Você está na página 1de 9

Entrevista concedida a Regis Tadeu em 1995


Fotos: Thiago Almeida (thiagodealmeida.com)

SLASH
SLASH
Afogando o Guns no Brasil
Simplicidade, humildade, simpatia, bom humor,
autenticidade. Depois de ler esta entrevista
exclusivíssima, todas essas palavras não serão
suficientes para traduzir a minha impressão a respeito
dessa figura mundialmente conhecida.

Contrariando todos os prognósticos – inclusive da


própria produtora e de seu empresário, que alegaram
não haver tempo hábil para qualquer papo exclusivo –
Slash aceitou dar uma entrevista que não duraria mais
do que 30 minutos, mas que acabou se estendendo por
quase duas horas! Durante a conversa ele revelou
detalhes muito interessantes de sua personalidade e dos
bastidores do show business.

2
Para começar o nosso papo,
gostaria de saber quais foram as
suas influências musicais depois
que você tomou contato com o rock
and roll pela primeira vez.

Essa é uma questão muito simples e


complicada ao mesmo tempo. Nasci
em 1965 e meus pais eram os mais
autênticos hippies do universo. Quando
comecei a ouvir música, os sons legais
que rolavam na época, no final dos
anos 60 e início da década de 70,
vinham do Steppenwolf, Rolling Stones,
The Who, Joni Mitchell, Led Zeppelin,
The Who e de toda aquela moçada.
Pouco tempo depois, houve uma
mudança nos sons que rolavam em
casa, e eu passei a ouvir também
Aerosmith, Ted Nugent e Cheap Trick.
Fui bastante influenciado por essa pelos velhos mestres do blues, como caras e já naqueles tempos meu som
“salada” e confesso que ainda ouço Muddy Waters, John Lee Hooker e B.B. era muito parecido com o que faço
esses sons com um puta prazer. King, entre tantos outros. hoje, já que sempre fui influenciado
pelas bandas e artistas que acabei de
Apesar do surgimento da disco music, Quando você começou a tocar em mencionar. E vai ser assim para o resto
daquelas bandas de glam e outras bandas? de minha vida (risos). Embora eu esteja
merdas que tocavam no início da MTV ouvindo muito Nine Inch Nails
nos anos 80, sempre fiz questão que o atualmente, não pretendo tocar com
Imediatamente após ganhar minha
Guns ‘n’ Roses nadasse contra essas eles. Tenho meu próprio estilo e seguirei
primeira guitarra, aos quinze anos.
correntes. Além disso, sempre tive com ele até a morte.
Comecei a tocar com um monte de
enorme admiração e respeito imenso

3
Você lembra qual foi essa guitarra? Claro! Ele fez muito sucesso com Como você se sentiu realmente
aquele hit “You Make Me Feel quando o Gun ‘n’ Roses, que antes
Era uma cópia de uma Gibson Les Paul, (Mighty Real)... tocava em pequenos clubes para
um lixo. Também, pelo preço que meus uma plateia bem próxima aos
pais pagaram nela (risos)... Em certa Ele mesmo! Esse cara me deu um rato palcos, se tornou um fenômeno de
ocasião, fiquei tão puto que arrebentei de presente! E eu tive o bicho por sete histeria coletiva e passou a tocar
essa guitarra na parede. longos anos! (gargalhadas) O Sylvester em estádios imensos para um
era muito louco. Ele e o Sly Stone foram público gigantesco?
Soube que sua mãe foi figurinista e os sujeitos mais malucos que conheci
estilista, chegando a desenhar naqueles tempos. De certa forma, essas Cara, você não tem noção de como
roupas para vários artistas, como pessoas acabaram influenciando a isso me desequilibrou. Tudo o que
David Bowie e Iggy Pop. Você minha maneira de ser, no sentido de aconteceu com o Guns nos últimos
chegou a ter contato com essa que a melhor coisa do mundo é o fato tempos foi o que me motivou a formar o
gente famosa? Isso o influenciou de de você poder fazer aquilo que gosta da Snakepit. Depois de um tempo tocando
alguma forma? melhor maneira possível. em um esquema monstruoso, você
acaba sentindo falta de um contato
Com Iggy nem tanto, mas Bowie Hoje existe certa paranoia em relação mais próximo com a plateia, com os
ao comportamento das pessoas nos fãs. Você acaba perdendo o elemento
conversava comigo com frequência.
Estados Unidos: você tem que comer mais importante do rock and roll: a
John Lennon e Ringo Starr também
apenas alimentos saudáveis, fazer diversão.
estavam sempre lá em casa, assim
como James Taylor e Carly Simon, que exercícios, não deve beber, não fumar,
não usar drogas, não trepar (risos)... Na Numa banda como o Guns você nunca
eram casados na época e sempre
América do Sul, as pessoas são mais sabe direito quanto tempo vai passar
apareciam. Eu era apenas um garoto e
relaxadas com essas coisas e na excursionando e quanto tempo vai ficar
ficava olhando todo aquele pessoal
legal entrando e saindo da minha casa, Europa as tradições dos costumes parado. Eu mesmo fiquei sem controle
estão enraizadas na cultura. de minha própria vida! É claro que tudo
e dizia “uau, quanta gente
maneira!” (risos). Você lembra do o que aconteceu conosco foi muito
Sylvester? legal, mas eu precisava voltar a tocar
rock and roll e, principalmente, a me
divertir com isso.

4
É verdade que você compôs as sobre a banda e o disco que estávamos Por falar em outros sons, o que
canções do Snakepit que ouvimos gravando, o cara ficou muito puto e você anda ouvindo fora do universo
no álbum de estreia, It’s Five o’ armou uma tremenda confusão, que do rock? Quais são os seus sons
Clock Somewhere, para o Guns ‘n’ ainda estamos tentando resolver (rios). favoritos atualmente?
Roses e todas elas foram recusadas
pelo Axl Rose? Parece que um dos pontos Bem, antes de responder tenho que
conflitantes entre vocês é o fato de frisar que detesto ouvir música em casa.
O que aconteceu na realidade foi o que Axl anda mais interessados em Para mim, esse é um tipo de ritual que
seguinte: eu realmente mostrei algumas baladas meio sinfônicas, com piano tem que ser feito dentro do carro,
dessas composições para o Axl e ele e arranjos de cordas, enquanto dirigindo. Tenho ouvido muito
não quis usá-las porque está a fim de você continua a fim de fazer um Soundgarden, o Pretty Hate Machine do
traçar um rumo diferente para o nosso som mais direto e agressivo, não? Nine Inch Nails, uma coletânea dos
próximo álbum, o que foi basicamente o Rolling Stones chamada Jump Back e
motivo que levou o Gilby (Clarke) a Cara, você definiu muito bem. Eu quero voltei a ouvir o Rocks, do Aerosmith, e o
deixar a banda. fazer um som que continue a ser Highway to Hell, do AC/DC.
coerente comigo mesmo. De certa
Como eu não conseguiria aproveitar forma, sou um purista do rock and roll. Fora da área do rock and roll, tenho
essas músicas com o Guns e muito Gosto de outros tipos de sons, mas o ouvido muito Mozart, algumas trilhas
menos havia qualquer previsão de meu negócio ainda é plugar a guitarra, sonoras de desenhos animados, Steely
quando entraríamos em estúdio aumentar o volume e fazer aquela zorra Dan e Stevie Wonder, que aprendi a
novamente, resolvi montar o Snakepit toda (risos). Axl está em uma “viagem” gostar por causa de minha mãe, que o
com o Matt (Sorum, baterista do Guns bem particular e isso, obviamente, amava. Se você prestar muita atenção,
‘n’ Roses), Gilby, Mike (Inez, baixista do acaba gerando alguns conflitos. Por dá para ouvir umas pitadas de soul
Alice in Chains) e o Eric (Dover, ex- isso, se ele está a fim de compor music no som do Guns (risos)...
vocalista do Jellyfish). Só que quando canções sobre ex-amores e golfinhos
estávamos no meio das gravações do (risos), o melhor caminho seria ele Vamos falar a respeito de Five o’
It’s Five o’ Clock Somewhere, o Axl ligou gravar seu próprio álbum solo e não Clock Somewhere. De onde veio a
para mim e disse que tinha mudado de querer impor esses temas para o inspiração para esse título?
ideia e que iria aproveitar algumas das restante da banda.
canções que eu havia mostrado Eu estava no aeroporto de Los Angeles,
anteriormente a ele. Quando lhe contei

5
esperando o vôo que levaria o Guns eletrônico de bateria e fomos para o (risos). O Alice in Chains também não é
para Inglaterra, pois iríamos tocar no meu estúdio, onde eu mostrei algumas mole (mais risos). Então, resolvi trazer o
festival de Donnington. Eu não estava daquelas canções que havia feito e James (LoMenzo, baixista) e o Brian
muito legal, tinha discutido com alguém, mostrado para o Axl. Depois o Gilby (Tichy, baterista)...
e para fazer hora, resolvi ir até um bar e apareceu e trouxe duas músicas, “Dime
disse ao garçom “sei que são dez da Store Rock” e “Monkey Chow”. Ficamos Que formam a cozinha rítmica do
manhã, mas traga um Jack Daniels e tocando por um tempo até que o Mike Pride & Glory, o projeto paralelo do
uma Coca”. Quando ele trouxe as trouxe o seu baixo maravilhoso e Eric Zakk Wylde.
bebidas, disse: “Bem, de qualquer trouxe umas letras que foram
forma, são cinco horas em algum rapidamente colocadas em cima dos Sim, isso mesmo. São uns caras muito
lugar”. Cara, fiquei muito tempo arranjos já prontos. Gravamos tudo e legais e toparam o convite
pensando nessa frase e descobri que ficamos alguns meses tocando por aí, instantaneamente.
ela tem um sentido especial para mim dando um tempo depois para que Eric
(risos). e Gilby pudessem gravar seus
Aliás, e esse lance de o Zakk ter
respectivos discos, e para que eu
tocado com o Guns? Vai rolar algo
Algo como “todo problema tem uma pudesse construir um novo estúdio,
pois o anterior foi destruído por causa mais sério?
solução”.
do terremoto de Los Angeles.
Ele realmente esteve fazendo umas
Exatamente! Significa que sempre há
Por que Sorum e Inez não vieram ao jams conosco, mas acabou não rolando
uma luz no fim de um túnel, que
algo além disso porque o estilo dele não
devemos sempre olhar as coisas sob Brasil com você?
encaixou com o som da banda. Ele é
outros prismas, tipo “vamos relaxar e
um guitarrista excepcional, mas não
resolver tudo da melhor maneira Matt não veio porque é muito
funcionou como esperávamos dentro
possível”. importante para o futuro do Guns ‘n’
do som da gente.
Roses que ele esteja junto com o Axl.
Como foi o processo de Não queria que nenhum conflito
Obviamente, o processo de
composição para o álbum? emocional surgisse pelo fato e ele estar
aqui comigo. E Mike não veio porque composição no Snakepit foi muito
ele também toca em uma banda muito diferente daquele utilizado no Guns,
No meio do ano passado, Matt
parecida com o Guns, ou seja, né?
apareceu lá em casa com um kit
recheada de problemas existenciais

6
Certamente. Com o Guns, eu mostro Duff acharam “muito funky” e não se Acima de tudo, o estilo de cada um tem
uma ideia ao Axl e ele grava, leva a fira interessaram. Fiquei muito feliz em que ser respeitado e preservado. Em
para a casa e fica trabalhando em cima. poder aproveitá-lo em uma canção uma banda, todos têm que caminhar
O problema é que seis meses depois dele. Fiz também o solo de guitarra para em uma mesma direção musical dentro
ainda estamos trabalhando em cima da “Fields of Joy” e todo mundo envolvido de seus respectivos estilos. Esse foi o
mesma música (Slash diz isso com um adorou. Já com o Michael foi um lance motivo pelo qual o lance com Zakk não
indisfarçável tom de desânimo na voz). bem diferente, meio “sintético”, com funcionou no Guns. Eu cheguei a fazer
Por isso que o lance com o Snakepit todos aqueles samplers em um estúdio uma jams com o Pride & Glory e foi
me dá um prazer imenso, pois é uma completamente diferente e com muito legal porque sou extremamente
relação de trabalho completamente leve pessoas muito diferentes também... adaptável, mas quando fomos tocar
e desencanada. Se eu tivesse ficado em juntos no Guns tudo soou muito
casa esse tempo todo, me E o som totalmente limpo... barulhento, pois somos dois
preocupando com as coisas e guitarristas-solo e o Axl não conseguia
problemas do Axl e do Duff (McKagan, (interrompendo) Menos a minha cantar “Sweet Child o’ Mine” do jeito
baixista do Guns), eu teria enlouquecido guitarra! (risos). Fui até lá e fiz a coisa que ele queria (risos).
(risos). todo com o meu estilo. No fim, todas
essas experiências foram muito Você tem uma característica bem
Teriam sido esses os motivos que o enriquecedoras para mim. E para você peculiar, que é a de compor riffs
levaram a aceitar os convites de ter uma ideia disso, vou te contar que extremamente marcantes, daqueles
gente como Lenny Kravitz e até do estou gravando umas coisinhas com a que ficam imediatamente grudados
Michael Jackson para tocar em Carole King em uma garagem (risos). É na memória das pessoas. Quais são
algumas faixas de seus discos um lance totalmente diferente das as suas fontes de inspiração nesse
recentes? Foi um meio de preservar outras participações e muito legal! campo criativo?
a sua identidade musical?
Já que estamos falando a respeito Basicamente, “The Ocean”, do Led
Nunca havia pensado nisso sob esse de seu estilo, como funciona na sua Zeppelin, e “Back in the Saddle”, do
ponto de vista, mas creio que você tem cabeça o “método” de Aerosmith. O meu estilo pode ser
razão. No disco do Lenny eu usei um riff entrosamento com outros definido por meio dessas duas músicas.
(em “Always on the Run”) que eu havia guitarristas? Quando estou em turnê, fico no meu
composto para o Guns, mas o Axl e o quarto compondo dezenas de riffs até

7
encontrar algum no qual eu possa praticando escalas na guitarra ou algo porque esse solo pintou meio que na
trabalhar em cima. Aí, fico tocando do tipo? hora, foi completamente espontâneo,
várias vezes até sentir que alguma não entrei para tocá-lo com alguma
melodia de vocal pode ser encaixada Para mim, o melhor exercício musical melodia fixa na cabeça. É legal saber
nele. Compor riffs é algo que me deixa está no nato de compor. Não sento e que as pessoas curtiram...
completamente “ligado”. fico tocando escaladas simplesmente
porque não sei nada a respeito delas Antes de gravar um álbum, você faz
Muitos anos atrás, eu estava tentando em termos teóricos. Toco apenas algum tipo de pesquisa para saber
tranar com uma garota muito algumas progressões ao longo do qual o melhor som de guitarra para
interessante que estudava comigo na braço do instrumento. O ideal para mim cada canção, que timbres vai usar
mesma escola, embora em classes seria passar o dia inteiro compondo em determinados trechos?
diferentes. Depois de muito papo, riffs, criando solos ou apenas fazendo
consegui que ela me convidasse a ir até jams, como aconteceu agora na Para ser sincero, uso um mesmo som
a casa dela. Estava tudo armado para Argentina, quando toquei de improvisos de guitarra em todas as canções (risos).
rolar um lance legal entre a gente, até com garotos de dezessete anos em um Com exceção de algumas baladas e em
que ela colocou um disco para “criar clube em Buenos Aires. “Back an’ Forth Again”, em que usei
um clima”: o Rocks, do Aerosmith, e uma Fender Stratocaster para fazer os
justamente na faixa “Back in the Existe uma versão ao vivo de solos, meu som não muda.
Saddle”. Nunca tinha ouvido nada “Knockin’ on Heaven’s Door” que
parecido com aquilo! Fiquei tão tem um solo de guitarra bem Para terminar, a pergunta que todo
alucinado que pedi a ela para colocar a diferente da versão em estúdio e as mundo deseja saber a resposta: o
música para tocar várias vezes pessoas aqui no Brasil ficaram
seguidas. Não dei a menor atenção à que vai acontecer com o Guns ‘n’
literalmente chapadas com ele. Roses?
garota e nem me toquei onde estava.
Como pintou essa ideia?
Final da história: não transei com a
garota e tive que voltar para a minha Em agosto voltarei a ter contato com
Você deve se referir à versão ao vivo Axl e Duff, vamos ver o que irá
casa de bicicleta! (gagalhadas gerais)
mais recente que fizemos, pois existe acontecer. Para ser sincero, nem eu
uma versão mais antiga, gravada ao mesmo sei (risos)...
Você costuma fazer algum tipo de
vivo no Marquee, em Londres... É muito
aquecimento antes de subir ao estranho você perguntar a respeito,
palco? Faz alguns exercícios

8
Reparei que algumas letras do
Snakepit são um pouco sombrias,
especialmente em “Lower”, que a
meu ver fala de suicídio. Nesse caso
específico, você está se referindo
ao suicídio da Savanahh (famosa
atriz pornô que namorou com Slash
poucos meses antes desta
entrevista e que se matou depois de
sofrer um acidente que mutilou
parte de seu maravilhoso corpo)?

Sim e não. Apesar de a maior parte


dessa letra ter sido composta pelo Eric
e eu ter acrescentado apenas algumas
linhas, nós dois tínhamos em mente
essa tragédia que aconteceu com ela.
Acho que essa letra fala mais a respeito
de amizade, de como é difícil ver uma
pessoa que você ama despencando e
desperdiçando a sua vida, de como
você tenta trazê-la de volta e não
consegue. Sem, contar que o suicídio
do Kurt Cobain foi mais ou menos na
mesma época. A gente ficava se
perguntando “que diabos está
acontecendo com as pessoas?”.
Quando o Gilby ligou para o estúdio
contando o que havia acontecido com
ela, o choque foi geral.