Você está na página 1de 1

Curso de Direito

Disciplina: História do Direito

1- Após a leitura do Código de Hamurabi e da CF/88, é possível detectar o mesmo senso


de justiça nesses dois instrumentos legais? De que forma se busca fazer justiça na
aplicação dessas duas leis? Explique/justifique.

Entendo que a vontade de fazer justiça permeia ambos instrumentos legais, os


quais se diferenciam, basicamente, pelos meios utilizados na busca da concretização
desse ideal.

Assim, no Código de Hamurabi, a responsabilização era individual e buscava-se a


justiça entre a gravidade da conduta e da pena, a fim de que o infrator, via de regra,
experimentasse a mesma dor que causou, o que, numa análise fria, seria um resultado
fantástico, mas que atualmente é totalmente condenado pelos Direitos Humanos e pela
sociedade em geral.

A CF/88, por sua vez, é considerada uma constituição democrática, permeada por
diversos princípios, em especial o respeito à dignidade da pessoa humana, que vedam
sanções previstas no Código de Hamurabi, e que hoje são tidas como cruéis (vide Art. 5º,
XLVII, CF/88). Dessa forma, a busca pela justiça é realizada atendendo-se ao devido
processo legal, que irá garantir ao acusado direitos como a ampla defesa e o
contraditório.

2- É correto afirmar que a Constituição Federal/88 adota a pena de morte como regra?
Quais as penas aplicadas no nosso Direito de acordo com a CF/88? Explique.

Não, muito pelo contrário. A pena de morte no Brasil é caso extremamente


excepcional, sendo admitida apenas em caso de guerra declarada, conforme dispõe a
Constituição Federal, devendo ser executada de acordo com o previsto no Código Penal
Militar e no Código de Processo Penal Militar.

O artigo 5º, no inciso XLVI, estabelece os tipos de penas a serem adotadas no


ordenamento jurídico brasileiro, a saber: privação ou restrição da liberdade; perda de
bens; multa; prestação social alternativa; e suspensão ou interdição de direitos. Em
complemento, o inciso XLVII do mesmo artigo dispõe que não haverá penas: de morte,
salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX; de caráter perpétuo; de
trabalhos forçados; de banimento; e cruéis.

Nesse contexto, o artigo 55 do Código Penal Militar, prevê a pena de morte como
uma das modalidades de pena que podem ser aplicadas em hipóteses como: traição
(art.355), favorecimento ao inimigo (art.356), fuga em presença do inimigo (art. 365),
recusa de obediência (art. 387), entre outras, sendo executada, conforme o artigo 56, por
fuzilamento.