Você está na página 1de 157

Agentes agressores

Msc. Douglas Rambo


Célula
 É definida como unidade fundamental de qualquer organismo.

 Constituída por íons minerais, grande quantidade de água (65%),


proteínas, ácidos nucléicos, lipídeos, polissacarídeos e moléculas
orgânicas menores.

 Estrutura Celular: de acordo com o tipo estrutural de célula que


compõe o corpo dos organismos, ele podem ser classificados em
Eucariontes e Procariontes.

 Os Vírus: não são considerados seres vivos, pois não possuem


organização celular. Assim, pode-se afirmar que a célula é a
unidade biológica de todos os seres vivos.
Tipos de células
Microrganismos
Procariotos
Bactérias
(Eubactérias)
Procariotos
 Célula procariota (pro=primeiro, e
cario=núcleo): são células sem carioteca,
o material nuclear se encontra disperso no
citoplasma, apresentam ribossomos e
mesossomos, ricos em enzimas
respiratórias.

 Os seres que possuem células procariotas


são chamados seres procariontes. Ex.:
bactérias e algas azuis e verdes.
ULTRA-ESTRUTURA DE
MICRORGANISMOS PROCARIÓTICOS

Flagelo:
 São filamentos finos,de natureza protéica (10-20nm espessura), que
se estendem a partir da membrana citoplasmática e atravessam a
parede celular,
 Possuem 3 partes: corpo basal, gancho e um filamento.

 Função: de locomoção
MONOTRÍQUIAS

LOFOTRÍQUIAS

ANFITRÍQUIAS

PERITRÍQUIAS
Fímbrias ou pili (pêlo):
São apêndices protéicos, ocos, curtos, que lembram pêlos
encontrados, sobretudo, na superfície de bactérias Gram-negativas.
(polímero de pilina)

 Não têm função locomotora

 Fixação da bactéria ao tecido do hospedeiro.

 Há as fimbrias F (sexual) que transmitem material genético de uma


bactéria a outra (conjugação)
Glicocálice: (cápsula ou camada
limosa)
 Camada geralmente de natureza polissacarídica (Ex.:glicana),
acoplada à parede celular
–Cápsula (material organizado firmemente ligada à parede celular)
–Camada limosa (material desorganizado NÃO aderido
“firmemente” à parede celular) Permite que a bactéria deslize
sobre superfície sólida
Função:
–aderência e proteção das bactérias (contra a ação de glóbulos
brancos e vírus)
–As bactérias que possuem cápsula são
mais resistentes
Parede celular
Constituição: a parede celular dos procariontes pode variar, (sendo
que alguns não possuem parede celular).

 Estrutura rígida e porosa que envolve externamente a membrana


plasmática de todas as células bacterianas, com exceção das
bactérias do grupo das micoplasmas.
 Determina a forma da bactéria e garante sua integridade estrutural.

 Essa estrutura é formada por uma complexa matriz polissacarídica


denominada de peptidioglicano ou mureína
Peptideoglicano (aminoácidos + N-acetilglicosamina+ácido N acetilmurâmico)

 Estrutura rígida que mantém a forma da célula, evitando


rompimento

 Serve como barreira a algumas substâncias e enzimas (impede e


permite a passagem de acordo com a conveniência
De acordo com a parede celular, as
bactérias podem ser
1) ARQUEOBACTÉRIAS: parede celular incomum (sem
peptidoglicano)

2) EUBACTÉRIAS
a) MICOPLASMAS: sem parede celular
b) GRAM + : com parede celular composta por:
- camada espessa de peptideoglicano
- sem membrana externa
c) GRAM – : com parede celular composta por:
- camada fina de peptideoglicano
- com membrana externa
Membrana externa
 É formada por bicamada de fosfolipídeos
 Lipoproteínas (lipídeos + proteínas)
 Lipopolissacarídeos (lipídeos + carboidratos) (só ocorrem na
membrana externa, portanto só nas Gram -)
 São seletivamente permeável
Membrana citoplasmática:
 É formada por bicamada de fosfolipídeos (20 a 30%)
 Lipoproteínas (lipídeos + proteínas)
 Proteínas (50 a 70%)
 São seletivamente permeáveis.
 Proteínas e enzimas estão envolvidas na seleção de
compostos
 As proporções dos componentes são variáveis, dependendo
da espécie bacteriana e das condições de cultivo.
 Os ácido Graxos dos lipídios são responsáveis pela
condição hidrofóbica (apolar) da porção interna da
membrana enquanto a parte hidrofílica (polar) dos
mesmos fica exposta ao meio externo aquoso.
ULTRA-ESTRUTURA DE
MICRORGANISMOS PROCARIÓTICOS
 Mesossomos:
invaginações da membrana citoplasmática,possuem diversas
funções (na divisão celular e na respiração
Existem dois tipos:

A) Central, que desempenha importante papel na divisão


celular, pois, após a duplicação do DNA, ao qual se encontra
ligado, atua como o fuso no processo de divisão da célula,
separando os dois cromossomos e conduzindo-os para os
pólos da célula. Além disso participa também da formação das
paredes transversais

B) Lateral, encontrada em determinadas bactérias, tem como


função concentrar enzimas envolvidas no transporte
eletrônico, conferindo à célula maior atividade respiratória ou
fotossintética.
ULTRA-ESTRUTURA DE
MICRORGANISMOS PROCARIÓTICOS

 Mesossomos:
ESTRUTURAS INTERNAS DE
MICRORGANISMOS PROCARIÓTICOS

 Citoplasma: possue em torno de 80% de água onde estão dispersos


DNA, ribossomos e grânulos de reserva

 Nucleóide (cromossomo circular): é constituído por uma única


molécula de DNA, sem membrana nuclear

 Plasmídeos: moléculas menores de DNA, também circulares,


capazes de autoduplicação, possuidoras da genes que
determinam características especiais à bactéria, como:
resistência aantibióticos

 Ribossomos: são o sítio de síntese protéica

 Grânulos de reserva: são polímeros de glicose (amido e glicogênio),


ácido beta-hidroxibutírico, fosfato e enxofre
ESTRUTURAS DE DIFERENCIAÇÃO DE
MICRORGANISMOS PROCARIÓTICOS
 Endosporos ou esporos:
São estruturas de resistência encontradas dentro da célula,
normalmente chamados de endósporos.
 É uma célula, formada no interior da célula vegetativa, capaz de
permanecer em estado latente por longos períodos e de germinar
dando ínicio a nova célula vegetativa.

Confere resistência às bactérias (temperatura, pH, substâncias tóxicas)


Encontrados com maior frequência nos gêneros Bacillus eClostridium.
 Se formam pelo esgotamento de nutrientes ou carência de uma
substância necessárias ao desenvolvimento vegetativo.
Resistência dada a impermeabilidade do cortex e da camada externa
(capa), elevada percentagem de cálcio e ácido dipicolínico e baixa
concentração de água (5 a 20%).
Célula Eucariótica
Células eucariotas (eu=verdadeiro, e
cario=núcleo): Presentes nos seres
eucariontes, com carioteca e organóides
celulares estruturados. Ex.: protozoários,
fungos, algas.
Célula Eucariótica
Estrutura de Célula de Microrganismo Eucarioto:
possui membrana nuclear e organelas
ULTRA-ESTRUTURA DE
MICRORGANISMOS EUCARIÓTICOS
 Flagelos e cílios:
 Estruturas finas utilizadas para locomoção:
 flagelos são maiores e em menor quantidade
 cílios são menores e em maior quantidade
 Protozoários possuem flagelos ou cílios
 Algas unicelulares possuem flagelos
 Parede celular
 Mantém a forma da célula evitando sua lise
 Fungos: possuem parede celular rígida,
constituída principalmente por quitina e celulose
 Algas: possuem parede celular rígida constituída de
polissacarídeos (celulose) e carbonato de cálcio
Obs.: os protozoários não possuem parede celular (possuem carapaça externa)
ULTRA-ESTRUTURA DE
MICRORGANISMOS EUCARIÓTICOS

 Membrana Citoplasmática:
 É constituída de uma bicamada de fosfolipídeos,
possui proteínas, carboidratos e esteróis
 São semipermeáveis

 Fungos : membrana possue ergosterol

 Protozoários: membrana possue as proteínas actina


e miosina que confere reforço)
ULTRA-ESTRUTURA DE
MICRORGANISMOS EUCARIÓTICOS
Organelas são estruturas envolvidas por membrana e possuem
funções específicas:

 Todas as organelas são ligadas por


membranas
 Todas as organelas são compostas por
proteínas que:
 Fornecem forma à organela
 Transportam molécula através das membranas
 Fornecem características à organela
 Núcleo
 Envolvido por membrana nuclear com poros que
permitem a passagem de proteínas e RNA
 Contém o material genético celular (DNA)

 Protozoários e fungos podem possuir mais de um


núcleo

 Retículo Endoplasmático (liso e rugoso)


 RE liso: síntese de glicogênio, esteróis e lipídeos
 RE rugoso: apresenta ribossomos, é o sítio da de
síntese proteínas
Retículo Endoplasmático
liso X rugoso
 Complexo de Golgi
 Sacos membranosos achatados
 Empacotamento de enzimas (lisossomos) que no citoplasma
participam da digestão de compostos
 Liberação do seu conteúdo para fora da célula (exocitose)
 Mitocôndria
 formada por duas membranas lipoprotéicas
 Membrana interna possui invaginações (cristas)

 Local onde moléculas de ATP ricas em energia são


geradas durante o processo de respiração
 Lisossomo
 vesícula ou compartimento onde as proteínas e outras
moléculas são degradadas;
 contém enzimas digestivas;
 proteases (que degradam as proteínas)
 nucleases que degradam os ácidos nucléicos–DNA, RNA);
 O interior é bastante ácido.
 Esporos e Cistos
 Formas latentes, que podem sobreviver em condições
desfavoráveis e podem ter função de reprodução
 Fungos produzem esporos:

 sexuados (fusão de gametas), são menos frequentes e em


menor número
 assexuados (sem fusão de gametas), são produzidos
aos milhares (podem ser brancos, azuis, negros, etc.)
 Protozoários produzem cistos:
 Cistos de proteção (são resitentes a ausência de alimentos,
acidez e ausência de oxigênio)
 Cistos de reprodução (são menos resitentes e
importantes
na transmissão para o hospedeiro)
 Buscar as diferenças fundamentais das
células procariotas das eucariotas

 Caracterizar as células e suas organelas


Bactérias
BACTÉRIAS
 Microrganismo Procariótico :
 sem membrana nuclear e organelas

 Unicelulares
 Apresentam uma única célula
 Células entre 0,5 a 10 micra (m) de diâmetro ou
largura (maioria está entre 0,5 e 1 m)
 As células de bactérias podem ser vistas no
microscópio com aumento de 400 a 1000 vezes
 Podem ser benéficas ou maléficas
Estrutura da célula bacteriana
Morfologia

Cocos : forma esférica


Bacilos e Vibrio:forma de bastonete
Espirilos e Espiroqueta: forma de espirais
Outras: estrela, quadrada, pleomórficas
Morfologia - colônias
 diplococos: dois cocos:
 estreptococos: vários cocos em fileira;
 tétrades: quatro cocos;
 estafilococos: vários cocos semelhante a cacho de uva;
 sarcinas: vários cocos em arranjos cúbicos;
 diplobacilos: dois bacilos;
 paliçada: bacilos alinhados lado a lado;
 Roseta: bacilos se apresentam presas a uma superfície.
 estreptobacilos: vários bacilos em fileira;
 Tricomas: bacilos se apresentam alinhadas em cadeias,
porém tem uma área de contato muito maior entre as
células adjacentes .
paliçada roseta

estreptobacilos tricomas
Nutrição
AUTÓTROFAS: fotossíntese ou quimiossíntese
Nutrição
HETEROTROFAS:
saprófitas = decomposição por enzimas da matéria orgânica
“morta” (PUTREFAÇÃO): “reciclagem" de sais ...

fermentação = ausência de O2 : álcool; vinagre; coalhada; queijos


(“cura”)...

mutualismo = “nódulos” de raízes de leguminosas (feijão,


ervilha) (FIXADORAS DE N2 NO2- ; NO3-)

parasitas patogênicas (doenças)


Classificação – parede celular
 Presente :
Gram negativa – subgrupos por motilidade e necessidade
de oxigênio
Gram positiva – subgrupos por morfologia e bioquímica

 Ausente: micoplasmas
Classificação – parede celular

TÉCNICA DE GRAM (+) = cor “roxa” GRAM (-) = cor “rósea”


GRAM(1884) :
 ácido teicóico +  lipopolissacarídeos
 esfregaço (30’). ribonucleato de Mg  mucopolissacarídeo
 violeta genciana  mucopolissacarídeos s (<10%)
(1’) =corante. (>60%) (peptidoglicano)
 lugol (1’) = (peptidoglicano)  Pressão osmótica
“mordente”.  Pressão osmótica 25 8 atm
 água corrente. atm
 álcool 95 oG.L.
 fucsina diluída =
corante.
 água corrente =
lavar secar.
Classificação – parede celular
 Esquema ilustrando o
espesso peptideoglicano de
bactérias Gram positivas
(Adaptado de Madigan et al.,
Brock Biology of
Microorganisms, 2003)
Classificação – parede celular
 Esquema da parede celular
de organismos Gram
negativos
(Adaptado de Madigan et al.,
Brock Biology of
Microorganisms, 2003)
Eubactérias Gram-negativas
GRUPO CARACTERÍSTICAS HABITAT
Espiroquetas Helicoidais; flexíveis; flagelo Na água e no lodo, em insetos,
periplasmático animais e seres humanos; vários
são patógenos humanos
Bacilos encurvados Helicoidais, em forma de vibrião Na água ou no solo; parasitas de
aeróbios ou microaerófilos ou de anel; flagelo polar ou animais; alguns são patógenos
imóveis humanos
Cocos e bacilos aeróbios Bastonetes ou cocos Na água ou no solo; alguns são
patógenos humanos, de animais
ou plantas
Bacilos anaeróbios Bastonetes retos ou vibriões Intestino do homem ou de
facultativos animais e alguns são patogênicos;
no solo, na água ou nas plantas
Bactérias anaeróbias Bastonetes retos, encurvados ou Ambiente, formando H2S; trato
helicoidais e cocos intestinal, causando infecções
teciduais
Fototróficos anoxiogênicos Anaeróbios que usam a luz como Ambientes aquáticos
fonte de energia e não produzem o
oxigênio
Fototróficos oxigênicos Usam a luz como fonte de energia No solo e na água
e produzem oxigênio
Bactérias deslizantes Bastonetes ou filamentos; No solo e na água
deslizam em superfícies úmidas;
alguns formam corpos de
frutificação
Bactérias com bainha Bastonetes em cadeia ou Saprófitas aquáticas
filamentos envolvidos por uma
bainha tubular
Bactérias gemulantes e/ou Reproduzem-se por brotamento Saprófitas aquáticas ou do solo
apendiculadas e/ou formam prostecas ou
pedúnculos
Quimiolitotróficos Obtêm energia pela oxidação da No solo e na água
amônia, nitrito, compostos
sulfurados reduzidos, ferro ou Mn;
Bacilos encurvados

Aquaspirillum
Cocos e Bacilos

Acetobacter
Fototróficos oxigênicos (Cianobactérias)

Anabaena
Quimiolitotróficos

Nitrobacter
Eubactérias Gram-positivas
GRUPO CARACTERÍSTICAS HABITAT
Cocos Aeróbios, anaeróbios facultativos ou Saprófitas ou parasitas;
anaeróbios; alguns são resistentes à algumas são patógenos
radiação humanos
Bactérias esporuladas Bastonetes ou cocos que formam No solo, na água, em insetos,
endósporos resistentes ao calor; animais e humanos; alguns são
Aeróbios, anaeróbios facultativos ou patogênicos
anaeróbios
Bacilos regulares Aeróbios ou anaeróbios facultativos No solo, na água, em produtos
alimentares, no homem e em
animais; alguns causam doença
humana
Bacilos irregulares Exibem saliências, possuem forma Alguns são patogênicos para
de Y ou V, ou têm um ciclo coco- humanos, animais ou plantas
bacilo; Aeróbios, anaeróbios
facultativos ou anaeróbios
Micobactérias Bastonetes aeróbios álcool-ácido Saprófitas ou parasitas; alguns
resistentes são patogênicos para o homem
Actinomicetos Aeróbias; formam micélio composto No solo
de hifas ramificadas; multiplicam-se
por fragmentação ou por produção
de conidiósporos ou
esporangiósporos; alguns produzem
antibióticos
Cocos

Streptococcus Staphylococcus
Bactérias esporuladas

Antrax
Bacillus cereus
Bactérias esporuladas

Bacillus thuringiensis
Bactérias esporuladas

Clostridium botulinum
Actinomicetos
Definição:
São bactérias que tendem a formar filamentos
ramificados chamados hifas, onde algumas famílias
desenvolvem um conjunto desses filamentos
(micélio). Essas são as principais diferenças entre
actinomicetos e as bactérias comuns.
Importância:
Os actinomicetos tem grande aplicação industrial,
pois muitas espécies produzem antibióticos. Além
disso produzem também vitaminas B12 e enzimas
como a glicose-isomerase, que converte glicose em
frutose e xilose em xilulose – indústrias de alimentos.
Actinomicetos
Ecologia: São encontrados principalmente no solo.
Alguns fatores que delimitam a existência dos
actinomicetos:
• matéria orgânica – são heterotróficos e utilizam carbono
orgânico para seu crescimento.
• faixa de pH ideal para o crescimento - 6,5 a 8,0.
• Temperatura – são mesófilos, com faixa ideal de 28 a
35°C.
• Umidade – interfere no seu crescimento e por isso, há
preferência por baixo teor de umidade (solos secos,
cerrado).
Actinomicetos

Morfologia:
Macroscópica: Quando cultivados em meio sólido (ágar)
as colônias aderem-se a ele, são secos e apresentam
aspecto farináceo, podendo apresentar coloração variadas.
Apresenta um cheiro característico de “terra molhada”.
Em meio líquido (caldo), há formação de grumos (flocos),
que ficam em suspensão ou sedimentam.
Actinomicetos
Morfologia:
Microscópica: Existe uma infinidade de tipos de
Filamentos (hifas), com formação de micélio vegetativo e do
micélio aéreo, além dos esporos.
Micélio vegetativo – parte do micélio que penetra no ágar,
cuja função é retirar do meio os nutrientes.

Micélio aéreo – parte do micélio que fica acima do ágar,


produz esporos e é responsável pela reprodução dos
actinomicetos.
Actinomicetos

Morfologia:
Os esporos se formam por um processo assexuado
a medida que há esgotamento de nutrientes. São
menos resistentes que os esporos de bactérias.
Outra forma de reprodução é através da divisão
binária simples ou por fragmentação das hifas, onde
cada pedaço dará origem a um novo actinomiceto.
Isolamento em
meio sólido Micélio
vegetativo

Micélio
aéreo
Actinomicetos
Estrutura celular:
Parede celular
Estrutura de maior importância (taxonomia) cuja composição
varia devido a existência de 60 variedades de mureína
(peptídeoglicano).
Todos os actinomicetos são Gram +.

Membrana citoplasmática e Citoplasma


Mesmas características das bactérias.
Actinomicetos
Nutrição:
Fonte de C
• heterotróficos – quimioheterotróficos

Fonte de N
•N orgânico (aminoácidos, peptonas)
•N inorgânico (nitratos e sais de amonia)

Sais minerais
•fósforo, cobre, magnésio, cobalto, zinco, etc...
Actinomicetos
Condições de cultivo:
Oxigênio
•Aeróbios
Temperatura
•Mesófilos (28 - 37°C)
pH
•Neutrófilas (6,5 – 8,0)
Tempo de crescimento
• Em torno de 14 dias
Actinomicetos

Exemplos de actinomicetos:
Streptomices griseus – Streptomicina
Streptomices venezuela – Cloromicetina ou
Clorafenicol - cocos Gram+ aeróbicos e anaeróbicos.
Streptomices lincolnensis – Lincomicina – Gram +
(estreptococo, pneumococo, estafilococo)
anaeróbicos.
Micoplasmas
 Não possuem parede – coram-se como Gram negativos
 Possuem plasticidade – podem assumir formas diferentes
 Atravessam os poros dos filtros bacteriológicos
 Podem inchar e romper-se quando repentinamente diluídos
com água
 Não são inibidos por penicilina, apenas por antibióticos que
atuam sobre outros processos metabólicos ou celulares
 Membrana contém colesterol
 Habitam as mucosas do homem e animais, podendo ser
patogênicos
 Gênero Spiroplasma – são helicoidais, mesmo sem parede;
são móveis, mesmo sem flagelo
Reprodução das bactérias
 Reprodução assexuada das bactérias: divisão
binária ou cissiparidade.
Duplicação do material hereditário, que está ligado
ao mesossomo (reentrância da membrana
plasmática). A célula começa a crescer e os
mesossomos afastam-se, levando consigo um
cromossomo. Logo após, a célula se divide, dando
origem a duas células-filhas com a mesma
bagagem hereditária da célula-mãe. O processo
dura aproximadamente 20 minutos.
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
 Reprodução sexuada - recombinação gênica

Regra geral: em qualquer mecanismo de recombinação


gênica nas bactérias, somente uma fração do
cromossomo da bactéria doadora é transferida para a
bactéria receptora. A fração doada corresponde a uma
porção duplicada do cromossomo.
Reprodução das bactérias
 Conjugação bacteriana.

Duas bactérias unem-se temporariamente através de


uma ponte citoplasmática. Em uma das células,
denominada "doadora" ou "macho", ocorre a duplicação
de parte do cromossomo. Essa parte duplicada separa-
se e, através da ponte citoplasmática, passa para outra
célula, denominada "receptora" ou fêmea", unindo-se ao
cromossomo dessa célula receptora. Esta ficará, então,
com constituição genética diferente daquela das duas
células iniciais. Essa bactéria "recombinante" pode
apresentar divisão binária, dando origem a outras
células iguais a ela.
Reprodução das bactérias
 Conjugação bacteriana.

Duas bactérias unem-se temporariamente através de


uma ponte citoplasmática. Em uma das células,
denominada "doadora" ou "macho", ocorre a duplicação
de parte do cromossomo. Essa parte duplicada separa-
se e, através da ponte citoplasmática, passa para outra
célula, denominada "receptora" ou fêmea", unindo-se ao
cromossomo dessa célula receptora. Esta ficará, então,
com constituição genética diferente daquela das duas
células iniciais. Essa bactéria "recombinante" pode
apresentar divisão binária, dando origem a outras
células iguais a ela.
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
 Transformação
Griffith (pneumococos) = de pedaços de DNA de
“bactéria estranha”, dispersos no meio, algum é
incorporado, em condições especiais e a bactéria
passa a exibir o fenótipo (característica) da
“doadora”. Os cientistas têm utilizado a
transformação como uma técnica de Engenharia
Genética, para introduzir genes de diferentes
espécies em células bacterianas (bactérias
transgênicas).
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
 Transdução

Transferência de material genético de uma


bactéria para outra, através de vírus
bacteriófagos ou fago (= vetor).
Reprodução das bactérias
Importância das Bactérias
•na farmacêutica - produção de antibióticos :
- tirotricina ; bacitracina ; subtilina ; polimixina B.
-ACTINOMICETOS- bactérias, mesmo lembrando
fungos: estreptomicina;
aureomicina;terramicina.

•na agricultura fixação do nitrogênio (raízes de


leguminosas: feijão, ervilha); parasitas (fitopatologia).

•na indústria vinagre (fermentação acética); coalhadas


(fermentação lática); queijos (“cura”): “duros”: Cheddar;
parmesão; “moles”: Limburger.
Microrganismos
Eucariotos
Fungos
CARACTERÍSTICAS

 Considerados como vegetais, somente a


partir de 1969 passaram a ser classificados
em um reino à parte.
 Diferenciação das plantas: não sintetizam
clorofila, não têm celulose na sua parede
celular, exceto alguns fungos aquáticos, e não
armazenam amido como substância de
reserva.
CARACTERÍSTICAS

MACROFUNGOS - representados pelos


COGUMELOS, importantes como alimento e em
toxicologia (tóxicos e alucinógenos). Recentemente
muitas pesquisas estão encontrando indícios de
atividade imunomoduladora neles.

MICROFUNGOS - representados pelos


BOLORES e LEVEDURAS, com inúmeros
aspectos importantes para o homem.
macrofungo
microfungo

Candida albicans
Penicillium
Os fungos são responsáveis pela
destruição de restos orgânico

Os fungos gostam de ambientes


úmidos, como este tronco de
árvore no meio da mata
Microscopia eletrônica de varredura do fungo filamentoso
Aspergillus niger. Microrganismo utilizado na produção de
enzimas hidrolíticas com potencial para formulação de
detergentes biodegradáveis. (Micrografia obtida e
gentilmente cedida por Melissa Camassola e Dr. Elliot
Kitajima )
Alexander Fleming. Em destaque,
cultura de Penicillium expansum

Os fungos são fundamentais para


o preparo de pães e vinhos e
alguns queijos
CARACTERÍSTICAS
 Eucarióticos, não fotossintéticos
 Podem possuir parede celular
 Unicelulares ou multicelulares
 Microscópicos ou macroscópicos
 Formam esporos
 São heterotróficos e nutrem-se de matéria
orgânica morta (fungos saprofíticos) ou viva
(fungos parasitários).
Formas de vida
Os fungos podem ser saprófitas ou parasitas.
• Saprófitas – alimentam-se de matéria orgânica em
decomposição vegetal e animal.
• Parasitas – vivem às custas de outro ser vivo, vegetal ou animal.
Quando um parasita está no vegetal é chamado de fitopatogênico,
quando parasita animais, causa as doenças chamadas micoses.
•Os fungos podem crescer associados às algas formando os
liquens. Esta associação ou simbiose onde os dois envolvidos são
beneficiados é conhecida como o mutualismo. Nesta condição, os
liquens tornam-se organismos pouco exigentes, sobrevivendo aos
ambientes mais hostis. Normalmente são os pioneiros na
instalação de uma comunidade.
Micose
couve-flôr
•Os fungos podem formar associações simbióticas
(mutualísticas) com raízes de plantas superiores
denominadas Micorrizas. (solos fumicados)
Fungos ligados às maldições de faraós - esporos
ESTRUTURA
 Os fungos podem se desenvolver em meios de cultivo
especiais formando colônias de dois tipos:

- Leveduriformes - são pastosas ou cremosas,


formadas por microrganismos unicelulares que
cumprem as funções vegetativas e reprodutivas.

- Filamentosas - podem ser algodonosas,


aveludadas ou pulverulentas; são constituídas
fundamentalmente por elementos multicelulares em
forma de tubo—as hifas.
ESTRUTURA
 As hifas podem ser contínuas ou cenocíticas
e tabicadas ou septadas.
ESTRUTURA
 Ao conjunto de hifas, dá-se o nome de micélio.
- Micélio vegetativo - se desenvolve no interior
do substrato, funcionando também como elemento
de sustentação e de absorção de nutrientes.
- Micélio aéreo - se projeta na superficie e
cresce acima do meio de cultivo.
- Micélio reprodutivo - o micélio aéreo se
diferencia para sustentar os corpos de frutificação
ou propágulos.
Imagem de microscopia de varredura eletrônica (cores
adicionadas) de micélio fúngico com as hifas (verde), esporângio
(laranja) e esporos (azul), Penicillium sp. (aumento de 1560 x).
CLASSIFICAÇÃO - critérios
 Características dos esporos sexuais e corpos
de frutificação presentes durante os estágios
sexuais
 Natureza dos ciclos de vida
 Características morfológicas de seu micélio
vegetativo ou de suas células
Fungos
4) Classificação:

Categoria Taxonômica Características relevantes


cenocíticos sem hifas
Fungos limosos não possuem parede celular
ou não na fase vegetativa assemelham-se a
Filo Mixomycota
amebas
verdadeiros reprodução sexuada formando esporângeos
onde ocorre a meiose
unicelulares ou filamentosos (hifas
Fungos Filo Eumycota - Classe Oomicetes cenocíticas)
- Classe Zigomicetes reprodução sexuada sem corpos de
inferiores frutificação
Fungos unicelulares ou filamentosos (hifas
verdadeiros septadas)
Filo Eumycota - Classe Ascomycetes reprodução sexuada por ascosporos
Fungos
contidos em corpos de frutificação Perfeitos
(ascocarpo)
Fungos filamentosos com hifas septadas
superiores reprodução sexuada por basidiosporos
Filo Eumycota - Classe Basidiomycota
contidos em corpos de frutificação
(basidiocarpo)
filamentosos com hifas septadas Fungos
Filo Eumycota - Classe Deuteromycota não se conhecem formas de reprodução
sexuada
imperfeitos
CLASSIFICAÇÃO
 Fungos perfeitos – todos os estágios sexuais
conhecidos
 Fungos imperfeitos (Deuteromycetes)

 Reino Fungi – fungos limosos, fungos


inferiores flagelados, fungos terrestres
Fungos limosos
 Durante uma de suas etapas de crescimento
assemelham-se aos protozoários: não possuem
parede celular, possuem movimentos amebóides e
ingerem nutrientes particulados.

 Durante a etapa de propagação formam corpos de


frutificação e esporângios apresentando esporos
com paredes como os fungos típicos.
Ciclo de vida
Fungo limoso
Fungos Inferiores Flagelados
 Grupos: Chytridiomycetes,
Hyphochytridiomycetes,
Plasmodiophoromycetes e Oomycetes

 Incluem todos os fungos, com exceção dos


limosos, que produzem células flageladas em
alguma fase do seu ciclo de vida.
Oomycetes
Quitrídio
Fungos Terrestres

 DIVISÃO ZYGOMYCOTA, ZYGOMYCETES,


ZIGOMICETOS
Hifas cenocíticas. A reprodução pode
ser sexuada, pela formação de zigósporos
e assexuada com a produção de esporos,
os esporangiósporos, no interior dos
esporângios.
•São utilizados na elaboração de produtos
comerciais valiosos:
-Molho de soja (shoyu), saque, tofu, misso.
-Ácidos orgânicos (ác. cítrico, ác. Lático,
oxálico, ác. Acético, etc…)
-Esteróides para drogas contraceptivas e
antiinflamatória.
Reprodução assexuada
Reprodução assexuada interna
Fungos Terrestres

 DIVISÃO ASCOMYCOTA, ASCOMYCETES,


ASCOMICETOS
Fungos de hifas septadas, sendo o septo
incompleto. A sua principal característica é o
asco, estrutura em forma de saco ou bolsa, no
interior do qual são produzidos os ascosporos,
esporos sexuados, com forma, número e cor
variáveis para cada espécie. Algumas espécies
produzem ascocarpos e ascostromas no interior
dos quais se formam os ascos Conídios
(assexuados).
•Bolor rosa do pão – Neurospora crassa.

•Fungos em forma de taça e trufas.


• Alguns ascomicetos são phytopatogênico
outros formam Micorrizas.
• Os ascomicetos Claviceps purpurea
produzem alcalóides alucinógenos,
incluindo os precursores do LSD, quando
infectam o centeio ou outros cereais. Fungão
– toxina ergotina – patologia ergotismo.
ASCOS
Conídios
Fungos Terrestres

 DIVISÃO BASIDIOMYCOTA, BASIDIOMYCETES,


BASIDIOMICETOS
Compreende fungos de hifas septadas, que
se caracterizam pela produção de esporos
sexuados em forma de clava, os basidiósporos,
típicos de cada espécie. Conídios ou propágulos
assexuados podem ser encontrados.
•Fungos superiores, perfeitos, com mais de 25.000
espécies.
•Muitas espécies são comestíveis (Agaricus),
outras são venenosas (Amanita) e outras
alucinógenas (Stropharina e Psilocybe).
• Ex: orelha-de-pau, cogumelos.
Cogumelos
Shiitake

Cogumelos

Champignom
Fungos Terrestres

 DlVISÃO DEUTEROMYCOTA,
DEUTEROMYCETES, DEUTEROMICETOS
Engloba fungos de hifas septadas que se
multiplicam apenas por conídios e por isso são
conhecidos como Fungos Imperfeitos. Os
conídios podem ser exógenos ou estar contidos
em estruturas como os picnídios.
A. niger
NUTRIÇÃO
Fonte de C
• heterotróficos – quimioheterotróficos - gostam de
glicose e polissacarídeos
Fonte de N
• N orgânico (aminoácidos, peptonas)
• N inorgânico (nitratos e sais de amonia)
Sais minerais
• fósforo, cobre, magnésio, potássio, cobalto, zinco, etc...
CONDIÇÕES DE CULTIVO

•Oxigênio: aeróbios estritos.


• pH: crescem em faixas muito grande – 2 à 9.
• Temperatura: a maioria dos fungos é mesófilo.
(25 à 30°)
APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

•Produção de antibióticos
• Produção de enzimas
• Produção de ácidos orgânicos
• Maturação de queijos (odor característicos)
• Produção de alcool e bebidas alcoólicas
Leveduras
Leveduras
Conceito:
Microrganismos unicelulares imóveis (não possuem flagelos) da classe
dos ascomicetos, heterotróficos (fonte de C é o C orgânico). Podem
exercer metabolismo oxidativo ou fermentativo e apresenta processo
de reprodução característico chamado gemulação ou brotamento.

Habitat:
Como são heterotróficos, surgem onde há alimento, preferencialmente
açúcar, frutas, plantas, solos de pomares, etc…
Leveduras
Morfologia:
Forma
• Redondas, ovais ou cilíndricas.
• Apresentam pleomorfismo – uma mesma levedura pode ter diferentes
formas dependendo da idade, condições de cultivo, meio, etc…

Dimensões:

• São normalmente maiores que as células bacterianas, variam de 0,5 a 3


microns de diâmetro e 30 microns de comprimento.

• Ao microscópio é fácil diferenciar bactérias de leveduras.


Leveduras

Fisiologia:
Metabolismo:
• Oxidativo – é aquele em que a célula realiza o ciclo de
Krebs, rendendo bastante energia para a síntese do
material celular (sobrevivência), em presença de O2 e baixa
concentração de açúcar.

• Fermentativo – é aquele que ocorre na ausência de O2 e


alta concentração de açúcar. Ocorre a glicólise, na qual
ocorre a transformação do piruvato em etanol.
Leveduras
Nutrição:
• São heterotróficos, usam como fonte de carbono açúcares mono e
dissacarídeos (glicose, frutose, sacarose e maltose).
• Algumas leveduras usam fontes não muito convencionais, tais como
querosene.
Amilase – amido – maltose............................Celulase – celulose – celobiose.
• Fontes de Nitrogênio: sais de amônia.
• Fontes de Enxofre: sulfetos inorgânicos.
• Sais minerais: sais de Na+, K+ e Mg+.
• Vitaminas: são exigentes, necessitam de adições de vitaminas e algumas
delas servem para acelerar o crescimento das leveduras.
• 80% da célula é água.
Leveduras

Condições de cultivo:

• Oxigênio: aeróbios estritos e anaeróbicos.


• pH: crescem em meio ácido – 4 à 6.
• Temperatura: de 5 à 35°, sendo a maioria mesófila.
• Tempo de incubação: 24 à 48 horas
Leveduras

Reprodução:
Assexuada: gemulação ou brotamento (principal meio
de reprodução das leveduras)
• Não há mistura de material genético.
• As leveduras são identificadas (ao microscópio) pela produção de
gemulas ou brotos. A classificação se dá pelo número de gêmulas e em
que parte da célula ela se forma.
Leveduras

Reprodução:
Assexuada: fissão binária
• Ocorre o alongamento da célula com a formação de um septo, pelo
qual a célula se divide em duas iguais.
• As duas células-filhas ficam deformadas pelo aparecimento do
apêndice, evidenciando a fissão.
Saccharomyces cerevisiae
Brotamento Schizosaccharomyces pombe
Fissão
Leveduras
Reprodução:
Assexuada: esporos exógenos (Blascósporos)
• Os esporos são produzidos na interseção da gêmula que não se solta
da célula- mãe.

Pseudomicélio
Leveduras
Reprodução:
Sexuada: esporos endógenos (Ascósporos)
• Acontece em condições específicas, e é evitada industrialmente, pois
as células filhas possuem características genéticas diferentes das
células mães.
• Ocorre mistura do material genético, os núcleos se fundem.

Esféricos Anelados
Leveduras
Classificação:
a) Leveduras com esporos
• Com esporos sexuais (Ascósporos) –
Saccharomycetacea
• Com esporos assexuais (Blascósporos) –
Sporobolomycetaceae
b) Leveduras sem esporos
• Cryptococcaceae
Leveduras
5) Classificação:
Gêneros e espécies de maior interesse:
• Saccharomyces cerevisiae, S. ellipsoideus e S. calbergensis,
agentes normais da fermentação alcoólica.
• Zygosaccharomyces, com capacidade de se desenvolverem em
líquidos com alta concentração de açúcar. E por isso,
responsáveis pela deterioração de mel, melaço e xaropes.
• Schizosaccharomyces, Muito comum na superfícies de frutos,
no solo, no bagaço e em substratos.
Leveduras
5) Classificação:
Gêneros e espécies de maior interesse:
• Picchia, Hansenula e Debaryomyces responsáveis pela
formação de filme na superfície de líquidos de origem
vegetal, ácidos.
• Saccharomyces, leveduras apiculadas, indesejáveis na
fermentação da uva para produção de vinho.
• Endomyces vernalis , utilizável na síntese de produtos graxos.
• Endomyces fiberliger, levedura capaz de produzir amilase.
Leveduras
6) Aplicações Industriais:

• Lêvedo de panificação (fermento biológico). Sua ativação se


dá pela utilização do açúcar, ocorrendo assim a liberação do
CO2 e a expansão da massa.
• Proteína. As leveduras mortas, decorrente do tempo ou da
temperatura são consumidas como suplementos alimentares.
Leveduras
6) Aplicações Industriais:

• Bebidas. Produzidas a partir da fermentação alcoólica por


leveduras, variando a matéria-prima e a linhagem da levedura.
a) Fermentadas: há separação das células da fase líquida. Ex:
cerveja, vinho, saque...
b) Fermentadas e destiladas: ocorre separação da fase líquida
seguida de destilação. Ex: cachaça, rum, uísque. Etanol
combustível, produzido por fermentação alcoólica.
Microrganismos
Eucariotos
Protozoários
EUCARIOTO: Protozoários

 Unicelulares :1 a 2000 micra (µm)


 podem ser
 fixos
ameba
 móveis: cílios, flagelos ou pseudópodes
Morfologia dos Protozoários
 Podem ser :
 ovais, esféricos ou alongados

Classificação dos Protozoários

 rizópodes ou sarcodíneos - locomovem-se


através de pseudópodes.

 flagelados ou mastigóforos - locomovem-se


através de flagelos.

 ciliados - locomovem-se através de cílios.


 esporozoários - desprovidos de organelas
locomotoras.
Rizópodes

Amoeba proteus
Sarcodina
Flagelados

Chilomonas

Giardia
Ciliados (Cilophora)

Paramecium, 1-micronúcleo, 2-cílios


Esporozoários ( Sporozoa)

Plasmodium

Toxoplasma gondii
Microrganismos
Acariotos
Vírus
Sem estrutura celular: Acarioto

ACARIOTO : Vírus

 acelulares, menores que procariotos e eucariotos


 material genético coberto por um envoltório protéico
 não têm vida independente
 se multiplicam no interior das células vivas (parasitas
intracelulares)
 compostos por RNA ou DNA (um ou outro)
• material genético nucleocapsídio
• envoltório protéico = capsídeo
•capsídeo é formado por capsômeros
•envelope se une ao capsídeo por proteínas
•envelope é formado a partir de células do
hospedeiro
Vírus
- infecta bactérias = bacteriófago
VÍRUS EBOLA
HIV
Morfologia dos Vírus

 baseada na arquiquetura do capsídeo,


apresenta-se sob diferentes formas:
 Vírus helicoidais
 Vírus poliédricos
 Vírus envelopados
 Vírus complexos