previstas na lei em questão.
b) As ações penais relativas aos crimes previstos na lei em apreço devem ser distribuídas por sorteio entre
as varas de execuções penais da jurisdição.
c) As ações penais relativas aos crimes previstos na lei em pauta são de natureza pública condicionada.
d) O MP, verificando a ocorrência de qualquer crime previsto na referida lei, promoverá a competente
ação penal. (CERTO).
e) Decorrido o prazo legal sem que o representante do MP ofereça denúncia quanto aos crimes previstos
na lei em tela, o procedimento será arquivado.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 120. Em caso de falência de sociedades, diretor e gerente equiparam-se ao falido para todos os efeitos
penais, na medida da culpabilidade de cada um dos envolvidos, estando sujeitos, em caso de condenação, à
inabilitação para o exercício da atividade empresarial, que deve ser certificada pelo delegado que tenha
acompanhado o inquérito. (ERRADO)

5. Sistema Financeiro Nacional: constituição; competência das entidades integrantes; instituições financeiras
públicas e privadas; liquidação extrajudicial de instituições financeiras; sistema financeiro da habitação.

Tema muito raro de ser cobrado. Todavia, como aluno ciclos não fica despreparado....
#DEOHONAJURISPRUDÊNCIA. É de um ano o prazo prescricional das ações do segurado/mutuário contra a
seguradora pedindo a cobertura o sinistro relacionado a contrato de mutuo firmado no SFH (STJ, 3ª Turma,
Agnt no Resp 1420961/SP) #2017.
O termo inicial da prescrição conta-se da data da ciência inequívoca da incapacidade do segurado.

65 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Súmula 278 do STJ: O termo inicial do prazo prescricional, na ação de indenização, é a data em que o
segurado teve ciência inequívoca da incapacidade laboral.

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL


Prezados alunos e futuros Delegados Federais.
Inicialmente, insta destacar que a banca CESPE possui um estilo próprio e até diversos de outras bancas.
Muitas vezes, dentro de uma mesma questão, é cobrada doutrina, jurisprudência e lei seca ao mesmo tempo.
Exemplos: “conforme lei ‘tal’ e o entendimento do STJ”; “considerando o entendimento dos tribunais superiores e
o posicionamento doutrinário dominante”.
Mister ressaltar que NÃO VALE A PENA vocês baixarem todas as provas de DPF anteriores para
resolverem.
Explico. A última prova foi bem diferente das demais. Buscou-se um caráter mais jurídico da prova, a fim
de ressaltar a função jurídica do cargo, aproximando-se, dessa forma, das provas das demais carreira jurídicas,
como da Magistratura e MP, o que deu ensejo a inclusão da fase da prova oral (se virem direitinho o edital,
observarão que tal fase só cai na prova de Delegado).
Assim, todas aquelas matérias “não jurídicas” foram retiradas do edital. Então, por exemplo, português,
informática e raciocínio lógico já não fazem parte do edital de DPF.
Quanto à matéria de Direito Internacional Público, objeto desta parte do raio-X, cabe destacar que na
última prova de DPF, ocorrida em 2013, a disciplina teve 07 assertivas (da questão 109 a 115) que abordaram os
seguintes pontos do edital: Direito dos Tratados (Legislação), Relações Consulares (Legislação), Direito do Mar
(Legislação), Corte Internacional de Justiça (Legislação), Fontes do Direito Internacional (Doutrina), Extradição
(Legislação), Estatuto da Igualdade (Legislação).
Ao analisar a situação apresentada acima, observa-se que nesta disciplina a banca examinadora
normalmente formula questões baseadas na legislação, já que apenas 01 teve como fonte a doutrina. Diante dos
fatos, buscando uma otimização dos estudos bem como uma atuação estratégica, sugerimos um estudo mais
voltado à legislação sugerida no edital.
Fizemos um Raio-X da última prova de DPF e na prova da magistratura federal do TRF5 (2017) e TRF1
(2015).
E aí? Prontos para conferir esse edital?

66 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


INTERNACIONAL

Estatuto da
Igualdade Direito dos
17% Tratados
25%
Extradição
8%
Relações
Fontes do Direito Consulares
Internacional 9%
8% Domínio Público
Internacional
25%
Corte Internacional
de Justiça
8%

Direito dos Tratados


Relações Consulares
Domínio Público Internacional
Corte Internacional de Justiça
Fontes do Direito Internacional
Extradição
Estatuto da Igualdade
Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Direito internacional público: conceito, fontes e princípios.


2. Atos internacionais. 2.1 Tratados: validade; efeitos; ratificação; promulgação; registro, publicidade; vigência
contemporânea e diferida; incorporação ao direito interno; violação; conflito entre tratado e norma de direito
interno; extinção. 2.2. Convenções, acordos, ajustes e protocolos. 2.3. Aspectos penais do Protocolo de São Luís
(Decreto nº 3.468/2000). 2.4. Convenção das Nações Unidas contra o crime organizado transnacional
(Convenção de Palermo); Decreto nº 5.015/2004. 2.5. Decreto nº 5.017/2004 (protocolo adicional à convenção
das Nações Unidas contra o crime organizado transnacional relativo à prevenção, repressão e punição do tráfico
de pessoas, em especial mulheres e crianças). 2.6 Atribuições do Departamento de Polícia Federal para questões
decorrentes de tratados internacionais.

67 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 109. A Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados estabelece que o Estado que tenha assinado
um tratado, ainda que não o tenha ratificado, está obrigado a não frustrar seu objeto e finalidade antes de sua
entrada em vigor. (CERTO).
Comentário: Seu fundamento legal encontra-se no artigo 18 da Convenção de Viena sobre o direito dos
tratados de 1969: “Um Estado é obrigado a abster-se da prática de atos que frustrariam o objeto e a finalidade
de um tratado, quando: a) tiver assinado ou trocado instrumentos constitutivos do tratado, sob reserva de
ratificação, aceitação ou aprovação, enquanto não tiver manifestado sua intenção de não se tornar parte no
tratado; ou b) tiver expressado seu consentimento em obrigar-se pelo tratado no período que precede a
entrada em vigor do tratado e com a condição de esta não ser indevidamente retardada”.
#JÁCAIU! TRF1. 2015.
Questão 92. A respeito do direito dos tratados, assinale a opção correta.
a) É vedado que mais de dois Estados sejam depositários de um mesmo tratado.
b) Diferentemente da Convenção de Havana sobre Tratados, a Convenção de Viena sobre o Direito dos
Tratados não traz qualquer definição do termo tratado.
c) Um tratado somente pode criar obrigações para um terceiro Estado que dele não faça parte se este consentiu
expressamente, por escrito, nesse sentido. (CERTO).
d) É vedada a extinção de um tratado multilateral em virtude de violação substancial de suas disposições por
uma das partes.
e) Um ato relativo à conclusão de um tratado por pessoa que não possa ser considerada representante de um
Estado gera nulidade insanável no instrumento.
Comentário: Conforme o art. 35, da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, uma obrigação nasce
para um terceiro Estado de uma disposição de um tratado se as partes tiverem a intenção de criar a obrigação
por meio dessa disposição e o terceiro Estado aceitar expressamente, por escrito, essa obrigação. A resposta
correta é a letra C.
#JÁCAIU. TRF5 2017.
Questão 93. Acerca dos tratados internacionais, assinale a opção correta.
a) Admite-se que a entrada em vigor de um tratado ocorra a partir do implemento de uma condição, como, por
exemplo, o depósito junto ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU). (CERTO).
b) Na hipótese de um tratado não ter entrado em vigor, um Estado signatário pode praticar atos que acarretem
a inviabilidade prática de aplicação do ato internacional.
c) Admite-se que, por ocasião da aprovação do texto convencional de tratado, o Congresso Nacional do Estado
efetue emendas a esse tratado, de modo que a ratificação seja realizada com reservas.
d) A expedição de decreto presidencial executório de tratado internacional, após sua ratificação, pelo presidente
da República, junto ao depositário, é expressamente prevista na Constituição Federal de 1988.

68 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


e) Não se admite que se considere o preâmbulo do tratado para fins de interpretar o contexto desse mesmo
tratado.

3 Personalidade internacional. 3.1 Estado; imunidade à jurisdição estatal; consulados e embaixadas. 3.2
Organizações internacionais: conceito; natureza jurídica; elementos caracterizadores; espécies. 3.3 População;
nacionalidade; tratados multilaterais; estatuto da igualdade. 3.4 Estrangeiros: vistos; deportação, expulsão e
extradição: fundamentos jurídicos; reciprocidade e controle jurisdicional. 3.5 Asilo político: conceito, natureza e
disciplina.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 115. Consoante as normas referentes à igualdade entre brasileiros e portugueses, o gozo de direitos
políticos no Estado de residência importa na suspensão do exercício dos mesmos direitos no Estado de
nacionalidade. (CERTO).
Comentário: seu fundamento legal encontra-se no artigo 7º, 3 da Convenção sobre Igualdade de Direitos e
Deveres entre Brasileiros e Portugueses: “O gozo de direitos políticos no Estado de residência importa na
suspensão do exercício dos mesmos direitos no Estado da nacionalidade”.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 114. A extradição poderá ser concedida pelo Estado brasileiro quando o pedido do governo estrangeiro
for fundado em tratado ou em promessa de reciprocidade. (CERTO).
#JÁCAIU! TRF1 2015.
Questão 94. Assinale a opção correta com relação ao estatuto de igualdade entre brasileiros e portugueses.
a) O brasileiro ou o português beneficiário do estatuto de igualdade que se encontrar em um terceiro Estado
poderá gozar da proteção diplomática tanto do Estado da residência habitual quanto do Estado da
nacionalidade.
b) Excetuam-se do regime de equiparação somente os direitos expressamente reservados em lei por ambos os
Estados.
c) No Brasil, o estatuto de igualdade será atribuído por ato conjunto do ministro da Justiça e do ministro das
Relações Exteriores.
d) O brasileiro em Portugal ou o português no Brasil, independentemente de requerimento à autoridade
competente, poderá gozar de direitos políticos após dois anos de residência habitual.
e) O brasileiro ou o português beneficiário do estatuto de igualdade não estará sujeito à extradição, salvo se
essa for requerida pelo governo do Estado da nacionalidade. (CERTO).
Comentário: Art. 18 do Decreto 3.927/01: Os brasileiros e portugueses beneficiários do estatuto de igualdade
ficam submetidos à lei penal do Estado de residência nas mesmas condições em que os respectivos nacionais
e não estão sujeitos à extradição, salvo se requerida pelo Governo do Estado da nacionalidade.

69 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


4. Proteção internacional dos direitos humanos. 4.1 Declaração Universal dos Direitos Humanos. 4.2 Direitos civis,
políticos, econômicos e culturais. 4.3 Mecanismos de implementação.

Vamos ver o que já foi objeto de cobrança?


#JÁCAIU! TRF1 2015.
Questão 95. Com referência à proteção internacional dos direitos humanos, assinale a opção correta.
a) O III Protocolo Facultativo ao Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos possibilita que um Estado-parte
aceite a jurisdição do TPI para casos de graves e sistemáticas violações aos direitos inderrogáveis estabelecidos
no pacto.
b) A Declaração Universal dos Direitos Humanos contém direitos de cunho social, como assistência à
maternidade e à infância e férias periódicas remuneradas. (CERTO).
c) A Corte Internacional de Justiça já considerou o direito ao desenvolvimento, contido no Pacto Internacional de
Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, como norma jus cogens.
d) O Conselho de Direitos Humanos possui a metade de seus membros composta de experts independentes e a
outra metade composta por representantes de Estados-membros da ONU.
e) Durante a Conferência de Viena sobre Direitos Humanos de 1993, foi adotado o texto da Convenção Mundial
de Direitos Humanos.
Comentário: Após as atrocidades cometidas durante a Segunda Guerra Mundial, surge a necessidade de
reconstruir os direitos humanos, como paradigma e referencial ético a orientar a ordem internacional, mediante
a formulação de um código universal de valores. Este código universal significaria o consenso sobre os preceitos
minimamente necessários para assegurar uma vida com dignidade.
Em 10 de dezembro de 1948, foi criada, assim, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, pela aprovação
unânime de 48 Estados, com 8 abstenções. A Declaração consolida a afirmação de uma ética universal, ao
consagrar um consenso sobre valores a serem seguidos pelos Estados. Ela introduz a concepção
contemporânea de direitos humanos, marcada pela universalidade, interdependência e indivisibilidade destes
direitos.
Além de direitos civis e políticos, a Declaração Universal garante direitos econômicos (ex: direito a igual
remuneração por igual trabalho - art. 23º, II); direitos sociais (ex: assistência à maternidade e à infância - art. 25,
II e férias periódicas remuneradas - art. 24); e direitos culturais (ex: direito de participar livremente da vida
cultural da sua comunidade - art. 27º,I).
#JÁCAIU. TRF5. CESPE. 2017.
Questão 96. A respeito da responsabilidade internacional do Estado e da proteção aos direitos humanos,
assinale a opção correta.
a) Dada a autonomia do Poder Judiciário, não se admite a responsabilidade do Estado por atos judiciais na
hipótese de não aplicação de tratado internacional invocado pela parte em juízo.
b) Para a configuração da responsabilidade do Estado por atos praticados por particulares, é irrelevante a
obrigação estatal em relação ao direito internacional.

70 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


c) Não se admite a responsabilidade internacional do Estado quando seu agente age funcionalmente
exorbitando, de forma inequívoca, dos poderes previstos no próprio direito interno.
d) Para que ocorra o Incidente de Deslocamento de Competência para a Justiça Federal, é obrigatória a
demonstração inequívoca da total incapacidade das instâncias e autoridades locais em oferecer respostas às
ocorrências de grave violação aos direitos humanos. (CERTO).
e) Não se admite a responsabilidade do Estado por atos legislativos no caso de emenda constitucional contrariar
tratado internacional.
#JÁCAIU! TRF1. CESPE. 2015.
Questão 93. Raul, nacional do Estado X, solicitou asilo diplomático na embaixada do Estado Y, localizada no
território do Estado Z, alegando que tem sofrido perseguição política por ação conjunta dos Estados X e Z. O
asilo diplomático foi concedido pelo Estado Y, que reconhece como norma de direito internacional costumeiro o
asilo diplomático, ao passo que o Estado Z alega que nunca reconheceu tal norma como válida e obrigatória
para si.
Nessa situação hipotética,
a) o Estado Y não pode entregar Raul às autoridades do Estado Z, após a concessão do asilo, mas pode
entregá-lo às autoridade de seu próprio Estado.
b) o Estado Z está obrigado a conceder a Raul um salvo-conduto para que ele deixe o seu território.
c) a embaixada do Estado Y, localizada no território do Estado Z, é inviolável, mesmo estando Raul em seu
interior. (CERTO).
d) Raul tem direito a ter reconhecido pelo Estado Z o asilo diplomático concedido pelo Estado Y.
e) o Estado Y tem o dever de aplicar a Raul o princípio aut dedere aut judicare.
Comentário: Convenção de Viena sobre relações diplomáticas. Artigo 22. 1. Os locais da Missão são invioláveis.
Os Agentes do Estado acreditado não poderão nêles penetrar sem o consentimento do Chefe da Missão.

5. Conflitos internacionais. 5.1 Meios de solução: diplomáticos, políticos e jurisdicionais. 5.2 Cortes internacionais.

#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.


Questão 112. Somente Estados podem figurar como parte em procedimentos contenciosos perante a Corte
Internacional de Justiça. (CERTO).
Comentário: O fundamento jurídico da questão se encontra no artigo 34, 1 do Estatuto da Corte Internacional
de Justiça: “Apenas os Estados poderão ser partes em casos diante da Corte”. A Corte também tem função
consultiva e, nesse caso, órgãos da ONU têm competência para requerer parecer consultivo.

6. Domínio público internacional: mar; águas interiores; mar territorial; zona contígua; zona econômica;
plataforma continental; alto-mar; rios internacionais; espaço aéreo; normas convencionais; nacionalidade das
aeronaves; espaço extra-atmosférico.

71 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 111. Após o reconhecimento de pleito formulado perante a Comissão de Delimitação de Plataformas
Continentais da Organização das Nações Unidas, o Brasil passou a exercer, na plataforma continental que
excede as 200 milhas náuticas, até o limite de 350 milhas náuticas, competências equivalentes às exercidas no
mar territorial. (ERRADO).
Comentário: O Brasil não teve seu pleito reconhecido pela referida comissão da ONU. Em 2004, o Brasil
formulou pleito pedindo a extensão da plataforma continental de 200 milhas marítimas para 350 milhas
marítimas, o que é permitido pela Convenção de Montego Bay sobre o direito do Mar. Entretanto, em 2007, por
oposição dos Estados Unidos, o pleito brasileiro foi rejeitado na ONU. Mais tarde, o Brasil reformulou o pleito e
ainda aguarda resposta. Grande parte do Pré-Sal se encontra além das 200 milhas marítimas, o que explica a
importância de o Brasil poder exercer soberania econômica sobre a plataforma continental estendida.
#JÁCAIU! TRF1. CESPE. 2015.
Questão 97. Questão Ao realizar um cruzeiro turístico, uma embarcação de pavilhão do Estado A parou em área
situada na zona econômica exclusiva do Estado B e lá permaneceu. Após dez dias, autoridades do Estado B
apreenderam a embarcação sob a alegação de que esta deveria ter informado que permaneceria parada
naquela área, sendo a ausência de informação motivo para suspeitar de seu engajamento em atividade ilícita.
Nessa situação hipotética, a atitude do Estado B violou.
a) o direito de passagem em trânsito da embarcação.
b) a liberdade de navegação da embarcação. (CERTO).
c) a liberdade de exploração econômica da embarcação.
d) a liberdade do estatuto de bandeira da embarcação.
e) o direito de passagem inocente da embarcação.
Comentário: Segundo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, também conhecida como
Convenção de Montego Bay, na zona econômica exclusiva, todos os Estados gozam das liberdades de
navegação e de sobrevôo e de colocação de cabos e duros submarinos, bem como de outros usos do mar
internacionalmente lícitos.
#JÁCAIU! TRF1. CESPE. 2015.
Questão 96. No que se refere à regulação internacional do espaço aéreo e do espaço extra-atmosférico,
assinale a opção correta.
a) Os Estados que desenvolvam atividade no espaço cósmico têm o dever de informar o secretário-geral da
ONU sobre a natureza dessas atividades.
b) Em caso de sequestro de aeronave, é autorizado ao comandante exigir a ajuda de qualquer passageiro, a fim
de tomar medidas coercitivas contra o indivíduo que cometer esse ilícito.
c) O TPI é a corte competente para exercer a jurisdição em casos de sequestro de aeronaves, salvo se o Estado
de matrícula da aeronave se dispuser a processar o acusado.

72 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


d) A exploração e o uso do espaço cósmico, inclusive da Lua e dos demais corpos celestes, se fundamenta nos
princípios da cooperação, da assistência mútua e da efetividade.
e) A Convenção sobre Responsabilidade Internacional por Danos Causados por Objetos Espaciais dispensa o
esgotamento prévio de recursos internos em caso de pedido de indenização ao Estado lançador. (CERTO).
Comentário: Segundo o art. 11, I da Convenção sobre Responsabilidade Internacional por Danos Causados por
Objetos Espaciais, para a apresentação de um pedido de indenização a um Estado lançador, não será necessário
que se esgotem previamente os recursos locais que possam estar à disposição de um Estado demandante, ou
de pessoa física ou jurídica que o Estado represente.

7. Cooperação internacional: espécies e procedimentos.


8. Cooperação policial internacional.

A cooperação policial internacional no Brasil é realizada com exclusividade pela Polícia Federal, por meio
da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional (CGCI), vinculada ao Gabinete do Diretor-Geral, além de
suas 27 (vinte e sete) representações regionais em cada superintendência regional da Polícia Federal.
As atividades de cooperação policial internacional são executadas por meio da interface com instituições
policiais intergovernamentais, tais como Interpol, Europol e Ameripol, além do trabalho realizado pelas adidâncias
policiais junto às missões diplomáticas do Brasil no exterior, escritórios de ligação e também pela participação de
policiais em encontros, cursos e seminários para troca de experiências. Os objetivos dessas instituições
intergovernamentais, em linhas gerais, são materializados no estabelecimento de céleres canais de cooperação
entre os países que as integram, seja na troca de informações de natureza investigativa, seja no cumprimento de
diligências policiais, tais como localização e identificação de bens e pessoas (inclusive cadáveres) e a obtenção de
informações inseridas em bancos de dados oficiais (por exemplo: antecedentes criminais).
Atualmente, os conhecimentos aplicados à cooperação policial internacional são indispensáveis ao
exercício das funções policiais, particularmente em operações de combate ao crime organizado, à lavagem de
dinheiro e ao narcotráfico. A mais importante instituição de cooperação policial internacional é a “Organização
Internacional de Polícia Criminal” (International Criminal Police Organization / Organisation Internationale de
Police Criminelle), mais conhecida como Interpol, fundada em Viena/Áustria, em 1923.

9. Cooperação jurídica internacional em matéria penal.


10. Lei nº 13.445/2017 (Lei de Imigração).
11. Decreto nº 154/1991.
12. Decreto nº 3.468/2000,
13. Decreto nº 5.015/2004.
14. Decreto nº 5.016/2004.
15. Decreto nº 5.017/2004.

73 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


16. Decreto nº 5.687/2006.
17. Decreto nº 5.941/2006.
18. Decreto nº 6.340/2008.
19. Decreto nº 8.833/2016.
Em razão do tempo exíguo para o estudo das matérias, seria mais interessante o aluno ciclos concentrar
os estudos nos pontos 1 ao 9, cabendo destacar que no último concurso de DPF apenas 07 assertivas foram
apresentadas.

DIREITO PENAL
Prezados alunos e futuros Delegados Federais.
Inicialmente, insta destacar que a banca CESPE possui um estilo próprio e até diversos de outras bancas.
Muitas vezes, dentro de uma mesma questão, é cobrada doutrina, jurisprudência e lei seca ao mesmo tempo.
Exemplos: “conforme lei ‘tal’ e o entendimento do STJ”; “considerando o entendimento dos tribunais superiores e
o posicionamento doutrinário dominante”.
Ela também coloca vários institutos distintos na mesma questão; insere leis distintas (sem muita
correlação) na mesma questão. Então é uma banca um pouco complexa, devendo o candidato sempre estar
atento ao enunciado.
Logo, é até difícil classificar uma questão como sendo de doutrina; jurisprudência/súmula; ou lei seca.
Veja a seguinte questão:
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 67. Na esfera da LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL, a repristinação:
a) somente se aplicará por força de decisão judicial fundamentada.
b) é aplicável somente nos processos de competência originária dos tribunais.
c) somente se aplicará se houver expressa determinação legal. (CERTO).
d) é inaplicável, por suas características.
e) somente se aplicará se apresentar manifesta vantagem para o réu.
Ora, uma questão dentro de Processo Penal. Mas, se o candidato não soubesse os ditames da LINDB
acerca da repristinação, não conseguiria responder tal questionamento. Apesar de a LINDB ser aplicada ao direito
brasileiro como um todo, normalmente estudamos esse assunto em Civil.
Veja, portanto, que as questões do CESPE também são interdisciplinares.
Mister ressaltar que NÃO VALE A PENA vocês baixarem todas as provas de DPF anteriores para
resolverem.

74 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Explico. A última prova foi bem diferente das demais. Buscou-se um caráter mais jurídico da prova, a fim
de ressaltar a função jurídica do cargo, aproximando-se dessa forma das provas das demais carreira jurídicas,
como da Magistratura e MP, o que deu ensejo a inclusão da fase da prova oral (se virem direitinho o edital,
observarão que tal fase só cai na prova de Delegado).
Assim, todas aquelas matérias “não jurídicas” foram retiradas do edital. Então, por exemplo, português,
informática e raciocínio lógico já não fazem parte do edital de DPF.
Portanto, fizemos uma raio-x na última prova de DPF e nas últimas provas de DPC, no que tange a Penal
e Processo Penal.
Vamos dar início à análise do nosso edital de Penal? Vamos lá, pessoal!

PENAL Lei Penal


4%
Introdução
3% Teoria Geral do
Crime
7%

Teoria do Tipo
9%
Crimes Ilicitude
46% 3%
Teoria Geral da
culpabilidade
Teoria Geral da 3%
Pena
15% Concurso de
Extinção da
agentes
punibilidade
3%
7%

Introdução
Lei Penal
Teoria Geral do Crime
Teoria do Tipo
Ilicitude
Teoria Geral da Culpabilidade
Concurso de agentes
Teoria Geral da Pena
Extinção da punibilidade

Crimes

75 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Introdução ao direito penal. 1.1. Conceito, caracteres e função do direito penal. 1.2 Princípios básicos do direito
penal. 1.3 Relações com outros ramos do direito. 1.4 Direito penal e política criminal.

Veja que, nada obstante o assunto “princípios do direito penal” ser eminentemente doutrinário, foi
cobrado o entendimento do STF a respeito.
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 51. De acordo com o entendimento do STF, a aplicação do princípio da insignificância pressupõe a
constatação de certos vetores para se caracterizar a atipicidade material do delito. Tais vetores incluem o(a)
a) reduzidíssimo grau de reprovabilidade do comportamento. (CERTO).
b) desvalor relevante da conduta e do resultado.
c) mínima periculosidade social da ação.
d) relevante ofensividade da conduta do agente.
e) expressiva lesão jurídica provocada.
2. A lei penal. 2.1 Características, fontes, interpretação, vigência e aplicação. 2.2 Lei penal no tempo e no espaço.
2.3 Imunidade. 2.4 Condições de punibilidade. 2.5 Concurso aparente de normas.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 52. Em relação à lei penal no tempo e à irretroatividade da lei penal, é correto afirmar que à lei penal
mais:
a) severa aplica-se o princípio da ultra-atividade.
b) benigna aplica-se o princípio da extra-atividade. (CERTO).
c) severa aplica-se o princípio da retroatividade mitigada.
d) severa aplica-se o princípio da extra-atividade.
e) benigna aplica-se o princípio da não ultra-atividade.

3. Teoria geral do crime. 3.1 Conceito, objeto, sujeitos, conduta, tipicidade, culpabilidade. 3.2 Bem jurídico. 3.3
Tempo e lugar do crime. 3.4 Punibilidade. 3.5 Concurso de crimes e crime continuado.

76 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Veja como já foi cobrado:
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 57. A respeito de crimes de mesma espécie, nas mesmas condições de tempo, lugar e forma de
execução, com vínculo subjetivo entre os eventos, assinale a opção correta considerando a jurisprudência dos
tribunais superiores.
a) A lei penal mais grave aplicar-se-á ao crime continuado ou ao crime permanente, se a sua vigência for
posterior à cessação da continuidade delitiva ou da permanência.
b) Admite-se a continuidade delitiva entre os crimes de roubo e de latrocínio.
c) A continuidade delitiva pode ser reconhecida quando se tratar de delitos de mesma espécie ocorridos em
comarcas limítrofes ou próximas. (CERTO).
d) Nos crimes dolosos contra vítimas diferentes cometidos com violência ou grave ameaça à pessoa, o aumento
da pena pelo crime continuado encontra fundamento na gravidade do delito.
e) O prazo prescricional será regulado pela pena imposta na sentença, com o acréscimo decorrente da
continuidade delitiva.

4. Teoria do tipo. 4.1 Crime doloso e crime culposo. 4.2 Crime qualificado pelo resultado e crime preterdoloso.
4.3 Erro de tipo. 4.4 Classificação jurídica dos crimes. 4.5 Crimes comissivos e omissivos. 4.6 Crimes de dano e
de perigo. 4.7 Punibilidade: causas de extinção da punibilidade. 4.8 Iter criminis. 4.9 Consumação e tentativa.
4.10 Desistência voluntária e arrependimento eficaz. 4.11 Arrependimento posterior. 4.12 Crime impossível.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 42. O delito de sequestro e cárcere privado, inserido entre os crimes contra a pessoa, constitui infração
penal de ação múltipla, e a circunstância de ter sido praticado contra menor de dezoito anos de idade qualifica
o crime. (ERRADO).

5. Ilicitude. 5.1 Causas de exclusão da ilicitude: estado de necessidade, legítima defesa, estrito cumprimento do
dever legal e exercício regular de direito.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 37. Ocorre legítima defesa sucessiva, na hipótese de legítima defesa real contra legítima defesa
putativa. (ERRADO).

6. Teoria geral da culpabilidade. 6.1 Fundamentos, conceito, elementos e conteúdo. 6.2 Princípio de
culpabilidade. 6.3 Culpabilidade e pena. 6.4 Causas de exclusão da culpabilidade. 6.5 Imputabilidade. 6.6 Erro de
proibição.

77 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#DEOLHONATABELA:

Erro de Tipo Erro de Proibição


O agente possui a concepção correta da realidade.
O agente possui falsa percepção da realidade. Todavia, equivoca-se quando a regra da conduta
efetuada.
O agente sabe o que faz, mas ignora ou pensa não
O agente não sabe o que faz.
ser proibido.
MOCHILA DO AMIGO HOLANDÊS QUE FAZ USO DE MACONHA NO BRASIL

7. Concurso de agentes: autoria e participação; conduta delituosa; resultado; relação de causalidade; imputação.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 30. Álvaro e Samuel assaltaram um banco utilizando arma de fogo. Sem ter ferido ninguém, Álvaro
conseguiu fugir. Samuel, nervoso por ter ficado para trás, atirou para cima e acabou atingindo uma cliente, que
faleceu. Dias depois, enquanto caminhava sozinho pela rua, Álvaro encontrou um dos funcionários do banco e,
tendo sido por ele reconhecido como um dos assaltantes, matou-o e escondeu seu corpo.
Acerca dessa situação hipotética, assinale a opção correta.
Parte superior do formulário
a) Álvaro cometeu os crimes de roubo qualificado e homicídio simples.
b) Samuel cometeu os crimes de roubo simples e homicídio culposo.
c) Álvaro cometeu os crimes de roubo e homicídio qualificados.
d) Álvaro cometeu o crime de homicídio qualificado e será responsabilizado pelo resultado morte ocorrido
durante o roubo. (CERTO).
e) Álvaro e Samuel cometeram o crime de roubo qualificado pelo resultado morte.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 30. Configura autoria por convicção o fato de uma mãe, por convicção religiosa, não permitir a
realização de transfusão de sangue indicada por equipe médica para salvar a vida de sua filha, mesmo ciente da
imprescindibilidade desse procedimento. (CERTO).

8. Teoria geral da pena. 8.1 Cominação das penas. 8.2 Penas privativas de liberdade. 8.3 Penas restritivas de
direitos. 8.4 Regimes de pena. 8.5 Pena pecuniária. 8.6 Medidas de segurança. 8.7 Aplicação da pena. 8.8
Elementares e circunstâncias. 8.9 Causas de aumento e de diminuição das penas. 8.10 Fins da pena. 8.11
Livramento condicional e suspensão condicional da pena. 8.12 Efeitos da condenação. 8.13 Execução penal.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.

78 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Questão 32. Considere que uma mulher, maior e capaz, chegue a casa, logo após ter sido demitida, e,
nervosa, agrida, injustificada e intencionalmente, seu filho de dois anos de idade, causando-lhe lesões corporais
de natureza leve. Nessa situação hipotética, caso essa mulher seja condenada pela referida agressão após o
devido processo legal, não caberá, como efeito da condenação, a decretação de sua incapacidade para o
exercício do poder familiar, nos termos do CP. (CERTO).

9 Extinção da punibilidade. 9.1 Conceito, causas gerais e específicas, momentos de ocorrência. 9.2 Prescrição:
conceito, teorias, prazos para o cálculo da prescrição, termos iniciais, causas suspensivas ou impeditivas, causas
interruptivas.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 35. Considere que Jorge, Carlos e Antônio sejam condenados, definitivamente, a uma mesma pena,
por terem praticado, em coautoria, o crime de roubo. Nessa situação, incidindo a interrupção da prescrição da
pretensão executória da referida pena em relação a Jorge, essa interrupção não produzirá efeitos em relação
aos demais coautores. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 34. Suponha que determinada sentença condenatória, com pena de dez anos de reclusão, imposta ao
réu, tenha sido recebida em termo próprio, em cartório, pelo escrivão, em 13/8/2011 e publicada no órgão oficial
em 17/8/2011, e que tenha sido o réu intimado, pessoalmente, em 20/8/2011, e a defensoria pública e o MP
intimados, pessoalmente, em 19/8/2011. Nessa situação hipotética, a interrupção do curso da prescrição ocorreu
em 17/8/2011. (ERRADO).

10. Crimes. 10.1 Crimes contra a pessoa. 10.2 Crimes contra o patrimônio. 10.3 Crimes contra a propriedade
imaterial. 10.4 Crimes contra a propriedade intelectual. 10.5 Crimes contra a organização do trabalho. 10.6
Crimes contra o sentimento religioso e contra o respeito aos mortos. 10.7 Crimes contra a dignidade sexual. 10.8
Crimes contra a família. 10.9 Crimes contra a incolumidade pública. 10.10 Crimes contra a paz pública. 10.11
Crimes contra a fé pública. 10.12 Crimes contra a administração pública. 10.13 Crimes contra as finanças públicas.

Aqui pode se ater aos crimes contra o patrimônio e em especial aos crimes contra a fé pública e contra a
administração pública.
Veja como já foi cobrado:
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 41. Os delitos de inserção de dados falsos e de modificação ou alteração de dados não autorizada em
sistema de informações só se configuram se praticados por funcionário público autorizado, com o fim específico
de obter vantagem indevida para si ou para outrem, ou para causar dano, sendo as penas aumentadas de um
terço até a metade se da modificação ou alteração resultar dano para a administração pública ou para o
administrado. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.

79 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Questão 40. A falsa atribuição de identidade só é caracterizada como delito de falsa identidade se feita
oralmente, com o poder de ludibriar; quando formulada por escrito, constitui crime de falsificação de
documento público. (ERRADO).
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 60. À luz do entendimento dos tribunais superiores, assinale a opção correta com relação aos crimes
contra a administração pública.
a) Não se admite o agravamento da pena base no delito de peculato com fundamento no elevado prejuízo
causado aos cofres públicos, a título de consequências do crime.
b) Seria impertinente aplicar a agravante referente a violação de dever inerente ao cargo ao diretor de uma
penitenciária que permitisse aos presos o livre acesso a telefones celulares para a comunicação com o ambiente
externo, devido ao fato de tal permissão já configurar elementar do crime praticado contra a administração
pública. (CERTO).
c) Há bilateralidade entre os crimes de corrupção passiva e ativa: eles são interdependentes e a comprovação de
um deles pressupõe a do outro.
d) A reparação do dano antes do recebimento da denúncia exclui o crime de peculato doloso.
e) Admite-se a aplicação do princípio da insignificância para o crime de peculato, desde que o valor patrimonial
subtraído seja irrisório.
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 54. José entrou em um ônibus de transporte público e, ameaçando os passageiros com uma arma de
fogo, subtraiu de diversos deles determinadas quantias em dinheiro.
Nessa situação hipotética, de acordo com a jurisprudência dos tribunais superiores,
a) a prática do delito contra vítimas diferentes em um mesmo contexto e mediante uma só ação configurou
concurso material.
b) a simples inversão da posse dos bens — dos passageiros para José — não consumou o crime de roubo; para
tal, seria necessária a posse mansa e pacífica ou desvigiada dos valores subtraídos por José.
c) o fato de o delito ter sido praticado em ônibus de transporte público de passageiros será causa de aumento
de pena.
d) se a arma utilizada no crime fosse de brinquedo e, ainda assim, tivesse causado fundado temor nas vítimas,
deveria ser aplicada majorante do crime de roubo.
e) o crime de porte de arma será absorvido pelo crime de roubo, ante os fatos de haver nexo de dependência
entre as duas condutas e de os delitos terem sido praticados em um mesmo contexto fático. (CERTO).
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 53. Cada uma das próximas opções apresenta uma situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser
julgada à luz da doutrina majoritária sobre restrição da liberdade de ir e vir da vítima nos crimes contra o
patrimônio. Assinale a opção que apresenta a assertiva correta.

80 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


a) Júlio, com o auxílio de terceiros, simulou o próprio sequestro para extorquir seus familiares. Nessa situação,
Júlio responderá pelo crime de extorsão mediante sequestro.
b) Márcio tentou extorquir a família de Mara mediante o sequestro desta. Entretanto, policiais descobriram o
cativeiro da vítima e libertaram-na sem que houvesse pagamento de resgate. Nessa situação, ante o fato de que
a extorsão mediante sequestro integra o rol dos crimes contra o patrimônio, Márcio só responderia por tal crime
se tivesse obtido a vantagem pretendida — o resgate.
c) Aldo, com grave ameaça, coagiu José a entregar-lhe seu cartão de banco e informar sua senha. Lucas,
comparsa de Aldo, manteve José preso em um carro enquanto Aldo sacava dinheiro da conta de José. Após tais
fatos, Aldo e Lucas liberaram José em local distante para retardar o pedido de socorro à polícia. Nessa situação,
Aldo e Lucas responderão pelo crime de roubo com aumento de pena. (CERTO).
d) Jair praticou o crime de roubo contra Laura e, para tal, a manteve em seu poder por curtíssimo tempo,
destinado unicamente à subtração de bens de propriedade dela. Nessa situação, a despeito de Laura ter ficado
em poder de Jair por curtíssimo tempo, tal fato constituirá causa de aumento de pena.
e) Um policial civil, fora do exercício de suas funções, praticou extorsão mediante sequestro. Nessa situação, o
policial responderá pelo referido crime e, também, pelo crime de abuso de autoridade.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 65. Com relação aos crimes contra a administração pública, assinale a opção correta.
Ser membro de poder ou exercer cargo de elevada envergadura são circunstâncias irrelevantes para a
formulação da pena-base dos crimes contra a administração pública.
b) A corrupção ativa não pode existir na ausência de corrupção passiva, pois tais condutas são tipicamente
bilaterais.
c) O princípio da insignificância poderá ser aplicado aos crimes contra a administração pública quando o agente
for primário e o prejuízo causado ao erário for inexpressivo.
d) A circunstância elementar do crime de peculato se comunica ao coautor ou partícipe, mesmo que estes não
integrem o serviço público. (CERTO).
e) O crime de corrupção ativa é de natureza material e se consuma com a efetiva entrega da vantagem
oferecida.

DIREITO PROCESSUAL PENAL


Pessoal, dando continuidade ao nosso Raio-X, vamos passar para a análise da disciplina de Direito
Processual Penal! Não esqueçam os significados das marcações, ok?
Vamos lá!

81 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Processo
PROCESSO PENAL criminal de
crimes comuns
Sentença criminal
1%
7%

Direito
processual
penal
Prisão 13%
16%

Provas Inquérito policial


13% 41%

Ação
Juizados Especiais Penal
Criminais 8%
1%

Direito processual penal

Inquérito policial

Ação Penal
Juizados Especiais Criminais

Provas

Prisão

Sentença criminal
Processo criminal de crimes comuns
Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Direto processual penal. 1.1 Princípios gerais, conceito, finalidade, características. 1.2 Fontes. 1.3 Lei processual
penal: fontes, eficácia, interpretação, analogia, imunidades. 1.4 Sistemas de processo penal.

82 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


O assunto de princípios é sempre corriqueiro nas provas de concursos e não é diferente nas provas de
delegado.
Veja como já foi cobrado:
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 62. Suponha que a instrução criminal de um processo tenha sido presidida pelo juiz titular de
determinada vara e que, na fase decisória, a sentença condenatória tenha sido proferida por juiz substituto,
diverso do que tenha colhido as provas e acompanhado a instrução processual. Suponha, ainda, que a defesa, no
prazo legal, tenha apelado da decisão sob a argumentação de nulidade absoluta da sentença condenatória em
face de ter sido proferida por juiz que não presidira à instrução. Nessa situação hipotética, não assiste razão à
defesa, visto que não vigora, no processo penal, o princípio da identidade física do juiz. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 66. O MP de determinado estado ofereceu denúncia contra um indivíduo, imputando-lhe a prática de
roubo qualificado, mas a defesa do acusado negou a autoria. Ao proferir a sentença, o juízo do feito constatou a
insuficiência de provas capazes de justificar a condenação do acusado.
Nessa situação hipotética, para fundamentar a decisão absolutória, o juízo deveria aplicar o princípio do:
a) estado de inocência.
b) contraditório.
c) promotor natural.
d) ne eat judex ultra petita partium.
e) favor rei. (CERTO).

2. Inquérito policial. 2.1 Histórico; natureza; conceito; finalidade; características; fundamento; titularidade; grau de
cognição; valor probatório; formas de instauração; notitia criminis; delatio criminis; procedimentos investigativos;
indiciamento; garantias do investigado; conclusão; prazos. 2.2 Atribuições da polícia federal na persecução
criminal: Lei nº 10.446/2002; jurisdição; competência; conexão e continência; prevenção; questões e
procedimentos incidentes. 2.3 Competência da justiça federal, dos tribunais regionais federais, do STJ e do STF,
conflito de competência.
O candidato deverá estar atento às atribuições da PF contidas na CF, notadamente no art. 144, §1º da CF,
assim como na Lei nº 10.446/2002.
O aluno não pode esquecer que a atribuição da PF é mais abrangente do que a competência da JF. Em
outras palavras, quando a competência for da JF a PF é quem atuará, mas nem sempre quando a PF tiver
atribuição para investigar a competência será da JF, pois a PF, a depender do caso, pode trabalhar junto a JF
(Justiça Federal) ou a JE (Justiça Estadual).
Então, cuidado com as pegadinhas de concurso que podem narrar uma situação em que a PF atua e
dizer que a competência será da JF. Para não errar, lembre-se que a competência da JF é taxativa. Logo, comece
a decorar o teor do art. 109 da CF, o qual dispõe sobre a competência dos juízes federais de 1º grau.

83 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Um bizu: se for citado uma lei que deu atribuição para a PF investigar e tal situação não estiver abrangida
pela competência da JF, a competência será da JE, nada obstante ocorra a atuação da PF.
Observe que o inciso IV, do art. 109, da CF, fala em infrações penais praticadas em detrimento (...). Assim,
caso seja citada uma conduta praticada por menor de idade de forma isolada (sem participação de um maior),
não haverá atribuição da PF e, muito menos, competência da JF para julgar e processar o caso.
Veja como já foi cobrado:
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 52. Em se tratando de ações penais privadas, prevalece, no processo penal, a competência de foro,
com preponderância do interesse do queixoso no que diz respeito à distribuição territorial da competência.
(ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 57. Uma quadrilha efetuou ilegalmente diversas transações bancárias na modalidade de saques e
transferências eletrônicas em contas de inúmeros clientes de determinada agência do Banco do Brasil. A
instituição financeira ressarciu todos os clientes lesados e arcou integralmente com os prejuízos resultantes das
fraudes perpetradas pelo grupo. Nessa situação hipotética, cabe à Polícia Federal a instauração do inquérito
policial, porquanto a ela compete, com exclusividade, a apuração de crimes praticados contra bens e serviços da
União. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 58. Um delegado da Polícia Federal instaurou inquérito policial, mediante portaria, para investigar a
conduta de deputado federal suspeito da prática de crimes contra a administração pública. Intimado para oitiva
nos autos, o parlamentar impetrou habeas corpus contra o ato da autoridade policial, sob o argumento de
usurpação de competência originária do STF. Nessa situação hipotética, assiste razão ao impetrante, visto que,
para a instauração do procedimento policial, é necessário que a autoridade policial obtenha prévia autorização
da Câmara dos Deputados ou do STF. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 59. José foi indiciado em inquérito policial por crime de contrabando e, devidamente intimado,
compareceu perante a autoridade policial para interrogatório. Ao ser indagado a respeito de seus dados
qualificativos para o preenchimento da primeira parte do interrogatório, José arguiu o direito ao silêncio, nada
respondendo. Nessa situação hipotética, cabe à autoridade policial alertar José de que a sua recusa em prestar
as informações solicitadas acarreta responsabilidade penal, porque a lei é taxativa quanto à obrigatoriedade da
qualificação do acusado. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 60. Uma quadrilha, em determinado lapso temporal, realizou, em larga escala, diversos roubos de
cargas e valores transportados por empresas privadas em inúmeras operações interestaduais, o que ensejou a
atuação da Polícia Federal na coordenação das investigações e a instauração do competente inquérito policial.
Nessa situação hipotética, findo o procedimento policial, os autos deverão ser remetidos à justiça estadual, pois
a atuação da Polícia Federal não transfere à justiça federal a competência para processar e julgar o crime.
(CERTO).

84 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 68. Compete à justiça federal processar e julgar os acusados da prática de crimes de lavagem de
dinheiro, uma vez que a repressão a esses crimes é imposta por tratado internacional. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 70. Após desentendimento em jantar em sua residência, um deputado estadual esfaqueou um colega,
que morreu no local. Para ocultar o ato criminoso, o parlamentar enterrou o corpo da vítima no quintal de sua
residência. Após o indiciamento, o MP ofereceu denúncia contra o parlamentar. Nessa situação hipotética, a
competência para julgar os crimes de homicídio e de ocultação de cadáver será do:
a) tribunal de justiça e do juiz singular da justiça comum estadual, respectivamente.
b) juiz singular da justiça comum estadual.
c) tribunal do júri da comarca em que os crimes foram praticados. (CERTO).
d) tribunal de justiça do estado em que o parlamentar exercer o seu mandato.
e) tribunal do júri e o do juiz singular da justiça comum estadual, respectivamente.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 72. Em inquérito policial para apurar a prática de crime de furto, a autoridade policial reuniu provas
suficientes de que o indiciado teria adquirido imóveis e veículos — todos registrados em seu nome — com
recurso proveniente do crime. Nessa situação, a autoridade policial poderá
a) representar à autoridade judiciária competente, requerendo o sequestro dos referidos bens. (CERTO).
b) enviar ofício ao juízo ou ao MP para que sejam decretadas as medidas cabíveis, visto que a lei não lhe
assegura competência para promover a restrição dos direitos de propriedade do indiciado.
c) realizar a busca e apreensão dos citados bens, independentemente de autorização judicial.
d) proceder à busca e apreensão dos referidos bens, desde que mediante anuência do MP.
e) determinar, de ofício, o arresto ou a hipoteca legal, em decisão fundamentada, e proceder à apreensão dos
citados bens.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
De acordo com as legislações especiais pertinentes, o inquérito policial deve ser concluído no
a) prazo comum de quinze dias, estando o indiciado solto ou preso, nos casos de crimes de tortura.
b) mesmo prazo estipulado para a apreciação das medidas protetivas, nos casos de crimes previstos na Lei
Maria da Penha.
c) prazo comum de dez dias, estando o indiciado solto ou preso, nos casos de crimes contra a economia
popular. (CERTO).
d) prazo de trinta dias, se o indiciado estiver solto, e de quinze dias, se ele estiver preso, de acordo com a Lei de
Drogas.

85 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


e) prazo de quinze dias, se o crime for de porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, conforme o Estatuto do
Desarmamento.

3. Processo criminal: finalidade, pressupostos e sistemas.


Esse ponto, numa reta final em que se precisar direcionar os estudos e se tem pouco tempo, pode ser
deixado em segundo plano.

4 Ação penal. 4.1 Conceito, características, espécies e condições. 4.2 Sujeitos do processo: juiz, Ministério
Público, acusado e seu defensor, assistente, curador do réu menor, auxiliares da justiça, assistentes, peritos e
intérpretes, serventuários da justiça, impedimentos e suspeições.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 53. Considere que, no curso de inquérito policial em que se apure crime de ação pública
incondicionada, quando da primeira remessa dos autos ao Poder Judiciário com solicitação de retorno para
novas diligências, a vítima do delito requeira a sua habilitação nos autos como assistente de acusação. Nessa
situação, o pedido deve ser negado, visto que a figura do assistente é admitida no processo somente após o
recebimento da denúncia e antes do trânsito em julgado da sentença. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 61. Um garoto de sete anos de idade foi atendido no pronto-socorro de um hospital com quadro de
crise asmática. Embora tenha sido regularmente medicado, ele faleceu trinta e seis horas depois devido a
insuficiência respiratória. A médica plantonista foi indiciada por homicídio culposo com imputação de
negligência no atendimento. O promotor de justiça, após exaustivas diligências, que incluíram o parecer de
renomado pneumologista e outras diligências realizadas pela própria assessoria médica do órgão acusador,
pediu o arquivamento da peça inquisitória um mês depois de encerrado o prazo previsto em lei para a
propositura da ação penal, a partir da apresentação do relatório final pelo delegado. Nesse ínterim, o pai da
criança, inconformado com a demora do MP em promover a denúncia no prazo da lei, ajuizou ação penal
privada subsidiária.
Acerca dessa situação hipotética e de aspectos a ela correlatos, assinale a opção correta à luz do entendimento
dos tribunais superiores.
a) O simples fato de os autos terem ficado sem movimentação externa ao MP por prazo superior a quinze dias
não autorizaria a propositura da ação penal privada.
b) Se os autos tiverem estado em diligência a cargo de órgão auxiliar técnico do MP para análise das questões
médicas envolvidas, então não houve omissão e, por isso, esteve suspenso o prazo para o exercício da ação
penal privada.
c) Caso a família da vítima tomasse ciência da realização de diligências no âmbito interno do MP para
esclarecimento dos fatos e se manifestasse nos autos dessas diligências sem questioná-las, isso implicaria
anuência, obstando o direito à ação penal privada.

86 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


d) O direito de propor ação penal privada subsidiária poderia ser exercido a qualquer tempo, desde que
decorrido o prazo legal conferido ao MP.
e) Tendo a CF erigido como fundamental o direito da vítima e de sua família à aplicação da lei penal, a vítima e
sua família podem tomar as rédeas da ação penal se o MP não o fizer no devido tempo. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 71. Após a instauração de inquérito policial para apurar a prática de crime de corrupção passiva em
concurso com o de organização criminosa, o promotor de justiça requereu o arquivamento do ato processual
por insuficiência de provas, pedido que foi deferido pelo juízo. Contra essa decisão não houve a interposição de
recursos.
Nessa situação,
a) mesmo com o arquivamento do inquérito policial, a ação penal poderá ser proposta, desde que seja instruída
com provas novas. (CERTO).
b) em razão do arquivamento, a ação penal só poderá ser proposta como ação penal privada subsidiária da
pública.
c) o arquivamento do inquérito policial gerou a perempção, que provoca a inadmissibilidade da ação penal
devido à extinção da punibilidade provocada.
d) em razão da coisa julgada material feita com o trânsito em julgado da decisão que deferiu o arquivamento
do inquérito, é inadmissível a propositura de ação penal.
e) outro promotor de justiça, com entendimento contrário ao daquele que requereu o arquivamento, poderá
requerer o desarquivamento do inquérito e propor ação penal independentemente da existência de novas
provas.

5. Juizados especiais criminais: aplicação na justiça federal.

Esse ponto, em uma reta final em que se precisa direcionar os estudos e se tem pouco tempo, pode ser
deixado em segundo plano.

6. Termo circunstanciado de ocorrência; atos processuais; forma, lugar e tempo.

Esse ponto, numa reta final em que se precisar direcionar os estudos e se tem pouco tempo, pode ser
deixado em segundo plano.

7. Provas. 7.1 Conceito, objeto, classificação e sistemas de avaliação. 7.2 Princípios gerais da prova, procedimento
probatório. 7.3 Valoração. 7.4 Ônus da prova. 7.5 Provas ilícitas. 7.6 Meios de prova: perícias, interrogatório,
confissão, testemunhas, reconhecimento de pessoas e coisas, acareação, documentos, indícios. 7.7 Busca e
apreensão: pessoal, domiciliar, requisitos, restrições, horários.

Veja como já foi cobrado:

87 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 25. No foro penal, o relatório do médico perito, denominado laudo pericial médico-legal, somente
poderá ser solicitado pela autoridade competente até o momento da sentença. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 26. Caso haja contradição entre os depoimentos das testemunhas, as confissões dos acusados e as
conclusões técnicas dos peritos, o testemunho das pessoas envolvidas, quando estas estiverem sob juramento,
deve prevalecer sobre as conclusões técnicas dos peritos. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 53. É indispensável o exame pericial, direto ou indireto, nos casos em que a infração penal deixe
vestígios, não podendo supri-lo a confissão do acusado, facultada ao MP, ao assistente de acusação, ao
ofendido, ao querelante e ao acusado a indicação de assistente técnico para atuar na etapa processual após sua
admissão pelo juiz e a conclusão dos exames e elaboração do laudo pelos peritos oficiais. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 54. Consoante a interpretação doutrinária da legislação penal, as buscas e apreensões são
consideradas não só meios de prova, mas também providências acautelatórias da atividade probante (medida
cautelar), podendo ser executadas em qualquer fase da persecução penal. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 69. A conversa telefônica gravada por um dos interlocutores não é considerada interceptação
telefônica. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
No que se refere às provas no processo penal, julgue os itens a seguir.
I - Em atendimento ao princípio da legalidade, no processo penal brasileiro são inadmissíveis provas não
previstas expressamente no CPP.
II - Caso a infração tenha deixado vestígio, a confissão do acusado não acarretará a dispensa da prova pericial.
III - Havendo evidências da participação do indiciado em organização criminosa, a autoridade policial poderá
determinar a quebra do sigilo da sua comunicação telefônica como forma de instruir investigação criminal.
IV - A prova obtida por meios ilícitos não constitui suporte jurídico capaz de ensejar sentença condenatória,
ainda que corroborada pela confissão do acusado.
Estão certos apenas os itens
a) I e II.
b) l e III.
c) II e IV. (CERTO).
d) I, III e IV.
e) II, III e IV.

88 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


8. Prisão. 8.1 Conceito, espécies, mandado de prisão e cumprimento. 8.2 Prisão em flagrante. 8.3 Prisão
temporária. 8.4 Prisão preventiva. 8.5 Princípio da necessidade, prisão especial, liberdade provisória. 8.6 Fiança.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 54. Suponha que um agente penalmente capaz pratique um roubo e, perseguido ininterruptamente
pela polícia, seja preso em circunscrição diversa da do cometimento do delito. Nessa situação, a autoridade
policial competente para a lavratura do auto de prisão em flagrante é a do local de execução do delito, sob
pena de nulidade do ato administrativo. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 65. Conforme entendimento pacificado do STJ, a eventual ilegalidade da prisão cautelar por excesso de
prazo para conclusão da instrução criminal deve ser analisada à luz do princípio da razoabilidade, sendo
permitida ao juízo, em hipóteses excepcionais, a extrapolação dos prazos previstos na lei processual penal.
(CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 67. É legal a manutenção da custódia cautelar sob o único fundamento da vedação da liberdade
provisória a acusados de delito de tráfico de drogas, consoante a jurisprudência STF. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 56. A decretação da prisão preventiva submete-se aos requisitos fáticos e normativos estabelecidos no
CPP, sendo admitida em qualquer fase da persecução criminal, seja de ofício, seja por representação da
autoridade policial, a requerimento do MP, do querelante ou do assistente de acusação. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Julgue os próximos itens, relativos a prisão, medidas cautelares e liberdade provisória.
I - A concessão da liberdade provisória pela autoridade policial não impede a decretação da prisão preventiva
de ofício pelo juízo, se presentes os seus requisitos.
II - Nos crimes hediondos, o tempo da prisão preventiva varia segundo o limite da pena estabelecida para o tipo
penal imputado ao indiciado.
III - Aplicada medida cautelar diversa da prisão, será vedado ao juiz substituí-la por outra ou impor nova medida
cumulativamente.
IV - Lavrado o auto de prisão em flagrante por crime de estupro, a autoridade policial poderá conceder ao
preso liberdade provisória mediante fiança.
Assinale a opção correta.
a) Apenas o item I está certo. (CERTO).
b) Apenas os itens I e IV estão certos.
c) Apenas os itens II e III estão certos.

89 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


d) Apenas os itens II, III e IV estão certos.
e) Todos os itens estão certos.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 81. Considere que, no curso de determinada investigação, a autoridade policial tenha representado ao
competente juízo pela prisão temporária do indiciado. Nessa situação,
a) a prisão requerida apenas poderá ser decretada para se inquirir o indiciado, devendo a autoridade policial,
após o ato, representar pela sua soltura.
b) mesmo que a autoridade policial não tivesse requerido a prisão temporária, o juiz poderia tê-la decretado de
ofício.
c) caso se trate de crime hediondo, o prazo máximo da prisão eventualmente decretada será de noventa dias.
d) a prisão não poderá ser decretada após a fase inquisitória da persecução penal. (CERTO).
e) decretada a prisão temporária, o inquérito policial deverá ser concluído no prazo máximo de dez dias.

9. Sentença criminal. 9.1 Juiz, Ministério Público, acusado e defensor, assistentes e auxiliares da justiça. 9.2
Citação, intimação, interdição de direito. 9.3 Processos dos crimes de responsabilidade dos funcionários públicos.
9.4 Sentença: coisa julgada, habeas corpus, mandado de segurança em matéria criminal.

Veja como já foi cobrado:


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 61. Nos casos de crimes afiançáveis de responsabilidade do funcionário público, a legislação processual
antecipa o contraditório antes de inaugurada a ação penal, com a apresentação da defesa preliminar. (CERTO).

10. Processo criminal de crimes comuns.

Observar a letra da lei e a jurisprudência pertinente.

LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL6


Prezados alunos e futuros Delegados Federais da Polícia Federal.
Vamos filtrar aquilo que merece um estudo mais aprofundado em doutrina ou mais conciso e voltado
para a leitura da letra da lei.
Banca CESPE é uma banca cujo estilo é bem próprio. Contudo, tenho percebido, nas últimas provas, uma
cobrança maior da literalidade da lei. Mas não só a letra da lei, entendimentos jurisprudenciais e sumulados sobre
a matéria também. De toda sorte, tenho visto menos incidência doutrinária em relação a provas mais tradicionais
da Instituição. #ALIVIA CESPE!

6
Por Paulo Lima (@profdpfpaulolima).

90 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Legislação Penal Especial, neste edital do CESPE, será exigida dentro das questões de Direito Penal e de
Direito Processual Penal, de maneira que sua cobrança será mais pontual e de menos incidência. Diante disso,
preparei um Raio-X com os principais pontos dentro de cada uma das leis especiais exigidas pra vocês.
#REVISÃO GARANTIDA. Ademais, coloquei o maior número possível de questões passadas (da Banca CESPE) a
fim de que vejam como se costuma pedir em prova.
Gostaria de combinar com vocês de estudar sempre ao lado do Raio-X, começando por ele, até mesmo
como uma espécie de conhecimento “en passant” sobre a matéria. Depois, sigam para as indicações realizadas
(FUC, lei, jurisprudência/súmulas e/ou doutrina), a depender da indicação constante da legenda. #COMBINADO?
Uma dica pra vocês: em todos os materiais a serem produzidos aqui no ciclos, já começando pelo Raio-X,
vocês vão receber exemplos de questões que foram pedidos pela Banca CESPE. Estudem tais proposições, pois
assim aprenderão o estilo de pergunta e resposta. #VAMOS NOS ESPECIALIZAR NA BANCA.
Vem comigo!

Legislação Especial
Lei 9.455/97
8%
Lei 8.072/90
8%
Lei 11.343/06
19%

Lei 10.826/03
13%
Lei 9.613/98
22%

Lei 12.850/13
Lei 9.296/96
8%
19%
Lei 7.210/84
3%

Lei 11.343/06
Lei 9.613/98
Lei 9.296/96
Lei 7.210/84
Lei 12.850/13
Lei 10.826/03
Lei 8.072/90
Lei 9.455/97
Legenda:
Lei seca

91 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Doutrina
Jurisprudência

1. Lei nº 8.072/1990, e suas alterações (delitos hediondos).

#APOSTACICLOS. Vamos estudar a FUC, a letra da lei e, especialmente, entendimentos jurisprudenciais


sobre a matéria. A lei é bem pequena, porém com muitas nuances. #ONDE ENCONTRO? Tal assunto consta da
FUC 7 de legislação penal. O que devemos investir, com prioridade, no estudo dos crimes hediondos? #ROL
TAXATIVO: O rol da Lei nº 8.072/90 é taxativo. #HOMICÍDIO SIMPLES: em regra, não é crime hediondo, salvo
quando praticado em atividade de grupo de extermínio, ainda que por só 1 agente (art. 1º, I, 1ª parte, Lei nº
8.072/90). #HOMICÍDIO PRIVILEGIADO: não é crime hediondo por ausência de previsão legal. #FEMINICÍDIO:
Trata-se de figura qualificada no homicídio doloso, de competência do Tribunal do Júri e considerada crime
hediondo (art. 121, §2º, VI, CP c/c art. 1º, I, Lei nº 8.072/90). # LIVRAMENTO CONDICIONAL: para ser beneficiado
pelo livramento condicional, o réu deverá cumprir 2/3 da pena, desde que não seja reincidente específico em
crimes hediondos (art. 83, V, CP). #PROGRESSÃO DE REGIME: a) deverá cumprir 1/6 da pena (para os crimes
cometidos antes da Lei 11.464/07 - Súmula 471 STJ); b) cumprir 2/5 da pena, se réu primário, ou 3/5, se
reincidente específico (crimes cometidos após a Lei 11.464/07). #ANISTIA, GRAÇA, INDULTO: são insuscetíveis de
concessão quando praticados delitos revestidos de hediondez, dada a vedação expressa no art. 5º, XLIII, CF.
#PRISÃO TEMPORÁRIA: a) Regra: 5 dias + 5 dias; b) para crimes hediondos: 30 dias + 30 dias. #PRIORIDADE DE
TRAMITAÇÃO: Os processos que apurem a prática de crime hediondo terão prioridade de tramitação em todas
as instâncias (art. 394-A, CPP). #INOVAÇÃO LEGISLATIVA. #SÚMULA VINCULANTE 26: Para efeito de progressão
de regime no cumprimento de pena por crime hediondo, ou equiparado, o juízo da execução observará a
inconstitucionalidade do art. 2º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, sem prejuízo de avaliar se o condenado
preenche, ou não, os requisitos objetivos e subjetivos do benefício, podendo determinar, para tal fim, de modo
fundamentado, a realização de exame criminológico.
#PROGRESSÃO DE REGIME E CRIMES HEDIONDOS:

Qual é o requisito objetivo para que o apenado possa ter direito à progressão de regime?
CRIME COMUM 1/6 da pena (LEP, art. 112)
2/5 da pena, se for primário
CRIMES HEDIONDOS OU EQUIPARADOS
3/5 da pena, se for reincidente

#LIVRAMENTO CONDICIONAL E CRIMES HEDIONDOS:

ART. 83, CP
Mais de 1/3
(se não reincidente em crime doloso)
CRIME NÃO HEDIONDO OU EQUIPARADO
Mais de 1/2
(se reincidente em crime doloso)
2/3
CRIMES HEDIONDOS OU EQUIPARADOS
(se não for reincidente específico)

92 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 31. A respeito de crimes hediondos, assinale a opção correta.
a) Embora tortura, tráfico de drogas e terrorismo não sejam crimes hediondos, também são insuscetíveis de
fiança, anistia, graça e indulto.
b) Para que se considere o crime de homicídio hediondo, ele deve ser qualificado.
c) Considera-se hediondo o homicídio praticado em ação típica de grupo de extermínio ou em ação de milícia
privada.
d) O crime de roubo qualificado é tratado pela lei como hediondo.
e) Aquele que tiver cometido o crime de favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual no
período entre 2011 e 2015 não responderá pela prática de crime hediondo.
Comentários: Pessoal, vamos analisar as assertivas? Vem comigo!
a) CERTO. A lei fala claramente, os equiparados estão insuscetíveis de anistia, graça, indulto e fiança. Art. 2º, I e II
da 8072/90.
b) ERRADO. Qual o erro? O HOMICÍDIO HEDIONDO É O SIMPLES QUANDO praticado em atividade típica de
extermínio.
c) ERRADO. Qual o erro? O simples em atividade típica de extermínio e o qualificado. A milícia privada não é
considerada hediondo.
d) ERRADO. Qual o erro? O único roubo qualificado considerado hediondo é o LATROCINIO, ou seja, o roubo
seguido de morte.
e) ERRADO. Qual o erro? O favorecimento de prostituição passou a ser hediondo no ano de 2014, portanto
dentro do período citado na assertiva (2011-2015).
#DEOLHONASÚMULA - Sumula 471 do STJ: Os condenados por crimes hediondos ou assemelhados cometidos
antes da vigência da Lei n.11.464/2007 sujeitam-se ao disposto no art. 112 da Lei n. 7.210/1984 (Lei de Execução
Penal) para a progressão de regime prisional.
Matéria que não chegou a ser cobrada no concurso pra DPF 2013, no entanto, não pode ser descartado
por completo, sendo necessário uma leitura da Lei.

2. Lei nº 11.343/2006, e suas alterações (Lei Antidrogas).


#APOSTACICLOS. Vamos estudar a FUC, a letra da lei e entendimentos jurisprudenciais sobre a matéria.
Trata-se de uma das matérias de maior incidência em provas. #ONDE ENCONTRO? FUC 6 (Foca no Resumo). A
lei de drogas traz muita nuances não só do ponto de vista legislativo, mas também jurisprudencial e sumular.
Ficar atento aos seus principais aspectos, com ênfase em: #BEM JURÍDICO TUTELADO: é a saúde pública. Por
isso, trata-se de crime de perigo abstrato. #PRAZO DA DENÚNCIA: é de 10 dias (para réu solto e réu preso).
#PARTICIPAÇÃO NO USO INDEVIDO DE DROGAS: o art. 33, §2º pune aquele que induz, instiga ou auxilia
outrem a consumir droga. Não é crime equiparado a hediondo, porque o art. 44 não o incluiu. #CESSÃO
GRATUITA E EVENTUAL DE DROGAS PARA CONSUMO COMPARTILHADO (#FUMA EU, FUMA TU): está no art.

93 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


33, §3º e também não consiste em crime equiparado a hediondo, porque o art. 44 não o incluiu. #CUIDADO:
vamos ter atenção à penalidade do agente que oferece substância entorpecente na forma do art. 33. Isso
porque, ele responderá pela penalidade do art. 33, §3º c/c penalidade do art. 28. #ASSOCIAÇÃO PARA O
TRÁFICO: Segundo o STJ, não podemos esquecer que para configurar uma associação para o tráfico é preciso a
presença dos seguintes requisitos: permanência e estabilidade. #ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO (art. 35) X
ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA (art. 288, CP):

ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO


ART. 288, CP ART. 35, LEI 11.343/06
Exige, no mínimo, 3 pessoas associadas. Exige, no mínimo, 2 pessoas associadas.
A finalidade da associação é praticar tráfico de drogas
(art. 33, caput), alguma das condutas equiparadas a
A finalidade da associação é praticar quaisquer crimes.
tráfico (art. 33, § 1º) ou, então, tráfico de maquinário
de drogas (art. 34).
Somente configurará o crime do art. 288 do CP, se as
Restará configurado o art. 35, mesmo que as pessoas
pessoas se associarem com a finalidade de praticar
se associem com a finalidade de praticar um só crime,
mais de um crime. Se houver reunião para cometer
dentre os listados acima.
um só crime, não se consuma o art. 288 do CP.

#LIVRAMENTO CONDICIONAL PARA ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO: Como não é crime hediondo e
nem equiparado, você poderia pensar em aplicar a regra do art. 83, CP (1/3 se primário e ½ se reincidente em
crime doloso). Só que o art. 44, parágrafo único, Lei 11.343/06 diz expressamente que o réu há de cumprir 2/3 da
pena para fins de livramento condicional, no crime de associação para o tráfico. Assim, você vai aplicar a fração
de 2/3, mas não em razão do art. 83, V, CP (2/3 para crimes hediondos ou equiparados), mas em decorrência da
regra do art. 44, parágrafo único, da Lei de Drogas. #INIMPUTÁVEL: fica isento de pena, mas o juiz poderá
encaminhá-lo para tratamento médico adequado (art. 45, p. único). A sentença é absolutória imprópria (com
aplicação de medida de segurança – art. 386, p. único, III, CPP). Se a inimputabilidade sobrevier no decorrer do
processo penal, aí se aplica o art. 152, CPP (suspensão do processo). #SEMI-IMPUTABILIDADE: é causa de
diminuição de pena. Temos uma sentença condenatória (art. 46). #CUIDADO: A súmula 512, STJ foi revogada, de
maneira que o crime de tráfico privilegiado não deve ser considerado hediondo. # ATENÇÃO: é possível aplicar o
tráfico privilegiado às mulas (àqueles que transportam a droga)? a) STF: Sim (entende que o mero fato de o
agente servir como mula não pode inferir que seja integrante de organização criminosa) – STF, HC 131.795; b) STJ:
Não (tem vários precedentes entendendo que o fato de o agente servir como mula já presume se tratar de
integrante de organização criminosa (STJ, AgRg no REsp 1407115/SP). #DEOLHONOJULGADO: a) a quantidade e
natureza da droga podem servir como parâmetros para a configuração do tráfico privilegiado, desde que não
configure bis in idem (STJ, AgRg no AREsp 580.590/RJ); b) o STF, no julgamento do HC 127900/AM, in obter
dictum, entendeu que o interrogatório da Lei de Drogas deverá ser o último ato da instrução, alinhando-se às
inovações procedimentais trazidas pela reforma de 2008 no CPP. #DEOLHONASÚMULA - SÚMULA 693, STF: não
cabe "habeas corpus" contra decisão condenatória a pena de multa, ou relativo a processo em curso por infração
penal a que a pena pecuniária seja a única cominada. #PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA: o STJ não aplica o
princípio da insignificância ao porte de drogas (nem para consumo pessoal e nem para tráfico de drogas), uma
vez que se trata de crime de perigo abstrato, cuja tutela é a saúde pública. O STF, por sua vez, já aplicou esse
princípio em casos de consumo pessoal, vedando-o no caso de tráfico de drogas, tal como o STJ.

94 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Julgue os itens seguintes com base na Lei n.º 11.343/2006.
Questão 67. É legal a manutenção da custódia cautelar sob o único fundamento da vedação da liberdade
provisória a acusados de delito de tráfico de drogas, consoante a jurisprudência STF. (ERRADO).
Comentário: O item está errado. O STF pacificou entendimento pela inconstitucionalidade da proibição da
concessão de liberdade provisória aos acusados por tráfico de drogas (art. 44 da Lei de Drogas), ao
entendimento de que cabe ao Juiz, no caso concreto, decidir pela decretação, ou não, da preventiva, de acordo
com a existência, ou não, dos requisitos que a autorizam (Ver: HC 104-339 STF). #ATENÇÃO! Perceba que a
questão acima cobra o conhecimento jurisprudencial da matéria.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 64. A autoridade de polícia judiciária deve comunicar ao juiz competente a prisão em flagrante no
prazo improrrogável de cinco dias, remetendo-lhe cópia do auto lavrado, do qual será dada vista ao MP em até
vinte e quatro horas. (ERRADO).
Comentário: O erro está em dizer que o Delegado possui o prazo de 5 dias para comunicar a prisão em
flagrante ao juiz, quando essa comunicação tem que ocorrer IMEDIATAMENTE.
#ATENÇÃO! Perceba que a questão acima cobra o conhecimento da letra da lei em seu art. 50.
#JÁCAIU. DPC-MT. CESPE. 2017.
Questão 56. Com referência aos parâmetros legais da dosimetria da pena para os crimes elencados na Lei
n.°11.343/2006 — Lei Antidrogas — e ao entendimento dos tribunais superiores sobre essa matéria, assinale a
opção correta.
a) A personalidade e a conduta social do agente não preponderam sobre outras circunstâncias judiciais da parte
geral do CP quando da dosimetria da pena.
b) A natureza e a quantidade da droga são circunstâncias judiciais previstas na parte geral do CP.
c) A natureza e a quantidade da droga não preponderam sobre outras circunstâncias judiciais da parte geral do
CP quando da dosimetria da pena.
d) A natureza e a quantidade da droga apreendida não podem ser utilizadas, concomitantemente, na primeira e
na terceira fase da dosimetria da pena, sob pena de bis in idem. (CERTO).
e) As circunstâncias judiciais previstas na parte geral do CP podem ser utilizadas para aumentar a pena base,
mas a natureza e a quantidade da droga não podem ser utilizadas na primeira fase da dosimetria da pena.
Trata-se de uma das Leis mais importantes a serem estudadas pelos alunos Ciclos para a prova de
Delegado Federal! Essa Lei foi abordada em nada mais nada menos do que 5 questões na última prova de
Delegado de Polícia Federal em 2013, sendo três abordagens voltadas para o aspecto jurisprudencial e as outras
questões remanescentes relacionado a Legislação, sendo necessário a Leitura da Letra da Lei e da jurisprudência
do STF e STJ.

95 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Quanto a Legislação, cabe ressaltar que a mesma é extensa e, portanto, de difícil leitura e assimilação,
devendo o aluno atentar para os principais pontos da mesma de onde geralmente são retirados os principais
conteúdos, estando eles entre os arts. 27 e 65 da Lei.

3. Lei nº 4.898/1965, e suas alterações (Abuso de autoridade).

Vamos focar na própria letra da lei e jurisprudência. #PESSOA JURÍDICA: também pode ser vítima de
crime de abuso de autoridade (art. 4, h). #TRÍPLICE RESPONSABILIDADE: O direito de representação e o processo
de responsabilidade administrativa civil e penal, contra as autoridades que, no exercício de suas funções,
cometerem abusos, são regulados pela presente lei (art. 1º). #CRIME DE ATENTADO OU EMPREENDIMENTO: o
art. 3º traz hipótese em que o crime, ainda que tentado, é punido com a mesma pena do delito consumado.
#HIPÓTESES DELITUOSAS: revisar as hipóteses do art. 3º e do art. 4º. #CONCEITO DE AUTORIDADE: art. 5º.
#EFEITO DA CONDENAÇÃO: perda do cargo e a inabilitação para o exercício de qualquer outra função pública
por prazo até três anos (art. 6º, §3º, “c”). #AÇÃO PENAL: São crimes de Ação Penal Pública Incondicionada (art.
12); #PRAZO DA DENÚNCIA: 48 horas (art. 13). #DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA: O crime de abuso de autoridade
não absorve as demais infrações dele decorrentes, do que serão aplicadas em concurso.

ERRADO Questão 24. A respeito da legislação penal extravagante brasileira, assinale a opção correta.
a) Não constitui crime de abuso de autoridade a conduta, consumada ou tentada, de violação de domicílio, fora
das hipóteses constitucionais e legais de ingresso em casa alheia, quando praticada por delegado de polícia,
uma vez que este está amparado pelo estrito cumprimento do dever legal, como causa legal de exclusão de
ilicitude da conduta típica.
b) O direito penal econômico visa tutelar os bens jurídicos de interesse coletivo e difuso, coibindo condutas que
lesem ou que coloquem em risco o regular funcionamento do sistema econômico-financeiro, podendo
estabelecer como crime ações contra o meio ambiente sustentável. (CERTO).
c) Agente absolvido de crime antecedente de tráfico de drogas, em razão de o fato não constituir infração
penal, ainda poderá ser punido pelo crime de branqueamento de capitais, uma vez que a absolvição daquele
crime precedente pela atipicidade não tem o condão de afastar a tipicidade do crime de lavagem de dinheiro.
d) Segundo entendimento do STJ, o crime de porte ilegal de arma de fogo é delito de perigo abstrato,
considerando-se típica a conduta de porte de arma de fogo completamente inapta a realizar disparos e
desmuniciada, ainda que comprovada a inaptidão por laudo pericial.
e) Para o STF, haverá crime contra a ordem tributária, ainda que esteja pendente de recurso administrativo que
discuta o débito tributário em procedimento fazendário específico, haja vista independência dos poderes.
Comentários:
LETRA A - ERRADA - Lei 4898/65 Art. 3º. Constitui abuso de autoridade qualquer atentado: (...) b) à
inviolabilidade do domicílio; Note que a única questão que tratou da Lei nº 4898 das provas pesquisas foi a
apresentada acima, tendo apenas 01 letra tratado acerca do crime de Abuso de Autoridade, sendo as demais
letras referentes a outro conteúdo.

96 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Diante da situação apresentada acima, apenas a leitura das informações presentes nesse Raio-X seria o
recomendado, haja vista a existência de outras legislações mais extensas e que resultam em maiores cobranças
em provas da banca CESPE.

4. Lei nº 9.455/1997, e suas alterações (Crimes de tortura).


#APOSTACICLOS. Nos crimes de tortura vamos focar na lei, jurisprudência e súmula. Façamos a leitura,
também, da FUC 10 (de Legislação Penal Especial). Especial atenção ao fato de que particular pode cometer crime
de tortura. Ser agente público não é elementar do tipo (é causa de aumento de pena). Atenção especial ao crime
cometido por agente público e contra criança ou adolescente (revogou-se o ECA nesse sentido), portador de
deficiência ou maior de 60 (sessenta) anos, pois se trata de causa de aumento de pena (art. 1º, §4º, I e II,
respectivamente). #EXTRATERRITORIALIDADE INCONDICIONADA: O art. 2º traz uma hipótese de
extraterritorialidade incondicionada. #LESÃOCORPORAL: se leve, estará absorvida pelo crime de tortura; se grave
ou gravíssima: qualificará o crime (art. 1º, §3º). #OLHAOGANCHO: A tortura de preso custodiado
em delegacia praticada por policial constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da
administração pública. STJ, julgado em 26/8/2015 (Info 577). #DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA: Não é obrigatório
que o condenado por crime de tortura inicie o cumprimento da pena no regime prisional fechado, devendo ser
considerado o princípio da individualização da pena (STJ, HC 286.925/RR – Info 540).

#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.


Questão 62. O delegado não pode ser considerado coautor ou partícipe da conduta do policial, pois o crime de
tortura somente pode ser praticado de forma comissiva. (ERRADO).
Comentário: A Lei nº 9.455/97, que define o crime de tortura, prevê expressamente a forma omissiva no artigo
1º,§2º, ao dispor que: “Aquele que se omite em face dessas condutas, quando tinha o dever de evitá-las ou apurá-
las, incorre na pena de detenção de um a quatro anos.” Essa figura típica é conhecida doutrinariamente como
tortura imprópria, consubstanciando uma forma privilegiada do delito de tortura.
No caso do referido dispositivo, conquanto tenha sido prevista a figura do garantidor – aquele que tem o dever
legal de impedir o resultado – a conduta é omissiva própria, dispensando-se a pesquisa sobre o nexo de
causalidade entre a conduta esperada e o resultado previsto no caput e no parágrafo primeiro do artigo 1º, da
Lei nº 9455/97, ao contrário do que ocorre nos crimes omissivos impróprios (comissivos por omissão) em que se
faz necessária investigação do vínculo jurídico que emana do dever legal de evitar o resultado danoso.
Por fim, é importante registrar que, embora parte da doutrina entenda haver inconstitucionalidade parcial do
dispositivo legal, por violação dos princípios da proporcionalidade em razão da proteção deficiente, já que pena
seria muito branda para os agentes que deveriam fazer cessar o crime, prevalece o entendimento de que o
legislador reputou ser a conduta omissiva menos grave do que a tortura por ação. Por esse motivo, tortura
imprópria sequer seria considerada crime hediondo.
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 63. Para a comprovação da materialidade da conduta do policial, é imprescindível a realização de
exame de corpo de delito que confirme as agressões sofridas por Luciano. (ERRADO).

97 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Comentário: Não há necessidade de exame de corpo de delito, pois nem sempre o sofrimento deixa vestígios,
como no caso da tortura praticada mediante grave ameaça.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Da sentença penal se extraem diversas consequências jurídicas e, quando for condenatória, emergem-se os
efeitos penais e extrapenais. Acerca dos efeitos da condenação penal, assinale a opção correta.
a) A licença de localização e de funcionamento de estabelecimento onde se verifique prática de exploração
sexual de pessoa vulnerável, em caso de o proprietário ter sido condenado por esse crime, não será cassada,
dada a ausência de previsão legal desse efeito da condenação penal.
b) A condenação por crime de racismo cometido por proprietário de estabelecimento comercial sujeita o
condenado à suspensão do funcionamento de seu estabelecimento, pelo prazo de até três meses, devendo esse
efeito ser motivadamente declarado na sentença penal condenatória. CERTO.
c) Segundo o CP, constitui efeito automático da condenação a perda de cargo público, quando aplicada pena
privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano, nos crimes praticados com abuso de poder ou
violação de dever para com a administração pública.
d) A condenação por crime de tortura acarretará a perda do cargo público e a interdição temporária para o seu
exercício pelo dobro do prazo da pena aplicada, desde que fundamentada na sentença condenatória, não
sendo efeito automático da condenação.
e) A condenação penal pelo crime de maus-tratos, com pena de detenção de dois meses a um ano ou multa,
ocasiona a incapacidade para o exercício do poder familiar, quando cometido pelo pai contra filho, devendo ser
motivado na sentença condenatória, por não ser efeito automático.
Importante atentar que a cobrança da Lei de Tortura nessa prova ocorreu juntamente com outras legislações
penais.
Comentário: LETRA D – ERRADA.
STJ Informativo 549, Sexta Turma. DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL. NECESSIDADE DE
FUNDAMENTAÇÃO DA SENTENÇA PENAL QUE DETERMINE A PERDA DO CARGO PÚBLICO.A determinação da
perda de cargo público fundada na aplicação de pena privativa de liberdade superior a 4 anos (art. 92, I, b, do
CP) pressupõe fundamentação concreta que justifique o cabimento da medida. De fato, para que seja declarada
a perda do cargo público, na hipótese descrita no art. 92, I, b, do CP. são necessários dois requisitos: a) que o
quantum da sanção penal privativa de liberdade seja superior a 4 anos; e b) que a decisão proferida apresente-
se de forma motivada, com a explicitação das razões que ensejaram o cabimento da medida ( ... ). Por fim,
registre-se que o tratamento jurídico-penal será diverso quando se tratar de crimes previstos no art. 1 o da Lei
9.455/1997 (Lei de Tortura). Isso porque, conforme dispõe o § 5° do art. 1° deste diploma legal, a perda do
cargo, função ou emprego público é efeito automático da condenação, sendo dispensável fundamentação
concreta. REsp 1.044.866-MG, Rei. Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em 2/10/2014.”
Observa-se que se trata de uma Lei pouco cobrada em provas, tendo ocorrido em apenas três
oportunidades em todas as provas analisadas e em uma das questões a mesma ainda foi cobrada juntamente
com outras Legislações extravagantes, assim, a sugestão para a mesma será a leitura do Raio X, juntamente com

98 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


uma leitura da letra da Lei e material Ciclos. Cabe destacar que o assunto não chegou a ser cobrado no concurso
de DPF de 2013.

5. Lei nº 10.826/2003, e suas alterações (Estatuto do Desarmamento).


#APOSTACICLOS. Vamos fazer a leitura da FUC 11 (de Legislação Penal Especial), a letra da lei,
entendimentos jurisprudenciais e sumulados sobre o assunto. No Estatuto do Desarmamento, foco no art. 12 ao
art. 21. #CUIDADO com a distinção entre porte e posse de arma de fogo. #CASOS PRÁTICOS: CESPE gosta de
colocar casos práticos e fazer questionamentos sobre qual crime pratica o agente (porte x posse x concurso com
roubo).

Arma de fogo, acessório ou munição for encontrada na residência ou no local de trabalho,


POSSE: nesse último caso, desde que seja proprietário ou responsável pelo estabelecimento ou
empresa.
Arma de fogo encontrada em local diverso da residência ou do local de trabalho (nesse último
PORTE:
caso apenas para os proprietários e responsáveis da empresa).

#MODALIDADECULPOSA: o único delito que admite a modalidade culposa é o crime de omissão de


cautela (art. 13). #CRIANÇAEADOLESCENTE: atentar para a hipótese do art. 16, V (tipo penal autônomo). Não
deixe de analisar controvérsias jurisprudenciais sobre o tema. #CRIME DE PERIGO ABSTRATO: Consoante o firme
entendimento jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça, os crimes do Estatuto do Desarmamento são de
perigo abstrato, do que se conclui ser presumida a ofensividade da conduta ao bem jurídico tutelado (HC
108604/DF). #DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA: a) A posse ilegal de arma de fogo de uso permitido com registro
vencido é conduta atípica. A expiração do prazo é mera irregularidade administrativa que autoriza a apreensão
do artefato e aplicação da multa (STJ, Info 572); b) Arma de fogo encontrada em caminhão, dirigido por
motorista profissional, configura porte de arma de fogo (e não posse) – art. 14, do Estatuto do Desarmamento.
Isso porque o veículo profissionalmente utilizado não pode ser considerado como “local de trabalho” para fins de
configuração do crime do art. 12. #DEOLHONASSÚMULAS: a) SÚMULA 575, STJ: constitui crime a conduta de
permitir, confiar ou entregar a direção de veículo automotor a pessoa que não seja habilitada, ou que se
encontre em qualquer das situações previstas no art. 310 do CTB, independentemente da ocorrência de lesão ou
de perigo de dano concreto na condução do veículo; b) SÚMULA 720, STF: O art. 309 do Código de Trânsito
Brasileiro, que reclama decorra do fato perigo de dano, derrogou o art. 32 da Lei das Contravenções Penais no
tocante à direção sem habilitação em vias terrestres.

#JÁCAIU. DPC-BA. CESPE. 2013.


Questão 39. Servidor público alfandegário que, em serviço de fiscalização fronteiriça, permitir a determinado
indivíduo penalmente imputável adentrar o território nacional trazendo consigo, sem autorização do órgão
competente e sem o devido desembaraço, pistola de calibre 380 de fabricação estrangeira deverá responder
pela prática do crime de facilitação de contrabando, com infração do dever funcional excluída a hipótese de
aplicação do Estatuto do Desarmamento. (ERRADO).
Comentário: Fundamentação – Trata-se de verdadeiro conflito aparente de normas entre os delitos de
facilitação de contrabando ou descaminho do art. 318 do CP e o de tráfico internacional de armas de fogo do

99 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Estatuto do Desarmamento, art. 18. Tal conflito resolve-se aplicando o critério da especialidade, nos termos do
artigo 12 do CP, segundo o qual a norma que rege a conduta de maneira mais específica passa a ser aplicada
em detrimento da norma de caráter geral. Sendo assim, o servidor público alfandegário que facilita a entrada de
armas no território nacional responderá pelo crime do Estatuto do Desarmamento, previsto no Art. 18 da Lei
10.826/03 – Importar, exportar, favorecer a entrada ou saída do território nacional, a qualquer título, de arma de
fogo, acessório ou munição, sem autorização da autoridade competente.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 43. Lucas, delegado de polícia de determinado estado da Federação, em dia de folga, colidiu seu
veículo contra outro veículo que estava parado em um sinal de trânsito. Sem motivo justo, o delegado sacou sua
arma de fogo e executou um disparo para o alto. Imediatamente, Lucas foi abordado por autoridade policial
que estava próxima ao local onde ocorrera o fato.
a) crime inafiançável.
b) contravenção penal.
c) crime, com possibilidade de aumento de pena, devido ao fato de ele ser delegado de polícia. (CERTO).
d) e insuscetível de liberdade provisória.
e) atípica, devido ao fato de ele ser delegado de polícia.
Comentário: O crime de disparo de arma de fogo aumenta da metade se for praticado por autoridades
descritas no art. 6° do estatuto do desarmamento. (Art. 20, Lei 10.826)
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 35. Considerando o atual entendimento dos tribunais superiores quanto aos institutos do Código de
Defesa do Consumidor, do Estatuto do Desarmamento e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA),
assinale a opção correta.
a) Ao estabelecer prazo para a regularização dos registros pelos proprietários e possuidores de armas de fogo,
o Estatuto do Desarmamento criou situação peculiar e temporária de atipicidade das condutas de posse e porte
de arma de fogo de uso permitido e restrito.
b) Aquele que fornece a adolescente, ainda que gratuitamente, arma de fogo, acessório ou munição de uso
restrito ou proibido fica sujeito à sanção penal prevista no ECA, em decorrência do princípio da especialidade.
c) Pessoa jurídica não pode figurar como sujeito passivo de infração penal consumerista, porquanto não se
enquadra no conceito de consumidor.
d) A conduta daquele que promove propaganda enganosa capaz de induzir o consumidor a se comportar de
maneira prejudicial à sua saúde somente é penalmente punível diante da ocorrência de resultado danoso.
e) O porte ou a posse simultânea de duas ou mais armas de fogo de uso restrito ou proibido não configura
concurso formal, mas crime único, pois a situação de perigo é uma só. (CERTO).
#ATENÇÃO! Com a Lei nº 13.497/2017 os crimes de posse e porte ilegal de arma de fogo de uso restrito se
tornaram hediondos #NOVIDADE!

100 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Parágrafo único. Consideram-se também hediondos o crime de genocídio previsto nos arts. 1o, 2o e 3o da Lei no
2.889, de 1o de outubro de 1956, e o de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, previsto no art. 16
da Lei no 10.826, de 22 de dezembro de 2003, todos tentados ou consumados”.
#DE OLHO NA JURISPRUDÊNCIA: A posse de armas sem ordem legal, bem como de uso proibido, não
configura concurso formal de crimes, devendo, na espécie, ser reconhecida a existência de delito único (HC
104669/RJ).
Trata-se de uma matéria de grande importância, tendo sido abordada em todas as provas analisada,
assim, sugerimos que o aluno se detenha de forma mais aprofundada ao estudo da mesma, pois certamente será
objeto de cobrança na prova para DPF 2018.

6. Lei nº 12.850/2013, e suas alterações (Organização Criminosa).

A lei de organizações criminosas é bastante provável de cair, tendo em vista o atual panorama do país,
principalmente no que diz respeito à colaboração premiada (#APOSTACICLOS).
Muita atenção para a letra da lei, principalmente. #ONDE ENCONTRO? Pode ser estudada na FUC 5 (de
Legislação Penal Especial). #COLANARETINA o conceito completo de organização criminosa. Analisar a diferença
conceitual e característica entra associação criminosa (CP) e organização criminosa (lei especial). Analisar a gama
de entendimentos jurisprudenciais sobre a matéria, bem como a letra da lei. #CUIDADO! Em regra, a lógica é que
o advogado não precise de autorização judicial para acessar os autos do Inquérito Policial. Mas, a recente Lei das
Organizações Criminosas, em seu art. 23, § único, determinou que nesse tipo de investigação (versando sobre
Organização Criminosa), se faz necessária autorização judicial para acessar os autos do IP:
Art. 23. O sigilo da investigação poderá ser decretado pela autoridade judicial competente, para garantia da
celeridade e da eficácia das diligências investigatórias, assegurando-se ao defensor, no interesse do
representado, amplo acesso aos elementos de prova que digam respeito ao exercício do direito de defesa,
devidamente precedido de autorização judicial, ressalvados os referentes às diligências em andamento.
Parágrafo Único. Determinado o depoimento do investigado, seu defensor terá assegurada a prévia vista dos
autos, ainda que classificados como sigilosos, no prazo mínimo de 3 dias que antecedem ao ato, podendo ser
ampliado, a critério da autoridade responsável pela investigação. #GRIFO NOSSO.
#ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA X ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA:

ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA


ART. 288, CP LEI Nº 12.850/13
3 ou + participantes 4 ou + participantes
Não precisa de organização interna (de divisão de Aqui o grupo é organizado e tem divisão de tarefas,
tarefa) entre seus integrantes, basta que se juntem ainda que informalmente.
para praticar uma série indeterminada de crimes.
ESPECIAL FIM DE AGIR: Praticar uma série ESPECIAL FIM DE AGIR: Praticar infrações penais
indeterminada de crimes (no plural e não abrange (crimes ou contravenção) cuja pena máxima suplante
contravenção penal), independentemente da pena 4 anos ou tenham caráter de transnacionalidade.
que lhe é cominada.

101 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#OLHAOGANCHO: Essa lei também se aplica às organizações terroristas, entendidas como aquelas
voltadas para a prática dos atos de terrorismo legalmente definidos (Redação dada pela lei nº 13.260, de 2016), na
forma do ar. 1º, §2º, II. #PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE: A pena será aumentada de 1/6 até 2/3
(art. 2º, §4º). #ATENÇÃO: para os meios de obtenção de provas, notadamente, colaboração premiada, captação
ambiental, ação controlada e infiltração de agentes.

#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.


Constitui requisito para a tipificação do crime de organização criminosa
a) a prática de crimes cuja pena máxima seja igual ou superior a cinco anos.
b) a atuação de estrutura organizacional voltada à obtenção de vantagem exclusivamente econômica.
c) a divisão de tarefas entre o grupo, mesmo que informalmente. (CERTO).
d) a prática de crimes antecedentes exclusivamente transnacionais.
e) a estruturação formal de grupo constituído por três ou mais pessoas.
Comentários:
LEI 12.850/2013 - LEI DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA
Art. 1º (...) §1º Considera-se organização criminosa a associação de 4 (quatro) ou mais pessoas estruturalmente
ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente, com objetivo de obter, direta ou
indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas
sejam superiores a 4 (quatro) anos, ou que sejam de caráter transnacional.
Letra “a”: ERRADO. 4 ANOS (E NÃO 5).
Letra “b”: ERRADO. VOLTADA A OBTENÇÃO DE QUALQUER VANTAGEM.
Letra “c”: CERTO.
Letra “d”: ERRADO. PRÁTICA DE INFRAÇÃO (LOGO, ENVOLVE CRIME E CONTRAVENÇÃO) E NÃO SÃO
APENAS OS TRANSNACIONAIS, PODEM SER TAMBÉM AQUELES CUJA PENA MÁX SEJA SUPERIOR A 4 ANOS.
Letra “e”: ERRADO. GRUPO DE 4 OU MAIS (3 OU MAIS É PARA ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA- ART. 288, CP)
Trata-se de uma legislação relativamente nova e que merece destaque pela constante utilização da
Autoridade Policial durante o exercício de suas funções, no entanto, ainda não há uma cobrança muito grande
pela banca CESPE nos concursos de Delegado de Polícia Civil, já que observamos apenas 01 questão no concurso
de DPC em MA 2018, e 01 questão no concurso de DPC GO 2017 que inclusive foi anulada. Em relação ao
concurso de DPF a mesma ainda não foi objeto de cobrança em razão do último concurso ter ocorrido em 2013.
Como sugestão, o aluno ciclos deve fazer uma leitura atenta da Legislação em razão da mesma ser
pequena e atentar para o Art. 1º, §1º, bem como quanto aos artigos que tratam da Colaboração Premiada (art. 4º
ao art. 6º), Ação Controlada (art. 8º e 9º) e Infiltração de Agentes (art. 10 ao 14).

7. Lei nº 9.613/1998, e suas alterações (Lavagem de dinheiro).

102 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


É o tema do momento, juntamente com a Lei de Organizações Criminosas! Por isso futuros DPFs, vocês
precisam saber cada detalhe desses dispositivos legais. #ONDE ENCONTRO? Você encontra na FUC 4 de
legislação penal e também preparamos um fica a dica especial sobre o tema (1ª semana). #TENTATIVA: saiba que
é punível a tentativa de lavagem de dinheiro (art. 1º, §3º). Atentar para as discussões doutrinárias (teoria da
cegueira deliberada ou instruções de avestruz, lavagem em cadeia) e jurisprudenciais sobre o tema (que está em
evidência). #QUESTÃODEPROVA: Especial atenção aos efeitos da delação premiada previstos no art. 1º, §5º.
Analisar os efeitos da condenação previstos no art. 7º. Especial atenção à circunstância de que não constitui causa
de rejeição da denúncia, formulada por crime de lavagem de capitais, o fato de ter sido decretada a extinção de
punibilidade da infração penal antecedente (art. 2º, II e §1º, Lei 9.613/98). #REMEMBER: o crime de lavagem de
capitais é um crime acessório ou parasitário.
#OLHAOGANCHO: a) sabemos que uma das condições da ação penal é a justa causa (lastro probatório
mínimo). Na lavagem de dinheiro falamos em #JUSTA CAUSA DUPLICADA, ou seja, quando se oferece uma
denúncia contra alguém imputando Crime de Lavagem de Capitais, não basta demonstrar a ocultação ou
dissimulação de valores, sendo preciso também demonstrar que aqueles bens lavados (objeto da lavagem)
seriam produtos diretos ou indiretos de uma infração penal antecedente; b) #FLAGRANTE PRORROGADO:
Também chamado de flagrante retardado ou diferido (também conhecido como ação controlada). Consiste no
retardamento da intervenção policial para que se dê no momento mais oportuno da investigação criminal. Esta
espécie de flagrante encontra-se prevista na lei de drogas (depende de autorização judicial), na lei de lavagem de
capitais (depende de autorização judicial) e na lei de organizações criminosas (não depende de autorização
judicial). #COMPETÊNCIA: Como regra, a competência será da JUSTIÇA ESTADUAL. Será da Justiça Federal nas
hipóteses previstas no art. 2º, III, “a”.

#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.


Questão 43. O crime de lavagem de capitais, delito autônomo em relação aos delitos que o antecedam, não
está inserido no rol dos crimes hediondos. (CERTO).
Comentário: De fato, o crime de lavagem de capitais não se insere no rol dos crimes hediondos constantes do
art. 1º da Lei nº 8072/90, que é taxativo. Por outro lado, a doutrina ensina que os crimes de lavagem de capitais
são de natureza autônoma, não dependendo da condenação pelo crime que lhe é anterior. Nesse sentido,
Willian Terra de Oliveira, ao abordar os preceitos da Lei nº 9.613/98, ensina que “(...), resta salientar a autonomia
do crime de lavagem de dinheiro. O art. 1º trata de crimes que podem ser chamados de ‘diferidos’ ou ‘remidos’, já
que fazem menção a crimes anteriores e precedentes, dependendo desses para a sua conformação. Contudo,
ainda que o tipo mencione delitos antecedentes, geradores do dinheiro e valores que serão objeto da conduta do
agente da lavagem de dinheiro, não podemos nos esquecer que o crime de legitimação de capitais é um delito
autônomo. Não é um delito ‘meramente acessório’ a crimes anteriores, já que possui estrutura típica independente
(preceito primário e secundário), pena específica, conteúdo de culpabilidade própria e não constitui forma de
participação post-delictum. Em consequência, não é exigida prova cabal dos delitos antecedentes (sentença penal
condenatória), bastando apenas indícios da prática de crimes precedentes se complete a tipicidade. Como veremos
com maiores detalhes adiante, para a instauração do processo penal (concretamente, oferecimento da denúncia)
basta prova indiciária da existência de uma atividade criminosa direcionada precedente. A lavagem de dinheiro é
nesse sentido um crime que ‘olha adiante’ (‘geradeaus schauen’, na concepção alemã), possuindo um objeto
próprio e prescindindo da identificação e punição dos responsáveis pelos crimes antecedentes para que se
complete sua tipicidade.”

103 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 69. A simples existência de indícios da prática de um dos crimes que antecedem o delito de lavagem
de dinheiro, conforme previsão legal, autoriza a instauração de inquérito policial para apurar a ocorrência do
referido delito, não sendo necessária a prévia punição dos acusados do ilícito antecedente. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 70. Conforme a jurisprudência do STJ, não impede o prosseguimento da apuração de cometimento do
crime de lavagem de dinheiro a extinção da punibilidade dos delitos antecedentes. (CERTO)
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 71. No que se refere à legitimidade para o polo passivo da ação penal por lavagem de capitais, é
dispensável a participação do acusado do crime de lavagem de dinheiro nos delitos a ele antecedentes, sendo
suficiente que ele tenha conhecimento da ilicitude dos valores, dos bens ou de direitos cuja origem, localização,
disposição, movimentação ou propriedade tenha sido ocultada ou dissimulada. (CERTO).
Comentário: (HC 207.936/MG, Rel. Ministro JORGE MUSSI, QUINTA TURMA, julgado em 27/03/2012, DJe
12/04/2012).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 44. O crime de lavagem de capitais, consoante entendimento consolidado na doutrina e na
jurisprudência, divide - se em três etapas independentes: colocação (placement ), dissimulação (layering) e
integração (integration), não se exigindo, para a consumação do delito, a ocorrência dessas três fases. (CERTO).
Comentário: O STF no HC 80816/SP adotou o entendimento de que essas três fases não precisam ocorrer para
configurar a lavagem de capitais. Aliás, o Ministro Celso de Melo, do STF, em seu voto na AP 470, atinente ao
“Mensalão” expressamente fez menção a esse entendimento explicitando que “a lavagem seguiu as etapas
clássicas do chamado “modelo trifásico”: fracionamento dos valores, para fugir à fiscalização, ocultação e
transformação e, por último, a reintrodução dos bens resultantes da infração antecedente no sistema econômico-
financeiro. Ele ressaltou, porém, que o STF já adotou (no julgamento do RHC 80816) o entendimento de que o
crime se consuma com quaisquer das condutas tipificadas no artigo 1º da Lei 9.613/1998. ‘Basta a ocultação ou
dissimulação, e de ações típicas de ocultação e dissimulação este processo está cheio’.
Como verificado, trata-se de uma importante legislação e certamente será cobrada na prova de DPF 2018,
assim, sugiro que o aluno faça uma leitura mais aprofundada para um maior conhecimento da matéria para que
possa resolver com tranquilidade as questões que sejam apresentadas.

8. Crimes contra o meio ambiente, e suas alterações (Lei nº 9.605/1998).


Para os crimes ambientais vamos ler a FUC 9, investir na letra da lei e acrescentar alguns entendimentos
jurisprudenciais sobre o assunto. Precisamos ficar atentos principalmente às características peculiares da lei de
crimes ambientais: #RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA: As pessoas jurídicas serão
responsabilizadas administrativa, civil e penalmente conforme o disposto nesta Lei, nos casos em que a infração
seja cometida por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou
benefício da sua entidade (art. 3º, da Lei nº 9.605/98 c/c art. 225, §3º, CF). #OLHAOGANCHO: A pessoa jurídica,

104 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


mesmo podendo ser sujeito passivo de crimes ambientais, não pode ser paciente de habeas corpus. Pode até ser
impetrante, mas nunca paciente, o que não a afasta a possibilidade de ser beneficiada indiretamente por um HC
trancativo. #FIXAÇÃO DA PENA-BASE: percebam que as circunstâncias judiciais para os crimes ambientais são
distintas das do art. 59, CP. Isso porque quando se tratar de crime ambiental o juiz deverá atentar a: a) gravidade
do fato: analisando as consequências para a saúde pública e para o meio ambiente; b) antecedentes do infrator:
quanto ao cumprimento da legislação de interesse ambiental; c) situação econômica do infrator: no caso de pena
de multa. #PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO: prestação de serviços à comunidade; interdição temporária de
direitos; suspensão parcial ou total de atividades; prestação pecuniária; recolhimento domiciliar. #PENAS
APLICADAS AS PESSOAS JURÍDICAS: multa; restritivas de direitos (suspensão parcial ou total de atividades;
interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade; proibição de contratar com o Poder Público, bem
como dele obter subsídios, subvenções ou doações); prestação de serviços à comunidade (custeio de programas
e de projetos ambientais; execução de obras de recuperação de áreas degradadas; manutenção de espaços
públicos; contribuições a entidades ambientais ou culturais públicas). #COLEMNARETINA. SUSPENSÃO
CONDICIONAL DA PENA: nos crimes ambientais é possível se falar em suspensão condicional da pena nos casos
de condenação à pena privativa de liberdade não superior a 3 anos. #REMEMBER: no CP é inferior a 2 anos.
#TRANSAÇÃO PENAL: exige a prévia composição do dano ambiental atestada pelo laudo competente.
#SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: Admite-se em sede de crimes ambientais, desde que a pena
mínima cominada seja igual ou inferior a 1 ano. Ademais, a lei ambiental exige o laudo de constatação da
reparação do dano para fins de extinção da punibilidade após o período de prova. #LIQUIDAÇÃO FORÇADA: A
pessoa jurídica constituída ou utilizada, preponderantemente, com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a prática
de crime definido nesta Lei terá decretada sua liquidação forçada, seu patrimônio será considerado instrumento
do crime e, como tal, perdido em favor do Fundo Penitenciário Nacional. #PERÍCIA: É imprescindível a realização
de perícia oficial para comprovar a prática do crime previsto no art. 54 da Lei 9.605/98 (art. 54. Causar poluição
de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que
provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora). #COMPETÊNCIA: Como regra, será
da Justiça Estadual. #EXCEÇÃO: a) Crimes cometidos nas áreas do artigo 225, §4º da CF seguem a regra geral de
competência. Ou seja, somente serão (rio interestadual, por ex.) da competência da justiça federal se houver
interesse específico e direto da União. #ATENÇÃO! Patrimônio nacional é sinônimo de patrimônio da nação
brasileira e não patrimônio da União; b) Tráfico internacional de animais é de competência da justiça federal.
Exportar peles e couros de anfíbios e répteis (não são mamíferos, como caiu na última prova) também; c) Se o
animal estiver na lista do IBAMA dos animais ameaçados de extinção, a competência será da justiça federal; d)
Crime de liberação de OGM (organismo geneticamente modificado – Ex.: Soja transgênica) no meio ambiente
será julgado pela justiça federal, já que os efeitos do crime extrapolam as fronteiras do estado onde está o OGM;
e) Unidade de conservação por órgão federal.
#PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA: Apesar de se tratar de crimes de natureza difusa e da relevância do
bem jurídico protegido, reservado inclusive às futuras gerações, em situações excepcionais, o STF e o STJ têm
admitido a aplicação do postulado. #DUPLA IMPUTAÇÃO: A responsabilidade penal da pessoa jurídica, por
delitos ambientais, independe da responsabilização concomitante da pessoa física que agia em seu nome (art. 3º,
parágrafo único, da Lei nº 9.605/98) - STJ, Info 566 e STF, Info 714.

#JÁCAIU! DPU. CESPE. 2015.

105 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Questão 62. Exportar para o exterior peles e couros de mamíferos, em estado bruto, sem a autorização da
autoridade competente caracteriza crime ambiental, devendo o autor desse crime ser processado e julgado pela
justiça federal. (ERRADO).
Comentários: Precisamos atentar que o art. 30, da lei de crimes ambientais veda a exportação de peles e couros
de anfíbios e répteis. A questão falou em mamíferos. Outra análise que precisa ser feita é no que tange à
competência. Isso porque o STJ já decidiu que a competência para julgamento de infração penal ambiental é,
em regra, da Justiça Estadual, excepcionando-se quando evidenciada a lesão direta a bens, interesses ou
serviços da União ou de suas entidades autárquicas (STJ, RHC 26.483/AM).
#JÁCAIU! DPE-RR. CESPE. 2013.
Questão 26. e) Na fixação da pena por delitos ambientais, o juiz deverá levar em conta, de forma
preponderante, os bons ou maus antecedentes ambientais do infrator e, apenas supletivamente, os outros
antecedentes (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 6º, II, da lei.
Vimos, acima, que as circunstâncias judicias dos crimes ambientais são distintas das do art. 59, CP.
#JÁCAIU! DPE-TO. CESPE. 2013.
Questão 97. b) O crime ambiental que consiste em impedir o nascimento de nova vegetação ou dificultar a
regeneração natural de florestas e demais formas de vegetação é crime permanente, visto que a consumação
do delito se protrai no tempo, violando o bem jurídico tutelado de forma contínua e duradoura, renovando-se,
a cada momento a consumação, consoante entendimento do STF. (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 48, da lei de crimes ambientais c/c RHC 83437 / SP, STF.
Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da Lei pelo menos quanto aos crimes previstos
entre os arts. 29 a 69-A. As demais provas da Polícia Civil verificadas também não houve cobrança em prova,
razão pela qual não foram apresentadas questões nesse sentido.

9. Lei Antiterrorismo (Lei nº 13.260/2016).

#INOVAÇÃO LEGISLATIVA: por se tratar de lei recente, não temos um parâmetro de questões passadas.
De toda forma, #ALUNO CICLOS SAI NA FRENTE, pois a coach aqui (rsrs) vai trazer as principais considerações
que vocês precisam saber. #OBJETO DA LEI: a Lei nº 13.260/16 regulamenta a norma constitucional prevista no
art. 5º, XLIII, para disciplinar o terrorismo, especificando o que configura atos de terrorismo (art. 2º, §1º, I),
elencando tipos penais (arts. 2º, 3º, 5º, 6º e 7º), bem como o que não constitui ato de terrorismo (art. 2º, §2º),
criando o delito de Organização Terrorista (art. 1º c/c art. 3º), punindo, também, os atos preparatórios de
terrorismo (art. 5º). #CONCEITO DE TERRORISMO: vamos ler o art. 2º, “caput”, da lei:
Art. 2º, “caput”. O terrorismo consiste na prática por um ou mais indivíduos dos atos previstos neste artigo, por
razões de xenofobia, discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião, quando cometidos com a
finalidade de provocar terror social ou generalizado, expondo a perigo pessoa, patrimônio, a paz pública ou a
incolumidade pública. #GRIFONOSSO.

106 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#DUPLO ESPECIAL FIM DE AGIR: há dois especiais fins de agir: 1º) consiste na prática do terrorismo por
razões de xenofobia, discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião; 2º) reside na finalidade de
provocar terror social ou generalizado, expondo a perigo pessoa, patrimônio, a paz pública ou a incolumidade
pública. #CUMULATIVOS: vamos defender que tais fins precisam ser cumulativos, em razão de ser mais benéfico
ao réu.
#ELEMENTOS DO TERRORISMO:

O terrorismo possui como um dos seus pilares o emprego de violência


extrema contra pessoas, por meio de ataques à integridade física e
ELEMENTO VIOLÊNCIA
(sobretudo) à vida de seres humanos. Ex. explosão de bombas,
desabamento de prédios, afogamento de pessoas.
Trata-se da finalidade específica que contamina os ataques terroristas. Essa
finalidade pode ter caráter religioso (ex. impor uma religião específica ou
reagir a uma religião diversa); pode ter caráter político (cujo objetivo será a
subversão da ordem constitucional, como por exemplo, constranger o poder
ELEMENTO TELEOLÓGICO público a fazer ou deixar de fazer algo); pode ter a finalidade de gerar terror
ou intimidação da população (por meio da imposição de um medo difuso,
com a geração de terror generalizado).
→ Muitas vezes o autor do ataque terrorista não anuncia ou deixa clara a
finalidade pela qual pratica o ato.
Relaciona-se com a necessidade de atrair a atenção do povo para a
realização do ato de terrorismo. Trata-se do elemento mais demonstrado
ELEMENTO TEATRAL
pelos terroristas, sendo elemento essencial. ex. ataque terrorista de 11 de
setembro.
O terrorista age sem qualquer arrependimento ou culpa em relação aos
ELEMENTO DE AUSÊNCIA DE ataques terroristas. Ao contrário, age com orgulho por ter praticado o ato
ARREPENDIMENTO OU CULPA para satisfazer sua finalidade específica e de poder espalhar o medo pelo
mundo.

#ORGANIZAÇÃO TERRORISTA: como já dito acima está no art. 1º e 3º, da lei. #CUIDADO: Frise-se que o
dispositivo legal não estabeleceu número mínimo de pessoas, diferentemente do que o fez no delito de
associação criminosa (CP) e organização criminosa (Lei nº 12.850/13). A doutrina tem defendido a configuração a
partir de 2 (duas) pessoas. Contudo, defende, tal como o STJ, que para fins de configuração da organização não
basta o número mínimo de agentes, mas também os requisitos da estabilidade e permanência. #DESISTÊNCIA
VOLUNTÁRIA E ARREPENDIMENTO EFICAZ: a lei prevê, expressamente, a possibilidade de aplicação do art. 15,
CP, mesmo antes de iniciada a execução do crime de terrorismo (art. 10, da lei). #COMPETÊNCIA: considera-se
que os crimes previstos nesta Lei são praticados contra o interesse da União, cabendo à Polícia Federal a
investigação criminal, em sede de inquérito policial, e à Justiça Federal o seu processamento e julgamento, na
forma do art. 109, IV, CF (art. 11, da Lei Antiterrorismo). #E EM CASO DE CRIME CONEXO, COACH? Em havendo
um crime de competência da Justiça Estadual, conexo ao delito de terrorismo, a Justiça Federal será a
competente para processar e julgar ambos os delitos. Isso porque vamos aplicar um entendimento sumulado.
#DEOLHONASÚMULA – Súmula 122, STJ: Compete à Justiça Federal o processo e julgamento unificado dos
crimes conexos de competência federal e estadual, não se aplicando a regra do art. 78, II, “a”, do Código de

107 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Processo Penal. #CRIME INAFIANÇÁVEL E INSUSCETÍVEL DE GRAÇA E ANISTIA: na forma do art. 5º, XLIII, CF.
#CRIME EQUIPARADO A HEDIONDO: art. 17, da Lei Antiterrorismo c/c art. 2º, “caput”, da Lei nº 8.072/90).
#LIVRAMENTO CONDICIONAL: o réu precisa cumprir mais de dois terços da pena, nos casos de condenação por
crime de terrorismo, desde que não seja reincidente específico em crimes dessa natureza (art. 83, V,
CP). #OLHAOGANCHO: o legislador determinou a aplicação dos dispositivos da Lei nº 12.850/13, a fim de
possibilitar uma maior amplitude e eficácia na investigação e no curso do processo criminal. Aplicam-se todos os
dispositivos legais, portanto.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


PC/GO – 2017: Embora tortura, tráfico de drogas e terrorismo não sejam crimes hediondos, também são
insuscetíveis de fiança, anistia, graça e indulto (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 5º, XLIII, CF.
#JÁCAIU! Câmara dos Deputados. CESPE. 2012.
Os crimes de racismo e terrorismo são inafiançáveis, imprescritíveis e insuscetíveis de graça ou anistia (ERRADO).
Comentários: #NÃO ESQUEÇA: IMPRESCRITÍVEL apenas são os delitos de racismo e grupos armados, civis ou
militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático (art. 5º, XLIV, CF). O crime de terrorismo é
INAFIANÇÁVEL e insuscetível de graça ou anistia.
#JÁCAIU! Diplomata. CESPE. 2014.
Questão 64. 4) O repúdio ao terrorismo e ao racismo é princípio regente das relações internacionais da
República Federativa do Brasil, sendo a prática do racismo crime inafiançável e imprescritível, sujeito a pena de
reclusão, e o terrorismo, crime inafiançável e insuscetível de graça ou anistia (CERTO).
Comentários: #REMEMBER: Um dos princípios que rege a República Federativa do Brasil, em suas relações
internacionais, é o REPÚDIO AO TERRORISMO (art. 4º, VIII, CF).
#JÁCAIU! Polícia Federal – Agente Administrativo. CESPE. 2014.
Questão 46. O terrorismo, o racismo, a tortura e o tráfico ilícito de entorpecentes são crimes hediondos,
inafiançáveis e insuscetíveis de graça e anistia (ERRADO).
Comentários: Já perceberam que a Banca CESPE adora perguntar a mesma coisa sobre esse assunto? Vamos
detonar, então! O erro está em afirmar que crime de racismo é crime hediondo. Como vimos, o rol de crimes
hediondo é taxativo e nele não há previsibilidade de crime de racismo. Além desse erro, não vamos nos
esquecer de que os crimes de terrorismo, tortura e tráfico de drogas são equiparados a hediondo (art. 5º, XLIII,
CF).
Pessoal, vamos conferir os comentários da própria banca7:
JUSTIFICATIVA – O crime de racismo, apesar de inafiançável, não apresenta restrição constitucional quanto à
concessão de graça ou anistia. Ver os incisos XLII e XLIII do art. 5.º da CF: “Art. 5.º (...) XLII -a prática do racismo
constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei; XLIII -a lei considerará

7Para conferir o arquivo na íntegra: https://www.qconcursos.com/arquivos/prova/arquivo_prova/36101/cespe-2014-policia-federal-agente-


administrativo-prova.pdf

108 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e
drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os
executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem.”

10. Crimes previstos no Estatuto do Idoso, e suas alterações (Lei nº 10.741/2003).

Para o estatuto do Idoso vamos focar na letra da lei e alguns entendimentos jurisprudenciais sobre a
matéria. Para uma leitura complementar vale a pena dar uma conferida na FUC 15 (de Legislação Penal Especial).
No estatuto do Idoso, fazer a leitura do art. 93 ao art. 118. Vamos focar na lei e em eventuais entendimentos
jurisprudenciais. #APLICAÇÃOSUBSIDIÁRIA: podemos aplicar subsidiariamente LACP (Lei nº 7.347/85), conforme
dispõe o art. 93. #CUIDADO com a controvérsia do art. 94 no tocante à aplicação do procedimento previsto na
Lei nº 9.099/95. #ATENÇÃO: não se aplicam as escusas absolutórias do art. 181 e art. 182, CP (art. 95). #MEDIDAS
DESPENALIZADORAS DA LEI Nº 9.099/95: a doutrina e jurisprudência pacificaram o entendimento no sentido de
que o art. 94, do estatuto do Idoso, traz a hipótese legal de aplicação do procedimento sumaríssimo quando a
pena cominada for a privativa de liberdade não superior a 4 (quatro) anos. Isso quer dizer que o art. 94 não
trouxe a possibilidade de aplicação das medidas despenalizadoras a tais crimes contra os idosos. O STF, inclusive,
decidiu isso em sede da ADI 3096/DF.
#SAIBA DISTINGUIR:

PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE IGUAL OU INFERIOR Aplicam-se medidas despenalizadoras


A 2 ANOS + procedimento sumaríssimo
PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE SUPERIOR A 2 ANOS Aplica-se apenas o procedimento sumaríssimo
E ATÉ 4 ANOS

#ESCUSAS ABSOLUTÓRIAS: não se aplica as escusas absolutórias do art. 181 e art. 182, CP aos crimes
cometidos contra idoso (art. 95); #AÇÃO PENAL: atentar que os crimes são de ação penal pública incondicionada
(art. 95).

#JÁCAIU! DPE-TO. CESPE. 2013.


Questão 57. c) Os crimes definidos no Estatuto do Idoso são de ação penal pública incondicionada, e a eles não
se aplicam as escusas absolutórias do Código Penal, quando praticados em detrimento de cônjuge, ascendente
e descendente (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 85, do Estatuto.
#JÁCAIU! DPE-RO. CESPE. 2012.
Questão 66. a) Ao indivíduo que se aproprie de pensão de pessoa idosa, dando-lhe aplicação diversa da de sua
finalidade, aplica-se o procedimento previsto na Lei n.º 9.099/1995 (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 94 e art. 102, do Estatuto do Idoso.
Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da Lei pelo menos quanto aos crimes previstos

109 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


entre os arts. 93 a 108. As demais provas da Polícia Civil verificadas também não houve cobrança em prova, razão
pela qual não foram apresentadas questões nesse sentido.

11. Crimes previstos no Código de Defesa do Consumidor, e suas alterações (Lei nº 8.078/1990).

Para esta lei teremos poucos artigos a serem estudados. Não temos grandes controvérsias
jurisprudenciais, nem sumuladas. Vamos investir na letra da lei mesmo, com foco nas nuances a seguir. #TEMOS
FUC: em querendo fazer uma leitura complementar, temos a FUC 13 de Legislação Penal Especial. #CRIMES
CONTRA O CONSUMIDOR: art. 61 ao art. 80, CDC. O art. 44, CP reza que as penas restritivas de direitos são
autônomas e substituem as privativas de liberdade, em algumas hipóteses. O art. 78, da Lei nº 8.078/90 (CDC)
dispõem que a pena restritiva de direito poderá ser aplicada de forma autônoma, mas cumulativamente também.
#ATENÇÃO a essa particularidade. #AGRAVANTES: vamos estudar as agravantes do art. 76, da lei. #PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS DESSES CRIMES: Os crimes do CDC são crimes de menor potencial ofensivo, possuindo pena
máxima cominada de até 2 anos, sendo, portanto, da competência dos Juizados Especiais Criminais; admite-se
transação penal e suspensão condicional do processo; e tem previsibilidade de modalidade culposa (art. 63, e art.
66), sendo os demais tipos dolosos.
#NÃO ESQUEÇA MAIS: #ADMITE CULPA:
Art. 63. Omitir dizeres ou sinais ostensivos sobre a nocividade ou periculosidade de produtos, nas embalagens,
nos invólucros, recipientes ou publicidade:
Art. 66. Fazer afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante sobre a natureza, característica,
qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviços:

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2016.


Questão 44. b) Todas as infrações tipificadas no CDC possuem pena máxima prevista de até dois anos (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 37. Ana contratou Cláudio, prestador de serviços, para consertar seu aparelho de televisão. Sem
autorização de Ana e sem motivo justo, Cláudio utilizou, dolosamente, peças de reposição usadas na reparação
do aparelho. Nessa situação hipotética, a conduta de Cláudio é considerada:
a) um crime previsto no Código de Defesa do Consumidor (CDC). (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 70, CDC.
Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da Lei pelo menos quanto aos crimes previstos
entre os arts. 61 A 80.

12. Lei nº 9.296/1996 (interceptação telefônica).

#APOSTACICLOS. Trata-se de tema que deveremos estudar a FUC, a letra da lei e entendimentos
jurisprudenciais (#AJUDAMARCINHO) sobre o assunto, com destaque a: #REQUISITOS: a) indícios razoáveis de

110 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


autoria ou participação em infração penal (fumus comissi delicti); b) a prova puder ser feita por outros meios
disponíveis; c) fato investigado constituir infração penal punida, no máximo, com pena de detenção (art. 2º e
incisos), ou seja, crimes punidos com pena de RECLUSÃO. #PRAZO: 15 dias, podendo ser renovável por igual
período, em havendo fundamentação. #CRIME: Constitui crime realizar interceptação de comunicações
telefônicas, de informática ou telemática, ou quebrar segredo da Justiça, sem autorização judicial ou com
objetivos não autorizados em lei (art. 10). #DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA: a) Não é necessária a transcrição
integral dos diálogos. Basta que sejam transcritos os trechos necessários ao embasamento da denúncia oferecida
e que seja entregue à defesa todo o conteúdo das gravações em mídia eletrônica; b) A quebra do sigilo de dados
telefônicos (registros documentados) não se confunde com a interceptação telefônica (conhecimento do
conteúdo da conversa) e não é abrangida pela Lei 9.296/96. A quebra do sigilo de dados não está submetida à
cláusula de reserva de jurisdição e pode ser determinada por CPI e MP; c) Teoria do juízo aparente: não é ilícita a
interceptação autorizada por um magistrado aparentemente competente ao tempo da decisão e que,
posteriormente venha a ser declarado incompetente (Info 701 - STF); d) A interceptação telefônica, como vimos,
somente pode ser usada para crimes punidos com reclusão. No entanto, se no curso de interceptação
regularmente instaurada forem descobertos elementos probatórios relacionados a outros delitos e/ou outros
indivíduos, esses elementos podem ser utilizados validamente para dar início a novas investigações (STF HC
83.515); e) As "denúncias anônimas" não autorizam, por si sós, a propositura de ação penal ou mesmo, na fase de
investigação preliminar, o emprego de métodos invasivos de investigação, como interceptação telefônica ou
busca e apreensão, havendo de ter um lastro probatório mínimo. #SELIGA: Admite-se a interceptação telefônica
por prospecção? Para que a interceptação telefônica seja decretada, a Lei 9.296/96 exige que esteja presente
indícios razoáveis de autoria ou participação na infração penal. A interceptação telefônica por prospecção é
realizada com a finalidade de averiguar se o indivíduo está ou não envolvido em práticas ilícitas, embora
destituída de indícios mínimos de autoria ou participação. Afirma Luiz Flávio Gomes que não é possível
interceptação telefônica para verificar se uma determinada pessoa, contra a qual inexiste qualquer indício, está ou
não cometendo algum crime. É absolutamente defesa a chamada interceptação de prospecção, desconectada da
realização de um fato delituoso, sobre o qual ainda não se conta com indícios suficientes. #AUTOSAPARTADOS:
Segundo o art. 8º da Lei 9.296/96, o procedimento de interceptação telefônica (requerimento, decisão,
transcrição dos diálogos etc.) deverá ser instrumentalizado em autos apartados. Haverá nulidade caso a
interceptação não seja formalizada em autos apartados? NÃO. Preenchidas as exigências previstas na Lei nº
9.296/96 (ex.: autorização judicial, prazo etc.), não deve ser considerada ilícita a interceptação telefônica pela
simples ausência de autuação. A ausência de autos apartados configura mera irregularidade que não viola os
elementos essenciais à validade da interceptação. STF, julgado em 9/12/2015 (Info 811).

#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.


Um delegado de polícia, tendo recebido denúncia anônima de que Mílton estaria abusando sexualmente de sua
própria filha, requereu, antes mesmo de colher provas acerca da informação recebida, a juiz da vara criminal
competente a interceptação das comunicações telefônicas de Mílton pelo prazo de quinze dias, sucessivamente
prorrogado durante os quarenta e cinco dias de investigação. Kátia, ex-mulher de Mílton, contratou o advogado
Caio para acompanhar o inquérito policial instaurado. Mílton, então, ainda no curso da investigação, resolveu
interceptar, diretamente e sem o conhecimento de Caio e Kátia, as ligações telefônicas entre eles, tendo tomado
conhecimento, devido às interceptações, de que o advogado cometera o crime de tráfico de influência. Em
razão disso, Mílton procurou Kátia e solicitou que ela concordasse com a divulgação do conteúdo das gravações
telefônicas, ao que Kátia anuiu expressamente. Mílton, então, apresentou ao delegado o conteúdo das

111 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


gravações, que foram utilizadas para subsidiar ação penal iniciada pelo MP contra Caio, pela prática do crime de
tráfico de influência. Com base nessa situação hipotética, julgue os itens seguintes, a respeito das interceptações
telefônicas.
Questão 58. O fato de Kátia –– que era interlocutora dos diálogos gravados –– ter consentido
posteriormente com a divulgação do conteúdo das gravações não legitima o ato nem justifica sua utilização
como prova. (CERTO).
Comentário: (HC 161.053/SP, Rel. Ministro JORGE MUSSI, QUINTA TURMA, julgado em 27/11/2012, DJe
03/12/2012).
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 60. A interceptação telefônica solicitada pelo delegado de polícia e autorizada judicialmente é
nula, haja vista ter sido sucessivamente prorrogada pelo magistrado por prazo superior a trinta dias, o que
contraria a previsão legal de que o prazo da interceptação telefônica não pode exceder quinze dias,
renovável uma vez por igual período. (ERRADO).
Comentário: Nos termos do artigo 5º da Lei 9.296/96, não há limitação de renovações, desde que seja
comprovada a indispensabilidade do meio de prova: Art. 5° A decisão será fundamentada, sob pena de
nulidade, indicando também a forma de execução da diligência, que não poderá exceder o prazo de quinze
dias, renovável por igual tempo uma vez comprovada a indispensabilidade do meio de prova. (HC 83515,
Relator(a): Min. NELSON JOBIM, Tribunal Pleno, julgado em 16/09/2004, DJ 04-03-2005 PP-00011 EMENT VOL-
02182-03 PP-00401 RTJ VOL-00193-02 PP-00609).
#JÁCAIU! DPC-BA. CESPE. 2013.
Questão 61. A interceptação telefônica realizada por Milton é ilegal, porquanto desprovida da necessária
autorização judicial. (CERTO).
Comentário: Art. 1º A interceptação de comunicações telefônicas, de qualquer natureza, para prova em
investigação criminal e em instrução processual penal, observará o disposto nesta Lei e dependerá de ordem do
juiz competente da ação principal, sob segredo de justiça.
#DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA: eventual escuta e posterior transcrição das interceptações pelos servidores do
MP não anulam as provas, pois se trata de mera divisão de tarefas dentro do próprio órgão, o que não retira
dos promotores de justiça a responsabilidade pela condução das diligências, conforme o art. 4º, V, da Res. n.
76/2009 do CNMP. Precedentes citados do STF: RE 468.523-SC, DJ 19/2/2010; do STJ: HC 131.836-RJ, DJe
6/4/2011, e REsp 998.249-RS, DJe 30/5/2012. HC 244.554-SP, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em
9/10/2012.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 48. O presidente de uma comissão parlamentar mista de inquérito, após as devidas formalidades,
ordenou, de forma sigilosa e reservada, a interceptação telefônica e a quebra do sigilo de dados telefônicos
de testemunha que se reservara o direito de permanecer calada perante a comissão. Nessa situação, a
primeira medida é ilegal, visto que a interceptação telefônica se restringe à chamada reserva jurisdicional,
sendo permitida, por outro lado, a quebra do sigilo de dados telefônicos da testemunha, medida que não
se submete ao mesmo rigor da primeira, consoante entendimento da doutrina majoritária. ( CERTO).

112 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Comentário: De fato, os precedentes emanados do STF se orientam no sentido de que o princípio constitucional
da reserva de jurisdição incide sobre as interceptações telefônicas (CF, art. 5º, XII) , mas não se estende à quebra
de sigilo, pois, em tal matéria, e por efeito de expressa autorização dada pela própria Constituição (CF, art. 58, §
3º), assiste competência à CPI, para decretar, sempre em ato necessariamente motivado, a excepcional ruptura
dessa esfera de privacidade das pessoas. (MS 23.652, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 22-11-2000,
Plenário). No caso apresentado na questão, o presidente da CPMI agiu de modo ilícito e sua conduta se
subsume, inclusive, ao tipo penal do art. 10 da Lei nº 9296/96, que rege as interceptações telefônicas.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 73. Apesar de a lei prever o prazo máximo de quinze dias para a interceptação telefônica,
renovável por mais quinze, não há qualquer restrição ao número de prorrogações, desde que haja decisão
fundamentando a dilatação do período. (CERTO).
(HC 281.836/SP, Rel. Ministro REYNALDO SOARES DA FONSECA, QUINTA TURMA, julgado em 17/03/2016, DJe
30/03/2016).
(RHC 55.723/SP, Rel. Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR, SEXTA TURMA, julgado em 03/11/2015, DJe 19/11/2015).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 74. Segundo o entendimento do STF, é permitido, em caráter excepcional, à polícia militar,
mediante autorização judicial e sob supervisão do MP, executar interceptações telefônicas, sobretudo
quando houver suspeita de envolvimento de autoridades policiais civis nos delitos investigados, não sendo
a execução dessa medida exclusiva da autoridade policial, visto que são autorizados, por lei, o emprego de
serviços e a atuação de técnicos das concessionárias de serviços públicos de telefonia nas interceptações.
(CERTO).
(STF - HC 96986, Relator(a): Min. GILMAR MENDES, Segunda Turma, julgado em 15/05/2012, ACÓRDÃO
ELETRÔNICO DJe-181 DIVULG 13-09-2012 PUBLIC 14-09-2012).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 75. Autorizadas por juízo absolutamente incompetente, as interceptações telefônicas conduzidas
pela autoridade policial são ilegais, por violação ao princípio constitucional do devido processo legal.
(ERRADO).
(STJ - HC 27.119/RS, Rel. Ministro GILSON DIPP, QUINTA TURMA, julgado em 24/06/2003, DJ 25/08/2003, p.
341).
(STF - HC 102293, Relator(a): Min. AYRES BRITTO, Segunda Turma, julgado em 24/05/2011, ACÓRDÃO
ELETRÔNICO DJe-239 DIVULG 16-12-2011 PUBLIC 19-12-2011).
Trata-se de uma das Leis mais importantes a serem estudadas, devendo o aluno realizar a leitura do
material fornecido pelo ciclos, letras da lei e jurisprudência. Certamente cairão questões referentes a essa Lei na
prova de DPF 2018! No concurso de 2013 foram 05 questões referentes a esse assunto, tendo uma delas sido
anulada.

13. Lei nº 9.099/1995 (Juizados Especiais Criminais).

113 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#APOSTACICLOS. Para esse tema vamos investir mais na letra da lei, especialmente, e entendimentos
sumulados. Especial atenção a:
#JUIZADOS ESPECIAIS ESTADUAIS (LEI Nº 9.099/95):
#MEDIDAS DESPENALIZADORAS: composição cível (art. 74), transação penal (art. 76) e suspensão
condicional do processo (art. 89). Vamos memorizar esses 3 (três) principais artigos, certo? Além disso, vamos
revisar os requisitos da transação penal e da suspensão condicional do processo. Vem comigo!
#REQUISITOS DA TRANSAÇÃO PENAL:
• Infração penal de menor potencial ofensivo: aquela cuja pena máxima não suplante 2 anos (art. 61);
• Não ser caso de arquivamento do termo circunstanciado (hipóteses do art. 395 e 397, CPP);
• Não ter sido o autor da infração condenado anteriormente pela prática de crime à pena privativa de
liberdade;
• Não ter sido o agente beneficiado anteriormente pela transação penal, nos últimos 5 anos;
• Antecedentes, conduta social, personalidade do agente, bem como os motivos e circunstâncias do delito
favoráveis ao agente;
• Crimes de ação penal pública condicionada à representação, ação penal pública incondicionada e ação
penal privada (apesar do silêncio da lei);
• Se crime ambiental: tem que ter a reparação do dano (art. 27, lei 9.605/98); h) Se violência doméstica ou
familiar contra a mulher: não se aplica.
#REQUISITOS DA SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO:
• O acusado não pode estar sendo processado ou condenado por outro crime (não abrange contravenção
penal): a doutrina majoritária entende que se passados mais de 5 anos, é possível a concessão do benefício, pois
o art. 64, I, CP, diz não haver mais reincidência para fins penais;
• Requisitos previstos no art. 77, CP (suspensão condicional da pena);
• Reparação do dano, salvo impossibilidade de fazê-lo;
• Proibição de frequentar determinados lugares;
• Proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização do juiz;
• Comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para informar e justificar suas atividades;
• O MP poderá solicitar outras condições;
• O juiz poderá especificar outras condições, desde que adequadas ao fato e à situação pessoal do
acusado;
• Se crime ambiental: tem que ter a reparação do dano (art. 27, lei 9.605);
• Se violência doméstica ou familiar contra a mulher: não se aplica.
#CUIDADO: Analisar que existem causas obrigatórias e facultativas de revogação do benefício da
suspensão condicional do processo (art. 89, p. 3º e 4º, Lei 9099/95). #DE OLHO NA SÚMULA VINCULANTE 35: A

114 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


homologação da transação penal prevista no artigo 76 da lei 9.099/1995 não faz coisa julgada material e,
descumpridas suas cláusulas, retoma-se a situação anterior, possibilitando-se ao ministério público a continuidade
da persecução penal mediante oferecimento de denúncia ou requisição de inquérito policial. #DE OLHO NA
SÚMULA: a) SÚMULA 723, STF: não se admite a suspensão condicional do processo por crime continuado, se a
soma da pena mínima da infração mais grave com o aumento mínimo de um sexto for superior a um ano; b)
SÚMULA 696, STF: reunidos os pressupostos legais permissivos da suspensão condicional do processo, mas se
recusando o promotor de justiça a propô-la, o juiz, dissentindo, remeterá a questão ao procurador-geral,
aplicando-se por analogia o art. 28 do código de processo penal; c) SÚMULA 337, STJ: é cabível a suspensão
condicional do processo na desclassificação do crime e na procedência parcial da pretensão punitiva.
#PRINCÍPIOS ORIENTADORES DOS PROCESSOS EM SEDE DE JUIZADO: Economia Processual, Informalidade,
Celeridade e Oralidade. #FICADICA: EP-I-C-O (art. 62, da lei).

#JÁCAIU! DPE-AL. CESPE. 2009.


Questão 82 adaptada. As medidas alternativas impostas em razão de uma transação penal não geram os efeitos
penais gerais próprios de uma sanção penal (CERTO);
Questão 103. A prerrogativa da DP de intimação pessoal é incompatível com o rito dos juizados especiais
(CERTO).
#JÁCAIU! DPU. CESPE. 2015.
Questão 75. No âmbito do juizado especial criminal, no intuito de comprovar a materialidade do crime, o exame
de corpo de delito pode ser substituído por boletim médico ou prova equivalente (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 77, §1º, da lei.
#JÁCAIU! DPE-PE. CESPE. 2015.
A respeito da prisão, da citação, do aditamento e dos procedimentos nas infrações penais de menor e maior
potencial ofensivo, julgue o item seguinte.
Questão 64. Contra a decisão que rejeita a denúncia de crime de menor potencial ofensivo, caberá a
interposição de recurso de apelação (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 82, da Lei nº 9.099/95.
#JÁCAIU! DPE-DF. CESPE. 2013.
Questão 74. Suponha que contra um indivíduo tenha sido oferecida queixa-crime por suposta prática de crime
de dano qualificado por motivo egoístico, crime para o qual a pena máxima é de três anos de detenção. Nesse
caso, deverá ser utilizado o procedimento previsto na Lei n.º 9.099/1995 (ERRADO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 61, da lei.
#JÁCAIU! DPE-RR. CESPE. 2013.
Questão 35. e) Admite-se a suspensão condicional do processo no caso de condenação anterior, se entre a data
do cumprimento ou extinção da pena e a infração posterior, de menor potencial ofensivo, tiver decorrido
período de tempo superior a cinco anos. (CERTO).

115 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Comentários: O CESPE buscou vários neurônios do candidato para chegar ao entendimento dessa assertiva.
#ONDE ENCONTRO? Respira fundo e vai!!! Art. 89, da Lei n 9.099/95 (parte final) c/c art. 77, I, CP c/c art. 64,
CP.
#JÁCAIU! DPE-RO. CESPE. 2012.
Questão 99. Considerando as disposições processuais penais previstas na Lei n.º 9.099/1995 (Lei dos Juizados
Especiais), assinale a opção correta. d) Dos atos praticados em audiência consideram-se desde logo cientes as
partes, os interessados e os defensores (CERTO).
Comentários: #ONDE ENCONTRO? Art. 67, parágrafo único, da lei.
Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da Lei pelo menos quanto aos arts. 60 e 61, 63 a
76. As demais provas da Polícia Civil verificadas também não houve cobrança em prova, razão pela qual não
foram apresentadas questões nesse sentido.

14. Lei nº 8.137/1990 (Crimes contra a ordem econômica e tributária e as relações de consumo).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da Lei pelo menos quanto aos arts. 1º ao 7º.
Estudar também súmulas e jurisprudências relacionadas ao tema.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


Considere os seguintes atos, praticados com o objetivo de suprimir tributo:
1) Marcelo prestou declaração falsa às autoridades fazendárias;
2) Hélio negou-se a emitir, quando isso era obrigatório, nota fiscal relativa a venda de determinada
mercadoria;
3) Joel deixou de fornecer nota fiscal relativa a prestação de serviço efetivamente realizado.
Nessas situações, conforme a Lei n.º 8.137/1990 e o entendimento do STF, para que o ato praticado
tipifique crime material contra a ordem tributária, será necessário o prévio lançamento definitivo do tributo
em relação a:
a) Hélio e Joel.
b) Marcelo apenas. (CERTO).
c) Hélio apenas.
d) Joel apenas.
e) Hélio, Marcelo e Joel.
Comentário: Súmula 24, STF: Não se tipifica crime material contra a ordem tributária, previsto no art.
1º, incisos I a IV, da Lei nº 8.137/90, antes do lançamento definitivo do tributo.
Importante fazer a leitura dessa Súmula.

116 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


15. Lei nº 7.492/1986 (Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei pelo menos quanto aos arts. 2º ao 23. Estudar também sumulas e jurisprudências relacionado ao tema caso
existam.

16. Lei nº 8.176/1991 (Crimes contra a Ordem Econômica).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei pelo menos quanto aos arts. 1º e 2º. Estudar também súmulas e jurisprudências relacionado ao tema caso
existam.

17. Lei nº 7.716/1991 (Crimes resultantes de preconceitos de raça ou de cor).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da Lei. Estudar também súmulas e
jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.


Questão 23. Da sentença penal se extraem diversas consequências jurídicas e, quando for condenatória,
emergem-se os efeitos penais e extrapenais. Acerca dos efeitos da condenação penal, assinale a opção
correta. b) A condenação por crime de racismo cometido por proprietário de estabelecimento comercial sujeita
o condenado à suspensão do funcionamento de seu estabelecimento, pelo prazo de até três meses, devendo
esse efeito ser motivadamente declarado na sentença penal condenatória.
Comentários: ver o Art.16 da lei.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 32. Uma jovem de vinte e um anos de idade, moradora da região Sudeste, inconformada com o
resultado das eleições presidenciais de 2014, proferiu, em redes sociais na Internet, diversas ofensas contra
nordestinos. Alertada de que estava cometendo um crime, a jovem apagou as mensagens e desculpou-se,
tendo afirmado estar arrependida. Suas mensagens, porém, têm sido veiculadas por um sítio eletrônico que
promove discurso de ódio contra nordestinos. No que se refere à situação hipotética precedente, assinale a
opção correta, com base no disposto na Lei n.º 7.716/1989, que define os crimes resultantes de preconceito
de raça e cor. c) O crime praticado pela jovem não se confunde com o de injúria racial.
Comentários: ver o Art. 20, §2º da lei 7716/89.

117 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


18. Crimes de Responsabilidade. (Decreto-Lei nº 201/1967 e suas alterações, Lei nº 1.079/1950 e suas alterações e
Lei nº 8.176/1991).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei principalmente quanto ao art. 1º que trata especificamente dos crimes de responsabilidade dos Prefeitos
Municipais. Estudar também súmulas e jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

19. Lei nº 11.101/2005. (Crimes Falimentares).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da Lei principalmente quanto aos arts. 168 ao
178. Estudar também sumulas e jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


Questão 57. Com base no disposto na Lei n.º 11.101/2005 e no Decreto-Lei n.º 201/1967, assinale a opção
correta. d) Em se tratando de recuperação judicial, extrajudicial e falência do empresário e da sociedade
empresária, aplicam-se as normas do Código de Processo Penal, inexistindo fase de investigação judicial.
Comentários: Art. 188. Aplicam-se subsidiariamente as disposições do Código de Processo Penal, no que não
forem incompatíveis com esta Lei.

20. Lei nº 8.666/93 (Crimes nas licitações e contratos da administração pública).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei principalmente quanto aos arts. 89 ao 99. Estudar também sumulas e jurisprudências relacionado ao tema
caso existam.

21. Lei nº 5.553/68 (Apresentação e uso de documento de identificação pessoal).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei que, por ser um texto pequeno, deve ser lido por completo. Estudar também súmulas e jurisprudências
relacionado ao tema caso existam.

22. Lei nº 6.001/73 (Estatuto do Índio).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei quantos aos arts. 58 e 59. Estudar também sumulas e jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

118 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


23. Lei nº 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei quantos aos arts. 103 ao 110. Estudar também sumulas e jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

24. Lei nº 12.037/2009 (identificação criminal do civilmente identificado).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei completa, devendo atentar para o art. 3º. Estudar também sumulas e jurisprudências relacionado ao tema
caso existam.

25. Lei nº 4.737/1965 (código eleitoral).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei referente aos arts. 289 ao 354-A. Estudar também sumulas e jurisprudências relacionado ao tema caso
existam.

26. Lei nº 5.250/1967 (Lei de imprensa).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei referente aos arts. 14 ao 28. Estudar também súmulas e jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

27. Lei nº 13.146/2015 (Crimes previstos no Estatuto da Pessoa com Deficiência).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei referente aos arts. 88 ao 91. Estudar também súmulas e jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

28. Lei nº 7.210/1984 (Execução Penal).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei completa, devendo atentar para os art. 105 ao 146-D. Estudar também súmulas e jurisprudências relacionado
ao tema caso existam.
Destaco o art. 147-B referente a Monitoração Eletrônica.

119 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 82. Quanto ao instituto da remição na fase de execução da pena, assinale a opção correta. d) É
possível o acréscimo de um terço do tempo a remir no caso de conclusão, durante o cumprimento da pena, do
ensino fundamental, médio ou superior.
Comentários: ver o Art. 126, §5º da LEP.

29. Lei nº 12.830/2013 (Investigação criminal conduzida pelo Delegado).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura da
Lei, devendo atentar para o art. 2º. Estudar também súmulas e jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

30. Lei nº 12.737/2012 (Crimes Cibernéticos).

Trata-se de matéria prevista no edital, no entanto, a mesma não foi cobrada na última prova de DPF em
2013 e nem nas provas da Polícia Civil analisadas, porém não deixa de ser importante a realização da leitura
completa da Lei. Estudar também súmulas e jurisprudências relacionado ao tema caso existam.

CRIMINOLOGIA8
Olá, futuros Delegados e Delegadas!
Criminologia vem se mantendo como uma matéria de grande importância nos concursos para Delegado
organizados pelo Cespe, tendo, inclusive, sido cobrado na prova para Delegado Federal de 2013.
O edital está bem sucinto, com pontos pequenos, que não exigem muito estudo, devendo ser dada
atenção especial às Escolas Sociológicas, parte mais densa da matéria, com maior probabilidade de cobrança,
juntamente com as funções, métodos, objetos e seus desdobramentos.
Embora a Cespe tenha o padrão de não divulgar o número de questões de cada matéria, vale lembrar
que em 2013 foram cobradas 09 (nove) questões de Criminologia, de um total de 120 (cento e vinte) questões, ou
seja, são pontos valiosos rumo à aprovação.
Além das FUC’s de Criminologia disponibilizadas pelo Ciclos, o mercado apresenta diversos resumos
sobre a matéria. No entanto, a Sinopse para Concurso da Juspodivm, escrita por Natacha Alves de Oliveira, e
lançada no ano de 2018, é a obra que contempla a matéria de forma mais abrangente. Outra obra excelente para
o estudo da matéria é o Criminologia, de Eduardo Viana.
No Raio-X abaixo, faremos uma pequena explanação ponto a ponto de nosso edital, buscando uma
compreensão da matéria.

8
Por Tiago Pozza.

120 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


CRIMINOLOGIA

Objeto, Função e
Método
Modelos de Conceito 10%
Reação ao 9%
Crime
14%

Teorias
Modelos Teóricos Sociológicas
da Criminologia 10%
24%

Prevenção do
Delito
33%

Conceito
Objeto, Função e Método
Teorias Sociológicas
Prevenção do Delito
Modelos Teóricos da Criminologia
Modelos de Reação ao Crime
Legenda:
Número de questões

1. Criminologia. 1.1 Conceito. 1.2 Métodos: empirismo e interdisciplinaridade. 1.3 Objetos da criminologia: delito,
delinquente, vítima, controle social.

A palavra Criminologia tem sua etimologicamente do latim crimino, que significa crime, e do grego logos,
que consiste em estudo, significando, portanto, o estudo do crime. O termo Criminologia foi utilizado pela
primeira vez em 1883 por Paul Topinard, sendo que foi Raffaele Garófalo, em seu livro Criminologia, lançado em
1885, quem deu notoriedade ao termo.
Para Antonio García-Pablos de Molina, a Criminologia é a ciência empírica e interdisciplinar que tem por
objeto o crime, o delinquente, a vítima e o controle social do comportamento delitivo; e que aporta uma informação
válida, contrastada e confiável, sobre a gênese, dinâmica e variáveis do crime – contemplando este como fenômeno
individual e como problema social, comunitário - assim como sua prevenção eficaz, as formas de estratégias de

121 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


reação ao mesmo e as técnicas de intervenção positiva no infrator (MOLINA, Antonio García-Pablos de. Tratado de
Criminologia. 2 ed. P. 43).
A Criminologia é uma ciência do ser, empírica, na medida em que seu objeto (crime, criminoso, vítima e
controle social) é visível no mundo real e não no mundo dos valores, como ocorre com o direito, que é uma
ciência do dever-ser, portanto, normativa e valorativa.
A interdisciplinaridade da Criminologia decorre de sua própria consolidação histórica como ciência
dotada de autonomia, à vista da influência profunda de diversas outras ciências, tais como a sociologia, a
psicologia, o direito, a medicina legal etc.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


Questão 17. A respeito do conceito e das funções da criminologia, assinale a opção correta.a) A criminologia
tem como objetivo estudar os delinquentes, a fim de estabelecer os melhores passos para sua ressocialização. A
política criminal, ao contrário, tem funções mais relacionadas à prevenção do crime.
b) A finalidade da criminologia em face do direito penal é de promover a eliminação do crime.
c) A determinação da etimologia do crime é uma das finalidades da criminologia.
d) A criminologia é a ciência que, entre outros aspectos, estuda as causas e as concausas da criminalidade e da
periculosidade preparatória da criminalidade. (CERTO).
e) A criminologia é orientada pela política criminal na prevenção especial e direta dos crimes socialmente
relevantes, mediante intervenção nas manifestações e nos efeitos graves desses crimes para determinados
indivíduos e famílias.
Durante sua evolução histórica, a Criminologia passou por importantes mudanças em seu objeto de
estudo. A Escola Clássica, através dos pensamentos de Beccaria, se preocupava apenas com o estudo crime,
enquanto a Escola Positiva, capitaneada por Lombroso, se valia do estudo do delinquente. Em meados do século
XX a vítima passou a ter maior destaque, assim como os mecanismos de controle social, assumindo um caráter
interacionista e pluridimensional.
Hodiernamente, o objeto da Criminologia se divide no estudo do delito, do delinquente, da vítima e do
controle social.
Delito → Em relação ao delito, a Criminologia tem toda uma atividade de análise, que verifica a conduta
antissocial, suas causas, o tratamento dado ao delinquente, visando sua reinserção na sociedade e coibindo sua
reincidência, bem como as falhas dos processos preventivos.
A Criminologia moderna deixou de aceitar o dogma de que nossa sociedade é consensual, afirmando ser
uma sociedade conflitiva. Não se limita ao conceito jurídico-penal de delito, sob pena de perder sua autonomia e
funcionar como instrumento de auxílio do direito penal. Da mesma forma, rompe com o conceito sociológico de
que o crime seria uma mera conduta desviada que foge aos padrões. Portanto, o delito é um fenômeno social e
comunitário, que exige o estudo de suas múltiplas formas e enfoques para a análise do fenômeno criminal.
Delinquente → Passou a ter destaque com o surgimento da Escola Positiva e o desenvolvimento das
ciências sociais, como a Antropologia e a Sociologia, que entendiam que o criminoso era um ser atávico, preso a
sua deformação patológica.

122 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Segundo os correcionalistas, o criminoso era um ser inferior e incapaz de governar a si próprio,
merecendo atitude pedagógica e de piedade por parte do Estado. De acordo com os marxistas, o criminoso é
uma vítima inocente das estruturas econômicas impostas pelo capitalismo.
A Criminologia moderna trata o delinquente como um ser histórico, real, complexo e enigmático, um ser
normal que pode estar sujeito às influências do meio e não aos determinismos.
Vítima → Inicialmente deixada de lado no estuda da Criminologia, que a considerava como algo
insignificante na existência do delito, passou por 03 (três) grandes momentos nos estudos penais. A idade de
ouro, que compreende os primórdios da civilização até o fim da Alta Idade Média, onde a vítima possuía papel
de destaque, traduzido pela Lei de Talião. O período de neutralização, que surgiu com a Santa Inquisição,
passando a vítima a perder importância frente ao Poder Público e ao monopólio da jurisdição. Por fim, a
revaloração da vítima, que ganhou destaque no Processo Penal com os pensamentos da Escola Clássica, sendo
objeto de leis como no caso dos Juizados Especiais Criminais, que conferiu grande destaque processual à vítima.
Controle Social → Formado por um conjunto de mecanismos e sanções sociais que submetem os
indivíduos às normas de convivência social. Há dois sistemas de controles que coexistem, o primeiro deles, dito
informal, está relacionado com a família, religião, escola, profissão, clubes e outros, enquanto o segundo,
chamado de formal, é representado pela Polícia, Ministério Público, Forças Armadas e demais órgãos públicos,
com caráter nitidamente mais rigoroso e com conotação político-criminal.
2. Funções da criminologia. 2.1 Criminologia e política criminal. 2.2 Direito penal.
A função da Criminologia, como ciência interdisciplinar e empírica, é submeter o crime a uma análise
rígida, eliminando contradições e complementando lacunas. Assim, suas principais funções são: explicar e
prevenir o crime, intervir na pessoa do infrator e avaliar os diferentes modelos de resposta ao crime.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 51. Acerca do direito penal e do poder punitivo, assinale a opção correta.a) O garantismo penal
impede a intervenção punitiva do Estado, o qual deverá exercer função exclusivamente preventiva e garantidora
das liberdades individuais.
b) O direito penal do autor poderá servir de fundamento para a redução da pena quando existirem
circunstâncias pessoais favoráveis ao acusado. (CERTO).
c) O direito penal do ato tem como característica a ampliação da tipicidade do crime para atingir também os
atos preparatórios e os de tentativa.
d) No direito penal do inimigo, a sanção penal é aplicada com extremo rigor e objetiva punir o inimigo de modo
exemplar por atos cometidos, sem, contudo, relativizar ou suprimir garantias processuais.
e) A criminalização secundária tem como características a igualdade e a abstração, uma vez que a lei penal é
genérica e a todos dirigida.

Direito Penal Criminologia Política Criminal


Analisa os fatos humanos Ciência empírica que estuda o
Trabalha estratégias e meios de
indesejados, define quais devem crime, a vítima e o comportamento
controle social da criminalidade.
ser rotulados como crime ou da sociedade.

123 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


contravenção, anunciando as
penas.
Ocupa-se do crime enquanto
Ocupa-se do crime enquanto fato. Ocupa-se do crime enquanto valor.
norma.

3. Modelos teóricos da criminologia. 3.1 Teorias sociológicas. 3.2 Prevenção da infração penal no Estado
democrático de direito. 3.3 Prevenção primária. 3.4 Prevenção secundária. 3.5 Prevenção terciária. 3.6 Modelos
de reação ao crime.
→ Os Modelos Teóricos da Criminologia se dividem em Criminologia Clássica e Neoclássica, Positivista e
Moderna.
A Criminologia Clássica parte das ideias consagradas pelo Iluminismo, adotando as teorias do
Jusnaturalismo de Grócio e do Contratualismo de Rousseau, tendo como principais fundamentos que o crime é
um ente jurídico, não o considerando uma ação, mas sim uma infração; a punibilidade deve ser baseada no livre-
arbítrio; a pena deve ter nítido caráter de retribuição pela culpa moral do criminoso, de modo a prevenir o crime
com celeridade e severidade, restaurando a ordem social; utiliza o método lógico-dedutivo.
A Criminologia Neoclássica parte das ideias da Criminologia Clássica, destacando-se a teoria da Escolha
Racional de Clark e Cornish e a Teoria das Atividades Rotineiras de L. E. Cohen e Felson. A primeira, partindo do
pressuposto de que o homem é um ser racional, entende essa racionalidade como relativa, pois algumas variáveis
fazem com que seja feita uma análise subjetiva do autor do delito, em certo momento e contexto. Já a segunda,
também chamada de Teoria da Oportunidade, analisa o delito sob um aspecto situacional, analisando o contexto
atual da situação para entender os motivos que levam à delinquência.
A Criminologia Positivista rompe com os dogmas dos Clássicos, abandonando seus estudos, centralizando
suas pesquisas no delinquente. O positivismo nega com veemência o livre arbítrio como fundamento da
responsabilidade, por ser o homem determinado em suas ações por causas endógenas e por causas exógenas
derivadas de fatores físicos, econômicos e sociais, servindo-se do método indutivo ou experimental no estudo do
crime. Para os positivistas, o criminoso era um ser atávico, fruto da regressão a estados primitivos da
humanidade, sendo este o núcleo da construção da ideia do criminoso nato, que seria uma variedade humana
que se distinguia entre si por uma rica gama de anomalias ou estigmas de origem atávica ou degenerativa.
Por fim, na Criminologia Moderna, o estudo do homem delinquente migrou para um segundo plano,
como consequência de mudanças sociais e da necessária superação dos enfoques individualistas em atenção aos
objetivos político-criminais, deslocando-se prioritariamente à conduta delitiva, à vítima e ao controle social. O
delinquente é examinado, em suas interdependências sociais, como unidade biopsicossocial e não de uma
perspectiva biopsicopatológica como em obras orientadas pelo espírito individualista e correcionalista da
criminologia tradicional.
→ As teorias criminológicas são concebidas dentro de uma perspectiva macrocriminológica, ou seja, não examina
a interação entre indivíduos e pequenos grupos. Faz uma abordagem da sociedade como um todo, mediante o
estudo do fenômeno delituoso, obtendo diferentes respostas explicativas da criminalidade.

124 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


As duas principais divisões da macrossociologia que influenciam o pensamento criminológico são as
teorias do consenso ou da integração, de caráter funcionalista, e as teorias do conflito, com caráter mais
argumentativo, dividindo visões conflitivas da sociedade.
Nos dizeres de Shecaira, qualquer que seja a visão adotada para a análise criminológica, a sociedade é
como a cabeça de Janus, e suas duas faces são aspectos equivalentes da mesma realidade (SHECAIRA, Sérgio S.
Criminologia. P. 131).
Segundo a Teoria do Consenso, a finalidade da sociedade é atingida quando há um perfeito
funcionamento das suas instituições de forma que os indivíduos compartilham os objetivos comuns a todos os
cidadãos, aceitando as regras vigentes e compartilhando regras sociais dominantes. A ordem é baseada em um
consenso geral em torno de valores, derivando destes o estabelecimento da força. As principais Teorias do
Consenso são a Escola de Chicago, a Teoria da Associação Diferencial, Teoria da Anomia e a Teoria da Subcultura
Delinquente.
Já as Teorias do Conflito pregam que a coesão e a ordem da sociedade são fundadas na força e na
coerção, na dominação de alguns e sujeição de outros, ignorando a existência de acordos de valores que dão
origem e estabelecem a força. A coerção imposta que traz coesão às organizações sociais. A Teoria do Lebelling
Approach ou Etiquetamento e a Teoria Crítica são as teorias com maior repercussão dentro do conflito.

#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.


Questão 9. Considerando que, conforme a doutrina, a moderna sociologia criminal apresenta teorias e
esquemas explicativos do crime, assinale a opção correta acerca dos modelos sociológicos explicativos do
delito.
a) Para a teoria ecológica da sociologia criminal, que considera normal o comportamento delituoso para o
desenvolvimento regular da ordem social, é imprescindível e, até mesmo, positiva a existência da conduta
delituosa no seio da comunidade.
b) A teoria do conflito, sob o enfoque sociológico da Escola de Chicago, rechaça o papel das in stâncias
punitivas e fundamenta suas ideias em situações concretas, de fácil comprovação e verificação empírica
das medidas adotadas para contenção do crime, sem que haja hostilidade e coerção no uso dos meios de
controle.
c) A teoria da integração, ao criticar a teoria consensual na solução do conflito, rotula o criminoso quando
assevera que o delito é fruto do sistema capitalista e considera o fator econômico como justificativa para o
ato criminoso, de modo que, para frear a criminalidade, devem-se separar as classes sociais.
d) A Escola de Chicago, ao atentar para a mutação social das grandes cidades na análise empírica do
delito, interessa-se em conhecer os mecanismos de aprendizagem e transmissão das culturas consideradas
desviadas, por reconhecê-las como fatores de criminalidade. (CERTO).
e) A teoria estrutural-funcionalista da sociologia criminal sustenta que o delito é produto da
desorganização da cidade grande, que debilita o controle social e deteriora as relações humanas,
propagando-se, consequentemente, o vício e a corrupção, que são considerados anormais e nocivos à
coletividade.

125 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


→ Prevenção do delito no Estado Democrático de Direito é o conjunto de ações que visam coibir a ocorrência de
delitos. São divididas em medidas diretas e indiretas, podendo ainda haver a divisão da prevenção do delito nos
modelos clássico e neoclássico.
As medidas diretas estão relacionadas com o iter criminis, sendo implementadas através da repressão aos
crimes mais graves, implementação de programas de tolerância zero, atuação da polícia ostensiva na
comunidade, que nos pequenos crimes, adotam medidas administrativas em substituição ao direito penal,
aparelhamento e treinamento das polícias judiciárias, buscando a prevenção e a repressão de todos os
seguimentos da criminalidade, além da elevação de valores morais, através do culto à família, religião e costumes.
Já as medidas indiretas visam a causa dos delitos, sem atingi-los de imediato, focando dois caminhos,
quais sejam: o indivíduo e o meio em que este está inserido. Quanto ao indivíduo, as ações devem considerar seu
aspecto pessoal, levando em conta seu caráter e temperamento, moldando e motivando sua conduta. Por fim,
em relação ao meio social, este deve ser analisado sob uma ampla perspectiva, visando a redução da
criminalidade, conjugando ações sociais, políticas e econômicas, que trazem melhora na qualidade de vida da
comunidade.
Ainda sobre a prevenção, cumpre destacar a Prevenção Primária, segundo Antonio García-Pablos de
Molina, os programas de prevenção primária se orientam para as mesmas causas, para a origem do conflito
criminal, neutralizando-o antes que se manifeste. Tratam de criar pressupostos necessários ou de resolver as
situações criminógenas de maior carência, procurando uma socialização de acordo com os objetivos sociais.
Nesse sentido, educação, trabalho, socialização, qualidade de vida, bem-estar social, são pilares para que os
cidadãos possam melhorar seu comportamento, resolvendo conflitos sem o uso da violência.
Já a Prevenção Secundária, atua nos locais onde os índices de criminalidade são mais avançados. É uma
atuação mais concentrada e objetiva, com foco em áreas de maior violência, como comunidades carentes
dominadas pelo tráfico. Outra vez adotamos os ensinamentos de Antonio García-Pablos de Molina, segundo
quem os programas de prevenção secundária atuam mais tarde em termos etiológicos e não quando ou onde o
conflito criminal se produz ou é gerado, mas quando e onde o mesmo se manifesta, quando e onde se
exterioriza. Opera a curto e médio prazo, se orientando de forma seletiva a setores específicos da sociedade.
Esta prevenção se manifesta através da política legislativa penal e da ação policial, visando uma
prevenção geral. Programas de prevenção policial, de controle dos meios arquitetônicos como instrumento de
autoproteção, desenvolvidos em bairros localizados em terrenos mais baixos, são exemplos dessa modalidade de
prevenção.
Por fim, a Prevenção Terciária tem um único destinatário: a população carcerária, buscando evitar a
reincidência. É caracteriza por programas que atuam tardiamente no problema criminal, sendo na maioria das
vezes ineficazes, pois enfrentam um conjunto de regras informais existentes dentro das penitenciárias, tanto por
parte da população carcerária, quanto pela administração, que geram um estado permanente de angústia e
sofrimento, que ataca e imputa sofrimento ao condenado. Através de punições formais e informais, ataques,
violações morais e físicas, esse conjunto de regras busca despersonalizar o indivíduo no cárcere, transformando-o
em um objeto. Essas regras comprovam que o sistema prisional é um mal necessário, porém, cruel.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.

126 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Questão 18. Considerando que, para a criminologia, o delito é um grave problema social, que deve ser
enfrentado por meio de medidas preventivas, assinale a opção correta acerca da prevenção do delito sob o
aspecto criminológico:
a) A transferência da administração das escolas públicas para organizações sociais sem fins lucrativos, com a
finalidade de melhorar o ensino público do Estado, é uma das formas de prevenção terciária do delito.
b) O aumento do desemprego no Brasil incrementa o risco das atividades delitivas, uma vez que o trabalho,
como prevenção secundária do crime, é um elemento dissuasório, que opera no processo motivacional do
infrator.
c) A prevenção primária do delito é a menos eficaz no combate à criminalidade, uma vez que opera,
etiologicamente, sobre pessoas determinadas por meio de medidas dissuasórias e a curto prazo, dispensando
prestações sociais.
d) Em caso de a Força Nacional de Segurança Pública apoiar e supervisionar as atividades policiais de
investigação de determinado estado, devido ao grande número de homicídios não solucionados na capital do
referido estado, essa iniciativa consistirá diretamente na prevenção terciária do delito.
e) A prevenção terciária do crime consiste no conjunto de ações reabilitadoras e dissuasórias atuantes sobre o
apenado encarcerado, na tentativa de se evitar a reincidência. (CERTO).
→ Os Modelos de Reação ao Delito podem ser divididos em modelo clássico ou dissuasório, ressocializador e
restaurador ou da justiça restaurativa.
O Modelo Clássico se polariza em torno da pena e do rigor e severidade da aplicação desta, com o fim
preventivo e de mecanismo intimidatório. Existe ainda um viés Neoclássico que trabalha a efetividade do impacto
dissuasório ou contramotivador, analisando o sistema legal pela ótica do infrator, deixando de severidade
abstrata das penas, característica do Modelo Clássico, para segundo plano.
Com relação ao Modelo Ressocializador, atribui-se à pena a finalidade (utilitária ou relativa) de
ressocialização do infrator, também chamada de prevenção especial positiva. Segundo esse modelo, acredita-se
que o Direito penal poderia de forma eficaz, intervir na pessoa do delinquente, sobretudo quando ele estivesse
preso, para melhorá-lo e reintegrá-lo à sociedade.
Por fim, a Justiça Restaurativa pode ser conceituada como uma resposta ao crime diferente da resposta
da justiça criminal. Atua de forma objetiva quando busca solucionar o problema do crime considerando suas
causas e consequências, e de forma subjetiva quando incluiu pessoas direta e indiretamente afetadas pelo crime,
na solução dos problemas. As vítimas, em especial, têm um papel de maior relevância e proteção, sendo que ao
infrator é oportunizado a reparação dos danos por ele causados. No Brasil, um exemplo clássico da Justiça
restaurativa, são os Juizados Especiais.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


Questão 19. Em busca do melhor sistema de enfrentamento à criminalidade, a criminologia estuda os diversos
modelos de reação ao delito. A respeito desses modelos, assinale a opção correta:

127 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


a) De acordo com o modelo clássico de reação ao crime, os envolvidos devem resolver o conflito entre si, ainda
que haja necessidade de inobservância das regras técnicas estatais de resolução da criminalidade, flexibilizando-
se leis para se chegar ao consenso.
b) Conforme o modelo ressocializador de reação ao delito, a existência de leis que recrudescem o sistema penal
faz que se previna a reincidência, uma vez que o infrator racional irá sopesar o castigo com o eventual proveito
obtido.
c) Para a criminologia, as medidas despenalizadoras, com o viés reparador à vítima, condizem com o modelo
integrador de reação ao delito, de modo a inserir os interessados como protagonistas na solução do conflito.
(CERTO).
d) A fim de facilitar o retorno do infrator à sociedade, por meio de instrumentos de reabilitação aptos a retirar o
caráter aflitivo da pena, o modelo dissuasório de reação ao crime propõe uma inserção positiva do apenado no
seio social.
e) O modelo integrador de reação ao delito visa prevenir a criminalidade, conferindo especial relevância ao ius
puniendi estatal, ao justo, rápido e necessário castigo ao criminoso, como forma de intimidação e prevenção do
crime na sociedade.

DIREITO PREVIDENCIÁRIO9
Prezados alunos e futuros Delegados Federais.
Quanto a matéria de Direito Previdenciário, objeto deste raio X, cabe destacar que na última prova de
DPF ocorrida em 2013 a disciplina teve 08 assertivas (assertivas 96 – 103) que abordaram os seguintes pontos do
edital: Crimes contra a Seguridade Social (Apropriação Indébita Previdenciária), Crimes contra a Seguridade Social
(Sonegação de Contribuição Previdenciária), Aposentadoria por Invalidez, Pensão por Morte, Salário de
Contribuição, Custeio da Seguridade Social – anulada, Segurados.
Vem comigo!

9
Por Paulo Lima (@profdpfpaulolima).

128 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


PREVIDENCIÁRIO

Segurados
14%

Salário de Crimes contra a


contribuição Seguridade Social
14% 43%

Pensão por morte


14%

Aposentadoria
por invalidez
15%

Crimes contra a Seguridade Social


Aposentadoria por invalidez
Pensão por morte
Salário de contribuição
Segurados
Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Seguridade social. 1.1 Conceito e disciplina constitucional. 1.2 Princípios e objetivos. 1.3 Saúde, assistência social
e previdência social.
2. Financiamento da seguridade social. 2.1 Normas constitucionais. 2.2 Contribuições sociais para custeio da
seguridade social. 2.3 Contribuições da União. 2.4 Contribuições do empregador, da empresa e de entidades
equiparadas. 2.5 Contribuição do empregador doméstico. 2.6 Contribuição do segurado. 2.7 Salário de
contribuição: conceito, parcelas integrantes e não integrantes. 2.8 Outras receitas da seguridade social. 2.9
Arrecadação e recolhimento das contribuições. 2.10 Obrigações das empresas. 2.11 Prazos de recolhimento,
juros, multa e atualização monetária. 2.12 Obrigações acessórias. 2.13 Prova da inexistência do débito.

129 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


3. Regime geral de previdência social. 3.1 Normas constitucionais. 3.2 Planos de benefícios da previdência social.
3.3 Segurados obrigatórios. 3.4 Segurados facultativos. 3.5 Aquisição, manutenção, perda e reaquisição da
qualidade de segurado. 3.6 Dependentes. 3.7 Regras gerais aplicáveis aos benefícios. 3.8 Período de carência.
3.9 Cálculo do valor do benefício. 3.10 Salário de benefício. 3.11 Renda mensal do benefício. 3.12 Reajustamento
do valor do benefício. 3.13 Período básico de cálculo e fator previdenciário. 3.14 Benefícios em espécie. 3.15
Benefícios dos segurados. 3.16 Benefícios dos dependentes. 3.17 Serviços da previdência social. 3.18 Cumulação
de benefícios. 3.19 Contagem recíproca de tempo de serviço.
4. Decadência e prescrição. 4.1 Decadência e prescrição para os beneficiários. 4.2 Decadência e prescrição para
o INSS.
5. Crimes contra a seguridade e a previdência social. 48 5.1 Apropriação e sonegação de contribuição
previdenciária. 5.2 Estelionato contra o INSS. 5.3 Crimes contra a fé pública em detrimento do INSS. 5.4 Crimes
contra a administração pública em detrimento do INSS. 5.5 Inserção de dados falsos em sistemas de
informações. 5.6 Modificação ou alteração não autorizada em sistemas de informação. 5.7 Extinção e suspensão
de punibilidade. 5.8 Constituição prévia e definitiva da contribuição previdenciária no âmbito administrativo.
6. Aspectos criminais da legislação previdenciária: Lei nº 8.212/1991 e suas alterações, Lei nº 8.213/1991 e suas
alterações, Decreto nº 3.048/1999 e suas alterações.

#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.


José abriu uma pequena padaria no bairro onde reside e contratou dez funcionários. Durante os primeiros seis
meses de funcionamento do estabelecimento comercial, José arrecadou as contribuições previdenciárias de seus
empregados, descontando-as das respectivas remunerações, mas não recolheu esses valores aos cofres da
previdência social. Com base nessa situação hipotética e na legislação relativa aos crimes contra a previdência
social, julgue os itens subsequentes.
Questão 96. Nesse caso, mesmo que o valor não recolhido por José seja pequeno, não é possível,
considerando-se a jurisprudência do STJ, a aplicação do princípio da insignificância, dado o bem jurídico
tutelado (patrimônio da previdência social). (ERRADO).
Questão 97. Se, até antes do início da ação fiscal, José confessar a dívida e efetuar espontaneamente o
pagamento integral dos valores devidos, prestando as devidas informações ao órgão da previdência social, a
punibilidade de sua conduta poderá ser extinta. (CERTO).
Questão 98. Ainda que não tivesse descontado das remunerações de seus empregados os valores relativos às
contribuições previdenciárias, José responderia pela prática do delito de apropriação indébita previdenciária.
(ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Em virtude de agravamento de doença, Maria, que exerceu por vinte anos, como empregada de uma fábrica de
roupas, a função de costureira, foi considerada incapaz para o trabalho e insuscetível de reabilitação para o
exercício de qualquer atividade que lhe garantisse a subsistência, tendo sido aposentada por invalidez. Com
base nessa situação hipotética, julgue o item a seguir.
Questão 99. Caso Maria comprove necessitar de assistência permanente de outra pessoa, ela fará jus ao valor
da aposentadoria por ela recebida acrescido de 25%, ainda que ultrapasse o teto de pagamento de benefícios

130 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


do RGPS, acréscimo que cessará com sua morte, visto que não é incorporável ao valor da pensão a ser paga a
seus dependentes. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Julgue o seguinte item, relativo à decadência dos benefícios previdenciários.
Questão 100. O direito de requerer pensão por morte decai após dez anos da morte do segurado. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
De acordo com as normas constitucionais e legais acerca do financiamento da seguridade social, julgue os itens
seguintes.
Questão 101. Integram o salário de contribuição que equivale à remuneração auferida pelo empregado, as
parcelas referentes ao salário e às férias, ainda que indenizadas. (ERRADO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Acerca das normas que regem os segurados da previdência social, julgue o item abaixo.
103 Caso um delegado da Polícia Federal eleito deputado no estado onde atue como delegado opte pelo
exercício do mandato eletivo, ele não poderá se filiar ao RGPS dada a sua vinculação a regime próprio. (CERTO).
Ao analisar as questões do último concurso de DPF foi possível observar que praticamente metade das
assertivas da disciplina foram voltadas para crimes previdenciários, tendo o restante das assertivas sido
pulverizada por alguns pontos do programa e na maioria das vezes tendo por base a legislação vigente.
Assim, a sugestão é que os alunos ciclos foquem nos crimes contra a seguridade e a previdência social, e
em caso de tempo disponível poderá realizar a leitura das demais legisções propostas e outros materiais ciclos.

DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANCEIRO10


Com relação à Disciplina de Tributário e Financeiro, preparei para vocês um Raio-X com os principais
pontos dentro de cada tema exigido. #REVISÃOGARANTIDA.
Gostaria de combinar com todos de estudarem sempre ao lado do Raio-X, começando por ele, até
mesmo como uma espécie de conhecimento “en passant” sobre a matéria. Depois, sigam para as indicações
realizadas (FUC, lei, jurisprudência/súmulas e/ou doutrina), a depender da indicação constante da legenda.
#COMBINADO?

10
Caroline Roveri.

131 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


TRIBUTÁRIO
Administração Finanças públicas Princípios
tributária 6% orçamentários
12%
6%
Extinção do crédito
tributário Normas gerais
6% 6%

Despesa pública
6%
Prescrição
12% Receita pública
Lançamento do 6%
crédito tributário
11%
Limitações ao
Constituição de poder de tributar
crédito tributário 11%
6% Capacidade Arrecadação
tributária 6%
6%

Finanças públicas
Princípios orçamentários
Normas gerais
Despesa pública
Receita pública
Limitações ao poder de tributar
Arrecadação
Capacidade tributária
Constituição de crédito tributário
Lançamento do crédito tributário
Prescrição
Extinção do crédito tributário
Administração tributária
Legenda:
Lei seca
Doutrina
Jurisprudência

1. Finanças públicas na Constituição Federal de 1988. (1) 1.1 Orçamento: conceito e espécies, natureza jurídica,
princípios orçamentários (2). 1.2 Normas gerais de direito financeiro (3). 1.3 Fiscalização e controle interno e
externo dos orçamentos.
(1) Caiu na PF 2013 a literalidade do art. 71, I, CF

132 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 108. Cabe à comissão mista permanente de senadores e deputados federais examinar e emitir parecer
sobre as contas apresentadas pelo presidente da República. (CERTO).
(2) Caiu na prova de Oficial Técnico da Inteligência – Abin – 2018 – entendimento doutrinário sobre a lei
orçamentária e a possibilidade de ser objeto de controle de constitucionalidade.
#JÁCAIU! Oficial Técnico da Inteligência – ABIN. CESPE. 2018.
No que tange às disposições constitucionais a respeito das finanças públicas, ao conceito e às espécies de
orçamento público, aos princípios orçamentários, às normas gerais de direito financeiro (Lei n.º 4.320/1964) e
à fiscalização e ao controle interno e externo dos orçamentos, julgue o item a seguir.
Questão 118. De acordo com o princípio do orçamento bruto, todas as receitas e despesas devem constar da
lei de orçamento anual pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções. (CERTO).
(3) Caiu na prova de Oficial Técnico da Inteligência – Abin – 2018 – entendimento doutrinário sobre a lei
orçamentária e a possibilidade de ser objeto de controle de constitucionalidade.
#JÁCAIU! Oficial Técnico da Inteligência – ABIN. CESPE. 2018.
No que tange às disposições constitucionais a respeito das finanças públicas, ao conceito e às espécies de
orçamento público, aos princípios orçamentários, às normas gerais de direito financeiro (Lei n.º 4.320/1964)
e à fiscalização e ao controle interno e externo dos orçamentos, julgue o item a seguir.
Questão 115. A jurisprudência atual do Supremo Tribunal Federal considera que as leis orçamentárias não
podem ser objeto de controle de constitucionalidade em abstrato, dada a sua natureza jurídica material de
ato administrativo concreto. (CERTO).

2. Despesa pública (1). 2.1 Conceito e classificação; disciplina constitucional dos precatórios. 2.2 Receita pública
(2). 2.2.1 Conceito, ingressos e receitas. 2.2.2 Classificação: receitas originárias e receitas derivadas.

(1) Caiu na PF 2013 a literalidade do art. 166, §3º, II, CF.


#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 107. Exige-se, para a aprovação de emendas que acrescentem despesas a projeto de lei orçamentária
anual, além da compatibilidade com o plano plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias, a indicação dos
recursos necessários para custeá-las, que podem provir, por exemplo, da anulação de despesas,
independentemente de sua natureza. (ERRADO).
(2) Caiu na prova de Auditor de Controle Externo do TCM – BA de 2018 a classificação de receita corrente
patrimonial.
#JÁCAIU! TCM-BA. Auditor Externo. CESPE. 2018.
Questão 75. Se um ente público receber dividendos decorrentes da participação societária, essa receita
deverá ser classificada como:
a) receita corrente patrimonial. (CERTO).

133 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


b) receita corrente de serviços.
c) receita corrente de contribuições.
d) receita de capital de operações de crédito.
e) outras receitas de capital.

3. Dívida ativa da União de natureza tributária e não tributária ; crédito público; dívida pública.
4. Sistema Tributário Nacional. 4.1 Limitações constitucionais ao poder de tributar (1) (2). 4.2 Repartição de
competências na federação brasileira. 4.3 Delegação de arrecadação (3). 4.4 Discriminação constitucional das
rendas tributárias. 4.5 Legislação sobre o sistema tributário brasileiro. 4.6 Definição de tributo e espécies de
tributos.
(1) Caiu em GO – 2017 - entendimento doutrinário sobre o princípio da não vinculação de receita.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 91. b) A aplicação do princípio da não vinculação de receita a despesa específica é limitada aos
impostos. (CERTO).
(2) Caiu em PE – 2016 – a literalidade do art. 145, § 1º, CF – preconiza o princípio da capacidade
contributiva.
#JÁCAIU! DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 79. No que diz respeito ao STN, assinale a opção correta.
a) Sempre que for possível, os impostos terão caráter pessoal, facultado à administração tributária identificar o
patrimônio, os rendimentos e as atividades econômicas do contribuinte. (CERTO).
b) O imposto sobre produtos industrializados (IPI), além de ser não cumulativo, será progressivo em função da
essencialidade do produto.
c) Lei complementar que estabelece normas gerais em matéria tributária não pode instituir um regime único de
arrecadação dos impostos e das contribuições da União, dos estados, do DF e dos municípios.
d) Compete à União e aos estados federados instituir contribuições sociais que sejam de interesse das categorias
profissionais.
e) As contribuições sociais e as contribuições de intervenção no domínio econômico poderão ter alíquotas ad
valorem ou específicas: as primeiras têm por base a unidade de medida adotada; as segundas, o faturamento, a
receita bruta ou o valor da operação.
(3) Caiu em GO – 2017 – entendimento jurisprudencial sobre a vedação de meios indiretos de cobrança
do tributo.
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Instrução normativa expedida em dezembro de 2015 pelo secretário de Fazenda do Estado de Goiás estabeleceu
que, para ter acesso ao sistema de informática de emissão de nota fiscal, relativa ao ICMS, o contribuinte deve
estar em dia com suas obrigações tributárias estaduais. Em janeiro de 2016, a empresa Alfa Ltda., com

134 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


pagamento de tributos em atraso, requereu acesso ao sistema e teve o seu pedido indeferido. Nessa situação
hipotética:
c) a interdição da emissão da nota fiscal é meio indireto de cobrança de tributo, já que inibe a continuidade da
atividade profissional do contribuinte, o que torna a instrução normativa em questão inválida. (CERTO).
#DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA:
O art. 11 do Decreto-Lei nº 401/1968 prevê que “está sujeito ao desconto do imposto de renda na fonte o valor
dos juros remetidos para o exterior devidos em razão da compra de bens a prazo.” Vale ressaltar que o
contribuinte do imposto de renda previsto neste art. 11 é o vendedor (beneficiário dos valores residente no
exterior). O remetente dos juros (e que deve pagar o imposto de renda retido na fonte - IRRF) é o sujeito
passivo responsável por substituição, enquadrando-se nos conceitos previstos nos arts. 121, parágrafo único, II, e
128 do CTN. Importante esclarecer que, se o adquirente do bem (e que está remetendo o dinheiro para o
exterior) for uma entidade imune, mesmo assim terá que fazer o recolhimento do IRRF. Ex: entidade beneficente
de assistência social adquire, a prazo, uma máquina de uma empresa do exterior; ao remeter os valores para
essa empresa, deverá reter, na fonte, o imposto de renda sobre os juros; mesmo esta entidade sendo imune, ela
deverá pagar o imposto de renda retido na fonte na condição de responsável por substituição. A imunidade
tributária não afeta a relação de responsabilidade tributária ou de substituição e não exonera o responsável
tributário ou o substituto. Assim, em suma: a imunidade tributária de entidade beneficente de assistência social
não a exonera do dever de, na condição de responsável por substituição, reter o imposto de renda sobre juros
remetidos ao exterior na compra de bens a prazo, na forma do art. 11 do DecretoLei nº 401/1968. STJ. 2ª Turma.
REsp 1.480.918-RS, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Rel. Acd. Min. Herman Benjamin, julgado em 19/09/2017
(Info 618)
#DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA:
A apresentação anual de relatório circunstanciado das atividades exercidas por entidades beneficentes de
assistência social ao INSS, prevista na segunda parte do art. 55 da Lei nº 8.212/91, não configurava requisito legal
válido para a fruição da imunidade tributária prevista no art. 195, § 7º, da CF/88. A segunda parte do inciso V do
art. 55 da Lei nº 8.212/1991 não era requisito legal para a fruição da imunidade, mas sim uma mera obrigação
acessória com o fim de permitir a fiscalização do cumprimento da obrigação principal de aplicação integral dos
recursos da entidade beneficente nos objetivos institucionais (art. 14, II, do CTN). STJ. 1ª Turma. REsp 1.345.462-RJ,
Rel. Min. Gurgel de Faria, julgado em 07/12/2017 (Info 619).

5. Fontes do direito tributário. 5.1 Conceito de fonte; fontes formais do direito tributário. 5.2 Legislação tributária:
leis, tratados, convenções internacionais, normas complementares. 5.3 Vigência da legislação tributária. 5.4
Aplicação da legislação tributária. 5.5 Interpretação e integração da legislação tributária.
6. Obrigação principal e acessória: fato gerador; sujeitos ativo e passivo; capacidade tributária(1); domicílio
tributário; responsabilidade tributária (2); solidariedade tributária; responsabilidade dos sucessores;
responsabilidade por infrações.

(1) Caiu em GO 2017 a literalidade do art. 126, I, CTN.


Pessoal, #VALEAPENALERDENOVO esse artigo! Grifa no Vade!

135 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Art. 126. A capacidade tributária passiva independe:
I - da capacidade civil das pessoas naturais;
II - de achar-se a pessoa natural sujeita a medidas que importem privação ou limitação do exercício de
atividades civis, comerciais ou profissionais, ou da administração direta de seus bens ou negócios;
III - de estar a pessoa jurídica regularmente constituída, bastando que configure uma unidade econômica ou
profissional.
(2) Caiu em GO 2017 a literalidade do art. 134, III, CTN.

#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.


Questão 89. Ricardo, com quinze anos de idade, traficou entorpecentes por três meses, obtendo uma renda de
R$ 20.000. Informado pela autoridade competente, um auditor da Receita Federal do Brasil efetuou lançamento
contra o menor. Tendo como referência essa situação hipotética, assinale a opção correta:
b) a capacidade tributária independe da capacidade civil, de modo que é correto o lançamento contra o menor
que, no caso, percebeu remuneração que pode ser considerada renda. (CERTO).
#JÁCAIU! DPC-GO. CESPE. 2017.
Questão 90. São responsáveis pelos créditos tributários relativos a obrigação de terceiros, quando não for
possível exigir-lhes o cumprimento da obrigação principal, independentemente de terem agido com excesso de
poderes ou em desacordo com a lei, estatuto ou contrato social:
d) os administradores de bens de terceiros.

7. Crédito tributário. 7.1 Constituição(1); lançamento (2) (3); modalidades; suspensão. 7.2 Compensação,
restituição, transação, remissão, prescrição (4) (5) e decadência. 7.3 Conversão de depósito em renda. 7.4
Consignação em pagamento (6). 7.5 Decisão administrativa irreformável e decisão judicial passada em julgado.
7.6 Restituição do tributo transferido; restituição de juros e multas; correção monetária. 7.7 Suspensão da
exigibilidade do crédito tributário.

(1) Caiu em MA 2018 entendimento jurisprudencial sobre o início da ação penal em crime de descaminho
e a necessidade da constituição do crédito tributário.
#JÁCAIU! DPC-MA. CESPE. 2018.
Questão 16. Lucas, sócio administrador de determinada empresa, importou, no exercício regular da
administração e de boa-fé, produtos registrados por nota fiscal fraudada pelo vendedor. Antes do lançamento
definitivo do imposto, Lucas foi indiciado pessoalmente pelo crime de descaminho. Após o lançamento, apurou-
se que seu débito possuía valor inferior ao mínimo fixado em portaria para que a fazenda nacional promovesse
execução fiscal. Nessa situação hipotética, conforme o entendimento dos tribunais superiores,
e) o início da persecução penal dependerá da constituição definitiva do crédito tributário.
(2) Caiu na PF 2013 a literalidade do art. 150, § 4º, CTN.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.

136 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Com a finalidade de gerar créditos fictícios para sua empresa, determinado empresário formalmente constituído
criou outra sociedade comercial em nome de dois empregados seus, analfabetos. No contrato social dessa
sociedade, um dos empregados consta como sócio administrador e o outro, como sócio. A confecção do
contrato social e a utilização dos créditos fictícios ficaram a cargo do contador da empresa, que tinha
consciência dos fatos. Considerando essa situação hipotética, julgue os itens que se seguem com base na
legislação tributária vigente.
Questão 104. Se o uso do crédito fictício só for constatado pela autoridade tributária após cinco anos da data do
fato gerador, o lançamento será considerado homologado e o crédito, definitivamente extinto. (ERRADO).
(3) Caiu em PE 2016 a literalidade do art. 149, p. único, CTN.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 80. Considerando que lançamento é o procedimento pelo qual a autoridade administrativa
constitui o crédito tributário, assinale a opção correta.
a) A revisão do lançamento só poderá ser iniciada enquanto não tiver sido extinto o direito da fazenda pública.
(CERTO).
b) O ato de lançamento é corretamente classificado como um ato discricionário.
c) Os erros contidos na declaração do sujeito passivo não poderão ser retificados de ofício pela autoridade
administrativa responsável.
d) Após a regular notificação do sujeito passivo, o lançamento não poderá ser alterado.
e) Salvo disposição legal em contrário, o lançamento realizado em moeda estrangeira terá a sua conversão para
moeda nacional com base no câmbio do dia do pagamento do tributo.
#COLANARETINA:
Art. 149. (...) Parágrafo único. A revisão do lançamento só pode ser iniciada enquanto não extinto o direito da
Fazenda Pública.
(4) Caiu em PE 2016 a literalidade do art. 174, II, CTN – uma das hipóteses de interrupção da prescrição.
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
No que diz respeito aos institutos da prescrição e da decadência, assinale a opção correta.
a) A prescrição e a decadência estão previstas no CTN como formas de exclusão do crédito tributário.
b) O direito de ação para a cobrança do crédito tributário decai em cinco anos, contados da data da sua
constituição definitiva.
c) O protesto judicial é uma forma de interrupção da prescrição. (CERTO).
d) O direito de a fazenda pública constituir o crédito tributário prescreve após cinco anos, contados do primeiro
dia do exercício seguinte àquele em que o lançamento poderia ter sido efetuado.
e) As normas gerais sobre prescrição e decadência na matéria tributária devem ser estabelecidas por meio de lei
ordinária.
#COLANARETINA:

137 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Art. 174. A ação para a cobrança do crédito tributário prescreve em cinco anos, contados da data da sua
constituição definitiva.
Parágrafo único. A prescrição se interrompe: (...)
II - pelo protesto judicial;
(5) Caiu em PE 2016 a literalidade do art. 125, III, CTN.
Vamos relembrar o que diz esse dispositivo? #MARCANOVADE!
Art. 125. Salvo disposição de lei em contrário, são os seguintes os efeitos da solidariedade:
I - o pagamento efetuado por um dos obrigados aproveita aos demais;
II - a isenção ou remissão de crédito exonera todos os obrigados, salvo se outorgada pessoalmente a um deles,
subsistindo, nesse caso, a solidariedade quanto aos demais pelo saldo;
III - a interrupção da prescrição, em favor ou contra um dos obrigados, favorece ou prejudica aos demais.
(6) Caiu em PE 2016 a literalidade do art. 156, VIII, CTN – uma das hipóteses de extinção do crédito
tributário.
Pessoal, vamos conferir como o tema foi abordado no concurso de Delegado de Pernambuco!
#JÁCAIU. DPC-PE. CESPE. 2016.
Questão 74. De acordo com as disposições do CTN, é causa de extinção da exigibilidade do crédito tributário:
a) a consignação em pagamento.
b) as reclamações e os recursos, nos termos das leis reguladoras do processo tributário administrativo.
c) a concessão de medida liminar ou de tutela antecipada, em outras espécies de ação judicial.
d) o parcelamento.
e) a concessão de medida liminar em mandado de segurança.
#PARANÃOESQUECER:
Art. 156. Extinguem o crédito tributário: (...)
VIII - a consignação em pagamento, nos termos do disposto no § 2º do artigo 164;
#DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA:
O contribuinte pode optar pelo parcelamento de débitos considerados isoladamente, nos termos do art. 1º, § 2º,
da Lei nº 11.941/2009, ainda que relativos a uma mesma Certidão da Dívida Ativa, não sendo possível o
parcelamento de uma fração de competência ou período de apuração. STJ. 1ª Turma. REsp 1.382.317-PR, Rel. Min.
Benedito Gonçalves, julgado em 21/11/2017 (Info 617).

8. Competência tributária. 8.1 Não exercício da competência. 8.2 Competência residual e extraordinária. 8.3
Limitações da competência. 8.4 Princípios da legalidade e da tipicidade. 8.5 Princípio da anualidade. 8.6
Proibição de tributos interlocais. 8.7 Imunidade e isenção. 8.8 Uniformidade tributária. 8.9 Tributação das

138 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


concessionárias. 8.10 Sociedades mistas e fundações. 8.11 Imunidade recíproca. 8.12 Extensão da imunidade às
autarquias.
9. Impostos federais: impostos sobre o comércio exterior; imposto sobre produtos industrializados (IPI); imposto
sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários (IOF).
10. Impostos de renda. 10.1 Regimes jurídicos. 10.2 Imposto de renda pessoas jurídicas. 10.3 Imposto de renda
pessoas físicas.
Galera, vamos ficar #DEOLHONAJURISPRUDÊNCIA:
A isenção prevista no art. 39, § 2º, da Lei nº 11.196/2005, alcança as hipóteses nas quais o produto da venda de
imóvel por pessoa física seja destinado, total ou parcialmente, à quitação ou amortização de financiamento de
outro imóvel residencial que o alienante já possui. STJ. 1ª Turma. REsp 1.668.268-SP, Rel. Min. Regina Helena
Costa, julgado em 13/03/2018 (Info 622). STJ. 2ª Turma. REsp 1469478/SC, Rel. Min. Herman Benjamin, Rel. p/
Acórdão Ministro Mauro Campbell Marques, julgado em 25/10/2016 (Info 594).]

11. Fato gerador: taxas e preços públicos; taxas contratuais e facultativas; contribuições para a seguridade social;
contribuição sobre o lucro; regime da COFINS e da CIDE; empréstimo compulsório; limitações constitucionais do
empréstimo compulsório na Constituição Federal de 1988.
12. Administração tributária: procedimento fiscal; sigilo fiscal e prestação de informações (1) (2); dívida ativa;
certidões e cadastro.

(1) Caiu na PF 2013 a literalidade do art. 200, CTN.


Pessoal, vamos relembrar o que diz o dispositivo? #GRIFANOVADE!
Art. 200. As autoridades administrativas federais poderão requisitar o auxílio da força pública federal, estadual
ou municipal, e reciprocamente, quando vítimas de embaraço ou desacato no exercício de suas funções, ou
quando necessário à efetivação dê medida prevista na legislação tributária, ainda que não se configure fato
definido em lei como crime ou contravenção.
(2) Caiu na PF 2013 a literalidade do art. 198, §1º, II, CTN.
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 105. A administração tributária poderá requisitar o auxílio da força policial para garantir, em caso de
oposição, o direito de fiscalizar todos os livros e documentos das referidas empresas. (CERTO).
#JÁCAIU! DPF. CESPE. 2013.
Questão 106. É legalmente aceito que, aberto regular processo administrativo, a autoridade administrativa
busque junto à autoridade administrativa tributária, informações fiscais para apurar infração administrativa.
(CERTO).
Bons estudos!!!

139 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio


Sejamos estratégicos! A estratégia de prova faz parte de sua preparação!

Abraço dos coaches e amigos,


Andréa Griz (coordenação)
Raul Junges (coordenação)
Ana Luíza Silveira
Caroline Roveri
Tiago Pozza
Paulo Lima
Jean Jacques

140 CPF: 021.541.271-00 ALUNO: Marcos Moreira Nizio