Você está na página 1de 9

A IDADE DO SERROTE, DE MURILO MENDES:

A ESCRITA DA MEMÓRIA COMO RIZOMA TEXTUAL

Angie Miranda Antunes (bolsista)*


Fernando Fiorese (orientador)
Faculdade de Letras/UFJF
Rua José Lourenço Kelmer, s/n – Campus Universitário
Bairro São Pedro – Juiz de Fora – MG – 36036-900

Resumo

Em A idade do serrote (1968), o poeta Murilo Mendes acopla poesia e prosa


para engendrar um texto fragmentário, labiríntico e multiforme, no qual desvela-
se a analogia entre o funcionamento do aparelho mnemônico e a máquina
hipertextual. Enquanto rizoma textual, a escrita da memória se caracteriza
pelos links e enlaces que realizam o trânsito entre espaços, tempos e personae
virtuais.

Palavras-chave

Memória; Hipertexto; Rizoma; Murilo Mendes; A idade do serrote

MURILO MENDES’ A IDADE DO SERROTE:


THE SELF WRITING AS A TEXTUAL RHIZOME

Abstract
In A idade do serrote (1968), the Brazilian poet Murilo Mendes associates prose
and poetry in order to engender a fragmentary text, labyrinthine and also
multiform in which the analogy between the mnemonic apparatus and the
“hypertextual machine” may be unveiled. As a textual rhizome the self writing
might be identified by links and attachments that make possible the movements
between spaces, times and virtual persona.

Keywords
Memory; Hypertext; Rhizome; Murilo Mendes; A idade do serrote

Em torno do hipertexto

*
XVIII PIBIC/CNPq/UFJF, Faculdade de Letras/UFJF.
Oriunda do verbo latino tĕxō, -is, -ĕre, texŭī, textum, com o sentido de
coisa a ser tecida, entrelaçada ou tramada, a palavra “texto” comporta o que
podemos chamar de tessitura, arranjo e rearranjo, um verdadeiro
entrecruzamento de significantes, significados e referências. Conceitualmente,
o vocábulo “hipertexto” contém a definição apresentada anteriormente e trata-
se de uma transformação há muito antevista e desejada. Em O virtual e o
hipertextual (1999), André Parente esclarece que coube ao filósofo e sociólogo
norte-americano, Theodore Nelson, pioneiro da Tecnologia da Informação,
primeiro recriar a própria Biblioteca de Alexandria, denominando-a Projeto
Xanadu (1960) – uma rede de computadores de interface simples –, para
depois cunhar os termos “hipertexto” (hypertext) e hipermídia (hypermedia),
conforme constam no livro publicado em 1965 1. O hipertexto, ainda segundo
Parente, será definido por Nelson como “um texto de dimensões cósmicas,
informatizado, contendo todos os livros, incluindo imagens e sons, acessível à
distância e navegável de forma não-linear” (PARENTE, 1999, p. 73).
Corroborando a nossa assertiva, Alberto Navarro, no ensaio “Espacio y
tiempo en la narrativa hipertextual”, ressalta que as novas tecnologias e
suportes de comunicação vêm transformando as coordenadas de espaço e
tempo do universo social (NAVARRO, 2004). Como um destes suportes, o
hipertexto proporciona ao leitor experimentar as dimensões espaço-temporais
de modo próprio e irrepetível, pois a constituição do hipertexto através de seus
nós e enlaces permite a cada indivíduo decidir o seu próprio itinerário. A ideia
de rede tornou-se um paradigma fundamental no século XXI, tanto que as
relações – sejam elas sociais, econômicas, políticas, comunicacionais etc. –
adquiriram um aspecto integral e interativo, indicando uma cooperação
plurilateral. Assim, a interatividade que fundamenta os modos e manobras da
operação hipertextual permite uma maior permeabilidade de informações e
idéias, o que reafirma o vigor da influência deste na mentalidade e nos
comportamentos do homem contemporâneo.
Em Mil platôs: captalismo e esquizofrenia,os teóricos franceses Gilles
Deleuze e Félix Guattari apresentam três formas do pensamento e adotam o
1
Atribui-se também a Nelson a invenção das palavras “transclusão” (transclusion), “virtualidade”
(virtuality) e transcopyright, dentre outras .

2
livro como exemplo (cf. DELEUZE & GUATARRI, 1995, p. 11-15). Trata-se de
retirar do livro a finitude das margens, atribuindo-lhe um sistema aberto em que
não se pode mais apontar as fronteiras entre mundo, escritor e leitor. Há no
livro as setas de convergência e escoamento que o tornam outro a cada
momento. A noção de intertextualidade permitiu a conscientização da abertura
do texto. Além da abertura para as possíveis conexões feitas pelos leitores,
esta noção traz a ideia de que um texto é constituído por outros textos. Leitor e
escritor deixam os papéis de receptor e produtor e se respaldam nos variados
signos inseridos (ou não) no mundo, na construção de sentidos.
De acordo com os pensadores franceses, a noção de rizoma pode ser
compreendida a partir das seis características aproximativas a seguir
enumeradas (cf. Ibidem, p. 15-21). Os dois primeiros princípios do rizoma são a
conexão e a heterogeneidade, uma vez que qualquer ponto de tal forma pode e
deve ser conectado a outro ponto, propiciando origens diversas a cada
retomada. A multiplicidade seria o terceiro princípio, pois o rizoma não teria
nem sujeito nem objeto, mas grandezas que, na medida da mudança de
tamanho, altera-se também a sua natureza, ampliando-se a quantidade de
pontos de conexão. O quarto princípio, ruptura, aponta para a possibilidade de
o rizoma ser rompido ou retomado em qualquer ponto, sem qualquer prejuízo
em seu funcionamento. Tanto as linhas de segmentariedade quanto as de
desterritorização remetem umas às outras, engendrando a multiplicidade
inerente à forma rizomática. Os princípios de número cinco e seis são
denominados, respectivamente, cartografia e decalcomania e consistem no fato
de um rizoma não poder ser justificado por nenhum modelo estrutural ou
gerativo. Cartografia porque o rizoma se assemelha antes a um mapa por
possuir várias entradas e levar a múltiplos caminhos, construídos de acordo
com a necessidade e o desejo. Quanto ao decalque, o rizoma se aproxima de
sua essência não por ser uma cópia da matriz, pois o decalque transforma o
rizoma em imagem e se reproduz. Dos mapas, o decalque só reproduz os
bloqueios ou os pontos de estruturação (cf. Ibidem, 1995, p. 15-23)
Considerando-os como realizações do rizoma, tanto o livro quanto o
hipertexto são engendrados em “platôs”, noção definida por Deleuze e Guattari

3
como “toda multiplicidade conectável com outras hastes subterrâneas
superficiais de maneira a formar e estender um rizoma” (Ibidem, p. 33). Desta
forma, enquanto a forma árvore do livro-raiz impõe uma hierarquia através do
verbo “ser”, as realizações rizomáticas estão sempre no meio, tendo “como
tecido a conjunção ‘e... e... e...’” (Ibidem, p. 37).

Modos e manobras da memória

A linguagem busca, nos objetos e fenômenos mais cotidianos, metáforas


capazes de traduzir ou avizinhar-se da descrição do funcionamento da mente
humana. Entre as aproximações mais frequentes, figuram as invenções e
processos maquínicos. Desde a placa de cera de Platão até os computadores
de nossa era, a linguagem prosaica se funde às teorias filosóficas e
psicológicas com o intuito de desvelar os modos e manobras da lembrança e
do esquecimento, recorrendo muitas vezes aos métodos e técnicas que
utilizamos no registro, armazenamento e reprodução de dados e informações.
As diferentes metáforas proveem das mais diversas perspectivas,
refletindo o “clima intelectual” (DRAAISMA, 2005, p. 23) de uma determinada
época. As máquinas capazes de raciocínio lógico figuram como metáforas do
funcionamento da memória desde fins do século XVI, quando ampliou-se
consideravelmente a necessidade de aplicação da matemática na atividades do
comércio internacional. As revoluções industriais iniciadas na travessia do
século XVII ao XIX e o avanço das pesquisas acerca do sistema nervoso, bem
como os aprimoramentos das primeiras máquinas de calcular no decorrer dos
novecentos, ensejaram tanto a busca contínua pela inteligência artificial quanto
as diversas figurações digitais da memória. Durante a Segunda Guerra Mundial
(1939-1945), a necessidade de meios seguros de transmissão de dados e
informações secretas e de recursos de precisão para as operações bélicas
determinaram o investimento maciço em pesquisas que culminariam no rápido
progresso da computação e da cibernética.
Além de oferecer vasto campo semântico à psicologia da memória, o
computador passou de simples metáfora a instrumento que, através de

4
métodos e técnicas de programação, possibilita a simulação dos processos
cognitivos. De qualquer forma, ainda no campo metafórico, foi possível uma
separação entre corpo e espírito em processos físicos e psicológicos,
denominados hardware e software, respectivamente. Contudo, nos anos 1970,
as teorias acerca das redes neurais e da construção de computadores
chegaram ao consenso de que os processos psíquicos seguem rumos menos
retilíneos e mais equívocos do que se presumia. Na verdade, intuições e
suposições desempenhavam papéis iguais aos das deduções lógicas. O
advento das teorias conexistas culminaria na explicitação do funcionamento
das redes neurais. Sob uma ampla perspectiva, qualquer rede neural pode ser
chamada de memória uma vez que a configuração das conexões e suas forças
mudam em função da experiência. O acesso à memória ocorre em camadas
funcionais, sendo as mesmas denominadas “de entrada”, responsável por
receber os estímulos; “de execução”; e um ou mais estratos “ocultos”, que
mantém a conexão entre os níveis de entrada e saída. Dessa forma, o
conhecimento acerca das redes neurais permite a aproximação mais apurada
entre memórias artificiais e a memória humana.

Escrita da memória, rizoma textual

O hipertexto se assemelha ao rizoma e às redes neurais, pois os três


possuem a forma de uma rede repleta de junções – sejam links, nós ou
sinapses –, a partir dos quais se ligam por linhas de articulação a outros pontos
de contato, possibilitando inúmeras abordagens ou formas de acesso, uma vez
que as conexões entre diversas junções permitem caminhos diferentes a cada
retomada.
Essa noção de rede acentrada, que não busca uma totalidade, permite o
desvelamento das características rizomáticas e hipertextuais da obra de Murilo
Mendes intitulada A idade do serrote (1968). As diferentes vias de acesso, a
partir das quais um ponto de conexão pode se desdobrar em outra rede,
possibilita surpreender similaridades entre os modos de textualização da
memória e as operações múltiplas advindas da hipertextualidade. É perceptível

5
que os princípios rizomáticos descritos por Deleuze e Guatarri se fazem
presentes tanto na totalidade da obra de Murilo Mendes quanto nos seus
fragmentos.
A seção intitulada “Origem, memória, contato, iniciação”, cujo formato
assemelha menos a introdução de um livro do que uma lista de endereços
eletrônicos num portal de busca, propicia a experiência do princípio de
conexão do rizoma, pois, selecionado um ponto, o mesmo funciona como
“entrada” para outro ponto da rede textual. Assim, a primeira entrada “O dia, a
noite” remete ao texto bíblico “Gênesis” e às referências a Adão e Eva, que, por
sua vez, nos levam às memórias dos pais, “descendentes” do casal primeiro.
Além de ser encontrado ao longo da obra, como no exemplo anterior, o
princípio da conexão pode estar em um único fragmento, tal é o caso de
“Etelvina” – “Aparentemente tudo principiou com Etelvina”, que era “toca e
santuário”: o fogo, as palavras, música e ritmo. Dentre os muitos ensinamentos
propiciados por esta ama de leite, estão as noções das cores preta e branca,
reiteradas respectivamente pelas palavras “profundezas”, “noite”, “escuro”,
“medo” e “leite”. Além de apresentá-las separadamente, a ama de leite
mostrava as possibilidades de junção, assim como a necessidade de
afastamento: “Etelvina implicava síntese da cor e ausência da cor” (MENDES,
1968, p. 11).
No que se refere à conexão com a própria origem, além dos pais, de
Etelvina e das referências bíblicas, o narrador refere a importância da memória:

Nasci oficialmente em Juiz de Fora. Quanto à data do


mês e ano, isto é da competência do registro civil. Não me
vi nascer, não me recordo de nada que se passou
naquele tempo. Na verdade, nascemos a posteriori. No
mínimo uns dois anos depois. Mesmo porque, antes era o
dilúvio (Ibidem, 8).

Desta forma, observa-se a conectividade do todo e das partes da obra,


que tem como subtítulo “Memórias”. Tal palavra plural anuncia uma escrita
constituída por experiências diversas e distintas no tempo e no espaço,
figurando o princípio da heterogeneidade rizomática. São necessárias três
vivências para compor a lembrança: um hospital na juventude do narrador e a

6
Catedral de Chartres vista na idade adulta se misturam, recebendo ainda a
interferência do homem maduro que escreve tal relato.
No que se concerne ao princípio da multiplicidade do rizoma textual
muriliano, cite-se como exemplo a referência às “notícias de Eros” que o
narrador “captava com o ar mais sonso do mundo” (Ibidem). A narrativa da
iniciação sexual demonstra que, quando as grandezas mudam de tamanho,
mudam também de natureza e, por conseqüência, multiplicam-se os pontos de
conexão. No primeiro ponto, a investida de Dona Coló causa repulsa ao
menino de dez anos: “Repeli-a com a maior violência. Não por virtude, mas por
nojo.” (Ibidem, 37). A “amizade amorosa” de Cláudia inaugura um segundo
ponto de conexão, a partir do qual o narrador deriva para todos os amores
futuros, configurando-a como “uma colagem de tipos de mulher que me (lhe)
atraíam e me (lhe) atrairiam depois” (Ibidem, 66). De modo diverso, embora
próximo, Cláudia encerra uma outra sexualidade, vinculada a afinidades –
literatura, música, questionamentos. Mais adiante no livro – mas não no rizoma,
uma vez que neste o tempo não se configura linearmente –, outra mulher,
Teresa, desperta “inclinação erótica” no menino-adolescente. Juntos
descobrem carícias e o jogo do amor: “Mas não é o amor uma representação
teatral?” (Ibidem, p.147).
Ainda com as “notícias de Eros”, temos a possibilidade de interromper e
retomar a navegação pelo rizoma sem qualquer prejuízo. Elucidando o
princípio da ruptura, a figura de Asta Nielsen compõe lembranças que
principiam em Juiz de Fora, cidade de origem do narrador, e o acompanham
em suas investidas na descoberta de signos cinematográficos. A atriz
representa algo fora do comum: “O avanço de Asta Nielsen na tela equivalia a
um tiro de revólver numa situação acadêmica, na vida corrente, prevista”
(Ibidem, p. 106).
Para exemplificar o quinto princípio de funcionamento do rizoma – a
cartografia –, pode-se recorrer a algumas das diversas descrições da cidade
de Juiz de Fora feitas pelo narrador. Desde referências acerca do modo de
viver – “Juiz de Fora naquele tempo era um trecho de terra cercado de pianos
por todos os lados” (p. 61) – até às caracterizações históricas da “Manchester

7
Mineira” das primeiras décadas do século XX, o rizoma textual muriliano nos
permite acessar a cidade e, consequentemente, suas memórias por diferentes
entradas. No fragmento “A rua Halfeld”, o próprio narrador admite a
impossibilidade de formatar o rizoma textual: “Escrevo sobre a rua Halfeld sem
situá-la no espaço, ocupando-me somente com as pessoas que a percorrem”
(Ibidem, p. 144). Apesar de apresentar modos atemporais e atópicos, o rizoma
não perde a conectividade de seus nós. As “águas melancólicas” (Ibidem, p.
147) do rio Paraibuna, por exemplo, são mencionadas em diversas seções,
bem como a protuberante industrialização da cidade.
A decalcomania, sexto e último princípio rizomático, está relacionada de
maneira intrínseca com o da cartografia, pois, apesar de não podermos
delinear o rizoma, podemos reproduzi-lo ao infinito. O olho que se anuncia
precoce, mira diversas direções, constantemente em busca de novidades.
“Cedo começou minha fascinação pelos dois mundos, o visível e o invisível”
(Ibidem, p. 170). A repetição do modo de olhar não limita o rizoma textual,
apenas direciona enquanto multiplica ad infinitum: meninas, mulheres, amigas,
operárias, atrizes. “Confesso que uma boa parte desta minha incipiente
diligência cultural baseava-se no interesse pela mulher...” (Ibidem).

Conclusão

Os seis princípios de funcionamento de um rizoma definidos por Deleuze


e Guatarri podem ser detectados em um único fragmento, tal como naquele
que o poeta intitula “A lagartixa” (Ibidem, p. 109-111). A partir de observações
acerca do “pequeno sáurio” num jardim romano, engendra-se um pensar que
se mostra a mercê do devir. “Falando lagartixa” fala “infância” e também
“adolescência, mocidade, madureza e próxima velhice” que, por sua vez, fala
“figura feminina”. Este tom próximo ao relato oral permite acompanhar tanto o
vaguear mnemônico quanto as conexões feitas pelo narrador. A repetição do
vocábulo lagartixa por diversas vezes (decalcomania) implica, a cada
aparição, uma outra forma de acesso às memórias do narrador (cartografia).
O desvelar de formas, a passagem do tempo, a diversidade comportamental

8
entre seres aparentemente semelhantes relacionam a pequena lagartixa com
algo diferente, tornando-a múltipla (princípio da multiplicidade). A fim de
compor a heterogeneidade desta única lembrança, é preciso lançar mão de
lagartixa, carnaval, jardim, Dolores. A ruptura do rizoma textual pode ser mais
uma vez exemplificada com as “notícias de Eros”. A inevitável presença
feminina é invocada até mesmo na semelhança entre os pequenos animais e
os traços comuns às “meninas chinesas”, à figura feminina capaz de fazer
durar o mundo, à “namorada”, “ex-linda amiga”, “menina-moça” Dolores.
Porque, na textualização da memória, vigoram a dor e a saudade, fêmeas e
verticais, mesmo quando a palavra enseja recuperar o tempo, as coisas e as
pessoas perdidas.

Referências bibliográficas

BERGSON, Henri. A evolução criadora. Trad. Bento Prado Neto. São Paulo
:Martins Fontes, 2005.

DRAAISMA, Douwe. Metáforas da memória: uma história das ideias sobre a


mente. Trad. Jussara Simões. São Paulo: Edusc, 2005.

DELEUZE, Gilles; Guattari, Fellix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 1.


Trad. Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34,
1995.

MENDES, Murilo. A idade do serrote. Rio de Janeiro: Record, 2003.

NAVARRO, Alberto. Espacio y tiempo en la narrativa hipertextual. Disponível


em: <http://www.ciberkiosk.pt/ensaios/navarro/htm>. Acesso em: 21 mar.
2004.

PARENTE, André. O virtual e o hipertextual. Rio de Janeiro: Pazulin, 1999.