Você está na página 1de 5

TRABALHO DE ANATOMIA

PROFESSOR GERSON

ALUNA = VIVIA FREIRE DE SOUSA

EDUCAÇÃO FÍSICA NOTURNO – 1º SEMESTRE DE 2014

RA 1462860

1. Descrever o processo de ossificação e reparação dos ossos.

R= Existem 2 tipos de processos de ossificação, a ossificação intermembranosa e ossificação


endocondral.
Ossificação Intermembranosa - Ocorre no interior de uma membrana conjuntiva. O processo se
inicia pela diferenciação de células mesenquimais indiferenciadas em células
osteoprogenitoras, ou seja, células já comprometidas com a formação de osteoblastos. O
blastema ósseo, formado por uma condensação de células osteoprogenitoras, é fonte de
osteoblastos. Uma vez formados, os osteoblastos iniciam o processo de síntese do osteóide,
aprisionam-se nele e originam os osteócitos.
As trabéculas dos vários grupos confluem, dando ao osso um aspecto esponjoso. Os espaços
entre as trabéculas ósseas são invadidos por vasos sanguíneos e por células mesenquimais
indiferenciadas que vão dar origem à medula óssea. O processo de ossificação
intramembranosa contribui para o crescimento dos ossos curtos e para o crescimento em
espessura dos ossos longos.
Ossificação endocondral - Ocorre a substituição de cartilagem por osso. Como o tecido ósseo,
o tecido cartilaginoso é também um tecido de sustentação, embora sua matriz não seja
mineralizada. A cartilagem (do tipo hialina) é revestida externamente pelo pericôndrio, um
tecido conjuntivo que contém as células sintetizadoras da matriz cartilaginosa, os
condroblastos. Semelhante ao osso, os condroblastos, ao sintetizarem a matriz, ficam
aprisionados no interior delas, originando os condrócitos. Esse tipo de ossificação é o principal
responsável pela formação de ossos curtos e longos. Num osso longo em desenvolvimento, o
primeiro tecido ósseo a aparecer é formado por ossificação intramembranosa. A proliferação
vascular, como observado, aumenta as tensões de oxigênio no pericôndrio, levando os
condroblastos à morte. Células mesenquimais indiferenciadas trazidas pelo sangue
diferenciam-se em osteoblastos, que substituem os condroblastos mortos e começam a
sintetizar a matriz óssea. Com o aumento das tensões de oxigênio, os condrócitos começam a
hipertrofiar e formam a zona de cartilagem hipertrófica. Tem início a calcificação da matriz, pois
são nela depositados os sais de cálcio trazidos pela corrente sangüínea. Os condrócitos
morrem e a matriz calcificada forma a zona de cartilagem calcificada. Os espaços
anteriormente ocupados pelos condrócitos vão alojar a medula óssea.
Processo de regeneração de uma fratura simples - Quando um osso é fraturado,
imediatamente ocorre hemorragia (em virtude dos vasos lesados), destruição da matriz e morte
das células ósseas. O processo de reparação requer, em primeiro lugar, a remoção do
coágulo, da matriz e das células destruídas, o que é feito pelos macrófagos do tecido
conjuntivo. O tecido conjuntivo do periósteo prolifera e logo é substituído por cartilagem hialina,
isto é, pelo calo cartilaginoso, que começa a sofrer ossificação endocondral. Simultaneamente,
o endósteo e o periósteo, da área próxima à lesão, proliferam, originando células
osteoprogenitoras que formam um calo ósseo em torno da fratura e entre as extremidades
ósseas rompidas por ossificação intramembranosa. Esse osso formado por ambos os
processos de ossificação é inicialmente imaturo, e vai, gradativamente, sendo substituído por
osso maduro.

2. Descrever as características anatômicas e funcionais de uma articulação sinovial.

R= As articulações sinoviais realizam a comunicação entre uma extremidade óssea e outra,


garantindo-lhe movimento, e são compostas de cartilagem que revestem as extremidades
ósseas, ligamentos, líquido sinovial, cápsula articular .
O tecido cartilaginoso é constituído por um material intercelular rico em fibras colágenas e
condrina, uma substância mucopolissacarídica. Esses componentes são produzidos por células
‘chamadas condroblastos.
A cartilagem é desprovida de vasos sanguíneos. Os nutrientes difundem-se pela substância
intercelular a partir de vasos sanguíneos localizados no tecido conjuntivo que envolve a
cartilagem, chamado pericôndrio (peri: ao redor; condro: cartilagem). No pericôndrio também
existem fibroblastos que podem dar origem em condroblastos, permitindo assim o crescimento
e, eventualmente, a regeneração do tecido cartilaginoso.
Na coluna vertebral, existem dois tipos de articulações: as diartroses e as anfiartroses, que são
brevemente descritas abaixo:
Diartroses: são as articulações verdadeiras; apresentam superfície revestida de cartilagem,
com líquido sinovial e cápsula articular.
Anfiartroses: são as articulações “falsas”; recebem essa denominação pelo fato de não
apresentarem as características essenciais de uma articulação sinovial. No entanto, permitem
a produção de movimento. São responsáveis pelos movimentos da coluna. Apresentam
pequenos movimentos.
Algumas articulações da coluna apresentam características especiais. São estas:
Articulação occipitoatlóidea – apresenta grande quantidade de ligamentos, que realizam a
manutenção e a proteção dessa articulação.
Articulação atlantoaxoidea – tem a estabilidade garantida, graças à presença dos ligamentos
transverso e cruciforme, além do ligamento nucal, que protege contra uma excesiva flexão da
cabeça.
Articulação sacroilíaca- apresenta pouquíssima mobilidade; suas superfícies articulares são
revestidas por cartilagens. Os ligamentos sacroilíacos aumentam a sua estabilidade.
Articulações sacrococcígeas- apresenta diversos ligamentos, o que garante bastante
estabilidade a essa região.
Sínfise púbica- também conta com muitos ligamentos, é uma articulação do tipo anfiartrose.

3.Descrever as características dos tipos de tecido muscular.

R= Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e


outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e
das artérias. As células dos tecidos musculares são alongadas e recebem o nome de fibras
musculares ou miócitos. Em seu citoplasma, são ricas em dois tipos de filamento protéico: os
de actina e os de miosina, responsáveis pela grande capacidade de contração e distensão
dessas células. Quando um músculo é estimulado a se contrair, os filamentos de actina
deslizam entre os filamentos de miosina. A célula diminui em tamanho, caracterizando a
contração.
Tipos de tecido muscular
Há três tipos de tecido muscular: estriado esquelético, estriado cardíaco e liso. Cada um deles
tem características próprias, adequadas ao papel que desempenham no organismo.

4. Descrever a circulação sanguínea.

R= As células de todos os seres vivos necessitam de alimento e também de


oxigênio. No caso do ser humano, seu corpo apresenta órgãos especiais que
possuem a função de digerir os alimentos a fim de absorverem o oxigênio do
ar (digestão e respiração), contudo, é necessário que esse alimento seja
levado para todas as células. Para isso, existe o sistema circulatório, que leva
o alimento e o oxigênio para todas as partes do corpo.

Componentes: O sistema composto pelas artérias e veias que levam o sangue


aos pulmões e em seguida ao coração, é chamado de pequena circulação. Já
no caso do sangue que parte do coração pelas artérias, seguindo em direção
ao resto do corpo e retornando pelas veias, recebe o nome de grande
circulação.

5. Descrever a laringe e sua função.

R= A laringe é um órgão curto, de forma cônica, constituído de cartilagens, músculos e


ligamentos. Está localizada na região do pescoço, entre a quarta e sexta vértebra cervical,
conectando a faringe à traqueia. Seu tamanho é variável, sendo maior em homens, em face da
influência de hormônios.
Exerce função respiratória e fonatória, e também impede a entrada de partículas estranhas nas
estruturas respiratórias.
Possui nove peças cartilaginosas: cartilagem tireoidea, epiglote e cartilagem cricoide; e as
cartilagens cuneiforme, corniculada e aritenoide, que se apresentam em pares.

6. Descrever a anatomia e função dos órgãos anexos do sistema digestório.

R= Os órgãos anexos são aqueles que, mesmo não fazendo parte do tubo digestivo, se
comunicam com ele através de canais, desempenhando um papel importante na digestão.
São eles: glândulas salivares, pâncreas e fígado.

Anatomia das glândulas salivares: Há três pares de glândulas salivares (GLÂNDULA


PARÓTIDA, GLÂNDULA SUBLINGUAL e a GLÂNDULA SUBMANDIBULAR).
Anatomia do Pâncreas: Possui a forma de um “C”, com uma perna alongada e localiza-se
totalmente no retroperitônio. Ele é dividido em 4 porções: cabeça, colo, corpo e cauda.

Anatomia do Fígado: É a maior glândula exócrina do corpo humano, localizado no hipocôndrio


direito, pesa entre 1.300 e 1.500 gramas, nos homens, e 1.200 gramas nas mulheres. Possui
quatro lobos: o direito (o maior), o esquerdo, o quadrado, o caudado. Unindo os lobos esquerdo
e direito, há o ligamento falciforme; e fazendo a junção entre o fígado e o músculo Diafragma,
há dois ligamentos: o triangular e o coronário

As Glândulas Salivares - São três pares de glândulas que produzem a saliva, lançada por meio
de canais.
• Parótidas: Situam-se adiante do ouvido e são as maiores.
• Subliguais: Localizam-se sob a língua.
• Submaxilares: Ficam sob o osso maxilar.

A saliva é um líquido principalmente constituído de água. Serve para formar o bolo alimentar e
inicia o processo digestivo, transformando o amido.

O Pâncreas - É uma glândula situada atrás do est6omago que produz o suco pancreático,
lançado no duodeno através do canal de Wirsung. O pâncreas produz também a insulina, que
é lançada diretamente no sangue.

O Fígado - É a maior glândula do corpo humano e situa-se à direita do estômago. Produz a


bile, que é lançada do duodeno pelo canal colédoco, num ponto chamado ampola de Vater. A
bile é um líquido amarelo-esverdeado que se acumula num órgão ovóide situado sob o fígado,
chamado vesícula biliar.

7. Descrever a anatomia e a função dos rins.

R= Anatomia dos rins: Possuem formato de feijão, com uma borda convexa e outra côncava,
na qual se encontra o hilo, de onde sai e entram o ureter, os nervos e vasos sanguíneos. O hilo
possui também dois ou três cálices, que se reúne para originar a pélvis renal, parte superior,
dilatada, do ureter. O ruim é formado pela cápsula, de tecido conjuntivo denso, a zona cortical
(camada mais externa e pálida) e a zona medular (zona mais interna e escura).

Os rins apresentam como função:

 Expulsar do organismo substâncias tóxicas provenientes do metabolismo, como uréia


e creatinina;
 Manter o equilíbrio de eletrólitos no organismo;
 Regular o equilíbrio ácido-básico, mantendo o pH sanguíneo constante;
 Regular a osmolaridade e volume de líquido corporal, retirando do corpo o excesso de
líquido;
 Eliminação de substâncias exógenas, como fármacos;
 Síntese de hormônios, como eritropoetina, cininas e prostaglandinas;
 Modificar a forma da vitamina D que alcança o rim, após ocorrida a conversão em uma
forma possível de ser transportada na corrente sanguínea;
 Produção de urina para desempenhar suas funções de excreção.
8. Descrever a anatomia e a função dos testículos.

R= Anatomia dos testículos: são órgãos pares (um D e outro E), de forma ovóide e estão
localizados dentro de uma bolsa músculo-cutânea denominada bolsa escrotal ou escroto. São
envoltos por duas túnicas: a albugínea, que é mais interna, e a vaginal, que é mais externa.

Os testículos são órgãos espermatogênicos, responsáveis pela produção de espermatozóides.


A porção glandular dos testículos produz hormônios responsáveis pelos caracteres sexuais
secundários masculinos.

9. Descrever a anatomia e a função do útero.

R= Anatomia do útero: Normalmente em forma de pêra e sobre o tamanho de um punho. É na


sua área pélvica, entre a bexiga eo reto. No topo de cada lado do útero são conexões para
seus trompas de falópio. O outro lado de suas trompas de falópio anexar aos seus ovários. A
parte inferior do útero é chamado o colo do útero. Ele conecta o útero para a vagina. A parede
do útero tem três camadas: Endométrio, Miométrio, serosa.

Sua função principal é receber o óvulo fertilizado e lhe dar todas as condições para seu
desenvolvimento. O óvulo fertilizado se dirige ao útero ainda como um embrião, dentro deste
órgão, ele se torna um feto que se desenvolverá no decorrer da gestação.

10. Descrever a função do sistema endócrino.

R= Dá-se o nome de sistema endócrino ao conjunto de órgãos que apresentam como atividade
característica a produção de secreções denominadas hormônios, que são lançados na corrente
sangüínea e irão atuar em outra parte do organismo, controlando ou auxiliando o controle de
sua função. Os órgãos que têm sua função controlada e/ou regulada pelos hormônios são
denominados órgãos-alvo. Os hormônios influenciam praticamente todas as funções dos
demais sistemas corporais. Freqüentemente o sistema endócrino interage com o sistema
nervoso, formando mecanismos reguladores bastante precisos. O sistema nervoso pode
fornecer ao endócrino a informação sobre o meio externo, ao passo que o sistema endócrino
regula a resposta interna do organismo a esta informação. Dessa forma, o sistema endócrino,
juntamente com o sistema nervoso, atuam na coordenação e regulação das funções
corporais.