Você está na página 1de 2

“Ensinar é um exercício de imortalidade.

De alguma forma continuamos a viver


naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da nossa palavra. O professor,
assim, não morre jamais...” Rubem Alves

Quem aqui tem filho/s? Quem tem netos? Quem cuida da saúde? Quem tem celular?
Então, esta aula te será muito útil, preste bem atenção em tudo que iremos discorrer.
A doença do século ainda é a coronária, provavelmente dores na cervical e nos
ombros serão as doenças do próximo século;

Existia a geração do Concorda de Notredame e agora podemos está criando a


geração Corcundas do smartphone.

O Brasil superou a marca de um smartphone por habitante e hoje conta com 220
milhões de celulares, de acordo com Pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas de
São Paulo (FGV-SP) em 19 de abril de 2018.

O celular tornou-se tão indispensável em nossas vidas que até na hora de dormir ele
está a nosso lado.

Usamos o celular “até para telefonar” (pasmem), para nos comunicar através das
redes sociais, para vermos as horas, para assistirmos televisão, séries, filmes, vídeos,
lermos artigos, livros, jornais, tirar fotos, filmar, marcar tempo de corrida, como despertador,
agenda, lembretes de aniversários, compromissos, etc...

Usamos o celular uma média de 150 vezes o que equivale a 4 horas por dia, 28
horas por semana, 112 horas por mês e 1400 horas por ano

Porém, estamos esquecendo do essencial quando estamos manuseando este


aparelho: a postura.

Os malefícios da má postura ao uso do smartphone são dores na cervical e dores


nos ombros.

O conselho de medicina diz que as dores por conta da má postura no uso do celular
será a doença do século.

Um pequeno histórico sobre a cervical: Médico ortopedista, Thiago Barbosa Caixeta


explica que o maior risco do uso excessivo do smartphone, do ponto de vista ortopédico,
são as dores musculares por má postura. “A posição com flexão anterior do pescoço por
muito tempo, sobrecarrega a cervical e a região entre os ombros, podendo levar a dor
muscular, que se não tratada corretamente pode evoluir para dor crônica e de difícil manejo.
Além dos movimentos repetitivos com as mãos e punho que podem evoluir para tendinites”,
explica.

Colocar a cabeça para baixo na hora de olhar a tela do celular aumenta a cifose, a curvatura
torácica. Os músculos da região do pescoço e dos ombros ficam contraídos e pouco
oxigenados, o que provoca sensação de formigamento e queimação. Quanto maior o grau
de inclinação, maior a probabilidade de sentir dor no longo prazo. “As grandes vítimas são
principalmente pessoas sedentárias, que habitualmente não se exercitam e fazem uso do
celular por longo período de tempo”, explica o ortopedista.

O peso que sobrecarrega a cervical em um ângulo de 60° é, em média, de 27


kilos.

As dores na cervical e nos ombros podem começar branda, partirem para um quadro
de dores agudas e terminarem em dores crônicas, sejam brandas ou agudas.

Quero dar a você algumas dicas que serão fundamentais para melhorar tua postura:
traga o celular ao teu campo de visão; distância entre os olhos e o aparelho: 40cm a 50 cm;
se estiver sentado apoie o cotovelo em uma mesa ou algum suporte que esteja ao alcance

Finalizando: Quero ensinar alguns exercícios de alongamento que auxiliam na


postura ao uso do smartphone que são capazes de, evitar, amenizar ou até sarar essas
dores na cervical: Alongamento frontal, posterior, lateral esquerdo e direito e circulação de
360º com o pescoço.